DA EUTANÁSIA EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE E CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUDENTE DE ILICITUDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA EUTANÁSIA EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE E CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUDENTE DE ILICITUDE"

Transcrição

1 DA EUTANÁSIA EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA PERSONALIDADE E CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUDENTE DE ILICITUDE EUTHANASIA - EFFECTIVE RIGHTS OF PERSONALITY AND CONSIDERATION OF EXCLUSIONARY THAN THE STANDARD OF UNLAWFULNESS RESUMO Valéria Silva Galdino Cardin Andryelle Vanessa Camilo A eutanásia é a ação ou omissão que tem como propósito acarretar ou apressar a morte de alguém para abreviar o sofrimento. A ortotanásia consiste em deixar o doente morrer naturalmente. A distanásia, que é o contrário de eutanásia, proporciona morte lenta e com sofrimento intenso. Também há a mistanásia, que ocorre quando o paciente não tem acesso ao sistema público de saúde ou o tem de forma inadequada. No Brasil, a eutanásia, em qualquer uma de suas modalidades, bem como o suicídio assistido, são incriminados. A morte deve ser pautada pelos mesmos princípios que dirigem a vida: liberdade, autonomia de vontade e dignidade. Embora a eutanásia seja formalmente antijurídica, não o é materialmente, pois não fere os interesses sociais tutelados pela norma penal. Ao contrário, defende-se que deva ser recepcionada como causa supralegal de excludente de ilicitude, por ser socialmente aceita. Mas ainda não é o ideal, por se acreditar que a eutanásia ativa, quando solicitada pelo paciente de forma livre, refletida e inequívoca, não se trata de crime. A família poderá decidir pelo doente quando este estiver inconsciente, desde que haja manifestação inequívoca dessa vontade, anterior à incapacidade. Nos casos em que o enfermo não manifestou nenhuma opinião, há que se obedecer a três critérios: a enfermidade deverá se circunscrever ao coma profundo, ao estado vegetativo, ou a doença degenerativa em estágio avançado; lapso temporal razoável determinado por lei e diagnóstico de três profissionais que atestem a irreversibilidade da doença e a impossibilidade de cura. A eutanásia ativa, realizada fora das regras sugeridas acima, deverá ser considerada homicídio. Na ortotanásia não há crime porque o paciente faz a opção de morrer naturalmente. Ainda que não haja previsão expressa no ordenamento jurídico pátrio, deve ser reconhecido o direito à eutanásia, dentro das hipóteses sugeridas, pois que significa morrer com dignidade. PALAVRAS-CHAVES: EUTANÁSIA. DIREITOS FUNDAMENTAIS. EXCLUDENTE DE ILICITUDE. ABSTRACT Euthanasia is the act or omission which is to cause or hasten the death of someone in order to shorten her suffering. The orthothanasia is to let the patient die naturally. The 3652

2 dysthanasia, which is opposed to euthanasia, provides slow death and severe suffering. There is also a social euthanasia, which occurs when the patient does not have access to the public health system and has so inadequate. In Brazil, euthanasia, in any of its modalities, as well as assisted suicide, are prosecuted. The death should be ruled by the same principles that drive the life: freedom, autonomy of will and dignity. Although euthanasia is formally against the norm, not the material is therefore not hurt the corporate interests protected by the criminal standard. Rather, it is to be approved as a cause beyond the law of exclusion of illegality, to be socially accepted. But is not ideal, because they believe that active euthanasia when requested by the patient of their own, reflected and clearly, there is no crime. The family can decide when the patient is unconscious, but it is clear manifestation of this desire, prior to failure. In cases where the patient did not express any opinion, it should be subject to three criteria: the disease should be limited to deep coma, the vegetative state, or a degenerative disease in an advanced stage; reasonable time period determined by law and a diagnosis of three who demonstrates the irreversibility of the disease and the inability to cure. The active euthanasia, carried out outside the rules suggested above, should be considered murder. In orthothanasia no crime because the patient makes the choice to die naturally. While no estimates expressed in the legal vernacular, should be recognized the right to euthanasia, in the cases suggested, because it means dying with dignity. KEYWORDS: EUTHANASIA. FUNDAMENTAL RIGHTS. EXCLUSION OF UNLAWFULNESS. 1 INTRODUÇÃO A eutanásia é a ação ou omissão que tem como intuito acarretar ou apressar a morte de alguém, a fim de lhe abreviar sofrimento decorrente de doença. A Bíblia, em I Samuel 31: 1-13, registra um caso de eutanásia quando relata a história do rei Saul, que, ferido e tendo perdido uma batalha, pede a seu escudeiro que o mate. Sêneca, que viveu cerca de 65 d.c., e foi um dos mais célebres escritores e intelectuais do Império Romano, registrou em seus escritos acerca do assunto: Somente por causa da morte a vida não é uma punição. Debaixo dos caprichos e das vicissitudes da fortuna, posso conservar minha cabeça ereta. É que tenho alguém a quem posso recorrer. [...] Contra todos os assaltos da vida eu tenho o refúgio da morte. E, se posso escolher entre uma morte de tortura e uma morte boa e frágil, porque não escolherei esta? Assim como escolho o navio no qual viajarei ou a casa na qual habitarei, assim escolherei a morte pela qual deixarei a vida. O homem deve procurar a aprovação dos outros nos negócios da vida: sua morte é assunto seu. [1] 3653

3 Quase dois mil anos se passaram desde que Sêneca deixou esse pensamento e, embora tenham ocorrido significativas modificações nos costumes, na moral e na ética, a morte ainda é um assunto que a sociedade evita, e sua discussão, mesmo no campo da ciência, causa considerável incômodo. Hodiernamente, inúmeras áreas científicas, como a medicina, o direito, a antropologia, a sociologia, a filosofia e a religião, analisam a questão da eutanásia. Porém nunca se encontrou uma fórmula conciliatória para o tema. Os favoráveis à sua prática argumentam que existem quadros clínicos irreversíveis em que o doente, muitas vezes, passando por insuportáveis dores e sofrimentos, suplica pela morte como forma de se livrar do padecimento que se tornou a vida. A antecipação da morte, prosseguem eles, além de atender ao interesse do paciente, que é morrer com dignidade, possibilita a efetivação dos direitos fundamentais da autonomia de vontade e da liberdade sobre decidir acerca de seu fim. Os que se opõem às práticas eutanásicas argumentam que é dever do Estado salvaguardar a vida humana e que possíveis direitos do doente estariam subordinados aos interesses do Estado, o que permite a este adotar medidas para prolongar a vida, até mesmo contra a vontade do seu titular. Os contrários ainda argumentam que, se o direito à eutanásia fosse reconhecido, este poderia tomar proporções nunca dantes imaginadas, dando ensejo a abusos tais como homicídios por interesses financeiros, como por exemplo, como recebimento de heranças, de seguros de vida e até comércio de órgãos. Para aqueles que nunca vivenciaram a realidade das unidades de terapia intensiva, onde se acomodam doentes terminais, em estado vegetativo, com doenças degenerativas, o temor ainda é maior do que a tentativa de regulamentar essa prática para os que se encontram débeis fisicamente e clamam pela morte. Casos extremos de obstinação terapêutica podem ser vistos. Cita-se, no ano de 2007, decisão da Justiça Federal do Distrito Federal que suspendeu, por meio de liminar, a Resolução do Conselho Federal de Medicina que autorizava os médicos a interromper tratamentos e procedimentos que prolongassem a vida de pacientes terminais sem chances de cura, com a sua anuência ou de seus familiares. [2] O avanço médico-tecnológico permite que se mantenha um enfermo indefinidamente vivo, porém conectado a aparelhos de sustentação artificial de vida, que lhe fornecem oxigenação, fluxo sanguíneo e alimentação. Ressalte-se que, nesse caso, ações médicas não são capazes de modificar o quadro mórbido, apenas prolongam a vida da pessoa, sem oferecer nenhuma qualidade. O pioneirismo em relação à eutanásia cabe ao Uruguai [3]. No ano de 1934, com a entrada do Código Penal vigente, esse país disciplinou, no art. 37 desse diploma, o homicídio piedoso. Para que o médico não fosse apenado, deveria ter um currículo notável, ser o ato justificado por piedade e ter o paciente manifestado o desejo de morte mais de uma vez. [4] 3654

4 Na Alemanha, a eutanásia é considerada homicídio solicitado e é prevista no art. 216 do Código Penal, que estabelece pena de seis meses a cinco anos a quem praticá-la. Dependendo da gravidade da doença, a pena poderá ser aplicada no mínimo ou substituída pela suspensão condicional. E o médico, que teve apenas a intenção de reduzir o sofrimento do paciente, ministrando-lhe droga mortal, não estará cometendo crime.[5] Na França, a prática da eutanásia é considerada assassinato e punida como homicídio voluntário crime contra a vida prevista no Código Penal, e não há precedentes jurisprudenciais a favor dela.[6] Na Espanha, o art. 143 do Código Penal prevê a redução da pena imposta à pessoa que incorrer na cooperação necessária ao suicídio ou homicídio-suicídio.[7] Nos Estados Unidos, a questão não é pacífica. A Suprema Corte tem permitido o suicídio assistido, e o Estado de Oregon foi o primeiro a aprovar lei nesse sentido.[8] A Dinamarca e a Holanda autorizam a eutanásia, sendo que esta restringe-a, entre outros, aos casos de doença incurável e depressão decorrente de senilidade, ou seja, quando o idoso se declare cansado de viver.[9] No Brasil, o mais antigo projeto de lei a favor da eutanásia foi apresentado pelo deputado Inocêncio de Oliveira (PFL-PE), em Atualmente, qualquer pessoa que praticar a eutanásia, na modalidade ativa ou passiva, ou auxiliar em um suicídio, responderá criminalmente perante a Justiça (art. 121 do Código Penal), por induzimento, instigação ou auxílio a suicídio (art. 122, do Código Penal) ou por omissão de socorro. Porém desde 1999 tramita o Anteprojeto de Reforma da Parte Especial do Código Penal,[10] fixando sanções mais brandas[11] para a eutanásia ativa direta, desde que seja o autor cônjuge, companheiro, ascendente, descendente, irmão ou pessoa ligada por laços estreitos de afeição à vitima e tenha agido por compaixão, a pedido desta, imputável e maior de dezoito anos, para abreviar-lhe sofrimento físico insuportável, em razão de doença grave e em estado terminal, devidamente diagnosticada. 2 DOS TIPOS DE EUTANÁSIA Para uma perfeita compreensão do tema, cumpre distinguir os tipos de eutanásia. Eutanásia ativa é aquela que resulta de uma ação direta para pôr termo à vida do doente. Geralmente ministra-se substância letal (veneno, gás, ou qualquer outra substância tóxica) para causar a morte do enfermo. O que a doutrina denomina como eutanásia passiva, ou ortotanásia, consiste em deixar o doente morrer naturalmente, sem o uso de aparelhos que prolonguem a vida de forma 3655

5 artificial. Nesse caso, ninguém causa a morte do paciente, apenas abre-se mão de estender seu tempo de vida. Nelson Hungria conceitua a ortotanásia como A deliberada abstenção ou interrupção do emprego dos recursos utilizados para a manutenção artificial das funções vitais do enfermo terminal, deixando assim que ele morra naturalmente, nos casos em que a cura é considerada inviável. [12] Na ortotanásia, o doente já se encontra em processo natural de morte e esta não ocorrerá imediatamente à suspensão da terapêutica, mas sim de maneira progressiva, natural. Em tais casos, será válida a administração de medicamentos para atenuar o sofrimento do enfermo. A suspensão aqui é apenas o reconhecimento de que não há nada mais a ser feito. Já distanásia, vem do grego dis, mal, algo mal feito, e thánatos, morte. Seu significado é antagônico ao de eutanásia e trata-se de obstinação terapêutica. Proporciona morte lenta, com sofrimento intenso, tanto para o doente quanto para os seus familiares. Nesse contexto, a medicina é desvirtuada, pois sua função não é apenas prolongar a vida, mas garantir qualidade a esta. Também há a eutanásia social, ou mistanásia [13], e se refere aos pacientes que não têm acesso ao sistema público de saúde, por falta de vagas ou de profissionais, e em decorrência disso acabam por morrer. Pode ainda ser motivada por erro médico. Os que tentam justificar esse tipo de eutanásia alegam que os recursos econômicos deverão ser reservados para os doentes capazes de voltar à vida produtiva e ao trabalho. Leonard Martin assevera que tal tipo de eutanásia pode ser entendida como a morte miserável, fora e antes da hora, causada por três circunstâncias: primeiro, a grande massa de doentes e deficientes que, por motivos políticos, sociais e econômicos, não chegam a ser pacientes, pois não conseguem ingressar efetivamente no sistema de atendimento médico; segundo, os doentes que conseguem ser pacientes para, em seguida, se tornar vítimas de erro médico e; terceiro, os pacientes que acabam sendo vítimas da má-prática por motivos econômicos, científicos ou sociopolíticos. [14] Observe-se que tal forma de eutanásia é homicídio e mata milhares de pessoas no Brasil, assim como em outros países, e não é discutida pela sociedade nem nos meios científicos com a mesma veemência que as demais. Em 2006, foi noticiado em site médico [15] que o Ministério de Saúde iria normatizar a permanência dos pacientes nas unidades de terapia intensiva (UTI) devido à grande 3656

6 demanda e diminuta oferta de leitos. O desejo era de que fosse obtida por lei autorização para retirar da UTI pacientes que não teriam mais expectativa. Tal idéia é brutal! Questiona-se: quem asseguraria a eficácia dessa norma, o não favorecimento de pacientes em detrimento de outros? Por sorte, tal pretensão foi afastada, já que, com a divulgação da notícia, a Ordem dos Advogados do Brasil e o Conselho Federal de Medicina se mobilizaram a fim de obstar a proposta. O escopo do Direito é tutelar os bens ou interesses [16] e a saúde é um bem constitucionalmente assegurado [17] (art. 196 da Constituição Federal). Disso denota-se que é obrigação do Estado assegurá-la e promovê-la, inclusive em caráter assistencial, [18] sendo-lhe vedado fazer qualquer diferenciação entre os destinatários. A Constituição também define que os serviços estatais de atenção à saúde da população devem ser exercidos por rede regionalizada e hierarquizada. O estabelecimento e a gestão desta competem ao Poder Executivo da União (art. 84, II, da Constituição), através do Ministério da Saúde, na forma do disposto no art. 87, parágrafo único, inc. I, da Constituição. Por se tratar de um dever de Estado, sua prestação deverá ser exercida segundo os princípios que regem a Administração Pública [19], quais sejam, moralidade, impessoalidade, legalidade, eficiência e publicidade, sem perder de vista a igualdade, a continuidade etc. Perfilhando o entendimento acima exposto, a verdadeira eutanásia é tão-somente aquela motivada pelo escopo de aliviar os sofrimentos e agruras de enfermos a pedido ou com o consentimento destes. Propugna-se que quem pratique a eutanásia nesses casos restritos, que serão oportunamente abordados neste trabalho, não deva ser punido por crime algum, ainda que de homicídio privilegiado, pois se trata de ato insigne, doloroso, acompanhado de emoções, desespero, e que certamente não seria realizado em situações ordinárias. Porém o Código Penal tipifica tais condutas, sendo que a ação ou omissão que leva à eutanásia pode caracterizar, no direito pátrio, os delitos de homicídio (art. 121) privilegiado ou qualificado -, induzimento, instigação ou auxílio a suicídio (art. 122) e omissão de socorro (art. 135), todos do Código Penal. Matar alguém (em latim hominus excidium) significa privar da vida, extinguir. [20]Homicídio outra coisa não é senão a eliminação da vida humana extrauterina, praticada por outra pessoa. Esse é um princípio aprimorado do ofertado pela lei, pois já estabelece a diferença entre o homicídio, suicídio, aborto e participação em suicídio.[21] Homicídio privilegiado é causa especial de diminuição de pena e reduz esta de 1/6 a 1/3. Sua razão de existir está vinculada à menor reprovabilidade da conduta matar em razão de sua motivação relevante valor moral ou social. Por relevante valor social entende-se aquele que, além de ser do interesse do sujeito ativo do crime, também é de interesse da coletividade. Diz respeito ao pensamento médio da sociedade e também do agente do crime, porque este a integra.[22] 3657

7 Relevante valor moral, por sua vez, é aquele que diz respeito apenas ao agente do crime, porém este conta com o apoio do pensamento médio da sociedade. É visto como nobre, altruísta, merecedor de indulgência. É nesse contexto, do relevante valor moral, que a eutanásia se insere. O agente comete o homicídio movido puramente pelo espírito de piedade e humanidade. Contudo, em que pese a motivação, a conduta é penalmente tipificada e o agente será criminalmente apenado. Destaca-se que existem magistrados que não coadunam e não admitem as práticas eutanásicas e poderiam pronunciar o agente por homicídio doloso qualificado, seja pelo uso de veneno (inc. III), seja pela utilização de recursos que dificultem ou tornem impossível a defesa do ofendido (inc. IV). Frise-se que em Portugal esse é o tratamento jurídico dispensado à eutanásia.[23] O crime de induzimento, instigação ou auxílio a suicídio (art. 122, Código Penal) incrimina a participação de alguém no suicídio de outrem, por meio de indução, instigação ou auxílio material. As condutas criminosas são: induzir, que significa criar no pensamento de alguém a idéia suicida, fazer nascer a idéia na mente do sujeito passivo; instigar é reforçar uma idéia já existente, ou seja, o sujeito passivo já havia pensado em cometer suicídio e ao compartilhar tal informação o sujeito ativo o encoraja, estimula, prestigia sua idéia; o comportamento de auxiliar significa prestar ajuda material ao suicídio, tornando mais fácil para o sujeito passivo o cometimento do ato derradeiro.[24] É nessa conduta que incide quem coloca um copo de veneno com um canudo na frente de um tetraplégico que sozinho irá sugar. A conduta de auxiliar, para que se configure, tem que ocorrer antes do início de qualquer ato executório do suicídio, ou seja, durante os atos preparatórios, acessórios ou secundários, porque o auxílio prestado em atos executórios implicaria responsabilidade penal por homicídio.[25] Note-se que tal crime é de uma amplitude absurda, pois pode apenar, por exemplo, um médico que coaduna com o desígnio suicida de seu paciente, ou que, tendo conhecimento de tal intenção, não faz nada para impedi-lo. Por fim, as condutas eutanásicas podem configurar o crime de omissão de socorro, tipificado no art. 135 do Código Penal. Esta foi elevada à categoria de crime porque decorre do não cumprimento do dever moral de solidariedade humana, inerente às pessoas que vivem em sociedade.[26] A conduta criminosa é deixar de prestar socorro, e, no caso em exame, a pessoa inválida ou ferida. Por pessoa inválida entende-se aquela que, por suas próprias forças, não pode escapar de uma situação de perigo, e por pessoa ferida aquela que tem sua incolumidade física afetada. É nessa conduta que incide o médico que deixa de ministrar medicamentos ao seu paciente que, por exemplo, se encontra em estado vegetativo. Para o ordenamento 3658

8 jurídico, a objetividade jurídica são a vida e a saúde, e o médico, ao não prosseguir com a terapêutica, recai então em omissão de socorro. Na eutanásia alguém, através de sua ação ou omissão, tira a vida de outra pessoa, e como isso é vedado pelo ordenamento jurídico o legislador associou eutanásia com os crimes que levam à morte. Contudo, a eutanásia não é homicídio, suicídio, ou omissão de socorro. Trata-se de um modo de reduzir a vida quando esta se afigura inviável em decorrência de problemas de saúde. Nesse sentido, consigna-se decisão da Justiça francesa que absolveu uma senhora de 62 anos que matou a filha. Lydie Debaine deu tranquilizantes a Anne Marie e depois afogou-a na banheira. Na época do incidente, Anne tinha 26 anos, mas sua idade mental era a de uma criança de apenas cinco anos. Além da deficiência mental adquirida por uma meningite logo após o nascimento, a jovem sofria com crises de epilepsia, fortes dores de cabeça e vômitos havia vários anos. Seu quadro era, segundo os médicos, irreversível. As dificuldades enfrentadas pela mãe sensibilizaram o júri do tribunal, que absolveu Lydie da acusação de homicídio doloso.[27] Outro caso notório, que não pode deixar de ser lembrado, é o do espanhol Ramón Sampedro. Sua história ganhou projeção com o filme Mar Adentro, vencedor do Oscar em 2005 como melhor filme. Ramón lutou anos na Justiça em busca de autorização para a eutanásia; porém, diante da recusa dos tribunais, 14 amigos o ajudaram a realizar pequenos atos que isoladamente não eram considerados crimes, mas que somados o levaram à morte.[28] A investigação para apurar sua morte foi arquivada sem que ninguém fosse incriminado. Outro detalhe interessante sobre a morte de Ramón é que foi gravado um vídeo com o registro de seus últimos instantes de vida. Como morreu ingerindo veneno, fez questão de deixar claro que foi ele, sozinho, quem o ingeriu, ainda que os amigos tivessem colocado o copo com o canudo à sua frente. Esta é uma das peculiaridades da eutanásia: os enfermos que têm o raciocínio preservado não desejam que ninguém seja punido pela sua morte, e com a intenção de evitar tal acontecimento deixam cartas ou pequenos vídeos de despedida, incriminandose pelo evento. Existe mais um aspecto da eutanásia a ser levantado: o sofrimento que gera aos entes queridos do doente. O enfermo recebe a morte como uma libertação em decorrência do estado de saúde que enfrenta; porém, após sua partida, fica a família que o ama, os filhos não criados, os amigos que o admiram, pessoas que não coadunam com seu desejo, porque têm sua presença e sua vida como inestimáveis. Não se deve esquecer que, para essa mesma família, decidir pela eutanásia ou ajudar o enfermo a praticá-la é também um ato de amor, destituído de egoísmo. Imagine um pai decidir pela eutanásia de seu filho de 30 anos, ou ajudá-lo a seu pedido, porque está sendo asfixiado em decorrência de esclerose múltipla. Sonhos são despedaçados, e a dor é atroz. 3659

9 Assim, não é porque a eutanásia permite a abreviação da vida, em seu sentido fisiológico, que guarda correspondência com condutas penalmente tipificadas. O direito deve servir ao homem e seus operadores devem estar sensíveis às realidades sociais nas quais estão inseridos. 3 DA ESCOLHA PELA MORTE DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS CORRELATOS O que está em debate, quando se fala em eutanásia, é o respeito para com a individualidade e a solidariedade à dor de quem é acometido por grave enfermidade. Para que seja possível discorrer acerca da morte com dignidade, liberdade e autonomia de vontade, necessário se faz destacar a abrangência de cada um desses direitos constitucionalmente assegurados, a fim de embasar a escolha do paciente ou de sua família por antecipar o evento morte. Os direitos fundamentais podem ser descritos como um conjunto de direitos e garantias do ser humano, tendo como fim precípuo o respeito à sua dignidade, por meio da proteção contra o arbítrio do Estado, juntamente com o estabelecimento de condições mínimas de vida e desenvolvimento da personalidade humana.[29] O direito à vida está assegurada no art. 5º, caput, da Constituição Federal [30] e se afigura como o mais fundamental de todos os direitos, e como pré-requisito à existência e exercício de todos os demais. Cabe ao Estado assegurá-lo, abordando duas concepções, sendo a primeira relacionada ao direito de continuar vivo e o segundo de ter uma vida digna. Salienta-se que a vida física não é o único e maior de todos os bens, a ponto de converter-se em dever a sua conservação a todo preço e em qualquer situação, nem a morte é um mal absoluto e definitivo, de modo que não se possa enfrentá-la com um sentido transcendente da existência humana. [31] José Afonso da Silva aponta que Vida, no texto constitucional (art. 5º, caput), não será considerada apenas no seu sentido biológico, mas na sua acepção biográfica mais compreensiva. Sua riqueza significativa é de difícil apreensão porque é algo dinâmico, que se transforma incessantemente sem perder sua própria identidade. É mais um processo (processo vital), que se instaura com a concepção (ou germinação vegetal), transforma-se, progride, mantendo sua identidade, até que muda de qualidade, deixando, então, de ser vida para ser morte. [32] Não se deve reconhecer apenas a dimensão biológica da vida humana, negligenciando a qualidade de vida do indivíduo e sua interação com o mundo exterior. A obstinação em 3660

10 prolongar o máximo possível o funcionamento do organismo não deve mais encontrar guarida, simplesmente porque o preço desta é uma gama incomensurável de sofrimentos gratuitos, seja para o enfermo, seja para seus familiares. [33] Prossegue o autor: [...] embora a vida seja o pressuposto para o exercício de todos os outros direitos, ela somente se verifica quando houver o que o autor apontou como vida na sua acepção biográfica mais compreensiva, assim, uma vida meramente biológica não deve jamais constituir uma obrigação. [34] (grifo nosso) Aquiescer com esse entendimento é entender que a vida humana tem outras dimensões que não somente existir e respirar. Quando se busca também a qualidade de vida, pautase no bem-estar do ser humano e, por esse prisma, o prolongamento da vida somente se justifica se oferecer algum benefício. [35] O constitucionalista Alexandre de Moraes argumenta que a eutanásia não ameaça o direito à vida, porque, quando o desejo de morrer emana do indivíduo, este já não goza da plenitude da vida, além de não poder usufruir dela com qualidade. Em alguns casos, nem mesmo as suas funções vitais são autônomas. [36] Até que ponto a vida deve ser imposta a um indivíduo? É inevitável que haja enfermos que vejam o tempo que lhes resta de vida como uma experiência nefasta e desejem abreviá-la. A liberdade e a dignidade são valores de grande profundidade no exercício do direito vida, e o final desta deve ser tomado como desdobramento natural e não como consequência a ser evitada a qualquer custo. Quanto ao princípio constitucional da liberdade, este traz implícita a noção de respeito à autonomia dos seres humanos, a direção daquilo que diz respeito exclusivamente ao próprio indivíduo. Para os gregos, a liberdade é um estatuto de duplo aspecto: por um lado, independência em relação a toda espécie de coação corporal; por outro, obediência às disposições gerais (lei). John Locke, filósofo inglês e ideólogo do liberalismo, que viveu no século XVII, acreditava que, por ser o homem um ser racional, a liberdade não poderia separar-se da felicidade. [37] Para Kant, filósofo alemão que viveu no século XVIII, sem liberdade não haveria escolha; e, sem esta, não haveria certo ou errado, nem possibilidade de estabelecer juízos de valor. O filósofo ainda diz que a liberdade é conditio sine qua non do direito. [38] 3661

11 Ser livre é estar disponível para fazer algo por si mesmo. A liberdade é a possibilidade de decidir e com isso autodeterminar-se, pressupondo responsabilidade do indivíduo para consigo e para com a comunidade na qual está inserido.[39] A liberdade e a igualdade foram os primeiros princípios reconhecidos como direitos humanos fundamentais, formando a primeira geração de direitos a garantir o respeito à dignidade da pessoa humana. O direito tem como finalidade coordenar, organizar e limitar a liberdade justamente para garanti-la. [40] Como assegurar efetivamente a liberdade das pessoas que sofrem em consequência de enfermidades? Para Ronald Dworkin a sociedade se preocupa com o que as pessoas individualmente pensam acerca da eutanásia porque essa decisão expressa o valor intrínseco a qualquer vida, e, por conseguinte, afeta também a dignidade de toda a coletividade. Contudo, é importante que se viva pautado pela liberdade, que pressupõe a reflexão e a autodeterminação.[41] Acredita-se que a sociedade deve pautar-se também pela razoabilidade, respeitando ao mesmo tempo os interesses do grupo e os dos indivíduos que o compõem. Assim, no exercício da liberdade e da autonomia de vontade, o desejo de morte do enfermo deverá ser acolhido, pois não fere direitos coletivos; ao contrário, reafirma um de seus poucos direitos que ainda podem ser exercidos. O dom da vida é concedido, e com ela a liberdade do ser humano de fazer escolhas, ainda que seja pela morte. Quanto à dignidade da pessoa humana, esta, segundo o inc. III do art. 5º da Constituição Federal, é um dos fundamentos do Estado democrático de direito. A dignidade pode ser compreendida como a consciência que o ser humano tem de seu próprio valor [42], o respeito que pode exigir de todos pela sua condição de ser humano. [43] Constitui-se em guia de toda a ordem jurídica, restando indispensável sua existência para a ordem social. Do respeito à dignidade da pessoa humana surgem consequências como a igualdade de direitos entre todos, a garantia à independência e autonomia de vontade e a não imposição de condições subumanas de vida. [44] Reconhece-se na dignidade o privilégio de todo ser humano em ser respeitado como pessoa, de não ser prejudicado em sua existência, vida, corpo ou saúde, e de usufruir de um âmbito existencial característico seu. Para Ronald Dworkin, a dignidade é, em certo sentido, uma questão de convenção e seu conteúdo poderá variar de acordo com a sociedade e época. Contudo, o direito que as pessoas têm de que a sociedade reconheça a importância de sua vida não pode constituir mera convenção.[45] A morte deve ser um reflexo de como a pessoa viveu, e esse momento deve guardar, na medida do possível, coerência com seus valores e convicções, e assim cada um deverá decidir por si o que é morrer com dignidade.[46] 3662

12 A morte digna, pautada na autonomia de vontade, respeita o pluralismo moral, a diversidade de crenças. Cada um deve ter o direito de optar pelo que é mais digno para si: se é lutar ao máximo pela vida ou aceitá-la como iminente e procurar transformá-la em um momento sereno e sem dor. A eutanásia não deve ser vista com naturalidade, porque de fato suprime o bem mais valioso, que é a vida; porém, quando por uma enfermidade for expurgado do paciente o controle sobre esta, suas demais faculdades deverão ser hasteadas, a fim de que, mesmo na hora derradeira, seus direitos fundamentais sejam tutelados. 4 DA EUTANÁSIA COMO CAUSA SUPRALEGAL DE EXCLUDENTE DE ILICITUDE Como retroexposto, as condutas eutanásicas comissivas ou omissivas, no ordenamento jurídico pátrio, são consideradas criminosas. Porém o mesmo ordenamento jurídico elenca hipóteses em que o crime, embora exista, em decorrência da relevância da conduta não deverá ser apenado. Parte-se do raciocínio de que delito, enquanto crime, pode ser definido em dois aspectos: formal e material. O primeiro garante a proteção a um bem juridicamente tutelado; o segundo diz respeito ao desvalor social, ou seja, ao que determinada sociedade, em dado momento histórico, considera ilícito.[47] Acrescente-se que, para a existência do ilícito penal, é necessário que a conduta típica seja também antijurídica. A antijuridicidade é a contradição entre uma conduta e o ordenamento jurídico. O fato típico, em regra, é uma situação que, ajustando-se ao tipo penal, torna-se antijurídica. [48]Nota-se que há um critério negativo de conceituação da antijuridicidade: o fato típico também será antijurídico, salvo se houver causa de exclusão da ilicitude. Matar alguém voluntariamente é fato típico, mas não será antijurídico, por exemplo, se o autor do fato agiu em legítima defesa. Logo, será antijurídico todo fato descrito em lei penal incriminadora e não protegido por causa de justificação.[49] A antijuridicidade também pode ser dividida em formal e material. A primeira será a subsunção entre o fato praticado pelo sujeito e a norma de proibição, enquanto a segunda ofenderá o interesse protegido pela norma.[50] A antijuridicidade pode ser afastada por determinadas causas, denominadas causas de exclusão de ilicitude. Por essa razão, a tipicidade é o indício da antijuridicidade, que será excluída se houver causa que a elimine.[51] As causas de justificação estão previstas no art. 23 do Código Penal; são elas o estado de necessidade, a legítima defesa, o estrito cumprimento do dever legal e o exercício 3663

13 regular de direito. A dúvida que surge é se existem causas de justificação além das elencadas naquele artigo. No tocante às normas penais incriminadoras, vigora o princípio da reserva legal: não há crime sem lei anterior que o defina.[52] Essa proibição, porém, não se estende às normas penais não incriminadoras (permissivas e supletivas), como, por exemplo, o artigo supramencionado. Assim, a lacuna de previsão legislativa pode ser suprida pelos processos de autointegração da lei penal. [53] Para Luiz Regis Prado, o rol do art. 23 é exemplificativo, podendo o magistrado, quando da aplicação da lei penal, reconhecer outras causas que não foram elencadas.[54] Se o intuito da norma é proteger a sociedade e esta, diante de um fato, anui com o comportamento, em tese criminoso, não deve haver ilicitude, porque a necessidade de conservação do interesse comum faz com que o fato típico não se revista de antijuridicidade. Nesse caso, haverá uma causa supralegal de excludente de ilicitude. Para Damásio de Jesus[55] e Luiz Regis Prado, o mesmo se aplica quando houver o consentimento do ofendido.[56] A doutrina das justificativas supralegais funda-se na afirmação de que o direito, enquanto norma, por ser estático, não esgota todas as causas de justificativas da conduta humana.[57] As justificativas supralegais são aplicáveis por analogia, costumes e princípios gerais de direito, segundo o critério de prevalência, em qualquer caso, dos fins sociais a que a lei se destina e das exigências do bem comum. O intérprete pode e deve, em certos casos, ir além da mecanicista aplicação do texto legal, buscando solução razoável e mais justa para o caso concreto.[58] É exatamente nesse contexto que a eutanásia surge: como causa supralegal de excludente de ilicitude. Isso se deve ao fato de a eutanásia ser socialmente aceita. O relevante valor social, pelo qual o agente está imbuído, é compartilhado pela sociedade, que enxerga no cometimento do crime o sentimento de piedade. Dessa forma, em que pese a eutanásia seja formalmente antijurídica, pois está em desconformidade com a norma, não o é materialmente, pois não fere os interesses sociais tutelados por esta. Paulo Daher Rodrigos, em sua obra Eutanásia, dedica um capítulo especial a depoimentos de pessoas que praticaram eutanásia ou a solicitaram a um profissional de saúde para minorar o sofrimento de um ente querido.[59] Todos esses relatos fundamentam que a morte piedosa é aceita por parcela considerável da sociedade e tolerada inclusive pelo Judiciário. Não é segredo que a eutanásia é realizada diuturnamente; o que não se conhecem, devido à incriminação, são os seus verdadeiros números. 3664

14 A opção por uma morte digna e com autonomia respeita o pluralismo moral, a diversidade de crenças e os valores de vida, pois reconhece a existência de diferentes entendimentos acerca do que seja morrer dignamente. Portanto, ainda que não haja previsão expressa no ordenamento jurídico pátrio, deve ser reconhecido o direito a uma morte digna e com autonomia, desde que obedecidos os requisitos que serão propostos. 5 SUGESTÃO DE LEGE FERENDA Ainda que o ordenamento jurídico permita, através de causas supralegais de excludente de ilicitude, a não incriminação das condutas eutanásicas, esse não seria o modelo ideal. Acredita-se que a eutanásia ativa, que resulta de uma ação direta para pôr termo à vida do doente, não deve ser crime quando houver a solicitação do paciente de forma livre, refletida e inequívoca. Não se pode deixar de abordar a situação daqueles doentes que não estão aptos a decidir por si próprios, por estarem inconscientes. Nesses casos, a família poderá decidir pela eutanásia, sem incorrer em crime, desde que haja manifestação inequívoca dessa vontade, anterior à incapacidade, por meio de escritos, gravações ou testemunhas. Acrescente-se que, em alguns casos, o enfermo não manifestou nenhuma opinião a respeito de como enfrentar a morte, ou paira dúvida quanto à sua vontade, ou a enfermidade lhe sobreveio em tenra idade, quando não poderia discernir a respeito. Em tais casos, há que se ter mais critério para a realização da eutanásia, que, em nosso entendimento, poderá ser efetivada somente se obedecer aos três critérios seguintes. O primeiro diz respeito à gravidade da enfermidade do paciente: deverá estar em coma profundo, em estado vegetativo, ou ser portador de doença degenerativa em estágio que lhe tenha suprimido a lucidez. Já o segundo critério se refere ao lapso temporal em que a pessoa se encontra nas situações acima citadas, devendo o legislador estabelecê-lo de modo razoável, para que não se permita a morte de alguém que poderia, com o passar do tempo, se recuperar. O último requisito será o diagnóstico de três profissionais que atestem a irreversibilidade do caso, bem como a impossibilidade de cura. Ressalte-se que nos inconscientes a eutanásia só poderá ser realizada se não houve, durante a capacidade, manifestação contrária do enfermo. A eutanásia ativa realizada fora das regras sugeridas acima deverá ser considerada homicídio. 3665

15 Na eutanásia passiva, ou ortotanásia, deixa-se o doente morrer naturalmente, sem o uso de aparelhos ou medicamentos que prolonguem a vida de forma artificial. Nesse caso, ninguém provoca a morte do paciente, apenas abre-se mão de estender seu tempo de vida, conforme sua manifestação volitiva. Nesse tipo de eutanásia se incluem os casos, amplamente noticiados na imprensa mundial, da americana Terri Schiavo e da italiana Eluana Englaro.[60] Note-se que a vida tem conceito muito mais amplo do que batimentos cardíacos e respiração; a vida tem um conceito filosófico de interação e compreensão do mundo além do corpo. A nosso ver, a vida das duas jovens acima referidas, lamentavelmente, havia muito já haviam sido suprimidas. Por fim, a eutanásia social, que se refere aos pacientes que não têm acesso ao sistema público de saúde ou o têm de forma inadequada, deve ser considerada como criminosa, porque priva de vida alguém que poderia ter a saúde restabelecida em caso de tratamento. CONCLUSÃO Eutanásia é a ação ou omissão que tem como propósito acarretar ou apressar a morte de algu, a fim de lhe abreviar sofrimento decorrente de doença. Já a eutanásia passiva, ou ortotanásia, consiste em deixar o doente morrer naturalmente, sem o uso de aparelhos que prolonguem a vida de forma artificial. A obstinação terapêutica se trata de distanásia, que é o contrário de eutanásia, e proporciona morte lenta, com sofrimento intenso, tanto para o doente quanto para os seus familiares. Também há a eutanásia social, ou mistanásia, que ocorre quando o paciente não tem acesso ao sistema público de saúde ou o tem de forma inadequada. No Brasil, a eutanásia, em qualquer uma de suas modalidades, bem como o suicídio assistido, são incriminados. Porém desde 1999 tramita Anteprojeto de Reforma da Parte Especial do Código Penal, fixando sanções mais brandas para a eutanásia ativa direta. A vida tem outras dimensões que não somente existir e respirar. O direito deve pautarse no bem-estar do ser humano; por esse prisma, o prolongamento da vida somente se justifica se oferecer algum benefício. A liberdade traz implícita a noção de autonomia dos seres humanos, a direção daquilo que diz respeito exclusivamente ao próprio indivíduo. No exercício da liberdade e da autonomia de vontade, o desejo de morte do enfermo deverá ser acolhido, pois não fere direitos coletivos; ao contrário, reafirma um de seus poucos direitos que ainda podem ser exercidos. 3666

16 A dignidade, além de ser um dos fundamentos do Estado democrático de direito, pode ser compreendida como a consciência que o ser humano tem de seu próprio valor, o respeito que pode exigir de todos. Embora a eutanásia seja formalmente antijurídica, porque está em desconformidade com as normas penais vigentes, não o é materialmente, pois não fere os interesse sociais tutelados por estas. Ao contrário, defende-se que deva ser recepcionada como causa supralegal de excludente de ilicitude, por ser socialmente aceita. O relevante valor moral do qual o agente está imbuído é compartilhado pela sociedade, que enxerga no cometimento do crime o sentimento de piedade. Ainda que o ordenamento jurídico permita, por meio de causas supralegais de excludente de ilicitude, a não incriminação das condutas eutanásicas, esse não seria o modelo ideal. Acredita-se que a eutanásia ativa não deve ser crime quando solicitada pelo paciente de forma livre, refletida e inequívoca. A família poderá decidir pelo doente quando este estiver inconsciente, desde que haja manifestação inequívoca de sua vontade, anterior à incapacidade, por meio de escritos, gravações ou testemunhas. Nos casos em que o enfermo não manifestou nenhuma opinião a respeito de como enfrentar a morte, ou em que pairar dúvida quanto à sua vontade, ou se a enfermidade lhe sobreveio em tenra idade, quando não poderia discernir a respeito, há que se obedecer a três critérios: a enfermidade deverá se circunscrever ao coma profundo, ao estado vegetativo, ou a doença degenerativa em estágio avançado; há que ser observado lapso temporal razoável, estabelecido por lei, para que não se permita a morte de alguém que poderia, com o passar do tempo, se recuperar; e, por fim, o diagnóstico de três profissionais que atestem a irreversibilidade do caso, bem como a impossibilidade de cura. Saliente-se que, nos inconscientes, a eutanásia só poderá ser realizada se não houve, durante a capacidade, manifestação contrária do enfermo. A eutanásia ativa realizada fora das regras sugeridas acima deverá ser considerada homicídio. Na eutanásia passiva, ou ortotanásia, não há crime, porque o paciente faz a opção de morrer naturalmente, sem o uso de aparelhos ou medicamentos que prolonguem a vida de forma artificial. Nesse caso, ninguém provoca sua morte. Conclui-se, portanto, que, embora não haja previsão expressa no ordenamento jurídico pátrio, deve ser reconhecido o direito à eutanásia, visto que somente a pessoa envolvida pode saber, para si ou para um ente querido inconsciente, e dentro das hipóteses previstas, o que significa morrer com dignidade. 3667

17 REFERÊNCIAS BOSCOV, Isabela. O direito a morte. Revista Veja, Rio de Janeiro, Editora Abril, Edição n. 1892, 16 fev CAMPOS, Pedro Franco de et al. Direito penal: parte especial do Código Penal. 2 ed. São Paulo: Saraiva, CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da Constituição. 3 ed. Coimbra: Livraria Almedina, p CANUTO, Érica Verícia de Oliveira. A contradição no regime da separação absoluta de bens. Revista Brasileira de Direito da Família. Porto Alegre: IBDFAM/Síntese, n. 26, out.-nov CARVALHO, Gisele Mendes de. Aspectos jurídico-penais da eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, CENEVIVA, Walter. Direito constitucional brasileiro. 2 ed. São Paulo: Saraiva, COLLUCCI, Cláudia. Juiz obriga médicos a tentar prolongar vida de doentes terminais. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 nov. 2007, C 1. DWORKIN, Ronald. El dominio de la vida: una discusión acerca del aborto, la eutanasia y la libertad individual. Barcelona (Espanha): Editorial Ariel, EUTANÁSIA: Ministra da Saúde recusa prioridade. Disponível em:. Acesso em 12 de abril de FARIAS, Gisela. Muerte voluntária. Buenos Aires (Argentina): Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma, JESUS, Damásio E. de. Direito penal: parte geral. v. 1, 26 ed. São Paulo: Saraiva, KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. 5 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal: parte especial. 24 ed. São Paulo: Atlas, v 2. MIRABETE, Julio Fabbrini; FABBRINI, Renato N. Manual de direito penal: parte geral. 24 ed. São Paulo: Atlas, v 1. MÖLLER, Letícia Ludwig. Direito a morte com dignidade e autonomia. Curitiba: Juruá,

18 MORAES, Alexandre de. Direitos humanos fundamentais. 3 ed. São Paulo: Editora Atlas, NOBRE JÚNIOR, Edson Pereira. O Direito brasileiro e o princípio da dignidade da pessoa humana. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/aj/dconst htm>. Acesso em 20 de setembro de PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 7 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, v 1. RODRIGUES, Paulo Daher. Eutanásia. Belo Horizonte: Del Rey, SÁ, Maria de Fátima Freire de. Direito de morrer - eutanásia, suicídio assistido. 2 ed. Belo Horizonte, Del Rey, SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional Positivo. 29 ed. São Paulo: Malheiros, SILVA, José Maria e. A moral devoluta. Disponível em <http://www.jornalopcao.com.br/ index.asp?secao=reportagens&idjornal= 212&idrep=2102>. Acesso em 17 de abril de SILVA, Paulo Napoleão Nogueira da. Curso de direito constitucional. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense, p SILVA, Wilson H. Eutanásia: O direito à dignidade, até mesmo na morte. Disponível em <http://www.pstu.org.br/autor_materia.asp?id=3378&ida=18> Acesso em 20 de maio de VILLAS-BÔAS, Maria Elisa. Da eutanásia ao prolongamento artificial: aspectos polêmicos na disciplina jurídico-penal do final da vida. Rio de Janeiro: Forense, VIOTTO, Decio. Eutanásia: desejo derradeiro. Revista Época, ano III, n. 133, 4 de dez WANDERMUREN, Jonathas Lucas. Eutanásia: deve a vida ser preservada em qualquer circunstância? Revista Jurídica Consulex. Ano IX, n. 199, 30 abr YAMAGUCHI, Nise Hitomi. É a vida um direito inviolável? Revista Jurídica Consulex. Ano IX, n. 199, 30 abr [1] RODRIGUES, Paulo Daher. Eutanásia. Belo Horizonte: Del Rey, 1993, p. 23. [2] COLLUCCI, Cláudia. Juiz obriga médicos a tentar prolongar vida de doentes terminais. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 nov. 2007, C

19 [3] VIOTTO, Decio. Eutanásia: desejo derradeiro. Revista Época, ano III, n. 133, 4 dez. 2000, p. 82 e 83. [4] CAPÍTULO III De las causas de impunidad Art. 37. Del homicidio piadoso. Los Jueces tienen la facultad de exonerar de castigo al sujeto de antecedentes honorables, autor de un homicidio, efectuado por móviles de piedad, mediante súplicas reiteradas de la víctima. Disponivel em:. Acesso em 15 de abril de [5] WANDERMUREN, Jonathas Lucas. Eutanásia: deve a vida ser preservada em qualquer circunstância? Revista Jurídica Consulex. Ano IX, n. 199, 30 de abril de 2005, p. 30. [6] Ibid. [7] CÓDIGO Penal Espanhol. Disponível em: < Acesso em 16 de abril de [8] WANDERMUREN, op. cit., p. 30. [9] YAMAGUCHI, Nise Hitomi. É a vida um direito inviolável? Revista Jurídica Consulex. Ano IX, n. 199, 30 abr. 2005, p. 33. [10] Disponível em:. Acesso em 16 de abril de [11] O 3º do art. 121: Não constitui crime deixar de manter a vida de alguém por meio artificial, se previamente atestada, por dois médicos, a morte como iminente e inevitável, e desde que haja consentimento do doente ou, na sua impossibilidade, de ascendente, descendente, cônjuge ou irmão. [12] CARVALHO, Gisele Mendes de. Aspectos jurídico-penais da eutanásia. São Paulo: IBCCRIM, 2001, p [13] O termo mistanásia é uma criação do padre redentorista Leonard Martin, professor de teologia moral e bioética do Instituto Teológico-Pastoral do Ceará e presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Moral. Como um dos colaboradores do livro Iniciação à bioética, publicado pelo Conselho Federal de Medicina, ele defende a utilização do termo como possível substitutivo da expressão eutanásia social, segundo ele, incorreta. A palavra mistanásia, na acepção que ele propõe (sem oferecer as razões que o levaram a escolher o elemento de composição mist), tem um caráter notadamente ideológico, abarcando, sobretudo, as causas sociais da morte. Para Leonard Martin, mistanásia é a morte miserável fora e antes do seu tempo. apud SILVA, José Maria e. A moral devoluta. Disponível em 3670

20 <http://www.jornalopcao.com.br/index.asp?secao=reportagens&idjornal= 212&idrep=2102>. Acesso em 17 de abril de [14] A mistanásia aproxima-se muito de um outro tipo de prática, comumente citada nos argumentos de quem condena a eutanásia: a eliminação de pessoas, por determinação do Estado, por meio da eugenia, a chamada higienização social. SILVA, Wilson H. Eutanásia: O direito à dignidade, até mesmo na morte. Disponível em < Acesso em 20 de maio de [15] Cf.. [16] SILVA, José Afonso da. Aplicabilidade das normas constitucionais. 6 ed. 2. tiragem. São Paulo: Malheiros Editores, [s.d.], p [17] Art A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. [18] Art As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: [...] II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; (grifo nosso) [19] Art. 37 da Constituição. [20] CAMPOS, Pedro Franco de et al. Direito penal: parte especial do Código Penal. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 2. [21] Ibid. [22] Cf. Item 39 da Exposição de motivos da parte especial do Código Penal. [23] EUTANÁSIA: Ministra da Saúde recusa prioridade. Disponível em:. Acesso em 12 de abril de [24] CAMPOS, op. cit., p. 17. [25] Ibid, p. 18. [26] MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal: parte especial. 24 ed. São Paulo: Atlas, 2005, p v 2. [27] Disponível em:. Acesso em 14 de janeiro de

NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. José Arthur Di Spirito Kalil

NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. José Arthur Di Spirito Kalil NOVO CÓDIGO PENAL E A RESPONSABILIDADE PENAL DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE José Arthur Di Spirito Kalil O aborto e o Código Penal Atual (Dec. Lei 2.848, de 1940) O aborto e o Anteprojeto do Código Penal Aborto

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA

A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA Equipe: Juliana Maria Araújo de Sales Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Luana Elaine da Silva - Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES

PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES PROGRAMA APRENDA DIREITO PENAL EM 3 MESES Perguntas/Respostas alunos Módulo 2 Seguem abaixo as respostas aos questionamentos elaborados pelos alunos. Bons estudos! PERGUNTA 1 Aluna: Talita Késsia Andrade

Leia mais

O PACIENTE TERMINAL: COMO O PROFISSIONAL DE SAÚDE DEVE LIDAR COM A MORTE!

O PACIENTE TERMINAL: COMO O PROFISSIONAL DE SAÚDE DEVE LIDAR COM A MORTE! O PACIENTE TERMINAL: COMO O PROFISSIONAL DE SAÚDE DEVE LIDAR COM A MORTE! FACULDADE DE PSICOLOGIA - UFC GIFONI, J.M.M. HUWC-UFC PACIENTE TERMINAL PATOLOGIA IRRECUPERÁVEL RECURSOS TERAPÊUTICOS EXPECTATIVA

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas.

Palavras-chaves: Impeachment, Presidente da Republica, Infrações Político- administrativas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA IMPEACHMENT Fernando França Caron Especialista em Direito Constitucional pela Faculdade Damásio de Jesus Docente do Curso de Direito da UNILAGO RESUMO A Constituição Federal de

Leia mais

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca

A p s e p c e t c os o s Ju J r u ídi d co c s o s n a n V n e t n ilaç a ã ç o ã o M ec e â c n â i n ca Aspectos Jurídicos na Ventilação Mecânica Prof. Dr. Edson Andrade Relação médico-paciente Ventilação mecânica O que é a relação médico-paciente sob a ótica jurídica? Um contrato 1 A ventilação mecânica

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS

CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS Elaborado em 04.2008 Vitor Vilela Guglinski Graduado em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA

A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA A.B.P. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA Talvane M. de Moraes Médico especialista em psiquiatria forense Livre Docente e Doutor em Psiquiatria Professor de psiquiatria forense da Escola da Magistratura

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR

A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR A APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340, DE 07 DE AGOSTO DE 2006 NA JUSTIÇA MILITAR Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre o crime de lesão corporal, sob a égide do Direito Constitucional

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Embriaguez e Responsabilidade Penal

Embriaguez e Responsabilidade Penal Embriaguez e Responsabilidade Penal O estudo dos limites da responsabilidade penal é sempre muito importante, já que o jus puniendi do Estado afetará um dos principais direitos de qualquer pessoa, que

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 A OMISSÃO DE SOCORRO E A PERICLITAÇÃO DA VIDA Juliane Drebel 1 Taís Bianca Bressler 2 Rogério Cezar Soehn 3 SUMARIO: 1 RESUMO. 2 CONCEITO. 3 SUJEITOS DO DELITO. 4 ELEMENTOS OBJETIVOS DO CRIME. 5 ELEMENTOS

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Í N D I C E Código Disciplina Página DIR 05-00188 Direito Penal I 2 DIR 05-00361 Direito Penal II 3 DIR 05-00528 Direito Penal III 4 DIR 0-00684 Direito Penal IV 5 DIR 05-07407

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção

A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção A declaração antecipada de vontade no Brasil (testamento vital) Letícia Franco Maculan Assumpção 2015 Viver e não poder se expressar A DAV é um instrumento para a vida, não para após a morte. Vamos viver

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal III Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 4º ano Docente Responsável: Gustavo

Leia mais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais

Capítulo II Princípios penais e político-criminais Capítulo II Princípios penais e político-criminais Sumário 1. Princípio da legalidade penal: 1.1. Previsão; 1.2. Origem; 1.3. Denominação e alcance; 1.4. Funções 2. Princípio da fragmentariedade 3. Princípio

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Crime de Aborto e Suas Principais Características Carlos Valfrido Aborto Conceito: Aborto é a interrupção de uma gestação com a conseqüente morte do feto. Do latim ab (privação),

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

A ORTOTANÁSIA NO PROJETO DO CÓDIGO PENAL

A ORTOTANÁSIA NO PROJETO DO CÓDIGO PENAL A ORTOTANÁSIA NO PROJETO DO CÓDIGO PENAL Professora Doutora Lia Felberg Professora da Faculdade de Direito - UPM O início da civilização greco-romana deu origem às discussões que, atualmente, ainda pautam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Eutanásia: Direito de se fazer cessar um sofrimento Paulo Ricardo da Conceição Alves * 1. INTRODUÇÃO A eutanásia não é um assunto tão recente conforme alguns pensam, muito pelo contrário,

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados DIREITO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA AOS FILHOS MAIORES DE IDADE por Priscilla Bitar D Onofrio Sócia de Almeida Guilherme Advogados e Natalia Barbieri Bortolin Membro de Almeida Guilherme Advogados SUMÁRIO: I.

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro.

PLANO DE ENSINO EMENTA DA DISCIPLINA OBJETIVOS DA DISCIPLINA. 1-Identificar os bens jurídicos tutelados no Código Penal Brasileiro. FACULDADE: FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO: DIREITO DISCIPLINA: DIREITO PENAL PARTE ESPECIAL I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 075 4º- SEMESTRE: 2013 PROFESSOR(A): LÁSARO MOREIRA DA SILVA PLANO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIREITO PENAL - PDF Duração: 09 semanas 01 aula por semana. Início: 04 de agosto Término: 06 de outubro Professor: JULIO MARQUETI PROGRAMAÇÃO DO CURSO DIA 04/08 - Aula 01 Aplicação da Lei Penal no tempo.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

associação portuguesa de bioética

associação portuguesa de bioética associação portuguesa de bioética PROJECTO DE DIPLOMA N.º P/06/APB/06 QUE REGULA O EXERCÍCIO DO DIREITO A FORMULAR DIRECTIVAS ANTECIPADAS DE VONTADE NO ÂMBITO DA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE E CRIA O

Leia mais

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos.

DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO. 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. Teresa Quintela de Brito DIREITO PENAL. PARTE ESPECIAL ESBOÇO DE PROGRAMA I INTRODUÇÃO 1. Parte especial como conjunto de tipos de crime e como ordem de bens jurídicos. 2. Relações entre a parte geral

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão Discussão de caso clínico Paciente Terminal Lara Torreão Caso clínico E.M.S, 3 anos, sexo masculino, natural e procedente de Salvador, foi admitido na enfermaria de Pediatria do Hospital Universitário

Leia mais

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO.

REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. 1 REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL E A ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE AFERIÇÃO DA IMPUTABILIDADE PENAL Á LUZ DO ORDENAMENTO JURÍDICO. VAGULA, J. E. M. Resumo No decorrer desta pesquisa buscou-se a melhor forma, dentre

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont.

AULA 06. CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas Clássico, Neoclássico, Finalista e Funcionalista. TEORIA DO CRIME (cont. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 06 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: Sistemas de Teoria do Delito. Sistemas

Leia mais

1 O TESTAMENTO NO DIREITO BRASILEIRO: BREVES CONSIDERAÇÕES

1 O TESTAMENTO NO DIREITO BRASILEIRO: BREVES CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO O artigo abordará o testamento vital e as formas do ser humano de enfrentar o fim da vida. Inicialmente serão apresentadas breves considerações acerca do instituto do testamento, que apesar

Leia mais

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO

TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO TEMA: CRIME CONSUMADO E CRIME TENTADO CRIME CONSUMADO Significado: Terminar, acabar. Importância: Termo inicial da prescrição e na competência territorial (não esquecer da teria da ubiqüidade quanto ao

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br As Medidas de Segurança (Inconstitucionais?) e o dever de amparar do Estado Eduardo Baqueiro Rios* Antes mais nada são necessárias breves considerações acerca de pena e das medidas

Leia mais

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01

Brigada 1 Combate Voluntário a Incêndios Florestais CNPJ 05 840 482 0001/01 REGIMENTO INTERNO O presente Regimento Interno, dirigido aos associados da ONG Brigada 1, inscrita no CNPJ 05.840.482/0001-01 e previsto no Art. 4º do Capítulo II do Estatuto da Instituição, visa estabelecer

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) Torna mais rigorosa a punição dos crimes contra a honra cometidos mediantes disponibilização de conteúdo na internet ou que ensejarem

Leia mais

Responsabilidade Criminal do Médico

Responsabilidade Criminal do Médico Responsabilidade Criminal do Médico Medicina Legal e Ciências Forenses Prof. Doutor Jorge Costa Santos 13 de Abril de 2010 Ana Duarte, Andreia Leite e Ricardo Macau Introdução Direito Médico Código Penal

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13-

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA Autarquia Municipal de Ensino Superior Curso Reconhecido pelo Dec.Fed.50.126 de 26/1/1961 e Portaria CEE-GP- 436/13- PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DE FORMAÇÃO FUNDAMENTAL,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO

A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL RESUMO 331 A (IN)COMPATIBILIDADE DA TENTATIVA NO DOLO EVENTUAL Cícero Oliveira Leczinieski 1 Ricardo Cesar Cidade 2 Alberto Wunderlich 3 RESUMO Este artigo visa traçar breves comentários acerca da compatibilidade

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Este trabalho mostrará as tratativas

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início.

AULA 08. CONTEÚDO DA AULA: Teorias da Conduta (cont). Teoria social da ação (cont.). Teoria pessoal da ação. Resultado. Relação de Causalidade Início. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Penal / Aula 08 Professora: Ana Paula Vieira de Carvalho Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 08 CONTEÚDO DA AULA: Teorias da (cont). Teoria social

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA.

Questão de Direito Penal 1,0 Ponto PADRÃO DE RESPOSTA. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios XL Concurso Público para Provimento de Cargos de Juiz de Direito Substituto da Justiça do Distrito Federal SEGUNDA PROVA

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2015 Disciplina: Direito Penal I Departamento III Direito Penal e Direito Processo Penal Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 2º ano Docente Responsável: Prof.

Leia mais

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO

CODIGO PENAL PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO Homicídio simples Art 121. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte anos. TÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A PESSOA CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA A VIDA Caso de diminuição de pena 1º Se o agente comete

Leia mais

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade

Chamamos esses fenômenos jurídicos de ultratividade da lei penal e retroatividade Conceito A lei penal, quanto à sua obrigatoriedade e efetiva vigência, está subordinada às mesmas regras que disciplinam as leis em geral: publicação oficial no Diário Oficial e decurso de eventual prazo

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012.

Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção à Saúde Pública Of. Circular nº 16/12-CAO/Saúde-i (c./) Curitiba, 17 de outubro de 2012. Prezada(o) Colega.

Leia mais

O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA DIGNIDADE HUMANA, PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE E O ABORTO

O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA DIGNIDADE HUMANA, PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE E O ABORTO O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA DIGNIDADE HUMANA, PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE E O ABORTO Karla Ingrid Pinto Cuellar, é advogada, Mestre em Direito e docente em nível superior pela Associação Vilhenense

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP

Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP Primeiras impressões sobre o feminicídio Lei nº 13.104/2015. César Dario Mariano da Silva Promotor de Justiça SP A Lei nº 13.104, de 09 de março de 2015 criou em nossa legislação a figura do feminicídio,

Leia mais

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo

Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Estudo da Legislação Penal de Combate ao Racismo Professor: Almiro de Sena Soares Filho 1. Introdução A declaração de direitos humanos da Organização das Nações Unidas de 1948 significou um divisor de

Leia mais

Texto argumentativo sobre a Eutanásia

Texto argumentativo sobre a Eutanásia Texto argumentativo sobre a Eutanásia Trabalho elaborado por: Patrícia da Conceição Formadores. Rita Camões e Fernando Guita 23 11-2010 Como todos nós sabemos o tema da eutanásia causa muita polémica na

Leia mais

Direito penal: o crime de abandono material, as crianças e adolescentes infratores

Direito penal: o crime de abandono material, as crianças e adolescentes infratores Direito penal: o crime de abandono material, as crianças e adolescentes infratores Ronaldo Garcia Dias Advogado Professor de Direito Penal na Faculdade Milton Campos - Diretor da Escola de Advocacia da

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

Da Ação de Interdição

Da Ação de Interdição 146 Da Ação de Interdição Juliana Grillo El-Jaick 1 A interdição é um instituto que teve origem no direito romano. Trata-se de uma ação intentada no âmbito cível e tem por fim a declaração da incapacidade

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965)

CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) CÓDIGO DE ETICA PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL (APROVADO A 8 DE MAIO DE 1965) INTRODUÇÃO Considerando que: A formação da consciência profissional é fator essencial em qualquer profissão e que um Código

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Penal Professor Patrícia Vanzolini Data: 31/07/2009 9ª Aula: Parte Especial: Homicídio, Infanticídio, Participação no Suicídio, Aborto e Lesão Corporal. 1. HOMICIDIO 1. Homicídio simples: Caput pena de 6 a 20 anos de reclusão. É crime hediondo? Não, salvo

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO

RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO RESPONSABILIDADE CIVIL DE SHOPPING CENTER EM CASO DE SUICÍDIO ROBERVAL CASEMIRO BELINATI Desembargador do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Membro da 2ª Turma Criminal Professor

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt

PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1. CONDUTA. 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Conduta PONTO 2: Resultado PONTO 3: Nexo Causal PONTO 4: Tipicidade 1.1 TEORIAS DA CONDUTA 1. CONDUTA 1.1.1 CAUSALISMO ou NATURALÍSTICA Franz Von Liszt Imperava no Brasil até a

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014

Núcleo de Pesquisa e Extensão do Curso de Direito NUPEDIR VII MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MIC) 25 de novembro de 2014 DOS CRIMES CONTRA A VIDA HOMICÍDIO Camila Beatriz Herschaft 1 Jenifer Maldaner 2 Marciele Burg 3 Rogério Cézar Soehn 4 SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO. 2 HOMICÍDIO. 2.1 O PRIMEIRO HOMICÍDIO. 2.2 OBJETO JURÍDICO.

Leia mais

ABORTO DE FETO ANENCÉFALO: CONCEITOS JURÍDICOS- PENAIS E O ENTENDIMENTO DO STF

ABORTO DE FETO ANENCÉFALO: CONCEITOS JURÍDICOS- PENAIS E O ENTENDIMENTO DO STF 1 ABORTO DE FETO ANENCÉFALO: CONCEITOS JURÍDICOS- PENAIS E O ENTENDIMENTO DO STF JANJACOMO, V. A. B. RESUMO O presente estudo trata da obrigação proibitiva do aborto anencéfalo no ordenamento jurídico

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA:

PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA: PARECER CRM/MS N 30/2012 PROCESSO CONSULTA CRMMS N 18/2012 INTERESSADO: DR. J.C.A. CONSULTA: O Dr. J.C.A., Diretor Clínico/Técnico do Hospital Unimed Campo Grande, solicita parecer a respeito do atendimento

Leia mais