PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO"

Transcrição

1 PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade nova Rio de Janeiro RJ Tel (+21) Fax (+21)

2 2014/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS RE /2014 PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO RE _PEN Sumario Executivo.docx

3 Sumário 1 Apresentação 4 2 Introdução 6 3 Constatações de ordem geral 12 4 Conclusões 14 5 Recomendações 18 6 Premissas Básicas Previsões de Carga Oferta Existente e em Expansão Expansão das Interligações Inter-regionais entre 2014 e Principais Resultados do PEN Cenários analisados Análise Determinística 2014/2015 (Cenário de Sensibilidade) Análise de Desempenho 2015/2018 (Análise Probabilística) Balanço Estático de Energia Firme e Energia Assegurada Impactos das usinas da Amazônia e das usinas eólicas na operação do SIN Balanço Estático de Demanda Máxima 50 8 Anexo 61 ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 3 / 64

4 1 Apresentação O Plano da Operação Energética - PEN tem como objetivo apresentar as avaliações das condições de atendimento ao mercado previsto de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional SIN para o horizonte do planejamento da operação energética, cinco anos à frente, subsidiando assim o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico CMSE e a Empresa de Pesquisa Energética - EPE quanto à eventual necessidade de estudos de planejamento da expansão para adequação da oferta de energia aos critérios de garantia de suprimento preconizados pelo Conselho Nacional de Política Energética CNPE. Excepcionalmente, neste Ciclo Anual de Planejamento, as análises tomaram por base o Programa Mensal de Operação PMO de setembro de 2014, no que diz respeito à oferta, às interligações inter-regionais, às expansões previstas de transmissão, aos condicionantes referentes à segurança operativa e as restrições ambientais e de uso múltiplo da água existentes e previstas nas bacias hidrográficas. A carga prevista corresponde à 2ª Revisão Quadrimestral e a expansão da oferta de geração tem como referência os cronogramas de obras definidos pelo MME/CMSE/DMSE para o PMO de setembro de Esta 2ª Revisão Quadrimestral da carga vem sendo utilizada desde a 2ª revisão do PMO de agosto de 2014, conforme deliberado em reunião extraordinária da ANEEL realizada em 08/08/2014. Dentre os fatores que levaram a redução dos valores de carga de energia, destaca-se a atualização das premissas macroeconômicas, resultando em uma alteração do crescimento do PIB no período 2014/2018 em relação à 1ª Revisão Quadrimestral da carga do ciclo 2014 do Planejamento Anual da Operação Energética 2014/2018, de 4,4% a.a. para 3,5% a.a.. Embora o PMO de setembro de 2014 tenha sido a base deste PEN 2014, foram considerados, para o Cenário de Referência, como condições inicias os estoques armazenados no início de maio de 2014, final da estação chuvosa do SIN. Para o Cenário de Sensibilidade, as condições iniciais previstas são aquelas indicadas nos estudos prospectivos de curto prazo para 30 de novembro de As principais diretrizes para a execução das avaliações energéticas (entre as quais a análise de desempenho do SIN com base nos riscos de déficit e custos marginais de operação) estão contidas nos Procedimentos de Rede, Submódulo 7.2 Planejamento anual da operação energética, aprovado pela Resolução Normativa ANEEL nº 372/09 de 05/08/2009, e Submódulo 23.4 Diretrizes e critérios para estudos energéticos, aprovado pela Resolução Normativa ANEEL nº 461/2011 de 11/11/2011. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 4 / 64

5 O presente Relatório - Sumário Executivo do PEN 2014 apresenta uma contextualização da avaliação de desempenho do SIN à luz da experiência operativa de 2014, um conjunto de constatações recentes, de caráter geral, decorrentes da evolução da Matriz de Energia Elétrica Brasileira e um resumo das principais premissas, dos principais resultados e das principais conclusões e recomendações quanto às condições de atendimento à carga do SIN nos próximos cinco anos. O PEN 2014 é composto de mais dois exemplares: Volume I Condições de Atendimento, que apresenta, além dos resultados, das conclusões e das recomendações contidos no Sumário Executivo, uma análise mais detalhada dos principais resultados das avaliações energéticas para o horizonte 2014/2018; e Volume II - Relatório Complementar, que, além de resultados de avaliações complementares não apresentados no Volume I, traz ainda conceitos básicos necessários à interpretação dos resultados, um resumo da metodologia adotada e um conjunto de Anexos detalhando as informações e os dados considerados nestes estudos. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 5 / 64

6 2 Introdução A elaboração do PEN após o final da estação chuvosa do SIN permite mitigar a influência das incertezas do comportamento das vazões ao longo dessa estação do ano em curso à sua elaboração e, consequentemente, dos armazenamentos iniciais, que normalmente são os maiores valores observados no primeiro ano da avaliação energética. Nesse momento de avaliação, estão definidos quais os montantes armazenados em cada subsistema que poderão ser utilizados de forma a garantir o suprimento adequado ao menor custo possível. Como já mencionado, neste PEN 2014 foi avaliado um Cenário de Referência, considerando os estoques armazenados em cada região geoelétrica no início de maio de 2014, que correspondem a 38,4% EARmáx no Sudeste/Centro-Oeste, 44,6% EARmáx no Sul, 43,2% EARmáx no Nordeste e 90,9% EARmáx no Norte. Excepcionalmente, função da revisão significativa da previsão de carga em agosto de 2014, foi avaliado um Cenário de Sensibilidade, onde se considerou os armazenamentos iniciais em 30 de novembro de 2014, de acordo com os resultados dos estudos prospectivos de curto prazo. É importante observar que, em função da perda gradativa da capacidade de regularização das usinas hidroelétricas do SIN frente ao crescimento da carga, tem sido cada vez mais influente as condições de partida, impactando principalmente os resultados dos primeiros dois anos do horizonte de avaliação, com destaque para as métricas normalmente utilizadas no planejamento da operação energética, como riscos de déficit, valor esperado da energia não suprida e custos marginais de operação. Um exemplo claro da constatação da perda de regularização do SIN é a situação hidroenergética do corrente ano, quando as condições climáticas desfavoráveis na estação chuvosa de 2014 impediram a retomada dos estoques armazenados nos reservatórios dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, apesar da plena utilização do parque térmico, o que levou a níveis de partida deste PEN 2014 bastante inferiores aos normalmente utilizados em edições anteriores do planejamento da operação energética, com reflexos diretos nos riscos de déficit para 2014 e Há que se considerar, no entanto, que, em termos de operação, todos os recursos operativos do SIN devem ser utilizados para garantir o pleno atendimento da carga dentro dos critérios preconizados nos Procedimentos de Rede do ONS. Assim, ainda neste ano de 2014, foram feitas articulações no sentido de flexibilizar diversas restrições de caráter de uso múltiplo da água e/ou ambientais nos principais reservatórios dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste. Nesse contexto, é importante uma interpretação cuidadosa dos resultados da ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 6 / 64

7 análise de desempenho do SIN, principalmente com relação aos riscos de déficit de energia. Ponto de destaque nas avaliações de desempenho de médio prazo da operação energética do SIN, realizadas no âmbito do PEN, é o uso da função de custo do déficit e a política de racionamentos preventivos. Embora a curva de custo do déficit em quatro patamares seja, em princípio, a representação mais adequada para o fato real de que quanto maior a profundidade de um eventual corte de carga maior será o seu impacto econômico, e vice-versa, o uso desta função nas avaliações de desempenho implicitamente leva a racionamentos preventivos de energia e, consequentemente, a maiores riscos de déficit. É intuitivo que estes racionamentos preventivos possam ocorrer até mesmo numa estação chuvosa para que, preventivamente, seja evitado um corte de carga mais profundo ao final da estação seca subsequente. Pode-se observar também, por simulações, que estes racionamentos preventivos em geral ocorrem na forma de liga-desliga (bang-bang), o que na prática operativa atual do SIN não se aplica, em vista de outros fatores tais como a previsibilidade hidrológica de curto prazo, bem como pelo seu impacto socioeconômico, possivelmente desnecessário. Portanto, uma maneira de eliminar grande parte dos racionamentos preventivos, aproximando os resultados dos modelos de otimização às práticas operativas do SIN, é utilizar uma função de custo do déficit de apenas um patamar. Com isso, os riscos de déficit, embora menores, estarão mais adequados para efeitos das avaliações estruturais de desempenho da operação do SIN. Esse critério já vem sendo aplicado pelo ONS em versões do PEN anteriores. Adicionalmente, cabe comentar que a versão atual do Modelo NEWAVE permite inibir o racionamento preventivo na simulação final quando a função de custo de déficit adotada é de um patamar. Dessa forma, eliminam-se eventuais cortes de carga que naturalmente ocorreriam em situações onde armazenamentos baixos levam a valores da água superiores ao custo do déficit. Ao se inibir o racionamento preventivo, os cortes de carga sinalizados pelo modelo (portanto, o déficit) só ocorrerão quando não existir mais energia armazenada nos subsistemas equivalentes (déficits por falta de água). Assim, fica evidenciado que o PEN não quantifica o risco de racionamento, que se diferencia do risco de déficit pela possibilidade de ações operativas preventivas para se evitar o esgotamento das reservas de água nas usinas com reservatório de regularização. Tais ações são evidentemente de curto prazo, calcadas no monitoramento das condições hidroenergéticas, sujeitas a um processo específico estabelecido em legislação e não factível de representação nas simulações do PEN. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 7 / 64

8 Não obstante aos resultados de modelos matemáticos, o monitoramento contínuo das condições hidroenergéticas de curto prazo é que deve indicar a necessidade da aplicação de medidas operativas que reduzam, na prática, os riscos de algum corte de carga, tais como geração térmica fora da ordem de mérito e/ou a necessidade de articulações com MME, MMA, ANA, Ibama e órgãos ambientais estaduais para flexibilização de restrições operativas de diversas naturezas, inclusive de uso múltiplo da água e/ou ambientais, como já comentado. No limite, podem ser necessárias ações sobre o consumo de energia elétrica. Sob esse aspecto, é importante mencionar que a eficiência dessas medidas operativas, que permitem o pleno atendimento da carga, dependem fundamentalmente do nível de reserva energética do SIN, na qual se inclui a reserva operativa do sistema para atendimento da demanda máxima e mitigações dos impactos da intermitência das usinas eólicas. O dimensionamento desta reserva energética constitui uma importante avaliação dos estudos de planejamento da operação. Com relação à geração de cenários sintéticos de energia natural afluente (ENA), tem-se observado que os índices de desempenho do sistema ficam fortemente influenciados pela adoção da geração de cenários condicionada ao passado recente, não só no primeiro ano, mas em todos os demais anos do horizonte de planejamento. Considerando que o Plano da Operação Energética possui uma característica estrutural, a extensão dessa influência além do horizonte de curto prazo, como no caso do Programa Mensal de Operação PMO, não é adequada. Dessa forma, desde o PEN 2013 está sendo adotada a geração de cenários não condicionados ao passado recente. Outro ponto importante a destacar é a consideração de um número maior de subsistemas nas avaliações de desempenho do SIN, de forma a melhor representar as condições de atendimento de regiões elétricas importantes, como o sistema Manaus-Macapá e o sistema Acre-Rondônia, incorporados nos subsistemas Norte e Sudeste/Centro-Oeste, respectivamente, no âmbito do Programa Mensal da Operação - PMO. Vale comentar que essa consideração já vem sendo utilizada desde o PEN 2010, inclusive com a separação em subsistemas específicos para a representação das grandes usinas da Amazônia, como o Complexo do Rio Madeira (Jirau e Santo Antônio), a UHE Belo Monte e as usinas do rio Teles Pires, todas a fio d água e com acentuada contribuição de energia na estação chuvosa e baixa produção na estação seca. Sob esse aspecto, a simulação dessas usinas em subsistemas próprios evita que as energias controláveis calculadas para os reservatórios equivalentes (passíveis de serem armazenadas, para efeito de simulação) se apropriem, indevidamente, ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 8 / 64

9 de parcelas de energias a fio d água correspondentes a estas usinas, que são expressivas na estação chuvosa. Portanto, essas separações em subsistemas específicos tornam os resultados das simulações mais aderentes à realidade física da operação. Com relação às avaliações das condições de atendimento, a Figura 2-1, a seguir, resume a sistemática básica utilizada nos estudos de planejamento da operação de médio prazo, olhando cinco anos à frente, período em que a ampliação da oferta de geração já está contratada, através dos leilões de expansão ao menor custo. Figura 2-1: Sistemática Básica dos Estudos de Planejamento da Operação Nos primeiros dois anos, o desempenho do sistema depende basicamente das condições hidroenergéticas de curto prazo, principalmente dos níveis de partida ao final da estação chuvosa. Considerando que nesse período qualquer alteração da oferta fica basicamente dependente da viabilidade da antecipação de obras já em andamento, geração e/ou transmissão, as ações sistêmicas para a segurança do atendimento à carga se limitam a proteger o sistema para diferentes hipóteses de severidade das estações seca (maio a novembro) e chuvosa (dezembro a abril do segundo ano), através do uso de ações operativas de curto prazo. No primeiro ano desse horizonte são feitas também avaliações prospectivas, a usinas individualizadas, utilizando-se cenários determinísticos de afluências (histórico), determinando-se assim expectativas e requisitos mínimos de armazenamentos a subsistemas equivalentes e para os principais reservatórios de ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 9 / 64

10 cabeceira, de modo a se garantir o atingimento de níveis seguros de armazenamento ao final da estação seca desse primeiro ano. Para o segundo ano desse período, análises probabilísticas e determinísticas com séries sintéticas e históricas de energia natural afluente devem subsidiar eventuais recomendações de ações operativas de curto prazo e/ou avaliações pelo CMSE/EPE da viabilidade de antecipação de projetos em andamento. Não obstante, reforça-se a necessidade de especial atenção ao uso das métricas de natureza probabilística, em particular os riscos de déficit, uma vez que estes são cada vez mais influenciados pelas condições de armazenamento inicial. Esse é um ponto de destaque nas avalições probabilísticas para o horizonte de médio prazo. A experiência de 2014, com um quadro hidroenergético bastante desfavorável na estação chuvosa, mostrou claramente que os riscos de déficit sofrem variações no intervalo de até cinco anos, dependendo dos armazenamentos iniciais, mesmo no caso de simulações com função de custo de déficit de um patamar. Nessas avaliações, verifica-se maior impacto nos dois primeiros anos, quando se observa que os riscos de déficit variaram, entre o PMO de janeiro e o PMO de setembro, entre valores dentro e fora do critério de garantia preconizado pelo CNPE. Esta é uma das razões pela qual, a partir deste PEN 2014, para os dois primeiros anos são apresentadas também avaliações de cenários determinísticos de energias naturais afluentes, com objetivo de ter-se uma análise de desempenho do SIN com maior estabilidade de resultados. Com relação aos últimos três anos do horizonte de análise, a expansão da geração e da transmissão é preponderante na segurança operativa do SIN. Apesar da carga neste horizonte já estar totalmente contratada através dos leilões de expansão, pelo princípio básico do modelo institucional vigente, à luz dos critérios de segurança da operação e do nível de reserva energética que possa ser necessário para enfrentar situações climáticas adversas, o ONS pode, se necessário recomendar ao CMSE/EPE estudos de viabilidade da expansão adicional e/ou antecipação da oferta já contratada para aumentar a margem de segurança do sistema. Nesse horizonte são feitas avaliações com cenários sintéticos e históricos de energias naturais afluentes, utilizando-se o Modelo NEWAVE, avaliando-se a frequência relativa de séries com algum déficit de energia em cada ano e em cada subsistema para diferentes profundidades percentuais de corte da carga projetada análise de risco (análise de desempenho). Cabe destacar que embora nesse horizonte ainda sejam percebidas variações dos riscos de déficit em função dos armazenamentos de partida no primeiro ano, estas têm uma dimensão bem menor ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 10 / 64

11 do que nos dois primeiros anos de avaliação em função das estações chuvosas subsequentes, que permitem reenchimentos dos reservatórios, mesmo que parciais, em algumas séries, dos reservatórios. Adicionalmente são realizados, para todo o horizonte de cinco anos à frente, balanços estáticos de energia firme, de energia assegurada e de demanda máxima. Embora esses balanços sejam bastante simplificados, pois não consideram transferências de armazenamento de um ano para o outro, limites de transmissão inter-regionais e regras de despacho de mínimo custo para operação hidrotérmica, são bastante indicativos para se ter uma primeira avaliação do equilíbrio estrutural oferta X demanda e permitem identificar alguns atributos da evolução da Matriz de Energia Elétrica, como a participação percentual do atendimento da carga por fontes hidroelétricas, fontes não simuláveis individualmente (eólicas, PCHs e Biomassa) e geração térmica. Pode-se afirmar que balanços estáticos de energia firme negativos levarão a resultados de avaliações dinâmicas fora do critério de garantia. No entanto, balanços estáticos positivos não necessariamente conduzirão a resultados de avaliações dinâmicas dentro do critério de garantia, pois nesses casos as condições hidroenergéticas de curto prazo e a política de operação térmica serão determinantes nas avaliações. Nos itens 7.2 e 7.3 são apresentadas as análises de desempenho do SIN para os próximos cinco anos (análise conjuntural para 2014 e 2015 cenários determinísticos de ENAs, avaliações probabilísticas para o ano de 2015 e análise estrutural para 2016 a 2018 riscos de déficit e custos marginais de operação). No Item 7.6 são apresentadas as análises de atendimento à demanda máxima. Os balanços de energia firme e garantia física são detalhados no Volume I Condições de Atendimento. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 11 / 64

12 3 Constatações de ordem geral Decorridos dez anos de implantação do atual modelo institucional do Setor Elétrico Brasileiro, foram realizados 27 leilões de expansão da geração, dos quais 17 de energia nova (A-3 e A-5), 3 leilões estruturantes, 5 leilões de energia de reserva e 2 leilões de fontes alternativas, totalizando cerca de 61 GW em 726 novas usinas outorgadas entre 2004 e setembro de Para o horizonte da análise deste PEN 2014 estão previstas 549 novas usinas, totalizando aproximadamente 36 GW já contratados na forma de leilões de expansão ao menor custo da energia vendida, favorecendo assim a modicidade tarifária, bem como aquelas autorizadas pela ANEEL. Destaca-se que a partir do ciclo de planejamento da expansão realizado pela EPE, a consideração adicional de segurança será dada por um mecanismo de aversão a risco (CVaR), também utilizado no PEN a partir de Fato importante que vem sendo apontado por este Operador nos diversos planos da operação energética recentes é a mudança de paradigma que se fará necessária na maneira de operar o Sistema Interligado Nacional - SIN, como está descrito neste PEN 2014, função, basicamente, dos seguintes aspectos: A carga de energia do SIN cresce cerca de 4%a.a.; Desde o final da década de 90 não ingressam em operação usinas hidroelétricas com reservatórios de regularização plurianual; Como decorrência deste fato, o uso de geração termelétrica tem sido mais intenso nos últimos anos, mesmo para anos hidrológicos próximos à média de longo termo (MLT); A geração termelétrica também vem sendo necessária para complementação do atendimento à demanda máxima ao final de cada estação seca, em função da perda de potência por deplecionamento dos reservatórios, bem como no verão, em função da elevação da temperatura; A entrada em operação dos grandes projetos da Amazônia, a fio d água, com acentuada sazonalidade, com montantes significativos de geração na estação chuvosa e baixa produção na estação seca; e A expressiva expansão da geração eólica para os próximos cinco anos, exigindo ações operativas mitigadoras dos potenciais impactos sistêmicos e locais da forte intermitência, intrínseca dessa nova fonte na Matriz de Energia Elétrica, além de sua baixa previsibilidade. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 12 / 64

13 Todos esses aspectos certamente conduzem a mudanças na definição das estratégias de operação do sistema, com custos de operação mais elevados em decorrência de despacho térmico significativo, mesmo para anos hidrológicos próximos à média. Portanto, tornam-se necessárias algumas reflexões sobre os atributos da Matriz de Energia Elétrica desejada para o futuro, sendo que neste contexto, as seguintes discussões devem ser consideradas para a definição das diretrizes gerais quanto á expansão do SIN: Embora seja fato de que as condições topográficas da região Amazônica, onde se situa a maior parte do potencial hidroelétrico remanescente, não favoreçam a construção de reservatórios de regularização, na medida do possível incluir na Matriz novas usinas hidroelétricas com algum grau de regularização, uma vez que estas serão importantes para mitigar as intermitências de geração das fontes não convencionais, como as usinas eólica e, proximamente, as usinas solares, bem como restaurar a capacidade do SIN de suportar períodos hidrológicos desfavoráveis; A continuidade da expansão da transmissão, em especial nas interligações regionais, se apresenta como de fundamental importância, permitindo a importação e/ou exportação de grandes blocos de energia entre regiões, tirando proveito da diversidade hidrológica existente entre bacias e/ou regiões, sendo fator importante para garantia do abastecimento e a redução dos custos de operação; Nesse contexto, a ampliação dos grandes troncos de transmissão, em especial entre regiões, deve considerar inclusive o critério N-2 de confiabilidade para as interligações inter-regionais como forma de mitigar a ocorrência de grandes perturbações; Aumento da participação térmica convencional (carvão mineral e gás natural) no médio prazo, para complementação da geração hidroelétrica com sinal locacional pré-definido; Aumento da participação de térmicas flexíveis, que também serão importantes para mitigar as intermitências das fontes não convencionais, como as usinas eólicas e, futuramente, as usinas solares; e Viabilidade de expansão do parque nuclear no longo prazo, uma vez que, como usinas tipicamente de base, podem contribuir para mitigar a perda de regularização. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 13 / 64

14 4 Conclusões 1. Considerando-se a premissa de crescimento do PIB de 3,5 % no período 2014/2018, a carga de energia do SIN deverá evoluir de MWmed em 2014 para MWmed em 2018 (já com a incorporação dos sistemas isolados de Manaus, Macapá e Boa Vista), o que representa o equivalente a um aumento médio de 4,0% a.a. 2. A capacidade instalada do SIN deverá elevar-se de MW, existentes em 31/12/2013, para MW, em 31/12/2018. A hidroeletricidade continuará como a principal fonte de geração de energia, embora sua participação sofra uma redução nos próximos cinco anos, passando de MW (74,8% do SIN) para MW (70,9% do SIN); 3. Destaca-se o significativo incremento da capacidade instalada das usinas eólicas, que passará de 1,9% da Matriz de Energia Elétrica (2.385 MW em dezembro de 2013) para 8,9%, equivalente a MW instalados ao final de 2018, sem considerar os próximos leilões de energia nova que ainda deverão ocorrer em 2014 e 2015; 4. A necessidade de mudança de paradigma no planejamento e na programação da operação do SIN permanece como ponto de destaque com relação à expansão da oferta programada até Esta expansão está calcada em usinas hidroelétricas com baixa ou nenhuma regularização plurianual e usinas termoelétricas com Custos Variáveis Unitários CVUs elevados, o que leva a um aumento nos custos finais de operação; 5. Na medida em que volumes crescentes de geração térmica poderão ser necessários a cada ano para fazer frente ao atendimento crescente da carga, faz-se necessário o equacionamento das eventuais restrições de logística de entrega de combustível às usinas térmicas; 6. A continuidade da expansão da transmissão, em especial nas interligações regionais, se apresenta como de fundamental importância, permitindo a importação e/ou exportação de grandes blocos de energia entre regiões, tirando proveito da diversidade hidrológica existente entre bacias e/ou regiões, sendo fator importante para garantia do abastecimento e a redução dos custos de operação; 7. Em termos de evolução da Matriz de Energia Elétrica, ao se manter a atual tendência da expansão da hidroeletricidade com baixa ou nenhuma regularização plurianual e a entrada crescente de fontes intermitentes, como as usinas eólicas, o papel das termoelétricas flexíveis ou de baixa inflexibilidade com custos de operação moderados e com menores incertezas de suprimento de combustível (GN/GNL/Carvão) e com maior rapidez de tomada e retomada ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 14 / 64

15 de carga, passa a ser fundamental na seleção dos projetos a serem ofertados nos próximos leilões de energia nova. Não obstante, pequenas centrais e as fontes alternativas complementares no período seco, como eólicas e biomassa, embora com perfis de ofertas intermitentes e de baixa previsibilidade, também apresentam papel importante na segurança operativa do SIN, na medida em que funcionam como reservatórios virtuais, complementando a geração hidráulica nas estações secas de cada ano; 8. Sob o enfoque da análise das condições de atendimento à carga, as avaliações probabilísticas com base nos riscos de déficit de energia para o Cenário de Referência indicam adequabilidade ao critério de suprimento, preconizado pelo Conselho Nacional de Política Energética CNPE, no horizonte 2015/2018, na medida em que os riscos de déficit são inferiores a 5% em todos os subsistemas; 9. Avaliações probabilísticas para 2015, para o Cenário de Sensibilidade, partida em dezembro de 2014, indicam riscos de déficit pouco acima do critério de garantia somente para o subsistema Sul. Não obstante, esses resultados estão muito condicionados aos armazenamentos verificados em 2014 e devem ser avaliados com cautela, pois à semelhança do que está sendo praticado em 2014, existem ações operativas de curto prazo que poderão mitigar esses riscos de déficit; 10. A análise dos custos marginais de operação indica a necessidade de estudos de viabilidade de reforços na capacidade de exportação dos Subsistemas Norte/Nordeste, na medida em que estes apresentam custos sempre inferiores aos demais subsistemas; 11. O balanço estático de energia do SIN com base nas garantias físicas das usinas existentes e programadas indica sobras de energia ao longo de todo o horizonte. Estas sobras anuais se encontram, a partir de 2014, no intervalo entre 3,7 GWmed e 8,0 GWmed. Cabe ressaltar que parte dessa sobra está associada à geração de fontes intermitentes o que poderá, dependendo das condições operativa, reduzir esses montantes na operação em tempo real; 12. Considerando que a maior parte das sobras de garantia física do SIN está localizada no subsistema Nordeste, com valores significativos durante todo o horizonte do estudo e considerando ainda que neste subsistema existe geração hidráulica mínima obrigatória, em razão de restrições de uso múltiplo da água no rio São Francisco, especificamente no reservatório de Sobradinho defluência mínima de m³/s, foram feitas avaliações de eventuais restrições de alocação na curva de carga do SIN da geração total contratada nos leilões. Os resultados obtidos indicam que poderá haver restrição para alocação da geração disponível no subsistema Nordeste nos primeiros ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 15 / 64

16 semestres de cada ano do horizonte de análise quando o subsistema Norte é superavitário e sua energia exportada concorre, na interligação Norte/Sul, com a energia exportada pelo Nordeste. Porém, os próximos leilões de energia podem justificar uma reavaliação do congestionamento da geração disponível no subsistema Nordeste; 13. Não obstante, a localização da nova oferta decorrente dos próximos LEN e/ou LER deveria priorizar os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul; 14. Com relação ao atendimento da demanda máxima do SIN, o balanço de ponta indica que a capacidade líquida disponível prevista no horizonte do PEN 2014 nem sempre é suficiente para o pleno atendimento à demanda instantânea projetada, incluindo a reserva operativa necessária; 15. Foram identificados congestionamentos na interligação Norte-Sul, em alguns meses do horizonte, não permitindo a transferência dos recursos hidráulicos para os demais subsistemas, ratificando o diagnóstico das avaliações energéticas quanto a necessidade de se avaliar reforços nesta interligação; 16. Destaca-se que tanto no Caso Base quanto no Caso de Sensibilidade de avaliação de atendimento estático da demanda máxima houve o esgotamento da disponibilidade hidroelétrica nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Nordeste, sendo necessário o uso da disponibilidade de fontes termoelétricas, PCH, biomassa e de fontes intermitentes (eólica), em todo o horizonte de análise; 17. Apesar da indicação de sobras de disponibilidade para atender a demanda máxima do SIN da ordem de MW nos meses de outubro a dezembro, poderão ser necessárias ações especiais de despacho para manter o controle de frequência em situações de aumentos não previstos da demanda máxima em função da elevação de temperatura nos meses de verão, uma vez que a demanda máxima apresenta uma tendência de elevação da ordem de MW a cada 10ºC, a partir de temperaturas próximas de 35ºC; 18. A disponibilidade de potência hidráulica poderá ser aumentada com a implantação de novas unidades geradoras em poços provisionados em algumas usinas hidroelétricas existentes (em torno de 5 GW, segundo inventário da ABRAGE); 19. Com relação ao escoamento da energia gerada no Complexo Madeira, observa-se a possibilidade de congestionamento no período de julho de 2016 a novembro de Nesse período a capacidade instalada no Complexo Madeira excede a capacidade de transmissão em até 700 MW; e ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 16 / 64

17 20. Finalmente, com relação às interligações regionais, uma análise mais detalhada deve considerar os resultados dos estudos de congestionamentos para cada patamar da curva de carga e em situações operativas com secas severas, que indicam a necessidade de avaliações custo/benefício de reforços, em especial na interligação Norte/Sul, no qual foi observado elevada frequência de congestionamento com redução ao final do horizonte quando da entrada do reforço associado ao escoamento da energia da UHE Belo Monte. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 17 / 64

18 5 Recomendações 1. Considerando que os resultados de um estudo dessa natureza estão intrinsecamente relacionados com as premissas de carga e, principalmente, da expansão da oferta prevista, é recomendação relevante que o MME/CMSE e a ANEEL mantenham o estrito acompanhamento dos cronogramas de expansão da oferta, com destaque para as seguintes instalações: usinas hidroelétricas Belo Monte ( MW), Jirau (3.750 MW), Santo Antônio (3.150 MW), Teles Pires (1.820 MW), São Manoel (700 MW), Sinop (400 MW), Santo Antônio do Jari (373 MW), Baixo Iguaçu (350 MW) e Colíder (300 MW); e da usina termoelétrica Maranhão III (499 MW); 2. Sob esse aspecto, ponto de destaque a se observar é que as condições de armazenamento do SIN poderiam estar mais favoráveis caso já estivessem em operação cerca de MW, previstos para entrar em operação até setembro de 2014, o que poderia mitigar os impactos das condições climáticas adversas vivenciadas na estação chuvosa que se encerrou. Isso reforça a recomendação anterior quanto ao estrito acompanhamento dos cronogramas de expansão da oferta e antecipação de medidas mitigatórias para os impedimentos observados, especialmente os de caráter sócio-ambiental; 3. Os resultados das avaliações energéticas deste PEN 2014 recomendam, tanto sob o ponto de vista de atendimento à carga de energia como à demanda máxima instantânea, a necessidade do desenvolvimento de estudos de viabilidade econômica de ampliação da capacidade da interligação Norte-Sul e Sul-Sudeste/Centro-Oeste, incluindo a antecipação, para a estação chuvosa de 2017, do 1º Bipolo de escoamento da energia da UHE Belo Monte e a garantia da implementação nos prazos das soluções estruturais previstas no âmbito do Planejamento da Expansão; 4. Esforço no sentido de antecipação para 2016 da LTs 500 kv Araraquara 2 Itatiba e da LT 500 kv Araraquara 2 Fernão Dias, com o objetivo de evitar congestionamento da energia gerada no Complexo Madeira. Estas duas LTs compõem o sistema de transmissão planejado para o escoamento da geração total do Complexo Madeira e estão previstas para dezembro de Além disso, torna-se de extrema importância a manutenção do cronograma de entrada em operação da LT 500 kv Araraquara 2 Taubaté em julho de 2015; 5. Estudos complementares do planejamento da operação elétrica permitiram identificar que a entrada em operação da LT 500 kv Marimbondo II Assis, prevista para dezembro de 2015, apesar de não ser uma obra de transmissão associada ao escoamento do Madeira, também traz ganhos significativos, viabilizando uma potência de escoamento da ordem de MW do Complexo Madeira, devendo portanto ser preservada a sua data de entrada em operação; ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 18 / 64

19 6. Considerando o perfil atual de expansão da oferta, com parcela significativa de termoelétricas, parte importante do atendimento da demanda máxima será realizada com esta fonte. Neste sentido, é recomendável ao MME e ANEEL o avanço nos estudos de criação de incentivos econômicos e regulatórios para motorização dos poços existentes em algumas usinas já em operação (da ordem de 5 GW), o aumento de potência hidráulica no SIN, como, por exemplo, através de repotenciação de usinas existentes e/ou previsão da instalação de potência adicional em novos projetos hidroelétricos. Para tal, faz-se necessário o desenvolvimento de mecanismos regulatórios para remunerar esta potência adicional; 7. Neste contexto, avaliar também a possibilidade de criação de mecanismos regulatórios para contratação de potência e/ou encargos de capacidade; 8. Que o MME/EPE avaliem junto a fabricantes de usinas térmicas novas tecnologias de projetos que possam ter maior flexibilidade na tomada e retomada de carga, de forma a fazer frente à participação de fontes intermitentes na matriz de energia elétrica brasileira; 9. Exigência de requisitos mínimos operativos no uso de fontes renováveis não convencionai intermitentes (eólicas e solares), para não comprometer a segurança operativa do SIN na ocorrência de grandes perturbações sistêmicas e/ou locais; 10. Leilões especiais regionais por fonte, quando necessários, para o aumento da confiabilidade e da segurança operativa do SIN; e 11. Mesmo considerando o equilíbrio estrutural da oferta para os próximos cinco anos, sob a ótica dos critérios vigentes, é importante uma avaliação conjunta, como o CMSE e EPE/MME, quanto a metodologia de definição de uma reserva energética (reserva de geração), como prevista em Lei, diferente da Energia de Reserva para recuperação de lastros físicos. Essa reserva de geração deve ser prevista na Matriz de Energia Elétrica para o enfrentamento de situações climáticas desfavoráveis, como as vivenciadas neste ano de 2014 para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, uma vez que, com a perda gradual de regularização e o aumento de fontes intermitentes, como eólicas e solares, futuramente, situações semelhantes poderão também demandar medidas operativas adicionais para o pleno atendimento da carga com custos elevados para o consumidor final, mesmo em anos hidrológicos próximos à MLT. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 19 / 64

20 6 Premissas Básicas 6.1 Previsões de Carga As previsões de carga adotadas foram elaboradas em conjunto pela EPE/MME e pelo ONS e serão consubstanciadas em Nota Técnica conjunta 2ª Revisão Quadrimestral das Projeções da Demanda de Energia Elétrica do Sistema Interligado Nacional. Esta 2ª Revisão Quadrimestral da carga vem sendo utilizada desde a 2ª revisão do PMO de agosto de 2014, conforme deliberado em reunião extraordinária da ANEEL realizada em 08/08/2014. Dentre os fatores que levaram a redução dos valores de carga de energia, destaca-se a atualização das premissas macroeconômicas, resultando em uma alteração do crescimento do PIB no período 2014/2018 em relação à 1ª Revisão Quadrimestral da carga do ciclo 2014 do Planejamento Anual da Operação Energética 2014/2018, de 4,4% a.a. para 3,5% a.a. As principais hipóteses básicas consideradas na previsão de carga para o PEN 2014 foram: Crescimento econômico 2014/2018: taxa de crescimento do PIB de 3,5% ao ano, para o período de 2014 a Mercado e Carga do SIN verificados em 2013: aumento da carga de energia de 3,7%. Mercado e Carga do SIN verificados/previstos em 2014: aumento da carga de energia de 3,0%. A interligação do sistema isolado de Manaus ao subsistema Norte ocorrida em julho de Previsão da interligação dos sistemas isolados ao SIN: Macapá a partir de novembro de 2014 e Boa Vista a partir de junho de Considerando-se a premissa de crescimento do PIB de 3,5 % no período 2014/2018, a carga de energia do SIN deverá evoluir de MWmed em 2014 para MWmed em 2018 (já com a incorporação dos sistemas isolados de Manaus, Macapá e Boa Vista), o que representa o equivalente a um aumento médio de 4,0% a.a. da carga a ser atendida no SIN. A Tabela 6-1, a seguir, apresenta a projeção de carga anual considerada neste PEN 2014, destacandose o crescimento anual da carga do SIN em MWmed e em %. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 20 / 64

21 Tabela 6-1: Previsão de Carga de Energia do SIN (MWmed) Ano SE/CO Sul Nordeste Norte AC/RO TMM (3) SIN Cresc. (MWmed) Cresc. (%) 2013(1) (2) , , , , ,3 Crescimento Médio de 2014 a ,0 (1) Valor verificado. (2) Valores verificados até março; abril e maio coincidentes com previsão de curto prazo para o modelo DECOMP. (3) TMM Sistema Tucuruí-Manaus-Macapá + Boa Vista. 6.2 Oferta Existente e em Expansão Oferta de Geração A Tabela 6-2, a seguir, apresenta a evolução da capacidade instalada já contratada no SIN, bem como a participação de cada fonte na Matriz de Energia Elétrica, entre 31/12/2012 e 31/12/2018, destacando-se o crescimento percentual para a expansão das usinas eólicas (497%), além da redução da participação da hidroeletricidade (de 74,8% para 70,9%). Em 2013 a potência instalada no SIN era de MW, dos quais MW (74,8%) em usinas hidroelétricas, incluindo as PCHs e a parcela de Itaipu disponível para o Brasil, MW (17,8%) em usinas termoelétricas convencionais e nucleares e MW (7,3%) em usinas a Biomassa e Eólicas. O programa de expansão da oferta de geração teve como referência os cronogramas de obras definidos pelo MME/CMSE/DMSE para o PMO de setembro de 2014 que prevê para 31/12/2018 um total de MW aumento de MW, aproximadamente 30% em 5 anos. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 21 / 64

22 Tabela 6-2: Resumo da Evolução da Matriz de Energia Elétrica (MW) - 31/dez TIPO Crescimento MW % MW % MW % Hidráulica (1) , , ,8 Nuclear , ,2 - - Gás/GNL , , ,0 Carvão , ,0 - - Biomassa , , ,5 Outros (2) 749 0, , ,4 Óleo Combustível/Diesel , ,0 42 0,9 Eólica , , ,9 Total , , ,5 OBS: (1) A contribuição das PCHs e da Compra da UHE Itaipu está considerada na parcela Hidráulica. (2) A parcela Outros se refere a outras usinas térmicas com CVU. A Figura 6-1, a seguir, apresenta o detalhamento do incremento anual já contratado e a evolução da potência instalada por fonte, indicando a participação de cada uma na evolução da Matriz de Energia Elétrica. Figura 6-1: Evolução da Capacidade Instalada Total do SIN (MW) ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 22 / 64

23 6.3 Expansão das Interligações Inter-regionais entre 2014 e 2018 A Figura 8-1 e a Figura 8-2, em anexo, indicam os limites de transferência e recebimento de energia através das interligações inter-regionais Sul Sudeste/Centro-Oeste Acre/Rondônia Nordeste Norte - Manaus/Macapá, bem como as principais obras associadas aos incrementos destes limites. No Volume II Relatório Complementar do PEN 2014 são apresentados os valores de limites de intercâmbio considerados para efeito de simulação com o modelo NEWAVE e o detalhamento da modelagem adotada para representação destes limites. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 23 / 64

24 7 Principais Resultados do PEN Cenários analisados Nos estudos do PEN 2014, objetivando avaliar as condições de atendimento à carga prevista com uma configuração topológica mais próxima da realidade física do sistema, foram representados como subsistemas independentes, além do Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, os subsistemas elétricos Acre- Rondônia (AC/RO), Manaus-Macapá (Interligação TMM), as UHEs do Complexo do rio Madeira, do Teles Pires e a UHE Belo Monte. Foram considerados, para as avaliações energéticas, um cenário de referência (CR) e um cenário de sensibilidade (CS), conforme descritos a seguir: O Cenário de Referência (CR) tem por base o mesmo cenário dos estudos de médio prazo que deram suporte ao PMO de setembro de 2014, com utilização de algumas premissas básicas diferenciadas, como, por exemplo: (i) Função de Custo de Déficit de um patamar de déficit, calculada pela EPE com base na Função de Custo do Déficit de quatro patamares homologada pela ANEEL através da Resolução nº 1.667/2013; (ii) geração de cenários de energias naturais afluentes ENAs não condicionada ao passado recente; e (iii) a consideração da geração térmica na base no período entre maio e dezembro de 2014, conforme descrito no Item 7.2, a seguir. O Cenário de Sensibilidade (CS) com base no Cenário de Referência, porém, foram adotados como condição inicial de armazenamento os níveis dos reservatórios previstos para o final de novembro de 2014, obtidos de estudos prospectivos elaborados no PMO de agosto de 2014, também descrito no Item 7.2, a seguir. 7.2 Análise Determinística 2014/2015 (Cenário de Sensibilidade) Como destacado no Item 2, Introdução, nos primeiros dois anos da análise das condições de atendimento o desempenho do sistema depende basicamente das condições hidroenergéticas de curto prazo, principalmente dos níveis de partida ao final da estação chuvosa (maio de 2014) e dos níveis alcançados ao final da estação seca (novembro de 2014). Considerando que nesse período qualquer alteração da oferta fica basicamente dependente da viabilidade da antecipação de obras já em andamento, geração e/ou transmissão, as ações sistêmicas para a segurança do atendimento à carga se limitam a proteger o sistema para diferentes hipóteses de severidade das estações seca (maio a novembro) e chuvosa (dezembro a abril do segundo ano), através do uso de ações operativas de curto prazo diferenciadas. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 24 / 64

25 Nesse contexto, em maio de 2014 o ONS elaborou avaliações de expectativas de armazenamento até o final da estação seca (Avaliação Prospectiva do PMO de maio de 2014) de forma a identificar, com base nos resultados, eventual necessidade de flexibilizar algumas restrições em usinas hidroelétricas, inclusive de natureza ambiental e/ou uso múltiplo da água. Estas flexibilizações tiveram por princípio preservar estoques armazenados nas cabeceiras dos Rios Grande, Paranaíba, Tocantins e São Francisco, utilizando recursos térmicos e energéticos existentes nos subsistemas Sul e Norte, visando garantir o atendimento aos requisitos de energia e potência ao longo de A Tabela 7-1, a seguir, apresenta as flexibilizações identificadas como necessárias em alguns reservatórios dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste. Tabela 7-1: Flexibilizações Necessárias em Reservatórios do SE/CO e NE (*) (*) Valores atualizados em relação ao Estudo Prospectivo de maio/2014. Nas avaliações prospectivas foram utilizadas as projeções de valor esperado de ENAs entre maio de novembro e a geração plena de todas as usinas térmicas, independente dos despachos por ordem de mérito. Vale comentar que os valores esperados de ENAs utilizados têm semelhança com várias séries históricas desfavoráveis no período maio/novembro (1953/54/55/56/69/71). Atualizando-se esses estudos para agosto de 2014, com base no PMO de julho de 2014, mantidas as demais premissas supracitadas, a Figura 7-1 e a Figura 7-2, a seguir, apresentam as evoluções dos armazenamentos equivalentes dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, respectivamente, até novembro de ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 25 / 64

26 Figura 7-1: Evolução dos Armazenamentos do SE/CO Qual a ENA necessária para se atingir determinados níveis de armazenamento ao final de novembro? Região Sudeste / Centro-Oeste 66 %MLT Nível de Referência (Garantia de Atendimento, mesmo na ocorrência de um período úmido crítico) 43,1 40,1 34,7 36,3 38,8 37,3 36,3 34,3 30,3 25,1 (+1,0) 95 %MLT 84 %MLT 20,6 89 %MLT 43,0 (pior) 30,0 20,4 SET (REV.1 PMO) OUT JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO GT SE/CO+S+N MWmed SET - NOV Intercâmbio Sul-SE/CO = MWmed, ganho de 1,1 %EARmáx no SE/CO ao final de novembro. Figura 7-2: Evolução dos Armazenamentos do Nordeste Qual a ENA necessária para se atingir determinados níveis de armazenamento ao final de novembro? Região Nordeste 33,4 JAN 42,7 FEV 42,2 MAR 41,5 ABR 43,6 43 %MLT MAI 41,0 JUN 36,1 JUL 32,3 AGO 27,3 21,9 (+1,1) Nível de Referência (Garantia de Atendimento, mesmo na ocorrência de um período úmido crítico) SET (REV.1 PMO) 94 %MLT 73 %MLT 16,7 OUT GT NE MWmed SET - NOV 32,0 (pior) 30,0 18,2 Redução da Defl. Mínima no São Francisco de m³/s para 900 m³/s. em carga leve no período de setembro a novembro Ganho 1,5 % EARmáx ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 26 / 64

27 Considerando as flexibilizações apresentadas na Tabela 7-1, anterior, articuladas com diversos órgãos e com os agentes proprietários dos empreendimentos, a expectativa é que no final de novembro de 2014 os níveis dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste atinjam, respectivamente, os valores de 20,4% e 18,2% do armazenamento máximo (20,4% EARmax e 18,2% EARmax). Para os subsistemas Sul e Norte a expectativa é de 91,6% EARmax e 39,0%EARmax, respectivamente. Nas figuras anteriores também são apresentadas situações de armazenamentos mais favoráveis para diferentes ENAs no período agosto/novembro, superiores ao valor esperado. Considerando a significativa influência desses armazenamentos nas condições de atendimento de 2015, quando haverá uma forte dependência da estação chuvosa deste ano para reenchimento do sistema, foram feitas avaliações de requisitos de ENAs em diferentes períodos que permitiriam o atingimento de níveis mínimos de segurança capazes de garantir o atendimento da carga de Nesse contexto, a partir dos níveis prospectados para o novembro de 2014, conforme comentado anteriormente, para o ano de 2015 avaliou-se os diversos cenários de ENAs com os seguintes critérios: (i) definição de quais os níveis de armazenamento ao final de abril de 2015 (NSPU), fim da estação chuvosa, necessários para atingir o nível mínimo de armazenamento de 10% EARmax em novembro de 2015, considerando as 3 piores ENAs de maio a novembro de 2015; (ii) definição de quais as respectivas ENAs de dezembro/14 a abril/2015 necessárias para atingir esses níveis de abril de 2015, admitindo-se três hipóteses de geração térmica, quais sejam, somente a geração térmica inflexível para todo o período, geração térmica despachada na base o ano inteiro de 2015 e geração térmica despachada somente até o limite de CVU de 360 R$/MWh na estação chuvosa de 2015, mas mantida na base na estação seca de 2015, e (iii) definição de quais as respectivas ENAs de dezembro/14 a abril/2015 são necessárias para atingir 45% de EARmáx ao final de abril de 2015 (NSPU), admitindo-se as mesmas hipóteses de geração térmica citadas anteriormente. No Volume I, Condições de Atendimento, também foi analisada a condição para atingir 80% de EARmáx ao final de abril de 2015, admitindo-se as mesmas hipóteses de geração térmica citadas anteriormente. A Figura 7-3, a seguir, apresenta essas avaliações determinísticas para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste parametrizando-se os requisitos de ENAs e armazenamentos mínimos em novembro de 2015 de 10% EARmáx. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 27 / 64

28 Figura 7-3: NSPU e ENA Dez/14-Abr/15 Necessários para 10% EARmáx em Nov/15 - SE/CO OBS: NSPU Nível de Segurança do Período Úmido Da Figura 7-3, anterior, depreende-se que, para o subsistema Sudeste/Centro- Oeste, o atingimento de 10% EARmax em novembro de 2015 irá exigir armazenamentos ao final de abril que variam de 42% a 34% EARmax, dependendo das séries críticas de afluências na estação seca de 2015 (da primeira a terceira pior ENA nessa estação). Dependendo da hipótese de geração térmica na estação chuvosa de 2015 os requisitos de ENA variam de 83% a 76% MLT (somente térmicas inflexíveis), de 75% a 69% MLT (somente com as térmicas de CVU até 360 R$/MWh), ou de 71% a 65% MLT (com térmicas na base o ano inteiro). A mesma análise pode ser feita para o subsistema Nordeste, conforme apresentado na Figura 7-4, a seguir. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 28 / 64

29 Figura 7-4: NSPU e ENA Dez/14-Abr/15 Necessários para 10% EARmáx em Nov/15 NE OBS: NSPU Nível de Segurança do Período Úmido Observa-se, na Figura 7-4 anterior, que o atingimento de armazenamento mínimo de 10% EAR em novembro de 2015 para o subsistema Nordeste os armazenamentos mínimos em abril de 2015 variam de 45% a 43% EARmáx, dependendo das séries críticas de afluências na estação seca de 2015 (da primeira a terceira pior ENA nessa estação). Dependendo da hipótese de geração térmica na estação chuvosa de 2015 os requisitos de ENA variam de 88% a 86% MLT (somente com as térmicas inflexíveis), de 77% a 75% MLT (somente com térmicas de CVU até 360 R$/MWh), ou de 58% a 56% MLT (com térmicas na base o ano inteiro). ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 29 / 64

30 No Volume I Condições de Atendimento, são apresentadas análises complementares, considerando-se níveis mínimos de armazenamento de 20% EARmax em novembro de Ainda sob este contexto, foi avaliado o cenário de reenchimento dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, ao final de abril de 2015, com a referência de atingimento de 80% EARmáx em ambos os subsistemas. Os resultados desta avaliação estão apresentados no Volume I Condições de Atendimento. A Figura 7-5 apresenta também avaliações determinísticas para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, definindo quais as respectivas ENAs de dezembro/14 a abril/2015 seriam necessárias para atingir o nível de armazenamento de 45% EARmáx (NSPU) ao final da estação chuvosa. Figura 7-5: ENA Dez/14-Abr/15 Necessária para 45% EARmáx em Abr/15 SE/CO ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 30 / 64

31 Observa-se que o atingimento de 45% EARmáx em abril de 2015, no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, irá exigir cenários de ENA no período de dezembro/2014 a abril de 2015 que variam, de acordo com o despacho térmico considerado no período, entre 85% da MLT (somente com as térmicas inflexíveis), 78% da MLT (somente com térmicas de CVU até 360 R$/MWh) e 74% da MLT (com térmicas na base). A mesma análise foi feita para o subsistema Nordeste, conforme apresentado na Figura 7-6, a seguir. Figura 7-6: ENA Dez/14-Abr/15 Necessária para 45% EARmáx em Abr/15 NE Observa-se que o atingimento de 45% EARmáx em abril de 2015, no subsistema Nordeste, irá exigir cenários de ENA, no período de dezembro/2014 a abril de 2015, que variam, de acordo com o despacho térmico considerado no período, ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 31 / 64

32 entre 88% da MLT (somente com as térmicas inflexíveis), 77% da MLT (somente com térmicas de CVU até 360 R$/MWh) e 58% da MLT (com térmicas na base). Considerando-se as incertezas inerentes da estação chuvosa de 2015, foram feitas, também, avaliações dinâmicas com o histórico de vazões, considerando-se as hipóteses de partida em novembro de 2014, como utilizado para o Cenário de Sensibilidade (CS) e adicionando-se despacho térmico na base também para o ano de A Figura 7-7 e a Figura 7-8, a seguir, apresentam, para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, respectivamente, a evolução dos armazenamentos em 2015 considerando o histórico de vazões. Figura 7-7: Evolução dos Armazenamentos do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste, considerando as termoelétricas despachadas na base no ano de % 90% 80% 70% % EARmáx 60% 50% 40% 30% 20% % % nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 32 / 64

33 Figura 7-8: Evolução dos Armazenamentos do Subsistema Nordeste, considerando as termoelétricas despachadas na base no ano de % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% % nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 % EARmáx mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 nov/15 dez/15 Nas Figuras anteriores, observa-se que o número de séries com níveis de armazenamento inferiores a 10% EARmáx para o subsistema Sudeste/Centro- Oeste reduziu para duas séries históricas (1953 e 1955). Para o subsistema Nordeste, apenas a série histórica de 1971 atingiria nível abaixo de 10% EARmáx ao final da estação seca de Adicionalmente, ainda no contexto do ano de 2015, onde haverá uma forte dependência da estação chuvosa para recuperação dos níveis de armazenamento dos subsistemas, foi realizada uma avaliação prospectiva a partir da consideração de 3 cenários de ENA, para o período dezembro/2014 a dezembro/2015: 110% da MLT, 100% da MLT e 80% da MLT. A seguir, a Figura 7-9, a seguir, apresenta a comparação dos principais resultados da avaliação prospectiva para o ano de 2015, para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 33 / 64

34 Figura 7-9: Avaliação Prospectiva SE/CO e SUL Ano 2015 Geração Termoelétrica (MWméd) MLT=80% MLT=100% MLT=110% JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Custo Marginal de Operação (R$/MWh) MLT=80% MLT=100% MLT=110% JAN 579,78 298,03 228,53 FEV 453,38 229,49 169,90 MAR 406,86 193,84 143,02 ABR 387,96 187,83 115,62 MAI 368,31 169,77 104,33 JUN 361,53 149,32 101,27 JUL 372,18 150,30 92,74 AGO 389,00 148,64 88,71 SET 374,84 139,13 79,67 OUT 399,02 134,58 57,50 NOV 398,31 113,87 45,76 DEZ 427,68 99,88 33,06 % EARmáx SE/CO 20,4 S 91,6 NOV/14 DEZ/14 JAN/15 FEV/15 MAR/15 ABR/15 MAI/15 JUN/15 JUL/15 AGO/15 SET/15 OUT/15 NOV/15 DEZ/15 ENA CMO Médio (R$/MWh) Período Úmido Período Seco Média Anual 80% MLT 481,51 377,48 409,90 100% MLT 252,65 148,62 167,89 110% MLT 186,01 87,37 105,01 Observa-se na Figura 7-9, anterior, que, na ocorrência do cenário de 80% da MLT, serão necessários despachos térmicos da ordem de MWmed, correspondentes a 82% da disponibilidade de geração térmica dos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, durante todo o ano de Esse despacho resulta em um armazenamento da ordem de 54% ao final de abril de 2015 (fim da estação chuvosa) e de 22% EARmax ao final da estação seca (novembro de 2015). Para o cenário mais favorável, 110% da MLT, observa-se uma redução significativa no montante de despacho térmico ao longo do ano de 2015, em relação ao cenário de 80% da MLT, correspondendo a MWmed no horizonte. Esse despacho resulta, para esse cenário, em um armazenamento de 87% ao final de abril de 2015 (fim da estação chuvosa) e de 76% EARmáx no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, ao final da estação seca (novembro de 2015). Com relação ao CMO, verifica-se que os valores para a estação chuvosa de 2015 foram superiores aos obtidos para a estação seca, função dos baixos níveis de armazenamento no início do estudo. No cenário mais crítico, esses valores são de aproximadamente 480 R$/MWh na estação chuvosa e 380 R$/MWh para a estação seca. Os custos marginais de operação caem para a ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 34 / 64

35 ordem de 190 R$/MWh na estação chuvosa e 90 R$/MWh na estação seca, considerando o cenário mais otimista (110% MLT). Para os subsistemas Nordeste e Norte, a comparação dos principais resultados da avaliação prospectiva para o ano de 2015 é feita através na Figura 7-10, a seguir. Figura 7-10: Avaliação Prospectiva NE e N Ano 2015 Geração Termoelétrica (MWméd) MLT=80% MLT=100% MLT=110% JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Custo Marginal de Operação (R$/MWh) MLT=80% MLT=100% MLT=110% JAN 289,64 146,35 108,92 FEV 303,04 138,67 107,52 MAR 297,05 148,86 65,45 ABR 228,92 112,52 0,00 MAI 311,72 138,89 99,27 JUN 309,67 132,51 96,17 JUL 366,44 140,51 92,73 AGO 384,09 142,63 88,62 SET 374,84 137,03 79,67 OUT 371,73 134,13 57,13 NOV 352,64 112,33 45,76 DEZ 386,44 96,86 33,06 % EARmáx NE 18,2 N 39,0 ENA CMO Médio (R$/MWh) Período Úmido Período Seco Média Anual 80% MLT 292,70 353,08 331,35 100% MLT 148,83 137,62 131,77 NOV/14 DEZ/14 JAN/15 FEV/15 MAR/15 ABR/15 MAI/15 JUN/15 JUL/15 AGO/15 SET/15 OUT/15 NOV/15 DEZ/15 110% MLT 84,77 85,60 72,86 Observa-se, na Figura 7-10, anterior, que, para a ocorrência do cenário de 80% da MLT, ocorreram despachos térmicos de cerca de MWmed, superiores a 56% da disponibilidade equivalente de geração térmica dos subsistemas Nordeste e Norte, durante todo o ano de Esse despacho resulta em um armazenamento de 59% EARmáx no final de abril de 2015 (fim da estação chuvosa) e em 7% EARmáx ao final da estação seca (novembro de 2015). Para o cenário mais favorável, 110% da MLT, observa-se uma redução significativa no montante de despacho térmico ao longo do ano de 2015, em relação ao cenário de ENA igual a 110% da MLT, correspondendo a uma geração média de MWmed no horizonte. Esse despacho resulta no armazenamento ao final de abril de 2015 (fim da estação chuvosa) de 86% EARmáx e no armazenamento de 40% EARmáx no subsistema Nordeste, ao final da estação seca (novembro de 2015). ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 35 / 64

36 Com relação ao CMO, observa-se que não há grande influência dos níveis iniciais de armazenamento, ainda que esses sejam baixos. Nas regiões Nordeste e Norte há uma oferta de energia abundante, principalmente em função do montante de energia eólica no subsistema Nordeste. Em função do estrangulamento na interligação Norte-Sul, não é possível o escoamento desses recursos excedentes, fazendo com que haja um significativo descolamento entre os CMOs em relação aos obtidos nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e Sul, o que ratifica a recomendação recorrente da necessidade de ampliação da capacidade de exportação dos subsistemas Norte/Nordeste para os subsistemas Sudeste-Centro Oeste/Sul. 7.3 Análise de Desempenho 2015/2018 (Análise Probabilística) Conforme comentado no Item 2, Introdução, nos últimos três anos do horizonte (2016/2018) a expansão da geração e da transmissão é preponderante na segurança operativa do SIN em função do crescimento da carga. Nesse horizonte, a metodologia usual de avaliação de desempenho do SIN está calcada na identificação dos riscos de déficit de energia, adotando-se, como já mostrado no Item 2, Introdução, a Função de Custo de Déficit de um patamar e a geração de cenários sintéticos de ENAs não condicionados ao passado recente. Além dos riscos de déficit, são avaliados os custos marginais de operação, os balanços estáticos de energia firme e assegurada e o balanço estático de ponta atendimento à demanda máxima instantânea Condições de Armazenamento em 2015 Para as análises das condições de armazenamento de 2015, a influência da situação hidroenergética conjuntural é um fator de grande relevância face a proximidade do final da estação seca e a transição para a próxima estação chuvosa. Logo, o uso de cenários sintéticos de ENA condicionados ao passado recente é também importante para estas avaliações em adição às análises determinísticas anteriores. Dessa forma, foram adotadas as mesmas previsões de ENA utilizadas nas análises do Item 7.1, mas considerando tendência hidrológica inicial. A Figura 7-11, a seguir, apresenta a curva de permanência dos armazenamentos ao final do mês de abril de 2015, para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, considerando (i) as usinas termoelétricas despachadas por mérito e (ii) as usinas termoelétricas despachadas na base, ao longo do ano de ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 36 / 64

37 Figura 7-11: Curva de Permanência do Armazenamento no Final de Abr/2015 Sudeste/Centro-Oeste Da Figura 7-11, anterior, observa-se que os armazenamentos do subsistema Sudeste/Centro-Oeste para abril de 2015, resultantes dessas simulações, não apresentaram diferenças significativas entre a operação das térmicas na base e por mérito econômico de custo. A probabilidade estimada para valores de armazenamentos superiores ao NSPU (45% EARmáx) foi de cerca de 80%, em ambos os casos. A aderência entre as distribuições de probabilidades é justificada pelo alto valor da água resultante dessas simulações, influenciado principalmente pelas condições hidrológicas do SIN no início do horizonte de estudo (novembro/2014). A Figura 7-12, a seguir, apresenta a curva de permanência da geração termoelétrica média dos meses janeiro a abril de 2015, despachada por mérito, para os Subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, considerando a simulação das séries sintéticas de ENA. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 37 / 64

38 Figura 7-12: Curva de Permanência da Geração Termoelétrica dos Subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul Jan/15 a Abr/15 10,000 9,000 Disponibilidade Geração Termoeletrica (MWmed) 8,000 7,000 6,000 5,000 4,000 Inflexibilidade GT1A 3,000 Probabilidade de despacho térmico maior que GT1A: 62% 2,000 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Probabilidade Da Figura 7-12, anterior, observa-se que a probabilidade de despachos termoelétricos de montantes elevados é significativa. Das séries simuladas, em 62% foram observados despachos de usinas termoelétricas além das usinas que compõem o grupo denominado de GT1A, com CVU inferiores a 360 R$/MWh. Em 10% dessas séries, todas as usinas termoelétricas já estão despachadas, por mérito, em sua máxima capacidade. Para o subsistema Nordeste, a Figura 7-13, a seguir, apresenta a curva de permanência dos armazenamentos ao final do mês de abril de 2015, para as simulações considerando o despacho das usinas termoelétricas no ano de 2015 por mérito e na base. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 38 / 64

39 Figura 7-13: Curva de Permanência do Armazenamento no Final de Abr/2015 Nordeste Da Figura 7-13, anterior, observa-se elevada probabilidade de vertimento para o caso com as térmicas despachadas por mérito (30%). Considerando as térmicas despachadas na base, essa probabilidade se eleva para 47%. Essa energia vertida poderia ser transferida para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste e Sul para atendimento às suas demandas de energia, mas os limites de transferência de energia já foram alcançados. Isso pode ser constatado na Figura 7-14, a seguir, que apresenta a frequência de congestionamentos na transferência de energia dos subsistemas Nordeste e Norte para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul. A probabilidade de terminar abril de 2015 em níveis acima de 45% EARmáx se eleva de 73% para 87%, considerando as térmicas despachadas na base. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 39 / 64

40 Figura 7-14: Frequência de Intercâmbios Máximos da Interligação Norte/Sul sentido IPZ- >SE/CO 100% 90% PEN Caso Sensibilidade 80% Motorização do Complexo Madeira 70% 60% 50% Março/18- Reforço Transmissão B. Monte Elo CC SE Xingu-SE Estreito 40% 30% 20% 10% Junho/17 Completa o nº de unidades de base da UHE Belo Monte 0% Pode-se observar, da Figura 7-14, anterior, que a frequência de congestionamento na exportação de energia dos subsistemas Nordeste e Norte para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul é alta, principalmente nos primeiros meses, onde há forte influência das condições iniciais do estudo. Para abril de 2015, essa frequência de congestionamento é da ordem de 75%. Esse fato reforça, mais uma vez, a importância de se envidar esforços para a ampliação da capacidade de transferências de energia entre os subsistemas Norte/Nordeste e Sul/Sudeste/Centro-Oeste. A Figura 7-15 e a Figura 7-16, a seguir, apresentam as curvas de permanência dos armazenamentos ao final do mês de novembro de 2015, para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, respectivamente, considerando os casos: (i) despacho de térmicas por mérito; (ii) despacho de térmicas na base em 2015 e (iii) despacho de térmicas na base de maio a novembro de ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 40 / 64

41 Figura 7-15: Curva de Permanência do Armazenamento no Final de Nov/2015 Sudeste/Centro-Oeste 100% 90% Energia Armazenada (% EAR máx) 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0% 5% Mérito 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% Térmima na Base no Período Seco Probabilidade de ocorrência < 30% EAR máx < 20% EAR máx < 10% EAR máx Mérito 23,9% 15,8% 10,0% Térmica na Base 18,9% 13,5% 9,1% Térmica na Base Período Seco 19,9% 13,8% 8,4% 50% Probabilidade 55% Ganho em armazenamento: 15% EARmáx 60% 65% Térmica na Base 70% 75% 80% 85% 90% 95% Figura 7-16: Curva de Permanência do Armazenamento no Final de Nov/2015 Nordeste Energia Armazenada (% EAR máx) 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% Mérito Térmima na Base no Período Seco Térmica na Base Ganho em armazenamento de 40% EARmáx 0% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% 40% 45% 50% 55% 60% 65% 70% 75% 80% 85% 90% 95% Probabilidade de ocorrência < 30% EAR máx <20% EAR máx <10% EAR máx Mérito 68,5% 56,5% 45,7% Térmica na Base 26,7% 19,1% 12,7% Térmica na Base Período Seco 44,4% 35,7% 26,6% Probabilidade ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 41 / 64

42 A Figura 7-15 e a Figura 7-16, anteriores, mostram que o ganho em armazenamento é significativo quando considera-se o caso em que as térmicas são despachadas na base em todo o ano de Para o Sudeste/Centro-Oeste, a probabilidade de armazenamentos inferiores à 30% EARmáx, eleva-se em 5 p.p., em comparação ao despacho por mérito. O ganho em armazenamento, considerando a mediana da distribuição, é de 15% EARmáx. Para o subsistema Nordeste, a probabilidade de armazenamentos inferiores à 30% EARmáx, elevase em 40 p.p. e o ganho em armazenamento, considerando a mediana da distribuição, é de 40% EARmáx. O maior arrependimento de não se despachar térmicas fora da ordem de mérito em 2015 é o completo deplecionamento no final período seco. As probabilidades dessa ocorrência para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste são de 7% e 27%, respectivamente. Caso seja adotada a operação com térmica na base apenas no período de maio a novembro de 2015, a probabilidade para o subsistema Sudeste/Centro-Oeste não se altera. Entretanto para o subsistema Nordeste, essa probabilidade se reduz para 15%. É importante destacar que, vencido o esforço de redução da inflexibilidade hidráulica da bacia do rio São Francisco (entre 900 m³/s e m³/s) em termos de programação da operação (curto prazo), a geração térmica fora da ordem de mérito no subsistema Nordeste poderá ser importante para recompor estoques estratégicos neste subsistema durante a estação chuvosa, permitindo a alocação dessa geração na curva de carga, minimizando desestoques obrigatórios e também ao final da estação seca. Os resultados apresentados nesse Item mostram a importância de um monitoramento contínuo das condições hidroenergéticas do SIN para a definição da política de operação termoelétrica, face as incertezas na configuração do início e duração do próximo período úmido. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 42 / 64

43 7.3.2 Riscos de Déficit de Energia A Tabela 7-2, a seguir, apresenta os riscos de déficit de energia para o período 2016/2018 para o Cenário de Sensibilidade (no Volume I Condições de Atendimento estão apresentados os riscos de déficit para o Cenário de Referência). Tabela 7-2: Riscos de Déficit de Energia (%) Cenário de Sensibilidade (CS) Subsistema (1) SUDESTE/CENTRO-OESTE PROB (Qualquer Déficit) 2,8 1,5 1,3 1,5 PROB (Déficit>1%Carga) 1,9 1,3 0,9 1,4 SUL PROB (Qualquer Déficit) 5,8 3,9 1,7 1,8 PROB (Déficit>1%Carga) 3,0 2,1 0,9 1,2 NORDESTE PROB (Qualquer Déficit) 0,9 0,3 0,8 0,9 PROB (Déficit>1%Carga) 0,3 0,1 0,1 0,4 NORTE PROB (Qualquer Déficit) 0,3 0,2 0,3 0,2 PROB (Déficit>1%Carga) 0,1 0,0 0,2 0,0 ACRE/RONDONIA PROB (Qualquer Déficit) 1,1 0,4 0,1 0,9 PROB (Déficit>1%Carga) 0,6 0,1 0,0 0,9 MANAUS/MACAPÁ PROB (Qualquer Déficit) 0,1 0,0 0,1 0,0 PROB (Déficit>1%Carga) 0,0 0,0 0,0 0,0 (1) Valores indicativos, considerando como oferta adicional em relação ao ano de 2018 apenas a última unidade geradora da UHE Belo Monte e a UTN Angra III, ambas partir de janeiro de Observa-se que os riscos de déficit, no período 2016/2018, são inferiores ao critério de garantia postulado pelo CNPE para os todos os subsistemas (risco máximo de 5% em cada ano e em cada subsistema), exceto no subsistema Sul em 2016, embora os riscos de déficit acima de 1% da carga sejam inferiores a 5%. Para os subsistemas Norte, Nordeste, Acre/Rondônia e Manaus/Macapá são observados riscos de déficit de qualquer profundidade próximos a 1%. É importante destacar, como comentado no Item 2, Introdução, que os riscos de déficit dos dois primeiros anos são bastante influenciados pelos níveis de armazenamento inicial (% EARmáx). ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 43 / 64

44 Cabe também observar que estes resultados refletem as simulações com o despacho na base de todas as térmicas em 2014 e a não consideração da tendência hidrológica condicionada Custos Marginais de Operação Na Figura 7-17, a seguir, são apresentados gráficos do tipo box-plot, para os CMOs anuais obtidos da simulação das 2000 séries sintéticas de ENA, considerando o Cenário de Sensibilidade. Nesses gráficos, os limites de cada caixa representam o primeiro quartil, que corresponde à 25% da distribuição dos CMOs, e o terceiro quartil, que corresponde à 75% da distribuição. A linha em negrito, dentro de cada caixa, representa a mediana da distribuição. São apresentados também os limites superior ( cerca superior ) e inferior ( cerca inferior ) da distribuição. Os pontos acima da cerca superior dos gráficos representam os outliers da distribuição. As escalas desses gráficos foram ajustadas de forma a permitir uma melhor visualização das caixas. Figura 7-17: Box-Plot dos Custos Marginais de Operação (R$/MWh) Cenário de Sensibilidade Na Tabela 7-3, a seguir, são apresentadas as estatísticas associadas ao gráfico da Figura ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 44 / 64

45 Tabela 7-3: Estatísticas dos Custos Marginais de Operação (R$/MWh) Cenário de Sensibilidade Ano Média Mínimo 1º Quartil (25%) Mediana 3º Quartil (75%) Máximo TMM AC/RO N NE S SE/CO ,36-57,66 138,93 305, , ,59-51,53 108,80 228, , ,89 0,08 45,74 93,54 186, , ,73-59,48 144,48 324, , ,58-51,11 110,77 233, , ,39 0,06 45,07 93,15 189, , ,61-48,68 103,09 212, , ,00-42,11 84,14 159, , ,21 0,08 40,46 80,99 153, , ,36-48,68 103,09 212, , ,86-40,91 82,04 156, , ,36 0,08 39,72 79,39 150, , ,82-57,66 138,93 305, , ,19-51,64 108,87 229, , ,61 0,08 45,74 93,54 186, , ,97-48,68 103,09 212, , ,22-40,91 82,04 156, , ,64 0,08 39,72 79,39 150, ,99 OBS: Custo Marginal de Expansão utilizado pela EPE no PDE 2022 = 108,00 R$/MWh. Observa-se, nos gráficos da Figura 7-17 e nas estatísticas da Tabela 7-3, anteriores, que as distribuições associadas aos custos marginais de operação possuem grande assimetria, com a presença de vários outliers. Esses pontos estão associados a series críticas, que apresentam déficit durante o ano ou estão com valores da água muito elevados em função de baixos armazenamentos. No Volume I, Condições de Atendimento, também são apresentados os gráficos do tipo box-plot, para os CMOs anuais obtidos da simulação das séries sintéticas de ENA, considerando o Cenário de Referência. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 45 / 64

46 Vale destacar que, para os dois cenários, no horizonte 2016/2018 os CMOs médios anuais são superiores ao valor de 108,00 R$/MWh utilizado pela EPE no Plano Decenal de Energia 2022 como indicativo do Custo Marginal de Expansão CME para todos os subsistemas. A situação de elevados CMOs médios anuais é reflexo dos baixos níveis de armazenamento verificados no SIN ao final da estação chuvosa de 2014, além da consideração de restrições operativas que não foram consideradas nos estudos de planejamento da expansão, como, por exemplo, volumes de espera para controle de cheias, dentre outros. Não obstante, ao longo do ano, os estudos prospectivos realizados nos Programas Mensais de Operação PMO conduzem a uma visão determinística dos valores do CMO, considerando-se a atualização deste parâmetro em relação à evolução das condições hidroenergéticas conjunturais do SIN, com base nos valores esperados da previsão de afluências. Fator relevante é que os subsistemas Norte e Nordeste têm, em geral, CMOs inferiores aos demais subsistemas, indicando, mais uma vez, a necessidade de se avaliar a viabilidade econômica de ampliação da capacidade de exportação do Norte/Nordeste para o Sudeste/Centro-Oeste e Sul. Todavia, em função da variabilidade hidrológica, é significativa a incerteza em relação a valores médios do CMO. No Volume I Condições de Atendimento são apresentados, para cada subsistema, os valores de custos marginais de operação CMOs mensais no período 2015/2018, em termos de valor esperado, medianas - que representam o valor central da amostra de resultados de CMOs - e dos percentis de 10% e 90%, assim como também é apresentada uma análise das diferenças entre os CMOs dos subsistemas adjacentes. Além disso, é analisado o congestionamento de todas as interligações entre subsistemas. O congestionamento é avaliado pela contabilização da frequência com que o intercâmbio de energia entre subsistemas diretamente conectados atinge o limite da interligação frequência de intercâmbios máximos. Destaca-se na Figura 7-18, a seguir, a frequência de intercâmbios máximos para a interligação Norte-Sul, no sentido Imperatriz (IPZ) SE/CO. Os valores indicam congestionamento elevado ao longo de todo o período de estudo, atingindo valores da ordem de 70%, com tendência de redução apenas em 2018, quando da entrada em operação do sistema de transmissão associado à UHE Belo Monte (1º Bipolo março/2018). A mesma Figura 7-18 também apresenta uma avaliação indicativa do benefício da antecipação do 1º Bipolo da UHE Belo Monte, previsto para março de 2018 e considerado para efeitos de estudo, em março de ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 46 / 64

47 Figura 7-18: Frequência de Intercâmbios Máximos da Interligação Norte/Sul sentido IPZ->SE/CO 100% 90% PEN Caso Sensibilidade Antecipação do reforço transmissão Belo Monte 80% Motorização do Complexo Madeira 70% Frequência 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Antecipação do Reforço Transmissão B. Monte Elo CC SE Xingu-SE Estreito Deve-se destacar que frequências de intercâmbios máximos elevadas, combinadas às diferenças significativas dos CMOs entre subsistemas diretamente conectados, indicam mais uma vez a necessidade de estudos detalhados para avaliação técnico-econômica, por parte da EPE/MME, de reforços nas interligações entre o Norte-Nordeste e Sudeste/Centro-Oeste - Sul. A Figura 7-19, a seguir, apresenta uma avaliação do impacto decorrente do congestionamento da interligação Norte/Sul em diversas séries sintéticas de ENAs, em termos do valor esperado de geração térmica adicional decorrente dessa situação. Também na Figura 7-19, é apresentado o benefício da antecipação do 1º Bipolo de escoamento da UHE Belo Monte, indicando que existem ganhos nessa antecipação da ordem de 200 MW med em 2016 e de MW med em ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 47 / 64

48 Figura 7-19: Benefícios na antecipação do 1º Bipolo de escoamento da UHE Belo Monte 7.4 Balanço Estático de Energia Firme e Energia Assegurada No Volume I, Condições de Atendimento, são apresentadas análises do balanço tradicional de energia firme, por subsistema e o balanço de garantia física, ambos sinalizando que no horizonte 2015/2018 existem sobras estruturais de energia firme e assegurada, respectivamente. Contudo, os resultados indicam que a hidroeletricidade terá uma participação no atendimento à carga da ordem de 75%, o que indica que as demais fontes como eólicas e termoelétricas terão um papel cada vez mais importante no atendimento ao mercado. 7.5 Impactos das usinas da Amazônia e das usinas eólicas na operação do SIN Em diversos Planos da Operação, recentes, têm sido apontados os impactos da operação das usinas da Amazônia, que apresentam, como características marcantes, a falta de reservatórios de regularização e valores de produção significativamente elevados na estação chuvosa e bastante reduzidos na estação seca ( usinas de safra ). Considerando-se que estas usinas são a fio d água, a geração delas será inflexível, ou seja, toda a geração disponível deverá ser despachada para os ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 48 / 64

49 centros de consumo, através de longos sistemas de transmissão, e/ou armazenada nos demais reservatórios do SIN. A Figura 7-20, a seguir, ilustra como deverá ser a alocação dessa geração na curva de carga mensal projetada entre 2014 e Figura 7-20: Alocação da Geração do Complexo Madeira e Belo Monte na Curva de Carga A parte superior da Figura 7-20, anterior, representa a curva de carga do SIN e a parte inferior seria uma nova curva de carga, abatida da geração esperada compulsória das usinas do Complexo Madeira e de Belo Monte, uma vez que estas gerações serão inflexíveis, pela inexistência de reservatórios de acumulação. Dessa forma, a expectativa é de que à medida que estas usinas terminem de motorizar, haja um evidente deslocamento virtual dos meses de consumo máximo do SIN, que ocorrem nas estações chuvosas e que passariam a ser percebidos pelas demais usinas apenas nas estações secas, permitido, dessa forma, que durante as estações chuvosas essas usinas possam contribuir para a recuperação dos reservatórios de regularização, através de uma menor geração destes, deslocando o início do período de deplecionamentos nas estações secas, desde que sejam viáveis estas operações sob o ponto de vista da segurança do sistema elétrico e flexibilizadas as restrições de cunho ambiental. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 49 / 64

50 7.6 Balanço Estático de Demanda Máxima O Balanço Estático de Demanda Máxima do SIN apresentado neste PEN 2014 tem como objetivo avaliar o atendimento à demanda máxima instantânea, considerando condições eletroenergéticas conjunturais e aspectos estruturais relevantes, permitindo assim uma análise de cunho estratégico. A metodologia e as premissas consideradas nessa avaliação estão descritas detalhadamente no Volume I Condições de Atendimento. Para a realização desse balanço estático de demanda máxima foram adotadas duas hipóteses de simulação, denominadas Caso Base e Caso Sensibilidade, cuja descrição e resultados se encontram nos itens subsequentes. O horizonte de análise foi dividido em dois períodos, 2014/2015 e 2016/2018. Os resultados serão apresentados na forma de gráficos de barra, contendo as sobras de potência do SIN, para cada mês. Adicionalmente, esses balanços serão detalhados através de gráficos compostos por linhas e barras, sendo um gráfico para cada subsistema. As barras empilhadas representam a oferta, sendo cada tipo de barra associado a um tipo de fonte, a saber: a barra verde representa a inflexibilidade termoelétrica; a barra azul clara representa a disponibilidade de usinas não simuladas (eólica, PCH, biomassa); a barra azul escura representa a disponibilidade hidroelétrica; a barra laranja representa o montante de importação de potência de outros subsistemas (quando pertinente) e a barra azul hachurada representa a disponibilidade de geração termoelétrica, abatida do valor da geração térmica inflexível. No caso de um eventual déficit de potência, esse é representado por uma barra vermelha. As linhas estão associadas aos requisitos de potência, sendo que a linha contínua representa o requisito próprio de potência do subsistema (demanda máxima mais o montante de reserva de potência 2,5%) e a linha tracejada representa o requisito próprio de potência mais o montante de potência exportado para os demais subsistemas (quando houver exportação) Caso Base Esse caso considera a hipótese de perdas por deplecionamento nas usinas hidroelétricas em função dos níveis de armazenamento de cada subsistema. No entanto, para a bacia do Rio São Francisco, considerou-se sua operação com defluência de m³/s no período de setembro/2014 a dezembro/2015. Essa operação implica em um montante de perdas de MW no subsistema Nordeste, ou seja, neste período não foram utilizadas as perdas por deplecionamento calculadas com base na função de perdas ajustada e nem as reduções por manutenção das usinas hidroelétricas dessa bacia. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 50 / 64

51 Para o horizonte até dezembro de 2014 utilizou-se os armazenamentos previstos nos estudos prospectivos de curto prazo em todos os subsistemas e para o ano de 2015 adotou-se armazenamentos compatíveis com afluências de 80% da MLT em todos os subsistemas a exceção do subsistema Norte, onde foram utilizados os valores de armazenamento compatíveis com as Curvas de Referência - CRef 1, calculadas com a mesma metodologia das antigas CAR5. Para o horizonte 2016/2018 adotou-se, em todos os subsistemas, os respectivos valores da CRef para cada ano do horizonte. A Figura 7-21, a seguir, apresenta as sobras de potência do SIN resultantes do balanço de atendimento à demanda máxima dos subsistemas. Figura 7-21: Balanço de Ponta - Resumo de Sobras - SIN Da Figura 7-21, anterior, observa-se uma redução significativas das sobras de potência nos meses de outubro a dezembro de cada ano, em função do desligamento da segunda casa de força da UHE Tucuruí. Ressalta-se uma elevação nos montantes de excesso a partir de 2016 em função da consideração retorno à operação normal do Rio São Francisco, com defluência mínima de m³/s. 1 CRef é uma curva de armazenamento que tem por objetivo estabelecer uma referência de níveis mínimos para acompanhamento da operação do SIN. É calculada com metodologia análoga à que era adotada na CAR5. ONS RE / PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2014/2018 PEN 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO 51 / 64

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2016/2020 PEN 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO. Operador Nacional do Sistema Elétrico. Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2016/2020 PEN 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO. Operador Nacional do Sistema Elétrico. Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2016/2020 PEN 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ 2016/ONS Todos os direitos reservados.

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

VOLUME I CONDIÇÕES DE ATENDIMENTO

VOLUME I CONDIÇÕES DE ATENDIMENTO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2013/2017 PEN 2013 VOLUME I CONDIÇÕES DE ATENDIMENTO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA HÁ RISCO DE RACIONAMENTO? O título desta análise é a pergunta mais frequente neste início de 2013, e o objetivo deste artigo é aprofundar a discussão em busca de uma resposta. Desde setembro de 2012 há

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga:

São apresentadas a seguir as principais características do comportamento da carga: A diversidade de comportamento dos consumidores de energia elétrica é uma característica que ameniza variações bruscas na curva de carga do sistema. Mas o que pode acontecer se, em todo o país, todos os

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL

CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL CRITÉRIOS PARA A UTILIZAÇÃO DOS VOLUMES MORTOS DOS RESERVATÓRIOS DAS USINAS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO PARAÍBA DO SUL Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 % EARmáx Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 1. APRESENTAÇÃO Durante o mês

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Somente no final da semana de 17 a 23 de agosto, uma frente fria conseguiu atingir a região Sul do país, ocasionando chuva fraca/moderada

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~ 2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005 C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~8766246.doc !" # $% "&'(" ) "$*+,-.,.*".$&/'-., 2.1 Conclusão Geral

Leia mais

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético ENERGIA ASSEGURADA GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético PARA QUE SERVE Garantia Física Lastro Placa Energia passível de comercialização Principal fonte de rendimento

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO A recente crise hídrica que tem afetado as principais bacias hidrográficas das regiões SE/CO e NE no que concerne à operação de seus aproveitamentos

Leia mais

ENERGIA ELÉTRICA: RETROSPECTIVA DO CONSUMO ENERGÉTICO E O CENÁRIO DE EXPANSÃO DA OFERTA E DEMANDA NACIONAL

ENERGIA ELÉTRICA: RETROSPECTIVA DO CONSUMO ENERGÉTICO E O CENÁRIO DE EXPANSÃO DA OFERTA E DEMANDA NACIONAL RICARDO SAVOIA ENERGIA ELÉTRICA: RETROSPECTIVA DO CONSUMO ENERGÉTICO E O CENÁRIO DE EXPANSÃO DA OFERTA E DEMANDA NACIONAL 24ª Fenasucro (Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética) VI Seminário

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009

RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DO HORÁRIO DE VERÃO 2008/2009 2009/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT- 016/2009 RESULTADO PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 8, PLD Médio /214 8 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 7, 7 6, 6 5, 4, 3, 2, 1,, MÉDIA SEMANA 1 29/ a 5/ NORTE SEMANA 2 6/ a 12/ SEMANA 3 13/ a 19/

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades Jerson Kelman Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 O Setor Elétrico é causador ou vítima das mudanças climáticas? A concentração de GEE na atmosfera aumentou

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão

Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão Contribuição da Energia Eólica para a Regularização do Suprimento de Energia Elétrica no Brasil 1 Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão Empresa de Pesquisa Energética

Leia mais

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS ISOLADOS AGOSTO / 2015 GTON / CTP 08/2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Objetivo... 2 3. Premissas Básicas... 3 4.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA (AAI) Ricardo Cavalcanti Furtado Superintendente de Meio Ambiente Manaus, junho/2006 Empresa de Pesquisa Energética Empresa pública, vinculada ao Ministério de Minas e Energia,

Leia mais

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia

ABINEE TEC Matriz Energética. Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de Energia Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético ABINEE TEC 2007 Matriz Energética Plano Decenal: Tendências, Dificuldades e Investimentos Políticas para Fontes de

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PERÍODO CRÍTICO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Fabiano Salomão de Oliveira Flavio Corga Cardinot Lilian Laubenbacher Sampaio

DETERMINAÇÃO DO PERÍODO CRÍTICO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL. Fabiano Salomão de Oliveira Flavio Corga Cardinot Lilian Laubenbacher Sampaio SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VII GRUPO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL DETERMINAÇÃO DO PERÍODO

Leia mais

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO

ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Salvador/ 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA Grupo de Recursos Hídricos - GRH ANÁLISE DE CENÁRIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DO HIDROGRAMA AMBIENTAL NO BAIXO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO Yvonilde Dantas Pinto

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 5 04 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica

A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica A Competitividade do Carvão Mineral Nacional na Produção de Energia Elétrica Associação Brasileira do Carvão Mineral Rio de Janeiro 18 de maio de 2009 Agenda Motivação Balanço Energético SIN Matriz Energética

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico

Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico Consequências para a Operação Metroferroviária Devido a uma Eventual Crise de Geração do Setor Elétrico COMISSÃO METROFERROVIÁRIA GRUPO DE TRABALHO DE ENERGIA Associação Nacional de Transportes Públicos

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 2010/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 127/2010 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO

Leia mais

Acompanhamento da situação dos reservatórios hidrelétricos até 31 de Março de 2014

Acompanhamento da situação dos reservatórios hidrelétricos até 31 de Março de 2014 Pode Haver Novo Apagão em 2014? Acompanhamento da situação dos reservatórios hidrelétricos até 31 de Março de 2014 Tabelas e gráficos atualizados para 31/03/2013 Carlos.feu@ecen.com Situação atual A situação

Leia mais

TÉRMICA. Aatual capacidade de oferta energética do Sistema. A importância da complementaridade

TÉRMICA. Aatual capacidade de oferta energética do Sistema. A importância da complementaridade A importância da complementaridade TÉRMICA Mario Fernando de Melo Santos Presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Aatual capacidade de oferta energética do Sistema Interligado Nacional

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica no Brasil 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Subsídios no Brasil: CCC Sistema isolado Ano Valor provido

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT

LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA - 3º LER/2015: MARGENS DE CAPACIDADE PARA ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA E DIT Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova

Leia mais

Planejamento da transmissão

Planejamento da transmissão MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Fórum: Os Desafios da Transmissão Planejamento da transmissão Thiago Guilherme Ferreira Prado CoordenadorGeral de Planejamento de Energia Elétrica Substituto 14 de abril de

Leia mais

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão

Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Ministério de Minas e Energia Inserção de Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento da Expansão Pedro A. M-S. David

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Dezembro

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5

Taxa de crescimento anual (%) Produção de eletricidade 345,7 558,9 61,7 4,9 2,5 Produção de energia 49,3 96,7 96,1 7,0 0,5 ESTRUTURA ATUAL DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA. LUZIENE DANTAS DE MACEDO 1 O Brasil é líder mundial na produção de eletricidade a partir de fontes renováveis. Consequentemente, apresenta posição privilegiada

Leia mais

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão

Fórum. Abraceel CanalEnergia. O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Fórum Abraceel CanalEnergia O desenvolvimento do mercado brasileiro de energia, a experiência européia e os desafios e perspectivas para a expansão Edson Luiz da Silva Gerente de Assunto Regulatórios e

Leia mais

A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em

A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em 2005-2006. 1 - Introdução Nivalde J. de Castro * Pedro Paulo Ballarin Bruni** O Setor de Energia Elétrica SEE - em 2005 apresentou evolução

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO

PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO EXECUTIVO PLANO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA 2012/2016 PEN 2012 VOLUME I RELATÓRIO Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua da Quitanda, 196 - Centro 20091-005 Rio de Janeiro RJ Tel (+21) 2203-9400 Fax (+21) 2203-9444

Leia mais

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP

Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Comissão Permanente para Análise de Metodologias e Programas Computacionais do Setor Elétrico CPAMP Relatório Técnico Metodologia de Cálculo de Garantia Física de Potência de Usinas Hidrelétricas Despachadas

Leia mais

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica

Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica V Congresso Brasileiro de Regulação Associação Brasileira de Agências de Regulação - ABAR Interface das Indústrias de Gás e Energia Elétrica José Cesário Cecchi Superintendente de Comercialização e Movimentação

Leia mais

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições:

Art. 2 Para os fins e efeitos desta Resolução são considerados os seguintes termos e respectivas definições: AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 56, DE 6 DE ABRIL DE 2004. Estabelece procedimentos para acesso das centrais geradoras participantes do PROINFA, regulamentando o art.

Leia mais

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS.

Os Valores financeiros estão em R$ Milhões, a menos que indicado de outra forma. Dados financeiros refletem a adoção do IFRS. Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas ambos conhecidos e desconhecidos. Não

Leia mais