SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014"

Transcrição

1 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

2 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas

3 3

4 Síntese da evolução do SIPAC 1996 a a

5 Síntese da evolução do SIPAC SIPAC 5

6 SIPAC Capital seguro e Bonificações por região 6

7 SIPAC Capital seguro por cultura Alentejo 7

8 SIPAC Indemnizações por região 8

9 SIPAC Indemnizações por causa de sinistro Alentejo 9

10 SIPAC Evolução do nº de agricultores 10

11 SIPAC Representatividade da área segura na área cultivada 11

12 Síntese da evolução do SIPAC 12

13 Síntese da evolução do SIPAC Financeiramente pouco sustentável 13

14 14

15 Novo Sistema de Seguros Agrícolas Sistema de Seguros Agrícolas (SSA) 15

16 SC: Princípios Dinâmico Universal Simples Financ. Equilibrado Gestão partilhada 16

17 17

18 SC: Vertentes do SC 18

19 SC: Vertentes a vigorar na campanha

20 SC: Vertentes a vigorar na campanha 2014 SEGURO ESPECIAL CULTUR A REGIÃO RISCOS FRANQUIA Tomate indústria Tomate indústria Continente Granizo/Geada/Queda neve/incêndio/ação queda raio/tromba água/tornado Relativa: 20% Chuva persistente Relativa: 20% (Data fim 30set) ou Absoluta: 15% ou 25% (Data fim 30set ou 15out) Pomóideas Interior Norte Maçã, Pêra e marmelo Concelhos do Interior Norte Granizo/Queda neve/incêndio/ação queda raio/tromba água/tornado Relativa: 20% Geada Absoluta: 15% ou 25% 20

21 SC: Novo requisito comunitário (*) Reg. (EU) n.º 1305/2013, de 17 dezembro O apoio só é concedido para os contratos de seguro que cubram as perdas resultantes de um fenómeno climático adverso, ( ) que destrua mais de 30 % da produção anual média do agricultor nos três anos anteriores ou da sua produção média em três dos cinco anos anteriores. 21

22 SC: Novos conceitos Produtividade histórica Limite máximo produção segura Nota: O seguro de uma parcela de uma da cultura da UP, obriga a segurar todas as restantes parcelas dessa cultura na UP. 22

23 SC: Como avaliar se o sinistro é indemnizável? Através da comparação de dois valores: Se Prejuízo > 30% Produção média Há lugar a indemnização Nota: Os sinistros são considerados de forma cumulativa 23

24 Exemplo 1A: Verificação do limite máximo produção segura (parcela) N.º UP Cultura Parcela Produtividade média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) P Sequeiro Ar livre Tradicional NIFA 1 Olival P Regadio Ar livre Intensivo P Regadio Ar livre SuperIntensiv o P1/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha) (*) Produtiv média refer. (kg/ha) P2/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha)(*) Produtiv média refer. (kg/ha) P3/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha)(*) Produtiv média refer. (kg/ha) (*) Produção segura parcela /Área segura parcela Produção segura da P1/olival/UP1 NÃO É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) Produção segura da P2/olival/UP1 ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) Produção segura da P3/olival/UP1 ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) 24

25 Exemplo 2A: Verificação do sinistro indemnizável (parcela) DADOS CONTRATO DADOS SINISTROS NIF A N.º UP Cultura Parcela Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Área segura (ha) Data sinistro UP afetada Cultura afetada Parcela afetada Prejuízo (kg) 03-Out 1 Olival P Olival P Sequeiro Ar livre Tradicional Out 1 Olival P º sinistro (03-Out) Verificação PMI 30% para P1 (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 27% 2º sinistro (25-Out) (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 9% Acumulado dos sinistros P1 (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 36% (b) Produtiv. média refer. parcela x Área segura parcela afetada 1ºSinistro da P1 não éindemnizável (27% PMI de 30%) 1ºe 2ºSinistros da P1 são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros > PMI de 30%) 25

26 NIFB N.º UP Cultura 1 Produtividade média referência (kg/ha) Exemplo 1B: Verificação do limite máximo produção segura (cultura/regime/sistema/forma/up) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) Trigo Sequeiro Ar livre NA Cevada NA Sequeiro Ar livre 3 NA NA Regadio Ar livre NA NA TRIGO/SEQUEIRO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 12,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura trigo/sequeiro/ar livre/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) CEVADA/SEQUEIRO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura cevada/sequeiro/ar livre/up1 NÃO ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) CEVADA/REGADIO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura cevada/regadio/ar livre/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) 26

27 DADOS CONTRATO Exemplo 2B: Verificação do sinistro indemnizável (cultura/regime/sistema/forma/up) DADOS SINISTROS NIF B N.º UP Cultura Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Área segura (ha) Data sinistro UP afetada Cultura afetada Verba afetada Prejuízo (kg) 20-Abr 1 Cevada Cevada Sequeiro Ar livre Mai 1 Cevada Verificação do PMI de 30% para Verba 3 1º sinistro (20-Abr) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 25% 2º sinistro (11-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 14% Acumulado dos sinistros cevada/sequeiro/ar livre/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 39% (b) Produtiv. média refer. x Área segura verba afetada 1ºSinistro da Verba 3 não éindemnizável (25% PMI de 30%) 1ºe 2ºSinistros da Verba 3 são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros > PMI de 30%) 27

28 Exemplo 1C: Verificação do limite máximo produção segura (cultura/up) N.º UP Cultura Produtividade média referência (kg/ha) Verba Parcela Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) NIFC 1 Maçã P1 P2 P P Pera P P MAÇÃ/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 4,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura da maçã/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) PERA/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura da pera/up1 NÃO É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) 28

29 Exemplo 2C: Verificação do sinistro indemnizável (cultura/up) NIF C Verificação do PMI de 30% para Verba 2 DADOS CONTRATO N.º UP Cultura Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Área segura (ha) 1 Maçã º sinistro (20-Abr) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 10% 2º sinistro (02-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 17% Acumulado dos sinistros (1º e 2º) maçã/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 27% 3º sinistro (10-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 9% Acumulado dos sinistros (1º, 2º e 3º) maçã/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 36% (b) Produtiv. média refer. x Área segura verba afetada DADOS SINISTROS Data sinistro UP afetada Cultura afetada Verba afetada Prejuízo (kg) 20-Abr 1 Maçã Mai 1 Maçã Mai 1 Maçã ºSinistro da Verba 2 não éindemnizável (10% PMI 30%) 1ºe 2ºSinistros da Verba 2 não são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros PMI 30%) 1º, 2ºe 3ºSinistros da Verba 2 são indemnizáveis (Acumulado 1º, 2ºe 3ºsinistros > PMI 30%) 29

30 SC: Capital seguro Capital seguro = x Produção segura Preço seguro Produtividade histórica / tabelada X Área segura Preço tabelado (*) (*) Caso o preço seguro seja superior a 20% do valor tabelado, é necessário comprovativo 30

31 SC: Nível apoio concedido Variável com tipo contrato, fidelização (*) e Jovens Agricultores em 1ª instalação (e independente do risco): (*) Agricultor fez seguro no ano n-1 Limitado através da aplicação de tarifas de referência (variáveis com tipo produto - cultura/região/risco, zona risco e franquias) 31

32 SC: SIPAC versus SC SIPAC SC 32

33 Compensação de Sinistralidade 33

34 34

35 SC: Principais fases e intervenientes 35

36 SC: Consulta Prévia Tomador acede ao portal, efetua consulta prévia e verifica: - Registo IB (Nome/NIFAP) - Registo parcelas isip (N.º, área, concelho) Tomador prepara dados de base à celebração do contrato: - Define produtividades médias para cada cultura a segurar; - Identifica parcelas e detalha produção e área para cada uma delas. Tomador seleciona e contacta empresa de seguros seguros para negociar condições contratuais e acordar custo do seguro 36

37 SC: Candidatura Empresa seguros, via webservice, submete candidatura ao IFAP, valida informação e solicita enquadramento no plafond junto do IFAP Tomador e empresa seguros celebram contrato de seguro Tomador paga prémio líquido de bonificação Dados contrato: (Emp. Seguros --> IFAP) Prazo De 01/01/n a 31/12/n 37

38 SC: Comprovativos / Pagamentos Empresa seguros, via webservice, submete dados de comprovativos e valida informação IFAP desenvolve procedimentos inerentes ao pagamento e transfere apoio para empresa seguros Dados comprovativos (Emp. Seguros --> IFAP) Pagamento (IFAP --> Emp. Seguros) Prazo Prazo 60 dias após envio de candidatura (no limite, até 31/12/n) Até31/12/n => candidaturas [01/01/n e 30/09/n] e comprovativos 31/10/n; No ano n+1 => candidaturas [01/10/n e 31/12/n] ou comprovativos [01/11/n e 31/12/n] 38

39 SC: Sinistros Empresa seguros, via web submete dados da sinistralidade e valida dados Dados sinistros: (Emp. Seguros --> IFAP) Prazo Até 30/04/n+1 39

40 SC: Novo sistema operativo A comunicação entre os intervenientes IFAP e Empresas de seguros, tendo em vista a transferência da informação que serve de base à gestão e pagamento do apoio do SC, assenta essencialmente na interação entre máquinas. 40

41 Seguro Colheitas: Enquadramento legal 41

42 Obrigado pela vossa atenção

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 1. Síntese

Leia mais

A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012

A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012 A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012 SIPAC - Enquadramento lega SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR 1. Disposições Regulamentares O art.º 103.º-C do Reg.(CE) nº 1234/2007, do Conselho, de 22 de outubro de 2007, inclui nos objetivos dos programas operacionais das organizações

Leia mais

Seguros Agrícolas LUSOFLORA

Seguros Agrícolas LUSOFLORA Seguros Agrícolas LUSOFLORA Santarém, 27 de Fevereiro de 2015 Índice Indíce A CA Seguros no Crédito Agrícola Seguro de Colheitas o Novo Sistema de Seguros Agrícolas (SSA) o Seguro Vitícola de Colheitas

Leia mais

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação Prémio à Primeira Instalação Destina-se a apoiar a primeira instalação do jovem agricultor através da atribuição de um prémio Objectivos. Renovar e rejuvenescer o sector agrícola. Promover a instalação

Leia mais

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados Regulamento Administrativo nº 41/2003 Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados O Chefe do Executivo, depois de ouvido o Conselho Executivo, decreta,

Leia mais

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar após a aprovação dos PA e previamente à celebração do contrato de financiamento entre os Beneficiários e o IFAP-IP. 2.

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

A importância das Peritagem no Seguro de Colheitas

A importância das Peritagem no Seguro de Colheitas Workshop A Rega e Novas Técnicas de Controlo da Vinha A importância das Peritagem no Seguro de Colheitas António Barreira antonio.barreira@ca-seguros.pt CNEMA - Santarém, 08 de Junho de 2011 INDÍCE 1.

Leia mais

ficha de produto automóvel

ficha de produto automóvel ficha de produto automóvel O que é? O Seguro de Automóvel é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites de indemnização

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

Albufeira, 24 de Maio de 2012

Albufeira, 24 de Maio de 2012 Albufeira, 24 de Maio de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE GUIMARÃES - PROPOSTA DE TRABALHO - NORMAS DE PARTICIPAÇÃO III Edição do Orçamento Participativo de Guimarães - Ano de 2015 1 O presente documento enuncia

Leia mais

ORIENTAÇÕES. VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas

ORIENTAÇÕES. VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas ORIENTAÇÕES VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas Na sequência da publicação da Portaria n.º 71/2016 de 5 de abril, que estabelece para a campanha de 2016/2017 um período excecional de candidaturas

Leia mais

C IRCULAR N.º 01/2005

C IRCULAR N.º 01/2005 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C IRCULAR N.º 01/2005 DATA DE EMISSÃO: 14-01-2005 ENTRADA EM VIGOR: 01-01-2004 Assunto: Âmbito: SIPAC - Sistema Integrado de Protecção contra as Aleatoriedades Climáticas Às Companhias

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

PLANO MAIS COLABORADOR

PLANO MAIS COLABORADOR PLANO MAIS COLABORADOR Programa de Fidelização 1. Âmbito O Plano Mais Colaborador Programa de Fidelização (referido doravante por Programa) destina-se aos colaboradores das empresas aderentes ao Plano

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas:

Pedras Salgadas 26, Pedras Salgadas 27 e Fonte Romana e pelo polígono (Sabroso e Sabroso Nova Nascente, cujos vértices têm as seguintes coordenadas: 1411 e ao abrigo do disposto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto- -Lei n.º 86/90, de 16 de março e para os efeitos previstos nos artigos 46.º a 49.º da Lei n.º 54/2015, de 22 de junho, o seguinte: ANEXO

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

1. CSSnet passo a passo Mestrados

1. CSSnet passo a passo Mestrados 1 Índice 1. CSSnet passo a passo Mestrados... 3 1.1.1 Criação do Utilizador... 5 1.1.2 Confirmação da criação da conta... 7 1.1.3 Início da candidatura... 8 1.1.3.1 Etapa 1: Escolha o curso... 8 1.1.3.2

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Exposição de motivos São conhecidas as dificuldades económicas que parte das empresas agrícolas

Leia mais

DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014. Seguro de Colheitas Continente

DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014. Seguro de Colheitas Continente C IRCULAR CLASSIFICAÇÃO-N.º NSP-00002/2014 DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014 Assunto: Âmbito: Seguro de Colheitas Continente 1- OBJECTIVO O Decreto-Lei n.º 20/96, de 19 de Março,

Leia mais

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro O decreto lei nº25/2013 revê os regimes jurídicos de Microprodução e Miniprodução, define as suas últimas alterações e contempla as normas que regulamentam os dois

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo TORRES INOV-E é um programa orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas e diferenciadoras ou capazes de reinventar

Leia mais

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas

PDR 2014-2020. 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas PDR 2014-2020 3.3.2 Pequenos Investimentos na Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas Portal dos Incentivos Maio 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários...

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica DEPARTAMENTO DE EMPREGO Especificação Técnica Estímulo 2013 Apresentação de candidaturas 1. Enquadramento A Medida Estímulo 2013, regulada pela Portaria n.º 106/2013, de 14 de março de 2013, que consagra

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão Permanente de Economia reuniu no dia 16 de junho de 2015, na Sede da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade da Horta, a fim de analisar e dar

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro Bolsa Nacional de Terras A Cultura do Medronheiro Sardoal, 19 novembro 2015 A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português O desafio inicial da Bolsa de Terras

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO Índice 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. Considerações Gerais... 5 1.2. Portal do IFAP... 6 1.3. Acesso à aplicação...11

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN), que: 1. Tenham projetos aprovados e não estejam concluídos

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 2516-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 90 9 de Maio de 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Portaria n.º 357-A/2008 de 9 de Maio A estrutura empresarial dos territórios

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015 CAMPANHA CAMPANHA Ao domiciliar as ajudas ao rendimento em conta BST, por um valor estimado mínimo de 10.000, durante um período mínimo de 2 anos, recebe um destes equipamentos TV LED ou Mini Ipad. Para

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

M a n u a l d o C a n d i d a t o

M a n u a l d o C a n d i d a t o Para efetuar o processo de candidatura deve aceder ao link: http://ff.academicos.ul.pt/cssnetff Tenha sempre em atenção que durante o seu processo de candidatura todos os campos assinalados com * são de

Leia mais

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1

Linha de Crédito Comércio Investe - Documento de Divulgação - V.1 A presente linha de crédito surge como uma resposta às dificuldades das empresas no acesso ao financiamento, permitindo desta forma melhorar o suporte financeiro dos projetos aprovados no âmbito da Medida

Leia mais

CSSNET CANDIDATURAS ONLINE

CSSNET CANDIDATURAS ONLINE CSSNET CANDIDATURAS ONLINE f d. c a n d i d a t u r a s. u l i s b o a. p t Para efetuar o processo de candidatura deverá aceder ao site abaixo indicado. Link: https://fd.candidaturas.ulisboa.pt (Portal

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

Manual de Exploração

Manual de Exploração Manual de Exploração Seguros de Colheitas Ajuda aos Fundos Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Módulo Consulta Prévia Manual de Exploração Seguros de Colheitas -

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

Texto a manuscrever pelo cliente: Tomei conhecimento das advertências

Texto a manuscrever pelo cliente: Tomei conhecimento das advertências Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. FA FR0000290728 Groupama Seguros

Leia mais

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores PDR 2014-2020 Jovens Agricultores Portal dos Incentivos Fev 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Tipologia de Apoio... 2 1.4 Condições de Acesso...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro

ALERTA LEGAL. Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro ALERTA LEGAL Decreto-Lei n.º 153/2014, de 20 de outubro No dia 20 de outubro de 2014 foi publicada em Diário da República, I Série, o Decreto-Lei n.º 153/2014 que estabelece o regime jurídico aplicável

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro

Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro Normas Contábeis Orientações da SUSEP ao Previdência Complementar Aberta, Capitalização e Resseguro julho/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência...

Leia mais

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice.

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice. REGULAMENTO OK! amigos 1. Introdução A Campanha OK! amigos, doravante Campanha, premeia os Clientes que recomendam amigos para se tornarem clientes da OK! teleseguros, bem como os amigos que adiram por

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

Meios Remotos nas operações de seguro e previdência complementar aberta. Resolução CNSP n.º 294 de 06/09/2013

Meios Remotos nas operações de seguro e previdência complementar aberta. Resolução CNSP n.º 294 de 06/09/2013 Meios Remotos nas operações de seguro e previdência complementar aberta Resolução CNSP n.º 294 de 06/09/2013 Objetivos da Norma Resolução CNSP n.º 294/2013 Ampliar os canais de distribuição para a oferta

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 Considerando o Decreto-Lei n.º 162/2015, de 14 de agosto,

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Este manual é um documento de passo a passo de como efetuar a sua candidatura. As imagens apresentadas são exemplos do processo de candidaturas. De acordo com o regime de candidatura

Leia mais

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA

DEZEMBRO 2013. Crédito Protocolado SOLUÇÕES PARA O CRESCIMENTO DA SUA EMPRESA DEZEMBRO 2013 Na atual conjuntura económica, o Millennium bcp continua a implementar a sua estratégia de apoio às Empresas portuguesas, motores essenciais para o crescimento económico e criação de emprego.

Leia mais

Zurich responsabilidade civil empresas

Zurich responsabilidade civil empresas Zurich responsabilidade civil empresas Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente nº. Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação

FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação DSQA / Agosto 2015 Este documento tem como objetivo apoiar as entidades formadoras registadas na plataforma eletrónica da

Leia mais

Soluções de Comunicação Publicitária. Tarifários

Soluções de Comunicação Publicitária. Tarifários Soluções de Comunicação Publicitária Tarifários Em vigor a partir de 1 de março de 2015 Informação geral Direct Mail, Sampling Direct, Geocontacto, Correio Não Endereçado e Infomail SEGMENTO OCASIONAL

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28-10-2013 M3. VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA AÇÃO 3.1 JOVENS AGRICULTORES NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO 2014-15

MANUAL DO CANDIDATO 2014-15 MANUAL DO CANDIDATO 2014-15 1.1 Candidaturas Online Para iniciar o processo de candidatura o candidato deverá aceder ao portal do IGOT http://www.igot.ulisboa.pt e clicar no separador «CANDIDATURAS»: Para

Leia mais

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho.

O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de julho. Perguntas Frequentes: CANDIDATURAS E PRAZOS 1. Quais os prazos para apresentar candidatura ao Programa Retomar? O requerimento de atribuição da bolsa Retomar deve ser submetido entre 1 de abril e 31 de

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

PLANO VIP Programa de Fidelização

PLANO VIP Programa de Fidelização PLANO VIP Programa de Fidelização 1. Âmbito - O Plano VIP Programa de Fidelização (referido doravante por Programa) destina-se aos colaboradores das empresas aderentes ao Plano VIP do Millennium bcp que

Leia mais

manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 Classificação: 205.0 5. 02 Segurança: Pú bl ic a MOD. 12.2

manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 Classificação: 205.0 5. 02 Segurança: Pú bl ic a MOD. 12.2 Classificação: 205.0 5. 02 Segurança: Pú bl ic a manual de correção de erros centrais da declaração modelo 22 MOD. 12.2 Av. Eng. Duarte Pacheco, 28-7.º, Lisboa 1099-013 Tel: (+351) 21 383 42 00 Fax: (+351)

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Para efectuar o processo de candidatura o candidato deverá aceder ao portal do ICS e clicar na informação com a

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ ENQUADRAMENTO OBJETIVO DO PROJETO ENTIDADES PROMOTORAS DESTINATÁRIOS ATIVIDADES INDICADORES DE RESULTADOS METAS A ATINGIR CRONOGRAMA CONTACTOS ENQUADRAMENTO ALENTEJO 2020

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURAS 2015/2016

MANUAL DE CANDIDATURAS 2015/2016 MANUAL DE CANDIDATURAS 2015/2016 Pág. 1/12 Rua Conselheiro Emídio Navarro 1 Importante: O processo de candidatura decorre online. Este manual aplica-se a todos os cursos/regimes de candidatura, com as

Leia mais

Portal de Requisição de Vinhetas. Pedido de Reconhecimento de Entidade Utilizadora Software. Novo Pedido. Prescritores

Portal de Requisição de Vinhetas. Pedido de Reconhecimento de Entidade Utilizadora Software. Novo Pedido. Prescritores Portal de Requisição de Vinhetas Pedido de Reconhecimento de Entidade Utilizadora Software Novo Pedido Prescritores Guia de utilização versão 1 03 out 2013 Uma vez efetuado o registo de prescritor no Portal,

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

CANDIDATURAS ON LINE CSS NET FMV-ULISBOA. 1.1 Candidaturas on-line

CANDIDATURAS ON LINE CSS NET FMV-ULISBOA. 1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line css net Para efectuar o processo de candidatura o candidato deverá aceder à pagina de internet da Faculdade http://www.fmv.ulisboa.pt e aceder através de candidatos/condições de

Leia mais

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1.TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em carácter

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes

24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projeto com Futuro um Projecto com Futuro 24 de junho de 2014 Rossio a Sul do Tejo - Abrantes Paula Guerra 1 SUMÁRIO BREVE CARACTERIZAÇÃO DA REGIÃO CAUSAS

Leia mais

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015

Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Acção 7.1 Agricultura Biológica e Acção 7.2 Produção Integrada Execução relativa ao ano de 2015 Neste INFO AMBIENTE E ÁGUA faz-se uma primeira análise aos dados apresentados no Relatório de Execução Anual

Leia mais

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica

DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica DHL EXPRESS PORTUGAL Faturação Eletrónica Faturação Eletrónica DHL O que é a Faturação Eletrónica? O serviço de faturação eletrónica da DHL é um método alternativo ao correio e ao fax de receber as suas

Leia mais