SUICÍDIO E ÉTICA Uma apreciação em nossos dias à luz da Gaudium et Spes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUICÍDIO E ÉTICA Uma apreciação em nossos dias à luz da Gaudium et Spes"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO PONTIFÍCIA FACULDADE DE TEOLOGIA NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO LUIZ GONZAGA FECHIO SUICÍDIO E ÉTICA Uma apreciação em nossos dias à luz da Gaudium et Spes São Paulo 2008

2 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO PONTIFÍCIA FACULDADE DE TEOLOGIA NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO LUIZ GONZAGA FECHIO SUICÍDIO E ÉTICA Uma apreciação em nossos dias à luz da Gaudium et Spes Dissertação apresentada como exigência para obtenção do título de mestre em Teologia Prática, com concentração no núcleo de Moral, à comissão julgadora da Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, sob a orientação do Prof. Dr. Côn. José Adriano. São Paulo 2008

3 2 DEDICATÓRIA Não foi sem motivo que um amigo sussurrou-me, um dia, diante de um suicídio: Hoje, todos fracassamos. No fundo, ninguém se suicida sozinho (A. Artaud) 1. Em primeiro lugar, dedico este trabalho em memória de todos os que terminaram o percurso de sua vida neste mundo através da tragédia do suicídio, descrendo totalmente do valor desta vida, junto aos seus, principalmente aqueles e aquelas que somente Deus sabe o quanto lhes foi difícil tomar tal decisão, após, talvez, uma longa trajetória de complicações, em meio, às vezes, de grandes injustiças e incompreensões, diante das quais não enxergaram outra saída a não ser atentar contra a sua própria vida. De um modo particular, ofereço cada minuto do meu esforço nesta dissertação aos que, como familiares e amigos, carregam com grande sofrimento o fardo escuro desse comportamento com segredos tão insondáveis a nós, comportamento esse a respeito do qual sentem muita dificuldade de partilhar com alguém as conseqüências dele, diante do tabu, da vergonha, do escândalo que, ainda, ele pode ocasionar ou significar, embora, numa incidência menor que num passado remoto e, talvez, recente. 1 BAUTISTA, Mateo; CORREA, Marcelo. Ajuda perante o suicídio. São Paulo: Paulinas, 2000, p. 6 (Coleção: Pastoral da saúde). Antonin Marie-Joseph Artaud, poeta, ator, roteirista e dramaturgo francês, nasceu em 4 de setembro de 1896 e faleceu em 4 de março de 1948.

4 3 AGRADECIMENTOS Agradeço ao bom Deus que, sendo Fonte da Vida, por excelência, é Aquele que capacitou-me para que este projeto se concretizasse. Com gratidão, reconheço, também, o incentivo daqueles que possibilitaram-me este estudo, pastoral e economicamente, no decorrer desses dois anos, em especial os meus superiores, o bispo anterior, Dom Joviano de Lima Júnior, SSS, atual arcebispo metropolitano de Ribeirão Preto, e o bispo atual de São Carlos, Dom Paulo Sérgio Machado, como também a Ação Episcopal alemã Adveniat, pelo patrocínio da bolsa de estudo para a metade do curso. Expresso meu sincero obrigado à Congregação dos Missionários Scalabrinianos (ou Carlistas) padres, seminaristas e funcionárias que hospedaram-me fraternalmente no período das aulas, em Sou muito grato à direção, ao corpo docente e aos funcionários da Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção, por tudo que pude aprender e receber de cada pessoa que proporcionou-me algo valioso neste estudo. De maneira muito particular, manifesto meu reconhecimento ao acompanhamento do Prof. Dr. Côn. José Adriano que acreditou em meu projeto, desde o início, e impulsionou-me para dedicar-me nele com afinco, na certeza de que merecia ser levado adiante, conforme o que lhe expus, tendo dele um voto de confiança motivador. Este reconhecimento torna-se mais especial ainda pelo fato do orientador estar deixando a Faculdade, após 28 anos de exercício do magistério, e eu ser seu último orientando.

5 4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O FENÔMENO DO SUICÍDIO EM SI MESMO 1.1. INTRODUÇÃO UMA MELHOR COMPREENSÃO DA SAÚDE COMO BEM-ESTAR O conceito de saúde na era da técnica e da eficiência Pressuposições da saúde como bem-estar Uma crítica ao conceito moderno de saúde O conceito de saúde na Teologia Saúde, sofrimento e finitude O conceito de saúde a partir da busca de um novo ethos O SUICÍDIO EM DADOS ESTATÍSTICOS CONFUSÃO DA LINGUAGEM EM TORNO DO SUICÍDIO FORMAS DE SUICÍDIO INFLUÊNCIAS EM NOSSA VISÃO DE SUICÍDIO A linguagem médica, em relação ao suicídio O efeito emocional na linguagem sobre o suicídio O peso da expressão cometer suicídio SUICÍDIO E TENTATIVAS DE SUICÍDIO Suicídio Tentativa de suicídio RELAÇÃO ENTRE SUICÍDIO E INTENÇÃO...40

6 Um novo modo de ver o suicídio A dificuldade da incerteza quanto à intenção Qual é a situação real de um suicídio? BUSCA DE UMA DEFINIÇÃO DE SUICÍDIO A relação entre racionalidade, entendimento e suicídio Apresentando uma definição DIFERENCIAÇÃO ENTRE SUICÍDIO E OUTRAS ATIVIDADES HUMANAS Situações de envolvimento em atividades de alto risco Situações de envolvimento em ações heróicas A REFLEXÃO ÉTICO-MORAL TRADICIONAL E ATUAL EM TORNO DO SUICÍDIO 2.1. INTRODUÇÃO O PROBLEMA DA EXISTÊNCIA ABORDAGEM TRADICIONAL O suicídio para o estoicismo A visão negativa do ato suicida em Platão e Aristóteles O suicídio e o neoplatonismo A moral agostiniana sobre o suicídio O suicídio conforme Santo Tomás de Aquino Disciplina canônica a respeito do suicídio O suicídio segundo o Magistério atual CONSIDERAÇÕES ÉTICAS ATUAIS A problemática do suicídio...75

7 O suicídio dentro da nova problemática sobre o direito de viver ou de morrer À LUZ DA GAUDIUM ET SPES 3.1. INTRODUÇÃO NO ESPÍRITO DO VATICANO II A COISIFICAÇÃO DA PESSOA AS ANGÚSTIAS E AS ESPERANÇAS DO SER HUMANO EM NOSSOS DIAS A BUSCA DA FRATERNIDADE A IMPORTÂNCIA DA COMPAIXÃO A compaixão como um processo A compaixão como princípio A PRÁTICA DA MISERICÓRDIA CONCLUSÃO ANEXO GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...133

8 7 INTRODUÇÃO... no meio do caminho da nossa vida encontrei-me dentro de uma floresta escura onde a trilha se perdia. Ah, como é difícil falar dessa floresta, selvagem e áspera e densa, que só de pensar o meu medo se renova! Tão amarga é, que dificilmente a morte pode ser mais.... Dante Alighieri 2 Percebe-se, cada vez mais, uma mudança na experiência que se tem da morte. É uma mudança com muitas causas, dentre as quais, a mais importante se deve aos progressos da medicina, da higiene alimentar... que mudaram radicalmente a longevidade humana. No entanto, o problema que se põe hoje, com crescente atualidade, não é mais tanto como retardar a morte, mas, antes, perguntar pelos motivos que se tem para prolongar a própria vida. Sem dúvida, as modificações da significação da morte e de seu contexto repercutem sobre um problema sempre antigo e, infelizmente, sempre atual: o suicídio. Trata-se, pois, de um problema bastante complexo. É comum, para muitos, inclusive autoridades pastorais, reafirmar doutrinas simples e coerentes, a fim de inspirar comportamentos bem precisos. Mas isto não é difícil de fazer. O desafio está em que, diante de situações novas na abordagem de determinados problemas, é importante e necessário ter prudência, sem se deixar levar pelo reflexo do medo, desejando, incorretamente, resolvê-los antes mesmo de tê-los colocado e de ter tomado certo tempo para observá-los mais atentamente. Até cerca de um século atrás, a questão do motivo para alguém tomar a decisão de tirar a própria vida ficou entregue, quase exclusivamente, aos teólogos, filósofos e juristas. Não se punha dúvida da responsabilidade moral da pessoa que praticava tal ato. Foi o sociólogo Durkheim, em 1897, que teve o mérito de ser o primeiro a levantar 2 ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia, apud CORRÊA, Humberto; BARRERO, Sérgio Perez. (ed.). Suicídio: uma morte evitável. São Paulo: Atheneu, 2006, p. 103.

9 8 dúvida quanto à liberdade do suicídio 3. Empiricamente, ele mostrou que, em condições sociais adversas, crescem os casos de auto-extermínio. Depois de oito anos, o psiquiatra Robert Gaupp, chamou a atenção para a existência, nos suicidas, de situações anormais da personalidade e para a necessidade de se distinguirem criteriosamente motivos relacionados com a situação e causas patológicas 4. Se sempre se considerar o ato de suicídio como expressão de uma doença, pode-se desprezar os motivos provocadores do mesmo. A medicina teve, há muito tempo, que desistir de traçar separações claras entre saúde e doença e, mesmo no caso de uma problemática predominantemente psíquica, é necessário examinar, em cada caso, as condições biológicas e sociais, ou melhor, as condições psicossociais em que aconteceu o suicídio, e como nele se misturam motivos conscientes (passíveis de responsabilidade) e motivos inconscientes (não imputáveis à responsabilidade). Sem desconsiderar eventuais cargas biológicas ou sociológicas, são os fatores e forças psíquicas os responsáveis pela realização de sérios propósitos de suicídio, por impulsos e tentativas de suicídio, ou por suicídios. A presente dissertação procura justificar a complexidade cada vez maior de fatores presentes no decorrer de todo um processo que desencadeia, muitas vezes, num final trágico. O que tem a ver a Gaudium et Spes com esta questão? Num primeiro momento, nada, mesmo porque a Igreja não poderia aprovar um ato suicida. Porém, diante de um quadro de profundas modificações que vêm afetando fortemente a sociedade, o acontecimento do 3 Fundador da Sociologia, David Émile Durkheim combinou a pesquisa empírica com a teoria sociológica. Sua contribuição tornou-se ponto de partida do estudo de fenômenos sociológicos, como a natureza das relações de trabalho, os aspectos sociais do suicídio e as religiões primitivas. Foi um dos primeiros a estudar mais profundamente o suicídio, o qual, segundo ele, é praticado na maioria das vezes em virtude da desilusão do indivíduo com relação ao seu meio social. Em Le Suicide tentou mostrar que as causas do auto-extermínio têm fundamento social e não individual. Descreveu três tipos de suicídio: o egoísta, em que o indivíduo se afasta dos seres humanos; o anômico, originário, por parte do suicida, da crença de que todo um mundo social, com seus valores, normas e regras, desmorona-se em torno de si; e o altruísta, por lealdade a uma causa. Durkheim faleceu em Paris, em 15 de novembro de Embora Durkheim esteja sendo citado aqui, seu nome não aparecerá mais em nenhum outro lugar desta dissertação, pois, não é objetivo dar a este trabalho um enfoque sociológico. 4 Robert Gaupp ( ) foi um dos mais proeminentes psiquiatras e neurologistas alemães.

10 9 Concílio Vaticano II, mediante a aproximação entre a Igreja e o mundo favoreceu um diálogo maior dela com o homem contemporâneo, desejando compreendê-lo mais intensamente em todos os seus problemas e iluminá-lo para dar mais sentido à sua existência. Esta aproximação ou abertura foi possível, principalmente, graças à Gaudium et Spes. Se, por um lado, objetivamente, podemos atribuir ao suicídio um adjetivo de abominável, temos de admitir, por outro, que é preciso avaliar cada caso. Não se pode negar, de certa forma, que o suicídio é uma recusa ao cumprimento de um dever, mas, também, que ele representa profundo questionamento, em relação à nossa qualidade de vida, considerando que se condena um número cada vez maior de pessoas ao isolamento, à solidão, ou, de qualquer maneira, à incapacidade de perceber o próprio sentido da vida.

11 10 1. O FENÔMENO DO SUICÍDIO EM SI MESMO 1.1. INTRODUÇÃO A abordagem do tema suicídio remete à possibilidade e à importância de trabalhar a questão da saúde em todas as dimensões humanas: física, psíquica e social. É cada vez mais perceptível que não basta ter uma doença física para afirmar que alguém goza de uma boa saúde. O ser humano necessita ser uma pessoa integrada, na qual os fatores físico, psíquico e espiritual estejam em harmonia. Os tempos atuais trouxeram condições de vida provenientes de um progresso tecnológico que nem sempre significa um progresso de bem-estar, de integração. O que se percebe são situações de neurose oriundas de uma síndrome de falta de sentido para viver. E o que podemos constatar como prejuízo aos enfermos em geral, podemos, igualmente, atribuir aos que têm tendência ao suicídio, ainda que este não acabe acontecendo. José Carlos Bermejo, discorrendo a respeito da humanização da saúde, tece afirmações a respeito do tratamento à pessoa enferma que têm sua aplicação no fenômeno do suicídio: Adquirimos a consciência de que a pessoa enferma nem sempre é tratada com a dignidade que lhe é de direito nas seguintes situações: sempre que, nas relações, são produzidos processos de despersonalização; sempre que as necessidades não são satisfeitas à medida do homem; sempre que a tecnologia anula ou toma o lugar do fundamental e insubstituível encontro interpessoal [...] 5. O fenômeno do suicídio está inserido num contexto no qual há um anseio universal por uma maior humanização, isto é, a garantia que tudo que envolva a saúde e a doença das pessoas seja digno da condição humana. [...] Não será essa, talvez, a tarefa fundamental da humanidade, garantir que seus membros sejam realmente pessoas? Pessoas vivendo em sociedade, capazes de se encontrarem com as demais na vulnerabilidade e de se acompanharem mutuamente para conseguirem, também, ser pessoas no lado escuro da vida 6. 5 BERMEJO, José Carlos. Humanizar a saúde: cuidado, relações e valores. Petrópolis: Vozes, p Ib. p

12 11 Abordando a problemática em torno da saúde e dando ênfase ao suicídio, experimentamos, com mais força, a urgência de uma humanização. A doença, em qualquer uma de suas dimensões na vida humana, sempre foi e será uma miséria. Diante do ser humano nessa situação somos profundamente interpelados quanto à solidariedade que necessitamos expressar UMA MELHOR COMPREENSÃO DA SAÚDE COMO BEM-ESTAR A Organização Mundial da Saúde define a saúde como um estado de completo bemestar físico, psíquico e social, não bastando a ausência de doença ou de enfermidade 7. A partir deste ponto, teríamos uma primeira possibilidade para orientar o caminho deste trabalho que consistiria em alargar o máximo possível o conteúdo da definição. E seria necessário dizer que o conteúdo do bem-estar, além dos setores que são elencados, devia também ser um bem-estar espiritual, com óbvia referência ao transcendente. Indo mais além, é preciso prolongar o conteúdo da saúde ao aspecto social e familiar, bem como a um grande número de outros fatores de atualidade, entre os quais devemos ressaltar os fatores ambientais, a salubridade das habitações, o urbanismo, o estilo de vida moderno, o trabalho ou a desocupação e assim por diante. Ao invés de tomar este caminho mais extensivo, pode ser mais interessante um outro mais intensivo e voltado para a qualidade, que parece mais adaptado a iluminar o conteúdo humano do conceito de saúde e mais de acordo com o ponto de vista teológico sobre a matéria. Em vista disso, vamos proceder por etapas. Em primeiro lugar, tentaremos descodificar, ou seja, converter em linguagem comum, alguns pressupostos desta definição corrente de saúde, apresentada acima. Em seguida, entraremos no seu 7 A Organização Mundial da Saúde (OMS) foi criada como uma agência específica das Organizações das Nações Unidas (ONU) em Sua existência oficial foi declarada em 7 de abril daquele ano, depois de mais da metade dos membros da ONU ter assinado sua constituição. Atualmente, esta data é comemorada como o Dia Mundial da Saúde.

13 12 conteúdo propriamente antropológico e ético, sem evitar o seu relacionamento com um aspecto impopular e incômodo, que é o sofrimento. Finalmente, vamos alinhar algumas componentes a privilegiar num ethos 8 da saúde bem à medida do homem O conceito de saúde na era da técnica e da eficiência Na cultura em que estamos, a idéia de saúde como bem-estar relaciona-se fortemente com as conquistas da tecnologia. Ao contrário, a ausência de saúde e a morte são sempre vistas como uma falência técnica de qualquer órgão do corpo humano e como um fracasso da medicina. Trata-se de um modo de ver próprio da nossa civilização, assentada no conhecimento e na conquista. Primeiramente, temos o domínio humano sobre a natureza. Numa primeira fase, este domínio restringia-se mais ao domínio sobre o cosmos. Porém, numa fase mais recente, a medicina e a biologia expandiram este domínio para o próprio corpo humano, de tal maneira que a pessoa se tornou não apenas sujeito, mas também objeto da própria conquista do cosmos pelo saber e poder técnico. Não somente o elemento bioquímico do ser humano, mas também o seu mundo mental e psicológico tem sido objeto desta conquista progressiva. A descoberta, desde Freud, do mundo psíquico do ser humano possibilitou criar bem-estar a muitas pessoas acometidas por grande número de padecimentos. O fato influenciou a mentalidade em geral. Ao descobrir um número cada vez maior de mecanismos da vida psíquica, a ciência transferiu para o domínio da saúde muitos dos fatores que eram tradicionalmente atribuídos às forças sobre-humanas e tratados no campo da magia ou do religioso. Aumentaram as possibilidades de uma vida melhor, mas, ao mesmo tempo, o conceito de saúde integrou novas vertentes, ou seja, novos 8 Aqui, o termo ethos deve ser entendido como a fundamentação dos princípios morais, posteriormente transformados em convicções e em regras de comportamento (cf. PRIVITERA, Salvatore. Ethos. In: Dicionário de Bioética. Vila Nova de Gaia (Portugal): Perpétuo Socorro; Aparecida: Santuário, 2001, p. 420).

14 13 direcionamentos. Um outro fator que deve ser considerado na questão da saúde é a complexidade da vida social. De fato, observamos que a sociedade, que em estágios anteriores se ocupava de forma mínima com a vida dos indivíduos, ampliou recentemente a sua intervenção. É assim que o Estado assume sobre si próprio a responsabilidade pela saúde, principalmente pela saúde pública, mas também pela saúde privada. O efeito disso foi alargar o conceito de saúde a dimensões insuspeitadas e tornar a sua efetivação, enquanto direito e dever dos indivíduos e das instituições, a um nível de complexidade que torna esse setor um dos mais polêmicos e conflitivos das sociedades atuais. A preocupação pela higiene e saúde estendeu-se, pois, a quase todos os setores da vida humana. Durante séculos, a saúde tinha a ver apenas com a ausência de enfermidades físicas, enquanto que a saúde psíquica, espiritual, as condições de vida e o meio ambiente ou eram de foro mágico-religioso ou não constituíam ainda problema, como é o caso do meio ambiente. Certamente, o bem-estar a que se refere o estado de saúde perfeita possui um grande número de vertentes. Por outro lado, a saúde também se secundariza, no sentido de não ser propriedade e responsabilidade do indivíduo, mas de terceiros, médicos e diversos técnicos de um sistema público Pressuposições da saúde como bem-estar Diante do que foi apontado acima, a Organização Mundial de Saúde define a vida saudável como um completo bem-estar e não apenas como ausência de doenças ou enfermidades. Aprofundemo-nos um pouco no que significa esta definição. Num estudo sobre o ethos do progresso bioquímico, Jürgen Moltmann identifica quatro visões do mundo que podemos utilizar como pressuposições do conceito de saúde. Em

15 14 primeiro lugar, o desenvolvimento tem como ponto de mira um mundo asséptico, isto é, extremamente limpo. Isso significa que a vitória sobre as bactérias e os vírus levará ao domínio das doenças infecciosas e à criação de um universo quimicamente puro. Em segundo lugar, o desenvolvimento dos psico-fármacos persegue a utopia de uma vida sem dor. Em seguida, o domínio das técnicas de transplante de órgãos gera a idéia da possível substituição das partes do corpo como se fossem peças de um mecanismo, gerando, então, a miragem de uma vida sem fim temporal. Finalmente, a nova genética, conhecendo o programa dos seres humanos, levará à eliminação das doenças hereditárias e, como conseqüência, a uma melhoria da espécie humana e a uma hipotética aceleração da evolução natural 9. Cabe, agora, perguntarmo-nos: será que tal programa corresponde, de fato, a um completo bem-estar da pessoa? A relativa vitória sobre as doenças infecciosas correspondeu a um avanço inegável da qualidade da saúde e da vida. Aumentou bastante a expectativa de vida, reduziu a mortalidade infantil, garantiu a imunidade sobre um grande número de doenças. Os países considerados desenvolvidos possuem uma assistência sanitária que abrange grande parte da população. Mas esta vitória sobre a natureza hostil é apenas fonte de bem-estar para as pessoas? Não dará este fato origem a novas formas de mal-estar? O desenvolvimento da biomedicina favoreceu a explosão demográfica; por sua vez, o domínio sobre parte da seleção natural provocou uma degeneração do patrimônio genético. Este incremento das populações fez aparecer novas formas de competição entre as pessoas, competição na escola e no emprego, que, por sua vez, estão na origem de diversas formas de doenças, principalmente do foro psíquico, mas também, eventualmente, novas formas de vulnerabilidade às infecções de vírus e bactérias. Além das conseqüências sobre o meio ambiente causadas pelos meios químicos de combate aos parasitas, podemos assinalar, 9 MOLTMANN, Jürgen. Etica e progresso biomedico. In: Futuro della creazione: Brescia (Itália), 1980, apud CUNHA, Jorge Teixeira da. Bioética Breve. Apelação (Portugal): Paulus, 2002, p.12.

16 15 sobretudo, novas formas de mal-estar decorrentes da ruptura do equilíbrio entre gerações, este último conseqüência do envelhecimento das sociedades. O mesmo podemos dizer dos novos conflitos surgidos entre pobres e ricos dentro da mesma sociedade e dos mesmos entre povos de continentes ricos e pobres. Sem dúvida, não podemos deixar de considerar que o uso dos psico-fármacos tem uma vantagem evidente na superação da dor e, portanto, na criação de um bem-estar para as pessoas. Mas, aqui também o fenômeno é ambíguo e podemos visualizar o aparecimento de posteriores formas de mal-estar. Um grande exemplo, aqui, é o problema do consumo de drogas e alucinógenos que assume proporções mundiais neste momento. Mas, independentemente disso, podemos perguntar se uma vida sem dor é uma vida saudável, ou, antes, ao contrário, não corresponde a uma evidente desumanização do ser humano. De certa forma, uma vida sem dor não seria uma vida sem afeto e sem amor? Infelizmente, as possibilidades atuais no transplante de órgãos não são ainda satisfatórias, embora correspondam a um avanço inegável na conquista da saúde. Mesmo assim, a sua realização será, certamente, fonte de novos desequilíbrios para a pessoa, vista na sua totalidade. Sem olhar para o mito de uma vida sem fim, monótona, vazia e entediante, percebemos que esta possibilidade é fonte de novos mal-estares na pessoa e na sua unidade de corpo-espírito. Que será feito da dimensão corporal do ser humano numa situação de substituição freqüente de partes do organismo como se tratasse de peças de um mecanismo? Será isto uma situação de saúde perfeita? De que maneira se pode conceber uma melhora da espécie humana, tal como oferecem perspectivas as novas possibilidades da genética, mediante a eliminação de doenças? Não criaremos novas formas de mal-estar e de conflito entre elites robustas e multidões de seres comuns, não modificados?

17 Uma crítica ao conceito moderno de saúde Quando analisamos a visão da saúde humana própria da modernidade com as suas idéias de desenvolvimento, e colocamo-nos na perspectiva de um autêntico bem-estar da pessoa, precisamos reconhecer que corresponde a um real avanço da humanidade em qualidade de vida, porém não deixa de se revelar ambíguo e cheio de deficiências. A situação descrita acima faz coincidir o conceito de saúde com o avanço da medicalização e com o correspondente acréscimo de prestígio e de poder por parte da classe médica. Realmente, entende-se por saúde a ausência de enfermidades e uma grande preocupação preventiva referente a possíveis infecções. No entanto, para além disso, assistimos a uma medicalização de quase todas as fases da vida humana, sobretudo da gestação, nascimento e infância, da fase terminal da vida que precede a morte. Porém, esta expansão do âmbito médico cresce, também, em direção a outros aspectos da vida, como a vida sexual, a nutrição, a educação física, o esporte, o trabalho. Tal aspecto tem sido objeto de crítica por parte de alguns observadores e fala-se até de uma febre higienista que é difícil identificar com o conceito de saúde 10. Outro ponto a ser considerado é que é justo reconhecer que a medicina moderna se preocupa com o bem-estar do indivíduo na sua integralidade, não deixando de ter em conta as interações entre vida física, psíquica e espiritual. Porém, o modo como lida com o corpo humano ocasiona uma nova forma de objetivização do corpo que impossibilita a integração da totalidade das dimensões do ser humano. Apesar de certo acréscimo de derrota das epidemias e acréscimo de bem-estar, assistimos, atualmente, ao aparecimento de novas formas de patologia tanto físicas como 10 CUNHA, Jorge Teixeira da. Bioética Breve. Apelação (Portugal): Paulus, 2002, p. 16.

18 17 psíquicas. Aqui, queremos realçar sobretudo estas últimas, por serem mais significativas para o nosso propósito. A obra de Viktor E. Frankl é inequívoca: as sociedades modernas originam novas formas de neurose provenientes das condições de vida que ele agrupa sob a designação de síndrome da falta de sentido 11. Trata-se de uma nova fonte de mal-estar que mostra como o conceito moderno de saúde é gravemente imperfeito, visto desde a perspectiva do bem-estar da pessoa como tal. Numa palavra, podemos dizer que o conceito moderno de saúde privilegia excessivamente os fatores da eficiência e da capacidade de fruição, ou seja, do gozo, da posse, do desfrute, a capacidade de participar no processo produtivo das sociedades como condição de ter acesso a fruir dos bens produzidos. Porém, reprime outras dimensões que fazem parte do autêntico bem-estar da pessoa O conceito de saúde na Teologia De um ponto de vista teológico, podemos apontar algumas dimensões que não deveriam ser esquecidas pela cultura moderna, para que se possa avançar num programa de autêntico bem-estar da pessoa. Na busca da definição do que seja o bem-estar da pessoa, um ponto crucial é saber o significado que se dá ao sofrimento. De acordo com o seu espírito muito próprio, o pensamento ocidental evitou esta questão, tendo sempre colocado a sua atenção na parte ativa do ser, isto é, na ação e não na paixão, no poder e não no padecer. A teologia participa desse espírito, privilegiando, em geral os atributos de Deus 11 Segundo Viktor Emil Frankl (Viena, 26 de março de de setembro de 1997), existe no ser humano um desejo de sentido. Percebeu que seus pacientes não sofriam exclusivamente de frustrações sexuais ou de complexos como o de inferioridade, mas também do que considerava ser o vazio existencial. A exigência fundamental da pessoa é a plenitude de sentido. Sua filosofia é fundamentalmente otimista e baseada na crença fruto de sua experiência pessoal de que o fim último da existência humana tem uma meta fora da própria pessoa, fim este que lhe dá o sentido da própria existência.

19 18 enquanto poder e ação, deixando na sombra os aspectos de passividade 12 e de abaixamento. Durante muitos séculos, a cristologia e a soteriologia lidaram com visível desconforto com os sofrimentos que acompanham a morte violenta de Cristo. Tal desconforto está visível nas explicações elaboradas para esses sofrimentos. O sentido do sofrimento era tratado como alheio à pessoa de Jesus e à sua relação com Deus. Por sua vez, a imagem de Deus que aceitava ou tolerava o sofrimento do Filho era completamente inaceitável teologicamente. E, no entanto, é necessário dizê-lo, o sofrimento e a morte de Jesus, além de serem conseqüência da injustiça humana, são algo que tem a ver com a relação de Jesus com Deus e, por conseguinte, têm um sentido para a condição humana. Esta dissertação não tem como objetivo levar longe as implicações da afirmação acima, porém, é importante justificá-la brevemente, tanto quanto baste para mostrarmos como a integração do sofrimento na vida pessoal é um dado fundamental para quem deseja iluminar o conceito de saúde como bem-estar da pessoa. Sem cair num qualquer racionalismo para explicar o sofrimento da cruz de Cristo, o teólogo François-Xavier Durrwell 15 faz uma incursão profunda neste mistério. Aproveitando da conhecida distinção da filosofia personalista entre as realidades que pertencem à ordem do ser e as que pertencem à ordem do ter", ele percebe como o sofrimento em geral pertence ao ter" e não pode de modo sadio ser amado pela pessoa. No entanto, aceite livremente, este sofrimento pode sinalizar o autêntico altruísmo e o amor ao semelhante. Vivendo uma condenação injustificada e absurda, no contexto de um processo injusto, Jesus abriu a sua humanidade à plenitude de Deus e realizou humanamente a sua filiação divina. Porém, continua o autor, existe na morte de Jesus um sofrimento que não é da ordem do ter", e sim, do ser : aquele a que se refere o grito Meu Deus, por que me abandonaste? (Mc 14,34). 14 Este termo, aqui, não deve ser entendido num sentido pejorativo, e sim, enquanto, aceitação do sofrimento, atribuindo-lhe um valor próprio, dentro de uma determinada realidade. 15 DURRWELL, François-Xavier. Le Père. Dieu en son mystère. Paris, 1987, p , apud CUNHA, Jorge Teixeira da. Bioética Breve. Apelação (Portugal): Paulus, 2002, p Durrwell é sacerdote redentorista.

20 19 Este sofrimento pertence ao próprio âmbito da relação Pai e Filho. De acordo com a cristologia personalista de Durrwell, o mistério da filiação divina de Jesus realiza-se numa proximidade-distanciamento: Jesus é o Filho de Deus numa intimidade com o Pai, intimidade esta que coincide com a distância existencial mais extrema que é a sua encarnação na semelhança com a carne pecadora. Os psicanalistas lembram justamente que existe um vestígio nas relações humanas deste mistério profundo: o ser humano chega à individualidade e à capacidade de relacionar-se mediante a condição de ser destacado, primeiramente do corpo da sua mãe, posteriormente, separado da intimidade da sua família e, finalmente, do seu corpo, na morte 16. A partir destas breves observações teológicas, suficientes para afirmar um sentido ontológico para a passividade e o sofrimento, podemos concluir que uma compreensão do conceito de saúde apenas como eficiência e como capacidade de desfrutar prazerosamente será necessariamente incompleto. Portanto, para chegarmos a um conceito englobante, temos de incluir algo impopular mas imprescindível, que tem a ver com uma aceitação e certa capacidade para o sofrimento Saúde, sofrimento e finitude O famoso psicoterapeuta Viktor E. Frankl notou como a profissão do médico confrontava-o com pessoas que sofriam, algumas das quais eram pessoas completamente incuráveis e para as quais a condição sofredora tornou-se um destino inevitável. Desde já, podemos nos perguntar se tal condição sofredora não pertence, mais cedo ou mais tarde, a todos os seres humanos. Nestas circunstâncias, continua Frankl, será que o papel do médico 16 CUNHA, Jorge Teixeira da. Bioética Breve. Apelação (Portugal): Paulus, 2002, p. 19.

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA

I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA I CONGRESSO DO CREMESP I JORNADA PAULISTA DE ÉTICA MÉDICA MAKSOUD PLAZA SÃO PAULO 30/3 a 1/4 de 2006 CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO CONSELHOS DE MEDICINA E CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA

O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA O ENCONTRO DE CATEQUESE E SUA DINÂMICA Nestes últimos anos tem-se falado em Catequese Renovada e muitos pontos positivos contribuíram para que ela assim fosse chamada. Percebemos que algumas propostas

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s...

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... Aqui não estão as mensagens mediúnicas, mas algumas palavras

Leia mais

É claro que somos guardiões do nosso irmão, afirma o Dr Zygmunt.

É claro que somos guardiões do nosso irmão, afirma o Dr Zygmunt. Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 15/08/2010 Comunhão: Resultado de experiências radicais com Jesus. (Estudo 3) Mês da Comunhão 2 O Dr. Zygmunt Bauman, no livro A Sociedade Individualizada, abordando

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LOGOTERAPIA ANÁLISE EXISTENCIAL Disciplina: A ética descritiva sob a Perspectiva Interdisciplinar 1 e 2 A ética descritiva, Logoterapia e as esferas

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2.

ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 15 Creio em Deus Pai - 2. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 20 de setembro de 2012. revisão da aula anterior. 2.1- Deus Todo Poderoso. Dei uma

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO

ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO Instituto de Educação infantil e juvenil Outono, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição IX MMXIII texto Grupo A ESPIRITUALIDADE E EDUCAÇÃO Há alguns meses estamos trabalhando

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras

Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova. Prof. Humberto S. Herrera Contreras Educar hoje e amanhã uma paixão que se renova Prof. Humberto S. Herrera Contreras O que este documento nos diz? Algumas percepções iniciais... - O título já é uma mensagem espiritual! tem movimento, aponta

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Texto argumentativo sobre a Eutanásia

Texto argumentativo sobre a Eutanásia Texto argumentativo sobre a Eutanásia Trabalho elaborado por: Patrícia da Conceição Formadores. Rita Camões e Fernando Guita 23 11-2010 Como todos nós sabemos o tema da eutanásia causa muita polémica na

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas

José Eduardo Borges de Pinho. Ecumenismo: Situação e perspectivas José Eduardo Borges de Pinho Ecumenismo: Situação e perspectivas U n i v e r s i d a d e C a t ó l i c a E d i t o r a L I S B O A 2 0 1 1 Índice Introdução 11 Capítulo Um O que é o ecumenismo? 15 Sentido

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15

Sumário. Prefácio...3. 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5. 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 1 Sumário Prefácio...3 1. As evidências da ressurreição de Cristo...5 2. Se Jesus está vivo, onde posso encontrá-lo?...15 Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera Ministério de Grupos Pequenos Março

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO anuncie a Boa Nova não só com palavras, mas, sobretudo, com uma vida transfigurada pela presença de Deus (EG 259). O tema da nova evangelização aparece com freqüência

Leia mais

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN

A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN 1 A ÉTICA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: DE LEONARDO BOFF A EDGAR MORIN Heraldo Simões Ferreira 1 José Jackson Coelho Sampaio 2 Laryssa Sampaio Praciano 3 RESUMO Este artigo possui como objetivo trazer

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA

PASTORAL É O HOJE DA IGREJA PASTORAL É O HOJE DA IGREJA As mudanças sociais são desafios à Evangelização. A atualização da mensagem cristã nas diversas realidades e em diferentes tempos fez surgir a Pastoral. Hoje em nossas paróquias

Leia mais

A Pedagogia do cuidado

A Pedagogia do cuidado Roteiro de Oração na Vida Diária nº 23 A Pedagogia do cuidado Tempo forte na Igreja, inicia-se hoje nossa caminhada de preparação para a Páscoa, no rico tempo da quaresma. Como nos ciclos da natureza,

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: A Vontade Palestrante: Dulce Alcione Rio de Janeiro 29/09/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Luno" (nick: [Moderador]) "Médium

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

UNOS LIFE DONATE" TRANSPLANT TRENDS. Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215

UNOS LIFE DONATE TRANSPLANT TRENDS. Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215 DOAÇÃO DE ORGÃOS 1 UNOS DONATE" UNITED NETWORKING FOR ORGAN SHARING LIFE TRANSPLANT TRENDS Waiting list candidates as of today 120,324 Transplants January July 2013 16,669 Donors January July 2013 8,215

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida

GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida 1 GRAÇA E FÉ por Rev. Fernando Almeida Introdução Muitos de nós ouvimos, com certa freqüência, pregadores que ao fazerem apelo, dizem coisas do tipo: dê uma chance para Jesus ou ainda deixe Jesus entrar

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 05/06 PLANIFICAÇÃO ANUAL º CICLO EDUCAÇÃO MORAL RELIGIOSA CATÓLICA (EMRC)- 6ºANO. Documento(s) Orientador(es): Programa de EMRC de 8 junho de 04;

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas

Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Espiritualidade do Câmbio Sistêmico ou Mudança de Estruturas Uma breve meditação sobre Mudança de Estruturas O objetivo desta meditação é redescobrir a dimensão espiritual contida na metodologia de mudança

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil

REQUERIMENTO. Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil REQUERIMENTO Ao Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Dom OSVINO JOSÉ BOTH Arcebispo Militar do Brasil Documento elaborado de próprio punho. Eu, inscrito no CPF sob o nº e no RG nº aluno da Escola Diaconal

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais