COMPORTAMENTO SUICIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPORTAMENTO SUICIDA"

Transcrição

1 COMPORTAMENTO SUICIDA Magnitude, Avaliação de Risco e Manejo Neury J. Botega Universidade Estadual de Campinas SAÚDE MENTAL E MEDICINA

2 Antiguidade Greco-Romana Idade Média Idade Moderna TOLERÂNCIA CONDENAÇÃO DILEMA Ato de liberdade Demônio Ciências Honroso Penalidades Problema Saúde Pública

3 Século XX Século XXI Número crescente de suicídios adolescentes e adultos jovens Suicídio transtornos mentais SAÚDE PUBLICA 1992

4 COEFICIENTES DE SUICÍDIO Número de óbitos por habitantes em um ano

5 SUICÍDIO NO BRASIL Crescimento de 30% nos últimos 25 anos

6 SUICÍDIO NO BRASIL

7 Século XXI? PROBLEMA DE SAÚDE PUBLICA Número crescente de suicídios adolescentes e adultos jovens Indígenas, agricultores, policiais Cidades menores

8 TOTAL DE MORTES mortes em º do mundo 32 por dia

9 DIFERENTES SITUAÇÕES DE RISCO Atual Risco iminente crise suicida De curto prazo Risco agudo fatores de risco clássicos De longo prazo Risco crônico patologias, personalidade

10 DIFERENTES SITUAÇÕES DE RISCO Atual Risco iminente crise suicida De curto prazo Risco agudo fatores de risco clássicos De longo prazo Risco crônico patologias e personalidade

11 DIFERENTES SITUAÇÕES DE RISCO Atual Risco iminente crise suicida De curto prazo Risco agudo fatores de risco clássicos De longo prazo Risco crônico patologias e personalidade

12 FATORES DE RISCO IMPLICAÇÕES NA PREVENÇÃO DO SUICÍDIO PREDISPONENTES PRECIPITANTES FATORES DE RISCO T E M P O

13 SUICÍDIO: RISCO E PROTEÇÃO FATORES DE RISCO doenças Influência do modelo de doenças transmissíveis, mais estudados FATORES DE PROTEÇÃO Fenômeno complexo, multideterminado, pouco estudados

14 FATORES DE RISCO PREDISPONENTES PRECIPITANTES Transtornos psiquiátricos Tentativas prévias de suicídio Suicídio na família Abuso físico/sexual Perda de genitor na infância Sem parceiro afetivo Isolamento social Desemprego Perfeccionismo Desilusão amorosa Separação conjugal Derrocada financeira Perda de emprego Vergonha e temor

15 SUICÍDIO E TRANSTORNOS MENTAIS Análise de suicídios na população geral Sem diagnóstico 3% Transtornos do humor 36% Transtornos de personalidade 11% Esquizofrenia 10% Transtornos relacionados ao uso de substâncias 22% Bertolote e cols., 2003

16 TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR RISCO DE SUICÍDIO 5% 10 vezes maior que na população Tondo et al., 2003; Angst et al., 2002 Maior grau de letalidade das tentativas (1:10 vs 1:20) Goodwin et al., 2003 Lítio reduz suicídios e tentativas em 80% Baldessarini et al., 2006

17 TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Fatores Relacionados a Maior Risco Alta hospitalar recente TS nos últimos cinco anos Abuso de álcool Períodos de transição de fases Estados mistos Depressão com ansiedade e inquietude Goodwin & Jamison, 2007

18 TENTATIVAS DE SUICÍDIO Maior Intencionalidade Suicida Tentativa foi planejada Informou-se sobre poder letal do método Não foi ato impulsivo Procurou ficar sozinho Não avisou alguém após ter tentado Mensagem de despedida Providências para evitar resgate Arrependimento por não ter morrido

19 AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUICÍDIO Intencionalidade Suicida Planos de como se matar Pesquisa poder letal Providências pós-morte Idéias de suicídio Idéias de morte

20 TRANSIÇÕES Iidéias planos tentativas de suicídio Amostra nacional de adolescentes (13-18a) da NCS Nock et al., 2013

21 AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUICÍDIO Entrevista 1 Idéia de morte Em algum desses momentos difíceis chegou a pensar que seria melhor morrer? 2 Controle Pensamentos persistem? Assustam? Consegue afastá-los? 3 Plano Pensou em como se matar? Informou-se a respeito? Arma de fogo em casa? Medicamentos, venenos? Providências prévias?

22 CRISE SUICIDA ESTADOS EMOCIONAIS MAIS FREQUENTES Psychache (dor na alma, desespero) Ambivalência Impulsividade Rigidez/constrição

23 SITUAÇÕES DE ALERTA Risco Iminente de Suicídio Ds DESESPERO DESESPERANÇA DELIRIUM DESAMPARO Dor psíquica insuportável DEPRESSÃO (psychache) DELÍRIO Estreitamento cognitivo DEPENDÊNCIA QUÍMICA Suicídio = única saída

24 CRISE SUICIDA ESTADOS EMOCIONAIS MAIS FREQUENTES Ambivalência Luta interna entre o desejo de viver e o de morrer. O predomínio do desejo de vida é o que possibilita a prevenção do suicídio. Não deve ser usada contra o paciente, a fim de confrontá-lo!

25 CRISE SUICIDA ESTADOS EMOCIONAIS MAIS FREQUENTES Impulsividade O impulso de se matar pode ser transitório e durar apenas alguns minutos. Ao se ganhar tempo, o risco suicida diminui. Exemplo: Embalagem do paracetamol na Inglaterra

26 CRISE SUICIDA ESTADOS EMOCIONAIS MAIS FREQUENTES Rigidez/constrição Pensamento dicotômico: ou tudo, ou nada. Suicídio como única solução: não há mais o que fazer. Visão em túnel : estreitamento das opções disponíveis. Psicoterapia: Flexibilidade, soluções alternativas, ainda que parciais ou imperfeitas

27 NO DECORRER DA CONSULTA... Da perspectiva da pessoa: O que a leva a pensar em suicídio? Que efeitos acredita que o suicídio produzirá nos outros? [...] Como enfrentou adversidades no passado? Dialogar com as crenças, a fim de testar flexibilidade cognitiva Reforçar a Aliança Terapêutica

28 REAÇÕES CONTRATRANSFERENCIAIS Medicalização do histórico de tentativa de suicídio Paciente alcoolista com duas TSs no passado... Impotência e desesperança No lugar dele eu também ia querer morrer... Desafio raivoso Veja se da próxima vez você se mata mesmo! Dedicação Exagerada Vou ajudar você a sair dessa, custe o que custar... Schechter e Maltsberger, 2009

29 REAÇÕES CONTRATRANSFERENCIAIS Suportar e lidar com ansiedade, ambiguidade e risco MÁXIMO CONTROLE MÍNIMO CONTROLE minimizar incerteza PATERNALISMO aceitar risco PROMOÇÃO DE AUTONOMIA

30 MÁXIMO CONTROLE ACEITAR RISCOS minimização do grau de incerteza promover autonomia Conhecer e considerar os próprios viéses Aprender a interpretar as próprias reações Estar atento para o momento de pedir ajuda: Colega Outros profissionais Reunião clínica

31 MANEJO DO PACIENTE Estratégia de curto prazo: Manter o paciente seguro Estratégia de longo prazo: Manter o paciente estável

32 PSICOTERAPIA DE CRISE Postura Intervenções verbais Ações

33 PSICOTERAPIA DE CRISE P o s t u r a Reservar tempo, ainda que as crises surjam inesperadamente Levar em conta sua disponibilidade interna

34 PSICOTERAPIA DE CRISE P o s t u r a Não deixe de considerar suas intuições, elas podem prenunciar crises Prepare-se para transfusão de esperança e de recursos egóicos

35 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Iniciar a abordagem pelos fatores desencadeantes (conscientes) Tratamento em dois tempos: 1 Técnicas de apoio, fármacos 2 Técnicas que privilegiam insight

36 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Psicofármacos para: Diminuir inquietude e impulsividade Garantir noite de sono Distorções cognitivas devem ser identificadas e trabalhadas Procure construir, conjuntamente, um significado para a ideação suicida

37 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Reconhecer os sentimentos vivenciados pelo paciente e, junto com ele, nomeá-los Lembrar o caráter transitório de uma angústia que parece insuportável e interminável De tempo e tempo, resumir o que compreendeu até então, confimar com o paciente ou pedir esclarecimento.

38 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Combinar e viabilize formar de lidar com picos de desespero Identificar o pensamento dicotômico Ampliar a visão, explorar possíveis soluções

39 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Lembrar que a solução de alguns problemas costumam ficar longe do ótimo Perguntar sobre como enfrentou Adversidades anteriormente Propor o estabelecimento de uma moratória (melhor do que contratos de não-agressão)

40 PSICOTERAPIA DE CRISE I n t e r v e n ç õ e s v e r b a i s Construir, conjuntamente, objetivos escalonados (curto, médio e longo prazos) Criar estratégias para mudar o ambiente e para pedir socorro Não confundir neutralidade com passividade terapêutica

41 PSICOTERAPIA DE CRISE A ç õ e s Remover os meios pelos quais a pessoa possa se matar Se o risco for grande, permanecer com a pessoa até conseguir ajuda Identificar e obter o apoio de pessoas significativas

42 PSICOTERAPIA DE CRISE A ç õ e s Viabilizar uma reunião com paciente e pessoas significativas Propor, organizar e implementar atividades estruturadas Telefonemas periódicos (programá-los na agenda)

43

44 Frequentemente, a tentativa de suicídio deixa de ser tomada como um marco na trajetória pessoal, para se tornar pedaço de uma história a ser odiada, esquecida, jogada fora... Talvez a função primordial dos telefonemas tenha sido a construção, com a pessoa, de uma narrativa a respeito do que lhe acontecera.

45 A idéia, com os telefonemas era de que a pessoa pudesse integrar e re-significar sua vivência. A narrativa inicial, feita ao telefone, era algo que ela manteria em mente, até chegar ao atendimento em um serviço de saúde.

46 PSICOTERAPIA DE CRISE A ç õ e s Compartilhar sua angústia com colegas: peça ajuda! Quantos pacientes é possível suportar?

47 PSICOTERAPIA DE CRISE A ç õ e s Mesmo tomando todo o cuidado... Reunião com familiares enlutados

48 Já traduzidos: PREVENÇÃO DO SUICÍDIO: UM MANUAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Atençãoprimária Médicos Gerais Professores Profissionais da Mídia Agentes penitenciários Suicídio e trabalho Sobreviventes enlutados Transtornos Mentais e Comportamentais Departamento de Saúde Mental ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio

Conversando sobre o suicídio. Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Conversando sobre o suicídio Promoção da vida e Prevenção ao Suicídio Suicídio Quais são as nossas percepções? Mitos sobre o suicídio Adaptado de BEFRIENDERS INTERNATIONAL Quem vive ameaçando se matar

Leia mais

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO Introdução Este manual de bolso se dirige aos profissionais que tem a possibilidade de atuar nas situações

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline.

Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Suicídio nos pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline. Instituto José Frota Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra - Formação no Hospital das Clínicas ( HUWC Fortaleza ) Maio

Leia mais

Karina Okajima Fukumitsu. V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com

Karina Okajima Fukumitsu. V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com Processo de luto por suicídio: Reflexões sobre Prevenção e Posvenção Karina Okajima Fukumitsu V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com OCORRÊNCIAS

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir

SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir SUICÍDIO: Identificar, tratar e prevenir Suicídio é a trágica e intempestiva perda de vida humana. O mais devastador e perplexo de tudo é que é representado por um ato da vontade. A palavra suicídio deriva

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt

IBH Transtorno de personalidade dependente. Dra. Lislie Schoenstatt IBH Transtorno de personalidade dependente Dra. Lislie Schoenstatt Transtorno de Personalidade Dependente - TPD É uma necessidade invasiva e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica

Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica XXII Curso de Inverno em Atualização em Dependência Química do Hospital Mãe de Deus Comorbidades: Transtorno de AnsiedadeeDependênciaQuímica Ana Paula Pacheco Psicóloga da Unidade de Dependência Química

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

Terapia Cognitivo Comportamental

Terapia Cognitivo Comportamental Terapia Cognitivo Comportamental TRATAMENTO PSICOLÓGICO M. FÁTIMA RATO PADIN Coordenadora do Alamedas -Tratamento e Reabilitação da Dependência Química TRATAMENTO PSICOLÓGICO - Terapia Cognitivo Comportamental

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS

TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA APLICADA ÁS FAMILIAS XXI ABEAD - RECIFE ROBERTA PAYÁ ROBERTAPAYA@HOTMAIL.COM TERAPIA MOTIVACIONAL SISTÊMICA PARA O TRANSTORNO DO ABUSO DE SUBSTANCIAS Um Modelo Integrativo

Leia mais

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 Sumário Prefácio... 9 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 As faces do transtorno bipolar... 20 Depressão... 22 Sintomas da depressão...

Leia mais

Opções de tratamento. Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio;

Opções de tratamento. Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio; Opções de tratamento Desintoxicação e acompanhamento no Posto de Saúde; Desintoxicação no Domicílio; Opções de tratamento Grupos de alcoolistas: Participar de grupos de apoio na US e/ou na comunidade onde

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012

Terapia cognitiva da esquizofrenia. IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva da esquizofrenia IX Jornada CELPCYRO Porto Alegre, junho 2012 Terapia cognitiva e as medicações Parte do trabalho da TCC é promover o aumento da adesão à medicação. As evidências de melhora

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental

Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental Tribunal de Família de Rhode Island Questionário de Admissão à Clínica de Saúde Mental *OBSERVE QUE TODAS AS PERGUNTAS SE REFEREM AO SEU FILHO * 1. Dados demográficos: Nome do Adolescente: Data de Nascimento:

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO O PAPEL DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO SUICÍDIO Resumo Thais Pacheco dos Santos 1 - UEPG Lara Simone Messias Floriano 2 - UEPG Suellen Vienscoski Skupien 3 - UEPG Ana Paula Xavier Ravelli 4 - UEPG

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha

Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Abordagem Contextual do Usuário de Maconha Carla Bicca Psiquiatra Especialista em DQ FIPAD/UNIFESP Terapeuta Cognitiva / Instituto Beck Mestre em Ciências Médicas UFRGS Diretora da Villa Janus Resolução

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1)

PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Curso Lideres 2004 Salvador Bahia Brasil 29 de novembro a 10 de dezembro de 2004. PROTEÇÃO DA SAÚDE MENTAL EM SITUAÇÕES DE DESASTRES E EMERGÊNCIAS (1) Capítulo 1: Antecedentes e considerações gerais Considerando-se

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde

Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde Abordagem familiar e instrumentos para profissionais da Atenção Primária à Saúde 1 Carmen Luiza Correa Fernandes e Lêda Chaves Dias Curra Médicas de Família e Comunidade / Terapeutas de Família e Casais

Leia mais

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade

A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade A contribuição da Psicologia no Tratamento Clínico e Cirúrgico da Obesidade Thaís Cristina Simamoto* Thaís Silva Luiz* A obesidade mórbida é uma doença crônica metabólica que combina grandes chances de

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio

O DESEJO DE MORRER. A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más. Suicídio O DESEJO DE MORRER A ideia do suicídio é uma grande consolação: ajuda a suportar muitas noites más Suicídio Os comportamentos suicidários constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Contudo,

Leia mais

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Municipal de Enfrentamento ao uso prejudicial de Crack, Álcool e Outras Drogas 1. APRESENTAÇÃO e JUSTIFICATIVA: O consumo de crack vem aumentando nas grandes metrópoles, constituindo hoje um problema

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

Morte voluntária DOSSIÊ. Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas

Morte voluntária DOSSIÊ. Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas DOSSIÊ Morte voluntária Analisar as causas do suicídio e achar formas de prevenção é um enigma, mas possível, segundo especialistas Lílian Cardoso é jornalista e escreve para esta publicação Por Lílian

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Estruturas das Sessões em TCC

Estruturas das Sessões em TCC Estruturas das Sessões em TCC Eliana Melcher Martins - Mestre em Ciências pelo Depto. de Psicobiologia da UNIFESP - Especialista em Medicina Comportamental pela UNIFESP - Psicóloga Clínica Cognitivo Comportamental

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência:

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: 1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: Abordando a Sustentabilidade nos Enfoques da Saúde, do Trabalho e da Previdência Pública PMPA Outubro 2006 CAPACIDADE LABORATIVA x DOENÇAS INCAPACITANTES ALIENAÇÃO

Leia mais

Receita prática ATRAIA MAIS PROSPERIDADE PARA A SUA VIDA

Receita prática ATRAIA MAIS PROSPERIDADE PARA A SUA VIDA Receita prática ATRAIA MAIS PROSPERIDADE PARA A SUA VIDA Olá tudo bem com você? Estamos contentes que você esteja aqui! A partir deste momento vamos tratar de um assunto muito especial: suas emoções. Por

Leia mais

TRANSTORNO DE PERSONALIDADE DEPENDENTE características Necessidade global e excessiva de ser cuidado, que leva a um comportamento submisso e aderente e ao medo da separação. características Grande dificuldade

Leia mais

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹

PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ PSICODIAGNÓSTICO: FERRAMENTA DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA¹ OLIVEIRA, Micheli Viera de 2 ; MELLO, Lauren Machado 2 ; OLIVEIRA, Vânia Fortes³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Psicólogas graduadas pelo Centro

Leia mais

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016

6 MILHÕES de casas em Portugal. O seu lar reflete-o. por APAV OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 6 MILHÕES de casas em Portugal O seu lar reflete-o OS NÚMEROS NESTE CATÁLOGO PRECISAM DE DIMINUIR ATÉ 2016 por APAV 02 FAMÍLIA 03 > FAMÍLIA 1 /semana A violência doméstica foi responsável por uma morte/semana

Leia mais

Transtorno do Humor Bipolar

Transtorno do Humor Bipolar Transtorno do Humor Bipolar Neri Maurício Piccoloto EXIGÊNCIAS do AMBIENTE Sono Fome Energia Prazer Esperança Criatividade Velocidade Tenacidade Desejos Humor 1 70% 30% Concordância Não Concordância Aspectos

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Intervenções Psicoterapêuticas com Crianças Enlutadas: Psicoterapia em Grupo 1

Intervenções Psicoterapêuticas com Crianças Enlutadas: Psicoterapia em Grupo 1 Intervenções Psicoterapêuticas com Crianças Enlutadas: Psicoterapia em Grupo 1 Valéria Tinoco Estudos revelam que é efetivo para a criança enlutada conviver com outras na mesma situação (Griffith, 2003;

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO

ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO ATUAÇÃO DO SERVIÇO v SOCIAL JUNTO AO PACIENTE COM QUEIMADURAS POR TENTATIVA DE SUICÍDIO 1.AMBULATÓRIO DO CTQ Atendimento ao paciente e familiares, garantindo a permanência de um acompanhante como apoio

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais