A GESTÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO SESI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO SESI"

Transcrição

1 A GESTÃO DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA NA ELABORAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO SESI Margareth A. Q. Santos UFMS Resumo O presente artigo apresenta parte de uma pesquisa realizada no Mestrado em Educação, pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, sobre a atuação da coordenação pedagógica no processo de elaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) para a escola do SESI/MS. Em se tratando de uma instituição privada que tem como modelo a gestão gerencial, buscou-se compreender sob o prisma da gestão democrática as funções desempenhadas pelo coordenador pedagógico e sua articulação com os docentes na construção do currículo escolar. As transformações política, econômica, social e cultural na sociedade refletem no desenvolvimento das políticas educacionais, no estabelecimento das diretrizes curriculares e na dinâmica interna da escola. Na política educacional desencadeada a partir dos anos de 1990, observa-se a aliança entre os organismos internacionais e os sistemas de ensino e como decorrência a implantação de medidas que visam ampliar a participação coletiva nas decisões da escola, tomando como conceitos norteadores da ação a descentralização e o estabelecimento da gestão democrática na reformulação do currículo escolar. Buscar a qualidade do ensino requer antes uma reflexão sobre a realidade da escola e, principalmente, da prática pedagógica. Nessa perspectiva, torna-se importante refletir sobre as atribuições dos gestores escolares, especialmente da coordenação pedagógica, e o desenvolvimento do seu trabalho no sentido de organizar a participação coletiva na construção do PPP. Utilizando-se da pesquisa qualitativa, e como metodologia de pesquisa a análise documental, o estudo bibliográfico e a realização de entrevistas com a equipe pedagógica, pode-se verificar que são diversas as funções a serem desempenhadas pelo coordenador pedagógico que englobam situações pedagógicas e administrativas. A coordenação pedagógica se perde no atendimento dos procedimentos burocráticos, desfocandose do assessoramento ao professor. O fator tempo e a resistência dos professores são algumas das situações que conduzem à dificuldade da coordenação pedagógica em promover a construção de um currículo de modo interdisciplinar. O espírito de liderança, a vontade e a atitude interdisciplinar são elementos fundamentais para que o coordenação pedagógica desenvolva ações na escola. Palavras-chave: Coordenação Pedagógica. Projeto Político Pedagógico. Gestão democrática. Participação.

2 Introdução As políticas educacionais, as diretrizes curriculares, as organizações do sistema e as ações pedagógico-didáticas, situadas no âmbito escolar, estão interligadas às transformações ocorridas dentro da sociedade. As mudanças no campo político, econômico, social e cultural, em decorrência das relações entre os indivíduos e do conflito de interesses, influenciam todo o sistema de ensino e adentram o interior das escolas atingindo as ideias, as atitudes, os comportamentos de alunos e professores, as práticas pedagógicas, o currículo e a organização escolar, como afirmam Libâneo et.al. (2009). Sendo assim, a reforma do Estado que, por sua vez, reflete na reforma da educação, desencadeou a partir do final dos anos 1980 uma política educacional que estabelece a gestão democrática, a descentralização do Estado, enfatiza indicadores de eficiência do sistema por meio de sistemas de avaliação, bem como envolve a comunidade escolar e segmentos da sociedade nos órgãos colegiados e parcerias. Na perspectiva neoliberal, as comunidades e as escolas têm a iniciativa de planejar, organizar e avaliar os serviços educacionais. (LIBÂNEO et. al., 2009, p. 295). Os mecanismos internacionais, que determinam a educação do Brasil e dos países da América Latina, estabelecem metas que compreendem desde a implantação de uma gestão democrática à reformulação curricular estabelecida pelo Plano Nacional de Educação. Nesse sentido, foi estabelecida uma política curricular traduzida nos Parâmetros Curriculares para a Educação Infantil, o Ensino Fundamental até o Ensino Superior. É nesse contexto do movimento neoliberal que o Serviço Social da Indústria SESI de Três Lagoas/MS empreendeu mudanças no âmbito educacional ao envolver a equipe pedagógica e docente na construção de uma proposta curricular para a escola. Todavia, para que ocorra a construção e a materialização do currículo escolar é fundamental a atuação da coordenação pedagógica. Dessa forma, este texto tem como objetivo apresentar uma parte da pesquisa realizada no Mestrado em Educação, enfatizando o papel exercido pela coordenação pedagógica no processo de elaboração do projeto político pedagógico do SESI, bem como as dificuldades enfrentadas pela equipe pedagógica.

3 O SESI e vivência da gestão democrática na escola O Serviço Social da Indústria - SESI foi criado em 1946, pela Confederação Nacional da Indústria CNI através das Leis Orgânicas decretadas no governo de Eurico Gaspar Dutra. (GHIRALDELLI JR, 2009). Assim, desde a sua criação, o SESI tem como objetivo o atendimento aos industriários e seus dependentes com a oferta os serviços de saúde, educação, esporte e lazer. No entanto, nos últimos tempos vem adquirindo novos compromissos com a sociedade, por meio de ações direcionadas para a responsabilidade social e o empreendedorismo. É importante dizer que o SESI está presente em todos os Estados do Brasil, sendo que em cada Estado a sede regional situa-se na capital e as unidades do SESI em algumas cidades, geralmente as mais desenvolvidas. As unidades do SESI são administradas por gerentes e funcionam por meio de uma gestão empresarial, tendo em vista que é mantida pelo setor industrial, tendo como base ideológica o positivismo e os modelos fordistas e taylorista. De acordo com Félix (1986), a administração de empresas assumida pelos gerentes, chefes de departamento e supervisores é diretamente responsável pela relação social que se estabelece entre o capitalista e o trabalhador. A função da administração é uma forma de controlar as forças produtivas que ocorre desde o planejamento até a execução. A instituição do SESI em Três Lagoas foi criada em 1958, situando-se na área central da cidade, com a oferta dos serviços de saúde, lazer e formação doméstica, às mulheres. Somente a partir de 1964 que o SESI passou a ofertar o serviço de educação com a Educação de Jovens e Adultos. Já nos anos 1970, a instituição recebe uma nova sede a fim de ampliar o atendimento dos industriários e seus dependentes com a oferta do ensino Pré-Escolar e de 1º Grau. Atualmente, o SESI de Três Lagoas oferta a Educação Infantil ao Ensino Médio, incluindo a Educação de Jovens e Adultos e o Projeto que articula a Educação Básica e Educação Profissional EBEP. A presença da gestão empresarial na educação torna-a centralizada e burocrática, conduzindo às relações autoritárias e verticais com o propósito de atingir a qualidade total. Ao mesmo tempo, se distancia das discussões que envolvem a prática pedagógica.

4 A transição política da ditadura para a democracia, no final de 1980, assinalou o início da desburocratização do Estado e a implantação da democracia, um dos princípios assegurados pela Constituição Federal de 1988 que regem a Educação. Por sua vez, este princípio se materializou no âmbito educacional na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional LDBEN nº de 20 de dezembro de 1996 (BRASIL, 1996). A LDBEN Lei nº 9.394/1996 (BRASIL, 1996) que determina a educação gratuita, laica e de qualidade às crianças, jovens e adultos, apresenta entre os mecanismos que tendem à garantia desses elementos, a gestão democrática. Em seu artigo 14, estabelece que a gestão democrática tenha como princípios a participação coletiva dos membros da comunidade escolar e local na elaboração do projeto político- pedagógico e nos organismos representativos da escola, como os conselhos escolares. Ferreira (2009, p. 308) afirma que a gestão democrática é um componente decisivo em todo o processo coletivo de construção do planejamento, organização e desenvolvimento do projeto político-pedagógico e de um ensino de qualidade. Portanto, a participação é o principal meio que assegura a gestão democrática e possibilita o envolvimento de todos os integrantes da escola na busca de bons resultados. Libâneo et. al. (2009) ressaltam que o conceito de participação pauta-se no princípio da autonomia correspondente à capacidade das pessoas e dos grupos de conduzirem a si próprios. Sendo assim, tomando como base o princípio de democracia, a Escola do SESI de Três Lagoas/MS iniciou em 2011 o processo de elaboração de uma proposta curricular, componente do Projeto Político Pedagógico - PPP. Apesar de analisarmos como se desencadeou a elaboração desse currículo pelos docentes e equipe pedagógica, neste texto partiremos da concepção da coordenação pedagógica a respeito do assunto, tendo em vista o leque de informações obtido na pesquisa. O pedagogo escolar e as atribuições do coordenador pedagógico Considerando que as metas do sistema escolar se realizam nas escolas, as instituições de ensino precisam ser bem organizadas e estruturadas físicas, materialmente e provida de recursos humanos, a fim de propiciar as condições

5 necessárias para que as metas sejam atingidas, visando um ensino e a aprendizagem com qualidade. Para isso, é preciso uma gestão escolar organizada, com ações efetivas e direcionada para o alcance dos objetivos da escola. Sendo a Pedagogia um conhecimento da e para a prática educativa ela se manifesta na ação do agente educativo, ou melhor, do pedagogo escolar. Consideram-se pedagogos escolares os diretores, vice-diretores, coordenadores pedagógicos e orientadores educacionais. (PINTO, 2011). O acompanhamento, assessoramento, coordenação e viabilização das atividades dos professores e alunos devem ser desenvolvidos por profissionais com formação pedagógica. Assim, o pedagogo escolar se difere dos demais pedagogos por ser um estudioso da educação de um modo geral para que tal conhecimento o ajude a auxiliar os professores no fazer pedagógico, a solucionar as situaçõesproblema tanto no campo pedagógico quanto nas demais circunstâncias que surgem no âmbito escolar. Em sua prática, o pedagogo escolar se utiliza do conhecimento pedagógico, ou melhor, as teorias pedagógicas, e outras teorias científicas, bem como dos saberes da experiência, da sensibilidade e os valores. Dentre as funções exercidas pelo pedagogo escolar estão: a mediação no processo de ensino e aprendizagem em sala de aula, o subsídio às atividades desenvolvidas pelos docentes e discentes, a orientação dos funcionários da escola, a organização de reuniões, atendimento e orientação de alunos e pais, como afirma Pinto (2011, p. 77). É importante dizer que boa parte dessas ações é desenvolvida pela coordenação pedagógica no âmbito escolar. No que se refere ao trabalho da coordenação pedagógica, Libâneo et. al. (2009) salientam que o coordenador pedagógico, ou professor-coordenador, tem como função a coordenação, o acompanhamento, o assessoramento, o apoio e a avaliação das atividades pedagógicas através da assistência ao professor no desenvolvimento do seu trabalho no âmbito escolar. Para Garrido (2005), o coordenador pedagógico deve exercer um trabalho de conscientização dos professores sobre suas ações e o contexto escolar em que atuam. Através de suas tomadas de decisões propõem alternativas de superação dos problemas enfrentados na escola e promovem ações reflexivas para readequar e aperfeiçoar as medidas implementadas.

6 Cabe também à coordenação pedagógica o relacionamento com os pais de alunos e a comunidade para o tratamento das situações pedagógico, curriculares e didáticas e à comunicação do desempenho do aluno nas avaliações. Todavia, o coordenador pedagógico corre o risco de, muitas vezes, não conseguir cumprir com o seu papel, tendo em vista a dedicação em resolver situações-problema com os alunos e pais, ou mesmo envolve-se com outras atividades burocráticas, comprometendo a sua atenção ao pedagógico. Mello et. al. dizem que: [...] quando as pessoas são capazes de compreender o papel que devem desempenhar na mudança de seus contextos imediatos ou na sociedade em geral, bem como na tarefa de favorecer aos outros o acesso ao campo de trabalho, contribuem com novos significados para a educação. (MELLO et. al., 2011, p. 66). Ao cuidar e acompanhar a prática docente é fundamental que o coordenador pedagógico também se preocupe com a formação continuada dos professores, tendo em vista que a identidade profissional do professor implica no seu fazer docente e na formação dos alunos. A Coordenação Pedagógica na elaboração da proposta curricular Considerando que a função do coordenador pedagógico consiste no acompanhamento e assistência aos professores no seu fazer pedagógico, esse profissional precisa intermediar entre o currículo escolar e a prática docente. É importante ressaltar que o currículo não foi estabelecido de um momento para outro, ele sempre esteve em transformação, em aperfeiçoamento no sentido de atender os interesses de classe, a necessidade de controle e legitimação. (GOODSON, 1995). Entre os elementos que colaboram com a organização e funcionamento das escolas para atingir seu objetivo principal estão o currículo com seus conteúdos, ordenado e sequenciado, as hierarquias e cargas horárias, o tempo e o espaço, as relações entre alunos e professores, etc. O que ensinamos, como ensinamos, com que ordem, sequência, lógicas e em que tempos e espaços são os condicionantes de nossa docência, realizam-nos como profissionais ou limitam-nos e escravizam-nos a cargas horárias, a duplicar turnos, a trabalhar com centenas de alunos por semana. Sermos fiéis ao currículo, às competências que prioriza, às precedências e hierarquias e a toda

7 essa engrenagem montada em nosso trabalho tem estreita relação com os conteúdos privilegiados e selecionados, sobretudo, com as lógicas em que estão organizados no currículo. (ARROYO, 2007, p. 19). Sendo assim, pode-se dizer que o trabalho docente é estruturado pelo currículo, pois ele organiza o funcionamento da instituição de ensino, bem como estabelece as formas e as condições de trabalho. No mesmo sentido, Libâneo et. al. (2009, p. 306) afirmam que os meios e os objetivos que organizam a escola concretizam-se no currículo da escola, o qual, por sua vez, é efetivado por meio das atividades de ensino, para atingir resultados em termos de qualidade cognitiva, operativa e social das aprendizagens. Entre os meios que compõem o currículo estão: o projeto político-pedagógico, os planos de ensino, as atividades de organização, gestão e avaliação. O projeto político-pedagógico é um plano com ação intencional que deve ser construído coletivamente, envolvendo a participação de todos os membros da comunidade escolar, como os funcionários administrativos, os professores, os alunos, os pais, etc. Trata-se de um processo permanente de reflexão e discussão dos problemas da escola, na busca de alternativas viáveis à efetivação de sua intencionalidade (...). (VEIGA, 1995, p. 13). Este documento busca tanto a organização do trabalho pedagógico da escola em sua totalidade, incluindo o trabalho do professor na sala de aula, como uma nova organização para a escola. Sua construção passa pela autonomia relativa da escola a qual é capaz de delinear sua própria identidade. Para conhecermos como ocorreu o processo de elaboração do Projeto Político Pedagógico, fizemos entrevistas com a coordenação pedagógica e a gestão da escola. De acordo com as informações obtidas na pesquisa, a primeira etapa do processo de elaboração da proposta curricular para a escola do SESI, iniciado em 2011, ocorreu por meio de uma reunião entre os gerentes e equipes pedagógicas das unidades do SESI do Estado de Mato Grosso do Sul, no Departamento Regional do SESI DR/SESI, em Campo Grande/MS. A reunião teve como finalidade discutir e elaborar dois manuais para auxiliar as unidades na construção do seu PPP, sendo eles: o Guia Prático Diretrizes Técnico-Pedagógicas da Rede SESI/MS de Educação e o Guia Prático Planejamento Escolar.

8 Na Escola do SESI de Três Lagoas/MS, a etapa seguinte consistiu na reunião entre a equipe pedagógica, os professores e demais funcionários da instituição para apresentar o currículo que seria construído. Vale salientar que esta reunião foi preparada pela coordenação pedagógica e a gestão escolar. A outra fase consistiu na aplicação da Avaliação Institucional, contando com a participação de todos os segmentos da escola, como pais, alunos, funcionários técnico-administrativos, professores, equipe pedagógica, gestão escolar e gerente. Os dados coletados desta Avaliação foram catalogados e analisados pela coordenação pedagógica a fim de extrair as ações e determinar os prazos para a sua execução, formando o Plano Situacional. Libâneo et. al. (2009) colocam que no projeto pedagógico-curricular também estão previstos a formação contínua dos profissionais, as formas de avaliação da escola e desenvolvimento do projeto pedagógico. Mas, é no currículo e nas metodologias de ensino que o projeto político-pedagógico se concretiza, sendo também necessário ações de formação continuada, planos de ensino, práticas de gestão e assessoramento pedagógico ao professor. Posteriormente à fase da formulação do Plano Situacional, coube aos professores de cada disciplina, ou componente curricular, elaborar a proposta curricular, estabelecendo os objetivos conceituais, os objetivos procedimentais, os objetivos atitudinais, os procedimentos, recursos e avaliação, para cada ano escolar. O PPP visa assegurar um consenso entre a direção da escola, a equipe pedagógica e o corpo docente acerca dos objetivos a alcançar, os métodos de ensino, a avaliação, a distribuição dos alunos em classes, etc., ou seja, o projeto pedagógico constitui toda a organização da escola, desde seu funcionamento, estrutura, recursos materiais e pedagógico-didáticos, aspectos pessoais e materiais. (LIBÂNEO et. al., 2009). Apenas possuir o projeto político-pedagógico não basta, é preciso que ele seja vivenciado na prática, cabendo principalmente aos diretores e coordenadores a direção, a coordenação e o acompanhamento do projeto em sua fase de elaboração, execução e avaliação. Durante a reunião com os professores foi entregue uma ficha a eles para descreverem os conteúdos, objetivos, procedimentos, recursos e avaliação, conforme as informações citadas anteriormente. No entanto, os professores realizaram o trabalho individualmente e isoladamente.

9 Na gestão democrática a proposta de elaboração do currículo pelo processo individual pode ser interpretada como uma atitude autoritária. Além disso, a construção do projeto [...] demanda tempo, porque supõe mudança de mentalidade, ousadia, coragem para implementar o novo e humildade para reconhecer diante dos pares que o trabalho de cada um está insatisfatório e é por isso que todos estão reunidos para pensá-lo. Mudanças de mentalidade não se decretam, são amadurecidas num processo paciente e frágil, exigindo reforço, suporte, atenção e tempo. (GARRIDO, 2005, p. 13). Pode-se dizer que na construção do projeto pedagógico estão presentes aspectos interdisciplinares. Fazenda (2002) destaca cinco princípios que subsidiam a prática docente interdisciplinar: a humildade, a coerência, a espera, o respeito e o desapego. Tais princípios são determinados e identificados por alguns atributos, como a afetividade e a ousadia que impelem às trocas intersubjetivas, às parcerias. (FAZENDA, 2002, p. 12). No entanto, o fato de os professores realizarem a elaboração da proposta curricular de modo individual e isolado, permite-nos verificar que a atitude interdisciplinar, bem como a interdisciplinaridade, sequer fez parte do processo de elaboração do currículo do SESI. Dentre os empecilhos que impediu a interdisciplinaridade entre os professores foram identificados: falta de tempo dos professores, devido à existência de um horário de planejamento individual; a resistência dos professores ao novo; a indisponibilidade deles para a realização do trabalho, em virtude de seus compromissos em outras instituições de ensino. É importante salientar que os princípios que norteiam o projeto políticopedagógico são os mesmos da escola democrática, pública e gratuita. Dessa forma, o projeto é construído com base nos princípios da igualdade, qualidade, gestão democrática, liberdade e valorização do magistério. A análise e compreensão do trabalho pedagógico devem ocorrer no sentido de elaborar e conduzir uma nova organização a fim de reduzir os efeitos da divisão do trabalho e do controle hierárquico presentes no sistema educacional. Ou seja; A construção do projeto-político pedagógico é um instrumento de luta, é uma forma de contrapor-se à fragmentação do trabalho pedagógico e sua rotinização, à dependência e aos efeitos negativos do poder autoritário e centralizador dos órgãos da administração central. (VEIGA, 1995, p. 22).

10 No período em que realizamos a coleta dos dados, foi possível observar que a escola passava por uma fase difícil, tendo em vista as demissões de professores, coordenadores pedagógicos, funcionários técnico-administrativos, sobrecarregando aqueles que permaneciam na instituição. Diante dessa realidade, parte da coordenação pedagógica e a gestão da escola se dedicaram à organização do PPP. No entanto, enfrentavam dificuldades com relação à participação e colaboração dos professores no que concerne à elaboração da proposta curricular por disciplina. [...] quando chegou a hora de por a mão na massa, de fazer o Plano mesmo, [...], foi um choro só, digamos assim, porque ninguém sabia como é que ia fazer, como é que faz, como é que não faz, [...] (Sujeito G1). Houve professores que conseguiram elaborar sua proposta curricular e entregá-la para a coordenação pedagógica em tempo hábil. Porém, vários professores sequer haviam cumprido o seu dever, bem como entregue o trabalho para a coordenação. Dessa forma, coube à coordenação auxiliar os professores na realização da proposta curricular, como podemos ver no depoimento: Começamos a fazer com alguns aquele trabalho de pegar na mão, olha esse aqui é assim, isso aqui é assim, faz assim. Fizeram. Alguns entregavam a gente olhava, não era daquele jeito, olha, ó isso daqui não é procedimento, o procedimento é assim, voltava, explicava, retoma assim, e assim [...] (Sujeito G1). Dessa maneira, a construção do projeto pedagógico-curricular se realiza pela parceria entre os membros da escola, pela humildade, ao reconhecerem suas limitações, dificuldades e a necessidade de repensar suas ações, pela espera vigiada, considerando que projeto pedagógico precisa de tempo para que seja discutido, construído, executado e avaliado, e com ousadia e coragem para realizar as mudanças. Mesmo assim, ainda houve professores que não cumpriram com o dever, levando a coordenação pedagógica a cobrá-los, exigindo a entrega do trabalho até de forma autoritária. O coordenador pedagógico ou supervisor escolar enfrenta alguns desafios relativos ao estabelecimento de parcerias no âmbito escolar. Assim, Mello, Luz e Moreira (2011, p. 81) ressaltam que a difícil tarefa do supervisor/coordenador consiste em organizar e chamar o grupo à participação nas tomadas de decisão,

11 bem como buscar soluções diante das necessidades impostas pela realidade em que atua. As atividades de planejamento são imprescindíveis para o desenvolvimento do trabalho pedagógico. Quanto ao trabalho desenvolvido pelo coordenador pedagógico, embora seja necessário um planejamento, nem sempre é planificado. Sua atuação ocorre a partir de posicionamentos e decisões que deve tomar em determinadas situações educativas. Assim, "o que caracteriza sua prática é a capacidade de posicionar-se em uma situação concreta que nem sempre pode ser prevista." (PINTO, 2011, p. 79). Porém, independente do tipo de planejamento, o ato de planejar exige discussão, decisão, ação, reflexão e avaliação dos resultados. A partir desse último, faz-se um replanejamento e propõe-se uma nova ação. Considerações Repensar as metas esperadas pelos organismos internacionais e o sistema de ensino requer uma reflexão acerca da realidade das escolas e, principalmente, do trabalho exercido pelos gestores escolares e equipe pedagógica, visto que é no interior da escola e, mais precisamente, nas ações pedagógicas que os objetivos da escola se concretizam. Nesse contexto, a coordenação pedagógica desempenha uma função importante na busca pela qualidade da educação, como: amparar os professores no exercício da sua prática, resolver situações de indisciplina, acompanhar o processo de ensino-aprendizagem e as avaliações pedagógicas, organizar o Conselho de Classe, reuniões pedagógicas e formação continuada dos profissionais da educação, comunicar o desempenho dos alunos aos pais, etc. Em contrapartida, percebemos que em muitas instituições de ensino os coordenadores pedagógicos desviam-se de suas atribuições e se ocupam com funções estritamente burocráticas ou às questões de indisciplina dos alunos. Apesar de boa parte de essas funções serem uma forma de apoiar o trabalho do professor, muitas vezes a atenção aos aspectos didáticos fica para segundo plano. Há diversos desafios a serem enfrentados pelo coordenador pedagógico. Além da gama atribuições que lhes são delegados, diante da gestão democrática se têm a difícil tarefa de conseguir a participação coletiva nas decisões da escola, na

12 construção do currículo escolar, na formação continuada, cujas ações visam à melhoria da qualidade da prática docente e, consequentemente, da formação do educando. Sendo assim, o coordenador pedagógico precisa ter atitude interdisciplinar que lhe possibilite um repensar sobre as velhas práticas, reconhecendo a importância do outro nas ações da escola e, somando-se ao espírito de liderança, à vontade e firmeza no exercício de seu cargo facilitem o encaminhamento e viabilização das decisões, à conscientização os professores e demais membros da escola da importância na construção do currículo escolar. Referências Bibliográficas ARROYO, Miguel G. Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº de 20 de dezembro de FAZENDA, Ivani Catarina A. Dicionário em construção: interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Gestão democrática da educação: ressignificando conceitos e possibilidades. In. FERREIRA, Naura Syria Carapeto, AGUIAR, Márcia Angela da S (Org.). Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, FÉLIX, Maria de Fátima Costa. Administração Escolar: um problema educativo ou empresarial. São Paulo: Cortez, GARRIDO, Elsa. Espaço de formação continuada para o professor-coordenador. In. BRUNO, Eliane B. G., ALMEIDA, Laurinda Ramalho de; CHRISTOV, Luiza Helena da S. (Org.). O coordenador pedagógico e a formação docente. São Paulo: Loyola, 2005.

13 GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da educação brasileira. São Paulo: Cortez, GOODSON, Ivor F. Currículo: teoria e história. Petrópolis, RJ: Vozes, LIBÂNEO, José C., OLIVEIRA, João F. de, TOSCHI, Mirza S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, MELLO, Lucrécia S., LUZ, Anízia A. N., MOREIRA, Rozemeiry dos Santos M. A gestão escolar no contexto atual: impactos da política educacional, formação, configurações, transformações, impasses e perspectivas. In. SOUZA, Neusa M. M. de, ESPÍNDOLA, Ana Lúcia (Org.). Experiências de formação de professores: ensino, pesquisa e extensão. Campo Grande, MS: UFMS, MOREIRA, Antonio F. B., CANDAU, Vera M. Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, PINTO, Umberto de Andrade. Pedagogia escolar: coordenação pedagógica e gestão educacional. São Paulo: Cortez, VEIGA, Ilma P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In. VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas, SP: Papirus, 1995.

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR 1 PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NA GESTÃO ESCOLAR DE UMA ESCOLA ESTADUAL CATARINENSE: UMA VISÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR Daiana Silveira Colombo Dieter/UNESC; Antonio Serafim Pereira/UNESC Introdução Neste trabalho

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GESTÃO EDUCACIONAL: REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Ana Paula Martins Costa Graduanda de Pedagogia- UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia- UEPB

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA 980 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM DIREITO DE PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE E UMA NECESSIDADE DA ESCOLA Claudia Pereira de Pádua Sabia, Cláudio Roberto Brocanelli, Márcia Parpinéli Moro Garcia Universidade

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação MOREIRA, Rozemeiry dos Santos Marques SORDI, Mara Regina Lemes de UNICAMP

Leia mais

PROFESSORES ALFABETIZADORES E COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: UM OLHAR DIFERENTE?

PROFESSORES ALFABETIZADORES E COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: UM OLHAR DIFERENTE? PROFESSORES ALFABETIZADORES E COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: UM OLHAR DIFERENTE? Resumo Lenine Ferreira da Silva 1 - UEMS Grupo de Trabalho Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência Financiadora:

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

COORDENADOR PEGAGÓGICO NA EJA E O APOIO À FORMAÇÃO CONTINUADA

COORDENADOR PEGAGÓGICO NA EJA E O APOIO À FORMAÇÃO CONTINUADA COORDENADOR PEGAGÓGICO NA EJA E O APOIO À FORMAÇÃO CONTINUADA Adylane Santos de Jesus- UNEB Cátia Nery Menezes- UNEB Esse trabalho é um relato de experiência do estágio supervisionado de Gestão em Espaços

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Susimara Santade

O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Susimara Santade 1106 O PAPEL DO GESTOR ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Susimara Santade Discente do Mestrado em Educação da UNOESTE. E-mail: susisantade@uol.com.br RESUMO O texto baseia-se numa pesquisa bibliográfica que

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

A GESTÃO DA ESCOLA: INQUIETAÇÕES, DILEMAS E PERSPECTIVAS DO TRABALHO DO PEDAGOGO E DOS DOCENTES

A GESTÃO DA ESCOLA: INQUIETAÇÕES, DILEMAS E PERSPECTIVAS DO TRABALHO DO PEDAGOGO E DOS DOCENTES A GESTÃO DA ESCOLA: INQUIETAÇÕES, DILEMAS E PERSPECTIVAS DO TRABALHO DO PEDAGOGO E DOS DOCENTES Maria Marlene do Carmo Pasqualotto UTP/Brasil maria.pasqualotto@utp.br Marilza do Rocio M. Pessoa da Silva

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Formação de professor/pedagogo. Didática. Mediação. Práxis. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática.

Palavras-chave: Didática; Estágio; Formação; Teoria; Prática. ESTÁGIO E DIDÁTICA: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Maria do Socorro Sousa e Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú UVA Resumo O presente artigo objetiva registrar e refletir sobre a disciplina de Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DILEMAS DE SUAS ATRIBUIÇOES

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DILEMAS DE SUAS ATRIBUIÇOES UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DILEMAS DE SUAS ATRIBUIÇOES Cursista: Hélia Pinto de Paiva Natividade- TO Novembro/ 2001

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA

A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO PROPOSITIVA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 568 A IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS PAULISTAS: ANÁLISE CRÍTICO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU

CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU CONTRIBUIÇÕES DO COORDENADOR PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE BLUMENAU Pós-graduação: Educação, Sociedade e Cultura/FURB Professor: Adolfo R. Lamar Silvana Schreiber RESUMO

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR.

ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. 1 ASPECTOS HISTÓRICOS: QUANTO A FORMAÇÃOO, FUNÇÃO E DIFULCULDADES DO ADMINISTRADOR. Rute Regina Ferreira Machado de Morais Universidade Estadual de Ponta Grossa-UEPG Este texto visa refletir sobre o papel

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PEDAGOGIA. 1. Licenciatura Plena

UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PEDAGOGIA. 1. Licenciatura Plena UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PEDAGOGIA 1. Licenciatura Plena Prática de Gestão Escolar da Educação Básica Prática de Coordenação e Orientação Educacional da Educação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Vivência da docência em instituições de Educação Infantil. Articulação do conhecimento teórico à prática pedagógica. Vivência das rotinas de cuidado e educação na Educação Infantil. Planejamento

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CÓDIGO: EDU111 DISCIPLINA: POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL CARGA HORÁRIA: 60h EMENTA: Estudo da natureza

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM

IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM 1 IMPLICAÇÕES DA GESTÃO ESCOLAR COMO GARANTIA DAS RELAÇÕES PROFESSOR-ALUNO E DE SUCESSO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM 1. INTRODUÇÃO AUTORA: CELEIDA BELCHIOR GARCIA CINTRA PINTO Centro Universitário

Leia mais

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 HOLZSCHUH, Aline Simone 2 ; CANCIAN, Viviane Ache 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Especialização em Gestão Educacional (UFSM),

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução

Palavras-chave: Integração. Interdisciplinaridade. Pesquisa. Ressignificação. Introdução 1 O DESAFIO DO TRABALHO INTERDISCIPLINAR NA MICRORREDE ENSINO-APRENDIZAGEM-FORMAÇÃO: UMA EXPERIÊNCIA COM O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID / UESB Manoela Matos Pereira - UESB

Leia mais

1. Justificativa. 2. Objetivos. 2.1. Objetivo Geral

1. Justificativa. 2. Objetivos. 2.1. Objetivo Geral 1. Introdução A gestão democrática é de suma importância para o desenvolvimento da rede pública de ensino tendo papel decisivo na vida das comunidades e no processo de emancipação dos cidadãos, pois como

Leia mais

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

ÁREA INFORMÁ TICA CURSO LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS PORTO NACIONAL Av. Tocantins, Loteamento Mãe Dedé, Porto

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

COORDENADOR PEDAGÓGICO: LIMITES E DESAFIOS NO CONTEXTO ESCOLAR 1

COORDENADOR PEDAGÓGICO: LIMITES E DESAFIOS NO CONTEXTO ESCOLAR 1 COORDENADOR PEDAGÓGICO: LIMITES E DESAFIOS NO CONTEXTO ESCOLAR 1 Introdução BASSO, Carlos Roberto 2 FROZZA, Elis Regina ANDRADE, Loreci Lemes Rodrigues SOETHE, Miriam DISARZ, Rubiani Teresinha SANGALLETTI,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO NO CAMPO SOB O ENFOQUE DA GESTÃO DEMOCRÁTICA

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO NO CAMPO SOB O ENFOQUE DA GESTÃO DEMOCRÁTICA 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO NO CAMPO SOB O ENFOQUE DA GESTÃO DEMOCRÁTICA PELIN, R.T.D. - EMEF JAGUARETÊ RESUMO Este artigo trata-se de uma análise realizada a partir de um Projeto

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

O SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO DE GESTÃO ESCOLAR NA CONCEPÇÃO DEMOCRÁTICO-PARTICIPATIVA VIABILIZA O CRESCIMENTO QUALITATIVO DA INSTITUIÇÃO?

O SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO DE GESTÃO ESCOLAR NA CONCEPÇÃO DEMOCRÁTICO-PARTICIPATIVA VIABILIZA O CRESCIMENTO QUALITATIVO DA INSTITUIÇÃO? O SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO DE GESTÃO ESCOLAR NA CONCEPÇÃO DEMOCRÁTICO-PARTICIPATIVA VIABILIZA O CRESCIMENTO QUALITATIVO DA INSTITUIÇÃO? Vanéli do Carmo Dornelles 1 Universidade de Passo Fundo RS dornelles.vani@hotmail.com

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética.

Palavras chaves: Formação Continuada, religação dos saberes, aprendizagem, ética. 1 EDUCAÇÃO, SAÚDE E CULTURA: RELIGANDO SABERES NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE DOCENTES E GESTORES MUNICIPAIS. Amélia Carmelita Gurgel dos Anjos Ana Claudia Gouveia Sousa Gleuba Regina L. Rodrigues Maria do

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS PETROLINA PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I Código da Disciplina: Obrigatória: Sim Eletiva: Não Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Pré-requisito:

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR.

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO, UM DESAFIO INOVADOR NO AMBIENTE ESCOLAR. Tineu Maia D. 1, Thomaz, R.A.M 2, Leite T. F 3, Andrade L. E 4., PAULA, M. T. D 5 1 UNIVAP/ IP&D/Mestrado Bioengenharia/Av. Shishima

Leia mais

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos.

Palavras-chave: Projeto Político-Pedagógico, Diálogos Conceituais, Veiga e Vasconcellos. PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: DIÁLOGOS INTERCRUZADOS ENTRE VEIGA E VASCONCELLOS Laudicéa Vianei Cavalcante Caetano (UFAL) lauvianeicc@hotmail.com Elione Maria Nogueira Diógenes (UFAL) elionend@uol.com.br

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES

O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES O COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AOS DESAFIOS ESCOLARES Berenice Lurdes Borssoi 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE bereborssoi@bol.com.br RESUMO: O intenso processo de mudanças originadas

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educação Dep. de Educação II DIDÁTICA PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM: conceituação, processo e estruturantes didáticos Profa: Amaleide

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS.

A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. 712 A IMPORTÂNCIA DAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS PARA A EFETIVAÇÃO DE PRÁTICAS QUE RESPEITEM OS DIRETOS DAS CRIANÇAS. Indira Aparecida Santana Aragão ¹, Gilza Maria Zauhy Garms ² ¹ Aluna do curso de Pedagogia

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS.

ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. ESCOLAS PÚBLICAS CORRELACIONADAS AOS PROGRAMAS DO ESTADO E SEUS RESULTADOS. COLLING, Janete 1 ; ZIEGLER, Mariani 1 ; KRUM, Myrian 2. Centro Universitário franciscano - UNIFRA E-mails: janetecolling@hotmail.com;

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DENTRO DAS PERSPECTIVAS DAS RELAÇOES SOCIAIS NO RESGATE HISTÓRICO DO BAIRRO JARDIM AMÉRICA EM JUARA-MT.

A FORMAÇÃO CONTINUADA DENTRO DAS PERSPECTIVAS DAS RELAÇOES SOCIAIS NO RESGATE HISTÓRICO DO BAIRRO JARDIM AMÉRICA EM JUARA-MT. 1 A FORMAÇÃO CONTINUADA DENTRO DAS PERSPECTIVAS DAS RELAÇOES SOCIAIS NO RESGATE HISTÓRICO DO BAIRRO JARDIM AMÉRICA EM JUARA-MT. Elias do Nascimento Silva 1 Maria de Fátima Reguine Gonçalves Lobato 2 RESUMO:

Leia mais

O Sistema de Organização e Gestão da Escola As Concepções de Organização e Gestão Escolar

O Sistema de Organização e Gestão da Escola As Concepções de Organização e Gestão Escolar O Sistema de Organização e Gestão da Escola José Carlos Libâneo Neste capítulo são apresentados alguns elementos básicos para o conhecimento da organização escolar e para a atuação dos professores e do

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia.

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia. DIDÁTICA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE DIREITOS HUMANOS NO COTIDIANO ESCOLAR: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Resumo Aida Maria Monteiro Silva 1 Universidade Federal de Pernambuco A temática da Educação em Direitos

Leia mais

A FUNÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

A FUNÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM A FUNÇÃO DO COORDENADOR PEDAGÓGICO FRENTE AO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Luiza Aparecida dos Santos Santos Estudante, FSJT, Rio de Janeiro, luiza.santossantos10@gmail.com Alborina Matos Paiva, M. Sc.

Leia mais

Resolução SE 75, de 30-12-2014 Dispõe sobre a função gratificada de Professor Coordenador O Secretário da Educação, à vista do que lhe representaram

Resolução SE 75, de 30-12-2014 Dispõe sobre a função gratificada de Professor Coordenador O Secretário da Educação, à vista do que lhe representaram Resolução SE 75, de 30-12-2014 Dispõe sobre a função gratificada de Professor Coordenador O Secretário da Educação, à vista do que lhe representaram as Coordenadorias de Gestão da Educação Básica - CGEB

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL

A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL A GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM ESCOLAS DE ENSINO FUNDAMENTAL Resumo CORREIA, Vanessa Adriane PUCPR vanessaadriane@bol.com.br VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski PUCPR alboni@alboni.com

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Resolução n.º 006, de 22 de maio de 2003.

Resolução n.º 006, de 22 de maio de 2003. Resolução n.º 006, de 22 de maio de 2003. O Conselho Municipal de Educação de Porto Alegre, com fundamento no Artigo 11, inciso III, da Lei Federal n.º 9394, de 23 de dezembro de 1996, no uso das atribuições

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL

A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL A RELEVÂNCIA DA GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA NO CONTEXTO EDUCACIONAL Magno da Nóbrega Lisboa UEPB RESUMO: O presente artigo consiste em uma pesquisa acerca da relevância da gestão democrática e participativa

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO MIELT. Plano de Curso 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS COORDENAÇÃO DO MIELT. Plano de Curso 2014 1. EMENTA A Universidade Brasileira, políticas públicas, programas e ações para o ensino superior. Didática do ensino superior: identidade e profissionalização docente e o papel da organização do trabalho

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR E O PAPEL DOS SUJEITOS PARA O FORTALECIMENTO DO COMPROMISSO DOS EDUCADORES COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE.

GESTÃO ESCOLAR E O PAPEL DOS SUJEITOS PARA O FORTALECIMENTO DO COMPROMISSO DOS EDUCADORES COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE. GESTÃO ESCOLAR E O PAPEL DOS SUJEITOS PARA O FORTALECIMENTO DO COMPROMISSO DOS EDUCADORES COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE. Fernanda Brito Paiva 1 Universidade do Estado da Bahia -

Leia mais

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DO COORDENADOR PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Karine Adriana Camilo 1 Sandra Aparecida Machado Polon 2 RESUMO: Este artigo é resultado do Estágio Supervisionado da Educação Infantil, o qual

Leia mais