PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO"

Transcrição

1 ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA SEMEC ESCOLA MUNICIPAL PROFº. BENJAMIM SOARES DE CARVALHO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO ERESINA 2010

2 ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA SEMEC ESCOLA MUNICIPAL PROFº. BENJAMIM SOARES DE CARVALHO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO TERESINA 2010

3 1 - IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA A Escola Municipal Professor Benjamim Soares de Carvalho, entidade Jurídica com inscrição no Ministério da Educação e Cultura MEC nº , com sede na rua Luiz Ferraz, nº 1345 Vila Confiança, Bairro Macaúba, CEP: , Telefone: , Teresina-Piauí. CNPJ, / Equipe gestora: Diretor(a): Noranei Pacheco Santos Rodrigues Diretor(a) Adjunta: Rosângela Maria Mendes da Silva Pedagoga: Gleina Lúcia Mendes Leal Secretária: Antônia Elisiária de Sousa Níveis e Modalidades de Ensino da instituição: Ensino Fundamental: 1º ao 5º ano A equipe gestora da escola é constituída de: uma diretora, graduada em Letras Português, uma diretora-adjunta graduada em Pedagogia, ambas eleitas através do voto direto da comunidade escolar para um mandato de 4 anos, uma pedagoga com graduação em Pedagogia e Pós-graduação em Supervisão Escolar e uma secretária habilitada e autorizada para exercer a função que lhe é inerente. A referida escola funciona nos turnos manhã e tarde com um total de 530 alunos na modalidade de Ensino Fundamental série inicial do 5º ano. A instituição educativa apresenta se projeto Político-Pedagógico para o período de 2008 a 2012 com o intuito de redimensionar as ações educativas e garantir a funcionalidade dos setores da escola.

4 DADOS DE IDENFICAÇÃO DA ESCOLA 1. EQUIPE GESTORA 1.1. DIREÇÃO Noranei Pacheco Santos Rodrigues Rosângela Maria Mendes da Silva 1.2.COORDENAÇÃO Gleina Lúcia Mendes Leal 1.3. SECRETARIA Antonia Elisiaria de Sousa 1.4. PROFESSORES 1. Aleciandra da Silva Soares 2. Ana Lúcia B. de Sousa 3. Carlos Augusto M. de Araújo 4. Francinilva Rodrigues Santos 5. Gerdania Maria V. de Carvalho 6. Georgina da Luz de S. Cunha 7. kátia Maria D. Marreiros 8. Marli Barros de Vasconcelos 9. Maria das Graças Soares 10. Maria de Jesus da S. Lustosa 11. Marinalva Barbosa Alencar 12. Maria do Socorro Mendes Silva 13. Oliçandra Araújo Lima 14. Raimunda Nonata de Macedo 15. Teresinha de Jesus S. Nascimento

5 1.5. FUNCIONÁRIOS 1. Adrianice Martins Veloso 2. Francisco da Costa Sousa Filho 3. Francisca Maria Soares 4. Francisca Maria Moraes Silva 5. Francisca Duarte Franco 6. Gilson de Jesus Belfort 7. Henrique César de C Mazza 8. Ironeide Moreira Silva 9. Ideval de Sousa Gomes 10. Ivone Alves Cardoso 11. Juraci Gomes da Silva 12. Josivaldo Tavares da Silva 13. José Raimundo Dias 14. Maria Noleto de Sousa 15. Maria de Fátima Albuquerque 16. Maria do Rosário das Neves Silva 17. Maria de Jesus Silva 18. Manoel Euzédio 19. Rosalina Bacelar Soares 20. Sandra Rosa Dantas Santos 21. Teresinha de Jesus Oliveira Silva 22. Zilma Maria de Jesus

6 EXECUÇÃO Diretor Diretor Adjunto Professores Pedagogo Professores Funcionários Conselho Escolar Comunidade Local PÚBLICO ALVO DE ATENDIMENTO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 1º E 2º BLOCOS: 6 A 10 ANOS, EXCETO OS CASOS DE DISTORÇÃO IDADE / SÉRIE.

7 SUMÁRIO 1. Identificação da Escola Justificativa Visão Estratégica Valores Visão de Futuro Missão Objetivos Estratégicos Fundamentação Teórica Níveis e Modalidades de Ensino Metas Professores e Especialistas / Técnicos de Ensino Estrutura e Organização da Escola Gestão Administrativa Instalações e Condições Materiais Recursos Financeiros Projeto Pedagógico Curricular do Ensino Orientações Teoria e Conceito de Currículo e Organização Curricular Sistemática de Avaliação, Promoção e Recuperação do Aluno Sistemática do Planejamento Escolar PAM Calendário Escolar Instrumentos de Autonomia da Escola Regimento Escolar Estatuto do Conselho Escolar Conselho de Classe Bibliografia Anexo PDE Escola

8 Plano de Ações e Metas Plano de Metas 2009 Calendário Escolar Projetos Desenvolvidos

9 1- APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA O presente documento foi elaborado pelo corpo docente e administrativo desta escola tendo como referencial a Proposta Curricular do Ensino fundamental SEMEC e visa apresentar os conteúdos a serem trabalhados em cada etapa bloco, desde o 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. Nas áreas de conhecimento: língua portuguesa, matemática, história, geografia, ciências naturais, artes, ensino religioso e educação física. Além dos conteúdos, apresentamos ás habilidades relevantes para cada etapa / bloco nas áreas de língua portuguesa e matemática a fim de oferecer subsídio para a ação educativa, gerando novas idéias e dando novas idéias e dando novos rumos ao processo de ensino e aprendizagem. 2 - JUSTIFICATIVA O Projeto Político-Pedagógico constitui na realidade um plano geral da escola, sendo fundamentados no art. 12 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação LDB de Nº 9394/96 Reconhecendo que são muitos e variados os problemas com que nos defrontamos diariamente na prática de educação escolar e que cada um deles exige de nós esforços para compreendê-los e para buscar soluções. Esta busca nos move ao encalço de suas raízes e, muitas vezes, nos conduz às mesmas causas, as mesmas contradições (Lefebre, 1975, citado por Fleuri 2001) subjacentes à maioria das práticas sociais. Compreendê-las e posicionar-se a elas não é um ato simples nem superficial. É uma exigência que nos persegue a vida toda, desafiando-nos a sermos sujeitos de transformação do nosso contexto. Dessa forma tornou-se necessário à reconstrução do Projeto Político Pedagógico, com o propósito de reafirmar o papel social da escola a partir de uma reflexão sobre os valores filosóficos, sociológicos e psico-pedagógico do cotidiano escolar que irá nortear as ações da escola no bojo do processo histórico e coletivo da práxis, seguindo o curso das transformações entre si, alicerçando e projetando as

10 ações dos educandos para o futuro. Neste sentido afirma Paulo Freire: Ninguém educa ninguém com tampouco ninguém se educa a si mesmo: os homens se educam em comunhão, mediatizados pelo mundo. Sabemos que muitos profissionais da educação carregam o estigma de concepções tradicionais ou ainda manifestam repúdio ao sistema vigente e não se envolvem em discussões que fundamentam as novas metodologias de ensino. Pretendemos com a presente Proposta Pedagógica que estes profissionais repensem suas práticas e renovem o seu saber fazer pedagógica através de uma participação e compreensão de que ele é o eixo em torno do qual a melhoria da qualidade do ensino acontece. Observamos também que a aprendizagem dos alunos não ocorre dentro das expectativas planejadas pelo professor por diversos motivos: a falta de interesse, a baixa auto-estima, falta de acompanhamento dos pais nas atividades escolares, problemas neurológicos e de natureza sócio econômico e cultural o que aumenta o grau das dificuldades dos professores, em especial nas séries iniciais. Com este Projeto Político Pedagógico pretendemos apresentar as diretrizes e normas do funcionamento da escola com o intuito de propor melhorar a qualidade de ensino, tornando-a democrática, moderna e construtiva através da capacitação dos professores, acompanhamento dos pais, integração da comunidade, respeitando a individualidade do aluno, oportunizando-o a desenvolver sua consciência política para contribuir com a transformação da sociedade. A concretização não se esgota simplesmente na elaboração do documento, mas deve ser um trabalho de ação pautada na avaliação constante e na açãoreflexão-ação, constituindo assim, instrumento de garantia para o efetivo trabalho tanto pedagógico como administrativo. A elaboração deste projeto se faz necessária por suas finalidades já explicitadas e fatores condicionantes diagnosticados na pesquisa referente a escola e comunidade onde está inserida.

11 3 VISÃO ESTRATÉGICA 3.1 VALORES: Respeito: respeitamos a igualdade e os direitos de cada indivíduo da comunidade escolar; Igualdade: proporcionamos o mesmo tratamento e oportunidade a comunidade escolar; Participação: oportunizamos a todos um trabalho em equipe, com transparência e flexibilidade. 3.2 VISÃO DE FUTURO Seremos uma escola que se adeque aos avanços tecnológicos e sociais direcionada a melhorar a qualidade do processo de ensino-aprendizagem, realizado com responsabilidade, compromisso e respeito a comunidade escolar, atendendo ao interesse público, visando a formação integral do educando. 3.3 MISSÃO A Escola Municipal Profª Benjamim Soares de Carvalho se propõe a oferecer um ensino de qualidade em parceria com todos que fazem a escola (docentes, discentes, pessoal administrativo e família), garantindo a participação ativa da comunidade, contribuindo para a formação integral dos alunos, para que eles possam agir construtivamente na transformação do seu meio. 3.4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS OBJETIVOS GERAIS 1. Desenvolver uma concepção crítica de homem e sociedade transformadora. Uma educação que priorize valores de formação ética, filosófica, humana e técnica no contexto das relações sociais; 2. Promover um ensino que contextualiza a realidade dos alunos, otimizando uma relação de troca de experiências comunicativa, onde eles assumam uma conduta política crítica, própria dos homens como sujeitos construtores da história, situados nas dinâmicas das relações

12 sociais de uma sociedade mais equilibrada, igualitária e justa, dentro dos princípios democráticos que norteiam cada indivíduo; 3. Desenvolver o zelo e respeito pelo material didático garantindo a conservação do livro didático através de campanhas educativas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Favorecer a integração escola-família visando à co-responsabilidade no processo educativo, através da utilização dos espaços pedagógicos como: palestras, reuniões, oficinas e eventos culturais, etc.; 2. Realizar projetos didáticos que viabilizem a melhoria das atividades pedagógicas dinamizando e estimulando o ensino aprendizagem: aula-passeio, feira cultural, gincana, capacitação, oficinas, cinema, pesquisa, visita a biblioteca, campanha de valorização do livro didático; 3. Organizar sub-projetos para a implementação de vivências pedagógicas a fim de promover o desenvolvimento escolar e comunitário através de projetos de: leitura, biblioteca, sala de aula, atendimento individualizado dos alunos com dificuldade de aprendizagem, parcerias com associações da comunidade, lazer comunitário; 4. Fornecer subsídios teórico-práticos para o estudo, reflexão e discussão acerca do processo ensino-aprendizagem; 5. Realizar encontros pedagógicos para estudos e reflexões sobre a práxis pedagógica 6. Maximizar os recursos tecnológicos para suprir as necessidades pedagógicas.

13 4 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nossa práxis fundamenta-se na metodologia construtivista, com base epistemológica na psicologia genética (Piaget), e no sócio - interacionismo ((Vygotsky). Piaget, em seus trabalhos, procura responder ao seguinte questionamento: como se passa de um estado de menor conhecimento a um estado de conhecimento mais avançado? Para responder ao questionamento Piaget utiliza-se de métodos por ele chamados de métodos epistemológicos genéticos com valorização da sociogênese (produção do conhecimento enquanto um empreendimento da humanidade) e da psicogênese ( formação do conhecimento em nível de sujeito). O mais importante em sua teoria, é o estudo dos processos psicogenéticos que resultam na formação de estruturas cognitivas básicas para as aprendizagens com as quais a escola lida. Essas estruturas são, ao mesmo tempo, estruturadas e estruturantes e representam as possibilidades do sujeito enquanto ser cognoscente. Deste ponto de vista, o conhecimento não se origina da experiência única dos objetos (empirismo) nem de uma preformação (Inatismo), mas de construções sucessivas de novas estruturas. Estas novas estruturas se formam, segundo Piaget, pressupondo-se que o sujeito constitui uma totalidade com o meio, sendo passível de desequilíbrios em função das pertubações do meio. Isto o obrigará a um esforço de adaptação, através dos processos fundamentais de assimilação e acomodação. A assimilação cognitiva consiste na incorporação de elementos do mundo exterior às estruturas de conhecimento, aos esquemas sensório-motores ou conceituais previamente construídos. Se tais esquemas são inoperantes. Tendem a modificar-se para conseguir integração dos dados inusitados aos sistemas já existentes. A modificação dá-se por acomodação do estado presente às exigências atuais. À medida que o sujeito assimila e, acomoda, a função da organização será integrar a nova estrutura a uma outra preexistente que, mesmo total, passa a funcionar como subestrutura. Dessa maneira, a organização garante a solidariedade entre a transformação e a integração que os une em um conjunto mais amplo.

14 De acordo com esta interpretação teórica, a equilibração apresenta-se sempre como sínteses provisórias, uma vez que todo o conhecimento finda por apontar novos problemas e assim sucessivamente( equilibração majorante). A construção do sujeito epistêmico vai das ações da inteligência sensóriomotora (regida pela percepção imediata) às estruturas caracterizadas pela reversibilidade (operações concretas), atingindo o último nível, o das operações formais ou hipotético-dedutivas. No bojo desta teoria a aprendizagem tem o seu conceito ampliado, onde os processos de equilibração são internos, mas não hereditários e levam sempre a reequilibrações majorantes. Todas as informações que chegam ao sujeito são por ele resignificadas, fixando a relação ensino x aprendizagem como probabilística. Nesta relação, o professor deve funcionar como mediador competente. Ainda no campo do construtivismo destacamos a contribuição de Vygotsky com seus discípulos e colaboradores. Seu principio básico é o da existência de uma relação entre um dado nível de desenvolvimento e da capacidade potencial de aprendizagem existindo dois níveis de desenvolvimento: o nível de desenvolvimento afetivo e a zona de desenvolvimento proximal. Neste caso, o educador não pode orientar sua ação apenas com base no desenvolvimento já consolidado. Para Vygotsky, o desenvolvimento das funções psíquicas superiores se apóiam nas atividades coletivas ( atividades sociais) como funções intrapsíquicas. A zona de desenvolvimento proximal aponta o processo ensino x aprendizagem como meio de elevar os conhecimentos do senso comum (conceitos espontâneos) por meio de conceitos científicos, articulando-as à prática e às condições do aluno, dotando-a de recursos mais poderosos. A seguir, resumiremos os pressupostos que assumimos como orientação para o trabalho pedagógico da Escola Municipal Prof. Benjamim Soares de Carvalho.

15 PRESSUPOSTOS: Pressupostos sócio-antropológicos e políticos: Preservação da espécie e da vida; Respeito pelo seres humanos independentemente de diferenças de gênero, etnia, cultura, classe social, religião e opiniões; Convivência democrática pacífica como base do desenvolvimento integral da pessoa e dos grupos sociais; Consideração do ser humano em sua totalidade e pluridimensionalidade física; emocional, afetiva; racional política, ética e estética. Pressupostos psicológicos: Reconhecimento de que o desenvolvimento da pessoa e dos grupos ocorre a partir de processos internos de auto-organização; Reconhecimento da auto-estima e da interação cooperativa como bases para o desenvolvimento; Construção da autonomia como objeto e expressão do processo de desenvolvimento; Processos epistemológicos: Conhecimento pode ser mais amplante construído por meio da participação ativa dos sujeitos, da reflexão e da interação social: Conhecimento, implica uma interação significativa entre o sujeito e o objeto do conhecimento, processo que transforma a ambos; Conhecimento individual e coletivo e uma construção histórica fundamental na linguagem. Pressupostos pedagógicos: Ensino e aprendizagem são processos distintos, mas interdependentes, é o ensino que deve buscar o diálogo com aprendizagem;

16 Conteúdo a ser ensinado deve ser compreendido numa perspectiva ampla, de forma a incluir o que devemos saber, o que devemos fazer e o que devemos ser; Tipos de relações que se estabelecem entre professores e alunos, entre alunos e alunos e desses com o conhecimento são fatores determinantes da aprendizagem; Capacidade de aprender é a expressão máxima da competência e autonomia cognitiva e moral; Processo de ensino-aprendizagem deve favorecer a integração dos conhecimentos tecnológicos, científicos, filosóficos, éticos, estéticos e espirituais, em função da integridade dos sujeitos e de sua compreensão e atuação na sociedade globalizada em que vivemos. No processo pedagógico, cabe ao professor: 1 Reconhecer e valorizar o conhecimento construído pelo aluno; 2 Fornecer informações e meios para que o aluno acesse, registre e processe por si mesmo dados advindos de diferentes fontes; 3 Propor ao aluno problemas e desafios que favoreçam a ressignificação dos conteúdos; 4 Refletir e levar o aluno refletir sobre os processos e produtos do ensinoaprendizagem. No processo pedagógico cabe ao aluno: 1 Expressar e valorizar seus próprios conhecimentos e pontos de vista; 2 Apropriar-se das informações e dos meios para acessa-las, registrá-las e processá-las; 3 Envolver-se nas soluções de problemas e desafios; 4 Formular, analisar criticamente e ressignificar o saber socialmente estabelecido; 5 Refletir sobre os processos e produtos do ensino-aprendizagem.

17 5 - NÍVEIS E MODALIDADES DE ENSINO A Lei 9.394/96 afirma um compromisso com uma educação integral e includente, priorizando o desenvolvimento da capacidade de aprender, de pensar, de fazer, de ser e conviver, destacando como essencial para a formação do cidadão o aproveitamento das experiências extra-escolares dos alunos, a valorização do profissional da Educação, a participação da comunidade na vida escolar, a valorização local e regional e a relação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais. Diante de tal compromisso a Escola Municipal Profª Benjamim Soares de Carvalho, estabelece como objetivo, a promoção de um ensino contextualizado com a realidade dos alunos, favorecendo uma relação de troca de experiências comunicativas para que eles se reconheçam como sujeitos construtores da história, percebendo na dinâmica das relações sociais a construção de uma sociedade democrática e transformadora. A escola funciona em dois turnos: manhã e tarde com a duração de quatro horas cada turno. Atende cerca de 530 alunos distribuídos em 20 turmas. No turno diurno é oferecido o Ensino Fundamental, organizado em blocos, sendo que o primeiro bloco corresponde o 1º, 2º e 3º ano, e o segundo bloco o 4º e 5º ano. As grades curriculares das modalidades de ensino da escola estão de acordo com a legislação vigente, a políticas educacionais do Sistema Municipal de Ensino e as diretrizes pedagógicas emanadas do órgão competente. E está de acordo com o artigo 26, parágrafo II e III da Lei 9.394/96 que recomenda trabalhar os conteúdos enfatizando a introdução de valores sociais, pessoais e a prática da cidadania no dia a dia, assim como, as questões fundamentais que tratam da pluralidade cultural, a ética, a preservação do meio ambiente e de saúde, reforçando o relacionamento democrático e respeitoso a todos.

18 6 - METAS Fundamento nos Objetivos Gerais, Missão e Visão de futuro da Escola, PDE / PAT e Diagnóstico da escola, a Proposta Pedagógica tem como meta para o período de 2008 a 2012as seguintes: Aumentar o índice de rendimento escolar de 77,86% para 90% no período letivo de 2008 a 2010; Reduzir o índice de distorção idade / série de 12.89% para 5% em 2008 e de 5% para 3% em 2012; Manter o índice de evasão escolar de 0% no período de 2008 a 2012; Realizar no mínimo 05 encontros anuais do Conselho Escolar; Realizar no mínimo 03 eventos anuais como a comunidade. A escolar deverá no período de 2008 a 2012 realizar curso de formação continuada para professores e incentivar seus professores a participarem de cursos promovidos pela SEMEC. Realizar no mínimo quatro reuniões do Conselho de classe; Realizar mensalmente um encontro pedagógico para o 4º ao 5º encontro dois encontros mensais para professor de 1º ao 3º ano; Avaliar anualmente a instituição pro professores e funcionários e a cada dois anos a avaliação será realizada pro professores, pedagogos, diretor, alunos do 4º ano e 5º ano de alunos e conselho escolar nos aspectos: Gestão administrativa, gestão pedagógica e aspectos curriculares.

19 7 - PROFESSORES ESPECIALISTAS/ TÉCNICO DE ENSINO O quadro administrativo da escola é formado por: 01 diretora graduada em Letras Português, 01 diretora adjunta graduada em Pedagogia 01 pedagoga pósgraduada em Supervisão Escolar 18 professores efetivos e com a seguinte formação: 14 professores graduados em Pedagogia, 02 em Letras Português, 01 em História, 01 pós-graduado em Educação Física. Temos ainda 01 secretária, 06 auxiliares de secretaria, 03 agentes de portaria, 02 merendeiras, 06 auxiliares de serviços gerais e 02 apoio. O quadro docente é formado por professores concursados em caráter efetivo e/ou substituto por professores estagiários. Todos os funcionários são compromissados com a aprendizagem dos alunos estão sempre atentos, traçando estratégias para recuperar os alunos que não apresentam rendimento satisfatório, buscando o apoio das famílias e ajuda dos colegas com reenturmação dos alunos por níveis de aprendizagem, projetos de intervenção de leitura e escrita para melhorar a aprendizagem e garantir um ensino de qualidade. Também é assegurada a permanência de 4 horas diárias na escola o que equivale a 800 horas/aula de efetivo trabalho em sala de aula.

20 8 - ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA A Escola é uma organização formal pelos objetivos comuns que reúnem toda a população escolar sob seu regulamento e normas que regem seu funcionamento. Compõem-se de indivíduos que estão juntos para atingir os objetivos específicos, previamente definidos, que são os objetivos da organização. A estrutura administrativa da escola está organizada de forma consciente e intencional para que sejam alcançados seus objetivos. O mecanismo administrativo abrange o conjunto de órgãos e posições administrativas da escola que dispostos de forma hierárquica, desempenham funções definidas interdependentes entre si. A administração da Escola Municipal Profª Benjamim Soares de Carvalho é representada pelo seguinte organograma:

21 CONSELHO ESCOLAR SETOR PEDAGÓGICO DIRETORIA SECRETARIA ZELADORIA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA CONSELHO DE CLASSE APOIO PEDAGÓGICO SETOR ADMINISTRATIVO AUXILIAR DE SECRETARIA PROFESSORES ALUNOS AUXILIAR DE SERVIÇO GERAIS MULTIMEIOS PAIS COMUNIDADADE Entendendo que a melhoria da qualidade do ensino passa necessariamente pela democratização da escola, é que o corpo docente e técnico administrativo se propõem a trabalhar respeitando os princípios de uma prática educativa inovadora construída e reconstruída coletivamente a partir das experiências de cada professor, e espera-se que essa prática contribua de fato para a formação dos indivíduos auxiliando-os no desenvolvimento de suas capacidades físicas, espirituais e intelectuais tornando-os aptos a uma participação ativa na sociedade. Nesse contexto, a escola deve propiciar momentos para que os professores possam trocar experiências significativas vivenciadas em sala de aula com os alunos. A função básica da escola é o ensino vinculado a um suporte técnico que lhe garanta validade. Nesse sentido as matrizes curriculares das modalidades de

22 ensino ministrado na Escola Municipal Profª Benjamim Soares de Carvalho estão de acordo com a legislação vigente, a política educacional do Sistema Municipal de Ensino e as diretrizes pedagógicas emanadas do órgão competente. A matriz curricular (em anexo) está de acordo com o artigo 26, parágrafo II e III da Lei 9394/96 que recomenda trabalhar os conteúdos enfatizando a introdução de valores sociais, pessoais e a prática da cidadania no dia a dia, assim como, as questões fundamentais que tratam da pluralidade cultural, a ética, a preservação do meio ambiente e de saúde reforçando o relacionamento democrático e respeitoso a todos. O ano letivo é de 200 dias com carga horária de 800 horas de efetivo trabalho escolar obedecendo a um calendário adequado as particularidades locais sem com isso reduzir o numero de horas previstas na lei, fixando o início e o término de cada semestre do ano letivo. 9 GESTÃO ADMINISTRATIVA Cabe a direção da escola orientar e fazer cumprir as normas estabelecidas pelo órgão competente (SEMEC) para o bom funcionamento da escola, tais como: delegar e atribuir funções relacionadas às atividades de planejamento no âmbito da escola que dizem respeito ao corpo docente, discente e setor administrativo, promover a integração escola x família, acompanhar e avaliar o cumprimento dos dias letivos e horas/aula estabelecidos. Comunicar as decisões pertinentes da escola através de circulares aos pais de alunos e funcionários, propiciar momentos de avaliações periódicas do desempenho da direção, zelar pela aprendizagem dos alunos, estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento, propor as diretrizes a serem adotadas na elaboração dos planos de ensino e coordenar a avaliação do projeto curricular.

23 Avaliar a produtividade da escola como um todo, no que diz respeito ao seu projeto pedagógico no aspecto qualitativo, comunicar a todos da escola, conselho escolar sobre os recursos financeiros provenientes dos órgãos municipais e federais, bem como a sua aplicação. Garantir que as reuniões pedagógicas, administrativas, os estudos e reuniões com os pais, sejam registradas em ata, viabilizando assim a organização da escola INSTALAÇÕES E CONDIÇÕES DE MATERIAIS As instalações físicas da Escola Municipal Prof. Benjamim Soares de Carvalho estão adequadas para atender a quantidade de alunos e professores. As salas de aula foram reformadas, permitindo assim que o nosso trabalho tenha um melhor desempenho. A escola conta com 09 salas de aula, 01 biblioteca, 01 sala para os professores, 01 secretaria, 01 diretoria, 01 coordenação, 01 pátio coberto, 1 refeitório, 01 cantina, 02 almoxarifado (01 para mantimentos e outro para material de limpeza), 01 Laboratório de Informática e 01 quadra de esporte com proteção de grade.

24 Para melhorar as instalações físicas da escola precisamos: 01 sala de vídeo, 01 auditório, quadra coberta, adquirir livros paradidáticos e didáticos para incentivar a pesquisa, adquirir filmes e DVDs educativos. 11 RECURSOS FINANCEIROS A escola recebe os seguintes recursos financeiros: Fundo Rotativo ( dividido em 3 parcelas) destinado à compra de material didáticos, material de limpeza e pequenos serviços, PDE (Plano de Desenvolvimento da Escola) destinado a execução de projetos da escola, PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar), este programa é destinado à compra da merenda escolar, PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola) destinado a compra de material permanente, material de limpeza, expediente, pequenos serviços e para custeios do Programa Mais Educação. O percentual destes recursos é baseado na quantidade de alunos matriculados no ano anterior.

25 Os recursos financeiros são repassados diretamente para o Conselho Escolar e Fiscal e são devidamente aplicados dentro das normas préestabelecidas, o que favorece um equilíbrio na rotina escolar. 12 PROJETO PEDAGÓGICO CURRICULAR DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 09 ANOS 1º AO 5º ANO Reconhecendo que a tarefa de educar é muito difícil e complexa considerando as desigualdades sociais existentes principalmente nas escolas públicas, elaborou-se esse Projeto Pedagógico Curricular com o objetivo de direcionar o trabalho docente no cotidiano da escola promovendo o encontro ativo dos alunos com as matérias de ensino de modo que se favoreça uma prática de ensino dialética e transformadora. Compreendendo o processo de ensino como um conjunto de atividades organizadas do professor e dos alunos, visando buscar determinados resultados (domínio do conhecimento e desenvolvimento das

26 capacidades cognitivas), tendo como ponto de partida o nível atual do conhecimento, experiência e desenvolvimento mental dos alunos, pretende-se formar cidadãos atuantes na sociedade com pleno desenvolvimento de suas capacidades físicas e habilidades intelectuais tendo por base o conhecimento científico que forma o pensamento crítico e independente combinando o domínio de métodos e técnicas do trabalho individual com a prática social retratando o modelo de homem que se pretende formar, que seja responsável e humano, que tenha autodeterminação, senso de justiça, senso de responsabilidade pelo próprio corpo e com o ambiente, enfim que saiba respeitar os outros nas suas diferenças individuais.considerando a afirmação de Veiga (1991, p 82): A importância desses princípios está em garantir sua operacionalização nas estruturas escolares, pois uma coisa é estar no papel, na legislação, na proposta, no currículo e outra é estar ocorrendo na dinâmica interna da escola no real no concreto. Espera-se que com esse projeto os professores aprimorem sua prática através da auto-reflexão e auto-compreensão do seu papel social com domínio dos conteúdos e possam assim oferecer um real ensino de qualidade ORIENTAÇÕES GERAIS A Escola Municipal Profº Benjamim Soares de Carvalho faz parte da Rede Municipal de Ensino, fundada em 21 de agosto de 1987 está, portanto ligada a história da Secretaria Municipal de Educação e Cultura - SEMEC, que passou por significativas mudanças desde 1975, período que recebeu essa denominação e responsabilizou-se pelas diretrizes gerais da Educação e Cultura: Ensino de 1º e 2º grau, desportos e recreação e ainda o atendimento a faixa etária de 4 a 6 anos em creches conveniadas. Várias ações realizadas na Educação Municipal contribuíram tanto para uma melhoria na qualidade do ensino quanto para aumentar a credibilidade no Sistema Educacional do Município de Teresina: a criação do Estatuto do Magistério (1986) a realização do 1º Concurso Público para Professores (1987); a elaboração do regimento interno da SEMEC (1981/1992) e a implementação das Diretrizes Curriculares (1995).

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM

OBJETIVO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA APRENDIZAGEM A FORMAÇÃO TEÓRICO RICO- PRÁTICA DO PROFESSOR ALFABETIZADOR DIANTE DA NOVA NOVA CONCEPÇÃO DE ENSINO- APRENDIZAGEM PROFª.. MS. MARIA INÊS MIQUELETO CASADO 28/05/2009 OBJETIVO - Contribuir para a reflexão

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem

Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem Estudo e aplicação dos critérios de elaboração e aplicação das avaliações internas previstos no Plano de Ensino-Aprendizagem A avaliação no Programa de Alfabetização é processual. O seu propósito é o de

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

CARTA DE APRESENTAÇÃO

CARTA DE APRESENTAÇÃO MODELO PARA FOTOCÓPIA MANUAL DE ESTÁGIO 2005 AO ESTAGIÁRIO: Multiplique a carta abaixo e entregue ao responsável pela Escola CARTA DE APRESENTAÇÃO O Centro Universitário do Sul de Minas UNIS-MG tem como

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN

C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 06/2009 - CME Estabelece a Matriz Curricular para o Ensino Fundamental nas Unidades Escolares da Rede Municipal de Natal/RN. O CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE BANANAL ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA RETIFICAÇÃO AO EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO CLASSIFICATÓRIO N 001/2014 A Prefeitura do Município de Bananal/SP, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no artigo

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

111 ENSINO FUNDAMENTAL

111 ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO FUNDAMENTAL 111 A ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO 112 O Sistema Público Municipal de Ensino de Viana, acompanhando as mudanças educacionais de ordem político-pedagógica

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino

Pedagogia Profª Silvia Perrone. Ensino de Língua Portuguesa. Roteiro. Teorias que orientam o ensino Pedagogia Profª Silvia Perrone Ensino de Língua Portuguesa Roteiro Teorias que orientam o ensino: empirista e construtivista. A visão de texto nas diferentes teorias. Ensinar a produzir textos na escola.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais