Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Matemática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Lisboa Faculdade de Ciências Departamento de Matemática"

Transcrição

1 Uivesidade de Lisboa Facldade de Ciêcias Depatameto de Matemática A temática das Scessões os cíclos de Matemática Aa Magaida Caasco Coeia Tocão Dissetação Mestado em Matemática paa Pofessoes 0/ 0 (Não tilizo o ovo acodo otogáfico) Uivesidade de Lisboa

2 Facldade de Ciêcias Depatameto de Matemática A temática das Scessões os cíclos de Matemática Aa Magaida Caasco Coeia Tocão Dissetação Mestado em Matemática paa Pofessoes Dissetação elaboada sob oietação de: Pofessoa Dotoa Szaa Nápoles, Pofessoa Axilia do Depatameto de Matemática da Facldade de Ciêcias da Uivesidade de Lisboa

3 Smáio: Petede-se este tabalho aalisa como as scessões são tabalhadas os difeetes íveis de esio, do básico ao speio, e pespetiva abodages qe poteciem o se estdo em cotextos vaiados, favoecedo o estabelecimeto de coexões ete a álgeba e a geometia. Smmay of Maste s Thesis which title is The theme of sccessios i the Mathematics ciclm. The aim of this wok is to aalyze how the seqeces ae woked at diffeet levels of edcatio, fom basic to highe edcatio, ad otlie appoaches that ehace thei stdy i diffeet cotexts, favoig the establishmet of coectios betwee algeba ad geomety.

4 Agadecimetos Costma dize-se qe mitas coisas da ossa vida acotecem qado meos espeamos. E, a ealização deste mestado tão pesado e desejado, mas deixado paa m dia ão foi excepção... Tdo começa (iespeadamete) qado vo leccioa apoios pedagógicos acescidos (APAs) paa a Escola EB, Piscias os Olivais e coheço a coodeadoa do Gpo de Matemática, a Pofessoa Magaida Oliveia. Este fatástico se hmao covida ifomalmete todos os colegas de gpo a assistiem a mas palestas sobe Isometias. Essas sessões macaam, sem dúvida algma, o me pecso fomativo! As palestas semaais o qizeais eam miistadas po m seho com ma agilidade metal cotagiate, m seho distito, peclia e algo ieveete as sas ideias, bem como a foma de as expo, tedo aida ma otável desevolta as ovas tecologias da Apple! Falo do admiável e iesqecível Pofesso Edado Veloso. Um octogeáio com m espíito jovial e com m paze imeso em patilha os ses cohecimetos! No decoe destas sessões, tive opotidade de cometa com a Magaida o qão bem me estava a faze volta a estda e as sadades qe descobi te, de execita a mete! Após algs desabafos destes, a Magaida O. Covida-me a i com ela feqeta ma acção de fomação a FCUL, Matemática Aplicada às Ciêcias da Nateza. Após lhe damos iício, apecebo-me qe esta acção é ma cadeia qe itega o Mestado qe melho se adeqava ao me pecso fomativo e pofissioal, tomado esse mometo a decisão de lhe da iício. Potato e atededo ao exposto acima, começo com m pofdo e siceo agadecimeto à Magaida Oliveia e também ao pofesso Edado Veloso pelo implso iicial qe me deam. Desde qe temiei a liceciata o me imão, Pedo Tocão, sempe qe podia, pegtava-me Paa qado o mestado? Foça aí qe e sei qe coseges, sabes qe o mao acedita em ti!... Este pemaete empão ão me pemitia esqece esta hipótese! Já date a feqêcia deste mestado, ma fase meos motivada, o discso do me pai, ma covesa telefóica, foi decisivo paa ão pede o objectivo de o fializa em desaima ates de ma época de exames. Um especial e mito fote obigada aos homes da miha vida pelo apoio qe sempe me deam e pelo desejo costate qe exteioizavam em me ve bem scedida! Esse icetivo pemaete ão me pemiti desaima, vacila o desvia-me da meta fial! Clao qe, a miha mãe, tem aqi m papel esttal e de foça motiz em todos estes gestos, pois sem ela e sem a sa peseveaça ada disto seia possível! Ao mais fatástico se hmao qe algma vez já coheci (e qe po acaso é a miha mãe) agadeço todos os dias tdo o qe teho e mito do qe so! Obigada mãe! 4

5 Po último, peciso de agadece aos mes amigos mais chegados qe ca seqe pseam em casa a miha capacidade de cocli este pojecto a qe dei iício e me icetivaam sempe a cotia! Sempe aceditaam e sempe me apoiaam em todas as difeetes etapas!... E, clao, do fevilha de ideias até ao da copo a ma tese vai ma ogaização e ma oietação qe sem a defiição coceta de objectivos em m camiho lógico oietado, este tabalho ão seia possível! Mito obigada po acedita e ajda-me a cocetizá-lo, Pofessoa Dotoa Szaa Nápoles. 5

6 Ídice Capítlo I - Itodção... 7 Capítlo II - Aálise Cicla... 8 Capítlo III - Expeiêcias ciclaes exploado a itição de coceitos... Capítlo IV - Noções básicas e exemplos... IV. - Temiologia e otações... IV. - Exploação da oção de limite... IV. - Aplicações... 4 IV.. - O úmeo... 4 IV.. - O úmeo e IV.. - A scessão de Fiboacci e o úmeo Capítlo V - Sgestões e coespodete eqadameto cicla Capítlo VI - Coclsões... 7 Refeêcias

7 Capítlo I - Itodção O popósito deste tabalho é aalisa a foma como a temática das scessões é actalmete abodada o pogama acioal de Matemática do esio básico e secdáio. Petede-se com este tabalho aalisa as iúmeas defiições e temos tilizados, claificá-los e, apeseta sgestões paa qe o tatameto deste tema cie ma pote ete os divesos coteúdos, ao logo de todos os aos escolaes. A ideia fdametal é mate pesete o tema das scessões ao logo dos difeetes íveis de escolaidade associado-o pemaetemete a otos coteúdos ode as scessões estão pesetes e em sempe elembadas, como é o caso da geometia, das fções, da tigoometia e da pópia álgeba. Começa-se po faze ma aálise às oietações ciclaes desde o pimeio ciclo até ao Esio Secdáio, com êfase a temática das scessões. De segida é apesetada ma actividade qe foi aplicada como expeiêcia cicla, ode se exploam os coceitos tatados os 8º e 9ºs aos de escolaidade, mas de ma foma ititiva (e se aplicam a alos de 5º e 6º aos sializados paa o Apoio Escola de Matemática). Após a actividade spa efeida, qe podeá sevi de agmeto paa ma possível/ alteativa abodagem destes coceitos (atededo à boa pestação idiciada pelos alos paticipates), é feita ma apesetação de oções básicas de scessões, acompahadas de exemplos. Exploa-se, em segida, a oção de limite, cocetizada com os bem cohecidos úmeos pi,, o úmeo de Nepe, e, e fi,. Na fase fial, são feitas algmas sgestões e idicados os espectivos eqadametos ciclaes, qe podem cotibi paa estabelece m possível fio codto ete as abodages do tema das scessões os váios íveis de esio. 7

8 Capítlo II - Aálise Cicla O pogama de 007 pevê a itodção do pesameto algébico logo o pimeio ciclo, com o ecohecimeto de seqêcias e eglaidades. Um dos objectivos associado ao pesameto algébico passa pelos alos ecoheceem eglaidades e compeede elações ete úmeos o images. O oto, é ealiza atoomamete exploação de eglaidades, fomlado e testado cojectas, sedo capazes de as testa e ssteta. Estes objectivos pomovem m maio evolvimeto dos alos a elaboação do se cohecimeto. Aida o pimeio ciclo, este pogama defede qe os alos devem poca estabelece elações simples ete úmeos, pocado a exploação de sitações elacioadas com eglaidades de acotecimetos, fomas, desehos e cojtos de úmeos. Os alos também podem, aida, fomla po si pópios ( ) eglaidades em seqêcias de úmeos fiitas o ifiitas (estas salmete chamadas scessões) e podem também obseva padões de potos e epesetá-los tato geomética como meicamete, fazedo coexões ete a geometia e a aitmética. No tópico das Reglaidades do pimeio ciclo e o sbtópico das Seqêcias, tem como objectivo específico Elaboa seqêcias de úmeos segdo ma dada lei de fomação e ivestiga eglaidades em seqêcias e em tabelas de úmeos, e, como otas, popõe como exemplos, os úmeos paes; começa com e adicioa scessivamete; dplica o úmeo e adicioa, obtedo a seqêcia, 5,,,. ( 5 ) Paa o segdo ciclo, as idicações metodológicas popõem qe o tabalho com seqêcias seja cotiado, ivetado o cotiado seqêcias de úmeos, pois a esolção de poblemas qe iclam a ivestigação de eglaidades méicas costiti m aspecto a pivilegia da didáctica dos úmeos este ciclo de esio. Como ota, o pogama popôs estda eglaidades com potêcias, po exemplo eglaidades do algaismo das idades de potêcias com a mesma base e expoetes difeetes. Se o pimeio ciclo os alos desevolvem o pesameto algébico qado ivestigam seqêcias méicas e padões geométicos, já o º ciclo ampliam e apofdam esse tabalho, exploado padões, detemiado temos de ma seqêcia a pati da sa lei de fomação e ma lei de fomação pelo estdo da elação ete os ses temos. No campo da Geometia, este pogama popôs aida a detemiação expeimetal de m valo apoximado de, como veemos mais adiate este tabalho o qe, em sempe, se veifica em maais escolaes e/ o páticas lectivas. Como coceitos específicos o pogama de 007 efee qe o estdo de seqêcias evolve o tabalho com úmeos e opeações, popocioado o estabelecimeto de elações e a explicitação de leis de fomação. ( 5 ) No tópico de seqêcias e eglaidades, este pogama tem como objectivos específicos idetifica e da exemplos de seqêcias e eglaidades méicas e ão méicas; detemia o temo segite (o o ateio) a m dado temo e amplia ma 8

9 seqêcia méica cohecedo a sa lei de fomação; detemia temos de odes vaiadas de ma seqêcia sedo cohecida a sa lei de fomação; Aalisa as elações ete os temos de ma seqêcia e idica ma lei de fomação, tilizado a ligagem atal e simbólica. Já como otas, popõe sa a calcladoa a exploação de eglaidades méicas. Já paa o teceio ciclo e apesa de ada esta efeido os objectivos geais de apedizagem sobe seqêcias e eglaidades, temos os objectivos específicos a idicação de qe os alos devem esolve poblemas e ivestiga eglaidades evolvedo úmeos acioais e eais. No campo da Álgeba, pode le-se qe a pati do estdo de seqêcias iiciado ateiomete, epeseta-se simbolicamete o temo geal. As idicações metodológicas este aspecto são as de etoma a ivestigação de seqêcias e eglaidades já ealizada os ciclos ateioes com vista a apofda o estdo de elações algébicas e a sa simbolização, fdametal paa o desevolvimeto da oção de vaiável e paa a compeesão da ligagem algébica. Os sbtópicos elacioados com o de Seqêcias e Reglaidades são: o temo geal de ma seqêcia méica e sa epesetação; Expessões algébicas. Como objectivos específicos associados, pode le-se: Compeede a oção de temo geal de ma seqêcia méica e epesetá-lo sado símbolos matemáticos adeqados; detemia m temo geal de ma seqêcia méica e temos de váias odes a pati do temo geal; compeede os difeetes papéis dos símbolos em álgeba; e, simplifica expessões algébicas. Já como otas, este pogama popõe a epesetação de seqêcias de facções em qe os deomiadoes teham elações simples, po exemplo e ; e, popões também a distição ete vaiável, costate e paâmeto. Também o tópico do aciocíio matemático tem ma ota associada especificamete às eglaidades, qe sgee o segite: Popocioa sitações em qe os alos aciociem idtivamete (fomlado cojectas a pati de dados obtidos a exploação de eglaidades) e dedtivamete (demostado essas cojectas). ( 5 ) Qato às idicações metodológicas, em todos os ciclos é feita ma efeêcia coceta e sstetada do ecso às tecologias qe dispomos em comptadoes e calcladoas paa a ealização de cálclos complexos qe axiliem e agilizem a exploação de eglaidades méicas em taefas de ivestigação o a esolção de poblemas. O seja, em sitações em qe o objectivo ão seja o desevolvimeto de capacidades de cálclo, mas de otas apedizages qe a taefa evolva. Paa o º ciclo, o pogama de 007 já explicita qe o comptado deve ecoe-se à folha de cálclo excel e otas applets, qe pemitam expeiêcias com úmeos e eglaidades méicas, bem como o tabalho com sitações eais qe, sem estes ecsos seiam difíceis de ealiza/ execta. O, a seem possíveis de ealiza, pede-se-ia imeso tempo os cálclos itemédios até se podeem tia coclsões dos valoes obtidos. O pogama defede aida qe deve tia-se patido das possibilidades de expeimetação qe os 9

10 comptadoes ofeecem os domíios geomético e méico e o tatameto de dados. ( 5 ) Existe ma qeba deste desevolvimeto temático o esio secdáio. Se os focamos sobe o Pogama de Matemática do Esio Secdáio de Matemática A, apeas o º ao é feita ma abodagem às scessões qado, o 0º ao podeia apoveita-se o tema da Geometia e das Fções paa lhes faze ma beve efeêcia o ecodação do tema. No º ao, a esolção de poblemas pemite chega ao coceito de scessão, acede à compeesão de popiedades impotates de scessões paticlaes e especialmete úteis, como é o caso da pimeia defiição do úmeo e e do estdo ititivo da scessão de temo geal m cotexto de modelação matemática. No desevolvimeto da temática das scessões este ao de esio, os alos estdam aida popiedades como mootoia e limitação, pogessões aitméticas e geométicas, limites (evolvedo ifiitamete gades e ifiitamete peqeos), limites de scessões e covegêcia, covegêcia de scessões moótoas e limitadas, poblemas de limites com pogessões e estdo de casos simples de caos, sado scessões defiidas po ecoêcia. Se os debçamos sobe o pogama de Matemática B do Esio Secdáio, somete o º ao é qe são abodadas as scessões e destas, apeas as pogessões são tabalhadas, obsevado-se qe, igalmete com o qe se sgee paa a Matemática A, fossem apoveitados os 0º e º aos os temas de fções, e de exploação das capacidades das calcladoas e comptadoes. No qe espeita ao pogama de MACS (Matemática Aplicada às Ciêcias Sociais), a sitação é semelhate aos casos ateiomete aalisados: existe m eome ecso às capacidades das calcladoas, ode exploam as potecialidades das ovas tecologias associado-as à Estatística e Pobabilidades, aos poblemas de matemáticos da áea fiaceia e de jos, mas ão existe qalqe efeêcia às scessões em ao jo composto, qe pode se calclado com base o úmeo e. Aalisado o ovo pogama e Metas paa o Esio Básico veifica-se qe se qeba a cotiidade do tema o esio básico: sge pela pimeia vez º ao, eapaece o 6º ao e o 7º ao estabelece ma sepaação ete o coceito de seqêcia e scessão. ( ) Defii seqêcias e scessões. Idetifica, dado m úmeo atal, ma «seqêcia de N elemetos» como ma fção de domíio {,,, N } e tiliza coetamete a expessão «temo de odem da Seqêcia» e «temo geal da seqêcia».. Idetifica ma «scessão» como ma fção de domíio N, desigado po a imagem do úmeo atal po e tiliza coetamete a expessão «temo de odem da scessão» e «temo geal da scessão». ( ) 0

11 Esta sepaação gea icoeêcias ao apeseta exemplos (os cadeos de apoio) de seqêcias qe, de acodo com as defiições adoptadas, são scessões. Este pogama ão estimla a iteligação desta temática com otos coteúdos e ão faz efeêcia à tilização de qalqe tipo de tecologia.

12 Capítlo III - Expeiêcias ciclaes exploado a itição de coceitos Paa este tema das scessões, destiado a se tatado o º ciclo, esolvi cia m cojto de actividades, chamadas adivihas de úmeos, ecoedo a epesetações geométicas e aplicá-las ao º ciclo. Não sei em mometo algm as palavas scessão o seqêcia. (Acedito qe a foma aleatóia como se tilizam estas das palavas pode compomete a compeesão deste coceito tão fdametal e ititivo.) A paticlaidade é qe as ealizei aos alos selecioados paa o apoio escola em Matemática de 5º e 6ºs aos de escolaidade (apesa de algs elemetos das tmas qe me cedeam teem também paticipado, levados pela ciosidade das adivihas!...). Este tema foi exploado a Escola EB, Abade Coeia da Sea, em Sepa e, os esltados foam speedetes, a medida em qe os alos spostamete mais facos e ecamihados paa o apoio são os qe tiveam melhoes pestações estas actividades. As scessões itídas foam: a scessão dos úmeos atais,, a scessão dos úmeos paes,, a scessão dos úmeos ímpaes,, a scessão dos qadados pefeitos,, a scessão dos úmeos tiaglaes,, e, a scessão alteada. É espatoso como algs alos cosegiam da esposta às adivihas (etiadas maioitaiamete de maais escolaes do 8º ao de escolaidade), itido qe obedeciam a ma ega qe as fazia se cescetes, decescetes o limitadas. Us alos ecoeam a desehos, eqato otos optaam po aplica o mesmo cálclo ao úmeo segite e, também dessa foma, chega coectamete aos temos petedidos de cada ma das scessões apesetadas! A itodção da actividade, foi feita oalmete po mim ode, e ates de distibi os eciados, apelei à ateção destes alos paa os úmeos qe já eam apesetados e qe eles deviam (paa da esposta à adiviha) ecota ma lógica coeete paa cosegiem idetifica qais os úmeos qe deveiam sgi a segi. Após a apesetação da actividade ealizada, em Maço de 0, segem-se algs excetos de espostas destes alos e espectivos cometáios qe, o fdo, cooboam pefeitamete com a ideia de qe, mesmo sem qalqe cotacto teóico apofdado sobe o tema das scessões, os alos do º ciclo cosegem de foma simplesmete ititiva espode coectamete:

13 Adivihado úmeos Desafio de Matemática Escola EB, Abade Coeia da Sea Maço 0 Nome do Alo N.º Ao Tma. Qais são os úmeos qe vião a segi? Peeche os tês espaços em baco. (a),,, 4,,,, (b), 4, 6, 8,,,, (c),, 5, 7,,,, (d), 6,, 6,,,, (e) 00, 50, 00,,,, (f), -,, -,,,,. Paa obtees os úmeos segites aos qe te foam apesetados o execício ateio, tiveste qe obedece a ma ceta lógica paa os descobies. Explica po palavas tas como podes obte ma ega qe te pemita descobi os úmeos segites, a pati de otos já cohecidos.. Obseva a figa segite, de costções fomadas com lápis. Admite qe o padão se matém paa as segites costções. Deseha a costção 4. Costção 4 4. O Alex ovi m ído povocado po aviões. Obsevo o cé e vi a fomação epesetada a figa segite. Tiha como tabalho de casa deseha m cojto de figas, po isso decidi deseha aviões. Admite qe o

14 padão se matém paa as segites fomações. Qatos aviões teá a fomação 5? 5. Cosidea os úmeos apesetados e as coespodetes figas de cada m deles. Imagia qe as figas e os úmeos cotiam, obedecedo à mesma lei de fomação. Idica os dois úmeos segites de cada ma das sitações e, se achaes qe te ajda, deseha pimeio as figas qe lhes coespodem. ( 4, 0, 4 e 7 ) Vejamos algs excetos das espostas ecolhidas pelos alos, ode podemos facilmete obseva as estatégias adoptadas po eles e, o tipo de aciocíio abstacto a qe ecoeam paa da esposta às qestões apesetadas: 4

15 Na qestão, talvez po tabalhaem com algma feqêcia este tipo de execícios, paticamete todos os alos deste estdo, tato do 5º ao como do 6ºao, espodeam coectamete. Poém, a qestão, obtiveam-se algmas espostas iteessates, ode se veificam as difeeças de aciocíio. Vejamos pimeio algmas das espostas dadas po alos do 5º ao e, posteiomete do 6º ao: Esta ala espode coectamete a todas as alíeas da qestão e evelo mita pdêcia ates de da a sa esposta. À pate dos eos otogáficos, também esta ala espode coectamete a todas as alíeas da qestão. Podemos também obseva qe esta ala, mesmo sem qalqe cotacto teóico, tem oção qe existem iúmeas leis de fomação paa obte os temos segites de ma scessão, obsevado apeas os qe são dados. Estas das espostas, destes dois alos são semelhates a simplificação de como obte coectamete os temos segites de ma scessão, itido facilmete qe obsevado se a scessão é cescete, decescete o alteada, bastaá obseva os temos dados, e cotia a segi a lei de fomação apesetada paa a obteção dos temos segites. As das espostas qe se segem agoa, apesa de ão teem qalqe efeêcia à obsevação dos temos já dados, são talvez as mais metódicas e esttadas, a medida em qe defiiam, paa todas as alíeas, todas as leis de fomação tilizadas. 5

16 Já esta qestão o 6º ao, teve algmas espostas em baco e, é de destaca qe foam semelhates às dadas pelos alos do 5º ao. Apesetam-se as tês mais epesetativas das espostas coectas, cjos cometáios são aálogos aos já feitos paa as espostas aalisadas do 5º ao: Na qestão, todos os alos, com excepção de apeas dois alos do 5º ao, desehaam coectamete a costção dos lápis, ecoedo sobetdo a taços (po miha sgestão) paa facilita a epesetação. Já a epesetação dos úmeos tiaglaes, sob a foma de aviões da qestão 4 foi a qe egisto mais espostas icoectas. Apeas 7 dos 8 alos de 5º ao espodeam coectamete (ceca de 9% de espostas cetas). Já o 6º ao, apeas tês dos alos espodeam coectamete (5% de espostas cetas). Na qestão 5, dos 8 alos do 5º ao, apeas espodeam coectamete a todas as alíeas (ceca de 7%). É de salieta a capacidade do alo Alexade, de cosegi tiliza m temo geal, qe ão ca chego a se apesetado, esta pimeia esposta qe se apeseta de segida. 6

17 Nesta segda esposta selecioada qe se apeseta abaixo, a ala apeas ecoe a m esqema a alíea (c) mas também espode coectamete a todas as alíeas. 7

18 Já esta ala, apesa de te eado as das últimas alíeas, atete-se qe de coectamete iício à lei de fomação dos úmeos tiaglaes, a alíea (d), mas ão lhe chego a da cotiidade. Qato ao 6º ao, o desempeho esta qestão foi mais elevado: 6 dos alos qe paticipaam esta actividade espodeam coectamete a todas as alíeas, destacado-se qe apeas destes alos ecoeam à seqêcia de images apesetadas e lhes deam cotiidade (poém, sem gade igo ) e aida ao temo geal, dedzido/ itído pelos cálclos apesetados os temos já dados. 8

19 Já este último alo, apesa de ão te peechido todos os espaços em baco com os valoes obtidos, cosegi facilmete obte as epesetações e os cálclos coectos dos temos geais das scessões em qestão: 9

20 É de faze efeêcia, mais ma vez, ao facto de estes alos estaem sializados paa o apoio escola. Poém e atededo ao facto de peteceem ao º ciclo, evelaam algma facilidade em lida com estes coceitos do º ciclo e cosegiam atoomamete da esposta a estas actividades etiadas maioitaiamete de m maal de 8º ao de escolaidade. 0

21 y=x Capítlo IV - Noções básicas e exemplos IV. - Temiologia e otações Dado m cojto ão vazio A, chama-se scessão em A, a qalqe fção defiida o cojto dos úmeos eais e com valoes em A. Se A é o cojto IR dos úmeos eais, a scessão diz-se eal. Chamamos às images desta fção os temos da scessão e, aos objetos, defiidos po m úmeo atal, a odem desses temos. Pode epeseta-se ma scessão po ma leta maiúscla temos U,U,,U, U : IN IR e os ses po letas miúsclas, sedo a odem de cada temo idicada em ídice,,,,, Po exemplo, 7 é o 7º temo da scessão U, o seja, é a imagem do úmeo 7, U. Em vez de sa a maiúscla U epesetativa da fção, é habital desigá-la sado os símbolos, o apeas o se temo de odem,, isto é, o temo geal da scessão. IN Exemplo: O temo geal da scessão dos úmeos paes é U. 7 Gaficamete esta scessão é epesetada po ma ifiidade de potos isolados sobe a ecta de eqação y x x y x As coodeadas dos ifiitos potos isolados apesetados a epesetação gáfica da scessão, além de apeas gozaem de epesetação o pimeio qadate, são apeas os da foma,, com, eqato qe o gáfico y x, temos todos os potos de coodeadas x, x com x IR.

22 Existem casos em qe paa cohece os temos de ma scessão se opta po m pocesso de ecoêcia, isto é, da o pimeio temo da scessão e ma ega qe pemita detemia m temo da scessão a pati do temo ateio, como acotece com a scessão defiida po v,, cjos qato pimeios temos são: v, v, v, v4 v v Mas há scessões das qais ão se cohece m temo geal e qe ão podem se defiidas po ecoêcia, como acotece com a scessão dos úmeos pimos. Paa defii ma scessão opta-se em váias sitações po esceve odeadamete algs dos ses temos. Essa opção, qado ão acompahada de algma caacteização adicioal, é isficiete, como se ilsta em segida. Seá o úmeo m temo da scessão,,, 44, 55,? A ifomação de qe dispomos o eciado é maifestamete isficiete paa da esposta a esta qestão! Seá pois ecessáio idica a ega qe está sbjacete à escita da seqêcia de valoes apesetada. Se cada temo da scessão fo obtido adicioado ao temo ateio, etão ão é temo da seqêcia. Mas, se itepetamos a seqêcia como sedo fomada pelos algaismos todos igais, etão já é m temo desta seqêcia. Obsevado qe, este caso, a scessão tem 9 temos com dois algaismos igais, otos 9 temos com algaismos igais, apidamete coclímos qe seá o º temo dessa seqêcia. ( 9 ) tem: Uma scessão é cescete, em setido estito, se e só se, paa todo o se, o seja se 0, IN. Exemplo: Veifiqemos qe a scessão com temo geal Potato petedemos pova qe se veifica é cescete., IN. Temos: 0 0, IN esta scessão é cescete.. Como Uma scessão é decescete, em setido estito, se e só se, paa todo o se tem:, o seja, se 0, IN.

23 Exemplo: Veifiqemos qe a scessão com temo geal é decescete. Neste caso, petedemos pova qe se veifica a desigaldade, Temos potato: 0.. Como 0,, coclímos qe a scessão é decescete. NOTA: Podemos amplia as defiições de scessão cescete e scessão decescete, paa o caso em qe existam temos igais. Assim, podemos aida defii, em setido lato qe: Uma scessão é cescete em setido lato, se e só se,, IN. Uma scessão é decescete em setido lato, se e só se,, IN. Uma scessão é moótoa se e só se a scessão fo cescete o decescete. Existem scessões qe ão são moótoas, como as qe têm temos alteadamete positivos e egativos, po exemplo, a scessão defiida po, paa, paa pa. ímpa Uma scessão diz-se mioada se o cojto dos ses temos o fo, isto é, se e só se m IR : m, IN. Podemos afima qe se ma scessão fo moótoa cescete, o se temo é o mioate do cojto dos ses temos. se Uma scessão diz-se majoada se o cojto dos ses temos o fo, isto é, e só M IR : M, IN. Podemos afima qe se ma scessão fo moótoa decescete, o se temo é o majoate do cojto dos ses temos. Uma scessão é limitada se e só se fo mioada e majoada, o seja, se m, M IR : m M, IN. Assim, dizemos qe ma scessão é limitada se o cojto dos ses temos o fo. Exemplo: Estdemos, qato à limitação, a scessão defiida po 4.

24 Detemiemos os pimeios temos desta scessão: ; ; Estes pimeios temos sgeem qe a scessão é 9 cescete. Geeicamete, Como 4 0 paa qalqe valo atal, a scessão é moótoa cescete. Potato, podemos afima qe o temo de odem é m mioate:. Qato ao majoate, esta scessão pode se escita do segite modo: 4 e potato,. Logo, podemos também afima qe a scessão é majoada. Como é majoada e mioada, podemos afima qe é ma scessão limitada e. ( 5, 7, 8, 6 e 8 ) Númeos Poligoais Debcemo-os agoa sobe as scessões de úmeos poligoais, qe, se acompahadas das sas figações geométicas podem toa-se bastate ititivas e elemetaes a obteção dos ses temos. Comecemos com os já itodzidos a atividade do capítlo ateio, a scessão T dos úmeos tiaglaes: T T T 6 Tem-se T T, T T T T,, Esta scessão pode assim se defiida po ecoêcia podo atavés do se temo geal T T T T e 4

25 Demosta-se, po exemplo, sado o método de idção qe, mas esse pocedimeto está claamete foa de ma abodagem elemeta. No etato, se atedemos à figação dos úmeos tiaglaes, veifica-se facilmete qe T. Paa o efeito basta jstapo das epesetações de úmeos tiaglaes como se ilsta a figa com o qato temo da scessão: T Veificámos assim qe todo o úmeo tiagla é da foma. Tiado mais ma vez patido da figação geomética dos úmeos tiaglaes, podemos jstifica qe: T T. Paa o efeito basta jstapo das epesetações de úmeos tiaglaes cosectivos como se ilsta a figa com o qato e qito temos da scessão. T 4 T5 55 A elação T T scessão dos úmeos tiaglaes: T T T Cosideemos a scessão dos úmeos qadaglaes : pemite da ota defiição po ecoêcia da Q Q 4 Q 9 Q

26 O temo geal da scessão dos úmeos qadados é da figação geomética, veificamos qe paa passamos de de m qadado com Q. Poém, tiado patido Q paa, bolas paa m qadado com Q,isto é, bolas é ecessáio acesceta das filas de bolas de e mais ma bola o cato, cofome imagem qe se sege: Q Q Q Q Q. Esta elação pemite defii a scessão dos úmeos qadaglaes po ecoêcia podo. Q, tem-se Mas, sedo Q Q Q Q Q 5 ( ) Q Q Q Q Veifico-se assim, ecoedo à figação geomética dos úmeos qadaglaes, a igaldade 5 7. No qe espeita aos úmeos petagoais, e como já vimos paa os úmeos tiaglaes e qadaglaes, o pimeio dos úmeos petagoais, P é também a idade. O segdo úmeo petagoal seá, aalogamete aos úmeos poligoais já vistos, o meo valo de bolas, com qe podemos foma m petágoo, pelo qe P 5. Paa costi P a pati de P acescetámos 4 bolas. A pati do cato ifeio esqedo, vamos acescetado bolas, de modo a foma m ovo petágoo com bolas em cada lado. Geometicamete: 6

27 P P 5 P Obsevado a imagem acima mais à dieita, veificamos qe P P 7 e, desta vez, ão é possível peeche os espaços iteioes com ma distibição egla de bolas. Paa passa do úmeo petagoal de odem, P, ao se scesso, P ecessáio acesceta lados com bolas, descotado as das sobeposições os vétices do petágoo, o seja, P P P P P ecoêcia, podo. P P, é, o qe é eqivalete a. A scessão dos úmeos petagoais pode assim se defiida po P P P P P P 4 5 P P P P P 5 5 pelo qe o temo geal da scessão dos úmeos petagoais é P. Esta scessão pode se defiida po ecoêcia, podo P P P. ( ) 7

28 Pogessões As pogessões costitem m tipo especial de scessões defiidas po ecoêcia em qe cada temo se obtém do ateio po adição de ma pacela costate o po mltiplicação po m fato costate. Estas scessões popocioam desafios iteessates a exploa em difeetes íveis de esio. Uma scessão diz-se pogessão aitmética qado a difeeça ete cada temo e o ateio é costate; essa costate chama-se azão da pogessão. Simbolicamete, ma scessão é ma pogessão aitmética se e só se,. Nma pogessão aitmética, obtém-se cada temo (com exceção do pimeio) somado a azão ao temo ateio. Exemplos de pogessões aitméticas: - A scessão dos úmeos atais é ma pogessão aitmética de azão ; - A scessão dos úmeos paes o e a scessão dos úmeos ímpaes são pogessões aitméticas de azão ; - A scessão dos múltiplos de 5 é ma pogessão aitmética de azão 5. A azão da pogessão aitmética pemite-os afima o segite elativamete à mootoia: Se 0, a pogessão aitmética é moótoa cescete. Se 0, a pogessão aitmética é moótoa decescete. Se 0, a pogessão aitmética é costate. Paa obtemos o temo geal de ma pogessão aitmética, basta cosideamos o se pimeio temo e a sa azão e, facilmete se vê qe: 4 4 Potato, o temo geal de ma pogessão aitmética é dado po, IN. Exemplo de aplicação: Um exploado de ma cocessão de paia, tem de coloca 0 toldos em fila, ao logo da paia. O amazém ode se ecotam os toldos está a 0 metos do local ode o pimeio toldo tem de se colocado. Spohamos qe ele só taspota m toldo de cada vez, e qe os toldos estão distaciados 5 metos ete si, ecotado-se cada toldo 8

29 cico metos mais distate do amazém do qe o toldo ateio. Qatos metos pecoeá o homem paa coloca todos os toldos? Resolção: Paa coloca o toldo, o seho desloca-se do amazém até ao pimeio local e egessa ao poto de patida, fazedo m pecso de 0 metos, o seja, 0m de ida e otos 0 m de egesso. Paa coloca o segdo toldo, ele adaá ( ) metos, o seja, 0 metos e assim scessivamete. Estes pecsos podem se cosideados como os pimeios 0 temos de ma scessão qe, desigado-a po ( ), obtemos: 0 ; 0 ; 40 ; 4 50 ; ; 0 0 Repae-se qe cada temo se obtém a pati do temo ateio adicioado-lhe 0 idades, o seja, 0 0. Po este motivo, dizemos qe se tata de ma pogessão aitmética de azão 0. Como 0 0, estamos peate ma scessão moótoa cescete. Podemos etão detemia a distâcia total pecoida pelo baheio, adicioado as distâcias coespodetes a cada pecso. Seja S 0 a soma dos 0 pimeios temos de : S O seja, S Se obsevamos atetamete a última expessão apesetada acima, veificamos qe: E deste modo obsevamos qe paa detemia a soma dos 0 pimeios temos da pogessão aitmética, coespode a adicioa dez pacelas igais a 0. Pelo qe, 0 0 S o seja S 0 0 9

30 0 Assim, podemos da esposta à qestão, calclado S, o qe dá 00 metos pecoidos a colocação dos 0 toldos. Este exemplo sgee o camiho paa a obteção da expessão da soma dos pimeios temos de ma pogessão aitmética. Obsevemos qe Etão: se é pa, se é ímpa e o temo médio é k tem-se k e k k k Etão. Pogessões Geométicas Uma scessão diz-se pogessão geomética qado o qociete ete cada temo e o ateio é costate; essa costate chama-se azão da pogessão. Simbolicamete, ma scessão é ma pogessão geomética se e só se,. Nma pogessão geomética, obtém-se cada temo (com excepção do pimeio) mltiplicado pela azão o temo ateio. Exemplos de pogessões geométicas: - Toda a scessão com temo geal 0 a, a, é ma pogessão geomética: de facto, a a a, logo, a base da expoecial é a azão da pogessão geomética. - Cosideado ma folha de papel sficietemete gade com 0, mm de espessa e dobado scessivamete a folha de papel ao meio, temos qe a sa espessa vai dplicado. A scessão das espessas tem ma caacteística especial: cada temo é o

31 dobo do ateio e, potato, o qociete ete cada temo e o ateio é costate e igal a. Etão estamos peate ma pogessão geomética de azão. A azão da pogessão geomética pemite-os afima o segite elativamete à mootoia: A mootoia de ma pogessão geomética depede do sial do pimeio temo e da azão. Geealizado, podemos afima qe: Uma pogessão geomética de azão positiva é sempe moótoa, podedo Resmido, se cescete o decescete (em setido estito o lato). Uma pogessão geomética de azão egativa ca é moótoa. Se e - 0, a pogessão geomética é moótoa cescete. - 0, a pogessão geomética é moótoa decescete. Se, a pogessão geomética é costate. Se 0 e - 0, a pogessão geomética é moótoa decescete. - 0, a pogessão geomética é moótoa cescete. Se 0, a pogessão geomética é ão moótoa. Paa obtemos o temo geal de ma pogessão geomética, basta cosideamos o se pimeio temo (com 0 ) e a sa azão. Em qalqe pogessão geomética temos: 4 Potato, o temo geal de ma pogessão geomética é dado po, IN. Exemplo de aplicação: Segedos mal gadados

32 Das amigas descobem m segedo lta-seceto de ma ota amiga qe lhes pedi qe ão cotassem a igém. No etato cada ma delas, 0 mitos depois, coto a pessoas de toda a cofiaça, cada ma das qais, 0 mitos depois, coto a otas pessoas. Se o pocesso cotia assim, ao fim de 5 hoas, qatas pessoas já sabem o segedo? Resolção: Patimos de pessoas qe sabem o segedo, pelo qe tomamos. Paa calcla qatas pessoas já sabem o segedo ao fim de 5 hoas é peciso soma todas as qe o foam sabedo ao fim de cada peíodo de 0 mitos. - Númeo de pessoas a qem é cotado o segedo ao fim dos pimeios 0 mitos; - Númeo de pessoas a qem é cotado o segedo date o º peíodo de 0 mitos; 4 - Númeo de pessoas a qem é cotado o segedo date º peíodo de 0 mitos; - Númeo de pessoas a qem é cotado o segedo date o -ésimo peíodo de 0 mitos. Como em 5 hoas há 5 peíodos de 0 mitos, o fial da 5ª hoa, há mais pessoas qe ficam a cohece o segedo do qe os 0 mitos ateioes. 5 6 Ao todo, qatas pessoas já oviam o segedo esse peíodo de tempo? Oviam o 4 5 segedo pessoas. Desigemos po S essa soma e calclemos S S : S S temos qe S S Etão S, o seja, S , úmeo qe ltapassa o qadplo da poplação de Potgal! 6 6

33 Obsevemos qe os temos da scessão geomética de azão igal a. Geeicamete, se,,,,, estão em pogessão v,v,v,,v, é ma pogessão geomética de azão,, isto é, v v,,v v v, po m pocesso aálogo ao tilizado este caso paticla, qe v v v v v v. veifica-se, NOTAS: () v ão é ecessaiamete o pimeio temo da scessão, mas sim o pimeio temo qe se petede soma. () A fómla ateio ão pode se aplicada qado. Nesse caso todos os temos são igais ao pimeio, e potato, v v v v. ( 7, 8, 6 e 9 ) IV. - Exploação da oção de limite É impossível tiliza a expessão limite, sem os efeimos à expessão ifiito. O qe é ifiito? Paa chega ao coceito podemos pesa a possibilidade de acesceta scessivamete ma idade a cotagem de úmeos, toado ifidável este pocesso. Ifiito sge assim associado a ma qatidade qe ão temia, etimologicamete, a palava ifiito sigifica ão acabado. Explícita o implicitamete, a ciêcia actal pecisa de sa o ifiito paa o se desevolvimeto, qalqe qe seja o se amo. Começamos po aalisa algs exemplos evolvedo a ideia de ifiito. Hotel Ifiito Um dos eqisitos paa se se ececioista o Hotel Ifiito é te m cohecimeto sólido sobe o ifiito. Palo cadidato-se, foi etevistado e começo a tabalha a oite segite. Estava itigado sobe o motivo pelo qal a geêcia do hotel eqeia qe todos os ses empegados tivessem cohecimetos sobe o ifiito, sobe cojtos ifiitos e sobe cojtos tasfiitos. Calclo qe, dado qe o hotel tiha m úmeo ifiito de qatos, ão haveia qalqe poblema em aaja qato paa os ovos hóspedes. Depois da sa pimeia oite de seviço, seti-se cotete po te tais cohecimetos.

34 Qado Palo sbstiti a ececioista do to de dia, ela ifomo-o de qe havia m úmeo ifiito de qatos ocpados. Assim qe ela sai, chego m ovo hóspede qe tiha feito ma eseva e Palo teve qe decidi qal o qato qe lhe havia de da. Peso date algs mometos e depois decidi tasfei cada hóspede paa o qato segite ao do qe ocpava, sedo assim possível toa vago o qato úmeo. Palo fico cotete com esta decisão, mas esse istate chego m atocao ifiito, com m úmeo ifiito de ovos hóspedes. Como aaja qato paa todos, agoa?! Possível esposta: O Palo esolve desloca cada hóspede paa o qato cjo úmeo fosse o dobo do úmeo do qato ocpado ateiomete, potato o hóspede do qato foi paa o qato, o do qato foi paa o qato 4, o do qato, foi paa o qato 6 e assim scessivamete. Deste modo, ficaam vagos todos os qatos ímpaes paa os ifiitos hóspedes acabados de chega. Históia das Plgas Das plgas amigas covesam sobe as distâcias qe cosegem atigi com os ses saltos. Uma delas petede desloca-se de m lado de ma sala paa o oto. A ota plga faz ma aposta com ela dizedo qe esta ca atigiá o oto lado da sala se de apeas saltos qe cbam metade da distâcia a pecoe. Ao qe ela aceita a aposta e diz qe ão teá qalqe dificldade em gahá-la! Qal das plgas tem azão? Possível esposta: O se pimeio salto leva-a até metade da sala, o segdo cobe metade da distâcia estate, o teceio salto, metade da distâcia qe falta pecoe, e assim scessivamete. Emboa se ecote mito mais peto da ota extemidade da sala, tem de mate a pomessa, segdo a qal, cada salto só pode cobi metade da distâcia estate e de qe só podeá salta metade dessa distâcia. E, a ão se qe desista, a plga cotiaá eteamete a salta. Associada ao Hotel Ifiito está a scessão defiida po e e à Históia das Plgas a scessão v defiida po v a (em qe a é o compimeto da v sala) e v. São ambas pogessões geométicas com azões e espetivamete, pelo qe a e v. 4

35 Relativamete à scessão odem a pati da qal se tem, dado qalqe úmeo positivo L existe ma L : basta toma log L. No caso de dado qalqe úmeo positivo (po meo qe ele seja) existe ma odem a pati da a a qal se tem : basta toma log. Assim, a scessão é m ifiitamete gade positivo e a scessão v é m ifiitésimo. Uma scessão a é m ifiitamete gade positivo qado, paa todo o úmeo positivo L, existe ma odem p, a pati da qal se tem v, a > L. Diz-se este caso qe o limite da scessão é mais ifiito e esceve-se lim. Uma scessão a é m ifiitamete gade egativo qado a scessão fo m ifiitamete gade positivo. Diz-se este caso qe o limite da a scessão é meos ifiito e esceve-se lim. Uma scessão a é m ifiitamete gade em módlo qado a scessão a é m ifiitamete gade positivo. Uma scessão a é m ifiitamete gade sem sial detemiado qado fo m ifiitamete gade em módlo mas ão fo ifiitamete gade egativo em positivo. Diz-se este caso qe o limite da scessão é ifiito e esceve-se lim. a Uma scessão b é m ifiitésimo o tem limite zeo qado, paa todo o úmeo positivo, existe ma odem p, a pati da qal se tem b. Uma scessão c é covegete paa d o tem limite d, com d IR, se e só se c d é m ifiitésimo, isto é, ma scessão c é covegete paa d se 0, existe ma odem a pati da qal se tem a. Esta codição é eqivalete a c d d c d. (8 ) a a Exemplo: Pova qe a scessão defiida po é covegete paa e detemia a meo odem a pati da qal os temos da scessão são valoes apoximados de com eo ifeio a ma milésima. Resolção: Vejamos pimeio qe a scessão dada é covegete paa.. Oa, é m ifiitésimo, logo tede paa zeo e potato a scessão dada covege paa. 5

36 Vejamos agoa qado é qe é m valo apoximado de com eo ifeio a ma milésima. Isto acotece qado se veifica a segite codição: 0, 00 0, 00 0, Potato, os 0, 00 temos desta scessão de odem speio a 000 já são valoes apoximados de com eo ifeio a 0,00. Cotagem de potos Mitas pessoas imagiam qe ma qatidade ifiita deve ocpa m espaço mito gade, mas m peqeo e qalqe segmeto de ecta existe m úmeo ifiito de potos. Paa o demosta, ecoemos à ideia de qe ete qaisqe dois potos de m segmeto de ecta é sempe possível existi oto: se os potos A e B petecem ao segmeto, etão o poto médio do segmeto de ecta qe eles defiem é m poto C ete ambos. Obviamete ete o poto A e C existiá também m, o mesmo scededo ete o poto C e B. Este pocesso de detemiação de m poto sitado ete qaisqe otos dois pologa-se idefiidamete e, po isso, existe m úmeo ifiito de potos em qalqe segmeto de ecta. Assim, emboa o ifiito seja ma qatidade qe ão temia e qe ão pode se idetificada com ehm úmeo eal, pode sgi associada, tato a cojtos limitados, como a cojtos ilimitados.( 4, 5 e 7 ) Peímeto, áea e somas ifiitas. A imagem segite é fomada po ma scessão de semicicfeêcias em qe o aio de cada aco é metade do ateio. Qal a áea da egião compeedida ete os acos da figa e a liha a tacejado? 6

37 As medidas das áeas estão em pogessão geomética de azão 4 e a medida da áea do pimeio semicíclo é. Assim a áea A pedida é a soma ifiita dos temos desta pogessão. No caso geal, se é ma pogessão geomética com azão, tem-se qe lim e sedo,,,tem-se lim Se a azão da pogessão fo em módlo ifeio a, é m ifiitésimo, pelo qe. (A soma ifiita dos temos de ma pogessão geomética de azão é ma séie geomética de azão.) Paa detemia a áea petedida, basta toma A. 4 e, obtedo-se 4. A figa segite epeseta ma scessão de tiâglos, em qe cada m dos tiâglos iscitos é defiido pelos potos médios dos lados do tiâglo qe o cicsceve. Qal a soma dos peímetos da scessão de tiâglos? Qal a soma das áeas da scessão de tiâglos? 7

38 Paa detemia a soma dos peímetos destes tiâglos é ecessáio calcla ma soma ifiita: Atavés da ecta méica, veificamos qe esta soma ão excede. Obseve-se qe as pacelas desta soma ifiita costitem ma pogessão geomética com pimeio temo e azão, pelo qe 4 O cohecimeto desta soma codz ao cálclo da soma dos peímetos. Com efeito, há m teoema a geometia qe os gaate qe o segmeto qe e dois potos médios de dois lados de m tiâglo tem metade do compimeto do lado oposto. Listemos etão os peímetos dos tiâglos: 5 0, 5, 5, 4 5, ,,,,, O temo geal desta scessão dos peímetos pode se defiido da segite foma, tomado paa o lado do tiâglo eqiláteo os 0 cetímetos apesetados a imagem acima: P 0. De segida, podemos adicioa todos estes temos paa detemia a soma dos peímetos dos tiâglos: Simplificado, obtemos: Como vimos qe , a soma dos peímetos é igal a

39 Paa a detemiação da soma das áeas dos tiâglos e sedo o temo geal da scessão das áeas dado po A 5 4, pelo qe a soma das áeas é Númeos atais e dízimas ifiitas peiódicas Vamos pova qe qalqe úmeo atal pode se escito como ma dízima ifiita peiódica, de peíodo 9. Cosideemos a segite scessão: 9 k k k 0 00 k Qeemos pova qe lim k. Temos qe: k, k k Mas é a soma dos temos de ma pogessão geomética de azão, e pimeio temo igal a. Etão, 0, pelo qe k, k k k NOTA: Obseve-se qe tomado, po exemplo x, tem-se 0x 9, Etão 0x x 7, e assim x, sem ecoe a scessões! 9

40 Nem tdo o qe cesce é m ifiitamete gade positivo, em tdo o qe é m ifiitésimo decesce A cva do floco de eve tem este ome devido à foma semelhate qe os flocos de eve assmem qado se fomam. O floco de eve foi efeido pela ª vez em 904 pelo matemático seco Helge Vo Kock como exemplo de ma cva de compimeto ifiito, qe abage ma áea fiita. Hoje classifica-se como m factal. Paa gea ma destas cvas, obsevemos a seqêcia de figas obtidas a pati de m tiâglo eqiláteo, em qe dividido cada lado do tiâglo em tês pates igais, se deseha a pate cetal de cada segmeto m ovo tiâglo eqiláteo, elimiado a base, qe petecia ao segmeto ateio, ates de se divido em tês pates igais. º Temo º Temo º Temo Saliete-se a foma como cada lado se tasfoma qado se petede obte o temo segite desta scessão: 40

41 Cotiado este pocedimeto scessivamete em todos os lados, veificamos apidamete qe o peímeto cesce idefiidamete, sem limite. A scessão ( P ) dos peímetos das figas, sedo ma scessão moótoa cescete e ilimitada, é m ifiitamete gade positivo. Já a scessão ( A ) das áeas das figas é moótoa cescete, mas ão é m ifiitamete gade positivo, visto qe a áea das figas ca ltapassa, po exemplo, a áea do cíclo ode as figas se iscevem. Nem sempe m ifiitésimo é decescete! ( 8 ) Exemplo: 0 Cosideemos a segite scessão U :. Esta scessão é cescete e tede paa zeo. De facto, os pimeios temos são: 0 ; 5 ;, ;,5 ; qe sgeem, qe a scessão é cescete, mas ão basta aalisa o compotameto de m úmeo fiito de temos. Há qe veifica qe 0, IN : , IN. Po oto lado, 00 0,, ,00e ota-se qe os temos se apoximam de zeo e o se valo absolto toa-se ifeio a qalqe úmeo positivo. Com efeito, dado m qalqe úmeo 0 existe ma odem a pati da qal se tem O seja, os temos desta scessão são, em módlo, ifeioes a, desde qe a odem dos temos seja speio a 0. Potato, a scessão ( ) dada é m ifiitésimo. Uma scessão qe ão é covegete diz-se divegete. (Os ifiitamete gades são scessões divegetes.) Faz-se efeêcia em segida a impotates esltados qe estabelecem elações ete os coceitos de scessão limitada, scessão moótoa e scessão covegete. - Uma scessão covegete é sempe limitada. - Uma scessão moótoa e limitada é sempe covegete. 4

42 Mas, Uma scessão moótoa pode ão se covegete. Exemplos: (são moótoas e ão são covegetes.) ; ; ; Uma scessão limitada pode ão se covegete. Exemplo: (é limitada e ão é covegete.) Uma scessão covegete pode ão se moótoa. Exemplo: Mas tem-se covegete e ão é moótoa.) Teoema das scessões moótoas (é Toda a scessão moótoa tem limite, qe é fiito o ifiito cosoate ela seja limitada o ão. Se a scessão é moótoa e ão limitada, o limite é se ela é cescete e se ela é decescete. Tata-se de m esltado mito ititivo como é patete a demostação segite. Comecemos po aalisa o caso em qe ma scessão é cescete e limitada po m úmeo L. Se é fomada apeas po úmeos positivos, a scessão fomada pelas pates iteias dos temos da scessão ão pode cesce idefiidamete, estabilizadose a pati de ceta odem (poqe todos os temos da scessão são meoes do qe L ). Qato à pate ão iteia, todos os algaismos se vão estabilizado (pimeio o das décimas, depois o das cetésimas, e assim scessivamete), já qe ão podem excede 9. O úmeo fomado pela pate iteia estabilizada e pelos algaismos estabilizados é o limite da scessão. Paa scessões decescetes e limitadas a demostação é pefeitamete aáloga. Se é cescete e ão limitada, dado qalqe úmeo positivo K existe m temo da scessão, digamos, tal qe j K e, como a scessão é cescete, todos os temos da j scessão são, a pati da odem j, maioes do qe K. Etão, a scessão tem limite +. A demostação é aáloga o caso de ma scessão decescete e ão limitada. (8 ) IV. - Aplicações A defiição dos úmeos especiais qe costam deste paágafo à csta de scessões toa-os paticlamete adeqados paa itega a leccioação deste tópico. A sa tilização, desde qe devidamete cotextalizada, pode popocioa exploações diigidas a difeetes íveis de escolaidade. 4

43 IV.. - O úmeo O úmeo pi, epesetado habitalmete pela leta gega é povavelmete o úmeo iacioal mais famoso da históia, qe epeseta a azão costate ete o peímeto de qalqe cicfeêcia e o se diâmeto. Como iacioal, este úmeo é expesso po ma dízima ifiita ão peiódica. Nos dias de hoje, gaças à ajda dos comptadoes, já é possível detemia apoximações com ceteas de milhões de casas decimais. Apesetam-se, de segida, as pimeias ciqeta: =, O método de Aqimedes (87a.C. a.c.) sge como o pimeio método paa calcla m valo apoximado do úmeo com algma pecisão. Aqimedes isceve e cicsceve polígoos eglaes com lados e, à medida qe ameta o úmeo de lados, tato o polígoo iscito, como o polígoo cicscito vão-se assemelhado à cicfeêcia e, coseqetemete, os ses peímetos também se vão apoximado. Calclo assim o compimeto de ma cicfeêcia e, coseqetemete, m valo apoximado paa. O úmeo é o limite da scessão cescete fomada pelos peímetos dos polígoos iscitos e o limite da scessão decescete fomada pelos peímetos dos polígoos cicscitos. ( ) 4

44 Vejamos as figas segites e imagiemos cotia idefiidamete este pocesso. À medida qe Aqimedes ameto pogessivamete o úmeo de lados, mais póximo fico do valo de. Vejamos a qe valoes cosegi chega, segido este pocesso: Cosideemos m polígoo egla com lados, cicscito a ma cicfeêcia de aio. De segida, tacemos os segmetos de ecta qe em o ceto da cicfeêcia aos vétices do polígoo. Deste modo, vamos obte tiâglos cogetes. Aalisado a sa costção, veificamos facilmete qe estes tiâglos são isósceles, visto qe dois dos ses lados são exactamete o aio da cicfeêcia. Depois, taçamos os segmetos de ecta desde o ceto até ao poto de tagêcia da cicfeêcia com cada lado do polígoo (poto médio de cada lado do polígoo). Estes segmetos são pepediclaes a cada lado do polígoo e são também, potato, as altas dos tiâglos isósceles em qe o polígoo foi dividido. Estes tiâglos são também igais ete si, e, qalqe m destes segmetos de ecta, defie-se o polígoo como o se apótema. Obtivemos etão m polígoo egla costitído po tiâglos ectâglos cogetes, assim como se pode obseva a figa segite: 60 Potato, podemos afima qe o âglo de amplitde  mede exactamete,. Cada m destes tiâglos ectâglos tem m cateto de compimeto igal ao aio da cicfeêcia ( ) e oto cateto de compimeto igal a metade do compimeto do lado do polígoo ( p ). Logo, podemos defii o valo do peímeto do polígoo cicscito po p. 44

45 tg  p Cosideado agoa o tiâglo sombeado a azl, temos qe 60 tg p 60 p tg. Retomado o peímeto do polígoo cicscito (dado po p ) podemos eescevê-lo do segite modo: 60 tg. Sabedo aida qe o peímeto da cicfeêcia é dado po e qe este peímeto é ifeio ao do se polígoo cicscito, obtemos a segite desigaldade: tg tg. (*) No caso paticla de 6, temos m hexágoo egla e, sbstitido a fómla. Potato,, 464. acima obtida, vem 6 tg0 6, 464 Aalogamete, se cosideamos agoa m polígoo com lados iscito ma cicfeêcia, e se de segida, taçamos os segmetos de ecta qe em o ceto da cicfeêcia aos vétices do polígoo, assim como os segmetos qe em o ceto da cicfeêcia ao poto médio de cada lado do polígoo, vamos obte também m polígoo decomposto em tiâglos ectâglos cogetes, tal como sgee a figa segite: Também este polígoo iscito teá de peímeto p. Já a amplitde Â, cosideado a imagem acima, o tiâglo sombeado a azl, podemos agoa epesetá-la da p 60 segite foma: se Â. O qe é eqivalete a esceve qe p se. Como também este peímeto é dado po p, podemos escevê-lo da segite maeia: 60 se. Como o peímeto da cicfeêcia é e o peímeto do polígoo iscito seá meo do qe o peímeto da cicfeêcia, eslta-os a segite desigaldade: se se. (**) 45

46 Tomado ovamete o caso paa 6, obtemos 6 0 se De (*) e de (**) podemos cocli qe se tg. Cocetamete paa o caso do hexágoo ( 6), obtemos, 464. Utilizado este método, Aqimedes so apoximações de paa, 4, 48 e 96. Obsevemos a tabela qe se sege, ode se podem obseva os valoes obtidos po Aqimedes. Da tabela decoe qe, com m polígoo de 96 lados, Aqimedes calclo m valo paa com das casas decimais coectas. Salieta-se qe este valo foi obtido sem tiliza símbolos algébicos, úmeos áabes, o otação decimal qe são de so comm actalmete. Um método semelhate ao apesetado, qe cosiste em cosidea as áeas dos polígoos eglaes é tilizado ma aplicação iteactiva ciada em 009 po Magaida Oliveia. (4 ) 46

47 O objectivo desta aplicação cosiste a exploação iteactiva das scessões cjos temos são as áeas de polígoos iscitos e cicscitos ma cicfeêcia itáia. Este estdo potecia o estdo de apoximações po excesso e defeito do úmeo. Se fomos ametado o úmeo de lados, podemos obte valoes cada vez mais póximos, cofome se ilsta abaixo: Aqimedes desevolve m método paa calcla a áea de m cíclo, ode so empiicamete os ifiitésimos: a áea do cíclo é a soma das áeas de ifiitos tiâglos ifiitésimos de base b e alta igal ao aio. 47

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy

1 - CORRELAÇÃO LINEAR SIMPLES rxy 1 - CORRELAÇÃO LINEAR IMPLE Em pesquisas, feqüetemete, pocua-se veifica se existe elação ete duas ou mais vaiáveis, isto é, sabe se as alteações sofidas po uma das vaiáveis são acompahadas po alteações

Leia mais

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados

Demonstrações Geométricas, Algébricas e Solução de Equações Discretas utilizando as Sequências de Números Figurados Demostações Geométicas, Algébicas e Solução de Equações Discetas utilizado as Sequêcias de Númeos Figuados José Atoio Salvado Depatameto de Matemática - CCET - Uivesidade Fedeal de São Calos 3565-905,

Leia mais

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional

Capítulo I Erros e Aritmética Computacional C. Balsa e A. Satos Capítulo I Eos e Aitmética Computacioal. Itodução aos Métodos Numéicos O objectivo da disciplia de Métodos Numéicos é o estudo, desevolvimeto e avaliação de algoitmos computacioais

Leia mais

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo:

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: P1 - MA 1-011 Questão 1 Considee a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: a 1 = 1 a = + 3 a 3 = + 5 + 6 a = 7 + 8 + 9 + 10 (05) (a) O temo a 10 é a soma de 10 inteios consecutivos Qual é o

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra 5. Campo Gavítico ómalo elação ete o potecial gavítico e o potecial omal é dada po: W ( x, y, z = U( x, y,z + ( x, y,z O campo gavítico aómalo ou petubado é etão defiido pela difeeça do campo gavítico

Leia mais

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES

FORMULÁRIO ELABORAÇÃO ITENS/QUESTÕES CÓDIGOFO 7.5./0 REVISÃO 0 PÁGINA de CONCURSO DOCENTES EFETIVOS DO COLÉGIO PEDRO II DATA//0 CARGO/ARÉA MATEMÁTICÁ CONTEÚDO PROGRAMÁTICOSISTEMAS LINEARES/ VETORES NO R /GEOMETRIA ANALÍTICA EMR. NÍVEL DE

Leia mais

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Capítulo 4 Variáveis Aleatórias Discretas. Prof. Fabrício Maciel Gomes Capítulo 4 Vaiáveis Aleatóias Discetas Pof. Fabício Maciel Gomes Picipais Distibuições de Pobabilidade Discetas Equipovável Beoulli Biomial Poisso Geomética Pascal Hipegeomética Distibuição Equipovável

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES

NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE VIRTUAL DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MATEMÁTICA NÚMEROS IRRACIONAIS E TRANSCENDENTES IMPERATRIZ 009 JULIMAR

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Maio/ Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Funções analíticas complexas

Funções analíticas complexas Capítulo 5 Fuções aalíticas complexas 5 Itodução As fuções aalíticas são as fuções epesetáveis po séies de potêcias Até meados do séc XVII a oção de fução cofudia-se com a de fómula algébica com vaiáveis,

Leia mais

APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA

APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA (CÁLCULO DIFERENCIAL EM ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Cálculo Dieecial em Cálculo dieecial em

Leia mais

Cálculo II Sucessões de números reais revisões

Cálculo II Sucessões de números reais revisões Ídice 1 Defiição e exemplos Cálculo II Sucessões de úmeros reais revisões Mestrado Itegrado em Egeharia Aeroáutica Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Atóio Beto beto@ubi.pt Departameto de Matemática Uiversidade

Leia mais

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO

TRABALHO E POTENCIAL ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I 5 TABALHO POTNCIAL LTOSTÁTICO Nos capítulos ateioes ós ivestigamos o campo elético devido a divesas cofiguações de cagas (potuais, distibuição liea, supefície de cagas e distibuição volumética

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A.º Ao Dração: 90 mitos Março/ 05 Nome N.º T:.ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla, selecioe a resposta correta

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T:

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T: Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Março/ Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/004, de de Março Prova Escrita de Matemática A 1.º Ao de Escolaridade Prova 5/1.ª Fase 11 Págias Dração da Prova: 150 mitos. Tolerâcia: 0 mitos. 009

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Maio/ 9 Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Esquemas simétricos de cifra

Esquemas simétricos de cifra Esquemas siméticos de cifa Notas paa a UC de Seguaça Ifomática Iveo de 12/13 Pedo Félix (pedofelix em cc.isel.ipl.pt) Istituto Supeio de Egehaia de Lisboa Sumáio Pimitivas de cifa em bloco Pimitivas iteadas

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Egehaia de Loea EEL LOB101 - FÍSICA IV Pof. D. Duval Rodigues Juio Depatameto de Egehaia de Mateiais (DEMAR) Escola de Egehaia de Loea (EEL) Uivesidade de São Paulo

Leia mais

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2

M23 Ficha de Trabalho SUCESSÕES 2 M Ficha de Trabalho NOME: SUCESSÕES I PARTE Relativamete à sucessão a =, pode-se afirmar que: (A) É um ifiitamete grade positivo (B) É um ifiitésimo (C) É um ifiitamete grade egativo (D) É limitada Cosidere

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Números reais Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Números reais 1,, 3, cojuto dos úmeros aturais 0,1,,3, cojuto dos úmeros iteiros p q /p e q cojuto dos úmeros racioais a, a 0 a 1 a a, a e a i 0, 1,, 3, 4,

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A.º Ao Dração: 9 mitos Jho/ 4 Nome N.º T: Classificação O Prof. (Lís Abre).ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais

Secção 1. Introdução às equações diferenciais Secção. Itrodução às equações difereciais (Farlow: Sec..,.) Cosideremos um exemplo simples de um feómeo que pode ser descrito por uma equação diferecial. A velocidade de um corpo é defiida como o espaço

Leia mais

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo Áeas pate Rodigo Lucio Isabelle Aaújo Áea do Cículo Veja o cículo inscito em um quadado. Medida do lado do quadado:. Áea da egião quadada: () = 4. Então, a áea do cículo com aio de medida é meno do que

Leia mais

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.)

Forma Integral das Equações Básicas para Volume de Controle (cont.) EOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Núcleo de Egehaia Témica e Fluidos Foma Itegal das Equações Básicas paa Volume de Cotole (cot.) Teoema do Taspote de Reyolds: elação geal ete a taxa de vaiação de qq. popiedade

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO

CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO Capítulo 4 - Cinemática Invesa de Posição 4 CAPÍTULO 04 CINEMÁTICA INVERSA DE POSIÇÃO 4.1 INTRODUÇÃO No capítulo anteio foi visto como detemina a posição e a oientação do ógão teminal em temos das vaiáveis

Leia mais

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas e de testes intermédios desta disciplina.

No arquivo Exames e Provas podem ser consultados itens e critérios de classificação de provas e de testes intermédios desta disciplina. INFORMAÇÃO-PROVA MATEMÁTICA A 016 Prova 635 1.º ao de Escolaridade (Decreto-Lei.º 139/01, de 5 de jlho) O presete docmeto divlga iformação relativa à prova de eame fial acioal do esio secdário da disciplia

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Desempenho de Sistemas de Computação. Arranjos: Amostras Ordenadas. Exemplo Depatameto de Ifomática Disciplia: Modelagem Aalítica do Desempeho de Sistemas de Computação Elemetos de Aálise Combiatóia Pof. Ségio Colche colche@if.puc-io.b Teoema: Elemetos de Aálise Combiatóia Modelagem

Leia mais

Revisão Vetores em R n

Revisão Vetores em R n Revisão Vetoes em R Deiição O espaço vetoial R é o cojuto R : {( x1,, x) xi R, i 1,, } o qual deiimos as opeações: a) Se u ( x 1,, x ) e v ( y 1,, y ) estão em R temos que u + v ( x1 + y1,, x + y) ; b)

Leia mais

o anglo resolve a prova da 2ª fase da FUVEST

o anglo resolve a prova da 2ª fase da FUVEST o anglo esolve É tabalho pioneio. estação de seviços com tadição de confiabilidade. Constutivo, pocua colaboa com as ancas Examinadoas em sua taefa de não comete injustiças. Didático, mais do que um simples

Leia mais

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE

CAPÍTULO IV DESENVOLVIMENTOS EM SÉRIE CAPÍTUO IV DESENVOVIMENTOS EM SÉRIE Série de Taylor e de Mac-auri Seja f ) uma fução real de variável real com domíio A e seja a um poto iterior desse domíio Supoha-se que a fução admite derivadas fiitas

Leia mais

Prova Escrita de Matemática B

Prova Escrita de Matemática B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Deceto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Pova Escita de Matemática B 10.º e 11.º Anos de Escolaidade Pova 735/.ª Fase 13 Páginas Duação da Pova: 150 minutos. Toleância:

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A 1º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ 1 Nome Nº T: 1.ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla, selecioe a resposta

Leia mais

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas

Fundamentos de Análise Matemática Profª Ana Paula. Sequência Infinitas Fudametos de Aálise Matemática Profª Aa Paula Sequêcia Ifiitas Defiição 1: Uma sequêcia umérica a 1, a 2, a 3,,a,é uma fução, defiida o cojuto dos úmeros aturais : f : f a Notação: O úmero é chamado de

Leia mais

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS

ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS ENSINO DE EQUAÇÕES E FUNÇÕES DE PRIMEIRO E SEGUNDO GRAU COM O AUXÍLIO DOS JOGOS DIDÁTICOS Atu Cuz de Sousa Acadêmico do 9º peíodo do cuso de Licenciatua em Matemática pela UFT. Bolsista do PIBID (Pogama

Leia mais

DERIVADAS DE FUNÇÕES11

DERIVADAS DE FUNÇÕES11 DERIVADAS DE FUNÇÕES11 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 11.1 O cálculo diferecial 11. Difereças 11.3 Taxa de variação média 11.4 Taxa de variação istatâea e potual 11.5 Primeiros exemplos

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico ESAF/ANA/2009 da Pova de Raciocínio Lógico (Refeência: Pova Objetiva 1 comum a todos os cagos). Opus Pi. Rio de Janeio, maço de 2009. Opus Pi. opuspi@ymail.com 1 21 Um io pincipal tem, ao passa em deteminado

Leia mais

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009.

Preliminares 1. 1 lim sup, lim inf. Medida e Integração. Departamento de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales. 8 de março de 2009. Medida e Itegração. Departameto de Física e Matemática. USP-RP. Prof. Rafael A. Rosales 8 de março de 2009. 1 lim sup, lim if Prelimiares 1 Seja (x ), N, uma seqüêcia de úmeros reais, e l o limite desta

Leia mais

SISTEMA DE COORDENADAS

SISTEMA DE COORDENADAS ELETROMAGNETISMO I 1 0 ANÁLISE VETORIAL Este capítulo ofeece uma ecapitulação aos conhecimentos de álgeba vetoial, já vistos em outos cusos. Estando po isto numeado com o eo, não fa pate de fato dos nossos

Leia mais

Série II - Resoluções sucintas Energia

Série II - Resoluções sucintas Energia Mecânica e Ondas, 0 Semeste 006-007, LEIC Séie II - Resoluções sucintas Enegia. A enegia da patícula é igual à sua enegia potencial, uma vez que a velocidade inicial é nula: V o mg h 4 mg R a As velocidades

Leia mais

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas

Capítulo 3. Sucessões e Séries Geométricas Capítulo 3 Sucessões e Séries Geométricas SUMÁRIO Defiição de sucessão Mootoia de sucessões Sucessões itadas (majoradas e mioradas) Limites de sucessões Sucessões covergetes e divergetes Resultados sobre

Leia mais

Seu pé direito nas melhores Faculdades

Seu pé direito nas melhores Faculdades 0 INSPER 01/11/00 Seu pé dieito nas melhoes Faculdades 0. Na figua a segui, ABC e DEF são tiângulos equiláteos, ambos de áea S. O ponto D é o baicento do tiângulo ABC e os segmentos BC e DE são paalelos.

Leia mais

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes

Séquências e Séries Infinitas de Termos Constantes Capítulo Séquêcias e Séries Ifiitas de Termos Costates.. Itrodução Neste capítulo estamos iteressados em aalisar as séries ifiitas de termos costates. Etretato, para eteder as séries ifiitas devemos ates

Leia mais

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas

Seção 24: Laplaciano em Coordenadas Esféricas Seção 4: Laplaciano em Coodenadas Esféicas Paa o leito inteessado, na pimeia seção deduimos a expessão do laplaciano em coodenadas esféicas. O leito ue estive disposto a aceita sem demonstação pode dietamente

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Matemática. Geodesia Física. João Catalão

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Matemática. Geodesia Física. João Catalão Faculdade de Ciêcias da Uivesidade de Lisboa Depatameto de Matemática Geodesia Física João Catalão Lisboa, Fudametos do campo gavítico Ídice Capítulo - Fudametos do Campo gavítico. O campo gavítico...

Leia mais

Aluno(a): Professor: Chiquinho

Aluno(a): Professor: Chiquinho Aluo(a): Pofesso: Chquho Estatístca Básca É a cêca que tem po objetvo oeta a coleta, o esumo, a apesetação, a aálse e a tepetação de dados. População e amosta - População é um cojuto de sees com uma dada

Leia mais

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO

FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO FECHE A CAIXA DA MULTIPLICAÇÃO Apaecida Fancisco da SILVA* Helia Matiko Yano KODAMA * Resumo: Este atigo tem como objetivo divulga pate dos tabalhos ealizados em sala de aula de matemática da EE Otacílio

Leia mais

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES

CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES CAMPO ELÉCTRICO NO EXTERIOR DE CONDUTORES LINEARES 1. Resumo A coente que passa po um conduto poduz um campo magnético à sua volta. No pesente tabalho estuda-se a vaiação do campo magnético em função da

Leia mais

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados

Cap03 - Estudo da força de interação entre corpos eletrizados ap03 - Estudo da foça de inteação ente copos eletizados 3.1 INTRODUÇÃO S.J.Toise omo foi dito na intodução, a Física utiliza como método de tabalho a medida das qandezas envolvidas em cada fenômeno que

Leia mais

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática A 2.º ao de Escolaridade Prova 65/2.ª Fase Págias Dração da Prova: 50 mitos. Tolerâcia: 0 mitos 2008

Leia mais

Séries e aplicações15

Séries e aplicações15 Séries e aplicações5 Gil da Costa Marques Fudametos de Matemática I 5. Sequêcias 5. Séries 5. Séries especiais 5.4 Arquimedes e a quadratura da parábola 5.5 Sobre a Covergêcia de séries 5.6 Séries de Taylor

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D.

Prof. Daniel I. De Souza, Jr., Ph.D. CONAMET/SAM 26 TESTE DE VIDA SEQÜENCIAL APLICADO A UM TESTE DE VIDA ACELERADO COM UMA DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAGEM WEIBULL DE TRÊS PARÂMETROS - UMA ABORDAGEM UTILIZANDO-SE O MÉTODO DO MAXIMUM LIKELIHOOD

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Matemática A. 12.º Ano de Escolaridade. Prova 635/2.ª Fase. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos.

VERSÃO 1. Prova Escrita de Matemática A. 12.º Ano de Escolaridade. Prova 635/2.ª Fase. Duração da Prova: 150 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO DecetoLei n.º 74/004, de 6 de maço Pova Escita de Matemática A.º Ano de Escolaidade Pova 65/.ª Fase 8 Páginas Dação da Pova: 50 mintos. Toleância: 0 mintos. 0 VERSÃO

Leia mais

Prova Escrita de Matemática A

Prova Escrita de Matemática A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO DecetoLei n.º 39/0, de 5 de julho Pova Escita de Matemática A.º Ano de Escolaidade Pova 635/Época Especial Citéios de Classificação Páginas 03 COTAÇÕES GRUPO I. a 8....(8

Leia mais

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré. 1 Sequências de números reais 1

Sequências Reais. Departamento de Matemática - UEL Ulysses Sodré.  1 Sequências de números reais 1 Matemática Essecial Sequêcias Reais Departameto de Matemática - UEL - 200 Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessecial/ Coteúdo Sequêcias de úmeros reais 2 Médias usuais 6 3 Médias versus progressões

Leia mais

Tema: Guia para o estudo das sucessões 12º ano de escolaridade

Tema: Guia para o estudo das sucessões 12º ano de escolaridade Istitto Sperior de Edcação I S E Trabalho cietifico do fim do crso apresetado ao I S E Para obteção do gra de liceciatra em matemática Tema: Gia para o estdo das scessões º ao de escolaridade Orietador,

Leia mais

SEQUÊNCIA DE FIBONACCI: HISTÓRIA, PROPRIEDADES E RELAÇÕES COM A RAZÃO ÁUREA 1

SEQUÊNCIA DE FIBONACCI: HISTÓRIA, PROPRIEDADES E RELAÇÕES COM A RAZÃO ÁUREA 1 Disc Scieti Séie: Ciêcis Ntuis e Tecológics S Mi v 9 p 67-8 008 67 ISSN 98-84 SEQUÊNCIA DE FIBONACCI: HISTÓRIA PROPRIEDADES E RELAÇÕES COM A RAZÃO ÁUREA FIBONACCI SEQUENCE: HISTORY PROPERTIES AND CONNECTIONS

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 0 Profa Maria Atôia Gouveia 6 A figura represeta um cabo de aço preso as etremidades de duas hastes de mesma altura h em relação a uma plataforma horizotal A represetação

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (14 de agosto de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental)

XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Prova da Primeira Fase (14 de agosto de 2010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Instuções: XXXIV OLIMPÍADA PAULISTA DE MATEMÁTICA Pova da Pimeia Fase (14 de agosto de 010) Nível α (6 o e 7 o anos do Ensino Fundamental) Folha de Peguntas A duação da pova é de 3h30min. O tempo mínimo

Leia mais

Generalidades sobres funções. ab, em que a pertence a A e b pertence a B.

Generalidades sobres funções. ab, em que a pertence a A e b pertence a B. mata1 unções Poduto catesiano de A po B Genealidades sobes unções,, conjunto dos paes odenados, A B a b a A b B Gáico de uma unção ab, em que a petence a A e b petence a B. G A B é um gáico de uma unção

Leia mais

Resumo. Abstract The Golden Number and the Fibonacci Sequences

Resumo. Abstract The Golden Number and the Fibonacci Sequences 04: Trabalho de Coclsão de Crso do Mestrado Profissioal em Matemática - PROMAT Uiversidade ederal de São João del-rei - USJ / Camps Alto Paraopeba - CAP Sociedade Brasileira de Matemática - SBM A Razão

Leia mais

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica Técnica. Aula 4 Adição e Subtração de Vetores Cartesianos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 4 Adição e Subtação de Vetoes Catesianos Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Pof. MSc. Luiz Eduado Mianda J. Rodigues Tópicos Abodados Nesta Aula Opeações com Vetoes Catesianos. Veto Unitáio.

Leia mais

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE

lim Px ( ) 35 x 5 ), teremos Px ( ) cada vez mais próximo de 35 (denotaremos isso da forma Px ( ) 35 ). UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE CURSO DISCIPLINA PROFESSOR I) Itrodução ao Limite de uma Fução UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CAMPUS IV-CCAE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Limite de uma Fução José Elias

Leia mais

Introdução às Equações Diferencias Parciais. Problemas com Valor de Fronteira e com Valores Iniciais

Introdução às Equações Diferencias Parciais. Problemas com Valor de Fronteira e com Valores Iniciais Intodção às Eqações Dieencias Paciais Poblemas com Valo de Fonteia e com Valoes Iniciais Conteúdo 1. Opeadoes Dieenciais. Condições iniciais e de onteia 3. Eqações Dieenciais Paciais 4. Sistemas de coodenadas.

Leia mais

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes

Capítulo 29: Campos Magnéticos Produzidos por Correntes Capítulo 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Cap. 9: Campos Magnéticos Poduzidos po Coentes Índice Lei de iot-savat; Cálculo do Campo Poduzido po uma Coente; Foça Ente duas Coentes Paalelas; Lei

Leia mais

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real.

Mas o que deixou de ser abordado na grande generalidade desses cursos foi o estudo dos produtos infinitos, mesmo que só no caso numérico real. Resumo. O estudo das séries de termos reais, estudado as disciplias de Aálise Matemática da grade geeralidade dos cursos técicos de liceciatura, é aqui estedido ao corpo complexo, bem como ao caso em que

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON

F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Colégio de S. Goçalo - Amarate - F- MÉTODO DE NEWTON-RAPHSON Este método, sob determiadas codições, apreseta vatages sobre os método ateriores: é de covergêcia mais rápida e, para ecotrar as raízes, ão

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1

FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM ATIVIDADES INVESTIGATIVAS: PROPORCIONANDO ENSINAR ÁLGEBRA NOS ANOS INICIAIS 1 Kaina Taís Kein (Gaduanda em Aquitetua e Ubanismo Univates) Cento Univesitáio Univates kainakein@gmail.com

Leia mais

O GRADIENTE DO POTENCIAL E A ENERGIA NO CAMPO ELETROSTÁTICO

O GRADIENTE DO POTENCIAL E A ENERGIA NO CAMPO ELETROSTÁTICO LTROMAGNTISMO I 34 5 O GRADINT DO POTNCIAL A NRGIA NO CAMPO LTROSTÁTICO 5. - O GRADINT DO POTNCIAL Vimos o capítulo 4 que a epessão obtida paa o cálculo da difeeça de potecial ete dois potos, um fial a

Leia mais

PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO.

PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO. PROJETO TOCAR: ORIENTAÇÃO MUSICAL PARA PROFESSORES REGENTES DO ENSINO INFANTIL, UTILIZANDO O VIOLÃO COMO FERRAMENTA DE ENSINO. Kalla Gyzelle Rodigues de Oliveia Pofessoa de Música Secetaia Municipal de

Leia mais

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL

O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM A AJUDA DO SOFTWARE EXCEL UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETA O FORMATO IDEAL DE UMA LATINHA DE ALUMÍNIO: UMA ABORDAGEM SOBRE MÁXIMOS E MÍNIMOS DE UMA FUNÇÃO REAL COM

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS

( ) ρ = ( kg/m ) ρ = 1000 kg/m 4ºC CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS FLUIDOS CAPÍTULO 5 MECÂNICA DOS LUIDOS luidos são substâncias que odem flui, escoa-se com maio ou meno facilidade oque as suas moléculas: movem-se umas em edo das outas com equeno atito, como nos líquidos e estão

Leia mais

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama.

GERADORES. Figura 5.1 (a) Gerador não ideal. (b) Gerador não ideal com a resistência interna r explicita no diagrama. ELEICIDADE CAPÍULO 5 GEADOES Cofome visto o Capítulo, o geado é uma máquia elética capaz de estabelece uma difeeça de potecial elético (ddp) costate (ou fime) ete os extemos de um coduto elético, de maeia

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE

ESCOAMENTOS EM REGIME PERMANENTE ESOAMENTOS EM EGIME EMANENTE eime emaete: são escoametos qe ão aesetam aiação com o temo t Escoametos i-dimesioais: só aesetam m comoete de elocidade qe só aia em ma dieção Escoametos simles hidodiamicamete

Leia mais

Como. Caso 2: senβ = cosα. tgα= e tgβ= x, segue a igualdade. = x = x+ 1 0 = 1, um absurdo. Assim, esse caso não convém. Como. a) 3. b) 6.

Como. Caso 2: senβ = cosα. tgα= e tgβ= x, segue a igualdade. = x = x+ 1 0 = 1, um absurdo. Assim, esse caso não convém. Como. a) 3. b) 6. OS MELHOES GABAITOS DA ITEET: www.elitecampias.com.b (9) 5-0 O ELITE ESOLVE IME 0 - TESTES MATEMÁTICA QUESTÃO 0 Seja o tiâgulo etâgulo ABC com os catetos medido cm e 4 cm. Os diâmetos dos tês semicículos,

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Lui Fancisco da Cu Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Vetoes no plano O plano geomético, também chamado de R, simbolicamente escevemos: R RR {(,), e R}, é o conunto

Leia mais

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo

Seqüências e Séries. Notas de Aula 4º Bimestre/2010 1º ano - Matemática Cálculo Diferencial e Integral I Profª Drª Gilcilene Sanchez de Paulo Seqüêcias e Séries Notas de Aula 4º Bimestre/200 º ao - Matemática Cálculo Diferecial e Itegral I Profª Drª Gilcilee Sachez de Paulo Seqüêcias e Séries Para x R, podemos em geral, obter sex, e x, lx, arctgx

Leia mais

Em certas situações particulares é possível operar com raízes quadradas, raízes cúbicas,...

Em certas situações particulares é possível operar com raízes quadradas, raízes cúbicas,... Escola Secudária/, da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática A Ao Lectivo 000/0 Cojuto IR - Operações com radicais, racioalização de deomiadores e equadrametos 0º Ao Nome: Nº: Turma: NÚMEROS IRRACIONAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL - PROFMAT TIAGO BANDEIRA CASTRO PROPOSTA DE INTRODUÇÃO DE CÁLCULO VARIACIONAL

Leia mais

A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹

A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹ A OFERTA DO ENSINO MÉDIO NAS REGIÕES DE INTEGRAÇÃO DO MARAJÓ E METROPOLITANA DE BELÉM/PA¹ Gean Feeia de Noonha Gaduando de Pedagogia Univesidade Fedeal do Paá. gean.noonha@hotmail.com Layza Amanda Silva

Leia mais

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan.

Matemática. Binômio de Newton. Professor Dudan. Matemática Biômio de Newto Professor Duda www.acasadococurseiro.com.br Matemática BINÔMIO DE NEWTON Defiição O biômio de Newto é uma expressão que permite calcular o desevolvimeto de (a + b), sedo a +

Leia mais

Elementos de Análise - Verão 2001

Elementos de Análise - Verão 2001 Elemetos de Aálise - Verão 00 Lista Thomas Robert Malthus, 766-834, foi professor de Ecoomia Política em East Idia College e em seu trabalho trouxe à luz os estudos sobre diâmica populacioal. Um de seus

Leia mais

1ª etapa Despertando o olhar geométrico

1ª etapa Despertando o olhar geométrico Oficina Geometia Nesta oficina seão tabalhados alguns conceitos geométicos impotantes: Ângulos Paalelismo e pependiculaidade Polígonos e cicunfeência Simetia O mateial tem o objetivo de desenvolve as seguintes

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano Escola Secundáia/ da Sé-Lamego Ficha de Tabalho de Matemática Ano Lectivo 00/04 Geometia - Revisões º Ano Nome: Nº: Tuma: A egião do espaço definida, num efeencial otonomado, po + + = é: [A] a cicunfeência

Leia mais

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010 GEOMETRIA BÁSICA 200-2 GGM006-TURMA M2 Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 8//200 Defiição : PRISMA Cosidere dois plaos paralelos α e β e um segmeto de reta PQ, cuja reta suporte r itercepta o plao α.

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor de Contorno para Equações Diferenciais Ordinárias EQE-358 MÉTODOS NUMÉICOS EM ENGENHI QUÍMIC OFS. EVISTO E GIMIO Caítlo 9 oblema de Valo de Cotoo aa Eqaçõe Dfeea Odáa Codee o eemlo ltatvo da dfão-eação em ma atíla atalíta eféa e ooa: Balaço de maa: etado

Leia mais

MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES. Luciana Vieira de Oliveira

MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES. Luciana Vieira de Oliveira MULHERES E INCLUSÃO SOCIAL: LIMITES E POSSIBILIDADES Luciana Vieia de Oliveia Gaduanda da Univesidade Regional do Caii- URCA lucianaalbuquequeoliveia@hotmail.com Ediana Alves Cavalho Gaduanda da Univesidade

Leia mais

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO

setor 1202 Aulas 39 e 40 ESTUDO DO CAMPO ELÉTRICO seto 10 100508 ulas 39 e 40 ESTUDO DO CMPO ELÉTRICO CMPO DE UM CRG PUNTIFORME P E p = f (, P) Intensidade: E K = Dieção: eta (, P) Sentido: 0 (afastamento) 0 (apoximação). (FUVEST) O campo elético de uma

Leia mais

Capítulo II Electrostática e Campo Eléctrico

Capítulo II Electrostática e Campo Eléctrico ELECTROMAGNETISMO Cso de Electotecnia e de Comptadoes 1º Ano º Semeste 1-11 Capítlo II Electostática e Campo Eléctico.1 Popiedades da caga eléctica Veificamos a pati de obsevações expeimentais, qe a caga

Leia mais