Estabilidade Transitória

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estabilidade Transitória"

Transcrição

1 PPGEE-UFPA Estabilidade Transitória Estabilidade de Sistemas de Potência Prof. João Paulo Vieira

2 Estabilidade Transitória Capacidade de um sistema de potência em manter o sincronismo após sofrer uma grande perturbação; A resposta do sistema a tais perturbações envolve grandes excursões dos ângulos dos rotores dos geradores; Se a separação angular entre as máquinas no sistema cresce aperiodicamente, o sistema perde o sincronismo; A estabilidade depende da condição inicial de operação do sistema e da severidade da perturbação; A perda do sincronismo devido a instabilidade transitória, geralmente se evidencia na primeira oscilação, nos primeiros segundos após a perturbação.

3 Uma visão Elementar da Estabilidade Transitória Demonstração do problema usando um simples sistema de potência: Sistema máquina-barra infinita 0 Equação de Balanço 2 2Hd P 2 m Pmax sen dt

4 Resposta a um Degrau de Potência Mecânica

5 Critério das Áreas Iguais Este critério permite calcular o máximo ângulo para que estabilidade se mantenha, sem que seja necessário uma solução explícita da equação de oscilação. Se ambos os lados da equação de balanço forem multiplicados por e integrando-se, têm-se: 2 d d 0 Pm Pe d 2 2 dt dt H dt 2 d 0 dt P Para uma operação estável, o desvio de velocidade deve ser limitado, e se tornar zero depois de algum tempo após o distúrbio. m 0 H m H P e d 0 Pm Pe d 0 2 d dt

6 Critério das Áreas Iguais Quando o ângulo δ passa δo para δ1 a energia mecânica é transferida para o rotor na forma de energia cinética, fazendo-o acelerar. Esta energia é calculada por: 1 0 E P P d A 1 m e 1 A energia perdida durante a desaceleração quando o ângulo δ passa δ1 para δm é: m 1 E P P d A 2 e m 2 A estabilidade é mantida somente se a área A2 é, pelo menos, igual a área A1 localizada acima de Pm1.

7 Resposta a um curto-circuito Ilustrar o critério das áreas iguais para o seguinte sistema de potência; Avaliar o impacto na estabilidade para diferentes tempos de eliminação da falta; Considerar a resposta do sistema para um curto-circuito trifásico localizado no ponto F, conforme mostrado na figura abaixo. O curto é eliminado pela abertura dos disjuntores localizados nas extremidades do circuito em curto.

8 Resposta a um curto-circuito Caso Estável Caso Instável

9 Fatores que influenciam na Estabilidade Transitória Carregamentos dos geradores Potência entregue pelo gerador durante a falta Tempo de eliminação da falta Reatância do sistema transmissão pós-falta Reatância do gerador Inércia do gerador Magnitude da tensão interna do gerador Magnitude da tensão da barra infinita.

10 Exemplo 13.1 (pág. 843) P. Kundur : Avalie a estabilidade transitória do sistema máquina x barra infinita da figura abaixo. A condição de operação inicial é dada por: P=0,9 p.u., Q=0,436 p.u. (sobre-excitado), Et=1,0/_28,34 p.u. e EB=0,90081/_0 p.u. As resistências são desprezadas. X d=0,3 p.u. e H=3,5 MW.s/MVA. A LT 2 sofre um curto trifásico no ponto F. A falta é eliminada pela isolação do defeito. Usando o critério das áreas iguais: 1) Determine o ângulo crítico de falta e tempo crítico de falta; 2) Determine a potência mecânica máxima que pode ser adicionada instantaneamente ao gerador, sem causar a perda do sincronismo. Obs: A questão 2) foi adaptada do exemplo original

11 Simulação de Sistemas Um modelo não deve ser muito complicado nem muito simplificado As respostas do sistema baseadas no modelo devem ser razoavelmente precisas e consistentes com a análise Por que não aplicar experimentalmente, no sistema sob estudo, todas as entradas possíveis, e depois analisar as respostas obtidas? Os engenheiros buscam modelos que representem o comportamento do sistema e que possam ser utilizados na simulação deste sistema nas mais diversas situações que possam ser imaginadas Nota: Como, em geral, os modelos dinâmicos são baseados em equações diferenciais, a solução numérica desta classe de problemas tem que ser examinada com alguma atenção.

12 Simulação de Sistemas Importância da validação de modelos Fonte: Prof. Luigi Vanfretti (KTH, Suécia)

13 Métodos de Análise da Estabilidade Transitória Os sistemas de potência possuem uma estrutura complexa Uma análise precisa da estabilidade transitória exige modelos que representem os aspectos essenciais dos: Geradores e controles associados Tipos de carga dependentes da tensão Conversores, HVDC, FACTS, etc. Até o momento, o método disponível mais utilizado para análise da estabilidade transitória é a simulação no domínio do tempo: Solução de equações não lineares diferenciais e algébricas Técnicas de integração numérica

14 Técnicas de Integração Numérica Para análise da estabilidade transitória deve-se resolver um conjunto de equações diferenciais não lineares, com condições iniciais conhecidas, da forma: x é um vetor de estado de variáveis dependentes; t é uma variável independente (tempo). Objetivo: solucionar x como uma função de t, com as condições iniciais de x e t, iguais a x 0 e t 0, respectivamente. Métodos: Método de Euler; Método de Euler modificado; Métodos de Runge-Kutta (R-K); Método Trapezoidal dx dt f x, t

15 Estabilidade Numérica Depende da propagação do erro Numericamente estável se os primeiros erros não causam erros posteriores significativos Caso contrário, numericamente instável Nota: É importante considerar a estabilidade numérica nas aplicações de métodos de integração numérica

16 Rigidez (Stiffness) de Equações Diferenciais Relação entre a maior e a menor constantes de tempo do problema Se essa relação for muito maior que 1, o sistema de equações diferenciais é dito rígido Pode afetar a estabilidade numérica Soluções que usam métodos explícitos, em especial os métodos R-K, podem ter problemas de instabilidade numérica com sistemas rígidos, a menos que um passo de integração muito pequeno seja usado

17 Métodos Explícitos: Estabilidade Numérica de Métodos Explícitos de Integração Métodos R-K, Euler, Predictor-Corrector O vetor das variáveis dependentes x, em qualquer valor de t, é calculado a partir do conhecimento dos valores de x do passo anterior. x n+1 para o passo (n+1) é calculado explicitamente pela avaliação de f(x,t) com x conhecido. Fácil de implementar Desvantagens Estabilidade numérica fraca O passo de integração deve ser menor que a menor constante de tempo do sistema

18 Métodos Implícitos de Integração Considere a equação diferencial com x=x 0 em t=t 0. A solução de x em t=t 1 =t 0 +Δt pode ser expressa na forma de integral Os métodos implícitos usam funções de interpolação para a expressão sob a integral A interpolação implica que as funções devem passar por pontos ainda desconhecidos em t=t 1 O método trapezoidal é o mais simples x 1 dx dt x 0 f t 1f x, d t 0 x, t

19 Usa interpolação linear Método Trapezoidal A integral é aproximada por trapézios f(x,t) f(x 0,t 0 ) f(x 1,t 1 ) t 0 t 1 t t

20 A regra trapezoidal é dada por: x Método Trapezoidal t 2 x,t f x, 1 x0 f t1 Uma fórmula geral que dá o valor de x em t=t n+1 é dada por: x n1 x n t 2 f x,t f x, t n n n1 n1 X n+1 aparece em ambos lados da equação Significa que a variável x é calculada em função do seu valor no passo de integração anterior, bem como no valor atual (que é desconhecida) Uma equação implícita deve ser resolvida Numericamente A-estável: A rigidez afeta a acurácia, não a estabilidade

21 Exemplo 13.1 (pág. 843) P. Kundur : Avalie a estabilidade transitória do sistema máquina x barra infinita. A condição de operação inicial é dada por: P=0,9 p.u., Q=0,436 p.u. (sobre-excitado), Et=1,0/_28,34 p.u. e EB=0,90081/_0 p.u. As resistências são desprezadas. X d=0,3 p.u. e H=3,5 MW.s/MVA. A LT 2 sofre um curto trifásico no ponto F. A falta é eliminada pela isolação do defeito. Usando a integração numérica: 1) Determine o ângulo crítico de falta e tempo crítico de falta pelo cálculo da resposta do ângulo do rotor no domínio do tempo

22 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.1 (cont.): Solucionado pelo método R-K 2º ordem, usando Δt=0,0005 s (passo) Falta aplicada em t=1,0 s Falta eliminada em t=1,0 + tcc s tcc=0,07 s; 48,58º tcc=0,087 s; 52,30º tcc=0,086 s; 52,04º Tempo em segundos

23 Simulação Dinâmica de Sistemas de Potência Estrutura do Modelo de Sistemas de Potência: Componentes: Geradores e controles associados (sistema de excitação e fonte primária de energia) Sistema de transmissão interligado, incluindo as cargas estáticas Cargas dinâmicas: Motores de indução e síncronos Outros equipamentos, tais como: FACTS, HVDC, etc Informações monitoradas: Ângulos dos rotores dos geradores Potências dos geradores Tensões de campo dos geradores Tensões nas barras Fluxos nas linhas Desempenho da proteção, particularmente a proteção da linha de transmissão.

24 Simulação Dinâmica de Sistemas de Potência Estrutura do Modelo do Sistema de Potência para Análise da Estabilidade Transitória Equações do estator e transformação de eixos Outros Geradores Equações do circuito do rotor Equação de balanço Sistema de Excitação Regulador de velocidade e turbina Equações da rede elétrica incluindo as cargas estáticas Motores Outros equipamentos Dinâmicos, como HVDC, FACTS, Referência individual da máquina: d e q Referência síncrona: DQ Equações algébricas Equações diferenciais Fonte: Power System Stability and Control. Prabha Kundur. McGraw-Hill, Pág. 849.

25 Simulação Dinâmica de Sistemas de Potência Diagrama Esquemático de um Gerador Síncrono conectado a uma Rede Elétrica para Estudos de Estabilidade Transitória Fonte: B. Stott, Power System Dynamic Response Calculations. Proceedings of the IEEE, 1979.

26 Simulação Dinâmica de Sistemas de Potência Modelos usados devem ser apropriados para estudos de estabilidade transitória: Os transitórios da rede elétrica e do estator da máquina são desprezados; As dinâmicas do rotor e do circuito do rotor da máquina, sistema de excitação, regulador de velocidade, turbina, e outros equipamentos, tais como HVDC, FACTS, conversores, etc., são consideradas. As equações devem ser organizadas de uma forma adequada para a integração numérica Grande conjunto de equações diferenciais e um grande conjunto de equações algébricas Problema de cálculo das condições iniciais no equacionamento algébricodiferencial

27 Equações para um equipamento dinâmico: Onde: x d é o vetor de estados dos componentes individuais; I d são as componentes D e Q da injeção de corrente do equipamento interligado a rede; V d são as componentes D e Q das tensões de barra. Equações da Rede: Equações do Sistema Global x I d d f g d d x x d d, V, V d d Onde: I Y V Y N é a matriz admitância nodal da rede; I é o vetor corrente nodal; V é o vetor tensão nodal. N

28 Equações do Sistema Global (cont.) Comprimir um conjunto de equações diferenciais de 1ª ordem e um conjunto de equações algébricas: x f x, V Onde: x, V Y V x é o vetor de estado do sistema; I é o vetor injeção de correntes; V é o vetor da tensão nas barras. I N O tempo t não aparece explícito nas equações acima Muitas abordagens para solucionar estas equações são caracterizadas por: A forma da interface entre as equações algébricas e diferenciais: particionada ou simultânea

29 Exemplo 13.2 (pág. 864) P. Kundur : Avalie a estabilidade transitória do sistema do exemplo 13.1, incluindo os efeitos das dinâmicas do circuito do rotor e do RAT. Examine a estabilidade do sistema com os seguintes controles de excitação: i) Controle manual; ii) RAT sem ESP; iii) RAT com ESP. Considerando os seguintes tempos de eliminação da falta: a) 0,07 s e b) 0,10 s. Os resultados foram calculados usando o método de integração R-K 4º ordem, com um passo de integração de 0,02 s.

30 Exemplo 13.2 (cont.): Caso (a): Resposta transitória com um tempo de eliminação da falta igual a 70 ms.

31 Exemplo 13.2 (cont.): Caso (b): Resposta transitória com um tempo de eliminação da falta igual a 100 ms.

32 Exemplo 13.2 (cont.): Com a tensão de campo constante, a margem da estabilidade transitória do gerador é reduzida. Para o caso (b), o gerador perdeu o sincronismo durante a primeira oscilação (first swing unstable). Com a rápida ação da excitação e do RAT, a margem da estabilidade transitória do gerador é aumentada, contudo o nível de amortecimento das oscilações é baixo. Para o caso (b), o gerador perdeu o sincronismo durante a segunda oscilação. Com a adição do ESP, as oscilações são muito bem amortecidas sem comprometer a estabilidade durante a primeira oscilação. O uso do RAT+ESP contribui significativamente para melhoria da estabilidade global do sistema!

33 Análise de Condições Desbalanceadas A solução de circuitos trifásicos balanceados é obtida pelo cálculo das variáveis em somente uma das fases, de forma similar a circuitos monofásicos. Essa simplificação não é permitida em análise de condições desbalanceadas. A solução mais prática é dada pelo uso das componentes simétricas P. Kundur, 1994, Power System Control and Stability, pág. 872.

34 Análise de Condições Desbalanceadas J. Arrilaga et al, 1990 Computer Modelling of Electrical Power Systems, pág. 241.

35 Introdução às Componentes Simétricas Em 1918, Charles Fortescue mostrou que um sistema trifásico desbalanceado por ser analisado pela decomposição de três sistemas balanceados (componentes simétricas dos fasores originais). Sequência positiva: consiste de um sistema balanceado de três fasores que possui a mesma sequência de fase que os fasores originais Sequencia negativa: consiste de um sistema balanceado de três fasores que possui uma sequência de fase oposta aos fasores originais Sequência zero: consiste de três fasores iguais em magnitude e em fase Seq + Seq - Seq 0

36 Relação entre os Fasores Originais e suas Componentes Simétricas A tensão total de qualquer fase é igual a soma das componentes simétricas naquela fase. Na forma matricial: V a ao 2 Vb 1 a a Va 1 V c 1 a a 2 V V a2 ou Vabc TV 012 A transformada inversa é dada por: V a0 a 1 2 Va 1 1 a a Vb V a a 2 a V V c ou V T V abc Transformações similares aplicam-se as correntes.

37 Por que usar as componentes simétricas? Em sistemas de potência simétricos (sistemas cujas as três fases são idênticas), correntes e tensões de sequências diferentes não reagem umas com as outras Considera-se que correntes de uma sequência podem fluir numa rede independente (rede de sequência) associada somente a tal sequência As redes de sequência são conectados no ponto da falta para representar a interação entre as variáveis das diferentes sequências devido ao desbalanço criado pela falta É essencial conhecer as impedâncias de sequência dos elementos que compõem o sistema de potência para análise de desempenho durante faltas desbalanceadas

38 Representação de Faltas em Estudos de Estabilidade Comumente, estudos de estabilidade transitória consideram somente modelos monofásicos ou circuitos de sequência positiva As correntes e tensões de sequências negativa e zero não são usualmente de interesse em estudos de estabilidade Os efeitos das sequências negativa e zero são representados por impedâncias equivalentes (Z22e Z0) vistas do ponto da falta F

39 Torque de Sequência Negativa A componente de sequência negativa das correntes do estator das máquinas síncronas provoca o aquecimento em regime permanente e o torque de frenagem durante defeitos desbalanceados O efeito do torque de frenagem de sequência negativa pode ser significativo para curtos-circuitos próximos às barras de geração Torque (seq -) em função da corrente inicial (seq -) do defeito: T R R I 2 b2 2 a a2 Equação do torque de acelaração com a correção do torque (seq -) T T T K T a m e D 0 b2

40 Exemplo 13.4 (pág. 892) P. Kundur: A figura mostra um gerador de 1000 MVA, 20 kv e 60 Hz, conectado uma barra infinita. Dados em p.u.: X d=x q=0,25; X d=0,3; H=3,5. Uma falta ocorre no ponto F do circuito 2. 1) Determine o ângulo crítico e o tempo crítico de falta para faltas FFF, FFT, FF e FT, respectivamente. O ponto de operação inicial é dado por: P=0,7 p.u., Q=0,1402 p.u., EL=1,0/_22,6 p.u. e EB=1,0/_0 p.u. 2) Mostre o efeito do torque de sequência negativa do gerador síncrono na estabilidade transitória Obs: As questões 1) e 2) foram adaptadas do exemplo original

41 Pe em p.u. Exemplo 13.4 (cont.) : Efeito de faltas FFF, FFT, FF e FT na curva P x δ, após a determinação das respectivas impedâncias vistas do ponto F. O cálculo das impedâncias está descrito no livro P. Kundur, págs Efeito de faltas desbalanceadas na curva Pe x Delta pré-falta 1 falta FT falta FF 0.5 falta FFT falta FFF Ângulo do rotor em graus

42 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.4 (cont.) : Resposta transitória após a ocorrência da falta trifásica (FFF) Comportamento do ângulo do rotor após uma falta trifásica (FFF) Falta aplicada em t=1 s Falta eliminada em t=1 + tcc s tcc=0,127 s; 51,348º tcc=0,126 s; 51,347º Tempo em segundos

43 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.4 (cont.) : Resposta transitória após a ocorrência da falta fase-fase-terra (FFT) Comportamento do ângulo do rotor após uma falta fase-fase-terra (FFT) Falta aplicada em t=1 s Falta eliminada em t=1 + tcc s tcc=0,189 s; 60,20º tcc=0,188 s; 59,93º tcc=0,127 s; 46,11º Tempo em segundos

44 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.4 (cont.) : Resposta transitória após a ocorrência da falta fase-fase (FF) Comportamento do ângulo do rotor após uma falta fase-fase (FF) Falta aplicada em t=1 s Falta eliminada em t=1 + tcc s tcc=0,303 s; 76,41º tcc=0,302 s; 76,18º tcc=0,189 s; 52,34º Tempo em segundos

45 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.4 (cont.) : Resposta transitória após a ocorrência da falta monofásica (FT) Comportamento do ângulo do rotor após uma falta fase-terra (FT) Falta aplicada em t=1 s Falta eliminada em t=1 + tcc s tcc=0,822 s; 117,69º tcc=0,821 s; 117,62º 100 tcc=0,303 s; 63,16º Tempo em segundos

46 Exemplo 13.4 (cont.): O uso das componentes simétricas permite que qualquer tipo de falta seja representada no circuito de sequência positiva pela impedância equivalente vista do ponto F O tempo crítico de falta para defeitos desbalanceados é maior do que para faltas trifásicas, logo, o sistema possui maior margem de estabilidade transitória quando sofre faltas desbalanceadas O tempo crítico de falta para um curto monofásico é significativamente maior do que para um curto trifásico Os resultados até então apresentados não levaram em conta o efeito do torque de frenagem oriundo da componente de sequência negativa

47 Exemplo 13.4 (cont.): Efeito do Torque Seq. Negativa Ângulo do rotor em graus O deslocamento angular das oscilações é menor, como consequência do torque de sequência negativa sem Tseqcom Tseq Tempo em segundos

48 Abertura Monopolar O sistema de proteção é normalmente projetado para efetuar a abertura tripolar para qualquer tipo de falta, embora as aberturas sejam independentes por fase Para faltas monofásicas, a abertura monopolar desliga somente a fase em defeito, com posterior religamento rápido de 0,5 a 1,5 s Durante o período em que a fase está aberta, a potência é transmitida sobre as fases remanescentes Como a maioria das faltas em linhas de transmissão são do tipo monofásica, a abertura monopolar resulta na melhoria da estabilidade transitória em relação a abertura tripolar

49 Abertura Monopolar Os seguintes problemas devem ser analisados neste tipo de aplicação: A extinção do arco secundário no segmento de linha sob defeito O esforço torcional nos eixos das unidades geradoras O efeito térmico da corrente de sequência negativa nos geradores Abertura monopolar nos dois terminais de uma linha de transmissão. Fonte: P, Kundur

50 Exemplo 13.5 (pág. 900) P. Kundur : O sistema do exemplo 13.4 sofre uma falta FT de 100 ms no ponto F do circuito 2. A falta é eliminada pela abertura monopolar. 1) Mostre a representação da abertura monopolar em estudos de estabilidade. 2) Mostre o efeito da abertura monopolar na estabilidade transitória, com fechamento monopolar após 1 s. O ponto de operação inicial é dado por: P=0,875 p.u., Q=0,2244 p.u., EL=1,0/_28,8 p.u. e EB=1,0/_0 p.u. Obs: A questão 2) foi adaptada do exemplo original

51 Ângulo do rotor em graus Exemplo 13.5 (cont.): A abertura monopolar proporciona a melhoria da estabilidade transitória. O cálculo da impedância vista dos pontos de abertura está descrito no livro P. Kundur, págs Efeito da abertura monopolar na estabilidade transitória Falta FT aplicada em t=1 s Falta FT eliminada em t=1,1 s Fechamento em t= 2,1 s Abertura tripolar Abertura monopolar Tempo em segundos

52 Modelo Clássico de um Sistema Multimáquinas Hipóteses do modelo clássico: Cada máquina síncrona é representada por uma tensão atrás de uma reatância transitória de eixo direto As ações de reguladores de velocidade são desprezadas e as potências mecânicas são assumidas constantes Usando as tensões pré-faltas, todas as cargas são representadas por impedâncias constantes Os torques de amortecimento são desprezados Máquinas que pertencem a mesma usina oscilam juntas e são ditas coerentes. Um grupo de máquinas coerentes é representado por uma máquina equivalente

53 Representação de um sistema multimáquinas Fonte: Power System Control and Stability. Anderson & Fouad. John Wiley & Sons, Pág. 36.

54 Modelo Multimáquinas A matriz aumentada YAUM(n+r,n+r): I YAUMV I 0 In Ynn Ynr V 0 Y Y V n rn rr r Onde n é número de geradores e r é o número de barras do sistema. Impedâncias dos geradores e das cargas: I n 1 y diag jx ' di i y i i 1,2,..., n Li 2 i1,2,..., Vi P jq r

55 Modelo Multimáquinas Submatrizes da aumentada YAUM(n+r,n+r): Ynn y Ynr y 0 n, r n Y rn 0 y rn, n y 0n, r n Y rr YBUS r, r diag y 0 0 rn, n rn, rn Li Equações na forma: I Y V Y V n nn n nr r 0 YrnV n YrrV r

56 Modelo Multimáquinas Obtêm-se: V Então: Y V Y 1 r rn n rr Ou ainda: Onde: I Y Y Y Y V 1 n nn nr rr rn n In YRED En Y Y Y Y Y 1 RED nn nr rr rn Redução de Kron

57 Modelo Multimáquinas Uma vez que as barras da rede foram eliminadas, os nós internos são renumerados: I n Y E i ij j j1 i 1,2,..., n Potências ativas geradas dos nós internos i: P Re E I * ei i i n ji * * Pei Re Eie Yij E j j1 n j Re j i j Pei Eie Gij jbij E je j1

58 Modelo Multimáquinas Potências ativas geradas dos nós internos i: n P Re G jb E E cos j sin ei ij ij i j i j i j j1 Define-se: Então: ij i j n P E E G cos B sin ei i j ij ij ij ij j1 n 2 ei i ii i j ij sinij i j ij cosij j1 i P E G E E B E E G

59 Modelo Multimáquinas Assim, o modelo clássico é: d dt i 0 2H T m P ei d dt i i1,2,..., i 0 n Onde Pei é função de δi, e as equações acima podem ser integrados por qualquer algoritmo numérico

60 Cálculos Preliminares Obter os dados dos elementos do sistema, referidos a uma base comum de potência (em geral 100 MVA): Geração e carga em todas as barras; Impedâncias dos elementos da rede elétrica; Reatância transitória e constante de inércia das máquinas síncronas. Resolver um problema de fluxo de carga para determinar as condições de operação em regime permanente (antes de qualquer perturbação) Calcular as admitâncias (ou impedâncias) constantes correspondentes as cargas do sistema na condição de operação antes de qualquer perturbação: y Li P jq i i i1,2,..., 2 Vi r

61 Cálculos Preliminares Calcular as tensões e os ângulos atrás da reatância das máquinas síncronas I i S P jq i1,2,..., V * i i i * * i Vi Onde n é número de geradores. Vi é o fasor da tensão terminal do gerador. Pi e Qi são as potências ativa e reativa do gerador. E V jx I ' i i d i Formar as matrizes de admitância nodal para todas as configurações que o sistema assumir durante o período de estudo (por exemplo: antes, durante e após a eliminação de defeitos) n

62 Cálculos Preliminares Determinar as matrizes de admitância nodal das redes reduzidas equivalentes, para cada uma das configurações do item anterior Formar as equações dinâmicas do sistema d dt i 0 i Tm Pei i 0 2H d dt i1,2,..., n Especificar os dados relativos ao tipo de perturbação a ser estudada (duração e localização do defeito, elementos chaveados, etc.) e resolver as equações diferencias durante o período de interesse; Analisar a evolução dos ângulos das máquinas síncronas no tempo, para realizar o diagnóstico sobre a estabilidade do sistema.

63 Exemplo (pág. 37) Anderson & Fouad: Avalie a estabilidade transitória do sistema 3 máquinas x 9 barras, mostrado na figura abaixo. Um curto circuito trifásico de 100ms ocorre na LT 7-5, próximo a barra 7.

64 ângulos dos rotores em graus Exemplo (pág. 37) Anderson & Fouad (cont.): Resposta dos ângulos dos rotores dos geradores 1, 2 e delta1 delta2 delta Tempo em segundos

65 ângulos dos rotores relativos em graus Exemplo (pág. 37) Anderson & Fouad (cont.): Resposta dos ângulos do rotores dos geradores 2 e 3 relativos ao ângulo do rotor do gerador delta2-delta1 delta3-delta Tempo em segundos

66 Ações para Melhoria da Estabilidade Transitória Rápida eliminação da falta Aumento rápido e elevado da excitação da máquina (Regulador de Tensão) Abertura monopolar Ação Rápida do regulador de velocidade (fast-valving máquinas térmicas) Uso dos braking resistors, lâminas defletoras, etc. Corte de carga e/ou corte de geração Rápida compensação série e/ou shunt

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo

Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo 1 Simulação e Avaliação dos Esquemas de Proteção de Geradores Síncronos Contra Perda de Sincronismo Bernardo R. Bordeira e Sebastião E. M. de Oliveira Resumo--O presente trabalho avalia os principais esquemas

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Estabilidade Transitória

Estabilidade Transitória Estabilidade Transitória Revisão em janeiro 003. 1 Introdução A geração de energia elétrica dos sistemas de potência é constituída de máquinas síncronas. que operam com uma determinada freqüência. O sistema

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

3 Faltas Desbalanceadas

3 Faltas Desbalanceadas UFSM Prof. Ghendy Cardoso Junior 2012 1 3 Faltas Desbalanceadas 3.1 Introdução Neste capítulo são estudados os curtos-circuitos do tipo monofásico, bifásico e bifase-terra. Durante o estudo será utilizado

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO ENGENHARIA ELÉTRICA NOTAS DE AULA PROF. LUCIANO VITORIA BARBOZA SUMÁRIO Capítulo 1. Faltas Trifásicas Simétricas... 1 1.1. Introdução... 1 1.. Transitórios

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 a 5 Novembro de 009 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS. Rafael Mendes Matos PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE ANGULAR DE GERADORES SÍNCRONOS Rafael Mendes Matos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Capítulo 6 Estabilidade de Sistemas de Potência

Capítulo 6 Estabilidade de Sistemas de Potência 6.1 Introdução Este capítulo trata do problema de estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Dois tipos de estudos de estabilidade são abordados. A análise da estabilidade transitória diz respeito

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

F. MACIEL BARBOSA ESTABILIDADE DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA

F. MACIEL BARBOSA ESTABILIDADE DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA F. MACIEL BARBOSA ESTABILIDADE DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA JANEIRO 2013 F. Maciel Barbosa 2 INDICE ESTABILIDADE DE SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA... 5 1. INTRODUÇÃO... 5 2. EQUAÇÃO DO MOVIMENTO DE

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agosto de 25 Belém Pará Brasil Código: BEL 6 793 Tópico: Qualidade da Energia em Sistemas com Geração Distribuída IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES DE

Leia mais

4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga

4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga 50 4 Impedância de Transferência entre Geradores e Carga 4.1. O procedimento nesta seção é baseado no cálculo de correntes de curtocircuito, comumente encontrado em livros de análise de sistemas de potência

Leia mais

Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA

Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA Refinaria Presidente Bernardes - RPBC Cubatão - SP ESTUDO DE ESTABILIDADE ELETROMECÂNICA rev. Reg Tensão / Reg. Veloc. / Topologia FORNECIMENTO GEMULTILIN FEITO À PETROBRÁS - RPBC ATRAVÉS DO CONTRATO N.

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Estudo de Cálculo de Curto-Circuito em Instalações Offshore Utilizando a Norma IEC-61363

Estudo de Cálculo de Curto-Circuito em Instalações Offshore Utilizando a Norma IEC-61363 Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia Engenharia Elétrica Programa de Formação de Recursos Humanos Sistemas Elétricos Industriais Petrobras Trabalho de Conclusão de Curso Estudo

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM

ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM ANÁLISE DE DESEMPENHO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO O PROGRAMA ANATEM Pedro Henrique Rezende dos Santos Fontes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia ANÁLISE DE ESTABILIDADE TRANSITÓRIA EM SISTEMAS DE POTÊNCIA UTILIZANDO FUNÇÃO ENERGIA Autora: Kallyanny Silva Brasil

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição

Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Fluxo de Potência em sistemas de distribuição Os sistemas de distribuição são radiais, caracterizados por ter um único caminho entre cada consumidor e o alimentador de distribuição. A potência flui da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA PINTO NEUMANN PROGRAMA PARA CÁLCULO DE CURTO-CIRCUITO CURITIBA 2009 2 ELISA BEATRIZ DE ABREU GUIMARÃES MARIANA TEIXEIRA

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Simulight. Manual do Usuário (versão do programa 3.00 Inclui fluxo de potência e simulação trifásicos) Simulight V. 3.00

Simulight. Manual do Usuário (versão do programa 3.00 Inclui fluxo de potência e simulação trifásicos) Simulight V. 3.00 Simulight Manual do Usuário (versão do programa 3.00 Inclui fluxo de potência e simulação trifásicos) Simulight V. 3.00 Conteúdo 1 Introdução... 1-1 1.1 Visão Geral do Programa... 1-1 1.2 Características

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Elétrica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Elétrica Trabalho de Conclusão de Curso Estudo de Estabilidade em Sistemas Elétricos de Potência na Presença de Máquinas

Leia mais

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária)

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) - I Unidade de Geração Centro de Operação do Sistema Controle Terciário de Tensão ~ água ou vapor

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC - 3 16 a 21 Outubro de 25 Curitiba - Paraná GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA -

Leia mais

Modelos de Geradores e cargas

Modelos de Geradores e cargas Modelos de Geradores e cargas Conteúdo Modelos de geradores Modelos para representação da carga Cargas de corrente constante com a tensão Cargas de potência constante com a tensão Cargas de impedância

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

25 de Janeiro de 2009

25 de Janeiro de 2009 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público COPEL Edital 0/2008 Formação de Cadastro de Reserva 25 de Janeiro de 2009 PROVA: Função: ENGENHEIRO ELETRICISTA PLENO Eng. Planejamento Sistemas

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UERSDDE FEDERL DE JU DE FOR nálise de Sistemas Elétricos de Potência 5. omponentes Simétricas P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA

CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA CÁLCULO DO CURTO CIRCUITO PELO MÉTODO KVA Paulo Eduardo Mota Pellegrino Introdução Este método permite calcular os valores de curto circuito em cada ponto do Sistema de energia elétrica (SEE). Enquanto

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC

GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC GSC/018 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - GSC SIMULAÇÃO DA RESPOSTA AO TRANSITÓRIO DE CHAVEAMENTO EM SISTEMAS

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Sistema de excitação

Sistema de excitação Sistema de excitação Introdução Introdução A função do sistema de excitação é estabelecer a tensão interna do gerador síncrono; Em consequência,o sistema de excitação é responsável não somente pela tensão

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c.

Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. Capítulo 8 Fluxo de carga c.a/c.c. 8.1 Introdução Um sistema de transmissão em corrente contínua (c.c.) que interliga dois sistemas de corrente alternada () é chamado de elo de corrente contínua (elo c.c.,

Leia mais

Regulador Automático de Tensão: Influência do Ganho no Sistema Elétrico de Potência Pablo Cravo Fernandes

Regulador Automático de Tensão: Influência do Ganho no Sistema Elétrico de Potência Pablo Cravo Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Regulador Automático de Tensão: Influência do Ganho no Sistema Elétrico de Potência Pablo Cravo Fernandes Itajubá, Agosto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 6. PROCEDIMENTOS 08 7. ALTERAÇÕES 09 8. ANEXOS 09 Elaboração: Anderson Muniz Data: 04/10/2011.

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema

de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação reativa Controles relacionados com a potência reativa disponíveis no sistema Análise de Sistemas de Potência Aula 25 Compensação Reativa 7/06/2008 Compensação reativa O fluxo da potência reativa nos sistemas elétricos, está fortemente relacionado com a magnitude da tensão as perdas

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG

Pós-graduação 4. MODELAGEM DA CARGA. Modelagem da Carga. Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência LRC / UFMG Pós-graduação LRC / UFMG 4. MODELAGEM DA CARGA Modelagem da Carga 4.1. Considerações 4.2. Modelagens Modelo ZIP - Polinomial Análise de Redes Elétricas no Domínio da Freqüência Maria Helena Murta Vale

Leia mais

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS

GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS GLOSSÁRIO MÁQUINAS ELÉTRICAS Motor Elétrico: É um tipo de máquina elétrica que converte energia elétrica em energia mecânica quando um grupo de bobinas que conduz corrente é obrigado a girar por um campo

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados

Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Análise Transitória de Parques Eólicos Mistos, compostos por Geradores de Indução Gaiola de Esquilo e Duplamente Alimentados Helleson Jorthan Brito da Silva 1, Carolina de Matos Affonso 2 12 Grupo de Sistemas

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos

Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Estudos Pré-Operacionais do Controle de Corrente para Geradores Eólicos Camila M. V. Barros 1, Luciano S. Barros 2, Aislânia A. Araújo 1, Iguatemi E. Fonseca 2 1 Mestrado em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR

ESTUDO DO AUTOTRANSFORMADOR ESTUDO DO UTOTRNSFORMDOR. onceito. O autotransformador é um equipamento semelhante ao transformador, possuindo a mesma finalidade. única diferença é que existe apenas um único enrolamento.. Estudo do utotransformador

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Clóvis Bôsco Mendonça Oliveira

Clóvis Bôsco Mendonça Oliveira Clóvis Bôsco Mendonça Oliveira Desenvolvimento de Modelos no Programa DigSILENT PowerFactory T M para o Estudo de Estabilidade Transitória em Sistemas Elétricos de Potência com Aerogerador DCA-UFRN Fevereiro

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I QUALIDADE DE ENERGIA 1-Introdução ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Desde o princípio do método de transmissão de energia elétrica utilizando CA, ou ondas senoidais, o aparecimento de componentes harmônicas é um

Leia mais

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA CRITÉRIOS COMPARATIVOS PARA CLASSIFICAR MODELOS DE GERADORES EÓLICOS QUANTO A SUA APLICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA DANUSIA DE OLIVEIRA DE LIMA Rio Grande Energia RGE Departamento de Engenharia e Construções

Leia mais

Proteção dos transformadores Parte I

Proteção dos transformadores Parte I 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas:

Leia mais

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org

CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA - lista de exercícios sobre transformadores antonioflavio@ieee.org 1ª. Questão Considere as seguintes impedâncias e tensões de um transformador cuja potência nominal é S N. Z AT : impedância de dispersão, referida à alta tensão, em ohms; Z BT : impedância de dispersão,

Leia mais

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA.

11/07/2012. Professor Leonardo Gonsioroski FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Aulas anteriores Tipos de Sinais (degrau, rampa, exponencial, contínuos, discretos) Transformadas de Fourier e suas

Leia mais