SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014"

Transcrição

1 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP ALENTEJO 25 fevereiro 2014

2 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas

3 3

4 Síntese da evolução do SIPAC 1996 a a

5 Síntese da evolução do SIPAC SIPAC 5

6 SIPAC Capital seguro e Bonificações por região 6

7 SIPAC Capital seguro por cultura Alentejo 7

8 SIPAC Indemnizações por região 8

9 SIPAC Indemnizações por causa de sinistro Alentejo 9

10 SIPAC Evolução do nº de agricultores 10

11 SIPAC Representatividade da área segura na área cultivada 11

12 Síntese da evolução do SIPAC 12

13 Síntese da evolução do SIPAC Financeiramente pouco sustentável 13

14 14

15 Novo Sistema de Seguros Agrícolas Sistema de Seguros Agrícolas (SSA) 15

16 SC: Princípios Dinâmico Universal Simples Financ. Equilibrado Gestão partilhada 16

17 17

18 SC: Vertentes do SC 18

19 SC: Vertentes a vigorar na campanha

20 SC: Vertentes a vigorar na campanha 2014 SEGURO ESPECIAL CULTUR A REGIÃO RISCOS FRANQUIA Tomate indústria Tomate indústria Continente Granizo/Geada/Queda neve/incêndio/ação queda raio/tromba água/tornado Relativa: 20% Chuva persistente Relativa: 20% (Data fim 30set) ou Absoluta: 15% ou 25% (Data fim 30set ou 15out) Pomóideas Interior Norte Maçã, Pêra e marmelo Concelhos do Interior Norte Granizo/Queda neve/incêndio/ação queda raio/tromba água/tornado Relativa: 20% Geada Absoluta: 15% ou 25% 20

21 SC: Novo requisito comunitário (*) Reg. (EU) n.º 1305/2013, de 17 dezembro O apoio só é concedido para os contratos de seguro que cubram as perdas resultantes de um fenómeno climático adverso, ( ) que destrua mais de 30 % da produção anual média do agricultor nos três anos anteriores ou da sua produção média em três dos cinco anos anteriores. 21

22 SC: Novos conceitos Produtividade histórica Limite máximo produção segura Nota: O seguro de uma parcela de uma da cultura da UP, obriga a segurar todas as restantes parcelas dessa cultura na UP. 22

23 SC: Como avaliar se o sinistro é indemnizável? Através da comparação de dois valores: Se Prejuízo > 30% Produção média Há lugar a indemnização Nota: Os sinistros são considerados de forma cumulativa 23

24 Exemplo 1A: Verificação do limite máximo produção segura (parcela) N.º UP Cultura Parcela Produtividade média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) P Sequeiro Ar livre Tradicional NIFA 1 Olival P Regadio Ar livre Intensivo P Regadio Ar livre SuperIntensiv o P1/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha) (*) Produtiv média refer. (kg/ha) P2/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha)(*) Produtiv média refer. (kg/ha) P3/OLIVAL/UP 1 Produtiv. segura média (kg/ha)(*) Produtiv média refer. (kg/ha) (*) Produção segura parcela /Área segura parcela Produção segura da P1/olival/UP1 NÃO É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) Produção segura da P2/olival/UP1 ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) Produção segura da P3/olival/UP1 ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) 24

25 Exemplo 2A: Verificação do sinistro indemnizável (parcela) DADOS CONTRATO DADOS SINISTROS NIF A N.º UP Cultura Parcela Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Área segura (ha) Data sinistro UP afetada Cultura afetada Parcela afetada Prejuízo (kg) 03-Out 1 Olival P Olival P Sequeiro Ar livre Tradicional Out 1 Olival P º sinistro (03-Out) Verificação PMI 30% para P1 (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 27% 2º sinistro (25-Out) (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 9% Acumulado dos sinistros P1 (a) Produção afetada P (b) Produção referência P1 (*) (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 36% (b) Produtiv. média refer. parcela x Área segura parcela afetada 1ºSinistro da P1 não éindemnizável (27% PMI de 30%) 1ºe 2ºSinistros da P1 são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros > PMI de 30%) 25

26 NIFB N.º UP Cultura 1 Produtividade média referência (kg/ha) Exemplo 1B: Verificação do limite máximo produção segura (cultura/regime/sistema/forma/up) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) Trigo Sequeiro Ar livre NA Cevada NA Sequeiro Ar livre 3 NA NA Regadio Ar livre NA NA TRIGO/SEQUEIRO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 12,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura trigo/sequeiro/ar livre/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) CEVADA/SEQUEIRO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura cevada/sequeiro/ar livre/up1 NÃO ÉACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) CEVADA/REGADIO/AR LIVRE/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura cevada/regadio/ar livre/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) 26

27 DADOS CONTRATO Exemplo 2B: Verificação do sinistro indemnizável (cultura/regime/sistema/forma/up) DADOS SINISTROS NIF B N.º UP Cultura Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Regime cultura Sistema cultura Forma cultivo Área segura (ha) Data sinistro UP afetada Cultura afetada Verba afetada Prejuízo (kg) 20-Abr 1 Cevada Cevada Sequeiro Ar livre Mai 1 Cevada Verificação do PMI de 30% para Verba 3 1º sinistro (20-Abr) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 25% 2º sinistro (11-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 14% Acumulado dos sinistros cevada/sequeiro/ar livre/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência Cevada/Sequeiro/Arlivre (a)/(b) % Prod. Afetada /Prod. Refer. 39% (b) Produtiv. média refer. x Área segura verba afetada 1ºSinistro da Verba 3 não éindemnizável (25% PMI de 30%) 1ºe 2ºSinistros da Verba 3 são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros > PMI de 30%) 27

28 Exemplo 1C: Verificação do limite máximo produção segura (cultura/up) N.º UP Cultura Produtividade média referência (kg/ha) Verba Parcela Produção segura (kg) Área segura = Área cultivada (ha) NIFC 1 Maçã P1 P2 P P Pera P P MAÇÃ/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 4,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura da maçã/up1 É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média Produtiv. ref.) PERA/UP 1 (a) Somatório da produção segura (kg) (b) Somatório da área segura (ha) 3,0 (a)/(b) Produtiv. segura média (kg/ha) Produtiv média refer. (kg/ha) Produção segura da pera/up1 NÃO É ACEITÁVEL (Produtiv. segura média > Produtiv. ref.) 28

29 Exemplo 2C: Verificação do sinistro indemnizável (cultura/up) NIF C Verificação do PMI de 30% para Verba 2 DADOS CONTRATO N.º UP Cultura Produtiv. média referência (kg/ha) Verba Área segura (ha) 1 Maçã º sinistro (20-Abr) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 10% 2º sinistro (02-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 17% Acumulado dos sinistros (1º e 2º) maçã/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 27% 3º sinistro (10-Mai) (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 9% Acumulado dos sinistros (1º, 2º e 3º) maçã/up1 (a) Produção afetada Verba (b) Produção referência maçã/up (a)/(b)% Prod. Afetada /Prod. Refer. 36% (b) Produtiv. média refer. x Área segura verba afetada DADOS SINISTROS Data sinistro UP afetada Cultura afetada Verba afetada Prejuízo (kg) 20-Abr 1 Maçã Mai 1 Maçã Mai 1 Maçã ºSinistro da Verba 2 não éindemnizável (10% PMI 30%) 1ºe 2ºSinistros da Verba 2 não são indemnizáveis (Acumulado 1ºe 2ºsinistros PMI 30%) 1º, 2ºe 3ºSinistros da Verba 2 são indemnizáveis (Acumulado 1º, 2ºe 3ºsinistros > PMI 30%) 29

30 SC: Capital seguro Capital seguro = x Produção segura Preço seguro Produtividade histórica / tabelada X Área segura Preço tabelado (*) (*) Caso o preço seguro seja superior a 20% do valor tabelado, é necessário comprovativo 30

31 SC: Nível apoio concedido Variável com tipo contrato, fidelização (*) e Jovens Agricultores em 1ª instalação (e independente do risco): (*) Agricultor fez seguro no ano n-1 Limitado através da aplicação de tarifas de referência (variáveis com tipo produto - cultura/região/risco, zona risco e franquias) 31

32 SC: SIPAC versus SC SIPAC SC 32

33 Compensação de Sinistralidade 33

34 34

35 SC: Principais fases e intervenientes 35

36 SC: Consulta Prévia Tomador acede ao portal, efetua consulta prévia e verifica: - Registo IB (Nome/NIFAP) - Registo parcelas isip (N.º, área, concelho) Tomador prepara dados de base à celebração do contrato: - Define produtividades médias para cada cultura a segurar; - Identifica parcelas e detalha produção e área para cada uma delas. Tomador seleciona e contacta empresa de seguros seguros para negociar condições contratuais e acordar custo do seguro 36

37 SC: Candidatura Empresa seguros, via webservice, submete candidatura ao IFAP, valida informação e solicita enquadramento no plafond junto do IFAP Tomador e empresa seguros celebram contrato de seguro Tomador paga prémio líquido de bonificação Dados contrato: (Emp. Seguros --> IFAP) Prazo De 01/01/n a 31/12/n 37

38 SC: Comprovativos / Pagamentos Empresa seguros, via webservice, submete dados de comprovativos e valida informação IFAP desenvolve procedimentos inerentes ao pagamento e transfere apoio para empresa seguros Dados comprovativos (Emp. Seguros --> IFAP) Pagamento (IFAP --> Emp. Seguros) Prazo Prazo 60 dias após envio de candidatura (no limite, até 31/12/n) Até31/12/n => candidaturas [01/01/n e 30/09/n] e comprovativos 31/10/n; No ano n+1 => candidaturas [01/10/n e 31/12/n] ou comprovativos [01/11/n e 31/12/n] 38

39 SC: Sinistros Empresa seguros, via web submete dados da sinistralidade e valida dados Dados sinistros: (Emp. Seguros --> IFAP) Prazo Até 30/04/n+1 39

40 SC: Novo sistema operativo A comunicação entre os intervenientes IFAP e Empresas de seguros, tendo em vista a transferência da informação que serve de base à gestão e pagamento do apoio do SC, assenta essencialmente na interação entre máquinas. 40

41 Seguro Colheitas: Enquadramento legal 41

42 Obrigado pela vossa atenção

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014

SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 SEGURO DE COLHEITAS (SC) IFAP DAM/UPRF DRAP CENTRO 21 fevereiro 2014 1. Síntese da evolução do SIPAC 2. Caracterização do novo seguro de colheitas 3. Operacionalização do novo seguro de colheitas 1. Síntese

Leia mais

A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012

A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas. IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012 A Gestão de Riscos e o Sistema de Seguros Agrícolas IFAP - DAI/UPRF Seminário Hortofruticultura 2020 12 outubro 2012 SIPAC - Enquadramento lega SIPAC -Sistema Integrado de Proteção Contra as Aleatoriedades

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR

I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR I. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR 1. Disposições Regulamentares O art.º 103.º-C do Reg.(CE) nº 1234/2007, do Conselho, de 22 de outubro de 2007, inclui nos objetivos dos programas operacionais das organizações

Leia mais

Seguros Agrícolas LUSOFLORA

Seguros Agrícolas LUSOFLORA Seguros Agrícolas LUSOFLORA Santarém, 27 de Fevereiro de 2015 Índice Indíce A CA Seguros no Crédito Agrícola Seguro de Colheitas o Novo Sistema de Seguros Agrícolas (SSA) o Seguro Vitícola de Colheitas

Leia mais

C IRCULAR N.º 01/2005

C IRCULAR N.º 01/2005 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO C IRCULAR N.º 01/2005 DATA DE EMISSÃO: 14-01-2005 ENTRADA EM VIGOR: 01-01-2004 Assunto: Âmbito: SIPAC - Sistema Integrado de Protecção contra as Aleatoriedades Climáticas Às Companhias

Leia mais

DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014. Seguro de Colheitas Continente

DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014. Seguro de Colheitas Continente C IRCULAR CLASSIFICAÇÃO-N.º NSP-00002/2014 DATA DE EMISSÃO: 08-05-2014 ENTRADA EM VIGOR: 01-05-2014 Assunto: Âmbito: Seguro de Colheitas Continente 1- OBJECTIVO O Decreto-Lei n.º 20/96, de 19 de Março,

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO, EMPREGO E COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL, S.R. DA AGRICULTURA E AMBIENTE Portaria n.º 143/2015 de 3 de Novembro de 2015 Considerando o Decreto-Lei n.º 162/2015, de 14 de agosto,

Leia mais

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar após a aprovação dos PA e previamente à celebração do contrato de financiamento entre os Beneficiários e o IFAP-IP. 2.

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão Permanente de Economia reuniu no dia 16 de junho de 2015, na Sede da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade da Horta, a fim de analisar e dar

Leia mais

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados

Regulamento Administrativo nº 41/2003. Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados Regulamento Administrativo nº 41/2003 Tarifa de prémios para o seguro obrigatório de responsabilidade civil profissional dos advogados O Chefe do Executivo, depois de ouvido o Conselho Executivo, decreta,

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

ORIENTAÇÕES. VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas

ORIENTAÇÕES. VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas ORIENTAÇÕES VITIS 2016/2017 Período excecional de candidaturas Na sequência da publicação da Portaria n.º 71/2016 de 5 de abril, que estabelece para a campanha de 2016/2017 um período excecional de candidaturas

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação Prémio à Primeira Instalação Destina-se a apoiar a primeira instalação do jovem agricultor através da atribuição de um prémio Objectivos. Renovar e rejuvenescer o sector agrícola. Promover a instalação

Leia mais

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola

PDR 2020. 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola PDR 2020 3.2 - Investimento na Exploração Agrícola Equipa Portal dos Incentivos Nov 2014 Índice Índice... 1 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Descrição... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Critérios de Elegibilidade

Leia mais

ficha de produto automóvel

ficha de produto automóvel ficha de produto automóvel O que é? O Seguro de Automóvel é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites de indemnização

Leia mais

Novas Regras da PAC. Greening. Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente

Novas Regras da PAC. Greening. Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente Novas Regras da PAC Greening Efeitos da aplicação na exploração agrícola das práticas agrícolas benéficas para o clima e ambiente Gabinete Técnico da CNA 2014 Novas Regras da PAC Greening Índice Nota prévia...

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN), que: 1. Tenham projetos aprovados e não estejam concluídos

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg

Sessão de Divulgação PDR2020. NERA Loulé 2 de Julho de 2015. Júlio Cabrita - DRAPAlg Sessão de Divulgação PDR2020 NERA Loulé 2 de Julho de 2015 Júlio Cabrita - DRAPAlg (Continuação) 25,0% PRODER - TOTAL (Região Algarve) Investimento total por concelho (%), em 2015-03-23 22,5% 20,0% 17,3%

Leia mais

Colectivo - SVC Proposta

Colectivo - SVC Proposta Proposta SEGURO NOVO ALTERAÇÃO (PREENCHER APENAS OS DADOS A ALTERAR) N.º APÓLICE N.º COTAÇÃO N.º CANDIDATURA SVC TOMADOR DO SEGURO / PROPONENTE PARTICULAR / EMPRESÁRIO EMPRESA N.º BENEFICIÁRIO IFAP É OU

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e do Sistema de Apoio a Ações Coletivas (SIAC) que: 1. Tenham

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112

Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Incentivos PRODER Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Investimentos de Pequena Dimensão Acção 112 Abertura: A partir de 22 de Maio Objectivos: Melhorar condições vida, trabalho e produção dos agricultores

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.4 INFRAESTRUTURAS COLETIVAS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT

Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT Iniciativa integrada na feira: AGRO I&DT ORGANIZAÇÃO O espaço AGRO I&DT, integrado na 1ª edição da feira Portugal Agro 2014, consistiu numa iniciativa conjunta da Rede INOVAR e da Direcção Regional de

Leia mais

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge Índice 02 1. Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos

Leia mais

Manual de Exploração

Manual de Exploração Manual de Exploração Seguros de Colheitas Ajuda aos Fundos Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Módulo Consulta Prévia Manual de Exploração Seguros de Colheitas -

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ ENQUADRAMENTO OBJETIVO DO PROJETO ENTIDADES PROMOTORAS DESTINATÁRIOS ATIVIDADES INDICADORES DE RESULTADOS METAS A ATINGIR CRONOGRAMA CONTACTOS ENQUADRAMENTO ALENTEJO 2020

Leia mais

II Relatório Grupo de Trabalho para a Revisão do Sistema de Seguros Agrícolas. Dezembro 2010

II Relatório Grupo de Trabalho para a Revisão do Sistema de Seguros Agrícolas. Dezembro 2010 II Relatório Grupo de Trabalho para a Revisão do Sistema de Seguros Agrícolas Dezembro 2010 O resultado da nossa própria experiência deve ser o ponto de partida para uma progressiva melhoria dos sistemas

Leia mais

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE

C I R C U L AR. Seca 2012 - Linha de Crédito de Apoio à Alimentação Animal. Continente INDICE CONSELHO DIRECTIVO C I R C U L AR CLASSIFICAÇÃO- DATA DE EMISSÃO: 09-04-2012 ENTRADA EM VIGOR: 10-04-2012 Âmbito: Continente INDICE 1. ÂMBITO E ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO 2. INTERVENIENTES 3. BENEFICIÁRIOS

Leia mais

Seguros Agrícolas O Sistema Português

Seguros Agrícolas O Sistema Português Seguros Agrícolas O Sistema Português Por Pedro Santos Toda a actividade agrícola está sujeita a variadíssimos riscos, sendo os provocados pelas condições meteorológicas os mais imprevisíveis e menos controláveis.

Leia mais

PLANO MAIS COLABORADOR

PLANO MAIS COLABORADOR PLANO MAIS COLABORADOR Programa de Fidelização 1. Âmbito O Plano Mais Colaborador Programa de Fidelização (referido doravante por Programa) destina-se aos colaboradores das empresas aderentes ao Plano

Leia mais

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003

GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 GRÁFICO 1 - EVOLUÇÃO DO CRÉDITO RURAL, NO PERÍODO DE 1969 A 2003, EM BILHÕES DE REAIS - VALORES CONSTANTES DE 2003 100 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 R$ bilhões 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução

AGRO 728 & PEDIZA II PROJECTO. Introdução PROJECTO AGRO 728 & PEDIZA II Instituições Intervenientes UE - Universidade de Évora - Dep. de Eng.Rural. COTR - Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio ESAB - Escola Superior Agrária de Beja. ATOM

Leia mais

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice.

PASSO 1 a) Para participar na Campanha, os clientes OK! teleseguros devem registar-se no sítio www.okamigos.pt indicando o seu número de apólice. REGULAMENTO OK! amigos 1. Introdução A Campanha OK! amigos, doravante Campanha, premeia os Clientes que recomendam amigos para se tornarem clientes da OK! teleseguros, bem como os amigos que adiram por

Leia mais

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro

Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro Decreto lei nº25/2013 de 19 de Fevereiro O decreto lei nº25/2013 revê os regimes jurídicos de Microprodução e Miniprodução, define as suas últimas alterações e contempla as normas que regulamentam os dois

Leia mais

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro

Bolsa Nacional de Terras. A Cultura do Medronheiro Bolsa Nacional de Terras A Cultura do Medronheiro Sardoal, 19 novembro 2015 A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português O desafio inicial da Bolsa de Terras

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA

PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 267XI/1.ª LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO DE APOIO À ACTIVIDADE AGRÍCOLA Exposição de motivos São conhecidas as dificuldades económicas que parte das empresas agrícolas

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores

A FRUTICULTURA NO PRODER. Alguns Indicadores A FRUTICULTURA NO PRODER Alguns Indicadores NOTA DE ABERTURA Este documento tem como objetivo a divulgação de um conjunto de indicadores relativos ao setor da fruticultura no âmbito do Programa de Desenvolvimento

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO PEDIDO DE INFORMAÇÃO Índice 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1. Considerações Gerais... 5 1.2. Portal do IFAP... 6 1.3. Acesso à aplicação...11

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO

SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO SEGURO CAUÇÃO COM A GARANTIA DO ESTADO BENEFICIÁRIOS: entidades que em virtude de obrigação legal ou contratual sejam beneficiárias de uma obrigação de caucionar ou de afiançar, em que seja devido, designadamente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS SAGRA ONLINE Relatório de Apreciação Ref.ª IT 08/82/2007 1. Introdução No Centro Operativo e de Tecnologia de Regadio (COTR) a qualidade é encarada como

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 2516-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 90 9 de Maio de 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Portaria n.º 357-A/2008 de 9 de Maio A estrutura empresarial dos territórios

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015

Gestão de Risco. Seguros e garantias para o setor agropecuário. Seminário Financiamento ao Agronegócio. 31 de julho de 2015 Gestão de Risco Seguros e garantias para o setor agropecuário Seminário Financiamento ao Agronegócio 31 de julho de 2015 1. Riscos Climáticos Exposição e vulnerabilidade Secas, inundações, geadas, ventos,

Leia mais

PORTARIA Nº 1266/2008 de 5 de Novembro

PORTARIA Nº 1266/2008 de 5 de Novembro PORTARIA Nº 1266/2008 de 5 de Novembro RECONHECIMENTO de ORGANIZAÇÕES DE PRODUTORES FRUTAS E PRODUTOS HORTÍCOLAS PROCEDIMENTOS Versão 1.0 GPP - 21.11.2008 ÍNDICE 1. Introdução...3 2. Enquadramento legislativo...4

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015

C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS. Porto, 06 de fevereiro de 2015 C C D R N E S P A P SERVIÇOS PARTILHADOS E COMPRAS PÚBLICAS Porto, 06 de fevereiro de 2015 1 ÍNDICE I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DO CÁVADO III CENTRAL DE COMPRAS DA CIM DO CÁVADO 2 I A COMUNIDADE INTERMUNICIPAL

Leia mais

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica

Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar. Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica Um projeto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar Bolsa Nacional de Terras e a Agricultura Biológica A nossa Visão Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural português Território?

Leia mais

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP)

IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) IEFP, I.P. Apoios e Serviços Prestados Programa de Estágios Profissionais PAULA AGOSTINHO (Centro de Emprego de Montemor-o-Novo do IEFP, IP) Montemor, 27 de janeiro de 2012 1. QUEM SOMOS O IEFP - MISSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 30 12 de fevereiro de 2015 845 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Portaria n.º 31/2015 de 12 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu

Leia mais

O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum!

O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum! O IFAP desafiou Assunção Cristas, Ministra da Agricultura e do Mar numa entrevista para análise das perspetivas da nova Política Agrícola Comum! IFAP: O novo Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º

Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781. Artigo 2.º Diário da República, 1.ª série N.º 27 9 de fevereiro de 2015 781 ANEXO II Tabela de conversão em cabeças normais (a que se refere o n.º 7 do artigo 10.º) Espécies Cabeças normais (CN) Equídeos com mais

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Zurich responsabilidade civil empresas

Zurich responsabilidade civil empresas Zurich responsabilidade civil empresas Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente nº. Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio

Leia mais

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém

GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL. 20 de novembro de 2015 Santarém GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 20 de novembro de 2015 Santarém 1 2 ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO 2 1 ENQUADRAMENTO O

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional

Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito. Responsabilidade Civil Profissional Painel 1 Tema: Ética e Responsabilidade Civil e Profissional no âmbito do Sistema de Acesso ao Direito Responsabilidade Civil Profissional Responsabilidade Civl Profissional dos Advogados Código de Deontologia

Leia mais

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras

Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Horticultura Ornamental em Portugal - Perspetiva atual e tendências futuras Lusoflora, 27 de fevereiro de 2015 Bolsa Nacional de Terras Potenciar a utilização do território rural A nossa Visão Potenciar

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL

ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO DO RISCO FLORESTAL Seminário UNAC LISBOA, 18 DE MARÇO DE 2010 CRÉDITO AGRÍCOLA SEGUROS SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA CA SEGUROS 2. DEFINIÇÃO DE SEGURO 3. O SEGURO DE INCÊNDIO FLORESTAL

Leia mais

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS

1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS APRESENTAÇÃO 1. ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES 2.PROJECTO 3. NOVOS DESAFIOS 1.ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES Objectivos: Promoção do desenvolvimento sustentado da Produção Horticola e sua concentração; Promover

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

TARIFA AUTOMÓVEL 2009

TARIFA AUTOMÓVEL 2009 1 Tarifa Automóvel 2009 ENQUADRAMENTO Encontrando-se a actividade seguradora exposta a uma conjuntura económica e de mercado que tem conduzido a uma contracção dos prémios de seguro, é imperioso que todos

Leia mais

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores

PDR 2014-2020. Jovens Agricultores PDR 2014-2020 Jovens Agricultores Portal dos Incentivos Fev 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2 1.3 Tipologia de Apoio... 2 1.4 Condições de Acesso...

Leia mais

Zurich agência de viagens

Zurich agência de viagens Zurich agência de viagens Proposta de eguro (preencher com maiúsculas) Zonas de cor a preencher pela Zurich Cliente nº. Cliente Associado Mediador Gestor de egócio Apólice nº. Linha de egócio egmento Alvo

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO

22-11-2015. Regime de certificação ambiental do Greening GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL ENQUADRAMENTO GREENING REGIME DE CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL 0 de novembro de 05 Santarém ENQUADRAMENTO PRÁTICA EQUIVALENTE À DIVERSIFICAÇÃO DE CULTURAS 3 ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO 4 CONTROLO ENQUADRAMENTO O que é o greening?

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Auditoria à Instalação de Jovens Agricultores

Auditoria à Instalação de Jovens Agricultores Auditoria à Instalação de Jovens Agricultores Relatório Janeiro 2015 Tribunal de Contas Processo n.º 22/2014-AUDIT Auditoria à Instalação de Jovens Agricultores RELATÓRIO Auditoria à Instalação de Jovens

Leia mais

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES

PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES SOMOS PROJETOS DE INVESTIMENTO AGROALIMENTARES - AÇÃO 3.2.1 PDR2020 - - B r o c h u r a I n f o r m a t i v a Mod. MKT-CON-P321.v01.2/15 Regibio - Formação e Consultadoria, Lda. SEDE: Largo de São Tiago,

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema

Leia mais

MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA. Nº Projecto Produto DD CC FF

MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA. Nº Projecto Produto DD CC FF MEDIDA 1.2 INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES PLANO EMPRESARIAL ANO DE CANDIDATURA A PREENCHER PELA SRARN ENTRADA (Carimbo e data) Data Nº Projecto Produto DD CC FF 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE NIFAP

Leia mais

Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano

Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano Caracterização e Enquadramento da região ZV de Estremoz-Cano Sousel 7 de outubro de 2014 Enquadramento Geográfico Distritos: Portalegre e Évora Concelhos: Sousel e Estremoz Sistema Aquífero: Estremoz-Cano

Leia mais

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding

Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding 11 de Novembro de 2014 Incentives News Flash nº 30/2014 Create value with public funding Acção 3.2 Investimento na exploração agrícola e Acção 3.3 Investimento na transformação e comercialização de produtos

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

fevereiro 2014 n.º 37

fevereiro 2014 n.º 37 Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, um Projeto com Futuro Comunicado Ministério das Finanças fevereiro 2014 n.º 37 Prolongamento até 30 de abril de 2014

Leia mais

medida 1 APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS

medida 1 APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS APOIO À INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES E AO INVESTIMENTO NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS Programa Operacional Agricultura e desenvolvimento Rural Praça do Comércio 1149-010 Lisboa Tel.: 213 234 960 Fax: 213

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 2542 Diário da República, 1.ª série N.º 87 5 de Maio de 2011 (Em euros) Tipologia Encargos com cuidados de saúde (utente/dia) Encargos com medicamentos (utente/dia) Encargos com cuidados de apoio social

Leia mais