Responsabilidade Técnica e Social dos Engenheiros Agrônomos na Produção de Alimento Seguro. Antonio Roque Dechen ESALQ/USP Fundação Agrisus CCAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Responsabilidade Técnica e Social dos Engenheiros Agrônomos na Produção de Alimento Seguro. Antonio Roque Dechen ESALQ/USP Fundação Agrisus CCAS"

Transcrição

1 Responsabilidade Técnica e Social dos Engenheiros Agrônomos na Produção de Alimento Seguro. Antonio Roque Dechen ESALQ/USP Fundação Agrisus CCAS Porto Alegre, 25 de junho de 2015

2 EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA

3 EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA

4 EVOLUÇÃO AGRICULTURA PRISTLEY (1775) Descobriu o O2 Plantas eliminam O2 INGENHOUSZ (1776) Influência da luz sobre as trocas gasosas. Somente em presença da luz há eliminação de O 2. 4

5 HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS PRIMEIRO PERÍODO (350 AC) ARISTÓTELES: Teoria Humística A planta é um animal invertido (fica com a boca no solo). Plantas alimentam-se do humus, após a morte Retornam ao humus. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS

6 PRISTLEY (1775) Descobriu o O2 Plantas eliminam O2 INGENHOUSZ (1776) Influência da luz sobre as trocas gasosas. Somente em presença da luz há eliminação de O 2. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS 6

7 PRISTLEY (1775) Descobriu o O2 Plantas eliminam O2 INGENHOUSZ (1776) Influência da luz sobre as trocas gasosas. Somente em presença da luz há eliminação de O 2. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS 7

8 HISTÓRIA DA NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS QUARTO PERÍODO LIEBIG (1840) A química agrícola e sua aplicação na agricultura e fisiologia. 1)Elementos minerais não estão casualmente presentes nas plantas, mas necessários. 2)Plantas necessitam de 10 elementos (C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S e Fe). Todos com exceção do C, H, O provém do solo. 3)Espécies diferentes necessitam de quantidades diferentes dos elementos. 4)Alguns solos são deficientes em alguns elementos que podem ser corrigidos através da adubação. 5)Húmus não é utilizado pelas plantas, mas é fonte de nutrição das mesmas.

9 LIEBIG (1840) A química agrícola e sua aplicação na agricultura e fisiologia.

10 Justus Von Liebig Eu sei muito bem que a maioria dos Agricultores acreditam que sua maneira de fazer é a melhor e que suas terras jamais deixarão de dar frutos. É está doce ilusão que escondeu das populações a relação que existe entre a fertilidade do solo e seu futuro e que fez nascer a indiferença e a incúria que demonstram a esse respeito

11 Justus Von Liebig Tem sido assim entre todos os povos que foram instrumentos de sua própria ruína, e não há sabedoria política que possa proteger os estados europeus de um destino semelhante, se os governos e os povos fecharem seus olhos para sintomas de empobrecimento dos campos, e se continuarem surdos aos avisos de ciência e da historia. Liebig, 1862

12 Entre 1876 e 1883 foram plantados 105 milhões de novos pés de café na região de Campinas, fazendo com que esta região produzisse em 1886 um total de 15% de todo o café produzido em São Paulo.

13 No Brasil Inauguração Escola Imperial de Agronomia da Bahia; 1887 Fundação do Instituto Agronômico, em Campinas; 1890 Inauguração da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, em Pelotas;

14 Como era a Agricultura Brasileira nessa época Como era a Agricultura Brasileira sem os Engenheiros Agrônomos.

15 Escolas de Agronomia no Brasil até 1951 (11) INSTITUIÇÃO LOCALIZAÇÃO INÍCIO UFBA Cruz das Almas - BA 1877 UFPel Pelotas RS 1890 UFRGS Porto Alegre - RS 1900 ESALQ Piracicaba SP 1901 UFLA Lavras MG 1908 UFRRJ Rio de Janeiro RJ 1911 UFC Fortaleza CE 1918 UFPR Curitiba PR 1918 UFRPE Recife PE 1919 UFV Viçosa MG 1928 FCAP Belém - PA 1951

16 O Solo é a Pátria,cultivá-lo é engrandecê-la Arthur Torres Filho

17

18 No Brasil Fundação da Universidade de São Paulo; Fundação do sistema CONFEA-CREA 11

19 No Brasil Fundação da SBCS, no Rio de Janeiro; 1955 a 1978 IBEC Research em Matão-SP; 1960 Fundação da ABEAS 1973 Fundação da Embrapa

20 No Brasil ESCOLAS DE AGRONOMIA ESCOLAS DE AGRONOMIA 2015 PRÓXIMO DE 400

21 BRASIL : AGRICULTURA JOVEM ENSINO 138 ANOS : EM FOI CRIADA A IMPERIAL ESCOLA AGRICOLA DA BAHIA (IEAB), HOJE UFRB (CRUZ DAS ALMAS) EM IMPERIAL ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E DE AGRICULTURA PRÁTICA DE PELOTAS, RS PRIMEIRA TURMA DE PELOTAS (José Vaz Bento e Victor Leivaz) 1915 PRIMEIRA AGRÔNOMA DO BRASIL: MARIA EULÁLIA DA COSTA EM ESCOLA AGRÍCOLA PRÁTICA DE PIRACICABA, QUE PASSOU A TER O NOME DE ESALQ EM PRIMEIRO CONGRESSO DE AGRÔNOMIA DO RIO GRANDE DO SUL

22 BRASIL : AGRICULTURA JOVEM PESQUISA 127 ANOS: IAC: 128 ANOS ( ) EMBRAPA: 42 ANOS ( )

23 Entre 1876 e 1883 foram plantados 105 milhões de pés de café na região de Campinas.

24 Primeiro Diretor do Instituto Agronômico, 1887 FRANZ WILHELM DAFERT, alemão, discípulo de Liebig MISSÃO DE DAFERT: GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA PAULISTA

25 Justus von Liebig A sustentabilidade de um agroecosistema depende da habilidade do agricultor em manter a produtividade do solo Liebig, 1862

26 Conceito de Sustentabilidade HOJE é a utilização de recursos para atender às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras em atender às suas próprias necessidades. conceito desenvolvido no Relatório Brundtland em 1987 e difundido a partir da Rio 92

27 O Solo é a Pátria, cultivá-lo e conservá-lo é engrandecê-la e garante a sustentabilidade e a vida Revista O SOLO, 1910

28 PRODUTIVIDADE SUSTENTÁVEL DE CULTURAS

29 LEI DO MÍNIMO

30 ANÁLISE DE SOLO E PLANTAS APROVEITAMENTO DO POTENCIAL GENÉTICO DAS PLANTAS FATORES SÓCIO- ECONÔMICOS FAVORÁVEIS PARA O PRODUTOR EVITAR OU MINIMIZAR DEFICIÊNCIAS HÍDRICAS MANEJO DA ACIDEZ DO SOLO E SALINIDADE ADOÇÃO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO ADEQUADO USO DE ROTAÇÃO DE CULTURAS PREPARO ADEQUADO DO SOLO SISTEMA INTEGRADO DE MANEJO DE NUTRIENTES NA PLANTA CONTROLE DE ALELOPATIA ESPAÇAMENTO E DENSIDADE ADEQUADOS USO ADEQUADO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS E FERTILIZANTES INORGÂNICOS MANTER NÍVEL ADEQUADO DE MO CONTROLE DA EROSÃO DO SOLO CONTROLE DE DOENÇAS, INSETOS E PLANTAS DANINHAS PRODUTIVIDADE SUSTENTÁVEL DE CULTURAS E OTIMIZAÇÃO DO USO EFICIENTE DE NUTRIENTES NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS

31 ANÁLISE DE SOLO E PLANTAS ADOÇÃO DE UM SISTEMA DE PRODUÇÃO ADEQUADO PREPARO ADEQUADO DO SOLO ESPAÇAMENTO E DENSDADE ADEQUADOS ESPAÇAMENTO E DENSIDADE ADEQUADOS USO ADEQUADO DE FERTIZANTES E RESÍDUOS ORGÂNICOS USO ADEQUADO DE FERTIZANTES MANTER NÍVEL ADEQUADO DE MO CONTROLE DE DOENÇAS, INSETOS E PLANTAS DANINHAS CONTROLE DE DOENÇAS, INSETOS E PLANTAS DANINHAS CONTROLE DE ALELOPATIA USO DE DE ROTAÇÃO DE DE CULTURAS MANEJO DA ACIDEZ DO SOLO E SALINIDADE EVITAR OU MINIMIZAR DEFICIÊNCIAS HÍDRICAS EVITAR OU MINIMIZAR DEFICIÊNCIAS HÍDRICAS PRODUTIVIDADE SUSTENTÁVEL DE CULTURAS E OTIMIZAÇÃO DO USO EFICIENTE DE NUTRIENTES FATORES SÓCIO-ECONÔMICOS NUTRIENTES FATORES SÓCIO-ECONÔMICOS APROVEITAMENTO DO POTENCIAL GENÉTICO DAS PLANTAS CONTROLE DA EROSÃO DO SOLO Lucio Symphronio SVPGRAF ESALQ/USP ANÁLISE DE ADOÇÃO DE UM SISTEMA CONTROLE DE SOLO USO PREPARO E ADEQUADO PLANTAS CONTROLE ESPAÇAMENTO ADEQUADO MANTER FERTILIZANTES O DOENÇAS, NÍVEL DE PRODUÇÃO E DENSIDADE DO SOLO ADEQUADO CONTROLE USO MANEJO EVITAR DE INSETOS ROTAÇÃO DE APROVEITAMENTO DA OU FATORES ACIDEZ EROSÃO MINIMIZAR DO SOLO E RESÍDUOS ADEQUADO E PLANTAS ADEQUADOS ORGÂNICOS DANINHAS ALELOPATIA DO MO DE DEFICIÊNCIAS SOLO CULTURAS SÓCIO-ECONÔMICOS E SALINIDADE DO POTENCIAL HÍDRICAS GENÉTICO DAS PLANTAS

32 Produção de Tubérculos de Batatinha (kg/ha), Ensaio de Aplicação de Micronutrientes, Pindamonhangaba, SP (Gangantini et al.,1970). TRATAMENTO kg/ha TESTEMUNHA NPK NPK + Mo NPK + B NPK + B + Mo NPK = kg/ha B = 20 kg/ha Mo = 0,5 kg DE Mo DE SÓDIO

33 Produção de Grãos de Arroz (IAC 25), Zinco no Solo e na Folha, em Função da Aplicação de Cobalto e Micronutrientes num Latossolo Vermelho-Escuro Argiloso de Planaltina, (Galrão, 1984) TRATAMENTOS GRÃOS (kg ha -1 ) SOLO (1) (mg kg -1 ) FOLHAS (mg kg -1 ) Completo A 2,1 A 20,7 AB Omissão de B A 2,5 A 18,4 B Omissão de Co A 2,2 A 20,1 AB Omissão de Cu A 2,2 A 20,0 AB Omissão de Fe A 2,1 A 17,8 B Omissão de Mn A 2,3 A 23,0 A Omissão de Mo A 2,4 A 21,0 AB Omissão de Zn 118 B 0,4 B 7,6 C Cv(%) 22,7 16,0 12,3 (1) Extrator de Mehlich 1 (HCl 0,05 N + H 2 SO 4 0,025 N)

34 CICLO DE PRODUÇÃO

35 ESQUEMA SIMPLIFICADO DA PRODUÇÃO DE SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS NAS PLANTAS (BERGMANN & NEUBERT, 1976) COMPONENTES DE FORMAÇÃO TRANSFORMAÇÕES ENERGÉTICAS ACUMULADORES DE ENERGIA FATORES CLIMÁTICOS CO 2 TEMPERATURA LUZ OUTRAS RADIAÇÕES (4% DA ENERGIA SOLAR É APROVEITADA) FATORES DO SOLO FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS H 2 O MINERAIS N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cl, Cu, Fe, Mn, Mo, Zn, Ni FOTOS- SÍNTESE POTENCIAL GENÉTICO DAS PLANTAS REAÇÕES REVERSÍVEIS SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS MINERAIS H 2 O CO 2 ENERGIA RESPI- RAÇÃO Tecidos de Armazenamento RETORNO POR VIAS DIRETAS OU INDIRETAS (Bergmann & Neubert, 1976),Modificado DEON, 2006

36 Bioquímica Vegetal Sistema complexo de reações nas quais os elementos minerais são essenciais: Participam da composição, regulação e catálise; de tecidos, reações e produtos

37

38 Fotossíntese Respiração Assimilação de Nitrogênio

39 Bioquímica Vegetal Um exemplo: nutrientes nas reações da fotossíntese

40 Luz H 2 O CO 2 N, Fe, Mg NADP+ ADP ATP NADPH C. Calvin Protoheme Fe-N N, Fe N, Cu O 2 Mn, Estroma Zn, Cl, Ca CH 2 O Luz PSII Pheo +2H + Pq Complexo de citocromo Luz Pc PSI Fd N, Fe NADP redutase NADPH + 2H + Membrana do tilacóide Lume H 2 O O 2 +2H + CO 2 C. Calvin N, Mg K, Mg, P ATP sintase ADP H + ATP CH 2 O

41 Bioquímica Vegetal Problemas na nutrição mineral provocam reação em cadeia de prejuízos ao funcionamento do vegetal: Manifestação de sintomas

42 O ENGENHEIRO AGRÔNOMO DO INÍCIO DO SÉCULO XXI INSERIDO NUMA NOVA REALIDADE Formar profissionais e cidadãos para a Nação Existência de uma nova ordem Novo panorama energético Globalização e mudanças organizacionais O QUE ENVOLVE ESSA NOVA REALIDADE? Conjunturas nacional e internacional Regionalização Responsabilidade social Questão ambiental

43 COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL Formação básica sólida Comprometimento social e ecológico Identificar e resolver problemas Capacidade de aprender a aprender Habilidade de se atualizar Ética Criatividade Análise crítica Empreendedorismo

44 COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL Iniciativa Trabalho em equipe Comunicação Liderança Habilidades e qualidades pessoais Visão sistêmica Versatilidade Equilíbrio entre qualidade de vida e trabalho

45 ÁREAS DE ATUAÇÃO Agronegócio Agricultura familiar Cooperativas Empresas Ensino Pesquisa Extensão

46 ÁREAS DE ATUAÇÃO Reforma agrária Assessoramento técnico Movimentos sociais ONGs Planejamento estratégico Agroecologia Difusão tecnológica

47 NOVAS ÁREAS ESTRATÉGICAS Biotecnologia Energia (Biocombustíveis) Gestão pela Qualidade Informática Mecanização Logística

48 NOVAS ÁREAS ESTRATÉGICAS Empreendedorismo Agregação de valor Certificação e Rastreabilidade da Produção Certifição de Laboratórios (ISO 17025) Marketing Envolvimento com politicas públicas

49 CAMINHOS A PERCORRER Educação como bem público e não como serviço Percepção da função social da universidade pública Formação articulada ao desenvolvimento nacional Adequação às diretrizes curriculares Mudanças funcionais na universidade Atenção constante à relevância e excelência Integração com a região Execução de atividades de campo Cumprimento de estágios Promover mudanças efetivas nas bases conceituais respeitando as atribuições e habilidades do profissional

50 DESAFIOS LOGÍSTICA TRIBUTAÇÃO LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CRÉDITO E SEGURO RURAL

51 OPORTUNIDADES PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MERCADOS FUTUROS MERCADO INTERNO MERCADO DE CRÉDITO DE CARBONO

52 PERSPECTIVAS MERCADO INTERNO NOVOS MERCADOS EXTERNOS:. PAÍSES EMERGENTES E PERIFÉRICOS

53 ÁREAS DE PESQUISAS Fontes Alternativas de Energia Agroenergia Biologia celular e molecular Biotecnologia Commodities Agrícolas (CEPEA) Marcos Regulatórios das Cadeias Produtivas Controle Biológico Previsão da Produção Modelos de Simulação Agricultura Familiar Agricultura de Precisão Agronegócio e Agronegócio Familiar

54 Produção Animal Logística de Armazenamento e Transporte Agroecologia Agricultura Orgânica Ambiente Manejo de Faunas Silvestres Gerenciamento de Recursos e Resíduos Florestais Biomassa ÁREAS DE PESQUISAS

55 SUSTENTABILIDADE QUALIDADE DOS PRODUTOS PRODUTIVIDADE AGRICULTURA

56 SUSTENTABILIDADE THE TRIPLE BOTTOM LINE Econômico Social Ambiental Desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades Fonte: Relatório Brundtland, (ONU, 1987) 30

57 Principais conceitos Econômico Acionistas Mercado de capitais ONGs Órgãos Reguladores Uso racional dos recursos Capital Transparência Confiança Impostos, Dividendos Competitividade & Credibilidade Empresa Licenças Reputação Funcionários Clientes Fornecedores Associações ONGs Comunidade Órgãos reguladores Ambiental Recursos Sustentáveis Responsabilidade Social Social

58 ENGENHEIRO AGRÔNOMO O mundo não para por 5 anos esperando a formação de um Engenheiro Agrônomo. 39

59 QUANDO A GENTE PENSA QUE SABE TODAS AS RESPOSTAS VEM A VIDA E MUDA TODAS AS PERGUNTAS. 40

60 Em qualquer parte da Terra Um homem estará sempre plantando Recriando a Vida Recomeçando o Mundo. Cora Coralina

61 A Agricultura é uma Ciência e uma Arte Liebig, 1840

62 Nós Engenheiros Agrônomos, temos que mostrar a Sociedade que somos profissionais capazes de produzir com sustentabilidade e responsabilidade sócio ambiental. Este é o nosso tempo e é nosso o compromisso da construção do futuro e de contribuir para uma sociedade mais justa.

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática Nutrição mineral (, Ano lectivo de 2012) Por: Prof. Doutor Domingos

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO

FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS NO AGRONEGÓCIO 1. NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 2. DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 3. ABSORÇÃO FOLIAR E PRINCÍPIOS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década

Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Contribuições das Instituições Brasileiras de Ensino na Formação e Capacitação em Patologia de Sementes na Última Década Norimar D Ávila Denardin Carlos Alberto Forcelini XIX - CONGRESSO BRASILEIRO DE

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR

Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Curso de Qualificação Profissional: AGROECOLOGIA E AGRICULTURA FAMILIAR Justificativa: A agricultura familiar é responsável por parte considerável da produção agrícola do país, abastecendo principalmente

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Textos Complementares

Textos Complementares ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti Textos Complementares Pós-Graduação: Produção científica volumosa

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas?

O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? 6º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas O Papel da Petrobras Biocombustível no Futuro da Agroenergia Quais as Perspectivas? Gustavo Menezes Gonçalves, D.Sc. Engenheiro Agrônomo, PBIO/DAGRI Gerência

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL

ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL ROCHAGEM: UMA QUESTÃO DE SOBERANIA NACIONAL Suzi Huff Theodoro suzitheodoro@unb.br UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB CENTRO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - CDS BRASIL E OS FERTILIZANTES Em 2006 o Brasil

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

The basis of biosafety training in Brazil

The basis of biosafety training in Brazil Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Microbiologia, Imunologia e Parasitologia The basis of biosafety training in Brazil Edmundo C. Grisard, Ph.D. Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA. Carlos Clemente Cerri

EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA. Carlos Clemente Cerri EMISSÃO DE GASES DO EFEITO ESTUFA NA CAFEICULTURA Carlos Clemente Cerri Conteúdo Conceitos e Definições Aquecimento Global Potencial de aquecimento global Feedback Inventário dos GEE (Gases do Efeito Estufa)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS

ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS ZOOTECNIA - SEQUÊNCIA IDEAL DO CURSO E PRÉ-REQUISITOS 1º PERÍODO Obrigatória ou Carga Horária Anatomia dos Animais Domésticos Obrigatória 60 - Biologia geral animal Obrigatória 60 - Biologia geral vegetal

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2

FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 FLUXOGRAMA DO CURSO DE BACHARELADO EM MEDICINA VETERINÁRIA 2011.2 1 SEMESTRE DISCIPLINA TEORICA PRÁTICA C/H CR 1. Ecologia e Manejo Ambiental 60-60 04 2. Informática Básica 30-30 02 3. Sociologia Rural

Leia mais

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica E V A L D O F E R R E I R A V I L E L A E V A L D O V I L E L A @ G

Leia mais

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil

Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil Pagamento de Serviços Ambientais Contribuição do Programa MERCADO MATA ATLÂNTICA Reserva da Biosfera da Mata Atlântica - Brasil 1º Seminário Paulista de PSA- Novembro de 2009 - Clayton F. Lino A natureza

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES

CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES CURRICULUM VITAE TALES MILER SOARES PIRACICABA - SP, FEVEREIRO DE 2005. 1. DADOS PESSOAIS NOME: Tales Miler Soares FILIAÇÃO: Antônio Geraldo Soares e Maria Lourdes Soares NASCIMENTO: 18/11/1976 NATURALIDADE:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR DISCIPLINA: CI0906 FISIOLOGIA VEGETAL SEMESTRE: 2015.1 TRABALHO DE PESQUISA OBJETIVOS: Promover a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA

Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Fisiologia Vegetal CLASSIFICAÇÃO DOS VEGETAIS COM DE ACORDO COM A DISPONIBILIDADE ÁGUA Hidrófitas: vivem locais com muita disponibilidade de água Mesófitas: vivem em locais com disponibilidade média de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR EDITAL nº 18/2015 PPGA/UNICENTRO ABERTURA DE INSCRIÇÕES DE CANDIDATOS À MATRÍCULA EM DISCIPLINAS

Leia mais

A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO

A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO A ADMINISTAÇÃO RURAL E A AGRICULTURA DE PRECISÃO 1. ADMINISTRAÇÃO RURAL Odilio Sepulcri 1 Milton Satoshi Matsushita 2 A Administração Rural, em sua origem, no início do século XX, na Inglaterra e nos Estados

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE MODERNIZAÇÃO E PROGRAMAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET 7 INSTITUIÇÕES 370 GRUPOS REGIÃO NORTE - 8 INSTITUIÇÕES

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Certificação por Auditoria Olhar de cima

Certificação por Auditoria Olhar de cima Certificação por Auditoria Olhar de cima OCS VENDA DIRETA Produto orgânico para venda direta por agricultores familiares organizados não sujeito à certificação de acordo com a Lei n 10.831, de 23 de dezembro

Leia mais

Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil

Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil Tabela de Cursos de Mestrado e Doutorado no Brasil Universidade 1 Universidade Federal de UFRR Norte Agronomia http://www.posagro.ufrr.br/ 0 Roraima Desenvolvimento Regional da Amazônia http://www.necar.ufrr.br/index.php?

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Cursos 2.232 12,69 189,49. Matrículas 492.880 10,65 147,39. Vagas 244.629 12,88 191,25. Candidatos 696.072 10,83 139,22

Cursos 2.232 12,69 189,49. Matrículas 492.880 10,65 147,39. Vagas 244.629 12,88 191,25. Candidatos 696.072 10,83 139,22 Nº em 2010 Crescimento Período 2001/2010 Médio (%) Total (%) Nº em 2015 Cursos 2.232 12,69 189,49 Matrículas 492.880 10,65 147,39 Vagas 244.629 12,88 191,25 Candidatos 696.072 10,83 139,22 Ingressantes

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas

dezembro-2005 janeiro-2005 a Período: Programa de Fomento à Pós-Graduação - PROF Valor (R$ Mil) Valor (R$ Mil) Valor Total (R$ Mil) Bolsistas Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Número de Bolsistas e Valores Pagos (Médias), Segundo os Programas de Pós-Grad. Níveis: Mestrado

Leia mais

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013

Propostas de Cursos Novos 149 a Reunião CTC/ES 9 a 13 de setembro de 2013 Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes Diretoria de Avaliação - DAV Coordenação Geral de Avaliação e Acompanhamento - CGAA Propostas de

Leia mais

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES

A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES A EXO 2 - LISTA DE VAGAS - DOCE TES Campus Graduação na área de Artes Ministrar aulas em disciplinas relacionadas à área de Artes em geral. Desenvolver projetos e atividades extra-curriculares nas Artes

Leia mais

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 54 TEÓRICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 36. Natureza - OBRIGATÓRIA PRÁTICA 18. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO 01 VET101 - Anatomia Veterinária I - Ativa VET102 - Biologia Celular - Ativa desde: VET103 - Bioquímica e Biofísica - Ativa VET104 - Técnica Hospitalar - Ativa desde: VET105 -

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1

AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE BOTÂNICA DISCIPLINA DE FITOFISIOLOGIA AULA 4 Nutrição Mineral Parte 1 Marcelo Francisco Pompelli Nutrição Mineral Breve

Leia mais

Paulo G S Wadt Embrapa Acre

Paulo G S Wadt Embrapa Acre Análise foliar para recomendação de adubação em culturas agrícolas Paulo G S Wadt Embrapa Acre Análise Química de Solos funciona bem para muitos nutrientes importantes outros nutrientes podem ser fornecidos

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc

Mineração e Sustentabilidade Ambiental. Ricardo Santana Biólogo, MSc Mineração e Sustentabilidade Ambiental Ricardo Santana Biólogo, MSc Itinga, setembro de 2010 Itinga Mineração - Missão Transformar recursos minerais em riquezas e desenvolvimento sustentável Para nossos

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 4, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Zootecnia

Leia mais

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras

Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio. Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Aula 1a: Introdução à Administração do agronegócio Agronegócio Brasileiro: História, Cenário atual e perspectivas futuras Prospecção do conhecimento Defina agronegócio Cite, conforme seu conhecimento e

Leia mais

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO

EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO EXPERIMENTOTECA DE SOLOS POROSIDADE DO SOLO Maria Harumi Yoshioka (Acadêmica do Curso de Engenharia Florestal/UFPR) Marcelo Ricardo de Lima (Prof. Doutorando do DSEA/UFPR) ATENÇÃO: Copyright 2005 - Departamento

Leia mais

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada.

SENAI. Historia Criado em 1942, para apoiar o lançamento da indústria brasileira. Necessidade de mão-de-obra qualificada. SENAI Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Historia Criado

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS

GRADE CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS GRADE CURRICULAR DO CURSO DE BACHARELADO EM BIOTECNOLOGIA CAMPUS DE ARARAS PERFIL 1 215090 Física para 1 04 220612 Tópicos em Matemática I 04 220663 Introdução a 04 220671 Fundamentos de Química 04 220680

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA MUDANÇAS CLIMÁTICAS: VULNERABILIDADES NA AGRICULTURA 7 a ECOLATINA 16 a 19 de outubro de 2007 Belo Horizonte Luiz Cláudio Costa (l.costa@ufv.br) Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal

Leia mais