ACESSIBILIDADE NA INTERNET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACESSIBILIDADE NA INTERNET"

Transcrição

1 Nome da Revista Vol. V, Nº. N, Ano 2012 ACESSIBILIDADE NA INTERNET Desenvolvimento de ambientes virtuais acessíveis baseados nas recomendações do W3C Alysson Alves dos Santos Autor Anhanguera Educacional Rodrigo Amorim Porto Orientador Anhanguera Educacional Lívia Carolina de Medeiros Coordenadora de Pós Graduação e Extensão Anhanguera Educacional RESUMO Este artigo trata do desenvolvimento de páginas da Internet acessíveis. Conceitua a usabilidade e a acessibilidade no âmbito da Internet, apresentando as instituições responsáveis por criar e manter os padrões para esse ambiente. Detalha as recomendações produzidas pelo World Wide Web Consortium (W3C), que devem ser utilizadas pelos desenvolvedores web, para a implementação de sítios e sistemas totalmente acessíveis, beneficiando tanto as pessoas portadoras de necessidades especiais como também todas as outras pessoas. Lista também algumas vantagens e as desvantagens na utilização destas recomendações. Palavras-Chave: Usabilidade; Acessibilidade; Recomendações W3C/WAI. ABSTRACT This article deals with the development of accessible web pages. Conceptualizes the usability and accessibility within the Internet, with the responsible institutions for creating and maintaining the standards for this environment. Details the recommendations produced by the World Wide Web Consortium (W3C), which should be used by Web developers for the implementation of systems and sites fully accessible, benefiting both people with disabilities as well as all other people. It also lists some advantages and disadvantages in using these recommendations. Keywords: Accessibility; Usability; W3C/WAI Recommendations. Anhanguera Educacional Ltda. Correspondência/Contato Alameda Maria Tereza, 2000 Valinhos, São Paulo CEP Coordenação Instituto de Pesquisas Aplicadas e Desenvolvimento Educacional - IPADE <tipo manuscrito> Recebido em: 30/12/1899 Avaliado em: 30/12/1899 Publicação: 22 de setembro de

2 2 ACESSIBILIDADE NA INTERNET 1. INTRODUÇÃO Atualmente, o número de sítios existentes na Internet é de cerca de 255 milhões, sendo que 21,4 milhões foram criados somente em 2010 (PINGDOM, 2011). Segundo Zeldman, 99,9% dos websites são obsoletos, pois, como foram construídos sem padronização e apresentam diversos erros de apresentação e comportamento (ZELDMAN, 2003). Um dos principais motivos da existência de tantos sites não acessíveis é o uso de softwares geradores de conteúdo sem programação para suporte aos critérios de acessibilidade (HENRY, 2005). E também, nota-se que muitos dos desenvolvedores web constroem páginas sem separar o conteúdo do design, o que dificulta a manutenção das mesmas (NIELSEN, 2002). Por desconhecer ou mesmo por ignorar a importância da acessibilidade, muitos profissionais desenvolvem sites e aplicações web de maneira errônea, ou seja, sem utilizar uma recomendação padrão. (HENRY, 2005). Os desenvolvedores geralmente utilizam editores visuais WYSIWYG, que é o acrônimo de What You See Is What You Get ( O que você vê é o que você tem ). Com a utilização destes editores para desenvolvimento conteúdos web, o utilizador não necessita ter conhecimento da linguagem, basta arrastar de forma intuitiva para tela os itens desejados, e assim criar a página com a mesma aparência que ele terá no navegador depois de pronto. Apesar de alguns destes editores visuais terem evoluído nestes últimos anos e oferecerem um desenvolvimento mais próximo aos padrões, muitos destes programas ainda ignoram as normas de acessibilidades e usabilidade. Contudo, estes editores geram comodidade para os desenvolvedores que criam o hábito de confiar apenas na ferramenta, contribuindo com um desenvolvimento fora do padrão, acarretando um alto nível de páginas inacessíveis, com o código inválido e semanticamente inadequado em diversas páginas da internet. Sendo que, desenvolver conteúdo web com acessibilidade é um dever de todos os desenvolvedores e um direito de todo cidadão portador ou não de necessidades especiais (CUSIN, 2009). Desta forma, mais de 96% dos websites não fornecem padrões mínimos de acessibilidade (BBC NEWS, 2006). Ambientes virtuais mal estruturados apresentam Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

3 Alysson Alves dos Santos 3 inúmeros problemas sendo o principal deles, a restrição no acesso à informação para pessoas portadoras de necessidades especiais. Assim, o presente artigo conceitua a usabilidade e a acessibilidade no âmbito da Internet, com o emprego de técnicas baseadas em regras e padrões que devem ser utilizadas pelos desenvolvedores, para a implementação de sítios acessíveis. Permitindo assim, que os usuários com ou sem necessidades especiais tenham acesso à informação. Por isso, identifica-se como problema de pesquisa a dificuldade que os portadores de necessidades especiais encontram ao utilizar a internet. Desta forma, o objetivo geral deste é identificar e definir diretrizes baseadas na acessibilidade e na usabilidade. Também serão avaliados os seguintes tópicos: Proporcionar aos desenvolvedores uma base concreta sobre a acessibilidade e usabilidade; Mostrar vantagens e desvantagens na utilização dos padrões web; Apresentar tecnologias para a avaliação e validação da acessibilidade. Atualmente existe uma grande quantidade de sítios, todavia estes não estão adaptados a receber os portadores de necessidades especiais. Esses são impedidos de progredir, pois não conseguem obter páginas com conteúdo compreensível e de navegação adequada. Ao desenvolver um sitio acessível, além de possibilitar a inclusão de novos usuários na internet, pois estes não podiam acessar devido às barreiras encontradas, também possibilita que novas pessoas se animem a utilizá-la com mais facilidade. (SPELTA, 2008). O presente trabalho evidencia a necessidade de criar uma internet acessível que beneficie tanto pessoas com deficiências como também todas as outras pessoas. Com isso, o desenvolvimento deste justifica-se como uma solução para o desenvolvimento de ambientes virtuais acessíveis, promovendo desta forma, a inclusão digital de todas as pessoas. Sendo indicado para analistas de sistemas, projetistas, webdesigners e alunos que cursam a graduação e/ou pós-graduação nas áreas de Tecnologia da Informação e que desejam aprofundar o seu conhecimento em acessibilidade e usabilidade. Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

4 4 ACESSIBILIDADE NA INTERNET 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Pessoas com Necessidades Especiais (PNE) São Pessoas com Necessidades Especiais (PNE), todas as pessoas que em maior ou menor medida precisam de algum apoio ou suporte externo para se desenvolver e serem autônomas. Considera-se que necessidades especiais engloba um conjunto de aspectos que ultrapassam em muito, o antigo conceito de deficiente. Por esse motivo, pode-se considerar dentro do espectro de necessidades especiais grupos sociais como terceira idade, desempregados, pessoas carentes, além das pessoas com deficiências motoras, cognitivas e/ou sociais. Essa mudança de enfoque da deficiência para a necessidade especial, leva consigo a concepção da variabilidade do caráter permanente da deficiência para o transitório, isto é, da visão de "adaptar a pessoa deficiente" para viver na sociedade à da inclusão pela adaptação da sociedade e pela superação das necessidades. (PASSERINO, 2003). Em relação a usuários com necessidades especiais especificamente, Nielsen defende que o conceito de deficiência precisa ser abordado de forma relativamente ampla quando se fala da web, pois o público da Internet é formado por diferentes grupos de usuários. As deficiências mais comuns, que interferem na navegação na web, são: cegueira, daltonismo, baixa visão, deficiência mental, deficiência física e desordem por déficit de atenção (NIELSEN, 2000). Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem aproximadamente 750 milhões de indivíduos com necessidades especiais em todo o mundo, sendo que somente no Brasil encontram-se quase 25 milhões destes. (ANAMATRA, 2010) (LAVORINI, 2007). A crescente necessidade de acesso à informação disponibilizada na internet tornou a Web uma ferramenta de extrema importância na nossa sociedade, pois é uma forma destas pessoas com deficiência poderem aceder e usufruir de recursos, que de outra forma lhes estariam inacessíveis (W3C, 2005). Segundo Warschauer, a internet pode ajudar portadores de deficiência física a superar problemas de mobilidade, limitações físicas ou discriminação social (WARSCHAUER, 2006). Frente a isso, Passerino afirma que a utilização da internet pode promover o desenvolvimento social, afetivo e cognitivo de todos os sujeitos, particularmente dos PNE Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

5 Alysson Alves dos Santos 5 que se beneficiam do uso, pois estas propiciam espaços alternativos de comunicação e construção, não somente individual, mas também colaborativo (PASSERINO, 2005). De maneira mais específica, para Henry, A web é um recurso cada vez mais importante em muitos aspectos da vida: educação, emprego, governo, comércio, cuidado com a saúde, recreação, e mais. É essencial que a web seja acessível e forneça acesso e oportunidade igual a usuários com necessidades especiais ajudando-os a participar mais ativamente na sociedade. Com isso, as barreiras podem ser mais facilmente superadas (HENRY, 2005). 2.2 CONCEITO DE INTERFACE O expressivo aumento no uso de computadores por pessoas cada vez menos capacitadas para tal exige um desenvolvimento de interfaces cada vez mais fáceis de serem compreendidas. Para Norman, Interface é aquilo que serve de conexão entre dois modelos, entre duas visões: o modelo mental do usuário em relação ao sistema e o modelo de programa, construído pelos desenvolvedores de software (NORMAN, 2002). Já Pressman conceitua interface como a parte de um sistema de informação através da qual os usuários interagem com o sistema para realizarem suas tarefas; portanto deve ser projetada com o objetivo de atender as necessidades e expectativas de seus usuários, permitindo que eles direcionem sua atenção para os objetos com os quais trabalham que por sua vez, devem refletir o mundo real (PRESSMAN, 2004). Desta forma, a interface deve permitir uma interação amigável, através da usabilidade, característica que determina se o manuseio de um produto é fácil e rapidamente aprendido, dificilmente esquecido, não provoca erros operacionais, oferece um alto grau de satisfação para as necessidades do usuário de forma simples e eficiente, resolvendo as tarefas para as quais foi projetado (FERREIRA, 2003), e (NIELSEN, 2002). 2.3 CONCEITO DE USABILIDADE Segundo a Organização Internacional de Normalização (International Organization for Standardization - ISO) e (ISO) (apud TORRES; MAZZONI, 2004), define usabilidade como a medida na qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com eficácia, eficiência e satisfação em um contexto Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

6 6 ACESSIBILIDADE NA INTERNET específico, quando utilizam determinado produto ou serviço, relacionando-se a qualidade de uso do ambiente digital. Já para Nielsen e Loranger, definem a usabilidade da seguinte maneira: A usabilidade é um atributo de qualidade relacionado à facilidade do uso de algo. Mais especificamente, refere-se à rapidez com que os usuários podem aprender a usar alguma coisa, a eficiência deles ao usá-la, o quanto lembram daquilo, seu grau de propensão a erros e o quanto gostam de utilizá-la. Se as pessoas não puderem ou não utilizarem um recurso, ele pode muito bem não existir. (NIELSEN e LORANGER 2007, p. 16). Assim, a usabilidade realiza a interação entre usuários e sistemas, visando garantir que este último funcione de forma adequada, provendo os meios e as funcionalidades necessárias para garantir seu bom uso por parte do usuário, através de interfaces bem desenvolvidas, garantindo assim uma melhor qualidade de um site (TRAVIS, 2004). Para se construir sistemas com boa usabilidade, é importante que estes sejam centrados no usuário, para isso, o projetista deve conhecer bem os usuários finais de modo a compreender como eles interagem com o sistema (NORMAN, 1999). Assim, quando se trata de usuários portadores de necessidades especiais, torna-se fundamental também identificar as imposições e os limites submetidos, para se compreender melhor suas necessidades e habilidades especiais (TAKAGI, 2004). Com a identificação de todas as barreiras que esses usuários precisam superar para acessar a informação, torna-se possível desenvolver interfaces fáceis de usar também por pessoas com necessidades especiais (HARRISON, 2005). Com isso, a compreensão do grau de usabilidade de uma interface para usuários é uma medida crucial para o sucesso de aplicações de software, incluindo sítios e aplicações web. (PREECE, 1994) Por fim, Se a usabilidade orientar o desenvolvimento de um sistema, seus usuários se sentirão confortáveis e encorajados em usá-lo (SHNEIDERMAN, 2004). 2.4 CONCEITO DE ACESSIBILIDADE Apesar da aplicação das práticas de usabilidade no desenvolvimento de páginas para internet, poucas foram os sítios que se preocuparam em garantir a todos o acesso às informações. Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

7 Alysson Alves dos Santos 7 Diante disso, verifica-se a importância da acessibilidade como facilitador para que portadores de necessidades especiais possam utilizar a Internet (NUNES, 2002). O conceito de acessibilidade surge como a possibilidade de qualquer pessoa, independentemente de suas capacidades físico-motoras e perceptivas, culturais e sociais, usufruir os benefícios de uma vida em sociedade. É o direito de usar os meios de transporte e serviços, de frequentar locais públicos, e, também, de conseguir acessar qualquer meio de comunicação, desde a televisão até sistemas de informação computadorizados, como a Internet (NICHOLL, 2001) e (NBR 9050, 1994). A acessibilidade representa não só o direito de acessar a rede de informações, mas também o direito de eliminação de barreiras arquitetônicas, de disponibilidade de comunicação, de acesso físico, de equipamentos e programas adequados, de conteúdo e também da apresentação da informação em formatos alternativos. (ACESSIBILIDADE BRASIL, 2006). O processo de inclusão social só é possível através de uma web bem projetada e estruturada, de modo que pessoas portadoras de necessidades especiais (visual, auditiva, física, fala, cognitiva e neurológica) possam perceber, entender, navegar e interagir de uma maneira efetiva, bem como criar e contribuir com conteúdos para a rede mundial de computadores (SHAWN, 2005). Desta forma, acessibilidade passa a ser entendida como sinônimo de aproximação, um meio de disponibilizar a cada usuário interfaces que respeitem suas necessidades especiais e preferências (CONFORTO e SANTAROSA, 2002). A acessibilidade também torna os produtos mais acessíveis a pessoas que não possuem qualquer tipo de deficiência (HENRY 2007). O governo brasileiro também se preocupa com a acessibilidade dos portadores de necessidades especiais. Sendo que no dia 2 de dezembro 2004, foi assinado o Decretolei 5296 regulamentando as Leis n , de 08 de novembro de 2000 (prioriza o atendimento a pessoas com necessidades especiais) e , de 19 de dezembro de 2000 (estabelece normas e critérios para garantir a acessibilidade). No artigo 8.º, inciso I define a acessibilidade como condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. E estabelece no Art. 47º, um prazo de doze meses para que todos os portais e sites eletrônicos da administração pública passem por um processo de acessibilização de modo a viabilizar o acesso das pessoas portadoras de deficiência, garantindo-lhes o pleno acesso às informações. Os portais e Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

8 8 ACESSIBILIDADE NA INTERNET sites eletrônicos de interesse público que recebem algum financiamento do governo também terão que assegurar a acessibilidade (BRASIL, 2004). 2.5 LEIS E NORMAS SOBRE ACESSIBILIDADE O World Wide Web Consortium (W3C) é um consórcio de empresas de tecnologia responsável por desenvolver recomendações a serem adotados na web, promovendo sua evolução e assegurando a sua interoperabilidade. (SHAWN, 2005). Essas recomendações para o desenvolvimento de websites foram denominadas de padrões web (web standards). Os Padrões Web são um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas, artigos, tutoriais, produzidos por esse consórcio e destinados a orientar fabricantes, desenvolvedores e projetistas para o uso de práticas que possibilitem a criação de websites de modo que seu conteúdo seja acessível por diferentes dispositivos e por diferentes usuários, independente de suas necessidades especiais (ZELDMAN, 2003) (MACEDO, 2004) (RUSE, 2005). Com o intuito de possibilitar a igualdade ao acesso à Internet e melhores oportunidades, esse consórcio criou uma iniciativa que aborda o assunto da acessibilidade chamado Iniciativa de Acessibilidade na web ou Web Accessibility Initiative - WAI (SHAWN, 2005). A WAI aborda dois eixos: assegurar uma transformação harmoniosa e tornar o conteúdo compreensível e navegável, além de oferecer três níveis de prioridade com base no respectivo impacto em termos de acessibilidade, sendo eles (W3C, 1999): Prioridade 1: Abrange os pontos que os criadores de conteúdo Web devem satisfazer inteiramente; do contrário, um ou mais grupos de usuários ficarão impossibilitados de acessar as informações contidas no documento - a satisfação desta prioridade é um requisito básico para que determinados grupos possam acessar documentos disponíveis na web. Prioridade 2: trata dos pontos que os criadores de conteúdo para a web deveriam satisfazer para evitar que os usuários tenham dificuldade de acessar as informações contidas no documento, evitando barreiras significativas a documentos publicados na web. Prioridade 3: refere-se aos pontos que os criadores de conteúdo web podem satisfazer; senão, um ou mais grupos poderão se deparar com algumas dificuldades em acessar informações contidas nos documentos. Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

9 Alysson Alves dos Santos 9 Na verificação da acessibilidade de um documento são estabelecidos os níveis de conformidade para as páginas web: Nível de conformidade A : quando satisfeitos todos os pontos de verificação de prioridade 1; Nível de conformidade Duplo A : quando satisfeitos todos os pontos de verificação de prioridade 1 e 2; Nível de conformidade Triplo A : quando satisfeitos todos os pontos de verificação de prioridade 1, 2 e 3. A WAI estabelece um conjunto de guias de acessibilidade que devem ser utilizadas pelos desenvolvedores web como padrão para a implementação de conteúdos acessíveis. Para tanto, o W3C-WAI desenvolve guias e diretrizes essenciais para a composição da acessibilidade web: Guia de Acessibilidade para Ferramentas de Autoria (Authoring Tool Accessibility Guidelines - ATAG); possui como foco principal definir como as ferramentas ajudarão os programadores a produzirem suas aplicações web contendo as diretrizes de acessibilidade; Guia de Acessibilidade para Agentes do Usuário (User Agent Accessibility Guidelines - UAAG). Explicam como produzir agentes de usuário acessíveis para pessoas portadoras de necessidades especiais e aumentar a acessibilidade no conteúdo web; Guia de Acessibilidade para Conteúdo web (Web Content Accessibility Guidelines - WCAG); explicam como produzir conteúdos para a web que sejam acessíveis às pessoas portadoras de necessidades especiais. Em maio de 1999, o WAI criou uma norma internacional denominada Guia de Acessibilidade para Conteúdo Web, que constitui orientações para que um website apresente acessibilidade voltada a pessoas com deficiência. Tais recomendações destinam-se aos desenvolvedores web, projetistas de sites e aos programadores de ferramentas para criação de conteúdo. (W3C, 1999b) (WCAG, 1999). O Guia de Acessibilidade para Conteúdos Web (WCAG) se destaca por constituir o conjunto oficial de regras para a acessibilidade web (CHISHOLM, VANDERHEIDEN e JACOBS,1999). Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

10 10 ACESSIBILIDADE NA INTERNET Com o desenvolvimento de novas tecnologias, verificou-se a necessidade de atualização da norma de modo a acompanhar estes avanços. A primeira versão da norma vigorou durante nove anos, até dezembro de 2008, quando foi lançada a segunda versão da norma chamada de WCAG 2.0. Esta foi desenvolvida com o objetivo de ser utilizada em páginas web independentemente da tecnologia utilizada. Após o lançamento da nova versão, novos conteúdos e atualizações devem utilizar a WCAG 2.0 a fim de disponibilizar informações acessíveis a todas as pessoas, deficientes ou não (WCAG_2.0, 2010), (WAI, 2010). O WCAG 2.0 é edificado sobre quatro princípios, doze recomendações e sessenta e um critérios de sucesso que visam orientar o desenvolvimento web dentro de um padrão universal de acessibilidade. Esses princípios guiam o desenvolvimento de interfaces web acessíveis, possuindo cada um deles uma lista de determinações, que apresentam os objetivos básicos necessários para satisfazer o referido princípio (WCAG_2.0, 2010). O WCAG na versão 2.0, esta distribuído da seguinte forma: Princípio 1: Perceptível - A informação e os componentes da interface do usuário têm de ser apresentados aos usuários em formas que eles possam perceber. Recomendação 1.1 Alternativas em Texto: Fornecer alternativas em texto para qualquer conteúdo não textual permitindo, assim, que o mesmo possa ser alterado para outras formas mais adequadas à necessidade do indivíduo, tais como impressão em caracteres ampliados, braille, fala, símbolos ou linguagem mais simples. Recomendação 1.2 Mídias com base no tempo: Fornecer alternativas para mídias com base no tempo. Recomendação 1.3 Adaptável: Criar conteúdos que possam ser apresentados de diferentes maneiras (por ex., um layout mais simples) sem perder informação ou estrutura. Recomendação 1.4 Discernível: Facilitar a audição e a visualização de conteúdos aos usuários, incluindo a separação do primeiro plano e do plano de fundo. Princípio 2: Operável - Os componentes de interface de usuário e a navegação têm de ser operáveis. Recomendação 2.1 Acessível por Teclado: Fazer com que toda a funcionalidade fique disponível a partir do teclado. Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

11 Alysson Alves dos Santos 11 Recomendação 2.2 Tempo Suficiente: Fornecer tempo suficiente aos usuários para lerem e utilizarem o conteúdo. Recomendação 2.3 Ataques Epilépticos: Não criar conteúdo de uma forma conhecida que possa causar ataques epilépticos Recomendação 2.4 Navegável: Fornecer formas de ajudar os usuários a navegar, localizar conteúdos e determinar o local onde estão. Princípio 3: Compreensível - A informação e a operação da interface de usuário têm de ser compreensíveis. Recomendação 3.1 Legível: Tornar o conteúdo de texto legível e compreensível. Recomendação 3.2 Previsível: Fazer com que as páginas Web surjam e funcionem de forma previsível. Recomendação 3.3 Assistência de Entrada: Ajudar os usuários a evitar e corrigir erros. Princípio 4: Robusto - O conteúdo tem de ser robusto o suficiente para poder ser interpretado de forma concisa por diversos agentes do usuário, incluindo tecnologias assistidas. Recomendação 4.1 Compatível: Maximizar a compatibilidade com atuais e futuros agentes de usuário, incluindo tecnologias assistidas. As diretrizes WAI baseiam-se em especificações técnicas fundamentais para a Web e são desenvolvidas em coordenação com as especificações técnicas do W3C (HTML, XML, CSS, SVG, SMIL etc.). Essas recomendações além de garantir a acessibilidade do site às pessoas portadoras de necessidades especiais, também facilita o acesso de todos os usuários, independentemente da ferramenta usada (computadores de mesa, laptops, telefones celulares, ou navegador por voz) e das limitações associadas ao respectivo uso (ambientes barulhentos, salas mal iluminadas ou com excesso de iluminação, utilização sem o uso das mãos) (FERRAZ, 2009). 2.6 VANTAGENS E DESVANTAGENS NA UTILIZAÇÃO DOS PADRÕES WEB Segundo Wyke, utilizar padrões para a web é extremamente vantajoso, pois proporciona um maior controle sobre a página. Tornando o documento bem estruturado e semanticamente correto (WYKE, 2005). Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

12 12 ACESSIBILIDADE NA INTERNET Para Zeldman, sites construídos de acordo com estes padrões, custam menos, funcionam melhor e são acessíveis a mais pessoas e dispositivos seja ele um leitor de tela, celular, PDA, Tablet e SmartPhone (ZELDMAN, 2003). Desenvolver nos padrões significa utilizar a web como uma ampla ferramenta acessível por um grande número de usuários e uma variedade de dispositivos, além de diversos outros benefícios, como: Apresentado de maneira eficiente e padronizada: Separação de conteúdo e da apresentação para tornar o código limpo e correto; Manutenção e desenvolvimento simplificados: usar código semântico e bem estruturado torna mais fácil a compreensão do código e reduz custos e trabalho desnecessário; Compatibilidade com as leis e diretrizes de acessibilidade sem comprometer a beleza, o desempenho ou a sofisticação; Adaptação simplificada: tornam-se funcionais em vários navegadores e plataformas, sem a dificuldade e a despesa de criar versões separadas, suportando dispositivos não tradicionais desde acessórios sem fio e telefones celulares, até leitores de Braille e de tela usados por usuários com deficiências físicas - apenas por vincular a um arquivo CSS diferente; Compatibilidade com versões futuras: sites projetados utilizando padrões definidos e código válido, reduzem o risco de novos navegadores serem incapazes de renderizar a codificação utilizada; Maior velocidade no carregamento da página: arquivos de tamanho menor e download mais rápido, fazendo com que os navegadores (Microsoft Internet Explorer, Mozilla FireFox, Opera, etc.) renderizem as páginas mais rapidamente, possibilitando assim, uma melhoria do desempenho computacional; Melhor posicionamento em mecanismos de busca. Entre as principais desvantagens, vale-se destacar: Dificuldades de aprendizado: a adoção dos padrões não costuma ser algo simples para desenvolvedores acostumados a leiautes em tabelas, pois envolve o domínio de uma nova linguagem (CSS) e uma mudança de mentalidade na forma de desenvolvimento que passa a ser baseado no conteúdo e não mais no visual. Diferenças na implementação dos padrões por parte dos navegadores: apesar das recomendações do W3C terem sido criadas com o propósito de padronizar a Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

13 Alysson Alves dos Santos 13 codificação das páginas web, alguns navegadores atuais ainda não apresentam completo suporte a estes padrões e não conseguem implementar corretamente todas as recomendações do W3C. Requer mais tempo para desenvolvimento. 2.7 ACESSIBILIDADE: AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO Um importante passo na implementação de uma página web é verificar se o site está atendendo todas as exigências quanto aos padrões de acessibilidade. Os desenvolvedores implementam, ou deveriam implementar, todas as orientações da W3C. Porém, algumas orientações podem deixar de serem implementadas ou realizadas equivocadamente. Para corrigir eventuais erros de acessibilidade, existem ferramentas que analisam o código fonte e apontam os erros e melhorias para que possam ser corrigidas e implementadas. Desta forma, com base nas recomendações do W3C/WAI, foram desenvolvidos softwares que avaliam o nível de acessibilidade de sites, gerando relatórios contendo uma lista dos problemas encontrados e que devem ser corrigidos para que o site possa, então, exibir o seu selo de acessibilidade (SPELTA, 2003). As Ferramentas de validação e simulação são um importante recurso na criação de código acessível, seja pela facilidade em realizar uma varredura no código ou pela dificuldade que pequenas equipes encontram em ter contato com toda a diversidade de usuários existentes em cenários como o brasileiro. Algumas das ferramentas de validação amplamente utilizadas destacam-se duas, Test Accesibilidad Web (TAW) e o DaSilva (desenvolvido pela Acessibilidade Brasil). O TAW é mantido pelo Centro Tecnológico de la Información y la Comunicación (CTIC) e sua interface permite fazer avaliações por níveis de prioridade. (TAW, 2008) O avaliador DaSilva é um avaliador brasileiro mantido pela Acessibilidade Brasil e sua interface permite avaliar simultaneamente pelos três níveis de prioridade (DASILVA, 2008). Quando os sites passam pelos avaliadores de acessibilidade eles retornam uma tela com o resultado da avaliação em cada nível de prioridade bem como as linhas nas quais se encontram os possíveis erros de validação. Possibilitando desta forma, identificar e corrigir o problema com mais rapidez. Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

14 14 ACESSIBILIDADE NA INTERNET Contudo, os métodos automáticos não são capazes de identificar todas as diversificações da acessibilidade. A avaliação humana pode ajudar a garantir a clareza da linguagem e a facilidade da navegação. A avaliação e validação da acessibilidade de uma página ou de um site devem estar presentes desde as fases iniciais do desenvolvimento do documento. A equipe de pesquisa da W3C-WAI (1999), aponta como método para validação de uma página os seguintes pontos de verificação: 1. Utilização de uma ferramenta de acessibilidade automática e ferramentas de validação de navegadores. 2. Validação da sintaxe (HTML, XML etc.). 3. Validação das folhas de estilo. 4. Utilização de um navegador somente texto ou emulador. 5. Utilização de vários navegadores gráficos com: som e gráficos ativos, sem gráficos, sem mouse, sem carregar frames, programas interpretáveis, folhas de estilo ou applets. 6. Utilização de vários navegadores, antigos e recentes. 7. Utilização de um navegador de emissão automática de fala, com leitores de tela, com software de ampliação, monitores monocromáticos etc. 8. Utilização de corretores ortográficos e gramaticais, com o intuito de aumentar o grau de compreensão. 9. Revisão do documento, verificando a clareza e a simplicidade. 10. Validação das páginas com usuários reais. 3. METODOLOGIA A metodologia adotada no desenvolvimento do presente artigo consiste em uma ampla pesquisa bibliográfica sobre usabilidade e acessibilidade na web. Sobre pesquisa bibliográfica, Lakatos e Marconi (1999, p. 73) afirmam que: A pesquisa bibliográfica abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema em estudo, desde publicações avulsas, boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico etc., até meios de comunicação orais: rádio, gravações em fita magnética e audiovisuais: filmes e televisão. Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo que já foi escrito, dito ou filmado sobre determinado assunto, inclusive conferências Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

15 Alysson Alves dos Santos 15 seguidas de debates que tenham sido transcritos por alguma forma, quer publicadas quer gravadas (LAKATOS E MARCONI, 1999). Ainda sobre pesquisa bibliográfica, Gil (1991) afirma ser um tipo de pesquisa desenvolvida a partir de material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Embora, na maioria dos estudos, seja exigido algum tipo de trabalho desta natureza, existem pesquisas desenvolvidas, exclusivamente, a partir de fontes bibliográficas (GIL, 1991). 4. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS A acessibilidade surgiu ligada a questões físicas relativas à eliminação das barreiras arquitetônicas possibilitando a facilidades de acesso e posteriormente, é transferida para a informática na questão de acesso a rede mundial de computadores. Ganhando destaque internacional e transforma-se em metas para todos os países. Embora tenha havido algum esforço por parte do governo brasileiro em ponderar esta questão, toda a legislação criada desde 2004, apenas contempla as entidades públicas, ou seja, apenas os sítios web das entidades públicas é que estão abrangidas por essa regulamentação. Desta forma, cada empresa privada é que decide se o seu sítio web irá ou não possuir características que o tornem acessível ao uso por pessoas com necessidades especiais. De acordo com Granollers (2004), embora todos concebam como necessário atender aos critérios de acessibilidade definidos pela W3C, ninguém coloca em prática. Apesar de todas as vantagens em desenvolver ambientes virtuais acessíveis alguns desenvolvedores negligenciam essas as práticas e continuam criando sites na forma obsoleta de desenvolvimento. Finalmente, é necessário frisar que seguir os padrões web é colaborar com uma internet mais interativa garantindo acesso universal e irrestrito ao seu conteúdo, e assim contribuindo para a evolução desta. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A ideia de desenvolver ambientes virtuais totalmente acessíveis tem por fim a eliminação das barreiras que dificultam e impossibilitam que os portadores de necessidades especiais em acessar essas informações. Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

16 16 ACESSIBILIDADE NA INTERNET Constata-se que muitos websites estão obsoletos e foram construídos sem nenhuma padronização, apresentam diversos erros causados pela falta de acessibilidade e de uma usabilidade bem definida. O artigo demonstrou que além de se fazer necessário a utilização de um padrão de desenvolvimento para criação de website acessível e fundamental também que os desenvolvedores tenham mais sensibilidade à questão das pessoas portadoras de necessidades especiais, e apliquem tais recomendações na construção destes. Verifica-se que os objetivos almejados pelo artigo foram concluídos com sucesso e, além de proporcionar aos desenvolvedores uma base concreta sobre a acessibilidade foram demonstradas várias vantagens e algumas desvantagens na utilização dos padrões web, bem como o processo para a avaliação e validação da acessibilidade. Este artigo, mais do que um requisito de avaliação, possibilitou aplicar o conhecimento adquirido ao longo do curso, além de assimilar os problemas e as angústias sofridas pelas pessoas que possua alguma limitação, seja ela temporária ou definitiva. A acessibilidade é um tema que está em evidência no mundo inteiro. Como trabalho futuro poderia ser o desenvolvimento de uma ferramenta, que permita ao profissional desenvolver websites baseados nos padrões de acessibilidade com mais qualidade. REFERÊNCIAS ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, NBR , 2002, pagina. 3 - Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores - Parte 11, Orientações sobre usabilidade. 08/2002. ACESSIBILIDADE BRASIL. O que é acessibilidade Disponível em < > Acesso em 4 fev ANAMATRA - Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Disponivel em: <http://ww1.anamatra.org.br>. Acesso em 10 de jan de BBC News. Most websites failing disabled. Disponível em: <http://news.bbc.co.uk/2/hi/technology/ stm/> Acesso em: 01 nov CONFORTO, D. e SANTAROSA, L. M. C. Acessibilidade à Web : Internet para Todos. Revista de Informática na Educação: Teoria, Prática PGIE/UFRGS v.5 nº2, CHISHOLM W.; VANDERHEIDEN G.; JACOBS I. Web Contents Accessibility Guidelines 1.0, 1999.Disponível em: < Acesso em: 21 nov CUSIN, César Augusto; VIDOTTI, Silvana Aparecida Borsetti Gregório. Inclusão digital via acessibilidade web. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p.45-65, Disponível em: Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

17 Alysson Alves dos Santos 17 < > Acesso em: 11 nov DASILVA.- Avaliador de Acessibilidade para Websites Acessibilidade Brasil. Disponível em: <http://www.dasilva.org.br/>. Acesso em 27 out FERREIRA, Simone Bacellar Leal & Leite,Julio César Sampaio do Prado Avaliação da usabilidade em sistemas de informação: o caso do sistema submarino -. Revista de Administração Contemporânea-RAC. Publicação quadrimestral da ANPAD, v. 7, n. 2, p. 115 até Abril/Junho FERRAZ, Reinaldo. Acessibilidade na Web: o caminho das pedras para construir sítios acessíveis. Junho, Disponível em <http://www.w3c.br/palestras/2009/conip2009/acessibilidade-na-web-w3c-2009.pdf> Acesso em: 22 abr Gil, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3 ed. São Paulo: Atlas, GRANOLLLERS, T. MPI Uma metodologia que integra la ingenieria del software, La interacción persona-ordenador y la accesibilidad en el contexto de equipos de desarrollo multidisciplinares. Tesis de doctorado. Universidad de Lleida, julio HARRISON, S. M. - Opening the eyes of those who can see to the world of those who can't: a case study - Technical Symposium on Computer Science Education - Proceedings of the 36th SIGCSE technical symposium on Computer science education HENRY, Shawn Lawton; Education and Outreach Working Group (EOWG). Introduction to Web Accessibility. World Wide Web Consortium/Web Accessibility Initiative (W3C/WAI) Disponível em: <http://www.w3.org/wai/intro/accessibility.php>. Acesso em: 01 nov HENRY, Shawn Lawton. WAI Resources on Introducing Web Accessibility. World Wide Web Consortium/ Web Accessibility Initiative (W3C/WAI) Disponível em: <http://www.w3.org/wai/gettingstarted/overview.html>. Acesso em: 21 nov LAVORINI, Paulo Roberto. Engenheiro estimula o conhecimento e a aplicação das Normas de Acessibilidade. Acessibilidade Brasil. 12 de fevereiro de Disponível em: Acessado em: 11 de março de LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Técnicas de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas S. A., p. MACEDO, Marcelo da Silva. Construindo sites adotando padrões web. Ed. Ciência Moderna, NBR 9050: Associação Brasileira de Normas Técnicas. Acessibilidade de Pessoas Portadoras de Deficiências a Edificações, Espaço, Mobiliário e Equipamento Urbanos.. ABNT. RJ NIELSEN, Jakob. Designing Web Usability. Peachpit Press; 1 edition, NIELSEN, J & Tahir, M. - Homepage: Usabilidade 50 Websites desconstruídos. Rio de Janeiro: Editora Campus NIELSEN, J.; LORANGER, H. Usabilidade na Web: projetando Websites com qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, p. NICHOLL, A.R.J. O Ambiente que Promove a Inclusão: Conceitos de Acessibilidade e Usabilidade. Revista Assentamentos Humanos, Marília, v3, n. 2, p49-60, NORMAN, D.A. - The Design of Everyday Things; Basic Books, 2002 NORMAN, D.A. - User Centered Systems Design. Lawrance Earlbaum Associates Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

18 18 ACESSIBILIDADE NA INTERNET NORMAN, D.A. - The Invisible Computer: Why Good Products Can Fail, the Personal Computer Is So Complex, and Information Appliances Are the Solution. The MIT Press; Reprint edition NUNES, Sérgio Sobral. A Acessibilidade na Internet no Contexto da Sociedade da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais UFMG. Mestrado em Gestão de Informação, Janeiro de PASSERINO, L. Inclusão Digital de Pessoas com necessidades educacionais especiais: EDUKITO. 8º Taller Internacional de Software Educativo TISE Santiago do Chile, Chile de novembro2003. PASSERINO, L. Pessoas com autismo em ambientes digitais de aprendizagem : estudo dos processos de interação social e mediação. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação PRESSMAN,R.-Software Engineering-A Practioner s Approach 6th ed., McGraw-Hill, Inc, 2004 PINGDOM. Internet 2010 in numbers. Disponível em: Acesso em: 28 nov BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Decreto n.º 5.296, de 2 de dezembro de Regulamenta as Leis n.º , de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e , de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2004/decreto/ D5296.htm > Acesso em: 02 mar PREECE, J. H. Sharp, D. Benyon, S. Holland, and T. Carey. Human Computer Interaction. Addison-Wesley, Reading, Massachusetts, RUSE, Kevin. Web Standards Design Guide. Ed. Charles River Media, Queiroz, Marco Antonio de. Acessibilidade web: Tudo tem sua Primeira Vez. Disponível em: <http://www.bengalalegal.com/capitulomaq.php>. Acesso em: 11 dez SPELTA; Lêda. Acessibilidade web: 7 mitos e um equívoco. Disponível em: <http://acessodigital.net/art_acessibilidade-web-7-mitos-e-um-equivoco.html>. Acesso em: 5 mar SPELTA, Lêda. O Papel dos Leitores de Tela na Construção de Sites Acessíveis - Anais do ATIID 2003, São Paulo-SP, 23-24/09/2003. SHAWN L.H, and participants of the education and Outreach Working Group (EOWG) (2005) Web Accessibility Initiative - WAI. Introduction to Accessibility. Disponível em: <http://www.w3.org/wai/intro/accessibility.php>. Acesso em: 8 mar 2012 SHNEIDERMAN, B. - Designing the User Interface : Strategies for Effective Human- Computer Interaction (4th Edition) Massachusetts -Addison_wesley TAKAGI, H., Asakawa, C., Fukuda K. & Maeda J.: Accessibility designer: visualizing usability for the blind - ACM SIGACCESS Conference on Assistive Technologies - Proceedings of the ACM SIGACCESS conference on Computers and accessibility TRAVIS, David Web Usability Standards Disponível em < Acesso em: 24 fev TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A. Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e acessibilidade. Ciência da Informação, Brasília-DF, v. 33, n. 2, p , Nome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

19 Alysson Alves dos Santos 19 WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e Inclusão Social. A exclusão digital em debate. São Paulo: Senac, W3C - Social Factors in Developing a Web Accessibility Business Case for Your Organization. (2005). - Disponivel em: <http://www.w3.org/wai/bcase/soc>. Acesso em 10 de jul de W3C. Web Content Accessibility Guidelines b. Disponível em: <http://www.w3.org/tr/wcag10>. Acesso em: 29 nov WAI. Web Accessibility Initiative. Disponível em:<http://www.w3.org/wai/> Acesso em: 29 nov WCAG. Web Content Accessibility Guidelines Disponível em: <http://www.w3.org/tr/wai-webcontent/>. Acesso em: 29 nov WCAG_2.0. Web Content Accessibility Guidelines 2.0. Disponível em: <http://www.w3.org/tr/wcag20/>. Acesso em: 29 nov WYKE, C. Stylin' with CSS: A Designer's Guide. 2.ed. Chicago. New Riders Press ZELDMAN, Jeffrey. Projetando Web Sites Compatíveis. 1.ed. São Paulo, SP. Campus P Alysson Alves dos Santos Graduado em Sistemas de Informação pela Faculdade Multieducativa 2009; Analista de Sistemas na União Brasileira de Educação e Ensino - Marista. Rodrigo Amorim Porto Graduado em Sistemas de Informação pelo Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP) 2006; Graduado em Administração pela Universidade de Brasília (UnB) 2011; Pós- Graduado em Gestão de Tecnologia da Informação pela Faculdade de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasíla (UnB) 2008; Professor de Graduação e Pós-Graduação da Anhanguera Facnet; Analista da Diretoria de Tecnologia do Banco do Brasil S.A. Lívia Carolina de Medeiros Porto Graduada em Direito pelo Centro Universitário de João Pessoa (UNIPÊ) 2007; Pós-Graduada em Direito e Processo do Trabalho pela Faculdade Processus 2009; Pós-Graduada em Português Jurídico pela Faculdade Processus Coordenadora de Pós-Graduação e Extensão das Faculdades Anhanguera Facnet. Nome da RevistaNome da Revista Vol.V, Nº. N, Ano 2012 p. 1-19

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos 10 Edição-2015 Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos Eduardo Dalcin¹, Ana Cláudia Pavão Siluk² ¹Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO Timóteo Moreira Tangarife, Cláudia Mont Alvão Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces LEUI Programa

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular Proposta de Trabalho de Graduação Aluno: Gabriel José Barreto

Leia mais

5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web

5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web 171 5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web Atualmente existem vários documentos internacionais que propõem regras,

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS STUDY OF ADHERENCE TO STANDARDS OF WEB SITES OF 26 STATE GOVERNMENT MINISTRIES Alexandre Galvão Leite 1 (1) Pós-Graduando,

Leia mais

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2 A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1 Roberta Lucas SCATOLIM 2 RESUMO A Interação Humano - Computador permite a avaliação e solução de problemas

Leia mais

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Bianca Said SALIM 2 Lorran Coelho Ribeiro de FARIA 3 Pedro Martins GODOY

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS ¹ Ernaque Viana Malta 1 ; Ronivaldo Roriz dos Santos 1 ; Woquiton Lima Fernandes 2 1 Estudante da 3ª série

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Mitos da Acessibilidade Web

Mitos da Acessibilidade Web SAPO Codebits 2008 Magda Joana Silva magdajoanasilva@gmail.com Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com limitações Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com

Leia mais

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ACESSIBILIDADE DA BVS MS ÀS PESSOAS

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL?

PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL? PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL? Ana Isabel B. B. Paraguay - Faculdade de Saúde Pública/USP - São Paulo Lêda Lúcia Spelta DATAPREV Rio de Janeiro - RJ Miriam Hitomi Simofusa

Leia mais

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Agebson Rocha Façanha, Renato Busatto Figueiredo, Phyllipe do Carmo Félix Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus

Leia mais

Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias

Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias

Leia mais

Estudo sobre acessibilidade em CMS

Estudo sobre acessibilidade em CMS Estudo sobre acessibilidade em CMS Matheus Ricardo Uihara Zingarelli Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC Universidade de São Paulo São Carlos São Paulo - Brasil zinga@icmc.usp.br Resumo.

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

Navegação na Internet para Usuários idosos Através de um Navegador com Acessibilidade

Navegação na Internet para Usuários idosos Através de um Navegador com Acessibilidade Navegação na Internet para Usuários idosos Através de um Navegador com Acessibilidade Maurício Araujo Santos Centro Universitário La Salle Unilasalle Avenida Victor Barreto, 2288 Centro, Canoas-RS Brasil

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE GRÁFICA ACESSÍVEL PARA DEFICIENTES VISUAIS NO AVEA MOODLE Autores: Ana Cláudia Pavão Siluk UFSM Eduardo Dalcin IFF Campus Santo Augusto RESUMO: Esse texto tem o objetivo de

Leia mais

Accessed : 18-Sep-2015 22:55:16

Accessed : 18-Sep-2015 22:55:16 Acessibilidade web em ambientes informacionais digitais: o olhar da ciência da informação Author(s: Published by: Persistent URL: DOI: Cusin, Cesar Augusto; Vidotti, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio

Leia mais

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade Introdução M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade - Demo Esta parte é baseada no video em http://www.doit.wisc.edu/accessibility/video Liste os principais problemas

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Conceitos e Importância Projeto e desenvolvimento de Web acessível Acessibilidade É o processo e as técnicas usadas para criar

Leia mais

Panorama da Acessibilidade na Web Brasileira

Panorama da Acessibilidade na Web Brasileira Panorama da Acessibilidade na Web Brasileira Autoria: Simone Bacellar Leal Ferreira, Rodrigo Costa dos Santos, Denis Silva da Silveira Resumo O presente trabalho se propõe a realizar um estudo sobre a

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Acessibilidade em Sites e Sistemas Web: estudo das tecnologias acessivas e diretrizes de acessibilidade web

Acessibilidade em Sites e Sistemas Web: estudo das tecnologias acessivas e diretrizes de acessibilidade web Acessibilidade em Sites e Sistemas Web: estudo das tecnologias acessivas e diretrizes de acessibilidade web Victor Adriel de Jesus Oliveira, Vânia Cordeiro da Silva Ciência da Computação Universidade Estadual

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Prospective Study of Adherence to Standards of the 27 Web sites of the Legislative Assemblies Galvão, Alexandre;

Leia mais

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Carla da Silva Flor, Mestranda - Universidade Federal de Santa Catarina carla.flor@gmail.com Tarcísio Vanzin, Dr. - Universidade Federal

Leia mais

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual (Technologies of Information destined to peoples with visual deficiency) Daniela Ragazzi dos Santos 1 ; Sérgio Ricardo Borges 2 1

Leia mais

escanner: uma ferramenta para validação de páginas Web segundo o e-mag - Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico.

escanner: uma ferramenta para validação de páginas Web segundo o e-mag - Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico. escanner: uma ferramenta para validação de páginas Web segundo o e-mag - Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico. Victor Adriel de Jesus Oliveira¹, Vânia Cordeiro da Silva² ¹Instituto de Informática

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i Raimunda Fernanda dos Santos Aluna de Graduação em Biblioteconomia da UFRN/Natal/RN-Brasil nanda_florania@hotmail.com

Leia mais

O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes. O que torna a Web interessante?? Qual o desafio?? Usuários detestam...

O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes. O que torna a Web interessante?? Qual o desafio?? Usuários detestam... O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes??? Interação Usuário-Computador (SCE-224) Prof. Rudinei Goularte O que torna a Web interessante?? Informação não-linear Textos + Gráficos

Leia mais

Estudo Comparativo Utilizando uma Ferramenta de Avaliação de Acessibilidade para Web

Estudo Comparativo Utilizando uma Ferramenta de Avaliação de Acessibilidade para Web Estudo Comparativo Utilizando uma Ferramenta de Avaliação de Acessibilidade para Web Timóteo Tangarife Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces - LEUI Progr. Pós Graduação em Design/ PUC-Rio

Leia mais

ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL

ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL CORRADI, J. A. M. 1 julianeped@hotmail.com VIDOTTI, S. A. B. G. 2 vidotti@marilia.unesp.br Programa

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL

REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL Professora do CEFET-SP Mestre em Educação Este artigo tem por finalidade rejletir sobre a importância da acessibilidade digitalfrente aos avanços da tecnologia da

Leia mais

Unidade 13: Acessibilidade de OA

Unidade 13: Acessibilidade de OA Autoria: Braga, Juliana Cristina; França, Roberta Kelly A. de; Ponchio, Rita A... Estamos na fase final do processo INTERA, é importante que as etapas onde se trabalham as qualidades técnicas e pedagógicas

Leia mais

Proposta de avaliação de acessibilidade em sites por deficientes visuais

Proposta de avaliação de acessibilidade em sites por deficientes visuais Proposta de avaliação de acessibilidade em sites por deficientes visuais Felipe Franco de Sousa Marcos Coimbra Osorio Edméia L. P. de Andrade Fundação Universa / Universidade Católica de Brasília Fundação

Leia mais

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Adaptação de materiais digitais Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Plano da sessão Tópicos Duração Documentos acessíveis: porquê e para quem. Diretrizes de acessibilidade Navegabilidade, legibilidade

Leia mais

Acessibilidade e Turismo: um estudo sobre a aplicação dos padrões do WCAG 2.0 nos sites de duas companhias aéreas brasileiras.

Acessibilidade e Turismo: um estudo sobre a aplicação dos padrões do WCAG 2.0 nos sites de duas companhias aéreas brasileiras. Acessibilidade e Turismo: um estudo sobre a aplicação dos padrões do WCAG 2.0 nos sites de duas companhias aéreas brasileiras Anna Karenina Chaves Delgado 1 Darlyne Fontes Virginio 2 Resumo A acessibilidade

Leia mais

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem?

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 1 Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 05/2008 Ana Isabel Bruzzi Bezerra Paraguay Faculdade de Saúde Pública / USP anaparaguay@gmail.com Miriam Hitomi Simofusa SERPRO - miriamhs@gmail.com Augusto

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários

Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Avaliação da qualidade dos sites de governo eletrônico - baseada na satisfação dos usuários Simone Vasconcelos Silva (CEFETCAMPOS) simonevs@cefetcampos.br Luciana Rocha (UENF) lurochas@yahoo.com.br Resumo:

Leia mais

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR

DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR Priscila da Silva Pereira Andreza Aparecida Polia Raniéli Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros Nenhum de nós pode fazer as coisas mais importantes sozinho.

Leia mais

Informática na Educação Especial

Informática na Educação Especial Informática na Educação Especial Ciência da Computação Informática na Educação Educação Psicologia Sociologia... Profª. Dr ª. Márcia de Borba Campos - marciabc@inf.pucrs.br Profª. Dr ª. Milene Selbach

Leia mais

Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126

Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126 Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126 Ciro Luís Theodoro Faculdade de Tecnologia de São Paulo São Paulo Brasil cirotheodoro@hotmail.com

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1

UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE DIVULGAÇÃO E ACESSO A INFORMAÇÃO PÚ- BLICA NO BRASIL COM BASE NO E-MAG 1 XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (XVI ENANCIB) ISSN 2177-3688 GT5 Política e Economia da Informação Pôster UMA ANÁLISE PRELIMINAR DA ACESSIBILIDADE WEB DOS SITES DE SERVIÇOS DE

Leia mais

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 André Luiz Andrade Rezende ¹ ¹Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Doutorando em Educação e Contemporaneidade (UNEB) Estes slides são concedidos sob uma

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface Interface BVS-Site Arquiteturta e Personalização da Interface Julio Takayama takayama@bireme.ops-oms.org Desenho Gráfico e Interfaces DGI-GA BIREME/PAHO/WHO Tópicos Arquitetura da BVS Modelo de Interfaces

Leia mais

Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL

Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL Siep / Renapi Campus Bento Gonçalves / RS Jucélia Almeida DESENVOLVENDO UM SITE ACESSÍVEL Web para todos De acordo com Cifuentes(2000), Caplan(2002) e Dias (2003), entende-se por acessibilidade à rede

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. - 6 Inscritos -

6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. - 6 Inscritos - 6º Semestre de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - 6 Inscritos - Tema: [Área 9]: Comunidade - Tema: 4. Iniciativas para a redução das desigualdades sociais Título: Aplicação de IHC para Inclusão Social e Digital

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

ACESSIBILIDADE WEB: UMA AVALIAÇÃO EM PORTAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR VISANDO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ACESSIBILIDADE WEB: UMA AVALIAÇÃO EM PORTAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR VISANDO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL ACESSIBILIDADE WEB: UMA AVALIAÇÃO EM PORTAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR VISANDO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Maria Fernanda Cavalcanti Sousa

Leia mais

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade

Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Relato das experiências da área de IHC nos cursos de graduação e ações na universidade Isabela Gasparini, Avanilde Kemczinski Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Motivação IHC está relacionada

Leia mais

PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C

PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C 8 PESQUISA DAS FERRAMENTAS DE ACESSIBILIDADE COMPUTACIONAL PARA DEFICIENTES VISUAIS E AS RECOMENDAÇÕES DO W3C LUISA HAYDER TONET 1 ORIENTADORA: DANIELE PINTO ANDRES 2 Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. A Sua Excelência o Senhor Vereador JUARES CARLOS HOY Presidente da Câmara Municipal de Canoas PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, O Vereador Pedro Bueno, Vice-líder da Bancada do Partido

Leia mais

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Avaliação Passos para Site Acessível -Seguir padrões Web; -Seguir as diretrizes e recomendações de acessibilidade; -Realizar avaliação de acessibilidade.

Leia mais

A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo

A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo A acessibilidade da web frente às necessidades dos usuários que não podem visualizar o seu conteúdo Danielle de Souza Santos 1 Marcelo Franco Porto 2 Resumo. Este trabalho é uma pesquisa sobre o desenvolvimento

Leia mais

AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB

AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DOUGLAS SEVERO SILVEIRA AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB Trabalho

Leia mais

Boas Práticas para Acessibilidade Digital na Contratação de Desenvolvimento WEB

Boas Práticas para Acessibilidade Digital na Contratação de Desenvolvimento WEB Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Governo Digital www.governoeletronico.gov.br Boas Práticas para Acessibilidade Digital na Contratação

Leia mais

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves

Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler Neves Avaliação de Acessibilidade e adequação da interface do Repositório de Objetos de Aprendizagem para a Área de informática da UDESC com foco da Deficiência Visual Thiago Corrêa da Silva Eduardo Stuhler

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS

ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS Siony da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP

Leia mais

IHM Interface Humano-Máquina

IHM Interface Humano-Máquina A IHM Interface Humano-Máquina Prof. Dra. Sílvia Dotta Aula 1 - Introdução Roteirodaaula Apresentação da disciplina Motivação, Objetivos Metodologia de ensino Introdução e conceituação de IHM Histórico

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

HTML5 E SUAS NOVIDADES

HTML5 E SUAS NOVIDADES HTML5 E SUAS NOVIDADES Gabrie Dalla Porta 1, Julio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil gabrieldallap@gmail.com, juliocesarp@gmail.com Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução

Autor(es) TIAGO CINTO. Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO. Apoio Financeiro FAPIC/UNIMEP. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica MODULO DE GERÊNCIA DE INTERFACES COM O USUÁRIO: ESTUDO, DEFINIÇÃO E ELABORAÇÃO DE INTERFACES INTELIGENTES PARA A FERRAMENTA KIRA Autor(es) TIAGO CINTO Orientador(es)

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DOS SÍTIOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DO EXTREMO SUL DO BRASIL Samuel dos Santos Salimen 1 Clériston Ribeiro Ramos 2 Resumo: Disponibilizar informações que possam ser acessado

Leia mais