ESCO LA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAOE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCO LA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAOE"

Transcrição

1 ESCO LA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAOE iu:.i.aï(jluü Dli ATIVIDADES - l 9 SEMESIllE DE 1993 Graças ao enii^eiilio do Departamento Geral de E scolas de Arte, conseguimos da Secretaria de Estado de Cultura s ig n ific a t iv o aumento do numero de seguranças no Parque Lage. Estamos esperançosos com as gestões deste mesmo Departamento junto a El^DP para a impermeabilização dos terraços da EAV, pois as in filtr a ç õ e s estão comprometendo seriamente o pa trimônio e as atividades das galerias de arte e b ib lio te c a. Com o apoio do lilac, AMEAV e diversas ou tra s'en tid a d es, re alizam os, entre ou tras, as seguintes b e n fe ito r ia s no l 9 semestre de ls9 3: - Reforma completa das dependências da recepção, se cre ta ria e d ir e to r ia, incluindo raspagem e colocação de sinteko sem i-fos.co nos p is o s, pintura gera l, reforma do m ob iliá rio, estofamento de so fá, poltronas e cadeiras, descupinização e troca d<is instalações e lé t r ic a s, incluindo nova iluminação; - Criação de um painel de avisos na secre ta ria, dando v is ib ilid a d e aos n mes da Secretaria de Estado de Cultura e Departamento Geral de Escolas de Arte; - Implantação da sala de H istoria e T eoria, incluindo reforma t o ta l do es_ paço: raspagem e sinteko no p is o, pintura g e ra l, colocação de portas,res_ tauração do p iso, instalação de quadro de a v isos, quadro branco, te la de projeção, suporte para p roje to re s, e x tin to r de in cên dio, além da aquisi - ção de vin te cadeiras u n iv ersitá ria s; - Instalação do novo bebedouro p u b lic o; - S u bstitu ição de todos os v id ro s que se encontravam quebrados, e s p e c ia l mente da b ib lio te c a da EAV; - Nova iluminação para a sala de História e Teoria, biblioteca, galerias de a rte, pátio interno e fachadas fron ta is e la te ra is da EAV. Aumento da iluminação das alamedas do parque, portão p rin cip a l de acesso, estacionamento, escolinha, e t c.; - Construção de bancadas de compensado naval e form ica, ca v a le te s, para as salas de aula de pintura, desenho, fo t o, gravura, e colocação de mais de vin te suportes especiais para telas nas salas de pintura; - Reforma completa das o ficin a s de s e r ig r a fia, xilogravu ra, gravura em me t a l, lito g r a fia, incluindo a fe itu ra de bancadas esp ecia is e nova mesa pa ra a prensa lito g r ã fic a.

2 , «Í - * A quisição de m aterial de consumo para as o fic in a s ; - In ício da reforma dos laboratories de fo to g ra fia com a doação, ate o mij mento, de duas banheiras de revelação em PVC cinza com estrutura de f e r ro; - Reforma das instalações e lé trica s e do telhado do galpão de escultura. Recuperação da fachada fr o n ta l; - Pintura de grades, janelas e restauro dos p ortões de fe r r o do p réd io da EAV ; - construção de vin te bancos de madeira para o Núcleo de Crianças e J o vens, Aquisição de bebedouro para o Núcleo. Doação de papéis, cartolinas e cartões pela KLAB1N; - Reforma e in stalação dos ex tin to re s de in cên d io; - Projeto de instalação de ar condicionado e exaustão de gases para os la boratõrios de fotogra fia (doação); - Projeto para instalação da sala de vídeo e produção audio-visual da EAV (doação); - Doação de papéis pela P iliperson para feitu ra do m aterial g rá fico da EAV; - Empréstimo, pela Xerox, de máquina fo to co p ia d o ra; - Impressão de con vites e fo ld e rs pela G rafica da UERJ - Convênio de Cooperação com o Departamento Cultural da UEIU e apoio da Imprinta; - Projeto de implantação da área de canputação g rá fica com o apoio da C lavier Sistemas e Macintosh; - Troca de painéis compensados nas galerias de arte da EAV (Grande Gale - ria e Sala Imagem G rá fica ); - Implantação e inauguração da Galeria l 9 P iso, voltada ã produção aner - gente; - Reformamos, restauramos e pintamos os brinquedos do play-ground s u p e rior visando o atendimento mais seguro e co n fo rtá v e l para a comunidade; - Recuperamos quase a totalidade do m obiliário da EAV - armários de aço, estantes e mapotecas, cavaletes, e t c.; - Obtivemos aprovação do IBPC para dar continuidade ãs obras de reforma dos banheiros principais da Sede da EAV - estamos em bu$ca de financiamen to ; Temos procedido à limpeza (varredura) das alamedas e jardins do Parque La ge com uma equipe de dois jardin eiros e três ajudantes contratados pela AMEAV e Cruzada do Menor;

3 «.* « Obtivemos aprovarão do o ro je to de recuperação e informatização da bibli. oteca da EAV, apresentado ao RioArte (verba ainda não lib e r a d a ); - Obtivemos aprovação do p ro je to EAV-93 p elo PNC - Fundo Nacional da Cultura do M in istério da Cultura - Lei Rouanet (verba ainda não lib e r a d a ); - Mantivemos o n r o je to "Preparação do J a rd in e iro", tendo formado uma turma. Lste p ro je to, já encerrado, teve o apoio do IDPC e Cruzada do Menor, e f o i financiado p elo BANERJ; - Continuamos a dar andamento ao*projeto "Pesquisa H istórica - Parque Lage e sua Lscola de Artes Visuais" beneficiado pela "Lei S irk is" de incentivos fis c a is. 0 material coletado nesta pesquisa forma a base do Núcleo de Documentação e Pesquisa da EAV. A tividades gratuitas vcltadas para a comunidade: Além do acesso a uma B iblioteca especializada em arte, a EAV promoveu em suas très Galerias de A rte, 10 exp osições, abertas ao p ú b lico, tendo r e c e bido uma média de 1500 v is ita n te s por exposição. Realizamos 15 Palestras e Conferências, com um pú blico estimado an 450 pessoas e uma série de atividades d i f íc e is de qu an tificar os espectadores. Oferecemos um t o ta l de 80 Bolsas de Estudos e recebanos semanalmente grande nújiiero de escolas que nos visitaram e utilizaram áreas do Parque Lage como espaço de cu ltura e la z e r. I 9 Semestre de 1993 N9 to ta l de cursos o ferecid os: 98 N9 to ta l de alunos in s crito s : N9 t o t a l de exp osições: 10 (na EAV) e 3 (na UERJ - Convênio) N9 t o ta l de P alestras I 15.

4 SALA IMAGEM GRÁ1-1CA MATILDE DOLCETIT - gravuras/desenhos/aquarelas 15 de dezenbro a 23 de janeiro y52 visita n tes TlilUiSA G. DL MELLO - xilogravuras 11 de feveriro a 14 de liiarço 750 visitantes DIONlSlO DEL SANTO - se rig ra fia 23 de maryo a 25 de a b ril 870 visitantes ANNA CAROLINA - xilogravuras 22 de junho a 31 de julho 1018 visita n tes SALA tand 1DO PORT1NAR1/UERJ MATILDE DOLCEI'i'l 9 de m a r a 2 de a b ril TERSESA.G.TDE MELLO 0 a 24 de abrii D10NÍSI0 DEL SANTO 1 a 25 de juniio

5 # *,* * * «\ EXPOSIÇÕES/PRIMEIRO SEMESTRE 1993 GALERIA PRIMEIRO P1SO Alexandre Ducostu Burrão C ristina Canale Ricardo Basbaum E S C O L A DE ARTES VISUAIS D O PA R Q U E LA O E 17 de março a 18 de a b ril 967 visita n tes "POCilCA UÜ MATERIAL' Ana Lucia Mugi ia Gabr i e l a Macahdo Monina Rapp i'etê Olive ira Vasco A cio li 27 de a b ril a 29 de maio 967 visita n tes "PINTURA UE C1NCÜ" Andre Bazzanella Cbica Granchi heleno Beniardi Ligia Teixeira Ribeiro Luciana Renno 797 visitantes CALER1A DA ESCOLA UE ARTES VISUAIS LUALMA - d escn h os/serigra fia s/recortes 23 de março a 25 de a b rii 89Ü visitantes "RAREEAÇAO UOS SENTIDOS" - co le çã o João Satamini - anos 70 Anna Bella Geiger Antonio Dias Cildo Meireles Ivens Machado Mira Schendel Paulo Roberto Leal Rayiuundo Colares Wanda Pimentel Carlos Z ilio 11 de maio a 11 de junho 1175 visitantes TILL llausmann - "Cidade 2" - esculturas/objetos/desenhos Promoão Goethe Institu t 18 de junho a 18 de ju lh o 1875 visitantes

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

Escultura. Obra elaborada durante un workshop na Escola de Artes Visuais no mês de ju lh o.

Escultura. Obra elaborada durante un workshop na Escola de Artes Visuais no mês de ju lh o. \ * [ ESCOIA DC ARFES VISUAIS/ exposições 1993 GALCR1A DA ESCORA DE ARIES VISUAIS DJALMA Desenhos, s e r ig r a fia s e recortes. 23 de março a 25 de a b r il 890 v is ita n te s. "A RAREEAÇAO DOS SENTIDOS"

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s.

.', HGFEDCBA. M e u s c o m p a n h e iro s e m in h a s c o m p a n h e ira s. M e u s a m ig o s e m in h a s a m ig a s. . ---,,,",jihgfedcbazyxwvutsrqponmlkjihgfedcba ".',.;. " f.,..~~' D is c u r s o p r e f e it o M a r c e lo D é d a S O L E N I D A D E D E L A N Ç A M E N T O D A S P U B L I C A Ç Õ E S D O P L A N

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O

C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O C R IS E E C O N Ô M IC A E G A R A N T IA DE EM PR EG O J o s é A ju r ic a b a d a C o s t a e S ilv a ( * ) I. C R I S E E C O N Ô M I C A S e g u n d o o s e c o n o m is t a s, c a ra c t e riz a

Leia mais

I I I I I I I I I I «I? I... I l ISI _

I I I I I I I I I I «I? I... I l ISI _ e x p o s iç ã o (E s p a ç o E A V ) 15 24 p a le s tra ja n e iro fe v e re iro m a rç o a b ril m a io ju n h o ju lh o a g o s to s e te m b ro o u tu b ro n o v e m b ro d e z e m b ro E xposição

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s

P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s P r o g r a m a d e T r e in a m e n to e P a le s tr a s D ia b e te s M e llitu s e H ip e r te n s ã o A r te r ia l Dra Fernanda Pavarini Diabetes M ellitus P o r q u e g e r e n c ia r D ia b e te

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o TRABALHO VOLUNTÁRIO E TRABALHO RELIGIOSO A lic e M o n te ir o d e B a r r o s* Sum ário: TRA BA LH O V O LU N TÁ RIO ; Introdução; Conceito; Term o de adesão; Ressarcim ento de Despesas; O trabalho voluntário

Leia mais

A Escola de Artes Visuais, vinculada administrativamente a Secretaria de Estado da Cultura. é livre e aberta. Sem uma obrigatoriedade curricular

A Escola de Artes Visuais, vinculada administrativamente a Secretaria de Estado da Cultura. é livre e aberta. Sem uma obrigatoriedade curricular A i.'ea V - ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA I - OBJETIVO GERAL LIBERDADE E ESTRUTURA A Escola de Artes Visuais, vinculada administrativamente a Secretaria de Estado da Cultura. é livre e aberta. Sem uma

Leia mais

P la no. B a nda L a rg a

P la no. B a nda L a rg a de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Eduardo L.G. Rios-Neto Belo Horizonte, 11 de outubro de 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO: I. Comentários Gerais Introdutórios II. III. IV. Pareamento de

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO*

GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO* GLOBALIZAÇÃO E PESQUISA JURÍDICA: POR UMA NOVA DINÂMICA DE DIREITO SOCIAL E DE NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO* Jean-Claude Javillier** S U M Á R IO : 1 P ro b lem ática; 2 F inalidades; 3 M odalidades.

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

E S C O L A DE ARTES V ISU A IS D O PARQ UE LA G E SECRETARTA DE ESTADO DE CULTURA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO GERAL DE ESCOLAS DE ARTE

E S C O L A DE ARTES V ISU A IS D O PARQ UE LA G E SECRETARTA DE ESTADO DE CULTURA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO GERAL DE ESCOLAS DE ARTE E S C O L A DE ARTES V ISU A IS D O PARQ UE LA G E SECRETARTA DE ESTADO DE CULTURA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO GERAL DE ESCOLAS DE ARTE RELATÓRIO GERAL DAS ATIVIDADES DA ESCOLA DE ARFES VISUAIS EM 1993

Leia mais

JERÔNIMO CABRAL PEREIRA FAGUNDES NETO ENGENHEIRO CIVIL

JERÔNIMO CABRAL PEREIRA FAGUNDES NETO ENGENHEIRO CIVIL fls. 61 1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O pre se nte tra b a lho te m po r o b je tivo a de te rmina ç ã o d o justo, re a l e a tua l va lo r d o imó ve l: a pa rta me nto re side nc ia l situa do à Ave

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

PESQUISA PERFIL DO TURISTA

PESQUISA PERFIL DO TURISTA PESQUISA PERFIL DO TURISTA 1) Qual país de origem? Categoria em (%) Brasil 98,19 98,66 97,55 América Latina 0,86 0,55 1,28 Outros países 0,95 0,80 1,16 País de origem América La tina 1% Outros pa íses

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

XI Encontro do Câncer Ginecológico em Curitiba 17 de junho de 2010. Fábio Russomano

XI Encontro do Câncer Ginecológico em Curitiba 17 de junho de 2010. Fábio Russomano Rede colaborativa de Centros Qualificadores de Ginecologistas e Serviços de Referência para Atuação na Linha de Cuidado para a Assistência Secundária às Mulheres Portadoras de Lesão Intraepitelial Cervical

Leia mais

O Informativo do Centro Empresarial Norte destaca a decoração festiva deste final de ano e a mensagem de boas-vindas a 2009.

O Informativo do Centro Empresarial Norte destaca a decoração festiva deste final de ano e a mensagem de boas-vindas a 2009. O Informativo do Centro Empresarial Norte destaca a decoração festiva deste final de ano e a mensagem de boas-vindas a 2009. Confira também as primeiras obras executadas do projeto de revitalização do

Leia mais

As marcas dos castigos na infância

As marcas dos castigos na infância Seminário Educar Sem Castigo Discutindo o Projeto de Lei 7672/2010 As marcas dos castigos na infância Cida Alves Núcleo de Prevenção da Violências e Promoção da S aúde S MS de Goiânia Rede Não B ata Eduque

Leia mais

Nossos encontros AULÃO

Nossos encontros AULÃO Nossos encontros AULÃO 1 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 2 Critérios AV I: Redação Critérios AV I: Redação Serão descontados pontos da redação ou até pode ser zerada ou anulada: 1) Erros de português;

Leia mais

EDITAL 2011 DE ARTES VISUAIS

EDITAL 2011 DE ARTES VISUAIS EDITAL 2011 DE ARTES VISUAIS A Superintendência de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais torna pública a abertura do processo de seleção de propostas de exposição de artes visuais para o ano de 2011, para

Leia mais

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO

CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À DÍVIDA ATIVA DA UNIÃO 05/02/2015 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Procuradoria Geral da Fazenda Nacional CERTIDÃO POSITIVA COM EFEITOS DE NEGATIVA DE DÉBITOS RELATIVOS AOS TRIBUTOS FEDERAIS E À

Leia mais

Cidade das Artes inicia em maio sua programação

Cidade das Artes inicia em maio sua programação Cidade das Artes inicia em maio sua programação Em janeiro, Rock in Rio, o Musical abriu o novo espaço cultural em sistema de soft opening Fotos em alta resolução: www.factoriacomunicacao.com Depois de

Leia mais

DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015. Página 1. 1. De quanto em quanto tempo é feita a manutenção da praça

DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015. Página 1. 1. De quanto em quanto tempo é feita a manutenção da praça DATA DA VISITA : DATA DA VISITA : 04/02/2015 PRAÇA "UBALDO RAMALHETE" Coordenador Responsável: Leonardo Amorim Gonçalves Fundação: Criação: Endereço: Rua Ubaldo Ramalhete Maia Referência: Bairro: Centro

Leia mais

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP

EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS. Alexandre Oliveira - IEFP EMPREGO JOVEM: AS POLÍTICAS Alexandre Oliveira - IEFP Objetivos da sessão Identificar intervenções do IEFP no âmbito das políticas ativas de emprego para jovens: Estágios Profissionais; Medida Estímulo

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia II Seminário de Sustentabilidade e Facilites 2010 Prepared for: O ar condicionado de alto desempenho em edifícios comerciais CAPÍTULO 1 Metodologia Capítulo 1 Eficiência Correspondência ou adequação de

Leia mais

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re O b ra s da C o pa 2 0 1 4 P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re RE C URS OS Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Assinada em 13 de janeiro de 2010

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

UFMS - PROINFRA/CPO COORDENADORIA DE PROJETOS E OBRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL. BANCO DE PROJETOS: 2013 a 2014

UFMS - PROINFRA/CPO COORDENADORIA DE PROJETOS E OBRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL. BANCO DE PROJETOS: 2013 a 2014 UFMS - PROINFRA/CPO COORDENADORIA DE PROJETOS E OBRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL BANCO DE PROJETOS: 2013 a 2014 DEZEMBRO / 2014 Página 1 de 17 Reitora: Profa. Dra. Célia Maria Silva Correa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO. Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO Prof. Dr. Reges Heinrichs UNESP - Dracena 2010 Introdução Inicialmente: realizada de forma subjetiva e empírica como referência o desenvolvimento da vegetação. Atualmente:

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G M E T O D O L O G I A U T I L I Z A D A P E L O P E T C O M P U T A Ç Ã O D A U F C G P A R A M I N I S T R A R C U R S O S DE I N F O R M À T I C A B À S I C A G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o C u

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

RELATÓRIO. gestão abr-2009 / out 2010

RELATÓRIO. gestão abr-2009 / out 2010 RELATÓRIO gestão abr-2009 / out 2010 Apresentação Decreto Estadual nº. 28.833, de 18 de janeiro de 2006, desapropriação do imóvel cinemas Ritz e Astor(1974); Área total de 1.684,80m² - inaugurado em 2007,cuja

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA.

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA. A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA. PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Tra n s fe rê n c ia d e re n d a c o m c o n d ic io n a lid a d e s Ca ra c te rís tic a s : Fo c a

Leia mais

Diagrama de Seqüência

Diagrama de Seqüência Diagrama de Seqüência Características Básicas É um diagrama de interação e considera aspectos dinâmicos; Define como os objetos colaboram; Ênfase na ordenação temporal; Captura o comportamento de um cenário

Leia mais

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC XPath e XQuery Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC Navegação/acesso aos dados em XML E n c o n tra r o s e le m e n to s a tra v é s d e c a m inhos q u e in d iq u e m o c o n te x to d e ta

Leia mais

S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u

S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u OPERATING SYSTEM S is t e m a O p e r a c io n a l H a ik u U m s is t e m a o p e r a c io n a l v o l t a d o a o u s u á r io Bruno Albuquerque XXX Congresso da SBC - Workshop de Sistemas Operacionais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO CLIENTE: OBJETIVO: OBRA: PROJETO: LOCAL: CIDADE: MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO 21º ANDAR EDIFICIO CENTRAL REFORMA 21º ANDAR EDIFÍCIO CENTRAL RUA CALDAS JUNIOR Nº 120-21º ANDAR- Centro Porto Alegre/RS

Leia mais

intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL

intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL intervenções e empreendimentos na ÁREA CENTRAL agosto 2009 SUB-SÉ área: 2.620 ha população: 348.852 SANTA CECÍLIA área: 390ha população: 64.285 BOM RETIRO área: 400 ha população: 28.371 PARI área: 290

Leia mais

i i i j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE 1 2 3 4 5 6 7 s 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 23 26

i i i j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE 1 2 3 4 5 6 7 s 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 23 26 j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE OBRAS EMEROENCIAIS NA COBERTURA DO PALACETE ( 996 à jui/997). Impermeabilização do terraço e torres 2 3 4 5 6 7 s 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 2 22 23 24 23 26.2 instalações Elétricas

Leia mais

DIONISIO DEL SANTO IMAGEM GRÁFICA ESCOLA DE ARTES VISUAIS U E R J. 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3. s e r i g r a f i a s

DIONISIO DEL SANTO IMAGEM GRÁFICA ESCOLA DE ARTES VISUAIS U E R J. 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3. s e r i g r a f i a s S A I A IMAGEM GRÁFICA DIONISIO DEL SANTO s e r i g r a f i a s 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3 i n a u g u r a ç ã o à s 2 0 : o o h o r a s 23 d e m a r ç o a 25 d e a b r i l U E R J 1 d e j u n h o d

Leia mais

O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as

O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as 8 de novembro, 2015 O GNCDIJ está a dar continuidade ao Programa Orientador para a Educação Espírita de Crianças e Jovens. Este Programa pensado de acordo com as capacidades e necessidades dos nossos jovens,

Leia mais

Cronograma de Provas - 3ª etapa 2015 Ensino Fundamental II 6º ano (10/09 a 16/12)

Cronograma de Provas - 3ª etapa 2015 Ensino Fundamental II 6º ano (10/09 a 16/12) Ensino Fundamental II 6º ano (10/09 a 16/12) 1º B loco de Avaliações AV1 - (20/10 a ) DATA 2 0 / 1 0 T e r ç a - F e ira 2 1 / 1 0 Q u a r t a - F e ir a 2 2 / 1 0 Q u inta- 2 6 / 1 0 S e g u n d a - F

Leia mais

Eduardo Camillo Kasparevicis Ferreira. Portifólio

Eduardo Camillo Kasparevicis Ferreira. Portifólio Portifólio Eduardo Camillo Kasparevicis Ferreira Design de Produto Projeto de mobiliário desenvolvido para cooperativa localizada na cidade de Barueri, São Paulo, SP. Tendo como foco de projeto a situação

Leia mais

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s REPUBLICA DEMOCRÁTICA WÍ DE SÃO TOME E PRÍNCIPE ( U nidade'disciplina-trabalho) GOVE RN O DECRETO-LEl N.' 029/2014 No âmbito do p roje cto de "Ap o io ao Desenvolvimento urbano em São Tomé e Príncìpe",

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

instalação e a manutenção.

instalação e a manutenção. ENERGIAS RENOVÁVEIS Eólica I Solar fotovoltaica I Solar térmica I Biomassa I Hidráulica I Geotérmica Energias Renováveis ElectroRayma desenvolve uma estratégia de diversificação e crescimento constante

Leia mais

A L DEI A DA S ES T EL A S

A L DEI A DA S ES T EL A S A L DEI A DA S BER L ENG A S A L DEI A DA S ES T EL A S A L D E I A D O FA R O L A PA R TA M E N T O S SEDE Cabeço da Serra 0- Vau Óbidos Portugal Tel.: + 0 ESCR ITÓR IO Rua Frederico George, Alto da Faia

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Arquivo Geral. Conquistas e Desafios

Arquivo Geral. Conquistas e Desafios III Encontro T éc nic o dos I nteg ra ntes do S is tem a de G es tã o de D oc um entos de A rquivo S I G A,da A dm inis tra ç ã o P úblic a Federa l Imagem 3 Arquivo Geral Conquistas e Desafios Palestrante:

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO DE COMPROMETIMENTO

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

Palavra. puxa. menina menina

Palavra. puxa. menina menina menina menina menino menino sapato sapato bota bota uva uva mamã mamã leque leque casa casa janela janela telhado telhado escada escada chave chave galinha galinha gema gema rato rato cenoura cenoura girafa

Leia mais

Página 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0

Página 1. 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados. 1º grupo 0 1. CORPO DISCENTE: Quantidade de alunos matriculados 1º grupo 2 1.1 2º grupo 2 1.2 3º grupo 1 1.3 4º grupo 1 1.4 5º grupo 1 1.5 6º grupo 1 1.6 Dos alunos matriculados, quantos estão no Tempo Integral 40

Leia mais

I IMAGEM GRÁFICA M A R I A L U I Z A S A D D I

I IMAGEM GRÁFICA M A R I A L U I Z A S A D D I S A I A I IMAGEM ' GRÁFICA MARIA LUIZA SADDI r u p t u r a s e c o n s t r u ç õ e s U E R J 25 d e j u n h o d e 1 9 9 6 i n a u g u r a ç ã o à s 1 8 : 3 0 h o r a s 25 d e j u n h o a 26 d e j u l h

Leia mais

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) D imens õ es do P ro blema do L ixo Q ua lquer s o luç ã o tem que s er a na lis a

Leia mais

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita -

Art. 243. Vender, fornecer ain da que gratuita - Agosto de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Qu in ta-fe i ra 7 22447 LEGISLAÇÃO CITADA ANEXADA PELA SECRETARIA-GERAL DA MESA LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O.

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. C o n s e lh o N a c io n a l d e D e s e n v o lv im e n

Leia mais

CMEI DARCY CASTELLO DE MENDONÇA. Diretor: Rafael Angelo Brizotto. Fundação: 01/12/1993. Criação: Lei nº 3.095

CMEI DARCY CASTELLO DE MENDONÇA. Diretor: Rafael Angelo Brizotto. Fundação: 01/12/1993. Criação: Lei nº 3.095 CMEI DARCY CASTELLO DE MENDONÇA Diretor: Rafael Angelo Brizotto Fundação: 01/12/1993 Criação: Lei nº 3.095 Endereço: Rua Francisco Araújo Machado, 11 Bairro: Antônio Honório CEP.: 29072-440 Telefone: (27)

Leia mais

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS

1º ANO A 06 07 2015 ATIVIDADE DE FÉRIAS 1º ANO A 06 07 2015 VAMOS RELEMBRAR ALGUMAS ATIVIDADES QUE APRENDEMOS DURANTE AS AULAS? LEIA E IDENTIFIQUE CADA SÍLABA DOS QUADROS ABAIXO, DEPOIS RECORTE E COLE UMA FIGURA QUE INICIE COM A SÍLABA E ESCREVA

Leia mais

fernando vilela catálogo de obras

fernando vilela catálogo de obras fernando vilela catálogo de obras Índice gravuras esculturas cadernos fotos 4 132 166 190 gravuras 1. instalações 2. foto gravuras 3. xilogravuras sobre papel 4. ações em espaços públicos 5. primeiras

Leia mais