PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE VILHENA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA Vilhena - RO Maio 2009

2 2 Professoras e Professor responsáveis pela elaboração: Edna Maria Cordeiro Julio Robson Azevedo Gambarra Juracy Machado Pacífico Loidi Lorenzzi da Silva Maria Cândida Muller Maria Ivonete Barbosa Tamboril

3 3 Ando devagar porque já tive pressa e levo esse sorriso porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe, eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei, que nada sei... Conhecer as manhas e as manhãs, o sabor das massas e das maçãs. É preciso amor pra poder pulsar, é preciso paz pra poder sorrir, é preciso chuva para florir. Penso que cumprir a vida seja simplesmente compreender a marcha e ir tocando em frente. Como um velho boiadeiro levando a boiada, eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou... Estrada eu sou. Tocando em frente Almir Sater e Renato Teixeira

4 4 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERFIL COMPETÊNCIAS, SABERES E HABILIDDES TITULAÇÃO ESPAÇOS DE ATUAÇÃO CORPO DOCENTE ESTRUTURA CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Vagas e Duração Carga Horária Matriz Curricular Avaliação da Aprendizagem Estágio Curricular Atividades Complementares Trabalho de Conclusão de Curso TCC AVALIAÇÃO DO PROJETO...30 REFERÊNCIAS...31 APÊNDICE Apêndice A Ementário Períodos I e II...35 Apêndice B Ementário Períodos III e IV...57 Apêndice C Ementário Períodos V e VI...71 Apêndice D Ementário Períodos VII e VIII...86

5 5-1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Instituição: Universidade Federal de Rondônia Reitor: Prof. Dr. José Januário de Oliveira Amaral Vice Reitora: Profa. Dra. Maria Ivonete Barbosa Tamboril Pró-Reitora de Graduação: Profa. Dra. Nair Gurgel do Amaral 1.2. Campus de Vilhena Diretora: Profa. Dra. Maria do Socorro Pessoa Vice-Diretora: Profa. Ms. Edna Maria Cordeiro Chefe do Departamento de Ciências da Educação: Profa. Ms. Loidi Lorenzzi da Silva 1.3. Curso de Pedagogia Modalidade: Docência na Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Gestão Escolar Regime Acadêmico: Semestral - Regular Carga Horária Total: 3.300h Integralização: Mínimo 08 semestres e máximo 12 semestres Número de Vagas: 50. Horário de Funcionamento: Diurno e Noturno Ingresso: Anual

6 6 2. APRESENTAÇÃO O documento em tela apresenta o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), do Campus de Vilhena, construído a partir das contribuições da comunidade acadêmica e em consonância com a legislação vigente. Esta proposta forja-se na necessidade de reformulação do curso em andamento visando à superação de lacunas identificadas em sua estrutura organizacional e curricular. Busca ainda, atender a Resolução do Conselho Nacional de Educação - CNE/CP n 1, de 15 de maio de 2006, que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Sendo assim, a UNIR, por meio do Departamento de Ciências da Educação (DACIE), fundamentada na Constituição Federal de 1988, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº. 9394/96, em seu Estatuto 1 e, com base nas prerrogativas estatutárias e no exercício de sua autonomia, propõe, através deste Projeto Político- Pedagógico, a reformulação do Curso de Graduação em Pedagogia, ora executado no Campus de Vilhena. Os casos não previstos neste Projeto e que envolvam aspectos didáticopedagógicos serão analisados considerando a legislação pertinente, e, quando necessário, consultadas as instâncias colegiadas e deliberativas desta Instituição. O Curso de Pedagogia no Campus de Vilhena foi autorizado através da Resolução n.º 321/CONSEPE, de 25 de outubro de 1999, que no seu artigo 1º autorizou a implantação do curso de pedagogia com habilitação em educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental no Campus de Vilhena, com a primeira entrada no ano Aprovado pelas Resoluções n 135/CONSUN, de 13/10/98 e 138/CONSUN, de 12/04/99.

7 7 3. JUSTIFICATIVA Os estudos sobre formação docente intensificaram-se nos últimos anos no Brasil 2, impulsionados pelas mudanças na legislação vigente e pelo consenso de que nenhum sistema educacional pode ser transformado se dissociado da formação dos profissionais da educação. Estes estudos possuem em comum o fato de considerarem a formação docente uma ação essencial e imprescindível embora não única, evidentemente para a concretização das mudanças na educação em geral, além de apontarem também a necessidade de tomar o ambiente escolar como o lugar privilegiado da formação continuada e pilar de sustentação da formação inicial. Assim, se quisermos construir, de forma prioritária, uma escola inclusiva onde verdadeiramente se aprenda não só os conteúdos conceituais (aprendendo a conhecer), mas igualmente os procedimentais (aprendendo a fazer) e os atitudinais (aprendendo a ser e a viver juntos) é preciso assegurar uma formação integral para os profissionais da educação, visando à sua profissionalização e valorização. Neste sentido, compete à Universidade contribuir para a formação destes profissionais para que atendam às exigências ora colocadas pelas sociedades contemporâneas, dentre elas, a de assegurar o direito de todas as pessoas a terem acesso aos conhecimentos social e culturalmente produzidos, especialmente, os conhecimentos sobre a leitura e a escrita. O que implica necessariamente que todos os alunos e alunas aprendam a ler e escrever. Numa região, como a nossa, onde a carência de profissionais com formação em nível superior para atuar na Educação Infantil, Anos iniciais do Ensino Fundamental e Gestão Escolar ainda é significativa, torna-se imperativo que a Universidade pública continue formando profissionais para estas modalidades. O Campus da Universidade Federal de Rondônia, sediado no município de Vilhena, criado em 1989, oferece, atualmente, 04 (quatro) cursos de ensino superior, em nível de graduação: Licenciatura em Letras, Bacharelado em Ciências Contábeis, Licenciatura em Pedagogia e Bacharelado em Comunicação Social, objetivando atender a demanda do município e das cidades circunvizinhas do Cone Sul de Rondônia e do Estado do Mato Grosso. 2 Barbosa (2003); Bicudo e Silva Junior (1999); Bolzan (2002); Fazenda (1997); Geraldi, Fiorentini e Pereira (1998); Lima (2001); Lüdke e André (1996); Mizukami (2002); Nunes (2000); Pimenta e Ghedin (2002) Severino e Fazenda (2002); Shigunov Neto e Maciel (2002); Veiga e Amaral (2002).

8 8 O Curso de Pedagogia implantado em 2000 de acordo com Resolução n.º 321/CONSEPE, de 25 de outubro de 1999 habilita para o exercício da Docência em Educação Infantil, Séries Iniciais do Ensino Fundamental, Áreas Pedagógicas e Competência para Gestão Educacional tendo já formado sua primeira turma em 2003, a segunda em 2005, a terceira e quarta turma em 2006 e a última turma em Atualmente possui quatro turmas, cursando 2, 3, 4 e 5 semestres, sendo os 2 e 4 períodos ofertados no horário noturno e os demais no matutino. A seguinte tabela traz o quadro das entradas e saídas do curso de Pedagogia desde a sua criação no Campus de Vilhena: DISTRIBUIÇÃO DOS INGRESSANTES E EGRESSOS DO CURSO DE PEDAGOGIA/CAMPUS DE VILHENA DESDE 2000 ATÉ 2009/1 TURMA TURNO ENTRADA VESTIBULAR TERMINO NORMAL SEMESTRE DE JUBILAMENTO Nº DE ALUNOS INGRESSANTES VESTIBULAR Nº ALUNOS CONCLUINTES I 2000/1 2003/2 2005/ NOTURNO II 2001/2 2005/1 2007/ NOTURNO I 2002/2 2006/1 2008/ MATUTINO II 2003/1 2006/2 2008/ MATUTINO III 2005/1 2008/2 2010/ NOTURNO III 2007/1 2010/2 2012/ MATUTINO IV 2007/2 2011/1 2013/ NOTURNO IV 2008/1 2011/2 2013/ MATUTINO V 2008/2 2012/1 2014/ NOTURNO VI 2009/2 2013/1 2015/ NOTURNO Fonte: Secretaria de Registro Acadêmico Campus de Vilhena Com base nas experiências adquiridas, este plano político pedagógico redimensiona a formação docente para o exercício da docência na Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Gestão Escolar, com base nas contribuições das pesquisas no campo educacional e nas diretrizes da Resolução do Conselho Nacional de Educação - CNE/CP n 1, de 15 de maio de 2006.

9 9 4. OBJETIVOS 4.1. Objetivo Geral O Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura, pretende formar profissionais qualificados e comprometidos politicamente com a docência na educação infantil, nos iniciais do ensino fundamental e gestão escolar em seus múltiplos aspectos, envolvendo os processos de ensino e de aprendizagem em práticas educativas escolares e nãoescolares que se desenvolvem no campo ou na cidade. Espera-se ainda que estes profissionais se comprometam com as mudanças sociais e políticas necessárias para a construção de uma sociedade justa, humana e igualitária e com a construção de um sistema educacional inclusivo Objetivos Específicos O Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura, formará profissionais para atuarem como docentes na Educação Infantil, Iniciais do Ensino Fundamental e Gestão Escolar, capazes de: Compreender a escola como uma realidade complexa que tem a função de promover a educação para e na cidadania; Conhecer, dominar e articular conteúdos e metodologias específicas da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Compreender diferentes teorias educacionais visando à elaboração de propostas coerentes e consistentes, com autonomia em seu fazer pedagógico; Produzir e socializar conhecimentos sistematizados que permitam ao futuro educador ou educadora tornar-se capaz de definir e a assumir, com competência, um projeto social comprometido com a qualidade de ensino e a construção da cidadania e da democracia; Analisar o cotidiano da escola e da sala de aula buscando compreender os processos psicológicos, culturais, sociais e educativos envolvidos no ato de aprender; Refletir e intervir no processo educativo mobilizando diferentes saberes para resolver situações-problema presentes no cotidiano escolar, atendendo as especificidades regionais;

10 10 Compreender o processo educativo como principal investimento e oportunidade do desenvolvimento humano para o exercício da cidadania; Fazer uso adequado das novas tecnologias para potencializar o trabalho pedagógico e a aprendizagem dos alunos e das alunas; Comprometer-se com sua formação continuada mantendo-se atualizado em relação às pesquisas e tendências no campo educacional; Coordenar ações pedagógicas curriculares, didáticas e organizacionais envolvendo o ensino e a aprendizagem; Promover orientação pedagógica contribuindo para a implantação de práticas educativas de qualidade e avaliar projetos pedagógicos curriculares. Planejar, executar, coordenar, acompanhar e avaliar a construção do Projeto Político Pedagógico numa perspectiva de gestão democrática. 5. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Atualmente, as concepções sobre formação docente e de profissionais da educação que norteiam as práticas desenvolvidas em instituições de formação e as pesquisas envolvendo este tema têm revelado forte influência das idéias norteamericanas e européias, apresentando como pano de fundo, importantes contribuições como as de Alarcão (2000, 2001, 2003), Contreras (2002), Giroux (1997), Kincheloe (1997), Marcelo García (1992, 1999), Nóvoa (1992, 1999, 2000), Perrenoud (1999, 2000, 2002), Schön (1992, 2000), Tardif (2003), Zeichner (1993), dentre outros. A divulgação de obras destes autores, principalmente a partir dos anos 1990, possibilitou aos educadores e educadoras, no Brasil, conhecerem as idéias que circulavam em diferentes países, contribuindo significativamente para a apropriação dos conceitos permeados nos estudos sobre formação docente, além de favorecer uma maior aproximação com as experiências em andamento seja no campo das reformas institucionais ou as que têm acontecido em instâncias formativas. Todavia, foram as idéias de Schön sobre professor reflexivo e as de Perrenoud sobre competência que maior impacto causaram no meio acadêmico nas instituições

11 11 de formação e principalmente na elaboração dos documentos norteadores da política nacional de formação docente no Brasil, no final do século passado. Em geral, as pesquisas produzidas durante as duas últimas décadas, de uma forma ou de outra, passaram a questionar o modelo de formação predominante, baseado na racionalidade técnica e nas contribuições de Schön sobre professor reflexivo tiveram grande aceitação em diferentes países em meio a reformas educacionais, inclusive no Brasil. Schön (2000, p. 15) considera a racionalidade técnica, uma epistemologia da prática, herdada do positivismo, onde profissionais são aqueles que solucionam problemas instrumentais, selecionando os meios técnicos mais apropriados para propósitos específicos, através da aplicação de teorias e de técnicas decorrentes do conhecimento sistematizado, preferencialmente científico. O modelo de formação, baseado na racionalidade técnica, tem provocado uma crise de confiança no conhecimento destes profissionais, principalmente quando são confrontados com situações-problema no decorrer do exercício profissional. De acordo com Schön (1992; 2000), este modelo não dá conta deste desafio porque quase sempre uma situação-problema é única e não pode ser resolvida somente aplicando teorias ou técnicas existentes, ou seja, as situações cotidianas, da prática, não podem ser solucionadas com o estoque de conhecimento profissional e não constam em manuais. Também para Pereira (2002), os modelos mais difundidos no campo da formação docente são aqueles baseados na racionalidade técnica. Nesta perspectiva, o professor é um técnico, um especialista que rigorosamente põe em prática as regras científicas e/ou pedagógicas. Assim, a preparação do profissional da educação passa necessariamente pela apropriação do conteúdo científico ou pedagógico que servirá de suporte para sua prática. No exercício da prática, professores e professoras devem aplicar estes conhecimentos ou habilidades de caráter científico e pedagógico. Conforme Nóvoa (1999, p. 26, grifo do autor), a história da formação de professores tem oscilado entre modelos acadêmicos, centrados nas instituições e em conhecimentos fundamentais, e modelos práticos, centrados nas escolas e em métodos aplicados. A superação desta dicotomia, passa necessariamente pela construção de modelos profissionais. O conceito de profissionalidade definido por Sacristán (1999, p. 65) como sendo o conjunto de comportamentos, conhecimentos, destrezas, atitudes e valores que constituem a especificidade de ser professor, assume destaque na formação docente.

12 Tal conceito encontra-se em permanente elaboração e deve ser sempre contextualizado. Neste sentido, a construção da profissionalidade exige romper com o pensamento predominante de que os docentes não produzem o conhecimento a que são chamados a reproduzir e nem determinam as estratégias práticas de suas ações. Segundo Nóvoa (1992, p. 25), a formação deve: 12 [...] estimular uma perspectiva crítico-reflexiva, que forneça aos professores os meios de um pensamento autônomo e que facilite as dinâmicas de autoformação participada. Estar em formação implica um investimento pessoal, um trabalho livre e criativo sobre os percursos e os projetos próprios, com vista à construção de uma identidade, que é também uma identidade profissional. Paralelamente a isso, no seio dos movimentos dos educadores foram sendo forjadas novas concepções sobre formação, destacando-se: o caráter sócio-histórico dessa formação, a necessidade de um profissional de caráter amplo, com pleno domínio e compreensão da realidade de seu tempo, com desenvolvimento da consciência crítica que lhe permita interferir e transformar as condições da escola, da educação e da sociedade. O que possibilitou a construção de uma concepção de profissional de educação que tem na docência e no trabalho pedagógico a sua particularidade e especificidade. (FREITAS, 2002, p. 140, grifo da autora). Assim, a Universidade pública precisa afirmar o seu compromisso a favor de uma política global de formação e profissionalização docente na qual a formação inicial seja feita preferencialmente sob sua responsabilidade e tenha por base a docência e a pesquisa. Neste Projeto, a formação docente é compreendida como parte de um longo e diferenciado processo de desenvolvimento profissional onde a formação inicial é a primeira fase deste processo englobando os cursos que visam à escolarização mediante uma certificação para o exercício da profissão, conforme legislação vigente no país. A formação continuada é o seu prolongamento: permanente, crítico e reflexivo sobre a prática em seus múltiplos contextos. Também é entendida como um continuum que, embora apresente momentos diferenciados - inicial e continuada mantém as características de uma totalidade. Neste sentido, a formação docente precisa ser repensada e reestruturada como um todo em suas dimensões inicial e continuada - como um processo de idas e vindas que vão tecendo diferentes maneiras de ser e de estar na profissão (NÓVOA, 1999), criando condições de impulsionar o desenvolvimento de cursos apoiados em projetos pedagógicos comprometidos com a qualidade do processo, tendo clareza de que

13 conceber a formação como um contínuo sistematizado e organizado significa entender que a formação abrange toda a carreira docente o que exige considerar as diferentes fases nesta trajetória: 13 [...] a formação dos professores supõe um continuum no qual, durante toda a carreira docente, fases de trabalho devem alternar com fases de formação contínua. [...] na formação profissional podem ser percebidas pelo menos quatro fases de formação para a profissão que são cronologicamente distintas e apontam para a aquisição de saberes e de competências diferenciadas. Essas fases expressam-se na longa duração e na variedade da formação dos professores, a qual começa antes da universidade, durante a formação escolar anterior, transforma-se na formação universitária inicial, valida-se no momento do ingresso na profissão, nos primeiros anos de carreira e prossegue durante uma parcela substancial da vida profissional. (TARDIF, 2003, p. 287). Em geral, o que se tem praticado como modelo de formação docente reflete as concepções sobre aprendizagem predominantes nas ciências da educação e adotadas pelas instituições de formação e seus agentes mesmo que não se dêem conta delas, sendo aceitável afirmar que a predominância por muito tempo da concepção behaviorista, enquanto alicerce de receitas pedagógicas, reforçou as idéias que os educadores e educadoras têm a respeito do que seja aprender e ensinar. Se a crença é a de que aprender é transmitir conhecimento, as ações serão direcionadas para o modelo da racionalidade técnica ou da educação bancária, denunciado por Paulo Freire (1970/1993, p. 58): Na visão bancária da educação, o saber é uma doação dos que se julgam sábios aos que julgam nada saber. Para ele a educação vira ato de depositar, onde os alunos e alunas são os depositários e os professores e as professoras depositantes. Freire (1970/1993), ao denunciar esta concepção bancária da educação como instrumento de opressão, em Pedagogia do Oprimido, também anunciou uma nova perspectiva para a formação docente, baseado em uma pedagogia libertadora, para uma práxis ação e reflexão transformadora, de que tanto se fala e tão presente nas teorias proclamadas nos dias de hoje. É possível admitir que as práticas reveladas nas situações de formação envolvendo conteúdos, estratégias, planejamento, avaliação, relações interpessoais, estão carregadas de concepções, princípios, certezas que precisariam ser percebidas, analisadas e, se possível e necessário, modificadas. Por isso há necessidade de programas de formação favoráveis à tematização da prática e a valorização dos saberes, pois como já disse Paulo Freire (1978, p. 160) é pensando a prática que aprendemos a pensar certo.

14 14 Neste Projeto, as atividades acadêmicas, especialmente as de estágio ou corelacionadas com a prática, são compreendidas também como um continuum, realizadas em parceria com as escolas ou outras instituições escolares e não-escolares, com base na pesquisa, na extensão e na docência, considerando teoria e prática interdependentes, indissociáveis e complementares, reconhecendo e valorizando a escola enquanto lócus de produção de saberes e de formação. Para Tardif (2003, p. 269), os saberes docentes são temporais, plurais e heterogêneos, personalizados e situados, e que carregam consigo as marcas do seu objeto, que é o ser humano e são adquiridos através do tempo, permanecendo fortes e estáveis ao longo de nossa trajetória profissional como marcas profundas, o que, muitas vezes, a formação inicial não dá conta de transformar, ou seja, muitos concluem a formação sem abalar suas crenças construídas durante muitos anos de atividade escolar. É difícil modificar os saberes docentes construídos durante uma longa trajetória pessoal e profissional, principalmente quando não se tem algo sólido e convincente que permita repensar esses saberes, pois como abrir mão do que tenho a favor de conhecimentos que ainda não construí? E não sei muito bem por onde seguir? Por isso, há necessidade de se adotar uma pedagogia dialógica, dentro de uma perspectiva freiriana em cursos de formação inicial ou continuada, seja através de suas narrativas ou do resgate das memórias, para articulá-las com outras situações vividas em torno de determinadas temáticas, inter-relacionando essa reflexão com os conteúdos da formação ou com as práticas escolares. Esta estratégia adotada no desenvolvimento deste curso ora proposto, é uma das alternativas possíveis para ajudar os futuros ou os atuais professores e professoras, com o apoio de parceiros mais experientes e a partir de situações-problema, a construírem condições para desenvolverem suas potencialidades. Do mesmo modo olhar as memórias e seus reflexos ainda hoje em suas trajetórias individuais e coletivas permitirá refletir sobre que tipo de professor ou que tipo de professora eu não quero, não devo e não posso ser. Nos cursos de formação inicial, quanto mais alunos e alunas vivenciarem situações diversificadas que os ajudem a superar dificuldades, a ampliar repertórios construindo hábitos de leitura e de escrita, aprendendo a aprender mais se contribuirá para a formação de profissionais capazes de fazerem, em suas práticas futuras ou atuais, escolhas que aproximem a escola de sua real função: atender a todos e a todas conforme suas necessidades de aprendizagem.

15 15 Assim, dentro de uma perspectiva construtiva e dialógica os alunos e as alunas poderão: discutir, discordar, criticar, aprender, reorganizar e regular suas aprendizagens interagindo com seus pares ou com as teorias pertinentes ao exercício da docência. Este trabalho precisa contar com a intervenção criteriosa e competente de parceiros mais experientes, que podem ser alguém da universidade ou da própria escola, desde que esteja imbuído de uma concepção de formação que reconheça os docentes como sujeitos do conhecimento. O espírito que deve mover este trabalho formativo seja na universidade ou na escola é o de que todos e todas têm o que dizer e a acrescentar sobre o trabalho do colega, independente de sua formação ou do grau de sua especialização. Para isso, é preciso que se sintam acolhidas no grupo, apesar das críticas, limitações, dúvidas ou incertezas. Na medida em que todos os envolvidos podem contribuir do lugar em que se encontram, referendados por seus diferentes saberes, na construção de algo que faz parte do ato criativo de cada uma ensinar e aprender - o grupo só tende a crescer e a fortalecer-se enquanto coletivo em processo de formação. Como aprender a serem professoras e professores mais capazes profissionalmente? Como tornar-se algo que se deseja ser? Como aprender a planejar, analisar, criticar, avaliar diferentes momentos de uma prática docente? Nesta perspectiva, Macedo (2005, p. 39) propõe como estratégia olhar a reflexão e a prática como uma relação de cooperação ou reciprocidade [...] uma alimentando ou complementando a outra, de forma irredutível, complementar e indissociável. Este tipo de experiência formativa pede que sejam considerados os docentes, alunos e as alunas como sujeitos ativos, e possam coordenar perspectivas na direção desejada, ou seja, coordenar perspectivas em favor de uma direção ou valor e em contexto que será sempre atravessado pela dúvida, pelo conflito, pela oposição, pela atenção, por aquilo que distrai ou separa como é o trabalho da sala de aula. (MACEDO, 2002, p. 123). Neste processo, considerar a complexidade da formação docente, onde todo e parte precisam interagir entre si, coordenando diferentes momentos sem perder a singularidade das partes que compõe o todo, é compreender a interação na perspectiva da interdependência entre os elementos deste sistema no qual sujeito e objeto estão se tornando. Assim, ao criar, também nos recriamos, pois numa perspectiva construtiva, equilibrando as estruturas, melhoramos o sistema no todo e em partes. Neste fazer, que

16 envolve o fazendo-se, uma das tarefas mais importantes para os sujeitos envolvidos no processo é a compreensão do desempenho de diferentes papéis e de sua contribuição significativa, de fazer desse ato cooperativo um momento de crescimento entre educadores e educadoras. É preciso refletir acerca destes discursos que alimentam essa dicotomia entre a teoria e a prática, quando considera a primeira, propriedade exclusiva da universidade e a segunda, quase sempre desvalorizada por quem a produzem, no caso da escola, seus profissionais. Para romper com este pensamento ainda predominante por mais que as palavras digam o contrário é preciso reconhecer que uma não se sobrepõe à outra e mais ainda: 16 Não há como reduzir uma à outra. Uma implica a outra, em necessária, contraditória e processual relação. [...] A prática não é a teoria de si mesma. Mas, sem ela, a teoria corre o risco de perder o tempo de aferir sua própria validade como também a possibilidade de refazer-se. No fundo, teoria e prática, em suas relações, se precisam e se completam. Neste sentido, há sempre, embutida na prática, uma certa teoria escondida, como há, num projeto teórico nascendo não de uma prática concreta, a prática futura que avaliará a hipótese teórica. (FREIRE, 1991b, p. 106). Esta proposta rompe com a perspectiva clássica de formação, que fortalece a concepção dicotômica entre teoria e prática, ou seja, a universidade produz conhecimentos e os professores ou professoras os aplicam e, assume uma educação libertadora, transformadora, que se pauta na relação dialética entre teoria e prática. E neste sentido, corroboramos com Freire (1991b) quando defende que a formação docente deverá ser feita preponderantemente através da reflexão sobre a prática, sem jamais dicotomizar teoria e prática, mas reconhecendo sempre sua relação contraditória e processual. Neste contexto, as contribuições de Macedo (2005) assumem papel relevante quando propõem que se considere prática e reflexão como duas faces do conhecimento, que se inter-relacionam de forma indissociável, complementar e irredutível, onde praticar a reflexão e refletir sobre a prática faça parte de um mesmo processo. Para Macedo (2005, p. 32) a reflexão passa necessariamente pela reconstituição do que ocorreu no plano da ação, refletir é, diante de uma prática, escolher coisas que julgamos significativas e reorganizá-las em outro plano, para, quem sabe, assim podermos confirmar, corrigir, compensar, substituir, melhorar, antecipar, enriquecer, atribuir sentido ao que foi realizado. Esta postura está em completa sintonia com as de Freire (1979/1991a, p. 17) quando nos diz que somente quem consegue ser capaz de:

17 17 [...] sair de seu contexto, de distanciar-se dele para ficar com ele; que é capaz de admirá-lo para, objetivando-o, transformá-lo e, transformandoo, saber-se transformado pela sua própria criação; um ser que é e está sendo no tempo que é o seu, um ser histórico, somente este é capaz, por tudo isto, de comprometer-se. Deste modo, privilegiar a escola e o trabalho docente como um espaço de produção, de transformação e de mobilização de saberes deve ser condição essencial para a concretização deste Projeto Político-Pedagógico. Além da questão da docência, este Projeto Político-Pedagógico pretende priorizar a formação de gestores escolares numa perspectiva democrática. A necessidade de se democratizar a educação sensibilizou boa parte da sociedade brasileira, a organização partiu do redimensionamento das políticas públicas, propondo processos de tomada de decisões para a comunidade escolar e local, apresentando, assim, o principal elemento de democratização no espaço escolar, fundamentado na direção de uma gestão participativa. De acordo com Torres (2002, p. 79): No Brasil, os defensores do ensino público popular criticam no ensino público a sua baixa qualidade e o autoritarismo. Relacionam a sua reforma ao controle do planejamento e implementação do ensino por parte de forças populares, nomeadamente comunitárias e movimentos sociais. A gestão democrática nas escolas é outro aspecto fulcral do ensino público popular. Este objectivo, que pressupõe autonomia na planificação, gestão e controle do funcionamento das escolas, com a participação de alunos, pais, movimentos sociais, professores, funcionários e responsáveis governamentais pela educação, implica uma crítica violenta a planificação tecnocrática e ao conceito de competência técnica despida de qualquer controlo ou participação democráticos. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394/96, ressalta a centralidade na unidade escolar em seu art. 12, além de garantir o direito à autonomia pedagógica, administrativa e financeira no Art. 15: Os sistemas de ensino assegurarão às unidades escolares públicas de educação básica que os integram progressivos graus de autonomia pedagógica e administrativa e de gestão financeira, observadas as normas gerais de direito financeiro público. Um sistema educacional descentralizado, baseado em princípios democráticos de eqüidade no atendimento da população, com maior autonomia para a gestão da escola, direciona para um ensino de boa qualidade.

18 18 O Curso de Pedagogia do Campus de Vilhena pretende formar gestores escolares que promovam o debate e a participação democrática com todos os segmentos da Comunidade Escolar, considerando a defesa de um sistema educacional democrático, que materialize o direito a construção do ensino, à luz dos princípios de universalidade, igualdade, liberdade, pluralismo, gratuidade do ensino público, valorização dos profissionais do ensino, gestão democrática da escola e padrão de qualidade (CAPANEMA, 1995). Nesta perspectiva, entende-se que a gestão escolar democrática é compreendida como uma proposta de estrutura básica para as unidades escolares que precisa ser composta por instrumentos deliberativos, como por exemplo, conselho escolar, responsável pelas ações de planejamento, coordenação e avaliação das atividades pedagógicas, administrativas e financeiras da unidade escolar. A gestão escolar democrática não pode ser considerada como um modo de resolver todos os problemas existentes na escola, portanto, conforme Romão e Padilha (2001, p. 92) sua implementação é, hoje, uma exigência da própria sociedade, que enxerga como um dos caminhos para a democratização do poder na escola e na própria sociedade. Para o modo democrático de organização da gestão escolar é indispensável a existência da participação, que é um processo, não somente na ótica da comunidade ou dos interessados, mas também do gestor escolar, do pesquisador, do intelectual. A tendência à administração participativa é muito mais ampla e profunda que a demanda dos professores para alterar a gestão da escola. Para que essa participação seja efetivada Gadotti e Romão (2001, p. 48) afirmam que: [...] é necessário que a participação popular, dentro e fora da escola, constitua-se numa estratégia explícita da administração. Além disso, para facilitar a participação é preciso oferecer todas as condições. Costuma-se convocar a população para participar em horários inadequados, em locais desconfortáveis ou de difícil acesso etc., sem nenhum cuidado prévio. A população precisa sentir-se respeitada, ter prazer e reconhecer a importância do exercício de seus direitos e em participar. O papel da escola passa obrigatoriamente por uma educação para cidadania e, esta, por sua vez, só faz sentido quando exercida democraticamente 3, em 3 Para Sacristán (1999), democracia é um conjunto de procedimentos para poder conviver racionalmente, dotando de sentido uma sociedade cujo destino é aberto, porque acima do poder

19 que os direitos se tornam extensíveis a todos através de uma igualdade jurídica, mas, acima de tudo, através da igualdade de acesso e de domínio dos recursos existentes na sociedade. Aceita-se a concepção plena de cidadania analisada por Gadotti (2003) que consiste na mobilização da sociedade para a conquista dos direitos civis, sociais e políticos: pode-se dizer que a cidadania é essencialmente consciência de direitos e deveres e exercício da democracia. Portanto, uma educação para a cidadania, deve ser promotora desses direitos, bem como da importância da participação da sociedade em sua reivindicação. Gadotti (2003, p. 49) afirma: 19 A participação e a democratização num sistema público de ensino é a forma mais prática de formação para a cidadania. A educação para a cidadania dá-se na participação no processo de tomada de decisão. A criação dos conselhos de escola representa uma parte desse processo. Neste contexto, o ambiente escolar é local para práticas de cidadania através da participação de seus atores, sendo para isso, necessário abertura de espaço para que esse processo seja iniciado. A gestão democrática da escola é um dos caminhos para a realização da participação efetiva dos vários segmentos da comunidade escolar e local na organização, na construção e avaliação dos projetos pedagógicos, na administração dos recursos da escola, enfim, em seus processos decisórios. Conforme destaca Freire (1997, p. 95): O bom clima pedagógico-democrático é o em que o educando vai aprendendo à custa de sua prática mesma que sua curiosidade como sua liberdade deve estar sujeita a limites, mas em permanente exercício. Limites eticamente assumidos por ele. Minha curiosidade não tem o direito de invadir a privacidade do outro e expô-la aos demais. A construção de uma gestão democrática pressupõe construção cidadã. Num processo coletivo, para essa construção realiza-se um processo de reflexão sobre a realidade cotidiana da escola, visando à melhoria da qualidade da aprendizagem, da educação e da sociedade, através de uma ação crítica. Saviani (1992, p. 39) afirma que a escola se democratizará à medida que seus processos decisórios estiverem coligados aos interesses de todas as classes. Explica que a questão da democratização passa pela fixação dos diferentes papéis da escola, implicando o diálogo permanente e a discussão de toda a questão relativa aos seus fins, sem privilegiar segmentos. soberano do povo já não há nenhum poder. São os cidadãos livres que determinam a si mesmos como indivíduos e coletivamente (p. 57).

20 20 Nesse sentido, defende-se uma formação do gestor escolar que busque na sua atuação privilegiar participações ativas, críticas e criativas de todos aqueles que fazem parte do processo de desenvolvimento da educação. Destaca-se, assim, a importância de existir uma relação harmoniosa entre as propostas de democratização e as práticas pedagógicas escolares. 6. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL A formação docente, motivo de muitas controvérsias nos últimos anos, tem mobilizado vários segmentos educacionais em torno de si provocando um movimento que ganhou força a partir da aprovação da LDB, Lei nº 9.394, em dezembro de 1996, que regulamentou por intermédio dos artigos 61 a 67, a formação dos profissionais da educação no Brasil. A partir da promulgação da LDB, um conjunto de medidas visando à regulamentação da formação docente foi desencadeado, dentre estas, a elaboração, em 1999, dos Referenciais para formação de professores, versão oficial do governo, na época, para orientar as políticas de formação de professores e de professoras. Este documento representou um marco na tentativa de se construir um maior entendimento em torno da formação docente dada a legitimidade intelectual e política dos colaboradores e colaboradoras na formulação deste referencial, reforçando a necessidade das instituições formadoras reverem seus projetos para atender as exigências da lei. Outro marco importante na história da educação foi a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE) 4, em 09 de Janeiro de 2001, através do Projeto de Lei Nº Este Plano considera que a melhoria da qualidade do ensino somente poderá ser alcançada se for promovida, ao mesmo tempo, a valorização do magistério, o que implica a necessidade de uma política global de magistério que invista simultaneamente, na formação profissional inicial, nas condições de trabalho, salário e carreira bem como na formação continuada. Assim, é preciso repensar a própria formação, em vista dos desafios presentes e das novas exigências no campo da educação, que requer profissionais cada vez mais qualificados e permanentemente atualizados, desde a 4 Sobre o Plano Nacional de Educação, entre outros consultar: Valente e Romano (2002); Plano Nacional de Educação (2000).

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE VILHENA DEPARTAMENTO DE PEDAGOGIA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA Proponente: DEPARTAMENTO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/003/2009. UNIVERSIDADE ESTADU DA PARAÍBA APROVA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA, DO CENTRO DE EDUCAÇÃO - CEDUC, QUE REFORMULA

Leia mais

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil

Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Breve Histórico do Curso de Pedagogia no Brasil Rosa Mendonça de Brito 1 INTRODUÇÃO No Brasil, o Curso de Pedagogia, ao longo de sua história, teve definido como seu objeto de estudo e finalidade precípuos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA

CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA CAMPANHA NACIONALDE ESCOLAS DA COMUNIDADE - CNEC FACULDADE CENECISTA DE CAMPO LARGO FACECLA CURSO DE PEDAGOGIA O curso de Pedagogia, Licenciatura da FACECLA de acordo com as Diretrizes Curriculares de

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13

ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 ANEXO E: EMENTÁRIO DO CURRÍCULO 13 I CICLO DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES (1º e 2º semestres): FUNDAMENTOS DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO EMENTÁRIO: O I Ciclo do Curso de Pedagogia do UniRitter desenvolve os fundamentos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PEDAGOGIA CORAÇÃO EUCARÍSTICO 1. PERFIL DO CURSO O Curso de Pedagogia da PUC Minas, alinhado com o ideário humanista defendido pela Instituição, compromete-se com

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CP PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 11/4/2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Conselho

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Resolução nº 048, de 18 de maio de 2015.

Resolução nº 048, de 18 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com

NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br. LAROCCA, Priscila UEPG priscilalarocca847@hotmail.com O QUE SE ESPERA DO EGRESSO DA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA? BREVE ESTUDO DAS DIRETRIZES OFICIAIS PARA AS LICENCIATURAS E DE UM PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO Resumo NOWISKI, Evely de Moraes - UEPG evelymoraes@yahoo.com.br

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

Projeto Pedagógico Curso de Licenciatura em Pedagogia

Projeto Pedagógico Curso de Licenciatura em Pedagogia Projeto Pedagógico Curso de Licenciatura em Pedagogia Janeiro/2012 Reitor Pedro Angelo Almeida Abreu Vice Reitor Donaldo Rosa Pires Júnior Coordenador do Curso de Pedagogia Elayne de Moura Braga Comissão

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

MISSÃO DO CURSO OBJETIVOS DO CURSO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: PEDAGOGIA - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO O curso de Pedagogia tem como missão criar, desenvolver, sistematizar e difundir conhecimentos na área de educação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA

RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA RESUMO DO PROJETO DO CURSO DE PEDAGOGIA LICENCIATURA MARILDE QUEIROZ GUEDES Diretora do Departamento ANA JOVINA O. VIEIRA DE CARVALHO Coordenadora de Colegiado RODRIGO KORTZ DE MENEZES Secretário do Colegiado

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS

PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS EM CIÊNCIAS NATURAIS FREITAS, M.L.L 1 PROJETOS DE ENSINO: PROPOSTA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E DOCENTE PARA OS LICENCIANDOS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013

ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 ESTUDO COMPARATIVO DA LEI 9394/1996 E DA LEI 12.796/2013 1 Art. 3º. O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios: [...] Art. 3 O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 62 / 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Dança, Licenciatura,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015 (*) (**) Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PEDAGOGIA PEPEDA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

PEDAGOGIA PEPEDA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 PEDAGOGIA PEPEDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: PEDAGOGIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA

18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA LICENCIATURA 18.1) Matriz curricular do turno matutino Fase 1 a N. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 01 Introdução à informática

Leia mais

RESUMO DO PPC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA EAD Emitente: Paloma Modesto Data: 10/11/2014

RESUMO DO PPC LICENCIATURA EM PEDAGOGIA EAD Emitente: Paloma Modesto Data: 10/11/2014 1. PERFIL DO CURSO As políticas públicas são construídas a partir das demandas e das correlações de forças entre organizações internacionais, Estado e sociedade civil (empresas, sindicatos, ONGs, movimentos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR

PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR SINOP MT, 2013 2 1. IDENTIFICAÇÃO GERAL 1.1. Tema:

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010

MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Resolução n 01/2010 MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução n 01/2010 Fixa normas para o Ensino Fundamental de 09 (nove) anos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, Santa Catarina. O CONSELHO

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação

ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação ANFOPE - Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação DOCUMENTO PARA SUBSIDIAR DISCUSSÃO NA AUDIÊNCIA PÚBLICA REGIONAL RECIFE 21/03/01. ANÁLISE DA VERSÃO PRELIMINAR DA PROPOSTA DE DIRETRIZES

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO BICAMERAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Projeto de Resolução 25.3.15 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2015 Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE HUMANIDADES E DIREITO CURSO DE PEDAGOGIA NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Revisão Profa. Ms. Maria José de Oliveira Russo Profa. Dra. Zeila de Brito Fabri Demartini Coordenação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB Reconhecido pela Resolução CEPE n.º 230, de 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de

Leia mais

PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR

PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM CURSO DE PEDAGOGIA PROJETO PEDAGOGICO CURRICULAR SINOP MT, 2014 2 Sumário 1. IDENTIFICAÇÃO GERAL...

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO Matutino Currículo nº 2 Noturno Currículo nº 2 A PARTIR DE 2013 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. nº. 5929 de 16.02.01. Renovação

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO

CAPÍTULO I DAS DIRETRIZES DO CURSO RESOLUÇÃO CAS Nº 07 / 2007 De 05 de agosto de 2007 Reformula o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia, a ser implantado a partir do 2º semestre do ano letivo de 2007. CONSIDERANDO

Leia mais

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO

FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO CAMPO DE ATUAÇÃO Autora: Kelly Brandão de Brito Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí - UFPI, Campus Amílcar Ferreira Sobral - CAFS

Leia mais

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar

A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar A Educação de Jovens e Adultos no Currículo da Licenciatura em Matemática: o caso da UFSCar Resumo Fabiana Brianez* Renata Prenstteter Gama** Esse trabalho tem como objetivo analisar o currículo do curso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 24/2007 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Pedagogia, na

Leia mais