Integração por substituição (mudança de variável)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração por substituição (mudança de variável)"

Transcrição

1 Inegrais Inegrais Pare II IV. Técnicas de inegração Quando o inegral (definido ou indefinido) não é imediao ou quase imediao, recorremos a ouras écnicas de inegração. Inegração por subsiuição (mudança de variável) Seja uma primiiva da função e uma função derivável al que,,. Podemos enão considerar a função composa,,. Aplicando a Regra da Cadeia logo, Recorde que: Se é uma primiiva de emos,. Para simplificar esa epressão podemos considerar e porano (consular guião b_complemenos de Derivação). Subsiuindo na igualdade anerior,. De seguida vamos resolver o eemplo da página 5 do Guião inegrais Pare I, uiliando, agora, o méodo de inegração por subsiuição. Eemplo Calcule o inegral Passos auiliares:. Considera se a mudança de variável: 5 Faendo enão Calcular o inegral em ordem a Página de 6

2 Inegrais 0. Para aplicar a fórmula é necessário inroduir o facor 0 no inegrando, pelo que se muliplicará o inegral por, Repare que após a mudança de variável e a resolução do inegral obemos uma função na variável, que não é a variável inicial da função que esamos a inegrar. É por isso necessário volar a efecuar uma mudança de variável. Como 5, 5 8 5,. O Méodo de Inegração por Subsiuição ou ambém designado por Mudança de Variável é dado por Faendo e subsiuindo por, obemos,. Sendo uma primiiva de. Para aplicarmos ese méodo é necessário efecuarmos os seguines passos: I. Subsiui se a variável dada por oura variável (função de subsiuição) ; II. Subsiui se por dado que ; III. Inegra se a função obida em ordem à nova variável ; IV. Vola se à variável original subsiuindo por. Página de 6

3 Inegrais Eemplo : Calcule. ln Faendo enão ln. ln ln Cálculos auiliares:. Considera se a mudança de variável: ln. ln. Calcular o inegral em ordem a. Depois de calculado o inegral, subsiui se novamene, desa ve por Como ln,,. Sendo uma função conínua no inervalo,, o cálculo do inegral definido de em, efecua se, calculando o inegral indefinido e no final aplicando o º Teorema Fundamenal do Cálculo.. Eemplo : Calcule, por mudança de variável, o inegral definido /.. Calculemos o inegral indefinido., uiliando a mudança de variável:. Enão Subsiuindo vem:..,. Página de 6

4 Inegrais Subsiuindo novamene, desa ve por :. 7,. Assim, dado que o domínio da epressão inegranda é,.. 7 /. Aenção: Quando usamos o méodo de subsiuição no cálculo de um inegral definido, emos que er o cuidado de efecuar a subsiuição dos eremos de inegração na primiiva da função, depois desa esar na variável inicial. Como alernaiva à resolução apresenada, poderíamos er uiliado o Teorema da Mudança de Variável. Teorema da Mudança de Variável Sejam e funções reais de variável real, e uma função derivável, conínua e inverível em,, com derivada conínua em,, onde., Com a aplicação dese eorema não é necessário volar à variável original após inegração, no enano, é necessário alerar os eremos de inegração. Vamos aplicar ese eorema para resolver o eemplo anerior. Uiliando a mudança de variável, e subsiuindo e e. 7 7 Página 4 de 6

5 Inegrais Eercícios. Calcule:.. ;.. ; Página 5 de 6

6 Inegrais.Inegração por pares Ese méodo é baseado na regra da derivada do produo. Dadas duas funções reais de variável real e, deriváveis, emos que: logo,. Tal como não é verdade que, não é verdade que. Inegração por pares Sejam e duas funções reais de variável real, deriváveis, enão. Noa: pode ser uma qualquer primiiva de. Ese méodo é aplicável sempre que esamos perane um produo de funções e se conhece uma primiiva de pelo menos um dos facores. Eemplo: Calcule o inegral indefinido. A função a primiivar é um produo de dois facores (méodo de inegração por pares). Como sabemos inegrar qualquer das funções, aparenemene, a escolha é indiferene. Façamos e Aplicando a fórmula de inegração por pares vem: Repare que: O problema complicou se, obendo se uma nova primiiva produo da eponencial por um polinómio do º grau., Neses casos apenas precisamos de uma primiiva e não da família de primiivas. Por uma quesão de simplificação consideramos sempre 0. Vamos rocar o papel das funções. Façamos: e Temos que Aplicando a fórmula de inegração por pares vem: Como podemos observar, nese caso é imediao resolver o inegral. Página 6 de 6

7 Inegrais dado por: O inegral definido da função no inervalo,, sendo esa conínua nesse inervalo, é. Eemplo: Calcule o inegral definido. Noe que, e é coninua em. Vimos no eemplo anerior que Logo,.. Em geral, como escolher e? Se conhecermos a primiiva de ambos os facores, devemos escolher para derivar aquele que mais simplifica por derivação. Eemplo: Calcule o inegral indefinido. Cálculos auiliares:,., 4. Página 7 de 6

8 Inegrais Se só um dos dois facores admie uma primiiva imediaa, escolhemos esse para primiivar e o ouro para derivar. Por eemplo, as funções rigonoméricas inversas (arcsen, arcos, arcg) e as logarímicas não admiem uma primiiva imediaa logo, devem ser escolhidas para derivar. Os polinómios devem ser escolhidos para derivar quando não é imediaa a inegração do ouro facor. Eemplo: Calcule o inegral indefinido. Cálculos auiliares: Nese caso emos apenas uma função que não sabemos inegrar, conudo esa primiiva calcula se usando o méodo de inegração por pares uma ve que podemos considerar,. Se o inegrane for uma única função, que não sabemos inegrar mas que se simplifica por derivação (como o caso do logarimo e das funções rigonoméricas inversas), escreve se e escolhe se obviamene a função para derivar e a função consane,, para inegrar. Eemplo: Calcule o inegral. Na primeira pare do guião resolvemos ese inegral recorrendo às fórmulas rigonoméricas. No enano, ese inegral ambém pode ser resolvido uiliando o méodo de inegração por pares. Repare que:. Aplicando o méodo de inegração por pares vem: Cálculos auiliares: Página 8 de 6

9 Inegrais,. Pela aplicação sucessiva da regra de inegração por pares, pode aparecer no segundo membro um inegral igual ao que se preende calcular. Isola se enão esse inegral e resolve se a equação. Eercícios. Calcule: a. ; b. ; c. ; d. ; e. ; f.. Página 9 de 6

10 Inegrais. Inegração de funções racionais Chama se função racional a qualquer função da forma polinómios em e 0., onde e são O cálculo da primiiva de algumas funções racionais é imediao ou quase imediao. Neses casos incluem se as funções cujas primiivas são funções logarímicas ou rigonoméricas inversas. Vejamos alguns eemplos.,.,.,. Podemos ainda er oura siuação, como por eemplo:,. Eisem no enano ouras funções racionais em que esas regras não se aplicam. Nese caso, duas siuações podem aconecer: I. o grau do polinómio do numerador é menor do que o grau do polinómio do denominador; Eemplo: 5 7 II. o grau do polinómio do numerador é maior ou igual do que o grau do polinómio do denominador. Eemplos: 44 Página 0 de 6

11 Inegrais Quando nos enconramos na siuação II, vamos simplificar a fracção racional aplicando o algorimo da divisão aos polinómios. Algorimo da divisão. A aplicação do algorimo a divisão à nossa função racional (quando o grau do numerador é maior ou igual ao grau do denominador) permie nos escrevê la como a soma de um polinómio com uma função racional cujo grau do numerador é menor que o grau do denominador. Por vees esa decomposição basa para resolver o inegral. Eemplo: Calcule. A função inegranda é uma função racional cujo grau do numerador é maior que o grau do denominador. Vamos por isso aplicar o algorimo da divisão. Algorimo da divisão Enão 4 Assim,,. Página de 6

12 Inegrais enconra se na siuação I, viso que ao efecuar o algorimo da divisão o grau do polinómio é sempre menor do que o grau do polinómio. Eemplo: Calcule 44. Algorimo da divisão Enão Não é um inegral imediao/quase imediao. Decomposição em Fracções Parciais A resolução do inegral de uma fracção racional quando o grau do numerador é menor que o grau do denominador é efecuada usando o méodo das fracções parciais. Ese processo consise em separar uma dada fracção numa soma de fracções com denominadores mais simples. Para al, emos que facoriar o denominador. Facoriar o denominador Facoriar um polinómio é decompô lo num produo de polinómios de grau inferior. Ver mais Guião do Vamos decompor o polinómio. Calculemos os eros do polinómio. 0 Aplicando a fórmula resolvene: 4 4. Logo Página de 6

13 Inegrais Qualquer epressão racional (al que o grau de é inferior ao grau de ) pode escrever se como soma de epressões racionais cujos denominadores envolvam poências de polinómios de grau ou de grau sem raíes reais, enão onde, onde, e,, onde é irreduível (polinómio de grau dois que não admie raíes reais). A soma designa se por decomposição em fracções parciais de e cada é uma fracção parcial. Para ober a decomposição em fracções parciais seguimos os seguines passos. Passo Eprimir o denominador como produo de facores e/ou facores irreduíveis do ipo. Caso eisam facores repeidos, agrupamo los de modo que se epresse como o produo de facores diferenes da forma e/ou, onde,. Passo Aplicam se as seguines regras: Regra : A cada facor da forma,, corresponde na decomposição às seguines de fracções parciais: onde cada é um número real. Página de 6

14 Inegrais Regra : A cada facor da forma, onde n e é irreduível, corresponde na decomposição, às seguines fracções parciais, onde, para cada, e são números reais. fracção Volando ao úlimo eemplo, preendemos calcular fracções parciais., para isso vamos escrever a como soma de fracções mais simples, uiliando o méodo de decomposição em Temos que 5 7 Logo A ese méodo chama se Méodo dos Coeficienes Indeeeminados. Por ese ser um sisema de equações lineares, pode ser resolvido pelo Méodo de Eliminação de Gauss Jordan ou regra de Cramer. O cálculo das consanes e pode ainda ser feio omando se valores de que anulem os respecivos coeficienes, que nese caso são e.. Faendo na igualdade 5 7, emos Faendo na igualdade 5 7, emos Página 4 de 6

15 Inegrais Esa regra é compensaória quando os valores de que anulem os coeficienes não são repeidos. Deerminados A e B em se 5 7. Logo 5 7 ln ln,. Assim, volando ao cálculo do inegral da página, emos ln ln,. Eemplo: Calcule. A função inegranda é uma função racional cujo grau do numerador é menor que o grau do denominador. Enão vamos eprimir o denominador como um produo de facores de grau e/ou grau sem raíes reais. Passo Facoriando o denominador escrevemos. Como o facor aparece repeido, Vamos decompor o polinómio. Calculemos os eros do polinómio. 0. Colocando em evidência o ermo em, 0 0 Aplicando a lei do anulameno do produo: Logo. Passo Nese caso, como os facores são odos da forma, aplicamos a regra. Página 5 de 6

16 Inegrais Porano, emos uma decomposição da forma onde, e são consanes a deerminar., Para deerminar essas consanes uiliamos o Méodo dos Coeficienes Indeerminados: logo 0. Assim. Temos porano,. Já esudamos os casos em que a facoriação de resula num produo de polinómios de grau. Vamos agora analisar siuações em que na facoriação de esão presenes polinómios irreduíveis de grau. Página 6 de 6

17 Inegrais Eemplo: Calcule. é uma função racional, em que o grau do polinómio numerador é menor que o grau do polinómio denominador. Passo Decompor o polinómio num produo de polinómios de grau e/ou em polinómios de grau dois irreduíveis (polinómio de grau dois sem raíes reais) Agrupar os facores repeidos, se eisirem. Regra Regra Passo Escrever a função como soma de fracções parciais (nese caso, são duas). Méodo dos Coeficienes Indeerminados. Deerminar as incógnias Calcular cada uma das primiivas 0 Assim ln,. Página 7 de 6

18 Inegrais Eemplo Calcule. A função inegranda é uma função racional cujo grau do numerador é menor que grau do denominador. Passo Facoriando o denominador escrevemos logo,. Analisando os facores repeidos, agrupam se de modo a que se epresse como o produo de facores diferenes da forma e/ou, onde, logo, Passo Polinómio Parcelas Nese caso, emos a decomposição da forma Regra Regra onde,,,,, e são consanes a deerminar. Após deerminar as incógnias, emos que inegrar cada uma das parcelas. Página 8 de 6

19 Inegrais Resumo: Considere a função racional, com 0. Se o grau de for maior ou igual ao grau de efecua se a divisão dos polinómios, aplicando se poseriormene, se necessário, o processo de decomposição de fracções parciais. Processo de decomposição em fracções parciais Se o grau de for menor ao grau de uilia se, se necessário, o processo de decomposição em fracções parciais. No cálculo de inegrais de funções racionais aplicamos normalmene as seguines regras:,,.,.,. Eercícios. Calcule: a. ; b. ; c. ; d. ; e.. Página 9 de 6

20 Inegrais 4. Ouras mudanças de variável Uma das principais dificuldades na inegração por subsiuição reside na escolha da mudança de variável. Quando as funções a inegrar êm deerminadas caracerísicas, podem ser uiliadas mudanças de variável aconselhadas, como apresenamos a seguir. Muias desas mudanças de variável produem o inegral de uma função racional. Para calcular o inegral de funções que resulam de operações racionais de epressões do ipo /, /, deve se calcular o mínimo múliplo comum enre,...,,. Enão a mudança de variável aconselhada é. Após esa mudança de variável emos o inegral de uma função racional. Eemplo Calcule. / / Como o menor múliplo comum dos índices das raíes,,4 4, efecuamos a subsiuição: Assim emos 4. / / Página 0 de 6

21 Inegrais Algorimo da divisão Enão ln ln,. Para volamos à variável original, nese caso, emos que: ln ln,. Página de 6

22 Inegrais Para calcular o inegral de funções que resulam de operações racionais de epressões do ipo / /,, deve se calcular o mínimo múliplo comum enre,...,,. Enão a mudança de variável aconselhada é. Após esa mudança de variável emos o inegral de uma função racional. Eemplo Calcule. Calculemos o inegral indefinido /. / Como o menor múliplo comum dos índices das raíes é, 6, efecuamos a subsiuição: Assim emos Página de 6

23 Inegrais Algorimo da divisão Enão Volando ao cálculo do inegral: ln,. Para volarmos à variável original, nese caso, emos que: 6 ln,. E assim, como a função ln 6 é conínua no inervalo,5, ln ln 4. Para calcular o inegral de funções que resulam de operações racionais de epressões do ipo,,,, deve se calcular o máimo divisor comum enre,...,,. Enão a mudança de variável aconselhada é. Página de 6

24 Inegrais Eemplo Calcule. Como o,, efecuamos a subsiuição:. Assim emos. Logo, ln. Repare que no inegral não é possível colocar em evidencia o facor e porano não podemos subsiuir o por. Nesa siuação resolvemos em ordem a, ou seja, ln, e assim, Recorde:. c,. Para volamos à variável original, nese caso, emos que:,. Calculo auiliar. Dese modo já é possível subsiuir no inegral por e por. A função inegranda é uma função racional cujo grau do numerador é menor que o grau do denominador. Passo. Passo Nese caso, como os facores são odos da forma, aplicamos a regra. Porano, emos uma decomposição da forma onde, e são consanes a deerminar. Para deerminar essas consanes uiliamos o Méodo dos Coeficienes Indeerminados: logo 0 0. Assim. Temos porano,., Página 4 de 6

25 Inegrais Para calcular o inegral de funções que resulam de operações racionais de epressões do ipo ln,ln, deve se calcular o máimo divisor comum enre,...,,. Enão a mudança de variável aconselhada é.,, Eemplo Calcule. Como o,4, efecuamos a subsiuição:. Esamos na mesma siuação que no eemplo anerior, uma ve que não podemos subsiuir no inegral. Assim, Recorde:, logo,. 4 Algorimo da divisão. Enão Página 5 de 6

26 Inegrais,. Para volarmos à variável original, nese caso, emos que:.,. 4 [PISK] Chama se binómio diferencial à epressão em que,,,,, são consanes. O inegral do binómio diferencial pode ser reduido, se,, forem números racionais, ao inegral duma função racional nos seguines rês casos: ) é um número ineiro, iso é, ; ) é um número ineiro; ) é um número ineiro. Página 6 de 6

27 Inegrais Em qualquer um dos casos referidos, devemos proceder, inicialmene, à mudança de variável seguine: Desa resula o seguine: n n, d d. n n p q p ( a b ) d ( a b) d m m n onde q. n A segunda mudança de variável aconselhada depende do caso em nos enconramos, assim, ) se p é um número ineiro, e sendo q o número racional subsiuição r q, devemos efecuar a s s ; ) se m n é um número ineiro e sendo p o número racional λ p, devemos μ efecuar a subsiuição a b ; m ) se p é um número ineiro, iso é, q n seguine modificação μ p é ineiro, façamos primeiro a Eemplo q a b p q p ( a b) d d e, de seguida, consideremos a subsiuição a b μ λ ( p ). μ p, Calcule. ; ; ª mudança de variável, logo Como, mas 0, enconramo nos no º caso. Página 7 de 6

28 Inegrais Página 8 de 6 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) C C C d d d d d d d ln ln ln ln ) )( ( 4 v. m. ª v. m. ª Eemplo Calcule. Noe que 4 é uma função racional à variável Algorimo da divisão 4 4 Decompondo em fracções simples. e ) ( ) ( ) )( ( B A B A B A Para volar à variável : ; ; ª mudança de variável, logo Como,, mas 0, enconramo nos no º caso. ª mudança de variável, logo

29 Inegrais Página 9 de 6 ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) C C C d d d d d d d d d ln ln ln ln ) )( ( v. m. ª v. m. ª Noe que é uma função racional à variável Algorimo da divisão Decompondo em fracções simples. e ) ( ) ( ) )( ( B A B A B A Para volar à variável : ª mudança de variável (após a modificação efecuada) Logo,

30 Inegrais Para calcular o inegral de funções que envolvem epressões radicais do ipo Efecuamos respecivamene a mudança de variável (subsiuição rigonomérica) Esas mudanças de variável ambém se aplicam se no lugar de esiver uma função linear,. Na abela seguine emos um resumo de cada uma das mudanças de variável aneriores. Epressão Subsiuição a efecuar Cálculo do inegral Para volar à variável inicial Simplificar usando a relação rigonomérica Simplificar usando a relação rigonomérica Simplificar usando a relação rigonomérica Página 0 de 6

31 Inegrais Eemplo Calcule 9.. Função irracional quadráica incomplea da forma. Subsiuição: cos.. Subsiuindo, inegra se a função obida em ordem à nova variável. 9 9 cos 9 9 cos 9 cos cos 9 cos ,.. Como. No nosso caso,,,, Para calcular cos usamos a relação rigonomérica Em alernaiva, repare que: se ivermos o riângulo recângulo, em que um dos ângulos em ampliude, o caeo oposo a esse ângulo mede e a hipoenusa do riângulo mede, emos, pelo Teorema de Piágoras, que o caeo adjacene ao ângulo é igual a 9. Hipoenusa Subsiuindo 9,, Como,, esamos no º ou 4º quadrane onde o cosseno é posiivo. Temos enão que e que 9 Caeo adjacene Caeo oposo 9 Página de 6

32 Inegrais Assim ,. 9 Eemplo Calcule. Comecemos por ransformar numa diferença de quadrados. Como o coeficiene de é negaivo, eremos que colocá lo em evidência e seguir o processo descrio ao lado para ransformar na diferença, em que é uma função linear de. 4 Passos:. Idenificar.. Considerar.. Somar e subrair a o valor obido no passo anerior, ou seja,. 4. Escrever na forma 4. Seja e. Como, emos e e porano, ,. Página de 6

33 Inegrais Para volamos à variável original, nese caso, emos que: 4,. Qualquer função rigonomérica,,, pode eprimir se à cusa das funções e. Para calcular o inegral de funções que envolvam a funções e, efecuamos a mudança de variável. Na abela seguine emos um resumo da mudança de variável anerior. Epressão Subsiuição a efecuar Uiliar Para volar à variável inicial Eemplo: Calcule o inegral.. É uma função que envolve funções rigonoméricas.. Comecemos por faer a mudança de variável. Tal como referido aneriormene:, cos e d. Página de 6

34 Inegrais Calculando o inegral por mudança de variável:,. Para volamos à variável original, nese caso, emos que:,. Página 4 de 6

35 Inegrais Eercícios. Calcule: a. ; b. ; c. ; d. ; e. ; f. 7 5 ; g. ; (Sugesão: Faça.) h. ; 5 ; d j. ; ( ) d k. ; 4 4 i. ( ) d 4 l. d.. Num cero subúrbio de uma merópole, a concenração de Oono no ar,, é de 0,5 pares por milhão () às 7. De acordo com o serviço de meeorologia, a concenração de Oono horas mais arde varia à raão de 0,4 0,0 6 6 / Deermine a função que devolve a concenração de Oono horas após as see da manhã. Página 5 de 6

36 Inegrais Bibliografia [LH] Larson, R., Hoseler, R. e Edwards, B., Cálculo, Mc Graw Hill, 006. [ELL] Lima, L. E.; Curso de Análise, Vol., Projeco Euclides, Nona Edição, 999. [CUV] Mala I., Pesco, S., Lopes,H.; Cálculo a uma variável, Vol. II, Derivada e Inegral; Ediora PUC Rio, 00. [CGA] Swokowski; Cálculo com Geomeria Analíica, Vol., Makron Books, 99. [MA] Harshbarger, R. J., Reynolds, J. J., Maemáica Aplicada Adminisração, Economia e Ciencias Sociais e Biológicas, Mc Graw Hill, 006. [PISK] Piskounov, N. ; Cálculo Diferencial e Inegral, Vol. I e Vol. II, Ed. Lopes da Silva, 8ª edição. Página 6 de 6

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

ONDAS ELETROMAGNÉTICAS LTROMAGNTISMO II 3 ONDAS LTROMAGNÉTICAS A propagação de ondas eleromagnéicas ocorre quando um campo elérico variane no empo produ um campo magnéico ambém variane no empo, que por sua ve produ um campo

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz.

5.1 Objectivos. Caracterizar os métodos de detecção de valor eficaz. 5. PRINCÍPIOS DE MEDIÇÃO DE CORRENE, ENSÃO, POÊNCIA E ENERGIA 5. Objecivos Caracerizar os méodos de deecção de valor eficaz. Caracerizar os méodos de medição de poência e energia em correne conínua, correne

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar Progressão Ariméica e Progressão Geomérica. (Pucrj 0) Os números a x, a x e a x esão em PA. A soma dos números é igual a: a) 8 b) c) 7 d) e) 0. (Fuves 0) Dadas as sequências an n n, n n cn an an b, e b

Leia mais

Professor: Danilo Dacar

Professor: Danilo Dacar . (Pucrj 0) Os números a x, a x e a3 x 3 esão em PA. A soma dos 3 números é igual a: é igual a e o raio de cada semicírculo é igual à meade do semicírculo anerior, o comprimeno da espiral é igual a a)

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA

CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA CINÉTICA QUÍMICA LEI DE VELOCIDADE - TEORIA Inrodução Ese arigo raa de um dos assunos mais recorrenes nas provas do IME e do ITA nos úlimos anos, que é a Cinéica Química. Aqui raamos principalmene dos

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Dinâmicos Análise de Projecos ESAPL / IPVC Criérios de Valorização e Selecção de Invesimenos. Méodos Dinâmicos Criério do Valor Líquido Acualizado (VLA) O VLA de um invesimeno é a diferença enre os valores dos benefícios

Leia mais

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL

Movimento unidimensional 25 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL Movimeno unidimensional 5 MOVIMENTO UNIDIMENSIONAL. Inrodução Denre os vários movimenos que iremos esudar, o movimeno unidimensional é o mais simples, já que odas as grandezas veoriais que descrevem o

Leia mais

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos

2.6 - Conceitos de Correlação para Sinais Periódicos .6 - Conceios de Correlação para Sinais Periódicos O objeivo é o de comparar dois sinais x () e x () na variável empo! Exemplo : Considere os dados mosrados abaixo y 0 x Deseja-se ober a relação enre x

Leia mais

velocidade inicial: v 0 ; ângulo de tiro com a horizontal: 0.

velocidade inicial: v 0 ; ângulo de tiro com a horizontal: 0. www.fisicaee.com.br Um projéil é disparado com elocidade inicial iual a e formando um ânulo com a horizonal, sabendo-se que os ponos de disparo e o alo esão sobre o mesmo plano horizonal e desprezando-se

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 26. Professora: Mazé Bechara Insiuo de Física USP Física V - Aula 6 Professora: Mazé Bechara Aula 6 Bases da Mecânica quânica e equações de Schroedinger. Aplicação e inerpreações. 1. Ouros posulados da inerpreação de Max-Born para

Leia mais

Confiabilidade e Taxa de Falhas

Confiabilidade e Taxa de Falhas Prof. Lorí Viali, Dr. hp://www.pucrs.br/fama/viali/ viali@pucrs.br Definição A confiabilidade é a probabilidade de que de um sisema, equipameno ou componene desempenhe a função para o qual foi projeado

Leia mais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais

3. Representaç ão de Fourier dos Sinais Sinais e Sisemas - 3. Represenaç ão de Fourier dos Sinais Nese capíulo consideramos a represenação dos sinais como uma soma pesada de exponenciais complexas. Dese modo faz-se uma passagem do domínio do

Leia mais

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder

CORREIOS. Prof. Sérgio Altenfelder 15. Uma pessoa preende medir a alura de um edifício baseado no amanho de sua sombra projeada ao solo. Sabendo-se que a pessoa em 1,70m de alura e as sombras do edifício e da pessoa medem 20m e 20cm respecivamene,

Leia mais

Mecânica da partícula

Mecânica da partícula -- Mecânica da parícula Moimenos sob a acção de uma força resulane consane Prof. Luís C. Perna LEI DA INÉRCIA OU ª LEI DE NEWTON LEI DA INÉRCIA Para que um corpo alere o seu esado de moimeno é necessário

Leia mais

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares

Biofísica II Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Biologia de Populações 2 Modelos não-lineares. Modelos Não-Lineares Modelos Não-Lineares O modelo malhusiano prevê que o crescimeno populacional é exponencial. Enreano, essa predição não pode ser válida por um empo muio longo. As funções exponenciais crescem muio rapidamene

Leia mais

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) =

Duas opções de trajetos para André e Bianca. Percurso 1( Sangiovanni tendo sorteado cara e os dois se encontrando no ponto C): P(A) = RESOLUÇÃO 1 A AVALIAÇÃO UNIDADE II -016 COLÉGIO ANCHIETA-BA PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA ELABORAÇÃO e PESQUISA: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. QUESTÃO 01. Três saélies compleam suas respecivas

Leia mais

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa

CINÉTICA RADIOATIVA. Introdução. Tempo de meia-vida (t 1/2 ou P) Atividade Radioativa CIÉTIC RDIOTIV Inrodução Ese arigo em como objeivo analisar a velocidade dos diferenes processos radioaivos, no que chamamos de cinéica radioaiva. ão deixe de anes esudar o arigo anerior sobre radioaividade

Leia mais

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL

1. FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 1 1 FUNÇÕES REAIS DE VARIÁVEL REAL 11 Funções trigonométricas inversas 111 As funções arco-seno e arco-cosseno Como as funções seno e cosseno não são injectivas em IR, só poderemos definir as suas funções

Leia mais

Noções de Espectro de Freqüência

Noções de Espectro de Freqüência MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Campus São José Curso de Telecomunicações Noções de Especro de Freqüência Marcos Moecke São José - SC, 6 SUMÁRIO 3. ESPECTROS DE FREQÜÊNCIAS 3. ANÁLISE DE SINAIS NO DOMÍNIO DA

Leia mais

Física. Física Módulo 1

Física. Física Módulo 1 Física Módulo 1 Nesa aula... Movimeno em uma dimensão Aceleração e ouras coisinhas O cálculo de x() a parir de v() v( ) = dx( ) d e x( ) x v( ) d = A velocidade é obida derivando-se a posição em relação

Leia mais

CIRCUITO RC SÉRIE. max

CIRCUITO RC SÉRIE. max ELETRICIDADE 1 CAPÍTULO 8 CIRCUITO RC SÉRIE Ese capíulo em por finalidade inroduzir o esudo de circuios que apresenem correnes eléricas variáveis no empo. Para ano, esudaremos o caso de circuios os quais

Leia mais

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e

Conceitos: Função. Domínio, contradomínio e imagem de uma função. Funções potência, exponencial e Matemática II 05/6 Curso: Gestão Departamento de Matemática ESTG-IPBragança Ficha Prática : Revisões: Funções, Derivadas. Primitivas -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise

4 O Papel das Reservas no Custo da Crise 4 O Papel das Reservas no Cuso da Crise Nese capíulo buscamos analisar empiricamene o papel das reservas em miigar o cuso da crise uma vez que esa ocorre. Acrediamos que o produo seja a variável ideal

Leia mais

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served)

5.3 Escalonamento FCFS (First-Come, First Served) c prof. Carlos Maziero Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) 26 5.3 Escalonameno FCFS (Firs-Come, Firs Served) A forma de escalonameno mais elemenar consise em simplesmene aender as arefas em sequência,

Leia mais

Podemos, então, pensar em definir outra função g: C D, que a cada y em D associe o único elemento x em C que é o associado a y por f, ou seja:

Podemos, então, pensar em definir outra função g: C D, que a cada y em D associe o único elemento x em C que é o associado a y por f, ou seja: 0 No primeiro capíulo vimos que uma função é caracerizada pelo seu domínio, conradomínio e uma lei de formação que associa a cada elemeno do domínio um único elemeno do conradomínio. Ceras funções possuem

Leia mais

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos

(versão preliminar) exceto possivelmente para x = a. Dizemos que o limite de f(x) quando x tende para x = a é um numero L, e escrevemos LIMITE DE FUNÇÕES REAIS JOSÉ ANTÔNIO G. MIRANDA versão preinar). Revisão: Limite e Funções Continuas Definição Limite de Seqüências). Dizemos que uma seqüência de números reais n convergente para um número

Leia mais

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%)

Nome: N.º Turma: Suficiente (50% 69%) Bom (70% 89%) Escola E.B.,3 Eng. Nuno Mergulhão Porimão Ano Leivo 01/013 Tese de Avaliação Escria de Maemáica 9.º ano de escolaridade Duração do Tese: 90 minuos 16 de novembro de 01 Nome: N.º Turma: Classificação: Fraco

Leia mais

Cálculo com expressões que envolvem radicais

Cálculo com expressões que envolvem radicais Escola Secundária de Aljustrel Material de apoio para o 11. o Ano Ano Lectivo 00/003 Cálculo com expressões que envolvem radicais José Paulo Coelho Abril de 003 ... Índice... 1 Radicais: definição e propriedades.

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Processamento Simbólico Polinómios e Equações Gráficos

Processamento Simbólico Polinómios e Equações Gráficos Matlab Processamento Simbólico Polinómios e Equações Gráficos Matlab Eercício. Iniciar o programa Matlab. Há duas formas: Fazer duplo-clique sobre o atalho, eistente no ambiente de trabalho do Windows

Leia mais

+ 3.. = + + = =

+ 3.. = + + = = MATEMÁTICA Dois amigos, Alfredo e Bruno, combinam dispuar a posse de um objeo num jogo de "cara ou coroa". Alfredo lança moedas e Bruno moedas, simulaneamene. Vence o jogo e, conseqüenemene, fica com o

Leia mais

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são

O potencial eléctrico de um condutor aumenta à medida que lhe fornecemos carga eléctrica. Estas duas grandezas são O ondensador O poencial elécrico de um conduor aumena à medida que lhe fornecemos carga elécrica. Esas duas grandezas são direcamene proporcionais. No enano, para a mesma quanidade de carga, dois conduores

Leia mais

Composição de Funções

Composição de Funções Composição de Funções Existem muitas situações em que uma função depende de uma variável que, por sua vez, depende de outra, e assim por diante. Podemos dizer, por exemplo, que a concentração de monóxido

Leia mais

Polinómios. Integração de Fracções Racionais

Polinómios. Integração de Fracções Racionais Polinómios. Integração de Fracções Racionais Escola Superior de Tecnologia e de Gestão, Instituto Politécnico de Bragança. Mário Abrantes 2016 1 / 17 Índice de Matérias 1. Polinómios Denição Factorização

Leia mais

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS

REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS Análise Matemática MIEC /4 REVISÃO DE ALGUMAS MATÉRIAS INEQUAÇÕES Uma das propriedades das inequações mais vezes ignorada é a que decorre da multiplicação de ambos os membros por um valor negativo. No

Leia mais

Econometria Semestre

Econometria Semestre Economeria Semesre 00.0 6 6 CAPÍTULO ECONOMETRIA DE SÉRIES TEMPORAIS CONCEITOS BÁSICOS.. ALGUMAS SÉRIES TEMPORAIS BRASILEIRAS Nesa seção apresenamos algumas séries econômicas, semelhanes às exibidas por

Leia mais

DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM?

DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM? DENOMINADORES: QUAIS SÃO? COMO SE CALCULAM? POPULAÇÃO SOB OBSERVAÇÃO A idade e o sexo da população inscria nas lisas dos médicos paricipanes é conhecida. A composição dessas lisas é acualizada no final

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico

Resumo. Sinais e Sistemas Sinais e Sistemas. Sinal em Tempo Contínuo. Sinal Acústico Resumo Sinais e Sisemas Sinais e Sisemas lco@is.ul.p Sinais de empo conínuo e discreo Transformações da variável independene Sinais básicos: impulso, escalão e exponencial. Sisemas conínuos e discreos

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3.

Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II. Ficha de trabalho nº 3. Escola Secundária com 3º ciclo D. Dinis 11º Ano de Matemática A Tema I Geometria no Plano e no Espaço II Ficha de trabalho nº 3 1. Resolver, da página 80 do seu manual, 1.1. as alíneas a), c) e e) dos

Leia mais

Função Exponencial 2013

Função Exponencial 2013 Função Exponencial 1 1. (Uerj 1) Um imóvel perde 6% do valor de venda a cada dois anos. O valor V() desse imóvel em anos pode ser obido por meio da fórmula a seguir, na qual V corresponde ao seu valor

Leia mais

MATEMÁTICA. QUESTÃO 03 Considere o sistema Ax=b, em que 1 e k.

MATEMÁTICA. QUESTÃO 03 Considere o sistema Ax=b, em que 1 e k. (9) -0 wwweliecampinascombr O ELITE RESOLVE ITA 008 - MATEMÁTIA MATEMÁTIA QUESTÃO 0 onsidere uma população de igual número de homens e mulheres, em que sejam dalônicos % dos homens e 0,% das mulheres Indique

Leia mais

Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ )

Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ ) www.engenhariafacil.weebly.com Elaborado por: João Batista F. Sousa Filho (Graduando Engenharia Civil UFRJ- 014.1) Bizu: (I) Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Métodos de Integração. (I) Métodos

Leia mais

CURVAS DE CRESCIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UM PROCESSO INDUSTRIAL DE FERMENTAÇÃO

CURVAS DE CRESCIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UM PROCESSO INDUSTRIAL DE FERMENTAÇÃO CURVAS DE CRESCIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE UM PROCESSO INDUSTRIAL DE FERMENTAÇÃO Naália Peçanha Caninas Companhia Municipal de Limpeza Urbana - COMLURB Rua Major Ávila, 358 CEP 20.519-900-Rio de Janeiro- RJ

Leia mais

Capítulo 4. Propriedades dos Estimadores de Mínimos Quadrados

Capítulo 4. Propriedades dos Estimadores de Mínimos Quadrados Capíulo 4 Propriedades dos Esimadores de Mínimos Quadrados Hipóeses do Modelo de Regressão Linear Simples RS1. y x e 1 RS. Ee ( ) 0 E( y ) 1 x RS3. RS4. var( e) var( y) cov( e, e ) cov( y, y ) 0 i j i

Leia mais

Detecção e Correcção de Erros Instituto Superior de Engenharia do Porto. 2003/2004 Redes de Computadores I Filipe Costa

Detecção e Correcção de Erros Instituto Superior de Engenharia do Porto. 2003/2004 Redes de Computadores I Filipe Costa Deecção e Correcção de Erros Insiuo Superior de Engenharia do Poro 2003/2004 Redes de Compuadores I Filipe Cosa - 1020525 Deecção de Erros Nas linhas de comunicação menos consisenes, a probabilidade de

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Por outras palavras, iremos desenvolver a operação inversa da derivação conhecida por primitivação.

Por outras palavras, iremos desenvolver a operação inversa da derivação conhecida por primitivação. RIMITIVS Definições No caítulo anterior, centramos a nossa atenção no seguinte roblema: dada uma função, determinar a sua função derivada Neste caítulo, vamos considerar o roblema inverso, ou seja, determinar

Leia mais

Logaritmos e a Calculadora

Logaritmos e a Calculadora Logaritmos e a Calculadora Denise Martinelli PIBID/Matemática Neumar Regiane Machado Albertoni PIBID/Matemática Violeta Maria Estephan professora do DAMAT CURITIBA, 015 19 a 1 de agosto de 015 Página 1

Leia mais

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA

UM MÉTODO RÁPIDO PARA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DO ENROLAMENTO DO ESTATOR DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS DO TIPO GAIOLA ART643-07 - CD 262-07 - PÁG.: 1 UM MÉTD RÁPID PARA ANÁLISE D CMPRTAMENT TÉRMIC D ENRLAMENT D ESTATR DE MTRES DE INDUÇÃ TRIFÁSICS D TIP GAILA 1 - RESUM Jocélio de Sá; João Robero Cogo; Hécor Arango. objeivo

Leia mais

4 Modelagem e metodologia de pesquisa

4 Modelagem e metodologia de pesquisa 4 Modelagem e meodologia de pesquisa Nese capíulo será apresenada a meodologia adoada nese rabalho para a aplicação e desenvolvimeno de um modelo de programação maemáica linear misa, onde a função-objeivo,

Leia mais

Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes

Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes Marina Andretta/Franklina Toledo ICMC-USP 5 de fevereiro de 2014 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina

Leia mais

Cálculo Vetorial - Lista de Exercícios

Cálculo Vetorial - Lista de Exercícios álculo Veorial - Lisa de Exercícios (Organizada pela Profa. Ilka Rebouças). Esboçar o gráfico das curvas represenadas pelas seguines funções veoriais: a) a 4 i j, 0,. d) d i 4 j k,. b) b sen i 4 j cos

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO ONERSORES ONERSORES OM ISOLAMENTO GALÂNIO FONTES DE DE ALIMENTAÇÃO OMUTADAS caracerísicas:.. saída saída regulada (regulação de de linha linha e regulação de de carga) carga).. isolameno galvânico 3. 3.

Leia mais

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento

Cinemática Vetorial Movimento Retilíneo. Movimento. Mecânica : relaciona força, matéria e movimento Fisica I - IO Cinemáica Veorial Moimeno Reilíneo Prof. Crisiano Olieira Ed. Basilio Jafe sala crislpo@if.usp.br Moimeno Mecânica : relaciona força, maéria e moimeno Cinemáica : Pare da mecânica que descree

Leia mais

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas DINÂMICA DE SISTEMAS BIOLÓGICOS E FISIOLÓGICOS Capítulo 3 Função de transferência e dinâmicas dos sistemas 3.1. Aplicação da transformada de Laplace às equações diferenciais A transformada de Laplace é

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

Formas Quadráticas e Cônicas

Formas Quadráticas e Cônicas Formas Quadráicas e Cônicas Sela Zumerle Soares Anônio Carlos Nogueira (selazs@gmail.com) (anogueira@uu.br). Resumo Faculdade de Maemáica, UFU, MG Nesse rabalho preendemos apresenar alguns resulados da

Leia mais

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 2015

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 2015 EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO MATEMÁTICA LOGARITMOS 05. (Ia 05) Considere as seguines afirmações sobre números reais: I. Se a expansão decimal de x é infinia e periódica, enão x é um número racional. II..

Leia mais

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012

F-128 Física Geral I. Aula exploratória-07 UNICAMP IFGW F128 2o Semestre de 2012 F-18 Física Geral I Aula eploraória-07 UNICAMP IFGW username@ii.unicamp.br F18 o Semesre de 01 1 Energia Energia é um conceio que ai além da mecânica de Newon e permanece úil ambém na mecânica quânica,

Leia mais

O Método do Tubo de Trajetórias para a Equação de Convecção. Parte I: Formulação

O Método do Tubo de Trajetórias para a Equação de Convecção. Parte I: Formulação O Méodo do Tubo de Trajeórias para a Equação de Convecção. Pare I: Formulação Luciana P. M. Pena Laboraório de Ciências Maemáicas, (LCMAT/CCT), Universidade Esadual do Nore Fluminense Darcy Ribeiro - UENF

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA)

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I CONDUTORES E DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO (CDP_EA) PEA 40 - LAORAÓRO DE NSALAÇÕES ELÉRCAS CONDUORES E DSPOSVOS DE PROEÇÃO (CDP_EA) RELAÓRO - NOA... Grupo:...... Professor:...Daa:... Objeivo:..... MPORANE: Em odas as medições, o amperímero de alicae deverá

Leia mais

Técnicas de. Integração

Técnicas de. Integração Técnicas de Capítulo 7 Integração TÉCNICAS DE INTEGRAÇÃO 7.4 Integração de Funções Racionais por Frações Parciais Nessa seção, vamos aprender como integrar funções racionais reduzindo-as a uma soma de

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Capítulo Regra da cadeia

Capítulo Regra da cadeia Cálculo 2 - Capítulo 28 - Regra da cadeia 1 Capítulo 28 - Regra da cadeia 281 - Introdução 283 - Generalização 282 - Regra da cadeia Este capítulo trata da chamada regra da cadeia para funções de duas

Leia mais

CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO

CONVERSORES CC-CC COM ISOLAMENTO GALVÂNICO ONERSORES ELETRÓNIOS DE POTÊNIA A ALTA FREQUÊNIA ONERSORES com isolameno galvânico ONERSORES OM ISOLAMENTO GALÂNIO FONTES DE DE ALIMENTAÇÃO OMUTADAS caracerísicas:.. saída saída regulada (regulação de

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

7. Diferenciação Implícita

7. Diferenciação Implícita 7. Diferenciação Implícita ` Sempre que temos uma função escrita na forma = f(), dizemos que é uma função eplícita de, pois podemos isolar a variável dependente de um lado e a epressão da função do outro.

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Termodinâmica Espontânea = tem tendência a evoluir. Cinética Velocidade = probabilidade de dar produtos. Gº r = 2.84 kj/mol

Termodinâmica Espontânea = tem tendência a evoluir. Cinética Velocidade = probabilidade de dar produtos. Gº r = 2.84 kj/mol AULA CNÉTCA QUÍMCA 1- RELAÇÃO CNÉTCA/EQULÍBRO 2- VELOCDADE DE UMA REACÇÃO 3- REACÇÕES ELEMENTARES. MOLECULARDADE 4- TEORA COLSONAL. DEPENDÊNCA DA TEMPERATURA 5- APROXMAÇÃO EXPERMENTAL. ORDEM DE UMA REACÇÃO.

Leia mais

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) +

MÓDULO XII. EP.02) Determine o valor numérico da expressão algébrica x 2 yz xy 2 z para x = 1, y = 1 e z = 2. c) y.(y x + 1) + MÓDULO XII EXPRESSÕES ALGÉBRICAS 1. Epressão algébrica Em álgebra, se empregam outros símbolos além dos algarismos. Damos o nome de epressão algébrica ao conjunto de letras e números ligados entre si por

Leia mais

Amplificadores de potência de RF

Amplificadores de potência de RF Amplificadores de poência de RF Objeivo: Amplificar sinais de RF em níveis suficienes para a sua ransmissão (geralmene aravés de uma anena) com bom rendimeno energéico. R g P e RF P CC Amplificador de

Leia mais

Derivada de ordem n. Equação da recta tangente e da recta normal. Polinómio de Taylor

Derivada de ordem n. Equação da recta tangente e da recta normal. Polinómio de Taylor Equação da recta tangente e da recta normal Como já vimos este ano a equação de uma recta na forma reduzida édadapor y y 0 = m(x x 0 ) Também sabemos que o declive da recta tangente ao gráfico de f no

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

Análise Matemática IV

Análise Matemática IV Análie Maemáica IV Problema para a Aula Práica Semana. Calcule a ranformada de Laplace e a regiõe de convergência da funçõe definida em 0 pela expreõe eguine: a f = cha b f = ena Reolução: a Aendendo a

Leia mais

Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes

Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes Resolução de sistemas de equações lineares: Fatorações de matrizes Marina Andretta/Franklina Toledo ICMC-USP 27 de fevereiro de 2015 Baseado no livro Análise Numérica, de R. L. Burden e J. D. Faires. Marina

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

Contabilometria. Séries Temporais

Contabilometria. Séries Temporais Conabilomeria Séries Temporais Fone: Corrar, L. J.; Theóphilo, C. R. Pesquisa Operacional para Decisão em Conabilidade e Adminisração, Ediora Alas, São Paulo, 2010 Cap. 4 Séries Temporais O que é? Um conjuno

Leia mais

Exercícios sobre Trigonometria

Exercícios sobre Trigonometria Universidade Federal Fluminense Campus do Valonguinho Instituto de Matemática e Estatística Departamento de Matemática Aplicada - GMA Prof Saponga uff Rua Mário Santos Braga s/n 400-40 Niterói, RJ Tels:

Leia mais

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra

MATEMÁTICA - 8.º Ano. Ana Soares ) Catarina Coimbra Salesianos de Mogofores - 2016/2017 MATEMÁTICA - 8.º Ano Ana Soares (ana.soares@mogofores.salesianos.pt ) Catarina Coimbra (catarina.coimbra@mogofores.salesianos.pt ) Rota de aprendizage m por Projetos

Leia mais

Universidade dos Açores Departamento de Matemática Curso de Informática Redes e Multimédia Cálculo II

Universidade dos Açores Departamento de Matemática Curso de Informática Redes e Multimédia Cálculo II Universidade dos Açores Departamento de Matemática Curso de Informática Redes e Multimédia Cálculo II Tema : Cálculo diferencial de funções de duas variáveis Este teto foi retirado do manual de apoio à

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Universidade do Esado do Rio de Janeiro Insiuo de Maemáica e Esaísica Economeria Variável dummy Regressão linear por pares Tese de hipóeses simulâneas sobre coeficienes de regressão Tese de Chow professorjfmp@homail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

TEMA I: Interagindo com os números e funções

TEMA I: Interagindo com os números e funções 31 TEMA I: Interagindo com os números e funções D1 Reconhecer e utilizar característictas do sistema de numeração decimal. D2 Utilizar procedimentos de cálculo para obtenção de resultados na resolução

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

Métodos Quantitativos

Métodos Quantitativos Departamento Matemática Métodos Quantitativos Ano 1º Semestre 1º Curso Marketing Grupo Teóricas 1,5 Carga horária semanal Teórico Práticas 3 Prática s/ Lab. 1,5 Seminários Estágios Docente Responsável

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais.

Secção 7. Sistemas de equações diferenciais. 7. Sisemas de equações difereciais Secção 7. Sisemas de equações difereciais. (Farlow: Sec. 6., 6.4 e 6.6) No caso geral, um sisema de equações difereciais de primeira ordem pode ser represeado da seguie

Leia mais

n. 4 DETERMINANTES: SARRUS E LAPLACE

n. 4 DETERMINANTES: SARRUS E LAPLACE n. 4 DETERMINANTES: SARRUS E LAPLACE A toda matriz quadrada está associado um número ao qual damos o nome de determinante. Determinante é uma função matricial que associa a cada matriz quadrada um escalar,

Leia mais

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função

A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função A Segunda Derivada: Análise da Variação de Uma Função Suponhamos que a função y = f() possua derivada em um segmento [a, b] do eio-. Os valores da derivada f () também dependem de, ou seja, a derivada

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

4 Modelo teórico Avaliação tradicional

4 Modelo teórico Avaliação tradicional 4 Modelo eórico 4.1. Avaliação radicional Em economia define-se invesimeno como sendo o ao de incorrer em um cuso imediao na expecaiva de fuuros reornos (DIXIT e PINDYCK, 1994). Nesse senido as empresas

Leia mais

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo PROBLEMAS RESOLVIDOS DE FÍSIA Prof. Anderson oser Gaudio Deparameno de Física enro de iências Eaas Universidade Federal do Espírio Sano hp://www.cce.ufes.br/anderson anderson@npd.ufes.br Úlima aualização:

Leia mais

SUBPROJETO DE MATEMÁTICA-2014 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

SUBPROJETO DE MATEMÁTICA-2014 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E APLICADAS DCEA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO Á DOCÊNCIA (PIBID)

Leia mais