UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OPERA - SISTEMA DE TRIAGEM DE INFORMAÇÕES PARA FORMAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS, PARA O SETOR DE INTELIGÊNCIA DA POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL - SC Área de Sistemas de Informação por Ademir Miguel Evaristo Júnior Carlos Henrique Bughi, Bel. Orientador Itajaí (SC), dezembro de 2006

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OPERA - SISTEMA DE TRIAGEM DE INFORMAÇÕES PARA FORMAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS, PARA O SETOR DE INTELIGÊNCIA DA POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL - SC Área de Sistemas de Informação por Ademir Miguel Evaristo Júnior Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Carlos Henrique Bughi, Bel. Itajaí (SC), dezembro de 2006 i

3 DEDICATÓRIA À minha esposa e companheira, Carine, Aos meus pais Ademir e Lourdete. ii

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me abençoado e proporcionado sucesso em tudo aquilo que me proponho a trabalhar com perseverança. A minha esposa Carine Dallagnol de Campos Evaristo, que sem dúvida foi quem mais me suportou nas horas de dedicação a este projeto, e me deu forças nas horas difíceis. Aos meus pais Ademir Miguel Evaristo e Lourdete Evaristo, que sempre acreditaram no meu potencial. Ao meu orientador neste projeto Carlos Henrique Bughi, pelos momentos de esclarecimento e escolha do melhor caminho a seguir em momentos difíceis, e pelas idéias sempre contundentes e alinhadas ao projeto. Aos meus colegas de trabalho Fabiano Girardi, Alan Edgar Sultowski e Luís Felipe Pereira que sempre me ajudaram quando foi preciso. Ao LCA - G10 (Laboratório de Computação Aplicada da Univali), pela ajuda dedicada a este projeto. Ao Departamento de Polícia Rodoviária Federal de Santa Catarina, que não mediu esforços para a realização do projeto, cabe aqui um agradecimento a todas as pessoas envolvidas: do Núcleo de Inteligência: Tarcísio Floriano Silva Júnior, Paulo Roberto (Deitos), Alberto Guesser, do Núcleo de Operações Especiais: Adalto Gomes, do Núcleo de Informática: Gedson Lanzarin, Bruno Venturin, Lourival da Cunha Borba, da Seção de Policiamento e Fiscalização: Arcelino Antônio de Campos, e ao Superintendente: Ademar Paes. Por fim, a todos os companheiros que de alguma forma contribuíram com suas idéias e sugestões. iii

5 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...vii LISTA DE FIGURAS...viii LISTA DE TABELAS...ix RESUMO...x ABSTRACT...xi 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SEGURANÇA PÚBLICA Análise Histórica O Estado e a Segurança Pública Entendimento do conceito de Segurança Pública Sociedade e Segurança Pública GEOPROCESSAMENTO Mapa e Carta Escala Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Mapeamento da Criminalidade Conceito de WebMapping Aplicação com suporte geoespacial na área de Segurança Pública BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO Representação de Informações Geográficas Tipos de Arquitetura Aplicações de Dados Geográficos APLICAÇÕES WEB COM SOFTWARE LIVRE Sistemas de Informação Baseado na Web Software Livre (Open Source) TECNOLOGIAS ADOTADAS PARA O PROJETO Apache Web Server PHP iv

6 2.5.3 MapServer / MapScript MapServer Guarani PostgreSQL / PostGIS ANÁLISE DE SOLUÇÕES SIMILARES Projeto Delegacia Legal Programa Delegacia Eletrônica THEMIS Sistema de Apoio a Segurança Pública Comparação dos Sistemas Similares com o Sistema Proposto PROJETO MODELAGEM DO SISTEMA REQUISITOS Requisitos Funcionais Requisitos Não-Funcionais Regras de Negócio Diagrama de Classe Diagrama de Casos de Uso Análise de Riscos DESENVOLVIMENTO MODELAGEM ENTIDADE RELACIONAMENTO CRIAÇÃO DA BASE DE DADOS FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO Framework ScriptCase Framework MapServer Guarani SISTEMA Módulo de Acesso Módulo de Cadastros Módulo de Ocorrências/Denúncias Módulo de Geoprocessamento Módulo de Relatórios Testes, Ajustes e Validações do Sistema PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS TRABALHOS FUTUROS CONCLUSÕES...80 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...82 GLOSSÁRIO...86 A APÊNDICE DE REUNIÕES...88 A.1 ATA 01/ A.2 ATA 02/ A.3 ATA 03/ A.4 ATA 04/ v

7 A.5 ATA 05/ B BASE DE DADOS...99 B.1 SCRIPT DE CRIAÇÃO DA BASE DE DADOS C PROJETO vi

8 LISTA DE ABREVIATURAS ANSI ASF CAD CTTMAR DPRF DPRF-SC ESG GIS GPS HTML HTTP HTTPD IBGE LCA OGR ORDBMS OSS/FS PDF PHP PRF SAD SCO SIG SIW SQL SSP-RJ UML UMN UNIVALI American National Standard Institute Apache Software Foundation Computer Assisted Design Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Departamento de Polícia Rodoviária Federal Departamento de Polícia Rodoviária Federal do Estado de Santa Catarina Escola Superior de Guerra Geographic Information System Global Positioning System Hyper Text Markup Language Hiper Text Transmission Protocol Hiper Text Transmission Protocol Daemon Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Laboratório de Computação Aplicada Opensource Graphical Reader Sistema de Banco de Dados Objeto-Relacional Open Source Software / Free Software Portable Document Format Hypertext Preprocessor Policial Rodoviário Federal Sistema de Apoio a Decisão Sistema de Controle Operacional Sistema de Informação Geográfica Sistema de Informação Web Structure Query Language Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro Unified Modeling Language University of Minnesota Universidade do Vale do Itajaí vii

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Estrutura geral de um Sistemas de Informação Geográfica...21 Figura 2. Arquitetura webmapping...24 Figura 3. Evolução do mapeamento...25 Figura 4. Representação raster (matricial) vetorial de um mapa temático...29 Figura 5. Representação da arquitetura dual...30 Figura 6. Representação da arquitetura integrada...31 Figura 7. Arquitetura do sistema proposto...35 Figura 8. Interface do framework MapServer Guarani...39 Figura 9. Delegacia Legal Tela de suporte e consulta de dados...43 Figura 10. Delegacia Legal Localização no mapa da ocorrência...43 Figura 11. Delegacia Eletrônica Tela inicial do sistema...45 Figura 12. Delegacia Eletrônica Tela de registro de denúncia anônima...46 Figura 13. THEMIS Tela de análise espacial de ocorrências em bairros do Rio de Janeiro...47 Figura 14. THEMIS Tela de consulta com base na análise espacial mostrada...48 Figura 15. Diagrama de classes do sistema...57 Figura 16. Diagrama de casos de uso do sistema...59 Figura 17. Caso de uso do módulo de ocorrências...59 Figura 18. Caso de uso do módulo geoespacial...60 Figura 19. Interface principal DBDesigner Figura 20. Diagrama de entidade relacionamento...64 Figura 21. Interface principal Framework ScriptCase Figura 22. Ferramenta administrativa MapServer Guarani...68 Figura 23. Análise geoespacial...69 Figura 24. Tela de acesso ao sistema OPERA...70 Figura 25. Menu do sistema OPERA...71 Figura 26. Manter nível de acesso...72 Figura 27. Manter superintendência...73 Figura 28. Manter ocorrência/denúncia...74 Figura 29. Controle de pessoas com diferentes envolvimentos...74 Figura 30. Manter pessoas...75 Figura 31. Relatório de ocorrências/denúncias por enquadramento...76 Figura 32. Trecho de código da layer superintendência...78 viii

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Resultados operacionais de Tabela 2. Tipos de representações de informações geográficas...28 Tabela 3. Comparação entre sistemas similares e o sistema proposto...49 ix

11 RESUMO EVARISTO JR., Ademir Miguel. OPERA - Sistema de Triagem de Informações para Formação de Operações Especiais, para o Setor de Inteligência da Polícia Rodoviária Federal - SC. Itajaí, f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, A área de segurança pública, geralmente é uma das maiores preocupações dos governantes, seu principal objetivo é assegurar que os direitos dos cidadãos não sejam violados. Na prática, levandose em conta o aumento dos índices de violência, a garantia de proteção ao cidadão estar cada vez mais comprometida e os recursos necessários investidos nesta área estarem cada vez mais escassos, surgiu a proposta do mapeamento das ocorrências policiais e das denúncias, para assim determinar os pontos críticos de maior incidência dos acontecimentos, auxiliando os órgãos responsáveis, a prestar serviço de uma maneira mais eficiente, utilizando conceitos de webmapping e fazendo o georeferenciamento das ocorrências e denúncias policiais de maior expressão. Diante dessa idéia surgiu o sistema OPERA Sistema de Triagem de Informações para Formação de Operações Especiais, para o Setor de Inteligência da Polícia Rodoviária Federal SC que tem como principal objetivo, auxiliar os gestores responsáveis no combate as maiores incidências de crimes e denúncias, viabilizando a investigação, a formação de operações especiais, e tomar conhecimento das reais necessidades dos usuários das rodovias. Este projeto teve como base informações fornecidas por autoridades policiais. Com base nestes dados, foi gerada uma interface geoespacial por meio de mapas, e de acordo com a necessidade da investigação, poderá se investigar determinada área, ou simplesmente averiguar as regiões de maior acúmulo de crimes ou denúncias de maior destaque, auxiliando a tomada de decisão das autoridades. O sistema faz uso de tecnologia open source, banco de dados geoespacial PostgreSQL/PostGIS; ambiente Web, ferramenta de desenvolvimento PHP; e servidor de mapas MapServer. Palavras-chave: Sistemas de Informação. Sistema de Informação Geográfica. Segurança Pública. x

12 ABSTRACT The public security area is usually one of the biggest concerns of the government, this main objective is to assure that the rights of the citizens are not violated. In a real situation, observing the increase of violence rates, the protection rights of the citizen being ignored and the necessary resources invested in this area decreasing every time, it has appeared the proposal of the police occurrences and denunciations mapping, thus to determine the critical points of the high incidence, assisting the responsible agencies to work in efficient way, using concepts of webmapping and making the geo-referencing of the occurrences and police denunciations of bigger expression. Ahead of this idea appeared the system OPERA - System of Information Selection for Formation of Special Operations, for the Intelligence of Road Federal Police SC area - that has as main objective to assist the responsible managers in the combat of the biggest crimes and denunciations incidences, making possible the inquiry, the formation of special operations, and to get information of the real necessities of the highway users. This project was based on the information supplied by police authorities. Based on these data, a geospacial interface using maps was generated, according to the necessity of the inquiry, it will be possible to investigate determined area, or simply to inquire the regions with high rates of crimes or denunciations, assisting the authorities decision making. The system uses open source technology, geospacial data base PostgreSQL/PostGIS; Web environment, development tool PHP; map server MapServer. Keywords: Information Systems. Geographic Information Systems. Public Security. xi

13 1 INTRODUÇÃO O DPRF (Departamento de Polícia Rodoviária Federal), desde sua fundação em 1928, vem trabalhando para garantir o cumprimento da legislação de trânsito nas rodovias e estradas federais, elaborando atividades para assegurar a regularidade, segurança e fluência no trânsito, proteger os bens patrimoniais e a eles incorporados, bem como fazer respeitar os regulamentos relativos à faixa de domínio das rodovias federais e suas travessias para fins de prestação de serviços de patrulhamento ostensivo e de utilidade pública (PORTÃO, 2005). Dentre as principais atividades da instituição, destaca-se a análise das informações estratégicas feitas pelo Núcleo de Inteligência da DPRF, objetivando combater os diversos tipos de infrações e crimes realizados, principalmente dentro do perímetro das rodovias e estradas federais. Como exemplos podem-se citar: Contrabando; Tráfico de entorpecentes, de menores; Prostituição Infantil; Furto de veículos; Desmanche de veículos; Roubo de cargas; Jogos de azar; Porte ilegal de armas; e Crimes contra a vida, o patrimônio, a ecologia e o meio ambiente. O Núcleo de Inteligência do DPRF tem como principais competências: (a) identificar, acompanhar e avaliar as ameaças reais ou potenciais à área de atuação das Superintendências Regionais e Postos Rodoviários; (b) mobilizar o pessoal necessário para investigação e tratamento das ocorrências; (c) garantir a integridade da denúncia e resguardar as fontes de informação de qualquer responsabilidade; e (d) coletar informações necessárias às investigações, junto aos órgãos de inteligência de segurança pública, como os serviços reservados das polícias militar, civil, federal e exército brasileiro (BRASIL, 2004).

14 Na atualidade, os motivos para se mobilizar uma operação especial para investigar e combater os diversos tipos de crimes são através de denúncias populares encaminhadas aos Policiais Rodoviários, através de boletins de ocorrências elaborados pelos postos e delegacias regionais e também pela comunicação de acontecimentos por telefone ou escrita. Na Tabela 1, pode-se verificar a incidência de algumas denúncias onde foram mobilizadas operações especiais de busca e apreensão com sucesso. Tabela 1. Resultados operacionais de 2005 Apreensões Através de Operações Especiais Drogas Contrabando Armas Maconha: 238 toneladas CDs: unidades De fogo: unidades Cocaína: 2.4 toneladas Cigarro: pacotes Munições: unidades Fonte: Adaptado de DPRF (2006). Entre as principais atribuições do Núcleo de Operações Especiais do DPRF estão: (a) gerenciamento das atividades de policiamento rodoviário, e operações realizadas relacionadas com a segurança pública; (b) executar e controlar operações especiais desencadeadas pelas unidades regionais, que envolvam missões que exijam táticas, armamento e ações especiais; e (c) promover operações de prevenção e repreensão de ações que infrinjam a lei. (DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, 2004). A execução e desenvolvimento deste Trabalho de Conclusão de Curso de Ciência da Computação justifica-se por contemplar o levantamento de requisitos, análise e desenvolvimento de uma solução computacional que faz utilização de diversas tecnologias, conceitos, conhecimentos e teorias como: (a) utilização de ambiente Internet e servidor Web Apache; (b) banco de dados PostgreSQL, com módulo geoespacial PostGIS; (c) utilização de um Servidor de Mapas MapServer para análise geoespacial; (d) utilização do conceito de webmapping; e (e) Utilização da linguagem PHP. 2

15 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema O procedimento utilizado pelo Núcleo de Inteligência do DPRF para triagem das informações, é totalmente manual e não sistêmico dependente da experiência e do conhecimento específico das pessoas responsáveis envolvidas, tornando-se um processo moroso devido a fatores como a indisponibilidade da linha telefônica, o extravio de formulários que acontecem freqüentemente, a credibilidade da denúncia e falta de recurso humano. Na existência de uma denúncia ou ocorrência de destaque, o Policial Rodoviário responsável pela região onde ocorreu o fato aciona a Superintendência Regional do DPRF-SC, sediada em Florianópolis, via linha telefônica; formulário escrito ou via este, por sua vez, aciona o Núcleo de Inteligência para averiguar fatores para triagem da ocorrência como o grau de veracidade do fato e o grau de idoneidade da fonte da denúncia. Se for constatado que a denúncia tem fundamento, se inicia a fase investigativa, que é composta, de várias etapas, entre elas, estudo de campo de ação, acompanhado de um monitoramento detalhado do local, e conforme o grau de dificuldade de investigação há envolvimento de policiais disfarçados, utilização de escutas telefônicas e definição do armamento e equipamento a ser utilizado, para posterior ação do Núcleo de Operações Especiais, onde são formados os mais variados tipos de missões, que tem como objetivo fazer o necessário para extinguir o foco da criminalidade, agindo com pessoal altamente treinado do próprio núcleo, ou de forma integrada com outras polícias Solução Proposta A solução proposta tem como objetivo a informatização e controle do processo, desde a formação das ocorrências de maior ênfase, análise investigativa, operações idealizadas e executadas mediante estudo dos setores responsáveis, tornando um procedimento confiável. Também aproveitando-se do fato de que hoje a DPRF já atinge aproximadamente o índice de 80% (oitenta por cento) de postos informatizados e conectados via rede, o Sistema proposto torna-se um importante aliado para proporcionar fonte de informação confiável e comunicação eficiente via Internet, contribuindo para o sucesso da ação policial, e auxiliando o gestor do processo na tomada de decisão correta, através de fatos e dados visualizados de forma espacial através de mapas que compreendam a circunscrição de abrangência das rodovias e estradas federais; postos rodoviários; delegacias regionais e cidades envolvidas e ponto de referência, em escalas variadas, onde o usuário 3

16 poderá fazer uma análise mais precisa tendo em vista a quantidade de ocorrências de denúncias em determinada região ou trecho das rodovias ou estradas, que poderá ser um fator determinante para formação das operações especiais. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral do projeto é o desenvolvimento de um Sistema de Triagem de Informações para Formação de Operações Especiais (OPERA), baseado em ambiente Web, utilizando banco de dados geoespacial, tecnologia open source, e servidor de mapas MapServer, que será utilizado como uma ferramenta de auxílio aos gestores do Núcleo de Inteligência atual do DPRF no que se refere ao auxílio na tomada de decisão para formação de operações especiais Objetivos Específicos Como objetivos específicos deste projeto estão: Pesquisa de soluções similares; Definição dos requisitos funcionais e não funcionais; Estudo de funcionamento e conceitos de tecnologias necessárias para a implementação de Sistemas na Internet; Estudo de funcionamento de linguagem de programação baseada na Internet; Estudo de funcionamento e tecnologias utilizadas pelo Servidor MapServer; Estudo de funcionamento de banco de dados geoespacial; Modelagem dos processos do Sistema; Modelagem dos dados do Sistema; Construção do Sistema; Testes, ajustes, e validação do Sistema; e Documentação de desenvolvimento. 4

17 1.3 Metodologia Para um melhor entendimento do trabalho, o mesmo foi dividido em etapas, embora estas etapas não sejam baseadas em uma metodologia específica, seguem o modelo proposto pelo Curso de Ciência da Computação. Com esse modelo as etapas podem ser refeitas se houver necessidade. O trabalho foi dividido nas seguintes fases: O levantamento de bibliografias e materiais de apoio foi feito através de artigos, trabalhos científicos, teses, livros e internet. O objetivo foi reunir o maior número de materiais necessários para definir adequadamente o problema, aprofundando o conhecimento de vários conceitos de segurança pública, sistemas de informação geográfica, banco de dados geoespaciais, software livre entre outros. Foi feita uma triagem de materiais, levando-se em conta apenas aqueles considerados de maior importância, a análise temporal também foi requisito, mas isto não descartou a utilização de materiais de datas um pouco mais antigas, para agregar valor ao documento. De posse destes materiais, iniciou-se o processo de estudo e redação dos capítulos que fazem parte deste documento do Trabalho de Conclusão de Curso. No princípio da pesquisa científica, foram estudados diversos materiais sobre segurança pública, um dos temas conceituais mais importantes do trabalho, e sem dúvida um assunto dos mais complexos a se abordar. Na seqüência, foi feito um estudo sobre principais conceitos envolvendo geoprocessamento; sistemas de informação geográfica; webmapping e banco de dados geográfico, para maior conhecimento nas tecnologias. A seguir, são abordados assuntos relativos a conceitos de software livre, tecnologias, e ferramentas escolhidas para execução deste projeto, que seguem o principio de código aberto, descrevendo as principais características de cada uma das ferramentas utilizadas. Finalizando a fase de fundamentação teórica é feito um comparativo de algumas soluções similares existentes. Na modelagem, foram utilizados conceitos sobre UML (Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada), apresentando como resultados os requisitos funcionais e não funcionais, bem como os principais diagramas gerados pela ferramenta de modelagem. Essa etapa 5

18 tem como objetivo representar da melhor forma possível o sistema proposto, facilitando a posterior implementação do mesmo. 1.4 Estrutura do Trabalho O trabalho está estruturando em quatro capítulos: 1. Introdução: Composta pela problematização, formulação do problema, solução proposta e objetivos geral e específicos; 2. Fundamentação Teórica: Composta por vários sub-capítulos, sobre segurança pública, geoprocessamento, banco de dados geográfico, aplicações web com software livre, tecnologias adotadas para o projeto e análise de soluções similares; 3. Projeto: Composto pelas etapas de análise de requisitos funcionais e não funcionais, modelagem conceitual, com apresentação das principais funcionalidades e diagramas do projeto. 4. Desenvolvimento: Composto pela metodologia aplicada, ferramentas utilizadas na modelagem, desenvolvimento e ambiente operacional, documentação dos principais programas desenvolvidos. 5. Trabalhos Futuros: Composto por recomendações e oportunidades de melhorias para trabalhos futuros, que poderão aprimorar inda mais o projeto. 6. Conclusões: Principais considerações sobre o projeto, facilidade, e dificuldades encontradas no decorrer do trabalho acadêmico, oportunidades para trabalhos futuros possíveis de serem realizados. O texto ainda inclui apêndices que complementam as informações apresentadas no decorrer do trabalho. 6

19 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 SEGURANÇA PÚBLICA Análise Histórica Por volta de 1940, a população brasileira era predominantemente rural, os freios sociais funcionavam, a religiosidade do povo reprimia excessos e os coronéis conduziam os submissos, a violência da época não era exposta devido à falta de preparo da imprensa, a incidência da criminalidade era baixa e denominada formal ou informalmente pela polícia. Surgiu então a estrutura básica da Justiça, do Ministério Público, do sistema prisional e da Polícia Judiciária que se organizaram para atender ao modelo proposto, para a época a Segurança Pública era satisfatória para sua demanda. Nos anos 50, época do governo de Juscelino Kubitschek, as mudanças começaram a acontecer. A era rádio chegou ao interior, as rodovias facilitaram o trânsito e a migração para as cidades teve início. Os freios sociais começaram a afrouxar e, com isso, a criminalidade passou a tomar nova feição e a exigir mais das instituições, mas apesar de tantos fatos novos, a atuação do poder policial-judiciário penal, continuou a mesma (SOARES, 1997). Nas décadas seguintes as mudanças sociais aceleraram. No regime militar as comunicações se desenvolveram, os índices de violência aumentaram, e ainda assim o modelo de Segurança Pública continuou o mesmo. A Constituição inovou em todas as áreas exceto na de segurança pública. A questão principal está no modelo, pois a forma dos procedimentos, os passos a serem seguidos, enfim o modus operandi foi disciplinado em 1942, para um Brasil diferente do atual, onde a oferta dava vazão à demanda. Hoje o momento é outro, ou os governantes atualizam o modelo atual, e com ele se reestruture as instituições para seu novo papel, ou cada vez mais deixaremos a desejar na finalidade última do Estado (SETTE CÂMARA, 2002). A impunidade que tantos culpam a polícia decorre dos fatores já apresentados, pequenos conflitos que poderiam ser facilmente mediados, e delitos de menor ofensividade que chegam a ser registrados na polícia, raramente chegam ao sistema, levando ao descrédito o Estado. Os juizados de pequenas causas, criados para atender essa carência, foram rapidamente atacados pela brutal demanda e se tornaram obsoletos, especialmente na área criminal.

20 O aparato policial-judiciário-penal está sob responsabilidade dos Estados, a União zela apenas pelos seus bens, serviços e interesses. Os recursos orçamentários destinados constitucionalmente pelos Estados ao Ministério Público e à Justiça está muito abaixo do necessário, gerando limitações da folha de pagamento, desproporção de Juízes em relação à população, o executivo é pressionado pelas demandas dos demais setores e sequer pode aumentar os efetivos da própria polícia (SANTIAGO, 1993). A questão da segurança pública é muito maior que a questão policial, e sua solução requer a quebra de paradigmas consagrados, mas apesar de parecer óbvio o que deve ser feito, as resistências às mudanças são grandes. Porém a solução da crise da insegurança requer disposição, coragem, ousadia e criatividade, para que os municípios assumam a responsabilidade direta e encargos de uma parcela da segurança pública O Estado e a Segurança Pública Os gregos estudavam o Estado mais como uma abstração do que uma realidade, e o analisaram mais pelas características que deveria apresentar para que fosse propício à realização de uma vida confortável, do que pelas características que pudessem diferenciar os Estados entre si. O enfoque que davam a seus estudos era moral e ético. Os romanos, embora responsáveis pela instituição do Direito e de códigos que influenciariam os séculos seguintes, não contribuíram com avanços significativos em relação ao pensamento político construído pelos gregos. Mesmo se referenciarmos a ascensão do cristianismo e a primazia dos assuntos religiosos sobre vários aspectos da vida humana e sobre a formulação de novos valores e princípios, a contribuição dos romanos se notabilizou mais pelo debate em torno dos poderes dos soberanos e da autoridade espiritual do Papa. Até o século XV, as teorias políticas eram concebidas como formas adequadas de criação de 90 (noventa) leis justas e instituições legais que pudessem garantir correção e justiça nas decisões (LOPES, 1990). A Constituição Federal de 1988 referencia no art. 144, a segurança pública, como sendo dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio. A falta de segurança é uma preocupação que as pessoas tem constantemente devido às ameaças a que estão sujeitas, cabe ao Estado proporcionar ao cidadão uma prestação de serviço de 8

21 qualidade, e exercer o poder de polícia, para garantir o cumprimento dos deveres individuais e coletivos, cabe ao cidadão exigir seus direitos e contribuir para o bem comum da sociedade. Segundo Sette Câmara (2002), segurança é um estado de espírito, ou seja, é uma sensação influenciada por fatores externos. Um bom exemplo é a diferença entre caminhar numa rua limpa e bem iluminada e num beco escuro. O risco de ser atacado existe em ambos. A diferença está na probabilidade de que tal ocorra, transformando o risco em perigo. Para Santiago (1993), o conceito de Segurança Pública pode ser entendido como sendo: O grau relativo de tranqüilidade que compete ao Estado proporcionar ao cidadão, garantido-lhe os direitos de locomoção, vida, propriedade e zelando pela manutenção dos costumes e dos princípios de moral social. Ou em outras palavras, é a manifestação do poder do Estado fundamentada na ordem jurídica, objetivando o exercício da força na garantia do direito. Para Silva (1984) segurança, qualquer que seja sua aplicação, insere o sentido de tornar a coisa livre de perigos, livre de incertezas, assegurada contra danos ou prejuízos, afastada de todo mal. Traduz, portanto, a qualidade ou condição de estar seguro, livre de perigos e riscos, de estar afastado dos danos ou prejuízos eventuais. Para Lazzarini (1999), ela será, em termos genéricos, a certeza de que tudo trabalha, coordenadamente, na atividade humana considerada, ou seja, com plena capacidade para enfrentar, com êxito, disfunções. Para Moreira Neto (1989), segurança representa, sem dúvida, um campo muito amplo, além de ser antiga preocupação do Estado. O atendimento à segurança pública extravasa as possibilidades administrativas e demanda atuações de natureza política, judicial e social. Esse autor considera segurança um valor social a ser mantido ou alcançado, em que o interesse coletivo pela existência da ordem jurídica e pela incolumidade do Estado e dos indivíduos esteja atendido, a despeito de comportamento e situações adversas. Ele afirma que, para manter ou alcançar esta situação, o Estado deverá atuar preventiva ou repressivamente em quase todos os setores da atividade humana, devido à multiplicidade de fatores, comportamentos e situações de risco envolvidas. No entender de Lazzarini (1999), o conceito de segurança pública é o afastamento, por meio de organizações próprias, de todo o perigo, ou de todo o mal que possa afetar a ordem pública, em prejuízo da vida, da liberdade ou do direito de propriedade do cidadão. A segurança pública, portanto, é limitadora das liberdades individuais, estabelecendo que a liberdade do indivíduo, em fazer aquilo que a lei não lhe veda, não pode ir além da liberdade assegurada aos demais. 9

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Objetivo 1. Reduzir a Criminalidade Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: SEGURANÇA Visão: Que Santa Maria tenha os melhores indicadores de Segurança Pública, entre os municípios do Rio Grande do Sul com mais de 100 mil habitantes, garantindo a prevenção e o controle

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A sensação de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar

PMERJ/CETIC. Novas Tecnologias na Polícia Militar PMERJ/CETIC Novas Tecnologias na Polícia Militar Apresentação pessoal CEL PM DJALMA JOSÉ BELTRAMI TEIXEIRA PMERJ Coordenador do CETIC Coordenadoria Especializada em Tecnologia e Comunicações Atribuições

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque

Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque Guarda Municipal de Fortaleza Direito Constitucional Segurança Pública Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. SEGURANÇA PÚBLICA Art. 144 CF Art.

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA

SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA Segurança SEGURANÇA ALTERNATIVAS PARA TRATAR O TEMA DA (IN) SEGURANÇA A falta de segurança é uma questão que influencia significativamente a qualidade de vida de toda a sociedade devendo ser tratada pelos

Leia mais

Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line. Caracterização da situação anterior:

Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line. Caracterização da situação anterior: Nome da Prática inovadora: Boletim de Acidente de Trânsito On line Caracterização da situação anterior: O registro de acidente de trânsito sem vítima atendido diariamente pela CIPTRAN através das viaturas

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso 2º semestre de 2012. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso 2º semestre de 2012. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso 2º semestre de 2012 Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR

RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR RESPONSABILIDADE DO SERVIDOR E DEVERES DO ADMINISTRADOR A punição administrativa ou disciplinar não depende de processo civil ou criminal a que se sujeite também o servidor pela mesma falta, nem obriga

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 066/2011 Dispõe sobre a estrutura da Escola Judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região e dá outras providências. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL

Leia mais

Condomínios mais Seguros

Condomínios mais Seguros Condomínios mais Seguros Palestra ministrada pelo Capitão Yasui Comandante da 2ª Companhia do 49º Batalhão de Polícia Militar. 13/04/2011 Formulado por um grupo de trabalho composto por policiais civis

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação Dra. Maria Renata Prado O Congresso Jurídico da Rede de Ensino Doctum,

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

TERMO DE USO. A prévia compreensão e aceitação destes termos são indispensáveis para a utilização do site e de todos os seus serviços.

TERMO DE USO. A prévia compreensão e aceitação destes termos são indispensáveis para a utilização do site e de todos os seus serviços. TERMO DE USO Este Termo de Uso aplica-se ao uso dos serviços oferecidos pelo website www.bairroalto.com.br, doravante denominada Portal do Bairro Alto. Qualquer pessoa física, doravante denominada USUÁRIO,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da

Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações 1 - Há milhões e milhões de anos

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Diagnóstico de volume de trabalho de zonas eleitorais como ferramenta de gestão

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração Fazendária ESAF

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA.

MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE POSSE COLETIVA. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DEPARTAMENTO DE OUVIDORIA AGRÁRIA E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS - DOAMC MANUAL DE DIRETRIZES NACIONAIS PARA EXECUÇÃO DE MANDADOS JUDICIAIS DE MANUTENÇÃO E REINTEGRAÇÃO DE

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais