Relações Brasil-Suécia: Reaparelhamento e Transferência Tecnológica no Âmbito da Força Aérea Brasileira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações Brasil-Suécia: Reaparelhamento e Transferência Tecnológica no Âmbito da Força Aérea Brasileira"

Transcrição

1 Relações Brasil-Suécia: Reaparelhamento e Transferência Tecnológica no Âmbito da Força Aérea Brasileira Edson Tomaz de Aquino 1 Apoena Bezerra Evangelista 2 Bruna Fraga dos Santos 3 Joana Maria Barreto Andrade 4 Jorge Matheus Oliveira Rodrigues 5 Luiz Felipe Mota Nunes 6 RESUMO: O objetivo principal deste artigo é discutir o processo de compra de novos caças feito pelo Governo Federal, a fim de reaparelhar as Forças Armadas com a transferência de tecnologia de uso dual. Após longo processo de negociação, o Estado brasileiro opta pelo modelo Gripen da empresa sueca Saab, estabelecendo um novo patamar nas relações entre os dois países, ao nível de uma parceria estratégica. Para tanto, toma-se por base o conceito de Estado desenvolvimentista, adotado por CERVO & BUENO. Será feito um Estudo de Caso, a partir da análise de documentos oficiais e acadêmicos, bem como sites específicos da área. Como conclusão, verifica-se que a escolha dos caças suecos enquadra-se nos objetivos estratégicos de ambos os países, principalmente no caso brasileiro no concernente à transferência de tecnologia. Palavras-chave: Relações Brasil-Suécia; indústria de defesa; aeronaves caça; reaparelhamento; transferência de tecnologia; estratégia. 1 Doutor em Relações Internacionais e Professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal de Sergipe. 2 Graduanda em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe. 3 Graduanda em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe. 4 Graduanda em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe. 5 Graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe. 6 Graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Sergipe.

2 INTRODUÇÃO Pensar em defesa nacional envolve estabelecer parâmetros de análise históricos e atuais. O Brasil, na década de 70, iniciava a sua indústria de defesa, sob o comando dos militares. Nessa época, preponderava-se a ideia de que era necessário fomentar a potência bélica concomitantemente ao desenvolvimento de outras áreas sociais. Durante a história do armamento brasileiro houve momentos de apogeu - como a época supracitada e momentos de declínio, os quais estão atrelados a diferentes políticas de governo. O aparelhamento da força aérea, em âmbito interno, sempre foi uma questão colocada em pauta. A rápida obsolescência da tecnologia dos caças e a constante necessidade de renovação faz com que diretrizes orçamentárias sejam discutidas e que processos licitatórios sejam anunciados. Durante os últimos 15 anos, a negociação com a indústria aeronáutica dos países europeus e americanos tomou forma, e com isso, outros fatores foram incluídos nela, inclusive a transferência de tecnologia e as relações comerciais. No início de 2014, o Governo Dilma anunciou a compra dos caças suecos a partir da assinatura de acordos, os quais trarão benefícios não só para a indústria aeronáutica brasileira, mas também para as relações bilaterais entre os países. Dessa forma, serão apresentados no artigo a relação entre Brasil e Suécia, indo desde suas relações comerciais, de investimentos industriais e infraestrutura, troca de tecnologia, até similaridades da agenda internacional de ambos os países. A expectativa, sobretudo, é o cumprimento dos acordos firmados, uma vez que assim realizados, proporcionarão um aprimoramento da indústria bélica e o intercâmbio de conhecimento entre os dois. DOCUMENTOS DE DEFESA E REAPARELHAMENTO DO DAS FORÇAS Os esforços dos ministérios da Defesa, das Relações Exteriores e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), dão respaldo à indústria de defesa. O Livro Branco de Defesa Nacional (BRASIL,2012), em seu capítulo 4, intitulado A defesa e o desenvolvimento industrial, ressalta o desenvolvimento da indústria de defesa nacional e a independência tecnológica como políticas indispensáveis para o adequado equipamento das Forças Armadas e para o próprio desenvolvimento nacional: A Estratégica Nacional de Defesa (END) estabelece o desenvolvimento da indústria de defesa nacional e a independência tecnológica como diretrizes indispensáveis para o adequado equipamento das Forças Armadas e para o próprio desenvolvimento industrial (BRASIL, 2012). A importância da Base Industrial de Defesa e do desenvolvimento autônomo das tecnologias indispensáveis à defesa nos termos da END (Brasil, 2012) também é vislumbrada quando da análise da Política Nacional de Defesa e da Estratégia Nacional de Defesa 7, ambas em suas versões mais atualizadas, de A Estratégia Nacional de Defesa (END) destaca três pontos, aos quais denomina de Eixos Estruturantes. São eles: 1. Organização e orientação das Forças Armadas a fim de melhor desempenharem sua destinação constitucional e suas atribuições na paz e na guerra. 2. O segundo eixo estruturante refere-se à reorganização da Base Industrial de Defesa, para assegurar que o atendimento às necessidades de tais produtos por parte das Forças Armadas apoie-se em tecnologias sob domínio nacional, preferencialmente as de emprego dual (militar e civil). 3. O terceiro eixo estruturante versa sobre a composição dos efetivos das Forças Armadas e, consequentemente, sobre o futuro do Serviço Militar Obrigatório. 7 A PND fixa os objetivos da Defesa Nacional e orienta o Estado sobre o que fazer para alcançá-los. A END, por sua vez, estabelece como fazer o que foi estabelecido pela Política (BRASIL, 2012). 2

3 Ademais, a END estabelece o alcance da independência nacional através da capacitação tecnológica autônoma, inclusive nos estratégicos setores espacial, cibernético e nuclear. Tal consideração nos remete às tecnologias duais, produzidas tanto para fins militares quanto para o uso civil a exemplo da aviação civil, muito beneficiada pelos avanços no setor militar, que se enquadra no cenário de impulso e fomento ao desenvolvimento nacional. Desta forma, a indústria de defesa desdobra-se também como propulsora da ciência e tecnologia na sua aplicação na economia, ao agregar valor aos produtos. Busca qualificar o país na divisão internacional do trabalho (AQUINO, 2015). Nesse sentido, a país passa a rever o modelo adotado durante a década de 90, quando da vigência do neoliberalismo, perpetrado pelo Consenso de Washington. Adota-se, portanto, um modelo de Estado desenvolvimentista, visando a superação das vulnerabilidades estruturais e consequente impulso ao desenvolvimento nacional. Como afirmam Cervo e Bueno: O Estado desenvolvimentista, de características tradicionais, reforça o aspecto nacional e autônomo da política exterior. Trata-se do Estado empresário, que arrasta a sociedade no caminho do desenvolvimento nacional mediante a superação de dependências econômicas estruturais e a autonomia de segurança (CERVO, BUENO. 2002, p.457). A Política Nacional de Defesa (PND), por sua vez, ressalta a importância do investimento do Estado em setores de tecnologia avançada (BRASIL, 2012) a fim de superar as vulnerabilidades existentes. E ainda: A persistência de ameaças à paz mundial requer a atualização permanente e o aparelhamento das nossas Forças Armadas, com ênfase no apoio à ciência e tecnologia para o desenvolvimento da indústria nacional de defesa. Visa-se, com isso, à redução da dependência tecnológica e à superação das restrições unilaterais de acesso a tecnologias sensíveis (Política Nacional de Defesa. BRASIL, 2012). Quando da listagem dos Objetivos Nacionais de Defesa, a PND aponta a necessidade de desenvolver a indústria nacional de defesa, orientada para a obtenção da autonomia em tecnologias indispensáveis, bem como de estruturar as Forças Armadas em torno de capacidades, dotando-as de pessoal e material compatíveis com os planejamentos estratégicos e operacionais (BRASIL, 2012). Não obstante, consta na PND o desejo de integração da Base Industrial de Defesa na América do Sul, o que demonstra não apenas o reconhecimento da necessidade de desenvolvimento da área, mas também a inclinação pacífica e cooperativa do processo de reaparelhamento das Forças. Nesse sentido, cabe citar a END: A Base Industrial de Defesa será incentivada a competir em mercados externos para aumentar a sua escala de produção. A consolidação da União de Nações Sul- Americanas (UNASUL) poderá atenuar a tensão entre o requisito da independência em produção de defesa e a necessidade de compensar custo com escala, possibilitando o desenvolvimento da produção de defesa em conjunto com outros países da região (Estratégia Nacional de Defesa. BRASIL, 2012). 3

4 Ainda de acordo com a END, Serão buscadas parcerias com outros países, com o propósito de desenvolver a capacitação tecnológica e a fabricação de produtos de defesa nacionais, de modo a eliminar, progressivamente, a dependência de serviços e produtos importados (BRASIL, 2012). Deve-se salientar que a indústria da defesa possui peculiaridade no tocante as normas da OMC (Organização Mundial do Comércio). Por ser estratégico à segurança nacional, esse segmento da indústria não está atrelado às restrições impostas pela entidade, como subsídios governamentais, normas às licitações para compras externas e regime tributário. Com efeito, é evidente a correlação entre Defesa e o Desenvolvimento do país. Não obstante, destacam-se também o interesse brasileiro em se capacitar a fim de adquirir autonomia no desenvolvimento tecnológico, bem como a necessidade de reaparelhamento das Forças. Considerando a inserção do Brasil no cenário internacional, evidencia-se ainda a necessidade de ajuste da capacidade de defesa brasileira ao papel que o país pretende desempenhar. Ainda que o Brasil não possua contenciosos com seus vizinhos e as ameaças a sua segurança não sejam eminentes, o país tem sinalizado sua aspiração em ocupar um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Sua participação contínua em missões de paz reflete esse desejo, o que respalda os investimentos na área militar. Nesse sentido, cabe pontuar que o plano de reaparelhamento das Forças Armadas, divulgado em 2012, prevê investimentos de cerca de 120 bilhões de dólares, a serem investidos num prazo de 20 anos. Embora o país seja reconhecido pela sua cultura de paz, o plano reflete o estágio de defasagem operacional das Forças, pelos poucos investimentos recebidos, principalmente na década de 90, período em que o Estado se ajustou aos ditames do Consenso de Washington, que envolveram privatização de empresas estatais, ampla abertura comercial e corte nos investimentos, em consonância com a Lei de Responsabilidade Fiscal. Estão previstos investimentos na construção de submarinos, fortalecimento da defesa antiaérea, compra de novos aviões de caça, com transferência de tecnologia, reaparelhamento da força terrestre e meios de defesa cibernética, com a proteção da rede de internet. É nesse cenário que se estabelece o processo de negociação entre Brasil e Suécia a fim de acordar a compra dos caças Grippen, da empresa sueca Saab. RELAÇÕES BRASIL-SUÉCIA ACORDO EMBRAER-SAAB O processo de escolha dos aviões de caça remonta ao ano de 1994, ainda no governo Itamar. Nesse ano, o governo brasileiro passa a procurar interessados em oferecer um novo avião de caça para substituir os Mirage e os F-5, que já estavam perto de atingir seu limite operacional. No governo seguinte, Fernando Henrique Cardoso lança o programa de modernização da Força Aérea Brasileira (doravante, FAB). O edital é lançado em 2001 e se apresentam os seguintes modelos: Sukhoi e MiG-29, da Rússia; Mirage, da França; F/A-18 e F-16, dos Estados Unidos; Eurofighter, do consórcio europeu envolvendo Reino Unido, Alemanha, Itália e Espanha; e Gripen, da Suécia. Vale ressaltar que FHC termina seu segundo mandato sem tomar uma decisão acerca da compra dos caças apesar das diversas reuniões realizadas a fim de que um modelo fosse escolhido (WINAND; SAINT-PIERRE. 2003). Quando do início do governo Lula, o processo licitatório é, mais uma vez, adiado, devido à ênfase no combate à fome e o enfoque nos programas sociais deixando o projeto de reaparelhamento das Forças Armadas em segundo plano. O processo foi retomado apenas em 2003, com novas propostas realizadas pelos fabricantes. 4

5 Em 2005, o projeto F-X é encerrado e os concorrentes oferecem propostas alternativas de compra direta ou aluguel das aeronaves. O programa é rebatizado de F-X2, permanecendo na disputa apenas o Dassault Rafale, o Boeing F/A-18 e o Saab Gripen NG, tendo este último a preferência da FAB, embora Lula demonstrasse que o governo fecharia com os franceses. Por fim, em 2011, o governo Dilma adia a decisão novamente e os americanos assumem a preferência. A Boeing, fabricante do modelo, chega a assinar acordo com a Embraer para vender o avião cargueiro brasileiro, o K-C 390, como forma de fortalecer sua posição junto ao governo brasileiro. Nesse cenário, a FAB inicia um processo de votação entre o Rafaele (França), o Gripen (Suécia) e o Hornet (EUA), levando em conta diversos fatores como: informações técnicas, questões diplomáticas, contratos de transferência de tecnologia (off-set), pacote de armamentos, logística e suporte por ao menos cinco anos. (SILVA et al., 2011). A tabela a seguir expõe as características levadas em conta pela FAB para a escolha dos caças: TABELA I: DADOS TÉCNICOS DOS CAÇAS CONCORRENTES Avião Rafale F3 Hornet F18 Gripen NG País França EUA Suécia Vantagens O Brasil firmou uma parceria militar prioritária com a França. Tem escala industrial estabelecida e boa relação custo benefício. É mais barato e tem um projeto aberto para desenvolvimento. Desvantagens O avião é caro e tem Congresso americano É o único problemas de escala. pode vetar a monomotor na Só a França o utiliza. transferência de disputa e ainda não tecnologia no futuro. existe além do protótipo de demonstração. Preço (com armas e R$ 263 milhões R$ 188 milhões R$ 131,6 milhões suporte) Armamentos Mísseis ar-ar, mísseis ar-terra e bombar. Mísseis ar-ar, mísseis ar-terra e bombar. Mísseis ar-ar, mísseis ar-terra e bombas. Propulsão Biturbina SNECMA Biturbina GE F414- Monoturbina GE M88-2E4, de a 400, de a F kg de empuxo Kg de empuxo Peso vazio kg kg Composição 25% de materiais 40% de titânio 60% de liga de estrutural compostos alumínio Carga G +9/-3,2 (limite +11g) +7,5/-3,0 (limite +10 g) +9/-3,0 Controle de Voo Controles eletrônicos digitais de autoridade Controles eletrônicos digitais de autoridade Controles eletrônicos digitais de autoridade plena (FADEC+ plena (FADEC+ plena (FBW, de FBW, de quádrupla redundância) FBW, de quádrupla redundância) quádrupla redundância) Fonte: Desenvolvido com base em dados apresentados no jornal Folha de S. Paulo, de 02 de agosto de 2009, pg. A10, e na revista Forças Armadas em Revista, ano 4 n. 15,

6 O modelo dos Estados Unidos era o mais cotado principalmente porque era considerado pelos militares como um modelo de alta potência e alta escala de produção (SILVA et al., 2011). Tal situação persistiu até que, em 2013, ocorreu a eclosão do escândalo da espionagem da Agência Nacional de Segurança dos EUA escândalo este que incluía altos membros do governo e até mesmo a presidente. O caso afastou o Brasil dos Estados Unidos, reforçando as desconfianças quanto ao cumprimento do acordo de transferência de tecnologia. Na área da cooperação militar entre os dois países, ainda é lembrado o fracasso do acordo nuclear dos anos 70. Com relação ao modelo francês, uma questão foi levada em conta: a França tem um histórico ruim em seus acordos militares, principalmente no tocante à transferência de tecnologia, sendo considerado um país que não cumpre totalmente seus acordos (SILVA et al., 2011). Sendo assim, fica notável que a preço e transferência de tecnologia tornaram-se os fatores mais influentes na escolha. Com isso, o sueco Gripen se tornou o favorito, até ser o escolhido, no final de 2013, com um pacote de 36 aviões fornecidos por 4,5 bilhões de dólares, preço bem abaixo dos concorrentes. Após a divulgação, em 2014, o ministro da Defesa, Celso Amorim, assina em Estocolmo dois acordos que dão sequência ao processo de compra dos caças. Um dos acordos estabelece intenções entre os dois países em desenvolver projetos na área militar. O outro se refere à proteção de informações sigilosas sobre a compra dos caças e de outros projetos que possam ser desenvolvidos na parceria bilateral. O acesso aos códigos-fontes permite ao Brasil poder integrar outros equipamentos e sistemas operacionais às funções originais dos aviões. Em última instância, dissolvem-se possíveis relações de dependência em relação ao detentor da tecnologia. Outro ponto a ser destacado do acordo é o direito do Brasil vender o Gripen no mercado regional, tornando-se porta de entrada dos suecos na América Latina. Para o ministro da Defesa da Suécia, Peter Hultqvist, É um acordo importante que abre outras oportunidades para o Gripen, projeto que estabeleceu uma nova relação entre os dois países (DEFESANET, 2014). Para o então comandante da FAB, Juniti Saito, o Brasil possui um parque industrial apto a receber a nova tecnologia advinda do negócio entre os países. Posso garantir que estamos preparados e que vamos honrar todos os compromissos sobre confidencialidade de informações (RIBEIRO, Stênio. EBC, 2014) De acordo com nota divulgada no jornal EBC: A expectativa é que seis unidades da versão C/D cheguem ao Brasil no primeiro trimestre de 2016 e os outros quatro desembarquem por aqui no início de As primeiras unidades da versão NG são esperadas para Diante disso, o comandante da FAB destacou a importância do contato prévio dos pilotos e equipes técnicas de solo com uma versão similar à adquirida pelo Brasil, familiarizando-os com o equipamento (EBC, 2014). 6

7 Caça Gripen NG Demo. Fonte: https://www.flickr.com/photos/saabgroup/ /in/album / RELAÇÕES DIPLOMÁTICAS E COMERCIAIS Dos países escandinavos, talvez a Suécia seja o país com quem o Brasil tenha mais familiaridade. Em 1826 as primeiras relações diplomáticas foram estabelecidas entre o Império brasileiro e o Reino da Suécia, e foram mantidas por longo período até uma visita de Dom Pedro II ao país nórdico cinquenta anos mais tarde. Após a chegada de uma leva de imigrantes suecos em 1890 ao Brasil o comércio entre ambos países foi intensificado. Em 1924 a Ericsson - gigante mundial em tecnologia da mobilidade e comunicação - chegou ao país, sendo um das primeiras empresas estrangeiras a investir no Brasil. As boas relações entre os dois países também se deve a convergência de percepção em diversos temas da agenda internacional. Em 2008, o Plano de Ação da Parceria Estratégica foi assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, visando diversificar o diálogo sueco-brasileiro para que este contemplasse diversas áreas de investimento como comércio e investimentos, bioenergia, defesa, meio ambiente, ciência, tecnologia e inovação, educação e cultura. 8 Um fator que propicia efetividade deste acordo e da proximidade de ambos países é a Suécia ser atualmente, a maior consumidora do etanol brasileiro na União Européia e importante aliada nos esforços para a criação de um mercado internacional de biocombustíveis e para a liberalização do comércio do produto no bloco (BRASIL,2015). Fortalecendo esta aproximação entre ambos países, foi inaugurado em 2011, em São Bernardo do Campo, o CISB Centro Brasil-Suécia de Pesquisa e Inovação que visa investir em esferas de tecnologia de ponta buscando aperfeiçoar as áreas da defesa, aeroespacial e cidades sustentáveis com ênfase na segurança pública, saneamento e tratamento de resíduos sólidos. 8 Informação disponível em < Acesso em 04/07/2015 7

8 Em entrevista cedida em março de 2015 ao Centro de Pesquisa e Inovação Sueco- Brasileiro, o novo embaixador sueco Per-arne Hjelmborn afirmou que: "O Brasil é um parceiro estratégico para a Suécia e de longe o nosso maior mercado exportador na América Latina. São mais de 200 subsidiárias suecas e as empresas de origem sueca estabelecidas no Brasil empregam mais de pessoas. A forte presença industrial e o nosso longo histórico proporcionam ao Brasil uma certa vantagem competitiva em relação a outros mercados emergentes e é definitivamente algo que nós devemos desenvolver quando exploramos novas oportunidades para cooperação comercial e de investimentos. Há um enorme potencial inexplorado em novos setores como, por exemplo, alta tecnologia, tecnologias de informação e comunicação e biociências. Mas também em setores tradicionais como mineração e florestal, nos quais ambos os países são líderes, existem grandes oportunidades para o desenvolvimento de negócios e cooperações." 9 A partir desta proximidade e de negociações para o investimento e cooperação nos setores de tecnologia e defesa, em 2013 a primeira fábrica da SAAB (Aeroplano Sueco Limitada, numa tradução livre) foi instalada em São Bernardo do Campo, no ABC paulista após três anos de extensas negociações, sendo escolhida pela presidente Dilma Rousseff 10. A parceria Brasil-Suécia no tocante à cooperação em Defesa é possibilitada, dentre outros fatores, pelo histórico de neutralidade do país europeu em conflitos internacionais tal como a II Guerra Mundial. Além disso, o país não é membro da OTAN, bem como se encontra livre de ameaças terroristas e de tensões e conflitos, fazendo com que se encontre em plano secundário quando de pressões políticas ou por alianças militares. Cabe ressaltar que a aquisição dos caças suecos inaugura uma relação bilateral mais estreita. O projeto conjunto entre a Saab e a Embraer para a fabricação da aeronave em solo brasileiro deve se estender por 30 anos. O desenvolvimento conjunto dos aviões com o Brasil vai permitir que a Suécia reduza os custos de investimento no projeto. Além de promover uma parceria promissora coma a Embraer, uma das empresas aeronáuticas mais importantes do mundo, o projeto está vinculado à geração de empregos qualificados. A parceria entre a Saab e a Embraer pode também beneficiar a venda do jato de transporte militar KC-390 à Suécia, para substituir aeronaves C-130 Hércules, que deixaram de ser fabricados. O Gripen NG (New Generation) começa a ser produzido em Nos próximos 20 anos, a previsão é que o mercado de caças supersônicos absorva unidades. Desse total, a parceria entre a Saab e a Embraer tem condições de disputar unidades no mercado mundial, que exclui a Rússia e China. A intenção da parceria é conquistar de 10 a 15% desse mercado, com valor estimado de 30 a 35 bilhões de dólares (DEFESANET, 2014). A montagem final e a integração de sistemas operacionais será feita na unidade fabril de Gavião Peixoto, da Embraer, no interior de São Paulo. O acordo prevê o envio de 100 a 200 engenheiros para a Suécia, para atuarem no desenvolvimento do Gripen na Saab. Numa segunda fase, esse grupo repassará o conhecimento obtivo para equipes no Brasil. A Embraer se consolidou nos últimos anos entre as quatro maiores fabricantes de aeronaves comerciais do mundo. A Saab, por sua vez, vislumbra solidificar a posição como líder mundial na produção de avião de caça. A parceria reforça a plataforma de crescimento 9 Entrevista completa disponível em < Acesso em 05/07/ Disponível em < Acesso em 05/07/2015 8

9 da Embraer no mercado global e fortalece os laços entre Brasil e Suécia, principalmente no setor da indústria da defesa, constituindo-se como uma parceria estratégica para ambos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Mesmo a indústria de defesa nacional tendo passado por momentos de ápice e por momentos de declínio, a iniciativa de fomentar e desenvolver a área de segurança e defesa nacional não foi esquecido completamente. Em âmbito interno o reaparelhamento da Força Aérea Brasileira (FAB), bem como das Forças Armadas (FFAA) como um todo, ganha respaldo e apoio em documentos nacionais como, por exemplo, o Livro de Defesa Nacional. Em décadas passadas, em meio a alguns percalços e foco em outros setores, como o social, o pensamento de promoção da indústria de defesa, capacitação tecnológica e o reaparelhamento das FFAA foi adiado mas, a busca por parcerias com outros países a fim de promover o desenvolvimento tecnológico e, por conseguinte, acabar com a dependência de produtos e serviços estrangeiros hoje é uma realidade e é um assunto constante na agenda nacional. Em meio a propostas por parte de diversos parceiros comerciais, em 2014 o país escolhido para dar início ao reaparelhamento das FFAA, mais especificamente da FAB, foi a Suécia. O então ministro da Defesa, Celso Amorim, assina os acordos onde estabelece reais intenções entre ambos os países em desenvolver projetos na área militar e aborda a proteção de informações de caráter sigilosas sobre a compra dos caças Gripen. A Suécia é considerado um país neutro nos grandes conflitos internacionais, tais como a II Guerra Mundial. Apesar de europeu, o país não faz parte da OTAN. Não obstante, o país não sofre de ameaças terroristas ou tensões que o envolvam diretamente. Nesse sentido, a Suécia é colocada em segundo nas pressões políticas ou por engajamento em alianças militares. É oportuno ressaltar que a relação amistosa entre o Brasil e Suécia vem de longa data. As boas relações entre ambos os países acontecem também em diversas outras aéreas como: meio ambiente, ciência, educação, cultura entre outros. A partir disso, evidencia-se a confiança e boas relações já existentes entre o governo brasileiro e o sueco, parceria esta que já acontecia em outros setores e agora abrange de forma efetiva o projeto da compra e desenvolvimento dos caças, gerando benefícios para ambos os governos. A parceria entre a Embraer e a Saab fortalece ainda mais a relação existente entre os dois países. O desenvolvimento conjunto das aeronaves simboliza não apenas o aprofundamento das relações entre as nações, mas um impulso à Base Industrial de Defesa, possibilitando o pleno exercícios das funções da FAB, estabelecidas pela Constituição e pelos documentos de Defesa. 9

10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO, Edson Tomaz de. Indústria de Defesa Nacional: das cinzas ao horizonte das parcerias estratégicas. In: CHAVES, Daniel; WINAND, Érica; PINHEIRO, Lucas (org.). Perspectivas e Debates em Segurança, Defesa e Relações Internacionais. Macapá: Ed. Unifap; R.J: Autografia. 2015, p BRANDÃO, Marcelo. Brasil e Suécia assinam acordos sobre compra de caças. Disponível em: <http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/2014/04/brasil-e-suecia-assinam-acordos-sobrecompra-dos-cacas-gripen-ng>. Acesso em: 06/07/2015. BRASIL. Estratégia Nacional de Defesa. Brasília, BRASIL. Política Nacional de Defesa. Brasília, BRASIL. Livro Branco de Defesa Nacional. Brasília, BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Disponível em: <http://www.itamaraty.gov.br/index.php?lang=pt-br>. Acesso em: 06/07/2015. BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Reino da Suécia. Disponível em: < Acesso em 04/07/2015. CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da Política Exterior do Brasil. Brasília. Editora UnB, CISB. Brasil, um parceiro estratégico para a Suécia. Disponível em: < Acesso em 05/07/2015. PODER AÉREIO. Empresa sueca de caças vai instalar fábrica em São Bernardo, no ABC. Disponível em: < Acesso em 05/07/2015. WINAND, Érica C. A.; SAINT-PIERRE, Héctor Luis. A questão da Defesa e as Forças Armadas Brasileiras nos primeiros meses do Governo Lula. Santiago do Chile,

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

VIII Curso de Extensão em Defesa Nacional. O Programa FX-2 e sua relevância estratégica para o Brasil

VIII Curso de Extensão em Defesa Nacional. O Programa FX-2 e sua relevância estratégica para o Brasil Apresentação VIII Curso de Extensão em Defesa Nacional O Programa FX-2 e sua relevância estratégica para o Brasil 1 filme ROTEIRO 1 FILME Sweden is the size of Sao Paulo Swedish capital companies: Volvo,

Leia mais

QUAL A MELHOR OPÇÃO PARA O EXTINTO PROGRAMA FX?

QUAL A MELHOR OPÇÃO PARA O EXTINTO PROGRAMA FX? QUAL A MELHOR OPÇÃO PARA O EXTINTO PROGRAMA FX? Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos

Leia mais

FX-2 Até quando esperar?

FX-2 Até quando esperar? FX-2 Até quando esperar? Roberto Portella Bertazzo Graduado en Historia na Universidade Federal de Juiz de Fora; Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa da Universidade Federal

Leia mais

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012 ¹ Ano: 2012 1 HENRIQUE REZEZINSKI é membro do Conselho Curador do CEBRI e presidente da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham-Rio). CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais +55

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA SOBRE OS RESULTADOS DAS CONVERSAÇÕES OFICIAIS ENTRE O PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, E O PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, VLADIMIR V. PUTIN

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 546, DE 2005

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 546, DE 2005 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 546, DE 2005 Submete ao Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República

Leia mais

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS

TRATADO BRASIL - ESTADOS UNIDOS PARA EVITAR A BITRIBUTAÇÃO CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão de Finanças e Tributação Comissão de Relações Exteriores Grupo Parlamentar Brasil-EUA AmCham Brasil Câmara Americana de Comércio Roberto Pasqualin Conselheiro Legal AmCham

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Edital 38/2015 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

Discurso do ministro Armando Monteiro na US Chamber of Commerce durante a 3ª Cúpula Empresarial Brasil-Estados Unidos

Discurso do ministro Armando Monteiro na US Chamber of Commerce durante a 3ª Cúpula Empresarial Brasil-Estados Unidos Discurso do ministro Armando Monteiro na US Chamber of Commerce durante a 3ª Cúpula Empresarial Brasil-Estados Unidos Senhoras e senhores, Tenho grande satisfação em participar deste encontro, que se realiza

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994.

DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. DECRETO Nº 1.211, DE 3 DE AGOSTO DE 1994. Promulga o Tratado Geral de Cooperação e Amizade e o Acordo Econômico Integrante do Tratado Geral de Cooperação e Amizade, entre a República Federativa do Brasil

Leia mais

GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil

GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil GE Aviation e o Gripen NG - Manutenção do motor F-414 poderá ser feita no Brasil Por Roberto Caiafa Na última quinta feira, 30 de outubro, a GE Celma, subsidiária da GE Aviation baseada em Petrópolis (RJ),

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança São Paulo, 20 de outubro de 2011 Armando Lemos Diretor Técnico Roteiro A ABIMDE e a BID Cenário Nacional Estratégia Nacional de Defesa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO

AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO AUTONOMIA TECNOLÓGICA E SEGURANÇA CIBERNÉTICA: DESAFIOS PARA A COOPERAÇÃO ENTRE AS FORÇAS ARMADAS E O SETOR PRIVADO NO COMPLEXO INDUSTRIAL BRASILEIRO 1 / 23 OBJETIVO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil Documento informativo Treinamento como ferramenta na mitigação de problemas ambientais

Leia mais

Panorama da transferência de tecnologia - "ToT" Apresentação para os Parlamentares Brasileiros

Panorama da transferência de tecnologia - ToT Apresentação para os Parlamentares Brasileiros Panorama da transferência de tecnologia - "ToT" Apresentação para os Parlamentares Brasileiros 1 O Caminho para a Independência Tecnológica (I) : uma parceria estratégica completa entre o Brasil e a França

Leia mais

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros Congresso SAE BRASIL 2013: Congresso e Exposição Internacionais de Tecnologia da Mobilidade SAE BRASIL, 7 a 9 de outubro, Expo Center Norte, São Paulo, SP Painel Aeroespacial. Tema-título: Soluções Inovadoras

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP)

José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp, PUC-SP) Perspectivas para o desenvolvimento de uma indústria Sul- Americana de material de defesa: o Conselho de Defesa Sul- Americano como catalisador da cooperação regional. José Augusto Zague Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

LAAD E FIDAE HAVERÁ ESPAÇO PARA AS DUAS?

LAAD E FIDAE HAVERÁ ESPAÇO PARA AS DUAS? LAAD E FIDAE HAVERÁ ESPAÇO PARA AS DUAS? Roberto Portella Bertazzo, Bacharel em História pela UFJF e Membro da Sociedade Latino Americana de Historiadores Aeronáuticos (LAAHS) Membro de Centro de Pesquisas

Leia mais

Programa Complexo Industrial da Defesa

Programa Complexo Industrial da Defesa Programa Complexo Industrial da Defesa Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Junho/2010 Gestor: Almirante-de-Esquadra Gilberto Max Roffé Hirschfeld Secretário

Leia mais

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011

COMUNICADO FINAL. XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 COMUNICADO FINAL XXIXª Comissão Bilateral Permanente Washington 5 de Maio de 2011 Na 29ª reunião da Comissão Bilateral Permanente Portugal-EUA, que se realizou em Washington, a 5 de Maio de 2011, Portugal

Leia mais

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.

A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria. A Guerra é a continuação da política por outros meios (Carl Von Clausewitz (1780-1831) Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Termos comuns: SOFT POWER O Poder Suave: situação na qual um

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas 29 abril 2014 Fundamentação Lei da Inovação Nº 10.973, 02 Dez 2004 Regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, 11 Out 2005 Artigo 20, do Decreto Nº

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Reunião de Foz do Iguaçu Excelentíssimo

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe.

iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, do estado palestino judeu e do estado palestino árabe. 1 iom haatzmaút 2015 neste ano de 2015 o estado de israel completa 67 anos de independência, decretada no ano de 1948 após uma decisão da assembléia geral da onu de 1947, presidida pelo brasileiro osvaldo

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal aposta no Sistema Educativo Formação e Criação de Novas Infra-Estruturas UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA DA EDUCAÇÃO AIP - Feiras, Congressos

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação

ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação ARRUDA, Mauro; VERMULM. Roberto; HOLANDA, Sandra. Inovação Tecnológica no Brasil; a Indústria em Busca da Competitividade Global. São Paulo: Associação Nacional de Pesquisa ANPEI, 2006. 117p. Kira Tarapanoff

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha. Brasília, 20 de agosto de 2015

Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha. Brasília, 20 de agosto de 2015 Comunicado Conjunto por ocasião das Primeiras Consultas Intergovernamentais de Alto Nível Brasil-Alemanha Brasília, 20 de agosto de 2015 Em 19 e 20 de agosto de 2015, a Presidenta da República Dilma Rousseff

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa Marcelo Rech, Editor do InfoRel. inforel@inforel.org O aumento da potência militar próxima da fronteira da Rússia não vai contribuir para o fortalecimento das

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas

A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas A Experiência Brasileira na Adoção do IFRS para Pequenas e Médias Empresas Balneário Camboriú-SC 21 de julho de 2011 O padrão IFRS é adotado, atualmente, por cerca de 140 países(1) e por milhões de pequenas

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Os interesses empresariais brasileiros na América do Sul Os interesses empresariais

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA

BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA BNDESPAR INGRESSA NO CAPITAL SOCIAL DA RENOVA ENERGIA Por meio de um investimento estratégico de até R$314,7 milhões, a BNDESPAR ingressa no capital social da Renova Energia. Parceria de Longo Prazo A

Leia mais

Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh

Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh Relato Ciclo de Palestras com David Shambaugh China Goes Global: the partial power Assessing China s relation with Latin America China: the challenges of the new leadership RJ, DF e SP, 13 a 15 de maio

Leia mais

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Encontro de Negócios em Inovação e Tecnologia itec 2015 São Paulo, SP 28

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2

ROTEIRO. Apresentação de propriedade da ABIMDE (Associação das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) 2 A INDÚSTRIA DE DEFESA E SEGURANÇA NO BRASIL 2013 ROTEIRO ABIMDE e a Base Industrial de Defesa Cenário Nacional Transferência de Tecnologia Protecionismo e Comércio Internacional Defesa e Desenvolvimento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Proposta de T emplate GT Cultura, Turismo e Imagem do Reunião do GEOlimpíadas Brasil

Proposta de T emplate GT Cultura, Turismo e Imagem do Reunião do GEOlimpíadas Brasil GT Cultura, Proposta Turismo de Template e Imagem do Reunião do Brasil GEOlimpíadas Objetivo/Missão Integrantes MinC, MTur, ME, Embratur, MRE, APEX, APO Objetivo Geral Coordenar, planejar e executar ações,

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo

Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Exército adquire Gepard 1A2 Antiaéreo Mais uma compra de ocasião e outro erro estratégico Conforme publicado no Boletim do Exército 11/2013, de 15 de março de 2013, o Exército Brasileiro através da Portaria

Leia mais

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa

Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Ao receber Navio Bahia, Dilma garante recursos para projetos de defesa Por Ascom Durante a cerimônia de incorporação à Marinha do Brasil do Navio Doca Multipropósito Bahia, a presidente Dilma Rousseff

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas:

Mensagem do senhor presidente da República para a 3ª Fispal Latino e ao 28º Congresso Hemisférico das Câmaras do Comércio e Indústrias Latinas: Íntegras da mensagem do Presidente Lula e do discurso da ministra Marta Suplicy no encerramento do XXVIII Congresso Hemisférico de Câmaras de Comércio e Indústrias Latinas Miami 02/06/2007. Antes de tudo,

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais