Relatório de sustentabilidade 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de sustentabilidade 2013"

Transcrição

1 Relatório de sustentabilidade 2013

2 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 sumário 1 Algar agro Relatório de sustentabilidade 2013 Sumário Para ler este relatório 2 Mensagem da administração 3 Principais indicadores 5 Índice GRI 62 Informações corporativas/créditos 70 A Algar Agro 6 Quem somos 7 Missão, visão e valores 9 Prêmios e reconhecimentos 10 Relacionamentos 11 Governança 12 Estratégia 19 Inovação 21 Gestão de riscos 22 Agronegócio 27 Segmento de negócios 28 Talentos humanos 34 Instituto Algar 45 Sociedade 47 Desempenho ambiental 48 Desempenho social 56 Desempenho financeiro 57 Perspectivas 61

3 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Para ler este relatório 2 Para ler este relatório Apresentamos, pelo terceiro ano consecutivo, nosso desempenho em acordo com as diretrizes da GRI [IP 2.9; ;3.13] Relacionamentos, agronegócio e sociedade são as três vertentes sobre as quais se sustenta a nossa missão: Contribuir para a melhoria da sociedade por meio do desenvolvimento do agronegócio e de relacionamentos de valor. E são esses três aspectos que orientam a elaboração e a organização do Relatório de Sustentabilidade 2013 da Algar Agro. Informações sobre a nossa gestão, indicadores de desempenho, itens de perfil e governança, além dos principais destaques do ano, são distribuídos ao longo desses capítulos e consolidados no índice apresentado no final da publicação. O texto foi elaborado com o objetivo de apresentar os temas considerados internamente como de maior relevância para os públicos de interesse. são apurados e validados internamente e não são submetidos a verificação externa. Não houve alterações significativas na comparação com o relatório referente ao exercício de Como nos anos anteriores, este relatório estará disponível somente na versão eletrônica, resultado do nosso compromisso com o meio ambiente. Todo o processo de elaboração contou com o apoio e a dedicação de nossos associados, que participaram ativamente da apuração e validação das informações. Contatos em caso de dúvidas ou para mais informações: Rosely Lopes Diretoria de Controladoria Endereço: Rua José Andraus Gassani, Distrito Industrial Uberlândia/MG Brasil CEP Pelo terceiro ano consecutivo, nosso desempenho econômico, ambiental e social é apresentado em acordo com as diretrizes internacionais da Global Reporting Initiative (GRI) na versão G3 e, neste ano, o relatório é classificado no nível B dessa metodologia. Esta edição refere-se ao ano de 2013 e, quando aplicável, os indicadores podem ser comparados aos de 2011 e 2012, relatados nas duas versões anteriores. A apuração dos dados financeiros segue os critérios definidos pelos padrões internacionais de contabilidade International Financial Accounting Standards (IFRS) e é auditada pela KPMG Auditores Independentes. Já os indicadores de desempenho socioambiental

4 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 MensAGem da administração 3 Mensagem da administração Em busca do crescimento sustentável [IP 1.1] O ano de 2013 foi um ano de mudanças para a Algar Agro. Assumimos novos posicionamentos e fizemos ajustes, resultantes das dificuldades pelas quais o agronegócio, especialmente o setor de soja, passou ao longo do ano. Essas mudanças, contudo, tiveram o fim específico de preservar, reforçar e intensificar aquilo que temos como central na razão de existir de nosso negócio: promover o crescimento sustentável, com respeito aos nossos acionistas, às comunidades em que estamos inseridos e ao meio ambiente. Por isso, estão alinhadas a uma estratégia que vem sendo desenvolvida ao longo do tempo e que foi aplicada aos desafios do cenário atual. Nosso resultado foi impactado pelo cenário mundial: a quebra da produção de alguns dos principais países produtores, como Brasil e EUA, em 2012, resultou em aperto de estoques. Em 2013, a esperada reposição não aconteceu devido à seca que fez com que a safra norte-americana ficasse aquém do esperado. Esse cenário, aliado à variação cambial, aumentou a volatilidade e a incerteza nos mercados, especialmente os de commodities. No Brasil, apesar da safra recorde de mais de 80 milhões de toneladas, a carência de investimentos em logística e o baixo desempenho da economia também resultaram em impactos em custos, quedas de margens e desafios à produtividade da Algar Agro, assim como de todo o nosso setor de atuação. Diante de tais desafios, nossa resposta foi imediata e construída de modo a levar em conta os aspectos econômicos, sociais e ambientais da nossa sustentabilidade. Adequamos nosso planejamento às condições do mercado e investimos em uma ainda maior estruturação de nossa gestão. Promovemos alterações em posições de liderança da Algar Agro, em busca de mais eficiência, foco e sinergias. Criamos uma área de engenharia para apoiar a execução dos projetos em andamento e colaborar com a área de Projetos e Governança no plano de investimentos de longo prazo. A nova organização de nossa área financeira permitiu a reestruturação e o fortalecimento de nossa tesouraria, que trabalhou para o alongamento do perfil da nossa dívida, o que resultou na melhor relação entre compromissos de curto e longo prazo, na melhor gestão do caixa e dos estoques e, ainda, no decréscimo do custo de captação de capital, devido a maior sincronia entre o fluxo de caixa e os pagamentos. No mesmo sentido, ampliamos e capacitamos nossas áreas de gestão de riscos e de inteligência de mercado, que trabalharam para diminuir nossa exposição em um mercado altamente complexo e volátil. Na área operacional, aumentamos nosso volume de soja originada adquirida em 2% em relação a 2012, atingindo a marca da 1,370 milhão de toneladas um aumento inferior ao previsto anteriormente, mas que

5 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 MensAGem da administração 4 é coerente com os ajustes realizados ao longo do ano. Também tivemos valores abaixo do esperado para as operações de esmagamento, que atingiram um volume de 815 mil toneladas ao ano, devido a um maior número de paradas das plantas de processamento. É nosso objetivo, em 2014, aumentar o escoamento para o farelo na região Norte/Nordeste, repetindo o crescimento que alcançamos nas vendas de óleo de soja nessas regiões, e fortalecer continuamente a eficiência da planta de Uberlândia. Um dos destaques foi o crescimento das operações de trade, que já representam 45% do volume da Companhia e podem atingir cerca de 2/3 do nosso faturamento. Por isso, criamos uma trading desk para respondermos a esse crescimento. Na área social, mantivemos a nossa estratégia de apoio a ações de educação e de fortalecimento das cadeias produtivas locais, por meio de parcerias com produtores. Ambientalmente, reforçamos nosso compromisso de cumprir ou superar as legislações do setor, como o Código Florestal Brasileiro, e desenvolver iniciativas que mitiguem ou compensem nossos impactos, como o plantio de florestas renováveis para abastecimento de todas as áreas que demandam biomassa (secadores de grãos e caldeiras de vapor). Realizamos os investimentos que planejamos. Foram R$ 62 milhões em 2013 contra R$ 47 milhões em A expectativa é que a partir de 2014 investiremos ainda mais, dentro de um contexto de planejamento que vai até O objetivo principal é alcançar melhorias nos três pilares estratégicos do nosso negócio: Originação, Esmagamento e Exportação. Ainda para 2014, estão previstos dois novos armazéns próprios em Minas Gerais, mais modernos, eficientes e preparados para o armazenamento não apenas de soja, mas também de outros grãos, como milho, sorgo e outros. Também concluiremos a construção de um novo silo na unidade de Porto Franco (MA), que além de ampliar a capacidade estática possibilita a segregação de soja com diferentes padrões de umidade para processamento e exportação. Na área de eficiência energética, destaca-se a conclusão da implantação da nova caldeira, movida a biomassa, também em Porto Franco. Outro ganho importante será a conclusão do retrofit da planta de Uberlândia (MG), que vai possibilitar o atingimento de 100% da capacidade instalada dessa unidade. Nosso principal desafio hoje é o crescimento geográfico da operação. Alcançar novas áreas, aumentar nossa eficiência e portfólio de produtos, mantendo o compromisso com a sustentabilidade e com as partes interessadas em nosso negócio. Esse é o nosso jeito de trabalhar. Boa leitura. Luiz Alberto Garcia Presidente do Conselho de Administração Leonardo Freitas Diretor-superintendente

6 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Principais Indicadores 5 principais indicadores Indicadores corporativos /2012 Associados ,7% Horas de treinamento ,6% Indicadores ambientais /2012 Indicadores financeiros (em milhões de reais) /2012 Consumo de energia direta e indireta (GJ) ,6% Resíduo gerado (toneladas) ,3% Emissões diretas e indiretas ( tons de CO 2 E) ,9% Investimento ambiental (em mil reais) % receita LíQUIDA ,7% EBITDA ,4% MARGEM EBITDA 6,7% 18,7% 11,2% -7,5 p.p lucro LíQUIDO % MARGEM LÍQUIDA 2,3% 0,5% 1,0% -0,5 p.p. INVESTIMENTOS ,9% DÍVIDA BRUTA ,4% DÍVIDA LíQUIDA ,9% DIVIDA LÍQUIDA DE ESTOQUE PAGO ,7% EXPORTAÇÕES (US$ MILHÕES) ,8% DÍVIDA LÍQUIDA / EBITDA (VEZES) 1,7 0,5 1,3 160% Indicadores operacionais /2012 Indústria/trading Originação de soja (mil tons) ,1% Processamento de soja (mil tons) ,6% Venda de óleo de soja (mil caixas) % Venda de farelo de soja (mil tons) % Venda total em equivalente soja (mil tons) % Produção agrícola (mil tons) ,4% Área plantada (ha) ,2%

7 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade A Algar Agro Nosso objetivo é contribuir para o desenvolvimento da sociedade por meio do agronegócio e de relacionamentos de valor

8 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Quem somos 7 Quem somos Player de larga escala no mercado de soja, integrado verticalmente desde a originação (aquisição direta de produtores) ao esmagamento, refino e envase do óleo de soja e exportação [IP ; 2.8] A Algar Agro é uma empresa brasileira de capital fechado que atua no mercado de soja desde Fazemos parte do grupo Algar e temos nossa sede administrativa em Uberlândia (MG), assim como unidades em nove estados brasileiros. Nossa atividade é produzir, processar e comercializar soja e seus derivados nos mercados interno e externo. A linha de produtos alimentícios voltada ao varejo, todos da marca ABC, contempla o óleo de soja, líder de vendas no estado de Minas Gerais, assim como azeite de oliva, óleo composto, extrato e molho de tomate, produzidos em parceria com outras companhias. Outro produto do processamento da soja é o farelo, que comercializamos sob a marca RaçaFort. Em menor escala, também estamos presentes nos segmentos de agricultura (plantio de soja e milho) e de pecuária de corte. A unidade de Uberlândia fica no centro do País, região geograficamente privilegiada, com malhas viária e ferroviária favoráveis, recursos naturais e tecnológicos e mão de obra qualificada. A unidade de processamento de Porto Franco (MA), que iniciou suas operações em 2006, também possui localização estratégica, com acessos a importantes rodovias, como a Belém-Brasília, e à Ferrovia Norte-Sul. Isso facilita o recebimento de matéria-prima, a distribuição do óleo de soja no Nordeste, mercado que vem ganhando relevância para nossos negócios, e também o escoamento da produção de soja para o mercado internacional, via Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, próximo a São Luís, capital do Maranhão. De forma estratégica, mantemos 30 unidades armazenadoras, sendo duas em construção, próximas das regiões de produção de grãos, nos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Maranhão, Piauí, Tocantins e Pará. Nossas atividades de esmagamento, refino e envasamento de óleo de soja, além da produção de farelo de soja e outros derivados, concentram-se em dois avançados complexos industriais, localizados em Uberlândia, região do Triângulo Mineiro, e em Porto Franco, no sul do Estado do Maranhão. 35 anos Em 2013, completamos três décadas e meia de atuação na condição de uma das empresas que mais crescem no setor agropecuário

9 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Quem somos 8 Nossas Unidades PA MA CE PI TO MT GO MS MG Unidades de processamento de soja Unidades armazenadoras de grãos Fazendas Escritórios comerciais

10 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Missão, Visão e Valores 9 Missão, visão e valores [IP 4.8] Posicionamento na cadeia de valor Missão Contribuir para a melhoria da sociedade por meio do desenvolvimento do agronegócio e de relacionamentos de valor Visão Estar entre as 10 maiores empresas brasileiras do agronegócio até 2020, sendo reconhecida pelos clientes na construção de relações duradouras. Valores Cliente, Nossa Razão de Existir Valorização dos Talentos Humanos Integridade Sustentabilidade Crença no país Core Business Comercialização e processamento na cadeia de soja Declaração Estratégica: Estar entre as 10 maiores empresas brasileiras do agronegócio em 2020**: estar na cadeia de valor atual e buscar outras oportunidades na cadeia intensificar projetos de crescimento com perspectiva de rentabilidade Buscar oportunidades através de crescimento orgânico e inorgânico entregar consistentemente os resultados **Ranking das maiores empresas do agronegócio do anuário Melhores e Maiores da revista Exame = referência receita líquida R$ 4 bilhões em NOVAS áreas sementes fertilizantes defensiva insumos produção AGRícola Originação processamento Logística exportação internacionalização novas culturas Logística mercado interno varejo legenda Atuação algar agro

11 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Missão, Visão e Valores 10 Prêmios e reconhecimentos [IP 2.10] 247ª colocação no ranking das 1000 Maiores Empresas do Valor ª colocada entre as maiores do setor Produção Agropecuária, 14ª colocada entre as maiores do segmento Óleos, Farinhas e conservas, e 20ª empresa que mais cresceu no setor Agropecuário no guia Exame 500 Melhores e Maiores. O óleo ABC foi considerado a quarta marca do Brasil em sua categoria no ranking da revista Abras, da Associação Brasileira de Supermercados. Reconhecimento no 16º Top Of Mind de Uberlândia. Vencedora pelo sexto ano consecutivo do prêmio Gente Nossa, conferido pela Associação Mineira de Supermercados (AMIS), na categoria Óleo de Soja e Azeite. O prêmio seleciona, através de pesquisa junto aos supermercadistas, o melhor fornecedor por categoria ao levar em conta quesitos como qualidade, relacionamento comercial e giro. Os reconhecimentos recebidos pela nossa empresa são fruto do trabalho e do comprometimento de nossos associados

12 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade Relacionamentos Construímos relações sólidas com todas as partes interessadas de nossos negócios em busca da geração de valor e do desenvolvimento sustentável

13 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 12 Governança Nossas práticas garantem a realização de nossa missão, reforçam nossos valores e produzem valor para a sociedade [IP 4.1;4.12;4.13] Princípios herdados do fundador, o comendador Alexandrino Garcia, como ética, transparência, o propósito de servir e o compromisso com o futuro direcionam a nossa governança. Nosso modelo conta com ferramentas para garantir a tomada segura de decisões, identificar, mensurar, controlar e gerir os riscos corporativos. Além disso, valoriza os associados, dissemina a cultura interna e busca melhorias que levem a empresa a um patamar ainda maior de comprometimento e transparência com seus públicos de interesse. O grupo Algar entende a governança corporativa como um organismo vivo, dinâmico, que cria valor ao reforçar a sua visão de futuro e aumenta as perspectivas de longo prazo. Acreditamos também que as boas práticas melhoram o ecossistema, criando valor não só para a Companhia, mas para a sociedade como um todo. Por isso, apesar do reconhecimento e das ferramentas já desenvolvidas, o processo de melhorias é contínuo, com realização de pesquisas e visitas a empresas e universidades em todo o mundo em busca do que há de mais moderno no assunto. Nossas práticas tornaram o grupo Algar referência no Brasil e no exterior e o credenciaram a participar do Latin American Companies Circle of Corporate Governance, iniciativa única do IFC (Banco Mundial), OCDE e GCGF (Fórum Mundial de Governança Corporativa), que reúne atualmente um grupo de quatorze companhias latino-americanas que têm se destacado na adoção de boas práticas de governança corporativa e as compartilham com o objetivo de ajudar a desenvolver negócios mais sólidos na região. No tocante ao nosso setor de atividade, somos filiados à Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que reúne as doze empresas mais representativas do agronegócio no Brasil, responsáveis por 60% da soja processada no País. A Algar Agro participa de vários eventos ao longo do ano e em todos os seus segmentos: alimentos, nutrição animal e originação. Em 2013, no segmento de alimentos, estivemos presentes nas duas maiores feiras de supermercadistas do Brasil. A APAS, que acontece na cidade de São Paulo e que, além de ser a maior feira desse segmento no Brasil, é também a maior do mundo, e a Superminas, em Belo Horizonte, a segunda maior do País nesse segmento. No segmento de nutrição animal,buscamos marcar presença com patrocínio nos leilões de maior evidência em nossa área de atuação. Assim, mantemos contato direto, fortalecemos relacionamentos e reforçamos nossa marca. No tocante à originação, patrocinamos festejos municipais. Estamos presentes como patrocinadores em eventos como AgroBalsas, Expofran e Camaru, ocasiões importantes nas cidades em que temos nossas plantas e escritório: Balsas, Porto Franco e Uberlândia, respectivamente.

14 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 13 Diferenciais da nossa governança Estrutura societária * Em 31/12/2013 Algar S.A. [IP ] A maior parte de nosso Conselho de Administração é composta de membros externos, superando consideravelmente o mínimo de 20% determinado pela maioria das regulações, como o Novo Mercado da BM&FBovespa. Diálogo com as partes interessadas. Mesmo ainda sem possuir um processo formal estruturado de engajamento ou de definição de stakeholders, estamos atentos às necessidades de nossas partes interessadas e mantemos canais de diálogo contínuos com elas. 100% 100% Algar agro s.a. abc indústria e comércio s.a. legenda empresas consolidadoras 100% 100% abc a&p s.a. inco grain ltda. Participação de 100% da Algar Agro S/A na ABC indústria e Comércio a partir de dez/2013.

15 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 14 Nossas práticas Entre as práticas de governança corporativa que adotamos, destacam-se: Estrutura de governança corporativa comitê de auditoria e gestão de riscos comitê de governança corporativa Assembleia geral Conselho de administração Conselho fiscal Conselho de Administração comitês de apoio ao Conselho de Administração Diretoria Executiva auditorias interna e externa gestão de riscos comitê de talentos humanos Diretorsuperintendente Código de Conduta Comissão de Associados portal de governança diretor de controladoria Diretor de grãos Diretor de operações industriais Diretor de Produtos Diretor de tesouraria Diretor de comércio exterior legenda deliberativo executivo

16 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 15 Conselho de Administração [IP ; ; 4.9 e 4.10] O Conselho de Administração, eleito anualmente em Assembleia Geral Ordinária, é o órgão que estabelece as diretrizes estratégicas do grupo Algar. As atividades, atribuições e responsabilidades do Conselho são pautadas por um regimento interno, que observa o disposto na Lei das Sociedades por Ações, o Estatuto Social e o Código de Boas Práticas de Governança Corporativa do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Mesmo sem ter ações negociadas em bolsa de valores, decidimos, voluntariamente, não apenas termos membros externos, mas também que compusessem a maioria do colegiado, formado por nove componentes, eleitos por Assembleia Geral para mandato de um ano, com possibilidade de reeleição. Em dezembro de 2013, seis membros eram externos 1 ou seja, não possuíam vínculo emocional ou relação comercial com a empresa ou com a família que detém o controle. Além de trazer 1 Em 2013, houve o preenchimento de uma vaga existente desde Foi eleito Sérgio Alair Barroso, que passou a compor também o Comitê de Auditoria e Gestão de Riscos. A escolha do novo integrante seguiu as recomendações do Conselho de Administração na sua última avaliação anual e considerou, entre outros fatores, a vivência como executivo sênior e a participação em outros Conselhos de Administração, o alto conhecimento e experiência no negócio de commoditie agrícola e a ausência de conflito de interesse, reforçando o time, composto por profissionais com trajetórias e perfis variados no ambiente corporativo. conhecimento e experiência externos, o conselheiro externo agrega importante valor ao colegiado, contribuindo com maior objetividade e racionalidade no processo decisório e em assuntos que envolvam potenciais conflitos de interesses. A prática voluntária de segregação das funções de diretor executivo e de conselheiro está prevista no Regimento Interno, vedando a acumulação dos cargos. Isso implica também que o presidente do Conselho de Administração e o presidente executivo devam ser pessoas distintas. As reuniões ocorrem, ordinariamente, seis vezes ao ano, de acordo com um calendário temático preestabelecido, e extraordinariamente, sempre que necessário. Em 2013, foram realizadas nove reuniões, quatro delas fora da sede da empresa, para atender a meta de realizar reuniões também nas áreas de expansão. Os conselheiros realizam autoavaliação anual do Conselho e individual desde Os membros avaliam também o presidente do Conselho, que tem função e responsabilidade específicas, além do diretor-superintendente. Missão do Conselho de Administração Garantir a perenidade da empresa, fixando a orientação geral dos negócios, preservando os valores da organização, supervisionando a gestão executiva, protegendo o patrimônio, buscando a maximização do valor da empresa e do retorno sustentável dos investimentos dentro de uma perspectiva de longo prazo e mantendo o equilíbrio e a harmonia entre os interesses dos acionistas e das demais partes interessadas (stakeholders).

17 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 16 Comitês de assessoramento ao Conselho de Administração O Conselho de Administração conta com o apoio de três comitês de assessoramento, não deliberativos, formados por membros externos do próprio Conselho e especialistas da empresa e externos, todos com mandato de um ano, renovável. Auditoria e Gestão de Riscos Tem como objetivo garantir qualidade, integridade, transparência e credibilidade nas demonstrações financeiras, bem como a efetividade dos processos das auditorias interna e independente, dos controles internos, o cumprimento da legislação aplicável, além de orientar e monitorar a disseminação e fortalecimento da cultura de gestão de riscos por toda a Companhia. Conheça mais sobre a nossa gestão de riscos na seção Gestão de Riscos. Talentos Humanos Deve assegurar o exercício de uma política de valorização e desenvolvimento de talentos humanos, dentro das melhores práticas de gestão estratégica de pessoas, em consonância com os diferentes negócios do grupo Algar. Governança Corporativa Tem a missão de discutir, propor e avaliar a efetividade e o aprimoramento contínuo das práticas de governança corporativa que reforçam a visão de futuro e aumentam as perspectivas de longo prazo, dentro Luiz Alberto Garcia Presidente do Conselho de Administração Luiz Alexandre Garcia Vice-presidente do Conselho de Administração Alexandrino Garcia Neto Conselheiro e membro do Comitê de Governança Corporativa Eliane Garcia Melgaço Conselheira e presidente dos Comitês de Governança Corporativa, de Talentos Humanos e de Auditoria e Gestão de Riscos Hélio Marcos Machado Graciosa Conselheiro e membro do Comitê de Governança Corporativa * em 31/12/2013 de um conceito de sustentabilidade que cria valor não só para a empresa, mas para a sociedade como um todo. Também analisa as avaliações do Conselho de Administração e propõe ações que contribuam para a eficácia do órgão e de seus comitês de assessoramento. Composição do Conselho de Administração* Darc Antônio da Luz Costa Conselheiro externo Eduardo Moreira da Costa Conselheiro externo Geraldo Sardinha Pinto Filho Conselheiro externo Ozires Silva Conselheiro externo Walter Fontana Filho Conselheiro externo e membro do Comitê de Governança Corporativa Sérgio Alair Barroso Conselheiro externo e membro do Comitê de Auditoria e Gestão de Riscos

18 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 17 Diretoria Executiva A Diretoria Executiva é o órgão responsável por instituir as políticas de gestão de acordo com o direcionamento do Conselho de Administração, por lei ou pelo Estatuto Social. Formada por profissionais qualificados, com ampla atuação nos segmentos de alimentação e agronegócio, assim como no dia a dia da organização, a Diretoria Executiva é composta de sete membros: um diretorsuperintendente e seis diretores com foco em áreas específicas. Composição da Diretoria Executiva* Leonardo de Freitas Diretor-superintendente Gustavo Guimarães Diretor de Controladoria Sílvio Cesar Cassaes Costa Diretor de Operações Industriais Paulo Henrique Machado Diretor de Grãos A Diretoria Executiva reúne-se, ordinariamente, uma vez por semana, ou sempre que necessário, para alinhamento e tomada de decisão de assuntos estratégicos corporativos. Nesse processo, conta com seis comissões de apoio: Comissão Tributária, Comissão de Inovação, Comissão de Sustentabilidade, Comissão de Associados, Comissão de Saúde e Segurança Corporativa e Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Marcus Vinícius Caetano Diretor de Produtos Alexandre Marcondes de Moura Costa Diretor de Tesouraria Manoel Teixeira Diretor de Comércio Exterior Avaliação da gestão executiva [IP4.10] Nossos executivos participam anualmente de um processo de avaliação 360 graus. Por meio dele, são avaliadas as competências essenciais Algar e as específicas de cada cargo e de seu ocupante, pela análise dos pares, subordinados e superiores. Esse processo resulta em um plano de ação, no qual se destacam os pontos positivos e a melhorar de cada executivo, inclusive com iniciativas de formação e aperfeiçoamento. * em 31/12/2013

19 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 18 Outras práticas e órgãos de governança [IP 4.4] Comissão de associados Nosso público interno conta com a Comissão de Associados, composta de profissionais de várias áreas da Companhia, que promove interação e alinhamento entre os associados, a área de Talentos Humanos e a Diretoria. Portal de governança Canal on-line de acesso restrito e exclusivo dos membros do Conselho de Administração que reúne documentos e informações necessários ao seu trabalho. Auditoria Contamos com duas auditorias, uma interna e outra externa, que se reportam hierarquicamente ao Conselho de Administração, por meio do seu Comitê de Auditoria e Gestão de Riscos, e funcionalmente à Holding, de modo a garantir autonomia e independência em relação às operações. A auditoria interna tem como objetivo promover a avaliação dos controles e verificar a conformidade com normas, políticas e valores internos. Atua com base em um plano e calendário anual definidos no Conselho de Administração. Já a auditoria externa colabora na avaliação dos padrões de informação e de conformidade contábil e tributária, seguindo a legislação vigente. Desde 2009, essa função é exercida pela KPMG Auditores Independentes. Em 2014, será substituída pela EY, seguindo uma prática voluntária de rodízio após cinco anos de atividade, uma determinação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para as empresas de capital aberto. Nossa governança é baseada na transparência e no diálogo

20 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 Relacionamentos 19 Estratégia Buscamos a sustentabilidade dos negócios em suas três dimensões: econômica, social e ambiental [IP 1.2] A Algar Agro se estabeleceu como uma das empresas mais importantes no mercado brasileiro de trading e processamento através de uma estratégia que se orienta pela sustentabilidade dos negócios nas suas três dimensões: econômica, social e ambiental, com respeito ao acionista e a todas as partes interessadas. Esse posicionamento é uma consequência direta da cultura do grupo Algar, que valoriza os relacionamentos, investe nos talentos humanos e enxerga no cliente a sua razão de existir. de construção de valor. Dentre os ativos intangíveis que consolidamos ao longo de mais de trinta anos de atuação destacam-se: Força da Marca Somos uma empresa que se orgulha de ser brasileira e que é reconhecida por valorizar relacionamentos e potencializar o talento humano. Além disso, fazemos parte de um grupo empreendedor e sólido, o grupo Algar, igualmente admirado no mundo corporativo. O capital hunano e o clima de trabalho estão entre entre nossos ativos intangíveis Um dos focos de nossa estratégia é a valorização e a diversificação de nosso relacionamento com os produtores rurais, clientes e demais fornecedores. Trabalhamos continuamente no desenvolvimento de soluções que permitam que ele se concentre na sua maior expertise: a produção de grãos. Para planejar e realizar a nossa estratégia, além dos fatores já citados, procuramos evoluir nas práticas de governança corporativa e de nosso modelo de gestão, inclusive por meio da valorização e do uso estratégico de nossos ativos intangíveis. Ativos intangíveis Chamamos de intangíveis os ativos que, por não poderem ser medidos em números, normalmente não estão presentes nos demonstrativos econômico-financeiros. No entanto, eles são essenciais para a diferenciação da nossa empresa em relação ao mercado e têm papel essencial no nosso processo Esse posicionamento também se reflete na força de nossas marcas. No setor alimentício, a marca ABC tem como carro-chefe o óleo de soja mais vendido em Minas Gerais e quarta marca nacional, de acordo com o ranking da revista Abras, que começa a ganhar força também nos mercados do Norte e Nordeste. Já o farelo de soja RaçaFort é reconhecido pela sua qualidade nos mercados nacional e internacional. 1º lugar é a posição ocupada pelo óleo de soja ABC no ranking dos mais vendidos de Minas Gerais

Relatório de sustentabilidade 2013

Relatório de sustentabilidade 2013 Relatório de sustentabilidade 2013 ALGAR agro Relatório de sustentabilidade 2013 sumário 1 Algar agro Relatório de sustentabilidade 2013 Sumário Para ler este relatório 2 Mensagem da administração 3 Principais

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

algar agro Relatório de Sustentabilidade 2014 Relacionamentos Sustentáveis

algar agro Relatório de Sustentabilidade 2014 Relacionamentos Sustentáveis algar agro Relatório de Sustentabilidade 2014 Relacionamentos Sustentáveis algar agro Relatório de Sustentabilidade 2014 Sumário MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO 03 SOBRE O RELATÓRIO 05 Processo de definição

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL

FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL FÓRUM EXCELÊNCIA BRASIL CENTRAL 04 de março de 2008 Luiz Alexandre Garcia CEO - Grupo Algar Fórum Excelência Brasil Central Algar Porque investir em Uberlândia Trabalhamos para servir a comunidade ALexandrino

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais"

Seminário Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais Seminário "Governança Corporativa: Experiências em Empresas Estatais" Marco Geovanne Tobias da Silva 17 de maio de 2005 O que é Governança Corporativa? Conjunto de normas de conduta a serem adotadas por

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil

O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil O Futuro do Mercado de Distribuição no Brasil Tendências e Estratégias do AgroDistribuidor Matheus Alberto Cônsoli, PhD 29 de Julho de 2013 www.agrodistribuidor.com.br

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

COCAMAR ESTRATÉGIA E GOVERNANÇA

COCAMAR ESTRATÉGIA E GOVERNANÇA COCAMAR ESTRATÉGIA E GOVERNANÇA Cocamar - Números 2013 2,65 BILHÕES FATURAMENTO 11.800 ASSOCIADOS 56 UNIDADES OPERACIONAIS 2.300 COLABORADORES 103 AGRÔNOMOS 1,1 MILHÕES DE t CAPACIDADE ARMAZENADORA 2 MILHÕES

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480)

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480) ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA (Instrução CVM nº 480) Em linhas gerais, o patrimônio da Companhia é composto por dezesseis embarcações

Leia mais

ALGAR Programas PGP e PGI 1

ALGAR Programas PGP e PGI 1 ALGAR Programas PGP e PGI 1 O Grupo Algar atua nos setores de Telecomunicações, Agronegócios, Serviços e ainda tem participação acionária no Rio Quente Resorts, no segmento de turismo. A sede do Grupo

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC de Serviços em Agribusiness Outubro de 2013 Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura de relacionamento entre usina

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas

Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas Bovespa Mais: propiciando o crescimento sustentável das empresas O Bovespa Mais, um dos segmentos especiais de listagem administrados pela BM&FBOVESPA, foi idealizado para tornar o mercado acionário brasileiro

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.

ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2. ETERNIT S.A. C.N.P.J. nº 61.092.037/0001-81 NIRE 35.300.013.344 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 17 DE SETEMBRO DE 2.008 Aos 17 dias do mês de setembro do ano de dois mil e oito,

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Bússola Governança Consultoria & Treinamento. EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP

Bússola Governança Consultoria & Treinamento. EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP Bússola Governança Consultoria & Treinamento EAC0558 Relato Integrado e Sustentabilidade (Turma 2015114) Ciências Contábeis FEA/NECMA/USP Consultoria de Relato Integrado/Cases Roberto S Gonzalez roberto@bussolagovernanca.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS

LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS 1 LOJAS COLOMBO S/A COMÉRCIO DE UTILIDADES DOMÉSTICAS E CONTROLADAS RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, a administração de Lojas Colombo S/A

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO.

FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. FACILIDADE E SEGURANÇA NA GESTÃO DO AGRONEGÓCIO. Um dos principais pilares da economia, o agronegócio é marcado pela competitividade. Com 15 anos de experiência, a SIAGRI é uma das mais completas empresas

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

Release de Resultados do 4T13

Release de Resultados do 4T13 São Paulo, 19 de fevereiro de 2014 A Eucatex (BM&FBovespa: EUCA3 e EUCA4), uma das maiores produtoras de painéis de madeira do Brasil, que atua também nos segmentos de tintas e vernizes, pisos laminados,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Estrutura de Governança Corporativa

Estrutura de Governança Corporativa Estrutura de Governança Corporativa Conselho de Administração Composto de nove membros, sendo dois independentes (sem vínculos com os acionistas signatários do acordo de acionistas, na forma da regulamentação

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Apresentação para Investidores. Março, 2009

Apresentação para Investidores. Março, 2009 Apresentação para Investidores Março, 2009 1 Filosofia Gerdau VISÃO Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação 3T08 Apresentação de Resultados José Carlos Aguilera (Diretor Presidente e de RI) Eduardo de Come (Diretor Financeiro) Marcos Leite (Gerente de RI) Destaques do Período Contexto de crise no

Leia mais

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim.

Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Auditoria com Foco em Riscos: a experiência do Banco Votorantim. Wagner Roberto Pugliese - Certified Internal Auditor (CIA ) Certification in Control Self-Assessment (CCSA ) Banco Votorantim Diretor de

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais