e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Juros e taxa de desconto Características gerais dos títulos de renda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Juros e taxa de desconto Características gerais dos títulos de renda"

Transcrição

1 Matemática financeira e renda fixa 1 Capítulo Matemática financeira Juros e taxa de desconto Cálculo de juros simples versus juros compostos, taxas de juros reais versus taxas de juros nominais e efeito da inflação, taxas de juros pré-fixadas e pós-fixadas, taxas de juros ao mês por dia útil; Como comparar diferentes taxas e calcular rendimentos em diversos prazos de aplicação; Custo de oportunidade e taxa de desconto; Bibliografia: 99 Assaf, Cap. 5, pp Ross, Cap. 4, pp , Cap. 9, pp Securato, Caps. I e II. Valor do dinheiro no tempo Cálculo de valor presente, valor futuro; Bibliografia: 99 Assaf, Cap. 5, pp Ross, Cap. 4, pp , e Cap. 6, pp Securato, Caps. I e II. Instrumentos de renda fixa Características gerais dos títulos de renda fixa Títulos de dívida pública interna (federal, estadual e municipal); Títulos de dívida pública externa e Bradies ; Títulos privados: debêntures, CDI, CDB, commercial paper ; Características gerais: cupons, amortizações, prazos típicos, cláusulas de repactuação de juros, cláusulas de resgate antecipado, liquidação antecipada e conversão. Mercados nos quais os títulos são negociados e cotados; Bibliografia: 99 Fortuna, Cap. 5, pp , pp , Cap. 6, pp , , Securato, Cap. XII, pp Instrumentos referenciados a câmbio Notas do Tesouro Nacional indexadas à variação cambial; Indexador e sua incidência sobre o valor nominal; Bibliografia: 99 Fortuna, Cap. 5, pp Securato, Cap. X, pp

2 Formação de taxas de juros e preços de títulos de renda fixa Conceito de yield to maturity e relação do yield to maturity com o preço do título de renda fixa; Curva de taxa de juros e a sua utilização em precificação de títulos; Bibliografia: 99 Assaf, Cap. 7, pp Jorion, Cap. 6, pp Ross, Apêndice 5A. Rentabilidade de fundos de renda fixa e risco de taxa de juros Duração e marcação a mercado; Apuração do valor da cota de um fundo de renda fixa e marcação a mercado; Exposição da carteira do fundo ao risco de variação de taxa de juros; O que é duração de um título de renda fixa e fatores determinantes da duração; Duração de uma carteira de renda fixa; Como duração relaciona-se à sensibilidade do valor de uma carteira de renda fixa a alterações de taxa de juros, e como pode ser aplicada para imunizar a carteira a essas alterações; Bibliografia: 99 Assaf, Cap. 7, pp Jorion, Cap. 6, pp Ross, Cap. 25, pp Saunders, Cap. 7, pp Securato, Cap. IX.

3 Matemática financeira 1) Uma pessoa vai a uma loja e financia um aparelho eletrodoméstico em 6 prestações mensais, iguais e consecutivas, sendo a primeira delas paga no ato (1+5). O valor de cada prestação é de R$ 300,00. O custo do financiamento é de 5% a.m. O preço à vista do aparelho é: a) R$ 1.598,84 b) R$ 1.800,00 c) R$ 1.589,48 d) R$ 1.520,17 e) R$ 1.522,71 2) Um bem, cujo preço à vista é de R$ 8.000,00, pode ser adquirido em 12 prestações mensais, iguais e consecutivas, sendo a primeira delas paga no ato da compra (1+11). O custo de financiamento é de 6,5% a.m. O valor das prestações é: a) R$ 980,55 b) R$ 920,70 c) R$ 985,55 d) R$ 927,70 e) R$ 666,67 3) Um financiamento de R$ ,00, em 24 meses, pelo Sistema Price, com taxa de 2,5% a.m., sendo a 1ª prestação paga no ato, terá prestações de: a) R$ 1.090,98 b) R$ 1.098,90 c) R$ 1.118,26 d) R$ 1.181,26 e) R$ 1.090,89 4) Um financiamento de R$ ,00, em 18 meses, pelo Sistema Price, com taxa de 5,5% a.m., sendo a 1ª prestação paga no ato, terá prestações de: Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa a) R$ 1.333,80 b) R$ 1.338,33 c) R$ 1.264,26 d) R$ 1.642,62 e) R$ 1.333,08 5) O fator de financiamento para 6 pagamentos mensais postecipados numa loja que opera à taxa de juros de 8% a.m. é: a) 0,2003 b) 2,0029 c) 0,0129 d) 1,2909 e) 0,2163 6) O fator de financiamento para 6 pagamentos mensais antecipados numa instituição financiadora que opera com taxa de juros de 7,5% a.m. é: a) 0,2130 b) 0,1982 c) 1,0121 d) 0,0121 e) 1,2126 7) Qual o coeficiente de financiamento postecipado de uma operação de CDC, pelo Sistema Price, cuja taxa é 3% a.m. com 12 parcelas mensais? a) 0, b) 0, c) 0, d) 0, e) 0, ) Qual o coeficiente de financiamento postecipado de uma operação de CDC, pelo Sistema Francês, cuja taxa é 4,5% a.m., com 24 parcelas mensais? a) 0, b) 0,

4 c) 0, d) 0, e) 0, ) Qual o coeficiente de financiamento antecipado de uma operação de CDC, com taxa de 3,5% a.m. (Tabela Price), cujo prazo é de 18 meses? a) 0, b) 0, c) 0, d) 0, e) 0, ) Qual o coeficiente de financiamento antecipado de uma operação de CDC, com taxa de 5,5% a.m. (Tabela Price), cujo prazo é de 36 meses? a) 0, b) 0, c) 0, d) 0, e) 0, ) Um financiamento de R$ ,00, em 24 meses, pelo Sistema Price, com taxa de 2,5% a.m., sendo a 1ª prestação paga no ato, terá prestações de: a) R$ 1.090,98 b) R$ 1.098,90 c) R$ 1.118,26 d) R$ 1.181,26 e) R$ 1.090,89 12) Um bem, cujo valor é de R$ ,00 será financiado em 18 meses pelo Sistema Price, com taxa de 5,5% a.m., e uma entrada de 20%, sendo a 1ª prestação paga no ato. Portanto, esse financiamento terá prestações de: a) R$ 1.067,04 b) R$ 1.338,33 c) R$ 1.264,26 d) R$ 1.011,41 e) R$ 1.333,80 13) Considerando um financiamento pelo Sistema Price, com prazo de 36 prestações postecipadas e taxa de 2,8% a.m. e valor financiado de R$ 2.500,00, podemos afirmar que: a) Terá prestações de R$ 108,09. b) Seu coeficiente de financiamento será 0, c) O valor total das prestações será R$ 3.891,24. d) Seu coeficiente de financiamento será 0, e) Terá prestações de R$ 111,12. 14) Considerando um Coeficiente para 6 meses de 0,18155 (Sistema Price prestação antecipada), pode-se afirmar que: a) O valor financiado de R$ 1.500,00 terá prestações de R$ 272,93. b) A taxa desse coeficiente será 3,55% a.m. c) O valor financiado de R$ 2.000,00 terá prestações iguais de R$ 361,30. d) A taxa desse coeficiente será 2,50% a.m. e) O coeficiente vai sendo ajustado para cada prestação durante o decorrer do financiamento. 15) Em relação ao Sistema Price ou Tabela Price, assinale a alternativa INCORRETA: a) É o sistema pelo qual as prestações são iguais. b) É o sistema pelo qual as amortizações são crescentes. c) É o sistema pelo qual as parcelas dos juros são decrescentes. 20 Testes para certificação em finanças Volume 2

5 d) E o sistema pelo qual as prestações possuem amortizações iguais. e) É o sistema pelo qual o saldo devedor é decrescente. 16) O fator de financiamento para 6 pagamentos mensais postecipados numa loja que opera à taxa de juros de 8% a.m. é: a) 0,2003 b) 2,0029 c) 0,0129 d) 1,2909 e) 0, ) O fator de financiamento para 6 pagamentos mensais antecipados numa instituição financiadora que opera com taxa de juros de 7,5% a.m. é: a) 21,3045 b) 19,8181 c) 21,4530 d) 19,1818 e) 0, ) Um indivíduo, preocupado com sua aposentadoria, poupa num fundo de renda fixa a quantia de R$ 500,00 mensais, durante 15 anos (180 meses). Durante o período de poupança, o fundo rende, em média, 1% a.m. O montante da poupança, no final do período, será: a) R$ ,00 b) R$ ,09 c) R$ ,01 d) R$ ,09 e) R$ ,00 19) Determinar o preço à vista de um bem que pode ser adquirido em 4 pagamentos mensais e iguais de R$ 2.500,00 cada um, sem entrada, com primeiro pagamento em Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa um mês após o fechamento do negócio e o custo do financiamento de 8% a.m. a) R$ 8.280,32 b) R$ 8.942,74 c) R$ ,00 d) R$ 8.492,74 e) R$ 8.208,32 20) Um sofá está à venda nas seguintes condições: R$ 1.000,00 de entrada e 6 prestações de R$ 500,00, mensais e consecutivas. A primeira das prestações é paga um mês após a entrada. Sabe-se que a taxa de juros do financiamento nas lojas é de 8% a.m. Qual o preço à vista do sofá? a) R$ 2.311,44 b) R$ 2.496,36 c) R$ 3.496,36 d) R$ 3.311,44 e) R$ 4.000,00 21) Um automóvel tem preço à vista de R$ ,00, mas pode ser adquirido com entrada de 20% do preço à vista e o restante em 4 suaves parcelas mensais, iguais e consecutivas. A primeira parcela será paga 1 mês após a compra. Determinar o valor de cada parcela se a taxa de financiamento é de 150% a.a. a) R$ 4.469,11 b) R$ 4.731,85 c) R$ 4.823,73 d) R$ 6.029,66 e) R$ 4.108,51 22) Consigo R$ ,00 de financiamento e pago em 6 parcelas mensais, iguais, consecutivas e postecipadas de R$ 4.500,00. A primeira das parcelas é paga 1 mês após o financiamento. Determinar o custo efetivo mensal do financiamento. 21

6 a) 9,31% a.m. b) 13,86% a.m. c) 8,31% a.m. d) 12,86% a.m. e) 8,13% a.m. 23) Determinar o fator de financiamento, para 6 pagamentos mensais postecipados numa loja que opera à taxa de 7% a.m. a) 0,19607 b) 0,20980 c) 1,50073 d) 0,50073 e) 0, ) O fator de financiamento de uma rede de lojas é igual a 0, para 5 pagamentos mensais postecipados. Com que taxa mensal efetiva essa rede está operando? a) 10,21% a.m. b) 5,50% a.m. c) 10,12% a.m. d) 4,50% a.m. e) 6,50% a.m. 25) Um aparelho eletrodoméstico é adquirido em 6 pagamentos mensais, iguais e consecutivos de R$ 200,00, cada um, sem entrada. Determinar o preço à vista (P) do aparelho, sabendo-se que o primeiro pagamento ocorre um mês após o fechamento do negócio e que o custo do financiamento é de 8% a.m. a) R$ 998,54 b) R$ 1.200,00 c) R$ 924,58 d) R$ 1.000,00 e) R$ 900,00 26) Um conjunto mesa + cadeiras foi comprado nas seguintes condições: $ 1.500,00 de entrada e mais 4 prestações de $ 1.000,00 mensais e consecutivas. A primeira prestação é paga um mês após a entrada. Determinar o preço à vista (P) do conjunto, sabendo-se que o custo do financiamento é de 7% a.m. a) R$ 3.634,32 b) R$ 5.124,32 c) R$ 4.887,21 d) R$ 3.387,21 e) R$ 5.500,00 27) Um bem, cujo preço à vista é de R$ 6.000,00, pode ser adquirido com uma entrada de 35% do preço à vista e mais 4 prestações mensais, iguais e consecutivas. A primeira prestação é paga um mês após a entrada. A taxa do financiamento é de 150% a.a. Determinar o valor da prestação mensal. a) R$ 1.808,90 b) R$ 1.089,35 c) R$ 975,00 d) R$ 1.175,78 e) R$ 1.500,00 28) Uma loja está vendendo um aparelho de som por R$ 3.000,00 à vista ou em 4 prestações mensais, iguais, consecutivas e postecipadas de R$ 936,00. A primeira prestação é paga um mês após o fechamento do negócio. Determinar o custo efetivo anual e mensal do financiamento: a) 196,84% a.a. e 9,49% a.m. b) 566,47% a.a. e 17,12% a.m. c) 296,84% a.a. e 10,49% a.m. d) 466,47% a.a. e 16,12% a.m. e) 366,84% a.a. e 15,49% a.m. 29) Determinar o fator de financiamento de uma loja que opera à taxa de 100% a.a. para 4 pagamentos mensais postecipados: a) 0,27206 b) 0, Testes para certificação em finanças Volume 2

7 c) 1,06667 d) 0,10667 e) 0, ) O fator de financiamento de uma instituição financeira é de 0,23434 para 6 pagamentos mensais postecipados. Com que taxa de juros mensal efetiva essa instituição financeira está operando: a) 16,09% a.m. b) 10,09% a.m. c) 10,70% a.m. d) 17,07% a.m. e) 15,09% a.m. 31) Uma pessoa aplica, no dia 25 de cada mês, a quantia de R$ 2.000,00 em um fundo de renda fixa, que rende, em média, 2% a.m. A primeira aplicação ocorre em 25/05/01. Determinar qual será o saldo em 25/10/01, após ter feito sua costumeira aplicação: a) R$ ,08 b) R$ ,80 c) R$ ,24 d) R$ ,24 e) R$ ,00 32) Uma pessoa aplica, no dia 30 de cada mês, a quantia de R$ 1.500,00 em um fundo de renda fixa, que rende, em média, 2,5% a.m. A primeira aplicação ocorre em 30/03/01. Determinar qual será seu saldo em 30/10/01, antes de fazer o depósito costumeiro. a) R$ ,51 b) R$ ,51 c) R$ 9.321,15 d) R$ ,17 e) R$ ,17 33) Qual foi o depósito mensal num fundo de poupança, durante 2 anos consecutivos, que produziu o montante de R$ 3.000,00? O fundo de poupança rendeu juros de 0,5% a.m.: a) R$ 117,69 b) R$ 125,00 c) R$ 152,00 d) R$ 117,37 e) R$ 150,00 34) Uma pessoa vai a uma loja e financia um aparelho eletrodoméstico em 5 prestações, mensais, iguais e consecutivas, sendo a primeira delas paga no ato (1+4). O valor de cada prestação é de R$ 100,00. O custo do financiamento é de 8% a.m.. Determinar o valor à vista do aparelho: a) R$ 399,27 b) R$ 431,21 c) R$ 500,00 d) R$ 399,72 e) R$ 413,21 35) Um bem, cujo preço à vista é de R$ 700,00, pode ser adquirido em 4 prestações mensais, iguais e consecutivas, sendo a primeira delas paga no ato da compra (1+3). O custo do financiamento é de 8% a.m. Determinar o valor das prestações: a) R$ 201,34 b) R$ 159,69 c) R$ 175,00 d) R$ 211,34 e) R$ 195,69 36) Determinar o fator de financiamento para 6 pagamentos antecipados em uma instituição financiadora que opera com taxa de 9% a.m.: a) 0,22292 b) 1,67710 Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa 23

8 c) 0,20451 d) 0,67710 e) 0, ) Uma pessoa comprou um bem, cujo preço à vista foi de R$ 5.000,00, pagando-o em 10 prestações mensais, iguais e antecipadas, à taxa de 75% a.a. Determinar o valor de cada prestação: a) R$ 640,43 b) R$ 611,25 c) R$ 687,41 d) R$ 604,43 e) R$ 601,25 38) Sua tia-avó pretende abrir um quiosque de cosméticos em um shopping center. O valor do investimento está estimado em R$ ,00. Considerando uma taxa mínima de atratividade (TMA) de 19% a.a. (em moeda forte) e os fluxos de caixa líquidos estimados para os próximos 5 anos dados abaixo, assinale a alternativa verdadeira: a) O valor presente líquido do quiosque de sua tia-avó é de R$ ,00. b) A taxa interna de retorno do projeto é de 131,00% a.a. c) Se sua tia-avó reinvestir os fluxos de caixa livre a uma taxa de 5% a.a., a Taxa Interna de Retorno Modificada (TIRM) do negócio será de 31,00% a.a. d) A taxa de atratividade é sempre maior que a taxa interna de retorno. e) O valor presente líquido expressa a criação de valor (riqueza), quando positivo. ENUNCIADO REFERENTE ÀS QUESTÕES N os 39 e 40 Alguns amigos desejam montar uma empresa pontocom para a venda de previdência privada. O investimento inicial necessário é de US$ 150,000.00, sendo que o faturamento líquido estimado é de US$ ,00 para os três primeiros anos e US$ 650, para o quarto e quinto ano. Entre o segundo e o quinto ano, as despesas de marketing são de US$ 80, por ano, salários entre o segundo e o quinto ano são de US$ 120, por ano. Ao final do quinto ano esperamos receber uma proposta de compra de US$ 1,680, Caso esta proposta ocorra e considerando uma taxa de atratividade de 17% a.a., pede-se: 39) Qual o VPL para a TMA dada? a) US$ ,07 b) US$ ,24 c) US$ ,00 d) US$ ,57 e) US$ ,94 40) Calcule a TIR do projeto: a) 161,78% b) 133,09% c) 186,58% d) 142,39% e) 114,05% ENUNCIADO REFERENTE ÀS QUESTÕES N os 41 e 42 O Sr. Sampaio deseja se aposentar nos próximos meses. Ele pretende investir em um táxi. O preço do veículo é de R$ ,00 e será necessário comprar uma placa comercial no valor de R$ ,00. As despesas 24 Testes para certificação em finanças Volume 2

9 gerais com o veículo estão estimadas em R$ 6.000,00 no primeiro ano e prevê-se um aumento de R$ 1.000,00 a cada ano. O faturamento anual é da ordem de R$ ,00 e o salário do motorista é de R$ 6.000,00. Ao final do empreendimento o Sr. Sampaio pretende vender a placa pelo mesmo valor, e o veículo por um valor residual de 40%. Considerando uma taxa de atratividade de 15% a.a., pede-se: 41) Qual o VPL para a TMA dada? a) R$ ,67 b) R$ ,35 c) R$ 1.979,51 d) R$ ,72 e) R$ ,55 42) Calcule a TIR do projeto: a) 18,36% b) 33,89% c) 46,38% d) 39,19% e) 23,64% 43) Considere-se uma perpetuidade que gera R$ 100,00 por ano. Sendo a taxa relevante de juros de 8%, qual é o valor do título? a) R$ 1.250,00 b) R$ 1.350,00 c) R$ 1.150,00 d) R$ 1.100,00 e) R$ 1.000,00 44) Supondo que a taxa de juros do título acima caia a 6% o valor da perpetuidade passa a ser de: a) R$ 1.660,76 b) R$ 1.600,00 c) R$ 1.650,00 d) R$ 1.500,00 e) R$ 1.666,67 Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa 45) Imagine um prédio de apartamentos no qual os fluxos de caixa pagos ao proprietário, após descontadas as despesas, sejam de R$ ,00 no próximo ano. Espera-se que tais fluxos de caixa cresçam 5% ao ano indefinidamente. A taxa de juros relevante é de 11% a.a. Qual deverá ser o valor presente dessa perpetuidade: a) R$ ,00 b) R$ ,91 c) R$ ,67 d) R$ ,67 e) R$ ,91 46) Faço depósitos de R$ 200,00 mensais na caderneta de poupança. Considerando uma taxa de juros de 0,6% a.m., qual o valor presente de 2 anos dessa aplicação? a) R$ 4.457,98 b) R$ 4.587,68 c) R$ 4.257,98 d) R$ 4.287,68 e) R$ 4.687,68 CONSIDERAÇÕES PARA AS QUESTÕES N os 47 e 48 Tenho 2 contas; deposito o meu salário na primeira (conta-salário) e faço retiradas para pagar minhas despesas, na segunda conta (conta-despesa) Conta-salário Depósitos mensais de R$ 5.000,00 Taxa de juros de aplicação 0,5% a.m. Conta-despesa Retiradas mensais de R$ 3.500,00 Aumento das retiradas em 1% a.m. nos primeiros dois anos 47) Se não fosse feita nenhuma retirada da conta salário, quanto dinheiro se disponibilizaria de tal aplicação ao final de 2 anos? 25

10 a) R$ ,00 b) R$ ,00 c) R$ ,00 d) R$ ,00 e) R$ ,00 48) Quanto dinheiro foi retirado da conta despesa nesses 2 anos? a) R$ ,25 b) R$ ,75 c) R$ ,25 d) R$ ,50 e) R$ ,25 49) Eduardo Martino, diretor de um cursinho em São Paulo, resolveu pesquisar a viabilidade de instalar um sistema de ar condicionado no seu curso. Ele dispõe de uma quantia de R$ 5.000,00 que está aplicada em um fundo que deve ser investido na empresa em qualquer momento do ano em exercício que capitaliza a uma taxa de juros de 1,5% a.m. São oferecidos a ele cinco alternativas de pagamento; sabemos apenas que o valor a vista é de R$ 4.000,00. Qual a melhor alternativa? a) R$ 4.000,00 a.v. b) 3 parcelas de R$ 1.387,00 c) 4 parcelas de R$ 1.030,16 d) 2 parcelas de R$ 2.060,20 e) N.d.a. 50) Calcule o valor presente líquido em 01/01/x1 nas seguintes situações: Saldo de R$ 100,00 em 01/05/x1 a taxa de atratividade de 2% a.m. Saldo de R$ 120,00 em 01/05/x1 a taxa de atratividade de 0,7% a.m. Saldo de R$ 1.000,00 em 01/04/x1 a taxa de atratividade de 3% a.m. As soluções serão respectivamente: a) R$ 92,38 / R$ 116,70 / R$ 915,10 b) R$ 92,38 / R$ 98,76 / R$ 897,63 c) R$ 94,76 / R$ 116,70 / R$ 905,63 d) R$ 94,76 / R$ 98,76 / R$ 897,63 e) R$ 94,76 / R$ 98,76 / R$ 915,10 51) Uma mercadoria é comprada por ,00 u.m. (unidades monetárias) e guardada sem uso durante 2 anos, depois dos quais, é vendida por ,00 u.m. As despesas anuais totalizaram 5.000,00 u.m. Sendo 15% a.a. a taxa mínima de atratividade, qual o valor presente líquido do investimento? a) VPL = ,50 u.m. b) VPL = 4.746,50 u.m. c) VPL = ,50 u.m. d) VPL = 8.064,50 u.m. e) VPL = ,50 u.m. 52) Sr. Frederico Zeiro resolveu comprar uma prensa hidráulica por u.m. Ao final de cada ano, deverá gastar u.m. na manutenção. Considerando uma taxa de atratividade de 12% a.a., calcular o VFL ao final de 5 anos. a) ,00 u.m. b) ,00 u.m. c) ,00 u.m. d) ,00 u.m. e) ,00 u.m. 53) Rodrigo resolveu montar um cursinho pré-vestibular. Esperava 10 alunos no primeiro mês, 20 no segundo, 30 no terceiro e assim por diante. Sabendo que os alunos pagam 200 u.m. cada um ao mês, em quantos meses eles terão quitado um empréstimo de u.m., supondo que todo esse dinheiro seja destinado a saldar essa dívida? Suponha que o valor das mensalidades 26 Testes para certificação em finanças Volume 2

11 capitalize numa caderneta de poupança à taxa de 0,6% a.m. e que o empréstimo sofra correções de 2% a.m. a) 12 meses b) 8 meses c) 6 meses d) 15 meses e) Nunca 54) Campeão estava devendo algum dinheiro para o banco pagé. A taxa praticada pelo banco é de 13 % a.m.. Ele está devendo hoje R$ 6.000,00. O problema do campeão é grave, pois ele está terminando de pagar outra dívida financiamento da casa que se concluirá em 6 meses. Aceitou o conselho de um amigo: Venda seu carro e compre imediatamente outro, de mesmo valor, financiado em 36 meses; dê 20% de entrada, negocie uma taxa de 2% a.m. para o empréstimo e deixe dinheiro numa conta corrente para os primeiros 6 meses de prestações. Dará para saldar sua dívida e lhe sobrará algum... Entendemos que depois de 6 meses ele poderá pagar as prestações do carro com dinheiro do seu próprio trabalho. Sabendo que o carro custa R$ ,00, quanto dinheiro lhe sobrará após esses seis meses, sabendo que ele não fez nenhum tipo de aplicação? Despreze o valor do TAC. a) R$ 1.952,05 b) R$ 2.034,51 c) R$ 2.109,09 d) R$ 2.247,41 e) R$ 2.398,50 55) Considerando o exercício anterior, responda à mesma pergunta para o caso de ele ter aplicado o dinheiro restante na caderneta de poupança, com taxa de juros média no período de 0,65% a.m. Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa a) R$ 2.886,66 b) R$ 2.686,33 c) R$ 2.486,99 d) R$ 2.286,66 e) R$ 2.086,33 Instrumentos de renda fixa 56) Dentre as afirmações abaixo, qual está correta? a) Os bancos aplicam recursos junto ao público, dando em troca os títulos privados CDB/RDB/LC, e utilizam esses recursos para a compra de CDI ou títulos do Governo, de acordo com as oportunidades das taxas ou devolvendo ao público na forma de empréstimos. b) Os bancos compram recursos junto ao Bacen, dando em troca os títulos privados CDB/RDB/LC, e utilizam esses recursos para a compra de CDI ou títulos do Governo, de acordo com as oportunidades das taxas ou devolvendo ao público na forma de empréstimos. c) Os bancos compram recursos junto ao público, dando em troca Notas Promissórias e Duplicatas, e utilizam esses recursos para a compra de CDI ou títulos do Governo, de acordo com as oportunidades das taxas ou devolvendo ao público na forma de empréstimos. d) Os bancos compram recursos junto ao público, dando em troca os títulos privados CDB/ RDB/LC, e utilizam esses recursos para a compra de CDI ou títulos do Governo, de acordo com as oportunidades das taxas ou devolvendo ao público na forma de empréstimos. e) Os bancos compram recursos junto ao público, dando em troca os títulos privados CDB/RDB/LC, e utilizam esses recursos exclusivamente para a compra de CDI ou títulos do Governo, de acordo com as oportunidades das taxas. 27

12 57) Quanto ao Certificado de Dívida Pública Mobiliária Federal/INSS - CDP/INSS, pode-se afirmar: a) Foi criado em 1997 pelo Banco Central com o objetivo de possibilitar a redução do rombo da Previdência Social, sendo utilizado como moeda de abatimento às empresas que têm dívida com o INSS. b) Foi criado em 1997 pelo Tesouro com o objetivo de possibilitar a redução do rombo da Previdência Social, sendo utilizado como moeda de abatimento às empresas que têm dívida com o INSS. c) Foi criado em 1997 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com o objetivo de possibilitar a redução do rombo da Previdência Social, sendo utilizado como moeda de abatimento às empresas que têm dívida com o INSS. d) Foi criado em 1997 pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS), com o objetivo de possibilitar a redução do rombo da Previdência Social, sendo utilizado como moeda de abatimento às empresas que têm dívida com o INSS. e) Foi criado em 1994 pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS), com o objetivo de possibilitar a redução do rombo da Previdência Social, sendo utilizado como moeda de abatimento às empresas que têm dívida com o INSS. 58) Os títulos da dívida pública serão emitidos adotando-se uma das seguintes formas de emissão: I Oferta pública, com a realização de leilões ao par com ágio ou deságio. II Direta em operações com valor no mínimo ao par, junto a autarquias, fundações, empresas públicas ou sociedades de economia mista. III Direta em operações com o BC. a) I, II e III estão corretas. b) I e II estão corretas. c) I e III estão corretas. d) II e III estão corretas. e) Somente a I está correta. 59) Em relação ao open market no Brasil, pode-se afirmar: a) Open market é um mercado primário, ou seja, um mercado onde se negociam títulos já emitidos anteriormente. b) Open market é um mercado secundário, onde se negociam exclusivamente títulos privados. c) Open market é um mercado primário, onde se negociam exclusivamente os Certificados de Depósitos Interbancários (CDI). d) Open market é um mercado primário, onde se negociam exclusivamente títulos públicos estaduais e municipais. e) Open market é um mercado secundário, ou seja, um mercado onde se negociam títulos já emitidos anteriormente. 60) Em relação ao open market no Brasil, NÃO se pode afirmar: a) Atualmente, o open market é privativo das instituições financeiras, e é nele que ocorre a troca de reservas bancárias, lastreadas unicamente em títulos públicos federais. b) É através do open market que o Banco Central calibra o custo do dinheiro, estabelecendo o custo da troca de reservas bancárias. c) Os bancos se utilizam do open market via operações overnight para compor diariamente o seu caixa, de acordo com a falta ou 28 Testes para certificação em finanças Volume 2

13 sobra de reservas bancárias, através da compra e venda de títulos federais entre si. d) É através do open market que o Banco Central estabelece suas metas de inflação ou inflation target. e) Overnight é uma operação desenvolvida dentro do open market. 61) As operações de overnight, compromissadas por um dia, são realizadas exclusivamente: a) Pelas instituições financeiras entre si. b) Pelas instituições financeiras e seus clientes. c) Pelas pessoas físicas e pessoas jurídicas não financeiras. d) Somente pelas pessoas jurídicas não financeiras. e) Somente pelas instituições financeiras e pessoas jurídicas não financeiras. 62) Até 02/08/99, as pessoas físicas e jurídicas não financeiras só podiam realizar operações compromissadas por um período mínimo de: a) 1 dia b) 7 dias c) 15 dias d) 30 dias e) 31 dias 63) Os títulos que estão na carteira das instituições financeiras, adquiridos através de operações compromissadas, são classificados como: a) Carteira de Terceiros Compromissada b) Carteira Própria Bancada c) Carteira de Terceiros Bancada e Carteira de Terceiros Financiada d) Carteira Própria Financiada e) Carteira Própria Bancada e Carteira Própria Financiada Capítulo 1 Matemática financeira e renda fixa 64) Nas operações overnight de troca de reservas bancárias lastreadas em títulos públicos federais forma-se: a) O juro primário da economia (Taxa CDI- Cetip) b) O juro secundário da economia taxa de juros de longo prazo (TJLP) c) Os juros primário e secundário da economia: Taxa Selic e Taxa CDI d) A taxa de redesconto das instituições financeiras e) O juro primário da economia: Taxa Selic 65) NÃO podemos afirmar em relação ao open market no Brasil: a) Bacen ajusta os meios de pagamento ao nível adequado de liquidez do mercado. b) Bacen regula a quantidade de moeda estrangeira oriundas do mercado cambial. c) Bacen forma a taxa de juros interna a cada momento. d) Bacen regula os movimentos voláteis de liquidez. e) Bacen garante recursos imediatos ao Tesouro para fazer face aos seus resgates. 66) Os chamados dealers do Banco Central são: a) As instituições financeiras autorizadas a operar no mercado de open market. b) As corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários. c) Os 20 maiores bancos nacionais, autorizados à operar no mercado aberto. d) São as instituições credenciadas pelo Banco Central, que atuem como market-makers, ou seja, que criam mercado eficiente para a negociação de títulos federais. 29

14 e) Os 25 maiores bancos nacionais e estrangeiros, autorizados a operar no mercado aberto. 67) A divulgação prévia, pelo Tesouro Nacional, de cronograma de emissões de títulos a serem colocados por ofertas públicas, tem como objetivo: a) Facilitar a oferta de títulos públicos nos leilões semanais. b) Oferecer aos dealers em caráter exclusivo as informações do endividamento público mobiliário. c) Estimular a compra e venda de títulos públicos por parte dos agentes econômicos. d) Aumentar a competitividade entre os dealers e os demais participantes, no mercado secundário de títulos públicos. e) Aumentar a transparência, permitindo que os agentes econômicos conheçam antecipadamente as metas da política do endividamento público mobiliário. 68) As notas promissórias comerciais (commercial papers) são: a) Títulos de curto prazo emitidos por instituições não financeiras, sem garantia real, podendo ser garantidos por fiança bancária, negociáveis em mercado secundário e com data de vencimento certa. b) Títulos de curto prazo emitidos por instituições financeiras, sem garantia real, podendo ser garantidos por fiança bancária, negociáveis em mercado secundário e com data de vencimento certa. c) Títulos de longo prazo emitidos por instituições financeiras, sem garantia real, podendo ser garantidos por fiança bancária, negociáveis em mercado secundário e com data de vencimento certa. d) Títulos de curto prazo emitidos por instituições não financeiras, sem garantia real, podendo ser garantidos por fiança bancária, negociáveis em mercado secundário e com data de vencimento certa. e) Títulos de curto prazo emitidos por empresas e bancos, sem garantia real, podendo ser garantidos por fiança bancária, negociáveis em mercado secundário e com data de vencimento certa. 69) Em relação aos prazos de emissão dos commercial papers, pode-se afirmar: a) O prazo mínimo deve ser de 30 dias e o máximo de 360 dias para as sociedades anônimas de capital fechado e 720 dias para sociedades anônimas de capital aberto. b) O prazo mínimo deve ser de 30 dias e o máximo de 180 dias para as sociedades anônimas de capital aberto e 360 dias para sociedades anônimas de capital fechado. c) O prazo mínimo deve ser de 30 dias e o máximo de 360 dias para as sociedades anônimas de capital aberto e 720 dias para sociedades anônimas de capital fechado. d) O prazo mínimo deve ser de 30 dias e o máximo de 180 dias para as sociedades anônimas de capital fechado e sociedades anônimas de capital aberto. e) O prazo mínimo deve ser de 30 dias e o máximo de 180 dias para as sociedades anônimas de capital fechado e 360 dias para sociedades anônimas de capital aberto. 70) As vantagens para o emissor de um commercial paper em relação a um empréstimo tradicional são: a) A emissão é isenta de IOF e IR na fonte, possibilita o levantamento de recursos fora do sistema financeiro, atingindo investido- 30 Testes para certificação em finanças Volume 2

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto

e renda fixa Capítulo Instrumentos de renda fixa Matemática financeira Características gerais dos títulos de renda fixa Juros e taxa de desconto Matemática financeira e renda fixa 1 Capítulo Matemática financeira Juros e taxa de desconto Cálculo de juros simples versus juros compostos, taxas de juros reais versus taxas de juros nominais e efeito

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS 6 Capítulo I Títulos de responsabilidade do Tesouro Letras do Tesouro Nacional (LTN) Legislação básica: Decreto nº 3.859, de 4.7.2001. Finalidade: poderão ser emitidas para cobertura

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Reciprocidade Bancária e Taxas Over Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 6 Reciprocidade Bancária São exigências estabelecidas pelas instituições

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil

Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil Capítulo 4 Mercado e Títulos de Renda Fixa no Brasil 4.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar os conceitos e as características dos mercados de renda fixa no Brasil. Ao final,

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples.

TAXA PROPORCIONAL. O conceito de Taxas Proporcionais é um conceito próprio do regime simples. TAXA PROPORCIONAL Taxas proporcionais são definidas como sendo aquelas cujos quocientes entre elas e seus respectivos períodos de capitalização, colocados na mesma unidade de tempo, são iguais. O conceito

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Etchepare Dornelles TÍTULOS PÚBLICOS NEGOCIADOS NO TESOURO DIRETO: alternativa

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I

COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS PRATICADAS PELOS BANCOS - PARTE I COMO SE FORMAM AS TAXAS DE JUROS O QUE É E COMO FUNCIONA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL? O QUE É POLÍTICA MONETÁRIA? QUAIS INSTRUMENTOS O BANCO CENTRAL UTILIZA PARA INTERFERIR NO MERCADO? O QUE É ASSISTÊNCIA

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com gabarito 216 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito

MATEMÁTICA FINANCEIRA 216 questões com cabarito 216 questões com cabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) MATEMÁTICA FINANCEIRA: 216 questões com gabarito. São Paulo:

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Desconto É a denominação dada a um abatimento que se faz quando um título de crédito é resgatado antes de seu vencimento. Onde: N : valor nominal; V : valor líquido; D : desconto; t : data de vencimento.

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade IV. Mercado Financeiro e de Capitais. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade IV Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros - Resumo encontro anterior Sistema Financeiro Nacional Órgãos, entidades e operadoras Estrutura do Sistema

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 03 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas

Conhecimentos Bancários. Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas Conhecimentos Bancários Item 3.7 Captação de Recursos diretamente pelas empresas GOVERNO Instituições Financeiras EMPRESAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS

TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS Metodologia de Cálculo dos Títulos Públicos Federais Ofertados nos Leilões Primários O objetivo deste guia é facilitar o entendimento dos investidores sobre algumas peculiaridades

Leia mais

ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006. ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006. Ativos Financeiros O objetivo deste capítulo é o desenvolvimento de avaliações dos principais produtos financeiros (ativos e passivos)

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS

FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS FATORES DE ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA E TAXAS DE JUROS REFERENCIAIS 7 Capítulo I Fatores de atualização monetária Bônus do Tesouro Nacional (BTN) Legislação básica: Leis nº 7.777, de 19.6.1989 (instituição);

Leia mais

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD)

Conteúdo Programático. Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) Conteúdo Programático Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD) 1. A atividade do agente autônomo de investimento Instrução CVM 497 Diferenciação das atividades do agente autônomo, administração de carteiras,

Leia mais

Cap. III Mercados Financeiros

Cap. III Mercados Financeiros 3. Mercados Financeiros Cap. III Mercados Financeiros Prof. Uérito Cruz 3.1 Mercado monetário 3.2 Taxas de juros no MF 3.3 Mercado de crédito 3.4 Mercado de capitais 3.5 Mercado cambial MERCADO MONETÁRIO

Leia mais

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur

Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur Conhecimentos Bancários Professor Carlos Arthur 1 - Sobre as atribuições do Banco Central do Brasil, é incorreto afirmar: a) Exerce o controle de crédito b) Estimula a formação de poupança e a sua aplicação

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão 0 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10-3º

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos Ações Ação é a menor fração do capital

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES

BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES São Paulo SP Julho/2004 BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FUTUROS E DE OPÇÕES Material de apoio ao 76º Curso

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO ABERTO DELIBERAÇÃO Nº 3 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Mercado Aberto, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo Código ANBIMA

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas ou por ações (emissoras), de capital aberto

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional

Valcedir Vicente Rosa. Sistema Financeiro Nacional 1 Sistema Financeiro Nacional Tópicos a serem abordados Visão geral do sistema financeiro nacional. Atuação dos participantes Mercado monetário e política monetária. Sistemas CETIP e SELIC Principais títulos

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE II COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA NACIONAL COM JUROS PÓS FIXADOS EM CDI? COMO FUNCIONAM AS OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA? O QUE SÃO OPERAÇÕES DE ACC

Leia mais

Renda Fixa. ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Renda Fixa. ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006. ASSAF NETO, Alexandre. MERCADO FINANCEIRO. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006. Renda Fixa Bônus são títulos de renda fixa representativos de contratações de empréstimos pelas empresas, os quais prometem pagar

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS?

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER DE JUROS? QUAL A DIFERENÇA ENTRE O CÁLCULO DA TAXA CDI E TAXA OVER! Como se calcula a taxa de juros Over?! Como se calcula a taxa de juros CDI?! Como a taxa de juros CDI e Over se comparam? Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VIII Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos de Divida Titulos de Divida Debentures 2 O que são Debêntures? Debêntures são títulos emitidos por sociedades

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

Módulo V Produtos de Investimento

Módulo V Produtos de Investimento Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo V Copyright 2011 2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 15% a 25% da prova 1. Títulos Públicos 6 1.1. Conceito e Finalidade 6 1.2. Características

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras.

Cadastro de clientes Conjunto de dados e informações gerais sobre a qualificação dos clientes e das sociedades corretoras. Câmbio Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de

Leia mais

Mercado de Derivativos $

Mercado de Derivativos $ Mercado de Derivativos SWAPS Prof. Bertolo O que são SWAPS? São acordos estabelecidos entre duas partes visando a uma troca de fluxos de caixa futuros (sem trocar o principal) por um certo período de tempo.

Leia mais

Módulo III Noções de Economia e Finanças

Módulo III Noções de Economia e Finanças Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo III Copyright 2011-2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 10% a 15% da prova 1. 4 1.1 Indicadores econômicos 4 1.1.1 PIB 4 1.1.2 Índices de Inflação:

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais