CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: a participação da comunidade escolar RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: a participação da comunidade escolar RESUMO"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO E APLICAÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: a participação da comunidade escolar Rose Mary Ribeiro UNIMONTES Clélia de Freitas Capanema- UCB RESUMO O presente trabalho aborda questões referentes à construção e aplicação do projeto político pedagógico, na rede municipal de ensino de Montes Claros, MG. Consiste em apresentar resultado de pesquisa que faz parte da dissertação de Mestrado em Educação apresentada à Universidade Católica de Brasília e objetivou analisar a participação da comunidade escolar do Ensino Fundamental na construção e aplicação do Projeto Político Pedagógico, por entender que o mesmo tem reflexos no processo de democratização da gestão escolar. A relevância do tema provém da necessidade de se instaurar um debate, a partir desta pesquisa, sobre como enfrentar, de forma participativa, os problemas educacionais. O estudo concluiu pela importância da participação de toda a comunidade escolar na construção e aplicação do PPP. Palavras chave: Projeto Político Pedagógico; Gestão; Democracia; Participação; Comunidade escolar. ABSTRACT This paper is addressed to questions regarding the construction and implementation of the Political Pedagogical Project (PPP) at the municipal school system in Montes Claros, state of Minas Gerais, Brazil. It shows the partial findings of a Master Dissertation on Education, presented to the Catholic University of Brasília, which aimed at analyzing the participation of the primary schools community in the construction and implementation of the PPP. It was based on the understanding that this project reflects on the process of the school management democratization. The inquiry concluded that the school participation in the construction and application of the PPP is of paramount importance for the solution of educational problems faced by the school system. Key words: Political and Pedagogical Project, democratic management, participation, school

2 community. INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda questões referentes à participação da comunidade escolar na construção e aplicação do Projeto Político-Pedagógico - PPP, na rede municipal de ensino de Montes Claros, MG. Consiste na apresentação de resultado de pesquisa que faz parte da dissertação de Mestrado em Educação apresentada à Universidade Católica de Brasília, que objetivou analisar a participação da comunidade escolar do Ensino Fundamental na construção e aplicação do Projeto Político Pedagógico, por entender que o mesmo tem reflexos no processo de democratização da gestão escolar. Para tanto, examinou concepções e princípios do PPP e identificou a participação da comunidade escolar no processo de construção e aplicação do projeto. As motivações para a realização do mesmo provêm do entendimento de que a sociedade brasileira, e, conseqüentemente, a cidade de Montes Claros, vive um momento de rápidas transformações econômicas e tecnológicas, exigindo uma forma de organização escolar fundamentada em concepções filosóficas contrárias às que, tradicionalmente, no decorrer da história da educação brasileira, foram impostas e legitimadas a serviço de interesses opostos aos das demandas populares. Portanto, entende-se que o cenário das instituições escolares, atualmente, requer uma organização, baseada na relação democrática e participativa, quando as decisões são tomadas de forma coletiva, com cada membro da equipe assumindo sua parte no trabalho. O referencial teórico que subsidiou as reflexões realizadas deste trabalho encontra-se em autores como Veiga (1995), Libâneo (2003), Ferreira (2001), Lück (2000), Silva (2002), entre outros. A concepção metodológica que fundamenta esse estudo é a abordagem qualitativa. O espaço de realização consistiu em cinco escolas públicas municipais de Montes Claros. Realizou-se uma pesquisa de campo por meio da utilização de instrumentos como análise documental, questionários e entrevista estruturada. Os sujeitos da pesquisa foram professores, funcionários, alunos e pais, diretores, vice-diretores e supervisoras. A relevância do tema se deve à necessidade de se instaurar um debate, a partir desta pesquisa, sobre como enfrentar, de forma participativa, os problemas educacionais. E, ainda, na necessidade de conhecer e avaliar a qualidade da participação da comunidade escolar da rede pública municipal urbana de Montes Claros na construção e aplicação do PPP.

3 Assim foi necessário contar com o apóio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG para a apresentação deste artigo no Congresso Internacional de Filosofia e Educação - CINFE realizado pela Universidade de Caxias do Sul em Caxias do Sul/RG. O presente artigo tem a pretensão de responder à seguinte questão: As escolas encontram efetiva participação da comunidade na construção e aplicação do Projeto Político Pedagógico? 1. Construção do Projeto Político-Pedagógico numa gestão democrática e participativa Existem muitas denominações para os planos do nível escolar, sendo as mais conhecidas: Proposta Pedagógica, Plano de Ação da Escola, Plano Escolar, Plano de Desenvolvimento Escolar e Projeto Político-Pedagógico - PPP. È o PPP da escola o que contém uma proposta educacional. Aponta para a organização de uma sociedade mais justa, democrática, centrada no conhecimento e na inclusão social. Para Veiga (1995), todo projeto pedagógico da escola é um projeto político, por estar intimamente articulado ao compromisso sócio-político, com os interesses reais e coletivos da população. É político no sentido de compromisso com a formação do cidadão para um tipo de sociedade. É uma ação com um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente. Como a educação é sempre um ato político e, portanto, nunca neutro, comprometido com uma sociedade justa e fraterna, busca desenvolver um processo educativo transformador. Isto significa enfrentar o desafio da mudança e da transformação, tanto na forma como a escola organiza seu processo de trabalho como, na gestão que é exercida pelos interessados, como no re-pensar a estrutura de poder da escola. A concepção de PPP requer que as relações internas interpessoais sejam coerentes com a filosofia de educação, situando a pessoa humana num processo de emancipação. As relações interpessoais do processo educativo devem desenvolver-se no eixo da horizontalidade, superando as relações de verticalidade concebidas pela hierarquia autoritária. Assim, podem ser estabelecidas relações de reconhecimento dos iguais na condição humana, com diferentes responsabilidades sociais e profissionais. As relações externas buscam coerência da finalidade da escola com a demanda do ambiente em que atua, garantindo a dimensão pública da prática social da educação. Para Gandin (2001, p. 109), a educação política não nasce do esforço de uma

4 pessoa ou de várias pessoas em esforços individuais. É tarefa que só pode ser desenvolvida em grupo. A aprendizagem política faz-se pela defesa do direito de participação de todos no processo decisório. Esse paradigma é definido por Bordignon e Gracindo (2001, p.150), como mais que padrão ou modelo, mas um conjunto de idéias construídas e adotadas por determinado grupo social. O paradigma diz respeito a idéias e valores assumidos coletivamente, conscientes ou inconscientemente, representando o cenário da sociedade que se tem ou que se quer. Portanto, a prática social da educação, por sua natureza, incorpora sempre projetos de mudança e precisa ter presente qual o conjunto de idéias que lhes dão fundamento e quais mudanças paradigmáticas se tornam necessárias para concretizar o seu projeto. O PPP permite à comunidade escolar construir, coletivamente, amplos consensos em relação à vida escolar. Pode representar a grande oportunidade que a comunidade tem para definir coletivamente o seu futuro. Responde às perguntas nas quais os educadores procuram respostas antes de iniciar seu trabalho: para que sociedade, para que país, para que mundo se quer educar. Daí sua dimensão essencialmente política. Não se constrói um projeto sem uma direção política, um norte, um rumo. Por isso, todo projeto pedagógico da escola é também político. Para Pinheiro (2002), o PPP é o instrumento orientador das ações da escola. Propõe a vivência de um exercício reflexivo e constante, direcionado para a tomada conjunta de decisões e para uma ação pedagógica relacionada à realidade conhecida. A estruturação do PPP não pode ser imposta. Deve ser resultante do envolvimento dos seus participantes e da compreensão sobre a necessidade de construir uma escola a partir de novas perspectivas. Nesse sentido, os responsáveis pela gestão da escola têm papel definitivo na promoção deste processo. No entanto, sua continuidade deverá ser fortalecida com a integração dos diferentes grupos que assumem, também, a autoria e a responsabilidade por esse Projeto. Pinheiro (2002) afirma que a elaboração do PPP não é um processo simples, pois exige estudo conjunto sobre o histórico da escola, sobre seu cotidiano e suas relações, no sentido de definir alternativas para viabilizar propostas adequadas à realidade, às expectativas da comunidade em que está inserida e as metas para um determinado período de trabalho. A execução do projeto é o momento de organizar as metas ou objetivos, em ações, estruturando cronograma, distribuição de tarefas e responsabilidades a fim de se viabilizar a implantação e implementação do projeto. Nesta etapa é importante estabelecer momentos avaliativos que indicarão a necessidade ou não de correção do processo. Para Libâneo (2003), a gestão educacional centrada na escola pode ser vista de

5 duas maneiras. Na perspectiva neoliberal, ao liberar boa parte das responsabilidades do Estado, deixando às comunidades e às escolas a iniciativa de planejar, organizar e avaliar os serviços educacionais. Na perspectiva sociocrítica, ao valorizar as ações concretas dos profissionais na escola decorrentes de sua iniciativa, de seus interesses, de suas interações com a autonomia e a participação, em razão do interesse público dos serviços educacionais prestados, sem, com isso, desobrigar o Estado de suas responsabilidades. Uma abordagem importante é feita por Bastos (2001), ao citar que a gestão democrática da educação, reivindicada pelos movimentos sociais durante o período da ditadura militar, abriu uma perspectiva para resgatar o caráter público da administração pública, ao estabelecer o controle da sociedade civil sobre a educação, garantindo a liberdade de expressão, de pensamento, de criação e de organização coletiva da escola pública. Nesta mesma linha de pensamento, Sander (1995) afirma serem a participação e democracia, na realidade, dois conceitos estreitamente associados, impondo, desse modo, a necessidade de construir perspectivas democráticas da educação como processo de participação cidadã à luz do conceito de qualidade de vida humana. A educação é uma exigência prioritária de todo projeto de transformação social. É acentuada nos países da América Latina e do Caribe para consolidar suas conquistas políticas, necessárias para criar sistemas efetivos de educação e gestão educacional, na convicção de que a escola e a universidade são instâncias poderosas para a construção da democracia como caminho político para alcançar elevados níveis de qualidade de vida humana coletiva. Segundo Lück (2000), o conceito de gestão já pressupõe a idéia de participação, que deve ser um trabalho associado de pessoas analisando situações, decidindo sobre seu encaminhamento e agindo sobre elas em conjunto, pois o êxito de uma organização depende da ação construtiva conjunta de seus componentes, da vontade coletiva. Requer esforços de toda comunidade escolar como o diretor, professores, alunos e pais na direção de ações administrativas e pedagógicas que viabilizem a solução de problemas cujos resultados culminem na realização dos fins educativos. Para a gestão ser verdadeiramente democrática, é necessário que todos os que estão direta ou indiretamente envolvidos no processo escolar participem das decisões que dizem respeito à organização e ao funcionamento da escola. Mas falta aos pais, ainda, consciência do papel que podem desempenhar e contribuir para a melhoria da qualidade na educação dos filhos. Os professores, principalmente, não demonstram estar motivados para incentivar, ou despertar essa participação, embora a valorizem, pois temem a interferência dos pais nos aspectos pedagógicos da escola.

6 Segundo Ferreira (2001), o que desenvolve uma escola cidadã são as mudanças que estão exigindo da administração da educação e dos educadores a tarefa de traduzir as determinações do mundo atual em conteúdos que possibilitem uma sociedade mais humana e cidadã, forte e capaz de enfrentar todos os desafios atuais e vindouros. A educação é mediação processada no íntimo da prática social global, e estas mudanças estão exigindo da administração da educação novas formas de organização e gestão possibilitando a participação efetiva de todos no processo do conhecimento e de tomada de decisões. A gestão democrática tornou-se um dos principais fundamentos do PPP da escola, mas para ganhar forma é necessária uma organização que possibilite a participação dos diferentes segmentos envolvidos nela. Sousa (2002) afirma que a democracia não se garante por si só nem por meio de discursos dissociados de práticas coerentes com eles. Tanto no âmbito da sociedade quanto no interior da escola, a democracia precisa de mecanismos que garantam sua construção e continuidade. Portanto, é importante que a prática pedagógica da escola e o trabalho desenvolvido pelo professor em sala de aula deem testemunho desses valores democráticos no ambiente escolar. A gestão democrática caracteriza-se por entender que todos devem conhecer os princípios da gestão e interferir nos processos que eles orientam, decidindo os rumos que a escola deverá tomar. Pressupõe a participação coletiva nas decisões que visem assegurar o alcance das contribuições para a formação e o exercício pleno da cidadania. Uma escola verdadeiramente democrática não se contenta em democratizar a oferta e as formas de acesso aos serviços educacionais que presta à comunidade. Ao contrário, procura avançar na luta contra a realidade, que impede um número de crianças e jovens de ingressarem e permanecerem nela com qualidade, entendendo que, enquanto houver crianças sem acesso à educação formal por falta de vagas, não é possível afirmar que se tem, de fato, uma escola democrática. Ninguém pode ensinar o que é democracia. Chega-se ao conceito vivenciando-o, vivendo a vida com os outros e aprendendo por experiências as obrigações que esta vida exige. O segredo de viver em sociedade não é que os homens têm necessidade uns dos outros, mas sim que eles necessitam das mesmas coisas. Paro (1997) lembra que há pessoas trabalhando na escola, especialmente em postos de direção, que se dizem democratas apenas porque são liberais com alunos, professores, funcionários ou pais, porque lhes dão abertura ou permitem que tomem parte desta ou daquela decisão. Mas se a participação depende de alguém que dá abertura ou que permite sua manifestação, então a prática em que tem lugar essa participação não pode ser

7 considerada democrática, pois democracia não se concede, se realiza. Não há ditador democrático. E se quiser caminhar para essa democratização, precisa-se de superar a atual situação que faz a democracia depender de concessões e criar mecanismos que construam um processo inerentemente democrático na escola. Hora (1997) entende ser a principal função do administrador escolar a de realizar uma liderança política, cultural e pedagógica, sem perder de vista a competência técnica para administrar a instituição que dirige, e assim, demonstra que o diretor e a escola contam com possibilidades de, em cumprimento da legislação que os rege, usar sua criatividade e colocar o processo administrativo a serviço do pedagógico e facilitar a elaboração de projetos educacionais, que sejam resultantes de uma construção coletiva dos componentes da escola. A sociedade exige da escola ações mais criativas, atitudes mais participativas e cidadãs. Espera que a escola garanta uma educação que desenvolva nos alunos experiências e habilidades no campo do saber, dando-lhes condições de aprendizagem e formação de pessoas conscientes com capacidade e dinamismo, enfim, um cidadão consciente de seu papel social, que não se intimide frente aos avanços das ciências e das tecnologias, cujos novos desafios os conduzam a novos paradigmas. Libâneo (2003) lembra ser vital para o processo democrático, que o ambiente escolar tenha um bom clima de trabalho, em que a direção contribua para conseguir o empenho de todos, em que os professores aceitem aprender com a experiência dos colegas, trocando-as entre si, de modo que tenham uma opinião comum sobre critérios de ensino de qualidade na escola. A participação que se defende na gestão democrática significa a intervenção dos profissionais da educação, dos alunos e dos pais no processo escolar possibilitando à comunidade o conhecimento e a avaliação dos serviços oferecidos e a intervenção organizada na vida escolar. Significa, também, o compartilhamento de resultados, essencial para que sejam feitos os ajustes no processo educativo e nas políticas educacionais, com vistas a garantir a justiça social. Participação da comunidade é um componente essencial para o sucesso do processo educativo, porque a educação não se realiza sem a sua contribuição e sua presença é indispensável na gestão da educação e na avaliação das políticas educacionais. A ação da família junto à escola concretiza-se com a participação no conjunto das atividades, em diferentes momentos, desde a elaboração do planejamento, até a execução e a avaliação do PPP. A proposta pedagógica é a marca registrada da escola, identidade do estabelecimento. Agora, boa parte das decisões fica no âmbito do coletivo dos professores e com eles a

8 responsabilidade do controle e do ato criativo. Entretanto, Paro (1997) afirma que o professor, pela natureza do trabalho que exerce e pelos fins a que serve a educação, precisa avançar mais, atingindo um nível de consciência e de prática política que contemplem sua articulação com os interesses dos usuários de seus serviços. Para Puing (2000, p.28), uma escola democrática deve basear-se na participação de todos que integram a comunidade escolar e de cada grupo-classe, desde o papel que cabe a cada um e com os limites que, cada caso, seja lógico estabelecer. A participação democrática deve construir um clima que permita a todos ser parte ativa na instituição docente, de maneira que possam coordenar os respectivos pontos de vista desejos, objetivos, obrigações e responsabilidades tudo convergindo em projetos em que se reconheça o sentido do conjunto das tarefas escolares. Uma gestão aberta aos membros da comunidade escolar deve facilitar a participação de todos nos processos de planificação, de execução e de avaliação das propostas curriculares e administrativas. Se o gestor quer que as pessoas participem, deve, desde o início, levá-las a sério, pois, quando houver desejo real de planejamento participativo, é fundamental recolher o que elas sentem, desejam e pensam e a maneira como pensam, desejam e sentem, utilizando as suas próprias palavras tanto escritas quanto faladas. É importante ter consciência de que, para construir um processo participativo com distribuição do poder, não é suficiente pedir sugestões e aproveitar aquelas que pareçam simpáticas ou que coincidam com pensamentos ou expectativas dos que as coordenam, é necessário que o projeto se construa com o saber, com o querer e com o fazer de todos. Paro (2001) acredita que a participação da população na escola só conseguirá alguma mudança a partir da participação dos pais e responsáveis pelos alunos, oferecendo ocasiões de diálogo, de convivência verdadeiramente humana. E a direção deve estar consciente de que, para a abertura dos portões e muros, a escola deve estar predisposta a mudanças na gestão e na forma de participação da comunidade. Portanto, é necessário entendê-la como uma participação política, que deve ser entendida como direito concreto de cidadania e não como dádiva de uma ou outra escola. Para Libâneo (2003), a idéia de que todos devem estar envolvidos com os objetivos e os processos da gestão não pode ser confundida com um falso igualitarismo entre funções e papéis dos membros da equipe escolar. A ênfase na natureza e nas características da gestão visa assinalar que as escolas precisam funcionar bem, estando a serviço dos objetivos de aprendizagem, o que implica funções e papéis diferenciados para pedagogos, docentes,

9 funcionários e estudantes. A gestão participativa, além de ser a forma de exercício democrático da gestão e um direito de cidadania, implica deveres e responsabilidades. A gestão democrática é uma atividade coletiva que implica participação e objetivos comuns, e que depende de capacidades e responsabilidades individuais e de uma ação coordenada e controlada. A participação é o principal meio de assegurar a gestão democrática, possibilitando o envolvimento de todos os integrantes da escola no processo de tomada de decisões e no funcionamento da organização escolar. A escola deve formar para e pela cidadania e a gestão democrática é um passo importante no aprendizado da democracia. A participação na gestão melhora o ensino e proporciona melhor conhecimento do seu funcionamento e de todos os seus atores; propicia o contato permanente entre professores e alunos, levando, assim, ao conhecimento mútuo, e, conseqüentemente, aproximando também as necessidades dos alunos aos conteúdos ensinados pelos professores. Portanto, é preciso levar em conta que o desenvolvimento do pensamento envolve a maturação, as vivências cotidianas, a reflexão, as indagações e a busca de resposta para os problemas levantados. Cabe, desse modo, expandir os campos possíveis do conhecimento, além das suas experiências e vivências, através de uma relação inovadora com a escola e seus profissionais, tendo como ponto de partida a discussão com o que a escola tem feito de inovador e, também, aproveitar tudo que ela tem conseguido mudar, entender e embasar em suas práticas. 2. A Pesquisa Um estudo a partir da observação do ambiente, de comportamentos e de entrevistas com os atores possibilitou uma melhor compreensão da realidade, pois concedem a oportunidade da integração com o contexto a ser pesquisado. A coleta de informações incluiu análise documental do seguinte material: PPP das escolas a serem pesquisadas, Atas de Reuniões e outros documentos julgados relevantes. A análise documental foi importante para completar informações que podem revelar novos aspectos das questões estudadas. Para Lüdke e André (1986), os documentos constituem uma fonte de onde podem ser retiradas evidências que fundamentem afirmações e declarações do pesquisador. Não são apenas fontes de informações contextualizadas, mas surgem num determinado contexto e fornecem informações sobre esse mesmo contexto. É considerado documento todo material escrito que possa contribuir para o estudo, trazendo dados e

10 informações sobre comportamentos, pensamentos, ações e sentimentos humanos que tenham relação com a investigação. O questionário foi utilizado para alunos, professores, funcionários e para pais/responsáveis. A entrevista estruturada foi realizada com vice-diretores e supervisoras e a semi-estruturada com diretores. Para Gaskell (2000, p.65) a entrevista qualitativa fornece dados básicos para o desenvolvimento e a compreensão das relações entre os atores e a situação vivida. Segundo Lüdke e André (1986), na entrevista, a relação que se cria é de interação. Havendo uma atmosfera de influência recíproca entre quem pergunta e quem responde. A entrevista permite observar as reações dos entrevistados, o grau de entendimento que demonstram a respeito do assunto, comentários e opiniões emitidas. Os dados coletados pelos questionários tiveram tratamento estatístico baseado no SPSS (Statistical Package for Social Sciences), que, segundo Gaskell (2000, p. 87), fornece uma ligação entre os enfoques qualitativos e quantitativos e propicia abordagens como traçar perfis, tabulações cruzadas e análise de correspondência. O estudo aconteceu em 05 escolas do Ensino Fundamental e envolveu 05 diretores; 05 vice-diretores; 10 supervisoras; 240 professores; aproximadamente alunos; dos quais, estão nas turmas de 6ª, 7ª e 8ª séries do Ciclo da Juventude do Ensino Fundamental; 124 funcionários dentre eles: 05 Secretárias; 39 Auxiliares de Secretaria; 70 Ajudantes de Serviços Gerais; 05 Digitadores e 05 Inspetoras de Alunos. Contou-se, ainda, com a participação de pais/responsáveis por alunos de cada escola. TABELA 1 - Distribuição da Comunidade Escolar participante do estudo. DIRETOR VICE SUP. PROF. FUNC. ALUNO PAIS Total DIR. ESC. ESCOLA A ESCOLA B ESCOLA C ESCOLA D ESCOLA E TOTAL Fonte: Pesquisa de Campo, 2004 Nas cinco Escolas foram analisadas atas de reuniões do colegiado escolar e caixa escolar, que tiveram em pauta a aplicação de recursos do PNDE (Programa Nacional de Desenvolvimento Educacional), normas disciplinares, tendo como participantes os representantes de cada segmento da comunidade escolar. Momento em que se constatou, que os gestores levarão ainda algum tempo para concretizarem a participação da comunidade nas

11 decisões fundamentais da escola, ao encontro de uma gestão democrática e participativa. Contudo, os registros mostram que é mínima a participação da comunidade escolar nas decisões importantes da escola. Faltam, principalmente, alunos, e por isto, não atende à missão da escola, definida no PPP, que se propõe a trabalhar a fim de proporcionar condições dos seus cidadãos se tornarem cidadãos críticos, atuantes e participativos, éticos e cooperativos, capazes de atuarem como agentes transformadores da sociedade e de se organizarem e se mobilizarem em benefício próprio e de seus semelhantes, e de democratizar o poder e o saber. Os documentos sobre o Colegiado Escolar e o PPP são muito parecidos, apesar de as escolas atenderem comunidades bem diferentes. Percebe-se que os gestores são muito dependentes da Secretaria Municipal de Educação, o que vem contrariar a fala de Pinheiro (2002) que afirma ser O PPP o instrumento orientador das ações da escola, que propõe a vivência de um exercício reflexivo e constante, direcionado para a tomada conjunta de decisões e para uma ação pedagógica relacionada à realidade da escola. A sua estruturação não pode ser imposta, deve ser resultante do envolvimento dos seus participantes e da compreensão sobre a necessidade de construir uma escola a partir de novas perspectivas. (PINHEIRO, 2002, p. 158). Nota-se que os diretores pouco têm envolvido os pais e alunos nas decisões administrativas e pedagógicas da escola. É significativo o número de alunos que não participam e não sabem se outros colegas participam de alguma maneira dessas decisões. A pesquisa revelou que, para os pais/responsáveis, como também para os alunos, a direção envolve-os nas decisões para melhorar a escola e incentiva-os a participar de atividades para melhorar o desenvolvimento dos alunos. Entretanto, apenas professores e funcionários participam nas decisões administrativas e pedagógicas. É grande o índice de alunos e de pais/responsáveis que não participam e não sabem se outras pessoas do segmento participam dessas decisões. Para professores e funcionários, a direção cria oportunidades para freqüentes trocas de idéias, inovações e criação conjunta no trabalho e, para os alunos, os professores criam essas oportunidades, também, dentro da sala de aula. Para a direção das escolas os professores formam uma equipe que se envolve, tanto nas sugestões e elaboração, quanto na execução do PPP na escola. Os vice-diretores reconhecem a participação de professores e funcionários nas Reuniões Administrativas e Pedagógicas, no Colegiado Escolar, nos grupos de estudo e encontros para discussão das metas, dos objetivos e da avaliação; e ainda, nos trabalhos coletivos de combate à evasão,

12 desenvolvendo tarefas de suas responsabilidades. Os diretores e supervisoras reforçam que os docentes são os mais interessados e participam ativamente da vida da escola, sobretudo ao que está relacionado ao seu crescimento e desenvolvimento. Os professores participam de forma consciente, crítica e reflexiva, procurando melhorar a prática pedagógica para garantir os objetivos propostos. Apesar de os funcionários comparecerem, darem opinião e serem muito participativos, esta participação não se compara à dos professores. Para as supervisoras, os professores participam da construção do PPP nas reuniões pedagógicas e administrativas, dos encontros para discussão das metas, dos objetivos e da avaliação. Os diretores e as supervisoras têm consciência da pouca participação por parte dos alunos, e acreditam ser por falta de interesse deles. Os alunos, na sua maioria, indicaram que não conhecem o PPP da escola e que não participaram de sua construção. Será o aluno culpado por estes fatos? Será que o aluno foi convidado a participar e não aceitou o convite? O que faz pensar em Ferreira (2001), quando diz que a gestão democrática tornou-se um dos principais fundamentos do PPP da escola, mas para ganhar forma é necessária uma organização que possibilite a participação dos diferentes segmentos envolvidos com a escola, o que muitas vezes tem faltado. Percebe-se que diretores e supervisores têm conceitos diferentes de participação, quando se trata de participação de pais na vida da escola. Considerações Finais Diante do que foi apresentado e discutido, considera-se que a democratização da educação é aqui entendida como um acesso ampliado da escola aos alunos e à participação de suas famílias, assim como de toda a comunidade interna da escola no processo educativo desenvolvido. Mas, é necessário que a escola crie condições para que tudo aconteça e possibilite uma organização que seja compromisso de todos. Ao longo do trabalho foi possível vivenciar o que já se havia constatado teoricamente, ou seja, os sistemas educacionais e as escolas precisam passar por uma reorganização funcional para proporcionar a participação desejada. O que se acredita ser um desafio necessário, encontrar o caminho conseqüente e viável para sua efetivação. Os desafios a serem enfrentados pela escola e sua administração, para desempenhar bem seus papéis, muitas vezes, parecem intransponíveis. O despreparo em relação às atividades ali desenvolvidas, por muitos de seus integrantes, muitas vezes impede

13 ou dificulta a abertura da escola para além de seus muros, onde certamente existem muitos problemas a serem enfrentados. A realidade tem mostrado que a comunidade não está participando da vida da escola, e também de seus problemas, porque não se encontra preparada nem pedagógica e nem estruturalmente para tal. O processo democrático se efetiva a partir de algumas ações especiais, que devem iniciar com os responsáveis pela Secretaria Municipal de Educação e ser propagadas no interior das escolas: ações, como criar uma visão de conjunto associada a uma ação de cooperativismo; promover um clima de confiança; valorizar as capacidades e aptidões dos participantes; quebrar arestas, eliminar divisões e integrar esforços; estabelecer demanda de trabalho centrado nas idéias e não em pessoas, e desenvolver a prática de assumir responsabilidades em conjunto. O estudo mostrou a existência de órgãos colegiados, em que os legítimos representantes atuam de forma individualizada, só para cumprir obrigações já definidas pela direção. Os representantes não discutem previamente os problemas com os segmentos que representam, como também os representados não fazem questão de se informarem sobre os problemas e as soluções encaminhadas. Não foi observada nenhuma ata registrando reunião, ou outra atividade onde representantes dos segmentos no Colegiado Escolar repassassem informações ou discutissem alguma decisão antes de votadas nas assembléias. Como falta, também, registro de repasse do resultado do Conselho de Classe para pais/responsáveis e/ou alunos. Em todos os documentos das escolas está evidente a preocupação com a formação do cidadão do futuro: crítico, participativo e autônomo, mas não foi detectado um trabalho de conscientização e de verdadeira participação do aluno, como a efetivação do grêmio estudantil. Segundo alguns diretores, os alunos são desinteressados. Quem participa é a minoria, apesar de a escola oportunizar a participação, promovendo a sua integração no meio em que vive. Falta aos gestores a iniciativa de criar um ambiente estimulador para a participação. Uma inquietação que poderá originar novo estudo é a questão de se saber em que medida a aplicação do PPP influencia nos resultados da aprendizagem dos alunos, uma vez que tal investigação não foi objetivo do presente estudo. O presente estudo pode ainda servir de base para investigar a relação existente entre o grau de formação de cada segmento da comunidade escolar e a qualidade da participação na construção e aplicação do PPP na escola, uma vez que o estudo indicou a existência de alto índice de pais/responsáveis sem escolaridade ou que não concluíram as

14 primeiras quatro séries do ensino fundamental. A escola, ao programar encontros de pais e mestres, limita-se a reuni-los em atividades de lazer e festas comemorativas, que não retratam a realidade em que vivem os alunos e seus pais. As atividades ficam restritas à superficialidade que cerca o contexto escolar. A escola, nesse momento, perde a grande chance de envolver pais, mães ou responsáveis no seu verdadeiro objetivo, que é de formar o aluno para exercício da cidadania. A comunidade escolar, como todo o povo brasileiro, precisa estar consciente de que, através da participação, poderá controlar a qualidade de um serviço prestado pelo Estado ou Município, ou seja, poderá definir e acompanhar a educação que lhe é oferecida. A ação coletiva é que efetivará os esforços da comunidade em direção à renovação da escola, na busca de um ensino de qualidade e de uma sociedade mais democrática. A ação coletiva é a oportunidade de vivenciar experiências e conhecer os limites e avanços, num processo contínuo de prática e reflexão, superando as falhas, aperfeiçoando seus aspectos positivos e criando novas propostas para solução dos problemas que persistem na escola. A participação de todos na gestão escolar possibilita, a cada um, individualmente, e a todos, coletivamente, o crescimento da pessoa em todos os aspectos como: dignidade, atuação, criticidade, capacidade de decisão e ação, devendo ser respeitada na sua individualidade e sociabilidade. Assim, a escola é cada vez mais solicitada e indispensável como instrumento de ação e controle social, como elemento de formação e orientação do indivíduo para o desempenho de papéis sociais. A comunidade escolar ainda precisa entender o PPP como prática pedagógica e, portanto, construí-lo no dia a dia da escola com a participação de todos. REFERENCIAS BASTOS, João Baptista. Gestão democrática da educação: as práticas administrativas compartilhadas. p In: BASTOS, João Baptista (Org.). Gestão democrática. Rio de Janeiro: DP&A: SEPE, BAUER, Martins W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som um manual prático. Petrópolis: Vozes, p. BORDIGNON, Genuíno; GRACINDO, Regina Vinhaes. Gestão da educação: o município e a escola. In FERREIRA, Naura Syria Carapeto e AGUIAR, Márcia Angela da S.. Gestão da Educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, p

15 BRUNO, Lúcia. Poder e Administração no Capitalismo Contemporânea. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade (Org.). Gestão Democrática da Educação Desafios Contemporâneos. Petrópolis: Vozes, 1997, pp FERREIRA, Naura Syria Carapeto. Gestão democrática da educação: ressignificando conceitos e possibilidades. In FERREIRA, Naura Syria Carapeto; AGUIAR, Márcia Angela da S.. Gestão da educação: impasses, perspectivas e compromissos. São Paulo: Cortez, p GANDIN, Danilo. A prática do planejamento participativo. Rio de Janeiro: Vozes, p. HORA, Dinair Leal da. Gestão democrática na escola: artes e ofícios da participação coletiva. Campinas, SP: Papirus, p. LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira de; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, p. LÜCK, Heloísa et al. A escola participativa o trabalho do gestor escolar. 4ª edição, RJ: DP&A, p. LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marly E. D.A.. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, p. PARO, Vitor H. Gestão democrática da escola pública, São Paulo: Ática, p PUING, Josep M.; MARTIN, Xus.; ESCARDÍBUL, Susagna. & NOVELLA, Anna M.. Democracia e participação escolar propostas de atividades. SP: Moderna, 2000, 215 p. SANDER, Benno. Gestão da educação na América Latina construção e reconstrução do conhecimento. Campinas, SP: Autores Associados, p. SOUSA, José Vieira. Gestão democrática: um caminho para a construção da autonomia na escola. Coleção Veredas Formação superior de professores: módulo 4 volumes 1, Belo Horizonte: SEE-MG, p VEIGA, Ilma Passos A. (Org.) Projeto político pedagógico da escola: uma construção possível. São Paulo: Papirus, p.

16 Rose Mary Ribeiro Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Norte de Minas - Fundação Norte Mineira de Ensino Superior (1998), mestrado em Gestão e Políticas Públicas pela Universidade Católica de Brasília (2004). É professora da Universidade Estadual de Montes Claros. Tem experiência na área da Educação, atuando nos seguintes temas: pesquisa científica e educacional, didática, formação de professores, políticas públicas, elaboração de projetos de monografias e educação a distância. Clélia de Freitas Capanema Tem licenciatura em Pedagogia pela Universidade Católica de Goiás (1959), mestrado em Administração Educacional pela University of Southern California (1975) e Doctor of Philosophy In Education PhD pela University of Southern California (1978).Possui dois Pós- Doutorados realizados na University of London Institute of Education ( ) e (1997). É professora aposentada da Universidade de Brasília. Atualmente, é professora da Universidade Católica de Brasília, atuando nos Programas de Mestrado e Doutorado em Educação. Tem experiência na área educacional, com ênfase em Administração de Sistemas Educacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, políticas públicas, política educacional, educação comparada, formação de professores, educação superior e elaboração de projeto de dissertação. Suas áreas de pesquisa são: políticas públicas de educação, gestão educacional, planejamento e educação comparada. Tem artigos completos publicados em periódicos, capítulos de livros e diversos trabalhos publicados em Anais de Congressos (em inglês, português, espanhol e italiano). Possui larga experiência em ensino, orientação de dissertações e teses, assim como em pesquisa.

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB

AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB AS IMPLICAÇÕES DA GESTÃO DEMOCRATICA NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COLETIVO Hedi Maria Luft UNIJUI Diovanela Liara Schmitt IEDB Resumo Este estudo apresentado em forma de pôster tem como

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1245 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E ELABORAÇÃO DO PROJETO EDUCATIVO ESCOLAR Maria Luiza de Sousa Pinha, José Camilo dos

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR

OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR OS PRINCÍPIOS DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NO COTIDIANO ESCOLAR Alex Vieira da Silva 1 RESUMO O presente artigo pretende discutir os princípios da gestão democrática no contexto educacional, visando perceber

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR

TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR TEXTO 1: A DIMENSÃO PARTICIPATIVA DA GESTÃO ESCOLAR Heloísa Luck O trabalho escolar é uma ação de caráter coletivo, realizado a partir da participação conjunta e integrada dos membros de todos os segmentos

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP

Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Orientações para o Projeto Político Pedagógico PPP Pensar e construir o Projeto Político-Pedagógico é refletir, numa primeira instância, sobre questões fundamentais que assegurem uma visão de totalidade

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA

MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA MAPA DE ESTUDO FORMAÇÃO BÁSICA Neste tópico, o monitor do PJ receberá informações básicas sobre a organização do Estado, o Poder e o Processo Legislativos, política e participação, necessárias ao desenvolvimento

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS

PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I OBJETIVOS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE CAMPUS PETROLINA PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado I Código da Disciplina: Obrigatória: Sim Eletiva: Não Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Pré-requisito:

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO

OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA E SUA ATUAÇÃO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1022 OS DIRETORES DAS ESCOLAS ESTADUAIS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS SOBRE ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 8º Semanal Mensal 9 36 Nome da Disciplina Estágio em Gestão Educacional II Curso Pedagogia Estágio em Gestão Educacional I Orientação individual e grupal

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA

GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA 1 GESTÃO EDUCACIONAL EM RIO CLARO: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA CENTRADA NA ESCOLA Valéria Aparecida Vieira Velis Orientador: Prof. Dr. Celso Luiz Ap. Conti Mestrado em Educação Linha de pesquisa:

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335

Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação. http://lattes.cnpq.br/2431034310174335 PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Identificação Ano Base: 2016 Título: Reinventando espaços:a construção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE

O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE O DESAFIO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E INDICADORES DE QUALIDADE Alessandra Garcia Campos de Aguiar 1 alessandracampeche@gmail.com Melissa Weber de Oliveira

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O que é o projeto político-pedagógico (PPP)

O que é o projeto político-pedagógico (PPP) O que é o projeto político-pedagógico (PPP) 1 Introdução O PPP define a identidade da escola e indica caminhos para ensinar com qualidade. Saiba como elaborar esse documento. sobre ele: Toda escola tem

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 1 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA E O OLHAR PARA OS ESPAÇOS ESCOLARES VARGAS, Simara 1 ROTHER, Janice 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras-chave: Gestão democrática; espaços escolares; organizações. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR (EaD) A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares Profª Drª Maria Auxiliadora Maués de L. Araujo

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

O Significado da Avaliação

O Significado da Avaliação 49 O Significado da Avaliação 1 INTRODUÇÃO Angela Maria Dal Piva Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e entraves, para interferir, agir, problematizar, e redefinir os

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Plano de Ensino Docente

Plano de Ensino Docente Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU: ( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais