ADMINISTRAÇÃO NOVEMBRO/2014 a MARÇO 2016 (Janeiro 2015) Nº02 FALA O PRESIDENTE O RECADO DO REDATOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO NOVEMBRO/2014 a MARÇO 2016 (Janeiro 2015) Nº02 FALA O PRESIDENTE O RECADO DO REDATOR"

Transcrição

1 ADMINISTRAÇÃO NOVEMBRO/2014 a MARÇO 2016 (Janeiro 2015) Nº02 INFORMATIVO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO VILAS DO JACUIPE DIRETORIA REGIMENTAL PRESIDENTE: Antonio CEZAR dos Santos VICE-PRESIDENTE: PEDRO F. dos Santos TESOUREIRO: MARCO Aurelio P. de Araujo SECRETÁRIO: Ormisido Acilino de SOUZA FALA O PRESIDENTE Gostaria de, nesta edição, (a primeira de 2015), já apresentar resultados concretos; baldados, porém, foram nossos esforços por uma série de fatores, principalmente os recessos de fim de ano. Todavia, esses recessos não nos atingiram, estamos - o presidente e toda a diretoria - em constante atividade na busca da consecução dos nossos objetivos. As festas de fim de ano e férias trouxeram, como nunca, um enorme número de pessoas para o nosso condomínio, resultando numa série de problemas. Infelizmente, muitas pessoas não conseguem constituir-se em plenos cidadãos e somos vítimas desta anomalia. Vamos trabalhar para uma reforma completa dos nossos estatuto e regimento interno a fim de que possamos melhor reagir a essas ocorrências. Feliz ano novo para todos para todos. O RECADO DO REDATOR Aqui estamos com o nosso Informativo, em sua segunda edição. Temos acompanhado toda a movimentação do que vem ocorrendo em nosso condomínio; da grande presença de convidados e, por isso, até, das desagradáveis ocorrências verificadas durante o período. Acompanhamos a pronta e eficaz atuação dos nossos gestores, que conseguiram evitar males maiores. Providências outras estão sendo adotadas a fim de assegurar a nossa tranquilidade. Nesta edição, estamos contando UM POUCO DE HISTORIA (Do nosso Condomínio), com o vizinho Haroldo; assim como, história de seu Filó, antigo morador da Vila de Barra do Jacuípe. Estamos instituindo a seção de UM BOM EXEMPLO e UM MAU exemplos a fim de incentivar a prática das boas ações em prol do nosso condomínio. Uma boa leitura. LEIA NESTA EDIÇÃO Bom e Mau exemplos (pg 2); Notícias Diversas (pgs.3 e 4). Classificados; Prestação de Contas (pg 4). Um Pouco de História do Condomínio (pg 5). Seu Filó ; Vem Aí o Novo Site. Não apreenda animal silvestre e nem permita que outro o faça. É crime definido no artigo 342 da Lei Federal 9605/98 praticar atos de abuso e captura de animais silvestres, assim como ferir ou mutilar animais de um modo geral. 1

2 Página 2 Nesta edição, estamos instituindo esta seção para destacar os bons e os maus exemplos. Estaremos apresentando, com identificação (quadra, lote, etapa), propriedades que, com iniciativas louváveis, engrandecem, valorizam nosso empreendimento e, em contra partida, aquelas que somente fazem desvalorizá-lo, por desleixo de seus proprietários. A área em destaque, é exemplo de como podemos, por iniciativa e financiamento próprios, embelezar cada vez mais o nosso condomínio. Está situada de frente aos lotes 617 e 618, da 2ª Etapa, pertencentes aos casais Sidney/Márcia e Cláudio/Bárbara. Outros bons exemplos já existentes terão destaque nas próximas edições, para que sejam multiplicadas as boas ações. PLACAS DE SINALIZAÇÃO CRIMINOSAMENTE DESTRUÍDAS Exemplo para alertar certos locadores de imóvel a melhor escolher seus locatários, ou, mesmo, selecionar melhor seus convidados. (Na foto, vê-se que o barrote ainda guarda fragmentos de uma delas. São resíduos do vandalismo com que, infelizmente, tivemos que conviver.) 2

3 Página 3 CONTROLE DE ENTRADA DE TERCEIROS No dia 10 de janeiro, p. passado, a diretoria reuniu-se com representante de empresa do ramo, a fim de definir a compra da estrutura física e eletrônica de dispositivo que ofereça um controle efetivo de terceiros que precisam sistematicamente adentrar a nosso condomínio. O referido representante teve que prestar inúmeros esclarecimentos aventados pelos diretores e ficou de apresentar maiores detalhes tanto técnicos, como de custo financeiro. Portanto, a diretoria está, cada vez mais, a procura de melhorias constantes à nossa qualidade de habitação. (flagrante da reunião, na foto) TOMADA DE DECISÕES IMPORTANTES A Diretoria reuniu-se, no dia 14, com a presença de todos os seus membros, em Salvador, isto porque foi um dia de ocupações particulares de cada um. A reunião teve um desenrolar muito proveitoso, assim é que foram tomadas importantes decisões, com estabelecimento de prazo e nomeação de responsável por cada ação, a saber: reformulação da proposta de empresa de segurança; determinação de plantonista para os fins de semana; deflagração do processo de recrutamento, seleção e contratação de um Supervisor; criação dos cargos de Encarregado de Campo e Encarregado de Manutenção, (ocupado provisoriamente por um mesmo colaborador, cumulativamente); abertura de licitação para contratação de serviço de descupinização das árvores; verificação e correção, quando necessário, da situação dos operadores de motos e de trator, quanto a habilitação exigida; contratação de Engenheiro Ambiental para fins de elaboração de projeto para o Depósito do Lixo, inclusive para os trâmites legais junto aos órgãos competentes; autorização para a compra de utensílios diversos para serviços de limpeza e roçagem; compra e instalação de uma outra linha de telefone fixo para a Portaria. O dispêndio a ser feito, que seja relevante, será submetido à aprovação da Assembleia Geral, após ser aprovado pelo Conselho Fiscal. RENÚNCIA DE CONSELHEIRO FISCAL O Sr. Antônio José Pereira de FIGUEIRÊDO renunciou ao cargo de Conselheiro Fiscal, eleito que foi na AGE do dia 23 do mês passado, conforme abaixo transcrito: "Bom dia caro amigo e Presidente da Associação dos Moradores de Loteamento Villas do Jacuipe: Comunico que estou renunciando, a partir desta data, ao cargo de Conselheiro do MD CONSE- LHO FISCAL da nossa Associação. Na Assembleia em que houve a eleição da atual Diretoria, me ofereci, de maneira espontânea para compor tão nobre cargo, entretanto, por motivos de saúde e também, por não poder conduzir, de modo eficiente o árduo trabalho da fase inicial de organização e estruturação de um Conselho Fiscal rígido, forte e, realmente fiscalizador, estou declinando da honrosa missão. Me coloco à disposição para colaborar de forma eficiente em outra ocasião. Agradeço as manifestações de carinho e apreço que recebi de todos quando da aprovação do meu nome. Peço-lhe a gentileza de dar conhecimento aos demais colegas do Conselho Fiscal. Atenciosamente, Antonio José Pereira de Figueirêdo. Quadra 24, Lote 21". Em reunião realizada no dia 18/01/15, para a qual somente compareceram os Conselheiros Mário César e Felix, ficou decidido, ad referendum dos demais conselheiros, que o substituto de Figueirêdo é o próprio Felix. CADERNO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A fim de dar continuidade aos esforços de redução de despesas, especialmente aquelas consideradas desnecessárias, estamos suspendendo a remessa, por parte da APSA, de caderno de prestação de contas. Estaremos disponibilizando através dos nossos meios de comunicação site, s, quadros de avisos, Informativo mensal, as informações financeiras necessárias e os balancetes mensais estão à disposição de todos, na nossa Administração. 3

4 LISTA DE CONVIDADOS Como deve ser sempre, especialmente no período de festas de fim-de-ano e férias, recomenda-se que os Srs. Condôminos sempre que necessário antecipem, por escrito, dirigido à Administração, lista de seus convidados, afim de evitar embaraços na Portaria. Mesmo procedimento deve ser adotado pelos condôminos com seus convidados para o período de carnaval. Usem, se necessário o nosso para esta finalidade e outras necessárias ao "fale conosco" do condomínio. ESTA FAIXA ESTÁ AFIXADA BEM À ENTRADA DO CONDOMÍNIO. E- LA ADVERTE, CHAMA A ATENÇÃO DE TODOS NO SENTIDO DA PREO- CUPAÇÃO COM A NOSSA TRAN- QUILIDADE, A NOSSA SEGURAN- ÇA, PRICIPALMENTE, DURANTE O PERÍODO CARNAVALESCO. QUE POSSAMOS ATRAVESSÁ-LO SEM OCORRÊNCIAS DESAGRADÁVEIS! TAXA DE MANUTENÇÃO Pague em dia sua taxa de manutenção, livre-se de juros e ganhe desconto. Convoque seu próximo a também fazê-lo. CLASSIFICADOS VENDE-SE, para os primeiros interessados que apareçam: EXTINTORES DE INCÊNDIO ABC, 50kg, CÂMERAS DE SEGURANÇA, tratar com a ex-administração do Condomínio. ENSINO A DISTÂNCIA (EAD), MBA em Administração de Condomínio, preços acessíveis e financiamento também, fácil, fácil. Tratar com a ex-administração do Condomínio. (SERIA CÔMICO SE OS FATOS NÃO EXISTISSEM DE FATO) PRESTAÇÃO DE CONTAS Até a presente data, 26 de janeiro, a APSA não remeteu o balancete do mês de dezembro, por esta razão, mais uma vez, não se têm dados para apresentar. Note-se que a Administração vem fazendo as cobranças necessárias. 4

5 UM POUCO DE HISTORIA (Do nosso Condomínio) Haroldo Marques Alves é natural de Cruz das Almas, já entrou nos entas, mas ainda está por chegar aos sessenta, viveu parte de sua existência entre Cruz das Almas, Itaberaba e Itaetê, na Chapada Diamantina. É engenheiro agrônomo, formado pela UFBa, em Casado com a Sra. Eneida, cuja união perdura por mais de trinta anos e que frutificou dois filhos, sendo advogado e arquiteta, portanto bem encaminhados. Numa aprazível residência, resultante de um inteligente projeto arquitetônico, localizada numa posição privilegiadíssima, (esquina de uma rua; com fachada principal voltada para uma, digamos, pracinha e uma outra lateral voltada para a área verde - a área da ciclovia, a mesma área contígua à margem do rio Jacuípe), numa manhã de domingo sob as bênçãos do rei sol, estivemos a conversar; a ouvir histórias; a testemunhar reações, aquelas reações próprias de uma grande figura, tal qual a de Haroldo. O escolhido, desta feita, para contar UM POUCO DE HISTÓRIA do nosso condomínio. Haroldo nos ofereceu, numa dissertação, eloquente, emocionada e minuciosa, uma exibição que se aproximara de cinematográfica, nos transportando a ver os principais protagonistas de seu documentário : seu pai, de quem no batismo recebeu o próprio nome e o tem como o maior e melhor amigo ; o rio e a Fazenda Santo Antônio. Seu genitor mereceria um capítulo à parte tal é a admiração e o respeito que Haroldo lhe dedica. O velho, também engenheiro agrônomo, foi um profundo pesquisador da cultura do fumo, vinculado àquela cultura por ter morado em Cruz das Almas, sede da região baiana de velhas tradições fumageiras. Também, se apaixonou por Jacuípe, mas infelizmente foi convocado a prestar serviços em outras dimensões. Foi às lágrimas ao relembrar e ao citar esse fato. O rio: O rio Paraguaçu habita a sua mente desde a época em que viveu numa fazendo em Itaberaba e o rio Una, em Itaetê; e a Fazenda Santo Antônio. Esta fazenda é-lhe tão importante que preserva na área gourmet, de sua vivenda, cuidadosamente emoldurada, a logomarca e rústicos móveis de madeira (de mais de 250 anos) da fazenda, ornamentando aquele ambiente. Bem, Haroldo conheceu o nosso empreendimento, quando ainda em estado embrião (o empreendimento, hein?!), em visita de inspeção, na qualidade de representante do IBAMA tanto que muitos o conhecem por Haroldo do Ibama. E da vistoria ao amor à primeira vista. Ele ressalta que obrigou alteração no projeto, de forma a que o traçado da ciclovia contribuísse com a proteção do rio, evitando ocupações indesejáveis às proximidades do Jacuípe. O seu acurado senso de preservação da natureza o leva a colaborar nos cuidados com nossa flora e nossa fauna. Além de se ocupar em preservar convenientemente área da comunidade, contígua à sua propriedade, ele ajudou, com doação de inúmeras mudas, no plantio de árvores frutíferas e se envolve, constantemente, em polêmicas no combate a práticas de vandalismo e de agressão à natureza e uma polêmica já, praticamente, resolvida foi numa das administrações anteriores de Antônio Cezar. Doou cerca de 400 mudas de eucalipto. Naquela fase houve um pequeno movimento contrário aos eucaliptos sob a infundada argumentação que iria secar o nosso aquífero. Ainda bem que se suplantou a questão. Hoje, quem anda pela manhã cedo, ou à noite, pelo condomínio pode sentir o aroma daquelas árvores que é a confirmação de que estavam certos o doador e o administrador ao enfrentar, até, quem se dispôs a derrubar algumas mudas já plantadas. Que estavam errados os opositores não há dúvida, (só não vê, quem não quer), os eucaliptos aí estão vivíssimos, difundindo perfume; o ciciar dos seus galhos; o farfalhar de suas folhas e, mais que tudo, beleza, a coadjuvar a composição do lindo cenário do Vilas do Jacuípe. 5

6 Seu Filó Um Patrimônio Humano de Barra de Jacuípe (A foto de seu Filó é da Prefeitura de Camaçari, que o apresenta como símbolo vivo da Vila, numa divulgação turística de Barra do Jacuípe Nascido em Santo Amaro de Ipitanga, atual Lauro de Freitas, oficialmente em 1927, contando portanto com 87 anos de idade (isto pelos registros oficiais, mas ele garante estar vivendo por mais de 90, beirando os cem anos), Flaurêncio Batista dos Santos, logo cedo mudou-se e passou a residir com seus padrinhos, em Barra do Jacuipe, de cuja propriedade, tão logo, assumiu a capatazia. Estamos falando de seu Filó, o morador mais antigo de Barra de Jacuípe, segundo a sua própria avaliação, e a quem pretendemos homenagear com esta matéria, levandose em consideração a necessidade que temos de potencializar política de boa vizinhança com nossos próximos. É casado. Vive com a terceira esposa, pai de filhos legítimos e de outros adotados. Filó nos conta que é aposentado pelo Projeto Tamar, para o qual trabalhou por trinta anos, cobrindo o trecho da orla marítima que se estende do Emissário Submarino até Guarajuba, iniciando suas tarefas, ainda pelo dia ainda por raiar, (às 4 horas da manhã), com chuva ou sem chuva, todos os dias. Ocupava-se o nosso personagem em velar pela preservação das quatro espécies de tartarugas marinhas (a verdadeira, a Aruanã, a Meio Pente e a Suana) e de seus ovos. Quando oportuno, coletava tais ovos, que eram acondicionados em embalagem apropriada com isolador térmico a fim de serem transportados para Praia do Forte, sede do Projeto. Funções que exerceu com muita dedicação e muito o honram pelo fato de ver que seu trabalho ajudou na preservação de uma espécie que estaria em extinção. TAXA DE MANUTENÇÃO Pague em dia sua taxa de manutenção, livre-se de juros e ganhe desconto. Convoque seu próximo a também fazê-lo. Vem ai o novo site do condomínio AGUARDE! 6

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

Condomínios & Associações: principais diferenças

Condomínios & Associações: principais diferenças Condomínios & Associações: principais diferenças Por Mariangela Iamondi Machado CNPJ Despersonalizado Condomínio Associação de Proprietários em Loteamentos CNPJ idêntico a de empresas Não pode adquirir

Leia mais

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local.

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local. MANUAL DO CONDÔMINO REGULAMENTO INTERNO Cada prédio possui as suas próprias necessidades e, por isso, tanto a convenção como o regulamento interno devem ser redigidos especialmente para a edificação em

Leia mais

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015:

COMUNICADO 02/13. Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: COMUNICADO 02/13 Senhores, segue Comunicado Oficial do Corpo Diretivo eleito para a Gestão 2013/2015: AÇÕES EFETUADAS: 1) Gerente Operacional: Seleção e Contratação 1.1) O Sr. Marcelo Fernandes foi contratado

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO RIO Prezado Cliente, A fim de facilitar seu dia-a-dia a Zitune Empreendimentos Imobiliários, criou o manual do proprietário. Através deste manual você poderá esclarecer suas principais

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Artigo 1º) O Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E ADQUIRENTES DE LOTES VILLAGE DA SERRA, REALIZADA NO DIA 15 DE SETEMBRO DE 2013. Aos quinze dias do mês de setembro do ano de 2013,

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS DA VILA MILITAR DO BACACHERI - (APVMB) ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade...

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS DA VILA MILITAR DO BACACHERI - (APVMB) ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade... ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PERMISSIONÁRIOS DA VILA MILITAR DO BACACHERI - (APVMB) ÍNDICE CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidade...02 CAPÍTULO II Dos Sócios...02 CAPÍTULO III Dos Direitos, Deveres

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

1 Introdução. antes de mudar

1 Introdução. antes de mudar Introdução 1 Introdução antes de mudar Recebendo as chaves do imóvel, o proprietário deverá providenciar junto as concessionárias, as ligações de alguns serviços indispensáveis ao funcionamento de sua

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC.

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MARIA MADALENA Rua Beija-flor, 103 Bombas Bombinhas/SC. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO CONDOMÍNIO CAPÍTULO I Do nome, da Sede, Duração e Objetivo. Art. 1º A Associação de Moradores do Condomínio Residencial Maria Madalena, é uma associação sem fins

Leia mais

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO

Condomínio Via Bella Residence Service. Atribuições 1. CONSELHO FISCAL 2. SÍNDICO Atribuições 1. CONSELHO FISCAL Pode - Auditar e fiscalizar as contas do condomínio. - Alertar o síndico sobre eventuais irregularidades. - Dar pareceres, aprovando ou reprovando as contas do síndico. Esses

Leia mais

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO Artigo 1º - O presente Regimento Interno visa disciplinar os trabalhos Administrativos,

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO

ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO 1. Função do Síndico O síndico é aquele eleito pelos condôminos, por um período de até dois anos, para administrar e representar o condomínio, seja judicialmente

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

SÍNDICO: TENDÊNCIAS, PERFIL E FORMAS DE GESTÃO

SÍNDICO: TENDÊNCIAS, PERFIL E FORMAS DE GESTÃO 06 SÍNDICO: TENDÊNCIAS, PERFIL E FORMAS DE GESTÃO NÚMERO 6 - ABRIL DE 2014 SÍNDICO: TENDÊNCIAS, PERFIL E FORMAS DE GESTÃO Quem é o Síndico? O síndico é o representante legal do condomínio e é responsável

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012.

PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. PORTARIA SEMA N 10, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2012. Aprova o Regimento Interno do Conselho Consultivo da Reserva Biológica Mata Paludosa. A SECRETÁRIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

PLANO OBJETIVANDO REDUZIR INADIMPLÊNCIA DOS ASSOCIADOS DO CONDOMÍNIO

PLANO OBJETIVANDO REDUZIR INADIMPLÊNCIA DOS ASSOCIADOS DO CONDOMÍNIO PLANO OBJETIVANDO REDUZIR INADIMPLÊNCIA DOS ASSOCIADOS DO CONDOMÍNIO FEVEREIRO DE 2015 ANÁLISE DAS AÇÕES EM ANDAMENTO NÚMERO ATUAL DE AÇÕES: 17 BALANÇO: PROCESSOS EXTINTOS/MOTIVOS: 12. RÉU NÃO ENCONTRADO:

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns

ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns CIRCULAR 001/2014 DATA: 02 de Agosto de 2014 ASSUNTO: Autorização de obras, benfeitorias, acessos, mudanças, uso de elevadores e áreas comuns Senhores Condôminos, Como Síndica do Condomínio Le Jardin,

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Regulamento Interno de Direcção Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Capítulo I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Ronan entrega a Praça Silva Júnior

Ronan entrega a Praça Silva Júnior NIQUELÂNDIA Ronan entrega a Praça Silva Júnior Euclides Oliveira Foi uma grande festa, bem à altura do importante acontecimento: na noite da sexta-feira (18), o prefeito Ronan Batista (PTB) entregou à

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO 02/2015 Aprovar a criação do Núcleo de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Tecnologia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS.

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

O que diz a lei sobre inadimplência em condomínios

O que diz a lei sobre inadimplência em condomínios O que diz a lei sobre inadimplência em condomínios Contribuir com as despesas do condomínio é dever dos condôminos Código Civil, Art. 1.336. São deveres do condômino: I - Contribuir para as despesas do

Leia mais

EVENTO. Centro de Educação Tecnológica

EVENTO. Centro de Educação Tecnológica EVENTO Centro de Educação Tecnológica Nossa Atuação Palestra: Os Direitos e os Deveres dos Locatários dentro da Sociedade Condominial Professor: Dr. Rudnei Maciel Conteúdo 1) Diferenças conceituais entre

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 32 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 30/09/2013 Aos trinta dias do mês de setembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de

Leia mais

AMORVILLE Associação dos Moradores do Condomínio Ville de Montagne Gestão Renova Ville 2012/2014

AMORVILLE Associação dos Moradores do Condomínio Ville de Montagne Gestão Renova Ville 2012/2014 Associação dos Moradores do PROJETO NORMATIVO Nº 01-AMORVILLE, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o regime de prestação de da Administração da Associação referentes ao exercício do ano anterior, a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

Câmara Municipal de Cubatão

Câmara Municipal de Cubatão 2 ATA DA 1ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DO 2º ANO LEGISLATIVO DA 16ª LEGISLATURA REALIZADA EM 27 DE MAIO DE 2014 PRESIDÊNCIA - Sr. César da Silva Nascimento. SECRETARIAS - Sr. Fábio Alves Moreira e Sr. Ricardo

Leia mais

A cidade vai para a rua: os movimentos que querem transformar os espaços públicos

A cidade vai para a rua: os movimentos que querem transformar os espaços públicos Site BBC Brasil, 15 de maio, 2015 A cidade vai para a rua: os movimentos que querem transformar os espaços públicos Rafael Barifouse Da BBC Brasil em São Paulo Em São Paulo e outras cidades do país, moradores

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL. Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL. Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS DO BOSQUE DOS ESQUILOS - GLEBA B ESTATUTO SOCIAL Da Denominação, Sede, Prazo e Patrimônio ARTIGO 1º - Sob denominação ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E/OU PROPRIETÁRIOS

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DE COLOPROCTOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACESP ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE A Associação de Coloproctologia do Estado de São Paulo ACESP, neste estatuto

Leia mais

TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP)

TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP) TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP) TEMA VII Organização e gestão dos serviços de saneamento- B- Políticas Públicas AUTORES: Lourival

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI (Extrato) REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal do Idoso de Feira

Leia mais

Obras e Reformas em Condomínios

Obras e Reformas em Condomínios Obras e Reformas em Condomínios João Paulo Rossi Paschoal Assessor Jurídico do SECOVI-SP Instrutor da Universidade SECOVI-SP Especialista em Direito Civil pela ESA OAB-SP Mestre em Direito pela PUC-SP

Leia mais

MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS

MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS MODELOS DE DOCUMENTOS CONDOMINIAIS ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO CONDOMÍNIO EDIFÍCIO. Aos dias do mês de de, reuniram-se em Assembléia Geral (Ordinária ou Extraordinária) os Senhores Condôminos

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO

IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO IGREJA RENOVADORA CRISTÃ CNPJ/MF N. º 54.535.315/0001 62 RUA HARMONIA, 670 VILA MADALENA SÃO PAULO ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Aos 29 dias do mês de Janeiro de 2006, reuniram-se em Assembléia Geral

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

Residencial Real Classic Resort

Residencial Real Classic Resort ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DO DIA 18/6/2009 Aos 18 (dezoito) dias do mês de junho, do ano de 2009 (dois mil e nove), às 20:15h (vinte horas e quinze minutos), em segunda chamada, no salão de

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM.

LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. LEI Nº 3.238/2001 SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE - COMAM. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASCAVEL, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU, DE AUTORIA DO ILUSTRE VEREADOR BENTO TOLENTINO, COM EMENDAS DOS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9

Índice. Noções gerais sobre a organização de condóminos 3. Assembleia de condomínios / inquilinos 5. O Administrador 7. Regulamento do Condomínio 9 GUIA DE CONDOMÍNIO Índice Noções gerais sobre a organização de condóminos 3 Assembleia de condomínios / inquilinos 5 O Administrador 7 Regulamento do Condomínio 9 2 Noções gerais sobre a organização de

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES ARTIGO 1 Dos Membros 1- Podem ser membros da MUTUALIDADE

Leia mais

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA,

1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, 1ª ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DO RIO CRICKET E ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA, visando alterar e adequar às determinações contidas nas Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz Capa Doar Faz Bem Ações que reverberam Manual de Doações www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 Este Manual foi criado com o intuito de inspirar,

Leia mais

VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula:

VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula: VIII Da Portaria de criação e do Regimento Interno do Conselho Consultivo da Floresta Nacional de São Francisco de Paula: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta.

ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta. ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta. CARTA PROTOCOLADA - NOTIFICAÇÃO DE CONDÔMINOS REPRESENTADOS CT. Nº. 000/20XX Cidade,

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS.

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL FUNDAMENTAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º - A Fundação Desenvolvimento Ambiental - Fundamental é pessoa jurídica de direito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI Nº 7213/2006 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO 1ª ETAPA A criação de uma entidade de caráter social, como é o caso de uma associação, tem origem no entusiasmo de uma, duas ou mais pessoas que não se conformando com

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE APOIO ÀS VÍTIMAS DE PRECONCEITO RELIGIOSO - ABRAVIPRE ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO E PRINCÍPIOS A Associação Brasileira de Apoio a Vítimas

Leia mais

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR

NÚCLEO ESTUDANTIL DO CREA-MG JÚNIOR DE SÃO JOÃO DEL-REI CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE DO CREA-MG JÚNIOR Art. 1º - O Núcleo Estudantil do CREA-MG Júnior de São João del-rei ou CREA-MG Júnior de São João del-rei é serviço público, com sede na jurisdição

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais