UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CAROLINE MANOEL DE AZEVEDO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CAROLINE MANOEL DE AZEVEDO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CAROLINE MANOEL DE AZEVEDO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA CURITIBA 2014

2 CAROLINE MANOEL DE AZEVEDO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Direito. Orientadora: Profa. Doutora Geórgia Sabbag Malucelli Niederheitmann CURITIBA 2014

3 TERMO DE APROVAÇÃO CAROLINE MANOEL DE AZEVEDO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado e aprovado para obtenção de título de Bacharel no Curso de Bacharelado em Direito da Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba, de de Curso de Direito da Universidade Tuiuti do Paraná. Professor Doutor Eduardo de Oliveira Leite Coordenador do Núcleo de Monografias Orientadora: Profa. Doutora Geórgia Sabbag Malucelli Niederheitmann Prof. Prof.

4 RESUMO Trata da questão sobre o pagamento de capital de seguro de vida em hipótese de suicídio. Perante a divergência do tema, analisa o embasamento jurídico diante da liberdade de contratar do indivíduo e as negativas de pagamento por parte das seguradoras. A matéria já foi sumulada pelos tribunais brasileiros, mas mostra-se complexa diante da obrigação da seguradora em provar a premeditação, sob pena de gerar o dever de adimplemento. Exibe-se, através de uma Revisão Bibliográfica, conceitos sobre a teoria dos contratos, os dados publicados sobre suicídio e os impactos sob a ótica jurídica, observando publicações sobre o tema abordado em sites, assim como jurisprudências. A pesquisa possibilitou concluir que o atual posicionamento da jurisprudência pátria tende a decidir em prol do beneficiário, parte vulnerável na relação contratual, uma vez que a prova de premeditação exigida da seguradora é de difícil obtenção e a boa-fé do segurado sempre será presumida. Não obstante, por razão das circunstâncias, o suicídio pode ser considerado como estado de inconsciência, assim configurando morte involuntária, resultando no dever de pagamento do capital ao beneficiário. Palavras chave: Seguro de vida. Suicídio. Pacto contratual. Ônus da prova. Premeditação.

5 O verdadeiro conhecimento vem de dentro. Sócrates

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus pela vida e pelo despertar da fé em Santo Antônio de Pádua, fonte inesgotável de força nos momentos mais difíceis da caminhada. Ao meu marido Anderson, amor da minha vida, razão de todas as lutas, ser humano ímpar, que esteve sempre ao meu lado com quem divido todas as minhas conquistas. A minha professora orientadora Doutora Geórgia Sabbag Malucelli Niederheitmann pelo exemplo de pessoa dedicada, pelo auxílio e apoio que me prestou e por me fazer acreditar que tudo isso valerá a pena. A minha família e aos meus amigos por ser motivo de sempre seguir em frente, em especial a minha mãe a quem devo cada segundo da vida.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DOS CONTRATOS CONCEITOS E PRINCÍPIOS O CONTRATO DE SEGURO A REGULAMENTAÇÃO DAS SEGURADORAS O CONTRATO DE SEGURO DE VIDA O SEGURO DE VIDA À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR O SUICÍDIO E SUA LEITURA NO DIREITO BRASILEIRO O SUICÍDIO E OS CONTRATOS DE SEGURO DE VIDA ÔNUS DA PROVA DA PREMEDITAÇÃO DO SUICÍDIO A NULIDADE DA CLÁUSULA CONTRATUAL QUE VEDA O PAGAMENTO DO CAPITAL NA HIPÓTESE DE SUICÍDIO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 35

8 7 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda a questão do suicídio do segurado e o pagamento de capital advindo de contrato de seguro de vida. A matéria em questão já sumulada gera ainda controvérsia diante da obrigação das seguradoras de comprovar a premeditação do ato atentatório frente o direito de contratar do segurado que, em primeira análise, tendo em vista a boa-fé e a lealdade contratual, deve ter a obrigação satisfeita. A grande problemática se apresenta na questão da premeditação do contrato de seguro visando um futuro suicídio. Uma vez que, juridicamente se imponha ao segurador o dever de pagar o capital em caso de não premeditação, percebe-se a linha tênue que envolve o ônus probatório e a boa-fé presumida do segurado. Destaca-se a dificuldade em definir se o segurado agiu com a intenção de beneficiar terceiro ou se passava por desequilíbrio emocional e mental, ou até, inconsciência, a ponto do fato ser considerado como morte acidental. Partindo da premissa de que o contrato de seguro de vida é baseado na imprevisibilidade, se estudará qual tem sido a posição adotada pelo Direito para pacificar a questão de forma a não incentivar este grave ato e ao mesmo tempo garantir a segurança jurídica do contratante de seguro, o qual diante de adversidades que o levem ao suicídio tenha a obrigação contratual satisfeita. Com o objetivo de cumprir o que foi exposto acima, o presente trabalho trará conceitos de Direito Civil no tocante a Teoria Geral dos Contratos, sobre Direito do Consumidor, sobre o suicídio e desequilíbrios emocionais e posicionamentos jurisprudenciais sobre a matéria. O trabalho encontra-se estruturado em introdução, cinco capítulos e conclusão. No primeiro capítulo, apresentamos a introdução. No segundo, a Teoria Geral dos Contratos e um breve histórico da sua evolução, explanando a respeito dos princípios inerentes aos contratos. No terceiro capítulo, trataremos sobre o contrato de seguro, suas características e especificidades, assim como das empresas seguradoras. O quarto capítulo será dedicado à reflexão sobre o contrato de seguro de vida, a formação da relação jurídica como se apresenta nos dias de hoje e sua análise à luz do Código de Defesa do Consumidor.

9 8 No quinto capítulo, abordaremos o suicídio, seus conceitos, fazendo ligação entre o evento e as implicações jurídicas relacionadas ao contrato de seguro de vida, incluindo as súmulas já existentes dos tribunais superiores assim como trataremos do ônus probatório por parte da seguradora e a nulidade da cláusula que veda o pagamento de capital em caso de suicídio. Por fim, no sexto capítulo, elencaremos a conclusão do trabalho e as percepções sobre o tema.

10 9 2 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS 2.1 CONCEITOS E PRINCÍPIOS Ao abordar um ponto relacionado a contratos é necessário mencionar os conceitos principais do tema. Desde os primórdios o ser humano procura atingir seus propósitos e objetivos de vida, sendo na incessante busca pela sobrevivência, seja almejando condições melhores para si e sua família. A inteligência e a evolução tecnológica propiciaram conquistas que aperfeiçoaram a vida em sociedade. Avançando a sociedade o modo de viver se adapta e em seu percalço segue o Direito buscando delinear as relações sociais. Diz Siviero (2008, p.1): O ponto de partida do direto é a sociedade. É a partir dela que tudo é organizado, que se produzem normas jurídicas. O produtor das normas tem como limite a vontade e o respeito da complexidade social. Organização pressupõe coexistência de sujeitos diferentes. Ela procura o bem de todos os indivíduos envolvidos através do controle social. Com o advento da Constituição Federal de 1988, conhecida como a constituição cidadã, houve grande valoração do princípio da dignidade humana, de forma que nos contratos entabulados se leve em conta não apenas os objetivos comerciais, mas também o respeito mútuo entre as partes contratantes. Vale ressaltar, principalmente, o artigo 1º, incisos III e IV da Carta Magna, que traz: a República Federativa do Brasil, [...] constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: [...] III a dignidade da pessoa humana; IV os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa. A Constituição Federal elevou os direitos fundamentais a status de cláusula pétrea, dando a eles posição central no ordenamento jurídico. É o que se extrai do apontado por Lora (2008), como definição do princípio da dignidade humana: É apontado como elemento fundante, informador e unificador dos direitos fundamentais e uma das bases do Estado de Direito Democrático, conforme previsto no inciso III, artigo 1º da Constituição Federal, servindo também como elemento orientador do processo de interpretação, integração e aplicação das normas constitucionais e infraconstitucionais.

11 10 O Código Civil Brasileiro de 10 de janeiro de 2002, em seu artigo 421 diploma que A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. As consequentes evoluções sociais foram se refletindo na seara contratual de tal forma que a positivação da função social dos contratos é, talvez, a questão mais importante e mais nebulosa em matéria contratual trazida pelo Código de (SANTIAGO, 2006, p.21) Nesta vertente, cabe ressaltar o caminho histórico elaborado por Santiago (2006, p.42): Com o desenvolvimento do sistema capitalista, os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade, pregados fervorosamente na Revolução Francesa, mostraram-se ineficientes para a proteção dos indivíduos. O desequilíbrio e a desigualdade econômico-social entre as pessoas tornaram-se evidentes, provocando injustiças e insatisfações por parte dos segmentos menos abastados. [...] A rapidez na celebração dos contratos, exigida pela economia de consumo, e a necessidade de criar negócios homogêneos a serem celebrados com grande número de pessoas fazem com que não haja tempo para uma discussão detalhada das cláusulas contratuais, e consequentemente a parte mais forte no negócio acaba por impor à outra parte as condições consideradas essenciais para a contratação. Isso gera a padronização das cláusulas contratuais. Desta forma, pode-se entender que deste cenário sobrevieram diversas normativas com o intuito de regular as relações contratuais com a preocupação inclusive, de proteger a parte hipossuficiente do contrato, tentando minimizar a desigualdade jurídica. Surge, assim, o regime contratual atual cerceado de princípios que norteiam as relações jurídicas. A função social do contrato visa abarcar as relações entre as partes, impondo-se a lealdade do negócio, e ainda em face da coletividade, considerando o impacto do contrato na sociedade em que fora celebrado. Pode-se entender que o grande objetivo da função social do contrato seja coibir qualquer abuso de direito além de limitar as cláusulas de forma a criar um equilíbrio contratual que beneficie os dois polos da relação. As obrigações assumidas em um contrato têm o objetivo de satisfazer interesses contrapostos que estarão em consonância com a autonomia da vontade,

12 11 mas não podem esses interesses ferir o fundamento constitucional da dignidade da pessoa humana. 204): Nessa linha, as palavras de Tartuce (2005 apud ROSENVALD, 2005, p. Não se pode esquecer que o contrato é importante fonte obrigacional. Nesse sentido, Nelson Rosenvald, um dos mais brilhantes juristas da nova geração sintetiza muito bem como deve ser encarada a obrigação atualmente: A obrigação deve ser vista como uma relação complexa, formada por um conjunto de direitos, obrigações e situações jurídicas, compreendendo uma série de deveres de prestação, direitos formativos e outras situações jurídicas. A obrigação é tida como um processo uma série de atos relacionados entre si -, que desde o início se encaminha a uma finalidade: a satisfação do interesse na prestação. Hodiernamente, não mais prevalece o status formal das partes, mas a finalidade à qual se dirige a relação dinâmica. Para além da perspectiva tradicional de subordinação do devedor ao credor existe o bem comum da relação obrigacional, voltado para o adimplemento, da forma mais satisfativa ao credor e menos onerosa ao devedor. O bem comum na relação obrigacional traduz a solidariedade mediante a cooperação dos indivíduos para a satisfação dos interesses patrimoniais recíprocos, sem comprometimento dos direitos da personalidade e da dignidade do credor e devedor. Se contrato é uma convenção entre pelo menos duas partes visando constituir, modificar ou extinguir direitos, estando suas obrigações impostas no instrumento, limitadas aos fundamentos constitucionais, é dado às partes a possibilidade de buscar na lei os efeitos desejados para a efetiva satisfação dos envolvidos. Dentre os princípios que permeiam o contrato estão: a autonomia da vontade, a força obrigatória do contrato, a função social, a boa-fé, o equilíbrio contratual e a relatividade contratual. Segundo Dias (2014, p.492), em se tratando da autonomia da vontade as partes são livres para contratar podendo, dentro da lei, estabelecer o que melhor lhe aprouver. Esta liberdade abrange o contratar, o com quem contratar e o que e como contratar. Desta forma, podemos entender que a autonomia da vontade confere aos contratantes a livre disposição quanto aos limites e consequências advindas do ato, desde que respeitando os ditames da Lei Maior. Quanto à força obrigatória do contrato, ou força vinculante, elenca o autor que este princípio está diretamente ligado ao da autonomia, visto que, para possibilitar que as partes exerçam com plenitude sua liberdade de contratar, é necessário que haja respeito à relações estabelecidas, com o devido cumprimento

13 12 das avenças. Assim, se já se delineou o objeto e as limitações do acordo, só resta cumprir as obrigações impostas por ele. Vindo reforçar o que já se definiu anteriormente como a função social, este princípio nas ideias do autor é: Um dos novos princípios que passaram a plasmar a relação contratual partir da segunda metade do século XX. Este princípio determina que o contrato passe a importar para toda a sociedade, de modo que os terceiros passam a influenciar e ser influenciados pela existência do contrato. (DIAS, 2014, p.494). Através dos conceitos sobre a função social do contrato, pode-se extrair que ela se dá em dois níveis: Intrínseco, que abarca as relações entre os contratantes, e em nível extrínseco, onde o contrato é visto levando em conta a sociedade em que as partes estão inseridas. Em se tratando da boa-fé, este princípio deve ser encarado como norma geral, uma vez que impõe aos contratantes a observação da honestidade, do cuidado, da lealdade, da informação e do agir com ânimo de cumprir com todas as obrigações avençadas. Se a função social do contrato diz respeito ao impacto social causado pelo que foi pactuado entre as partes, a boa-fé vincula os contratantes de modo a manter a clareza e a informação relativamente ao objeto contratual, estabelecendo entre eles o equilíbrio de condições que possa resultar no completo adimplemento da obrigação assumida. A boa-fé já estava presente no artigo 85, do Código Civil de 1916, vejamos a literalidade do artigo: nas declarações de vontade se atenderá mais à intenção nela consubstanciada do que ao sentido literal da linguagem. Há duas espécies de boa-fé: a objetiva e a subjetiva. A objetiva é encarada como norma jurídica, cláusula geral comum no universo dos contratos. É como uma característica inerte ao contrato, de onde se supõem que as obrigações sejam assumidas como foi pactuado. É a justa expectativa do contratante, dever jurídico principal dos polos do negócio. Já a boa-fé subjetiva refere-se diretamente ao comportamento do indivíduo, vinculada a não consciência da ilicitude da conduta, ao agir acredita estar procedendo de forma correta. Comum do Direito de Família, no Direito das Coisas e no Direito das Sucessões. Essa boa-fé é apenas um estado de ânimo.

14 13 Em que pese o equilíbrio contratual é definido por Dias (2014, p.495) como: Também denominado de Justiça Contratual, determina que não pode haver desequilíbrio na estrutura econômica contratual fora da previsão das partes. Assim, se fatos futuros, supervenientes, determinam uma modificação do equilíbrio econômico do contrato, em que, por exemplo, uma parte está pagando mais do que está recebendo (e não se trata de um contrato aleatório), é necessário (re) equalizar a avença, dando aos envolvidos direito de permanecer no acordado, com a justiça reestabelecida. Em se referindo à relatividade contratual, ainda nas palavras do autor (DIAS, 2014, p. 493), O contrato vincula unicamente as partes nele envolvidas, não havendo em se falar de efeitos erga omnes. Assim, o credor só pode exigir o cumprimento do devedor. Este princípio apresenta algumas especificidades, senão vejamos: A) Estipulação em favor de terceiro (artigo 436 do Código Civil): A estipulação em favor de terceiro é relação entre o estipulante e o promitente em favor do beneficiário. Este somente passará a estar vinculado ao contrato quando aceitar a avença em sua integridade. B) Promessa por fato de terceiro (artigo 439 do Código Civil): é o compromisso do promitente em obter a anuência de um terceiro para a realização de determinado fato. O promitente deverá obter a vinculação do terceiro e, uma vez conseguido isto, terá adimplido sua parte na avença, sendo assim, uma obrigação de resultado. C) Contrato com pessoa a declarar (artigo 467 do Código Civil): em um contrato desta natureza a parte estabelece a faculdade de se fazer substituir por outra pessoa. Assim, tendo elencado e definido as bases principiológicas que rodeiam a atividade contratual, poderemos passar a tratar especificamente do contratado de seguro, foco norteador deste trabalho.

15 14 3 O CONTRATO DE SEGURO O renomado doutrinador Silvio de Salvo Venosa (VENOSA, 2008 apud ALVIM, 1983:7) aborda com especialidade a origem do seguro, senão vejamos: O seguro surge inicialmente no direito marítimo na Idade Média. Embora possuísse institutos próximos, a Antiguidade não conheceu esse contrato. Em princípio, quando ainda era pequena a atividade comercial, surgiram as sociedades de contribuição mútua entre os navegantes, semelhantes às de beneficência. Quando algum proprietário de navio sofria prejuízo ou perda, outros integrantes do grupo o socorriam com contribuições para a aquisição de outros bens. (Alvim, 1983:7). Em sua fase inicial, o seguro cobria os navios e as respectivas cargas. A insegurança das viagens aguçou o espírito dos negociantes a especular sobre o risco. O contrato de seguro com os contornos atuais foi surgindo paulatinamente, em decorrência das necessidades sociais, como sói acontecer com os institutos de origem mercantil. Sua ampla difusão partiu da Inglaterra no século XVII, tendo sua adoção se generalizado a partir do século XIX, então também acolhido pelo nosso Código Comercial. Nosso Código Civil em seu Titulo VI, elenca e delineia as várias espécies de contratos. Abordaremos em especial o que é elencado no capítulo XV, artigos 757 e seguintes, sobre os contratos de seguro. Na própria definição legislativa pode-se extrair a definição da obrigação nos contratos de seguro, qual seja: Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo à pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados". Nos contratos de seguro, o contratante tem o objetivo de, diante de um evento futuro e danoso do qual não deu causa, ter seu bem ressarcido. Os riscos inerentes da vida em sociedade oferecem perigo de perda patrimonial, por esta razão o contratante de seguro quer se antever aos acontecimentos, assegurando-se das possíveis perdas. Os riscos estão ligados ao desenvolvimento da sociedade, pois com o avanço tecnológico e científico se tornou possível a previsão de alguns riscos. Como exemplo, podemos destacar as estatísticas de risco levantadas pelas seguradoras, estudos estes que baseiam o mercado securitário ao estipular seus preços. Nas lições de Fábio Ulhoa Coelho (COELHO, 2010, p.487): Há duas grandes espécies de seguro, de acordo com a natureza do interesse segurado: o de

16 15 dano (também chamado ramo elementares ) e o de pessoas ( vida ou acidentes pessoais com morte ). Reafirmando essa definição, Fran Martins (MARTINS, 1984, p.415, 416) diz que o seguro de dano visa amparar o risco decorrente de evento incerto e o de vida diz respeito a uma indenização paga ao beneficiário diante da morte do segurado. Diz Martins (1984, p.416): Podem, ainda, os seguros de vida ser individuais ou coletivos, também chamados este seguros de grupo. Estes últimos, são os em que várias pessoas, pertencentes a uma associação, por exemplo, são seguradas em uma mesma apólice, cada uma concorrendo com certa importância [...]. No tocante às características, o contrato de seguro é bilateral, oneroso, aleatório, consensual e de adesão. O contrato de seguro é bilateral visto que ambas as partes devem cumprir obrigações. É o que ensina Alvim (1986, p.120): À luz desses princípios que norteiam os contratos bilaterais, no direito comum, deve-se entender o contrato de seguro. Ambas as partes assumem obrigações recíprocas. O segurado, de pagar o prêmio, não agravar o risco do contrato, abster-se de tudo que possa ser contrário aos termos do estipulado e cumprir as demais obrigações convencionadas. O segurador, de efetuar o pagamento da indenização ou da soma prevista no seguro de pessoa. Sendo as obrigações principais e correlativas, o inadimplemento por um dos contratantes rompe o equilíbrio do contrato. O contrato de seguro é oneroso uma vez que as partes têm como objetivo vantagens patrimoniais. O segurado busca garantir-se em uma futura perda por ocasião de sinistro que lhe afete o bem objeto do contrato e o segurador, o prêmio que recebe para que possa garantir a cobertura avençada. Em se tratando da aleatoriedade dos contratos de seguro, nas palavras de Alvim (1986, p.123): O seguro é tipicamente um contrato aleatório. Gira em torno do risco, acontecimento futuro e incerto cujas consequências econômicas o segurado transfere ao segurador, mediante o pagamento do prêmio. Se o evento previsto ocorre, uma soma bem maior que o prêmio será paga ao segurado; em compensação, reterá o segurador a quantia recebida, se o fato não se verificar. Não há equivalência nas obrigações, por força da natureza aleatória do contrato. O segurado perde ou ganha, mas o segurador escapa a essa condição, não em relação a um contrato isolado, mas no conjunto dos contratos celebrados, compensando os lucros e perdas de cada um. Eis por que o seguro é um negócio de massa. Sua estabilidade cresce na razão direta do volume da carteira.

17 16 Devemos destacar a discordância do autor Fábio Ulhoa Coelho (COELHO, 2010, p.492) no que tange a aleatoriedade do contrato de seguro. Segundo ele, após o advento do Código Civil de 2002 não se pode mais afirmar que o contrato de seguro envolva uma álea: Isto porque a lei não define mais a obrigação de a seguradora pagar ao segurado (ou a terceiro beneficiário) uma determinada prestação, caso venha a ocorrer evento danoso futuro e incerto. Este pagamento é, na verdade, um dos aspectos da obrigação que a seguradora contrai ao contratar o seguro: a de garantir o segurado contra riscos. A definição de consensual se dá pelo fato de depender do acordo das vontades contratantes e sendo esse consentimento o que basta para a formação do negócio jurídico em questão. Contudo, é preciso reduzir a termo o contrato de seguro, e perfectibilizar o avençado na apólice de seguro. Neste sentido: Com efeito, favorece a essa conclusão o fato de não ficar o segurador vinculado à simples emissão da apólice. É necessário remetê-la ao segurado, [...]. É pela remessa que se manifesta a vontade do segurador. (ALVIM, 1986, p.128) Em relação à apólice, preleciona Martins (1984, p.418): A apólice é o documento mais importante do contrato de seguro, porque é o instrumento da constituição do mesmo. Deverá conter todos os requisitos necessários para a caracterização da sociedade segurada e mais os dados constantes da proposta sobre o interesse segurado, montante da indenização, beneficiário, prazo de vigência do contrato. Sobre esse, deve a apólice minuciosamente especificar o dia, mês e ano em que se inicia e encerra a cobertura dos riscos. Deve a apólice, igualmente, fixar o valor do prêmio. Se por um lado ao contrato consensual basta o acordo de vontades, no contrato de seguro, além da mútua convergência de interesses, necessário se faz solenizar o objeto em apólice que deverá estar em poder também do contratante. Já nos referimos anteriormente à autonomia da vontade remetendo-nos inclusive ao equilíbrio contratual, onde o contrato possa espelhar um verdadeiro acordo que satisfaça ambas as partes. Mas a realidade econômica e dinâmica do mercado securitário não permite que se discutam todas as cláusulas que figurarão como norma nesse tipo de negócio, e neste ponto, surge o contrato de adesão. O Código de Proteção e Defesa do Consumidor traz a definição do contrato de adesão como sendo o que tem suas cláusulas estabelecidas unilateralmente pelo

18 17 fornecedor de produtos ou serviços, não havendo a possibilidade do consumidor modifica-las. Trataremos da abordagem do contrato de seguro à luz do Código de Defesa do Consumidor em capítulo posterior. Assim, O contrato de seguro está incluído entre os contratos de adesão. Realmente, o segurado não participa da elaboração de suas condições gerais. Foram elas preparadas pelo segurador, tendo em vista a experiência de cada ramo. (ALVIM, 1986, p.134). 3.1 A REGULAMENTAÇÃO DAS SEGURADORAS Antes de adentrar no mérito da regulamentação das companhias seguradoras no direito pátrio, Cláudia Lima Marques (2002, p.394 apud ALVIM, 1999, p.50) faz referência interessante sobre a primeira seguradora do Brasil: Segundo noticia Alvim, p.50, a primeira seguradora implantada no Brasil, em 1808, chamava-se justamente Boa-fé. O comentário acima fará todo sentido, curioso inclusive, quando adentrarmos no cerne do trabalho, que gira exatamente torno da presunção da boafé do contratante de seguro de vida. Traz o Código Civil, no parágrafo único do artigo 757: Somente pode ser parte, no contrato de seguro, como segurador, entidade para tal fim legalmente autorizada. Assim vamos abordar a legislação brasileira, positivada pelo Decreto-lei Nº. 73, de 21 de novembro de 1966, que define como operações de seguro privado os seguros de coisas, pessoas, bens, responsabilidades, obrigações, direitos e garantias. O referido decreto positiva que poderão operar em seguros privados apenas Sociedades Anônimas ou Cooperativas, que devem ser nominativas, devidamente autorizadas por Portaria do Ministro da Indústria e do Comércio, ficando proibido que explorem qualquer outro ramo de atividade. Através desse decreto foi criado o atual Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), que têm entre outras atribuições a de fixar diretrizes e normas da política de seguros privados, e a Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), pessoa jurídica de direito público, voltada à promoção da política definida pelo

19 18 CNSP, jurisdicionada ao Ministério de Indústria e Comércio, autarquia federal que goza de autonomia administrativa e financeira. Ela tem competência para fiscalizar todas as seguradoras, exceto as especializadas em seguro saúde, que se encontram sob o controle de outra autarquia, a ANS (Agência Nacional de Saúde). (COELHO, 2010, p.488).

20 19 4 O CONTRATO DE SEGURO DE VIDA No seguro de vida o objetivo é garantir aos herdeiros ou beneficiário valores futuros em razão da morte do segurado. No de acidentes pessoais, é garantir indenização em dinheiro em caso de invalidez, total ou parcial, temporária ou permanente. Para Fábio Ulhoa Coelho, o que a seguradora deve ao segurado não se pode chamar de indenização, visto que a vida não tem preço. O referido autor chama de adimplemento de obrigação pecuniária decorrente de contrato de garantia contra riscos. Por essa razão, o valor devido por contrato pela seguradora não é chamado na lei, de indenização como no caso de seguro de dano -, mas sim de capital. (COELHO, 2010, p.497). O artigo 789 do Código Civil nos traz que nesta modalidade de seguro, o capital segurado não tem limitação, podendo ser atribuído de forma livre pelo proponente quanto ao valor e quanto ao número de seguros sobre o mesmo interesse. Assim, [...] o beneficiário poderá, uma vez ocorrida a morte ou sobrevida daquele, reclamar o pagamento de todas as seguradoras. (COELHO, 2010, p.497) No seguro de pessoa é permitido contratar seguro de vida de outra pessoa, visto o que elenca o artigo 790 do diploma já citado: No seguro sobre a vida de outros, o proponente é obrigado a declarar, sob pena de falsidade, o seu interesse pela preservação da vida do segurado. O parágrafo único do mesmo artigo ainda especifica que se presume o interesse, quando o segurado é cônjuge, ascendente ou descendente do proponente. O Enunciado 186, III Jornada de Direito Civil do Conselho da Justiça Federal positivou ainda a inclusão do companheiro no rol das pessoas tratadas no artigo 790 do Código Civil: O companheiro deve ser considerado implicitamente incluído no rol das pessoas tratadas no artigo 790, parágrafo único, por possuir interesse legítimo no seguro de pessoa do outro companheiro. O beneficiário do seguro de vida deve ser indicado expressamente na apólice, ou, elenca o artigo 792, que na falta da indicação o capital segurado deverá ser destinado metade ao cônjuge não separado judicialmente e a outra metade aos herdeiros, respeitando a ordem de vocação hereditária.

21 20 A norma é complementada com o disposto no parágrafo único: Na falta das pessoas indicadas neste artigo, serão beneficiários os que provarem que a morte do segurado os privou dos meios necessários à subsistência. No tocante ao tema sucessório, segue importante observação de Coelho (2010, p.498): O recebimento pelo beneficiário do capital devido pela seguradora, quando falece o segurado, não tem natureza de sucessão. É o próprio beneficiário o titular do direito de crédito de modo que não incide sobre a importância paga qualquer tributo de transmissão causa mortis. Por esta razão, os credores do falecido não podem executar os seus créditos sobre a mesma importância (CC, art. 794). É claro que, morrendo o próprio beneficiário, após ter-se tornado titular do crédito perante a seguradora, os herdeiros ou legatários daquele sucedem-no na importância contratada, hipótese em que o seu pagamento deve ser considerado herança ou legado. Em sendo um contrato oneroso, incumbe-se ao segurado a obrigação de pagar o prêmio à seguradora, acarretando a inadimplência na resolução do contrato. O prêmio ainda pode ser estipulado por certo tempo, ou conveniado por toda a vida do segurado. É a norma explícita do artigo 796 do Código Civil. No seguro de pessoas, é lícito que se estipule um prazo de carência a partir do qual se passará a contar o início da garantia. O artigo 797 declara que: No seguro de vida para o caso de morte, é lícito estipular-se um prazo de carência, durante o qual o segurador não responde pela ocorrência do sinistro. Nas palavras de Martins (1984, p.422): Sinistro é a ocorrência do dano previsto no contrato, acarretando a obrigação da seguradora de fazer a indenização prometida. É a verificação do acontecimento incerto que constitui o risco [...]. Assim, ocorrendo o sinistro, nasce o dever da contra prestação por parte da empresa seguradora. 4.1 O SEGURO DE VIDA À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR O Código de Defesa do Consumidor - Lei 8.078/90, foi criado por força do advento da Constituição Federal, que traz a normativa, em seu artigo 5º inciso XXXII, O Estado promoverá na forma da lei, a defesa do consumidor e do elencado no Ato Das Disposições Constitucionais Transitórias - ADCT, no artigo 48, O

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br O suicídio é coberto ou não pelo seguro de vida dentro do período de carência? Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br Para responder esta pergunta, vamos entender qual a sistemática do Código

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003 COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos Capitulo XV - Do seguro Seção I Disposições gerais ART. 757 - PELO CONTRATO DE SEGURO,

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 593.196 - RS (2003/0164484-3) RELATOR : MINISTRO HÉLIO QUAGLIA BARBOSA EMENTA RECURSO ESPECIAL. SEGURO. ATRASO NO PAGAMENTO DOS VALORES DEVIDOS PELA SEGURADORA. LUCROS CESSANTES. OCORRÊNCIA.

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

Ronei Danielli RELATOR

Ronei Danielli RELATOR Apelação Cível n. 2014.020063-4, de Rio do Campo Relator: Des. Ronei Danielli SEGURO DE VIDA. SUICÍDIO. PERIODO DE CARÊNCIA PREVISTO NO ART. 798 DO CÓDIGO CIVIL. NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO DA VOLUNTARIEDADE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

O SUICÍDIO E O SEGURO DE VIDA Professora Gleize Póvoa

O SUICÍDIO E O SEGURO DE VIDA Professora Gleize Póvoa O SUICÍDIO E O SEGURO DE VIDA Professora Gleize Póvoa Em 2009, a revista Veja publicou uma matéria intitulada de Mortes Espelhadas 1, na qual discutiu o que possivelmente leva uma pessoa a se matar. A

Leia mais

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO

A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO A COBRANÇA DE TARIFAS ADMINISTRATIVAS EM CONTRATOS DE CONCESSÃO DE CRÉDITO Moisés da Silva Advogado Pós-graduando em Direito Processual e em Direito do Estado 59 EXCERTOS Se a instituição financeira presta

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000073868 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9141018-46.2006.8.26.0000, da Comarca de Campinas, em que é apelante UNIMED CAMPINAS COOPERATIVA DE TRABALHO

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas:

VISTOS, relatados e discutidos estes autos, em que são partes as acima identificadas: . ' ESTADO DA PARAÍBA t-n " PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Apelação Civel n 200.2004.038313-1/001 Relator: Des. Luiz Silvio Ramalho Júnior Apelante: Executivos Administração e Promoção de Seguros

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. Dr. Nechar ) Obriga as pessoas jurídicas inscritas no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda - CNPJ/M.F - à contratação de seguro de vida para

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO PARTE A ADV/PROC PARTE R REPTE ORIGEM RELATOR : JORGEVALDO ROBINSTON DE MOURA : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS : INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : JUÍZO

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

CREA - RJ. 7º Painel. A Relaçã. ção o de Consumo na Previdência Complementar. William L. Rocha. 15 de maio de 2009

CREA - RJ. 7º Painel. A Relaçã. ção o de Consumo na Previdência Complementar. William L. Rocha. 15 de maio de 2009 CREA - RJ 7º Painel A Relaçã ção o de Consumo na Previdência Complementar William L. Rocha 15 de maio de 2009 A Relaçã ção o de Consumo na Previdência Complementar 1) Do debate sobre a aplicabilidade do

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Profª Helisia Góes Direito Civil III Contratos Turmas 5ºDIV, 5º DIN-1 e 5º DIN-2 DATA: 24/09/09 (5º DIV) e 29/09/09 (5º DIN-1 e 5º DIN-2) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll

i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll sajfâu PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 397 ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAC>PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii uni uni mil uni mil mil mil llll llll Vistos,

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil DIREITO CIVIL Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil 1 2 GILBERTO KERBER Advogado. Conselheiro Estadual OAB/RS. Mestre em Direito pela UFSC. Coordenador do Curso de Direito CNEC-IESA

Leia mais

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé.

Abuso de Direito (art. 187 CC) Limites ao exercício de um direito: Fins econômicos, fins sociais, costumes e boa fé. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 15 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: Princípios: Boa fé Objetiva; Fases do Contrato: Formação

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I 393 Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 111, DE 2015 Acrescenta o art. 799-A à Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para dispor sobre a realização de exame de saúde previamente à contratação de

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304

DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 DECISÃO INTERLOCUTÓRIA HOMOLOGAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL 2379] ANÁLISE APÓS ÚLTIMO DESPACHO NO MOV. 2304 1. PETIÇÃO DA CREDORA AUNDE BRASIL S/A. [mov. Considerando que não há previsão legal

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito

RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS. Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito RELAÇÕES DE CONSUMO FRENTE AOS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS Leonardo Ayres Canton Bacharel em Direito INTRODUÇÃO A primeira norma a tratar sobre as atividades envolvendo organismos geneticamente

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução

DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006. I - Introdução DELIBERAÇÃO Nº 72 / 2006 I - Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem recebido, com muita frequência, um grande número de pedido de acessos a dados pessoais de saúde de titulares

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL Voltaire Marensi e César Peixoto Embora muito antigo, o tema suicídio ressurgiu com força total e mostra

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO

A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO A NÃO RENOVAÇÃO DO CONTRATO DE SEGURO DE VIDA EM GRUPO Voltaire Marensi César Lara Peixoto No Recurso Especial 1.356.725/RS, publicado em 12.06.2014, a Terceira Turma do egrégio Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

ACÓRDÃO. apelante CAMARGO CORREA - RODOBENS EMPREENDIMENTOS. IMOBILIARIOS SPE LTDA., são apelados ISAAC (Omitido) e outra.

ACÓRDÃO. apelante CAMARGO CORREA - RODOBENS EMPREENDIMENTOS. IMOBILIARIOS SPE LTDA., são apelados ISAAC (Omitido) e outra. Registro: 2014.0000707XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº XXXXXXX-55.2013.8.26.0405, da Comarca de Osasco, em que é apelante CAMARGO CORREA - RODOBENS EMPREENDIMENTOS

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUINTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0004150-49.2007.8.19.0042 APELANTE: MERCADOLIVRE.COM ATIVIDADES DE INTERNET LTDA. APELADA: LÍVIA SANTUX ANDRADE

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Atos administrativos Parte 1

Atos administrativos Parte 1 Parte 1 Todos os direitos reservados. A comercialização não autorizada desta obra, por qualquer meio, eletrônico ou reprográfico, ainda que parcial, constitui ato ilícito, respondendo os infratores nos

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais Direito do Consumidor Aula 01 Professora Flávia Zebulum O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais -Direito e Garantia Fundamental: Art. 5, XXXII CF/88 -Princípio Inerente a Ordem Econômica: Art.

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO POR PERÍODO INDETERMINADO DE ESTRANGEIRO PROFISSIONAL NÃO TÉCNICO / ESPECIALISTA

CONTRATO DE TRABALHO POR PERÍODO INDETERMINADO DE ESTRANGEIRO PROFISSIONAL NÃO TÉCNICO / ESPECIALISTA Avenida Paulista 2006, 16º andar 01312-200 São Paulo, SP Brasil Telefone: (+55 11) 32 97 31 21 Fax: (+55 11) 32 97 31 17 Cabinet Chantereaux 22, Place du Général Catroux 75017 Paris FRANCE téléphone: (+33)

Leia mais