MODELAGEM ESTATÍSTICA DOS PRÊMIOS DE SEGURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELAGEM ESTATÍSTICA DOS PRÊMIOS DE SEGURO"

Transcrição

1 MODELAGEM ESTATÍSTICA DOS PRÊMIOS DE SEGURO Auores: Andréia C. O. Adami Douora em Economia Aplicada ESALQ/USP Pesquisadora do CEPEA Pós-douorado em Modelagem Esaísica e Precificação GESER/ESALQ/USP Vior Auguso Ozaki Prof. Dr. Escola Superior de Agriculura Luiz de Queiroz ESALQ/USP Coordenador do Grupo de Esudos em Seguros e Riscos GESER/ESALQ/USP TEMA: MERCADO DE SEGURO

2 RESUMO O Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural é um dos principais incenivos governamenais para o desenvolvimeno do seguro rural no país. Em geral, os recursos alocados ao programa são esimados no plano rienal do seguro rural (00-0) e orçados no ano anerior ao ano de exercício de acordo com os ineresses do governo. O problema é que desde 009, os recursos orçados são menores do que aqueles esimados no plano rienal desacelerando o desenvolvimeno do seguro. O esudo propõe o uso de meodologias esaísicas para prever o comporameno dos prêmios direos e com isso calcular o monane adequado de subvenção. Os resulados mosram que os valores alocados ao PSR, em 0, serão insuficienes para maner a endência de crescimeno do seguro rural. Ao conrário, o mercado irá sofrer um rerocesso siuando-se em valores menores que os de 009. Nesse senido, orna-se necessária uma suplemenação orçamenária ao programa, para o ano de 0, e um grande esforço políico para aumenar as doações orçamenárias ao PSR nos anos subseqüenes para eviar a esagnação do mercado e o desamparo de uma grande quanidade de produores frene às inempéries climáicas. Palavras-chave: subvenção, previsão, modelos lineares, modelos não lineares. ABSTRACT The Program for Rural Insurance Premium is he main governmen incenives o develop he rural insurance in he counry. In general, allocaed resources o he program are esimaed in he hreeyear plan (00-0), and budgeed in he preceden year exercise in according o he governmen ineres. Since 009, he budgeed resources are lower han hose esimaed in he hree-year plan slowing he developmen of he rural insurance. This sudy proposes use of saisical mehods o predic he premium behavior and calculae he appropriae gran. The resuls show ha he value allocaed o he PSR in 0, will be insufficien o mainain he growh rend of rural insurance. Insead, he marke will suffer a seback in reaching lower values han in 009. In his sense, i is necessary o supplemen he program budge for he year 0 and a major poliical effor o increase budge allocaions o he PSR in subsequen years o avoid he marke sagnaion and he helplessness of a large number of producers in face of bad weaher condiions. Keywords: grans, forecasing, linear models, nonlinear models.. Inrodução Aualmene, o seguro rural é o principal insrumeno privado de gesão de risco uilizado pelos produores rurais e empresas do agronegócio no país. O crescimeno do mercado de seguro

3 3 rural ocorreu após a criação do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), em 003. Aé enão, a demanda era relaivamene baixa devido ao elevado valor do prêmio do seguro. Um dos principais problemas relacionados ao PSR refere-se à fala de uma meodologia para definir o monane de recursos alocado ao programa. Em 00, por exemplo, o orçameno inicial esava previso em R$ 38 milhões, mas foram liberados apenas R$ 90 milhões. O core nos recursos foi prejudicial ao desenvolvimeno do mercado, na medida em que o aumeno do número de conraações esá direamene relacionado à ampliação do orçameno do programa. A incereza na definição do monane de recursos a serem liberados dificula sobremaneira a omada de decisão por pare do mercado. O que se sabe ao cero é o limie máximo de recursos orçamenários alocados ao PSR, que esá definido no Plano Trienal do Seguro Rural (R$ 45 milhões para 00, R$ 570 milhões para 0 e R$ 680 milhões para 0). Nesse conexo, a conribuição do esudo baseia-se em analisar meodologias economéricas alernaivas para a previsão dos prêmios do seguro agrícola, para o período correspondene de maio de 0 a abril de 0. Com isso, subsiui-se um criério subjeivo de definição do oal de recursos para subvenção, com possíveis ineresses políico-paridários, por um criério objeivo com base em méodos quaniaivos. Desa forma, após a previsão dos prêmios é possível esimar o volume de recursos para o PSR no ano de 0 e 0. Para isso, pressupõe-se que o percenual de subvenção será a média dos úlimos cinco anos.. O Seguro Rural no Brasil O seguro rural no Brasil é uma reivindicação relaivamene aniga do seor agropecuário, porém, aé 003 pouco inha evoluído, principalmene pelo elevado valor do prêmio cobrado pelas seguradoras. O Decreo-Lei 73/66, que dissolveu a CSNA ambém consiuiu o Fundo de Esabilidade do Seguro Rural (FESR). Ainda, arelou o seguro rural ao financiameno das Insiuições Financeiras ligadas ao Sisema Nacional de Crédio Rural (SNCR), deerminou que as operações de seguro rural ficassem isenas de qualquer ipo de ribuação federal e insiuiu o Sisema Nacional de Seguros Privados, consiuído pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), pela Superinendência de Seguros Privados (SUSEP), pelo Insiuo de Resseguros do Brasil (IRB), sociedades auorizadas a operarem em seguros privados e correores habiliados. Desde enão, as operações de seguro agrícola se concenraram na Companhia de Seguros do Esado de São Paulo (Cosesp) aé meados de 004, quando a careira agrícola foi encerrada em razão do processo de privaização da empresa. Apesar da imporância da Cosesp na gesão do risco, principalmene dos produores rurais do esado

4 4 de São Paulo, muias regiões agrícolas não eram coberas pelo seguro privado. Em muias dessas regiões os produores uilizavam o Programa de Garania da Aividade Agropecuária (Proagro).. O Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) Em 003, o Governo vola a aumenar a paricipação no seguro rural, aravés da Lei Enre ouras aribuições, essa Lei criou o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), com o objeivo de reduzir o prêmio do seguro pago pelos produores rurais. A criação do PSR foi a primeira iniciaiva de impaco do Minisério da Agriculura, Pecuária e Abasecimeno (MAPA), por meio do Deparameno de Gesão de Risco Rural (DEGER), no senido de criar condições para o desenvolvimeno do seguro rural, nos úlimos anos. Apesar da Lei 0.83 er sido sancionada em 003 sua regulamenação ocorreu apenas em 004, por inermédio do Decreo 5. (Ozaki, 008). Para o ano de 005, os percenuais e os limies de subvenção foram deerminados pelo Decreo 5.54/05 - Tabela. Tabela. Percenuais e limies de subvenção para o ano de 005 Culuras Subvenção (%) Limie por Produor (R$) Algodão 40 Arroz Irrigado 30 Feijão 50 Milho Milho (o safra) 40 Soja 30 Trigo 40 Maçã 30 Uva Fone: MAPA (008) O Decreo 5.54/05 foi revogado pelo Decreo 5.78/06 e fixou novos limies e paamares de subvenção para o ano de 006. O novo Decreo ainda incluiu novas culuras, além das modalidades: pecuária, floresal e aquicola. Ainda em 006, foi sancionado o Decreo 6.00, que fixou os percenuais para o riênio 007 a Quadro. As culuras elegíveis ao PSR permaneceram as mesmas de 006 para o riênio 007/09, a única diferença foi o aumeno do percenual dos grupos 3 e 4, para 50% e 40%, respecivamene. Quadro. Percenuais e limies de subvenção para o ano de 006 e para o riênio 007/09. O Proagro é um insrumeno de políica agrícola, que garane ao produor um valor complemenar para pagameno do cuseio agrícola, em casos de ocorrência de fenômenos naurais, pragas e doenças que ainjam bens, rebanhos e

5 5 Grupos Culuras Subvenção (%) /09 Limie por Produor (R$) Feijão, milho segunda safra e rigo 60 Algodão, arroz, aveia, canola, ceneio, cevada, milho, soja, sorgo e riicale 50 3 Maçã e uva Abacaxi, alface, alho, ameixa, amendoim, baaa, berinjela, beerraba, café, cana-de-açúcar, caqui, 4 cebola, cenoura, couve-flor, figo, girassol, goiaba, kiwi, laranja, limão e demais círicos, morango, necarina, pepino, pêra, pêssego, pimenão, repolho, omae e vagem Pecuário 30 Floresal 30 Aqüícola 30 Fone: MAPA (008) Apesar de exisirem oio modalidades para o seguro rural, apenas quaro delas paricipam do PSR. São elas: agrícola, pecuário, aquicola e floresal. Para cada uma dessas modalidades, os planos rienais deerminam os percenuais de subvenção para o período. O quadro resume os resulados do PSR, de 005 a 009. Percebe-se que o número de produores paricipanes do PSR passou de 849, em 005, para , em 009. Por sua vez, o capial segurado aumenou de R$ 6,6 milhões, em 005, para quase R$ 0 bilhões, em 009. Área segurada e prêmio arrecadado pelo mercado ambém apresenaram um crescimeno elevado durane o período. Esse crescimeno foi possível em razão do aumeno dos recursos públicos alocados ao PSR. Verifica-se que os recursos uilizados pelo mercado aumenaram de R$,3 milhões, em 005, para quase R$ 60 milhões, em 009. O PSR é fundamenal para o desenvolvimeno do mercado na medida em que reduz o preço do seguro. Algumas implicações direas desse fao são o aumeno da demanda pelos produores rurais e o melhor gerenciameno do risco por pare das empresas seguradoras na medida em que ocorre uma maior pulverização do risco em diversas regiões do país. No Quadro 3 apresenam-se os percenuais de subvenção previsos no orçameno do Governo para o riênio planações. Não se enquadra como um produo de seguros.

6 6 Quadro - Resulados do PSR - de 005 a 009. Ano Número de apólices Número de produores Subvenção concedida Área segurada Capial segurado Prêmio arrecadado Fone: MAPA (0) Quadro 3 - Percenuais e limies de subvenção para o riênio 00 a 0. Modalidade de Seguro Grupos de culuras Subvenção (%) Limie por Produor (R$) 00/ Agrícola Pecuário Floresal Aquícola Fone: Brasil (00) Feijão, milho segunda safra e rigo. 70 Ameixa, aveia, canola, caqui, cevada, ceneio, figo, kiwi, linho, maçã, necarina, pêra, pêssego, 60 sorgo, riicale e uva. 50 Algodão, arroz, milho e soja. Abacae, abacaxi, abóbora, abobrinha, alface, alho, amendoim, aemóia, banana, baaa, berinjela, beerraba, cacau, café, caju, cana-de-açúcar, cebola, cenoura, cherimóia, chuchu, couve-flor, ervilha, escarola (chicória), fava, girassol, goiaba, graviola, jiló, laranja, lichia, lima, limão e demais círicos, mamão, mamona, mandioca, manga, maracujá, melancia, melão, morango, pepino, pimenão, pinha, quiabo, repolho, sisal, angerina, omae, vagem e demais horaliças e legumes Para o riênio 00/0, os valores máximos de subvenção ao prêmio do seguro rural, por beneficiário (pessoa física ou jurídica), em cada ano civil, foram esabelecidos em: i. Modalidade agrícola: R$ ,00; e, ii. Modalidades pecuário, floresal e aquícola: R$ 3.000,00 (para cada uma delas).

7 7 O produor poderá receber a subvenção para mais de uma modalidade, desde que o somaório do benefício não ulrapasse o valor máximo de R$ 9.000,00, por ano civil (Brasil, 00). Não obsane, ele poderá conraar o seguro rural uilizando recursos da subvenção ao prêmio para a mesma aividade na qual enha operação de crédio enquadrada no Proagro, desde que as lavouras sejam implanadas em áreas diferenes. Ressala-se que os recursos disponibilizados para o PSR são orçados no ano anerior com base nas expecaivas das seguradoras da demanda para subvenção por produo e modalidade de seguro rural. Desa forma, os recursos orçados em 004 e uilizados em 005 foram da ordem de R$ 0 milhões. Porém, apenas R$,3 milhões foram demandados pelo mercado. Na Figura mosra-se a evolução dos recursos orçados e os gasos efeivos. Figura - Evolução dos recursos liberados e gasos efeivos, no período de 005 a 00, em milhões de reais. Fone: MAPA (00) Percebe-se que ano os recursos alocados ao PSR quano os gasos efeivos crescem ano a ano, desde Figura. Aé 008, os recursos foram suficienes para cobrir a demanda do mercado. Em 009, no enano, a demanda superou os recursos disponibilizados pelo Governo em R$ 90 milhões em virude do araso do pagameno da subvenção às seguradoras. Apesar de o governo er sancionado a lei para liberação dos recursos, ainda assim, o orçameno inicial de R$ 38 milhões foi reduzido para R$ 90 milhões. Ressala-se que o seguro agrícola se massifica principalmene em função do aumeno dos recursos para subvenção. Quano maiores as doações de recursos mais produores serão beneficiados pelo programa em razão da redução do preço do seguro. Cores ou reduções nos recursos do PSR significam um rerocesso no desenvolvimeno do seguro agrícola. Um aspeco

8 8 imporane é prever com anecedência qual será a demanda poencial do mercado no próximo ano e definir na Lei Orçamenária Anual do ano correne o oal de recursos desinados ao programa limiado ao máximo permiido no Plano Trienal do Seguro Rural. 3. Meodologia 3. Modelos ARIMA Os modelos ARIMA (Auorregressivo Inegrado de Média Móvel) foram inicialmene formulados por Box e Jenkis (970). Essa meodologia consise em ajusar modelos auorregressivos inegrados e de média móvel - ARIMA (p, d, q). É possível que uma série nãoesacionária possa ornar-se esacionária diferenciando-a cero número de vezes. Assim, uma série emporal não esacionária pode ser modelada a parir de d diferenciações, da inclusão de componenes auorregressivos (AR) e de média móvel (MA). Uma série sem componene deerminísico, represenada por um processo ARMA, esacionária e inverível, ornando-se esacionária após d diferenças, nese caso, diz-se que a série é inegrada de ordem d I(d). θ Porano, um processo Z pode ser descrio aravés da modelagem ARIMA (p, d, q) como: d φ ( B)( B ) Z = θ ( B a () p q ) p Na equação (), φ ( B) = φb... φ B é o operador auorregressivo de ordem p AR(p); p p q q ( B) = θb... θ q B é o operador de média móvel de ordem q MA(q); a é um ermo de ruído branco onde: E (a)=0 inegração da série. ; Var (a)= σ ; COV (a, as)=0 para s ; e d é a ordem de Os modelos ARIMA (p, d, q) descrevem adequadamene processos lineares esacionários, processos lineares não esacionários homogêneos e processos de memória longa, e podem ser generalizados pela inclusão de um operador sazonal (SARIMA). A consrução do modelo é baseada num ciclo ieraivo, no qual a escolha da esruura do modelo é baseada nos próprios dados. As eapas uilizadas no rabalho compõem a idenificação do modelo incluindo o ese de raiz uniária; funções de auocorrelação e auocorrelação parcial (Dickey & Fuller (979), Dickey & Fuller (98), Fuller (976), Enders (004). Para se deerminar o número de defasagens (p), alguns criérios como de Akaike (Akaike Informaion Crierion AIC) e Schwarz (Schwarz Bayesian Crierion SBC) e o Tese Q de L-Jung e Box são ferramenas imporanes. A esimação foi realizada pelo méodo da máxima verossimilhança. Para o propósio de previsão, deve-se escolher o modelo que fornecer o menor erro quadráico médio de previsão. Para isso, opou-se pela validação cruzada com doze observações a menos.

9 9 3. Sazonalidade Esocásica Quando a série Z exibe comporameno sazonal, com defasagens em períodos múliplos de s, há que se considerar que a série apresene sazonalidade esocásica, podendo-se ajusar à série original um modelo ARIMA sazonal ou SARIMA. Nese caso, no modelo Z = µ + N, pode ser apropriado considerar 006): µ como um processo esocásico saisfazendo (MORETTIN e TOLOI, ( B ) µ = Y () Na equação (), equação inicial obemos a equação (3): Y é um processo esacionário. Aplicando-se o operador ( B ) na ( B ) Z = ( B ) µ + ( B ) N (3) Que, de acordo com a equação () fica: ( B ) Z = Y + ( B ) N, com ( B ) Y ϕ ( B) a ϕ Y = Y e N N ϕ ( B ) N = ϕ ( B) e. Onde a e e são ruídos brancos independenes. A equação (3) é equivalene à equação (4): ( Φ P D B... Φ PB )( B ) Z = ( ΘB... ΘQ D B Q ) α, ou: Φ ( B ) Z = Θ( B ) α (4) Na equação (4) ordem P, esacionário; Φ( Φ B B B P ) = Φ... P Θ( B ) = Θ B... Θ Q Q B é o operador auorregressivo sazonal de é o operador de médias móveis sazonal de ordem Q, inverível; = ( ) é o operador de diferença sazonal; em que B D = ( B ) D, D indica o número de diferenças sazonais; e, α o ruído. Se o processoα saisfaz um modelo ARIMA (p,d,q) enão: ϕ ( B ) α = θ ( B) (5) a Na equação (5), ϕ( B) = ( B) d φ( B) e a é um processo de ruído branco. Enão, Z saisfaz o modelo: D d φ ( B) Φ( B )( B ) ( B) Z = θ ( B) Θ( B ) a (6) q p Na equação (6), θ B) = ( θ B... θ ), φ B) = ( φ B... φ ), e os demais ( q B ( polinômios conforme idenificados na equação (4). O modelo descrio na equação (6) é denominado ARIMA sazonal muliplicaivo (SARIMA) de ordem (p,d,q)x(p,d,q). p B

10 0 3.3 Modelos ARIMA com covariáveis - ARIMAX O modelo ARIMAX baseia-se em um modelo ARIMA em que são incluídas variáveis explicaivas ou covariáveis. Como variável explicaiva pode-se uilizar uma variável binária de modo a isolar períodos aípicos ou separar os dados em diferenes períodos para esar, por exemplo, o impaco de inervenções. Para aplicações dos modelos ARIMAX ver Cryer and Chan (008). Na equação (7), Z é a série emporal em esudo; empo e β é o coeficiene esimado. a é o ermo de erro aleaório, = β x + φ z φ p z p θa... θ qa q x é a covariável no z + a (7) Nese rabalho, uilizou-se uma variável binária para capar os problemas ocorridos na conraação dos seguros, com relação ao não repasse dos recursos da subvenção às seguradoras, em ouubro, novembro e dezembro de 009 e de Modelos não lineares Se a série exibe períodos de variância crescene e esá correlacionada com o empo, a série exibe volailidade e ocorre heeroscedasicidade condicional. Nesses casos, a variância não condicional (longo prazo) pode ser consane, mas para ceros períodos de grande incereza a variância condicional pode apresenar grandes alerações por curos períodos de empo. Há diferenes méodos paraméricos para esimar a variância das séries com o objeivo de subsiuir a hipóese de que esa seja consane ao longo do empo, por exemplo, os modelos ARCH (Auorregressivo com Heerocedasicia Condicional) e GARCH (ARCH Generalizado). Um exemplo desses modelos de heerocedasicia condicional foi proposo por Engle (98): = α 0 + α ε v ε Na equação (8) v é um processo de ruído branco al queσ = v ; (8) v e ε são independenes um do ouro e α 0 e αsão consanes al que: α > 0 0 e 0 < α <. Porano, ε segue as seguines propriedades equação (9): Com E[, ε ] = 0 i E[ ε ] = E[ v ( α + α ε = E[ v ]* E[ α + α ε 0 0 ] ) / / ] = 0 ε para odo i 0. Enão equação (0): E [ ε ] = E[ ( α + α ε )] v 0 = E v ]* E α + α ε (0) [ [ ] 0 (9)

11 Ou seja, a sequência ε maném as seguines propriedades: média zero e são não correlacionados. Comoσ v =, a variância não condicional de ε é idênica à de ε, iso é, [ ] E[ ε ] E ε e a variância não condicional fica: = E[ ε ] = α0 -α Como os erros são independenes, a média condicional é zero, mas, como [ ] = variância condicional fica condicionada aos valores hisóricos passados da série: A variância de ε forem grandes a variância de ARCH (). E [ ε 0 + αε ε, ε,...] = α ε é dependene dos valores realizados de ε v () E a (). Se os valores realizados de ε será grande ambém. Essa é uma caracerísica de um modelo Nos modelos ARCH a esruura do erro é al que a média condicional e não condicional são zero. Porém, a variância condicional é um processo auorregressivo resulane dos erros condicionalmene heeroscedásicos. Nese caso, a heeroscedasicia condicional de ε resulará em heeroscedasicia na variável dependene. Assim, um modelo ARCH é capaz de capar períodos de ranqüilidade e de ala volailidade na série de volailidade. Bollerslev (986), aravés do rabalho de Engle (98), mosra como a variância condicional pode seguir um processo ARMA. Seja o processo de erro conforme represenado pela equação (3): Na equação (3), ε = v h (3) q p σ v = e, = + α + 0 α iε i β j i= j= h h j. Como v é um ruído branco, as médias condicional e não condicional são zero e a variância condicional de ε é dada ε. Assim, a variância condicional de ε é um processo ARMA dado pela expressão por E [ ] = h h. Porano, um modelo GARCH, é um modelo ARCH generalizado (p,q) GARCH (p,q) - que permie movimenos auorregressivo e de média móvel na variância heeroscedásica condicional. O benefício de usar um modelo GARCH é que alvez haja um modelo GARCH mais parcimonioso que possa represenar um modelo ARCH de ala ordem faciliando idenificação e esimação. Um pono imporane nos modelos GARCH é que a variância condicional dos disúrbios na variável dependene consiui um processo ARMA. Similarmene ao que ocorre na idenificação dos

12 modelos ARIMA aplicados à média, espera-se que os resíduos do modelo ARMA para a variância condicional (ARCH, GARCH) auxiliem na idenificação do modelo definição dos ermos auorregressivos e de média móvel. Se o modelo para a variável dependene foi correamene especificado as funções de auocorrelação e auocorrelação parcial devem indicar um processo de ruído branco (série esacionária). Para a idenificação dos ermos (p,q) do modelo GARCH a função de auocorrelação dos quadrados dos resíduos podem auxiliar na idenificação da ordem do processo. Assim, se exise um modelo de heeroscedasicia condicional, o correlograma da equação (3) indicaria esse processo. A esaísica Q de Ljung-Box pode ser usada para esar grupos de coeficienes significaivos. A esaísica Q em disribuição assinóica n Q = T ( T + ) ρ /( T i) (4) i= i χ com n graus de liberdade se a seqüencia serialmene não correlacionada. Rejeiar a hipóese nula (H0) de queε é serialmene não correlacionado é equivalene a rejeiar a hipóese nula de que não exisem erros ARCH ou GARCH. Na práica consideram-se valores de n aé T/4. Engle (98) propôs o ese formal do Muliplicador de Lagrange para erros ARCH. A meodologia envolve dois passos: i) usar Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) para esimar a equação de regressão mais apropriada ou modelo ARMA e ober os regressão para o erro quadrado esimado: ˆ ε ˆ ˆ ˆ = α0 + αε + αε αqε q ε é ε ; ii) ajusar a seguine Se não exisir efeios ARCH/GARCH, os valores esimados de α...α q serão zero. Enão, a regressão erá pouco poder explanaório e o coeficiene de deerminação R será baixo. Com uma amosra de T resíduos, sob a hipóese nula de inexisência de erros ARCH, a esaísica ese TR converge para uma disribuição χ com q graus de liberdade. Se TR é grande, a rejeição da Hipóese nula de que α... 0 é equivalene a rejeiar a α q = Hipóese nula de que não há erros ARCH. Por ouro lado, se TR é baixo, aceia-se H 0. Em pequenas amosras, o ese F em se mosrado superior ao ese χ. Porano, pode-se usar o ese F comparando o valor amosral com o valor F abelado com q graus de liberdade no numerador e T- q graus de liberdade no denominador. O Modelo GARCH pressupõe que a variância da volailidade siga um processo previsível. Pode-se esimar e prever a variância condicional de um modelo Heerocedásico Auorregresivo (5)

13 3 Generalizado GARCH (,). Dado que ε = v h, a relação enreε e h será dada por equação (6): Como [ v ] E [ v ] = [ ε ] h. Enão, E [ ε ] = α 0 + αε βh E = ε = v h E =, em-se que a variância condicional da seqüência + (6) ε será:. Ou seja, a variância condicional depende da inovação mais recene e da variância condicional anerior. No modelo GARCH (,) a variância condicional é dada por h. A média incondicional é zero e a variância incondicional pode ser enconrada esabelecendo-se que E [ ] h = h h Enão em-se que equação (7): α = = ε. 0 h = (7) α β Para que o modelo seja esacionário, a soma dos parâmeros α + βdeve ser menor que um. Essa soma é denominada persisência. Se α + β, deve-se ajusar um modelo IGARCH. 3.5 Modelo Esruural Uma classe geral desses modelos, denominados modelos de espaço de esados ou modelos lineares dinâmicos, foi inroduzida por Kalmam (960). Na forma esruural o modelo de espaço de esados é um modelo que permie verificar a variabilidade nas componenes nível, endência e sazonalidade. A seleção de um modelo na meodologia de modelos esruurais, ao conrário da meodologia Box e Jenkins, dá menor ênfase à análise dos correlogramas de ransformações da série original e maior ênfase ao conhecimeno da série, onde uma inspeção gráfica pode sugerir uma possível endência nos dados. Porém, após a esimação pode-se fazer eses residuais, do mesmo modo que nos modelos ARIMA e o ese de Ljung-Box, por exemplo, pode ser aplicado aos resíduos do modelo, com o número de graus de liberdade igual ao número de auocorrelações uilizadas, menos o número de hiperparâmeros esimados. Os principais modelos esruurais são: modelo de nível local, modelo de endência local, modelo com endência local e componene sazonal e modelo com ciclo (MORETTIN e TOLOI, 006). Todo modelo de séries emporais q dimensionais em represenação em espaço de esados, que relaciona o veor de observações {Y } e o veor de ruídos {v }, aravés de um processo de Markov {X }, p dimensional, denominado veor de esados. Enão, o modelo forma de espaço de esados fica:

14 4 Y = A X + v (8) X = G X + w, =,..., N (9) As duas equações (8) e (9) definem o modelo de espaço de esados onde, A é a mariz do sisema, de ordem (q x p); v é o ruído da observação, de ordem (q x ), não correlacionado, com média zero e mariz de covariâncias R; G é a mariz de ransição, de ordem (p x p); e, w é um veor de ruídos não correlacionados, represenando a perurbação do sisema de ordem (p x ), com média zero e mariz de covariâncias Q. A equação (8) é dia equação de observação e a (9) equação do esado ou do sisema. Neses modelos supõe-se que: a) o esado inicial X 0 em média µ 0 e mariz de covariâncias 0 ; os veores de ruídos v e w são não correlacionados enre si e não correlacionados com o esado inicial. Diz-se que o modelo é gaussiano quando os veores de ruídos forem normalmene disribuídos. No modelo univariado, q=, A é um veor e v é um ruído com média zero e variância σ v. As marizes A e G são não esocásicas, dessa forma, se houver variação no empo ela será pré-deerminada. Quando essas marizes forem consanes no empo o sisema será invariane no empo ou homogêneo no empo, como casos especiais êm-se os modelos esacionários. A análise das equações (8) e (9) indica que o veor de esados não é direamene observado, o que se observa é sua versão linear adicionada a um ruído. O modelo de nível local pode ser definido como: Y = µ + ε, =,..., N (0) µ = µ + η, =,..., N () Nas equações (0) e (), ε ~ Ν(0, σ ε ) e η ~ Ν (0, σ n ) são independenes e não correlacionados enre si, A =, X = µ, G =, v = ε e w = η. Uma caracerísica imporane desse modelo é que o esimador do nível µ, é dado pela média móvel das observações passadas com uma consane de suavização que é a função de razão sinal-ruído, σ n / σ ε f = (MORETTIN e TOLOI, 006). O modelo de endência local pode ser descrio pelas equações () a (4): Y = µ + ε () µ µ β + η = + ` (3) β = β + ξ (4)

15 5 No modelo acima (equações a 4), ε ~ Ν(0, σ ε ) ; η ~ Ν(0, ) ; ξ ~ Ν(0, ) σ η σ ξ ; com η e ξ muuamene não correlacionados e não correlacionado com ε ; µ é denominado nível local e β a inclinação local. Na represenação de espaços de esados em-se: Y µ = [ 0] + ε β (5) µ = β 0 µ β η + ξ No modelo acima (equações 5 e 6), a inensidade com que (6) µ e β mudam com o empo depende das quanidades q = σ η σ e / φ q = σ ε σ. A função de previsão é uma rea com nível e / φ N N inclinação esimados no final da amosra: µ N e β N. Esse modelo corresponde a uma especificação bem geral, com componenes de nível e inclinação, ambas esocásicas. Porém, pode-se enconrar as seguines combinações desse modelo: a) nível local ou passeio causal + ruído, aqui a endência é um passeio aleaório, ou seja, não exise a componene β ; b) nível local com drif, quando σ ε = 0 ; c) endência suave, quando σ η = 0 ; d) endência deerminísica, σ η = σ ε = 0. Quando necessário, pode-se incluir a componene sazonal no modelo de espaço de esado esruural. O modelo básico fica: Na equação (7), Y = µ + S + ε (7) S é a componene sazonal, na forma esocásica, µ segue como definida em (3) e (4), ε ~ Ν(0, ) e é não correlacionado com os demais resíduos do modelo. 4. Dados σ ε A base de dados uilizada no esudo é proveniene da Superinendência de Seguros Privados (SUSEP) referene aos prêmios direos durane o período de janeiro de 003 a abril de 0 para a modalidade agrícola (códigos 0 e 0). Além dos prêmios direos foram uilizados os valores anuais dos prêmios e subvenções do PSR, liberados MAPA, de 005 a Resulados e Discussão Em 003, o Governo Federal sancionou a Lei 0.83 que criou o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) com o objeivo de reduzir o prêmio do seguro pago pelos produores rurais e incenivar o mercado de seguro agrícola privado. De 005 a 009 os recursos uilizados pelo mercado cresceram de forma significaiva, porém, no segundo semesre de 00, devido aos Prêmio Direo = Prêmio Emiido - Cancelameno - Resiuição Descono. Prêmios recebidos pelas seguradoras sem operações de cessão e/ou rerocessão.

16 6 problemas relacionados à gesão do programa, houve uma redução significaiva no oal de prêmios do mercado - Figura Prêmio Direo R$ Figura Prêmio direo recebido pelas seguradoras dados mensais desde janeiro de 003. Fone: SUSEP (0) A fala de recursos disponíveis para o PSR, em 009, causou um efeio negaivo no mercado com relação à coninuidade do programa de subvenção. Por esse moivo, em 00, houve queda nas conraações. Percebe-se que, de 003 aé 005, o mercado de seguro privado seguia em queda, porém, a parir de 006, quando o governo aumenou os limies de subvenção, as conraações passaram a crescer exponencialmene, caindo em 00, devido à fala de recursos e araso no pagameno das subvenções para as seguradoras - Figura 3. Figura 3 Taxa de crescimeno dos prêmios direos de 004 a 00. Fone: SUSEP (0) Noa-se claramene que quano maior o volume de recursos desinados ao PSR maior é desenvolvimeno do mercado de seguro agrícola. Em ouras palavras, o PSR impulsiona a conraação de seguro por pare dos produores rurais. Nesse senido, é fundamenal esimar qual a demanda ano a ano e com base nessa esimaiva prever o volume oal de recursos adequado ao programa.

17 7 Para isso, foram ajusados diversos modelos de séries emporais. Denre odos os modelos, o modelo que apresenou o menor erro quadráico médio de previsão foi o modelo SARIMA (,0,)(0,,0). O modelo SARIMA-GARCH (,) não apresenou bom ajuse aos dados e apresenou maior erro de previsão quando comparado ao SARIMA (,0,)(0,,0). Já os modelos ARIMAX e Esruural apresenaram bom ajuse, porém apresenaram maior erro quadráico médio de previsão. Na abela apresenam-se as esimaivas dos parâmeros e os respecivos erros do modelo ajusado. Pela Figura 4, observa-se que o modelo SARIMA (,0,)(0,,0) apresenou bom ajuse à série de prêmios. Percebe-se, porém que o modelo superesimou os picos nos meses de ouubro e novembro para o período de 007 a 009. Apesar disso, as previsões resulanes apresenam-se consisenes com a endência de aumeno dos prêmios direos. Tabela Resulado do modelo SARIMA (,0,)(0,,0) AR SARIMA ϕ = 0,94 (,0,)(0,,0) (0,06) Fone: Dados da pesquisa * enre parêneses: erro padrão das esimaivas MA θ = -0,79 (0,) Figura 4 Ajuse do modelo SARIMA (,0,)(0,,0) à série de prêmios direos. Fone: Resulados da análise Na Figura 5 mosra-se as previsões realizadas com o modelo SARIMA (,0,)(0,,0) para o período correspondene a maio de 0 a abril de 0. Noa-se que as previsões refleem a componene sazonal ípica do seguro agrícola, ou seja, valores mais alos nos meses de seembro, ouubro e novembro pico da conraação de seguro seguido por um declínio abrupo e, poseriormene, um aumeno em virude da conraação da safra de inverno.

18 8 Figura 5 Prêmios direos e previsões mensais do modelo SARIMA (,0,)(0,,0) Fone: resulados da análise Na Tabela 3 apresenam-se as previsões para o período de maio de 0 a abril de 0 e os respecivos inervalos de confiança (95%). Tabela 3 Previsões e inervalo de confiança para as previsões com o modelo SARIMA (,0,)(0,,0). Mês/Ano 5% Previsão 95% mai/ jun/ jul/ ago/ se/ ou/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ Fone: resulados da análise Em valores anuais, somando o oal arrecadado de prêmios de janeiro a abril e as previsões de maio a dezembro, os prêmios direos acumulados de 0 oalizam R$ 66,3 milhões. Dessa forma, seguindo o percenual médio de subvenção dos úlimos cinco anos de 50% - Figura 6, do oal previso em prêmios direos para 0, a meade deveria ser alocada ao PSR, ou seja, aproximadamene R$ 33 milhões.

19 9 Figura 6 Percenual de subvenção do período de 005 a 00. Fone: MAPA (0) Noa-se que a esimaiva de apore de recursos orçamenários ao PSR é da ordem de R$ 570 milhões, de acordo com o Plano Trienal do Seguro Rural. Porém, o orçameno de 0 prevê recursos de apenas R$ 406 milhões. Não obsane, além dos arasos no pagameno da subvenção para as seguradoras no valor de R$ 90 milhões, na safra 009/0, nessa safra (00/) o governo repee o mesmo problema. Ou seja, do oal gaso da subvenção de R$ 98 milhões, não foram pagos ainda ao mercado R$ 63 milhões. O araso no pagameno dos recursos da subvenção pela segunda vez seguida compromee sobremaneira a credibilidade do governo. Exise uma grande possibilidade de que esse monane devido seja quiado com os recursos alocados para 0. Dessa forma, do oal de R$ 406 milhões, seriam efeivamene uilizados pelos produores rurais, apenas R$ 43 milhões. Um valor menor do que aquele uilizado em 009 (quase R$ 60 milhões). Conforme a previsão realizada pela modelagem, seriam necessários aproximadamene R$ 33 milhões para uma arrecadação de prêmios da ordem pouco mais de R$ 660 milhões. Considerando que a axa média de prêmio do mercado, de 005 a 009, foi de 5%, pode-se concluir que para esse monane de subvenção e de prêmios o capial segurado oal seria da ordem de R$ 3, bilhões. Esse valor seria suficiene para segurar apenas 9% do crédio agrícola de cuseio de 00, no valor de R$ 45 bilhões. Se, de fao, os recursos da subvenção forem limiados a R$ 43 milhões o capial segurado pelo mercado será menor. Considerando o mesmo percenual de subvenção médio de 50%, o prêmio oal arrecadado pelas seguradoras será da ordem de R$ 486 milhões e, com a mesma axa de prêmio média do mercado, o capial segurado seria da ordem de R$ 9,7 bilhões, quase o mesmo valor do capial segurado de 009.

20 0 6. Conclusão Após a sanção da Lei nº 0.83/03, que criou o PSR, o mercado de seguro rural passou por mudanças significaivas. A principal delas refere-se à relaiva massificação do seguro agrícola em diversas regiões do país. Os resulados mosram que o PSR eve grande influência para o desenvolvimeno do seguro agrícola. Anes do PSR o oal de prêmios não ulrapassava R$ 50 milhões. Em 009, esse valor alcançou R$ 488 milhões. Porém, o descompasso enre o orçameno de recursos do PSR e a demanda efeiva inviabiliza o pleno desenvolvimeno do mercado na medida em que a massificação do seguro depende da redução do prêmio. O que se observou nos úlimos dois anos é que a demanda por seguro com subvenção foi maior do que a expecaiva do governo. Esse esudo sugere que meodologias esaísicas de previsão podem ser úeis para prever o monane de prêmios ganhos, e com isso, calcular um valor médio de subvenção. Os resulados mosram que o oal de subvenção esimado pela modelagem para 0 (R$33 milhões) supera em quase R$90 milhões os recursos liberados ao PSR, supondo que o oal devido seja pago com o orçameno de 0. Além disso, nas duas úlimas safras o mercado em sofrido com os arasos do governo no pagameno das subvenções. Em 009, a dívida foi de R$ 90 milhões. Para resolver o problema, o Congresso aprovou um projeo de lei com recursos suplemenares de R$90 milhões. Porém, os recursos do PSR somene podem ser uilizados para pagameno daquelas apólices aprovadas no mesmo ano da liberação do recurso. Como não houve empenho do recurso aé o final de 009 as seguradoras não receberam o recurso suplemenar para inegralizar as operações de 30 mil produores rurais. A solução foi uilizar os recursos orçados em 00 para pagameno das dívidas de 009. Para que o seguro não sofresse uma reração, em maio de 00, o governo sancionou a lei nº.4/0 que forneceu crédio suplemenar de R$ 90 milhões para recompor o orçameno do PSR. No segundo semesre de 00, o governo novamene arasou os pagamenos da subvenção aumenando o desconenameno do mercado. Em 0, o monane devido pelo governo às seguradoras, da ordem de R$ 63 milhões, aé o mês de junho ainda não havia sido devidamene quiado. Os sucessivos arasos no repasse dos recursos da subvenção para as seguradoras deixam o mercado inseguro no momeno da conraação. A conseqüência imediaa é a perda de credibilidade do programa em um mercado caracerizado por poucas empresas ineressadas em operar devido ao alo risco da aividade. Ademais, há reração da demanda, pois os produores êm de arcar com o prêmio inegral, sem a subvenção. O alo cuso do seguro inviabiliza sua conraação, e sem seguro, o órgão financiador fica desproegido ao realizar o emprésimo de cuseio. Em úlima análise, o produor rural financia sua lavoura com recursos próprios ou arca com o alo cuso do prêmio. Essa é a exaamene a siuação indesejada pelo governo.

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012

Centro Federal de EducaçãoTecnológica 28/11/2012 Análise da Dinâmica da Volailidade dos Preços a visa do Café Arábica: Aplicação dos Modelos Heeroscedásicos Carlos Albero Gonçalves da Silva Luciano Moraes Cenro Federal de EducaçãoTecnológica 8//0 Objevos

Leia mais

Risco no mercado de arroz em casca

Risco no mercado de arroz em casca RISCO NO MERCADO DE ARROZ EM CASCA ANDRÉIA CRISTINA DE OLIVEIRA ADAMI; GERALDO SANT ANA DE CAMARGO BARROS; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL adami@esalq.usp.br APRESENTAÇÃO ORAL Comercialização, Mercados

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS

PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS PREVISÃO DE DEMANDA: UMA APLICAÇÃO DOS MODELOS BOX- JENKINS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE COMPUTADORES PESSOAIS Liane Werner Deparameno de Esaísica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rua Beno

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE

PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE PREÇOS DE PRODUTO E INSUMO NO MERCADO DE LEITE: UM TESTE DE CAUSALIDADE Luiz Carlos Takao Yamaguchi Pesquisador Embrapa Gado de Leie e Professor Adjuno da Faculdade de Economia do Insiuo Vianna Júnior.

Leia mais

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA

PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA 3 PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA PROJEÇÃO DO PREÇO FUTURO DE UMA AÇÃO DA USIMINAS: UMA ABORDAGEM ECONOMÉTRICA Felipe Lacerda Diniz Leroy 1 RESUMO Nese arigo,

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Elaine Aparecida Fernandes RESUMO: Diane da consaação de que os spreads bancários brasileiros (diferença enre as axas de juros de capação e aplicação dos bancos) se enconram em

Leia mais

Modelagem estatística dos prêmios do seguro rural 1

Modelagem estatística dos prêmios do seguro rural 1 Modelagem estatística dos prêmios do seguro rural 1 Andréia Cristina de Oliveira Adami 2 Vitor Augusto Ozaki 3 Resumo O Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural é um dos principais incentivos governamentais

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S

RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S RAIZ UNITÁRIA E COINTEGRAÇÃO: TR S APLICA ES Marina Silva Cunha 1. INTRODUÇÃO Segundo Fava & Cai (1995) a origem da discussão sobre a exisência de raiz uniária nas séries econômicas esá no debae sobre

Leia mais

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA.

UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA. UMA ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS COMPONENTES QUE AFETAM O INVESTIMENTO PRIVADO NO BRASIL, FAZENDO-SE APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA Área: ECONOMIA COELHO JUNIOR, Juarez da Silva PONTILI, Rosangela Maria

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007

ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 1994 A 2007 ANÁLISE ESTRUTURAL DA SÉRIE DE PREÇOS DO SUÍNO NO ESTADO DO PARANÁ, 994 A 7 ALAN FIGUEIREDO DE ARÊDES; MATHEUS WEMERSON GOMES PEREIRA; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA -

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS

APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS APLICAÇÃO DO MODELO ARIMA À PREVISÃO DO PREÇO DAS COMMODITIES AGRÍCOLAS BRASILEIRAS PABLO AURÉLIO LACERDA DE ALMEIDA PINTO; ELENILDES SANTANA PEREIRA; MARIANNE COSTA OLIVEIRA; JOSÉ MÁRCIO DOS SANTOS; SINÉZIO

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA

COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA COMPORTAMENTO DIÁRIO DO MERCADO BRASILEIRO DE RESERVAS BANCÁRIAS NÍVEL E VOLATILIDADE IMPLICAÇÕES NA POLÍTICA MONETÁRIA Resumo Mardilson Fernandes Queiroz UNB Ese rabalho evidencia padrão de comporameno

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2

1 Introdução. Onésio Assis Lobo 1 Waldemiro Alcântara da Silva Neto 2 Transmissão de preços enre o produor e varejo: evidências empíricas para o seor de carne bovina em Goiás Resumo: A economia goiana vem se desacado no conexo nacional. Seu PIB aingiu R$ 75 bilhões no ano

Leia mais

MODELAGEM E PREVISÃO POR MEIO DE METODOLOGIA BOX & JENKINS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO

MODELAGEM E PREVISÃO POR MEIO DE METODOLOGIA BOX & JENKINS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MODELAGEM E PREVISÃO POR MEIO DE METODOLOGIA BOX & JENKINS: UMA FERRAMENTA DE GESTÃO DISSERTAÇÃO

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS

COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS Naal/RN COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DO ETANOL BRASILEIRO: DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS CAUSAIS André Assis de Salles Escola Poliécnica - Universidade Federal do Rio de Janeiro Cenro de Tecnologia Bloco F sala

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares

Equações Diferenciais Ordinárias Lineares Equações Diferenciais Ordinárias Lineares 67 Noções gerais Equações diferenciais são equações que envolvem uma função incógnia e suas derivadas, além de variáveis independenes Aravés de equações diferenciais

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México

Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México Taxa de Câmbio e Taxa de Juros no Brasil, Chile e México A axa de câmbio consiui variável fundamenal em economias aberas, pois represena imporane componene do preço relaivo de bens, serviços e aivos, ou

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br

OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br OS EFEITOS DO CRÉDITO RURAL E DA GERAÇÃO DE PATENTES SOBRE A PRODUÇÃO AGRÍCOLA BRASILEIRA hfsspola@esalq.usp.br Apresenação Oral-Ciência, Pesquisa e Transferência de Tecnologia HUMBERTO FRANCISCO SILVA

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

PREVISÃO DE ARRECADAÇÃO DE ICMS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS ARIMA E ARFIMA

PREVISÃO DE ARRECADAÇÃO DE ICMS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS ARIMA E ARFIMA PREVISÃO DE ARRECADAÇÃO DE ICMS PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE MODELOS E Auoria: Filipe de Morais Cangussu Pessoa, Daniel Arruda Coronel Resumo: O objeivo dese rabalo foi fazer uma

Leia mais

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas)

Previsão de Demanda. Métodos de Previsão. Demanda: disposição ao consumo Demanda versus Vendas Fatores que afetam a Demanda (Vendas) 2.1 Previsão de emanda Conceios básicos Méodos de Previsão iscussão Formulação do Problema emanda: disposição ao consumo emanda versus Vendas Faores que afeam a emanda (Vendas) Economia, Mercado, Preços,

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA)

FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) FATORES CONDICIONANTES DO VOLUME DE CONTRATOS FUTUROS DE SOJA NEGOCIADOS NA BOLSA DE MERCADORIAS & FUTUROS (BM & FBOVESPA) Faores condicionanes do volume de conraos fuuros de soja... 243 Facors for he

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão

Modelos de Previsão. 1. Introdução. 2. Séries Temporais. Modelagem e Simulação - Modelos de Previsão Modelos de Previsão Inrodução Em omada de decisão é basane comum raar problemas cujas decisões a serem omadas são funções de faos fuuros Assim, os dados descrevendo a siuação de decisão precisam ser represenaivos

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1

Pobreza e Desigualdade de Renda no Brasil Rural: Uma Análise da Queda Recente 1 POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL RURAL: UMA ANÁLISE DA QUEDA RECENTE seven.helfand@ucr.edu Apresenação Oral-Evolução e esruura da agropecuária no Brasil STEVEN M. HELFAND 1 ; RUDI ROCHA 2 ; HENRIQUE

Leia mais

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO

ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO ESTIMANDO O IMPACTO DO ESTOQUE DE CAPITAL PÚBLICO SOBRE O PIB PER CAPITA CONSIDERANDO UMA MUDANÇA ESTRUTURAL NA RELAÇÃO DE LONGO PRAZO Área 5 - Crescimeno, Desenvolvimeno Econômico e Insiuições Classificação

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia Versão Abril de 2010 Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia SUMÁRIO 1. ESTRUTURA A TERMO DAS

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO BRASIL

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO BRASIL ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA NO BRASIL Renao Vinícius Oliveira Casro 1, Ana Flávia Neves Mendes 2, Glauciana da Maa Aaíde 1, Carlos Albero Araújo Júnior 1, Gusavo Eduardo Marcai

Leia mais

Universidade Federal de Lavras

Universidade Federal de Lavras Universidade Federal de Lavras Deparameno de Ciências Exaas Prof. Daniel Furado Ferreira 8 a Lisa de Exercícios Disribuição de Amosragem 1) O empo de vida de uma lâmpada possui disribuição normal com média

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Previsão da volatilidade do risco de preço para o mercado bovino brasileiro usando o modelo GARCH de memória curta

Previsão da volatilidade do risco de preço para o mercado bovino brasileiro usando o modelo GARCH de memória curta Previsão da volailidade do risco de preço para o mercado bovino brasileiro usando o modelo GARCH de memória cura William Eduardo Bendinelli Universidade de São Paulo e-mail: william.bendinelli@usp.br Andreia

Leia mais

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo

Impacto dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Impaco dos Formadores de Mercado sobre a Liquidez das Ações Negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Resumo Auoria: Marcelo Auguso Ambrozini, Luiz Eduardo Gaio, Carlos Albero Grespan Bonacim, Eduardo

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa?

3 O impacto de choques externos sobre a inflação e o produto dos países em desenvolvimento: o grau de abertura comercial importa? 3 O impaco de choques exernos sobre a inflação e o produo dos países em desenvolvimeno: o grau de aberura comercial impora? 3.1.Inrodução Todas as economias esão sujeias a choques exernos. Enreano, a presença

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇOS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL: RELAÇÃO COM O MERCADO DE COMBUSTÍVEL FÓSSIL

FORMAÇÃO DE PREÇOS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL: RELAÇÃO COM O MERCADO DE COMBUSTÍVEL FÓSSIL FORMAÇÃO DE PREÇOS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL: RELAÇÃO COM O MERCADO DE COMBUSTÍVEL FÓSSIL Mirian Rumenos Piedade Bacchi * Resumo: Nese esudo em-se como objeivo a consrução

Leia mais

O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2).

O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2). O EFEITO PASS-THROUGH DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE OS PREÇOS AGRÍCOLAS CLEYZER ADRIAN CUNHA (1) ; ALEX AIRES CUNHA (2). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA,

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1

EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 ISSN 188-981X 18 18 EFEITO DA VARIAÇÃO DOS PREÇOS DA MANDIOCA EM ALAGOAS SOBRE O VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO 1 Effec of cassava price variaion in Alagoas over producion gross value Manuel Albero Guiérrez CUENCA

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

ANÁLISE E COMPARAÇÃO PREDITIVA PARA A SÉRIE DE RETORNOS DA PETROBRÁS UTILIZANDO MODELOS ARCH

ANÁLISE E COMPARAÇÃO PREDITIVA PARA A SÉRIE DE RETORNOS DA PETROBRÁS UTILIZANDO MODELOS ARCH ANÁLISE E COMPARAÇÃO PREDITIVA PARA A SÉRIE DE RETORNOS DA PETROBRÁS UTILIZANDO MODELOS ARCH Pedro Luiz Cosa Carvalho pcosacarvalho@yahoo.com.br Mesre em Adminisração/UFLA Prof.: Insiuo Federal Goiano

Leia mais

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo

Contratos Futuros e o Ibovespa: Um Estudo Empregando Procedimento de Auto- Regressão Vetorial Estutural. Autoria: Gustavo de Souza Grôppo Conraos Fuuros e o Ibovespa: Um Esudo Empregando Procedimeno de Auo- Regressão Veorial Esuural. Auoria: Gusavo de Souza Grôppo Resumo: Ese esudo em como objeivo principal verificar a relação enre conraos

Leia mais

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities

2 Relação entre câmbio real e preços de commodities 18 2 Relação enre câmbio real e preços de commodiies Na exensa lieraura sobre o cálculo da axa de câmbio de longo prazo, grande pare dos modelos economéricos esimados incluem os ermos de roca como um dos

Leia mais

VOLATILIDADE E SAZONALIDADE DA PROCURA TURÍSTICA EM PORTUGAL*

VOLATILIDADE E SAZONALIDADE DA PROCURA TURÍSTICA EM PORTUGAL* Arigos Primavera 2010 VOLATILIDADE E SAZONALIDADE DA PROCURA TURÍSTICA EM PORTUGAL* Ana C. M. Daniel*** Paulo M. M. Rodrigues** 1. INTRODUÇÃO O urismo é uma imporane acividade económica de Porugal. Em

Leia mais

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR

POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR POLÍTICA MONETÁRIA E MUDANÇAS MACROECONÔMICAS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM MS-VAR Osvaldo Cândido da Silva Filho Bacharel em Economia pela UFPB Mesre em Economia pela UFPB Douorando em Economia pelo PPGE UFRGS

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE

COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE COMPORTAMENTO DO PREÇO NO COMPLEXO SOJA: UMA ANÁLISE DE COINTEGRAÇÃO E DE CAUSALIDADE RESUMO Ese rabalho objeiva esudar o comporameno recene dos preços dos segmenos do complexo soja, em paricular, a ransmissão

Leia mais

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012

Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Ascensão e Queda do Desemprego no Brasil: 1998-2012 Fernando Siqueira dos Sanos Resumo: ese rabalho analisa a evolução do desemprego nos úlimos anos, com foco no período 1998 a 2012 devido à melhor disponibilidade

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

Análise da volatilidade do dólar e do euro: um direcionamento para empresas do agronegócio

Análise da volatilidade do dólar e do euro: um direcionamento para empresas do agronegócio ANÁLISE DA VOLATILIDADE DO DÓLAR E DO EURO: UM DIRECIONAMENTO PARA EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO ROBERTO WAGNER JUBERT; MÁRCIA CRISTINA PAIÃO; SINÉZIO FERNANDES MAIA; UFPB JOÃO PESSOA - PB - BRASIL rwjuber@yahoo.com.br

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL NO ESTADO DO CEARÁ. Francisco José Silva Tabosa

SUSTENTABILIDADE DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL NO ESTADO DO CEARÁ. Francisco José Silva Tabosa 0 SUSTENTABILIDADE DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL NO ESTADO DO CEARÁ Carlos Wagner de Lapa Barros Mesre em Economia pelo CAEN. Audior da SEFAZ/CE. Av. da Universidade, 2700, 2 andar Benfica Foraleza/CE

Leia mais

MODELOS PARA PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

MODELOS PARA PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS MESTRADO EM ECONOMIA BERNARDINO JOSAFAT DA SILVA CASTANHO MODELOS PARA PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO

Leia mais

Previsão da Base para o Café: um estudo empírico com a utilização de modelos ARCH

Previsão da Base para o Café: um estudo empírico com a utilização de modelos ARCH Previsão da Base para o Café: um esudo empírico com a uilização de modelos ARCH Anderson Luiz Rezende Mol 1 Renao Elias Fones Luiz Gonzaga de Casro Júnior 3 Marcelo Márcio Romaniello 4 RESUMO A uilização

Leia mais

PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREVISÃO DE RECEITAS TRIBUTÁRIAS: O ICMS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Bernardino Josafa da Silva Casanho Universidade Federal do Espírio Sano josafac@erra.com.br Guemberg Hespanha Brasil Universidade Federal

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL

FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL FORMAÇÃO DE PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL EMPACOTADO AO VAREJO DA REGIÃO CENTRO-SUL DO BRASIL Mirian Rumenos Piedade Bacchi Lucilio Rogerio Aparecido Alves 2 RESUMO: Nese rabalho buscou-se analisar o processo

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Pereira de Rezende, José Luiz; Moreira Coelho, Luiz; Donizee de Oliveira, Anônio; Sáfadi, Thelma Análise dos preços de carvão

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Relação entre os preços dos mercados futuro e físico da soja: evidências para o mercado brasileiro

Relação entre os preços dos mercados futuro e físico da soja: evidências para o mercado brasileiro Quesões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimeno RELAÇÃO ENTRE OS PREÇOS DOS MERCADOS FUTURO E FÍSICO DA SOJA: EVIDÊNCIAS PARA O MERCADO BRASILEIRO FLÁVIA ALEXANDRE COSTA; KARLIN SAORI ISHII; JOAO

Leia mais