MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA A INTERFLÚVIO MADEIRA-PURUS: UMA ABORDAGEM DA BIOGEOGRAFIA ECOLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA A INTERFLÚVIO MADEIRA-PURUS: UMA ABORDAGEM DA BIOGEOGRAFIA ECOLÓGICA"

Transcrição

1 INPE TDI/1372 MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ECORREGIÕES NO INTERFLÚVIO MADEIRA-PURUS: UMA ABORDAGEM DA BIOGEOGRAFIA ECOLÓGICA Arimatéa de Carvalho Ximenes Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto, orientada pelos Drs. Silvana Amaral Kampel e Antônio Miguel Vieira Monteiro, aprovada em 5 de junho de Registro do documento original: INPE São José dos Campos 2008

2 PUBLICADO POR: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Gabinete do Diretor (GB) Serviço de Informação e Documentação (SID) Caixa Postal CEP São José dos Campos - SP - Brasil Tel.:(012) /6923 Fax: (012) CONSELHO DE EDITORAÇÃO: Presidente: Dr. Gerald Jean Francis Banon - Coordenação Observação da Terra (OBT) Membros: Dr a Maria do Carmo de Andrade Nono - Conselho de Pós-Graduação Dr. Haroldo Fraga de Campos Velho - Centro de Tecnologias Especiais (CTE) Dr a Inez Staciarini Batista - Coordenação Ciências Espaciais e Atmosféricas (CEA) Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) Dr. Ralf Gielow - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPT) Dr. Wilson Yamaguti - Coordenação Engenharia e Tecnologia Espacial (ETE) BIBLIOTECA DIGITAL: Dr. Gerald Jean Francis Banon - Coordenação de Observação da Terra (OBT) Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) Jefferson Andrade Ancelmo - Serviço de Informação e Documentação (SID) Simone A. Del-Ducca Barbedo - Serviço de Informação e Documentação (SID) REVISÃO E NORMALIZAÇÃO DOCUMENTÁRIA: Marciana Leite Ribeiro - Serviço de Informação e Documentação (SID) Marilúcia Santos Melo Cid - Serviço de Informação e Documentação (SID) Yolanda Ribeiro da Silva Souza - Serviço de Informação e Documentação (SID) EDITORAÇÃO ELETRÔNICA: Viveca Sant Ana Lemos - Serviço de Informação e Documentação (SID)

3 INPE TDI/1372 MAPAS AUTO-ORGANIZÁVEIS PARA A IDENTIFICAÇÃO DE ECORREGIÕES NO INTERFLÚVIO MADEIRA-PURUS: UMA ABORDAGEM DA BIOGEOGRAFIA ECOLÓGICA Arimatéa de Carvalho Ximenes Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto, orientada pelos Drs. Silvana Amaral Kampel e Antônio Miguel Vieira Monteiro, aprovada em 5 de junho de Registro do documento original: INPE São José dos Campos 2008

4 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) X41m Ximenes, Arimatéa de Carvalho. Mapas auto-organizáveis para a identificação de ecorregiões no interflúvio Madeira-Purus: uma abordagem da biogeografia ecológica/ Arimatéa de Carvalho Ximenes. São José dos Campos: INPE, p. ; (INPE TDI/1372) Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, Ecorregiões. 2. Redes neurais. 3. Conservação. 4. Biodiversidade. 5. Regionalização. I. Título. CDU Copyright c 2008 do MCT/INPE. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação, ou transmitida sob qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecánico, fotográfico, microfílmico, reprográfico ou outros, sem a permissão escrita da Editora, com exceção de qualquer material fornecido especificamente no propósito de ser entrado e executado num sistema computacional, para o uso exclusivo do leitor da obra. Copyright c 2008 by MCT/INPE. No part of this publication may be reproduced, stored in a retrieval system, or transmitted in any form or by any means, eletronic, mechanical, photocopying, microfilming, recording or otherwise, without written permission from the Publisher, with the exception of any material supplied specifically for the purpose of being entered and executed on a computer system, for exclusive use of the reader of the work.

5

6

7 Não tenho nenhum dom especial. Sou só apaixonadamente curioso. Albert Einstein Onde a disposição é grande, não há dificuldade. Maquiavel A ciência não é uma perseguição desalmada de informação objetiva. É uma atividade humana criativa, onde seus gênios agem mais como artistas do que como processadores de informação. Stephen Jay Gold

8

9 A meus pais que sempre me apoiaram durante toda a minha jornada científica.

10

11 AGRADECIMENTOS Este trabalho não existiria sem a ajuda, suporte e boa vontade das pessoas que me rodearam. Para execução deste trabalho foi preciso absorver o conhecimento transmitido por diversos professores, amigos de mestrado e doutorado durante as conversas de corredor, nas salas de aula e na expedição de campo. Este agradecimento peca por não conter todos os nomes, mas os participantes dessa jornada sempre estarão em minha memória. No entanto, vou destacar algumas pessoas que contribuíram bastante durante todo o meu processo de aprendizado. À Dra. Silvana Amaral como orientadora fortaleceu os meus passos durante a jornada científica e que sempre esteve disponível para esclarecer dúvidas com toda a boa vontade. Sua contribuição esteve presente nas discussões enriquecedoras para execução desta pesquisa, e pessoalmente pela valiosa amizade e agradável convivência. Ao Dr. Antônio Miguel Monteiro pela orientação e direcionamento da pesquisa. À toda equipe de suporte do TerraView, Karine, Pedro e Lúbia por terem escutado todos os pedidos de socorro e configurado o plugin de células conforme a necessidade desse trabalho. Aos amigos de senzala Félix, Alexandre e Eduilson que me ajudaram em diversas ocasiões durante o trabalho. Ao Gustavo Arcoverde e Aline Soterroni que me ajudaram muito com as redes neurais. À toda equipe da DPI pelo apoio, suporte e amizade. Ao Dr. Camilo Rennó (INPE) pela atenção e auxílio durante as análises estatísticas e sempre esteve disponível para tirar todas as dúvidas em relação a diversas questões sobre o desenvolvimento da dissertação. Ao Dr. Dalton Valeriano que abriu os meus olhos sobre a importância da escala geográfica relacionada às questões ecológicas. Ao Dr. José Demísio Simões da Silva por sua atenção e prontidão nos esclarecimentos de quaisquer dúvida referente as redes neurais.

12 Ao Dr. Marcio Valeriano pelas dicas estratégicas relacionadas aos dados do SRTM e todo o brainstorming que foi muito útil no desenvolvimento da dissertação. Ao grupo de pesquisa de Biodiversidade do interflúvio Madeira-Purus, coordenado por Mario Cohn-Haft (INPA). Ao Dr. Bruce Nelson (INPA), pelo fornecimento do índice de Walsh. Ao Dr. Robert G. Bailey do U.S. Forest Service que forneceu diversos mapas de ecorregiões do mundo, artigos e slides. Aos colegas, alunos da Pós-graduação do INPE, pela ajuda na solução dos mais diversos problemas e pelos momentos de descontração e cumplicidade. À Flora, pelo companheirismo, carinho e compreensão ao longo de meus estudos, que me deram força e motivação para continuar. Ao GEOMA pelo suporte financeiro. Ao INPE pela acolhida e apoio logístico. Ao CNPQ pela bolsa de mestrado, viabilizando a realização desta pesquisa.

13 RESUMO Para o mapeamento das ecorregiões variáveis abióticas e bióticas como clima, hidrologia, feições morfológicas da paisagem, vegetação e solo são utilizadas. Em 2001, o WWF mapeou as ecorregiões do mundo, identificadas utilizando a hierarquia dos tipos de habitat, para atingir as metas de conservação da biodiversidade. Porém, esta abordagem para o mapeamento das ecorregiões não possui metodologia padronizada na escala regional. Os limites foram traçados a partir do conhecimento de especialistas, identificando áreas consideradas homogêneas. O objetivo geral deste estudo é mapear as ecorregiões terrestres do interflúvio Madeira-Purus em escala regional a partir de métodos computacionais que possam auxiliar no gerenciamento dos recursos florestais e no planejamento sistemático de conservação. O presente trabalho parte da hipótese que as ecorregiões do interflúvio Madeira Purus podem ser mapeadas em escala regional a partir de um modelo computacional. A área de estudo concentra pesquisas do grupo de Biodiversidade do interflúvio Madeira-Purus da Rede GEOMA. As ecorregiões do interflúvio Madeira-Purus foram identificadas em escala regional a partir de redes neurais do tipo Mapa Auto-Organizável desenhadas para trabalhar sobre um conjunto de variáveis climáticas e ambientais. Foram utilizadas 21 variáveis ambientais referentes ao clima, vegetação, solos, altitude, distância geográfica, densidade de drenagem, declividade e NDVI. O mapeamento obtido a partir de cinco variáveis referentes à altitude, declividade, densidade de drenagem, latitude e vegetação ofereceu a delimitação automática final. A análise discriminante identificou o grau de mistura entre as ecorregiões resultantes, indicando um grau de concordância referente ao índice Kappa de O procedimento metodológico desenvolvido mostrou-se consistente e passível de ser aplicado em outras áreas. Para o interflúvio Madeira-Purus as variáveis de latitude, densidade de drenagem e altitude serviram como substitutas das variáveis climáticas e ofereceram maior precisão e resolução espacial. A partir de uma análise qualitativa foi possível inferir a influência e contribuição de cada variável no processo de regionalização em ordem de importância: densidade de drenagem, latitude, altitude, vegetação e declividade. Com um conjunto menor de variáveis ambientais utilizadas para delimitar as ecorregiões, o modelo proposto encontrou maior heterogeneidade no interflúvio em comparação com as ecorregiões do WWF. O interflúvio Madeira-Purus foi mapeado contendo 13 ecorregiões que representam sua diversidade de ambientes, fornecendo assim informação relevante para estratégias de conservação da Amazônia.

14

15 SELF-ORGANIZING MAP FOR BOUNDARY ECOREGIONS MADEIRA- PURUS INTER-RIVERS IN AMAZON FOREST: AN APPROACH OF ECOLOGICAL BIOGEOGRAPHY ABSTRACT Biotic and abiotic variables related to climate, hydrology, landforms, vegetation, and soil are usually employed to the ecoregion mapping. In 2001, the WWF mapped the ecoregions of the world using a method of habitat types hierarchy to accomplish the biodiversity conservation aimed. However, there is no standard protocol describing this WWF mapping methodology at regional scale. The ecoregion limits were defined based on specialist knowledge of homogeneous areas. The main objective of the present work is mapping the terrestrial ecoregions of the Madeira-Purus inter-rivers. This mapping considers its application for conservation planning, in regional scale, and it is based on computational methods. This work assumes the hypothesis that Madeira-Purus interrivers ecoregions, at regional scale, can be mapped using a computational modeling procedure. The study site was chosen because the Madeira-Purus inter-rivers is one of the Rede GEOMA researches focal areas. A methodological approach to map the ecoregions semi-automatically was proposed and the resulted model was discussed. The ecoregions for the Madeira-Purus inter-rivers were identified based on Self-Organized Map neural network that was configured to work over a set of 21 environmental and climatic variables, referred to climate, vegetation, soil, altitude, slope, drainage density, geographical distance, and NDVI. After the analysis of different models, the final ecoregion mapping resulted from a set of variable of altitude, slope, drainage density, latitude and vegetation. A discriminant analysis identified the mixture degree between the resulted ecoregions, with a degree of agreement of 0.87 from Kappa index. The methodological approach was consistent and can be reproduced over different areas. The variables of latitude, drainage density and altitude were proxies of climatic variables, offering better spatial resolution and definition of ecoregion limits. The qualitative analyses indicated the contribution and the importance of each variable in the regionalization process as: drainage density, latitude, altitude, vegetation and slope. Comparing to WWF ecoregion mapping, the final model presented higher heterogeneity in the Madeira-Purus inter-rivers, using lower number of environmental variables. The environmental diversity in the Madeira-Purus was finally mapped with 13 ecoregions, which can contribute as relevant information for the strategies for the Amazon region conservation.

16

17 Sumário LISTA DE FIGURAS... LISTA DE TABELAS... LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Contexto biogeográfico Forçantes ambientais Contribuição das imagens de índice de vegetação O conhecimento da biodiversidade e as estratégias de conservação para a Amazônia Mapeamento das ecorregiões Mapa auto-organizável MATERIAL E MÉTODOS Área de estudo Metodologia RESULTADOS E DISCUSSÃO Configurações do SOM Modelo completo Modelos dos conjuntos de variáveis Modelos reduzidos Comparação entre o mapeamento das ecorregiões do WWF e do modelo proposto CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GLOSSÁRIO APÊNDICE A Pg

18

19 LISTA DE FIGURAS Fluxograma conceitual que mostra a interação entre a biogeografia histórica e ecológica e suas diferenças Legenda: 1) as linhas verdes representam o crescimento logarítmico da média anual de temperatura; 2) as linhas azuis representam o crescimento logarítmico da precipitação total anual e 3) as linhas vermelhas representam a taxa média anual do potencial de evapotranspiração (a) Em amarelo são os pontos dos inventários arbóreos do RADAM. Em vermelho os limites do interflúvio Madeira-Purus na Amazônia Legal. Percebe-se que os pontos estão alinhados ao longo do rio Purus e da Br-319 e nas adjacências da cidade de Rio Branco. (b) Esforço de coleta de angiosperma na Amazônia brasileira Ecorregiões do WWF foram categorizadas em 14 biomas e 8 regiões biogeográficas. Delimitação das ecorregiões em nível global Ecorregiões do WWF mapeadas em escala regional no interflúvio Madeira-Purus Os vetores de entrada são conectados a toda camada bidimensional de neurônios pós-sinápticos. O círculo em preto exemplifica o neurônio vencedor e os círculos em níveis de cinza são os neurônios vizinhos excitados, onde a vizinhança imediata (cinza escuro) foi mais excitada pelo vencedor do que a vizinhança mais distante (cinza claro) Visão lateral do mapa neural, o neurônio vencedor localizado no centro da vizinhança em preto. Valores decrescentes em níveis de cinza que vai do centro em direção as extremidades diminuindo conforme a distância do neurônio vencedor Área de influência do neurônio vencedor ao longo do tempo. Inicialmente sua área de influência é maior e diminui progressivamente até chegar ao próprio neurônio vencedor Adaptação do neurônio vencedor (BMU) e seus vizinhos em direção à marca x. A linha sólida e a tracejada representam o antes e o depois da adaptação, respectivamente Exemplos de planos de componentes de duas variáveis. As escalas de valores são inerentes ao dado de entrada Matriz de distância unificada (U-Matriz). O grau de similaridade corresponde à distância entre os neurônios adjacentes. Valores altos (vermelho escuro) e baixos (azul escuro) são neurônios distantes e próximos, respectivamente Exemplo de um mapa de importância relativa. O vermelho representa a vegetação e em azul a drenagem das duas variáveis da figura Localização do interflúvio Madeira-Purus na Amazônia Legal, mosaico GEOCOVER Sobrevôo no interflúvio Madeira-Purus (2007). (a) Campos naturais do norte. (b) rio Madeira no fundo e lago formado pela mudança de curso do rio. (c) Floresta de Terra Firme com dossel emergente. (d) Afloramento rochoso na região das serras encontradas na região sul. (e) Campos abertos formados principalmente de areia em Lábrea. (f) Campos naturais de Humaitá, também descrito como cerrado

20 amazônico. (g) Várzea do Purus, rio meândrico e sinuoso. (h) Floresta Ombrófila Aberta com bambu, comumente conhecida como floresta de Taboca ou tabocal. Fotos: Arimatéa Ximenes e Mario Cohn-Haft Cenário do desmatamento de 1997 a 2020, sem as áreas de proteção ambiental Cenário do desmatamento para o interflúvio até ano de 1997 a 2020 com a inclusão de novas Unidades de Conservação Procedimento metodológico, primeira etapa (verde) - composta pela base de dados ambiental. A segunda etapa (amarelo) - construção da base de dados celular e a terceira etapa (azul) mapeamento das ecorregiões Extrato do balanço hídrico do interflúvio Madeira-Purus Exemplos do desnível da superfície causado pelo efeito do desmatamento. (a) e (b) Sobrevôo no interflúvio Madeira-Purus (2007). (c) Desnível visível apresentada por formatos retangulares na parte central da imagem SRTM Representação do raio de influência para o cálculo da densidade de drenagem utilizando o algoritmo Kernel. A linha azul representa a rede de drenagem. A linha vermelha é o raio de influência e o grid da célula corresponde à resolução da grade de saída Mapa de Vegetação do RADAM. Escala 1: Chave hierárquica das unidades de vegetação simplificada a partir da classificação do RADAM e os valores em números decimais atribuídos pelo método de combinação binária Mapa de solos do RADAM. Escala 1: Em azul são os limites das classes de solo sobre a imagem referência SRTM no momento do registro Variáveis de ambientais utilizadas para o mapeamento das ecorregiões Variáveis de ambientais utilizadas para o mapeamento das ecorregiões Variáveis de ambientais utilizadas para o mapeamento das ecorregiões Variável ambiental de distância geográfica Célula quadrada com tamanho de aresta P igual a 2 km. O ponto verde é o centróide da célula de onde é extraído o valor de cada variável e armazenado como atributo na célula correspondente. Em vermelho, o limite aceitável para extrair informação, sendo a distância desse ponto até o centróide da célula o erro máximo aceitável Espaço celular no TerraView. Plano de informação de células e sua respectiva tabela de atributos com as variáveis ambientais. O retângulo em vermelho representa a célula no formato de tabela Desmatamento acumulado a partir dos dados do PRODES/INPE (2006). Os círculos em vermelho destacam as regiões mais afetadas pelo desmatamento no interflúvio Formato da tabela e a disposição dos dados de entrada Médias das métricas de qualidade das 3 configurações (a) Média dos erros de quantização; (b) média dos erros topológicos; e (c) média do índice Davies- Bouldin nas duas simulações Modelo completo. Resultado da regionalização utilizando as 21 variáveis ambientais

21 4.3 - Plano de componentes com dimensões de 57x22 do modelo completo. Os círculos indicam as localizações dos valores altos e baixos. As cores indicam a posição dos valores no mapa neural. Em preto, valores altos no canto inferior esquerdo. Em vermelho, valores baixos encontrados no canto superior esquerdo. Em azul, valores altos encontrados no canto superior esquerdo. Em amarelo, valores baixos encontrados na lateral superior direita. Em marrom, valores altos encontrados na lateral inferior direita Neurônios rotulados do modelo completo. Os códigos que aparecem nos hexágonos são os identificadores das células que podem ser localizadas no espaço geográfico no ambiente de Sistemas de Informação Geográfica Exemplos de dependência espacial visivelmente identificada no plano de componentes. (a) Temperatura mínima do mês de julho; (b) latitude e seus respectivos planos de componentes Planos de componentes do modelo completo das variáveis de vegetação, solos, densidade de drenagem, variância de declividade. Os círculos em preto são os valores altos e os círculos em vermelho são os valores baixos Planos de componentes das variáveis de NDVI. NDVIVARJAN variância de NDVI do mês de janeiro; NDVIVARJUL variância de NDVI do mês de julho; NDVIMDJAN média de NDVI do mês de janeiro; NDVIMDJUL média de NDVI do mês de julho Modelo com as variáveis climáticas Modelo com as variáveis bioclimáticas Modelo misto das variáveis climáticas e bioclimáticas Modelo com as variáveis de NDVI Modelo com as variáveis geomorfológicas de altitude, variância de declividade e densidade de drenagem Modelo reduzido 1 Altitude, declividade, densidade de drenagem, vegetação, solos e latitude Modelo reduzido 2. Altitude, declividade, densidade de drenagem, vegetação e altitude Planos de componentes com dimensões 55x23 para as variáveis empregadas no modelo reduzido Modelo reduzido 2. U-Matriz. Valores altos correspondem às divisas entre os agrupamentos e valores baixos aos neurônios similares que formam os agrupamentos Modelo reduzido 2. Mapa de importância relativa com a contribuição de cada variável para a separação dos agrupamentos Modelo reduzido Plano de componentes dimensões 53x24 das variáveis empregadas no modelo reduzido U-Matriz do modelo reduzido 3. Valores altos correspondem às divisas entre os agrupamentos e valores baixos aos neurônios similares que formam os agrupamentos Mapa neural com a contribuição de cada variável para a separação dos agrupamentos modelo reduzido

22 Gráfico do índice Davies-Bouldin (a) modelo reduzido 2; (b) modelo reduzido 3. O círculo em vermelho mostra o agrupamento com o menor valor do índice (a) Ecorregiões do WWF; (b) Ecorregiões do modelo proposto. Em vermelho são as áreas analisadas em detalhe Detalhe das ecorregiões no norte do interflúvio mapeamento do WWF Detalhe das ecorregiões no norte do interflúvio. Mapeamento proposto (Modelo reduzido 2) Detalhe das ecorregiões no sul do interflúvio mapeamento do WWF Detalhe das ecorregiões no sul do interflúvio. Mapeamento proposto (Modelo reduzido 2) Ecorregiões do mapeamento do WWF para as adjacências do interflúvio Madeira-Purus Detalhe das ecorregiões da parte central do interflúvio. Mapeamento proposto (Modelo reduzido 2)

23 LISTA DE TABELAS Valor atribuído e em cada célula em relação a precipitação de cada mês Legenda das classes de vegetação e as combinações dos números binários. Na ultima coluna estão os números finais convertidos para valores decimais Hierarquia das classes de solo do interflúvio Madeira-Purus com os valores de distância arbitrários para as classes Variáveis ambientais selecionadas para compor o processo de mapeamento das ecorregiões Operação matemática de extração de informação usadas para cada variável ambiental considerada Configuração do algoritmo de treinamento por lote do SOM Configurações com número de épocas diferentes. Map é igual ao número de neurônios do mapa neural e n é o número de vetores de entrada Resultado do número de épocas em cada configuração Configurações do modelo completo. Conf. configuração; Orden. ordenação; Conver. convergência; Eq erro de quantização; Et erro topológico. Em negrito o resultado apresentado na figura Configurações do modelo de conjunto de variáveis. Conf. configuração; Orden. ordenação; Conver. convergência; Eq erro de quantização; Et erro topológico. Em negrito os menores valores do índice Davies-Bouldin para cada modelo Resultado das configurações do modelo completo. Conf. configuração; Orden. ordenação; Conver. convergência; Eq erro de quantização; Et erro topológico Resultado dos índices e variâncias Kappa dos modelos reduzidos 2 e

24

25 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ARPA - Programa de Áreas Protegidas da Amazônia AVHRR - Advanced Very High Resolution Radiometer IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais HYDROSHEDS - Hydrological data and maps from Shuttle Elevation Derivatives at multiple Scales EPA - Environmental Protection Agency GEF Global Environment Fund GIMMS Global Inventory Modeling and Mapping Studies GSFC - Goddard Space Flight Center IDL - Interactive Data Language ENVI - The Environment for Visualizing Images MDE - Modelo Digital de Elevação NDVI - Normalized Difference Vegetation Index NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration PRODES - Projeto de Estimativa do Desflorestamento da Amazônia NGA - National Geospatial-Intelligence Agency NASA - National Aeronautics and Space Administration NIMA - National Imagery and Mapping Agency SIG - Sistema de Informação Geográfica SRTM - Shuttle Radar Topography Mission SIPAM - Sistema de Proteção da Amazônia SOM Self-Organizing Maps SPRING - Sistema de Processamento de Informações Georeferenciadas TNC - The Nature Conservancy USFS Unite States Forest Service USGS - United States Geological Survey WWF World Wildlife Fund

26

27 1. INTRODUÇÃO Muitas instituições federais e organizações privadas, principalmente nos países desenvolvidos, utilizam o sistema de classificação da paisagem baseados no conceito de ecorregião (LOVELAND; MERCHANT, 2004; OLSON et al., 2001). Há mapas de ecorregiões para toda superfície da Terra, elaborados com propósitos e objetivos diferentes (BAILEY, 2005). As ecorregiões são usualmente definidas como áreas relativamente homogêneas que possuem condições ambientais similares (BAILEY, 2005; LOVELAND; MERCHANT, 2004; ZHOU et al., 2003; OMERNIK, 1995), e podem ser definidas em diferentes escalas (BAILEY, 1983). Para o mapeamento das ecorregiões variáveis abióticas e bióticas como clima, hidrologia, feições morfológicas da paisagem, vegetação e solo são utilizadas (OMERNIK, 1987). Os mapas de ecorregiões podem auxiliar na visualização e no entendimento da similaridade através da complexidade dos fatores ambientais que variam no espaço (HARGROVE; HOFFMAN, 2005). Esses mapas são ferramentas que facilitam a compreensão e organização do conhecimento geográfico (GOLLEDGE, 2002), facilitando a tomada de decisão e o gerenciamento dos recursos naturais (LOVELAND; MERCHANT, 2004). Por meio de entidades como U.S. Forest Service (BAILEY, 1983, 2005) e a U.S. Environmental Protection Agency (OMERNIK, 1987), as ecorregiões do mundo foram mapeadas com o objetivo de avaliar e gerenciar os recursos florestais e monitorar a qualidade da água superficial. O World Wildlife Fund (WWF) mapeou as ecorregiões do globo com o objetivo de criar unidades biogeográficas na escala regional que atinjam as principais metas de planejamento da conservação da biodiversidade (OLSON et al., 2001). Na Amazônia, as ecorregiões mapeadas pelo WWF possuem influência direta sobre as ações conservacionistas, como no Programa de Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA) que baseia-se na representatividade das 23 ecorregiões amazônicas (Programa ARPA, 2004). Historicamente, a maioria das abordagens para o mapeamento das ecorregiões não segue uma metodologia padronizada na escala regional, onde os limites foram estabelecidos intuitivamente com auxilio de especialistas com conhecimento sobre áreas 25

28 consideradas homogêneas (BAILEY, 1983; BAILEY, 1996; OMERNIK, 1987; OLSON et al., 2001). Os métodos tradicionais de delineação manual das ecorregiões consomem muito tempo e exigem processos laboriosos e dependentes do conhecimento dos especialistas (ZHOU et al., 2003). Quando as ecorregiões são definidas a partir de múltiplas camadas de informações, o julgamento dos especialistas para a localização dos limites torna-se muito complexo, e conseqüentemente com resultados subjetivos (ZHOU et al., 2003). A impossibilidade de reprodução dos experimentos e a falta de clareza metodológica constituem as principais desvantagens do método tradicional (ZHOU et al., 2003; JEPSON; WHITTAKER, 2002; WRIGHT et al., 1998). A partir do final dos anos 90, alguns autores têm explorado o potencial dos dados de sensoriamento remoto para mapear as ecorregiões utilizando métodos computacionais robustos que agrupam as regiões homogêneas a partir de múltiplas camadas de informações (HARGROVE; HOFFMAN, 2005; ZHOU et al., 2003; LEATHWICK et al., 2003; HARGROVE; HOFFMAN, 1999). Os métodos computacionais promovem rapidez, precisão e permitem manipular informações com alta resolução, além de facilitar as análises estatísticas dos dados (LOVELAND; MERCHANT, 2004; ZHOU et al., 2003). Procedimentos quantitativos e automáticos possuem menos incerteza que o método tradicional, além de reduzir a influência do julgamento humano (ZHOU et al., 2003). Até o momento, os métodos computacionais utilizados para mapear as ecorregiões são empregados apenas nos países desenvolvidos (HARGROVE; HOFFMAN, 2005; ZHOU et al., 2003; HARGROVE; HOFFMAN, 1999). No Brasil, métodos computacionais ainda não foram empregados para o mapeamento das ecorregiões. O mapeamento das ecorregiões na escala regional pode auxiliar na escolha de áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade, sem a necessidade imediata de estudos detalhados sobre a distribuição das espécies. De acordo com Peres (2005), as coleções de diversos grupos taxonômicos na Amazônia são insuficientes para qualquer tipo de planejamento sistemático de conservação. Devido à falta de dados sobre a distribuição das espécies, Peres (2005) considera viável utilizar níveis mais generalizados de organização ecológica, como por exemplo, as ecorregiões. O 26

29 mapeamento das ecorregiões a partir de métodos computacionais pode então fornecer contribuições importantes para o planejamento sistemático de ações conservacionistas na Amazônia. O interflúvio Madeira-Purus, com área de aproximadamente km 2 e 1500 km de extensão no sentido nordeste - sudoeste é um exemplo da falta de conhecimento sobre a biodiversidade Amazônica. Em 2007, pesquisadores da Rede GEOMA (Rede Temática de Pesquisa em Modelagem Ambiental na Amazônia) do grupo de Biodiversidade do interflúvio Madeira-Purus do Ministério da Ciência e Tecnologia, realizaram duas expedições com o objetivo de estudar a biodiversidade do interflúvio. As expedições foram compostas por especialistas de diversos grupos taxonômicos como, aves, répteis, anfíbios, aracnídeos, peixes, primatas, palmeiras, vegetais inferiores e superiores. As expedições ganharam destaque pelas descobertas de novas espécies de aves (COHN- HAFT, 2007 comunicação pessoal) e uma subespécie de primata (ROHE, 2007 comunicação pessoal). As equipes de pesquisadores que participaram das expedições tiveram o devido reconhecimento do governo brasileiro com a carta de voto de aplauso assinada pelo Senador Arthur Virgílio. Na região do interflúvio é possível encontrar ecossistemas ainda preservados e isolados da ação antrópica, devido o efeito do desmatamento se concentra nas proximidades das estradas, dos rios e cidades. Esta concentração se deve principalmente pela dificuldade de acesso à região, que possui a rodovia BR-319 que conecta Manaus-Porto Velho, abandonada por volta de 1988 (FEARNSIDE; GRAÇA, 2006). Contudo, planos de reconstrução da BR-319 e a construção de duas hidrelétricas no rio Madeira tornarão a região suscetível aos futuros impactos antrópicos. Considerando a importância e extensão do interflúvio Madeira-Purus e a ausência de trabalhos detalhados na escala regional, este trabalho pretende contribuir para o conhecimento da heterogeneidade ambiental do interflúvio. O presente trabalho parte da hipótese que as ecorregiões do interflúvio Madeira Purus podem ser mapeadas em escala regional a partir de um modelo computacional. Espera- 27

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

A Floresta em Transição

A Floresta em Transição A Floresta em Transição Alessandro C. de Araújo, PhD Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental Coordenador do Grupo de Micrometeorologia do Programa LBA Sumário Projeto LBA Artigo The Amazon basin in transition

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado. Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Cerrado Vânia R. Pivello Dept. Ecologia - IB/USP Sumário Conceituação, definições Classificações da vegetação do Cerrado Condições ambientais Origem

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS

ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS CCD - CBERS V Co ló qu i o B ra si l ei ro d e Ci ên ci a s Geo d ési ca s ISSN 1981-6251, p. 910-914 ANÁLISE DE MÉTODOS DE CLASSIFICAÇÃO SUPERVISIONADA APLICADA AO DESMATAMENTO NO MUNICÍPIO DE MARABÁ UTILIZANDO IMAGENS

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES

AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE ALTERNATIVAS DE TRAÇADO DE DUTOS TERRESTRES Guilherme Mendonça da Cunha (PETROBRAS), Giovani Schifino Dellamea, Renato Fernandes, Wilson José de Oliveira. RESUMO Este Trabalho apresenta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ Marcelo Brauer Zaicovski Sistema Meteorológico do Paraná SIMEPAR Caixa Postal 19100, Jardim das Américas,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Redes Neurais. Mapas Auto-Organizáveis. 1. O Mapa Auto-Organizável (SOM) Prof. Paulo Martins Engel. Formação auto-organizada de mapas sensoriais

Redes Neurais. Mapas Auto-Organizáveis. 1. O Mapa Auto-Organizável (SOM) Prof. Paulo Martins Engel. Formação auto-organizada de mapas sensoriais . O Mapa Auto-Organizável (SOM) Redes Neurais Mapas Auto-Organizáveis Sistema auto-organizável inspirado no córtex cerebral. Nos mapas tonotópicos do córtex, p. ex., neurônios vizinhos respondem a freqüências

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Edison Crepani José Simeão de Medeiros Instituto Nacional

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS

ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS SOPHIA D. RÔVERE 1 ; WILSON A. HOLLER 2 Nº 11510 RESUMO Modelos digitais

Leia mais

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS

ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS ANEXO 1 RELAÇÃO DESCRITIVA DAS TAREFAS Neste anexo estão delineadas, de forma sugestiva, as possíveis maneiras de se executar o Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab com duração

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite

Documento de Projeto. Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Documento de Projeto Projeto Número: 00061740 BRA/08/011 Monitoramento do Desmatamento nos Biomas Brasileiros por Satélite Este projeto tem como objetivo

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5

VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 VARIABILIDADE ESPAÇO TEMPORAL DO IVDN NO MUNICIPIO DE ÁGUAS BELAS-PE COM BASE EM IMAGENS TM LANDSAT 5 Maurílio Neemias dos Santos 1, Heliofábio Barros Gomes 1,, Yasmim Uchoa da Silva 1, Sâmara dos Santos

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS UMA ARQUITETURA DE SISTEMAS ESPECIALISTAS NEBULOSOS PARA CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UTILIZANDO OPERADORES DA MORFOLOGIA MATEMÁTICA

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Diversidade Biológica: Definição e Valor Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida O QUE É DIVERSIDADE BIOLÓGICA? A biodiversidade ou diversidade biológica

Leia mais

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos²

Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² Ordilei Aparecido Gaspar de Melo¹ Manoel Luiz dos Santos² ¹UNIMEO/CTESOP UEM Professor da Faculdade UNIMEO/CTESOP-Assis Chateaubriand/PR Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia PGE-UEM ordmelo@hotmail.com

Leia mais

Ecologia Produtividade dos Ecossistemas

Ecologia Produtividade dos Ecossistemas Produção primária Produção primária Produção primária Variação da produção primária com o tempo Produção secundária Produção secundária Produção secundária dependência de factores abióticos Produção secundária

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR INTRODUÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE QUEIMADAS NOS CAMPOS DE CIMA DA SERRA, RS, ATRAVÉS DOS ÍNDICES NDVI E NBR BRUNO DEPRÁ¹ DINIZ CARVALHO DE ARRUDA¹ TATIANA MORA KUPLICH² Universidade Federal de Santa Maria-UFSM¹ Instituto

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução

3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução 37 3 Estado da arte em classificação de imagens de alta resolução Com a recente disponibilidade de imagens de alta resolução produzidas por sensores orbitais como IKONOS e QUICKBIRD se tornou-se possível

Leia mais

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro

Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Estudo da fragilidade ambiental no Parque Nacional da Serra da Bocaina, Estado do Rio de Janeiro Moraes, L.M.A.V. (UFRJ) ; Alexandre, S.T. (UFRJ) ; Brizzi, R.R. (UERJ) ; Souza, H.S. (UFRJ) ; Lopes, C.F.

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL Carlos Nobre, Gilvan Sampaio, Luis Salazar CPTEC/INPE A PROBLEMÁTICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL E SEU PAPEL NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

3 Geo/Sensoriamento Remoto

3 Geo/Sensoriamento Remoto 3 Geo/Sensoriamento Remoto Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ relacionadas à temática geo/sensoriamento remoto. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN Lisboa, C. M. C. A (1) ; Advincula, A. C. C. (1) ; Souza, T. A. (2) ; Santos, T. O. B. (2) carolisboabio@yahoo.com.br (1) Secretaria Municipal

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL

ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS ANÁLISE MULTITEMPORAL DA COBERTURA VEGETAL DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO TARUMÃ AÇU/MIRIM, MANAUS, AMAZONAS, BRASIL OLIVEIRA, Maria Antônia Falcão de; VASCONCELOS, Mônica

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais