EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO"

Transcrição

1 EFEITO DO PORTA-ENXERTO NO VIGOR, RENDIMENTO E QUALIDADE DO MOSTO DA CASTA JAEN, NUM TERROIR DO DÃO Vanda PEDROSO (1) ; Sérgio MARTINS (1) ; Jorge BRITES (1) ; Isabel ANDRADE (2) ; Carlos LOPES (3) (1) DRAPC CENTRO DE ESTUDOS VITIVINÍCOLAS DO DÃO NELAS. (2) ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA BENCANTA COIMBRA (3) INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA.TAPADA DA AJUDA, LISBOA RESUMO Com o objectivo de estudar o efeito do porta-enxerto no vigor, produção e qualidade da uva da casta Jaen, o Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão italou um eaio comparativo entre três porta-enxertos (, 1103 P e ), apresentando-se neste trabalho resultados relativos aos ciclos de 2002 a Verificaram-se diferenças na produção, no vigor e na qualidade do mosto nos vários anos. O ano de 2005 foi o de maior vigor, 2003 o que apresentou a maior produção e 2004 induziu o maior valor de álcool provável. O porta-enxerto induziu diferenças significativas nos componentes da produção e do vigor. O apresentou uma produção significativamente superior ao e 1103 P, os quais não diferiram entre si. O induziu um vigor significativamente inferior aos restantes que não apresentaram diferenças entre si. O efeito do porta-enxerto não conduziu a diferenças significativas no álcool provável e na acidez do mosto à vindima, mas os fenóis totais e o teor de taninos foram significativamente inferiores no 1103 P. Palavras chave: videira, produção,, 1103 P, SO INTRODUÇÃO O porta-enxerto surgiu na segunda metade do século XIX como forma de resolver o problema da filoxera. Actualmente tem sido coiderado como uma ferramenta no controlo do crescimento vegetativo, rendimento e qualidade da produção. Funciona como um elo de ligação entre a planta e o solo (fonte de nutrientes e água) e desta forma, assume uma importância extrema na fisiologia da videira (Smart et al., 2006). A complexidade dos factores envolvidos, fazem com que os resultados de estudos experimentais relacionando o efeito do porta-enxerto na alteração do vigor, na qualidade da produção e na capacidade de maturação da uva nem sempre sejam estatisticamente significativos nem coistentes (Nuzzo e Matthews, 2006). Ollat e colaboradores (2003) referem, com base num eaio de 25 anos, que os efeitos do porta-enxerto a longo prazo se verificam essencialmente na

2 relação entre o crescimento vegetativo e frutificação da videira. Nuzzo e Matthews (2006) referem que, frequentemente, factores como as técnicas culturais, o tipo de solo e principalmente o stress hídrico se sobrepõem ao efeito do porta-enxerto nas variáveis de rendimento e qualidade. A generalidade dos resultados reportados na bibliografia, mostra que o comportamento do porta-enxerto está dependente da casta e das condições edafoclimáticas em que os estudos são efectuados. Dada a importância que o porta-enxerto tem na italação de uma vinha, a informação obtida localmente é de extrema importância para o acoelhamento ao viticultor. Este trabalho, integra-se num conjunto mais vasto de estudos sobre porta-enxertos, iniciado no ano de 1946 no Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão, e tem por objectivo estudar o efeito de três porta- enxertos muito utilizados na região do Dão (1103 P, e ), no comportamento agronómico da casta Jaen. 2 - MATERIAL E MÉTODOS A parcela, italada em 1989 no Centro de Estudos Vitivinícolas do Dão (Folha 1C), com a casta Jaen, encontra-se numa zona de clima mediterrânico que se caracteriza por ter Invernos pluviosos e Verões quentes. O solo é de origem granítica, tem textura franco-arenosa, ácido, pobre em matéria orgânica e tem uma fraca capacidade de retenção de água. As plantas estão conduzidas num sistema monoplano vertical ascendente com poda em cordão Royat bilateral. A deidade de plantação é de plantas por hectare (1.80 x 1.00 m). A carga foi de olhos. O dispositivo experimental é do tipo blocos casualisados com três portaenxertos (1103 P, e ) e seis repetições de seis cepas cada. Os registos agronómicos foram efectuados cepa a cepa. Os dados referentes à composição do mosto foram obtidos através de amostras de 100 bagos por unidade experimental mínima, à vindima. São apresentados resultados de cinco anos (2002 a 2006). Os dados foram sujeitos a análise de variância e a comparação de médias foi feita pelo teste de mínima diferença significativa para um nível de probabilidade de 0.05, utilizando-se o programa SAS (SAS Ititute, Cary, NC, USA).

3 3 - RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Rendimento e seus componentes A produção da casta nos cinco anos em estudo apresentou grandes oscilações (Figura 1). O ano de maior produção foi 2003 e o de menor 2004, ano em que os três porta-enxertos apresentaram produções semelhantes. O baixo valor verificado neste ano deveu-se à ocorrência de elevada precipitação no início da maturação (100 mm), que conduziu a uma forte incidência de podridão cinzenta, seguida de um final de maturação caracterizado por tempo seco e quente, que provocou uma forte desidratação das uvas Produção(t/ha) P 99R Figura 1 Efeito do porta-enxerto no rendimento, em 5 anos coecutivos, na casta Jaen. No quadro 1 apresentam-se os valores referentes ao rendimento e seus componentes nos cinco anos em estudo. A produção média dos 5 anos foi significativamente superior no porta-enxerto, devido a um peso do cacho superior associado a um número de cachos ligeiramente superior. Este resultado é semelhante ao obtido neste local na casta Touriga Nacional (Pedroso et al., 2007) e concordante com a característica de indutor de fertilidade do apontada por diferentes autores (Duarte et al., 1991 e Magalhães, 2008). O comportamento médio dos dois outros porta-enxertos foi idêntico, no entanto, em 2003 o 1103 P apresentou uma produção significativamente inferior ao. Segundo Magalhães (2008) o 1103 P é um porta-enxerto que, na generalidade das situações, apresenta uma produtividade inferior aos da série Richter como é o caso do. Clímaco et al. (2003), em eaios na região da Estremadura referem que o 1103 P,

4 quando enxertado em castas mais vigorosas, induz um menor rendimento do que outros porta-enxertos como o, o e o 110 R. Quadro 1 Efeito do porta-enxerto no rendimento e seus componentes, na casta Jaen, ao longo de 5 anos (2002 a 2006). Porta- Enxerto Produção. (Kg/vid) Nº Cachos /videira Peso Cacho (g) P 2.0 b 2.0 b c b 2.8 a a P 3.4 c 13.3 c ab 4.2 b 6.1 a 18.4 b 21.7 a b a P P b b a P 3.1 b 3.4 b 16.4 b 17.8 b a 21.3 a Média 1103 P 2.8 b 12.1 ab b 3.0 b 11.7 b b 4.2 a 12.6 a a Nota: não significativo, e - significativo ao nível de 0,05 e 0,001 respectivamente pelo teste de Fisher. Em cada coluna valores seguidos da mesma letra não diferem significativamente ao nível de 0,05 pelo teste da MDS. 3.2 Vigor e seus componentes No quadro 2 apresentam-se os valores do vigor e seus componentes.o apresentou um peso médio de lenha de poda significativamente inferior aos outros dois porta-enxertos, devido a um menor número de sarmentos associado a um peso significativamente inferior. Este resultado foi verificado também na casta Touriga Nacional, no mesmo local (Pedroso et al., 2007) e está de acordo com o descrito por Duarte et al. (1991). Os porta-enxertos

5 1103 P e o apresentaram um vigor semelhante o que também foi verificado para a Touriga Nacional no mesmo local. O 1103 P apresentou uma relação frutificação/vegetação significativamente mais baixa, que indica a sua maior tendência para evidenciar uma maior expressão vegetativa. A indução do mais baixo índice de Ravaz pelo 1103 P é também referenciado por Clímaco et al, (2003). No entanto, todos os valores médios obtidos nos três porta-enxertos encontram-se dentro da gama de valores indicadores de equilíbrio da videira (Smart e Robion, 1991). Quadro 2 Efeito do porta-enxerto no vigor e seus componentes, na casta Jaen, ao longo de 5 anos (2002 a 2006). Peso Porta- Peso Lenha. Nº Sarmentos Sarmento Ravaz Enxerto (Kg/vid.) /videira (g) P P b b ab a a a P P 0.51 a b 0.39 b a 0.56 a a P b a 10.1 a Média 1103 P 0.47 a 0.37 b 12.1 ab 11.7 b 39.5 a 31.4 b 6.0 b 9.0 a 0.48 a 12.6 ab 38.1 a 9.1 a Nota: não significativo,, e - significativo ao nível de 0,05, 0.01 e 0,001 respectivamente pelo teste de Fisher. Em cada coluna valores seguidos da mesma letra não diferem significativamente ao nível de 0,05 pelo teste da MDS.

6 3.3 Qualidade do mosto Da análise da Figura 2, cotata-se que ao longo dos 5 anos de eaio se verificou uma forte oscilação do álcool provável. Os baixos valores dos anos 2002 e 2003, inferiores ao potencial da casta nesta região, estão associados às condições climáticas desfavoráveis ocorridas na fase final de maturação (precipitação elevada) no ano de 2002 e às produções muito elevadas do ano de 2003 (19 t/ha 1103 P a 33 t/ha ) Álcool Provável (%v/v) P 99R Figura 2 Efeito do porta-enxerto no álcool provável do mosto, em 5 anos coecutivos na casta Jaen. O porta-enxerto não influenciou significativamente o álcool provável e a acidez total do mosto. No ano de 2003, a acidez do mosto foi anormalmente baixa para esta casta, facto que poderá ser explicado pela incidência de podridão cinzenta e precipitação elevada (15mm) nas vésperas da colheita. O 1103 P apresentou o ph mais baixo, diferindo significativamente dos dois outros portaenxertos em estudo. O porta-enxerto não influenciou significativamente o teor médio de antocianas das películas (quadro 4). Nos dois anos em que se verificaram diferenças significativas (2002 e 2004), o 1103 P apresentou os valores mais baixos, enquanto que o e o tiveram comportamentos idênticos. Relativamente aos valores médios dos outros componentes cromáticos apresentados, fenóis totais e taninos, o 1103 P apresentou valores significativamente inferiores ao e, que não diferiram entre si.

7 Nesta situação o porta-enxerto 1103 P revelou-se como o menos favorável para a melhoria das componentes cromáticas da casta Jaen, que segundo Brites e Pedroso (2000), é uma casta com baixa concentração fenólica. Quadro 3 Efeito do porta-enxerto na composição do mosto à vindima, na casta Jaen, ao longo de 5 anos (2002 a 2006). Porta- Enxerto Álc. Prov. (% v/v) Ac Tot (g/l ác. tart) ph P a b b P a 4.20 a b 4.10 b a 4.00 b P P P Média 1103 P a b 3.71 b Nota: não significativo, e - significativo ao nível de 0,01 e 0,001 respectivamente pelo teste de Fisher. Em cada coluna valores seguidos da mesma letra não diferem significativamente ao nível de 0,05 pelo teste da MDS.

8 Quadro 4 Efeito do porta-enxerto no teor em antocianas, fenóis totais e taninos à vindima, na casta Jaen, ao longo de 5 anos (2002 a 2006). Porta- Enxerto Antocianas (mg/l) Fenóis Totais (IFC) Taninos (g/l) P 406 b 576 a 19 b 24 a 5.1 b 5 7 a 540 a 22 a 5.4 ab P P 247 b b 500 a a 470 a a P P Média 1103 P b 5.9 b a 45 a 6.3 a 6.2 a Nota: não significativo,, e - significativo ao nível de 0,05, 0,01 e 0,001 respectivamente pelo teste de Fisher. Em cada coluna valores seguidos da mesma letra não diferem significativamente ao nível de 0,05 pelo teste da MDS. 4 - CONCLUSÕES O porta-enxerto influenciou o rendimento da casta, tendo o apresentado o valor significativamente mais elevado. O vigor foi igualmente influenciado pelo porta-enxerto, tendo o apresentado os menores valores. Apesar do porta-enxerto não ter influenciado de forma significativa os valores médios do álcool provável, da acidez total e das antocianas, verificou-se que o 1103 P induziu os valores mais baixos de ph e o os maiores valores de fenóis e taninos.

9 Em resumo, pode-se afirmar que, para as condições ecológicas deste eaio, a casta Jaen` apresentou uma melhor afinidade com o porta-enxerto, o qual induziu uma produção mais elevada e uma melhor qualidade do mosto, sem comprometer a perenidade da videira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS - Clímaco, P.; Lopes, C. M.; Carneiro, L.C.; Castro, R. (2003). Efeito da Casta e do Porta-Enxerto no Vigor e na Produtividade da Videira. Ciência Téc. Vitiv. 18 (1): Duarte, M. & Dias, J. E. (1991). Catálogo de porta-enxertos mais utilizados em Portugal. Itituto da Vinha e do Vinho. - Ezzahouani, A. & Williams, L. (1995). The Influence of Rootstock on Leaf Water Potential, Yield, and Berry Composition of Ruby Seedless Grapevines. Am. J. Enol. Vitic. 46 (4): Magalhães, N. (2008). Tratado de Viticultura A Videira, A vinha e o Terroir. Chaves Ferreira Publicações, S.A. 605p. - Nuzzo, V.; & Matthews, M. A.. (2006). Respoe of Fruit and Ripening to Crop Level in Dry-Farmed Cabernet Sauvignon on Four Rootstocks. Am. J. Enol. Vitic. 57:3: Ollat, N. (2003). Short and Long Term Effects of Three Rootstcks on Cabernet Sauvignon Vine Behaviour and Wine Quality. Acta Hort. 617, ISHS: Pedroso, V.; Marti, S.; Brites, J.; Lopes, C. (2007). Efeito do porta-enxerto no vigor, rendimento e qualidade do mosto da casta Touriga Nacional na Região do Dão. 7º Simpósio de Vitivinicultura do Alentejo. Évora, Vol. 1: Smart, R.. & Robion, M. (1991). Sunlight into wine. A handbook for winegrape. Canopy Management. Winetitles, Adelaide. - Smart, R.; Schwass, E.; Lakso, A.; Morano, L. (2006). Grapevine Rooting Patter: A Compreheive Analysis and a Review. Am. J. Enol. Vitic. 57:

PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO

PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO PORTA-ENXERTOS RESULTADOS DA EXPERIMENTAÇÃO NA REGIÃO DO DÃO Vanda PEDROSO (1) ; Sérgio MARTINS (1) ; Jorge BRITES (1) ; Alberto VILHENA (1) ; Isabel ANDRADE (2) ; João Paulo GOUVEIA (3) ; Carlos LOPES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO

CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTEMAS DE CONDUÇÃO Anabela ANDRADE 1 ; Amândio CRUZ 3 ; M. António BATISTA 2 ;A. DIAS-CARDOSO 1 ; Rogério de CASTRO 3 (1) DRAP Centro

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO RESUMO

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO RESUMO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TIPO DE PODA SOBRE O RENDIMENTO E QUALIDADE DA CASTA VERDELHO João Brazão 1, José A. Aguiar 2 RESUMO Com o intuito de estudar a influência de vários tipos de poda na casta Verdelho,

Leia mais

DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO

DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO DENSIDADE DO COBERTO VEGETAL E MONDA DE CACHOS EFEITO NO COMPORTAMENTO DA CASTA ALFROCHEIRO NA REGIÃO DO DÃO Manuel BOTELHO (1) ; Amândio CRUZ (1) ; Carlos COSTA-RODRIGUES (1) ; Ana RODRIGUES (2) ; Rogério

Leia mais

PODA MECÂNICA NA VINHA

PODA MECÂNICA NA VINHA PODA MECÂNICA NA VINHA EFEITOS NO RENDIMENTO E NA QUALIDADE Rogério de CASTRO (1) ; Aurélio CLARO (2) ; Ana RODRIGUES (2) ; António TEIXEIRA (3) ; José MACHADO (3) ; Chiara PIOVENE (1,4) ; Amândio CRUZ

Leia mais

Efeito da Aplicação do Bioestimulante

Efeito da Aplicação do Bioestimulante Efeito da Aplicação do Bioestimulante FitoAlgasSAPEC na descompactação dos cachos das castas Arinto e Trajadura Teresa Mota (EVAG) e Luís Simplício (ESAC) I Jornadas Vitivinícolas, 29 de Novembro de 2013

Leia mais

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016

Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Balanço Fitossanitário Alentejo 2016 Do ano vitícola de 2015/2016 destacam-se as condições meteorológicas verificando-se este verão o mais quente desde que existem registos (135 anos). As temperaturas

Leia mais

VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE

VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE VITICULTURA NA CASTA BAGA ANABELA ANDRADE 13 de Novembro de 2010 Com uma área total de 243.000 hectares de vinha (IVV, 2009), Portugal vitivinícola dispõe de dois factores que o caracterizam e projectam

Leia mais

CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO

CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO CASTAS DO DÃO POTENCIAL VITÍCOLA E ENOLÓGICO Plano de Acção Agro-Florestal para a Fileira Vitivinícola na Região Demarcada do Dão JORGE BRITES, VANDA PEDROSO, SÉRGIO MARTINS e CARLOS SILVEIRA DRAPC Centro

Leia mais

Palavras chave: Baga, sistema de condução, monda de cachos, ecofisiologia, rendimento, qualidade.

Palavras chave: Baga, sistema de condução, monda de cachos, ecofisiologia, rendimento, qualidade. CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS E ENOLÓGICAS DA CASTA BAGA, EM DIFERENTES SISTES DE CONDUÇÃO Anabela ANDRADE 1 ; Amândio CRUZ 3 ; M. António BATISTA 2 ;A. DIAS-CARDOSO 1 ; Rogério de CASTRO 3 1 DRAP Centro

Leia mais

Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno

Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Efeito do porta-enxerto no desempenho ecofisiológico e agronômico da videira Cabernet Sauvignon durante o ciclo de outono-inverno

Leia mais

Contributo para o Estudo de Castas e Porta-Enxertos

Contributo para o Estudo de Castas e Porta-Enxertos Contributo para o Estudo de Castas e Porta-Enxertos Campos de Xisto e Granito - Numão Eduardo Abade Novembro 2009 ÍNDICE Índice de Gráficos... 3 INTRODUÇÃO... 4 1. MATERIAL E MÉTODOS... 5 1.1. Campos Experimentais...

Leia mais

BOTRYTIS: COMO EVITAR SURPRESAS DESAGRADÁVEIS

BOTRYTIS: COMO EVITAR SURPRESAS DESAGRADÁVEIS BOTRYTIS: COMO EVITAR SURPRESAS DESAGRADÁVEIS ELODIE PROFFIT - Chambre d agriculture du Vaucluse, BERNARD GENEVET - Chambre d agriculture du Gard Extracto de artigo publicado na revista Guide de la vinification

Leia mais

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA

CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA CVRA - COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA Horta das Figueiras - Rua A, Nº 14 Apartado 498 7002-506 ÉVORA Telefs. (066) 29422-771053-771054. Fax (066) 700591 e-mail: cvralentejo@mail.telepac.pt A

Leia mais

Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda)

Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda) Poda de Inverno e Condução da vinha (Princípios da poda; tipos de poda) Arcos de Valdevez, 8 de Fevereiro de 2013 João Garrido Teresa Mota (EVAG/CVRVV) Sumário Importância da poda Poda de formação Poda

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA

ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA ESTRATÉGIAS PARA MELHORAR A SUSTENTABILIDADE DA VITICULTURA PORTUGUESA Carlos Lopes Dep. Ciências e Engenharia de Biossistemas Instituto Superior de Agronomia/Univ. Lisboa Simp. Viticultura Sustentável,

Leia mais

Importância da utilização de plantas de qualidade

Importância da utilização de plantas de qualidade DIREÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO CENTRO Importância da utilização de plantas de qualidade Anabela Andrade DAAP, Divisão de Apoio à Agricultura e Pescas, 2014 Com uma área total de 240.000 hectares

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE UVAS TINTAS PARA VINIFICAÇÃO SOB COBERTURA PLÁSTICA, 3 CICLO PRODUTIVO

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE UVAS TINTAS PARA VINIFICAÇÃO SOB COBERTURA PLÁSTICA, 3 CICLO PRODUTIVO PRODUÇÃO ORGÂNICA DE UVAS TINTAS PARA VINIFICAÇÃO SOB COBERTURA PLÁSTICA, 3 CICLO PRODUTIVO Alexandre Pozzobom Pavanello (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Agnaldo Tremea (IC-Voluntário), Douglas Broetto (IC-Voluntário),

Leia mais

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Projecto em curso no âmbito da ação 1.1.1. do ProDeR (Cooperação para a Inovação) António Castro Ribeiro Ana Paula

Leia mais

GESTÃO DO SOLO NA VINHA

GESTÃO DO SOLO NA VINHA GESTÃO DO SOLO NA VINHA António José Jordão 2007 Texto elaborado no âmbito do Plano de Acção para a Vitivinicultura da Alta Estremadura INTRODUÇÃO A Agricultura de Conservação em culturas permanentes,

Leia mais

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar

SELECÇÃO DA VIDEIRA. Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO DA VIDEIRA Guia para escolha de materiais (clones)a plantar SELECÇÃO GENÉTICA E SANITÁRIA EM FAVOR DA VITICULTURA PORTUGUESA: 4ª DÉCADA A Associação Portuguesa para a Diversidade da Videira (PORVID)

Leia mais

Custos associados a uma viticultura sustentável

Custos associados a uma viticultura sustentável Custos associados a uma viticultura sustentável João Garrido & Teresa Mota JORNADAS REGIONAIS, 13 de Abril de 2011 Viticultura sustentável conservação do solo, da água e de recursos genéticos não degradação

Leia mais

EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON

EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON EFEITO DA ÉPOCA E DA INTENSIDADE DE DESFOLHA NA CASTA SAUVIGNON Jorge André Correia Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia Agronómica Hortofruticultura e Viticultura Orientador: Doutor

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

www.valebarqueiros.pt

www.valebarqueiros.pt www.valebarqueiros.pt A HERDADE DE VALE BARQUEIROS [VALE BARQUEIROS] Março de 2016 A Herdade de Vale Barqueiros com cerca de 800 ha, fundada em 1853 e situada a poucos quilómetros de Alter do Chão, é uma

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA

CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA CATÁLOGO DAS CASTAS REGIONAIS DA BAIRRADA INTRODUÇÃO Este catálogo das castas regionais da Bairrada tem por finalidade, de uma forma simples mas objectiva, possibilitar a identificação e caracterização

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia

AGRICULTURA I Téc. Agroecologia AGRICULTURA I Téc. Agroecologia CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO Etapas de desenvolvimento: 1.Germinação e emergência: Semeadura até o efetivo aparecimento da plântula, Duração pode

Leia mais

PRODUTIVIDADE, FENOLOGIA E MATURAÇÃO DA CABERNET SAUVIGNON PARA DIFERENTES ÉPOCAS DE PODA

PRODUTIVIDADE, FENOLOGIA E MATURAÇÃO DA CABERNET SAUVIGNON PARA DIFERENTES ÉPOCAS DE PODA Ciência Téc. Vitiv. 29(1) 9-. 214 PRODUTIVIDADE, FENOLOGIA E MATURAÇÃO DA CABERNET SAUVIGNON PARA DIFERENTES ÉPOCAS DE PODA YIELD, PHENOLOGY AND RIPENING OF CABERNET SAUVIGNON GRAPEVINE FOR DIFFERENT PRUNING

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Fitotecnia - Artigo. DOI:

Fitotecnia - Artigo. DOI: DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1678-4499.243 Fitotecnia - Artigo Manejo da poda da videira Chardonnay em região de altitude no Sudeste Brasileiro Pruning management of Chardonnay grapevines at high altitude

Leia mais

II. GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS

II. GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS II. GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS MUTANTE SOMÁTICO SEM SEMENTES EM VIDEIRA NIAGARA ROSADA' (1) ERASMO JOSÉ PAIOLI PIRES (2), CELSO VALDEVINO POMMER (2,3), ILENE RIBEIRO DA SILVA PASSOS (2,3) e MAURILO

Leia mais

Composição e maturação das uvas

Composição e maturação das uvas 6 de setembro de 2015 Composição e maturação das uvas César Almeida Ciclo vegetativo da videira Choro Floração Maturação Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Abrolhamento Pintor Queda das folhas

Leia mais

Sauvignon e Tannat na região norte do Paraná

Sauvignon e Tannat na região norte do Paraná Características físicas, químicas e produtivas das videiras Cabernet Sauvignon e Tannat na região norte do Paraná Cristiano Ezequiel dos Santos, Sérgio Ruffo Roberto *, Alessandro Jefferson Sato, Bruno

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

ECOFISIOLOGIA DA VIDEIRA. Ecofisiologia x Videira (Índice CCM)

ECOFISIOLOGIA DA VIDEIRA. Ecofisiologia x Videira (Índice CCM) ECOFISIOLOGIA DA VIDEIRA a a Ecofisiologia x Videira (Índice CCM) Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves, RS 1 Clima e Produção! A videira é cultivada nos 5 continentes do planeta terra e em condições heliotérmicas

Leia mais

DANIEL LONGO INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DE RALEIO DE CACHOS NA QUALIDADE DO MOSTO DA CULTIVAR MERLOT

DANIEL LONGO INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DE RALEIO DE CACHOS NA QUALIDADE DO MOSTO DA CULTIVAR MERLOT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE BENTO GONÇALVES CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM VITICULTURA E ENOLOGIA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA

Leia mais

http://www.lodiwine.com/ http://www.fatosdesconhecidos.com.br/5-fatosimpressionantes-que-voce-nao-sabe-sobre-vinho/ O vinho possui uma longa história que remonta pelo menos 6.500 a.c., pensando-se que

Leia mais

As mais-valias actuais e potenciais para as empresas resultantes da utilização da diversidade intravarietal da videira

As mais-valias actuais e potenciais para as empresas resultantes da utilização da diversidade intravarietal da videira Workshop Viticultura com futuro Auditório do Solar do IVDP - Régua, 06/03/2015 As mais-valias actuais e potenciais para as empresas resultantes da utilização da diversidade intravarietal da videira Elsa

Leia mais

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição

Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Fevereiro de 2010 26 de Março 2010 Valor médio de Avaliação Bancária de Habitação com ligeira diminuição O valor médio de avaliação bancária 1 de habitação no

Leia mais

PONTVAL Vinhos. PONTVAL Vinhos

PONTVAL Vinhos. PONTVAL Vinhos PONTVAL Vinhos PONTVAL Vinhos Índice 1. A Companhia de Vinhos do Alandroal 3 2. Produção Vinícola 6 3. Vinhos 8 2 1. PLC - Companhia de Vinhos do Alandroal A PLC - Companhia de Vinhos do Alandroal A PLC

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS

CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS CLIMA DE PORTUGAL CONTINENTAL - TENDÊNCIAS Vanda Pires (1), Jorge Marques (2), Luís Filipe Nunes (3), Tânia Cota (4), Luísa Mendes (5) Instituto de Meteorologia, Rua C do Aeroporto, 1749-077 Lisboa, Portugal,

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO

PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO WINETech - SOE1/P1/E071 PROGRAMA DE COOPERACIÓN TERRITORIAL DEL ESPACIO SUDOESTE EUROPEO 2007-2013 MATRIZ CRUZADA DE OPORTUNIDADES DE COLABORAÇÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA (09/06/2011) Entregável E.5.1. 1.

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA

IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA VOLUME 3 Samar Velho da Silveira

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO FONOLITO VIA MINERAL EM LARANJEIRAS ADULTAS Resumo Danilo Franco 1 Minoru Yasuda 2 Rafael Curimbaba Ferreira 3 Leandro Aparecido Fukuda 4 Rafael Trombin Ferracini 5 O presente

Leia mais

Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO Lisboa. RESUMO

Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO Lisboa. RESUMO COMPORTAMENTO DOS CONCELHOS, ANOS DE COLHEITA E PRODUTORES DO DÃO COM BASE NA DESCRIÇÃO SENSORIAL E ANALÍTICA DE VINHOS SUBMETIDOS AO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Carlos SILVA 1,2 ; Virgílio LOUREIRO 2 1 Vines

Leia mais

As vinhas estendem-se por uma área de 20 ha, o que nos permite obter uma produção de garrafas ano.

As vinhas estendem-se por uma área de 20 ha, o que nos permite obter uma produção de garrafas ano. A Quinta de Carapeços, Lda., produtora de Vinho Verde, é uma empresa familiar estabelecida apenas em 2003, apesar da produção de uvas de altíssima qualidade se verificar na propriedade há mais de 200 anos.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO POTENCIAL DE PRODUÇÃO DO SECTOR VIVEIRISTA VITÍCOLA

CARACTERIZAÇÃO DO POTENCIAL DE PRODUÇÃO DO SECTOR VIVEIRISTA VITÍCOLA CARACTERIZAÇÃO DO POTENCIAL DE PRODUÇÃO DO SECTOR VIVEIRISTA VITÍCOLA Ricardo ANDRADE VITICERT Rua Cândido dos Reis, 1 Polígono do IVV 2560-312 TORRES VEDRAS geral@viticert.mail.pt RESUMO O sector viveirista

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Bento Gonçalves, 4 de Novembro de 2015. Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido 2 Água

Leia mais

Viticultura de Precisão

Viticultura de Precisão INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Viticultura de Precisão Ricardo Braga Definição A viticultura de precisão, tal como a agricultura de precisão, pode ser entendida como a gestão da variabilidade

Leia mais

Climatologia Agrícola Ano de 2007

Climatologia Agrícola Ano de 2007 Climatologia Agrícola Ano de 27 Relatório Anual No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

CONPLANT Consultoria, Treinamento, Pesquisa e Desenvolvimento Agrícola Ltda.

CONPLANT Consultoria, Treinamento, Pesquisa e Desenvolvimento Agrícola Ltda. BOLETIM TÉCNICO CONPLANT 24 DE OUTUBRO DE 2016 Prezado Citricultor CONPLANT Consultoria, Treinamento, Pesquisa e Desenvolvimento Agrícola Ltda. Relatos do Congresso Internacional de Citros realizado em

Leia mais

o m e l h o r v i n h o p o s s í v e l a o m e n o r p r e ç o p o s s í v e l

o m e l h o r v i n h o p o s s í v e l a o m e n o r p r e ç o p o s s í v e l o m e l h o r v i n h o p o s s í v e l a o m e n o r p r e ç o p o s s í v e l Visconte i m p o r t a ç ã o, e x p o r t a ç ã o e d i s t r i b u i ç ã o d e v i n h o s t e l : ( + 5 5 6 1 ) 3 3 4 0

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

Caracterização física e físico-química da uva Merlot

Caracterização física e físico-química da uva Merlot Caracterização física e físico-química da uva Merlot cultivada em Urupema na safra de 2009 Fabiana Mortimer Amaral, Sofia Beliza Cabra e Patricia Poggerell Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

!!!! Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco! Região: Alentejo. Colheita: Castas: 100% Chardonnay.

!!!! Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco! Região: Alentejo. Colheita: Castas: 100% Chardonnay. Grande Escolha Herdade Fonte Paredes 2012 Regional Alentejano Vinho Branco Colheita: 2012 Castas: 100% Chardonnay. Prova organoléptica: Cor citrina. Excelente intensidade e complexidade aromática lembrando

Leia mais

Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE

Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE Influência de uma atividade secular na distribuição e mobilização do cobre em solos da Região vinhateira do Douro: Projeto DVINE Carla Patinha GEOBIOTEC/ Universidade de Aveiro Objetivos DVINE As vinhas

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

- Estrutura orgânica. A região. Os números

- Estrutura orgânica. A região. Os números - Estrutura orgânica A região Os números COMISSÃO DE VITICULTURA DA REGIÃO DOS VINHOS VERDES A CVRVV foi criada em 1926 para regular a PRODUÇÃO e o COMÉRCIO do Vinho Verde. Actualmente é uma entidade certificadora

Leia mais

Os desafios do uso eficiente do solo e da água na cultura da vinha. Rosa Amador, Cristina Carlos

Os desafios do uso eficiente do solo e da água na cultura da vinha. Rosa Amador, Cristina Carlos Os desafios do uso eficiente do solo e da água na cultura da vinha Rosa Amador, Cristina Carlos Intensificação sustentável e eficiência na utilização dos recursos na agricultura portuguesa Lisboa, 11 Maio

Leia mais

M alva Real Portug al 1

M alva Real Portug al 1 1 2 WINE OF DOURO (Portugal) QUINTA DA FONTE NOVA D.O.C. O GRUPO MALVA REAL representa e distribui os vinhos do Douro QUINTA DA FONTE NOVA DOC. Trata-se de vinhos premiados e de alta qualidade, revelando

Leia mais

Relatório Diário. 5 de agosto 2016

Relatório Diário. 5 de agosto 2016 Relatório Diário 5 de agosto 2016 1 Relatório Diário 05.08.2016 10:00 Report Highlights Para o dia 05.08.2016 importa destacar: Aumento da temperatura em todo o país. A partir do dia de hoje previsão de

Leia mais

www.valebarqueiros.pt A HERDADE DE VALE BARQUEIROS [VALE BARQUEIROS] Março de 2016 A Herdade de Vale Barqueiros com cerca de 800 ha, fundada em 1853 e situada a poucos quilómetros de Alter do Chão, é uma

Leia mais

Módulo 8 Enografia Nacional

Módulo 8 Enografia Nacional Módulo 8 Enografia Nacional Imigração Italiana O marco da vitivinicultura no Brasil. Trazidas da Ilha da Madeira, as primeiras mudas de videira aportaram no Brasil em 1532, sendo introduzidas na Capitania

Leia mais

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 Francislene Angelotti 1, Tamara Trindade de Carvalho Santos 1, Junior

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Sorgo Granífero para Indicação no Estado do Rio Grande do Sul Safra 2012/13

Avaliação de Cultivares de Sorgo Granífero para Indicação no Estado do Rio Grande do Sul Safra 2012/13 ISSN 1516-8832 153 Pelotas, RS Junho, 2014 Autores Beatriz Marti Emygdio Bióloga, Doutora em Fitomelhoramento, pesquisadora da Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS, beatriz.emygdio@embrapa.br Marcos Caraffa

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO Érica Fernandes Leão¹, Valdivina Lúcia Vidal²; Emersom Rodrigues de Moraes³; José Antônio de Paula Oliveira³ Odilon Peixoto de Morais Junior³ ¹Bolsista PBIC/UEG

Leia mais

PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS

PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS Patrícia Coelho de Souza Leão INTRODUÇÃO As uvas finas de mesa englobam variedades da espécie Vitis vinifera L. de origem européia, que são sensíveis

Leia mais

Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha. Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras

Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha. Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras Utilização de manga de plástico na instalação de uma vinha Quinta de Valinhas Unhão Felgueiras 2013 Quinta de Valinhas Lda Pipamolhada Lda Sociedade Familiar Têm como objectivo único a produção de uvas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 04 Caracterização Climática Anual 04 Temperatura do Ar 07 Precipitação 09 Factos e Fenómenos Relevantes RESUMO ANUAL Temperatura em 2009

Leia mais

Área e Produção de Uvas: Panorama Mundial

Área e Produção de Uvas: Panorama Mundial Área e Produção de Uvas: Panorama Mundial Loiva Maria Ribeiro de Mello- Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade economicamente importante no mundo globalizado. Além de gerar riqueza, os produtos

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

BOLETIM - ANO VITÍCOLA 2016 BALANÇO FINAL

BOLETIM - ANO VITÍCOLA 2016 BALANÇO FINAL BOLETIM - ANO VITÍCOLA 216 BALANÇO FINAL Resumo O ano vitícola de 215/216 caracterizou-se por uma elevada atipicidade em termos climáticos, com um Inverno quente e chuvoso, Primavera fria e extremamente

Leia mais

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI;

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI; RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO SABOR: EVOLUÇÃO RECENTE E RELAÇÕES COM MUDANÇAS AS SÓCIOAMBIENTAIS Adélia NUNES Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Praça da

Leia mais

Lista 5 de exercícios

Lista 5 de exercícios Lista 5 de exercícios 1. (ANDRADE; OGLIARI, 2010) Em um experimento, 320 em 400 sementes germinaram. Determine o intervalo de confiança de 99% para a verdadeira proporção de sementes que germinaram. Para

Leia mais

A Gestão do solo: Base da Sustentabilidade da Agricultura

A Gestão do solo: Base da Sustentabilidade da Agricultura A Intensificação sustentável e a eficiência de utilização dos recursos na Agricultura Portuguesa A Gestão do solo: Base da Sustentabilidade da Agricultura Mário Carvalho Milhões de Euros Evolução da Agricultura

Leia mais

Irrigação em vinhedos no Vale do Submédio São Francisco. Luís Henrique Bassoi

Irrigação em vinhedos no Vale do Submédio São Francisco. Luís Henrique Bassoi Irrigação em vinhedos no Vale do Submédio São Francisco Luís Henrique Bassoi Introdução - Semiárido 969,589.4 km 2 1.133 municípios 9 estados: AL, BA, CE, MG, PB, PE, PI, RN, SE Critérios: 1 - chuva anual

Leia mais

APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL

APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL APRESENTAÇÃO ADEGA COOPERATIVA DE PORTALEGRE, CRL DA VINHA AO VINHO 55 ANOS DE HISTÓRIA UMA ADEGA COM 55 ANOS Mais de 55 anos contam a História da Adega Cooperativa de Portalegre, uma Adega que, com o

Leia mais

Comportamiento de la variedade "Touriga Nacional" en la Región Demarcada del Douro, en diferentes condiciones climáticas y edáficas

Comportamiento de la variedade Touriga Nacional en la Región Demarcada del Douro, en diferentes condiciones climáticas y edáficas Comportamiento de la variedade "Touriga Nacional" en la Región Demarcada del Douro, en diferentes condiciones climáticas y edáficas Oliveira, Ana Alexandra; Magalhães, Nuno Departamento de Fitotécnia e

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE VINHOS PORTUGUESES*

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA ACTIVIDADE ANTIOXIDANTE DE VINHOS PORTUGUESES* COTRIBUIÇÃO PARA O ETUDO DA ACTIVIDADE ATIOXIDATE DE VIHO PORTUGUEE* Rosa M.. Rua, Telma C. A. Ribeiro, M. Fátima F. Félix, Jorge M. T. B. Varejão, M. Conceição Costa Laboratório de Química, CERA, Escola

Leia mais

LEVEDURAS CHALLENGE. São 3 as características que distinguem a gama de leveduras Challenge:

LEVEDURAS CHALLENGE. São 3 as características que distinguem a gama de leveduras Challenge: LEVEDURAS São as características que distinguem a gama de leveduras Challenge: Segurança: o primeiro requisito que devem possuir as leveduras seleccionadas para a gama Challenge é assegurar uma fermentação

Leia mais

SANTA VITÓRIA. O aroma de um estilo de vida

SANTA VITÓRIA. O aroma de um estilo de vida EMPRESA A Casa de Santa Vitória éuma empresa do Grupo Vila Galé, um dos principais grupos hoteleiros portugueses. O negócio de produção de vinhos e azeites de qualidade, surge no final da década de 90

Leia mais

Título - Arial 44pt - Bold

Título - Arial 44pt - Bold Variedades resistentes: intersecção entre rusticidade e qualidade a experiência brasileira Título - Arial 44pt - Bold Patricia Ritschel Outras João Informações Dimas G. Maia - Arial 28pt Umberto Almeida

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Região Vitivinícola do Algarve

Região Vitivinícola do Algarve Região Vitivinícola do Algarve Região Vitivinícola do Algarve 1 Índice 1. Introdução pág. 3 2. Caracterização da região pág. 3 3. Castas pág. 4 4. Tipos de vinhos pág. 4 5. Rótulos premiados pág. 5 6.

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

JORGE B. LACERDA DE QUEIROZ 100 ANOS. COMPROMISSO COM O FUTURO. Faculdade de Direito da Universidade do Porto 13 de junho 2012

JORGE B. LACERDA DE QUEIROZ 100 ANOS. COMPROMISSO COM O FUTURO. Faculdade de Direito da Universidade do Porto 13 de junho 2012 JORGE B. LACERDA DE QUEIROZ IMPLANTAÇÃO DA VINHA EM ENCOSTA DE FORTE DECLIVE: CONSTRANGIMENTOS TÉCNICOS E LEGISLATIVOS DECORRENTES DO RECONHECIMENTO DO ALTO DOURO VINHATEIRO COMO PATRIMÓNIO MUNDIAL DA

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais