Bibliografia. Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bibliografia. http://www.w3schools.com/ Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes."

Transcrição

1 Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade, Acessibilidade, Interoperabilidade em sistemas web Aula 1

2 Bibliografia Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes

3 Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet;

4 Contextualização A internet consiste de zilhões de dispositivos clientes (consumidores de conteúdo) e outros servidores (provedores de conteúdo) conectados através de redes com fio e wireless. Para que esta comunicação possa ocorrer alguns protocolos são necessários. Protocolo = conjunto de regras que os computadores devem seguir para que a comunicação entre eles permaneça estável e funcional

5 Protocolos IP Responsável pelo endereçamento dos locais da rede. Através deste protocolo é possível identificar um computador em uma determinada rede.

6 Protocolos TCP/UDP protocolos sobre os quais os dados são transmitidos. Este protocolo define se hávera garantia da entrega ou não.

7 Protocolos DNS (Domain Name System) sistema hierárquico de gerenciamento de nomes de domínios. É o protocolo responsável por traduzir os nomes dos endereços da internet em números IPs. (53/UDP ou > 512bytes TCP)

8 Protocolos POP3 (Post Office Protocol) protocolo utilizado para acesso a uma caixa de correio eletrônico. Remove as mensagens do servidor. (110) IMAP (Internet Message Access Protocol) protocolo para recebimento de s. Não remove as mensagens do servidor. (143) SMTP (Simple Mail Transfer Protocol)- protocolo para envio de s. (25/TCP)

9 Protocolos FTP (File Transfer Protocol)- responsável por efetuar transferências de arquivos entre máquinas. (20-Dados, 21-Controle)

10 Protocolos HTTP (Hypertext Transfer Protocol) protocolo principal para acesso às informações disponíveis na internet. Funciona por meio de Requisição Resposta. (80/tcp ou 443 https)

11 HTTP - Hypertext Transfer Protocol Qualquer informação que o servidor envia para o cliente é feita através deste protocolo. Protocolo Stateless, ou seja, não guarda o estado do cliente. A partir da versão 1.1 as conexões passaram a ser persistentes, e uma mesma conexão pode ser aproveitada para outras requisições. Métodos: GET, POST, PUT, DELETE, OPTIONS, HEAD E CONNECT. Comunicação com os servidores acontece sempre em par request/response

12

13 Linguagens de marcação, transformação e apresentação

14 HTML (HyperText Markup Language) Voltada para estruturação e apresentação visual de documentos web. Utiliza tags para formar o documento, possuindo representativos para elementos que formam uma página ou documentos. Um elemento html deve possuir uma tag inicial <elemento> e uma tag final </elemento> O elemento raiz será sempre o <html> Não é Case-Sensitive

15 Tags HTML <html></html> inicia/termina um documento em HTML <head></head> define a área do cabeçalho <body></body> define a área visível do documento <title></title> Coloca um título na barra do navegador <b></b> texto em negrito <a href= ></a> link <hr> linha horizontal <ul></ul> lista não ordenada <ol></ol> lista ordenada

16 XML Metalinguagem de marcação com o objetivo de prover intercâmbio de documentos através da Web, de forma independente de sistemas operacionais ou formatos de arquivos. Diferente do HTML, não possui um conjunto prédefinido de tags ou elementos, podendo estes serem definidos de acordo com o domínio dos dados e da aplicação. Não provê mecanismos para apresentação de dados ou para ligação entre documentos. É Case-Sensitive

17 XML - Regras Bem Formado = Respeita as regras de formação 1. Documento XML que começar com uma declaração XML, esta deverá ser a primeira: 2. Todo documento XML deve ter um elemento raiz que contém todos os outros 3. Todos elementos devem ter tags de fechamento 4. Tags XML são Case Sensitive 5. Valores de atributos devem estar entre aspas (simples ou duplas) 6. Elementos devem estar aninhados, ou seja, devem ser abertos e fechados na ordem correta

18 XHTML (extensible Hypertext Markup Language) Combinação da Linguagem HTML com as regras do XML. Objetivo: melhorar a acessibilidade, pois pode ser interpretado por qualquer dispositivo, independente da plataforma. Case Sensitive Documentos devem ser bem formados (respeitar as regras): Obrigatório o fechamento das tags Mesmo elementos vazios devem ser fechados Devem ser corretamente aninhados Obrigatório a declaração de DOCTYPE (especifica qual a sintaxe usada no documento) Todos os atributos devem ficar entre aspas, independente de ser texto ou número. Tags devem ser escritas em letras minúsculas.

19 DTD (Document Type Definition) DTD é um documento que contém as regras que definem quais as tags que podem ser usadas em um documento XML, e quais são os valores válidos. <!DOCTYPE note [ Define que o elemento raiz será note <!ELEMENT note (to,from,heading,body)> Elemento note terá 4 element. <!ELEMENT to (#PCDATA)> to será do tipo parsed character data <!ELEMENT from (#PCDATA)> <!ELEMENT heading (#PCDATA)> <!ELEMENT body (#PCDATA)> ]> Elementos podem ser do tipo PCDATA (Parsed) ou CDATA (Character Data dados que não sofrerão interpretação)

20 DTD - Elementos XML Válido = XML que pode ser validado por algum DTD <!ELEMENT element-name (child-name+)> + equivale a 1 ou muitos <!ELEMENT element-name (child-name*)> * equivale a 0 ou muitos <!ELEMENT element-name (child-name?)>? equivale a 0 ou 1 <!ELEMENT note (#PCDATA to from header message)*> elemento note pode ter 0 ou muitas ocorrências pcdata dos elementos to, from, header ou message

21 DTD - Atributos <!ELEMENT square EMPTY> <!ATTLIST square width CDATA "0"> Elemento square é definido como um elemento vazio, com um atributo width do tipo cdata com default = 0 XML equivalente = <square width = 100 /> #REQUIRED = requerido #IMPLIED = não é requerido #FIXED value = valor fixo

22 XML Schema (XSD) Simple Elements = Um elemento XML que contém apenas texto. Não pode conter outros elementos ou outros atributos. <xs:element name="lastname" type="xs:string"/> = <lastname>refsnes</lastname> Complex Elements = Um elemento XML que contém outros elementos ou atributos Sequence = indica que os elementos devem aparecer na mesma ordem que foram declarados

23 Assunto Recorrente!!!! XML Bem Formado x XML Válido

24 CSS (Cascading Style Sheets) Usada para definir o estilo utilizado na definição de apresentação de documentos usados em HTML ou XML. Provê separação entre o formato e conteúdo de um documento. Seletores (elementos HTML) são usados para declarar a quais elementos de marcação um estilo se aplica. Seletores específicos especificam o estilo para um único elemento Os elementos html que receberal um id= para1 receberão o estilo Seletores de classe são utilizados para especificar o estilo para um grupo de elementos. Neste exemplo todos elementos html que tiverem class= center irão receber o estilo

25 CSS Como Vincular Externo: <head> <link rel="stylesheet" type="text/css" href="mystyle.css"> </head> Interno: <head> <style> hr {color:sienna;} p {margin-left:20px;} body {background-image:url("images/back40.gif");} </style> </head> Inline: <p style="color:sienna;margin-left:20px">this is a paragraph.</p> Prioridade: Inline, Interno, Externo

26 XSL Extensible Stylesheet Language (XSLT, XPath e XSL-FO) Dividida em três partes: XSL Transformation (XSLT) -> uma linguagem para transformar documentos XML. Ex: xml em xhtml XSL Formatting Objects (XSL-FO) -> linguagem para expecificar o formato visual de um documento XML (exemplo gerar pdf) XML Path Language (Xpath) -> linguagem para usar navegar através de partes de um documento XML Transformações podem ocorrer tanto no lado cliente (javascript por exemplo) ou no lado do servidor (cross-browser)

27 DOM (Document Object Model) O DOM é uma API de programação para documentos. Representa fielmente a estrutura do documento que modela usando árvores. Utilizado para definir um padrão de acesso pelo navegador em arquivos xml e html.

28 SAX (Simple API for XML) SAX assim como DOM, também permite modelar e manipular documentos XML, porém é uma API que suporta eventos, ou seja, você pode disparar ações quando uma determinada estrutura de tags ou valor é encontrado. É mais leve para rodar que o DOM, uma vez que não carrega todo documento em memória. Não gera uma estrutura hierárquica, já que os dados são passados para a aplicação à medida que são encontrados.

29 Questão 01 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software No contexto de linguagens de marcação, transformação e apresentação, tem-se que a) a linguagem de marcação HTML é adequada para apresentação (layout) de informações e para troca de dados estruturados entre aplicações. b) uma transformação expressa em XSLT descreve regras para transformar uma árvore fonte em uma árvore resultado. c) uma seção PCDATA de um documento XML contém instruções a serem ignoradas por um parser XML quando da análise sintática. d) um documento CSS (versão 2.1) pode conter uma regra composta de um bloco de declaração seguido de zero ou mais seletores. e) os diversos elementos raízes de um documento XML bem formado podem conter atributos com mesmo nome.

30 Questão 01 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software No contexto de linguagens de marcação, transformação e apresentação, tem-se que a) a linguagem de marcação HTML é adequada para apresentação (layout) de informações e para troca de dados estruturados entre aplicações. XML b) uma transformação expressa em XSLT descreve regras para transformar uma árvore fonte em uma árvore resultado. c) uma seção PCDATA de um documento XML contém instruções a serem ignoradas por um parser XML quando da análise sintática. Parser Character DATA d) um documento CSS (versão 2.1) pode conter uma regra composta de um bloco de declaração seguido de zero ou mais seletores. Mínimo 1 seletor e) os diversos elementos raízes de um documento XML bem formado podem conter atributos com mesmo nome. XML bem formado precisa ter apenas um elemento raiz.

31 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xs:schema elementformdefault="qualified" xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <xs:element name="endereco"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="destinatario"> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:element name="titulo"> <xs:simpletype> <xs:restriction base="xs:string"> <xs:enumeration value="sr." /> <xs:enumeration value="sra." /> <xs:enumeration value="srta." /> </xs:restriction> </xs:simpletype> </xs:element> <xs:element name="nome" type="xs:string" /> <xs:element name="sobrenome" type="xs:string" minoccurs="0" /> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element>

32 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura <xs:element name="rua" type="xs:string" /> <xs:element name="complemento" type="xs:string" /> <xs:element name="cidade" type="xs:string" /> <xs:element name="cep" type="xs:string" minoccurs="0" /> <xs:element name="estado"> <xs:simpletype> <xs:restriction base="xs:string"> <xs:enumeration value="rj" /> <xs:enumeration value="sp" /> <xs:enumeration value="mg" /> <xs:enumeration value="es" /> <xs:enumeration value="ba" /> </xs:restriction> </xs:simpletype> </xs:element> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> </xs:schema> Um documento válido neste esquema é:

33 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (A) <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario>Sr. Jose Silva</Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco> (B) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Sobrenome>Silva</ Sobrenome></Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco>

34 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (C) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Joao</Nome></Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco> (D) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Silva</Nome></Destinatario> <Complemento>no 1</Complemento> <Rua>Minha Rua</Rua> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco>

35 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (E) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http: //www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Silva</Nome></Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>RS</Estado> </Endereco>

36 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura Endereço (complex) - seq Destinatario (complex) - seq Titulo (Sr, Sra, Srta) Nome Sobrenome (opcional) Rua Complemento Cidade CEP(opcional) Estado (RJ, SP, MG, ES, BA)

37 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (A) <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario>Sr. Jose Silva</Destinatario> Destinatario é complextype, portanto aonde estão os filhos Titulo, e Nome??? <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco> (B) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Sobrenome>Silva</ Sobrenome></Destinatario> Sobrenome aparece primeiro, como Destinatario tem a tag sequence, Nome deverá obrigatoriamente aparecer primeiro <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco>

38 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (C) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Joao</Nome></Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco> (D) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco.xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Silva</Nome></Destinatario> <Complemento>no 1</Complemento> Fora de ordem...rua deve vir primeiro pois tem a tag Sequence <Rua>Minha Rua</Rua> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>MG</Estado> </Endereco>

39 Questão 02 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior Infra- Estrutura (E) <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <Endereco xsi:nonamespaceschemalocation="j:\meusdocs\endereco. xsd" xmlns:xsi="http://www. w3.org/2001/xmlschema-instance"> <Destinatario><Titulo>Sr.</Titulo><Nome>Silva</Nome></Destinatario> <Rua>Minha Rua</Rua> <Complemento>no 1</Complemento> <Cidade>Rio de Janeiro</Cidade> <CEP>99999</CEP> <Estado>RS</Estado> A tag restringe apenas as cidades que estão definidas </Endereco>

40 Questão 03 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Na linguagem XSL, a) o XSD é o responsável por transformar documentos XML em XHTML. b) o XSL-FO é o componente que permite a navegação através de um documento XML. c) o SVG é o componente responsável por descrever gráficos vetoriais bidimensionais. d) as regras de transformação residem em um arquivo DTD. e) as transformações podem ocorrer tanto no servidor como no cliente.

41 Questão 03 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Na linguagem XSL, a) o XSD é o responsável por transformar documentos XML em XHTML. XSD é XSL Schema. Quem transforma é o XSLT. b) o XSL-FO é o componente que permite a navegação através de um documento XML. Quem permite a navegação é o Xpath. XSL-FO é muito utilizado para gerar PDFs a partir de um documento XML c) o SVG é o componente responsável por descrever gráficos vetoriais bidimensionais. SVG não tem nada a ver com XSL Definição correta da linguagem SVG, porém não se aplica ao que a questão pede. d) as regras de transformação residem em um arquivo DTD. Regras de transformação residem em um arquivo XSL. Validação pode resider um um DTD ou XSD. e) as transformações podem ocorrer tanto no servidor como no cliente.

42 Questão 04 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Em um documento XHTML bem formado, a) os elementos devem ser sempre fechados, exceto quando forem elementos vazios. b) os valores dos atributos são delimitados por aspas simples. c) os nomes dos elementos podem ser escritos com letras caixa-alta ou caixa-baixa. d) a existência de um elemento raiz é obrigatória. e) a declaração DOCTYPE pode, ou não, estar presente.

43 Questão 04 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Em um documento XHTML bem formado, a) os elementos devem ser sempre fechados, exceto quando forem elementos vazios. b) os valores dos atributos são delimitados por aspas simples. c) os nomes dos elementos podem ser escritos com letras caixa-alta ou caixa-baixa. d) a existência de um elemento raiz é obrigatória. e) a declaração DOCTYPE pode, ou não, estar presente.

44 Questão 05 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software Analise as afirmativas a seguir, sobre CSS (Cascading Style Sheets). I - Uma folha de estilo CSS é um documento XML, em conformidade com o esquema XML xsd:css mantido pelo consórcio W3C, o que constitui uma barreira inicial de adoção para organizações onde o layout e a programação visual dos sites e portais são mantidas por profissionais de criação ao invés de desenvolvedores. II - O uso de folhas de estilo CSS externas, em alternativa à marcação com atributos nos tags HTML e XHTML, proporciona uma redução significativa da exigência de banda, melhorando a experiência do usuário e demandando menos recursos dos servidores do site. III - É possível especificar folhas de estilos diferentes para diferentes mídias em que a página será utilizada, o que permite, por exemplo, que uma mesma página se apresente de forma diferente quando visualizada no browser e impressa. IV - O termo "Cascading", que, em Português, pode ser traduzido como "Em Cascata", reflete o fato de que, durante a aplicação de estilos a um documento, os tags que satisfazem a mais de um seletor receberão apenas os atributos de estilo do seletor especificado por último, ignorando todos os atributos de seletores anteriores. Estão corretas APENAS as afirmativas a) I e II b) I e III c) II e II d) II e IV e) III e IV

45 Questão 05 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software Analise as afirmativas a seguir, sobre CSS (Cascading Style Sheets). I - Uma folha de estilo CSS é um documento XML, em conformidade com o esquema XML xsd:css mantido pelo consórcio W3C, o que constitui uma barreira inicial de adoção para organizações onde o layout e a programação visual dos sites e portais são mantidas por profissionais de criação ao invés de desenvolvedores. II - O uso de folhas de estilo CSS externas, em alternativa à marcação com atributos nos tags HTML e XHTML, proporciona uma redução significativa da exigência de banda, melhorando a experiência do usuário e demandando menos recursos dos servidores do site. III - É possível especificar folhas de estilos diferentes para diferentes mídias em que a página será utilizada, o que permite, por exemplo, que uma mesma página se apresente de forma diferente quando visualizada no browser e impressa. IV - O termo "Cascading", que, em Português, pode ser traduzido como "Em Cascata", reflete o fato de que, durante a aplicação de estilos a um documento, os tags que satisfazem a mais de um seletor receberão apenas os atributos de estilo do seletor especificado por último, ignorando todos os atributos de seletores anteriores. Receberá o estilo de maior prioridade Estão corretas APENAS as afirmativas a) I e II b) I e III c) II e III d) II e IV e) III e IV

46 Questão 06 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software Um tag XML válido do ponto de vista sintático é a)<nome do cliente>carlos da Silva</nome do cliente> b) <_endereco tipo= residencial >Rua das Flores, 1234</_endereco> c) <telefone numer= /> d) <*preferencial*/> e) <profiss&atildde;0>professor</profiss o>

47 Questão 06 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software Um tag XML válido do ponto de vista sintático é a)<nome do cliente>carlos da Silva</nome do cliente> espaçamento dentro da tag b) <_endereco tipo= residencial >Rua das Flores, 1234</_endereco> c) <telefone numero= /> atributo sem aspas d) <*preferencial*/> caracteres especiais e) <profiss&atildde;0>professor</profiss o> caracteres especiais

48 Questão 07 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Sobre o XML DOM, que define uma forma padrão para acessar e manipular documentos XML, considere as afirmativas a seguir. I - Utiliza um modelo dirigido por eventos para ler documentos XML. II - Por ser uma API definida através de uma linguagem de definição de interface (IDL), é independente em relação a plataformas e linguagens de programação. III - É bastante eficiente em relação ao consumo de memória, mesmo no caso de grandes documentos XML. É correto APENAS o que se afirma em a) I b) II c) III d) I e II e) I e III

49 Questão 07 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2012 Sobre o XML DOM, que define uma forma padrão para acessar e manipular documentos XML, considere as afirmativas a seguir. I - Utiliza um modelo dirigido por eventos para ler documentos XML. SAX II - Por ser uma API definida através de uma linguagem de definição de interface (IDL), é independente em relação a plataformas e linguagens de programação. III - É bastante eficiente em relação ao consumo de memória, mesmo no caso de grandes documentos XML. SAX É correto APENAS o que se afirma em a) I b) II c) III d) I e II e) I e III

50 Questão 08 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 A tecnologia XML possui diversos padrões e especificações para linguagens de marcação, transformação e apresentaçãode uso comum no ambiente Internet. Nesse contexto, analise as afirmativas abaixo. I- A especificação DOM (Document Object Model ) possibilita o processamento de dados em formato XML através deuma API orientada a eventos. II-O padrão XSLT permite a transformação de arquivos em formato XML para outros formatos. III-A especificação SAX (Simple API for XML) possibilita o processamento de dados em formato XML, contanto que os mesmos estejam armazenados em memória principal. É correto APENAS o que se afirma em: a) II b) III c) I e II d) I e III e) II e III

51 Questão 08 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 A tecnologia XML possui diversos padrões e especificações para linguagens de marcação, transformação e apresentaçãode uso comum no ambiente Internet. Nesse contexto, analise as afirmativas abaixo. I- A especificação DOM (Document Object Model ) possibilita o processamento de dados em formato XML através deuma API orientada a eventos. (SAX) II-O padrão XSLT permite a transformação de arquivos em formato XML para outros formatos. III-A especificação SAX (Simple API for XML) possibilita o processamento de dados em formato XML, contanto que os mesmos estejam armazenados em memória principal. SAX não carrega todo o conteúdo em memória É correto APENAS o que se afirma em: a) II b) III c) I e II d) I e III e) II e III

52 Questão 09 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 Palavra I ABC II DEF III GHI IV JKL Cor P Preto (cor padrão) Q Azul (blue) R Laranja (orange) S Vermelho (red) T Verde (green) Analisando o trecho em HTML acima, relacione cada palavra à cor com que a mesma será apresentada na página. Estão corretas as associações: (A)I P, II S, III T, IV P. (B)I P, II T, III S, IV P. (C)I R, II S, III T, IV Q. (D)I R, II T, III S, IV Q. (E)I R, II T, III S, IV P. <html> <head> <style> body{color:blue} div{color:orange} #x{color:red}.x{color:green} </style> </head> <body> <div> <p>abc</p> <p class="x">def</p> <p id="x">ghi<p> </div> <p>jkl</p> </body> </html>

53 Questão 09 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 A tag BODY (representa o fundo da página) recebe a cor AZUL; O elemento DIV, é utilizado para formatação de blocos, nesse caso o bloco DIV ficará na cor (LARANJA); O id é um atributo que identifica um elemento, e é único (dois elementos não podem ter o mesmo id) e um seletor ID é um nome precedido por um sustenido (#), nesse caso as linhas que forem identificadas com esse ID, aparecerão na cor VERMELHA; Um seletor de classe é um nome precedido por um ponto(.),.class identifica um grupo de elementos, e vários elementos podem ter a mesma class, nesse caso as linhas que aparecerem precedidas pelo ponto, ficaram na cor VERDE; <html> <head> <style> body{color:blue} div{color:orange} #x{color:red}.x{color:green} </style> </head> <body> <div> <p>abc</p> <p class="x">def</p> <p id="x">ghi<p> </div> <p>jkl</p> </body> </html>

54 Questão 09 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 Podemos observar que o único elemento que se encontra fora da div é o JKL. Como este elemento está apenas dentro do <body>, irá receber a cor azul. O item ABC está dentro da DIV, e não possui nenhum identificador de classe ou de atributo, portanto irá receber a cor laranja. O item DEF possui um identificador de classe x, portanto irá receber o conteúdo do style.x, que é verde. O item GHI possui um identificador x, recebendo, portanto a cor vermelha. <html> <head> <style> body{color:blue} div{color:orange} #x{color:red}.x{color:green} </style> </head> <body> <div> <p>abc</p> <p class="x">def</p> <p id="x">ghi<p> </div> <p>jkl</p> </body> </html>

55 Questão 09 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 Palavra I ABC II DEF III GHI IV JKL Cor P Preto (cor padrão) Q Azul (blue) R Laranja (orange) S Vermelho (red) T Verde (green) Analisando o trecho em HTML acima, relacione cada palavra à cor com que a mesma será apresentada na página. Estão corretas as associações: (A)I P, II S, III T, IV P. (B)I P, II T, III S, IV P. (C)I R, II S, III T, IV Q. (D)I R, II T, III S, IV Q. (E)I R, II T, III S, IV P. <html> <head> <style> body{color:blue} div{color:orange} #x{color:red}.x{color:green} </style> </head> <body> <div> <p>abc</p> <p class="x">def</p> <p id="x">ghi<p> </div> <p>jkl</p> </body> </html>

56 Questão 10 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 <html> <head> <style type= text/css > h1, h2 { color: blue } h2 { text-decoration: underline } h2.x { background-color: red; color: black } h2#y { background-color: green }.z { text-decoration: none } </style> </head> <body> <h1>a</h1> <h2>b</h2> <h2 class= x >C</h2> <h2 id= x >D</h2> <h2 id= y class= z >E</h2> </body> </html> A página, cujo código html é apresentado acima, mostrará nonavegador as letras A, B, C, D e E. Cada uma com uma cor de fonte, cor de fundo, e o texto poderá estar ou não sublinhado. Após análise do trecho de código, tem- se a seguinte relação entre o texto e sua apresentação. Texto Cor Fonte Cor Fundo Sublinhado a) A Padrão Azul (blue) Sim b) B Padrão Azul (blue) Não c) C Preto (black) Vermelho (red) Sim d) D Preto (black) Vermelho (red) Não e) E Azul (blue) Verde (green) Sim

57 Questão 10 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software 2010 <html> <head> <style type= text/css > h1, h2 { color: blue } h2 { text-decoration: underline } h2.x { background-color: red; color: black } h2#y { background-color: green }.z { text-decoration: none } </style> </head> <body> <h1>a</h1> <h2>b</h2> <h2 class= x >C</h2> <h2 id= x >D</h2> <h2 id= y class= z >E</h2> </body> </html> A letra A está recebendo a tag h1 e ficará AZUL. A letra B está recebendo h2, então ficará na cor AZUL e SUBLINHADO. A letra C possui a classe x, lembrando que o seletor de classe é o.class, então receberá o fundo VERMELHO e a cor PRETA. A letra D irá receber apenas as cores do estilo de h2, então será cor azul e sublinhado. A letra E receberá o estilo do id y e da classe z. Texto Cor Fonte Cor Fundo Sublinhado a) A Padrão Azul (blue) Sim b) B Padrão Azul (blue) Não c) C Preto (black) Vermelho (red) Sim d) D Preto (black) Vermelho (red) Não e) E Azul (blue) Verde (green) Sim

58 Usabilidade, Acessibilidade, Interoperabilidade em sistemas web

59 Usabilidade Propriedade que um produto possui quando pode ser utilizado por seus usuários de forma que eles atinjam seus objetivos com eficiência e satisfação. Jakob Nielsen é o analista de usabilidade mais conhecido. 10 heurísticas de Nielsen (10 itens para avaliação de usabilidade em um site) 1. Feedback (Visibilidade de Status do Sistema) A interface deve sempre informar ao usuário o que está sendo feito, fornecendo um feedback constante. 2. Falar a Linguagem do Usuário A terminologia deve ser baseada na linguagem do usuário e não do sistema, com informações organizadas conforme modelo mental do usuário 3. Liberdade e Controle do Usuário Usuário deve poder desfazer ou refazer a ação no sistema e retornar ao ponto anterior. 4. Consistência Um mesmo comando deve ter sempre o mesmo efeito, apresentada e formatada da mesma maneira para facilitar o reconhecimento. 5. Previnir Erros Evitar situações de erro, como por exemplo alertar sobre ações definitivas que possam ser tomadas

60 Usabilidade 6. Minimizar Sobrecarga de Memória do Usuário O sistema deve mostrar elementos de diálogos e permitir que o usuário faça suas escolhas sem precisar se recordar de um comando específico. 7. Atalhos Usuários mais experientes devem ser capazes de executarem as operações mais rapidamente através de abreviações, teclas de função, clique do mouse entre outros. 8. Diálogos simples e naturais Elementos de diálogo devem evitar mais informações do que o usuário precisa saber e devem ocorrer apenas nos momentos necessários. 9. Boas Mensagens de Erro Linguagem clara e sem códigos, sem culpar o usuário ou tentar intimidá-lo com o erro, devendo indicar uma solução ou uma saída construtiva. 10. Ajuda e Documentação Um bom software deve evitar ao máximo a necessidade de ajuda na utilização do sistema, mas mesmo assim, deve existir uma boa documentação e formas de auxiliar o usuário quando necessário.

61 Usabilidade O teste de usabilidade é uma técnica formal que pode envolver usuários representando a população alvo para aquele determinado sistema. Estes usuários são designados para desenvolver tarefas típicas e críticas havendo com isso uma coleta de dados para serem posteriormente analisados. A inspeção de usabilidade utiliza como base um conjunto de checklistspara verificar questões básicas referentes à usabilidade e registrar defeitos de usabilidade encontrados durante este processo.

62 Questão 11 - CESGRANRIO EPE - Analista de Gestão Corporativa - Tecnologia da Informação Um novo sistema de informação interno de uma empresa está sendo testado por um grupo restrito de usuários, fora do ambiente dos desenvolvedores. Isso caracteriza o teste a) de unidade. b) de usabilidade. c) alfa. d) beta. e) de stress.

63 Questão 11 - CESGRANRIO EPE - Analista de Gestão Corporativa - Tecnologia da Informação Um novo sistema de informação interno de uma empresa está sendo testado por um grupo restrito de usuários, fora do ambiente dos desenvolvedores. Isso caracteriza o teste a) de unidade. testes em componentes individuais - menor unidade de teste b) de usabilidade. Testes de usabilidade precisam ser fora do ambiente dos desenvolvedores? Esta informando o tipo de teste? c) alfa. teste realizado no ambiente do desenvolvedor d) beta. caracterizado por ser realizado fora do ambiente do desenvolvedor e) de stress. verificar o limite funcional de um software

64 Questão 12 - CESGRANRIO ELETROBRÁS - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software O presidente de uma empresa solicita um novo sistema de informação e pede atenção para que o sistema possua uma interface intuitiva e muito fácil de utilizar. Durante o desenvolvimento desse sistema, o tipo de teste que deve ser realizado com redobrada atenção é o de a) stress. b) destruição. c) desempenho. d) segurança. e) usabilidade.

65 Questão 12 - CESGRANRIO ELETROBRÁS - Analista de Sistemas Júnior - Engenharia de Software O presidente de uma empresa solicita um novo sistema de informação e pede atenção para que o sistema possua uma interface intuitiva e muito fácil de utilizar. Durante o desenvolvimento desse sistema, o tipo de teste que deve ser realizado com redobrada atenção é o de a) stress. verificar limite operacional b) destruição. -? c) desempenho. verificar desempenho d) segurança. verificar segurança e) usabilidade.

66 Questão 13 - CESGRANRIO BACEN - Analista do Banco Central - Área 1 Uma empresa, contratada para desenvolver uma aplicação standalone de análise financeira, deve utilizar um manual de orientações para construção da interface gráfica dessa aplicação. De acordo com as heurísticas de Nielsen, qual é a orientação INCORRETA apresentada nesse manual? a) Um mesmo comando deve provocar efeitos distintos, de acordo com o nível do usuário. b) Os usuários devem ser informados sobre o que estão fazendo, com feedback imediato. c) Os diálogos devem conter somente informações relevantes e necessárias. d) A terminologia deve ser baseada na linguagem do usuário e não orientada ao sistema. e) A interface deve ter convenções que não sejam ambíguas.

67 Questão 13 - CESGRANRIO BACEN - Analista do Banco Central - Área 1 Uma empresa, contratada para desenvolver uma aplicação standalone de análise financeira, deve utilizar um manual de orientações para construção da interface gráfica dessa aplicação. De acordo com as heurísticas de Nielsen, qual é a orientação INCORRETA apresentada nesse manual? a) Um mesmo comando deve provocar efeitos distintos, de acordo com o nível do usuário. b) Os usuários devem ser informados sobre o que estão fazendo, com feedback imediato. Feedback c) Os diálogos devem conter somente informações relevantes e necessárias. Diálogos simples d) A terminologia deve ser baseada na linguagem do usuário e não orientada ao sistema. Falar a linguagem do usuário e) A interface deve ter convenções que não sejam ambíguas. Consistência

68 Questão 14 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios Assinale a opção que NÃO expressa um princípio de projeto de interface com o usuário. a) Reduzir a demanda de memória de curto prazo do usuário. b) Basear o layout visual em uma metáfora do mundo real. c) Permitir que a interação com o usuário seja interruptível e possa ser desfeita (undo). d) Estabelecer defaults (para escolhas e preenchimento de formulários) que façam sentido para o usuário. e) Mostrar informações completas a priori, permitindo que o usuário reduza o nível de detalhe se desejar.

69 Questão 14 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios Assinale a opção que NÃO expressa um princípio de projeto de interface com o usuário. a) Reduzir a demanda de memória de curto prazo do usuário. Minimizar Sobrecarga de Memória do Usuário b) Basear o layout visual em uma metáfora do mundo real. Pressman define que o layout visual da interface deve se basear na metáfora do mundo real. Intuitividade. c) Permitir que a interação com o usuário seja interruptível e possa ser desfeita (undo). Controle do usuário d) Estabelecer defaults (para escolhas e preenchimento de formulários) que façam sentido para o usuário. Segundo Pressman, deve-se estabelecer defaults significativos e) Mostrar informações completas a priori, permitindo que o usuário reduza o nível de detalhe se desejar. Segundo Nielsen, deve-se apresentar exatamente a informação que o usuário precisa, no momento em que precisa.

70 Questão 15 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios Nos testes de usabilidade de um sistema Web, foi definido um conjunto de tarefas a serem realizadas nesse sistema, assim como foi selecionado um conjunto de potenciais usuários para realizar essas tarefas. É atribuição dos membros da equipe de desenvolvimento do sistema Web, que aplica os testes, a) assegurar que os usuários que realizam as diversas tarefas tenham o mesmo nível de experiência na realização das tarefas e já tenham sido treinados no uso do sistema. b) solicitar aos usuários o uso do menor número de comandos possível para realizar cada tarefa, no caso de haver mais de uma maneira de realizá-la. c) instruir aos usuários que permaneçam em silêncio durante a realização das tarefas, para que o conhecimento de seu modelo mental não influencie nos resultados dos testes. d) usar os tempos e as taxas de sucesso coletados na realização de cada tarefa para posterior geração de relatórios com resultados dos testes. e) apresentar os casos de uso do sistema aos usuários, para que indiquem inconsistências entre os casos apresentados e a interface gráfica correspondente.

71 Questão 15 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios Nos testes de usabilidade de um sistema Web, foi definido um conjunto de tarefas a serem realizadas nesse sistema, assim como foi selecionado um conjunto de potenciais usuários para realizar essas tarefas. É atribuição dos membros da equipe de desenvolvimento do sistema Web, que aplica os testes, a) assegurar que os usuários que realizam as diversas tarefas tenham o mesmo nível de experiência na realização das tarefas e já tenham sido treinados no uso do sistema. b) solicitar aos usuários o uso do menor número de comandos possível para realizar cada tarefa, no caso de haver mais de uma maneira de realizá-la. c) instruir aos usuários que permaneçam em silêncio durante a realização das tarefas, para que o conhecimento de seu modelo mental não influencie nos resultados dos testes. d) usar os tempos e as taxas de sucesso coletados na realização de cada tarefa para posterior geração de relatórios com resultados dos testes. e) apresentar os casos de uso do sistema aos usuários, para que indiquem inconsistências entre os casos apresentados e a interface gráfica correspondente.

72 Acessibilidade Recomendações: 1. Fornecer alternativas equivalentes ao conteúdo sonoro e visual 2. Não recorrer apenas à cor (podem causar confusão) 3. Utilizar corretamente marcações e folhas de estilo 4. Indicar claramente qual o idioma utilizado (html lang="código do idioma ) 5. Criar tabelas passíveis de transformação harmoniosa (pelos navegadores que irão lê-las) 6. Assegurar que as páginas dotadas de novas tecnologias sejam transformadas harmoniosamente 7. Assegurar o controle do usuário sobre as alterações temporais do conteúdo 8. Assegurar a acessibilidade direta de interfaces do usuário integradas 9. Projetar páginas considerando a independência de dispositivos (não criar atalhos ou tabindex por exemplo) 10. Utilizar soluções de transição (não faça transição sem avisar ao usuário) 11. Utilizar tecnologias e recomendações do W3C 12. Fornecer informações de contexto e orientações 13. Fornecer mecanismos de navegação claros 14. Assegurar a clareza e a simplicidade dos documentos

73 Questão 16 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios A User Agent Accessibility Guidelines 2.0 (UAAG 2.0) é parte de uma série de boas práticas sobre acessibilidade publicada pelo W3C Web Accessibility Initiative (WAI) e preconiza que web sites devem ser acessíveis para pessoas portadoras de necessidades especiais. Qual das alternativas a seguir está de acordo com a construção de sistemas Web mais acessíveis para uma faixa maior de pessoas com tais necessidades? a) Usar código em JavaScript no lado cliente para implementar a navegação entre páginas HTML. b) Usar cores para enfatizar elementos em partes menos visíveis de uma página HTML. c) Restringir o conteúdo alternativo ao mínimo possível na construção das páginas HTML. d) Testar o acesso às páginas HTML em um navegador (browser) com acesso em modo textual. e) Organizar tabelas das páginas HTML para que cada tabela possa ser lida em uma coluna por vez.

74 Questão 16 - CESGRANRIO Petrobrás - Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócios A User Agent Accessibility Guidelines 2.0 (UAAG 2.0) é parte de uma série de boas práticas sobre acessibilidade publicada pelo W3C Web Accessibility Initiative (WAI) e preconiza que web sites devem ser acessíveis para pessoas portadoras de necessidades especiais. Qual das alternativas a seguir está de acordo com a construção de sistemas Web mais acessíveis para uma faixa maior de pessoas com tais necessidades? a) Usar código em JavaScript no lado cliente para implementar a navegação entre páginas HTML. Navegadores de modo textual podem ter problemas para interpretar o javascript b) Usar cores para enfatizar elementos em partes menos visíveis de uma página HTML. Pode tornar poluída a interface c) Restringir o conteúdo alternativo ao mínimo possível na construção das páginas HTML. Uma recomendação é a de fornecer alternativas ao conteúdo sonoro e visual, já que não se sabe a deficiência do usuário d) Testar o acesso às páginas HTML em um navegador (browser) com acesso em modo textual. e) Organizar tabelas das páginas HTML para que cada tabela possa ser lida em uma coluna por vez. A utilização de tabelas não é recomendado para layout de páginas pois estas interferem nos leitores de tela

75 Interoperabilidade Web Services Registro dos Serviços Diretório com as informações sobre os serviços. Provedor de Serviço Responsável pela descrição e publicação de um determinado serviço web no registro dos serviços. Consumidor Responsável por descobrir, obter a descrição e utilizar o serviço.

76 SOAP (Simple Object Access Protocol) Protocolo para a troca de informações estruturadas em uma plataforma descentralizada e distribuída. Indepentente de implementação específica. Possibilita comunicação entre processos diferentes, construídos em linguagens diferentes. Baseado em XML

77 ESTRUTURA SOAP Mensagem SOAP é composta por: Envelope = Elemento raiz. Contém declarações de namespaces e define o documento XML como uma mensagem SOAP Header = contém informação de controle e processamento (autenticação por exemplo) Body = contém informação da chamada ou da resposta da mensgem

78

79 WSDL (Web Service Description Language) Linguagem baseada em XML utilizada para descrever Web Services. Funciona como um contrato do serviço. Além de descrever o serviço, especifica como acessá-lo e quais as operações ou métodos disponíveis.

80 ESTRUTURA DO WSDL Parte Abstrata descreve a interface do serviço Parte Concreta define o protocolo e o endereço aonde o serviço será localizado Elementos <types> <message> <porttype> <binding> Descrição Especifica os tipos de dados trocados Descreve as mensagens que são trocadas entre o serviço e o consumidor Conjunto de operações suportadas pelo serviço Detalhes de como as mensagens serão transmitidas

81

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Exercícios Aula 2 BR 2013

Exercícios Aula 2 BR 2013 Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade,

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Módulo 11 A Web e seus aplicativos

Módulo 11 A Web e seus aplicativos Módulo 11 A Web e seus aplicativos Até a década de 90, a internet era utilizada por acadêmicos, pesquisadores e estudantes universitários para a transferência de arquivos e o envio de correios eletrônicos.

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Cursos Livros Fórum Simulados Blog Materiais Turmas em Brasília, na sua cidade,

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer.

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer. Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer Rogério Araújo Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceitos básicos,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

QUEM FEZ O TRABALHO?

QUEM FEZ O TRABALHO? Introdução a Linguagem HTML: Conceitos Básicos e Estrutura ANA PAULAALVES DE LIMA 1 QUEM FEZ O TRABALHO? Com as tagsaprendidas hoje, faça uma página HTML sobre você com as seguintes informações: Seu nome

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

A Estrutura de um Web Service

A Estrutura de um Web Service A Estrutura de um Web Service Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo Atualmente, o Serviço Web é a solução mais utilizada para integração entre sistemas, pois apresenta vantagens

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação.

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. Em XML, os tags não são pré-definidos. Temos de definir os nossos tags. XML utiliza um Document

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional)

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional) WS-* Desenvolvimento 1 Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas a outros web services [IBM] são componentes de software com

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível

SIEP / RENAPI. Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento. de um Site/Portal Acessível SIEP / RENAPI Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Setembro de 2009 Dicas HTML e CSS para Desenvolvimento de um Site/Portal Acessível Cuidados em geral Separar adequadamente

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta.

INTERNET OUTLOOK. 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. Prof. Júlio César S. Ramos P á g i n a 1 INTERNET OUTLOOK 1. Considerando os conceitos e os modos de navegação na Internet, assinale a opção correta. A O Outlook Express permite criar grupo de pessoas

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online (GRH) Acessar o sistema pelo site: http://www.sdas.org.br/ Acessar o sistema com o Usuário: 9999 e Senha: PMG52 Será disponibilizado o ambiente

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

Web Design Aula 13: Introdução a CSS

Web Design Aula 13: Introdução a CSS Web Design Aula 13: Introdução a CSS Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Você lembra que HTML e XHTML são linguagens de marcação? Para organizar melhor o visual das páginas

Leia mais

MÓDULO 1 - xhtml Básico

MÓDULO 1 - xhtml Básico MÓDULO 1 - xhtml Básico 1. Introdução xhtml significa Extensible Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação Hipertextual Extensível) e é a linguagem de descrição de documentos usada na World Wide

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Felippe Scheidt IFPR Campus Foz do Iguaçu 2014/2 Objetivo. O objetivo da disciplina é conhecer os princípios da programação de

Leia mais

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com

www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com SERVIÇOS DE REDES DE COMPUTADORES Prof. Victor Guimarães Pinheiro/victor.tecnologo@gmail.com www.victorpinheiro.jimdo.com www.victorpinheiro.jimdo.com Modelo TCP/IP É o protocolo mais usado da atualidade

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico).

FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). FERRAMENTAS DE EMAIL Usada para visualizar emails (correio eletrônico). CLIENTE DE EMAIL - OUTLOOK (Microsoft Office). - Outlook Express (Windows). - Mozilla Thunderbird (Soft Livre). - Eudora. - IncredMail.

Leia mais

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho.

3. Explique o motivo pelo qual os protocolos UDP e TCP acrescentam a informação das portas (TSAP) de origem e de destino em seu cabeçalho. Entregue três questões de cada prova. Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição?

4. Qual seria o impacto da escolha de uma chave que possua letras repetidas em uma cifra de transposição? Prova de 2011-02 1. Descreva duas maneiras de estabelecer uma conexão entre processos na camada de transporte sem o conhecimento da porta (TSAP) ao qual o servidor remoto esteja associado. 2. Estabelecer

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

Teleprocessamento e Redes

Teleprocessamento e Redes Teleprocessamento e Redes Aula 21: 06 de julho de 2010 1 2 3 (RFC 959) Sumário Aplicação de transferência de arquivos de/para um host remoto O usuário deve prover login/senha O usa duas conexões TCP em

Leia mais

LISTA DE QUESTÕES. HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014

LISTA DE QUESTÕES. HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014 LISTA DE QUESTÕES HTML, CSS, XML e Web Services BANCA FCC CONCURSO TRT 2014 Professor: Lúcio Camilo Email: luciocamilo@gmail.com QUESTÕES - TECNOLOGIAS DE INTERNET Questão 01 FCC - 2013 - TRT - 12ª Região

Leia mais

XML. na gestão de informações. Helder da Rocha Consultor. Integração total de negócios usando XML. Integração total de negócios usando XML

XML. na gestão de informações. Helder da Rocha Consultor. Integração total de negócios usando XML. Integração total de negócios usando XML Integração total de negócios usando XML Integração total de negócios usando XML São Paulo, 08 de maio de 2002 XML na gestão de informações Helder da Rocha Consultor 1 Objetivos Responder às questões Como

Leia mais

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho

Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Disciplina de Redes de Computadores Estudo Dirigido para a Prova II Professor Dr Windson Viana de Carvalho Obs: Não há necessidade de entregar a lista Questões do livro base (Kurose) Questões Problemas

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

Temas para a Primeira Avalição

Temas para a Primeira Avalição Temas 1. Envio de E-Mail Anônimo Quando um usuário deseja enviar uma mensagem de correio eletrônico pela Internet, ele utiliza um programa cliente Simple Mail Transfer Protocol (SMTP), tal como o Thunderbird,

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

Web Services XML SOAP WSDL UDDI Desenvolvimento Informações Adicionais 1 Web Services Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Principais tecnologias front-end HTML CSS JAVASCRIPT AJAX JQUERY FLASH JAVA APPLET Linguagens que executam no cliente HTML

Leia mais

P.V. Descrição Ocorrências Linhas

P.V. Descrição Ocorrências Linhas Relatório da URL: http://www.cultura.gov.br Erros Prioridade. 22 36 37 38 39 40 45 46 50 53 59 63 32 33 369 39 395 459 460 472 473 474 476.6 Assegurar a acessibilidade do conteúdo de frames, fornecendo

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata

CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata CSS CSS é a abreviatura para Cascading Style Sheets Folhas de Estilo em Cascata CSS é uma linguagem para estilos (formatação) que define o layout de documentos HTML. CSS controla fontes, cores, margens,

Leia mais