A CONTRIBUIÇÃO DO CONSELHO ESCOLAR NA CONSTRUÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO-BA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONTRIBUIÇÃO DO CONSELHO ESCOLAR NA CONSTRUÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO-BA"

Transcrição

1 A CONTRIBUIÇÃO DO CONSELHO ESCOLAR NA CONSTRUÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO-BA Claudivon Silva Santos 1 Ducirlândia F. de S. Oliveira 2 Regivane Santos Brito 3 Resumo: O presente texto objetiva relatar a experiência dos autores como pesquisadores, ensejando compreender o papel dos Conselhos Escolares para a gestão educacional do Município de Planaltino- BA, através de uma aula de campo realizada no dia 21 de outubro de O trabalho de ensino e pesquisa foi desenvolvido pela disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação Básica, na turma do IV Semestre do Curso de Pedagogia, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Campus de Jequié. A turma foi dividida em seis Grupos de Trabalho que no decorrer do semestre foram desenvolvendo atividades de leituras, pesquisas, debates e produções teóricas. Nesse processo, nosso Grupo de Trabalho ficou responsável pela temática Gestão Democrática (Conselhos Escolares e PPP Projeto Político Pedagógico). Após todo o trabalho realizado em sala e nos espaços de pesquisa, elaboramos um roteiro de visita que foi utilizado quando fomos para as unidades escolares, a fim de nos reunirmos com os membros dos conselhos e com o corpo técnico-pedagógico para tratarmos sobre o processo de construção e implantação do PPP - Projeto Político Pedagógico. As observações e interações com os sujeitos daqueles espaços nos possibilitaram concluir que os Conselhos Escolares do referido município tem atuação constante e preponderante, envolvendo a participação da comunidade escolar e comunidade externa e, desse modo, demonstrando que é possível construir a escola pública de qualidade através da gestão democrática. Palavras-chave: Conselhos escolares. Participação. Gestão democrática. INTRODUÇÃO O presente trabalho relata a experiência dos autores na compreensão da temática sobre gestão democrática buscando analisar como esse processo ocorre na área da educação, assim trabalhamos com os Conselhos Escolares e PPP - Projeto Político Pedagógico. Com a organização e orientação do Professor Mestre Ubirajara Couto Lima da Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação Básica II que proporcionou a turma de Pedagogia do IV semestre noturno da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB um estudo aprofundado sobre os Conselhos Escolares de Educação com os cadernos que integram o 1 SANTOS, Claudivon. Discente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. 2 OLIVEIRA, Ducirlândia. Discente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB. 3 BRITO, Regivane. Discente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB.

2 2 Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: Caderno 1 Conselhos Escolares: Democratização da escola e construção da cidadania; Caderno 2 Conselho Escolar e a aprendizagem na escola; Caderno 3 Conselho Escolar e o respeito e a valorização do saber e da cultura do estudante e da comunidade; Caderno 4 Conselho Escolar e o aproveitamento significativo do tempo pedagógico; Caderno 5 Conselho Escolar, gestão democrática da educação e escolha do diretor; Caderno 6 Conselho Escolar como espaço de formação humana: círculo de cultura e qualidade da educação; Caderno 7 Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil; Caderno 8 Conselho Escolar e a valorização dos trabalhadores em educação é um imperativo histórico; Caderno 9 Conselho Escolar e a educação do campo; Caderno 10 Conselho Escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento com igualdade social; Caderno 11 Conselho Escolar e direitos humanos; Caderno 12 Conselho Escolar e sua organização em fórum. A turma foi dividida em seis grupos denominados de GTs (Grupos de Trabalho) com as seguintes temáticas: GT1 - Conselho Municipal de Educação; GT2 - Conselho do FUNDEB - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação; GT3 e GT4 - Conselhos Escolares; GT5 - Conselho de Alimentação Escolar e o GT6 PPP - Projeto Político-Pedagógico. A partir de pesquisas, leituras e discussões ao longo do semestre em sala de aula realizamos uma visita na cidade de Planaltino - BA, localizada no Vale do Jiquiriçá, no dia 21 de Agosto de 2012, visando elencar teoria e prática de forma vivenciada que possa colaborar para uma formação de qualidade acadêmica e social dos futuros docentes; especialmente no acompanhamento da prática educativa que se desenvolve na escola. Uma prática é uma ação fundamentada na teoria, norteada consciente e intencionalmente. Não existe prática sem teoria, nem teoria sem prática. A prática sem teoria não é prática, mas ação movida pelo ativismo ou por reação instintiva. Teoria sem prática, sem estar ligada ao concreto, ao real, não é teoria, mas discurso retórico, como uma miragem no deserto. Como a atuação do Conselheiro deve ser consciente e intencional, sua formação será mais adequada se trabalhar temas teórico-práticos de sua própria atuação como Conselheiro. (WITMANN, MEC, 2006, p.18). Durante a visita pudemos experienciar as compreensões dialéticas sobre a teoria e a realidade visando à construção democrática e a ação humana sobre o mundo. O poder público municipal atua de forma descentralizada quanto à educação, possibilitando o efetivo trabalho

3 3 dos profissionais de educação e dos conselheiros que colocam em prática projetos que proporcionam uma formação crítico social. A capacitação dos conselheiros possibilita desempenhar funções de conscientização aos educandos e educadores, e assim, surgiu o sentimento de cuidado e acolhimento com os membros da comunidade. Sendo assim, os Conselhos se reestruturaram a partir de ações democráticas, com a participação da comunidade, resultando em Conselhos independentes onde cada escola decide o que é necessário diante de cada realidade social. Elaborando, implementando e acompanhando as políticas locais. Diante disso, os Conselhos realizam reuniões com seus membros para tratar de questões que visam melhorias no sistema de educação do município. Os professores passaram a ter qualidade no desenvolvimento de seu trabalho, enquanto os alunos melhoria na aprendizagem e diminuição no índice de evasão escolar. O que proporcionou ao município o melhor resultado do Ensino Fundamental Séries Finais, sendo a maior nota com 4,2; superando inclusive a média nacional que foi de 4,1. Ficou em 1 lugar no IDEB - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, do Vale do Jiquiriçá em O papel do Conselho Escolar é o de assumir a luta pela efetivação do direito à educação no âmbito de suas atribuições. Ou seja, lutar pela garantia do acesso à escola, na educação infantil, ensino fundamental e no ensino médio, e para a melhoria do processo ensino aprendizagem daqueles que estão na escola. (DOURADO, MEC, 2006, p.18). Neste relato, percebemos que o processo de implementação dos Conselhos Escolares no Município de Planaltino - BA, aponta um grande avanço na qualidade da educação e confirma o quanto é importante à reflexão para resgatar a identidade do processo educativo com a participação de todos: gestores, professores, estudantes, educadores não docentes e pais, constituindo assim uma política de gestão democrática. A seguir apresentaremos situações observadas. IMPLEMENTAÇÃO DOS CONSELHOS ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO-BA A Secretaria de Educação junto com as escolas municipais para a implementação dos Conselhos Escolares realizaram reuniões tendo como desafio conscientizar a população da importância de participar da gestão democrática da escola, mostrando aos pais e comunidade que eles precisam saber como estão sendo aplicados os recursos recebidos pelas escolas, como eles podem colaborar com a escola e a educação das crianças. Instruiu a todos sobre as

4 4 funções fiscalizadoras, deliberativas, consultiva e outras funções que possuem, mostrando-os o quanto é importante estabelecer uma gestão democrática através da participação de todos. Todas as escolas passaram a ter o PPP - Projeto Político-Pedagógico para traçar uma construção coletiva de conhecimento e intervenção na realidade de forma descentralizada. Para a efetivação da autonomia foi necessário descentralizar, tudo que era resolvido por apenas uma pessoa ou minoria, passou a ser de forma democrática, envolvendo todos da comunidade. A gestão democrática ocorre com a participação dos conselhos escolares e com a implantação do PPP - Projeto Político-Pedagógico traçando uma autonomia descentralizada, entendendo que em conjunto decidirão o que é melhor para atender a todos envolvidos na escola e/ou educação criando mecanismos de ação que visam buscar benefícios. Uma instituição sendo autônoma garante o princípio da igualdade social em projetos que envolva o homem como centro; tendo como objetivo formar o sujeito para a vida em sociedade, permitindo não só uma formação teórica, mais também profissionalizante. Garantir, portanto, o princípio da igualdade social em um projeto de desenvolvimento que tenha o homem como cerne constitui um desafio para todos aqueles que lutam por uma sociedade justa, o que compreende a luta por uma escola que se constitua efetivamente um espaço de formação para a cidadania. (AGUIR, MEC, 2006, p.12). Os conselhos passaram a se reunir para fazer avaliações mostrando não só os problemas enfrentados, mas como também as vitórias e conquistas, com a participação da comunidade e dos pais os problemas existentes passaram a ser mais fácies de resolver. Com base nos estudos teóricos e as questões observadas comprovamos que as Escolas Municipais de Planaltino a partir da criação e implantação do Conselho Escolar apresentam aspectos positivos, sendo atuante, participativo, trata das questões da escola com seriedade e transparência e também de forma fiscalizadora nos aspectos: financeiro, avaliativo e pedagógico; define ações importantes, como calendário de reuniões, substituição de conselheiros, processos de tomada de decisões, indicação das funções do Conselho etc. A todo instante podíamos relacionar as experiências com as discussões em sala de aula com pontos positivos, desafios, problemas entre outros aspectos. O objetivo da escola é socializar, pois as dificuldades existem sim, e cabe à escola quebrar essas barreiras. VALORIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM PLANALTINO

5 5 Em relação à valorização do trabalho docente é importante ressaltar que estão sendo formados 55 profissionais da educação isso depois da conquista do polo da UNEB Universidade do Estado da Bahia dentro da cidade. Os profissionais da educação passaram a ter plano de carreira. Com a definição do novo valor do Piso Salarial Nacional, a Secretaria Municipal de Educação de Planaltino, chega à fase final de elaboração do Plano de Carreira dos Profissionais do Magistério. Após ser pago aos docentes o valor do piso nacional, foi marcado um Seminário com presença de todos os profissionais do magistério e APLB/Sindicato, para discussão e aprovação da versão final do Plano e encaminhamento para Câmara Municipal de Vereadores. Desde o primeiro mês da atual gestão do Prefeito Joseval Alves Braga em janeiro de 2009, o município procurou a assessoria técnica junto ao Governo do Estado, através do Programa de Apoio a Educação Municipal PROAM, da Secretaria da Educação do Estado, para elaboração do Plano de Carreira, justamente por compreender a importância desta ação para educação municipal. Foi constituído um Comitê Executivo contando com representação da APLB/Sindicato, que iniciou as discussões de elaboração do Plano. No entanto, por problemas administrativos da Secretaria da Educação do Estado, o Programa de Assessoramento a Elaboração de Planos de Carreira parou. Em 2011, não havendo o retorno do Assessoramento pela Secretaria Estadual, a Secretaria de Educação de Planaltino retomou as discussões de elaboração em parceria com a APLB/Sindicato. Foram várias reuniões até chegar a atual versão do Plano que será apresentada a categoria. O FUNDEB - Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação: Lei 090/2009, passou a ser divulgado e houve reuniões para a formação dos conselhos, o Prefeito de Planaltino reforçou o Conselho e com dois anos renovou e em alguns seguimentos houve substituições, contando com o apoio da gestão pública enviada pela prefeitura, contendo 20 membros, 10 oficiais. Através deste programa o município adquiriu dois carros para a utilização em visitas no município (todos os anos a Secretaria de Educação realiza campanha para a realização de matrículas, visita todas as casas da zona rural) e viagens de capacitação dos docentes e membros dos Conselhos Escolares. Os participam de cursos de formação continuada para a valorização do magistério, e cada ano os cursos são reformulados. As Diretrizes Básicas são de acordo as necessidades básicas de cada escola.

6 6 Uma das maiores inquietações do CONSELHO DO FUNDEB é justamente a falta de conhecimentos teóricos por parte de seus integrantes. A maior dificuldade é que a maioria de seus membros trabalham em media 40 horas semanais não sobrando assim tempo para que efetivamente o Conselho seja democrático, ou seja, que de fato exista a participação de todos. Os recursos financeiros da escola devem ser planejados de forma participativa e com o estabelecimento de prioridades; todas as escolas do município de Planaltino tem caixa financeiro independente, advindo do PDDE (Dinheiro direto na Escola) e é o conselho escolar de cada escola que define quais as prioridades para a utilização do dinheiro. Temos um exemplo de divulgação de contas na Escola Cantinho do Saber. As contas são expostas nos murais de forma legível e fácil acesso aos pais, alunos, professores. A Secretaria de Educação dispõe do blog no qual todas as informações relacionadas à educação do município são publicadas e divulgadas. Nessa mesma escola começou no início do ano (2012) a utilização do PNSE - Programa Nacional de Saúde Escolar utilizado para a realização de consultas oftomológicas e aquisição de óculos para os alunos com problemas visuais matriculados na 1 série do ensino fundamental. Como também atendimento a crianças com transtorno geral de desenvolvimento, albinismo e outros. Foi contemplada com o Programa Mais Educação (Programa do Governo Federal), porém, não pode implantar por falta de espaço físico. EDUCAÇÃO NO CAMPO A Educação no Campo deve priorizar a educação e as escolas do campo e é a partir das organizações sociais que elaboram sugestões para que possa estabelecer mecanismos próprios que assegurem a participação social, dando assim destaque ao conselho escolar que possa buscar estratégias para uma democratização da educação. Quando se coloca o problema da Educação do Campo, grande parte de nossos governantes, secretarias de educação e intelectuais que se dizem pensantes da educação, partem do princípio que os grandes desafios estão na falta de estrutura, de professores preparados, de transporte escolar adequado, de material didático-pedagógico. O grande desafio, na verdade, é a mudança do modelo de educação presente no campo. A escola que temos no campo não prepara as crianças nem para o mundo urbano e nem para o mundo do campo (com suas diferentes expressões culturais, de organizar a vida, de convivência). Mas sim para serem subservientes à lógica do capitalismo (GRACINDO, MEC, 2006, p.23).

7 7 A atuação do conselho municipal de educação nas escolas do campo é atuante. Todas elas foram reformadas recentemente. Uma das escolas funciona em tempo integral atendendo aos estudantes da educação infantil das séries iniciais do ensino fundamental. Os alunos participam das aulas teóricas no período da manhã e a tarde tem aulas diversificadas, como reforço escolar, atividades de educação física, futebol, karatê, aulas de dança e oficinas de iniciação a música com aulas de flauta. Todas as atividades são desenvolvidas em parceria com o projeto Craques da Cidadania, projeto esportivo destinado aos estudantes da rede pública municipal de educação planaltinense. Incluído também atividades de informática e oficinas de recreação. A Escola de Educação em Tempo Integral Maria Rosa de Almeida esta cadastrada no Programa Escola Ativa (MEC), programa de apoio à educação do campo destinado a formação continuada dos professores que atuam em classes multisseriadas, além de prestar apoio pedagógico e material às turmas da educação do campo. Ela funciona das 8 da manhã às 17 horas, atendendo a 53 estudantes. Onde os estudantes têm refeições diárias, como lanches reforçados e almoço, atendendo assim as recomendações diárias de uma jornada escolar ampliada. Importante destacar que a democratização da educação não se limita ao acesso à escola. O acesso é, certamente, a porta inicial para o processo de democratização, mas torna-se necessário, também, garantir que todos que ingressam na escola tenham condições para nela permanecerem, com sucesso. Assim, a democratização da educação faz-se com acesso e permanência de todos no processo educativo, dentro do qual o sucesso escolar é reflexo de sua qualidade. Mas somente essas três características (acesso, permanência e sucesso) ainda não completam o sentido amplo da democratização da educação. (GRACINDO, MEC, 2006, p.40). Contudo a Educação Integral em sua essência e qualidade é aquela que forma o ser humano em sua integralidade e para sua emancipação. Construir uma educação que emancipe e forme em uma perspectiva humana que considere suas múltiplas dimensões e necessidades educativas é a grande estratégia de melhoria da qualidade de ensino e promoção do sucesso escolar, que é a Educação Integral. Com a ampliação do currículo com a valorização dos saberes populares, a gestão democrática, a participação de outros sujeitos e a extensão do território educativo, tudo isso é articulado com o Projeto Político Pedagógico da escola, visando garantir a vivência escolar de alunos, professores, família e comunidade em um exercício cotidiano e coletivo de cidadania buscando uma aprendizagem como mais qualidade.

8 8 CAE - CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR O CAE foi formado em 2001 com o Decreto de nº 15/2011, realizando reuniões mensalmente com pais, professores e os demais membros da comunidade (todos os membros do conselho). Eles frequentemente fiscalizam as escolas esporadicamente e até hoje nunca encontraram nenhuma irregularidade, cantinas e cozinhas bem estruturadas, com merenda de qualidade. As cozinhas passaram a ser industrializadas e atualmente o nutricionista elabora o cardápio e o CAE analisa sendo diferenciado apenas nas escolas integrais. As maiores dificuldades são o armazenamento de alimentos e ausência de refeitórios. CONSIDERAÇÕES FINAIS Através do que foi pesquisado durante todo o semestre letivo, bem como da pesquisa de campo realizada em Planaltino-Ba, este relatório se propôs a analisar a política de gestão democrática na escola pública planaltinense; tendo como base a atuação dos Conselhos Escolares, assim como do Conselho Municipal de Educação e Conselho do FUNDEB. Constatamos que de fato os Conselhos relacionados à educação têm atuação constante no município de Planaltino. Comprovamos tal realidade com a infraestrutura das escolas; a valorização dos profissionais e incentivos para a formação continuada; projetos políticospedagógicos que proporcionam orientação sexual e atividades esportivas como ocupação para os adolescentes. Perceber que realmente a gestão democrática só se efetiva se todos tiverem interesse em participar, portanto a participação é fundamental. A escola precisa que a comunidade, pais, alunos e corpo docente andem de mãos dadas podendo contribuir para a realização de uma política pedagógica voltada para atender a todos de forma igualitária. Percebemos também que a educação só poderá alcançar êxito se for administrada por pessoas que realmente tenham interesse para realizar um trabalho sério e com responsabilidade para assumir tais competências, assim todas as pessoas envolvidas no processo educativo precisa tomar consciência da importância da educação na vida de cada indivíduo. O objeto de investigação dessa pesquisa está diretamente vinculado ás configurações atuais de sociedade, economia, política e cultura em nosso país, que vem sendo marcado e

9 9 delimitado pelo processo de globalização do capital, vindo assim impor que o Estado venha redefinir o seu papel para com a sociedade. Nosso trabalho teve como ponto chave analisar o fenômeno participatório e democratizante no que tange a educação no município de Planaltino, tornando possível compartilhar com as comunidades escolares e científicas algumas reflexões e conclusões sobre como ocorre a democratização da escola pública bem como nos permitiu identificar as possibilidades, os limites e os avanços nessa caminhada que de maneira geral vem contando com a efetiva participação de todos os segmentos envolvidos no processo. O conselho escolar permite que pais, alunos, professores, funcionários, núcleo gestor e comunidade local proporcionem o desenvolvimento de uma pedagogia de participação e que práticas inovadoras sejam estabelecidas nas relações intra-escola e desta com a comunidade. A proposta metodológica compreendeu estudos documentais, bibliográficos e a pesquisa de campo de natureza qualitativa já que nos permitiu conhecer experiências sociais de diversos sujeitos que estão inseridos na proposta de gestão democrática da escola pública por meio dos conselhos escolares. Portanto, como consequências da investigação empírica realizada nos conselhos escolares das escolas públicas do município de Planaltino têm a revelação de que como conquista da sociedade ou como oferta do Estado, a gestão democrática se faz com contradições e ambiguidades, ora legitimando, ora questionando essas políticas governamentais. Por sua vez, os Conselhos escolares são espaços híbridos, que funcionam de forma descontínua, porém o largo alcance de suas conquistas aproxima gradativamente a escola de uma forma de ser democrática dando sinais para a ampliação da cidadania dentro da mesma. Podemos então afirmar que no cenário planaltinense acontece agora um momento marcado por grande euforia e convite á participação. Nesse sentido, levada pela democracia se dá a criação de vários conselhos de políticas públicas. A práxis aqui inserida no contexto deste trabalho de pesquisa reafirma que a gestão democrática na escola é possível e que esta é uma construção constante, um processo inacabado e em movimento. Assim sendo será sempre permeada de dificuldades e conflitos que ás vezes compromete sua efetivação, mas que também demonstra potencialidades capazes de sustentar suas conquistas. Gostaríamos de agradecer ao professor Ubirajara Couto Lima por ter nos proporcionados a oportunidade de relacionar teoria e prática e comprovar que quando se quer e em conjunto de forma democrática se obtém muitas conquistas.

10 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BRASIL. Constituição Federal de Disponível em: <htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 20 de jul. de 2012, 15:16:45. BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 26 de ago. de 2012, 14: 56: 25. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases (LDB). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Disponível em:<htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 24 de jul. de 2012, 09: 47: 02. Caderno - Conselhos Escolares: Uma estratégia de gestão democrática da educação pública/brasília DF Novembro de Disponível em: <htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 21 de jul. de 2012, 20:34: 14. Caderno 10 - Conselho Escolar e a relação entre a escola e o desenvolvimento com igualdade social / elaboração Márcia Ângela da Silva Aguiar... [et. al.]. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p.: il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares; 10). Disponível em:< htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 25 de jul. de 2012, 09:57:04. Caderno 11 - Conselho Escolar e Direitos Humanos. Brasília: Presidência da República, Secretaria Especial dos Direitos Humanos; Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p.: il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares; 11). Disponível em:<htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 17 de jul. de 2012, 13:35:49. Caderno 7 - Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil / elaboração Luiz Fernandes Dourado... [et. al.]. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p.: il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares; 7). Disponível em:<htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 23 de jul. de 2012, 21: 30: 12. Caderno 8 - Conselho Escolar e a valorização dos trabalhadores em educação / elaboração Ignez Pinto Navarro... [et. al.]. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação

11 11 Básica, p.: il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares; 8). Disponível em:<htpp://www.gestaodemocraticauesbjq.blogspot.com.br>. Acesso em: 19 de jul. de 2012, 16: 20: 37. Caderno 9 - Conselho Escolar e a educação do campo / elaboração Regina Vinhaes Gracindo... [et. al.]. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, p.: il. (Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares ; 9). Disponível em:< Acesso em: 22 de jul. de 2012, 19: 48: 22. OLIVEIRA, Francisco de. Privatização do público, destituição da fala e anulação da política: totalitarismo neoliberal. In: Oliveira, Francisco de Paoli, Maria Célia (Org.) Os sentidos da democracia. Petrópolis: Vozes; Fapesp,1999. Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer Planaltino Mobilizado pela Educação. Planaltino-BA. Disponível em: <http://educaplanaltino.blogspot.com.br/>. Acesso em: 26 de ago. de 2006, 10: 46: 15.

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014

PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 PLANO DE AÇÃO NA GESTÃO DA ESCOLA 2012 A 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR COLÉGIO ESTADUAL CHATEAUBRIANDENSE ENSINO MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL R. ESTADOS UNIDOS, 170 - JD. AMÉRICA ASSIS CHATEAUBRIAND

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EDUCAÇÃO E TEMAS CONTEMPORÂNEOS II: POLÍTICAS, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA PROGRAMAÇÃO FINAL DIA 08/11/2011 DIA 09/11/2011

EDUCAÇÃO E TEMAS CONTEMPORÂNEOS II: POLÍTICAS, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA PROGRAMAÇÃO FINAL DIA 08/11/2011 DIA 09/11/2011 EDUCAÇÃO E TEMAS CONTEMPORÂNEOS II: POLÍTICAS, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA PROGRAMAÇÃO FINAL DIA 08/11/2011 19h Apresentação Cultural 19h30 - Palestra de Abertura: A Globalização e a Mercantilização

Leia mais

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO ANÁLISE DOS ASPECTOS TEÓRICO METODOLÓGICOS DO CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO Andrelisa Goulart de Mello Universidade Federal de Santa Maria andrelaizes@gmail.com Ticiane

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira 17 19 18 E.M. Nilcelina S. Ferreira 20 22 21 23 24 25 5 Metas para a Gestão Democrática META 1 a. garantir a autonomia políticod i d á t i c o - p e d a g ó g i c a e administrativa às instituições educacionais

Leia mais

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos

Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos Solicitação de Inclusão no Banco de Projetos 1 IDENTIFICAÇÃO Abrangência do Projeto: ( ) Estadual ( ) Regional (x) Intermunicipal (no mínimo três municípios): Piraquara, Pinhais e Quatro Barras 1.1 Dados

Leia mais

:: Organização Pedagógica ::

:: Organização Pedagógica :: 1. DA GESTÃO DA ESCOLA :: Organização Pedagógica :: A gestão da escola é desenvolvida de modo coletivo com a participação de todos os segmentos nas decisões e encaminhamentos, oportunizando alternância

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990

O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 O ESTADO DA ARTE DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO A PARTIR DA DECADA DE 1990 BATISTA, Keila Cristina (UNIOESTE) ZANARDINI, Isaura Monica Souza (Orientadora/UNIOESTE) Pelas leituras realizadas para a elaboração

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR

ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR ACESSO, PERMANÊNCIA E SUCESSO ESCOLAR É É importante que as pessoas se sintam parte de um processo de melhoria para todos Luiz Fábio Mesquita PROEN 2011 Luiz Alberto Rezende / Tânia Mára Souza / Patrícia

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

ESCOLA E EFETIVAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA

ESCOLA E EFETIVAÇÃO DE UMA GESTÃO DEMOCRÁTICA KilviaKely Liberato da Costa¹ Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual da Paraíba Campus III kikakil@hotmail.com Bruna Gisele Aquino de Brito² Graduanda em Geografia pela Universidade Estadual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2013-2016 Quixadá-CE, novembro

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL

UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL UNIDADE 2 O PLANEJAMENTO DA ESCOLA NO REGIMENTO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE SAO PAULO: O PROCESSO E A FORMA PRESCRITOS NA LEGISLAÇAO EDUCACIONAL Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

AS POLÍTICAS E A GESTÃO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO- BAHIA: DA DEMAGOGIA À DEMOCRACIA

AS POLÍTICAS E A GESTÃO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO- BAHIA: DA DEMAGOGIA À DEMOCRACIA AS POLÍTICAS E A GESTÃO DA EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PLANALTINO- BAHIA: DA DEMAGOGIA À DEMOCRACIA Aristelma Brito Orrico Onofre 1 Joselita Jesus dos Santos Lisboa 2 Nerivan de Souza Sanches 3 Resumo: O

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA 1 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - PARFOR EM UMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA Ms. Rafael Ângelo Bunhi Pinto UNISO - Universidade de Sorocaba/São Paulo Programa de Pós-Graduação

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DA REGIÃO DE SÃO CARLOS - SÃO PAULO E.E. PROFª ALICE MADEIRA JOÃO FRANCISCO SANTA EUDÓXIA-DISTRITO DE SÃO CARLOS RUA

Leia mais

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ANEXO I PLANO DE TRABALHO (ORÇAMENTO BÁSICO) PREFEITURA MUNICIPAL DE IPAUMIRIM/CE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DAS CRECHES E DA EDUCAÇÃO INFANTIL INTRODUÇÃO Conforme garante

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE

A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE A UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO E O SIGNIFICADO SOCIAL DA POLÍTICA PÚBLICA DE EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NA BAIXADA FLUMINENSE INTRODUÇÃO Renan Arjona de Souza (1); Nádia Maria Pereira

Leia mais

Prezado Sr. Ramon Ramonielli Santos Secretário de Educação de Contagem

Prezado Sr. Ramon Ramonielli Santos Secretário de Educação de Contagem CONSULTORIA INSTITUTO CULTIVA PARA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CONTAGEM DEMANDA: FORMATAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2015/2016 ASSUNTO: APRESENTAÇÃO DE CARGA HORÁRIA PREVISTA

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO

INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO INSTITUTO SINGULARIDADES CURSO PEDAGOGIA MATRIZ CURRICULAR POR ANO E SEMESTRE DE CURSO 1º N1 1. Espaços e Práticas Culturais 40h N1 2. Oficina de Artes Visuais 80h N1 3. Prática de Leitura e escrita 80h

Leia mais

SALA TEMÁTICA: ENSINO FUNDAMENTAL

SALA TEMÁTICA: ENSINO FUNDAMENTAL SALA TEMÁTICA: ENSINO FUNDAMENTAL META 2 (PNE): Universalizar o ensino fundamental de 9 (nove) anos para toda a população de 6 (seis) a 14 (quatorze) anos e garantir que pelo menos 95% (noventa e cinco

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná

Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED Instruções para Construção dos Sites das Escolas Públicas Estaduais do Paraná MARÇO/2008 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ Roberto

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENÇÃO PEDAGOGICA A ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESCOLAR O Planejamento é o principal instrumento norteador da ação dos coordenadores e profissionais

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

Orientações Operacionais para a Educação

Orientações Operacionais para a Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE CABEDELO Secretaria de Educação Gabinete da Secretária Orientações Operacionais para a Educação Ano Letivo de 2014 Prefeitura Municipal de Cabedelo Secretaria de Educação Rua Pastor

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CONSELHO ESCOLAR; GESTÃO DEMOCRÁTICA; FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO.

PALAVRAS-CHAVE: CONSELHO ESCOLAR; GESTÃO DEMOCRÁTICA; FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO. O CONSELHO ESCOLAR COMO COMPONENTE DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO Sheila Beatriz Fernandes 1 Priscila Kaline Lima Costa 2 Gilberliane Mayara Andrade de Melo 3 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA

ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ID:1410 EXPERIÊNCIA EXITOSA DO PROGRAMA CHAPÉU DE PALHA-SAÚDE: ABORDAGEM À SAÚDE MENTAL, ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Figueredo Silva Monteiro, Silvana Patrícia; Carvalho Santos, Maria Francisca;

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução nº47/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, com

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO EDUCACIONAL: vivências e experiências Hayana Crislayne Benevides da Silva Graduanda de Pedagogia UEPB Hayana_benevides@yahoo.com.br Erlane Garcia Ferraz Graduanda de

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014

CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 CARTA COMPROMISSO DA FETEMS AOS CANDIDATOS AO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Debate com os Candidatos a Governador/Setembro/2014 Os sonhos devem ser ditos para começar a se realizarem. E como

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação

Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade. 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo. Temática: Valorização das/dos profissionais de educação 1 Movimento Nossa São Paulo Outra Cidade 1 o Encontro Educação para uma Outra São Paulo Temática: Valorização das/dos profissionais de educação Maria Malta Campos Introdução Há um paradoxo, já reconhecido

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: DESAFIOS E PESPECTIVAS

GESTÃO DEMOCRÁTICA: DESAFIOS E PESPECTIVAS GESTÃO DEMOCRÁTICA: DESAFIOS E PESPECTIVAS Josinei Gonçalves Santos 1 Nícia Verena Souza 2 Rosália S. dos Santos 3 Resumo: Aborda-se, neste trabalho a política educacional frente às discussões de um poder

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos e Ampliação das formas de interação com a categoria Proposta: AMPLIAR A PARTICIPAÇÃO DO SISTEMA CONSELHOS NAS UNIVERSIDADES, GARANTINDO MAIOR DIVULGAÇÃO, INFORMAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS (PPP) DAS ESCOLAS

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Barueri, 20 de Maio de 2010. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan. Ref: PROJETO Nº 17

Barueri, 20 de Maio de 2010. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan. Ref: PROJETO Nº 17 Barueri, 20 de Maio de 2010. Ilustríssimo Senhor Rubens Furlan PREFEITO DE BARUERI Ref: PROJETO Nº 17 Venho à presença de Vossa Excelência apresentar cópia de mais um Projeto, oriundo de solicitações de

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo.

A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO. Palavras-chave: Licenciatura, Educação Física, Escola, Trabalho Coletivo. A FORMAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA: O PIBID COMO ESPAÇO DE TRABALHO COLETIVO Bruna de Paula,CRUVINEL(FEF); Jehnny Kellen Vargas Batista, QUEIROZ (FEF); Lorrayne Bruna de CARVALHO (FEF); Karine Danielly L. M.

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício

10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício 10. POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 10.1 Diretrizes 10.2 Programas Específicos 10.2.1 Programa Bolsa Permanência 10.2.2 Programa de Benefício Eventual 10.2.3 Programa de Moradia E Refeitório Estudantil

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Areas Metas Ações Parcerias Período

Areas Metas Ações Parcerias Período Escola Municipal Bernardo Ferreira Guimarães - Ensino Fundamental Criada pelo Decreto nº 6564 de 02/05/1962 Municipalizada a partir de 01/01/98 Res. Nº 9166/98 MG 11/02/98 Praça José Júlio de Souza Nº

Leia mais