INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO"

Transcrição

1 INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. ABREU, Edgar Gomes de UNISINOS RESUMO Com a queda nas taxas de juros, a rentabilidade das aplicações financeiras de ativos de renda fixa (Certificado de Depósito Bancário, Título Público Federal, Fundos de Investimento de Renda Fixa) tem sido cada vez menor, o que acaba despertando a curiosidade dos investidores em aplicar seus recursos no mercado de ações. Em vista deste motivo, é notório o crescimento do investimento dos brasileiros neste mercado, mesmo após a ocorrência da maior crise deste segmento, vivenciada no segundo semestre de O que poucos sabem é que a Matemática, mais especificamente a Estatística, é muito utilizada como instrumento de auxílio ao investidor. Este minicurso tem como objetivo mostrar a importância da Estatística na decisão de investimento no mercado de ações. Neste curso serão apresentadas as principais medidas de estatística e será mostrado como cada uma delas é utilizada pelos investidores em ações, auxiliando na tomada de decisão. Entre as medidas estatísticas utilizadas, destacam-se: média, desvio-padrão, curva de Gauss, covariância, correlação, índíce Sharpe, Beta, coeficiente de determinação, tracking error, value at risk VaR, back testing, stress test, stop loss, entre outras. Quando analisamos a rentabilidade de uma ação, a média dos retornos históricos representa a nossa expectativa de retorno ao comprar esta ação, mas sabe-se que a rentabilidade futura não necessariamente será igual à média histórica. Isso ocorre devido ao fato de este investimento possuir certo risco de mercado, o qual pode ser determinado por meio do cálculo do desvio-padrão. Conhecendo a média e o desviopadrão de uma ação, podemos esperar obter certa rentabilidade dentro de certo intervalo de confiança, utilizando a curva normal. Outro índice muito utilizado é a medida de correlação, que indica o grau de diversificação de uma carteira de ações. Quanto melhor for essa diversificação, menor tenderá a ser o risco de mercado e, com isso, maior tenderá a ser o potencial de retorno. Neste minicurso o aluno irá visualizar o quanto a estatística é importante para a avaliação do preço das ações e como ela é utilizada pelos analistas técnicos de mercado para aconselhar seus clientes e para montar suas próprias 503

2 carteiras de ações. Para apresentação deste minicurso será necessário a utilização de uma sala com computadores e alguma planilha instalada (Excel, Star Calc, BR Office), pois após uma apresentação expositiva dos índices acima mencionados, será disponibilizado aos alunos uma planilha onde cada um poderá montar sua carteira de ações, calculando os índices e as medidas estatísticas apresentadas, com o objetivo de montar uma carteira de ações bem diversificada, com baixo risco e alto potencial de retorno. Palavras-chaves: aplicação da estatística, Investimento em Ações, auxílio na decisão de investimento. 504

3 I. DESCRIÇÃO DO PROBLEMA Os cursos de graduação em Matemática (licenciatura ou bacharelado) oferecidos pelas diversas universidades existentes no Brasil fornecem aos alunos um ótimo conhecimento desta ciência, abordando tópicos como: origem da matemática, compreensão dos números, entendimento da álgebra, etc. No caso dos cursos de licenciatura, discute-se ainda as diferentes formas de transmissão do conhecimento desta disciplina aos alunos, tarefa que é, sem dúvida, uma grande preocupação no meio escolar. Talvez os cursos de graduação em matemática estejam deixando a desejar por demonstrarem pouca aplicação prática desta ciência, que hoje é uma das mais presentes no mercado de trabalho. Este fato justifica-se em parte pelo fato de a duração dos cursos de graduação ser insuficiente para possibilitar tal aprofundamento, mas que, entretanto, faz-se extremamente necessário. Com a globalização, o avanço tecnológico e a facilidade com que encontramos as informações desejadas, os alunos se tornaram mais críticos, deixando de absorver parte do que lhes é ensinado. Para este aluno moderno faz-se necessária uma reestruturação na educação e na ciência como todo. Esta transformação do ensino da matemática pode ser percebida na criação de cursos específicos com aplicação da matemática em outras áreas, tais como: Administração, Economia, Informática, etc. Uma revisão das grades curriculares dos cursos de Matemática no país mostra que a maioria deles oferece apenas uma única disciplina de Metodologia do Ensino da Matemática ou, no máximo, duas. No que diz respeito à Estatística, alguns cursos oferecem disciplinas de Estatística Educacional ou Estatística Aplicada à Educação (Gonçalves, 2003). Contudo, analisando as ementas dessas disciplinas, constata-se que o tempo é exíguo para dar conta dos conteúdos e métodos da Matemática e Geometria, e, mais recentemente, da Estatística e Probabilidade. II. CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS Os três conceitos básicos que devem ser familiares a qualquer investidor são: retorno, incerteza e risco. O retorno pode ser definido como o ganho ou a perda decorrente de uma aplicação financeira em um determinado intervalo de tempo. Tentar prever os retornos das aplicações financeiras não é uma tarefa fácil, pois a incerteza é um fator sempre presente nos investimentos. Assim, faz-se necessário medir as 505

4 incertezas. O risco pode ser definido como qualquer medida numérica relacionada à incerteza. A gestão ou mensuração do risco de um portfólio 1 pode ser definida como o conjunto de todas as pessoas, procedimentos e sistemas usados para controlar as perdas potenciais do investimento. Existem várias maneiras de fazermos uma mensuração do risco de uma carteira. Para Jorion [1998] o processo de mensuração formal do risco passa, inicialmente, pela clara definição da variável de interesse: o capital, o valor de uma carteira, determinado fluxo de caixa ou outra variável qualquer. No contexto da gestão financeira de empresas, Uyemura e Van Deventer [1993] definem risco como a variabilidade dos fluxos de caixa de uma unidade de negócios: produto, carteira, departamento, ou até mesmo a empresa como um todo. O uso da estatística é de suma importância no mercado de capitais. Os investidores utilizam medidas e modelos estatísticos na busca pela minimização dos riscos em seus portfólios. Carlos Pinheiro (2006, p.105) afirma que: Desde que Harry Markowitz foi laureado com o Nobel em função da sua teoria do portfólio, no início dos anos 50, a construção de portfólios com base na média-variância tem sido popular no mundo acadêmico, auxiliando os agentes econômicos no mercado. Sem uma análise de risco, o investidor corre todo o risco de mercado, podendo causar perdas significativas em seu patrimônio financeiro. Os riscos de mercado decorrem das possíveis variações no valor de mercado da variável de interesse em função de instabilidade, existentes em quatro tipos distintos de parâmetros de mercado: taxas de juros, taxas de câmbio, preços de ações e preços de commodities. A quantificação do risco exige que a incerteza associada a esta instabilidade e seu potencial efeito adverso na lucratividade sejam capturados. Os instrumentos analíticos básicos da quantificação de riscos aplicam-se, segundo Bessis [1998], aos quatro tipos de parâmetro. Com uma boa gestão de risco as perdas podem ser reduzidas, melhorando a relação entre o risco retorno do investimento. 1 Portfólio é uma carteira de aplicações financeiras composta por títulos e valores mobiliários, tais como: ações, debêntures, nota promissória, etc. 506

5 III. O MINICURSO 3.1 Objetivos a) Fornecer um conhecimento mínimo introdutório sobre as principais aplicações financeiras e as taxas de juros praticadas no mercado financeiro. b) Entender a importância da estatística como ferramenta de auxílio na tomada de decisão do investidor. c) Explicar as principais medidas de risco utilizadas na mensuração de carteiras. d) Fazer com que o palestrante crie sua própria carteira de ações, diversificando e calculando o risco de seu investimento hipotético. e) Fornecer subsídios para a formação matemática. f) Contribuir para a mudança de atitudes em relação à Matemática. 3.2 Procedimentos a) Parte 1 - Introdução Começaremos com uma aula expositiva, na qual será fornecido aos participantes uma introdução sobre as principais aplicações financeiras disponíveis no mercado, rentabilidades e riscos de cada aplicação. Assuntos abordados: o Relação taxa de juros das aplicações financeiras x taxa Selic Meta; o Diferença entre ativos de renda fixa e ativos de renda variável; o Principais aplicações financeiras de renda fixa: fundos de investimento de renda fixa, poupança, título público federal, debêntures e nota promissória; o Principais ativos de renda variável: ações, fundos de investimento em ações; o Risco x retorno. Tempo previsto: 50 min b) Parte II Estatística e aplicações financeiras Explicação dos principais índices de estatística utilizados no mercado de valores mobiliários, destacando-se a forma como são utilizados e a importância que exercem no auxílio ao investidor na tomada de decisões das aplicações financeiras. 507

6 Assuntos abordados o Média A principal vantagem é o cálculo do retorno médio de um investimento. Considerando que uma ação teve as seguintes oscilações nos primeiros cinco dias de um determinado mês: 1º + 3% 2º + 4% 3º 2% 4º 1% 5º + 1% Podemos descobrir o retorno médio deste ativo, calculando a média destes valores: ( 2) + ( 1) X = = = 1% 5 5 Assim, podemos esperar um retorno diário médio de 1%. o Variância Mede o grau de dispersão de um conjunto de dados. Tem-se pelos desvios em relação à média desse conjunto. Cálculo da variância: Considerando que uma ação teve as seguintes oscilações nos primeiros cinco dias de um determinado mês: 1º + 3% 2º + 5% 3º + 7% 4º 2% 5º + 2% Primeiro, efetua-se o cálculo da média: ( 2) X = = = 3% 5 5 Depois, calcula-se a variância: n i= 1 ( X X ) i ( n 1) 2 508

7 σ σ 2 X 2 X (3 3) + (5 3) + (7 3) + ( 2 3) + (2 3) = = = = 9,75% Assim, a variância é de 9,75%. o Desvio-padrão A variância possui um problema de construção como medida de dispersão de dados: apresenta uma unidade de medida igual ao quadrado da unidade de medida dos dados originais. Esse problema é resolvido extraindo-se a raiz quadrada da variância, o que chamamos de desvio-padrão. No mercado financeiro, esse valor geralmente é chamado de volatilidade de um ativo, sendo utilizado como principal medida de risco ao se investir em determinado ativo. Quais dos dois ativos abaixo possuem maior risco? Data PETR4 VALE5 07/07 4% 2% 08/07 3% 1% 09/07 + 1% +1% 10/07 + 6% 2% 11/07 5% 1% Cálculo da média para PETR4: X PETR 4 ( 4) + ( 3) ( 5) 5 = = = 1% 5 5 Cálculo da média para VALE5: X VALE 5 ( 2) + ( 1) ( 2) + ( 1) 5 = = = 1% 5 5 Cálculo do desvio-padrão para PETR4: 509

8 σ = 2 X ( 4 ( 1)) + ( 3 ( 1)) + (1 ( 1)) + (6 ( 1)) + ( 5 ( 1)) σx = = = 20,5 = 4,52% 4 4 Cálculo do desvio-padrão para PETR4: σ = 2 X ( 2 ( 1)) + ( 1 ( 1)) + (1 ( 1)) + ( 2 ( 1)) + ( 1 ( 1)) σx = = = 1,5% = 1, 22% 4 4 Assim, podemos afirmar que a ação da PETR4 possui um risco maior para o investidor, pois apresenta um desvio-padrão maior. o Distribuição Normal A distribuição normal explica a probabilidade de um evento ocorrer. A importância de saber a média e o desvio-padrão está em conhecer a probabilidade dos eventos ocorrerem. As probabilidades de afastamento da média de uma certa quantidade de desvios-padrão já estão calculadas pelos estatísticos. o Covariância Em geral, observa-se que quando os juros sobem, os preços das ações caem. Este comportamento sugere que há uma covariância negativa entre as variáveis taxa de juros e preços de ações. A covariância é uma medida que avalia como as variáveis X e Y se inter-relacionam de forma linear, ou seja, como Y varia em relação a uma determinada variação de X. Fórmula: COV XY = n i= 1 ( X X ) x( Y Y ) i n 1 i Aplicando no exemplo anterior, temos: 510

9 COV P, V [( 4 ( 1)) x( 2 ( 1))] + [( 3 ( 1)) + ( 1 ( 1))]... = 4 COV P, V [ 3 x( 1)] + ( 2x0) + (2x2) + [7 x( 1)] + ( 4x0) = = 4 COV P, V = = = o Correlação A covariância busca mostrar se há um comportamento de interdependência linear entre duas variáveis. Porém, a covariância é uma medida dimensional, sendo afetada pelas unidades de medida das séries X e Y. Para corrigir esse problema da covariância, chegou-se à medida de correlação, que é um número adimensional que varia entre -1 e 1 (inclusive). A correlação (ou coeficiente de correlação linear de Pearson) é dada pela fórmula: ρ X, Y COVXY = σ σ X Y Para o exemplo anterior temos: 0 ρ X, Y = = 0 4,52 1, 22 O coeficiente de correlação mostra se há relação linear entre duas séries de dados X e Y. o Indíce Beta O beta de uma ação em relação a um determinado índice de mercado mede o grau de sensibilidade desta ação aos acontecimentos que afetam todo o mercado. Quanto maior o beta, maior é esta sensibilidade e, portanto, maior o seu risco. o Tracking error O Tracking Error é dado pela seguinte equação: TE =σ (Rfundo - Rbench) 511

10 Assim, o tracking error é dado pelo desvio-padrão das diferenças entre os retornos de um fundo e os retornos do seu benchmark em um determinado período. Quanto mais volátil forem estas diferenças, maior será o tracking error. o Erro Quadrático Médio O erro quadrático médio é dado pela seguinte equação: Assim, o erro quadrático médio é calculado pela média das diferenças ao quadrado entre os retornos de um fundo e os retornos de seu benchmark. o Indíce Sharpe Mede a quantidade de prêmio recebido por risco assumido: Onde: E (R risco): rentabilidade esperada de um investimento com risco maior que zero. R sem risco: rentabilidade de um investimento sem risco. σ risco: volatilidade ou desvio-padrão do investimento com risco. Quanto maior o valor do Indice Sharpe, melhor o investimento. o VaR Value at Risk O cálculo do valor em risco (ou VAR) é um método de se obter o valor esperado da máxima perda (ou pior perda) dentro de um horizonte de tempo com um intervalo de confiança. o Back Testing Qualquer modelo de VAR deve ser testado para que seja aferida sua precisão. O Back Testing é uma ferramenta utilizada neste processo: o modelo é alimentado com dados históricos e com o número de violações (ocorridas no passado). Assim, o limite de VAR é medido de modo a verificar se está dentro do nível de confiança estabelecido. Normalmente o Back Testing é utilizado para testar modelos derivados por meio de simulações. 512

11 o Stress Test O Stress Test normalmente é utilizado como um complemento do VAR, com o objetivo de medir as perdas quando o grau de confiança (normalmente 95%) é ultrapassado. São, em geral, situações de stress de mercado, conhecidas como fat tail (cauda grossa), que é uma referência à "ponta" da distribuição normal dos retornos e que pode assumir valores muito altos, sendo imprevisíveis se apenas o VAR for utilizado. o Stop Loss O Stop Loss é a ferramenta utilizada quando os limites de VAR são ultrapassados. Tempo previsto: 1h30min c) Parte III Montando sua própria carteira de ações. Nesta parte, cada participante irá receber uma planilha do Excel, onde terá que escolher algumas ações para montar sua carteira hipotética de investimento, utilizandose das explicações anteriores o aluno irá tentar reduzir o risco de sua aplicação, a fim de aumentar o potencial de retorno dos seus investimentos. Tempo previsto: 40 min d) Parte IV Encerramento e discussão Será realizada a conclusão do trabalho e ocorrerá um breve debate entre os participantes sobre o minicurso apresentado. Tempo previsto: 15 min Duração total do minicurso: 3h15min 3.3 Materiais necessários: o Projetor do tipo datashow ; o Quadro-negro e giz ou quadro branco com pincel; o Sala com computadores (mínimo de um computador para cada dois participantes); o Software de planilha eletrônica (preferível Excel, na falta deste poderão ser utilizadas outras planilhas dos pacotes free BR Office ou Star Office). VI. CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS A procura por investimentos em ações tem aumentado a cada ano. O mercado exige cada vez mais um investidor racional, que entenda o objetivo do mercado de 513

12 capitais e que tenha a convicção de que os investimentos possuem alto risco, mas que este risco pode reduzido e até mesmo controlado. Para isso, necessitamos dos conhecimentos relacionados ao campo da matemática e da estatística. Espera-se com a conclusão deste minicurso que os participantes possam ter uma noção sobre aplicações financeiras, e principalmente que saibam como utilizar as medidas de estatística e os índices apresentados para montar um portfólio de investimento. Decidir para onde direcionar o nosso dinheiro é quase tão difícil como ganhá-lo. Ao término deste minicurso, deseja-se que o participante possa ter uma melhor compreensão sobre os fatores que podem influenciar e auxiliar a sua tomada de decisão na hora de escolher a sua aplicação financeira. VII. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANDERSON, David R.; SWEENEY, Dennis J. & WILLIAMS, Thomas A. Estatística aplicada à administração e economia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, AURÉLIO, E. M. & LEINER, R. Avaliação de risco: introdução ao estudo do Value at Risk. São Paulo: Brazilian Bussiness School Pós-Graduação em Finanças, 2003 BESSIS, J. Risk Management in Banking, 1 st Edition. John Wiley & Sons Ltd., United Kingdom, 1998 GONÇALVES, H. J. L. Educação Estatística: Apontamentos sobre a Estatística nos cursos de Pedagogia - Magistério para séries iniciais do ensino fundamental. Anais do IX Seminário IASI de Estatística Aplicada, Rio de Janeiro: IMPA, JORION, P. Value at Risk A nova fonte de referência para o Controle do Risco de Mercado, 1ª Edição. Bolsa de Mercadorias & Futuros, São Paulo, 1998 PINHEIRO, C. Investimentos teoria e prática através do Excel. 1ª Edição. Ciência Moderna, Rio de Janeiro, UYEMURA, D.G. e VAN DEVENTER, D.R. Financial Risk Management in Banking Strategy, 1 st Edition. Probus Publishing Company, United Kingdom,

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO

Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO Plano de Ensino MERCADO FINANCEIRO Título GST0187 - MERCADO FINANCEIRO Código da disciplina SIA GST0187 22 Número de semanas de aula 2 Número de créditos 36 Quantidade total de horas 36 Quantidade de horas

Leia mais

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Escolha de Portfólio. Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Escolha de Portfólio considerando Risco e Retorno Aula de Fernando Nogueira da Costa Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Relação entre risco e

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

Gestão Financeira. VAR - Value At Risk e Valuation 16/10/2012. Prof.: Marcelo dos Santos. VAR - Value At Risk. Risco

Gestão Financeira. VAR - Value At Risk e Valuation 16/10/2012. Prof.: Marcelo dos Santos. VAR - Value At Risk. Risco Gestão Financeira Prof.: Marcelo dos Santos VAR - Value At Risk e Valuation VAR - Value At Risk Tudo na vida é administração de Risco, não sua eliminação Walter Wriston Risco A noção de risco está ligada

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia.

ÍNDICE GERAL. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado. 1 Introdução. 2 Definição de Risco de Mercado. 3 Metodologia. Política de Gerenciamento do Risco de Mercado ÍNDICE GERAL 1 Introdução 2 Definição de Risco de Mercado 3 Metodologia 4 Gestão de Risco 5 Qualificação de novas operações 1. Introdução A Política de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I

Crédito. Adm. Geral. Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Adm. Geral Prof. Marcelo dos Santos Título da aula: Decisões de Investimento e Financiamento I Para que Estudar Análise de Investimento e Financiamento? Garantir melhores decisões financeiras na empresa;

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão de Investimentos Professor: Paulo Sergio Milano Bernal Carga horária: 4 DRT: 113400-5 Código da Disciplina: 18018017 Etapa: 8º Semestre

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados Os cálculos para análise econômica de um projeto E&P, devem considerar que os dados empregados são imprecisos e sem certeza da ocorrência dos resultados esperados, apesar de estarem

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL PROF. TIAGO RAMOS. e-mail: alunos@professortiagoramos.com.br

PESQUISA OPERACIONAL PROF. TIAGO RAMOS. e-mail: alunos@professortiagoramos.com.br PESQUISA OPERACIONAL PROF. TIAGO RAMOS e-mail: alunos@professortiagoramos.com.br Não é o mais forte da espécie que sobrevive, nem o mais inteligente, e sim o que melhor se adapta às mudanças... Charles

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1

1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 Sumário Prefácio xiii 1 Fundamentos de Avaliação de Projetos 1 A EMPRESA 6 CUSTO DE OPORTUNIDADE 8 PROJETO DE INVESTIMENTO 9 VALOR DO PROJETO 10 LUCRO ECONÔMICO DO PROJETO 14 VALOR PRESENTE LÍQUIDO DO

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE

Leia mais

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis;

Introdução. Existem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto de uma ou mais variáveis; UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Correlação e Regressão Luiz Medeiros de Araujo Lima Filho Departamento de Estatística Introdução Eistem situações nas quais há interesse em estudar o comportamento conjunto

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 1/18 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 4 - Princípios de Investimento Pág: 2/18 Módulo 4 - Princípios de Investimento Neste módulo são apresentados os principais fatores para a análise de investimentos,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015

Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Por dentro da Política de Investimentos IPERGS Porto Alegre (RS) Fev/2015 Política de Investimento Os RPPS possuem obrigação legal de elaborar anualmente sua política de investimentos; Essa política deve

Leia mais

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS

A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS A ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM PROJETO DE E- COMMERCE DO TIPO CONSUMER-TO- CONSUMER (C2C) COM ÊNFASE NA ANÁLISE DE RISCOS Rodrigo de Moares Gaudard (UnB) gaudard.rodrigo@gmail.com Iana Giesbrecht

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo)

Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Modelagens e Gerenciamento de riscos (Simulação Monte Carlo) Prof. Esp. João Carlos Hipólito e-mail: jchbn@hotmail.com Sobre o professor: Contador; Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS. Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013

GESTÃO DE RISCOS. Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013 GESTÃO DE RISCOS Nelson Ferreira Fonseca Abril / 2013 APRESENTAÇÃO Consultor em Gestão de Riscos Nelson F. Fonseca 5 anos de experiência em projetos de Gestão de Risco em entidades financeiras e fundos

Leia mais

Gerenciamento de Risco em Custos

Gerenciamento de Risco em Custos Gerenciamento de Risco em Custos Edson de Oliveira Pamplona Brasil Universidade Federal de Itajubá Pamplona@unifei.edu.br Palavras-chave: Custos, Risco, Valor em risco Tema: Aplicaciones Matemáticas a

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Técnicas e Ferramentas de Mercado O termo risco é proveniente da palavra risicu ou riscu, em latim, que significa ousar (to dare, em inglês). Costuma-se entender risco como possibilidade

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS Disciplina: Economia 30 h/a Mercado e seu equilíbrio: teoria do consumidor e a curva de demanda; Teoria da produção, custos, e a curva de

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS

Autora: Maria Izabel unes (izabeln@uol.com.br) UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 CAVALCANTE ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 35 Í DICE BETA E SUA IMPORTÂ CIA PARA A DETERMI AÇÃO DE RISCO DOS ATIVOS Beta ajustado, contábil, alavancado e desalavancado Sua utilização como medida de risco dos ativos Autora:

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Curso de Ciência da Computação Ciclo de Seminários Não Técnicos Aprenda a organizar suas finanças pessoais

Universidade Federal de Campina Grande Curso de Ciência da Computação Ciclo de Seminários Não Técnicos Aprenda a organizar suas finanças pessoais Universidade Federal de Campina Grande Curso de Ciência da Computação Ciclo de Seminários Não Técnicos Aprenda a organizar suas finanças pessoais Por Maria Isabel (isabel@dsc.ufcg.edu.br) 1 Sumário Objetivo

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de

Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de 30 3. Metodologia Este capítulo é divido em duas seções, a primeira seção descreve a base de dados utilizada, identificando a origem das fontes de informação, apresentando de forma detalhada as informações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas.

As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. As inter-relações de ativos financeiros: Um estudo sob a ótica dos diferentes intervalos de tempo das séries históricas. Darks Fabiano Universidade Federal de Uberlândia (UFU-MG) darksfabiano@hotmail.com

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

APRENDA A INVESTIR O SEU DINHEIRO

APRENDA A INVESTIR O SEU DINHEIRO APRENDA A INVESTIR O SEU DINHEIRO Programa 2013 OBJETIVOS: O mercado financeiro sofreu grandes modificações nos últimos anos e temos a necessidade de conhecer profundamente os produtos financeiros para

Leia mais

A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras

A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras A utilização do VaR como Ferramenta de Previsão do Risco Orçamentário no Processode ALM das Empresas Seguradoras FrederikeMonikaBudiner di Mette Frederike M. B. Mette Marco A. S. Martins 08/11/11 Gilberto

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA

CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA CAP. 3 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÕES DE INCERTEZA 1. INTRODUÇÃO No fluxo de caixa esquemático mostrado na Figura 1, como se sabe na data zero, normalmente se tem o investimento necessário para

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión

Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear. Tema: Aplicaciones Matemáticas a la Contabilidad de Gestión Determinação do Portfolio de Investimentos através de Programação Linear Edilson Paulo Carlos Pedrosa Júnior Marcelo A. Moret José Roberto A. Fontoura Brasil Fundacao Visconde de Cairu Salvador Bahia e-mail:

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

Gestão Financeira de Empresas

Gestão Financeira de Empresas Gestão Financeira de Empresas Módulo 5: Risco, custo de capital e avaliação de investimento Prof. Luiz Antonio Campagnac e-mail:luiz.campagnac@gmail.com Livro - Texto Administração Financeira: princ princípios,

Leia mais

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO

A QUEM SE DESTINA? COORDENADOR DO CURSO CBA EM FINANÇAS CBA EM finanças O CBA em Finanças é um programa que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em finanças e liderança. O programa tem o objetivo de preparar executivos para enfrentar

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS PARTE l! Breve revisão do conceito de risco! O risco de mudança na taxa de juros! O que ocorre com o preço de um ativo de renda fixa quando muda

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1

PLANO DE ENSINO 2015-1 Mercado Financeiro de Capitais Módulo B Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: PLANO DE ENSINO 2015-1 Carga Horária: 50 h Estudar os principais conceitos que fundamentam o funcionamento do mercado

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA

Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA C U R S O D E C I Ê N C I A S C O N T Á B E I S Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: ADMINISRAÇÃO FINANCEIRA Código: CNB CH Total: 72H Pré-Requisito: Período

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Parte 1 Risco e Retorno

Parte 1 Risco e Retorno TÓPICOSESPECIAIS EM FINANÇAS: AVALIAÇÃO DE PROJETOS E OPÇÕES REAIS. AGENDA 1. RISCO E RETORNO 2. CUSTO DE CAPITAL PROF. LUIZ E. BRANDÃO 3. CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL (WACC) RAFAEL IGREJAS Parte 1

Leia mais

Aula 6: REDE PERT/CPM

Aula 6: REDE PERT/CPM Tecnologia em Logística e Transportes Métodos Quantitativos de Gestão Aula 6: REDE PERT/CPM Prof. Msc. João Gilberto Mendes dos Reis PERT Segundo Monks (1985), o PERT como o CPM, também é um recurso de

Leia mais

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento

19/05/2010. Definições. Componentes. Tipos. Mensuração. Perfis de indivíduos. Gerenciamento Riscos Prof. Dr. Tharcisio Bierrenbach de Souza Santos Risco: definições, tipificação e relevância Definições Componentes Tipos Mensuração Perfis de indivíduos Gerenciamento 2 Risco: definições 1 Mercado

Leia mais

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO O Guia Absolutamente Completo Onde Investir Seu Dinheiro O Guia Absolutamente Completo Geralmente não costumo sugerir carteiras de investimento por dois motivos: (1) Não gosto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO EDITAL COMPLENTAR N 001 AO EDITAL N 003/2012 UNAT A, no uso de suas atribuições legais e em cumprimento das normas previstas no artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, Decreto

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO

ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO ANÁLISE DE RISCO EM INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS: CONSTRUÇÃO DE CENÁRIOS E SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO Pedro Beck Di Bernardi (1); Norberto Hochheim (2) (1) Departamento de Engenharia Civil Centro Tecnológico

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística

PLANO DE ENSINO. Mestrado em Matemática - Área de Concentração em Estatística 1. IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Disciplina: Estatística Multivariada Código: PGMAT568 Pré-Requisito: No. de Créditos: 4 Número de Aulas Teóricas: 60 Práticas: Semestre: 1º Ano: 2015 Turma(s): 01 Professor(a):

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Bacharelado em Sistemas de Informação FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( X ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO

TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO TAXA DE DESCONTO, ANÁLISE DE RISCO, MODELOS DE PREDIÇÃO AGNALDO CALVI BENVENHO, IBAPE, MRICS Eng. Mecânico, Especialista em Engenharia de Avaliações e Perícias TAXA DE DESCONTO NBR 14.653-4: Taxa de desconto:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091.01 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

A QUEM SE DESTINA? Executivos de áreas técnicas com responsabilidades gerenciais em áreas onde os conhecimentos de finanças sejam um diferencial.

A QUEM SE DESTINA? Executivos de áreas técnicas com responsabilidades gerenciais em áreas onde os conhecimentos de finanças sejam um diferencial. MBA em finanças MBA EXECUTIVO EM FINANÇAS Os riscos e oportunidades internacionais requerem profissionais competentes e atualizados, preparados para enfrentar os desafios de um contexto empresarial que

Leia mais

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3.

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. 1 Resultados do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq 2 Bolsista PIBIC/CNPq,

Leia mais

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito

GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito GRADE DE DISCIPLINAS MBA em Gestão de Crédito Disciplinas (*) Modalidade H/A (**) Núcleo Contabilidade Contabilidade Financeira Presencial 24 Contabilidade dos Investimentos em Participações Societárias

Leia mais

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos?

Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Como administrar a sua carteira de investimentos 1. Tipos de Ativos Quais são os ativos que podem fazer parte de uma carteira de investimentos? Se restringirmos a carteira para ativos financeiros, o investidor

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

APLICAÇÃO DA INTEGRAL DEFINIDA NA ECONOMIA - UMA VISÃO DO FUTURO PROFESSOR

APLICAÇÃO DA INTEGRAL DEFINIDA NA ECONOMIA - UMA VISÃO DO FUTURO PROFESSOR ISSN 2316-7785 APLICAÇÃO DA INTEGRAL DEFINIDA NA ECONOMIA - UMA VISÃO DO FUTURO PROFESSOR Jaqueline Valle UDESC jaqeline.valle@gmail.com Dienifer Tainara Cardoso UDESC cardoso.dienifer@gmail.com Elisandra

Leia mais

Autoridades S.F.N. Autoridades Monetárias. Autoridades Monetárias. Conselho Monetário. Nacional. Banco Central do Brasil. Nacional

Autoridades S.F.N. Autoridades Monetárias. Autoridades Monetárias. Conselho Monetário. Nacional. Banco Central do Brasil. Nacional Administração i Prof.: Flávio Crepardi Brustelo Instituições Financeiras e Mercado de Capitais I Fases bancárias Tradicional Fase intermedi ária Atual Sistema Financeiro Nacional Até 1964 o SFN carecia

Leia mais

Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1

Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida 1 Aula 7 Covariância e suas aplicações Roteiro Introdução Covariância Valor esperado, Variância e Desvio-padrão da soma entre duas variáveis aleatórias Retorno

Leia mais

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA

Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Módulo 4 PREVISÃO DE DEMANDA Conceitos Iniciais Prever é a arte e a ciência de predizer eventos futuros, utilizando-se de dados históricos e sua projeção para o futuro, de fatores subjetivos ou intuitivos,

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais