Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias"

Transcrição

1 TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca Acessibilidade Web em Bibliotecas Digitais Universitárias RESUMO CUSIN, C. A. 1 VIDOTTI, S. A. B. G. 2 Este trabalho trata dos aspectos tecnológicos para proporcionar acessibilidade web em bibliotecas digitais universitárias para usuários cegos e com baixa visão. Para tanto, tem-se num primeiro momento o conceito de biblioteca digital e acessibilidade web, sua importância, quais órgãos regulamentam a acessibilidade web e a importância da web nesse cenário; posteriormente, os impactos da acessibilidade web na inclusão informacional e digital, o trabalho do Governo Brasileiro frente a isso, o papel da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) no acesso a informação, os problemas enfrentados pelos usuários cegos e com baixa visão e quais são os componentes e guias para proporcionar acessibilidade web como uma saída para o acesso ao conteúdo informacional das bibliotecas digitais universitárias. Palavras-chave: Acessibilidade Web. Bibliotecas Digitais. Inclusão. Cego. Baixa Visão. ABSTRACT This work deals with the technological aspects to provide web accessibility in university digital libraries for blind users and low vision. For both, has been a first time the concept of digital library and web accessibility, its importance, which the governing bodies and the importance of web accessibility web that scenario, then, the impact of web accessibility to information and digital inclusion, the work of Brazilian government towards that, the role of the Information and Communication Technology (ICT) access to information, the problems faced by users blind and low vision, what are the components and guides to provide web accessibility as an outlet for access to informational content of university digital libraries. Keywords: Web Accessibility. Digital Libraries. Inclusion. Blind. Low Vision.

2 2 1 INTRODUÇÃO As Bibliotecas Digitais são sistemas de informação que propiciam criação, gestão, distribuição e preservação de fontes complexas de informação. Seu objetivo é permitir uma interação eficaz e eficiente dos usuários que se beneficiam do seu conteúdo e serviços. Para que se possa atingir o grau desejado de satisfação do usuário não pode-se ignorar a acessibilidade web. A Acessibilidade Web significa que pessoas com necessidades especiais podem usar a Internet (HENRY, 2005a). Mais especificamente, acessibilidade web significa que pessoas com necessidades especiais podem perceber entender, navegar, interagir na Internet, e que eles podem contribuir para a web. Acessibilidade web trás também outros benefícios, inclusive para pessoas com mais idade em que suas capacidades e habilidades se modificam devido aos danos do envelhecimento, que podem ser temporárias ou crônicas. Por questões de delimitação do tema, este artigo trata especificamente das necessidades especiais dos usuários cegos e com baixa visão (BV) no acesso a conteúdos informacionais em Bibliotecas Digitais, suas necessidades e dificuldades de acesso. Propõe-se uma web acessível com o objetivo de tornar o conteúdo informacional disponível a todos, independente de necessidades especiais. Tim Berners-Lee; diretor do World Wide Web Consortium (W3C); afirma que o poder da web está na sua universalidade. O acesso a todos independentemente de necessidades especiais é um aspecto essencial (BERNERS-LEE, 2008). Shawn Lawton Henry trabalha na promoção da acessibilidade para as pessoas com necessidades especiais no Web Accessibility Initiative (WAI) e afirma que espera que os web designers e os desenvolvedores entendam a importância da acessibilidade, e como a web acessível dá possibilidades surpreendentes a indivíduos com necessidades especiais, e também à sociedade como um todo (HENRY, 2008).

3 3 O WAI é um órgão do W3C que desenvolve estratégias, guidelines (guias) e recursos para tornar a web acessível a todas as pessoas com problemas relacionados à falta de acessibilidade (HENRY, 2007). É fato a natureza colaborativa da web e sua importância em facilitar a comunicação. É importante pensar, aperfeiçoar e expandir as questões técnicas e realçar a necessidade de considerar a acessibilidade do ponto de vista do desenvolvedor web e do usuário. Uma web tecnicamente inacessível é pouco provável que perdure ao longo do tempo. A meta da acessibilidade web é proporcionar aos desenvolvedores uma base concreta para a acessibilidade através do desenvolvimento de um conjunto de fatores associados a acessibilidade. A extensão do problema da acessibilidade pode ser confirmada pelo W3C que estima que mais de 90% dos sites são inacessíveis para os usuários com algum tipo de necessidade especial. (BOLDYREFF, 2002). Bailey e Burd (2006) confirmam a importância da web concluindo que ela se tornou um dos mais importantes métodos de comunicação em um período muito curto de tempo. O número e a variedade de serviços on-line têm aumentado consideravelmente, tais como: serviços bancários, de educação, de compras e do governo; todos têm agora presença on-line. Os usuários com necessidades especiais têm dificuldade em acessar os serviços presencialmente e devem ser capazes de fazer pleno uso desses novos serviços para tornar sua vida um pouco mais fácil. 2 INCLUSÃO INFORMACIONAL E DIGITAL Quando se fala em Acessibilidade Web, vêem à tona dois temas não menos importantes: a Inclusão Informacional e Digital. A Acessibilidade Web é um fator propulsor da Inclusão Informacional e Digital na medida em que proporciona igualdade de acesso aos usuários, incluindo assim os usuários com necessidades especiais. Inclusão Informacional é a capacidade acessar, buscar, avaliar, usar e recriar a informação com responsabilidade social, apropriando-se dos processos e

4 4 conteúdos disponibilizados através, ou não, das tecnologias de informação. Já a Inclusão Digital dá-se pela consciência política de se ampliar o uso das tecnologias da informação na transição para a Sociedade da Informação (AUN, 2007). A expressão Sociedade da Informação refere-se a um modo de desenvolvimento social e econômico, em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação desempenham um papel central na atividade econômica, na geração de novos conhecimentos, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida e satisfação das necessidades dos cidadãos e das suas práticas culturais (ALBAGLI, 2000). Para Aun (2007), a Sociedade da Informação é aquela com pleno acesso e capacidade de utilização da informação e do conhecimento para a sua qualidade de vida, desenvolvimento individual e coletivo. Porém, Aun (2007) reflete quanto ao despreparo para acessar e usar informações eletrônicas, a falta da Competência Informacional. Competência Informacional é um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes que capacitam e permitem aos indivíduos interagir de forma efetiva com a informação, seja para a resolução de problemas, a tomada de decisões ou o aprendizado ao longo da vida. Os projetos de inclusão digital não devem apenas ensinar a utilizar máquinas. O cidadão não deve ser habilitado apenas para o acesso, mas também para prover conteúdos relacionados à sua realidade (AUN, 2007). O fato é que a inclusão; seja ela qual for; não se limita a ter acesso a informações. Consiste na aquisição e construção de diferentes tipos de conhecimentos, competências e habilidades (ALBAGLI; MACIEL, 2004). Constata-se então a importância da Competência Informacional na era da Sociedade da Informação para proporcionar a Inclusão Informacional e Digital e melhorar o acesso às bibliotecas digitais universitárias. Mostra-se mais uma vez a relevância e a necessidade de uma web acessível.

5 5 3 A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) exercem um papel fundamental na acessibilidade web, na inclusão informacional e digital, atuando como base para a prospecção dos mesmos. De acordo com Aun (2007), para uma maior ou menor universalização das TIC, cinco fatores são considerados determinantes: 1. existência de infra-estrutura física de transmissão; 2. disponibilidade de equipamento / conexão de acesso; 3. treinamento para uso dos instrumentos o computador e Internet; 4. capacitação intelectual e inserção social do usuário, produto da profissão, do nível educacional e intelectual e de sua rede social, que determina o aproveitamento efetivo da informação e das necessidades de comunicação pela Internet; 5. produção e uso de conteúdos específicos adequados às necessidades dos diversos segmentos da população. Conforme Albagli e Maciel (2004), a importância da informação e do conhecimento no mundo contemporâneo tem sido usualmente associada ao uso das TIC. Aun (2007) concorda e questiona o papel do governo brasileiro frente à inclusão informacional e digital através do uso das TIC, afirmando que o governo brasileiro ainda privilegia apenas a tecnologia pelo fascínio que ela exerce sobre as pessoas e grupos, sem um olhar crítico que contemple a educação. Prova disso é que a Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Digital é coordenada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia, desvinculado assim da educação e que pela lógica deveria ser coordenado pelo Ministério da Educação. Albagli (2007) reforça os questionamentos de Aun (2007) alegando a necessidade da clara distinção entre acesso à informação, acesso à tecnologia e acesso ao conhecimento. Ela afirma que o acesso às tecnologias tem dominado a

6 6 agenda política pela bandeira da inclusão digital; porém; Albagli (2007) ressalta que é preciso questionar até que ponto o acesso a equipamentos de informática viabiliza o acesso a informações e conhecimentos. É preciso considerar outras dimensões quanto à produção coletiva de conhecimentos propiciada pelas novas TIC: as dimensões tecnológica, social, econômica e institucional. Dimensões essas por vezes contraditórias (ALBAGLI, 2007). As TIC por si só demonstram não ser condição suficiente para garantir benefícios ao conjunto dos segmentos sociais, países e regiões (ALBAGLI, 2006). Aun (2007) lembra da importância da informação ressaltando que a informação que gera riqueza é a que é transformada em conhecimento, [...] a informação é um instrumento pelo qual o sujeito social pode conquistar e exercer a sua cidadania. Albagli (2006) reforça que informação e conhecimento são socialmente moldados e constituem elementos importantes no binômio inclusão-exclusão social. Propiciar às pessoas a fluência tecnológica significa utilizar criticamente a tecnologia da informação e comunicação com os objetivos de alavancar a aprendizagem significativa, autônoma e contínua, mobilizar o exercício da cidadania, oportunizar a produção de conhecimentos necessários à melhoria das condições de vida das pessoas e da sociedade e apoiar a criação e organização de nós da rede de relações comunicativas na qual todos possam se conectar (AUN, 2007). 4 O USUÁRIO CEGO E COM BAIXA VISÃO Muitas soluções de acessibilidade beneficiam tanto usuários com ou sem problemas relacionados à acessibilidade como usuários com necessidades especiais. Por exemplo, suporte da produção de discurso beneficia não só os usuários cegos ou com baixa visão, mas também usuários de web cujos olhos estão ocupados com outras tarefas; legendas do áudio beneficiam não só usuários surdos,

7 7 mas também aumentam a eficiência de indexação e procura do conteúdo auditivo em web sites (BREWER, 2005). Existem usuários com os mais diferentes tipos de dificuldades de acesso, dentre os motivos destacam-se (WCAG, 1999): Dificuldade de ouvir, mover-se, ou podem não ser capazes de processar alguns tipos da informação facilmente ou em absoluto; Dificuldade de ler ou compreender um texto; Dificuldades para usar um teclado ou mouse; Podem ter uma tela só de texto, uma tela pequena ou uma conexão de Internet lenta; Dificuldades em falar ou entender a língua na qual o documento é escrito; Podem estar em uma situação onde os seus olhos, as orelhas, ou as mãos estão ocupados ou impedidos (dirigindo para trabalhar, trabalhando em um ambiente barulhento etc.); Podem ter uma primeira versão de um browser, um browser diferente, um browser de voz, ou um sistema operacional diferente. Este artigo trata especificamente das necessidades especiais dos usuários cegos e com BV por uma questão de delimitação de tema, haja vista a importância e o grau de profundidade do mesmo. A cegueira é a perda total da visão, até a ausência de projeção de luz (SEESP/MEC, 2004). Para acessar a web, muitas pessoas cegas usam tecnologias assistivas, tais como: leitores de tela - software que lê o texto na tela - e sintetizadores de voz. Outras usam browsers baseados em texto (Lince), ou browsers de voz em vez de um browser de interface gráfica junto com leitores de tela. Os exemplos de principais problemas que os cegos podem encontrar na web incluem (BREWER, 2005):

8 8 Imagens que não têm texto alternativo; As imagens complexas (gráficos ou diagramas) que não são apropriadamente descritos; O vídeo que não é descrito em texto ou áudio; Tabelas que não fazem sentido quando lidas em série (célula por célula); Frames que não têm alternativas NOFRAME ; Documentos fora dos padrões que dificultam o trabalho do leitor de tela. Baixa Visão (BV) é a alteração da capacidade funcional da visão, decorrente de inúmeros fatores isolados ou associados, tais como: baixa acuidade visual significativa, redução importante do campo visual, alterações corticais e/ou de sensibilidade aos contrastes, que interferem ou que limitam o desempenho visual do indivíduo. A perda da função visual pode se dar em nível severo, moderado ou leve, podendo ser influenciada também por fatores ambientais inadequados (SEESP/MEC, 2004). Para usar a web, algumas pessoas com BV usam monitores maiores e aumentam o tamanho de fontes e de imagens. Outros usam ampliadores de tela ou software de aumento de tela. Algumas pessoas usam combinações específicas de texto e cores de fundo, como uma fonte amarela brilhante de 24 pontos em um contexto preto, ou escolhem certos estilos de caracteres que são especialmente legíveis para as suas determinadas exigências de visão. Os principais problemas que as pessoas com BV podem encontrar na web incluem (BREWER, 2005): As páginas web com tamanhos de fonte absolutos que não se modificam (alargam ou reduzem) facilmente; As páginas web que, por causa do layout inconsistente, são difíceis de navegar quando alargado, devido à perda do contexto circundante;

9 9 As páginas web, ou imagens em páginas web, que têm o contraste pobre, e cujo contraste não pode ser facilmente modificado pelo usuário, ignoram de folhas de estilo do autor. 5 COMPONENTES PARA ACESSIBILIDADE WEB A acessibilidade web depende do relacionamento entre diferentes componentes e como o aperfeiçoamento de componentes específicos pode melhorar substancialmente a acessibilidade (HENRY, 2006). É essencial que diferentes componentes do desenvolvimento e da interação web se relacionem entre si com o objetivo de tornar a web acessível às pessoas com necessidades especiais. Estes componentes abrangem: Conteúdo - que a informação em uma aplicação web ou web site, tenha: informação natural com texto, imagens e sons; código ou linguagem de marcação que definam a sua estrutura, apresentação etc. Browsers web, players e outros agentes do usuário ; Tecnologias assistivas, em alguns casos leitores de tela, teclados alternativos etc.; O conhecimento dos usuários, experiências; Desenvolvimento - participação de designers, programadores, autores, etc. no desenvolvimento do web site, inclusive com a participação de pessoas com necessidades especiais e usuários que possam contribuir para o conteúdo; Softwares para criar web sites (Authoring Tools); Ferramentas de avaliação/validação da acessibilidade web (Evaluation Tools), HTML Validator (validador das linguagens de marcação HyperText Markup Language (HTML)) e extensible HyperText Markup

10 10 Language (XHTML), CSS Validator (validador da Cascading Style Sheets (CSS) - folhas de estilo) etc. Os desenvolvedores geralmente utilizam softwares (authoring tools) para desenvolver conteúdos web e usam ferramentas de avaliação/validação (evaluation tools) para criar web sites. Os usuários utilizam os browsers, players, tecnologias assistivas, ou outros agentes do usuário para captar e interagir com o conteúdo web. O W3C e a WAI desenvolveram os Web Accessibility Guidelines (Guias para Acessibilidade Web) para diferentes componentes (Figura 1) (HENRY, 2006). Figura 1 Guias para Acessibilidade Web (HENRY, 2006). Os Desenvolvedores (Developers) se baseiam nos Guias de Acessibilidade (Accessibility Guidelines) e usam as Especificações Técnicas (Technical Specifications) para produzir ou implementar a Acessibilidade Web nas mais variadas ambiências digitais, tais como Bibliotecas Digitais e Sites em geral. Os Guias para Acessibilidade Web foram desenvolvidos pensando em tornar o Conteúdo (Content) disponível e com acessibilidade; para tanto; foram elaborados Guias de Acessibilidade e as Especificações Técnicas para os Desenvolvedores e Usuários (Users). Dada a importância dos Guias para Acessibilidade Web, faz-se necessário uma explanação mais detalhada sobre cada componente.

11 11 O lado do Desenvolvimento, bem como o do Usuário, dispõe de Guias de Acessibilidade e Especificações Técnicas, explicadas respectivamente a seguir: Guias de Acessibilidade: Authoring Tool Accessibility Guidelines (ATAG): fornece orientações para desenvolvedores que usam as authoring tools. O seu duplo objetivo é ajudar os desenvolvedores a projetar sites que produzam conteúdos web acessíveis e a criar uma interface acessível (ATAG, 2000). Web Content Accessibility Guidelines (WCAG): suas diretrizes explicam como tornar o conteúdo web acessível a pessoas com necessidades especiais. Destina-se a todos que disponibilizam conteúdo web (autores e criadores de sites) e aos desenvolvedores que fazem uso das authoring tools (WCAG, 1999). Especificações Técnicas: HTML: é uma linguagem de marcação e é língua de publicação da World Wide Web (WWW). Esta especificação do HTML 4.01, que sobrepõe o HTML 4, trás como fator adicional além do texto, recursos para opções multimídia, linguagens de script, folhas de estilo, facilidades de impressão e permite mais opções de recursos para acessibilidade (HTML, 1999). extensible Markup Language (XML): é um subconjunto do Standard Generalized Markup Language (SGML); padrão que também habilita o uso do HTML. Seu objetivo é permitir que os SGML genéricos possam ser acessados, recebidos e processados na web via HTML. XML foi projetado para a facilidade de implementação e de interoperabilidade tanto com SGML quanto com HTML (XML, 2006). CSS: é um mecanismo de folha de estilo que permite que desenvolvedores e usuários possam anexar estilo (fontes, cores e espaçamento etc.) a documentos HTML (CSS, 1999). O lado do Usuário, tal como o do Desenvolvedor, para alcançar a Acessibilidade faz uso de Guias e Especificações Técnicas:

12 12 Guias de Acessibilidade: User Agent Accessibility Guidelines (UAAG): fornece orientações para os agentes do usuário reduzirem as barreiras à acessibilidade web para pessoas com necessidades especiais, sejam elas quais forem (visuais, auditivas, físicas, cognitivas e neurológicas) (UAAG, 2002). Especificações Técnicas: Scalable Vector Graphics (SVG): é uma linguagem para a descrição de gráficos bidimensionais em XML. Permite três tipos de objetos gráficos: gráficos vetoriais (caminhos compostos por linhas retas e curvas), imagens e texto. Objetos gráficos podem ser agrupados, ter estilo, transformados e compostos se renderizados anteriormente (SVG, 2003). Synchronized Multimedia Integration Language (SMIL): define uma linguagem baseada em XML que permite a escrita de apresentações multimídia interativas. Com o SMIL, é possível descrever o comportamento temporal de uma apresentação multimídia, hyperlinks, a associação de objetos e de descrever o layout da apresentação na tela (SMIL, 2005). 6 CONCLUSÕES Os aspectos tecnológicos são muitos e importantes, pois, é com base nesses aspectos que se pode garantir a satisfação do usuário no acesso às bibliotecas digitais universitárias. A acessibilidade web auxilia nesse processo fazendo uso das TIC para garantir o acesso de pessoas com necessidades especiais, em especial, neste artigo, os usuários cegos e com baixa visão. O interessante é que as mesmas soluções tecnológicas para esse tipo de necessidade especial atendem muitas outras pessoas com outras necessidades especiais, sejam elas, temporárias ou permanentes e também em outros ambientes, não se restringindo ao acesso as bibliotecas digitais universitárias. A Internet se mostra com um dos melhores meios de comunicação em massa, e a acessibilidade a todo esse

13 13 conteúdo informacional é um direito de todo cidadão garantido por lei. Este artigo contemplou formas de se executar esse direito via tecnologia. Ainda falta muita coisa para que o acesso à informação aconteça efetivamente e de forma correta e justa. As ferramentas necessárias para a acessibilidade web estão disponíveis e acessíveis aos desenvolvedores, resta-lhes, fazer bom uso das mesmas. A acessibilidade web pode e deve ser levada em conta em todo o processo de tornar a informação acessível. Ainda há muito que ser feito de todas as partes: os usuários reivindicando os seus direitos, os browsers com mais recursos, os desenvolvedores se sensibilizando e posteriormente, se conscientizando e aplicando os recursos de acessibilidade, fazendo assim, o ciclo da implementação. REFERÊNCIAS ALBAGLI, Sarita. Conhecimento, inclusão social e desenvolvimento local. Inclusão Social. Vol. 1, N 2 (2006). Disponível em: <http://www.ibict.br/revistainclusaosocial/include/getdoc.php?id=148&article=27&mo de=pdf>. Acesso em: 24 abr Construindo a sociedade da informação no Brasil: uma nova agenda. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação - v.1 n.5 out/00. ARTIGO 02. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/out00/art_02.htm>. Acesso em: 24 abr Sociedade da Informação e do Conhecimento: desafios teóricos e empíricos. Liinc em Revista. Vol. 3, N 1 (2007). Disponível em: <http://www.ibict.br/liinc/include/getdoc.php?id=160&article=38&mode=pdf>. Acesso em: 24 abr ALBAGLI, Sarita; MACIEL, Maria Lucia. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ci. Inf., Dez 2004, vol.33, no.3, p ISSN Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 abr ATAG. Authoring Tool Accessibility Guidelines Disponível em: <http://www.w3.org/tr/atag10/>. Acesso em 01 jun AUN, Marta Pinheiro (Coord.) et al. Observatório da Inclusão Digital: descrição e avaliação dos indicadores adotados nos programas governamentais de infoinclusão. Belo Horizonte: Orion, p. ISBN:

14 14 BAILEY, John; BURD, Elizabeth. What is the current state of Web Accessibility? WSE. Proceedings of the Eighth IEEE International Symposium on Web Site Evolution. Pages: ISBN ~ ISSN: ~ Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/iel5/ / / pdf?tp=&arnumber= &isnumber= >. Acesso em: 09 abr BERNERS-LEE, Tim. Web Accessibility Initiative (WAI) Disponível em: <http://www.w3.org/wai/>. Acesso em: 01 jun BOLDYREFF, Cornelia. Determination and Evaluation of Web Accessibility. WETICE. Proceedings of the 11th IEEE International Workshops on Enabling Technologies: Infrastructure for Collaborative Enterprises. Pages: ISBN: X Disponível em: <http://ieeexplore.ieee.org/iel5/8006/22131/ pdf?tp=&arnumber= &i snumber=22131>. Acesso em: 08 abr BREWER, Judy. How People with Disabilities Use the Web. Working-Group Internal Draft Disponível em: <http://www.w3.org/wai/eo/drafts/pwd-use- Web/>. Acesso em 07 mar CSS. Cascading Style Sheets, level Disponível em: <http://www.w3.org/tr/css1>. Acesso em 01 jun HENRY, Shawn Lawton e participantes do Education and Outreach Working Group (EOWG). Introduction to Web Accessibility. W3C/WAI World Wide Web Consortium / Web Accessibility Initiative. 2005a. Disponível em: <http://www.w3.org/wai/intro/accessibility.php>. Acesso em 25 fev HENRY, Shawn Lawton. Introduction to Inaccessibility of CAPTCHA. 2005b. Disponível em: <http://www.w3.org/wai/intro/captcha.php>. Acesso em: 28 maio Essential Components of Web Accessibility. W3C/WAI - World Wide Web Consortium / Web Accessibility Initiative Disponível em: <http://www.w3.org/wai/intro/components.php>. Acesso em 02 maio WAI Resources on Introducing Web Accessibility. W3C/WAI World Wide Web Consortium / Web Accessibility Initiative Disponível em: <http://www.w3.org/wai/gettingstarted/overview.html>. Acesso em 25 fev About Shawn. UIAccess Disponível em: <http://www.uiaccess.com/profile.html>. Acesso em: 01 jun HTML. HTML 4.01 Specification Disponível em: <http://www.w3.org/tr/html401/>. Acesso em: 01 jun MAY, Matt. Inaccessibility of CAPTCHA: Alternatives to Visual Turing Tests on the Web Disponível em: <http://www.w3.org/tr/turingtest/>. Acesso em: 28 maio 2008.

15 15 SEESP/MEC. Desenvolvendo Competências para o Atendimento às Necessidades Educacionais de Alunos Cegos e de Alunos com Baixa Visão. Série: Saberes e Práticas da Inclusão Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial: Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/cegos%20e%20bv.pdf>. Acesso em 19 fev SMIL. Synchronized Multimedia Integration Language (SMIL 2.1) Disponível em: <http://www.w3.org/tr/2005/rec-smil />. Acesso em 01 jun SVG. Scalable Vector Graphics (SVG) 1.1 Specification Disponível em: <http://www.w3.org/tr/svg11/>. Acesso em 01 jun UAAG. User Agent Accessibility Guidelines Disponível em: <http://www.w3.org/tr/uaag10/>. Acesso em 01 jun WCAG. Web Content Accessibility Guidelines Disponível em: <http://www.w3.org/tr/wai-webcontent/>. Acesso em 01 jun WCAGCL. Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Conformance Logos Disponível em: <http://www.w3.org/wai/wcag1-conformance.html>. Acesso em: 28 maio XML. Extensible Markup Language (XML) 1.0 (Fourth Edition) Disponível em: <http://www.w3.org/tr/2006/rec-xml />. Acesso em 01 jun Cesar Augusto Cusin, PPGCI, UNESP, Marília e Faculdades Integradas de Itararé, 2 Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti, PPGCI, UNESP, Marília,

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO Timóteo Moreira Tangarife, Cláudia Mont Alvão Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces LEUI Programa

Leia mais

DIRETRIZES DE ACESSIBILIDADE DIGITAL EM WEBSITES: arquitetura da informação para infoinclusão

DIRETRIZES DE ACESSIBILIDADE DIGITAL EM WEBSITES: arquitetura da informação para infoinclusão VIII ENANCIB Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação 28 a 31 de outubro de 2007 Salvador Bahia Brasil GT 5 Política e Economia da Informação Comunicação oral DIRETRIZES DE ACESSIBILIDADE

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface

Interface BVS-Site. Arquiteturta e Personalização da Interface Interface BVS-Site Arquiteturta e Personalização da Interface Julio Takayama takayama@bireme.ops-oms.org Desenho Gráfico e Interfaces DGI-GA BIREME/PAHO/WHO Tópicos Arquitetura da BVS Modelo de Interfaces

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Inclusão digital via acessibilidade web

Inclusão digital via acessibilidade web Inclusão digital via acessibilidade web Cesar Augusto Cusin * Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti ** Resumo A natureza atual da web, que destaca a participação colaborativa dos usuários em diversos

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web

5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web 171 5 Diretrizes e recomendações para promover a acessibilidade web Atualmente existem vários documentos internacionais que propõem regras,

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Conceitos e Importância Projeto e desenvolvimento de Web acessível Acessibilidade É o processo e as técnicas usadas para criar

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL?

PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL? PADRÃO DAISY 3 ou NORMA ANSI/NISO Z39.86-2002 SOLUÇÃO UNIVERSAL? Ana Isabel B. B. Paraguay - Faculdade de Saúde Pública/USP - São Paulo Lêda Lúcia Spelta DATAPREV Rio de Janeiro - RJ Miriam Hitomi Simofusa

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB

AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DOUGLAS SEVERO SILVEIRA AVALIANDO E PROPONDO AMPLIAÇÃO DE ACESSIBILIDADE EM SISTEMA WEB Trabalho

Leia mais

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2 A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1 Roberta Lucas SCATOLIM 2 RESUMO A Interação Humano - Computador permite a avaliação e solução de problemas

Leia mais

Accessed : 18-Sep-2015 22:55:16

Accessed : 18-Sep-2015 22:55:16 Acessibilidade web em ambientes informacionais digitais: o olhar da ciência da informação Author(s: Published by: Persistent URL: DOI: Cusin, Cesar Augusto; Vidotti, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos

Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos 10 Edição-2015 Análise do formato semanal do AVEA Moodle utilizando o padrão WCAG 2.0 para alunos cegos Eduardo Dalcin¹, Ana Cláudia Pavão Siluk² ¹Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação

Acessibilidade Introdução. M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade Introdução M. Cecília C. Baranauskas Instituto de Computação Acessibilidade - Demo Esta parte é baseada no video em http://www.doit.wisc.edu/accessibility/video Liste os principais problemas

Leia mais

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com

Adaptação de materiais digitais. Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Adaptação de materiais digitais Manuela Francisco manuela.amado@gmail.com Plano da sessão Tópicos Duração Documentos acessíveis: porquê e para quem. Diretrizes de acessibilidade Navegabilidade, legibilidade

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0

Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 Oficina: ASES 2.0 Beta 6.0 André Luiz Andrade Rezende ¹ ¹Rede de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (RENAPI) Doutorando em Educação e Contemporaneidade (UNEB) Estes slides são concedidos sob uma

Leia mais

ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL

ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL ELEMENTOS DE ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES INFORMACIONAIS DIGITAIS: BIBLIOTECAS DIGITAIS E INCLUSÃO SOCIAL CORRADI, J. A. M. 1 julianeped@hotmail.com VIDOTTI, S. A. B. G. 2 vidotti@marilia.unesp.br Programa

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL

REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL REFLEXÕES SOBRE ACESSIBILIDADE DIGITAL Professora do CEFET-SP Mestre em Educação Este artigo tem por finalidade rejletir sobre a importância da acessibilidade digitalfrente aos avanços da tecnologia da

Leia mais

Mitos da Acessibilidade Web

Mitos da Acessibilidade Web SAPO Codebits 2008 Magda Joana Silva magdajoanasilva@gmail.com Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com limitações Acessibilidade Web igualdade de acesso a Web sites a pessoas com

Leia mais

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS

ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS ESTUDO DA ADERÊNCIA AOS PADRÕES WEB DOS 26 SÍTIOS DOS MINISTÉRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS STUDY OF ADHERENCE TO STANDARDS OF WEB SITES OF 26 STATE GOVERNMENT MINISTRIES Alexandre Galvão Leite 1 (1) Pós-Graduando,

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

Unidade 13: Acessibilidade de OA

Unidade 13: Acessibilidade de OA Autoria: Braga, Juliana Cristina; França, Roberta Kelly A. de; Ponchio, Rita A... Estamos na fase final do processo INTERA, é importante que as etapas onde se trabalham as qualidades técnicas e pedagógicas

Leia mais

Uso de Padrões W3C no Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Matemáticos: Possibilidades, Dificuldades e Perspectivas

Uso de Padrões W3C no Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Matemáticos: Possibilidades, Dificuldades e Perspectivas Uso de Padrões W3C no Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Matemáticos: Possibilidades, Dificuldades e Perspectivas Leila Laís Gonçalves 1,2, Ademar Crotti Junior 1,2, Evânio Ramos Nicoleit 1,2 1

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

A TECNOLOGIA PROMOVENDO A INCLUSÃO DE PESSOAS CEGAS NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA

A TECNOLOGIA PROMOVENDO A INCLUSÃO DE PESSOAS CEGAS NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA 1 A TECNOLOGIA PROMOVENDO A INCLUSÃO DE PESSOAS CEGAS NO ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA 05/2005 038-TC-C3 Graziela Naspolini Delpizzo Universidade do Estado de Santa Catarina graziela@virtual.udesc.br Marcilene

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

W3C Escritório Brasil. 2009 Plano de Atividades

W3C Escritório Brasil. 2009 Plano de Atividades W3C Escritório Brasil 2009 Plano de Atividades Escritório Brasil O Escritório Brasil do W3C é parte da estratégia de ações do Comitê Gestor da Internet no Brasil no cumprimento de suas atribuições: a proposição

Leia mais

HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis

HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis HATEMILE: A biblioteca para gerar páginas web mais acessíveis Carlson Santana Cruz, Carlos A. Estombelo-Montesco Departamento de Computação (DCOMP) Universidade Federal de Sergipe (UFS) São Cristóvão,

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

HTML5 E SUAS NOVIDADES

HTML5 E SUAS NOVIDADES HTML5 E SUAS NOVIDADES Gabrie Dalla Porta 1, Julio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil gabrieldallap@gmail.com, juliocesarp@gmail.com Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM WEBSITES GOVERNAMENTAIS NA ÁREA PREVIDENCIÁRIA DIOGO CAMBRAIA NUNES

ACESSIBILIDADE EM WEBSITES GOVERNAMENTAIS NA ÁREA PREVIDENCIÁRIA DIOGO CAMBRAIA NUNES ACESSIBILIDADE EM WEBSITES GOVERNAMENTAIS NA ÁREA PREVIDENCIÁRIA DIOGO CAMBRAIA NUNES Porto Alegre 2008 DIOGO CAMBRAIA NUNES ACESSIBILIDADE EM WEBSITES GOVERNAMENTAIS NA ÁREA PREVIDENCIÁRIA Trabalho de

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março

Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Acessibilidade na Web Cesár Bomfim Brasília 15 de Março Avaliação Passos para Site Acessível -Seguir padrões Web; -Seguir as diretrizes e recomendações de acessibilidade; -Realizar avaliação de acessibilidade.

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Estudo sobre acessibilidade em CMS

Estudo sobre acessibilidade em CMS Estudo sobre acessibilidade em CMS Matheus Ricardo Uihara Zingarelli Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC Universidade de São Paulo São Carlos São Paulo - Brasil zinga@icmc.usp.br Resumo.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO Câmpus Santa Helena Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos Prof. Me. Arlete

Leia mais

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA ACESSIBILIDADE INFORMACIONAL: alunos com deficiência visual na Universidade Federal do Rio Grande do Norte MELO, E. S. F. de. (Universidade

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros

Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Barreiras tecnológicas de acesso aos museus on-line brasileiros Carla da Silva Flor, Mestranda - Universidade Federal de Santa Catarina carla.flor@gmail.com Tarcísio Vanzin, Dr. - Universidade Federal

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 3º EMENTA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE ENSINO Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi -97110-767

Leia mais

+Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web

+Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web +Acesso Ferramenta para análise da Acessibilidade em sítios Web P.A. Alves 1 y R.A. Esteves 2 1 Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Bragança, http://www.estig.ipb.pt/homepages/palves

Leia mais

ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS

ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS ACESSIBILIDADE DIGITAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM ACCESSIBILITY IN DIGITAL VIRTUAL LEARNING ENVIRONMENTS Siony da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP

Leia mais

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem?

Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 1 Projeto Inclusivo de Sítios: Por quê? Para quem? 05/2008 Ana Isabel Bruzzi Bezerra Paraguay Faculdade de Saúde Pública / USP anaparaguay@gmail.com Miriam Hitomi Simofusa SERPRO - miriamhs@gmail.com Augusto

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot. Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.com/ 2 Agenda Conceitos Acessibilidade Web Cenários Estudos de

Leia mais

O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes. O que torna a Web interessante?? Qual o desafio?? Usuários detestam...

O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes. O que torna a Web interessante?? Qual o desafio?? Usuários detestam... O que torna a Web interessante?? Web Design: Visão Geral e Diretrizes??? Interação Usuário-Computador (SCE-224) Prof. Rudinei Goularte O que torna a Web interessante?? Informação não-linear Textos + Gráficos

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Especialização em Desenvolvimento de Sistemas para Web Acessibilidade em sites de bibliotecas universitárias públicas do

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS (IAAV) Coordenador: Professor Doutor António Quintas Mendes Formadora: Mestre Manuela Francisco Índice 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Teste rveras@unip.br Aula 11 Agenda Usabilidade Compatibilidade Validação Resolução de tela Velocidade de carregação Acessibilidade Testes Nesta etapa do projeto do web site

Leia mais

Introdução à Multimídia

Introdução à Multimídia Sistemas Multimídia - Aula 01 Introdução à Multimídia Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Curso de Ciência da Computação

Leia mais

BIBLIOTECARIOS: DESAFIOS FRENTE A ACESSIBILIDADE DOS DEFICIENTES VISUAIS NAS BIBLIOTECAS VIRTUAIS

BIBLIOTECARIOS: DESAFIOS FRENTE A ACESSIBILIDADE DOS DEFICIENTES VISUAIS NAS BIBLIOTECAS VIRTUAIS BIBLIOTECARIOS: DESAFIOS FRENTE A ACESSIBILIDADE DOS DEFICIENTES VISUAIS NAS BIBLIOTECAS VIRTUAIS RESUMO Profª. Mariza Inês da Silva Pinheiro Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

e-mag Modelo Brasileiro de Acessibilidade em Governo Eletrônico

e-mag Modelo Brasileiro de Acessibilidade em Governo Eletrônico e-mag Modelo Brasileiro de Acessibilidade em Governo Eletrônico Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ae-MAG

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN

DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN DESCRITIVO TÉCNICO WEB DESIGN 17 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta ocupação na Competição.

Leia mais

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites

Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Procedimentos para a análise de acessibilidade de sites Agebson Rocha Façanha, Renato Busatto Figueiredo, Phyllipe do Carmo Félix Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) Campus

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Histórico e Características Índice 1 JAVASCRIPT... 2 1.1 Histórico... 2 1.2 Aplicações de JavaScript... 2 a) Interatividade... 2 b) Validação de formulários... 2

Leia mais

JOOMLA! PARA INICIANTES

JOOMLA! PARA INICIANTES JOOMLA! PARA INICIANTES Djonatan Buss (UFPel) Jerônimo Median Madruga (UFPel) RESUMO: A disseminação da internet no mundo ocasionou uma explosão na procura de ferramentas para criação de conteúdo online.

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas

Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Estudo Prospectivo da Aderência aos Padrões Web dos 27 sítios das Assembleias Legislativas Prospective Study of Adherence to Standards of the 27 Web sites of the Legislative Assemblies Galvão, Alexandre;

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM - MT CUIABÁ. Amanda Correa da Silva Augusto Cesar de Paula Junior Dayenny Cristina de Almeida Gonçalves

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM - MT CUIABÁ. Amanda Correa da Silva Augusto Cesar de Paula Junior Dayenny Cristina de Almeida Gonçalves SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM - MT CUIABÁ Amanda Correa da Silva Augusto Cesar de Paula Junior Dayenny Cristina de Almeida Gonçalves SISTEMA DE MONITORIA CUIABÁ/MT 2014 Amanda Correa da Silva

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i

A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NO PLANEJAMENTO DE AMBIENTES DIGITAIS INCLUSIVOS i Raimunda Fernanda dos Santos Aluna de Graduação em Biblioteconomia da UFRN/Natal/RN-Brasil nanda_florania@hotmail.com

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis

Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis Desenvolvimento de Aplicações Web Acessíveis Lucinéia Souza Maia, Marcelo A. Santos Turine, Débora M. Barroso Paiva Departamento de Computação e Estatística Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS)

Leia mais

APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE USABILIDADE EM FERRAMENTA DE INCLUSÃO DE CONTEÚDOS ACESSÍVEIS NO MOODLE PARA CEGOS

APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE USABILIDADE EM FERRAMENTA DE INCLUSÃO DE CONTEÚDOS ACESSÍVEIS NO MOODLE PARA CEGOS APLICAÇÃO DE CRITÉRIOS DE USABILIDADE EM FERRAMENTA DE INCLUSÃO DE CONTEÚDOS ACESSÍVEIS NO MOODLE PARA CEGOS APPLICATION OF USABILITY CRITERIA ON THE TOOL OF INCLUSION OF ACCESSIBLE CONTENT ON MOODLE FOR

Leia mais

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Ricardo Alexandre G. C. Martins, José Carlos Ramalho, and Pedro Rangel Henriques \{ram,jcr,prh\}@di.uminho.pt Departamento de Informática

Leia mais

Informática na Educação Especial

Informática na Educação Especial Informática na Educação Especial Ciência da Computação Informática na Educação Educação Psicologia Sociologia... Profª. Dr ª. Márcia de Borba Campos - marciabc@inf.pucrs.br Profª. Dr ª. Milene Selbach

Leia mais

Métrica para Acessibilidade em Software usando Análise de Pontos de Função

Métrica para Acessibilidade em Software usando Análise de Pontos de Função Métrica para Acessibilidade em Software usando Análise de Pontos de Função Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Henrique Specht de Souza Monteiro Orientador: Prof. ELIANE MARIA LOIOLA

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais