Universidade Gama Filho MAGSON MARTINS MAGALHAES. Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Gama Filho MAGSON MARTINS MAGALHAES. Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos"

Transcrição

1 Universidade Gama Filho MAGSON MARTINS MAGALHAES Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos Brasília 2011

2 MAGSON MARTINS MAGALHAES Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos

3 MAGSON MARTINS MAGALHAES Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos Monografia apresentada à Universidade Gama Filho como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Engenharia de Software. Orientador: Max Bianchi Godoy Brasília, 2011.

4 MAGSON MARTINS MAGALHAES Modernização do Judiciário: Intranet com padrões abertos Monografia julgada e aprovada: Prof Orientador: Max Bianchi Godoy

5 Lista de Figuras Figura 1:...16 Figura Figura Figura 4:...27 Figura 5:...28 Figura 6:...28 Figura 7:...29 Lista de Tabelas Tabela1...31

6 Sumário 1 Introdução Apresentação do Problema de Pesquisa Revisão da Literatura Justificativa Objetivos Metodologia de Pesquisa Descrição dos capítulos Referencial Teórico Intranet Software Livre Framework e Reusabilidade Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Joomla! Técnicas e Ferramentas Apresentação da metodologia de pesquisa Apresentação da sua solução e das soluções que levam aos objetivos Descrição da solução Coleta de dados Avaliação da solução Análise dos resultados Apresentação dos resultados Análise dos resultados Conclusão Apresentação dos principais objetivos atingidos e suas soluções Modelo Atual versus Modelo Proposto Principais contribuições Aspectos positivos e negativos Trabalhos futuros...31

7 6 Referências Bibliográficas...33

8 1 Introdução Este trabalho será um estudo de caso sobre o processo de modernização da intranet da Justiça Federal de Primeiro Grau em Mato Grosso do Sul. O assunto está inserido em duas grandes vertentes, de extrema importância: maior celeridade para o Poder Judiciário; e utilização de tecnologias criadas e mantidas pela comunidade do software livre. 1.1 Apresentação do Problema de Pesquisa Esta pesquisa tem como objeto a reestruturação do atual modelo de intranet em funcionamento na Justiça Federal de Mato Grosso do Sul(JFMS). É um modelo que está implementado desde Desde então sofreu pouco ou nenhum aperfeiçoamento. A atualização das informações é bastante centralizada, ou seja, depende muito da equipe de TI. Os usuários tem pouco ou nenhum acesso à inserção de informações. Dessa forma seu uso fica limitado e não atende plenamente o fim a que se propõe, que é democratizar o acesso às informações divulgadas pela instituição. A inserção de imagens e documentos não é uma tarefa trivial; depende de conhecimentos em HTML e permissões de acesso ao servidor, que pode comprometer a segurança. Não existe um mecanismo de busca. Se é necessário buscar uma informação passada, a tarefa é atribuída à equipe de TI. Por se tratar de um órgão público, o uso de padrões abertos se justifica, de forma a não gerar ônus com licenças. Também pela farta documentação existente em fóruns, sites e livros.

9 1.2 Revisão da Literatura Esta pesquisa basear-se-á em Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo de padrões abertos. Dentre os autores que serão citados nessa pesquisa, tem-se Jakob Nielsen, que tem importantes contribuições no que tange usabilidade de sites e como criá-los focados nos anseios dos usuarios. Outro autores, Ricardo Lima Caratti e Leonardo Mafra Silva, em seu livro Joomla! Avançado, demonstram como desenvolver componentes para Joomla! usando PHP. 1.3 Justificativa Muito se fala a respeito da morosidade do Poder Judiciário no nosso país. Deve-se, em parte, à sistemas de informação de difícil manutenibilidade, difíceis de operar, e muitas vezes deficientes em funcionalidades. Além da deficiência em recursos humanos, principalmente, no aspecto quantitativo. Esta pesquisa pode servir de modelo para que outros órgãos, de todos os poderes, possam criar e manter seus sites de internet e intranet de maneira simplificada e funcional. 1.4 Objetivos Objetivos Gerais O objetivo principal desta pesquisa é apresentar uma nova intranet, baseada no framework Joomla!, com novas funcionalidades e que seja fácil de atualizar Objetivos Específicos Para isso, será implantado um mecanismo de busca, um módulo que servirá para repositório de documentos, e um módulo destinado à inserção de notícias pertinentes a cada setor do órgão.

10 1.5 Metodologia de Pesquisa Este trabalho será um estudo de caso do processo de inovação da atual intranet da JFMS. Os dados serão obtidos diretamente dos servidores da JFMS, e exportados para o novo modelo, utilizando-se as respectivas ferramentas de banco de dados. Todas as etapas do processo serão explicadas. 1.6 Descrição dos capítulos No primeiro capítulo, é apresentado o problema e sua importância no contexto em que se insere. Neste capítulo será explicado como é o ambiente computacional e pessoal da instituição. Serão explicadas quais tecnologias foram utilizadas no modelo atual. No segundo capítulo, como forma de elucidar alguns conceitos, serão mostrados o que já existe na literatura e na internet a respeito do assunto. O terceiro e quarto capítulos, descreverão a solução adotada para o problema em questão. Finalmente, as conclusões sobre o trabalho, se os objetivos foram alcançados ou não e projeções para futuros trabalhos. 2 Referencial Teórico Neste capítulo, alguns conceitos serão apresentados, bem como a opinião de alguns autores sobre o que existe na literatura a respeito do tema desta monografia. 2.1 Intranet

11 Conceitualmente, segundo Thing(2003,p.446) Uma intranet é uma rede privada que está contida dentro de uma empresa. O termo intranet comumente é confundido com internet e até mesmo com extranet. Tal confusão justifica-se pela similaridade dos termos e também de tecnologias sobre as quais estão suportadas. Uma intranet utiliza TCP/IP, HTTP e outros protocolos da internet, e, de maneira geral, se parece com uma versão privada da internet. [...]Quando parte de uma intranet é tornada acessível a clientes, sócios, fornecedores de fora da empresa, esta parte torna-se parte de uma extranet.(thing, 2003, p.446) O principal intuito de uma intranet é o compartilhamento de informações e recursos computacionais no ambiente interno da instituição. 2.2 Software Livre O uso de software livre tem sido uma tendência e recomendado fortemente para ser usado no governo, em todas as esferas. Documentos oficiais, produzidos pelo próprio governo federal, a seguir discriminados, que sinalizam essa tendência do uso do software livre. Conceitua-se então: Software Livre é o software disponibilizado, gratuitamente ou comercializado, com as premissas de liberdade de instalação; plena utilização; acesso ao código fonte; possibilidade

12 de modificações/aperfeiçoamentos para necessidades específicas; distribuição da forma original ou modificada,com ou sem custos. (RIBEIRO, ) Como pode-se observar, quando se fala que um software é livre não quer dizer que não possa ser vendido. Portanto [...]não confundir software livre com software grátis porque a liberdade associada ao software livre de copiar, modificar e redistribuir, independe de gratuidade. Existem programas que podem ser obtidos gratuitamente mas que não podem ser modificados, nem redistribuídos. (HEXSEL,2002) O governo federal sinalizou que é favorável quando através do Decreto nº 3294 de 15 de dezembro de 1999, criou o Programa Sociedade da Informação (Socinfo), subordinado ao Ministério da Ciência e Tecnologia(MCT), cujo objetivo é [...] integrar, coordenar e fomentar ações para a utilização de tecnologias de informação e comunicação, de forma a contribuir para que a economia do país tenha condições de competir no mercado global e, ao mesmo tempo, contribuir para a inclusão social de todos os brasileiros na 1Definição adaptada de RIBEIRO, Daniel Darlen Corrêa. Software Livre na Administração Pública. Estudo de caso sobre adoção do SAMBA na Auditoria Geral do Estado de Minas Gerais. Lavras, UFLA, Monografia de conclusão do curso de Especialização em Administração de Redes Linux.

13 nova sociedade O acesso ao código-fonte dos programas garante a todos, inclusive à Administração Pública, liberdade para se aperfeiçoar e adequar às suas necessidades. Para tanto, é necessário conhecimento. Pois de acordo com Takahashi(2000): O conhecimento tornou-se, hoje mais do que no passado, um dos principais fatores de superação de desigualdades, de agregação de valor, criação de emprego qualificado e de propagação do bemestar. A nova situação tem reflexos no sistema econômico e político. A soberania e a autonomia dos países passam mundialmente por uma nova leitura, e sua manutenção que é essencial depende nitidamente do conhecimento, da educação e do conhecimento científico e tecnológico. Com o intuito de estabelecer condições de interação com os demais poderes e esferas de governo e com a sociedade em geral, o governo federal estabeleceu um conjunto de políticas, premissas e especificações técnicas denominada Arquitetura e-ping Padrões de Interoperabilidade 2 de Governo Eletrônico. Dentre suas especificações, preconiza sua preferência pelo uso de padrões abertos conforme 2 Os conceitos de interoperabilidade adotados nesta arquitetura estão evidenciados no Documento de Referência, disponível em

14 especificado: [...] a e-ping define que, sempre que possível, serão adotados padrões abertos nas especificações técnicas. Padrões proprietários são aceitos, de forma transitória, mantendo-se as perspectivas de substituição assim que houver condições de migração. Sem prejuízo dessas metas, serão respeitadas as situações em que haja necessidade de consideração de requisitos de segurança e integridade de informações. Quando disponíveis, soluções em Software Livre serão consideradas preferenciais. (Documento de Referência Versão 4 p.9) 2.3 Framework e Reusabilidade Framework e reusabilidade são conceitos que estão fortemente ligados. Conceitua-se então framework como: uma estrutura genérica que pode ser ampliada para criar um subsistema ou uma aplicação mais específica. Essas estruturas são constituídas de um conjunto de classes abstratas e concretas e interface entre elas. (SOMMERVILLE 2007, p.282) Sommerville(2007), explica ainda que as aplicações que são construídas com o uso de frameworks podem ser a base para outras oportunidades de reuso. 2.4 Sistema de Gerenciamento de Conteúdo

15 Sistema de Gerenciamento de Conteúdo vem do termo em inglês Content Management System(CMS). Em seu Dicionário de Tecnologia, Thing(2003,p.178) define que é um sistema utilizado para gerenciar o conteúdo de um website. Um sistema de gerenciamento de conteúdo provê o ambiente e os elementos necessários para que os administradores ou autores de conteúdo criem modifiquem, e removam o conteúdo de um website sem a necessidade de conhecimento programação em HTML(Hypertext Markup Language) ou da ajuda de um webmaster. Esse conteúdo podem ser: texto, música, vídeo, fotos, documentos ou quaisquer outras coisa que se queiram publicar Joomla! Joomla! é um sistema de gerenciamento de conteúdo, baseado em software livre, essencialmente PHP e MySQL. Tem sido largamente difundido no mundo, devido à sua facilidade de utilização e instalação, e também pelo fato de ter uma grande comunidade que contribui para o seu desenvolvimento, mais de usuários, conforme consultado no site do projeto(www.joomla.org). Além de ser um Sistema de gerenciamento de conteúdo, é também um framework baseado em MVC(Modelo-Visão-Controle), que permite extender suas funcionalidades conforme a necessidade de cada negócio. 3 Técnicas e Ferramentas Neste capítulo, serão mostrados os procedimentos e técnicas utilizados no processo de migração da intranet.

16 3.1 Apresentação da metodologia de pesquisa Neste estudo de caso, os métodos utilizados para a migração serão os seguintes: Extração dos dados a serem migrados da intranet atual. Para isso serão utilizados códigos escritos em PHP. Transformação dos dados extraídos para uma estrutura em arquivo XML. Para a transformação serão utilizados modelos XSLT versão 1.0. Geração de um script SQL para importação na nova base de dados. Importação do arquivo SQL gerado no formato da estrutura de dados do Joomla. Servidores com sistema operacional Linux, rodando apache2(servidor http) com suporte a PHP5. FireBird e MySql como servidores de Gerenciamento de Banco de Dados(SGBD) Joomla 1.5 como Sistema de Gerenciamento de Conteúdo O componente Jdownloads, que é uma extensão instalada no Joomla para gerenciamento de arquivos para downloads.

17 A figura 1 ilustra como será esse processo Figura 1: 3.2 Apresentação da sua solução e das soluções que levam aos objetivos

18 Seguindo a premissa dividir para conquistar, a solução proposta consiste em transformações sucessivas de arquivos no formato XML. Embora pareçam redundantes em suas fases, esse particionamento foi proposto visando a facilitar a documentação, facilitar a detecção de erros durante o processo de migração de dados e facilitar o entendimento das pessoas que possam participar do projeto. 3.3 Descrição da solução Numa primeira etapa, definir quais dados serão migrados e em que tabelas e diretórios estão armazenados. No caso em questão, serão migrados as notícias, seus dados de dependência relacional e os respectivos documentos de cada seção da intranet. Tais informações encontram-se nas tabelas SECAO, NOTICIAS e DOCUMENTOS do SGBD Interbase. Na etapa seguinte, exportar os dados das tabelas para uma arquivo no formato XML mantendo a estrutura dos seus relacionamentos. Para extrair os dados cada tabela será escrito um código em PHP. Após as tabelas estarem devidamente exportadas, aplicam-se os arquivos de transformação (XSLT). A importância desta etapa está em tratar os dados para adequá-los à estrutura das tabelas que o Joomla utiliza. Para aplicar os arquivos de transformação utilizou-se o programa xsltproc da biblioteca libxslt para linguagem C. Esta ferramenta permite executar as transformações através da linha de comando de um terminal Linux. A sintaxe de sua utilização é: xsltproc [opções] arquivo_stylesheet_xsl arquivo_a_ser_transformado

19 [arquivo_de_saida...] A última etapa consiste em importar os dados migrados para as tabelas do MySql já na estrutura no Joomla e copiar os documentos para o diretório de instalação do componente JDownloads mantendo a mesma estrutura de diretórios. 3.4 Coleta de dados Os dados utilizados neste caso de uso foram extraídos diretamente dos servidores da Justiça Federal em sua rede local. Abaixo, seguem as transcrições dos códigos utilizados na coleta de dados, resguardados usuários e senhas de acesso: <? Arquivo geraxml.php require("ibasedb.php"); require("classe.php"); require("migracao.php"); require("intranet.conf"); $db = new intranet();?> $db->mostrasecao(); //gera XML da tabela SECAO $db->mostranoticia(); // gera XML da tabela NOTICIA $db->mostradocumento(); //gera XML da tabela DOCUMENTO As funções chamadas encontram-se no arquivo migração.php. Os demais arquivos requeridos no cabeçalho são arquivos de configuração e conexão ao SGBD Interbase e não serão explicitados. Abaixo, a funções que foram instanciadas no arquivo geraxml.php Arquivo migracao.php <?php function mostranoticia(){//$codigo){

20 $fp = fopen('noticias.xml', 'a+'); $campo="<?xml version=\"1.0\" encoding=\"iso \"?><noticias>"; //adiciona ao arquivo xml $sqltmp = "SELECT * FROM NOTICIA ORDER BY DATA DESC"; if ($this->query($sqltmp)){ while ($array = ibase_fetch_object($this->result)) { $dados = $array; $campo = "<registro>\n<codnoticia>".$dados- >COD_NOTICIA."</codnoticia>\n"; //abre campo titulo $campo = "<titulo><![cdata[".$dados- >TITULO."]]></titulo>\n"; //adiciona ao arquivo xml //abre campo data $campo = "<data>".$dados->data."</data>\n"; //adiciona ao arquivo xml $campo = "<servidor>".$dados- >SERVIDOR."</servidor>\n"; //adiciona ao arquivo xml $campo = "< >".$dados-> ."</ >\n"; //$campo = "<registro>\n<cod_secao>".$dados- >COD_SECAO."</cod_secao>\n"; // //abre campo data $campo = "<codsecao>".$dados- >COD_SECAO."</codsecao>\n"; //mostrando $campo = "<conteudo><![cdata[".$this- >retornaconteudo($dados->conteudo,'1')."]]></conteudo>\n</registro>\n"; }//FECHA WHILE }//FECHA IF $campo="</noticias>"; //FINALIZA O ARQUIVO XML fclose($fp);

21 } function mostrasecao(){ //$codigo){ $sqltmp = "SELECT * FROM SECAO ORDER BY COD_SECAO";// WHERE CODIGO = $codigo ORDER BY CODIGO"; $fp = fopen('secao.xml', 'a+'); $campo="<?xml version=\"1.0\" encoding=\"iso \"?><tabelasecao>"; //adiciona ao arquivo xml if ($this->query($sqltmp)){ while ($array = ibase_fetch_object($this->result)){ $dados = $array; //abre campo titulo $campo = "<registro>\n<cod_secao>".$dados- >COD_SECAO."</cod_secao>\n"; $campo = "<cod_pai>".$dados->cod_pai."</cod_pai>\n"; //abre campo data $campo = "<nome><![cdata[".$dados->nome."]]></nome>\n"; //mostrando $campo = "<conteudo><![cdata[".$this->retornaconteudo($dados- >CONTEUDO,'1')."]]></conteudo>\n</registro>\n"; //adiciona ao arquivo xml }//fim while } //fim if $campo="</tabela-secao>"; //adiciona ao arquivo xml fclose($fp); } //**** exporta tabela documento function mostradocumento(){//$codigo){ $fp = fopen('documento.xml', 'a+'); $campo="<?xml version=\"1.0\" encoding=\"iso \"?><tabeladocumento>"; //adiciona ao arquivo xml $sqltmp = "SELECT * FROM DOCUMENTO ORDER BY DATA DESC"; if ($this->query($sqltmp)){ while ($array = ibase_fetch_object($this->result)) { $dados = $array;

22 //abre campo titulo $campo = "<registro>\n<titulo><![cdata[".$dados- >TITULO."]]></titulo>\n"; //abre campo data $campo = "<data>".$dados->data."</data>\n"; $campo = "<codsecao>".$dados- >COD_SECAO."</codsecao>\n"; //mostrando $campo = "<caminho><![cdata[".$dados- >CAMINHO."]]></caminho>\n</registro>\n"; }//FECHA WHILE }//FECHA IF }?> $campo="</tabela-documento>"; //FINALIZA O ARQUIVO XML fclose($fp); Como resultado da chamada dessas funções, obteve-se três arquivos que posteriormente foram unidos dentro um arquivo único chamado tabelas.xml sob o nó <tabelas>. Aplicam-se os arquivos de transformação(xsl). No caso em questão utilizou-se a seguinte seqüência comandos executado em um terminal Linux: xsltproc o passo1.xsl tabelas.xml passo1.xml xsltproc o passo2.xsl passo1.xml passo2.xml xsltproc o passo3.xsl passo2.xml joomla.sql Abaixo seguem o conteúdo dos arquivos passo1.xsl, que transforma a estrutura extraída das tabelas do Interbase para uma estrutura intermediária que organiza os dados de forma hierárquica: Arquivo passo1.xsl <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform">

23 <xsl:output method="xml" version="1.0" encoding="iso " indent="yes" cdata-section-elements="conteudo caminho titulo" /> <xsl:template match="/"> <intranet> <!--secoes--> <xsl:for-each select="/tabelas/tabela-secao/registro"> <secao> <codigo><xsl:value-of select="./cod_secao/text()"/></codigo> <codigo_pai><xsl:value-of select="./cod_pai/text()"/></codigo_pai> <nome><xsl:value-of select="./nome/text()"/></nome> <conteudo> <xsl:value-of select="./conteudo/text()" disable-output-escaping="yes"/> </conteudo> <!--documentos--> <xsl:variable name="codigosecaoatual" select="./cod_secao/text()"></xsl:variable> <xsl:for-each select="/tabelas/tabeladocumento/registro"> <xsl:if test="/tabelas/tabeladocumento/registro/codsecao/text()=$codigosecaoatual"> <documento> <titulo><xsl:value-of select="./titulo/text()"/></titulo> <data><xsl:value-of select="./data/text()"/></data> <caminho><xsl:value-of select="./caminho/text()"/></caminho> </documento> </xsl:if> </xsl:for-each> <!--/documentos--> <!--noticias--> <xsl:for-each select="/tabelas/noticias/registro"> <xsl:if test="/tabelas/noticias/registro/codsecao/text()=$codigosecaoatual"> <noticia> <titulo><xsl:value-of select="./titulo/text()"/></titulo> <data><xsl:value-of select="./data/text()"/></data> <servidor><xsl:value-of select="./servidor/text()"/></servidor> < ><xsl:value-of select="./ /text()"/></ > <secao><xsl:value-of select="./secao/text()"/></secao> <conteudo> <xsl:value-of select="./conteudo/text()" disable-output-escaping="yes"/> </conteudo> </noticia> </xsl:if>

24 </xsl:for-each> <!--/noticias--> </secao> </xsl:for-each> <!--/secoes--> </intranet> </xsl:template> </xsl:stylesheet> No arquivo XSL seguinte, os dados são transformados para a estrutura de dados que é utilizada no Joomla. Arquivo passo2.xsl <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform"> <xsl:output method="xml" version="1.0" encoding="iso " indent="yes" cdata-section-elements="fulltext title description caminho conteudo" /> <xsl:template match="/"> <intranet> <componente> <conteudo> <xsl:for-each select="/intranet/secao"> <secao> <id><xsl:value-of select="./codigo/text()"/></id> <title><xsl:value-of select="./nome/text()"/></title> <description><xsl:value-of select="./conteudo/text()"/></description> <categoria> <id><xsl:value-of select="./cod_secao/text()"/></id> <title>noticias</title> <alias>noticias</alias> <section><xsl:value-of select="./cod_secao/text()"/></section> <description>notícias Relacionadas à Seção</description> <xsl:for-each select="./noticia"> <artigo> <!--<id/>--> <title><xsl:value-of select="./titulo/text()"/></title> <created_by_alias><xsl:value-of select="./servidor/text()"/></created_by_alias> <fulltext><xsl:value-of select="./conteudo/text()"/></fulltext> <created><xsl:value-of select="./data/text()"/></created> </artigo>

25 </xsl:for-each> </categoria> </secao> </xsl:for-each> </conteudo> <downloads> <xsl:for-each select="/intranet/secao"> <secao> <categoria> <xsl:for-each select="./documento"> <arquivo> <titulo><xsl:value-of select="./titulo/text()"/></titulo> <data><xsl:value-of select="./data/text()"/></data> <caminho><xsl:value-of select="./caminho/text()"/></caminho> </arquivo> </xsl:for-each> </categoria> </secao> </xsl:for-each> </downloads> </componente> </intranet> </xsl:template> </xsl:stylesheet> Arquivo passo3.xsl <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform"> <xsl:output method="text" version="1.0" encoding="iso " /> <xsl:template match="/" > <xsl:for-each select="/intranet/componente/conteudo/secao" > <xsl:variable name="codsecao"><xsl:value-of select="./id/text()"/></xsl:variable> <xsl:variable name="apos">'</xsl:variable> <xsl:variable name="apos2">\'</xsl:variable> <xsl:variable name="description"><xsl:value-of select="./description/text()"/></xsl:variable> <xsl:variable name="description2"> <xsl:call-template name="replace-string"> <xsl:with-param name="text" select="$description"/> <xsl:with-param name="replace" select="$apos"/> <xsl:with-param name="with" select="$apos2"/> </xsl:call-template> </xsl:variable> <xsl:text>insert INTO JOS_SECTIONS (id,title,description,alias,scope,published) VALUES ('</xsl:text><xsl:value-of select="$codsecao" />','<xsl:value-of se-

26 lect="./title/text()"/>','<xsl:value-of select="$description2"/>','<xsl:value-of select="$codsecao"/><xsl:text >','content','1');</xsl:text> <xsl:for-each select="./categoria"> <xsl:text> INSERT INTO JOS_CATEGORIES (parent_id, title, name, alias, section, image_position, description, published) VALUES ('0', 'Notícias', '', 'noticias', '</xsl:text><xsl:value-of select="$codsecao"/>', 'left', '<xsl:value-of select="./conteudo/text()"/><xsl:text>', '1'); </xsl:text> <xsl:for-each select="./artigo"> <xsl:variable name="fulltext"><xsl:value-of select="./fulltext/text()"/></xsl:variable> <xsl:variable name="fulltext2"> <xsl:call-template name="replace-string"> <xsl:with-param name="text" select="$fulltext"/> <xsl:with-param name="replace" select="$apos"/> <xsl:with-param name="with" select="$apos2"/> </xsl:call-template> </xsl:variable> <xsl:text> INSERT INTO JOS_CONTENT ( title, alias,`fulltext`, state, sectionid, mask, catid, created, created_by, created_by_alias ) VALUES ( '</xsl:text><xsl:value-of select="./title/text()"/>', 'noticia- <xsl:value-of select="$codsecao"/>', '<xsl:value-of select="$fulltext2"/>', '1', '<xsl:value-of select="$codsecao"/>', '0','<xsl:value-of select="$cod- Secao"/>', '<xsl:value-of select="./created/text()"/>', '62', '<xsl:valueof select="./created_by_alias/text()"/><xsl:text>');</xsl:text> </xsl:for-each> </xsl:for-each> </xsl:for-each> <!-- <downloads> <xsl:for-each select="/intranet/secao"> <secao> <categoria> <xsl:for-each select="./documento"> <arquivo> <titulo><xsl:value-of select="./titulo/text()"/></titulo> <data><xsl:value-of select="./data/text()"/></data> <caminho><xsl:value-of select="./caminho/text()"/></caminho> </arquivo> </xsl:for-each> </categoria> </secao> </xsl:for-each> </downloads> --> </xsl:template> <xsl:template name="replace-string"> <xsl:param name="text"/> <xsl:param name="replace"/> <xsl:param name="with"/>

27 <xsl:choose> <xsl:when test="contains($text,$replace)"> <xsl:value-of select="substring-before($text,$replace)"/> <xsl:value-of select="$with"/> <xsl:call-template name="replace-string"> <xsl:with-param name="text" select="substring-after($text,$replace)"/> <xsl:with-param name="replace" select="$replace"/> <xsl:with-param name="with" select="$with"/> </xsl:call-template> </xsl:when> <xsl:otherwise> <xsl:value-of select="$text"/> </xsl:otherwise> </xsl:choose> </xsl:template> </xsl:stylesheet> 3.5 Avaliação da solução Esta solução foi buscada, visando a ser a mais simples e menos traumática possível. O uso de tecnologias de padrão aberto facilita a busca por documentações e troca de experiências com outros usuários, através de fóruns e listas de discussões. Além disso muitas dessas tecnologias já estão maduras e estáveis o suficiente para garantir a segurança e a integridade das informações por elas tratadas. 4 Análise dos resultados Neste capítulos depois de os dados terem sido coletados e migrados para a nova estrutura, apresentam-se os resultados. 4.1 Apresentação dos resultados As figura 2 e 3 mostram um print de tela da intranet antiga e seu respectivo editor para inserção de notícias e artigos. Figura 2

28 Figura 3 As figuras 4, 5 e 6 mostram a página inicial da nova intranet, a página administrativa e o editor de artigos e notícias.

29 Figura 4: Figura 5:

30 Figura 6: Na figura 7, é apresentada um exemplo de uma notícia com a inserção de imagens em seu conteúdo.

31 Figura 7: 4.2 Análise dos resultados Ao compararmos as duas estruturas, percebe-se que a migração ocorreu da maneira esperada. Os métodos utilizados atenderam a todas etapas do processo de migração. Porém, algumas dificuldades foram encontradas. Dentre elas, alguns caracteres não textuais que apareceram como sujeira durante a transformação dos arquivos intermediários. Essas sujeiras foram resultaram do fato de o conteúdo das notícias estarem armazenados no formato BLOB (do inglês: Binary Large OBject, que significa grande objeto binário na tradução literal). Outro impasse surgiu de textos que coincidiam com palavras reservadas da linguagem SQL e acabaram gerando um conflito na importação da consulta. Esses caracteres precisaram ser tratados ou removidos para não comprometer o processo de migração.

32 5 Conclusão Este trabalho mostrou o processo de migração de dados de uma intranet com uma estrutura tecnológica arcaica e de certa forma obsoleta para uma nova estrutura mais otimizada e funcional. 5.1 Apresentação dos principais objetivos atingidos e suas soluções O objetivo geral que era a implantação de um intranet utilizando-se o framework Joomla como sistema de gerenciamento de conteúdo foi alcançado. Para os objetivos específicos, todos os itens propostos também foram contemplados neste caso de uso: o mecanismo de busca, o repositório de documentos e o módulo de notícias. O mecanismo de busca, representa neste estudo de caso o item mais importante, pois era uma funcionalidade que não existia na estrutura anterior. Com tal funcionalidade, a busca por informações torna-se uma tarefa simples e representa um avanço no gerenciamento da informação que é o item mais valioso numa instituição do gênero Modelo Atual versus Modelo Proposto Como forma de tornar clara a diferença entre os modelos, uma tabela comparativa das funcionalidades é apresentada:

33 Modelo Modelo Atual Proposto conteúdo Pesquisa de Não Sim Utilização de Sim, restrito a 1 Sim, sem imagens Interface de gerenciamento amigável Manutenibilidad e Tabela 1 por artigo ou notícia Não Difícil restrições Sim Fácil 5.2 Principais contribuições Dentre as principais contribuições pode-se citar a apresentação de um método para a atualização tecnológica de sites dinâmicos para um sistema que tem sido largamente utilizado que é o Joomla. 5.3 Aspectos positivos e negativos O método utilizado neste estudo de caso pode ser usado como referência para um processo de migração. As dificuldades encontradas neste trabalho muito provavelmente não serão as mesmas mas a experiência obtida com este estudo servirá de base para nortear um novo trabalho. 5.4 Trabalhos futuros

34 Um projeto que será executado com brevidade será a atualização tecnológica da página de Internet da Justiça Federal de Mato Grosso do Sul. A página atual segue a mesma estrutura da intranet, logo, o mesmo método poderá ser aplicado.

35 6 Referências Bibliográficas HEXSEL, Roberto André. Propostas de Ações de Governo para Incentivar o Uso de Software Livre. Curitiba,UFPR Relatório Técnico RT-DINF 004/2002. Disponível em TAKAHASHI, Tadao (Org.). Sociedade da Informação no Brasil. Livro Verde. Brasília, Ministério da Ciência e Tecnologia e-ping. Padrões de interoperabilidade de Governo Eletrônico. Documento de Referência Versão 4 pág. 9 Consultado em 09/11/2010.

extensible Stylesheet Language (XSL) XSL descreve como fazer o display de um documento XML. XSL é uma espécie de style sheets para XML...

extensible Stylesheet Language (XSL) XSL descreve como fazer o display de um documento XML. XSL é uma espécie de style sheets para XML... extensible Stylesheet Language (XSL) XSL descreve como fazer o display de um documento XML. XSL é uma espécie de style sheets para XML...... do mesmo modo que CSS são style sheets para HTML. 1 XSL engloba

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Introdução 13/06/2012. Software Livre

Introdução 13/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec

Guia de Consulta Rápida. PHP com XML. Juliano Niederauer. Terceira Edição. Novatec Guia de Consulta Rápida PHP com XML Juliano Niederauer Terceira Edição Novatec Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services

Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Arquitetura de Workflow em Plone e Web Services Elisandra Fidler Pez, Heitor Strogulski Núcleo de Processamento de Dados Universidade de Caxias do Sul (UCS) Caxias do Sul, RS Brasil {efidler, hstrogul}@ucs.br

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46

Sumário. Capítulo 1 Revisão de PHP... 19. Capítulo 2 Melhorando o processamento de formulários... 46 9 Sumário O Autor... 8 Introdução... 15 Quem deve ler este livro... 15 Como este livro está organizado...16 Download do código-fonte do livro... 18 Capítulo 1 Revisão de PHP... 19 Iniciando em PHP... 19

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas

Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Universidade Federal de Viçosa CPD - Central de Processamento de Dados Divisão de Desenvolvimento de Sistemas Manual de padrões e convenções para desenvolvimento de sistemas PHP Versão Conteúdo 1.

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get

Manual de Instalação. Instalação via apt-get Manual de Instalação Instalação via apt-get Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação......................................... 01 2 - Instalando o SIGA-ADM.................................................

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25

Sumário. Capítulo 1 O que é o PHP?... 19. Capítulo 2 Instalação do PHP... 23. Capítulo 3 Noções básicas de programação... 25 9 Sobre o autor... 8 Introdução... 15 Capítulo 1 O que é o PHP?... 19 Características do PHP...20 Gratuito e com código aberto...20 Embutido no HTML...20 Baseado no servidor...21 Bancos de dados...22 Portabilidade...22

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO

ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO CONCORRÊNCIA DIRAD/CPLIC-008/2008 1 ANEXO III PERFIL DOS PROFISSIONAIS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PARA MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO 1. INFORMAÇÕES GERAIS E CARACTERÍSTICA DO ATUAL AMBIENTE CORPORATIVO

Leia mais

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED

Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Justificativa do uso da Linguagem XML no Projeto RIVED Índice Introdução... 1 Sobre a linguagem XML... 2 O que é XML (extensible Markup Language)?... 2 Características da Linguagem...3 Sobre o seu uso...

Leia mais

Autor: Ricardo Francisco Minzé Júnior - ricardominze@yahoo.com.br Desenvolvendo aplicações em camadas com PHP 5.

Autor: Ricardo Francisco Minzé Júnior - ricardominze@yahoo.com.br Desenvolvendo aplicações em camadas com PHP 5. Desenvolvendo aplicações em camadas com PHP 5. Talvez a primeira vista você ache estranha a palavra Camada em programação, mas o que vem a ser Camada? Segundo o dicionário: Camada 1 - Qualquer matéria

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PROFESSOR CARLOS HENRIQUE GRILO DINIZ Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) XML: uma introdução prática X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em março de 2007 1 Fundamentos de transformação A transformação XSLT é realizada sobre a árvore de um documento-fonte

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

A opção de CMS que vem crescendo rápido. Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes

A opção de CMS que vem crescendo rápido. Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes A opção de CMS que vem crescendo rápido Bruno Gomes Cláudio Barbosa Cláudio Gomes Uma evolução do Mambo, o Joomla! é um gerenciador de conteúdo open source baseado em PHP e MySQL que possui um bom número

Leia mais

Curso de Joomla na Prática

Curso de Joomla na Prática Curso de Joomla na Prática Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT

ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT ALÉM DO BUG TRACKING : GERENCIANDO O SETOR DE SUPORTE COM O MANTISBT Juliano Flores Prof. Lucas Plautz Prestes Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Gestão de Tecnologia da Informação (GTI034)

Leia mais

Desenvolvimento de Software Livre para a área

Desenvolvimento de Software Livre para a área Desenvolvimento de Software Livre para a área de Saúde Daniel Weingaertner Departamento de Informática UFPR Centro de Computação Científica e Software Livre C3SL Programa de Extensão Conhecendo Padrões

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15 Introdução ao Plone Sumário O que é Gestão de Conteúdo O que é Conteúdo Principais características de um CMS O que é o Plone Tipos de conteúdo no Plone Metadados Templates Interface do portal Gestão de

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 ABRIR CONEXÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 2 Professor: Leonardo Pereira Email: leongamerti@gmail.com Facebook: leongamerti Material de Estudo: http://www.leonti.vv.si Antes de podermos acessar informações

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 27 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 27-26/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02 Manual de Instalação Instalação via apt-get SIGA-ADM versão 12.02 Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação..................................................... 05 2 - Instalando o SIGA-ADM..............................................................

Leia mais

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software

Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Customização de Software como um Meio para o Desenvolvimento de Sistemas de Software Thiago Bianchi 1 Elisa Yumi Nakagawa 2 1 IBM - International Business Machines 04753-080, São Paulo, SP, Brazil tbianchi@br.ibm.com

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO SISGED - SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 04/2011 1.0 Primeira versão. Priscila Drielle Sumário

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. PHP e Banco de Dados. progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza PHP e Banco de Dados progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net PHP e Banco de Dados É praticamente impossível

Leia mais

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROVA DE NÍVEL SUPERIOR. CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROVA DE NÍVEL SUPERIOR CARGO: Técnico de Nível Superior Júnior II - TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1. O ambiente Delphi suporta o desenvolvimento de aplicações orientadas a objetos por meio da linguagem Object

Leia mais

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza

Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012. Leandro de Matos Pereira. Leandro dos Santos Marciano. Ramon Alves de Souza Integrantes: Catarino Rodrigues Data: 26/10/2012 Leandro de Matos Pereira Leandro dos Santos Marciano Ramon Alves de Souza Disciplina: Banco de Dados para Internet Tema do Trabalho: Tecnologias para acesso

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados.

UFES Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Disciplina de Banco de Dados. Ativando o MySQL Tutorial MySQL Passo1: Verificar onde (path, caminho) o MySQL está instalado. Figura 1. Diretório de instalação do MySQL Nome do Arquivo MySqld Mysqld-debug Mysqld-nt Mysqld-max Mysqld-max-nt

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1.

Modelos de Sistema. 2007 by Pearson Education. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1. Modelos de Sistema Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 8 Slide 1 Objetivos Explicar por que o contexto de um sistema deve ser modelado como parte do processo de RE Descrever

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Rotina de Discovery e Inventário

Rotina de Discovery e Inventário 16/08/2013 Rotina de Discovery e Inventário Fornece orientações necessárias para testar a rotina de Discovery e Inventário. Versão 1.0 01/12/2014 Visão Resumida Data Criação 01/12/2014 Versão Documento

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem PHP Mail() e BD @wre2008 1 Sumário Função mail(); Conexão com Banco de dados; @wre2008 2 Envio de e-mail O comando mail(): é a função do PHP para envio de e-mail.

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9

DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 DESENVOLVENDO SOLUÇÕES COM VISUAL FOXPRO 8 E 9 Í N D I C E Capítulo 1 - O Início de Tudo 1 Reunindo todas as informações necessárias 2 Instalando o Visual FoxPro 2 Configurando o Visual FoxPro 7 Capítulo

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

Classes de Entidades Persistentes JDB

Classes de Entidades Persistentes JDB Classes de Entidades Persistentes JDB Brasil, Natal-RN, 07 de setembro de 2011 Welbson Siqueira Costa www.jdbframework.com Nota de Retificação: em 11/12/2011 a Listagem 3 desse tutorial sofreu uma pequena

Leia mais

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda.

Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. 4a Edição Novatec Copyright 2008, 2013 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente:

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS. Software livre se refere à liberdade dos usuários com relação ao software, mais precisamente: ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS Unidade IV DEFINIR A MELHOR SOLUÇÃO DE BANCO DE DADOS PARA AS NECESSIDADES DA EMPRESA.1 O uso das tecnologias.1.1 O software livre 1 A tecnologia de banco de dados, assim

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

AUTOR(ES): MARGHEL RAIMUNDO DA COSTA VASCONCELOS, BRUNO ALEXANDRE PEREIRA, SERGIO DIAS VIEIRA

AUTOR(ES): MARGHEL RAIMUNDO DA COSTA VASCONCELOS, BRUNO ALEXANDRE PEREIRA, SERGIO DIAS VIEIRA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: RECONHECIMENTO DE GESTOS - OPENCV CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS

PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS PROJETO POR UM SISTEMA NACIONAL DE OUVIDORIAS PÚBLICAS: POSSIBILIDADES E OBSTÁCULOS Natureza dos problemas ESTRUTURAL E CONJUNTURAL Estrutural 1. Ausência de efetividade em alguns modelos de ouvidorias.

Leia mais

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas.

Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. MySQL 101 Recapitulando Os dados no MySQL são armazenado em tabelas. Uma tabela é uma colecção de informação relacionada e consiste em colunas e linhas. As bases de dados são úteis quando necessitamos

Leia mais

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER

MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER MONITORAMENTO REMOTO DO CONSUMO DE ÁGUA UTILIZANDO SOFTWARE DE INTERFACE HOMEM-MÁQUINA - HIDROAER Alex Lage de Morais 1 ; Wilson Cabral de Sousa Jr. 2 ;Elaine Nolasco Ribeiro 3 RESUMO - Uma parte do projeto

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB PHP Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Onde Estamos Introdução a hipertexto. A linguagem HTML. Ambientes para programação

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais