UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO AVEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO AVEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO AVEZ DO MESTRE GUERRA ESTRATÉGICA DE INFORMAÇÕES E A SEGURANÇA NACIONAL Luciano Fabricio Riquet Filho ORIENTADOR: Prof: Marcos A. Larosa Rio de Janeiro Junho/2002

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO DE PESQUISAS SÓCIO-PEDAGÓGICAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GUERRA ESTRATÉGICA DE INFORMAÇÕES E A SEGURANÇA NACIONAL Apresentação de monografia ao Conjunto Universitário Cândido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica e Qualidade por Luciano Fabricio Riquet Filho

3 AGRADECIMENTOS Agradeço ao Corpo Docente e funcionários da Diretoria de Projetos Especiais pelo irrestrito apoio e aos colegas de curso pelas inequívocas demonstrações de amizade e apreço.

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho de pesquisa à minha esposa e filhas pela compreensão que tiveram e incentivo que me proporcionaram no decorrer do curso.

5 METODOLOGIA Para a elaboração do presente trabalho realizou-se extensa pesquisa de livros, artigos e outros trabalhos relacionados com o assunto. A grande maioria das fontes de consulta foi obtida acessando-se sites da Internet no exterior. A seleção das fontes de consulta foi elaborada em função da estrutura do trabalho e do tempo disponível para leitura do farto material encontrado sobre o tema. A análise e correlação dos fatos pertinentes uma vez sintetizados levaram à conclusão pelo método dedutivo.

6 RESUMO Este trabalho aborda uma nova forma de guerra denominada Guerra Estratégica de Informações (GEI), surgida na esteira das emergentes tecnologias associadas à Era da Informação que estamos hoje vivendo. Com a crescente e rápida evolução da chamada Infra-Estrutura Global de Informações, formada pelo conjunto de sistemas de comunicações, redes de computadores e serviços com elevado índice de informatização, surgem novas vulnerabilidades que nos forçam a rever o conceito de segurança nacional. Com a apresentação do tema em questão objetiva-se chamar atenção dos setores do governo responsáveis pela segurança e defesa e de segmentos do setor privado co-responsáveis pela operação da infra-estrutura crítica de funcionamento do Estado para as novas ameaças, viabilizadas pelas tecnologias da informação e comunicação. Pautada em pesquisa bibliográfica o trabalho procura colocar o leitor a par da significativa importância das tecnologias da informação e comunicações na vida da humanidade e chamar atenção para o fato de que a crescente dependência da sociedade em sistemas informatizados, a par dos extraordinários criados, gera vulnerabilidades que, se exploradas, colocam sob severo risco a Segurança Nacional. Em seguida, o leitor é introduzido ao tema Guerra Estratégica de Informações (GEI) onde são apresentados conceitos de diferentes autores dessa nova forma de guerra, os objetivos típicos que se pretende atingir quando se executam ataques efetuados de acordo com seus preceitos, as armas empregadas e as conseqüências possíveis resultantes de sua execução. Finalmente é abordada a forma defensiva da GEI onde são delineadas algumas estratégias baseadas em medidas de proteção, dissuasão e de prevenção.

7 SUMÁRIO AGRADECIMENTO... II I DEDICATÓRIA...I V RESUMO... V METODOLOGIA... V I SUMÁRIO... V II INTRODUÇÃO... 8 CAPÍTULO I CAPÍTULO II...24

8 CAPÍTULO III...32 CAPÍTULO IV...42 CONCLUSÃO...51 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...52 INDICE...54 FOLHA DE AVALIAÇÃO...55

9 GUERRA ESTRATÉGICA DE INFORMAÇÕES E A SEGURANÇA NACIONAL A vitória sorri para aqueles que antecipam as mudanças na natureza da guerra e não para os que esperam para se adaptar após a sua ocorrência. Giulio Douhet INTRODUÇÃO A humanidade encontra-se no alvorecer de uma nova era: a Era da Informação. Alavancada pelos extraordinários avanços nas tecnologias da informação e da comuni-cação, ela anuncia grandes transformações e mudanças na forma de organização da sociedade e de valores e interesses nacionais. Porém da mesma forma que essas tecnologias transformam a vida das pessoas trazendo benefícios em todos os campos das atividades humanas, elas alteram a natureza dos conflitos, que surgem sob novas formas explorando métodos não tradicionais. É de se esperar que no futuro próximo os conflitos sejam bastante diferentes de tudo que aprendemos de nossa experiência passada. Um novo conceito conhecido como Guerra Estratégica de Informações (GEI) tem sido amplamente discutido no âmbito de Centros de Excelência e na esfera de responsabilidade de Departamentos e Ministérios de Defesa de países do Primeiro Mundo. Este

10 conceito tem por base o fato de que a Informação e as tecnologias da informação terão papel preponderante na Segurança Nacional tendo em vista que a interconectividade dos vários sistemas que compõem a infra-estrutura de informações, propiciada por estas tecnologias, expõe novas vulnerabilidades. Faz-se mister portanto abordar o impacto que as tecnologias da informação exercem na Segurança Nacional e adaptar seu conceito de acordo com as novas formas de ameaça. Neste trabalho procuraremos mostrar a GEI como uma realidade a ser encarada e estudada com profundidade tanto pelo setor público quanto pelo setor privado de modo que suas implicações e efeitos funestos sobre a Segurança Nacional sejam perfeitamente compreendidos e assimilados, possibilitando assim a implementação, em tempo hábil, de uma estratégia defensiva calcada na proteção das infra-estruturas críticas, na dissuasão de potenciais adversário e em medidas de prevenção. Essas considerações justificam a importância do tema que já deveria ser objeto de maiores atenções no âmbito de nosso país. No intuito de despertar o interesse e motivar estudiosos para o assunto a abordagem pautou-se na apresentação dos antecedentes à Era da informação e de suas perspectivas buscando-se primeiramente identificar os impactos sobre a sociedade causados pelas chamadas Primeira e Segunda Revoluções da Informação e, em segundo lugar, uma projeção daquilo que o futuro próximo nos reserva como fruto da aplicação das tecnologias da informação e da comunicação. Em seguida expusemos os riscos gerados por estas tecnologias e seus efeitos sobre a Segurança Nacional não sem antes resgatar exemplos do passado. No capítulo três é feita então uma introdução do que se constitui em Guerra Estratégica de Informações para em seguida delinearmos estratégias de defesa contra essa modalidade de guerra.

11

12 CAPÍTULO I A ERA DA INFORMAÇÃO ANTECEDENTES E PERSPECTIVAS Através da História, os avanços nos vários campos do conhecimento sempre exerceram influência direta na maneira como a humanidade conduziu suas atividades. Hoje, fruto da verdadeira revolução em andamento na ciência e tecnologia, nos encontramos no limiar de uma nova era a Era da Informação cujo impacto no sistema internacional e no relacionamento humano é de todo incerto. O mundo tem sofrido dramáticas transformações e podemos considerar que isso decorre em grande parte das novas tecnologias de informação e comunicação. No entanto, é lícito afirmar que os avanços neste campo da ciência sempre se fizeram presentes na História do homem e entender seu impacto no passado e no presente é fundamental para se ter uma perspectiva do futuro. Não importam os motivos ou as razões, o Homem sempre teve a necessidade de se comunicar e trocar informações. De certa maneira, a própria civilização encontra sua base nessa necessidade. No entanto, alguns parâmetros sempre se constituíram em fatores complicadores para que o ser humano pudesse se comunicar: distância, tempo e localização. Afinal, um indivíduo pode sinalizar para ou falar com outra pessoa diretamente mas não se a distância entre elas for

13 muito grande; a distância entre duas pessoas que desejam se comunicar pode ser reduzida, mas isso demanda tempo, tempo esse que, às vezes, não se dispõe; finalmente, a localização da pessoa com quem desejamos nos comunicar, ou a nossa própria, pode tornar impossível a comunicação. Outros importantes aspectos tais como privacidade, segurança das comunicações, autenticidade e certeza da entrega da mensagem sempre tiveram influência no desenvolvimento de tecnologias relacionadas ao processo de comunicação. Desde a mais remota antigüidade, o ser humano sempre buscou métodos de comunicações que reduzissem o impacto adverso criado pela distância, tempo e localização. Tambores, tochas, fogueiras, pictografia e escrita em argila foram alguns dos primeiros recursos utilizados pela humanidade para superar as barreiras às comunicações. Códigos, cifras, bem como o uso de agentes de confiança e o emprego de selos e assinaturas também sempre se fizeram presente no processo de comunicação e foram sendo aperfeiçoados ao longo do tempo. Todos esses métodos primitivos sofriam algum tipo de limitação e alguns deles dependiam de condições ambientais (vento, visibilidade, etc.) favoráveis; para garantir a segurança das

14 comunicações consumia-se tempo codificando ou criptografando as mensagens. A própria transmissão e decodificação da mensagem demandava tempo, fator esse que se agravava à medida que ocorriam distorções características do método empregado, uma vez que a ocorrência de tal fato demandaria um prolongado processo de confirmação do conteúdo. Com o passar do tempo, a capacidade do ser humano em se comunicar continuou sendo prejudicada pelos fatores de tempo, distância e localização, em que pese os constantes porém lentos progressos observados nas tecnologias de informação. Em meados do século XIX esse panorama começou a ser modificado à medida que novas tecnologias amadureciam. Nesses pouco mais de 150 anos que transcorreram desde então ocorreu uma verdadeira revolução no campo da informação e das comunicações. Por conveniência, dividiremos esse espaço de tempo em três períodos históricos distintos e identificaremos os impactos deles decorrentes. 1.1 A PRIMEIRA REVOLUÇÃO DA INFORMAÇÃO Podemos enquadrar a primeira revolução da informação na moldura temporal que se estende por um período de 100 anos a partir de meados do século XIX. Neste período, três adventos viriam

15 transformar não só as comunicações, mas também a vida das pessoas: o telégrafo, o telefone e o rádio. Especialmente na sociedade industrial, essas tecnologias alteraram profundamente a maneira de as pessoas se relacionarem e também a condução das atividades de homens de negócios, militares e de política externa. O telégrafo que passou a ser operado de forma regular a partir de 1845 deflagrou uma onda de comunicações por todo o planeta. A operação deste meio de comunicação, patenteado pelo inventor norte-americano Samuel Morse em 1840 consistia na transmissão de sinais elétricos através de fios, que eram registrados em papel na forma de pontos e traços. A invenção de Morse se espalhou rapidamente e teve significativo impacto em amplo espectro das atividades humanas. Já em 1851, o telégrafo expandiu a internacionalização dos mercados financeiros com a conexão entre as Bolsas de Valores de Londres e Paris. No fim do século XIX, os governos de vários países da Europa se comunicavam por meio do telégrafo e as transações comerciais também dele dependiam. A par disso, as comunicações interpessoais se desenvolveram enormemente. Mensagens podiam ser transmitidas com rapidez, rompendo barreiras físicas representadas por montanhas e rios e, com isso, criaram-se maiores oportunidades para expansão de negócios. O advento do telégrafo

16 tornou permeável as fronteiras físicas entre países e isso trouxe inclusive questionamentos acerca da soberania da Nação-Estado. As atividades militares também foram afetadas pelo telégrafo. Já na Guerra Civil Americana, seu uso para orientar o emprego de tropas, prover apoio logístico e enviar informes de inteligência de nível tático e estratégico, referentes a movimentos de tropas inimigas foi de fundamental importância para o desencadeamento de ações militares. A capacidade de se transmitir mensagens por este canal quase que em tempo real transformou as atividades diplomáticas e de relações exteriores de países europeus em fins do século XIX e início do século XX. O volume de tráfego diplomático cresceu exponencialmente permitindo a troca de informações entre embaixadores e respectivas chancelarias com freqüência até então nunca vista. Essa rapidez trouxe, para os decisores, maior facilidade na coordenação das ações da política externa de seus países. A Europa tornava-se menor em conseqüência do telégrafo! Não tardou, e as informações passaram a fluir entre continentes, com a ligação da Europa com os EUA através de cabos submarinos. No plano internacional, as implicações de cabos submarinos para a diplomacia e política externa foram impressionantes. Interligados diretamente com as

17 respectivas Capitais, órgãos do Poder Executivo e, eventualmente, Comandos Militares, através de linhas telegráficas que atravessavam os oceanos, os representantes diplomáticos podiam transmitir seus relatórios e mensagens a partir dos países nos quais estavam credenciados. Podemos aquilatar o impacto gerado pela instalação de cabos submarinos pela mensagem transmitida pelo Presidente Theodore Roosevelt, em 1903, que percorreu o Globo em apenas nove minutos. O Mundo também tornava-se um lugar menor para se viver. Nunca até então, qualquer método de comunicação havia reduzido de forma tão significativa as restrições impostas pela distância e localização dos interlocutores e, também, pelo tempo consumido na tramitação das informações. Evidentemente, tais fatores ainda traziam óbices na capacidade de as pessoas se comunicarem, mas outros métodos logo viriam conferir maior eficiência e rapidez no processo de comunicações. Na esteira do sucesso criado com o surgimento do telégrafo, uma outra invenção viria revolver ainda mais a história das comunicações: o telefone. Inventado por Alexander Graham Bell em 1876 o telefone teve profundo impacto em praticamente todo campo da atividade humana. Menos de vinte e cinco anos após sua invenção, o telefone era extensivamente usado na Europa e nos EUA,

18 tornando-se um serviço de amplitude universal. Linhas telefônicas locais e interurbanas permitiram a criação de uma vasta rede de comunicações que possibilitou a ligação direta pessoa a pessoa. No início do século XX, o mundo das comunicações havia se alterado profundamente com o advento do telégrafo e do telefone e os efeitos adversos gerados pela distância, tempo e localização haviam se atenuado extraordinariamente. Contudo, a localização ainda exercia restrição de monta para o ato de se comunicar, uma vez que as posições dos interlocutores eram fixas em função do local de instalação dos equipamentos utilizados na transmissão e recepção de mensagens. Então, em 1894, Guglielmo Marconi, italiano de origem, enviou pela primeira vez um sinal de rádio através de uma distância de três quilômetros. Quando ele demonstrou a possibilidade de transmitir mensagens entre estações de terra e navios e entre navios, as Marinhas dos EUA e Grã- Bretanha logo adotaram essa nova tecnologia para ampliar a capacidade de comunicações marítimas. Em dezembro de 1901, Marconi enviou uma mensagem através do Atlântico, cobrindo a então impressionante distância de Km em poucos segundos.

19 Embora em seus primórdios, somente sinais de código Morse pudessem ser transmitidos pelo rádio, o uso deste meio de comunicação se expandiu paulatinamente. A partir de 1906, com a descoberta da maneira de se transmitir voz e música pelo rádio, seu uso espraiou-se com impressionante rapidez. Na década de 1920, somente nos EUA, mais de 600 estações de rádiodifusão estavam operacionais. Homens de negócio de visão logo viram o potencial do rádio para divulgação e publicidade além deste meio possibilitar a abertura de novos horizontes nos campos do entretenimento e da educação. O advento do rádio não passou despercebido pelos segmentos militares. Durante as Primeira e Segunda Guerras Mundiais, o rádio foi amplamente utilizado para o exercício do Comando e Controle, além de permitir grande flexibilidade no emprego de tropas decorrente do incremento em sua mobilidade. Basta citar que a Guerra Relâmpago ( Blitzkrieg ) adotada pelos alemães nos primeiros anos da II Guerra Mundial jamais teria sido implementada sem o advento do rádio. A par dessas aplicações, os Governos passaram a utilizar o rádio como instrumento de informação e, algumas vezes, de desinformação para

20 divulgar o andamento da guerra, promover o nacionalismo e espalhar propaganda de guerra OS IMPACTOS DA PRIMEIRA REVOLUÇÃO DA INFORMAÇÃO Ao término da II Guerra Mundial, as tecnologias da primeira revolução da informação haviam tido espetacular impacto na vida e no trabalho das pessoas. Ações de governo, transações comerciais e financeiras e a condução da guerra sofreram profundas modificações decorrentes do surgimento dessas novas tecnologias. Como nunca antes, as pessoas passaram a tomar conhecimento de fatos e eventos em curto espaço de tempo, independentemente do local de sua ocorrência perto ou afastado. Apesar da magnitude das mudanças trazidas com a evolução das comunicações, a estrutura do sistema internacional então vigente pouco se alterou. Estas tecnologias haviam surgido na época em que os Estados Europeus eram os principais atores do cenário internacional e esta situação perdurou durante todo o período em que mantiveram a primazia. Fora do Continente Europeu, o resto do mundo era dividido em colônias e áreas de influência dominadas pelas principais Potências Européias; dentro dele, o sistema de Balanço de Poder era preservado graças a atuação da Grã- Bretanha, Potência mundial de maior expressão.

21 Como corolário desta situação os Estados Europeus para preservar suas posições na estrutura global de Poder fizeram extensivo uso das novas tecnologias com o propósito de aprimorar as comunicações com os pontos mais afastados de seus respectivos Impérios e aperfeiçoar a capacidade de Comando e Controle de Forças militares. Assim, não foram criados espaços ou oportunidades para o surgimento de outros atores capazes de se estabelecer no cenário internacional e alterar a estrutura e funcionamento do Sistema de Poder então vigente. O volume do comércio internacional e as relações comerciais à nível global no final do século XIX e início do século XX se mantiveram em escala muito baixa impedindo que esse segmento da atividade humana assumisse posição de expressão no cenário internacional. Outras organizações, intergovernamentais e não governamentais também ficaram à margem no sistema de relações de Poder Internacional em vigor. 1.3 A SEGUNDA REVOLUÇÃO DA INFORMAÇÃO À medida que a II Guerra Mundial chegava ao fim, mais e mais pessoas tomavam consciência que o mundo havia se tornado um lugar menor para se viver. Mesmo assim, poucos conseguiram discernir no horizonte que novos avanços

22 tecnológicos afetariam de forma ainda mais dramática a capacidade humana de comunicação. A segunda revolução da informação, com fulcro na televisão, na primeira geração de computadores e nos satélites além de reduzir ainda mais as restrições impostas pela distância, tempo e localização viria a enriquecer o processo das comunicações em decorrência das características específicas de cada um destes meios. Enquanto o resto do mundo se recuperava da devastação criada pela II Guerra Mundial, os EUA reorientavam sua economia passando de uma base industrial para se fixar na área de serviços. A informação tornou-se uma commodity e gerenciála assumiu fundamental importância. Pouco a pouco este fenômeno adquiriu dimensões globais e o processo de coleta, tratamento e disseminação das informações passou a ser uma característica distinta das sociedades industriais. À medida que o uso destas novas tecnologias espalhou-se no seio da sociedade, a influência por elas exercida ensejaram a mudança de relações culturais e valores intrínsecos. Vejamos como cada uma destas tecnologias contribuiu para aperfeiçoar as comunicações e o fluxo de informações. a) TELEVISÃO Em muitos lares, a televisão passou a ser o centro da vida familiar alterando o modo de interação

23 entre as pessoas e a maneira como elas despendiam seu tempo. Inventada na década de 1920, pouco interesse despertou até o término da II Guerra Mundial. Sua penetração no mercado norte-americano deu-se com enorme rapidez. Basta citar que em 1955 setenta e dois por cento dos lares americanos possuía uma televisão ao passo que 10 anos antes, este percentual não passava de um (1). Nos anos 60, a TV se fazia presente em praticamente todos os lares dos países industrializados. Seus efeitos na sociedade e na opinião pública foram extraordinários. Por causa da televisão, homens e mulheres podiam ver pessoas e ocorrências em locais fora de seu campo visual imediato, coisa impossível antes de seu advento. Para muitos, a expansão da influência política, cultural e econômica norte-americana se deu graças a televisão. O impacto da TV nos negócios e na política também foi significativo. Com relação a este segundo aspecto, podemos relacionar dois fatos que nos dão de forma inequívoca a real dimensão da influência deste meio de comunicações: 1) atribui-se a vitória de John Kennedy nas eleições de 1960 ao televisionamento do debate entre ele e Richard Nixon; e 2) A transmissão de imagens da Guerra do Vietnam diretamente nos lares americanos também contribuiu, acredita-se, para acelerar a crescente oposição àquele conflito, no final dos anos 60.

24 A TV passou a ser vista como um poderoso veículo capaz de projetar valores morais e normas de comportamento social. Reconhecendo o potencial da televisão para influenciar posturas e atitudes, muitos governos, notoriamente os da ex- União Soviética e países do Europa Oriental, passaram a empregar este meio de comunicação para divulgar a versão oficial de fatos e eventos públicos e disseminar programas de governo. A junção da televisão com a tecnologia dos satélites no final dos anos 60 e no decorrer da década de 1970 ampliou ainda mais o poder de penetração deste veículo de comunicações gerando implicações ainda mais profundas para as relações internacionais. É interessante observar que nos primeiros anos que se seguiram à invenção da televisão, poucos foram os que souberam avaliar o potencial e a abrangência que este veículo de comunicações viria a ter. Ao contrário, as expectativas relativas ao uso dos primeiros computadores eram imensas. b) OS COMPUTADORES O primeiro computador eletrônico foi inventado por John Vincent Atanasoff na Universidade de Iowa em Pouco depois, durante a II Guerra Mundial, viu-se a necessidade de processar complexos cálculos matemáticos com rapidez para

25 resolver o problema de tiro balístico de artilharia. Por seu vez, os ingleses construíram uma série de dez computadores denominados Colossus que tinham a finalidade precípua de quebrar as cifras secretas utilizadas pelas Forças Armadas germânicas. Em 1946, era criado por J. Presper Eckert e John Mauchly na Universidade da Pennsylvania o primeiro computador de emprego genérico, o Electronic Numerical and Calculator (ENIAC). O ENIAC continha vávulas, pesava mais de 30 toneladas e consumia 175 KW de potência. Os computadores de primeira geração eram valvulares. Com a invenção do transistor em 1947, surgiam os computadores de segunda geração, de menor porte e mais rápidos que seus predecessores. Alguns anos mais tarde estes foram substituídos pelos computadores da chamada terceira geração que se utilizavam de circuitos integrados. Embora o desenvolvimento do computador tivesse sido motivado por razões militares, logo outros segmentos e áreas governamentais assim como setores ligados ao comércio e finanças passaram a fazer uso extensivo desta ferramenta. O computador aumentou extraordinariamente a capacidade de coleta, armazenamento e análise de informações tanto para indivíduos quanto para

26 organizações. Deve-se destacar seu uso na área das comunicações, especialmente no chaveamento e comutação de redes. Acoplado às linhas telefônicas por meio de MODEMS, um computador podia falar com outro, permitindo assim a transferência de dados com extraordinária rapidez, interligando locais os mais remotos na face da Terra. c) SATÉLITES A terceira tecnologia a integrar a segunda revolução da informação foi o satélite. Seu posicionamento no espaço veio a tornar possível a retransmissão de sinais de televisão e de telefonia para qualquer ponto da superfície da Terra, permitindo que as comunicações a nível global se processassem em tempo real. Com o advento do satélite e seu casamento com a televisão, as pessoas passavam a poder acompanhar ao vivo acontecimentos e eventos ocorridos do outro lado do Globo. É fácil de se imaginar as implicações disso nas interações humanas nos campos cultural, econômico, político e militar. Assim como os computadores, o desenvolvimento de satélites teve origem a partir de interesses das Forças Armadas dos EUA e da extinta URSS no uso desta tecnologia como instrumento de Comando e Controle de forças subordinadas e também na navegação, meteorologia,

27 reconhecimento, esclarecimento e vigilância. Em 1964, o primeiro satélite civil de telecomunicações foi lançado em órbita. Era o começo do maciço emprego de satélites que, em pouco tempo, viria a permitir o estabelecimento de comunicações a nível global. As comunicações por satélites experimentaram extraordinário avanço nas úlitmas três décadas. Os primeiros satélites possuíam algumas centenas de canais de comunicações. Hoje, cada um deles dispõe de milhares de canais para transmissão de sinais de telefonia, televisão e transmissão de dados. Satélites de transmissão direta (DBS Direct Broadcast Satellite) permitem a transmissão de sinais para qualquer ponto da superfície da terra onde exista uma antena de recepção. Outros tipos de satélite permitem o armazenamento dos dados coletados e a sua posterior retransmissão para um usuário específico. O acesso à satélites de comunicações tem crescido vertiginosamente aproximando ainda mais as pessoas através das distintas formas de comunicação que podem ser transmitidas por esse canal OS IMPACTOS DA SEGUNDA REVOLUÇÃO DA INFORMAÇÃO Analisar os efeitos da segunda revolução da informação sobre as relações e atividades humanas e seus impactos sobre o sistema internacional não

28 é tarefa simples tendo em vista sua recentidade. A absorção, a difusão e a própria operacionalização das tecnologias aplicadas à segunda revolução, pelos diferentes atores do cenário internacional, aqui identificados como sendo Estados, Corporações Multinacionais, Organizações Governamentais, Organizações Não- Governamentais (ONG) e indivíduos, se processaram de maneiras distintas, gerando mudanças nessas entidades e, também, na própria estrutura do sistema internacional. Dentre as entidades acima mencionadas, as Corporações Multinacionais talvez possam ser consideradas as que sofreram maior impacto da Segunda Revolução da Informação. As tecnologias associadas a esta revolução exerceram significativa influência na estruturação destas corporações além de terem contribuído para a regionalização e globalização dos negócios. Este fenômeno da regionalização se constituiu, por exemplo, em um dos fatores de peso no movimento pela integração política e econômica da Europa. Como exemplo maior da influência das tecnologias associadas à segunda revolução da informação sobre o setor de negócios, basta citar o que representou para o sistema bancário e financeiro internacionais a capacidade auferida

29 com a possibilidade de se transferir capital eletronicamente. As Organizações Não-Governamentais (ONG) também tiveram sua participação no cenário internacional realçada, porque ao se tornarem mais ativas e ao coordenar melhor suas ações passaram a ter maior influência nas atividades em que se viram envolvidas. Em que pese os impactos gerados pelas primeira e segunda revoluções da informação sobre as atividades humanas e o maior destaque assumido pelas Corporações Multinacionais e Organizações Não-Governamentais, a estrutura do Sistema Internacional manteve-se basicamente inalterada. No entanto, embora discutível, pode-se considerar que as tecnologias a elas aplicadas tiveram participação na extinção do Sistema de Balanço de Poder existente antes da Primeira Guerra Mundial (primeira revolução) e na criação e extinção do sistema bi-polar que vigorou no período que se estendeu do fim da II Guerra Mundial até O FUTURO No fim dos anos 80, uma nova revolução da informação começou a surgir no horizonte com o surgimento de tecnologias revolucionárias com particular destaque para a introdução de semicondutores com elevada capacidade de

30 armazenamento de dados, velocidade de processamento e alta confiabilidade; computadores avançados de grandes potência e confiabilidade, crescente miniaturização e custos decrescentes; fibras óticas capazes de transmitir 500 canais, em comparação com os pouco mais de 60 canais de um cabo coaxial de cobre; telefonia celular; satélites com capacidade de comportar milhares de canais para telefonia, televisão e transmissão de dados; redes de computadores capazes de transmitir bilhões de bits de dados por segundo; e técnicas para compressão e transmissão digital de dados 1. Vejamos sinteticamente os avanços que poder-seão atingir em algumas áreas específicas afetas ao fluxo, armazenamento e gerenciamento das informações, em decorrência destas novas tecnologias: a) VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO A velocidade de transmissão de dados aumentará significativamente possibilitando maior rapidez no fluxo e, conseqüentemente, no tratamento da informação; b) CAPACIDADE DE TRANSMISSÃO A capacidade de transmissão crescerá ensejando aumento no volume de dados transmitidos; 1 Alberts, David S. e Papp, Daniel S. em Information Age Anthology, Part I: Information and Communication

31 c) FLEXIBILIDADE Espera-se atingir uma maior flexibilidade no fluxo de informações, eliminando-se, ou pelo menos reduzindo, a dificuldade de comunicações entre dois interlocutores, imposta pela eventual localização dos mesmos, em face à disponibilidade de diferentes caminhos para roteamento do fluxo de dados que se deseja transmitir; d) MAIOR ACESSO A redução dos custos de produção das tecnologias aplicadas à sistemas de informação permitirá às pessoas e organizações acesso mais amplo aos meios de comunicações; e e) MAIOR DIVERSIDADE DE TIPOS DE MENSAGENS Até a pouco mais de cem anos, as comunicações pelo método elétrico se limitavam à transmissão de pulsos elétricos representativos de letras e números através de fios. Hoje as comunicações se processam por meio da transmissão de voz, dados digitais e imagens. Esse complexo conjunto de mensagens contribuirá ainda mais para a conectividade global entre pessoas e instituições. Que importantes implicações serão proporcionadas pelos mencionados avanços? Em primeiro lugar um fortalecimento do indivíduo, em detrimento às tradicionais estruturas Revolution, Vol. I

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média

CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO. CLC 5 Cultura, comunicação e média CURSO EFA NS CULTURA, LÍNGUA E COMUNICAÇÃO CLC 5 Cultura, comunicação e média Formadora Sandra Santos O ser humano, sempre insatisfeito, sentiu sempre a necessidade de comunicar mais rápido, mais longe,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 09 DE AGOSTO PALÁCIO DO PLANALTO

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna

Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Ágora Ciência e Sociedade Lisboa, 15 de Maio de 2015 Telecomunicações o sistema nervoso da sociedade moderna Carlos Salema 2014, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos reservados. Índice

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13. Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN. Contra-Almirante Mário Durão

Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13. Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN. Contra-Almirante Mário Durão Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13 Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN Contra-Almirante Mário Durão Enquadramento Durante mais de 30 anos da minha vida profissional,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Informática Instrumental Aula 1. Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz

Informática Instrumental Aula 1. Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz Informática Instrumental Aula 1 Prof. Msc. Fernando Nakayama de Queiroz Ementa da disciplina 1. Apresentação do sistema operacional windows e linux; 2. Aprendendo a operar o teclado e principais teclas

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

10 Para ganhar a guerra

10 Para ganhar a guerra Prefácio Ao longo da história, líderes militares enfrentaram o dilema de formular o plano tático correto para conseguir a vitória no campo de batalha. Muito depende da preparação para esse momento: ter

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO SEGUNDO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.12 7 de março de 2012 CICTE/INF.1/12 Washington, D.C. 7 março 2012 Original: inglês DISCURSO

Leia mais

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR

Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Edson Alves Chaves O USO DA INTERNET NA DIVULGAÇÃO DO TRABALHO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do CEFOR como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS

SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS VISÃO GERAL DE CAPACIDADES SEGURANÇA GLOBAL, GERENCIAMENTO E MITIGAÇÃO DE RISCOS AT-RISK International oferece Análise de Riscos, Proteção, Consultoria, Investigações e Treinamento em Segurança, nas Américas,

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Ministério das Comunicações Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Artur Coimbra Diretor do Departamento de Banda Larga Ministério das Comunicações

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores

Introdução às Redes de Computadores Introdução às Redes de Computadores Evolução na comunicação Comunicação sempre foi uma necessidade humana, buscando aproximar comunidades distantes Sinais de fumaça Pombo-Correio Telégrafo (século XIX)

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Terceira Onda (Alvin Toffler)

Terceira Onda (Alvin Toffler) Terceira Onda (Alvin Toffler) O objetivo principal do trabalho meu e de minha mulher, Dra. Heidi Toffler, nos últimos trinta anos, tem sido tentar compreender o fenômeno das mudanças. Esse trabalho foi

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 3 Sistema de Informação Conceito, Componentes e Evolução Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Conceito: Um Sistema de Informação (SI) é um sistema cujo elemento

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA 2015 0 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade,

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 Clécia Rodrigues da Silva* Introdução O século XXI surge com novas formas de circulação de bens e consumo, a mundialização do capital, as novas formas

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO - e eu com isso?

GLOBALIZAÇÃO - e eu com isso? o que é Um mundo sem fronteiras onde interagimos com todos povos. Influenciamos todo o mundo e somos por todos influenciados. o termo GLOBALIZAÇÃO surgiu na década de 1970 e ganhou popularidade nas décadas

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

Princípios Básicos de Operações Militares

Princípios Básicos de Operações Militares de Operações Militares TEMAS 8 Conteúdo Princípios de Estratégia Princípios Gerais Guerra Terrestre Guerra Naval Guerra Aérea A Guerra Moderna Comando e Controle Armas Combinadas Logística Conduta O APP-6A

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida Práticas e Intervenção em Qualidade de Vida Capítulo 8 Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida MARCO ANTONIO BETTINE DE

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais