Membros da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) Diocese de Jundiaí:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Membros da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) Diocese de Jundiaí:"

Transcrição

1 - 1 -

2 Membros da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) Diocese de Jundiaí: Presidente: Dom Vicente Costa Coordenador: Padre José Ignácio Sonsini Membros: Padre Carlos Rafael Casarin Frei José Maria Cauduro, OCD Padre Venilton Calheiros Diácono Diógenes Faustini Henrique Jahnel Chrispim João Borin Maria Teresa Bassan Henrique Mônica Bevilacqua Romano Edição 2011 Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) Diocese de Jundiaí Rua Roberto Mange, 400 Anhangabaú Jundiaí SP Fone: (11)

3 A beleza é a grande necessidade do homem; constitui a raiz da qual brota o tronco da nossa paz e os frutos da nossa esperança. A beleza é também reveladora de Deus porque, como Ele, a obra bela é pura gratuidade, convida à liberdade e extirpa do egoísmo (Papa Bento XVI, na dedicação do altar e da igreja Sagrada Família, em Barcelona 07/11/2010)

4 SUMÁRIO Apresentação... 7 Capítulo 1 Regulamento da Comissão Diocesana para os Bens Culturais e do Espaço Sagrado (CBCI) da Diocese de Jundiaí... 9 Capítulo 2 Procedimentos para construção, restauro e ampliação das obras da Igreja Capítulo 3 Elementos básicos do Espaço Litúrgico Capítulo 4 Inventariação e Catalogação de peças de valor artístico, histórico, cultural,devocional da Igreja Capítulo 5 Conservação dos Bens Culturais Bibliografia básica recomendada

5 APRESENTAÇÃO Queridos irmãos e irmãs, Na Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis ( Sobre a Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja ), o Papa Bento XVI insiste sobre a íntima e essencial relação que existe entre a beleza e a liturgia. De fato, a liturgia... tem uma ligação intrínseca com a beleza: é esplendor da verdade ( veritatis splendor ). Na liturgia, brilha o mistério pascal, pelo qual o próprio Cristo nos atrai a si e chama à comunhão (n. 35a). Deste modo, o Santo Padre conclui que a beleza não é um fator decorativo da ação litúrgica, mas seu elemento constitutivo, enquanto atributo do próprio Deus e da sua revelação. Tudo isto nos há de tornar conscientes da atenção que se deve prestar à ação litúrgica para que brilhe segundo a sua própria natureza (n. 35b). O Papa Bento XVI, ao dedicar o altar e a igreja da Sagrada Família, em Barcelona (Espanha), na sua homilia, declarou: A beleza é a grande necessidade do homem; constitui a raiz da qual brota o tronco da nossa paz e os frutos da nossa esperança. A beleza é também reveladora de Deus porque, como Ele, a obra bela é pura gratuidade, convida à liberdade e extirpa do egoísmo (07/11/2010). É por isso que se deve investir na importância da arquitetura e do embelezamento das nossas igrejas, para que elas sejam realmente expressões artísticas colocadas ao serviço da celebração da Santa Liturgia. O Concílio Vaticano II já tinha afirmado a necessidade de se criar uma Comissão Diocesana para avaliar e encaminhar as obras de Arte Sacra (cf. Constituição Sacrosanctum Concilium [ Sobre a Sagrada Liturgia ], n. 126b)

6 Desse modo, de acordo com a minha solicitude pastoral como Bispo, liturgista por excelência (segundo a feliz expressão no já citado documento do Papa Bento XVI, n. 39), é que tenho a sincera alegria de apresentar aos queridos diocesanos o Regimento da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado da Diocese de Jundiaí (CBCI Diocesana), a fim de que o espaço celebrativo seja mais adequado para uma condigna realização da ação litúrgica em nossa querida e amada Diocese de Jundiaí. De coração, agradeço a todos os membros da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado da Diocese de Jundiaí (CBCI Diocesana) pela sua generosa e competente colaboração na elaboração deste subsídio. Por fim, peço encarecidamente a nossos Padres, Diáconos, religiosos e religiosas, membros dos Conselhos Paroquiais de Economia e Administração (CPEAs), arquitetos e engenheiros, como também a todos aqueles que, direta ou indiretamente estejam envolvidos na construção, reformas e conservação das nossas obras, que observem fiel e integralmente o que este Regimento estabelece. Quase no final da carta aos Romanos, o Apóstolo São Paulo escreve: Com efeito, vossa obediência tornou-se conhecida de todos, e isso me alegra... (Rm 16,19). Irmãos e irmãs, que a procura da realização do bem comum e da comunhão mútua, em nossa Igreja Diocesana, seja o bem que todos nós procuremos alcançar com a graça do Senhor Jesus! Jundiaí SP, 19 de novembro de Dom Vicente Costa Bispo Diocesano de Jundiaí - 6 -

7 Capítulo 1 Regulamento da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) da Diocese de Jundiaí 1. A Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado da Diocese de Jundiaí (CBCI Diocesana) é um serviço que a Diocese presta às comunidades e aos seus responsáveis em relação ao patrimônio arquitetônico e artístico das paróquias Ela é composta por clérigos e profissionais leigos voluntários, sem direito à remuneração, ligados à área da arquitetura, artes plásticas e patrimônio cultural e histórico. Reunir-se-á regularmente para avaliar, definir e organizar atividades referentes às suas funções. 2. A CBCI Diocesana tem as seguintes funções: 2.1. Orientar nos projetos arquitetônicos de igrejas, principalmente os presbitérios; 2.2. Apreciar e emitir parecer sobre os projetos de novas construções, ampliações e modificações a serem feitas em nome da Mitra Diocesana de Jundiaí; 2.3. Realizar visitas às paróquias, podendo emitir, se necessário, pareceres especiais; 2.4. Estudar e baixar normas em relação a projeto e construção de novas igrejas, bem como reformas e adequações litúrgicas; - 7 -

8 2.5. Promover cursos, seminários, simpósios, palestras, workshop sobre arquitetura, Arte Sacra e Patrimônio Cultural para o clero, seminaristas e leigos; 2.6. Organizar e manter atualizada lista de especialistas técnicos, dedicados ao serviço da Igreja nas áreas de arquitetura, Arte Sacra e Patrimônio Cultural; 2.7. Orientar e incentivar a formação das Comissões Paroquiais para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado, as quais terão como finalidade organizar o inventário e catalogar os bens histórico-artísticos da paróquia, bem como mantêlos e conservá-los; 2.8. Organizar, manter e conservar o Museu Diocesano de Arte Sacra; 2.9. Orientar e incentivar a formação de Museus Paroquiais de Arte Sacra; Incentivar a organização dos arquivos históricos das paróquias e da Cúria Diocesana; Orientar e acompanhar a execução do inventário dos edifícios religiosos e dos objetos que, nas igrejas ou capelas, apresentem um real interesse, em razão de sua antiguidade, seu valor histórico ou artístico, como também devocional; Acompanhar os projetos e obras de conservação e restauração dos bens culturais seja imóveis, móveis ou documentais

9 Capítulo 2 Procedimentos para construção, restauro e ampliação das obras da Igreja 1. Antes de aprovar o projeto em qualquer órgão público municipal ou executar qualquer trabalho de construção, restauro, reforma, ampliação ou demolição, deve o Pároco/Administrador Paroquial submeter sua proposta à apreciação da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI) da Diocese de Jundiaí. 2. Os projetos a serem apresentados devem conter: 2.1. Plantas baixas de cada pavimento; 2.2. Planta de implantação no terreno; 2.3. Corte transversal e longitudinal e fachadas principal e lateral contendo as cotas principais, se possível acompanhado pelo memorial descritivo e levantamento planialtimétrico do terreno (com orientação norte); 2.4. No caso de projeto de igreja é imprescindível a apresentação de uma planta baixa com as disposições das peças, tanto do presbitério (localização e dimensões do altar, ambão, presidência, credência, pia batismal) como da nave (disposição dos bancos ou cadeiras), da Capela do Santíssimo e outros ambientes (sacristia, Capela da Reconciliação, átrio, lugar dos músicos). 3. O material gráfico deve conter os seguintes dados: - 9 -

10 3.1. Nome do proprietário; 3.2. Nome da paróquia e da comunidade; 3.3. Tipo e nome da edificação (igreja, capela, salão, etc.); 3.4. Natureza da obra ou serviço (se obra nova, restauração, reforma, ampliação); 3.5. Nome do responsável técnico. 4. Antes da aquisição de novos terrenos para fins de construção de interesse da Mitra Diocesana, é importante: 4.1. Verificar as condições físicas do local (ponto de vistas topográfico) e legais: se o lote está devidamente regularizado, contendo na matrícula do registro do imóvel as dimensões reais do local; 4.2. Obter a certidão de uso do solo. 5. Os projetos serão apreciados nas reuniões da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI Diocesana) e devolvidos com o respectivo parecer. Quando necessário, será solicitada reunião extraordinária com os profissionais envolvidos na elaboração dos projetos e com o Pároco/Administrador Paroquial para esclarecimento da proposta ou para receberem orientação. 6. No caso de serem solicitadas mudanças no projeto, há a necessidade de a paróquia apresentar novo material gráfico com as devidas modificações. Neste caso, a Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI Diocesana) emitirá outro parecer

11 7. Para a idealização do projeto, é fundamental que se pesquise o Capítulo III deste Regimento: Elementos Básicos do Espaço Litúrgico. 8. O projeto arquitetônico de reforma, construção, demolição, ampliação ou restauração, aprovado pela Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja e do Espaço Sagrado (CBCI Diocesana), e com a anuência do Bispo Diocesano (conforme os Art. 75 e 76 do Regimento do Conselho Diocesano de Economia e Administração [CDEA]) (em fase de elaboração), deverá ser encaminhado aos órgãos públicos municipais e outros que requeiram para obtenção do devido alvará para execução. 9. A paróquia ou comunidade, após aprovação do projeto no órgão público, deve encaminhar para arquivamento na Cúria Diocesana os seguintes documentos: 9.1. Escritura do terreno (documento original); 9.2. Xerox do cadastro no INSS; 9.3. Xerox da capa do IPTU; 9.4. Uma via da planta aprovada pela Prefeitura Municipal; 9.5. Laudo de aprovação em outros órgãos: Corpo de Bombeiros e Órgãos Ambientais (quando necessário)

12 Capítulo 3 Elementos básicos do Espaço Litúrgico 1. O espaço interno da igreja deve ser projetado para exprimir e favorecer, em tudo, a comunhão da assembléia com Deus. 2. Os componentes do espaço litúrgico são: 2.1. O átrio (porta): a) espaço que dá entrada à igreja; portanto, de transição entre o lugar do cotidiano para o lugar da prece; b) é próprio para os ritos da acolhida; c) local onde se preparam os fiéis para o recolhimento espiritual; d) onde se incentiva a convivência fraterna; e) deve refletir o espírito de acolhimento e comunhão; f) pode haver neste espaço uma pia de água benta para que se faça o sinal-da-cruz em preparação ao Mistério do qual se deve participar; g) a porta principal de entrada deve receber um tratamento diferenciado das demais, pois representa Cristo ( a Porta : cf. Jo 10,7) O presbitério: a) local do altar, ambão e presidência; b) para onde todas as atenções dos fiéis estejam voltadas naturalmente;

13 c) amplo o suficiente para permitir que a celebração eucarística, os outros sacramentos e todos os ritos sagrados se desenvolvam comodamente; d) mesmo estando num plano mais elevado visando facilitar a visibilidade da celebração litúrgica, que não seja excessivamente elevado, a fim de não parecer estar separado da assembleia O altar (mesa da eucaristia): a) é o ponto central do espaço celebrativo, não tanto pelo aspecto físico, mas como ponto de convergência da atenção da comunidade que celebra; b) é símbolo do próprio Cristo presente no meio da assembleia; um único altar: um só é o Cristo, e uma só é a Eucaristia da Igreja; c) representa os dois aspectos de um mesmo mistério: altar do sacrifício de Jesus e mesa do banquete do Senhor; d) não deve ficar distante da assembleia; e) não se deve depositar nele objetos como: flores, folhetos, copo de água, vasos com flores, enfeites diversos e objetos que, às vezes, são apresentadas na Procissão das Oferendas. Quanto aos castiçais, devem ser colocados sobre o altar ou junto dele. As cadeiras não devem estar à frente do altar, a não ser que se trate de uma celebração solene com o Bispo (por exemplo: Celebração da Ordenação, Missa do Crisma); f) sob ele pode haver uma relíquia autêntica de santo(a) O ambão:

14 a) deve ser único (uma só é a Palavra de Deus); b) lugar onde são proferidas somente as leituras da Bíblia Sagrada, incluindo também o Salmo Responsorial. Também dele se pode proferir a homilia e feita a oração universal dos fiéis; c) deve ser colocado de forma a ser visto por toda a assembleia; d) deve ter estabilidade e não aparência frágil; e) para o(a) animador(a), deve-se usar uma estante diferente do ambão, mais simples e discreta A sede (cadeira presidencial): a) é o lugar daquele que, na pessoa de Cristo, conduz a celebração; b) sua localização deve demonstrar que o Presidente da celebração está em comunhão com a assembleia; c) não deve ter aparência de trono; d) ao lado dela, deve-se colocar cadeiras mais simples para os auxiliares da Equipe da celebração A nave: a) é o local onde a assembleia deve sentir-se reunida; b) deve favorecer a participação do fiel com o olhar, com a escuta e com o espírito; c) deve ser sinal da unidade do Corpo de Cristo; e) sempre que possível, deve ter uma disposição que permita à assembleia ficar ao entorno do presbitério; f) deve prever uma boa circulação para a eficiente movimentação das pessoas nos ritos litúrgicos O Batistério (fonte batismal):

15 a) na igreja, é sinal do sacramento da iniciação cristã, lugar onde nascem os(as) cristãos(ãs) pela água e pelo Espírito; b) é o local onde fica a fonte ou pia batismal que, de preferência, possibilite o batismo por infusão ou por imersão; c) pode estar separado do recinto onde se celebram os ritos do Batismo ou uma fonte situada no próprio recinto; porém, deve estar disposto de tal modo que evidencie a conexão do Batismo com a Palavra de Deus e com a Eucaristia, ponto mais alto da iniciação cristã; d) deve ser fixo, sempre construído com arte e com material adequado, apresentando limpeza perfeita; e) junto à fonte batismal deve estar o Círio Pascal nos tempos litúrgicos em que não fica no presbitério; f) no caso de batismo por imersão é importante prever um local para as mães trocarem as roupas das crianças a serem batizadas A Capela da Reconciliação: a) local que deve possibilitar a confissão face a face ou a confissão anônima (através de um anteparo), acessível também a pessoas com necessidades especiais; b) deve ser sóbrio, digno e aconchegante, onde o penitente se sinta acolhido; c) deve receber tratamento acústico, e adequadas iluminação e ventilação A Capela do Santíssimo:

16 a) deve possibilitar o encontro pessoal com Cristo, momento contemplativo que requer um espaço propício ao silêncio, à meditação, à adoração individual ou em pequenos grupos; pode haver genuflexórios para proporcionar esses momentos de oração e adoração; b) o sacrário deve ser único, digno e nobre, fixo e inviolável, de material sólido e resistente, não transparente; c) no que diz respeito ao lugar do sacrário, é importante ter em mente o que o Papa Bento XVI afirmou: É preciso considerar a disposição arquitetônica do edifício sagrado: nas igrejas onde não existe a capela do Santíssimo Sacramento, mas perdura o altar-mor com o sacrário, convém continuar a valer-se de tal estrutura para a conservação e adoração da Eucaristia, evitando porém colocar a cadeira do celebrante na sua frente. Nas novas igrejas, bom seria predispor a capela do Santíssimo nas proximidades do presbitério; onde isso não for possível, é preferível colocar o sacrário no presbitério, em lugar suficientemente elevado, no centro do fecho absidal ou então noutro ponto onde fique de igual modo bem visível (Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis [ Sobre a Eucaristia, fonte e ápice da vida e da missão da Igreja ], n. 69). d) deve haver uma luz constantemente acesa junto ao sacrário Lugar dos cantores e dos músicos: a) local para acomodar os músicos, cantores, instrumentos e equipamentos; deve estar inserido na nave, pois os cantores e os músicos fazem parte da assembleia, devendo assim acompanhar de perto todo o desenrolar da celebração litúrgica;

17 b) deve-se prever uma sala, com segurança, para as centrais dos equipamentos de som Outros lugares anexos: a) sacristia e sacristia de apoio: uma para o uso da Equipe de celebração (se possível, ter uma sacristia própria para o Presidente da celebração) e para os paramentos (próxima da entrada da igreja); e outra para material litúrgico, próxima ao presbitério; b) sala multiuso: tanque para preparação dos enfeites florais; para atender, em caso de emergência, alguém que esteja passando mal (pode ser usada também para preparar as crianças para o batismo); c) sanitários em local separado da nave da igreja, inclusive para pessoas portadoras de necessidades especiais (cadeirantes, idosos...); d) sala das mães onde possam ficar aquelas com crianças que venham a conturbar as celebrações litúrgicas; local também para fraldário e amamentação; e) lugares devocionais como: lugares para o Santo Padroeiro e imagens de outros santos e que devem estar fora do presbitério; e Via Sacra (como sugestão, pode estar também num jardim fora da igreja); f) Capela das velas

18 Capítulo 4 Inventariação e Catalogação de peças de valor artístico, histórico, cultural e devocional da Igreja (*) 1. A Igreja possui um rico patrimônio cultural e precisa urgentemente conhecê-lo, tutelá-lo e valorizá-lo Como é constituído o patrimônio da Igreja? É constituído por tudo aquilo que tem valor histórico, artístico, cultural, devocional, etc. Ou seja, pela arquitetura, pintura e escultura sacra, adornos, alfaias, paramentos, instrumentos musicais, documentos, mapas, livros eclesiásticos, objetos pessoais dos homens e mulheres da Igreja, etc O patrimônio da Igreja pode ser assim definido: É a veste exterior e o vestígio material da vida sobrenatural da Igreja (conforme citação nº 31 da Carta Circular: Necessidade e urgência da Inventariação e Catalogação do patrimônio cultural da Igreja, da Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja). E o Beato João Paulo II, Papa, a esse respeito, disse: A Igreja, mestra de vida, não pode deixar de assumir também o ministério de ajudar o homem contemporâneo a encontrar o assombro religioso ante o fascínio da beleza e da sapiência que emana de tudo o que a história nos entregou (conforme citação nº 42 da Carta Circular: Necessidade e urgência da Inventariação e Catalogação do patrimônio cultural da Igreja, da Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja) Inventariação é uma relação dos bens culturais de uma paróquia, por exemplo. Pode ser expressa de forma muito simples: uma relação dos objetos com suas características básicas. Catalogação é o fichamento dos bens, com o máximo de

19 detalhes e se conclui com a colocação das fichas numa determinada ordem, criando, assim, um catálogo Mas por que inventariar e catalogar um patrimônio? O objetivo da inventariação e catalogação é conhecer, tutelar e valorizar o patrimônio Conhecer é saber a função de um bem patrimonial, suas características, como forma, cor, composição; sua relação com outros objetos que o compõem e com a história, com o território, etc. A busca pelo conhecimento do objeto leva ao estudo interdisciplinar com a história, a liturgia, as ciências técnicas, etc Tutelar ou guardar um bem da Igreja significa: preocuparse com sua conservação material (restauro, prevenção contra furtos e danificações) e preservá-lo para as gerações futuras por ser patrimônio e por pertencer à tradição da Igreja Valorizar o patrimônio: significa reforçar o valor dos objetos em si, despertar o respeito por eles, por ser objeto religioso, devocional, histórico. 2. Na Diocese de Jundiaí, pretende-se responder à necessidade de inventariação e catalogação da seguinte forma: 2.1. Livro de Inventário: Em um livro pautado, comum, de capa preta, com páginas numeradas, fazer a abertura colocando um título como, por exemplo: Inventário de Peças do Acervo da Paróquia Nossa Senhora do Desterro, cidade, Diocese e data da abertura do

20 livro. Cada objeto será registrado nesse livro em ordem contínua, à medida que entra no acervo. Quando o livro terminar, a numeração continuará em outro. É importante registrar as peças anotando sumariamente os seus dados em colunas, conforme os itens: Número: numeração contínua; Objeto: (cálice, casula, missal, fotografia, relicário, imagem, mitra, etc.); Descrição: informações básicas que permitam identificar o objeto. Devem ser sucintas (por exemplo: cálice do Padre Bento Dias Pacheco, casula bordada com motivos eucarísticos: uvas e trigos, etc.); Procedência: onde estava ou a quem pertencia ultimamente a peça antes de ser entregue ao acervo (por exemplo: Igreja Bom Jesus, Itu, ou Sra. Maria da Silva, etc.); Origem: onde foi elaborado o objeto (por exemplo: Roma Itália ou Santana de Parnaíba SP); Autor/Data: quem produziu e quando foi produzida a peça; Aquisição/Propriedade: forma como foi adquirida (doação, compra, empréstimo, permuta). No caso de empréstimo, se for pessoa física, colocar o nome do proprietário e endereço (por exemplo: empréstimo: Sr. João da Silva Rua Nove de Julho, 100, CEP Jundiaí); Data da inventariação: de forma breve, como, por exemplo: 13/05/ Numerar o Objeto:

21 Colocar no objeto o número correspondente à inventariação. Geralmente uma etiqueta pequena, de papel autocolante, com o número escrito a caneta esse tipo de etiqueta tem boa fixação em peças de metal, madeira, pedra, vidro. Colocá-la sob a peça (cálice, imagem, etc.) ou atrás dela (quadro, móvel, etc.). Em peças de papel (fotografias, figuras, documentos), o número pode ser escrito diretamente no verso da peça, a lápis. Em peças de tecido, o mais recomendado é colocar etiqueta de tecido costurada na peça. Nunca escrever diretamente na peça de tecido. A numeração pode ser bordada ou escrita com caneta própria para tecido. Em roupas, a etiqueta deve ser colocada no lugar mais provável para uma identificação: na parte de trás do colarinho (túnicas, casulas, etc.) ou nos cantos da peça, no verso (corporal, toalha, etc.) Ficha de Catalogação: Quando a peça tiver valor notável artístico e/ou histórico e/ou cultural e/ou devocional, procede-se à catalogação. Enquanto a inventariação é feita pela paróquia, para essas peças especiais a catalogação deve ser feita pelo Museu Diocesano, mesmo que a peça continue presente no acervo da paróquia. Há uma ficha de catalogação elaborada pelo Museu Diocesano de Jundiaí Dom Agnelo Rossi, baseada na ficha informatizada do Museu de Arte Sacra de São Paulo. Essa ficha pretende detalhar minuciosamente a peça. Possui variedade de itens que permite encontrá-la rapidamente à medida que se acessem os dados (por exemplo, pedindo todas as peças de ouro ou todas do séc. XVIII, etc.): Tombo: é o número que a peça recebeu no livro de Inventário, assim que entrou no acervo;

22 Ficha: indica a qual acervo pertence a peça (por exemplo: Acervo da Paróquia Nossa Senhora do Desterro de Jundiaí APNSDJ ou Acervo da Paróquia Santa Ana de Parnaíba PSAP); Época: pelo menos o século em que foi produzida; Tipologia- agrupa diversos tipos: Imaginária: representação tridimensional de alguma figura (por exemplo: imagem de São Benedito); Iconografia: representação bidimensional de alguma figura (tela, fotos, estampas, gravuras, etc.). Mobiliário: pode-se distinguir entre litúrgico e não litúrgico; Talha: objetos ou fragmentos de um objeto, que não sejam figuras isoladas e que tenham sido esculpidos (altares, partes de altar, capitéis, etc.); Têxtil: objetos de tecido (indumentárias civis, paramentos, insígnias como bandeira); Metal: cálice, sino, medalha, bandeja, relicário, etc. Diversos: todos os outros tipos Localização: onde está a peça (por exemplo: vitrine 1, armário 5, reserva técnica, acervo da Paróquia Santana, etc.). Logicamente, a localização da peça pode mudar diversas vezes; Objeto ou Título: o que é o objeto (por exemplo: anel, genuflexório, altar). Algumas vezes o objeto tem um título (imagem de São José, pintura A Paixão de Cristo, etc.); Acessórios: tudo o que pode ser retirado da peça sem descaracterizá-la, isto é, o que geralmente não está integrado total e definitivamente à peça. Por exemplo: uma coroa pode ter sido moldada ou esculpida

23 com a peça ou colada sem possibilidades de soltarse, deixando, assim, de ser acessório. Um braço rosqueado no corpo de uma imagem também não é um acessório. Pode haver mais de um acessório. Todos devem ser fichados separadamente (por exemplo: coroa de imagem, caixa de medalha, moldura de fotografia); Autor: quem produziu a peça; Material: distingue-se da tipologia. Por exemplo, um cálice, classificado na tipologia como metal, neste item material tem especificado o tipo de metal: ouro, prata ou metal prateado, etc. Uma casula classificada com a tipologia têxtil, aqui é especificado que tipo de tecido: linho ou algodão, etc.; Estilo: barroco, gótico, moderno, etc.; Exposição: É o histórico das exposições pelas quais passou um objeto. Quando muito exposta indica o desgaste que talvez esteja ocorrendo e uma necessária preservação ou recolhimento da peça. Alguns objetos requerem um dossiê, ou seja, uma pasta com estudos, fotos, reportagens sobre exposições de que tenham participado, escritos, análises, críticas, referências bibliográficas (se a obra foi citada em algum livro: transcrever o trecho e fazer as devidas referências), etc.; Função da peça: deve ser explicada mesmo que pareça óbvio. Pode ser que num futuro distante não se saiba como a peça era usada (por exemplo: o candelabro para quatro velas é usado no tempo do Advento; suporte de parede para guardar os Santos Óleos); Medidas: são as dimensões da peça: altura, largura/ diâmetro, profundidade/comprimento. Para peças tridimensionais é preciso indicar largura (frente da peça), profundidade e altura. Para peças bidimensio

24 nais, especificar a largura e a altura. Para peças circulares, como moeda ou medalha, especificar o diâmetro. Quanto a objetos irregulares, com mais de uma altura, por exemplo, registra-se a maior; Peso: de preferência obtido por uma balança de precisão; Procedência: como no livro e inventário, ou seja, onde estava ou a quem pertencia ultimamente a peça antes de ser entregue ao acervo; Origem: cidade, estado, país onde a peça foi elaborada; Seguro: coloca-se o valor assegurado em real, euro ou dólar; Propriedade: a quem pertence a peça atualmente. Em caso de pessoa física, colocar o endereço (Museu Diocesano ou Sr. João da Silva Rua Nove de Julho, 100 CEP Jundiaí); Descrição: tudo o que se pode observar na peça, da forma mais minuciosa possível. Não cabem aqui julgamentos, críticas, interpretações. Estas, se convierem, devem ser feitas no item seguinte; Observação: cabe aqui registrar, por exemplo: capa usada antes do Concílio Vaticano II, ou, imagem esculpida provavelmente pelo discípulo de Aleijadinho, etc Legenda: a palavra, frase ou pequeno texto que vai ficar junto à peça exposta; Estado de Conservação: avaliação do estado da peça no momento em que deu entrada no acervo (por exemplo: mão esquerda quebrada, separada da peça ou rachadura nas costas). As peças com cupim devem ficar separadas até a descupinização. Acrescentar as intervenções porventura ocorridas

25 na peça: o restauro (o laudo do restaurador vai para o dossiê) ou a descupinização, etc.; Processo: quando o objeto foi adquirido através de um processo administrativo ou está incorrendo em tal processo. Coloca-se o número deste processo. Quando é doação, especificar o doador Coleção: existem peças que formam uma coleção específica. Cada peça recebe uma numeração e um fichamento; Forma de aquisição: doação, compra, empréstimo, etc.; Detalhes da aquisição - por exemplo: se houver cláusulas para o empréstimo; Fichado por: colocar o nome de quem preencheu a ficha; Data da ficha: quando foi feita a ficha; Código: é o número de classificação. Não se trata do número de inventariação, mas o número que ocupa o tipo de peça segundo um universo estabelecido. Geralmente é composto por diversos dígitos: o primeiro indica uma grandeza; o segundo, uma determinada especificação; e, o terceiro, ainda mais específico Registro: número da ficha oferecido pelo próprio sistema informatizado. Os registros são feitos em numeração contínua. Assim, os números de inventariação, o código de classificação e o registro identificam bem a peça. (*) Observação: O texto deste Capítulo é baseado na Carta Circular: Necessidade e urgência da Inventariação e Catalogação do patrimônio cultural da Igreja da Pontifícia Comissão para os Bens Culturais da Igreja (8 de dezembro de 1999)

26 Capítulo 5 Conservação dos Bens Culturais da Igreja 1. Os trabalhos de conservação dos bens materiais avançaram bastante nas últimas décadas, sem dúvida, mas ainda há muito a acrescentar Existe uma conservação, assim chamada preventiva, que concorre para a preservação dos bens culturais e materiais da Igreja. Tal conservação preventiva não só nos garante uma maior durabilidade de cada objeto sacro, mas também evita a necessidade de restauros, por vezes feitos sem critério, causando até a perda de tesouros existentes em nossas igrejas Cada objeto sacro possui suas características próprias como, por exemplo: época em que foi confeccionado, materiais utilizados, frequência de uso e maneira como é utilizado. A higienização ou limpeza de cada objeto é um fator importante para a sua preservação e deve seguir alguns critérios para se evitar verdadeiros desastres. Não basta boa vontade, mas é preciso aprender a tratar cada coisa como se deve Telas a óleo, imagens de madeira ou mesmo gesso não são laváveis com água e sabão, nem com pano úmido. Recomenda-se pano seco, pincel, etc Paramentos e alfaias antigas, bordadas e coloridas também não devem ser lavados; apenas conservados no seu estado atual

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

Índice Introdução... 13 Abreviaturas... 17 1. Natureza da liturgia cristã... 21 1.1. O termo liturgia... 21 1.1.1. No helenismo... 22 1.1.2. No Antigo Testamento... 22 1.1.3. No Novo Testamento... 23 1.1.4.

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia.

A grande refeição é aquela que fazemos em torno da Mesa da Eucaristia. EUCARISTIA GESTO DO AMOR DE DEUS Fazer memória é recordar fatos passados que animam o tempo presente em rumo a um futuro melhor. O povo de Deus sempre procurou recordar os grandes fatos do passado para

Leia mais

Explicação da Missa MISSA

Explicação da Missa MISSA Explicação da Missa Reunidos todos os catequizandos na Igreja, num primeiro momento mostram-se os objetos da missa, ensinam-se os gestos e explicam-se os ritos. Em seguida celebra-se a missa sem interrupção.

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PRÁTICAS PARA AS EQUIPES DE INTERCESSÃO

ORIENTAÇÕES PRÁTICAS PARA AS EQUIPES DE INTERCESSÃO ORIENTAÇÕES PRÁTICAS PARA AS EQUIPES DE INTERCESSÃO O Grupo de Oração é aberto para todos virem beber da água viva de Jesus, sendo inundados pelo Espírito Santo, onde louvam, cantam, e são alimentados

Leia mais

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

A Exortação Apostólica Verbum Domini

A Exortação Apostólica Verbum Domini A Exortação Apostólica Verbum Domini Texto escrito por Cássio Murilo Dias da Silva 1, em janeiro de 2011. Informação de copyright: Este texto pode ser utilizado para fins educacionais e não comerciais.

Leia mais

Bento XVI, Sacramentum caritatis,

Bento XVI, Sacramentum caritatis, ou Bento XVI, Sacramentum caritatis, Em entrevista com o clero da Diocese de Albano (31/8/2006), Bento XVI respondeu à pergunta de um padre sobre a ars celebrandi. Disse que essa arte tem várias dimensões:

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO TOCANTINS MINISTÉRIO DE MÚSICA E ARTES INSTRUÇÃO PARA MÚSICA LITÚRGICA NOS EVENTOS DA RCC 1

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO TOCANTINS MINISTÉRIO DE MÚSICA E ARTES INSTRUÇÃO PARA MÚSICA LITÚRGICA NOS EVENTOS DA RCC 1 RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DO TOCANTINS MINISTÉRIO DE MÚSICA E ARTES INSTRUÇÃO PARA MÚSICA LITÚRGICA NOS EVENTOS DA RCC 1 1) O lugar do Ministério de Música Para começar, vamos falar dos cantores do

Leia mais

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO

NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO DIOCESE DE BRAGANÇA MIRANDA NORMATIVAS PASTORAIS PARA A CELEBRAÇÃO DO BATISMO Para os Párocos e respetivas comunidades Cristãs, especialmente para os Pais e para os Padrinhos 2012 1 A ESCLARECIMENTO PRÉVIO

Leia mais

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL

SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL SUGESTÃO PARA A REALIZAÇÃO DA ASSEMBLEIA PAROQUIAL ORAÇÃO INICIAL 1 Ivocação ao Espirito Santo (oração ou canto) 2- Súplica inicial. (Em 2 coros: H- homens; M- mulheres) H - Procuramos para a Igreja/ cristãos

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

Inquérito às Conferências Episcopais, aos Institutos Religiosos Maiores e às Faculdades de Teologia

Inquérito às Conferências Episcopais, aos Institutos Religiosos Maiores e às Faculdades de Teologia Inquérito às Conferências Episcopais, aos Institutos Religiosos Maiores e às Faculdades de Teologia MÚSICA SACRA 50 anos depois do Concílio Preambulo A 50 anos do II Concilio do Vaticano, a Congregação

Leia mais

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto

Formação de GAPRT. Grupo de Acólitos da Paróquia de Rio Tinto Formação de Acólitos GAPRT Grupo de Acólitos CORES LITÚRGICAS BRANCO VERMELHO VERDE ROXO ROSA AZUL BRANCO n n n n Tempo Pascal e Natal. Festas e memórias do Senhor (excepto no Domingo de Ramos e a Exaltação

Leia mais

Concertos nas igrejas Magistério 1987

Concertos nas igrejas Magistério 1987 2009 Concertos nas igrejas Magistério 1987 Meloteca Edit. 15/09/2009 I. A música nas igrejas, fora das celebrações litúrgicas 1. O interesse pela música é uma das manifestações da cultura contemporânea.

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009

O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009 O ITINERÁRIO DO CATECUMENATO segundo o Ritual da iniciação cristã dos adultos Pe. Domingos Ormonde, julho de 2007-2009 (A) Introdução ao estudo do Ritual da iniciação cristã dos adultos (RICA) 1. O enfoque

Leia mais

Carta sobre os concertos nas igrejas

Carta sobre os concertos nas igrejas Carta sobre os concertos nas igrejas No dia 5 de Novembro de 1987 a Congregação para o Culto Divino enviou uma Carta aos Presidentes das Conferências Episcopais sobre os concertos nas igrejas. 1. A MÚSICA

Leia mais

Permanecei em mim e eu permanecerei em vós!

Permanecei em mim e eu permanecerei em vós! CELEBRAÇÃO DO 5º DOMINGO DA PÁSCOA 03 de maio de 2015 Permanecei em mim e eu permanecerei em vós! Leituras: Atos 9, 26-31; Salmo 22; Primeira Carta de João 3, 18-24; João 15, 1-8. COR LITÚRGICA: BRANCA

Leia mais

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares

Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst. O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Bispo Sr. Dr. Gebhard Fürst O ESPÍRITO É VIVIFICADOR Desenvolver a Igreja em muitos lugares Carta Pastoral dirigida às igrejas da diocese de Rotemburgo-Estugarda na Quaresma Pascal de 2015 Bispo Sr. Dr.

Leia mais

REUNIÃO DE LIDERANÇAS

REUNIÃO DE LIDERANÇAS REUNIÃO DE LIDERANÇAS 08/02/2015 PAUTA: 1) Oração Inicial 2) Abertura 3) Apresentação de 03 dimensões de Ação Pastoral para o ano de 2015 4) Plenária / Definições 5) Oração Final 6) Retirada de Materiais

Leia mais

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP

Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Calendário Paroquial 2015 Paróquia Santa Rita de Cássia Carapicuíba-SP Janeiro 01 Q Solenidade Santa Maria, Mãe de Deus 02 S 03 S 15h00 Reunião de Coordenação da Catequese 04 D Solenidade Epifania do Senhor

Leia mais

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA

CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA CATEQUESE COMO INICIAÇÃO À EUCARISTIA PE. GREGÓRIO LUTZ Certamente o título deste artigo não causa estranheza à grande maioria dos leitores da Revista de Liturgia. Mas mesmo assim me parece conveniente

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira

A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira A MÚSICA LITÚRGICA NO MAGISTÉRIO DA IGREJA NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX ATÉ O CONCÍLIO VATICANO II. Anderson Luís Moreira Pe. José Humberto Motta / Pe. Antonio Élcio De Souza Faculdade Católica de Filosofia

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

Instituição e Renovação de Ministérios Extraordinários na Diocese

Instituição e Renovação de Ministérios Extraordinários na Diocese Instituição e Renovação de Ministérios Extraordinários na Diocese 1. RITO DE INSTITUIÇÃO DOS MINISTROS(AS) DA COMUNHÃO Diácono: Queiram levantar-se os que receberão o mandato de Ministros Extraordinários

Leia mais

Paróquia, torna-te o que tu és!

Paróquia, torna-te o que tu és! Paróquia, torna-te o que tu és! Dom Milton Kenan Júnior Bispo Aux. de S. Paulo. Vigário Episcopal para Reg. Brasilândia Numa leitura rápida da Carta Pastoral de Dom Odilo, nosso Cardeal Arcebispo, à Arquidiocese

Leia mais

MENSAGEM DO SANTO PADRE para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações (15 de Maio de 2011) «Propor as vocações na Igreja local»

MENSAGEM DO SANTO PADRE para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações (15 de Maio de 2011) «Propor as vocações na Igreja local» MENSAGEM DO SANTO PADRE para o 48º Dia Mundial de Oração pelas Vocações (15 de Maio de 2011) «Propor as vocações na Igreja local» Queridos irmãos e irmãs! O 48.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que

Leia mais

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014.

ESCOPO GERAL. - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. ESCOPO GERAL - Resultado da 52ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) -Aparecida/SP30deabrila9de maio de 2014. - Composição: 1) Apresentação de Dom Leonardo Steiner. 2) Introdução.

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II)

Apresentação. (Solicitação do saudoso Santo Padre o Beato João Paulo II) Apresentação A Renovação Carismática Católica do Estado do Piauí, movimento eclesial da Igreja Católica, tem por objetivo proporcionar às pessoas uma experiência concreta com Jesus Cristo, através do Batismo

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Diácono Admilson Pereira

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Diácono Admilson Pereira PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA PÁROCO: Côn. Egídio de Carvalho Neto Elaboração: Pereira É o tempo que marca as datas dos acontecimentos da História da Salvação. É a manifestação de Deus em nosso tempo

Leia mais

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA A Vista Pastoral constitui-se em momento privilegiado de contato do Arcebispo com o povo santo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o 3 - Eucaristia O que é a Eucaristia? É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao seu regresso, confiando

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE A Paróquia de São João Batista do Tauape foi criada por sua Excia. Revma. Dom Antônio, de Almeida Lustosa, na época Arcebispo de Fortaleza, pelo decreto

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A CELEBRAÇÃO DO MATRIMÔNIO NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA LONDRINA PR

ORIENTAÇÕES PARA A CELEBRAÇÃO DO MATRIMÔNIO NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA LONDRINA PR PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA LONDRINA PR Orientações para a Celebração do Matrimônio ORIENTAÇÕES PARA A CELEBRAÇÃO DO MATRIMÔNIO NA PARÓQUIA NOSSA SENHORA AUXILIADORA LONDRINA PR Queridos noivos!

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA

DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DISCÍPULOS E SERVIDORES DA PALAVRA DE DEUS NA MISSÃO DA IGREJA DEUS SE REVELA Revelação é o diálogo entre Deus e seus filhos, cuja iniciativa vem de Deus (8). A Palavra de Deus não se revela somente para

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011)

18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011) 28.10 147 18.02 e 05.10 (Fechamento da Agenda 2011) 148 17.04, 19.06 149 150 151 152 153 e 11.12 (F). 29.05 (A), 06.11 (B), 13.11 (C), 14.11 (D), 21.11 (E) 17.04 (A), 19.09 (B), 23.10 (C) e 20.11 (D).

Leia mais

Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB

Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família Comissão Nacional da Pastoral Familiar Brasília - 2014 snv14_2.indd 1 28/05/2014 12:11:27 Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família - CEPVF/CNBB

Leia mais

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação ***************************************************************************

Comissão Diocesana da Pastoral da Educação *************************************************************************** DIOCESE DE AMPARO - PASTORAL DA EDUCAÇÃO- MARÇO / 2015 Todo cristão batizado deve ser missionário Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos e fazei-me conhecer a vossa estrada! Salmo 24 (25) Amados Educadores

Leia mais

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Congregação das Irmãs Missionárias de São Carlos B. Scalabrinianas Centro de Estudos Migratórios Cristo Rei-CEMCREI Rua Castro Alves, 344 90430-130 Porto Alegre-RS cemcrei@cpovo.net www.cemcrei.org.br

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

CALENDÁRIO 2014 DIOCESE DE LIMEIRA / SP. JANEIRO Horário Local Atividade

CALENDÁRIO 2014 DIOCESE DE LIMEIRA / SP. JANEIRO Horário Local Atividade DIOCESE DE LIMEIRA / SP NOVA PARÓQUIA: UMA FONTE DE ÁGUA VIVA CALENDÁRIO a 0 a e e a e 9 e 9 9 CALENDÁRIO h Juazeiro do Norte/CE São Paulo JANEIRO h00 0 0h 0 Emaús Aparecida - SP -Norte Artur Nogueira

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico

CONGRESSO EUCARÍSTICO. 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico CONGRESSO EUCARÍSTICO 1º ponto: O padre e a Eucaristia 2º ponto: Congresso Eucarístico O PADRE E A EUCARISTIA Eucaristia e Missão Consequência significativa da tensão escatológica presente na Eucaristia

Leia mais

Sacramento do Matrimônio

Sacramento do Matrimônio Sacramento do Matrimônio 1. A PREPARAÇÃO: Além do expediente documental aos cuidados da secretaria paroquial, a celebração do matrimônio cristão deve ser precedida de uma digna preparação do casal nubente,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS, EXECUÇÕES E CONSERVAÇÃO DE IGREJAS

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS, EXECUÇÕES E CONSERVAÇÃO DE IGREJAS 1 2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA PROJETOS, EXECUÇÕES E CONSERVAÇÃO DE IGREJAS Organização: COMISSÃO PARA OS BENS CULTURAIS Comissão para o Museu e Memória Comissão de Arte Sacra (construção, reforma e restauração)

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

Regulamento para a Gestão e Protecção do Património e Bens Culturais da Diocese

Regulamento para a Gestão e Protecção do Património e Bens Culturais da Diocese Regulamento para a Gestão e Protecção do Património e Bens Culturais da Diocese Neste Regulamento, consideram-se fazendo parte dos Bens Culturais da Diocese de Portalegre-Castelo Branco os lugares de culto

Leia mais

n.1 Linhas fundamentais para

n.1 Linhas fundamentais para n.1 Linhas fundamentais para uma redescoberta, na vida da Igreja, da Palavra Divina, Fonte de constante renovação, Com a esperança de que a mesma se torne cada vez mais O coração de toda a atividade eclesial.

Leia mais

Princípios e Orientações sobre os Bens Culturais da Igreja

Princípios e Orientações sobre os Bens Culturais da Igreja Conferência Episcopal Portuguesa Princípios e Orientações sobre os Bens Culturais da Igreja Fátima, 16 de Novembro de 2005 I FINALIDADE E NATUREZA DOS BENS CULTURAIS DA IGREJA A Igreja de Cristo está no

Leia mais

O que é Batismo? > É o sacramento pelo qual renascemos para a vida divina e nos tornamos filhos de Deus. Sacramento da iniciação a vida Cristã;

O que é Batismo? > É o sacramento pelo qual renascemos para a vida divina e nos tornamos filhos de Deus. Sacramento da iniciação a vida Cristã; Pastoral do Batismo Sacramentos Batismo O que é Batismo? > É o sacramento pelo qual renascemos para a vida divina e nos tornamos filhos de Deus. Sacramento da iniciação a vida Cristã; Consiste em derramar

Leia mais

PORTARIA N 14-DGP, DE 05 DE MARÇO DE 2002.

PORTARIA N 14-DGP, DE 05 DE MARÇO DE 2002. PORTARIA N 14-DGP, DE 05 DE MARÇO DE 2002. Aprova as Normas Gerais para a Programação e Execução das Atividades do Serviço de Assistência Religiosa nas Capelanias Militares do Exército Brasileiro. O CHEFE

Leia mais

Capelania Hospitalar / Pastoral da Saúde

Capelania Hospitalar / Pastoral da Saúde CEPMTA / ISCAL Londrina 06/11/2012 Capelania Hospitalar / Pastoral da Saúde Assessor: Pe. Audinei Carreira da Silva PERFIL DO AGENTE DE PASTORAL DA SAÚDE Antes de tudo deve ser uma pessoa de profunda experiência

Leia mais

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014

PARÓQUIA SÃO MATEUS CALENDÁRIO 2014 Dia Dia da JANEIRO COM MARIA CONSTRUIR A PAZ 31 MISSA NA SÃO MATEUS 20H 01 Quarta SOLENIDADE DA SANTA MÃE DE DEUS, MARIA/ MISSA NA CAPELA SANTO ANTONIO 10H 2 MISSA NA SÃO MATEUS 19H30 3 HORARIO NORMAL

Leia mais

PATRIMÓNIO ARTÍSTICO-RELIGIOSO ALGUMAS ORIENTAÇÕES PASTORAIS MAIS CONCRETAS

PATRIMÓNIO ARTÍSTICO-RELIGIOSO ALGUMAS ORIENTAÇÕES PASTORAIS MAIS CONCRETAS PATRIMÓNIO ARTÍSTICO-RELIGIOSO ALGUMAS ORIENTAÇÕES PASTORAIS MAIS CONCRETAS Estas orientações são confiadas aos rev. Párocos e a outros sacerdotes, assim como aos membros de conselhos pastorais e económicos

Leia mais

a) RITOS INICIAIS Amém

a) RITOS INICIAIS Amém 1- LITURGIA: CONHECER PARA AMAR! Diante de realidade missionária, temos como função orientar o povo de Deus a cerca daquilo que se celebra através da liturgia na Igreja. para isso, no que se segue apresentaremos

Leia mais

DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA

DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA DIRETÓRIO DO DIACONADO PERMANENTE NA ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA 1 1. NATUREZA DO DIACONADO PERMANENTE 1.1. No contexto da ministerialidade da Igreja, e mais especificamente, no âmbito do ministério ordenado,

Leia mais

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011

Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 Vivendo a Liturgia - ano A / outubro 2011 27ºDOMINGO DO TEMPO COMUM (02/10/11) Parábola dos Vinhateiros Poderia ser feito um mural específico para esta celebração com uma das frases: Construir a Igreja

Leia mais

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO

EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO DOm Benedito Beni dos Santos EVANGELIZAR COM PAPA FRANCISCO Comentário à EVANGELII GAUDIUM Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline

Leia mais

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando.

Entrada da Palavra: Comentário da Palavra: Permaneçamos em pé para acolher o Livro Santo de Nossa Fé, a Palavra de Deus, cantando. Celebração de Encerramento PREPARAR 1. Bíblia e velas para a Procissão de Entrada da Palavra 2. Sementes de girassóis para cada catequista depositar num prato com terra diante do altar durante a homilia

Leia mais

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária

A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A iniciação cristã como pedagogia de vida comunitária A evangelização nos dá a alegria do encontro com a Boa Nova da Ressurreição de Cristo. A maioria das pessoas procura angustiada a razão de sua vida

Leia mais

LITURGIA / SACRAMENTOS

LITURGIA / SACRAMENTOS ARQUIDIOCESE DE FLORIANÓPOLIS RUA ESTEVES JÚNIOR, 447 CENTRO 88015-130 FLORIANÓPOLIS SC arquifln@arquifln.org.br Fone/Fax: 48 3224-4799 - www.arquifln.org.br PLANO DE CONTAS RECEITAS DÍZIMO 95 DÍZIMO LITURGIA

Leia mais

CENSO SÓCIO-RELIGIOSO MISSIONÁRIO. Como devo proceder?

CENSO SÓCIO-RELIGIOSO MISSIONÁRIO. Como devo proceder? CENSO SÓCIO-RELIGIOSO MISSIONÁRIO Como devo proceder? Todas as paróquias deverão receber nos próximos dias um kit que deverá ser entregue a cada um dos voluntários. * Cada voluntário deve assinar Termo

Leia mais

Dimensão litúrgica do canto

Dimensão litúrgica do canto Dimensão litúrgica do canto Para ser um ministro de música não basta conhecer a animação litúrgica ou estar inserido em uma comunidade de crescimento. O animador deve estar totalmente inserido na realidade

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

PARA A INSTITUIÇÃO DE LEITORES E ACÓLITOS PARA A INSTITUIÇÃO DOS LEITORES

PARA A INSTITUIÇÃO DE LEITORES E ACÓLITOS PARA A INSTITUIÇÃO DOS LEITORES 348 MA RTUA PARA A NTTUÇÃO DE LETORE E ACÓLTO Quando a Oração Universal é própria da Missa do dia, inserem-se nela algumas súplicas especiais pelos Leitores e Acólitos acabados de instituir, escolhidas

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade

CONCÍLIO VATICANO II. Relevância e Atualidade CONCÍLIO VATICANO II Relevância e Atualidade Dogma concepção Imaculada de Maria Syllabus Convocação Concilio PIO IX (1846 1878) Vaticano I Renovação Interna da Igreja Decretos Papais Divulgados em Boletins

Leia mais

3º Congresso Vocacional do Brasil

3º Congresso Vocacional do Brasil III CONGRESSO VOCACIONAL DO BRASIL Tema: Discípulos missionários a serviço das vocações Lema: Indaiatuba, Itaici, 03 a 07 de setembro de 2010 3º Congresso Vocacional do Brasil Dom Leonardo Ulrich Steiner

Leia mais

Roteiros Turísticos. [arte colonial]

Roteiros Turísticos. [arte colonial] Roteiros Turísticos [arte colonial] Ouro Preto [Arte Colonial] A Praça Tiradentes é o ponto central da cidade, como se fosse um divisor. A partir dela, podem-se programar as visitas. Como Ouro Preto possui

Leia mais

Servidores da Caridade

Servidores da Caridade Homilia da Missa Crismal 2011 Servidores da Caridade António Marto Catedral de Leiria 21 de Abril de 2011 Cantarei eternamente a bondade do Senhor A liturgia da Missa Crismal encerra uma beleza espiritual

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE

5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE 5.1. A QUESTÃO ECUMÊNICA HOJE José Bizon dcj@casadareconciliacao.com.br 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo O ecumenismo é parte integrante da ação evangelizadora. De acordo com o Decreto Unitatis redintegratio,

Leia mais

INSTRUÇÕES PRÁTICAS SOBRE A LITURGIA. Pastoral da Liturgia Diocesana Diocese de Amparo-SP Contato: liturgia@diocesedeamparo.org.br

INSTRUÇÕES PRÁTICAS SOBRE A LITURGIA. Pastoral da Liturgia Diocesana Diocese de Amparo-SP Contato: liturgia@diocesedeamparo.org.br INSTRUÇÕES PRÁTICAS SOBRE A LITURGIA Pastoral da Liturgia Diocesana Diocese de Amparo-SP Contato: liturgia@diocesedeamparo.org.br INTRODUÇÃO onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome eu estarei

Leia mais

OLHAR PARÓQUIA DE ALJUBARROTA TESTEMUNHOS DE FÉ NA NOSSA PARÓQUIA

OLHAR PARÓQUIA DE ALJUBARROTA TESTEMUNHOS DE FÉ NA NOSSA PARÓQUIA Igreja de Ataíja de Cima PUBLICAÇÃO MENSAL #NOVEMBRO 2013 # Nº. 227 OLHAR PARÓQUIA DE ALJUBARROTA, «A Porta da Fé» Por Bento XVI * 11.10.2012 a 24.11.2013 A vida dos cristãos conhece a experiência da alegria

Leia mais

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas 7 8 9 Dia a dia 10 com o Evangelho 2016 11 12 Texto e comentário Ano C São Lucas 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes

Leia mais

Normas Internas para Casamento na Paróquia Nossa Senhora da Assunção

Normas Internas para Casamento na Paróquia Nossa Senhora da Assunção Normas Internas para Casamento na Paróquia Nossa Senhora da Assunção Leiam atentamente essas normas a seguir, evitando assim futuros problemas e perda de tempo. 1. DOCUMENTAÇÃO 1.1. A documentação para

Leia mais

Banda Marcial faz alas, na escadaria, tocando para acolher a todos até a entrada do salão.

Banda Marcial faz alas, na escadaria, tocando para acolher a todos até a entrada do salão. Dia 21 de novembro uma homenagem especial pelos 150 anos de nascimento de Madre Clélia. Madre Clélia, festeja na eternidade o dom dos 150 anos de vida. Celebrando o dia 21 de novembro Quero que minhas

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico

MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO. Estudo Bíblico MISSÃO E CRESCIMENTO DA IGREJA IGREJA: CORPO VIVO DE CRISTO Estudo Bíblico Bispo Luiz Vergílio / Caxias do Sul/RS Abril de 2009 Ministerial de Pastores e Pastoras 1 MISSÃO DA IGREJA E CRESCIMENTO I. IGREJA

Leia mais

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL

IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL SEGUE ABAIXO QUADRO COMPARATIVO ENTRE ESTATUTO ANTIGO E ESTATUTO NOVO DA PAULO ESTATUTO ANTIGO 2009 Conforme Assembleia Geral Extraordinária 16/05/2008 ARTIGO 1- NOME E NATUREZA DA IGREJA A Igreja Anglicana

Leia mais