COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS"

Transcrição

1 COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, COM(2005)425 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Info-acessibilidade (eaccessibility) [SEC(2005) 1095] PT PT

2 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Info-acessibilidade (eaccessibility) Tecnologias da informação e da comunicação (TIC) acessíveis melhorarão significativamente a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Por outro lado, a falta de iguais oportunidades de acesso às TIC pode conduzir à exclusão. Na presente Comunicação, a Comissão propõe uma série de acções em prol da info-acessibilidade. A Comissão apela aos Estados-Membros e aos agentes envolvidos no sentido de apoiarem acções positivas com carácter voluntário que tornem muito mais amplamente disponíveis na Europa os produtos e serviços TIC acessíveis. A presente comunicação sobre info-acessibilidade contribui para a aplicação da recentemente lançada iniciativa i2010 Uma sociedade da informação europeia para o crescimento e o emprego 1, que apresenta um novo quadro estratégico e grandes orientações políticas, com vista a promover uma economia digital aberta e competitiva, realçando as TIC como motor de inclusão e de qualidade de vida. A Comissão tem o objectivo ambicioso de conseguir uma Sociedade da Informação para Todos, promovendo uma sociedade digital inclusiva que a todos proporcione oportunidades e minimize o risco de exclusão. 1. INTRODUÇÃO As pessoas com deficiência constituem cerca de 15% da população europeia, muitas delas enfrentando obstáculos na utilização de produtos e serviços TIC. Em alguns casos, os idosos podem também encontrar problemas idênticos. Produtos e serviços TIC acessíveis tornaram-se uma prioridade na Europa, em consequência da evolução demográfica: em 1990, a população europeia com mais de 60 anos de idade correspondia a 18%, ao passo que, até 2030, se prevê uma subida para 30% 2. Um estudo recentemente realizado nos Estados Unidos 3 concluiu que 60% dos adultos em idade activa podem beneficiar da utilização de tecnologias acessíveis, porquanto enfrentam ligeiras dificuldades na utilização das tecnologias actuais. Um estudo de revelou que, na Europa, mais de 48% das pessoas com idade superior a 50 anos consideravam não serem adequadamente contempladas pelos fabricantes aquando da concepção dos produtos. Não obstante, 10 a 12 milhões são clientes potenciais dos novos serviços de telemóveis, computadores e Internet COM(2005)229 final, de ONU-Perspectivas Demográficas Mundiais (edição de 2002) e EUROSTAT-Projecções Demográficas The Wide Range of Abilities and Its Impact on Computer Technology Forrester Research Inc., 2003 Seniorwatch IST PT 2 PT

3 As conclusões são óbvias: tornar os benefícios das TIC disponíveis ao maior número possível de pessoas é um imperativo social, ético e político. Acresce que, desta forma, se criam mercados com importância económica crescente. Vencer as barreiras e dificuldades técnicas que as pessoas com deficiência e outras enfrentam quando procuram participar em pé de igualdade na Sociedade da Informação (SI) tem o nome de info-acessibilidade e é parte do conceito mais geral de info-inclusão, que também considera outros tipos de obstáculos financeiros, geográficos ou de educação. A presente comunicação baseia-se em trabalhos anteriores sobre info-acessibilidade no âmbito dos dois planos de acção eeurope e nas conclusões e resultados de projectos de Investigaçãoi e Desenvolvimento Tecnológico (IDT). Integra igualmente as principais conclusões de uma consulta em linha 5 realizada em princípios de 2005, que demonstrou um fortíssimo apoio (mais de 88% das respostas) a que as instituições europeias tomem iniciativas em relação a uma situação que uma maioria significativa (mais de 74%) entende representar falta de coerência entre produtos e serviços TIC acessíveis na Europa. É também tida como necessária uma maior disponibilidade de produtos e serviços acessíveis (84% das respostas). A presente comunicação tem como principal objectivo promover uma abordagem consistente às iniciativas de info-acessibilidade nos Estados-Membros, com carácter voluntário, bem como fomentar a auto-regulação da indústria. 2. DESAFIOS DE ORDEM PRÁTICA As novas tecnologias têm já prestado um apoio claro a pessoas com deficiência e permitido realizar, de modo independente, funções outrora somente possíveis com assistência humana. Todavia, a despeito dos esforços da indústria, as pessoas com deficiência ainda acusam numerosos problemas ao tentarem utilizar produtos e serviços das tecnologias da informação, tais como: falta de soluções harmonizadas (p. ex., em muitos Estados-Membros, falta de acesso ao número de emergência 112 a partir de telefones de texto); falta de soluções interoperáveis para TIC acessíveis; programas informáticos não compatíveis com dispositivos de assistência (é frequente os leitores de ecrã para utilizadores cegos deixarem de poder ser utilizados após o lançamento de novos sistemas operativos); interferência entre produtos de grande divulgação e dispositivos de assistência (p. ex., telefones GSM e aparelhos auditivos); ausência de normas à escala europeia (p. ex., os sete sistemas, diferentes e incompatíveis, de telefone de texto para deficientes auditivos); falta de serviços adequados (p. ex., muitos sítios Web são demasiado complicados para utilizadores inexperientes ou com perturbações cognitivas ou são de leitura ou navegação impossíveis para deficientes visuais); falta de produtos e serviços para determinados grupos (p. ex., comunicação telefónica para utilizadores de linguagem gestual); 5 Resultados disponíveis em: es.html#_toc PT 3 PT

4 concepção física que dificulta a utilização (p. ex., teclados e visores de muitos dispositivos); falta de conteúdos acessíveis; escolha restrita de serviços de comunicação electrónica, quer em qualidade quer em preço. Na sua maioria, estes problemas poderiam, conceptualmente, ter solução fácil de um ponto de vista técnico, mas requerem cooperação, coordenação e determinação a nível europeu, pois não parece que as forças do mercado, por si sós, tenham sido suficientes até hoje. Para um futuro próximo, podem dar-se exemplos de novas tecnologias nas quais os aspectos de acessibilidade devem ser considerados à partida: televisão digital (p. ex., no que respeita a normas e compatibilidade, assim como à concepção de serviços e equipamento); telemóveis da terceira geração (p. ex., no que respeita à concepção dos aparelhos e do suporte lógico, assim como aos serviços); comunicações em banda larga (p. ex., aproveitamento das possibilidades das apresentações multimodais, de modo a realçar a acessibilidade, em vez do oposto). Abordar estas questões, anteriormente consideradas de interesse para um segmento específico da população, terá de facto consequências positivas para a maioria dos utilizadores da tecnologia. 3. QUESTÕES DE MERCADO E DE ECONOMIA A investigação no domínio das TIC e o mercado trouxeram soluções inovadoras para alguns destes desafios. São os seguintes os principais obstáculos à sua disponibilidade geral: até à data, têm-se dirigido a um mercado pequeno (visto essencialmente como de pessoas com deficiência e, em alguns casos, de idosos), quase sempre por intermédio de PME de âmbito nacional ou regional; há escassez de normas e especificações técnicas aplicáveis; a legislação comunitária pertinente só recentemente contemplou de forma explícita a possibilidade de serem incluídos requisitos de acessibilidade nas especificações técnicas associadas a contratos públicos; há diferenças significativas no modo como alguns Estados-Membros têm desenvolvido as suas próprias soluções. Em consequência, o mercado europeu de produtos e serviços TIC acessíveis está ainda numa fase de desenvolvimento inicial, bastante fragmentado segundo as fronteiras nacionais e carecido quer de legislação harmonizada quer de normas técnicas aplicáveis. Esta situação não facilita o funcionamento de um mercado único e lança sobre a indústria o ónus acrescido de ter de cumprir requisitos variáveis de um Estado-Membro para outro. O universo dos consumidores-alvo é visto cada vez menos como restrito às pessoas com deficiência e, em alguns casos, aos idosos e, cada vez mais, como a generalidade da população. Este entendimento arrasta uma alteração do mercado que só agora começamos a PT 4 PT

5 testemunhar, com os maiores agentes industriais europeus a voltarem a atenção para este sector do mercado, embora ainda um pouco longe de nele se lançarem a fundo. É também o caso das telecomunicações a penetração dos produtos e serviços de telecomunicações é hoje tal que mesmo este nicho de mercado (relativamente pequeno por enquanto) é significativo como diferenciador e gerador de crescimento, atraindo o interesse dos maiores agentes. Em conclusão, a info-acessibilidade e os produtos e serviços de tecnologia de assistência com ela relacionados estão hoje no horizonte de médio prazo, inclusive dos maiores fornecedores de produtos tecnológicos correntes, não só do continente europeu, mas também de outras regiões do mundo. 4. QUESTÕES DE DIREITO E DE POLITICA Em diversas ocasiões, o Conselho tem incentivado a tomada de medidas a nível da UE: por exemplo, quando convidou os Estados-Membros e a Comissão a explorarem a fundo as potencialidades da Sociedade da Informação em benefício das pessoas com deficiência e, em particular, procurarem eliminar os obstáculos técnicos e outros à sua participação efectiva numa economia e numa sociedade baseadas no conhecimento 6. O Parlamento Europeu apoiou igualmente esta perspectiva 7. A legislação e as políticas comunitárias, em especial, têm reconhecido o emprego e o trabalho como elementos basilares para garantir igualdade de oportunidades para todos, contribuindo fortemente para a plena participação dos cidadãos na vida económica, cultural e social e para concretizar o seu potencial. É evidente o impacto que aqui poderá ter uma maior disponibilidade de produtos e serviços TIC acessíveis e de qualidade. A empregabilidade aumentará, a inclusão social melhorará e as pessoas terão capacidade para viverem por mais tempo de forma independente. A necessidade de incluir a totalidade dos europeus na Sociedade da Informação tem sido expressa pelas instituições comunitárias em muitos contextos. Nos dois planos de acção eeuropa, a Comissão tomou iniciativas para construir uma SI mais acessível. O plano relativo a 2002 incluiu uma linha de acção que aborda estas questões em separado: recomenda a adopção das directrizes da Iniciativa para a Acessibilidade da Web (WAI) 8, a preparação de um currículo europeu de design para todos ( Design for All - DFA) e o reforço das tecnologias de assistência e da normalização do DFA. Quanto ao Plano de Acção eeuropa relativo a 2005, fixou como objectivo integrar a info-inclusão em todas as linhas de acção e propôs igualmente que, nos contratos públicos, fossem introduzidos requisitos de acessibilidade aplicáveis às TIC Resolução do Conselho eacessibilidade PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS, 02-03/12/2002: Resolução do Parlamento Europeu sobre a comunicação da Comissão intitulada eeurope 2002: acessibilidade dos sítios Web públicos e do respectivo conteúdo (2002 (0325)) «eeurope 2002: acessibilidade dos sítios Web públicos e do respectivo conteúdo», COM(2001)529 final: PT 5 PT

6 Em apoio a este trabalho, o Conselho de Telecomunicações sublinhou a necessidade de a info-acessibilidade na Europa ser melhorada 9. A declaração ministerial sobre info-inclusão ( Ministerial Declaration on einclusion 10 ) propõe a realização de todas as acções necessárias com vista a uma sociedade do conhecimento aberta, inclusiva e acessível à generalidade dos cidadãos. Por sua vez, na sua resolução de 2003 relativa à Info-acessibilidade 11, o Conselho dos Assuntos Sociais instou os Estados-Membros a procurarem eliminar os obstáculos técnicos, jurídicos e outros à participação efectiva das pessoas com deficiência na economia e na sociedade do conhecimento. Na mesma linha, o Parlamento Europeu, na sua resolução de 2002 sobre a acessibilidade dos sítios Web 12, reitera a necessidade de se evitar qualquer forma de exclusão da SI e apela, em particular, à integração das pessoas com deficiência e dos idosos. Numa outra resolução, é mencionada a utilização da linguagem gestual nas telecomunicações na Europa 13. Numa acepção geral, o artigo 13.º do Tratado que institui a Comunidade Europeia prevê a tomada de medidas para combater a discriminação em razão, nomeadamente, de deficiência. Com base neste artigo, a Directiva 2000/78/CE do Conselho, de 27 de Novembro de , tem por objecto explícito...estabelecer um quadro geral para lutar contra a discriminação em razão da religião ou das convicções, de uma deficiência, da idade ou da orientação sexual, no que se refere ao emprego e à actividade profissional (artigo 1.º). Declara, em particular, que é necessário prever medidas apropriadas, ou seja, medidas eficazes e práticas destinadas a adaptar o local de trabalho em função da deficiência, por exemplo, adaptações das instalações ou dos equipamentos. Por outro lado, diversas directivas comunitárias relativas à Sociedade da Informação contêm cláusulas referentes à inclusão das pessoas com deficiência e dos idosos. Entre elas, as directivas no domínio das comunicações electrónicas, com destaque para a directiva-quadro 15 e a directiva relativa ao serviço universal 16, a directiva relativa aos equipamentos de rádio e equipamentos terminais de telecomunicações (RTTE) 17, as directivas relativas aos contratos públicos 18 e a directiva relativa à igualdade de tratamento no emprego Resolução do Conselho, de 25 de Março de 2002, relativa ao Plano de Acção 2002 eeuropa sobre a acessibilidade dos sítios Web e do seu conteúdo JO C 86 de Ministerial Declaration on einclusion, 11 April 2003: Resolução do Conselho 14892/02. Resolução do Parlamento Europeu sobre a comunicação da Comissão intitulada eeurope 2002: acessibilidade dos sítios Web públicos e do respectivo conteúdo (2002 (0325)). Resolução do PE sobre linguagens gestuais Resolução B4/0985/98. Disponível em: Directiva 2002/21/CE. Directiva 2002/22/CE. Directiva 1999/5/CE. Directivas 2004/17/CE e 2004/18/CE. Directiva 2000/78/CE. PT 6 PT

7 O Plano de Acção da Comissão publicado em Dezembro de 2003, relativo ao seguimento do Ano Europeu das Pessoas com Deficiência 20 incluiu entre as suas quatro áreas o acesso e a utilização das novas tecnologias, enunciando acções destinadas a melhorar a acessibilidade da Sociedade da Informação com recurso a instrumentos disponíveis a nível da UE. As actividades à escala comunitária têm valor acrescentado, na medida em que diversos Estados-Membros estão a preparar legislação, regulamentação, normas ou orientações para resolver estas questões a nível nacional. Tais acções conduzem a requisitos de info-acessibilidade similares, porém diferentes, para os produtos e serviços, desse modo criando um elevado risco para a indústria europeia, que se vê obrigada a operar num mercado fragmentado, com a consequente perda de competitividade e eficácia. Para os consumidores, o risco é ainda maior, em especial se se tratar de idosos e pessoas com deficiência: um mercado fragmentado significa produtos mais caros, menos familiares e incompatíveis, maior dificuldade no acesso e na movimentação de informação transfronteiras, etc. As acções da União Europeia têm igualmente em conta experiências internacionais, como as dos Estados Unidos e do Canadá, países com os quais a Comissão Europeia iniciou um diálogo, nomeadamente em relação à utilização de disposições legislativas no contexto dos contratos públicos enquanto poderoso factor potenciador. Consequentemente, estão criadas as condições de base para se tomarem iniciativas a nível da UE tal foi a opinião expressa pela esmagadora maioria das partes interessadas (84%) durante o processo de consulta pública. 5. ACTIVIDADES A NIVEL DA UE A nível comunitário, estão já em curso diversas medidas, que serão reforçadas e prosseguidas. Requisitos e normas de acessibilidade As normas são uma ferramenta estratégica para a indústria e o sector público, assim como um vector-chave para novas oportunidades de mercado. Se bem que a sua produção e a sua aplicação sejam voluntárias, as normas constituem uma ferramenta importante para apoio à concretização de acções de política. A existência de normas comunitárias em matéria de info-acessibilidade contribuiria para o funcionamento correcto do mercado único europeu e, consequentemente, promoveria o desenvolvimento de novos mercados, a competitividade e o emprego. Por conseguinte, a Comissão vai continuar a prestar apoio financeiro a actividades específicas propostas pelos organismos europeus de normalização, no âmbito do plano de acção relativo à normalização, ou a emitir mandatos para estes organismos 21. Os requisitos de acessibilidade especificados pelas normas devem atender às necessidades da indústria, dos projectistas ( designers ) e dos fornecedores de produtos e serviços, para evitar dificultar a criatividade ou a inovação. Como, paralelamente, devem atender às necessidades Igualdade de oportunidades para as pessoas com deficiência: Plano de Acção Europeu COM(2003) 650 final. Processo regido pela Directiva 98/34/CE: PT 7 PT

8 do utilizador, torna-se essencial o envolvimento dos utilizadores na preparação das normas: há que procurar um equilíbrio entre os interesses da indústria e do público. As normas devem permitir uma aplicação e uma referência fáceis na legislação, na regulamentação e noutros instrumentos que promovem a acessibilidade. A disponibilidade de normas a título gratuito ou a custo reduzido facilitaria a sua adopção, especialmente no que se refere à aquisição por PME com recursos limitados e ao acesso por parte dos utilizadores. Na promoção da interoperabilidade, importa evitar que tecnologias patenteadas sem um licenciamento razoável e não-discriminatório sejam promovidas como soluções correntes. Design para todos ( Design for All - DFA) A metodologia DFA postula que a concepção ( design ) dos produtos e serviços deve ter por objectivo que estes sejam acessíveis à mais ampla gama possível de utilizadores 22. O DFA está hoje bem estabelecido, embora ainda não amplamente praticado. É portanto essencial continuar a publicitá-lo e promovê-lo na União Europeia. Para o efeito, a Comissão criou uma rede de centros de excelência designada EDEAN 23, que conta mais de cem membros. O DFA não só permite considerar mais completamente os requisitos de acessibilidade aquando da concepção de produtos ou serviços, como também fomenta importantes economias, ao evitar custos de reconcepção ou alterações técnicas após o lançamento dos produtos ou serviços. A estrutura básica de um currículo europeu de DFA para engenheiros e designers foi já preparada e tiveram lugar nos Estados-Membros diversos cursos-piloto. Reforçar a sua utilização no ensino pós-secundário e profissional é uma forma de assegurar uma SI acessível no futuro 24. A presença de um responsável de acessibilidade com competência em DFA em organizações relevantes poderá ser uma via para profissionalizar a info-acessibilidade. Acessibilidade da Web A uma comunicação da Comissão sobre a acessibilidade dos sítios Web públicos, datada de , seguiram-se resoluções do Conselho e do Parlamento em Subsequentemente, os Estados-Membros comprometeram-se a tornar acessíveis os seus sítios Web públicos, em conformidade com orientações internacionais 26. Por intermédio do Grupo de Peritos em Info-acessibilidade, a Comissão, juntamente com os Estados-Membros, está a acompanhar a evolução dos acontecimentos, incluindo novos procedimentos e métodos de avaliação 27, aferição comparativa ( benchmarking ), recolha de dados e identificação das melhores práticas. A acessibilidade da Web é um potenciador de Há três estratégias principais de DFA: 1) design para a maioria dos utilizadores, sem modificações; 2) design para fácil adaptação a utilizadores diferentes (p. ex., utilizando interfaces ajustáveis); 3) design com vista à ligação sem descontinuidades a dispositivos de assistência. Sítio Web da EDEAN (rede europeia de info-acessibilidade com design para todos): Relatório sobre o curriculum de DFA do projecto IDCnet. COM(2001) 529 final. W3C/WAI/WCAG1.0 Orientações relativas à acessibilidade do conteúdo da Web, versão 1.0. A versão 2, em fase de preparação, abordará a evolução verificada nas tecnologias Web e facilitará a avaliação da conformidade. Agregado ou cluster Web Accessibility Benchmarking (WAB). PT 8 PT

9 serviços em linha acessíveis de interesse público. Para facilitar este processo, importa estimular o desenvolvimento de instrumentos ou ferramentas para criação de conteúdos que compreendam a acessibilidade 28. Pelo facto de vários Estados-Membros terem legislação vinculativa que impõe a acessibilidade e a avaliação da conformidade, surgiu a necessidade de sistemas de certificação da acessibilidade. Um grupo de trabalho do Comité Europeu de Normalização (CEN) está neste momento a estudar soluções adequadas 29. Aferimento comparativo e monitorização Diversos Estados-Membros estão a adoptar nos respectivos ordenamentos jurídicos a aferição comparativa ( benchmarking ) para a acessibilidade e a sua monitorização. A nível da UE, foi requerida pelo Conselho e pelo Parlamento Europeu a monitorização da acessibilidade da Web. O Parlamento requereu também a monitorização da disponibilidade de legendas e da audiodescrição na televisão digital. Para que a elaboração de políticas comunitárias adequadas em matéria de info-acessibilidade possa prosseguir, é essencial dispor de dados comunitários comparáveis entre os vários Estados-Membros. A Comissão vai aproveitar as actividades comunitárias de monitorização em curso, tendo em conta a estratégia revista de Lisboa. A Comissão mantém diálogo com organismos de estatística, a fim de preparar e aperfeiçoar indicadores relevantes e, nomeadamente, integrar as questões de acessibilidade nos indicadores existentes. Investigação A IDT (investigação e desenvolvimento tecnológico) é um elemento fundamental da dinâmica no sentido de uma SI acessível. Quase 200 projectos comunitários de IDT desde 1991, representando aproximadamente 200 milhões de euros em co-financiamento comunitário 30, contribuíram já para a melhoria da acessibilidade, com conhecimento acrescido dos problemas e das soluções requeridas. Resultados específicos têm demonstrado soluções possíveis, tais como serviços acessíveis de teleatendimento doméstico a idosos (incluindo alarmes e serviços de emergência). Foram desenvolvidas soluções que melhoram o acesso dos cegos e deficientes visuais à informação digital: texto, gráficos, imagens tridimensionais, música em suporte informático ( coded music ), programas de televisão. Têm sido demonstrados sistemas de mobilidade, manipulação e controlo para deficientes motores, bem como serviços que melhoram a capacidade de comunicação de deficientes auditivos, incluindo linguagem gestual e movimentos dos lábios. Outros exemplos são os sistemas informáticos para a educação integrada de crianças deficientes ou o emprego de adultos deficientes e os contributos para a elaboração de políticas (eeuropa, ou seja, Acessibilidade da Web, Design para Todos) W3C/WAI/ATAG Authoring Tools Accessibility Guidelines (ATAG). Para exemplos de projectos, consultar e PT 9 PT

10 Muitos resultados dos projectos comunitários têm sido posteriormente transformados, com êxito, em produtos de mercado, ou o conhecimento obtido tem contribuído para melhorar a acessibilidade dos produtos e serviços TIC. Dado que as tecnologias continuam a evoluir rapidamente, oferecendo novas soluções técnicas, é essencial investir em investigação, para aproveitar o significativo potencial que elas encerram a favor das pessoas com deficiência e dos idosos. A actual proposta relativa ao 7.º Programa-Quadro integra a necessidade de continuar e, na verdade, expandir a IDT em info-acessibilidade, para desenvolver a indústria europeia de tecnologias de assistência 31 e tornar a acessibilidade uma questão corrente no circuito industrial. 6. AUMENTAR A INFO-ACESSIBILIDADE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS TIC NA EUROPA TRES NOVAS ABORDAGENS Além de promover as medidas em curso atrás enunciadas, a Comissão vai fomentar a adopção de três novas abordagens ainda não amplamente seguidas na Europa: i) requisitos de acessibilidade nos contratos públicos; ii) certificação da acessibilidade; iii) melhor utilização da legislação existente. Dois anos após a publicação da presente Comunicação, a Comissão avaliará o resultado destas acções. Seguindo o princípio da melhor regulamentação 32, procederá a uma troca de pontos de vista com os Estados-Membros e, mediante uma avaliação completa de impacto, poderá considerar a possibilidade de tomar medidas adicionais, inclusive legislativas, se necessário. 1. Contratos públicos As aquisições públicas na Europa correspondem a cerca de 16% do produto interno bruto. As autoridades públicas, a todos os níveis, podem impor requisitos de acessibilidade em relação aos bens e serviços que adquirem. Na verdade, as directivas comunitárias relativas aos contratos públicos mencionam especificamente a possibilidade de se incluírem requisitos de DFA e de acessibilidade nas cláusulas de concurso (especificações técnicas). Isto implica um compromisso claro no sentido de uma política de inclusão que torne os produtos e serviços disponíveis a mais utilizadores, cidadãos e trabalhadores. Estimula as empresas industriais a incluírem a acessibilidade como elemento integrante dos seus produtos e amplia o mercado das TIC acessíveis. Tais efeitos têm sido testemunhados nos Estados Unidos 33, onde a lei impõe a inclusão de requisitos de acessibilidade nos contratos a nível nacional. Na consulta pública em linha, mais de 90% das respostas foram favoráveis ao princípio de os organismos públicos exigirem acessibilidade para todos os produtos e serviços TIC que adquirem. Alguns Estados-Membros incluem já requisitos de acessibilidade nos seus contratos públicos. Requisitos de acessibilidade comuns a nível da UE têm potencial para reduzir a fragmentação do mercado e fomentar a interoperabilidade Access to Assistive Technology in the EU, relatório da DG Emprego, CE-V/ EN-C. Livro branco da Comissão Europeia sobre governança COM(2001) 428 final. Secção 508 da Rehabilitation Act, com a redacção dada pela Workforce Investment Act de PT 10 PT

11 Há uma necessidade urgente de consistência nos requisitos de acessibilidade aplicáveis aos contratos públicos na União Europeia. Nesta conformidade, a Comissão está a preparar um mandato para os organismos europeus de normalização elaborarem requisitos europeus de acessibilidade aplicáveis aos contratos públicos de produtos e serviços no domínio das TIC. O mandato está a ser sujeito à consulta dos Estados-Membros, prevendo-se a sua entrega aos organismos europeus de normalização até ao final de A Comissão vai estimular o debate com os Estados-Membros nesta matéria, no âmbito do grupo de peritos em info-acessibilidade 34. Prosseguirá a recolha de experiências em toda a Europa e incentivará um diálogo internacional, em especial com os Estados Unidos, por intermédio da Parceria Económica Transatlântica (PET), sobre harmonização de requisitos de info-acessibilidade para os contratos públicos. 2. Certificação Na compra de produtos TIC, nem sempre são óbvios os requisitos que eles cumprem, o que, tratando-se de TIC acessíveis, é sobremaneira importante. Existem ou estão em preparação algumas normas, que definem o modo de tornar acessíveis os produtos e serviços. No entanto, presentemente, não há nenhum meio fiável de avaliar a conformidade dos produtos com essas normas de acessibilidade. A existência de sistemas adequados de certificação da acessibilidade aplicáveis a produtos, a processos de organização e a profissionais (com base na European Key Mark 35 e nas normas europeias) proporcionaria orientação aos clientes que procuram produtos e serviços acessíveis e poderia conferir aos fabricantes e aos fornecedores de serviços o devido reconhecimento dos seus esforços. Tornaria igualmente mais fácil monitorizar o cumprimento da regulamentação que impõe acessibilidade. Na sua resolução de Janeiro de 2003 sobre info-acessibilidade, o Conselho apelou a uma marca de info-acessibilidade para bens e serviços. A declaração ministerial de 2002 sobre info-inclusão afirma que, para evitar a fragmentação do mercado, poderia pensar-se num rótulo europeu de acessibilidade da Web, que certificasse o cumprimento das orientações W3C WAI 36. Em conjunto com as principais partes interessadas, a Comissão vai estudar possibilidades de preparação, adopção e aplicação de sistemas de certificação para produtos e serviços acessíveis, incluindo a definição de critérios de ensaio e métodos de avaliação. A possibilidade de auto-declaração ou de certificação por terceiros será também investigada, comparando-se as diferentes opções em termos de eficácia 37. A Comissão vai lançar um estudo sobre esta matéria no quarto trimestre de O grupo de peritos em info-acessibilidade coordena peritos dos Estados-Membros que apoiam a aplicação do Plano de Acção eeuropa. World Wide Web Consortium (W3C), Web Accessibility Initiative (WAI). A consulta em linha indicou um forte apoio (mais de 72%) à certificação e rotulagem de produtos e serviços TIC info-acessíveis, com diferenças significativas apenas entre grupos-alvo (acordo de 61,4% entre fabricantes, fornecedores ou vendedores de produtos e serviços com info-acessibilidade ). Acresce que, entre os que apoiam a certificação e rotulagem de produtos, os grupos pessoas com deficiência e organismos públicos são claramente favoráveis a regimes obrigatórios, ao passo que os fabricantes, fornecedores ou vendedores de produtos e serviços com info-acessibilidade pendem para os procedimentos de base voluntária, com os restantes grupos em posição intermédia. Cf. capítulo Conclusões e acompanhamento. PT 11 PT

12 3. Utilizar melhor a legislação existente Diversas directivas contêm disposições que podem ser utilizadas para impor a info-acessibilidade (como a directiva relativa à igualdade de tratamento no emprego e na actividade profissional 39, a directiva relativa aos equipamentos de rádio e equipamentos terminais de telecomunicações e as directivas relativas aos contratos públicos). A cooperação com os Estados-Membros é importante, com vista a um modo prático de utilizar estas directivas a favor da info-acessibilidade. A aplicação das sugestões do grupo de trabalho para as comunicações inclusivas ( Inclusive Communications INCOM) 40, em especial, resolveria alguns dos desafios existentes a nível europeu, como, p. ex., assegurar o acesso dos utilizadores deficientes aos serviços de emergência por intermédio do número único europeu 112, harmonizar as frequências na Europa para soluções de assistência sem fios, assegurar comunicações de texto e sinal em tempo real em todos os Estados-Membros e facilitar a aquisição de bens acessíveis por parte das autoridades públicas. As eventuais dificuldades na aplicação prática da legislação existente devem ser estudadas. No diálogo relativo à política audiovisual, a Comissão vai encorajar soluções comuns ou interoperáveis neste domínio, como, por exemplo, o melhoramento do acesso aos programas de televisão digital. Essas soluções comuns permitirão o aproveitamento de economias de escala. O potencial de info-acessibilidade da legislação comunitária existente tem de ser plenamente aproveitado. Em 2005, a Comissão vai lançar um estudo 41 para identificar as melhores práticas e estabelecer um diálogo com os Estados-Membros e as principais partes interessadas, por intermédio dos grupos responsáveis pela aplicação das directivas. 7. CONCLUSÕES E ACOMPANHAMENTO A presente Comunicação e os resultados do processo de consulta em linha demonstram e avalizam a determinação da Comissão Europeia em colocar na mira a problemática da info-acessibilidade e procurar soluções que: i) transmitam aos Estados-Membros a necessidade urgente de trabalho em conjunto no sentido de uma abordagem consistente à info-acessibilidade; ii) estimulem a indústria a criar soluções acessíveis para produtos e serviços TIC; iii) demonstrem aos utilizadores deficientes o empenho activo em relação à melhoria da acessibilidade na Sociedade da Informação. Durante os próximos dois anos ( ), a Comissão vai continuar o trabalho de sensibilização, de promoção dos instrumentos propostos, de recolha de dados e de consulta das partes interessadas, tendo em vista a tomada de decisões informadas no domínio da info-acessibilidade A Directiva 2000/78/CE do Conselho, de 27 de Novembro de 2000, proíbe a discriminação de pessoas com deficiência, nomeadamente no emprego, e contempla adaptações razoáveis, incluindo TIC. Formado em 2003 e composto de representantes dos Estados-Membros, operadores de telecomunicações, organizações de utilizadores e organismos de normalização. Cf. capítulo Conclusões e acompanhamento. PT 12 PT

13 Para o efeito, prevê um estudo, a iniciar no quarto trimestre de 2005, subordinado ao tema Medição dos progressos da info-acessibilidade na Europa, a fim de identificar e avaliar opções de política. O objectivo é melhorar a info-acessibilidade na Europa. Os resultados iniciais do estudo estarão disponíveis em princípios de Dois anos após a publicação da presente Comunicação, será feito um acompanhamento, focando a situação da info-acessibilidade. Incluirá uma avaliação dos resultados das abordagens aqui propostas segundo o princípio de uma melhor regulamentação 42 e, mediante uma avaliação completa de impacto, a Comissão poderá considerar a possibilidade de tomar medidas adicionais, inclusive legislativas, se necessário. Este trabalho no domínio da info-acessibilidade contribuirá, por sua vez, para a já anunciada iniciativa europeia de 2008 relativa à info-inclusão Livro branco da Comissão Europeia sobre governança COM(2001) 428 final. COM(2005) 229 i2010 Uma sociedade da informação europeia para o crescimento e o emprego. PT 13 PT

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

18.4.2002 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias (2002/C 94/04)

18.4.2002 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias (2002/C 94/04) C 94/9 Parecer do Comité Económico e Social sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões sobre eeurope 2002: acessibilidade

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.11.2007 COM(2007) 694 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.6.2007 COM(2007) 332 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Envelhecer

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.04.2006 COM(2006) 173 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Plano

Leia mais

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08)

[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Proposta da Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Igualdade de oportunidades

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Cultura e da Educação 14.6.2013 2012/0340(COD) PROJETO DE PARECER da Comissão da Cultura e da Educação dirigido à Comissão do Mercado Interno e da Proteção dos

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 25 de Maio de 2007 (04.06) (OR. en) 10037/07 RECH 153 COMPET 165 ENV 292 COSDP 443 TRANS 185 NOTA de: Secretariado-Geral n.º doc. Com.: 9052/07 RECH 115 COMPET 115

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO RELATIVA AO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO RELATIVA AO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 04.04.2001 COM(2001) 161 Final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO RELATIVA AO Alargamento do acesso do consumidor aos sistemas alternativos de resolução de litígios PT

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador

DIRECTIVAS. DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador L 111/16 Jornal Oficial da União Europeia 5.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/24/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa à protecção jurídica dos programas de computador (Versão

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

6º Programa-Quadro de Investigação da UE

6º Programa-Quadro de Investigação da UE EUROPEAN COMMISSION RESEARCH DIRECTORATE-GENERAL 6º Programa-Quadro de Investigação da UE Perguntas frequentes O que é o Programa-Quadro (PQ) de Investigação da UE? O PQ constitui o principal instrumento

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2006 SEC(2006) 1314 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.2.2009 COM(2009) 64 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia

Pensar o futuro da educação. Aprender e inovar com a tecnologia multimedia. Comissão Europeia Pensar o futuro da educação Aprender e inovar com a tecnologia multimedia Comissão Europeia O impacto da tecnologia da informação e da comunicação está a provocar alterações graduais mas muitas vezes radicais

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE 19.11.2009 PT C 279 E/23 41. Solicita à Comissão que consulte o Parlamento e os Estados-Membros no que respeita à avaliação desses estudos; * * * 42. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho

O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho O Futuro dos Programas Europeus de Ciência e Inovação Maria da Graça a Carvalho Workshop sobre Políticas de Investigação no Ensino Superior Universidade da Beira Interior 2 Junho 2011 Índice Estratégia

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO A União Europeia complementa as atividades dos Estados-Membros em matéria dos direitos dos trabalhadores à informação e consulta através

Leia mais

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela

Artigo 3º. Artigo 4º. Artigo 5º. Efeitos do certificado Sob reserva do artigo 4º, o certificado confere os mesmos direitos que os conferidos pela Regulamento (CE) nº 1610/96 do Parlamento Europeu e do Conselho de 23 de Julho de 1996 relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os produtos fitofarmacêuticos Jornal Oficial nº

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ)

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Quadro Europeu de Qualificações Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Europe direct é um serviço que o ajuda a encontrar respostas às suas perguntas sobre a União Europeia

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições

A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições IP/03/478 Bruxelas, 2 de Abril de 2003 A Comissão autoriza uma operação de concentração entre a Stream e a Telepiù mediante determinadas condições A Comissão Europeia autorizou o projecto de aquisição

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 7.6.2006 COM(2006) 275 final Volume I COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO, AO PARLAMENTO EUROPEU, AO COMITÉ ECONOMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

de 9 de Março de 2005

de 9 de Março de 2005 24.3.2005 PT Jornal Oficial da União Europeia L 79/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. O 456/2005/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 9 de Março de 2005 que

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do RELATÓRIO Resumo das afirmações mais pertinentes efectuadas durante a Conferencia Parlamentar dos Presidentes de Comissão na EU-25, realizada nos dias 10 e 11 de Maio de 2004 no Parlamento Sueco em Estocolmo,

Leia mais

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) mantém as redes transeuropeias (RTE) nos domínios dos transportes, da energia e das telecomunicações, mencionadas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 12.3.2004 COM(2004) 91 final 2004/0023 (COD) Proposta de DECISÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que adopta um programa comunitário plurianual para a promoção

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 17.6.2013 2013/2065(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre mulheres com deficiência (2013/2065(INI)) Comissão dos Direitos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 12.2.2009 COM(2009) 54 final Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que encerra o reexame intercalar parcial das medidas anti-dumping aplicáveis aos porta-paletes

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativa à acessibilidade dos sítios Web dos organismos do setor público

Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO. relativa à acessibilidade dos sítios Web dos organismos do setor público COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 3.12.2012 COM(2012) 721 final 2012/0340 (COD) Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à acessibilidade dos sítios Web dos organismos do setor público

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3

Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Programa comunitário para a sociedade digital COMISSÃO EUROPEIA DG INFSO/F3 Agenda 1- Objectivos das TEN-Telecom 2- Domínios de interesse público 3- Fases do projecto e financiamento 4- Condições de participação

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO Resolução do Conselho sobre uma agenda renovada no domínio da educação de adultos (2011/C

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA

PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA Documentos sobre o Ano Europeu do Voluntariado PARLAMENTO EUROPEU DECLARAÇÃO ESCRITA apresentada nos termos do artigo 116.º do Regimento por Marian Harkin, Gisela Kallenbach, Emmanouil Angelakas, Mieczysław

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais C 117 E/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.5.2010 Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais P6_TA(2009)0156 Resolução do Parlamento Europeu, de

Leia mais

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS)

PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) Conseil UE CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 9 de Agosto de 2002 (09.08) (OR. en) PUBLIC 11386/02 Dossier interinstitucional: 2001/0123 (CNS) LIMITE RECH 140 ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 17.3.2006 COM(2006) 134 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Uma política de turismo europeia renovada: Rumo a uma parceria reforçada para o turismo na Europa PT PT

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 24.2.2010 2009/2224(INI) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a Internet das coisas (2009/2224(INI)) Comissão da Indústria, da Investigação

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais