ARTIGO CIENTÍFICO. Fatores Relacionados ao Suicídio no Exército Brasileiro: medidas preventivas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGO CIENTÍFICO. Fatores Relacionados ao Suicídio no Exército Brasileiro: medidas preventivas."

Transcrição

1 ARTIGO CIENTÍFICO Fatores Relacionados ao Suicídio no Exército Brasileiro: medidas preventivas.

2 2 RESUMO O trabalho realizado por este oficial teve por desígnio verificar se o Exército Brasileiro tem relacionado medidas preventivas ou profiláticas contra o suicídio, particularmente nas situações do dia-a-dia nas Organizações Militares, a fim de subsidiar os comandantes em todos os níveis para que possam reconhecer os fatores de risco ou relacionados ao suicídio e, de antemão, tomarem as devidas ações para evitá-lo. Para tanto, a pesquisa analisou as causas que levam um indivíduo a cometer tal ato, delimitou o perfil suicida em potencial, e verificou se há procedimentos dentro da Força voltados para a contenção do ato suicidógeno e ao final, levantou os fatores de risco e os associados com o suicídio a fim de que se obtivessem evidências que fundamentassem uma lista de procedimentos para a elaboração de um livreto de assessoramento aos Comandantes em todos os níveis, em particular aos que comandam Unidades e Grandes Unidades, para auxiliá-los a combaterem ou inibirem dentro das fileiras das suas tropas o autocídio. Para analisar as possíveis causas do ato e delimitar o perfil suicidógeno, foram utilizados trabalhos desenvolvidos por pesquisadores, cientistas e profissionais da área que realizaram estudos na tentativa de explicar os motivos que levam uma pessoa a atentar contra a própria vida, bem como a realização de uma pesquisa de campo abordando militares que servem em unidades dos Comandos Militares de Área do Leste, Sul, Nordeste e Centro- Oeste onde se tenham apresentado casos de suicídio. Paralelamente, buscou-se ter acesso às informações junto aos órgãos competentes da Instituição para se ter uma visão geral do fato no Exército como um todo, a fim de se consubstanciar, da melhor forma, o trabalho. Dessa maneira, foi possível verificar que não obstante haja meios dentro da Força Terrestre que colaborem para inibir atitudes que venham a desencadear o suicido, os mesmos não são devidamente explorados e seguidos a rigor, o que leva a se considerar a necessidade de reajustamento nessa questão a fim de se aplicar, com maior ênfase, a liderança em todos os níveis, de se buscar maior preocupação para com o bemestar sócio-econômico do militar, e principalmente de se cultuar mais os valores de vida, de família e religiosidade o que, juntos, dificultarão o surgimento de fatores que venham a desencadear ações suicidógenas. Palavras chaves: 1. Suicídio. 2. Militar Suicida. 3. Profilaxia e Prevenção contra o Suicídio.

3 3 1 INTRODUÇÃO A vida é o maior bem que um homem possui. E a nossa Carta Magna 1, no seu Art. 5º, já chama atenção das Instituições Nacionais para esta preocupação. Nos últimos anos, o Exército vem se preocupando com o problema do suicídio, o qual vem aumentando dentro da Instituição (ANDRADE 2, 2005, p.15), onde já chegou a ponto de ceifar vidas de Comandantes de Grandes Unidades. E estes números são confirmados também no mundo como um todo, e diversos são os fatores que colaboram para o seu incremento, independentemente da classe social, da faixa etária, do sexo, profissão ou região geográfica. O termo suicídio foi utilizado pela primeira vez em 1737 por Desfontaines. O significado tem origem no latim, na junção das palavras sui (si mesmo) e caederes (ação de matar). Esta conotação especifica a morte intencional ou auto-infligida. Num aspecto geral, o suicídio é um ato voluntário por qual um indivíduo possui a intenção e provoca a própria morte. Pode ser realizado através de atos (tiro, envenenamento ou enforcamento), o que se poderia chamar de suicídio ativo; ou por omissão (recusa em alimentar-se, por exemplo), constituindo o suicídio passivo. São considerados tentativas de suicídio quaisquer atos não fatais de automutilação ou de auto-envenenamento. São comportamentos onde há risco de morte ou tentativas mal-sucedidas de suicídio. Esses atos são conhecidos como parassuicídio. O suicídio é a conseqüência de uma perturbação psíquica. A tensão nervosa que envolve e culmina nos conflitos intrapsíquicos de gravidade acentuada, transtorna a tal ponto que a morte, para o autocida, torna-se único refúgio e a inevitável solução dos problemas. Alguns fatores são comuns aos indivíduos que tentaram ou cometeram suicídio. Por exemplo, é mais freqüente nas idades que delineiam as fronteiras da vida, como a puberdade e a adolescência, e entre a maturidade e a velhice. As doenças físicas como câncer, epilepsia e AIDS; ou doenças mentais como alcoolismo, dependência tóxica e esquizofrenia, compõem alguns dos motivos que induzem um indivíduo a atentar contra a própria vida. 1 BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional nº 31, de ed. São Paulo: Saraiva, ANDRADE, José Eduardo, Suicídio no Exército: como prevenir. 1ª ed. Rio de Janeiro: ECEME, 2005

4 Algumas situações sociais também conduzem ao suicídio. Podemos incluir como exemplo o insucesso no matrimônio ou não ser casado, não ter filhos, não ser religioso, isolamento social e o fracasso financeiro. A depressão também está aliada aos casos de suicídio. Aliás, que se dê ênfase: em torno de 70% dos suicídios ocorrem em decorrência de uma fase depressiva! Contudo, no auge das crises depressivas o indivíduo fica menos vulnerável as tentativas do suicídio ativo. Isto porque a depressão é caracterizada principalmente pela desmotivação, desinteresse e letargia do raciocínio. Nesse momento, o indivíduo não se dispõe a nenhuma atividade, inclusive aquela que o faça a cometer o ato de se matar. Alcançado este estágio, a tendência é a omissão. No mundo, suicidam-se diariamente pessoas. Nos Estados Unidos são suicídios por ano (quase 100 por dia). No geral, 7% dos suicidas sofrem de dependência alcoólica. Aproximadamente 90% de quem tenta, avisa antes. Quem já fez uma tentativa tem 30% mais chances de repetir do que quem nunca tentou, pois aquele que tenta o suicídio e não o vê consumado é candidato natural à recidiva, que culmina tão logo se lhe apresenta o móvel desencadeador do desejo. Segundo Cassorla (CASSORLA, 2005) 3, a grande maioria das pessoas já pensou em algum momento em sua vida, cometer o suicídio. O suicídio afeta no mínimo outras 6 pessoas, podendo ter impacto caso ocorra em um ambiente de trabalho em centenas delas. O custo do suicídio pode ser estimado em termos de DALYs (disability-adjusted-lifeyears, ou anos de vida ajustados às limitações). De acordo com este indicador, em 1998, o suicídio foi responsável por 1,8% do custo total de doenças em todo o mundo, variando entre 2,3% em países de alta renda a 1,7% em países de baixa renda. Este é um custo equivalente ao das guerras e homicídios, grosseiramente aproxima-se do dobro do custo do diabetes, e também equivale ao custo do trauma e asfixia neonatais (OMS, 2000) CASSORLA, Roosevelt M. S. O que é o Suicídio. São Paulo: Brasiliense, 2005, pág Organização Mundial de Saúde (ONU). Suicide Prevention Program (SUPRE). Suíça, Genebra, 2000.

5 5 2. DESENVOLVIMENTO Embora estejamos procurando encontrar medidas preventivas contra o suicídio, mister se faz conceber que todo e qualquer tratamento mais profundo que se dê ante um militar parassuicida, deve-se procurar um auxílio do profissional da área, o qual estará mais apto a ajudá-lo a discernir melhor a força de fatores constitucionais, biológicos, psicológicos e socioculturais no seu sofrimento. Que este humilde trabalho, sem pretensões inauditas, é o extrato de uma obra deste próprio autor, onde o estudo foi mais aprofundado e mais abrangente; e que o presente documento tem como objetivo nortear as atitudes iniciais e urgentes dos comandantes em todos os níveis, perante um militar com sintomas suicidógenos com vistas a ampará-lo e desviá-lo de tais agouros até que se obtenha condições de encaminhá-lo a um profissional da área de saúde adequado para o devido tratamento. Nesse ínterim, procuraremos trazer à ciência de todos, através deste importante meio de informação e comunicação acadêmico-militar, o extrato de algumas idéias e sugestões a fim de que possamos amealhar soluções para inibirmos o suicídio dentro das nossas fileiras. Se não, vejamos. O suicídio não consiste unicamente no ato voluntário que produz a morte instantânea. O indivíduo pode matar-se ou procurar a sua morte de uma forma consciente ou inconsciente; todos aqueles que, de um modo ou de outro, apressam a extinção das suas forças vitais, contrariamente ao período normal que lhe é dado pela natureza, são considerados também suicidas. O comandante aproveitando os caracteres de liderança que lhe são afetos deve, portanto, desenvolver nos seus homens as pulsões de vida, orientando-os também a saberem como lidar com os impulsos de morte que em determinadas situações, também auxiliam no desenvolvimento e na manutenção da vida; tomando o cuidado de alertá-los quanto às situações de conflito, quando essas pulsões poderiam se exacerbar e dar passagem a mecanismos autodestrutivos, terminando por acelerar a morte, que deixa de ser natural e passa a ser provocada pelas doenças, por acidentes ou atos inconscientes ou conscientes de autoextermínio. Os fatores internos e externos se entrelaçam e agem na psique do suicidômano. Que uma área interfere na outra, e que ao estudar o caso do militar parassuicida que está sob suas mãos, o Comandante deve procurar ter uma visão ampla e holística dos fatores que podem estar desencadeando o processo suicidógeno; e não esquecer de que a sua atuação como comandante será a de prevenir e evitar o desencadeamento dos fatores

6 suicidógenos, e que o alcance dos seus trabalhos estará no limite que imporá a si encaminhar o militar parassuicida às mãos de um especialista da área mental. O suicídio e tentativa de suicídio são fenômenos que ocorrem em populações com características diversas. E as motivações psicológicas e sociais devem ser também diferentes. Os suicidas, diferentemente daqueles que tentaram suicidar-se, geralmente usam métodos mais violentos, e neles a intensidade e a gravidade dos conflitos são maiores, além de que eles têm mais dificuldades de contato social e são mais isolados. Com a menor diferenciação entre papéis masculinos e femininos em nossa sociedade, veremos cada vez mais homens tentando o suicídio e mulheres violentas, homicidas. Portanto, o trabalho de prevenção contra o suicídio deve, desde já, abranger as militares com a mesma atenção dada aos casos de autocídio masculino. Há a possibilidade de se evitar o suicídio nos casos de tentativas em relação aos jovens do que aos mais velhos, devido à impulsividade e o despreparo daqueles em relação ao planejamento mais detalhado e minucioso destes o que dificulta ou até mesmo impede o socorro em tempo hábil. O casamento normalmente protege o indivíduo contra idéias suicidógenas pelo apoio, pela presença de filhos, pelas menores chances de solidão que encontrará o casado, etc. Por outro lado, os mais jovens (particularmente cabos e soldados, 3º Sgt, Asp Of e 2º Ten) devem ser orientados a retardarem a sua união marital pelo tempo necessário para uma estabilização sócio-econômica e psicológica. Solteiros e divorciados estão em maior risco para o suicídio. Um bom casamento protege o indivíduo contra idéias suicidógenas por proporcionar companhia e amparo nas horas difíceis, além de normalmente gerar filhos felizes e pródigos, contribuindo com futuros bons militares. Por outro lado, a Força deve buscar coibir o casamento prematuro por parte dos seus integrantes que não tenham alcançado a idade maturada e a condição econômico-social adequada sob pena de deparar-se com gravidezes indesejadas, infidelidades, crimes passionais, desagregação familiar os quais originam filhos-problema e desajustamentos sociais capazes de provocar situações que desencadeiem os fatores suicidógenos. A Instituição deve envidar esforços para o apoio aos filhos oriundos de casamentos desfeitos a fim de evitar-se futuramente que aquelas crianças abandonadas sejam os soldados-problema do futuro. Daí a participação do EB em palestras nas escolas públicas, incentivando a formação do caráter sólido e responsável, bem como do capital intelectual do futuro soldado brasileiro e defensor da Pátria que procurará voltar as suas energias de jovem para o embasamento seguro e responsável em busca de maior mobilidade social para si e para a sua família em um período vindouro. 6

7 O militar com pensamentos ou atitudes suicidógenas não deve ficar próximo ou ter facilitado o seu acesso a meios que possam lhe causar a morte. O controle acirrado contra drogas protegerá os futuros recursos humanos de que o País necessita para defendê-lo, fornecendo massa humana mais preparada psico e organicamente para cumprir com o seu dever de cidadão. O processo de seleção dos conscritos deve manter-se longe das áreas onde o estudo epidemiológico mostrou-se desfavorável às condições sociais, não obstante a idéia da participação do Exército nessas áreas como Mão Amiga no tocante a palestras esclarecedoras sobre o assunto e demais atividades afins. Há também a necessidade de se educar os militares a buscarem uma fé que possa arrastá-los para bem longe das idéias autocidas, promovendo em si os impulsos de vida; de procurarem participar de cultos religiosos e se aterem a uma religião, a qual irá desenvolver a sua fé e a crença de que o mundo não se acaba no caixão e que essa crença, essa confiança os ajudarão a superar as suas dificuldades, proporcionando as devidas condições de sobrevivência para os mesmos, prevenindo-os e afastando-os de pensamentos autodestrutivos. Outro fator a se levar em consideração é mobiliar a Força Terrestre com um maior número de médicos psiquiatras. Identificar, avaliar e manejar pacientes parassuicidas é uma importante tarefa do médico que tem um papel fundamental na prevenção do suicídio. A falta de um número maior destes no mínimo em Hospitais de Guarnição (H Gu) tem levado componentes da Força com distúrbios mentais a consultarem clínicos. Que em última instância, onde não há psiquiatras na guarnição, pode-se procurar apoio de médicos ou psiquiatras civis mais próximos até que se possa transferir o militar para um hospital da Instituição com o apoio adequado. E ainda, antes que se chegue a este caso, o Exército poderia através dos seus órgãos responsáveis selecionar médicos clínicos gerais, educados para identificar e tratar casos de depressão, bem como reciclar os que já operam dentro da força, com a realização de cursos e estágios em faculdades e clínicas afins. Os militares com distúrbios mentais ou que atravessam períodos de depressão, alcoolismo e esquizofrenia devem ser submetidos a avaliações psicológicas e exames de saúde mental, regularmente. A inexistência de um sistema público de ajuda psicológica e/ou psiquiátrica no País sinaliza ao Exército que ele deve realizar testes mais rigorosos nos conscritos e nos militares em geral que entram nas suas fileiras, a fim de detectar possíveis caracteres suicidômanos nos futuros integrantes, bem como a manutenção da realização de tais 7

8 testes ou similares uma vez a cada ano ou semestre, ou mais vezes ainda, nos parassuicidas em potencial. Não nos esquecendo de que como Mão Amiga, o Exército Brasileiro também poderia participar pró-ativamente na busca do saneamento da saúde do País seja através de palestras em escolas de redes públicas, abordando o tema e outros que direta ou indiretamente influenciam contra ou a favor dos aspectos da suicidomania (alcoolismo, drogas, falta de atividades físicas, etc.); seja através da participação dos nossos profissionais da área da saúde mental junto à sociedade civil o que poderá redundar em troca de experiências e ensinamentos; ou ainda através de outros apoios, como na área social, econômica, tecnológica, dentre outras, as quais corroborarão em uma união de esforços contra os caracteres suicidógenos ou contra seus agentes facilitadores. Dar atenção aos militares da reserva e seus familiares seria mais uma preocupação nossa no combate ao suicídio dentro da Força; particularmente aos reformados, pois são os que mais apresentam problemas de saúde, devido à idade avançada ou ao problema de saúde que os levou à reforma. Com esses, as medidas preventivas contra o suicídio devem ser mais atuantes, pois vivenciam uma nova fase da sua vida (aposentado), ou enfrentam problemas de saúde e sociais que são inerentes às idades mais avançadas (tais como perda de cônjuge, solidão, ociosidade, etc) sendo muitas das vezes atacados por doenças crônicas o que aumenta o risco do suicídio. Além disso, a Instituição, através da sua cadeia de comando, deveria promover mais atividades voltadas para esses militares (encontros, competições ou atividades desportivas, concursos literários, bailes da 3ª idade, passeios, etc). Deve se estimular o culto ao esporte, pois as atividades físicas afastam as doenças, previnem o organismo contra as mesmas, valorizam a saúde afastando as drogas de quem dela faz uso; e ainda por cima, deixam o ser humano com mais autoconfiança em si mesmo e com maior autoestima. Um belo corpo desperta e forma uma bela alma. Está fora de cogitação qualquer atitude de eutanásia em se tratando de doenças terminais. Primeiro, devido à ética que todo médico deve se ater, pois prestou juramento que o seu concurso seria sempre para salvar vidas. Segundo, por que não cabe ao homem julgar como a própria religião já afirmou o destino de ninguém, nem de si mesmo. Em qualquer extremo que esteja um moribundo, ninguém pode dizer com certeza que sua última hora chegou. O comandante, de posse dessas informações, deverá procurar, dentro da sua área de competência, criar motivações externas para os seus comandados a fim de que o mesmo 8

9 busque as pulsões de vida e se afaste dos pensamentos suicidas, pois o parassuicida é um indivíduo que está em um estado de desequilíbrio consigo mesmo e/ou com os outros, o que gera para si uma tensão represada, e da qual procurará se livrar através de ações conscientes ou inconscientes, descarregando esse conflito contra alguém (impulso destrutivo), ou contra si mesmo (impulso autodestrutivo). As necessidades fisiológicas e as de segurança necessidades primárias do ser humano são voltadas para a conservação pessoal do indivíduo e que elas dominam a direção do comportamento da pessoa. É importante o comandante descobrir qual necessidade fisiológica ou de segurança que está faltando para o militar parassuicida e que está o impelindo a atentar contra a sua própria existência (falta de dinheiro, alimentação), ou ainda se ele mesmo (o comandante) não é o causador de alguns desses problemas no parassuicida (por causa de arbitrariedade, decisões inconsistentes e/ou incoerentes, etc.). Que as demais necessidades abordadas por Maslow 5 não estarão no rol de importância do parassuicida, enquanto as duas anteriores (Fisiológicas e de Segurança) não tiverem sido atendidas. Partindo desse pressuposto, o comandante chegará à conclusão de que as necessidades sociais (participar de grupos de amizades, de reuniões sociais, por exemplo) não estarão sendo também, consequentemente atendidas [e é por isso que o parassuicida torna-se resistente, antagônico e às vezes hostil com relação às pessoas que o cercam o que o levará à falta de adaptação social e à solidão (o que é ruim para quem esteja com intenções suicidógenas, ou sob essas condições)]. Da mesma forma acontece com relação às necessidades de estima: que elas também não estarão sendo procuradas pelo suicidômano, e que por isso, ele estará com a sua estima baixa, com baixa confiança em si mesmo, achando que ninguém o aprova socialmente, e conseqüentemente se auto desvalorizando, e cada vez mais se afundando no seu mar de preocupações, sem encontrar saída, e nem tendo condições psíquicas para encontrá-las. Em se tratando desses aspectos, mister se faz o comandante prevenir todos esses problemas, procurando atender as necessidades maslownianas, e assim colaborar e prevenir contra o surgimento de militares com sintomas suicidógenos, buscando promover 5 QUINTELA Filho, Crispiniano Batista. A Comunicação Interpessoal como uma das Bases no Desenvolvimento do Comando, Chefia e Liderança. Rio De Janeiro: Escola De Aperfeiçoamento De Oficiais, 2004 apud MASLOW. 9

10 condições para que todos aqueles que estejam sob o seu comando atinjam as suas metas fisiológicas, de segurança, sociais, de estima, e de auto-realização, pois a nãoobservância desses fatos pode ser o estopim inicial para o desencadeamento de fatores suicidógenos. Outro aspecto a ser levado em conta é que o suicidômano não procura a morte, e sim uma outra vida que ele imagina existir no além-túmulo, segundo os seus mecanismos psíquicos de fuga e de defesa; isso como uma forma derradeira para chamar a atenção de outrem para as suas fantasias mentais, mesmo que essas fantasias lhe levem para o engodo de uma triste sina que ele acarretará para si, como para os seus. O comandante deve estar atento aos sinais deixado por suicidômanos, como bilhetes e cartas. O suicídio afeta no mínimo outras 6 pessoas, podendo ter impacto caso ocorra em um ambiente de trabalho em centenas delas. Prevenir um suicídio é mais econômico e menos traumático tanto para o Exército como para os indivíduos (familiares e colegas de trabalho) que conviveram com o suicida ou que convivem com um parassuicida, pois os gastos com medicamentos, funerais, tratamentos psicológicos de dependentes e familiares do suicida ou com o próprio parassuicida chegam a equivaler-se a custos de guerras e homicídios, variando entre 2,3% a 1,7% do custo total de doenças, onerando os cofres públicos e em particular o orçamento da Força Terrestre. Desgasta também a imagem da Força, além de trazer inconvenientes e traumas psicológicos para os que foram marcados com o drama. De posse dessas informações, os comandantes, chefes e líderes não devem publicar fotografias ou bilhetes ou cartas de suicídio para o público que não tem ingerência sobre o assunto; não devem noticiar detalhes específicos do método usado; não devem apresentar razões simplistas; não devem glorificar ou sensacionalizar o suicídio; não devem usar estereótipos sócio-culturais; e nem devem dividir a culpa pelo ato suicida com outros. Devem se referir ao suicídio como consumado e não como bem sucedido; apresentarem aos subordinados apenas os dados relevantes; realçarem as alternativas ao suicídio; publicarem indicadores de risco e sinais de aviso; fornecerem informações sobre formas de ajuda e recursos gratuitos disponíveis, como o apoio fornecido por entidades como o Centro de Valorização da Vida (CVV, 2002) 6. 6 CVV: Manual do Voluntário. 3ª ed. São Paulo: Edições FAE,

11 Deve-se verificar se no caso de um militar parassuicida, alguém próximo a ele não foi vítima de suicídio (pais, avós, irmãos, parentes e amigos próximos), pois a dor do suicídio de um desses elementos pode estar desencadeando os fatores suicidógenos no militar em questão. O comandante de U ou GU poderá destacar um ou mais elementos para auxiliar o militar enlutado por suicídio a fim de ajudá-lo a solucionar e resolver os problemas advindos [funeral, relatórios junto a legistas e à polícia, acionamento do seguro de vida (SFC), médicos, auxílio na organização dos pagamentos de contas, nos contatos com prestadoras de serviços e etc.]. Deve-se visitar domicílios de suicidas ou de suicidômanos, com o intuito de verificar se os familiares ou o próprio parassuicida precisa de ajuda psicológica urgente. Particularmente se for soldado ou cabo, que tem seus familiares dependentes do sistema único de saúde pública em que os atendimentos médico e social deixam muito a desejar. Isso vale também para o sargento, subtenente ou oficial que passam por dificuldades financeiras e não têm condições de fazerem frente a despesas médicas deste tipo. E ainda: deve-se buscar incentivar os companheiros de farda mais próximos a se revezarem em uma escala de visita ao colega enlutado, formulando atividades e ações para que o mesmo se desvencilhe o mais rápido possível do estado e do pensamento de luto. Em caso de se tratar de um enlutado por suicídio (particularmente de filhos ou cônjuges), seria oportuno avaliar a conveniência de se movimentar este militar para outra guarnição caso seja de carreira e esteja morando em sua cidade natal e próxima a parentes e amigos mais íntimos. Manter o contato, o apoio e as visitas desses parentes e amigos é importante para que o indivíduo supere melhor as adversidades advindas de fatos como esse. Há de se atentar para o acompanhamento daqueles que já se encontram sob os cuidados psiquiátricos a fim de se evitar o abandono dos tratamentos, bem como da seriedade, sigilo, profissionalismo e confiança a serem demonstrados quando da assistência ao suicidomaníaco, pois o meio castrense pode levá-lo a uma tendência a buscar manter o seu status quo, por temer qualquer mudança mesmo que seja para melhor que fosse alterar a sua vida ou provocar penosos e sofridos transtornos para si, dentro da Força. Deve-se envidar esforços para que todos os integrantes da Força adquiram uma apólice de seguro de vida que possa cobrir e amparar fatos deste tipo, bem como 11

12 diligenciar ações junto às seguradoras que amparam os militares (como o Fundo de Apoio à Moradia - FAM) a passarem a proteger e amparar familiares de militar suicida. A socialização, aspecto importante na convivência grupal situação comum aos militares deve ser buscada em todos os momentos possíveis pelos comandantes. Que todo indivíduo busca integrar-se com outros, sendo aí a oportunidade onde os comandantes podem atuar na prevenção contra o suicídio nas suas fileiras, ao promoverem a toda hora e a todo instante, nas oportunidades que lhe aparecerem, atividades que possam reunir os seus subordinados e familiares: datas festivas que possam reuni-los no quartel, comemorações de alguma vitória ou aspecto importante para a OM, concursos em que se tenha a participação familiar (o esforço em conjunto com esta, é muito importante), atividades de congraçamento entre oficiais, praças e servidores civis, dentre outras. A Força Terrestre deve construir mecanismos para verificar as competências dos comandantes em todos os níveis a fim de ter ciência de que os mesmos não contribuem indireta ou diretamente para a ocorrência de parassuicidas no âmbito de sua GU/U, ou seja, se esse militar que se encontra na cadeia de comando diretamente ligado ao parassuicida, não esteja de certa forma criando no ambiente externo deste parassuicida uma atmosfera aniquiladora, limitadora, restritiva, ameaçadora que venha estar afetando o seu desenvolvimento natural ou o seu amadurecimento como ser humano. Não se deve mandar de volta para o ambiente persecutório, antes do devido acompanhamento psiquiátrico, o paciente socorrido do ponto de vista orgânico. A liderança participativa, em detrimento da autocrática ou autoritária e até mesmo da delegativa por ser o estilo de liderança que mais se coaduna com a necessidade cada vez maior de influenciar o comportamento humano e conduzir pessoas ao cumprimento do dever é a que melhor permite estabelecer os vínculos de coesão, colaboração e união, pois proporciona ao líder e ao comandante ouvir, controlar e conhecer melhor os seus homens, bem como eles entre si. Isso contribui para estimular a confiança, a comunicação e o diálogo, a disposição para aceitar erros do outro, afastando todos da solidão, depressão e do sentimento de inutilidade e de desinteresse que configuram como alguns dos fatores causais para futuro desencadeamento de atitudes suicidógenas. A importância de se desenvolver a capacidade de comunicação para o exercício da liderança, colocando-se no lugar do outro, facilita enxergar na ótica do subordinado as suas dificuldade, aspirações, e como o mesmo está a observar o mundo exterior, tendo assim, melhores possibilidades de ajudá-lo e melhores condições de preveni-lo e defendê-lo contra atitudes suicidômanas. 12

13 A família é célula-máter da sociedade. O indivíduo oriundo de um lar desajustado, provavelmente será um militar desajustado. Que indivíduos oriundos de lares conturbados e, muitas vezes, desfeitos em situações também conturbadas, (onde o jovem sofreu grandes traumas com a separação de seus pais, por exemplo), podem apresentar, posteriormente, desequilíbrios emocionais que podem comprometer sua saúde mental, levando a ficar à mercê dos fatores desencadeantes de atitudes suicidógenas, o que poderá o levar a cometer um ato suicida. Este aspecto é importante à medida que associamos a sociedade composta por civis que adentram ano a ano no Exército a esses militares. O Exército Brasileiro poderá contribuir contra o suicídio dentro das suas fileiras, ao promover campanhas em valorização das famílias que compõem a Família Militar. O levantamento da convivência social do futuro pretendente à carreira das armas se faz necessária, no que tange a amigos e locais onde freqüenta: como clubes, barzinhos, escola e igrejas (se for o caso) e este levantamento é de fundamental importância, tendo em vista que a partir daí pode-se traçar, mesmo que sumariamente, um perfil de sua personalidade e suas preferências. Que o levantamento supracitado vem corroborar para a análise do comportamento do futuro militar no que se refere ao envolvimento com as drogas. O contato com substâncias entorpecentes em indivíduos que portam armas de fogo apresenta um alto risco de periculosidade para aqueles que com ele convivem, pois tais pessoas perdem a noção do certo e errado. E a partir daí, conduzir-se para um ato atentatório contra a vida, dele ou de outrem, seria mera questão de oportunidade. Cabe lembrar o estreito relacionamento entre o consumo de drogas, a dependência física e o endividamento para sustentar o vício que é uma das causas que levam o militar a cometer o suicídio. A Força Terrestre deveria incentivar, através da sua cadeia de comando a adoção de militares particularmente alunos de escolas de formação, Cb, Sd NB e EV que se encontram longe dos seus familiares (os conhecidos laranjeiras ) por famílias de Of/Praças (padrinhos). Essas atitudes contribuiriam para diminuir os sentimentos de solidão que às vezes se apoderam de tais indivíduos, e conseqüentemente, desencadeam possíveis estados de depressão, fator de risco preponderante para o suicídio. A carreira militar, como tantas outras, sempre despertou a admiração da sociedade brasileira e, portanto, o interesse em ingressar na carreira das armas é almejado por muitos, fazendo com que o número de pretendentes seja superior ao número de vagas 13

14 existentes. E isso abre uma janela para que o Exército Brasileiro possa selecionar muito bem seus integrantes, até mesmo aqueles que prestarão o serviço militar obrigatório, pois é notório que, atualmente, a quase totalidade dos conscritos é de voluntários. Nesse interem, o trabalho realizado para a seleção dos que almejam a carreira militar torna-se uma das principais ferramentas no que tange a prevenção. O fato de não se incorporar um futuro suicida às fileiras do Exército evita, de antemão, desgastes psicológico, social e financeiro, dentre outros, tanto para os integrantes da Organização Militar, como para a imagem da Força junto à sociedade brasileira. Assim sendo, a seleção complementar pode ser aperfeiçoada com uma entrevista muito mais rigorosa, devendo ser realizada por profissionais do mais alto gabarito e com experiência na identificação de problemas atinentes à seleção dos novos contingentes. A comissão de seleção deve ser composta de profissionais altamente qualificados, inclusive por profissionais ligados à parte de saúde mental como psicólogos e/ou psiquiatras. A aplicação de testes psicológicos é outro instrumento importantíssimo à disposição daqueles que realizam a seleção, testes esses muito eficazes na identificação de indivíduos com problemas na saúde mental. Na ficha de entrevista, preenchida por todos os futuros militares, deve-se fazer constar, obrigatoriamente, itens que facilitem a identificação, mesmo que sumária, da personalidade do indivíduo, tais como: A existência de algum vício como beber, fumar, ou até mesmo consumo de drogas ilícitas (lembrando que o jovem que consome drogas, normalmente iniciou seu vício pela maconha, sendo, portanto, possível associar que o ato de fumar pode ser considerado um primeiro estágio, que levaria ao consumo do baseado ); A existência de casos de suicídio na família; A existência de problemas de envolvimento com drogas lícitas e ilícitas na família; Traumas sofridos na infância; Pais separados: se houve algum sofrimento ao jovem no processo de separação; Caso os pais residam sobre o mesmo teto, procurar levantar como é o relacionamento do casal, se vive em harmonia ou em constantes brigas (lembrando que o indivíduo proveniente de um lar feliz, quase sempre está imune de cometer um ato suicida); Local onde mora, que locais freqüenta, com que freqüência (neste aspecto esse levantamento busca identificar as companhias do jovem, sua rotina e possíveis envolvimentos com pessoas e locais incompatíveis com a carreira das armas); Se o jovem pratica esporte regularmente, qual o tipo de esporte e com que freqüência (pois a prática desportiva com regularidade propõe um corpo são e conseqüentemente uma mente sã). 14

15 Os Cmt das GU/U devem buscar contato com alguém da família, ou até mesmo vizinho do militar com predisposições suicidômanas, no intuito de acessar informações a cerca de alteração de comportamento como queda nas notas escolares, frequência aos colégios, faculdades e/ou cursos, perda de apetite, entre outros (isso mostra um possível envolvimento com drogas, pois estas geram alteração comportamental). Para ratificar o exposto, os responsáveis pela incorporação dos novos integrantes da Força poderão solicitar, daqueles rapazes e moças que estão sendo entrevistados, a apresentação da carteira profissional ou do boletim escolar ao jovem que deseja incorporar às fileiras do Exército, pois esses documentos apresentam sua regularidade e o seu comprometimento com a profissão ou com os estudos. E, normalmente, a pessoa comprometida com aquilo que faz, possivelmente não estará envolvida com o consumo de drogas, estará a pleno de pulsões de vida, e consequentemente, com grandes chances de estar longe de problemas suicidógenos. Por outro lado, é de elevada importância a participação do Exército Brasileiro como Mão Amiga em palestras que difundam a carreira militar nas escolas públicas, empresas e universidades, à medida que orienta o jovem na canalização das suas forças e energias para o embasamento seguro e responsável em busca de uma maior mobilidade social para si e para a sua família no futuro. Também é de suma importância para o combate ao suicídio, a promoção de atividades culturais, desportivas e intelectuais dentro da sociedade, por parte do Exército Brasileiro em parcerias com prefeituras, estabelecimentos de ensino e órgãos governamentais. O jovem que cultua o esporte, a cultura e os estudos é um jovem que passa a valorizar mais a saúde, a sua autoestima e o seu crescimento individual e coletivo, afastando-se, nesse ínterim dos impulsos destrutivos, das drogas e dos caracteres suicidômanos, transformando-se em melhores ferramentas na mão da sociedade para que a mesma possa atingir plenamente os seus objetivos em relação à valorização da vida através de recursos humanos mais preparados psico e organicamente para cumprir com os seus deveres de cidadão. Durante os trabalhos de pesquisa sobre o tema, buscou-se todas as fontes possíveis, capacitadas e interessadas em solucionar, ou ao menos minimizar o suicídio. Nesse ínterim, buscou-se também as obras e trabalhos feitos por cientistas e pesquisadores que labutam na sociedade civil brasileira e mundial como um todo contra o suicídio. Destarte, o autor conseguiu trabalhos científicos publicados no Brasil e no exterior, onde pôde 15

16 extrair dados importantes para a busca de soluções ou amenizações, ou ainda de atitudes preventivas sobre o problema do suicídio. Alguns desses autores foi o cientista paulista Laércio B. Fonseca com algumas de suas obras, uma das quais intitulada a Física Quântica e Espiritualidade Uma abordagem científica sobre o espírito, a consciência e os fenômenos paranormais 7, na qual o referido autor utiliza como base os mais modernos avanços da Física Quântica e da Teoria da Relatividade de Einstein. Outros autores, como o senhor Hernani Guimarães Andrade e a senhora Marlene Nobre elucidaram e iluminaram dúvidas relativas ao interrelacionamento que há entre o ser humano e o que denominam energias extracorpóreas. Foi a Senhora Marlene Nobre, com o estudo da sua obra intitulada A Obsessão e suas Máscaras 8, que afirmou ser o pensamento um dos atributos e propriedades específicas do Espírito. No seu livro, a ilustre autora destaca o papel primordial da glândula pineal denominada glândula da vida mental, através da qual, todos os fenômenos anímicos e espiríticos se produzem (NOBRE 1997). Corroborando com as afirmações da Sra. Nobre, o doutor e cientista brasileiro Sérgio Felipe de Oliveira através do seu trabalho: A GLÂNDULA PINEAL Novos Conceitos e Avanços nas Pesquisas 9, já ministrada em faculdades de diversas cidades brasileiras e no exterior (Lisboa, Londres, Miami, Quebec e Paris), afirma que o Manual de Estatísticas de Desordens Mentais da American Psychical Associations colocou, em um dos seus importantes capítulos sobre questões étnicas e culturais, o seguinte: O médico deve tomar cuidado para não diagnosticar erroneamente como alienação ou psicose casos de pessoas que dizem ver ou ouvir espíritos de pessoas falecidas, porque isso pode não significar uma alucinação ou psicose. Já começa a haver aqui continua o doutor uma abertura para a hipótese espiritual... do ponto de vista factual inclusive! E isso, segundo o autor, abre espaço dentro do CID-10 10, mais comumente conhecido como Código Internacional de Doenças, que passa a reconhecer o estado de transe e a possessão por espírito como diagnóstico médico. Ou seja, estado de transe e possessão por espírito é hoje diagnóstico médico segundo o número F44.3 do CID FONSECA, Laércio. FÍSICA QUÂNTICA E ESPIRITUALIDADE: uma abordagem científica sobre os fenômenos paranormais e a espiritualidade. Limeira/SP: NOBRE, Marlene Rossi. S. A Obsessão e suas Máscaras: um estudo da obra de André Luiz. São Paulo: Editora Jornalística Fé, em 04 Abril de ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (ONU) - Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde apud em 04 Abril de 2010

17 Este renomado doutor e cientista é mestre pelo Instituto de Ciências Biomédicas de São Paulo, atua nas áreas de neuro, da ciência, da clínica médica e da psiquiatria; é diretor do Pineal Mind Instituto de Saúde, neurocientista, idealizador e diretor do Projeto Unispírito; e já teve alguns de seus trabalhos publicados em revistas de prestígio como a Superinteressante 11 e a Revista ISTO É 12. Por outro lado, o engenheiro e pesquisador Hernani Guimarães Andrade 13 completoume os ensinamentos colhidos nas obras da senhora Nobre, relatando que na ex-urss, parapsicólogos desenvolveram em meados do Séc. XIX, a técnica da efluviografia, descoberta pelo casal de cientistas Semyon Davidovich Kirlian e Valentina Khrisanova Kirlian. Segundo revela a publicação americana Notícias Psíquicas de Set/1971 (PINGA FOGO, 1971) 14 em artigo da Ph.D. Thelma Moss da Universidade da Califórnia, esses refinados métodos permitiram aos pesquisadores soviéticos obterem fotografias da aura de seres vivos. Os espantosos resultados obtidos através desta técnica levaram àqueles cientistas a admitirem a existência real de um corpo fluídico intimamente relacionado com o corpo somático. Deram a esse duplo-somático o nome de corpo bioplasmático (Apud PINGA FOGO, 1971) que o Dr. Hernani alcunhou, anos mais tarde em uma das suas obras, de Modelo Organizador Biológico 15. Relata-nos ainda, o fundador do Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), situado em São Paulo e de renome internacional, que na Inglaterra, outro cientista, através de antigo jornal (semanário) londrino Psychic News, cujo editor Senhor Maurice Barbanell ( ), também apresentou fotografias expressivas desses fenômenos estudados pelos seus irmãos do leste europeu, amparando a ciência na positivação da existência do corpo espiritual ou modelador do nosso corpo físico, e afirmando que certas doenças antes de se manifestarem no corpo físico se manifestam neste corpo bioplasmático. Os estudos e pesquisas desses autores contribuem e muito para minorar os problemas de suicido na Força à medida que abrem portas de conhecimentos para 11 OLIVEIRA, S. F. ENTRE VIVOS E MORTOS-MÉDIUNS. Superinteressante, v. 252, p , OLIVEIRA, S. F. OS MÉDICOS DO ALÉM. REVISTA ISTO É, v. -, p , ANDRADE, Hernani Guimarães. Reencarnação no Brasil (Oito casos que sugerem renascimento). 1ª ed. São Paulo: Casa Editora O Clarim, PINGA FOGO com Francisco Cândido Xavier. Produção de Versátil Home Video Video Spirite, sob Direção de Oceano Vieira de Melo, Edição e Montagem de Guilherme Cavalcante e Gustavo Goulart Ribeiro São Paulo: REDE TUPI, 21 de Dezembro de 1971, estúdios e auditórios da TV-Tupi, Canal 4 de São Paulo. 2 DVDs (6 horas), son., preto e branco. 15 ANDRADE, Hernani Guimarães. A CASE SUGGESTIVE OF REINCARNATION: JACIRA & RONALDO. 3ª ed. São Paulo: Van Moorsel, Andrade & Cia Ltda, Obra relacionada ao tema, em conjunto com outros pesquisadores e cientistas americanos e indianos. 17

18 comandantes, chefes e líderes, e, por conseguinte, mais campos de atuação e subsídios extraordinários para quem tem buscado, incessantemente, meios de abater os transtornos causados pelo suicídio dentro da Força. Por este motivo, este intercalado de dados relevantes para a Força Terrestre, pois se procura aqui levar à ciência do leitor, a capacidade e a possível influência que um obsessor desencarnado, uma influência extracorpórea, pode sugerir para uma pessoa desequilibrada emocional e psiquicamente. Que nos mecanismos de mediunidade em que o ser humano serve como meio entre o plano material e o espiritual destaca-se o papel primordial da pineal, denominada glândula da vida mental, através da qual, todos os fenômenos anímicos e espiríticos se produzem (NOBRE 1997). E no caso do presente estudo, é quando o obsessor, através da pineal do obsediado, age no seu estado hormonal, levando-o à prostração, ao desânimo e ao desespero da tentativa de suicídio. Há estudos clínicos que têm comprovado a influência extracorpórea. Nesse ínterim, deve-se atentar para as ideoplastias, idealizadas através do pensamento, pois o ser encarnado as cria, incessantemente, extravasando-o, através do corpo mental, o que poderá ser utilizado pelo ser desencarnado contra o indivíduo, e que por isso, os líderes e chefes devessem enfatizar o valor do pensamento e a importância da autodisciplina, bem como as atitudes que fazem da rotina, o hábito da vida. Todo comandante e líder devem educar e orientar os seus comandados com relação à valorização dos seus pensamentos, pois pelo que podemos auferir dos ensinamentos aprendidos pelas experiências e conclusões de físicos pesquisadores é que toda matéria é energia tornada visível e que toda energia, originariamente, é força divina de que nos apropriamos para interpor os nossos propósitos aos propósitos da Criação, cujas leis nos conservam e prestigiam o bem praticado, constrangendo-nos a transformar o mal de nossa autoria no bem que devemos realizar. No plano extracorpóreo, lidamos mais diretamente com um fluido vivo e multiforme, estuante e inestancável a nascer-lhe da própria alma: o seu pensamento contínuo! Fluido esse que seria um subproduto do fluido cósmico universal, de modo que através dele, a criatura assimilaria a força emanante do Criador, esparsa em todo o Cosmo, transubstanciando-a, sob a própria responsabilidade, para influenciar na Criação, a partir de si mesma. Que esse fluido vivo é a matéria mental de fundamental importância para o entendimento do homem e dos seus canais de comunicação com os outros seres do universo, com o seu Criador e a sua própria essência divina. Por outro lado, a preocupação com o liderado deve ser interesse constante do líder militar. Conhecer detalhadamente cada liderado é praticamente impossível, mas deve ser perseguido 18

19 sempre. Entender como as pessoas pensam e agem num mundo em constante mudança é um desafio para o líder. Nesse ínterim, a necessidade de que diuturnamente os comandantes, chefes e líderes busquem educar os seus comandados em relação aos próprios pensamentos (e, por conseguinte com suas próprias atitudes) a fim de que não atraiam para si, jaezes negativos, criando assim, condições suicidógenas para si próprios. E isso é deveras importante, em se tratando de obsessões que podem levar o homem encarnado a praticar a violência fatal contra si próprio, devido às intercessões alheias à vontade dele, não obstante provocadas e atraídas pela sua conduta, pelos desequilíbrios advindos de leituras não-edificantes e que se introjetam na sua mente, pelo que ouve e assiste, pelos ambientes que freqüenta, pelos seus comportamentos e atitudes, e principalmente, pelas suas palavras e pelos seus pensamentos, quando lhe restarão os resíduos finais dessas influenciações que transformarão a sua mente em um cadinho, qual forno a fundir todas essas energias negativas e pulsões destrutivas contra si próprio e de maneira incontrolável. 19

20 20 3. CONCLUSÃO A presente dissertação analisou os fatores relacionados ao suicídio no exército brasileiro e suas medidas preventivas. O estudo da proteção à vida dos Recursos Humanos da Força Terrestre é uma questão que envolve todos os Comandantes, em todos os níveis. Para se chegar à resposta ao problema levantado, foram apresentados aspectos específicos e argumentos lógicos a fim de subsidiar os Cmt em todos os níveis a como proceder diante de um militar com propensões suicidógenas. Após analisar o material bibliográfico e os resultados dos questionários e das entrevistas, propõe-se o seguinte: Implementar através dos comandantes em todos os níveis o desenvolvimento das pulsões de vida nos seus homens, orientando-os também a saberem como lhe dar com os impulsos de morte que, embora encaminhem o homem para o estado de inércia em determinadas situações, também auxiliam no desenvolvimento e na manutenção da vida, tomando o cuidado de alertá-los quanto às situações de conflito, quando essas pulsões poderiam se exacerbar e dar passagem aos mecanismos autodestrutivos, terminando por acelerar a morte, que deixa de ser natural e passa a ser provocada pelas doenças, por acidentes ou atos inconscientes ou conscientes de autoextermínio. Ensiná-los a fugir das situações de conflito através do esporte (contrário ao estresse), das atitudes contrárias aos vícios (álcool, fumo, drogas, glutonaria, sexolatria, ganância, egoísmo, dentre outros), da vida familiar (que ampara e protege o indivíduo contra as mazelas do ambiente social), da religião (através da fé e da crença de que existe uma Força Superior a ele, e que estará sempre o guiando no caminho do sucesso, da paz, da felicidade e da vida), do lazer (que se oporá à vida de tensão que o trabalho nos obriga a levar em determinados dias, contrabalanceando esses momentos de pressão), da paciência, da humildade, do amor, da convivência social que os ajudarão a superar as suas dificuldades de vida de uma maneira mais producente. Orientar os integrantes da Força quanto ao momento e às condições favoráveis da união marital a fim de se adquirir uma estabilização sócio-econômica e psicológica necessária. Envidar esforços para o apoio aos filhos oriundos de casamentos desfeitos a fim de evitar-se futuramente que aquelas crianças abandonadas sejam os soldados-problema do futuro

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas

Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Adolescentes e jovens preparados para tomar suas próprias decisões reprodutivas Andrea da Silveira Rossi Brasília, 15 a 18 out 2013 Relato de adolescentes e jovens vivendo com HIV Todo adolescente pensa

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente,

ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA. Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 04/05/2011. ABUSO DO CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS, UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638

ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 ASSÉDIO MORAL: Por: Claudia Regina Martins Psicóloga Organizacional CRP 08/13638 DEFINIÇÕES Moral: É o conjunto de regras adquiridas através da cultura, da educação, da tradição e do cotidiano, e que orientam

Leia mais

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas?

Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Como Prevenir e Tratar as Dependências Químicas nas Empresas? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Ana Carolina S. Oliveira Psi. Esp. Dependência Química Importância Preocupação permanente de gestores

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO

ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? RESUMO ESCOLA: AMBIENTE DE HARMORNIA OU CONFLITO? 1 Sandra Gaspar de Sousa Moura RESUMO Este artigo tem a finalidade de mostrar a importância das relações interpessoais dentro do ambiente escolar e como os sujeitos

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO

PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO PREVENÇÃO DO SUICÍDIO E PROMOÇÃO DA VIDA Orientações para Profissionais da Rede Local MANUAL DE BOLSO Introdução Este manual de bolso se dirige aos profissionais que tem a possibilidade de atuar nas situações

Leia mais

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283

Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 Assédio Moral e Violência no Trabalho SINDSEP CAROLINA GRANDO, PSICÓLOGA - CRP 06/114283 O que você sempre quis saber sobre saúde mental relacionada ao trabalho e nunca teve a quem perguntar? Dividam-se

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005

Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Este caderno é parte integrante da Revista APM Edição n 561 -Outubro de 2005 Cartilha Informativa sobre Drogas (Publicação em fascículos nas edições 557, 558, 559, 560, 561, 562, 563 e 564 da Revista A

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil. Mônica Aguiar

Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil. Mônica Aguiar Morte desejada: um estudo sobre a anorexia juvenil Mônica Aguiar "Deve o Magistrado, havendo risco para a vida do paciente, afastar a omissão dos pais para prestigiar o interesse do adolescente." Os transtornos

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

I - Desenvolvimento Humano

I - Desenvolvimento Humano I - Desenvolvimento Humano 1.1. Conceito O desenvolvimento humano se estabelece através da interação do indivíduo com o ambiente físico e social. Se caracteriza pelo desenvolvimento mental e pelo crescimento

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013

www.ree.org.br Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 Sobre as curas espirituais IEEWFM, 7 de maio de 2013 O diálogo a seguir envolve dois assuntos de grande interesse geral: a proteção oferecida pelos espíritos frente às diferentes situações a que somos

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1

MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 MADRINA-Desenvolvimento Infantil e Parental 1 PROJETO MEU TEMPO DE CRIANÇA Missão Visão Valores Colaborar com a importante tarefa de educar as crianças, nesse momento único de suas jovens vidas, onde os

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS

COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS COMO AJUDAR QUEM PERDEU PESSOAS QUERIDAS OPÇÕES DE LOGO 1. Psicotraumatologia Clínica 2. PSICOTRAUMATOLOGIA CLÍNICA psicotraumatologia clínica Todos já perdemos ou perderemos pessoas queridas e, geralmente,

Leia mais

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA

A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA A MORTE COMO OpçÃO PESSOAL OU REFLEXO DE UMA DOENÇA Por Dr. Paulo F. M. Nicolau Há estudos pormenorizados demonstrativos de que pessoas com constantes distúrbios emocionais caracterizam-se principalmente

Leia mais

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS

TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS TÉCNICAS DE MOTIVAÇÃO APLICADAS A EMPRESAS Rogéria Lopes Gularte 1 Resumo: No presente trabalho procuramos primeiramente definir o que é motivação, e como devemos nos comportar com as diferentes necessidades,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal

Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria Municipal II JORNADA REGIONAL SOBRE DROGAS ABEAD/MPPE Recife, 9&10 Setembro Ação Integrada Centro Legal Nova Luz (Cracolândia) Cidade de Sao Paulo. Luca Santoro Gomes Cooordenadoria de Atencao as Drogas Secretaria

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR

A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR A INTEGRAÇÃO DA PREVENÇÃO DAS DROGAS NO CURRÍCULO ESCOLAR Robson Rogaciano Fernandes da Silva (Mestrando-Universidade Federal de Campina Grande) Ailanti de Melo Costa Lima (Graduanda-Universidade Estadual

Leia mais