COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS"

Transcrição

1 COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Última atualização:

2 DOMICÍLIOS ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS 2

3 Água EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO À REDE DE ÁGUA NO BRASIL, % 95% 94% 93% 92% 91,7% 92,5% 93,1% 93,7% 94,2% 94,7% 94,9% 95,5% 91% 90% 89% 88,7% 89,3% 89,3% 89,9% 91,0% 88% 87,3% 87% 86% *

4 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS Esgoto COM ACESSO À REDE COLETORA DE ESGOTO OU FOSSA SÉPTICA NO BRASIL, % 63% 62,6% 63,0% 62,6% 62% 61,5% 61% 60,1% 60% 59% 58,4% 58,8% 58,5% 58% 57% 56% 55% 54,7% 55,6% 56,3% 55,8% 55,8% 56,1% 54% *

5 Lixo EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM COLETA DE LIXO NO BRASIL, % 83% 82,0% 82,8% 83,6% 83,5% 83,9% 83,1% 81% 79% 78,1% 78,5% 79,3% 79,6% 79,2% 77,0% 77% 75,5% 76,4% 75% *

6 Iluminação EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ILUMINAÇÃO ELÉTRICA NO BRASIL, ,0% 99,5% 99,0% 98,5% 98,9% 99,1% 99,3% 99,5% 99,6% 99,7% 98,5% 98,1% 98,0% 97,5% 97,0% 96,6% 97,0% 96,8% 97,1% 97,6% 96,5% 96,0% 96,0% 95,5% 95,0% *

7 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE Celular DOMICÍLIOS COM TELEFONE CELULAR NO BRASIL, % 79% 75,4% 78,4% 82,5% 86,4% 88,3% 89,8% 91,1% 69% 59% 59,1% 63,4% 67,5% 49% 47,6% 39% 31,0% 34,6% 38,5% 29% *

8 Fixo EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM TELEFONE FIXO NO BRASIL, % 51,1% 52,8% 50,8% 51% 49% 48,7% 47,9% 47% 45% 46,5% 45,1% 44,4% 43,1% 43% 41,6% 41% 40,2% 39,9% 39% 38,6% 37% 37,1% 35% *

9 DOMICÍLIOS POSSE DE BENS DURÁVEIS 9

10 Fogão EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM FOGÃO NO BRASIL, ,3% 99,2% 99,2% 99,2% 99,2% 99,2% 99,2% 99,1% 99,1% 99,1% 99,1% 99,1% 99,0% 99,0% 99,0% 99,0% 98,9% 99,0% 99,0% 98,9% 98,9% 98,9% 98,9% 98,8% *

11 Geladeira EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM GELADEIRA NO BRASIL, % 98% 96% 94,6% 95,8% 96,7% 97,2% 97,6% 94% 93,3% 92,0% 92% 90,6% 90% 88% 86,6% 87,8% 89,0% 87,3% 87,3% 86% 85,1% 84% *

12 Lava Roupas EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM MÁQUINA DE LAVAR ROUPA NO BRASIL**, % 55% 55,2% 57,5% 58,7% 51,0% 50% 47,8% 45% 41,5% 44,4% 40% 35% 33,6% 33,9% 34,3% 34,3% 35,6% 37,3% 39,2% 30% *

13 Televisão EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM TELEVISÃO NO BRASIL, % 97% 95% 93,4% 94,4% 95,2% 95,9% 96,6% 97,0% 97,0% 97,0% 93% 91% 91,2% 89% 86,8% 88,6% 87% 85,1% 85,9% 85% 83,0% 83% 81% *

14 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL Computador DE DOMICÍLIOS COM MICROCOMPUTADOR NO BRASIL, % 46,4% 48,9% 48,5% 45% 42,9% 40% 38,9% 34,7% 35% 31,2% 30% 26,5% 25% 20% 15% 22,0% 18,5% 16,3% 12,6% 14,2% 15,3% 10% *

15 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS Computador com COM Internet MICROCOMPUTADOR COM ACESSO À INTERNET NO TOTAL DE DOMICÍLIOS COM COMPUTADOR NO BRASIL, % 86% 83,0% 81,8% 76% 75,2% 66% 64,1% 56% 46% 36% 27,3% 34,6% 41,9% 26% 16% 9,8% 12,0% 13,5% 14,5% 16,7% 21,5% 6%

16 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS QUE POSSUEM CADA BEM OU SERVIÇO, 2004 E 2014 Água Esgoto Lixo Iluminação Elétrica Celular Fixo Fogão Televisão Geladeira Lava Roupas Computador Computador com Internet Carro * Carro e Moto * Moto * 96,8% 99,7% 99,1% 99,2% 100,0% 95,5% 97,0% 97,6% ,3% 91,1% ,8% 87,3% 83,1% 81,8% 80,0% 77,0% 60,0% 55,8% 62,6% 58,7% 47,6% 48,7% 48,5% 40,0% 37,1% 34,3% 36,1% 30,5% 20,0% 16,3% 14,5% 9,2% 8,8% 12,0% 5,9% 0,0%

17 DOMICÍLIOS ACESSO A BENS E SERVIÇOS 17

18 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO A UMA CESTA DE BENS E SERVIÇOS, 1995 A ,0% 60,0% Acesso a serviços Acesso a bens 58,1% 58,2% 62,0% 62,1% 50,0% 45,2% 50,6% 54,2% 42,8% 46,9% 45,7% 40,0% 36,0% 30,0% 29,6% 20,0% 14,4% 20,1% 10,0% * * *Excluindo áreas rurais dos estados do Norte exceto o Tocantins ** Cesta de bens: geladeira, televisão a cores, telefone ou celular, rádio, fogão com duas bocas ou mais e máquina de lavar *** Cesta de serviços: eletricidade, água (rede geral), saneamento (rede geral ou fossa séptica ligada à rede) e coleta de lixo (direta e indireta)

19 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO A UMA CESTA DE BENS POR REGIÃO, 1995 A % 64,9% 60% Sul Sudeste 59,3% 61,6% 50% 40% Brasil Norte Centro-Oeste Nordeste 50,1% 48,5% 36,0% 46,9% 44,3% 55,3% 44,1% 40,7% 30% 27,5% 27,1% 20,3% 20% 17,0% 14,4% 12,2% 10% 9,1% 4,1% 0% 22,0% 11,3% Excluindo áreas rurais dos estados do Norte exceto o Tocantins ** Cesta de bens: geladeira, televisão a cores, telefone ou celular, rádio, fogão com duas bocas ou mais e máquina de lavar *** Cesta de serviços: eletricidade, água (rede geral), saneamento (rede geral ou fossa séptica ligada à rede) e coleta de lixo (direta e indireta) 20,8% * * ,5% 21,3%

20 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO A UMA CESTA DE BENS POR REGIÃO, 1995, 2004 E ,0% 60,0% ,3% 61,6% 50,0% 40,0% 40,7% 44,1% 41,4% 44,9% 30,0% 30,8% 20,0% 10,0% 4,1% 21,3% 21,5% 16,0% 9,2% 9,1% 12,2% 22,2% 14,4% 20,3% 17,0% 0,0% Nordeste Norte Centro-Oeste Brasil Sudeste Sul Excluindo áreas rurais dos estados do Norte exceto o Tocantins ** Cesta de bens: geladeira, televisão a cores, telefone ou celular, rádio, fogão com duas bocas ou mais e máquina de lavar *** Cesta de serviços: eletricidade, água (rede geral), saneamento (rede geral ou fossa séptica ligada à rede) e coleta de lixo (direta e indireta)

21 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO A UMA CESTA DE SERVIÇOS POR REGIÃO, 1995 A 2014 Sudeste Brasil Sul Centro-Oeste Nordeste Norte 90,0% 82,9% 85,4% 85,4% 80,0% 70,8% 70,0% 62,0% 62,3% 60,0% 58,1% 60,1% 58,8% 50,0% 54,9% 44,8% 45,2% 44,9% 40,0% 36,4% 36,6% 39,1% 39,2% 30,0% 28,0% 32,1% 20,8% 19,3% 22,1% 20,0% 15,9% 16,7% 10,0% 8,0% 0,0% * * Excluindo áreas rurais dos estados do Norte exceto o Tocantins ** Cesta de bens: geladeira, televisão a cores, telefone ou celular, rádio, fogão com duas bocas ou mais e máquina de lavar *** Cesta de serviços: eletricidade, água (rede geral), saneamento (rede geral ou fossa séptica ligada à rede) e coleta de lixo (direta e indireta)

22 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO A UMA CESTA DE SERVIÇOS POR REGIÃO, 1995, 2004 E ,0% 85,4% 81,5% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% ,9% 50,5% 60,1% 45,2% 55,6% 62,3% 70,8% 40,0% 30,0% 20,0% 22,1% 39,2% 29,2% 16,7% 28,0% 33,3% 36,6% 10,0% 8,0% 9,6% 0,0% Norte Nordeste Centro-Oeste Sul Brasil Sudeste *Excluindo áreas rurais dos estados do Norte exceto o Tocantins ** Cesta de bens: geladeira, televisão a cores, telefone ou celular, rádio, fogão com duas bocas ou mais e máquina de lavar *** Cesta de serviços: eletricidade, água (rede geral), saneamento (rede geral ou fossa séptica ligada à rede) e coleta de lixo (direta e indireta)

23 DOMICÍLIOS CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO DO DOMICÍLIO 23

24 Número de domicílios (em 1000) EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS (EM 1.000), *

25 Acréscimo do Número de domicílios (em 1000) VARIAÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS (EM 1.000), *

26 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE DOMICÍLIOS PRÓPRIOS (EM 1.000), Número de domicílios próprios (em 1.000) *

27 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL % de domicílios DE próprios DOMICÍLIOS PRÓPRIOS (EM 1.000), ,0% 74,8% 74,8% 74,8% 74,6% 74,4% 74,4% 74,4% 74,2% 74,2% 74,0% 74,0% 73,8% 73,7% 73,6% 73,5% 73,6% 73,7% 73,4% 73,2% 73,4% 73,4% 73,0% *

28 28 DEMOGRAFIA

29 Total POPULAÇÃO TOTAL, EM MIL PESSOAS, 2004 A *

30 COMPARAÇÃO DO NÚMERO DE PESSOAS POR FAIXA ETÁRIA NO BRASIL (MILHÕES DE PESSOAS), 2004 E anos ou mais a 69 anos a 59 anos a 49 anos a 39 anos 20 a 29 anos 10 a 19 anos a 9 anos em milhões de pessoas

31 NÚMERO DE PESSOAS COM IDADE ATÉ 24 ANOS (MILHÕES DE 0 a 24 anos (mi) PESSOAS), 2004 A 2014 em milhões de pessoas 86,0 85,0 84,9 84,6 84,0 83,7 83,0 82,6 82,0 81,4 81,0 80,8 80,0 79,0 78,0 77,0 80,1 79,5 79,0 78,2 77,2 76, *

32 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE PESSOAS COM 0 A 17 ANOS NO BRASIL, a 17 anos 34% 33,0% 33% 32,3% 32% 31,6% 31% 30,9% 30,2% 30% 29,6% 29% 28,7% 28% 28,1% 27,6% 27% 26,8% 26% 25% *

33 18 a 64 anos EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE PESSOAS 18 A 64 ANOS NO BRASIL, % 64% 63,9% 64% 63% 62,5% 62,8% 63,1% 63,2% 63,6% 63% 62,2% 62% 61,8% 62% 61,3% 61% 60,8% 61% 60,3% 60% *

34 65 anos ou mais EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE PESSOAS COM 65 ANOS OU MAIS NO BRASIL, ,5% 9,3% 9,0% 8,5% 8,6% 8,9% 8,0% 8,2% 7,6% 7,9% 7,5% 7,0% 6,8% 7,3% 6,6% 6,5% 6,0% *

35 EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE PESSOAS COM 65 ANOS OU MAIS E ATÉ 17 ANOS NO BRASIL, * ,5% 33,0% 32,3% 31,6% 30,9% 30,5% 30,2% 29,6% 29,2% 28,7% 28,1% 27,6% 26,8% 25,5% 20,5% 65 anos ou mais 0 a 17 anos 15,5% 10,5% 6,6% 6,8% 7,1% 7,3% 7,6% 7,9% 8,1% 8,2% 8,6% 8,9% 9,3% 5,5%

36 %Urbana PERCENTUAL DE PESSOAS QUE RESIDEM EM ÁREAS URBANAS 85,5% 85,0% 85,0% 84,8% 84,8% 85,1% 84,5% 84,3% 84,0% 83,5% 83,3% 83,6% 83,0% 82,5% 82,7% 82,5% 82,9% 83,0% 82,0% 81,5% 81,0% *

37 37 EDUCAÇÃO

38 Taxa de Analfabetismo EVOLUÇÃO DA TAXA DE ANALFABETISMO DAS PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS DE IDADE NO BRASIL, % 12% 11,5% 11,1% 11% 10,5% 11% 10% 10,1% 10,0% 10% 9,7% 9,1% 9% 9% 8,6% 8,7% 8,5% 8,3% 8% *

39 TAXA DE ANALFABETISMO DAS PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS DE IDADE EM 2004 E 2014 POR GRANDES REGIÕES 24% 22,4% % 16% 16,6% 13,0% 12% 11,5% 8% 6,3% 6,6% 9,2% 6,5% 8,3% 9,0% 4% 4,4% 4,6% Sul Sudeste Centro-Oeste Brasil Norte Nordeste

40 VARIAÇÃO EM PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA DE ANALFABETISMO DAS PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS DE IDADE ENTRE 2004 E 2014 POR GRANDES REGIÕES 0,0-1,0-2,0-2,0-1,9-3,0-3,2-2,8-4,0-4,0-5,0-6,0-5,8-7,0 Nordeste Norte Brasil Sul Sudeste Centro-Oeste

41 * MÉDIA DE ANOS DE ESTUDO Média DAS por Ano -PESSOAS 25 DE 25 ANOS OU MAIS 8,3 7,8 7,6 7,7 7,8 7,3 7,2 7,3 7,4 7,0 6,8 6,7 6,8 6,3 6,1 6,2 6,4 6,5 5,9 5,8

42 Mudança da média de anos de estudo - 25 ou mais MUDANÇA DA MÉDIA DE ANOS DE ESTUDO DAS PESSOAS DE 25 ANOS OU MAIS POR ANO 0,25 0,221 0,226 0,20 0,170 0,179 0,15 0,143 0,143 0,148 0,10 0,110 0,119 0,091 0,091 0,101 0,101 0,05 0,

43 * Média por Ano - 25 MÉDIA DE ANOS DE ESTUDO DAS PESSOAS DE 25 ANOS OU MAIS POR ANO E VARIAÇÃO ABSOLUTA, ,8 7,3 6,8 6,3 0,17 6,11 0,14 6,25 0,11 0,14 0,22 0,12 6,84 6,70 6,48 6,36 0,10 0,10 0,23 7,78 7,68 0,09 7,58 0,09 0,15 0,18 7,35 7,26 7,17 7,02 5,94 5,8

44 PERCENTUAL DE PESSOAS DE 25 ANOS OU MAIS POR NÍVEL DE INSTRUÇÃO, 2007 E ,0% 40,0% 35,0% 39,0% 36,8% ,0% 25,0% 20,0% 21,1% 22,1% 15,0% 13,7% 13,8% 10,0% 9,4% 9,6% 9,3% 10,0% 5,0% 3,8% 4,0% 3,3% 3,3% 0,0% Sem instrução Fundamental incompleto ou equivalente Fundamental completo ou equivalente Médio incompleto ou equivalente Médio completo ou equivalente Superior incompleto ou equivalente Superior completo

45 NÚMERO DE PESSOAS DE 25 ANOS OU MAIS POR NÍVEL DE INSTRUÇÃO, 2007 E 2014 Milhões 45 41,88 40, , ,73 14,71 Rótulos de Linha 11,96 10,13 Sem instrução Fundamental incompleto ou equivalente 4,13 5,24 Fundamental completo ou equivalente 22,62 Médio incompleto ou equivalente 3,51 4,86 Médio completo ou equivalente 9,96 16,56 Superior incompleto ou equivalente 0,40 0,26 Superior completo

46 BRASIL: NÚMERO DE ESTUDANTES (EM MILHÕES DE PESSOAS), Total 2003 A 2014 em milhões de pessoas 58,5 58,0 57,5 57,5 57,4 58,0 57,7 57,5 57,3 57,0 56,8 56,5 56,4 56,0 56,0 55,7 55,9 55,5 55,0 55,1 54,5 54,0 53, *

47 BRASIL: NÚMERO DE ESTUDANTES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Educação infantil (CRECHE E PRÉ-ESCOLA), MILHÕES DE PESSOAS, 2003 A 2014 em milhões de pessoas 8,6 8,4 8,4 8,2 8,3 8,2 8,1 8,0 7,8 7,8 7,8 7,9 7,8 7,7 7,9 8,0 7,6 7,6 7,4 7,2 7, *

48 BRASIL: NÚMERO DE ESTUDANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL Fundamental (EM MILHÕES DE PESSOAS), 2003 A 2014 em milhões de pessoas 35,0 34,0 33,0 33,5 34,3 34,1 34,1 34,2 33,2 33,2 32,8 32,4 32,0 31,0 31,7 31,2 30,0 30,1 29,0 28,0 27, *

49 BRASIL: NÚMERO DE ESTUDANTES NO ENSINO MÉDIO (EM Médio MILHÕES DE PESSOAS), 2003 A 2014 em milhões de pessoas 10,2 10,1 10,1 10,0 9,9 9,8 9,9 9,9 9,8 9,9 9,7 9,7 9,6 9,6 9,5 9,6 9,5 9,5 9,5 9,5 9,4 9,3 9,2 9, *

50 BRASIL: NÚMERO DE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO, MESTRADO OU DOUTORADO (EM MILHÕES DE PESSOAS), Superior 2003 A 2014 em milhões de pessoas 8,0 7,7 7,5 7,3 7,0 6,5 6,1 6,3 6,5 6,6 6,7 6,9 6,0 5,8 5,5 5,1 5,0 4,7 4,8 4,5 4, *

51 PERCENTUAL DE ALUNOS EM ESCOLAS PRIVADAS TODOS OS NÍVEIS 78,0% 77,0% 76,0% 75,0% 75,4% 76,0% 76,4% 76,7% 75,0% 74,6% 74,6% 75,4% 74,0% 73,9% 74,0% 73,2% 73,0% 72,5% 72,0% 71,7% 71,0% 70,0% 69,8% 69,0% 68,0% *

52 52 RENDIMENTO

53 RENDIMENTO MÉDIO REAL R$ Rendimento domiciliar R$ Rendimento de todos os trabalhos Rendimento de todas as fontes R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ *

54 VARIAÇÃO ANUAL DO RENDIMENTO MÉDIO REAL 8,0% 7,0% 7,6% 7,2% Rendimento de todos os trabalhos Rendimento de todas as fontes 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 5,0% 4,9% 4,4% 6,0% 3,2% 2,7% 1,4% Rendimento domiciliar 6,2% 5,5% 5,4% 4,1% 3,9% 2,4% 2,3% 2,2% 2,2% 1,9% 1,8% 1,8% 1,7% 1,5% 1,6% 3,9% 3,4% 2,3% 1,0% 0,0% 2004 a a a a a a 2010* 2010* a ,8% 0,5% 0,2% 2011 a a a 2014

55 ÍNDICE DE GINI DE DIFERENTES RENDIMENTOS REAIS 0,560 0,555 0,550 0,540 0,530 0,520 0,545 0,535 0,548 0,541 0,532 0,544 0,539 0,528 0,531 0,526 0,521 0,526 0,519 0,521 0,516 0,514 Rendimento de todas as fontes Rendimento de todos os trabalhos Rendimento domiciliar 0,510 0,500 0,490 0,513 0,509 0,508 0,506 0,505 0,505 0,501 0,499 0,500 0,496 0,501 0,497 0,495 0,497 0,494 0,490 0, *

56 ÍNDICE DE GINI DO RENDIMENTO DO TRABALHO PRINCIPAL, REGIÕES, 2013 E , , ,519 0,500 0,480 0,484 0,483 0,480 0,485 0,509 0,490 0,501 0,497 0,507 0,460 0,458 0,453 0,440 0,420 Sul Norte Sudeste Nordeste Brasil Centro-Oeste

57 ÍNDICE DE GINI DO RENDIMENTO DE TODOS OS TRABALHOS, REGIÕES, 2013 E ,540 0, ,524 0,500 0,505 0,487 0,495 0,490 0,501 0,480 0,475 0,475 0,468 0,478 0,460 0,453 0,440 0,442 0,420 0,400 Sul Norte Sudeste Centro-Oeste Brasil Nordeste

58 ÍNDICE DE GINI DO RENDIMENTO DOMICILIAR, REGIÕES, 2013 E ,520 0, , ,500 0,500 0,497 0,494 0,491 0,480 0,478 0,478 0,475 0,482 0,460 0,440 0,450 0,445 0,420 0,400 Sul Norte Sudeste Nordeste Brasil Centro-Oeste

59 59 MERCADO DE TRABALHO

60 Taxa de desemprego TAXA DE DESEMPREGO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS 10,0% 9,7% 9,5% 9,0% 9,4% 9,1% 8,9% 9,3% 8,5% 8,0% 8,4% 8,1% 8,3% 7,5% 7,0% 6,5% 7,1% 7,5% 6,7% 6,1% 6,5% 6,9% 6,0% 5,5% 5,0% *

61 TAXA DE DESEMPREGO POR GÊNERO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS 13,0% 12,3% 12,2% 11,9% 12,0% 11,6% 11,7% Mulheres 11,0% 11,0% 10,8% Homens 11,0% 10,0% 10,0% 9,6% 9,1% 8,8% 9,0% 8,2% 8,5% 8,0% 7,8% 7,5% 7,3% 7,0% 6,8% 7,1% 6,3% 6,0% 5,0% 6,0% 5,1% 6,1% 5,5% 4,9% 4,6% 4,9% 5,3% 4,0% *

62 TAXA DE DESEMPREGO POR REGIÃO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS, 2004, 2013 E ,0% ,4% ,0% ,1% 8,9% 8,0% 8,0% 6,9% 6,5% 7,3% 7,3% 7,3% 7,0% 6,5% 7,9% 8,0% 6,0% 5,7% 5,7% 5,5% 4,0% 4,0% 4,0% 2,0% 0,0% Sul Centro-Oeste Brasil Norte Sudeste Nordeste

63 Taxa de participação TAXA DE PARTICIPAÇÃO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS 70,0% 69,0% 68,6% 69,3% 69,0% 68,6% 68,6% 68,6% 68,0% 67,8% 67,8% 67,4% 67,0% 66,0% 67,0% 66,2% 65,9% 65,5% 66,5% 65,0% 64,0% *

64 TAXA DE PARTICIPAÇÃO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS 85,0% 81,0% 81,1% 80,7% 81,2% 81,4% 81,0% 80,4% 80,5% 80,2% 79,3% 78,3% 77,9% 80,0% 77,3% 77,9% 75,0% 70,0% Homens Mulheres 65,0% 60,0% 55,0% 54,1% 55,6% 55,9% 57,0% 58,2% 58,0% 57,7% 57,6% 57,9% 56,4% 55,0% 54,9% 54,6% 56,1% 50,0% *

65 TAXA DE PARTICIPAÇÃO POR REGIÃO PESSOAS DE 15 ANOS OU MAIS, 2004, 2013 E ,0% 73,0% ,0% ,0% 70,6% ,0% 69,2% 69,5% 68,9% 68,6% 67,8% 68,0% 67,3% 67,1% 66,5% 66,5% 66,7% 66,0% 65,5% 65,7% 65,4% 64,0% 62,0% 62,6% 64,1% 60,0% 58,0% 56,0% Nordeste Brasil Sudeste Norte Sul Centro-Oeste

66 Percentual de ocupados informals PERCENTUAL DE OCUPADOS INFORMAIS (SEM CARTEIRA E CONTRA PRÓPRIA SEM CONTRIBUIÇÃO PARA A PREVIDÊNCIA) 44,0% 43,2% 42,0% 42,2% 41,5% 40,6% 40,0% 39,7% 39,3% 38,0% 37,8% 36,0% 36,3% 35,6% 34,7% 34,6% 34,0% 32,0% *

67 PARTICIPAÇÃO DE CADA TIPO DE OCUPAÇÃO NO TOTAL DE OCUPADOS Empregado com carteira de trabalho assinada 50,0% Conta própria 45,0% Empregado sem declaração de carteira de trabalho assinada Trabalhador doméstico sem carteira de trabalho assinada 40,0% Trabalhador doméstico com carteira de trabalho assinada 39,2% 39,6% 40,2% 39,5% 35,0% 37,3% 35,0% 35,4% 33,7% 30,0% 30,9% 31,6% 32,2% 25,0% 20,0% 15,0% 22,3% 22,0% 21,5% 21,5% 20,5% 20,7% 20,9% 21,2% 20,8% 20,7% 21,4% 18,3% 17,8% 17,7% 17,3% 17,1% 16,4% 15,7% 14,9% 15,1% 14,7% 14,6% 10,0% 5,0% 5,7% 5,7% 5,5% 5,4% 5,2% 5,6% 5,2% 4,9% 4,7% 4,5% 4,4% 2,0% 2,0% 2,1% 2,0% 1,9% 2,2% 2,2% 2,2% 2,0% 2,2% 2,1% 0,0% *

68 Aposentadas e/ou pensionistas X Condição de atividade NÚMERO DE APOSENTADOS E/OU PENSIONISTAS (EM MILHÕES) 29 27, ,1 23,0 23,6 24,4 25,1 26,0 26, ,6 19,3 20,1 20,2 21,0 21, *

69 CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO E ATIVIDADE DE APOSENTADOS E/OU PENSIONISTAS 80,0% 74,5% 74,7% 74,2% 72,5% 72,7% 67,6% 68,1% 68,4% 68,1% 69,3% 69,5% 70,4% 70,0% 67,6% 60,0% 50,0% Não economicamente ativa Economicamente ativa - ocupada Economicamente ativa - desocupada 40,0% 30,0% 31,1% 30,4% 30,4% 30,6% 31,3% 29,6% 29,7% 28,6% 26,7% 24,8% 24,7% 25,2% 26,7% 20,0% 10,0% 0,0% 1,3% 1,5% 1,1% 1,3% 1,2% 1,1% 0,8% 0,9% 0,8% 0,6% 0,6% 0,6% 0,6% *

70 CLASSES SOCIAIS NO BRASIL CARACTERÍSTICAS DE ESTUDO, OCUPAÇÃO E IDADE

71 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DEPEC RENDA MENSAL FAMILIAR (VALORES DE DEZEMBRO/2015) CLASSE A R$ OU MAIS CLASSE B DE R$ 6660 A R$ CLASSE C DE R$ 1665 A R$ 6660 CLASSE D DE R$ 1007 A R$ 1665 CLASSE E ATÉ R$ 1007 PESSOAS QUE MORAM EM DOMICÍLIO CUJA RENDA TOTAL É CLASSIFICADA NESTAS FAIXAS

72 EVOLUÇÃO DA TAXA DE DESEMPREGO POR CLASSE SOCIAL, 2004 A ,4% 13,5% 13,0% 12,7% 12,8% 12,3% 12,9% 12,2% 12,1% 12,1% 11,8% 11,0% 11,0% Classes D e E Classes A, B e C 9,0% 7,0% 5,0% 6,1% 6,7% 6,0% 5,7% 5,0% 5,7% 5,1% 4,5% 4,1% 4,3% 4,7% 3,0% *

73 EVOLUÇÃO DA TAXA DE PARTICIPAÇÃO (PEA/PIA) POR CLASSE SOCIAL, 2004 A ,0% 72,0% 71,2% 71,8% 71,7% 72,0% 72,2% 72,2% 71,6% Classes D e E Classes A, B e C 71,1% 70,8% 70,2% 70,9% 67,0% 62,0% 65,5% 66,2% 64,9% 63,4% 62,6% 62,3% 59,6% 57,0% 56,8% 55,0% 54,5% 55,8% 52,0% 47,0% *

74 POSSE DE BENS DURÁVEIS E ACESSO A SERVIÇOS DOMICÍLIOS POR CLASSE RENDA DOMICILIAR 74

75 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM FOGÃO, 2004 E ,0% 99,5% 99,0% 98,5% ,5% 99,2% 99,8% 99,7% 99,6% 100,0% 99,9% 99,9% 98,0% 97,8% 97,5% 97,5% 97,0% 96,5% 96,0% 95,5% 95,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

76 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM GELADEIRA, 2004 E ,0% 95,0% 90,0% ,2% 90,0% 97,0% 97,4% 99,1% 99,4% 99,8% 99,6% 99,9% 85,0% 80,0% 75,0% 71,7% 70,0% 65,0% 60,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

77 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM MÁQUINA DE LAVAR, 2004 E ,0% 90,0% 80,0% ,8% 90,3% 89,0% 94,8% 70,0% 68,2% 60,0% 50,0% 40,0% 40,6% 52,4% 30,0% 20,0% 10,0% 9,8% 26,4% 21,7% 0,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

78 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM TELEVISÃO, 2004 E ,0% 95,0% ,1% 96,1% 96,7% 98,4% 99,3% 99,4% 99,7% 99,5% 90,0% 88,6% 85,0% 80,0% 75,0% 71,9% 70,0% 65,0% 60,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

79 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM COMPUTADOR, 2004 E ,0% 90,0% ,9% 94,3% 80,0% 79,2% 70,0% 66,5% 60,0% 58,3% 50,0% 40,0% 30,0% 26,5% 24,1% 20,0% 15,9% 10,0% 0,0% 1,6% 4,4% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

80 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM COMPUTADOR COM ACESSO À INTERNET SOBRE O TOTAL DE DOMICILIOS, 2004 E ,0% 90,0% 80,0% 70,0% ,7% 72,3% 92,0% 60,0% 50,0% 40,0% 50,2% 56,9% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 0,7% 11,3% 2,4% 20,4% 16,9% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

81 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM COMPUTADOR COM ACESSO À INTERNET SOBRE O TOTAL DE DOMICILIOS COM COMPUTADOR, 2004 E ,0% 90,0% ,2% 85,7% 95,2% 91,3% 97,6% 80,0% 76,8% 70,0% 71,4% 69,9% 60,0% 53,5% 50,0% 45,7% 40,0% 30,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

82 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM TELEFONE CELULAR, 2004 E ,0% 90,0% ,7% 95,9% 88,9% 98,7% 99,1% 94,0% 80,0% 77,1% 70,0% 66,0% 60,0% 50,0% 40,0% 39,8% 30,0% 20,0% 22,0% 10,0% 0,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

83 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM TELEFONE FIXO, 2004 E ,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% ,2% 91,9% 70,7% 95,7% 81,4% 50,0% 40,0% 39,2% 41,5% 30,0% 20,0% 20,2% 14,1% 20,5% 10,0% 0,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

84 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM CARRO, CARRO E MOTO OU APENAS MOTO, ,0% Classe E 80,3% 80,0% Classe D Classe C 70,0% 68,3% Classe B Classe A 60,0% 50,0% 40,0% 42,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 10,3% 19,6% 2,2% 4,3% 18,4% 14,1% 15,4% 15,2% 12,0% 12,1% Apenas carro Carro e moto Moto 2,9% 1,0%

85 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM CARRO, CARRO E MOTO OU APENAS MOTO, 2008 E ,0% Moto 100,0% Carro e moto Apenas carro 87,8% 89,5% 94,3% 95,3% 80,0% 60,0% 58,7% 64,6% 40,0% 38,0% 26,0% 28,4% 20,0% 16,9% 0,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

86 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM CARRO OU CARRO E MOTO, 2008 E ,0% 93,5% 94,2% 90,0% 85,4% 86,5% Carro e moto 80,0% Apenas carro 70,0% 60,0% 50,0% 48,6% 52,6% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 8,4% 11,6% 18,1% 22,5% 0,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

87 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM FOGÃO, GELADEIRA, MÁQUINA DE LAVAR E TELEVISÃO, ,0% 97,5% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A 99,2% 99,7% 99,9% 99,9% 99,1% 99,8% 99,9% 97,0% 92,2% 90,3% 99,4% 96,1% 98,4% 94,8% 92,1% 99,5% 80,0% 68,2% 60,0% 40,0% 40,6% 26,4% 20,0% 0,0% fogão geladeira máquina de lavar televisão

88 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL QUE POSSUEM MICROCOMPUTADOR, COM INTERNET OU NÃO, E TELEFONE CELULAR OU FIXO, 2014 Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A 95,9% 98,7% 97,6% 99,1% 100,0% 94,3% 95,2% 92,0% 87,9% 86,2% 86,7% 83,7% 81,4% 80,0% 76,8% 77,1% 71,4% 70,7% 60,0% 58,3% 50,2% 40,0% 41,5% 20,0% 15,9% 26,5% 11,3% 20,4% 14,1% 20,5% 0,0% microcomputador microcomputador com internet (do total de domicílios) microcomputador com internet (do total de domicílios com computador) telefone celular telefone fixo

89 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL COM ÁGUA DA REDE GERAL, 2004 E ,0% 95,0% ,6% 97,6% 97,9% 99,5% 99,5% 99,7% 99,8% 90,0% 87,9% 90,5% 85,0% 80,0% 77,2% 75,0% 70,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

90 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL LIGADOS À REDE DE ESGOTO OU COM FOSSA LIGADA À REDE DE ESGOTO, 2004 E ,0% 80,0% ,8% 80,8% 86,8% 86,8% 70,0% 70,0% 69,3% 60,0% 54,4% 54,4% 50,0% 48,1% 43,5% 40,0% 30,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

91 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL COM COLETA DE LIXO, 2004 E ,0% 95,0% 90,0% 85,0% ,2% 87,5% 91,1% 89,5% 89,0% 89,7% 80,0% 75,0% 70,0% 70,5% 76,5% 78,3% 65,0% 63,4% 60,0% 55,0% 50,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

92 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL COM ILUMINAÇÃO ELÉTRICA, 2004 E ,0% 99,0% ,9% 99,6% 99,3% 99,9% 99,9% 100,0% 99,9% 100,0% 98,0% 97,5% 97,0% 96,0% 95,0% 94,0% 93,0% 92,9% 92,0% 91,0% 90,0% Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A

93 PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS POR CLASSE SOCIAL COM ACESSO AOS SERVIÇOS, 2014 Classe E Classe D Classe C Classe B Classe A 98,9% 99,6% 97,9% 99,5% 99,8% 99,9% 100,0% 100,0% 100,0% 93,6% 91,1% 87,9% 89,7% 86,8% 87,5% 80,8% 80,0% 78,3% 69,3% 70,5% 60,0% 48,1% 54,4% 40,0% 20,0% 0,0% Água Esgoto - rede geral ou fossa Coleta de lixo Iluminação elétrica

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional Rio de Janeiro, 13/11/2015 Abrangência nacional Características Temas investigados no questionário básico Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução

25/11/2016 IBGE sala de imprensa notícias PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução PNAD 2015: rendimentos têm queda e desigualdade mantém trajetória de redução fotos saiba mais De 2014 para 2015, houve, pela primeira vez em 11 anos, queda nos rendimentos reais (corrigidos pela inflação).

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema. Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012

Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema. Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012 Indicadores socioeconômicos da Região Sul de Diadema Observatório de Políticas Públicas, Econômico e Social de Diadema OPPES Agosto 2012 DEMOGRAFIA População total dos bairros de Diadema e crescimento

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson Machado INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes Diretor

Leia mais

Dicionário de variáveis da PNAD arquivo de domicílios Microdados

Dicionário de variáveis da PNAD arquivo de domicílios Microdados 1 4 V0101 Ano referência 2 UF 2 Unida da Feração 8 V0102 2 Número controle 1 V010 Número série 16 2 V0104 18 2 20 2 V0106 6 22 1 V010 V0201 4 1 PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE Tipo entrevista Total moradores

Leia mais

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014

FNPETI FÓRUM NACIONAL DE PREVENÇÃO E ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL. Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Cenário do Trabalho Infantil Dados PNAD 2014 Fonte: IBGE/Pnad. Elaboração própria. Nota: a PNAD até o ano de 2003 não abrangia a área rural da região Norte (exceto o Tocantins). Nos anos de 1994, 2000

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA

ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA ÍNDICE DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DA REGIÃO DO MATOPIBA Discente: Cássia Maria Gama Lemos Orientadora: Ana Paula Dutra de Aguiar Disciplina: SER 457 e CST 310 - População, Espaço e Ambiente Docentes: Silvana

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Dicionário da PNAD2001 microdado Arquivo de Domicílios

Dicionário da PNAD2001 microdado Arquivo de Domicílios Dicionário da PNAD00 microdado Arquivo Domicílios Posição Tamanho Código V 00 Ano Referência PARTE IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE UF Unida da Feração primeiras posições do controle Número controle V 00 Número

Leia mais

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014

Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 2014 Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS Gerência de Indicadores Sociais - GEISO 17/12/2014 Indicadores Sociais Construção baseada em observações geralmente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

BAIXA RENDA A visão do Painel de Consumidores

BAIXA RENDA A visão do Painel de Consumidores BAIXA RENDA Fontes Utilizadas: PAINEL NACIONAL DE CONSUMIDORES Painel nacional Semanal Consumo domiciliar Levantamento Sócio-Econômico Estudos Especiais 81% da População Nacional 86% do Potencial de Consumo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

Francisco Diniz Bezerra. do Nordeste. Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2011

Francisco Diniz Bezerra. do Nordeste. Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2011 Francisco Diniz Bezerra Indicadores Socioeconômicos do Nordeste Análise Comparativa Regional 2011 Fortaleza Banco do Nordeste do Brasil 2011 Presidente: Jurandir Santiago Diretoria: José Alan Teixeira

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

Indicadores confeccionados com dados do IBGE

Indicadores confeccionados com dados do IBGE Indicadores confeccionados com dados do IBGE IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pesquisas domiciliares Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Censo Demográfico Taxa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestre de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE AGOSTO DE REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE Taxas de atividade e desocupação estáveis Em agosto de havia 3.081 mil pessoas em idade ativa na Região Metropolitana de Recife. Deste

Leia mais

DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009

DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009 DESIGUALDADE DE RENDA E POBREZA RURAL NO BRASIL SEGUNDO O GÊNERO: UMA ABORDAGEM REGIONAL COM OS RESULTADOS DA PNAD 2009 Ezequiel da Silva Calisto Faculdade de Ciências Econômicas Centro de Economia e Administração

Leia mais

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006

Número 50 Setembro de Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em 2006 Número 50 Setembro de 2007 Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Mercado de trabalho e rendimento no Brasil em Apresentação Nesta sexta-feira, dia 14 de setembro de 2007, o Instituto Brasileiro

Leia mais

O Jardim Canadá no IBGE

O Jardim Canadá no IBGE O Jardim Canadá no IBGE Apps > Mapa > Municípios Nova Lima ( código 3144805) Pirâmide Etária Famílias Fecundidade Migração Religião Nupcialidade Domicílios Educação Deficiência Trabalho Rendimento Nova

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - JANEIRO

CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - JANEIRO CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - JANEIRO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Roberto Guerra, Coordenador de campo SUMÁRIO 1. RESULTADOS

Leia mais

CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - FEVEREIRO

CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - FEVEREIRO CONFIANÇA E INTENÇÃO DE COMPRA DO CONSUMIDOR DE FORTALEZA (CE) - FEVEREIRO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Roberto Guerra, Coordenador de campo SUMÁRIO 1. RESULTADOS

Leia mais

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável

Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Resultados de janeiro de 2015 Taxa de desemprego mantém-se relativamente estável RESULTADOS DO MÊS 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites

Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites Salário Mínimo e Distribuição de Renda no Brasil Potencial e Limites João Saboia Instituto de Economia - UFRJ 7 e 8 de Maio de 2014 Seminário Política de Salário Mínimo para 2015-2018 Avaliações de Impacto

Leia mais

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA

TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 23 Nº 11 Resultados de novembro de 2014 TAXA DE DESEMPREGO EQUIVALE A 12,2% DA PEA 1. As informações produzidas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego PED no Distrito

Leia mais

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº %

Tabela População segundo a existência de plano de saúde - Ceilândia - Distrito Federal Plano de Saúde Nº % Quanto à existência de Plano de Saúde observa-se em Ceilândia que 80,9% não contam com este serviço, enquanto 11,0% possui plano empresarial, o que é previsível dado o expressivo percentual de domicílios

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015 TIC DOMICÍLIOS 15 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 15 São Paulo 13 de Setembro de 16 SOBRE O CETIC.br PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS TIC PARA POLÍTICAS PÚBLICAS Modelo Multissetorial de

Leia mais

PED ABC. Novembro 2 DE Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1.

PED ABC. Novembro 2 DE Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1. PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2 DE 2012 DIVULGAÇÃO N o 19 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação se reduz nos Serviços e na Indústria de Transformação

Leia mais

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho

Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho 1 Pesquisa Mensal de Emprego Algumas características da inserção das mulheres no mercado de trabalho Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre 2003-2008 Rio de Janeiro

Leia mais

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego

FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO FEVEREIRO DE 2014 * Aumenta a taxa de desemprego Nível de ocupação diminui nos Serviços, na Indústria de Transformação e na Construção e se eleva

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO EDITAL Nº 10/2013 PROGRAMA AUXILIO MORADIA ANEXO I

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO EDITAL Nº 10/2013 PROGRAMA AUXILIO MORADIA ANEXO I QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO EDITAL Nº 10/2013 PROGRAMA AUXILIO MORADIA ANEXO I DAE - Nº. ATENÇÃO: A veracidade das respostas e a devolução deste questionário são necessárias e indispensáveis para sua participação

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Dimensão e medição da pobreza extrema e a situação social e pobreza extrema no Rio Grande do Sul

Dimensão e medição da pobreza extrema e a situação social e pobreza extrema no Rio Grande do Sul Dimensão e medição da pobreza extrema e a situação social e pobreza extrema no Rio Grande do Sul Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 26 de maio

Leia mais

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal PNAD 2011 Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Rio de Janeiro, 16/05/2013 1 Características Em 2011 foram visitados 146 mil domicílios e entrevistadas 359 mil pessoas. 2

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

Taxa de desemprego permanece estável

Taxa de desemprego permanece estável PESQUISA DE EMRPEGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC¹ 1 Resultados de novembro 2 de 2014 Taxa de desemprego permanece estável 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela Fundação

Leia mais

Taxa de desemprego aumenta no DF

Taxa de desemprego aumenta no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 25 Nº 01 Resultados de janeiro de 2016 Taxa de desemprego aumenta no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

Taxa de desemprego estável no DF

Taxa de desemprego estável no DF MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 11 Resultados de novembro de 2015 Taxa de desemprego estável no DF 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela Secretaria

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2014 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente presença feminina

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015

MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 - Número Especial MERCADO DE TRABALHO NO DISTRITO FEDERAL EM 2015 Os valores aqui apresentados referem-se aos valores anuais médios dos principais indicadores

Leia mais

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC outubro 2 DE 2015 DIVULGAÇÃO N o 54 Taxa de desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo Nível de ocupação aumenta no Comércio e Reparação

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED ABRIL DE 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 365 Taxa de desemprego mantém tendência de crescimento Nível de ocupação diminui na Indústria de Transformação

Leia mais

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE CAXIAS DO SUL COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO

SETEMBRO DE LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO METROPOLITANO 1 SETEMBRO DE 2013 2 LIGEIRO RECUO DA TAXA DE DESEMPREGO As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego revelam ligeira redução da taxa de desemprego e

Leia mais

Taxa de desemprego em relativa estabilidade

Taxa de desemprego em relativa estabilidade PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 PED ABC JUNHO 2 DE 2016 DIVULGAÇÃO N o 62 Taxa de desemprego em relativa estabilidade Aumenta o nível de ocupação nos Serviços e se reduz na Indústria

Leia mais

no mercado de trabalho

no mercado de trabalho A Desigualdade de Gênero no mercado de trabalho Eugenia Troncoso Leone 1 Agradeço ao GT Gênero da Abep a oportunidade de participar desta mesa redonda e agradeço, principalmente, a Moema Guedes que me

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Setembro/2013 registra a sua menor taxa de desemprego 1. Conforme as informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego para os residentes em, a taxa

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Emprego e Rendimento Quadro-Resumo Taxa mensal de desemprego

Leia mais

O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL

O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL Seminário tripartite A economia informal no Brasil: Políticas para facilitar a transição para a formalidade O PERFIL DOS TRABALHADORES NA ECONOMIA INFORMAL Eugenia Troncoso Leone Instituto de Economia

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DA BOLSA SOCIAL RELAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA DE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA:

DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DA BOLSA SOCIAL RELAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA DE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA: DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DA BOLSA SOCIAL RELAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA DE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA: Para análise e renovação da Bolsa de Estudo Social, o aluno deverá entregar XEROX de toda documentação

Leia mais

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016

Rio de Janeiro, 22/11/2016. Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 1 Rio de Janeiro, 22/11/2016 Mercado de Trabalho Brasileiro 3º trimestre de 2016 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção

Leia mais

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO 2001-08 No período 2001-08, o total de pessoas ocupadas na agricultura nordestina apresentou um quadro de relativa estabilidade. No entanto, houve

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO ESTUDANTIL UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS FORMULÁRIO BOLSAS DE PERMANÊNCIA Os programas de assistência da UFRPE destinam-se

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC¹ Número especial 1 MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO DO ABC EM 2014 2 As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego da Região do ABC, em 2014, mostram relativa estabilidade

Leia mais

Comitê do Critério Brasil

Comitê do Critério Brasil Comitê do Critério Brasil Luis Pilli (Coordenador) LARC Pesquisa de Marketing Bianca Parolim ABEP Bruna Suzzara (IBOPE) Marcelo Alves Nielsen Margareth Reis GFK Paula Yamakawa IBOPE Renata Nunes Data Folha

Leia mais

O TRABALHADOR NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO METALÚRGICO

O TRABALHADOR NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO METALÚRGICO O TRABALHADOR NEGRO NO MERCADO DE TRABALHO METALÚRGICO 18 de novembro de 2013 De acordo com os dados do Ministério do Trabalho e Emprego mais recentes, a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS/MTE)

Leia mais

R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário

R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário 1 São Paulo, 11 de novembro de 2015. NOTA À IMPRENSA R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário O pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira aproximadamente

Leia mais

DESAFIOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EJA PARA A REGIÃO NORDESTE, DESTAQUE PARA A PARAÍBA

DESAFIOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EJA PARA A REGIÃO NORDESTE, DESTAQUE PARA A PARAÍBA DESAFIOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EJA PARA A REGIÃO NORDESTE, DESTAQUE PARA A PARAÍBA 1945 - A Campanha de Educação de Adolescentes e Adultos - CEAA; 1947 I Congresso Nacional de Educação de Adultos;

Leia mais

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

PEDRA PRETA 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 149 km - Área: 295 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 2.659 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário

R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário Porto Alegre, 11 de novembro de 2015. NOTA À IMPRENSA R$ 173 bilhões devem ser injetados na economia a título de 13º salário O pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira aproximadamente

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais

CAIÇARA DO RIO DO VENTO

CAIÇARA DO RIO DO VENTO 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 19/01/1963 - Distância da capital: 95 km - Área: 261 Km 2 - Localização Mesorregião: Central Potiguar Microrregião: Angicos - População: 3.064 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

Projeto 2 Levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Final Análise de Dados

Projeto 2 Levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Final Análise de Dados Projeto 2 Levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro Relatório Final Análise de Dados Contrato de Prestação de Serviço DIEESE - Conselho Federal de Psicologia

Leia mais

Diagnóstico Sócio-Econômico. Pacificadora do RJ. Resultado Consolidado

Diagnóstico Sócio-Econômico. Pacificadora do RJ. Resultado Consolidado Diagnóstico Sócio-Econômico Comunidades com Unidades de Polícia Pacificadora do RJ Resultado Consolidado Outubro 2010 Objetivos e Metodologia Objetivos: Traçar o perfil socioeconômico das favelas contempladas

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO OUTUBRO 2011 Desemprego diminui pelo segundo mês consecutivo 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, realizada pela

Leia mais

13º salário deve injetar R$ 196,7 bilhões na economia em 2016

13º salário deve injetar R$ 196,7 bilhões na economia em 2016 1 Florianópolis, 27 de outubro de 2016 NOTA À IMPRENSA 13º salário deve injetar R$ 196,7 bilhões na economia em 2016 Até dezembro de 2016, estima-se que deverão ser injetados na economia brasileira aproximadamente

Leia mais

ANEXO I EDITAL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Nº 007/2016 QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO

ANEXO I EDITAL ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Nº 007/2016 QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS POSSE NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

Leia mais