UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DA SEMENTE DO MELÃO COMO CATALISADOR NA REAÇÃO DE ESTERIFICAÇÃO DO ÁCIDO OLÉICO A. L. FREIRE 1, B. J. P. COSTA 1, Z. M. SANTOS 2, A. D. T. PINHEIRO 2 e I. L. LUCENA 2 1 Universidade Federal Rural do Semi-Árido 2 Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Departamento de Agrotecnologia e Ciências Sociais para contato: RESUMO Neste trabalho foi avaliado a aplicação da semente de melão como catalisador heterogêneo na reação de esterificação do ácido oléico para produção do biodiesel. A semente do melão foi submetida a vários processos: lavagem, caracterização granulométrica, acidificação com H2SO4 (1 mol/l) por 3 horas a temperatura de 35 C e por fim, o tratamento térmico em estufa com recirculação de ar por 24 horas. Para avaliar o desempenho catalítico da semente na reação de esterificação foi feito um planejamento fatorial do tipo 2 k, na qual as variáveis estudadas foram a concentração do catalisador e a razão molar álcool: ácido graxo (A:AG). A reação foi realizada em um agitador orbital da marca TECNAL modelo TE-40. As conversões de ácidos graxos livres em éster em ambas as granulometrias (Mesh18 e 30) apresentaram valores entre 85% a 90%. A variável concentração de catalisador apresentou-se mais significativa no processo, independentemente da razão molar A:AG estudada. 1. INTRODUÇÃO O biodiesel vem tendo uma utilização crescente no cenário mundial. O biodiesel pode ser definido quimicamente como um éster alquílico de cadeia longa de ácidos graxos derivados de fontes renováveis, provenientes de óleos vegetais ou gordura animal utilizado em motores de ignição por compressão (MEHER, 2006). Existe vários métodos para a obtenção do biodiesel como a esterificação, a transesterificação, micro emulsificação e a pirólise, o método mais utilizado é a transesterificação. A esterificação é dada pela reação de ácidos graxos com um álcool de cadeia curta, e uma catalisador ácido, este processo se torna um pouco melhor que a transesterificação, pois não se tem a formação de sabão durante o processo. Os catalisadores heterogêneos apresentam uma série de vantagens em relação aos catalisadores homogêneos, uma vez que facilitam a separação do catalisador dos produtos, permitindo sua regeneração e reutilização e a diminuição do risco de manipulação de grandes quantidades de ácidos líquidos (ZHANG et al., 2010).

2 O estado do Rio Grande do Norte é privilegiado pelo clima favorável para o desenvolvimento da agricultura, fazendo com que detenha o 1º lugar na produção de melão e sendo Mossoró a cidade com maior cultivo nacional, segundo o EMBRAPA. De acordo com esses aspectos o objetivo principal deste trabalho é a utilização da semente do melão como catalisador da reação de esterificação para produção de biodiesel via rota metílica. 2. MATERIAIS E MÉTODOS 2.1. Lavagem e Caracterização Granulométrica da Semente As sementes foram lavadas para a retirada do material orgânico, as mesmas foram levadas a estufa para secar a uma temperatura de 30ºC por um tempo de quatro horas. Posteriormente, as sementes foram trituradas e separadas por granulometria através do peneiramento, no qual ficaram retidas em peneiras de Mesh 18 e Tratamento Ácido e Térmico da Semente No processo de acidificação os dois tipos sementes de granulométrica diferentes (Mesh 18 e 30) foram colocadas em contato com uma solução de ácido sulfúrico (1mol/L). As amostras foram levadas para um agitador orbital e expostas a uma agitação de 140 RPM e uma temperatura de 30ºC, por três horas. Após esse processo as sementes foram filtradas e colocadas para secar na estufa por 18h a uma temperatura de 25ºC Índices de Acidez e Porcentagem de Ácidos Graxos Livres O índice de acidez corresponde ao número de miligramas de hidróxido de potássio necessário para neutralizar a acidez de um grama de amostra. A porcentagem de ácidos graxos livres é um método para a determinação de ácidos graxos existentes em uma amostra. As metodologias para a determinação do índice e a porcentagem de ácidos graxos livres são sugeridas pela American Oil Chemists Society (A. O. C. S.) 2.4. Reação de Esterificação do Ácido Oléico No processo de esterificação o ácido graxo utilizado foi o ácido oléico. Foram adicionados o ácido, metanol e o catalisador em um Erlenmeyer nas quantidades estipuladas pelo planejamento experimental abordado no tópico seguinte. Todos os frascos foram levados a um agitador orbital com agitação 140 RPM e temperatura de 30ºC por 24h. Posteriormente, a solução dos frascos foram filtradas para a retirada do catalisador e decantadas para a separação de fases éster/álcool. Posteriormente, as fases ésteres obtidas foram analisadas pelo método volumétrico do índice de acidez para determinação da conversão das reações Planejamento Experimental O processo de esterificação depende de muitas variáveis como: temperatura, concentração do catalisador e a razão molar entres os reagentes. A tabela 1 mostra os valores das variáveis adotadas nesse trabalho. Tabela 1 Valores adotados para variáveis

3 CODIFICAÇÃO CONCENTRAÇÃO DO CATALISADOR (%) RAZÃO MOLAR (ÁLCOOL/ÁCIDO OLÉICO) : : :1 Na referente pesquisa foi admitido o planejamento fatorial onde abrangendo dois níveis de variáveis que poderiam vir a influenciar o resultado. Nos experimentos do tipo 2 K, os níveis de fatores foram codificados em -1 (valor mais baixo da variável), +1 (valor mais alto da variável) e foram realizados triplicatas no ponto central (valor médio de cada variável estudada) visando a verificação do ajuste do modelo. 3. RESULTADO E DISCUSSÕES 3.1. Semente do Melão Mesh 18 Os resultados experimentais obtidos para avaliar a reação de esterificação do ácido oleico com a utilização da semente acidificada de Mesh 18 podem ser observados na tabela 2. Pode-se observar que as maiores conversões foram obtidas para os experimentos 4 e 2, ambos para as maiores concentrações de catalisador aplicadas no processo. Na figura 1 observa-se que a variável concentração de catalisador apresenta um efeito significativo sobre a variável resposta para um intervalo de confiança de 95%. Isso pode se dar pela maior concentração de sítios ácidos ativos disponíveis para conversão do ácido graxo a éster. Tabela 2 Resultados do planejamento experimental para conversão da reação de esterificação do ácido oleico com a semente do melão Mesh 18. MESH 18 EXPERIMENTOS CATALISADOR (%) ÁLCOOL/ÓLEO CONVERSÃO (%) 1 2 2:1 87, :1 94, :1 84, :1 95, :1 92, :1 93, :1 92,42

4 Figura 1 Pareto, Influência das variáveis. Com a análise de regressão linear dos resultados obtidos foi possível a formulação de um modelo polinomial para descrever a variável resposta, nesse caso a concentração catalisador foi a única variável significativa. A equação 1 descreve o modelo polinomial de primeira ordem. Conversão (%) = 91,64 + 4,33 x Cat(%) ±0,65 ±0,86 (1) Na tabela 3 estão apresentados a análise das variâncias (ANOVA). Fonte de Variação Tabela 3 ANOVA. F(tabelado)3;3;0,05 =9,28 Soma Quadrática Graus de Liberdade Quadrado Médio F Calculado Regressão 81, ,12 9,03 Erro 9, ,002 Total SS 90, Pode-se observar na tabela 3 o coeficiente de determinação (R) obtido foi de 0,90. A figura 2 apresenta a comparação entre os valores observados experimentalmente e aqueles preditos pelo modelo ajustado. Na figura 2 pode-se observa que os pontos não estão muitos dispersos o que pode significar um bom ajuste de modelo. Para tal confirmação foi realizado o teste F, onde para ser significativo estatisticamente, o valor de F calculado para a regressão deve ser maior que o F tabelado. Comparando ambos se nota uma pequena variação entre o F

5 calculado (Fcalculado = 9,03) e o F tabelado (Ftabelado = 9,28), mostrando que o modelo obtido apresenta falta de ajuste aos dados obtidos de acordo com faixa estuda da variável concentração de catalisador. Figura 2 Valores preditos x Observados A figura 3 apresenta a superfície de resposta para a variável dependente conversão em função da concentração catalisador e da razão molar álcool/óleo. Analisando a figura se pode observar que a variável conversão sofre mais influência da concentração do catalisador, pois as maiores conversões se dão com as maiores concentrações de catalisador, já a variável razão molar entre os reagentes não apresenta uma significância relativa para faixa estudada. Figura 3 Superfície de resposta para conversão da reação de esterificação ao longo do processo em função da concentração de catalisador e da razão molar entre o álcool e o ácido oleico.

6 3.2. Semente do Melão Mesh 30 Os resultados experimentais obtidos para avaliar a reação de esterificação do ácido oleico com a utilização da semente acidificada de Mesh 30 podem ser observados na tabela 4. Pode-se observa novamente que as maiores conversões foram obtidas para os experimentos 4 e 2, no qual utilizou-se as maiores concentrações de catalisador. Na Figura 4 observar-se que a variável concentração de catalisador apresenta um efeito significativo sobre a variável resposta para um intervalo de confiança de 90%. Tabela 4 Resultados do planejamento experimental para conversão da reação de esterificação do ácido oleico com a semente do melão Mesh 30. MESH 30 EXPERIMENTOS CATALISADOR (%) ÁLCOOL/ÓLEO CONVERSÃO (%) 1 2 2:1 69, :1 89, :1 78, :1 90, :1 89, :1 89, :1 89,85 Figura 4 Pareto, Influência das variáveis. Com a análise de regressão linear dos resultados obtidos foi possível a formulação de um modelo polinomial para descrever a variável resposta, nesse caso a concentração catalisador foi a

7 única variável significativa. A equação 2 descreve o modelo polinomial de primeira ordem. Conversão (%) = 85,16 + 8,060 x Cat(%) ±2,27 ±3,00 (2) Na tabela 5 estão apresentados a análise das variâncias (ANOVA). Tabela 5 ANOVA. F(tabelado)3;3;0,1 =5,39 Fonte de Variação Soma Quadrática Graus de Liberdade Quadrado Médio F Calculado Regressão 301, ,44 2,782 Erro 108, ,1017 Total SS 409, Pode-se observar na tabela 5 o coeficiente de determinação (R) obtido foi de 0,74. Na figura 5 pode-se observa que os pontos estão muitos dispersos indicando falta ajuste do modelo. Para tal confirmação foi realizado o teste F, comparando ambos, se nota uma elevada variação entre o F calculado (Fcalculado = 2,782) e o F tabelado (Ftabelado = 5,39), mostrando que o modelo obtido apresenta falta de ajuste aos dados obtidos. Figura 5 Valores preditos x Observados Analisando a figura 6 pode-se observar que a variável conversão sofre mais influência da concentração do catalisador, pois as maiores conversões se dão devido ao uso de maiores concentrações de catalisador.

8 Figura 6 Superfície de resposta para conversão da reação de esterificação ao longo do processo em função da concentração de catalisador e da razão molar entre o álcool e o ácido oleico. 4. CONCLUSÃO O catalisador se mostrou como uma variável de grande importância, pois foi observado que quanto maior a concentração, melhor será a conversão da reação. Dentre os experimentos realizados a maior conversão obtida para Mesh 18 e para a Mesh 30 foi para o experimento 4, no qual aplicou-se 8% de catalisador e uma razão molar (álcool/óleo) de 4:1 Ficou confirmado que os modelos polinomiais descritos para a MESH 18 e 30 com uma confiança de 95% e 90%, respectivamente, não foram adequados para descrever a variável resposta conversão. 5. REFERÊNCIAS MEHER, L. C.; SAGAR, D. V.; NAIK, S. N.; Technical aspects of biodiesel production by transesterification - a reveiw. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 10, p , ZHANG, J. et al. Biodiesel production from vegetable oil using heterogenous acid and alkali catalyst. Fuel, London, v. 89, n. 10, p , Oct

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA F. M. A. S. COSTA 1, A. P. SILVA 1, M. R. FRANCO JÚNIOR 1 e R.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LEITE EM PÓ PELO PROCESSO DE SECAGEM EM SPRAY DRYER M. BALKE 1, J. KILIAN 2, C. STEFFENS 2, M. B. A. SOARES 2, J. STEFFENS 2 1 Instituto Federal Rio Grande do Sul Campus

Leia mais

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação

Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Laboratório de Catálise Termodinâmica das Reações de Transesterificação e de Esterificação Mini-curso: Biodiesel Demian Patrick Fabiano Outubro - 2007 1 Sumário A) Catálise

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 03. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 03 Física Geral e Experimental III 2012/1 Experimento: Dilatação Térmica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PH E TEMPERATURA NA ATIVIDADE ENZIMÁTICA

INFLUÊNCIA DO PH E TEMPERATURA NA ATIVIDADE ENZIMÁTICA INFLUÊNCIA DO PH E TEMPERATURA NA ATIVIDADE ENZIMÁTICA DA ENZIMA ALFA-ACETOLACTATO DECARBOXILASE: DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÕES ÓTIMAS UTILIZANDO PLANEJAMENTO EXEPRIMENTAL J. B. M. ROCHA NETO 1, A. S. PEREIRA

Leia mais

OBTENÇÃO DE ÁCIDO FOSFÓRICO DE ALTA PUREZA A PARTIR DE CALCINADO DE OSSOS BOVINOS

OBTENÇÃO DE ÁCIDO FOSFÓRICO DE ALTA PUREZA A PARTIR DE CALCINADO DE OSSOS BOVINOS OBTENÇÃO DE ÁCIDO FOSFÓRICO DE ALTA PUREZA A PARTIR DE CALCINADO DE OSSOS BOVINOS C.M.S. dos Santos¹, P. C. Bastos², S.D.F. Rocha 3 ¹,3 Departamento de Engenharia de Minas, Universidade Federal de Minas

Leia mais

INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO ÁLCOOL:ÓLEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ROTA ETÍLICA

INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO ÁLCOOL:ÓLEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ROTA ETÍLICA INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO ÁLCOOL:ÓLEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ROTA ETÍLICA Ceci Felinto Vieira de França 1, Suzana Pedroza da Silva 2, Alexandre Ricardo Pereira Schuler 3 1 Mestranda em Engenharia Química,

Leia mais

Exercícios sobre Equilíbrio químico

Exercícios sobre Equilíbrio químico Exercícios sobre Equilíbrio químico 01 - (Ueg GO) Baseado na charge e em seus conhecimentos sobre Química, responda ao que se pede. a) Caso o cientista tivesse misturado quantidades adequadas de ácido

Leia mais

ESTERIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS LIVRES DE ÓLEO DE GIRASSOL SEMIREFINADO UTILIZANDO DIFERENTES TIPOS DE CATALISADORES ÁCIDOS

ESTERIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS LIVRES DE ÓLEO DE GIRASSOL SEMIREFINADO UTILIZANDO DIFERENTES TIPOS DE CATALISADORES ÁCIDOS ESTERIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS GRAXOS LIVRES DE ÓLEO DE GIRASSOL SEMIREFINADO UTILIZANDO DIFERENTES TIPOS DE CATALISADORES ÁCIDOS Patrick Rodrigues Batista [Bolsista Iniciação Tecnológica/ CNPq] 1, Paulo Roberto

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado 1. Objectivo: Reutilizar os óleos vegetais rejeitados 2. O que se pretende: 2.1 Seleccionar material adequado

Leia mais

USO DA QUIMIOMETRIA PARA OTIMIZAÇÃO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE SOJA.

USO DA QUIMIOMETRIA PARA OTIMIZAÇÃO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE SOJA. USO DA QUIMIOMETRIA PARA OTIMIZAÇÃO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE SOJA. K. L. C. OLIVEIRA 1, H. G. MARQUES 2, D. F. F. MARTINS 3. 1 Graduando em Ciência e Tecnologia na Universidade Federal Rural do Semi-árido

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MISTURAS DE ÓLEO DE MAMONA E ÓLEO DE BABAÇU COM METANOL VIA CATÁLISE ALCALINA

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MISTURAS DE ÓLEO DE MAMONA E ÓLEO DE BABAÇU COM METANOL VIA CATÁLISE ALCALINA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MISTURAS DE ÓLEO DE MAMONA E ÓLEO DE BABAÇU COM METANOL VIA CATÁLISE ALCALINA 1 Luana Souza Macêdo, 2 Josenildes Gomes Silva, 3 Silvio A. B. Vieira Melo, 3 Ednildo A.

Leia mais

EFEITO DA NATUREZA E CONCENTRAÇÃO DE ÁCIDOS HOMOGÊNEOS NA ESTERIFICAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS

EFEITO DA NATUREZA E CONCENTRAÇÃO DE ÁCIDOS HOMOGÊNEOS NA ESTERIFICAÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell 1. Considere uma solução aquosa de NH 3, preparada na concentração de 0,100 mol L -1. Calcule o ph desta solução. Use K b = 1,8 10-5. 2. Uma alíquota

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REDUÇÃO DE ÁGUA UTILIZADA NA PURIFICAÇÃO DE BIODIESEL

AVALIAÇÃO DA REDUÇÃO DE ÁGUA UTILIZADA NA PURIFICAÇÃO DE BIODIESEL AVALIAÇÃO DA REDUÇÃO DE ÁGUA UTILIZADA NA PURIFICAÇÃO DE BIODIESEL A. C. S. NUNES, T. M. AMORIM, J. G. SGORLON e M. C. S. GOMES Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Departamento de Tecnologia em

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2012/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2012/1 Diretoria de Ciências Exatas aboratório de Física Roteiro Física Geral e Experimental III 1/1 Experimento: Dilatação érmica de Sólidos 1. Dilatação érmica de um Sólido Nesta tarefa serão abordados os seguintes

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE

CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE CENTRO EDUCACIONAL MARUINENSE JOSANA DE MELLO DANTAS RELATÓRIO DE AULA SOBRE VISCOSIDADE Relatório apresentado a disciplina Química como um dos pré-requisitos para obtenção parcial da nota da 2ª unidade.

Leia mais

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M.

Camila Bonissoni. Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Camila Bonissoni Profª Drª M. Manuela C. Feltes Profª Drª Giniani C. Dors Me Andréia Dalla Rosa Catia Lohmann Erig Luana Gonçalves Dorli M. Da Croce Dentre os óleos vegetais comestíveis comercializados

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

ESTUDO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE ÓLEO DE COCO BRUTO

ESTUDO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE ÓLEO DE COCO BRUTO ESTUDO DA SÍNTESE DE BIODIESEL DE ÓLEO DE COCO BRUTO P. V. S. SILVA 1, E. L. GALVÃO 1, R. H. R. CARVALHO 1, S. P. SILVA 2 e A. G. C, ROSAL 3 1 Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Departamento de

Leia mais

Síntese de Biodiesel a partir da utilização de Óleo Residual

Síntese de Biodiesel a partir da utilização de Óleo Residual Síntese de Biodiesel a partir da utilização de Óleo Residual Nome dos autores: Filipe dos Santos Alves 1 ; Emerson Adriano Guarda 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus de Palmas; e-mail:filipe_2990@hotmail.com

Leia mais

QUÍMICA MINERAL. Para continuarmos a aula, será necessária uma noção sobre reação de esterificação, ou seja, reação entre ácido e álcool.

QUÍMICA MINERAL. Para continuarmos a aula, será necessária uma noção sobre reação de esterificação, ou seja, reação entre ácido e álcool. QUÍMICA MINERAL Prof. Borges LIPÍDIOS É importante lembrarmos de alguns conceitos básicos antes de iniciarmos a aula de bioquímica. Todo hidrocarboneto é apolar e, portanto insolúvel em água e solúvel

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE G. B. HERMSDORFF 1, V. P. de BRITO 1 e V. S. AGUIAR 1,2 1 Faculdade de Engenharia de Sorocaba, FACENS 2 Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

Reações de Substituição Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei

Reações de Substituição Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei www.professormazzei.com Reações de Substituição Folha 01 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (UFC 2009) A cânfora é uma cetona que possui um odor penetrante característico. É aplicada topicamente na pele como

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 104718 (51) Classificação Internacional: G06Q 99/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.08.18 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA AUTOR(ES): CHRISTIANE RAYSSA MIGUEL

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA AUTOR(ES): CHRISTIANE RAYSSA MIGUEL TÍTULO: QUANTIFICAÇÃO DE AMOSTRAS DE MONOÉSTERES ETÍLICOS POR ESPECTROMETRIA NO INFRAVERMELHO: UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL APLICADA ÀS MISTURAS COMERCIAIS DE PETRODIESEL E BIODIESEL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Lêda Valéria Ramos Santana Prof. Dra. Cláudia Helena Dezotti Prof. Dra. Tatijana Stosic Evelyn Souza Chagas Hérica Santos da Silva Introdução

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É uma Mistura Homogênia de 2 ou mais substâncias. Na Solução não ocorre uma reação química, porque não há formação de novas substâncias e não há alterações

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A tabela

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA

CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS DA BIOMASSA PARA GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA CALDEIRA Rosa, Marcos da Costa Discente Eng. Florestal FAIT/ACEG OLIVEIRA JUNIOR, Ezer Dias Docente FAIT/ACEG RESUMO O presente

Leia mais

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada

Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Realização 20 a 22 de Junho de 2016 - São Paulo/SP Efeito do Processo de Calcinação na Atividade Pozolânica da Argila Calcinada Gabriel Alves Vasconcelos Engenheiro Civil João Henrique da Silva Rêgo Professor

Leia mais

EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA DE VELAS DE PARAFINA

EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA DE VELAS DE PARAFINA Revista da Estatística da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-8111 EXPERIMENTO FATORIAL BLOCADO PARA DETERMINAÇÃO DE DIFERENÇAS ENTRE TEMPO DE QUEIMA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ph DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ

DETERMINAÇÃO DO ph DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ DETERMINAÇÃO DO DE AMOSTRAS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE - CAMPUS CAMBORIÚ Leticia Gubertt 1 ; Vitor Terra Munari da Silveira 2 ; Ana Cristina Franzoi Teixeira 3 ; Adriano Martendal

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Comparação é a melhor definição com uma única palavra para o termo metrológico calibração. De maneira simplória, calibração nada mais

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química

Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Prática 5. ELETROFORESE CAPILAR Determinação de acidez livre em óleos vegetais 1. Introdução A acidez em óleos vegetais é devido à reação de hidrólise de triacilglicerídeos, onde ácidos graxos livres são

Leia mais

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO

DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES. É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES É o processo que consiste em adicionar solvente puro a uma solução, com o objetivo de diminuir sua concentração SOLVENTE PURO SOLUÇÃO INICIAL SOLUÇÃO FINAL SOLVENTE PURO VA V V C C

Leia mais

, e o óxido de ferro III, iniciada por centelha elétrica. A equação para a reação é: 6NaN 3. (s) 3Na 2

, e o óxido de ferro III, iniciada por centelha elétrica. A equação para a reação é: 6NaN 3. (s) 3Na 2 20 QUÍMICA s automóveis modernos estão equipados com air bags (bolsas de ar) para proteger os ocupantes em caso de colisão. Muitos deles são inflados com nitrogênio, N 2, gás liberado na reação muito rápida

Leia mais

Centrifugação: Uma Alternativa Para Purificação de Biodiesel¹

Centrifugação: Uma Alternativa Para Purificação de Biodiesel¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis Centrifugação: Uma Alternativa Para Purificação de Biodiesel¹ Janaína Fernandes Medeiros², Thiago Luiz Belo Pasa³, Fernanda Naiara Campos de Almeida³, Maria Carolina

Leia mais

Viabilidade do refino de gorduras para a produção de Biodiesel

Viabilidade do refino de gorduras para a produção de Biodiesel Expo Biocom 2007 Foz do Iguaçu, Outubro de 2007 Viabilidade do refino de gorduras para a produção de Biodiesel José António F. Moreira 1 Definição: As gorduras de origem animal tais como; o sebo, a graxa

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

PROCESSO INCENTIVADO POR MICROONDAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL

PROCESSO INCENTIVADO POR MICROONDAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL PROCESSO INCENTIVADO POR MICROONDAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Lívia Rocha Hadad 1 ; Luiz Alberto Jermolovicius 2 ; José Thomaz Senise 2 1 Aluna de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

O ÓLEO DE ALGODÃO COMO FONTE PARA O BIODIESEL - Aspectos Técnicos

O ÓLEO DE ALGODÃO COMO FONTE PARA O BIODIESEL - Aspectos Técnicos O ÓLEO DE ALGODÃO COMO FONTE PARA O BIODIESEL - Aspectos Técnicos VI Congresso Brasileiro do Algodão Uberlândia, 15 de agosto de 2007 Rosilene Aparecida Nascimento Gerente de P&D O que é Biodiesel? Definição

Leia mais

Módulo 4 Ajuste de Curvas

Módulo 4 Ajuste de Curvas Módulo 4 Ajuste de Curvas 4.1 Intr odução Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações onde conhecemos uma tabela de pontos (x; y), com y obtido experimentalmente e deseja se obter uma

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DO CATALISADOR RENOVÁVEL RFBK NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO RESIDUAL DE FRITURA.

ESTUDO DE VIABILIDADE DO CATALISADOR RENOVÁVEL RFBK NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO RESIDUAL DE FRITURA. ESTUDO DE VIABILIDADE DO CATALISADOR RENOVÁVEL RFBK NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE ÓLEO RESIDUAL DE FRITURA. Rennêr Ribeiro Pinto 1, Gicélia Rodrigues 2, Nataly Albuquerque 3,Carlos Cabral 4,Fabio

Leia mais

X 1 X 2 Y

X 1 X 2 Y Universidade da Beira Interior - Departamento de Matemática ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO Ficha de exercícios 3 Regressão Múltipla 2015/2016 1. Considere os seguintes dados: X 1 X 2 Y 8 0.7 1.8 1.8 6 6.4

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

Utilização de catalisadores heterogêneos na produção de Biodiesel

Utilização de catalisadores heterogêneos na produção de Biodiesel PESQUISA Utilização de catalisadores heterogêneos na produção de Biodiesel COLOMBO, Kamila * ; BARROS, António André Chivanga ** Resumo A busca por combustíveis limpos tem resultado no desenvolvimento

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA

ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS RESUMO ABSTRACT SIMBOLOGIA 1. - INTRODUÇÃO 2. - DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3. - SISTEMATIZAÇÃO DE CONCEITOS E REVISÃO DA LITERATURA 3.1 - INTERPOLAÇÃO ESPACIAL DE INFORMAÇÃO ASSOCIADA

Leia mais

MSc. Bolsista CNPq/Embrapa Clima Temperado. 2. Acadêmica de Engenharia Química FURG.

MSc. Bolsista CNPq/Embrapa Clima Temperado. 2. Acadêmica de Engenharia Química FURG. TEOR DE ÓLEO, PERFIL GRAXO E ÍNDICE DE IODO DE GENÓTIPOS DE PINHÃO MANSO CULTIVADOS NA EMBRAPA CLIMA TEMPERADO. Juliana Silva Lemões, Sabrina Peres Farias 2, Paula Fernandes e Silva 3, Mariana da Luz Potes,

Leia mais

Planejamento e Análise de Experimentos: Aquecimento de Leite por Forno Micro-ondas

Planejamento e Análise de Experimentos: Aquecimento de Leite por Forno Micro-ondas Planejamento e Análise de Experimentos 2012/1 1 Planejamento e Análise de Experimentos: Aquecimento de Leite por Forno Micro-ondas Wagner A. M. Ursine Abstract Este trabalho apresenta as etapas de planejamento

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MATÉRIA-PRIMA DO SECTOR OLEÍCOLA

PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MATÉRIA-PRIMA DO SECTOR OLEÍCOLA CIES 2006 XIII Congresso Ibérico e VIII Congresso Ibero-Americano de Energia Solar 9-10 Novembro 2006, Lisboa PRODUÇÃO DE BIODIESEL A PARTIR DE MATÉRIA-PRIMA DO SECTOR OLEÍCOLA C.S. Sebadelhe, A.C. Oliveira

Leia mais

Biodiesel obtenção e aplicação

Biodiesel obtenção e aplicação UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. AGRÍCOLA Biodiesel obtenção e aplicação João Valdenor Pereira Filho; Orientador:

Leia mais

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO

SOLUÇÕES E CONCENTRAÇÃO 1. (Uerj 2016) Para diferenciar os hidrocarbonetos etano e eteno em uma mistura gasosa, utiliza-se uma reação com bromo molecular: o etano não reage com esse composto, enquanto o eteno reage de acordo

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina.

RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. RECUPERAÇÃO DE INSUMOS E SUBPRODUTOS DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Processo de recuperação do Metanol e da Glicerina. O processo completo de produção de biodiesel partindo-se do óleo degomado é constituído

Leia mais

Medidas de Dispersão 1

Medidas de Dispersão 1 Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Medidas de Dispersão 1 Introdução Uma breve reflexão sobre as medidas de tendência central permite-nos concluir que elas não

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

Química - Grupo A - Gabarito. 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

Química - Grupo A - Gabarito. 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃ: (2,0 pontos) Avaliador Revisor cloro pode ser produzido pela eletrólise ígnea do cloreto de zinco (ZnCl2) à temperatura de 17 o C e sob pressão de 1.0 atm. Sabendo-se que uma corrente de 5A

Leia mais

Planejamento de Misturas

Planejamento de Misturas Na maioria dos planejamentos os níveis dos fatores são independentes. As propriedades de uma mistura são determinadas pelas proporções de seus ingredientes, e não por valores absolutos. Planejamento de

Leia mais

9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla

9 Correlação e Regressão. 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla 9 Correlação e Regressão 9-1 Aspectos Gerais 9-2 Correlação 9-3 Regressão 9-4 Intervalos de Variação e Predição 9-5 Regressão Múltipla 1 9-1 Aspectos Gerais Dados Emparelhados há uma relação? se há, qual

Leia mais

Influência dos parâmetros reacionais para produção de ésteres etilicos de material graxo do caroço de pequi a partir de catálise heterogênea

Influência dos parâmetros reacionais para produção de ésteres etilicos de material graxo do caroço de pequi a partir de catálise heterogênea Influência dos parâmetros reacionais para produção de ésteres etilicos de material graxo do caroço de pequi a partir de catálise heterogênea Munique Gonçalves Guimarães 1, Julio Lemos de Macedo 1, Grace

Leia mais

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada

Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada Medidas de associação para variáveis categóricas em tabelas de dupla entrada a) Quiquadrado de Pearson: mede a associação de tabelas de dupla entrada, sendo definida por: c ( e e ij ij n ) ij, em que é

Leia mais

4 Materiais e métodos

4 Materiais e métodos 40 4 Materiais e métodos 4.1. Reagentes O fenol (C 6 H 5 OH) utilizado foi fornecido pela Merck, com pureza de 99,8%. O peróxido de hidrogênio (H 2 O 2 ) 50% P/V foi fornecido pela Peróxidos do Brasil

Leia mais

4. Reagentes e Metodologia Analítica

4. Reagentes e Metodologia Analítica 4. Reagentes e Metodologia Analítica 4.1. Reagente para os testes de oxidação Os reagentes P.A empregados durante os testes de oxidação foram: KCN (Merck) NaOH (Vetec) H 2 SO 4 (Vetec) H 2 O 2 (Peróxidos

Leia mais

Determinação de acidez em mel por potenciometria

Determinação de acidez em mel por potenciometria Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a acidez em mel. 2 Fundamentos Este método consiste na neutralização da solução ácida de mel, mediante o uso de uma solução de hidróxido

Leia mais

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido

Catálise heterogênea. Catalisador sólido. Reação na interface sólido-fluido Catálise heterogênea Catalisador sólido Reação na interface sólido-fluido Tipos de catalisadores Poroso: elevada área superficial Tipos de catalisadores Peneiras moleculares: capacidade de distinção entre

Leia mais

Distribuição de frequências:

Distribuição de frequências: Distribuição de frequências: Uma distribuição de frequências é uma tabela que reúne o conjunto de dados conforme as frequências ou as repetições de seus valores. Esta tabela pode representar os dados em

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

Estudo cinético para adsorção das parafinas C 11, C 12 e C 13 em zeólita 5A.

Estudo cinético para adsorção das parafinas C 11, C 12 e C 13 em zeólita 5A. Estudo cinético para adsorção das parafinas C 11, C 12 e C 13 em zeólita 5A. Alunos: Amon de Abreu Brito e Luciano Sampaio dos Santos Orientadores: Luiz Antônio Magalhães Pontes e Elba Gomes dos Santos

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

Elementos de Estatística

Elementos de Estatística Elementos de Estatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2013 Medidas Resumo Medidas Resumo Medidas que sintetizam informações contidas nas variáveis em um único

Leia mais

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução aos métodos titulométricos volumétricos Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Definições ² Métodos titulométricos: procedimentos quantitativos

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA II. Funções Orgânicas

QUÍMICA ORGÂNICA II. Funções Orgânicas QUÍMICA ORGÂNICA II Funções Orgânicas EMENTA 1. Identificar os tipos de reações orgânicas de acordo com o produto obtido. 2. Selecionar procedimentos para identificação de composto orgânico. 3. Identificar

Leia mais

PRÁTICA 02 - DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ EM VINAGRE E ÁCIDO FOSFÓRICO EM REAGENTE COMERCIAL

PRÁTICA 02 - DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ EM VINAGRE E ÁCIDO FOSFÓRICO EM REAGENTE COMERCIAL PRÁTICA 02 - DETERMINAÇÃO DA ACIDEZ EM VINAGRE E ÁCIDO FOSFÓRICO EM REAGENTE COMERCIAL METAS Determinar a porcentagem de acidez total volátil em vinagre; determinar a concentração de ácido fosfórico em

Leia mais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais

Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Análise de Dados de Área dos índices de indústria e malha rodoviária para o estado de Minas Gerais Adriana Maria Rocha Trancoso Santos 1 Gérson Rodrigues dos Santos 2 Nilcilene das Graças Medeiros 1 Eduardo

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

Prof. Willame Bezerra

Prof. Willame Bezerra 1. Os feromônios são compostos emitidos por animais para atrair outros da mesma espécie e sexo oposto. Um dos tipos de feromônios são os chamados atraentes sexuais de insetos, que facilitam sua reprodução.

Leia mais

ESTUDO DE TRATAMENTOS ALTERNATIVOS PARA A REDUÇÃO DA ACIDEZ NO SEBO BOVINO

ESTUDO DE TRATAMENTOS ALTERNATIVOS PARA A REDUÇÃO DA ACIDEZ NO SEBO BOVINO ESTUDO DE TRATAMENTOS ALTERNATIVOS PARA A REDUÇÃO DA ACIDEZ NO SEBO BOVINO L. A. FERREIRA 1, N. C. PEREIRA 1, S. M. OLIVEIRA 1 e P. O. R. BERTO 1 1 Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Engenharia

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

T= R: 1º trocador: Q= cal/s; mc=208,33 mol/s; A = 60,82 m 2 ; 2º trocador: Q= cal/s; mc=173,61 mol/s; A = 115,52 m 2

T= R: 1º trocador: Q= cal/s; mc=208,33 mol/s; A = 60,82 m 2 ; 2º trocador: Q= cal/s; mc=173,61 mol/s; A = 115,52 m 2 Lista 4 1- Uma reação elementar deve ocorrer adiabaticamente em fase líquida e sob alta pressão. Calcule os volumes de um CSTR e de um PFR necessários para processar 100 kmol/h a 60% de conversão de uma

Leia mais

Planejamento de Experimentos

Planejamento de Experimentos Planejamento de Experimentos Analise de Variância (ANOVA) com um Fator Planejamento de Experimentos Muitas vezes é necessário obter informações sobre produtos e processos empiricamente. Trabalho assemelha-se

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS PROCESSO SELETIVO 2016/2 - CPS PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA INSTRUÇÕES: 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco)

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016)

Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Lista de Exercício 1ª TVC Química Analítica V Teoria (1º Sem 2016) Skoog Capítulo 5: Erros em análises químicas 5-1. Explique a diferença entre: a) erro constante e erro proporcional b) Erro aleatório

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que:

DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO. Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação. Sabemos que: Química 3 ano Décio fev/08 2 DETERMINAÇÃO DA EQUAÇÃO DA VELOCIDADE DA REAÇÃO Influência da Concentração dos Reagentes na Velocidade da Reação Sabemos que: Quanto maior o número de choques entre as partículas

Leia mais

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas 1º Ciclo Enologia Química rgânica I TRABALH PRÁTIC Nº2 SÍNTESE DE ÉSTERES CM ARMA INTRDUÇÃ s ésteres são compostos extremamente comuns. Por exemplo, os óleos vegetais, como o azeite, são misturas de diversos

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática.

Na figura 15 está apresentado um esquema da metodologia para a determinação de mercúrio total em tecidos da biota aquática. 44 5 PARTE EXPERIMENTAL 5.1 Biota Todas as amostras foram liofilizadas (processo de secagem da amostra baseado no fenômeno da sublimação). Este processo apresenta as vantagens de manter a estrutura do

Leia mais

BIOMASSA E GERAÇÃO DE ENERGIA

BIOMASSA E GERAÇÃO DE ENERGIA IQB Mesa-Redonda 3 Desenvolvimento de tecnologias alternativas BIMASSA E GERAÇÃ DE ENERGIA Simoni M. Plentz Meneghetti Grupo de Catálise e Reatividade Química - GCaR Indústria petroquímica Biorrefinaria

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ENZIMÁTICAS DE PECTINASE E POLIGALACTURONASE COM DIFERENTES PROPORÇÕES DE CASCA DE COCO VERDE E SABUGO DE MILHO

AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ENZIMÁTICAS DE PECTINASE E POLIGALACTURONASE COM DIFERENTES PROPORÇÕES DE CASCA DE COCO VERDE E SABUGO DE MILHO AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES ENZIMÁTICAS DE PECTINASE E POLIGALACTURONASE COM DIFERENTES PROPORÇÕES DE CASCA DE COCO VERDE E SABUGO DE MILHO K. M. A. SANTOS 1, M. L. ARAÚJO 2, G. F. SILVA 1, A. K. S. ABUD

Leia mais

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas

Lipídeos. Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas BIOQUÍMICA Lipídeos Carboidratos (Açúcares) Aminoácidos e Proteínas LIPÍDEOS São ÉSTERES derivados de ácidos graxos superiores. Ex1: São divididos em: Cerídeos Glicerídeos Fosfatídeos Esteroides CERÍDEOS

Leia mais

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor

Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Prática 4: Reações envolvendo trocas de calor Pretende-se com essa atividade dar ao aluno a oportunidade de fazer experiências que possibilitem calcular calores de reação e aplicação da Lei de Hess. Etapa

Leia mais

INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi)

INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi) INFLUÊNCIA DO PRÉ-TRATAMENTO DA MATÉRIA- PRIMA NA OBTENÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE FRUTOS DE AROEIRA-VERMELHA (Schinus terebinthifolius Raddi) M. G. A. MAGGIERI 1, B. G. SILVA 1 e A. M. F. FILETI 1 1 Universidade

Leia mais

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum

Lista de Exercício. Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016. Concentração Comum Professor: Cassio Pacheco Disciplina: Química 2 Ano Data de entrega: 04/03/2016 Lista de Exercício Concentração Comum 1- Num balão volumétrico de 250 ml adicionam-se 2,0g de sulfato de amônio sólido; o

Leia mais

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA: Medidas de Tendência Central e Medidas de Dispersão Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Relembrando!!! Não é uma CIÊNCIA EXATA!!! É UMA CIÊNCIA PROBABILÍSTICA!!!!!!! Serve

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO DA GORDURA SUÍNA

PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO DA GORDURA SUÍNA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR TRANSESTERIFICAÇÃO DA GORDURA SUÍNA A. C. STAFUSSA 1, J. L. C.W. PIMENTA 1, C. M. OLIVEIRA 1, P. R. PARAÍSO 1, L. M. M. JORGE 1 1 Universidade Estadual de Maringá, Departamento

Leia mais