Processos, resultados e desafios para o SEN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos, resultados e desafios para o SEN"

Transcrição

1 Monitorização estratégica do QREN: Processos, resultados e desafios para o SEN SPEBT CSE Lisboa, 6 de Dezembro de 2010 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto

2 Sumário Monitorização estratégica: para que serve e como fazemos? Exemplos de resultados da monitorização do QREN Indicadores de conjunturais de Monitorização a evolução da execução e a tradução das prioridades id d estratégicas té Relatório Anual 2009 A alteração de contexto e resultados para duas prioridades qualificação da população e crescimento sustentado Desafios para o futuro próximo na monitorização estratégica e implicações ao nível do SEN

3 Monitorização estratégica: para que serve e como fazemos?

4 Monitorização Estratégica Para que serve? Compreender em que medida as intervenções apoiadas pelo QREN estão a contribuir para os objectivos estratégicos definidos id no QREN. Destinatários: órgãos de direcção política e de gestão operacional do QREN base para a eventuais reorientações; Comissão Europeia diálogo estratégico; Outros agentes envolvidos na gestão política e operacional, aos parceiros sociais e à sociedade em geral informação sobre a concretização dos objectivos estratégicos do QREN e dos seus PO.

5 Monitorização Estratégica QREN Prioridades estratégicas do QREN Como fazemos? Evolução do contexto sócioeconómico Factores determinantes da realização das prioridades e principais constrangimentos à realização das prioridades estratégicas Domínios de monitorização estratégica Tipologias QREN com impactos esperados nos principais domínios de constrangimentos Indicadores operacionais Resultados de avaliações Indicadores de contexto Pressupostos acerca dos actores e dos processos relevantes para a concretização dos impactos esperados do QREN informação qualitativa Novas avaliações Análise estratégica das intervenções do QREN em domínios específicos Ajustamentos nos programas Alertas estratégicos

6 Monitorização Estratégica Factores críticos A articulação de fontes diversas para a obtenção de informação e conhecimento em tempo útil A articulação das necessidades de informação (evidência) e conhecimento (análise e juízo de valor) para diversas finalidades o envolvimento dos actores A busca dos necessários equilíbrios entre apoio à decisão e prestação pública de informação A exigência de grande flexibilidade na definição do âmbito e dos propósitos de análise, visando dar respostas oportunas aos responsáveis pelas políticas e pela sua implementação.

7 Resultados da monitorização do QREN Indicadores de conjunturais de Monitorização

8 Evolução das taxas de execução 4milM de fundos executados ec até Set Ritmo trimestral tem aumentado (após fim do QCA III) 30% 20% 10% 0% Evolução da taxa de execução (despesa validada/programado) QREN FSE FEDER FC 4,8% 3,3% 1,9% 27% 2,7% Dez Jan ,5% 2,2% Fev Mar Abr 09 9,0% 4,6% 2,8% 2,3% Mai Jun Jul Ago 09 12,4% 6,6% 4,3% 3,0% Set 09 Out 09 Nov 09 15,2% 9,1% 6,8% 5,3% Dez Jan ,1% 11,8% 9,1% 66% 6,6% Fev Mar ,9% 15,3% 12,1% 7,7% 28,3% 18,7% 15,9% 8,8% Abr Mai Jun Jul Ago Set 10 18,7% 0,0% 28,3% Evolução da taxa de execução por Programa Operacional 18,8% 13,4% 3º trimestre º trimestre º trimestre 2010 Jan a Dez 2009 Acumulado até Dez ,2% PO PH PO FC PO VT PO Norte Fonte: Sistema de Monitorização QREN 11,9% PO Centro 8,5% PO Alentejo 14,2% PO Lisboa 9,1% PO Algarve 29,7% PO Açores FEDER 24,4% 21,3% PO Açores FSE PO Madeira FEDER 32,6% PO Madeira FSE

9 Compromisso QREN: agendas/prioridades Fundo aprovado por Agenda Temática (30.Setembro.2010) Potencial Humano 42% Factores de Competitividade 29% Valorização do Território 29% 13 mil M 61% Outros; 16% Form. Avanç.; 8% Infra-estruturas da Rede Escolar; 22% Outros; 17% Custos Públ. Contexto; 8% Eng. Financeira; 9% Outros; 7% Equipamentos para a Coesão; 15% Protecção e Valorização do Ambiente; 23% Qualificação Inicial; 22% Inovação e Renovação do Modelo empresarial; 66% Adaptabilidade d e Aprendizagem ao Longo da Vida; 32% Acessibilidades e Mobilidade; 26% Política das Cidades; 29% 5,4 mil M 3,8 mil M 3,7 mil M Potencial Humano Factores de Competitividade Valorização do Território Fonte: Sistema de Monitorização QREN

10 Resultados da monitorização do QREN Algumas conclusões do Relatório Anual 2009

11 Da programação à implementação: % 6 a profunda alteração do contexto t Programação Implementação % Consumo Público 2 4 Consumo Privado Investimento Procura Externa Líquida PIB - variação trimestral PIB - Média anual -4-8 Taxa Desemprego (escala da direita) -6 1T 1T 1T 1T 1T 1T 1T 1T 1T 1T 1T Fonte: INE

12 As duas principais p prioridades do QREN no quadro Europeu (temas prioritários) % dos fundos do QREN por tema prioritário de acordo por clusters de EM 35% Melhorar o Capital Humano 35% Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (IDT ), Inovação e Empreendedorismo 30% 30% 27,2% 30,0% 25% 20% 15% 22,2% 2% 25% 20% 15% 16,4% 14,5% 24,4% 21,0% 18,5% 10% 5% 5,9% 5,5% 10,4% 7,7% 4,8% 88% 8,8% 7,6% 10% 5% 9,6% 0% 0% CONV CONV Most CO/CO(4) Most COMP Portugal UE27 CONV EU2 CONV Most CO/CO(4) Most COMP Portugal UE27 EU2 CONV COMP CONV COMP Fonte: CE

13 Zoom a duas prioridades id d estratégicas: té Qualificação da população Promoção do crescimento sustentado t

14 Principais constrangimentos ao desenvolvimento Qualificação da população Domínio-Problema Situação Evolução Papel do QREN Nível de escolarização da população adulta +++ Participação em actividades de educação e formação ao longo da vida +++ Abandono escolar precoce ++ Educação e formação vocacional +++ Competências individuais desenvolvidas no âmbito de actividades de educação e formação + Equipamentos de educação e formação +++

15 Nível de escolarização da população adulta População entre 25 e 64 anos que concluiu, pelo menos, o ensino secundário (Taxa de escolaridade de Nível Secundário) % UE27 Portugal Fonte: Eurostat

16 Nível de escolarização da população adulta Proporção da população empregada por nível lde escolaridade Portugal UE27 % 10,0 12,7 15,8 16,7 Superior % 21,7 26,9 28,1 16,1 17,8 Secundário e pós-secundário Até Básico 47,5 49,6 49,3 77,3 68,1 65,5 28,6 23,3 22, Fonte: Eurostat

17 Participação em actividades de educação e formação ao longo da vida Proporção da população com idade d entre 25 e 64 anos que participa em actividades de educação e formação Dinamarca Finlândia Reino Unido Holanda Eslovénia Áustria Luxemburgo Estónia Espanha UE27 Chipre Alemanha República Checa Bélgica Portugal Irlanda França Itália Malta Letónia Polónia Lituânia Grécia Eslováquia Hungria Roménia Bulgária 6,5 9, % Fonte: Eurostat

18 Participação em actividades de educação e formação ao longo da vida Proporção da população com idade d entre 25 e 64 anos que participa em actividades de educação e formação 9,8 9,7 9,5 9,4 9,3 UE27 7,1 6,5 Portugal 3,4 4,1 4,2 4,4 5, Fonte: Eurostat

19 Formação ao longo da vida: a perspectiva regional 500 PT 2006 PT 2009 Alentejo 06 Alentejo 09 QREN ticipantes po r 1000 habita antes (25-64 anos) Part Madeira 06 Centro 06 Centro 09 Norte 06 Norte 09 Algarve 06 Algarve 09 Madeira 09 Lisboa 06 Lisboa 09 PT Açores 06 Açores Aprendizagem ao longo da vida Fonte: Sistema de Monitorização QREN e INE - Indicadores de contexto do QREN %

20 O QREN e a qualificação de adultos Mais de 1,2 mil M de despesa pública (843 M dos quais de fundos da UE) foram aplicados em programas para a qualificação de adultos (incluindo formação e certificação), desde [3,1 mil M de DP comprometida] Cerca de 100 mil adultos participaram em programas de formação que conduziram à certificação de qualificações (num total de 344 mil participantes). 890 mil indivíduos participaram em outras actividades de formação. 785 mil indivíduos estiveram envolvidos em processos de certificação (RVCC).

21 Abandono escolar precoce %d da população entre 18 e 24 anos com, no máximo, o 3º ciclo do ensino básico e que não está a estudar nem em formação Eslováquia Eslovénia Polónia Luxemburgo Lituânia Finlândia Áustria Dinamarca Suécia Holanda Bélgica Alemanha Hungria Irlanda Chipre França Estónia Letónia UE27 Grécia Bulgária Reino Unido Roménia Itália Espanha Portugal Malta 14,4 31, % Fonte: Eurostat

22 Abandono ba do o esco escolar a p precoce ecoce Meta EUROPA 2020 UE: 10% Fonte: 5º Relatório da Coesão Económica, Social e Territorial (CE)

23 Abandono escolar precoce %d da população entre 18 e 24 anos com, no máximo, o 3º ciclo do ensino básico e que não está a estudar nem em formação 43,6% 39,1% 36,9% 35,4% Portugal 31,2% 17,6% UE 27 14,4% Fonte: Eurostat

24 Educação e formação vocacional % de estudantes do secundário em vias profissionalizantes vocacionais (2008) % 78,3 50,3 30,7 12,6 Re Chipre Japão Hungria Lituânia Portugal Grécia Reino Unido Estónia Irlanda Islândia Letónia Turquia Espanha França Polónia Dinamarca Malta UE27 Bulgária Noruega Suécia Alemanha Itália ep. Macedónia Luxemburgo Eslovénia Roménia Suiça Holanda Finlândia Eslováquia Bélgica Croácia Rep. Checa Áustria Liechtenstein Fonte: Eurostat

25 Educação/formação vocacional Estudantes t do secundário em programas vocacionais i Nº de estudantes em percursos de dupla certificação de Nível III % de estudantes em cursos de dupla certificação no total dos alunos 46,5% ,8% 41,4% 41,3% Fonte: ANQ

26 Qualificação inicial: a perspectiva regional 400 Alentejo 09 PT 2009 PT 2006 Alentejo 06 QREN ticipantes po r 1000 habita antes (15-24 anos) Centro 09 Algarve 09 Centro 06 Norte 09 Algarve 06 Norte 06 Açores 09 Açores 06 Madeira 09 Madeira 06 PT Part 0 Lisboa 06 Lisboa Abandono precoce de educação e formação Fonte: Sistema de Monitorização QREN e INE - Indicadores de contexto do QREN %

27 O QREN e a qualificação de jovens Cerca de 800 M de despesa pública (566 M dos quais de fundos da UE) foram aplicados em programas vocacionais para jovens (níveis 2 a 4), desde [1,7 mil M de DP comprometida] Cerca de 250 mil jovens participaram em programas de formação que conduziram à certificação de qualificações (num total de 344 mil participantes). Um contributo decisivo para a obtenção do objectivo de envolver 50% dos estudantes do secundário em programas vocacionais. Quase 400 M de despesa pública (276 M de fundos da UE) foram direccionados para programas de educação e formação de graduados e pós-graduados. 8,5 mil bolseiros em acções de formação avançada.

28 O QREN e os equipamentos educativos 800 1,2 mil M de FEDER Superior e centros de formação 400 Secundário 2º/3º ciclo 1º ciclo Social Saúde Educação Desporto Cultura Fonte: Sistema de Monitorização QREN

29 Principais constrangimentos ao desenvolvimento Crescimento sustentado Domínio-Problema Situação Evolução Papel do QREN Perfil de especialização da economia portuguesa ++ Recursos e estratégias das PME ++ Articulação entre actores dos sistemas de produção e inovação ++

30 Estrutura produtiva Distribuição ib i do emprego por sectores, segundo a intensidade tecnológica Sector primário Indústria de baixa tecnologia Indústria de média-baixa tecnologia Indústria de média-alta tecnologia Indústria de alta tecnologia 'Utilities' e construção Serv. mercantis pouco intensivos em conhecimento Sector financeiro Serviços de alta tecnologia Outros serv. mercantis intensivos em conhecimento Serv. não-mercantis intensivos em conhecimento Outros serviços não-mercantis 181 (10,7%) 157 (11,3%) 90 (4,0%) 54 (3,0%) 39 (0,4%) 132 (11,9%) 104 (23,4%) 64 (1,9%) 52 (1,7%) (6,1%) (13,9%) 108 (11,8%) UE 27 = 100 Fonte: Eurostat

31 Estrutura produtiva Exportações de produtos transformados, por grau de intensidade tecnológica 11,5 10,4 11,8 12,1 11,6 11,7 11,3 10,6 8,1 7,6 Alta 30,4 31,6 31,11 30,8 30,7 31,11 31,2 31,0 29,4 30,0 Médiaalta 13,5 14,3 15,4 23,5 17,6 19,9 25,0 Média- 21,8 22,0 23,3 baixa Baixa 44,6 43,7 41,7 39,5 37,8 35,33 35,5 35,1 39,1 37,4 Unidade: % (Jan-Ago) Fonte: GEE, a partir de dados do INE

32 Taxa de cobertura (X/M): a perspectiva regional % 140 Portugal 120 Norte Centro 100 Lisboa 80 Alentejo Algarve 60 R.A. Açores 40 R.A. Madeira Fonte: INE - Indicadores de contexto do QREN

33 Recursos e estratégias das PME % de PME com actividades de inovação internas 114 % de vendas devidas a produtos novos para a empresa 98 Marcas comunitárias por milhão de habitantes* 95 Despesas em inovação extra-i&d em % das vendas % de vendas devidas a produtos novos para o mercado * Dados para UE 27 = 100 Fonte: Eurostat

34 Articulação entre os sistemas de produção e de inovação Proporção de empresas com actividades id d de cooperação para a inovação (2006) Finlândia Chipre Áustria Estonia Bélgica Suécia Eslovénia Luxemburgo Dinamarca Grécia Holanda República Checa Irlanda Lituânia Reino Unido Polónia Alemanha UE27 Eslováquia Hungria Portugal Malta Letónia Espanha Itália Bulgária Roménia % Fonte: Eurostat

35 O QREN, a alteração estruturação e o desenvolvimento das PME Apoio selectivo a empresas (subsídios reembolsáveis e não reembolsáveis), priorizando: (Investimentos em actividades/áreas inovadoras; Actividades transaccionáveis e mais intensivas em conhecimento; Projectos colaborativos;) Mais de empresas beneficiaram de subsídios, reembolsáveis e não reembolsáveis, ao investimento. Investimento total dos projectos apoiados pelo QREN ascende a M......dos quais em projectos de I&D. Promovendo a clusterização de actividades económicas (de dimensão sectorial e/ou regional) Apoio aos fundos de capital de risco e aos business angels Apoio às infra-estruturas de Ciência e Tecnologia e às incubadoras.

36 O QREN e a alteração estrutural Distribuição ib i dos incentivos do QREN às empresas por sector % Indústrias de baixa e média-baixa tecnologia Indústrias de alta e média-alta tecnologia Outros serviços Serviços intensivos em conhecimento VAB pm Sistema de Incentivos do QREN (2008) (até té30 de Junho de 2010) Fonte: Sistema de Monitorização QREN

37 Os sistemas de incentivos do Continente Projectos aprovados por Sistema e Tipologia (30.Nov.2010) Conjuntos Vale Inovação Regime Especial Mobilizadores Núcleos e Centros I&DT Vale I&DT Empreendedorismo Individuais e Cooperação 500 Co-promoção Inovação Produtiva 0 Individuais SI IDT SI Inovação SI PME Fonte: Sistema de Monitorização QREN

38 Os sistemas de incentivos do Continente Incentivo aprovado por Sistema e Tipologia (30.Nov.2010) M Empreendedorismo Projectos Especiais NúcleoseCentrosI&DT e Mobilizadores Individuais Co-promoção Regime Especial Inovação Produtiva Fonte: Sistema de Monitorização QREN Vale Inovação Conjuntos Individuais e Cooperação SI IDT SI Inovação SI PME

39 Os sistemas de incentivos do Continente Incentivo aprovado por Região (30.Nov.2010) M Norte Centro Alentejo Lisboa Algarve Multi-Regiões SI PME SI IDT (concorrencial) SI IDT (proj. especiais) SI Inovação (concorrencial) SI Inovação (proj. especiais) Fonte: Sistema de Monitorização QREN

40 Desafios para o futuro próximo na monitorização estratégica e implicações ao nível do SEN

41 Desafios para o futuro próximo Actualização do contexto regional pós-crise impactos assimétricos? O PIB regional (perspectivas financeiras pós 2013); A caracterização da estrutura produtiva e das exportações; A caracterização dos Sistemas Regionais de Inovação (SRI); Focos de avaliações temáticas de 2011: Investimentos em equipamentos de proximidade GeoEQUIP?; Estratégias de Eficiência Colectiva actualidade da informação regional para caracterizar SRI; Contributo do POPH para o aumento das Qualificações - Jovens e Adultos A avaliação de impactos macro a nível regional a persistente necessidade de matrizes de fluxos-inter-regionais regionais

42 Monitorização estratégica do QREN: Processos, resultados e desafios para o SEN SPEBT CSE Lisboa, 6 de Dezembro de 2010 Duarte Rodrigues Coordenador-Adjunto

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI

O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI O PROGRAMA LEONARDO DA VINCI Albino Oliveira O que é o Programa Leonardo da Vinci? É um Programa Comunitário de Acção em Matéria de Formação Profissional que agora se encontra na sua segunda fase (01 de

Leia mais

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional

Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional 1 Uma porta aberta para a Europa Programa de acção comunitário em matéria de formação profissional Albino Oliveira Serviço de Relações Internacionais da Universidade do Porto 2 1 Cinco tipos de Acção Mobilidade

Leia mais

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012

PORTUGAL UMA NOVA CENTRALIDADE LOGÍSTICA. Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Dia Regional Norte do Engenheiro 2012 Bragança, 29 de setembro de 2012 José António de Barros Presidente de AEP 1 Gráfico I 2 Tabela I 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Exportações Globais (Bens e Serviços),

Leia mais

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves

Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Apoios à Inovação e Internacionalização das Empresas Franquelim Alves Gestor do COMPETE Braga, 17 de Fevereiro de 2012 QREN 2007-2013 Agendas Prioritárias Competitividade Potencial Humano Valorização do

Leia mais

Agenda Factores de Competitividade

Agenda Factores de Competitividade QREN Agenda Factores de Competitividade 12 Novembro 07 1 Objectivos desenvolvimento de uma economia baseada no conhecimento e na inovação; incremento da produção transaccionável e de uma maior orientação

Leia mais

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso)

Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Calendarização, por países, da obrigatoriedade da formação contínua para obtenção do CAM/CQM (prazos limite para frequência do primeiro curso) Áustria Bélgica Carta de condução da categoria D: 2015 Carta

Leia mais

O que é a União Europeia (UE)?

O que é a União Europeia (UE)? O que é a União Europeia (UE)? 28 Estados-Membros Mais de 500 milhões de habitantes Atuais candidatos à adesão à UE: Albânia, antiga República Iugoslava da Macedônia, Montenegro, Sérvia e Turquia Tratados

Leia mais

CALENDÁRIO COMUM DE LANÇAMENTO DE CONCURSOS

CALENDÁRIO COMUM DE LANÇAMENTO DE CONCURSOS 1 DOMÍNIO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PORTUGAL 2020 CALENDÁRIO COMUM DE LANÇAMENTO DE CONCURSOS março 2015 / março 2016 SISTEMAS DE INCENTIVOS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal

BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal BPstat mobile inovação na difusão das estatísticas do Banco de Portugal João Cadete de Matos Diretor do Departamento de Estatística 24 novembro 2015 Lisboa BPstat mobile Evolução da difusão estatística

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013

União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 União Europeia Docente: Pedro Moreira Ano Lectivo: 2012/2013 Como Nasceu a União Europeia? Depois da guerra...a paz, a solidariedade na Europa Em 1951, nasceu a primeira Comunidade - a Comunidade Europeia

Leia mais

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil,

Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, «Idade média das mulheres ao nascimento dos filhos e envelhecimento da população feminina em idade fértil, Departamento de Estatísticas Demográficas e Sociais Serviço de Estatísticas Demográficas 07/10/2016

Leia mais

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008)

Manual da EU sobre a Prática de Medicina Dentária Versão 4 (2008) Manual da EU sobre a Prática de Reunião do Council of European Dentists Bruxelas 28 de Novembro de 2008 Dr Anthony S Kravitz OBE (Condecoração Ordem do Império Britânico) Professora Elizabeth T Treasure

Leia mais

O reforço do capital humano à luz do quadro estratégico europeu Ramiro Marques - Instituto Politécnico de Santarém

O reforço do capital humano à luz do quadro estratégico europeu Ramiro Marques - Instituto Politécnico de Santarém O reforço do capital humano à luz do quadro estratégico europeu 2014-2020 Ramiro Marques - Instituto Politécnico de Santarém Um Orçamento da UE que reforce o investimento na Educação O orçamento investe

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Workshop O Sistema Nacional de Investigação e Inovação - Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Eduardo Brito Henriques, PhD Presidente

Leia mais

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007.

Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. 1111 DDEE DDEEZZEEMMBBRROO DDEE 22000088 Paridades de Poder de Compra 2007 Em Portugal o PIB per capita expresso em Paridades de Poder de Compra foi 76% da média da União Europeia em 2007. Com base em

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008.

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Paridades de Poder de Compra 2008 15 de Dezembro de 2009 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra manteve-se em 76% da média da União Europeia em 2008. Com

Leia mais

A Integração no Espaço Europeu

A Integração no Espaço Europeu Ano Lectivo 2010/2011 ÁREA DE INTEGRAÇÃO Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 12º Ano Apresentação nº 3 A Integração no Espaço Europeu Pedro Bandeira Simões Professor

Leia mais

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS

O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS CONFERÊNCIA COMEMORATIVA DOS 30 ANOS DO IVA EM PORTUGAL II Painel: O funcionamento do IVA: A experiência do funcionamento do imposto em Portugal O CONTRIBUTO DO IVA PARA AS RECEITAS PÚBLICAS Jorge Oliveira*

Leia mais

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário MAXPAY, INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS, LDA INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da MAXPAY-Instituição de Pagamento, Lda, contém o Folheto

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21 SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN / PO ALGARVE21 FARO, 8 de Outubro de 2008 Legislação de Enquadramento Enquadramento Nacional dos Sistemas de Incentivos Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento

Leia mais

, , , ,

, , , , 13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 01-julho-2016 13.1. Ordens de Transferência 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas 1.1. Entre Contas Bankinter

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Quadro Europeu de Qualificações um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Teresa Duarte Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP. 22 março de 2013 Quadro

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Braga 29 Novembro 16 José Carlos Caldeira jcaldeira@ani.pt 1 O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

O Mar no próximo QFP

O Mar no próximo QFP O Mar no próximo QFP 2014-2020 Fórum do Mar José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspectivas financeiras Estratégia Europa 2020 2020 Crescimento

Leia mais

Como funciona a UE. Como funciona a UE

Como funciona a UE. Como funciona a UE Como funciona a UE Como funciona a UE Três instituições principais O Parlamento Europeu, a voz dos cidadãos Jerzy Buzek, Presidente do Parlamento Europeu O Conselho de Ministros, a voz dos Estados-Membros

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 31/08/2016 PO PO Concurso para apresentação de candidaturas - Melhorar o acesso aos serviços sociais (Açores) Melhorar o acesso aos serviços sociais Melhoria das infraestruturas de saúde Adaptação

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS

A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS 2012 MAR 06 A ARTICULAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE INCENTIVOS E A INOVAÇÃO NAS EMPRESAS JOSÉ CARLOS CALDEIRA Administrador executivo PÓLO PRODUTECH Director INESC Porto (jcc@inescporto.pt) INDÚSTRIA TRANFORMADORA

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS

Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Preçário MUNDITRANSFERS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS E CAMBIOS, LDA. INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 09 setembro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 15-02 a 21-02- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016

Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 01-dez-2016 Preçário RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A. INSTITUIÇÕES PAGAMENTOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da RAIZE SERVIÇOS DE GESTÃO, S. A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional

A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional A necessidade de uma Lei de Responsabilidade Educacional 1 Um diagnóstico da educação pública no Brasil 2 Um diagnóstico da educação pública no Brasil Avanços inquestionáveis: 1. Ampliação da oferta de

Leia mais

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS

PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 32 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO (SI I&DT) PROJECTOS DE I&DT EMPRESAS INDIVIDUAIS Nos termos do Regulamento do

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 1 eidas o novo Regulamento Europeu sobre certificação digital que substitui a legislação Portuguesa O que é o eidas? No próximo dia 1 de Julho entra em vigor o Regulamento nº910/2014 do Parlamento e do

Leia mais

Atitudes e valores face ao Trabalho:

Atitudes e valores face ao Trabalho: IV SEMINÁRIO DE ESTUDOS HISTÓRICOS SOBRE O ALGARVE Atitudes e valores face ao Trabalho: A Especificidade do Algarve numa Perspectiva europeia e regional Tavira, 16 de Agosto de 2008 Rui Brites rui.brites@iscte.pt

Leia mais

Orçamento da UE e perspetivas financeiras

Orçamento da UE e perspetivas financeiras Orçamento da UE e perspetivas financeiras 06 de julho de 2013 José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu O atual modelo de financiamento As receitas e despesas orçamentais da UE estão limitadas

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL

O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL O COMBATE À POBREZA E ÀS DESIGUALDADES É UM DESAFIO IMEDIATO PARA PORTUGAL I. ENQUADRAMENTO A pobreza e a desigualdade na distribuição de rendimentos são problemas que persistem na sociedade portuguesa,

Leia mais

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME

Inovação Produtiva PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020

Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020 N.º 14 Ponto de Situação Incentivos às Empresas Portugal 2020 Dados reportados a 31 de agosto de 2016 Ponto de Situação Sistemas de Incentivos às Empresas Portugal 2020 Dados reportados a 31 de agosto

Leia mais

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 Data Tema Acontecimento 12/06 Turismo 14/06 Ciência & Tecnologia 14/06 Economia 18/06 Preços 21/06 Economia 21/06 Economia INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2007/d070612-3/d070612-3.pdf

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Comunicação sobre o futuro da PAC

Comunicação sobre o futuro da PAC Comunicação sobre o futuro da PAC «A PAC no horizonte 2020: enfrentar os futuros desafios da alimentação, dos recursos naturais e do território» DG Agricultura e Desenvolvimento Rural Comissão Europeia

Leia mais

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA?

COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? COMO SERIA A NOSSA VIDA SEM A UNIÃO EUROPEIA? O QUE É A UNIÃO EUROPEIA? A União Europeia é uma união de países democráticos europeus, que partilham valores comuns e que se encontram empenhados num projeto

Leia mais

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016

COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 COMPRAR A PORTUGAL FILEIRA TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO JAN 2016 PERFIL 3 INDICADORES CHAVE 4 VANTAGENS 5 COMPETITIVAS SETORES 6-9 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 7 TELECOMUNICAÇÕES 8 SERVIÇOS,

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal irá submeter à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades de financiamento

Leia mais

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS

GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS www.cameiralegal.com Lisbon London Brasília São Paulo Rio de Janeiro Hong Kong Beijing Shangai GOLDEN VISA 7 PERGUNTAS ESSENCIAIS SOBRE UM INVESTIMENTO INTELIGENTE 2016 1 - O que é o regime Golden Visa?

Leia mais

Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem

Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem Data: 22 de outubro de 2015 ESMA/2015/1596 Modelo de Formulário para a notificação do Estado-Membro de origem FORMULÁRIO DE DIVULGAÇÃO DO ESTADO-MEMBRO DE ORIGEM 1.* Denominação do emitente: Futebol Clube

Leia mais

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212

A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 A EUROPA DOS 28 Módulo 15 frente 03- Livro 02 páginas: 210 a 212 1948: BENELUX, primeiro bloco econômico do mundo (pós 2ª Guerra Mundial). HISTÓRICO Integrantes: Bélgica, Holanda e Luxemburgo. 1952: CECA

Leia mais

Copyright Biostrument, S.A.

Copyright Biostrument, S.A. Produção primária Legislação Consolidada Data de actualização: 22/04/2008 Texto consolidado produzido pelo sistema CONSLEG do serviço das publicações oficiais das comunidades Europeias. Este documento

Leia mais

Investimento para a inovação e competitividade

Investimento para a inovação e competitividade Investimento para a inovação e competitividade Os novos instrumentos de financiamento Pedro Cilínio Fóruns da Garantia Mútua 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do presente evento como complemento

Leia mais

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística.

A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A abordagem das despesas públicas em cultura no contexto europeu constitui o objecto desta Nota Estatística. A informação apresentada pretende ser a síntese dos aspectos mais relevantes do trabalho publicado

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012

Síntese de Legislação Nacional e Comunitária. 04 de Janeiro de 2012 LEGISLAÇÃO Síntese de Legislação Nacional e Comunitária de 2012 Legislação Nacional Energias Renováveis Portaria n.º 8/2012 I Série n.º 3, de 4/01 Aprova, no âmbito da política de promoção da utilização

Leia mais

AMP 2020: uma estratégia inteligente, sustentável e inclusiva Fórum do Empreendedorismo Social

AMP 2020: uma estratégia inteligente, sustentável e inclusiva Fórum do Empreendedorismo Social AMP 2020: uma estratégia inteligente, sustentável e inclusiva Fórum do Empreendedorismo Social Inovação e mudança social no contexto do Norte 2020 Emídio Gomes, Presidente da CCDR-N ccdr-n.pt/norte2020

Leia mais

Paridades de Poder de Compra 2014 11 de dezembro de 2015 O Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 78,1% da média da União Europeia em 2014 O Produto Interno

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9746, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006

Leia mais

Orçamento Plurianual da UE

Orçamento Plurianual da UE Orçamento Plurianual da UE 2014/2020 José Manuel Fernandes Deputado ao Parlamento Europeu Estratégia Europa 2020 A guia das próximas perspetivas financeiras Estratégia Europa 2020 Crescimento Inteligente

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DA OPERAÇÃO AVISO Nº ALT20 62 2015 10 Sistema de apoio à Modernização e Capacitação da Administração Pública (SAMA2020) DOMÍNIO DA COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] INDICADOR REGIONAL DE LISBOA LISBON INDEX A Comissão Europeia (CE) divulgou recentemente os resultados de um novo índice que produziu o Indicador Regional de Lisboa

Leia mais

Quadro Estratégico Comum

Quadro Estratégico Comum Quadro Estratégico Comum 2014-2020 Objetivos Prioridades Estrutura Orgânica Sociedade de Geografia de Lisboa, 8 de Julho de 2013 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Quadro Estratégico

Leia mais

Desenvolvimento Local

Desenvolvimento Local Desenvolvimento Local Aula 3 Globalização e desenvolvimento local. Regiões ganhadoras e regiões perdedoras. Comparação entre regiões usando como indicador o Índice de dispersão do PIB per capita. Dinâmicas

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Políticas Públicas, Inclusão e Igualdade de Género Anália Torres Paula Campos Pinto Dália Costa

Políticas Públicas, Inclusão e Igualdade de Género Anália Torres Paula Campos Pinto Dália Costa Políticas Públicas, Inclusão e Igualdade de Género Anália Torres Paula Campos Pinto Dália Costa Encontro Ciência 2016 Lisboa, 4, 5 e 6 de Julho 2016 Centro de Congressos de Lisboa Sumário 1. Inclusão políticas

Leia mais

A CRISE COM FOCO NA EUROPA

A CRISE COM FOCO NA EUROPA Ana Costa Daniela Poiano Jaqueline Granelli Renan Oliveira Karen Appetito Katia Benjamin Economia Aplicada Roberto Vertamatti MARÇO/2014 Histórico, Causas e Consequências da Crise; A moeda única como problema;

Leia mais

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão 1 2 Liberalização: Evolução do setor 3 Privatização: Caso CTT 4 Concessão: Impacto 2 1. Serviços Postais Instrumento essencial de comunicação e intercâmbio de informações Serviços de Interesse Económico

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 13 de dezembro de 2012 Paridades de Poder de Compra 2011 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 77,4 % da média da União Europeia em 2011 Em

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 30, ,00 30,00. Grátis 30, ,00 30,00

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 30, ,00 30,00. Grátis 30, ,00 30,00 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver Grátis 30,00 20,00 30,00 Millennium

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2014 C(2014) 10188 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 18.12.2014 que aprova determinados elementos do «Programa Operacional Regional do Norte 2014-2020» do apoio

Leia mais

GUIA. Perguntas Frequentes

GUIA. Perguntas Frequentes GUIA Perguntas Frequentes Índice Clique no que deseja saber A Porto Seguro Viagem Individual cobre viagens de navio?... 03 Como aciono a Assistência Emergencial em Viagem?... 04 A quem se destinam os Planos

Leia mais

INDICADORES INOVAÇÃO.

INDICADORES INOVAÇÃO. INDICADORES DE INOVAÇÃO www.barometro.cotec.pt FICHA TÉCNICA AUTORES E EDITORES COTEC Portugal Everis EDIÇÃO 1ª Edição ISBN 978-989-95583-4-2 DEPÓSITO LEGAL 372633/14 % DESIGN GOdesign IMPRESSÃO Lidergraf

Leia mais

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi

A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO. Marc Saluzzi A INDÚSTRIA GLOBAL DOS FUNDOS DE PENSÃO Marc Saluzzi AGENDA Alocação de ativos de fundos de pensão Os investimentos estrangeiros e sua lógica Como investir no exterior A ALOCAÇÃO DE ATIVOS DE FUNDOS DE

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard

Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas Jean Pol Piquard 1 Benchmark individual e colectivo Resultados do 1º Inquérito as Empresas 2010 03 26 Jean Pol Piquard Metodologia e estrutura do Benchmark individual e Colectivo Definições e Referencias para a leitura

Leia mais

Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração

Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração Territorializar as Políticas Sectoriais: coordenação e integração Lisboa - ICS, 22 de Maio 2012 Ainda em torno de um conceito Territorialização de Políticas Públicas - Conceção e implementação de programas

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

Newsletter Informação Semanal a

Newsletter Informação Semanal a CONJUNTURA SEMANAL - OVINOS Newsletter Informação Semanal 25-01 a 31-01- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana em análise registou-se

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Recolocação de requerentes de proteção internacional

Recolocação de requerentes de proteção internacional European Asylum Support Office Recolocação de requerentes de proteção internacional Folheto informativo PT SUPPORT IS OUR MISSION «Que se entende por recolocação?» Por recolocação entende se a transferência

Leia mais

2 Conceitos da qualidade em saúde

2 Conceitos da qualidade em saúde 2 Conceitos da qualidade Avaliação da Satisfação do Utente/Cliente Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa Qualidade clínica como a articulação de 4 elementos - Desempenho profissional (qualidade técnica)

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] ESTRATÉGIA EUROPA 22: O POSICIONAMENTO DA REGIÃO CENTRO A estratégia Europa 22 define um novo caminho para a União Europeia (UE) relativamente às problemáticas do

Leia mais

2014 Plano de Formação

2014 Plano de Formação 2014 Plano de Formação Escola de Condução Alto Minho Lda. A Escola de Condução Alto Minho Lda. é neste momento uma empresa certificada pela DGERT de que muito se orgulha a sua direcção. No seguimento deste

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Os novos mecanismos de apoio à Economia e Empreendedorismo do Mar no contexto Sónia Ribeiro COLÓQUIO ANMP/MARE START UP Universidade

Os novos mecanismos de apoio à Economia e Empreendedorismo do Mar no contexto Sónia Ribeiro COLÓQUIO ANMP/MARE START UP Universidade Os novos mecanismos de apoio à Economia e Empreendedorismo do Mar no contexto 2014-2020 Sónia Ribeiro COLÓQUIO ANMP/MARE START UP Universidade Católica Portuguesa Lisboa 9 de abril de 2015 Agenda A Estratégia

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais