Regimento Interno dos Laboratórios do Departamento de Biomedicina da Universidade Católica de Goiás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimento Interno dos Laboratórios do Departamento de Biomedicina da Universidade Católica de Goiás"

Transcrição

1 Regimento Interno dos Laboratórios do Departamento de Biomedicina da Universidade Católica de Goiás

2 ÍNDICE 2 Capítulo I Da Definição, Localização e Finalidades dos Laboratórios... 3 Seção I Da Definição... 3 Seção II Das Finalidades... 6 Capítulo II Da Organização e Administração Superior... 6 Seção I Da Organização... 6 Seção II Da Administração Superior... 8 Capítulo III Do Patrimônio e Recursos Financeiros... 8 Seção I Do Patrimônio... 8 Seção II Dos Recursos Financeiros... 9 Capítulo IV Das Competências... 9 Capítulo V Das Atribuições dos Professores e dos Funcionários Capítulo VI Do Perfil e Atribuições Profissionais dos Recursos Humanos Capítulo VII Da Assistência Técnica Capítulo VIII Dos Deveres, das Proibições e das Penalidades Capítulo IX Das Disposições Anexos... 48

3 3 Capítulo I Da Definição, Localização e Finalidades dos Laboratórios Seção I Da Definição e Localização Artigo 1º - O conjunto de laboratórios e demais dependências de suporte laboratorial do Departamento de Biomedicina (CBB) da Universidade Católica de Goiás (UCG), situados no bloco A da área V e H da área IV do Campus I, tem sua organização administrativa e seu funcionamento disciplinados pelo presente Regimento Interno, pelos Regimentos, Regulamentos e Normas da Instituição, assim como também da legislação pertinente à Vigilância Sanitária (RDC 302 e RDC 306). Artigo 2º - Em função da estrutura curricular dos cursos da área de saúde da UCG, atendida em parte por disciplinas teóricas e teórico-práticas ofertadas pelo CBB, assim como pela própria gestão do Projeto Pedagógico do Curso de Biomedicina, os ambientes de prática laboratorial foram ordenados em dois grupos: os Laboratórios da Área Básica (LAB) e o Laboratório da Área de Saúde (LAS). único - Três laboratórios suplementares configuram o suporte à pesquisa e demais atividades didáticas e de relações intra e interinstitucionais necessárias ao desenvolvimento do CBB. São eles: o Laboratório de Apoio Didático (LAD), o Laboratório de Estudos e Pesquisas de Anemias Hereditárias (LEPAH) e o Laboratório de Estudos Experimentais e Biotecnológicos (LEB). Artigo 3º - Os Laboratórios da Área Básica são: I. Laboratório de genética, biologia molecular e virologia Este laboratório atende as disciplinas: genética, biologia molecular, virologia e imunologia. Sua área interna é de 23,42 m², e está estruturado com bancadas laterais em granito, pias, armários, mesas, banquetas e equipamentos. Localização: sala 104 bloco H área IV do Campus I.

4 4 II. Laboratório de microbiologia e microscopia A área interna é de 34,04 m². Faz parte de sua estrutura pia, bancada em granito, armários, mesas, prateleiras, banquetas e equipamentos. Localização: sala 214 bloco H área IV do Campus I. III. Laboratório de microscopia Este laboratório atende as disciplinas: parasitologia, citologia, embriologia e histologia. Sua área interna é de 21,73 m², e está estruturado com bancada em granito, pia, armários, mesas, banquetas e equipamentos. Localização: sala 213 bloco H área IV do Campus I. IV. Laboratório de bioquímica O laboratório de bioquímica atende a todos os cursos da área de saúde. Apresenta uma estrutura física compatível com as necessidades da disciplina. Sua área interna é de 34,78 m², bancada lateral em granito, armários, prateleiras suspensas para armazenamento de reagentes voláteis, prateleira em aço, mesas, banquetas, sistema de ar condicionado e equipamentos. Localização: sala 215 bloco H área IV do Campus I. V. Laboratórios de anatomia humana Os laboratórios de anatomia contam com uma área total de 345,82 m² distribuída em 12 salas, sendo 07 para exposição teórico-prática; 01 para preparação, conservação e armazenamento de peças naturais e realização de provas práticas; 02 salas para armazenamento de peças sintéticas; 01 sala com cubas em alvenaria para armazenamento de peças naturais e 01 sala de apoio acadêmico-administrativo. Este espaço atende todos os cursos da área da saúde. As salas são mobiliadas com mesas inox, banquetas e prateleiras. Localização: salas 109, 110, 111, 112, 113, 114, 115, 116, 117, 120, 121 e 122 do 1º subsolo do bloco A da área V do Campus I. VI. Laboratório de anatomia patológica e histologia Estruturado em duas salas conjugadas, com área total de 65,8 m², sendo uma destinada a preparo de peças e lâminas - histotécnica e outra adaptada ao desenvolvimento das aulas práticas das disciplinas patologia e histologia. Estão mobiliadas com mesas, bancadas, banquetas, armários e suporte para exposição das peças patológicas naturais.

5 Localização: salas 118 e 119 do 1º subsolo do bloco A da área V do Campus I. 5 VII. Laboratórios de fisiologia e farmacologia Estão organizados em 06 salas, com área total de 142,26 m², todas com sistema de ar condicionado, pias e bancadas em granito, com a seguinte distribuição: 03 salas para exposição teórico-práticas de fisiologia, 01 laboratório de farmacologia, 01 laboratório de microscopia e 01 sala de apoio técnico e almoxarifado. As salas são mobiliadas com carteiras, mesas e banquetas. Localização: salas 102, 103, 104, 106, 107 e 108 do 1º subsolo do bloco A da área V do Campus I. VIII. Laboratório Experimental e de Biotecnologia Este laboratório atende a projetos de pesquisa na área de biotecnologia e também as atividades práticas da disciplina farmacologia do curso de medicina. Sua área total é de 34,29 m². Localização: sala 001 do 2º subsolo do bloco A da área V do Campus I. IX. Laboratório de informática Sala com 25,60 m², equipada com quinze computadores conectados à internet. Localização: sala 105 1º subsolo do bloco A da área V do Campus I. Artigo 5º - O Laboratório da Área de Saúde (LAS) Situado no bloco H da área IV no Campus I, o LAS está organizado em seções que atendem diferentes procedimentos dentro da patologia clínica: atendimento ao paciente, coleta e separação de materiais biológicos, processamento de amostras nas seções de Imunologia, Hematologia, Bioquímica, Líquidos Corporais, Parasitologia, Microbiologia, Citologia e Hormônios. Possui um ambiente de Lavagem e esterilização de materiais e desenvolve o Controle Interno e Externo de Qualidade. Possui ainda uma estrutura para coleta de materiais que permite o atendimento de 5 pacientes simultaneamente, além de contar com um ambiente de coleta especial, exclusivo para coletas ginecológicas e de material microbiológico. Em todas as suas seções o LAS segue as normas da vigilância sanitária e é certificado pelo Programa Nacional de Controle de Qualidade da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas SBAC. O LAS é conveniado com o Sistema Único de Saúde (SUS), fato que assegura uma oferta de pacientes estável, possibilitando ao aluno a rotina de entrada de materiais biológicos para a realização de ensaios laboratoriais.

6 6 Todos os ambientes laboratoriais possuem equipamentos automatizados de última geração, o qual possibilita o desenvolvimento de atividades práticas em metodologias atualizadas. Seção II Das Finalidades Artigo 5º - Os Laboratórios da Área Básica têm por finalidade: I. Possibilitar o desenvolvimento dos programas práticos de todas as disciplinas da parte básica dos cursos da área de saúde existentes na UCG e daqueles que venham a ser criados no futuro; II. Promover a formação prático-reflexiva dos alunos, com vista ao desenvolvimento no campo das pesquisas na área básica e aplicada; III. Servir de campo de aprendizagem e treinamento para os estudantes da área das ciências da saúde. Artigo 6º - O Laboratório da Área de Saúde tem por finalidade, além das já relacionadas acima: I. Possibilitar a execução das atividades específicas dos setores do laboratório de análises clínicas para constituir-se em Laboratório-escola; II. Oferecer aos acadêmicos do Curso de Biomedicina campos de estágio com condições adequadas para integração do conteúdo teórico-prático das disciplinas curriculares e o treinamento necessário para o exercício da habilitação; III. Atender as necessidades e demandas de ensino, pesquisa e extensão do curso de Biomedicina. IV. Constituir um ambiente de integração docente-discente que possibilite e propicie o desenvolvimento dos trabalhos de conclusão de curso. Capítulo II Da Organização e Administração Superior Seção I Da Organização Artigo 7º - Os laboratórios do Departamento de Biomedicina organizam-se de acordo com o seguinte organograma:

7 7

8 Seção II Da Administração Superior 8 Artigo 8º - A administração superior dos laboratórios é composta por: I. Diretor do Departamento de Biomedicina; II. Coordenador do Curso de Biomedicina; III. Coordenador de Estágio; IV. Coordenador de Módulos; V. Chefia Técnico-administrativa do LAS; VI. Coordenador dos LAB; VII. Coordenador do LAD; VIII: Coordenador do LEPAH. Artigo 9º - Os laboratórios ficarão sob responsabilidade de docentes designados pelo Diretor do CBB com anuência do colegiado de curso. Capítulo III Do Patrimônio e Recursos Financeiros Seção I Do Patrimônio Artigo 10º - Todos os laboratórios possuem patrimônio próprio vinculado ao patrimônio da Instituição. único - O LAS pode receber, a critério e concordância da Administração Superior, equipamentos em caráter de comodato de empresas particulares. Artigo 11º - Os Laboratórios da Área Básica são equipados de forma a atender as especificidades e necessidades das disciplinas ofertadas para os diversos cursos na área de saúde, a saber: Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Nutrição, Psicologia e Terapia Ocupacional. O Anexo 1 apresenta o levantamento patrimonial com a descrição dos equipamentos distribuídos por sala. A matriz do patrimônio deverá ser atualizada semestralmente. Artigo 12º - Os equipamentos, registrados e identificados com número patrimonial, alocados nas salas, não poderão ser removidos ou transportados para outro local, sem

9 autorização prévia das coordenações pertinentes ou, em seu defeito, do Diretor do Departamento. 9 Seção II Dos Recursos Financeiros Artigo 13º - Os recursos financeiros destinados aos laboratórios, são provenientes de: I. Participação da dotação orçamentária da Instituição, prevista anualmente em seu orçamento geral; II. Verbas repassadas pelo SUS por serviços prestados; III. Receitas eventuais provenientes de convênios com entidades financiadoras; IV. Receitas eventuais vinculadas à participação em programas de pós-graduação. Capítulo IV Das Competências Artigo 14º - Ao Diretor de Departamento compete: I. Referendar acordos, contratos e/ou convênios com Entidades Públicas ou Privadas; II. Propor a política dos laboratórios quanto ao ensino, pesquisa e extensão; III. Nomear professores para os cargos de coordenação e chefia; IV. Examinar as propostas de alterações no quadro de pessoal; V. Apresentar e discutir a matriz orçamentária perante a Administração Superior; VI. Propor ou opinar sobre modificações no Regimento Interno; VII. Promover a seleção de recursos humanos sempre que necessário; VIII. Referendar a adequação e migração de funções sempre que necessário; IX. Presidir as assembléias do colegiado; X. Representar os laboratórios perante a comunidade científica e nos atos sócio-políticos locais, regionais e nacionais; XI. Notificar prêmios, reconhecimentos, sansões e/ou penalidades. Artigo 15º - Ao Coordenador do Curso de Biomedicina compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades acadêmico-pedagógicas dos laboratórios de acordo com as políticas propostas no Projeto Pedagógico de Curso; II. Zelar pelo prestígio técnico, ético e profissional do corpo docente vinculado aos laboratórios do Curso de Biomedicina;

10 10 III. Planejar e propor estudos e assuntos de interesse das atividades integradoras de disciplinas e módulos; IV. Planejar e propor atividades complementares sistemáticas no parque de laboratórios do Curso; V. Promover e colaborar no aperfeiçoamento e desenvolvimento dos recursos humanos e materiais. Artigo 16º - Ao Coordenador de Estágio do Curso de Biomedicina compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades de Estágio, de qualquer índole, nos laboratórios de acordo com as políticas propostas no Projeto Pedagógico de Curso; II. Cumprir e fazer cumprir a legislação e normas que regem a política de estágio na UCG; III. Buscar novos campos de estágio para atender as demandas de formação contidas nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Biomedicina; IV. Assegurar o cumprimento das exigências legais para a oferta de estágio seguro no Laboratório-escola; V. Estabelecer e supervisionar os objetivos do estágio, em consonância com as Diretrizes Curriculares e Projeto Pedagógico de Curso, nos diferentes campos de estágio vinculados ao curso. Artigo 17º - Ao Coordenador dos Módulos do Curso de Biomedicina compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades administrativas destinadas à organização, programação e planejamento dos rodízios de alunos nos módulos que constituem os períodos finais da grade curricular do Curso de Biomedicina; II. Assegurar a distribuição de turmas de acordo com a capacidade instalada real de cada seção do LAS e do Laboratório da Santa Casa de Misericórdia. Artigo 18º - À Chefia Técnica do LAS do Curso de Biomedicina compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades técnicas e administrativas do LAS de acordo com as diretrizes propostas no Projeto Pedagógico de Curso; II. Estruturar, conjuntamente com a equipe, a base operacional para o funcionamento do LAS; III. Implementar normas internas de organização e funcionamento do LAS; IV. Implantar e implementar programas de coleta de dados para avaliação da produtividade do LAS;

11 11 V. Promover programas sistemáticos de atualização e treinamento dos recursos humanos; VI. Promover a adequação e migração de funções sempre que necessário; VII. Planejar e selecionar serviços de assistência técnica adequada para a manutenção dos equipamentos do LAS. VIII. Estabelecer as atribuições do corpo técnico e administrativo; IX. Estabelecer e aprovar rotinas, normas e horários pertinentes a cada setor do LAS; X. Cumprir e fazer cumprir as normas estabelecidas pelo PGRSS, BPLC e RDCs vigentes; XI. Exercer a Responsabilidade Técnica do LAS com respaldo e registro no Conselho Regional de Biomedicina; XII. Elaborar o plano de férias anuais e licença remunerada de dez dias dos funcionários com mais de dez anos de serviço; XIII. Emitir pareceres técnicos relativos à aquisição de materiais permanentes e de consumo necessários para o funcionamento do LAS; XIV. Fiscalizar o cumprimento das normas de Biossegurança e manejo de resíduos em serviços da saúde, conforme manual de Biossegurança do Departamento de Biomedicina da UCG; XV. Supervisionar os programas de controle de qualidade interno e externo, bem como a educação continuada e a atualização científica; XVI. Dimensionar os recursos humanos necessários para o funcionamento do laboratório; XVII. Participar da seleção de recursos humanos; XVIII. Estabelecer períodos e horários de trabalho; XIX. Avaliar o desempenho das funções de cada servidor; XX. Convocar e presidir reuniões com os servidores do laboratório; XXI. Promover a revisão periódica das rotinas e normas de trabalho; XXII. Prever e opinar sobre a compra de materiais e equipamentos do laboratório; XXIII. Controlar a utilização adequada de materiais e equipamentos; XXIV. Elaborar escalas de serviço e de férias; XXV. Requisitar semestralmente compra de materiais e equipamentos necessários para o bom andamento do laboratório; XXVI. Promover a conservação e providenciar o conserto ou reposição de equipamentos; XXVII. Executar e fazer cumprir as solicitações médicas, presentes nos pedidos de exame;

12 12 XXVIII. Orientar o preparo, esterilização e distribuição do material biológico, objeto do atendimento laboratorial. XXIX. Participar da definição e elaboração do cronograma de estágio obrigatório no LAS; XXX. Supervisionar o encaminhamento dos acadêmicos do 8º e 9º períodos para as atividades de plantão na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia; XXXI. Elaborar a prestação de contas semestral e anual. Artigo 19º - Ao Coordenador dos Laboratórios da Área Básica compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades técnicas e administrativas dos LAB de acordo com as diretrizes propostas nos Projetos Pedagógicos dos Cursos da área de saúde atendidos pelo CBB; II. Supervisionar o cumprimento das leis e normas que regem as atividades práticas em ambientes laboratoriais; III. Cumprir e fazer cumprir as normas de higiene e de biossegurança, conforme as RDCs em vigor; IV. Supervisionar a adequação das instalações, dos equipamentos e dos materiais de consumo necessários para o desenvolvimento das aulas teórico-práticas das disciplinas da área básica; V. Supervisionar o cumprimento de horários e funções do pessoal de apoio laboratorial; VI. Captar dos professores as necessidades de cada laboratório e encaminhá-las, afim de melhor atender as necessidades e especificidades das disciplinas; VII. Propiciar o funcionamento adequado dos laboratórios, quanto a pessoal de apoio, equipamentos e materiais de consumo; VIII. Planejar e acompanhar as atividades dos programas de dedetização, descupinização e desratização das instalações dos laboratórios; IX. Elaborar e encaminhar para a Polícia Federal os relatórios mensais sobre o consumo de substâncias classificadas como entorpecentes, utilizadas no âmbito dos laboratórios. X. Coordenar a elaboração dos manuais de aulas práticas, em consonância com as Diretrizes Curriculares e Projetos Pedagógicos dos cursos. Artigo 20º - Ao Coordenador do Laboratório de Apoio Didático compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades técnicas e administrativas que dão suporte às atividades docentes, discentes, das coordenações e da Direção do Departamento de Biomedicina.

13 13 II. Desenvolver parcerias com outros setores da UCG e Instituições externas com o propósito de elaborar materiais didáticos e científicos; III. Divulgar constantemente o curso de Biomedicina da UCG e responsabilizar-se pela página do Curso na Internet; IV. Promover e auxiliar na organização de eventos científico-culturais; V. Estimular e capacitar o corpo docente na utilização de novas tecnologias aplicadas ao ensino; VI. Firmar convênios, por meio da Fundação Aroeira, que permitam a captação de recursos externos para suplementação das atividades do LAD; VII. Propiciar a produção de material didático para uso docente. Artigo 21º - Aos Coordenadores do Laboratório de Estudos e Pesquisas de Anemias Hereditárias e Laboratório de Estudos Experimentais e Biotecnológicos compete: I. Coordenar, orientar e supervisionar as atividades inerentes à natureza destes laboratórios; II. Integrar o projeto de cada laboratório ao Projeto Pedagógico do Curso de Biomedicina. Capítulo V Das Atribuições dos Professores e dos Funcionários Artigo 22º - São atribuições dos Professores: I. Programar, estabelecer e desenvolver os planos das aulas práticas de cada uma das disciplinas das quais seja responsável, em consonância com as Diretrizes Curriculares e Projeto Pedagógico de cada curso, observando criteriosamente a carga horária destinada; II. Elaborar, desenvolver e atualizar periodicamente os manuais de aulas práticas de cada uma das disciplinas das quais seja responsável; em consonância com as Diretrizes Curriculares e Projeto Pedagógico de cada curso; III. Elaborar a solicitação anual de material de consumo e permanente pertinente à(s) sua(s) disciplinas; IV. Cumprir e fazer cumprir as normas que regem as atividades laboratoriais seguras; V. Zelar pelo uso adequado dos materiais e equipamentos dos laboratórios; VI. Zelar pelo patrimônio dos laboratórios dos quais faz uso;

14 14 VII. Notificar às coordenações pertinentes, em formulário próprio1, todo e qualquer problema que impeça ou prejudique o pleno desenvolvimento dos trabalhos nos laboratórios. Artigo 23º - São atribuições dos Funcionários dos Laboratórios da Área Básica: I. Auxiliar na programação, estabelecimento e desenvolvimento das aulas práticas de cada uma das disciplinas; II. Auxiliar na elaboração, desenvolvimento e atualização periódica dos manuais de aulas práticas de cada uma das disciplinas; III. Auxiliar na elaboração da solicitação anual de material de consumo e permanente dos laboratórios; IV. Cumprir e fazer cumprir as normas que regem as atividades laboratoriais seguras; V. Zelar pelo uso adequado dos materiais e equipamentos dos laboratórios; VI. Zelar pelo patrimônio dos laboratórios sob sua responsabilidade e cuidado; VII. Preparar adequadamente o material e equipamentos para a realização das aulas práticas; VIII. Verificar, retirar, higienizar e guardar materiais e equipamentos utilizados nas aulas práticas; IX. Elaborar uma matriz de consumo de materiais para o planejamento de orçamento e aquisição; X. Notificar prontamente os professores e o Coordenador todo e qualquer problema que impeça ou prejudique o pleno desenvolvimento dos trabalhos nos laboratórios; XI. Acompanhar programas de dedetização, descupinização e desratização das instalações dos laboratórios; XII. Acompanhar o programa de controle e recarga de extintores de incêndio. Artigo 24º - São atribuições dos Funcionários das Seções do Laboratório de Análises Clínicas: I. Auxiliar na programação, estabelecimento e desenvolvimento das aulas práticas de cada uma das disciplinas; II. Auxiliar na elaboração, desenvolvimento e atualização periódica dos manuais de aulas práticas de cada uma das disciplinas; III. Auxiliar na elaboração da solicitação anual de material de consumo e permanente dos laboratórios; 1 Ver ANEXO 1

15 15 IV. Cumprir e fazer cumprir as normas que regem as atividades laboratoriais seguras; V. Zelar pelo uso adequado dos materiais e equipamentos dos laboratórios; VI. Zelar pelo patrimônio dos laboratórios sob sua responsabilidade e cuidado; VII. Preparar adequadamente o material e equipamentos para a realização das aulas práticas; VIII. Verificar, retirar, higienizar e guardar materiais e equipamentos utilizados nas aulas práticas; IX. Elaborar uma matriz de consumo de materiais para o planejamento de orçamento e aquisição; X. Notificar os professores e o Coordenador todo e qualquer problema que impeça ou prejudique o pleno desenvolvimento dos trabalhos nos laboratórios; XI. Acompanhar programas de dedetização, descupinização e desratização das instalações dos laboratórios; XII. Acompanhar o programa de controle e recarga de extintores de incêndio; XIII. Promover a confiança dos clientes nos serviços que lhes são prestados; XIV. Executar as análises clínicas com critério e responsabilidade, visando resultados confiáveis para auxílio no diagnostico médico, registrando e arquivando os dados oriundos destes exames; XV. Manter estoque de materiais necessários para o funcionamento de cada seção, fazendo o controle semestral dos mesmos; XVI. Ter sob sua guarda e responsabilidade os resultados dos exames dos clientes, controlando sua entrega a quem for de direito; XVII. Buscar a manutenção da qualidade do serviço mediante a realização de cursos de aperfeiçoamento; XVIII. Esterilizar e guardar os materiais sob seu controle; XIX. Manter em perfeito funcionamento os aparelhos esterilizadores, de acordo com a periodicidade estabelecida no controle interno de qualidade; XX. Solicitar a manutenção sistemática dos aparelhos por técnicos especializados; XXI. Fazer a observação diária do controle de temperatura das geladeiras, estufas e banhos-maria, além do controle da água reagente, registrando os dados em planilhas próprias; XXII. Colaborar e sugerir melhorias que contribuam para o bom andamento dos setores, no que diz respeito a equipamentos, reagentes, técnicas, cursos, etc; XXIII. Participar dos programas de controle de qualidade interno e externo.

16 16 Artigo 25º - São atribuições dos Funcionários Administrativos das seções de expediente dos Laboratórios da Área Básica e do Laboratório de Análises Clínicas: I. Receber, registrar, distribuir e expedir processos, materiais e papeis em geral; II. Preparar o expediente da Coordenação e/ou da Chefia, a que se subordina; III. Manter ordenados e atualizados os arquivos de documentos da Coordenação e/ou da Chefia, a que se subordina; IV. Secretariar reuniões da Coordenação e/ou da Chefia, a que se subordina; V. Colaborar nos programas para educação, treinamento e desenvolvimento do pessoal dos laboratórios; VI. Acompanhar programas de dedetização, descupinização e desratização das instalações dos laboratórios; VII. Acompanhar o programa de controle e recarga de extintores de incêndio; VIII. Manter o cadastro de bens móveis alocados no LAS; IX. Providenciar e acompanhar a execução de manutenção preventiva e corretiva em aparelhos e equipamentos, objeto ou não de contrato de manutenção; X. Registrar e controlar a freqüência mensal de estagiários; XI. Expedir atestados e preparar certidões relacionadas com a freqüência de estagiários; XII. Receber e distribuir documentos de interesse dos servidores (contracheques, avisos de férias e outros); XIII. Contribuir com o levantamento das necessidades de materiais nas seções; XIV. Manter o controle de almoxarifado; XV. Digitar todos os exames encaminhados pelo setor responsável, e repassá-los ao responsável pela liberação e assinatura; XVI. Fazer o faturamento dos exames realizados por convênios; XVII. Preparar dados estatísticos mensais para a filantropia e Direção do Departamento; XVIII. Controlar gastos e pedidos de materiais de escritório; XIX. Recepcionar os clientes e cadastrá-los; XX. Agendar a coleta conforme critérios do Procedimento Operacional Padrão do setor; XXI. Controlar o consumo de materiais específicos da seção; XXII. Entregar os resultados ao paciente ou responsável; XXIII. Fazer o controle de memorandos e informes da UCG, controlados pelo sistema interno de comunicação e correspondência (SGCP); XXIV. Auxiliar a elaboração da prestação de contas semestral e anual.

17 Capítulo VI Do Perfil e Atribuições Profissionais dos Recursos Humanos dos Laboratórios 17 Artigo 26º - O quadro de pessoal dos laboratórios é constituído pelas seguintes categorias: I. Biomédico; II. Enfermeiro; III. Técnico e Auxiliar de Laboratório; IV. Instrumentador de Laboratório. Artigo 27º - As prerrogativas mínimas de cada categoria profissional são: I. Biomédico: A. Tarefas Típicas: a. Supervisionar as atividades dos auxiliares de laboratório; b. Emitir, interpretar e assinar laudos de análises clínicas; c. Realizar ensaios de elevado grau de complexidade nas seções de Hematologia, Imunologia, Parasitologia, Bacteriologia, Líquidos Orgânicos de modo geral (urina, líquor, líquido amniótico e outros); d. Realizar punções venosas e arteriais com instrumentação própria; e. Realizar coleta de secreções, de lesões descamativas e de lesões ulcerativas de todas as cavidades do corpo humano, inclusive do trato-urogenital de pacientes do sexo masculino e feminino; f. Exercer a supervisão de estagiários do curso de Ciências Biológicas Modalidade Médica; g. Realizar e analisar estudos estatísticos dos resultados de análises clínicas; h. Realizar o controle de qualidade de uma das seções ou do laboratório como um todo; B. Tarefas Eventuais: a. Zelar pela manutenção e conservação dos aparelhos e instrumentos do laboratório; b. Elaborar materiais didáticos e técnicos para fins docentes; c. Controlar materiais e aparelhos de uso no laboratório, bem como consertá-los quando necessário; C. Carga horária: 24 horas semanais II. Enfermeiro:

18 a. Exercer as atividades pertinentes do enfermeiro, orientadas ao serviço de Laboratório Clínico. 18 III. Técnico de Laboratório: A. Tarefas típicas: a. Desempenhar atividades de laboratório de análises clínicas, sob supervisão técnica, ou que não exijam tecnologia especial, realizando análises e testes simples; b. Auxiliar nos serviços laboratoriais mais complexos, tais como ensaios, pesquisas, testes, experiências e outros. c. Instalar e manejar aparelhos requeridos para experiências e análises desde que não exijam conhecimentos técnicos especiais; d. Preparar cortes de tecidos humanos, animais ou vegetais para observá-los com microscópio, sob supervisão técnica; e. Realizar cálculos e registros, compilar informações; f. Pesar, medir, misturar, filtrar e preparar de outras formas os materiais necessários à investigação e experimentação; g. Orientar e fiscalizar a limpeza das dependências do laboratório; h. Auxiliar professores em aulas práticas, inclusive colaborando nas demonstrações de laboratório; i. Fazer e/ou auxiliar no controle de estoque do material utilizado no laboratório. B. Tarefas Eventuais: a. Registrar e arquivar cópias de resultados de exames e testes; b. Zelar pela assepsia, conservação e recolhimento de aparelhos e instrumentos de trabalho do laboratório; c. Executar serviços datilográficos; d. Fazer relatórios sobre as atividades desenvolvidas e material utilizado no trabalho de laboratório; e. Auxiliar na Secretaria dos Departamentos no período de matricula; f. Auxiliar professores na aplicação e fiscalização de provas. C. Carga horária: 24 horas semanais IV. Instrumentador de Laboratório: A. Tarefas Típicas: a. Preparar, verificar e organizar todo o material necessário para a realização de aulas práticas na disciplina específica;

19 19 b. Auxiliar o professor durante as aulas; c. Monitorar os alunos na utilização de materiais e equipamentos, especialmente no que se refere aos cuidados e precauções na sua utilização; d. Proceder à lavagem e secagem de todo o material utilizado em aula; e. Realizar os serviços de digitação específicos da área; f. Supervisionar e conservar a limpeza do local de trabalho; g. Organizar o fichário de controle do material utilizado pelos alunos; h. Registrar, conferir e controlar saída de material de estoque. B. Tarefas Eventuais: a. Auxiliar em atividades administrativas no departamento em período de férias. C. Carga Horária: 40 horas semanais Capítulo VII Da Assistência Técnica Artigo 28º - A Assistência Técnica tem as seguintes atribuições: I. Prestar assistência técnica aos laboratórios de acordo com a sua especificidade; II. Identificar problemas e propor soluções; III. Propor programas e cronogramas de assistência preventiva e corretiva; IV. Quando pertinente, orientar e/ou treinar os docentes ou servidores no manuseio adequado dos equipamentos. Capítulo VIII Dos Deveres, das Proibições e das Penalidades Artigo 29º - Professores, Funcionários e Alunos devem conhecer e entender o que reza o Título III; Capítulos I, II, III e IV; artigos 183 ao 229 do Regimento Geral da UCG. único - A ignorância ou má interpretação da lei não justifica a falta do seu cumprimento nem isenta as pessoas das sanções nela estabelecidas (Código Civil)

20 Capítulo IX Das Disposições 20 Artigo 30º - Este Regimento Interno estará sujeito a correções, modificações e emendas sempre que necessário, as quais serão divulgadas para a comunidade do CBB. Artigo 31º - Este Regimento Interno estará sujeito às demais Normas, Portarias e Resoluções determinadas pela Administração Superior do Departamento e da UCG. Artigo 32º - Os casos omissos serão resolvidos pelas Coordenações pertinentes e/ou pelo Diretor de Departamento, de acordo com a sua natureza. Artigo 33º - Este Regimento Interno entrará em vigor na data de sua aprovação em reunião de congregação. Goiânia, 15 de agosto de 2008.

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

Regimento Interno do Laboratório Central de Análises Clínicas

Regimento Interno do Laboratório Central de Análises Clínicas Regimento Interno do Laboratório Central de Análises Clínicas CONSIDERANDO o artigo 4Ä do Regimento da Faculdade de CiÅncias FarmacÅuticas da Universidade Federal de Alfenas (FCF-UNIFAL-MG), que institui

Leia mais

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA.

RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº24/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO ESCOLA DE BIOMEDICINA (LAC) DA CNEC/IESA. O CONSELHO SUPERIOR, face ao disposto no Artigo 7º do Regimento Interno

Leia mais

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino;

I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; Compete ao Secretário Escolar: I. conhecer o Projeto Político-Pedagógico deste estabelecimento d e ensino; II. cumprir a legislação em vigor e as instruções normativas emanadas da SEED, que regem o registro

Leia mais

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA

TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA Odontologia Regulamento dos Estágios Supervisionados Fixa normas dos Estágios Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Leia mais

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados

Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Regulamento dos Estágios Curriculares Supervisionados Fixa normas dos Estágios Curriculares Supervisionados do Curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA. TÍTULO I DO ESTÁGIO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos

REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Dos objetivos REGIMENTO DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Dos objetivos Artigo 1º - O Hospital-Escola Veterinário (HOVET) é órgão anexo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE Laureate International Universities CLÍNICA DE ATENDIMENTO NUTRICIONAL (CAN) REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE Laureate International Universities CLÍNICA DE ATENDIMENTO NUTRICIONAL (CAN) REGIMENTO INTERNO CLÍNICA DE ATENDIMENTO NUTRICIONAL (CAN) REGIMENTO INTERNO 1 Milton Camargo Presidente Vicente de Paulo Queiroz Nogueira Reitor Maria Izolda de Oliveira Barreto Diretoria de Planejamento e Suporte Acadêmico

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA-INTA DIVISÃO DE PESQUISA EM CIÊNCIA BIOMÉDICA LABORATÓRIO MULTIUSUÁRIO REGIMENTO INTERNO SOBRAL-CE JANEIRO - 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório de

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE ANATOMIA, ENFERMAGEM E MULTIDISCIPLINAR Barretos SP 2014 1 INTRODUÇÃO Os laboratórios de ensino representam um apoio fundamental para a excelência do processo ensino-aprendizagem.

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009

ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 ANEXO I DO EDITAL Nº 001/2009 DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 COMPETÊNCIAS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS: PROFESSOR COM HABILITAÇÃO LEGAL PARA O EXERCÍCIO DO MAGISTERIO COM FORMAÇÃO EM : CIÊNCIAS; LÍNGUA PORTUGUESA;

Leia mais

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências.

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. 1 RESOLUÇÃO Nº 08/03, DE 01 DE SETEMBRO DE 2003. Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados

Capítulo I Da Origem. Capítulo II Dos Órgãos Colegiados NORMATIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, DIDÁTICO-PEDAGÓGICA PARA AS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NOS CURSOS TÉCNICOS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 102/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento da Clínica-Escola de Psicologia, da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE ANATOMIA, BIOLOGIA, PARASITOLOGIA E EMBRIOLOGIA APLICADOS À NUTRIÇÃO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Anexo 2 COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO Salvador, abril de 2009 1 Sumário Capítulo I Das disposições preliminares... 3 Capítulo II Dos objetivos e competências...4 Capítulo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas da Universidade Federal de São João del-rei PROGP- UFSJ. RESOLUÇÃO N o 017, de 7 de maio de 2007. Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PROGP. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DA CENTRAL DE LABORATÓRIOS EM CIÊNCIA E TECNOLÓGIA AMBIENTAL BAURU APRESENTAÇÃO O complexo de laboratórios em Ciência e Tecnologia e Ambiental (CTA)

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG;

o artigo 13, VIII do Estatuto da UEPG; Certifico que a presente Resolução foi disponibilizada neste local no dia 05/12/2014 Graziela de Fátima Rocha Secretaria da Reitoria RESOLUÇÃO UNIV. N o 43, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014. Aprova o Regimento

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Odontologia da Faculdade ASCES constitui um momento de aprendizagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE FISIOTERAPIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO EM FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente regulamento

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ASSITENTE SOCIAL: Planejar, coordenar, controlar e avaliar programas e projetos na área do Serviço Social aplicados a indivíduos, grupos e comunidades. Elaborar e /ou participar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ 1 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ TÍTULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º O presente Regimento Geral da Universidade Estadual do Paraná UNESPAR autarquia estadual de regime especial,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO

PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO PROGRAMA DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL - PLAN-ASSISTE EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 01/2015 Regido pela Lei Nº 8.666/93. Objeto PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA, MÉDICO- HOSPITALAR, PARAMÉDICA,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA SERVIÇO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ ARQUIVO CENTRAL REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO CENTRAL DA UFPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ÓRGÃO SUPLEMENTAR Art.1º. Ao ARQUIVO CENTRAL da UFPA, Órgão Suplementar

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2

CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC. Atualizado para 2015.2 CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DA UFSC Atualizado para 2015.2 1ª Fase I: MED 7001 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MEDICINA I Anatomia 48 (+12 Integr.) Fisiologia 68 (+12 Integr.) Bioquímica 62 Histologia

Leia mais

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ (Alterado pela Resolução 014/2014- COU/UNESPAR, publicada na edição nº 9476 do Diário Oficial do Estado, em 22/06/15). TITULO I DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 1 FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 CAPÍTULO II... 01 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS... 01 DO ENCAMINHAMENTO...

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) E DO ESTÁGIO ORIENTADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE CENECISTA DE JOINVILLE Dispõe sobre a implantação e funcionamento do Núcleo de

Leia mais

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama.

2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097. de Umuarama. 24 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 de Umuarama. 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 25 ANEXO I DO REGULAMENTO A QUE SE REFERE O DECRETO Nº 9510/2013 26 2ª feira 02/Dez/2013 - Edição nº 9097 ANEXO

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116

CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 CURSO DE BIOMEDICINA TURMA 380116 MATEMÁTICA APLICADA 25/05 14h00 às 15h40 ANATOMIA HUMANA 26/05 14h00 às 15h40 QUÍMICA GERAL & FÍSICO-QUÍMICA 27/05 14h00 às 15h40 Até dia 10/06 BIOMEDICINA, ÉTICA &LEGISLAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 Institui e regulamenta o Estágio Supervisionado, nos Cursos de Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 249/2006 CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 249/2006 CONEPE RESOLUÇÃO Nº 249/2006 CONEPE Aprova o Regimento Interno do Escritório Modelo de Computação, do Curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Campus Universitário Deputado Estadual Rene Barbour, em Barra

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ. Título I LABORATÓRIO DE ENSINO. Capítulo I Princípios e Diretrizes

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ. Título I LABORATÓRIO DE ENSINO. Capítulo I Princípios e Diretrizes REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ENSINO DO CURSO DE PEDAGOGIA IFC - CAMPUS CAMBORIÚ Título I LABORATÓRIO DE ENSINO Capítulo I Princípios e Diretrizes O laboratório de ensino do curso de Licenciatura em Pedagogia

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 067/2011

RESOLUÇÃO nº 067/2011 RESOLUÇÃO nº 067/2011 Disciplina os estágios obrigatórios e não obrigatórios na Universidade Federal do Amazonas. A PRÓ-REITORA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO e PRESIDENTE DA CÂMARA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DO CONSELHO

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS CARGO: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Dar suporte administrativo e técnico nas áreas de recursos humanos, administração, finanças e logística; atender usuários, fornecendo e recebendo informações; tratar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03

TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 SUMÁRIO TÍTULO I - DA IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E FINALIDADES...03 TÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVO-PEDAGÓGICA...03 Seção I - Da Direção...03 Subseção I - Do Diretor Geral...04 Subseção II - Da

Leia mais

Onde os Biomédicos atuam?

Onde os Biomédicos atuam? Onde os Biomédicos atuam? Os profissionais Biomédicos estão distribuídos por todas as esferas científicas públicas e privadas das universidades, faculdades, centros universitários, institutos de pesquisas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento regulamenta

Leia mais

y P PU FACULDADE DE DIREITO

y P PU FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ y P PU FACULDADE DE DIREITO RESOLUÇÃO N 01/12 O Conselho do Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH REGIMENTO DA BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA WILHEM HEINRICH DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IGUAÇU UNIGUAÇU União da Vitória PR Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA

REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA REGIMENTO INTERNO CLÍNICA ESCOLA De FISIOTERAPIA Comissão de Elaboração: - Coordenação Pedagógica: Prof. Paloma Branco - Coordenação: Prof. Renata Brito Rocha Landeiro - Supervisão de Estágio: Prof. Rosana

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais