AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Lousada Este LOUSADA Área Territorial de Inspeção do Norte

2 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações gerais para a autoavaliação e para a avaliação externa. Neste âmbito, foi desenvolvido, desde 2006, um programa nacional de avaliação dos jardins de infância e das escolas básicas e secundárias públicas, tendo-se cumprido o primeiro ciclo de avaliação em junho de A então Inspeção-Geral da Educação foi incumbida de dar continuidade ao programa de avaliação externa das escolas, na sequência da proposta de modelo para um novo ciclo de avaliação externa, apresentada pelo Grupo de Trabalho (Despacho n.º 4150/2011, de 4 de março). Assim, apoiando-se no modelo construído e na experimentação realizada em doze escolas e agrupamentos de escolas, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) está a desenvolver esta atividade consignada como sua competência no Decreto Regulamentar n.º 15/2012, de 27 de janeiro. O presente relatório expressa os resultados da avaliação externa do Agrupamento de Escolas de Lousada Este Lousada, realizada pela equipa de avaliação, na sequência da visita efetuada entre 17 e 20 de fevereiro de As conclusões decorrem da análise dos documentos fundamentais do Agrupamento, em especial da sua autoavaliação, dos indicadores de sucesso académico dos alunos, das respostas aos questionários de satisfação da comunidade e da realização de entrevistas. Espera-se que o processo de avaliação externa fomente e consolide a autoavaliação e resulte numa oportunidade de melhoria para o Agrupamento, constituindo este documento um instrumento de reflexão e de debate. De facto, ao identificar pontos fortes e áreas de melhoria, este relatório oferece elementos para a construção ou o aperfeiçoamento de planos de ação para a melhoria e de desenvolvimento de cada escola, em articulação com a administração educativa e com a comunidade em que se insere. ESCALA DE AVALIAÇÃO Níveis de classificação dos três domínios EXCELENTE A ação da escola tem produzido um impacto consistente e muito acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais consolidadas, generalizadas e eficazes. A escola distingue-se pelas práticas exemplares em campos relevantes. MUITO BOM A ação da escola tem produzido um impacto consistente e acima dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fortes predominam na totalidade dos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais generalizadas e eficazes. BOM A ação da escola tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. A escola apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais eficazes. SUFICIENTE A ação da escola tem produzido um impacto aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. As ações de aperfeiçoamento são pouco consistentes ao longo do tempo e envolvem áreas limitadas da escola. INSUFICIENTE A ação da escola tem produzido um impacto muito aquém dos valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. Os pontos fracos sobrepõem-se aos pontos fortes na generalidade dos campos em análise. A escola não revela uma prática coerente, positiva e coesa. A equipa de avaliação externa visitou a escola-sede do Agrupamento, a Escola Básica de Sub-Ribas, a Escola Básica de Pereiras e a Escola Básica de Torno. A equipa regista a atitude de empenhamento e de mobilização do Agrupamento, bem como a colaboração demonstrada pelas pessoas com quem interagiu na preparação e no decurso da avaliação. O relatório do Agrupamento apresentado no âmbito da Avaliação Externa das Escolas está disponível na página da IGEC. 1

3 2 CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO O Agrupamento de Escolas de Lousada Este, situado no concelho de Lousada, foi constituído em 2001 e atualmente integra nove estabelecimentos de educação e ensino: as escolas básicas da Estação, de Pereiras n.º 1, de Cruzeiro, de Pereiras, do Corgo, de Sub-Ribas, de Vilar, de Torno e de Caíde de Rei (escola-sede). Genericamente dispõe de boas condições de segurança, habitabilidade e conforto, fruto das obras levadas a cabo pelas juntas de freguesia, câmara municipal e direção. A população escolar, em , é composta por 1278 crianças, alunos e formandos: 235 na educação pré-escolar (12 grupos), 465 no 1.º ciclo (23 turmas), 192 no 2.º ciclo (10 turmas), 324 no 3.º ciclo (14 turmas, sendo que uma é de percurso curricular alternativo), 43 no curso vocacional do 3.º ciclo de Artes e Animação (duas turmas) e 19 no curso vocacional do ensino secundário de Técnico de Produção Agropecuária (uma turma). Cerca de 1,5% dos alunos não têm naturalidade portuguesa. De acordo com os dados fornecidos pelo Agrupamento, verifica-se que 63% dos alunos do ensino básico e secundário não beneficiam de auxílios económicos no âmbito da ação social escolar e 35% dos alunos do ensino básico e 34% dos alunos do ensino secundário possuem computador e internet em casa. Quanto à formação dos pais dos alunos do ensino básico, verifica-se que 3% têm uma formação superior e 10% secundária e superior. Já em relação à ocupação profissional dos pais, 4,3% exercem atividades profissionais de nível superior e intermédio. A educação e o ensino são assegurados por 115 docentes, dos quais 89% pertencem aos quadros. A experiência profissional é significativa, pois 89,6% lecionam há 10 ou mais anos. Atualmente, o pessoal não docente é composto por 69 elementos, dos quais, 63 são assistentes operacionais, quatro assistentes técnicos, um coordenador técnico e um psicólogo, colocado, a tempo parcial. Todos os trabalhadores têm contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado e 36,8% têm 10 ou mais anos de serviço. No ano letivo de , ano mais recente para o qual existem referentes nacionais calculados, os valores das variáveis de contexto, nomeadamente a média do número de anos da habilitação das mães e dos pais e a percentagem de alunos do 6.º ano sem auxílios económicos no âmbito da ação social escolar, situavam-se muito aquém da mediana calculada para as escolas/agrupamentos do mesmo grupo de referência. A percentagem de docentes do quadro dos 2.º e 3.º ciclos e do ensino secundário, bem como a percentagem de alunos do 9.º ano sem auxílios económicos no âmbito da ação social escolar ficaram aquém do valor mediano. A média do número de alunos por turma ficou próximo da mediana no 4.º ano e muito acima deste valor nos 6.º e 9.º anos. Assim, em , o Agrupamento apresenta variáveis de contexto bastante desfavoráveis que o colocam entre os mais desfavorecidos. 3 AVALIAÇÃO POR DOMÍNIO Considerando os campos de análise dos três domínios do quadro de referência da avaliação externa e tendo por base as entrevistas e a análise documental e estatística realizada, a equipa de avaliação formula as seguintes apreciações: 3.1 RESULTADOS RESULTADOS ACADÉMICOS Na educação pré-escolar, é feita a avaliação qualitativa das aprendizagens das crianças de acordo com as diferentes áreas de conteúdo, possibilitando o conhecimento dos progressos das crianças e contribuindo para a melhoria das aprendizagens. Trimestralmente, estas informações são 2

4 disponibilizadas aos pais e encarregados de educação e transmitidas aos docentes do 1.º ciclo, aquando do ingresso das crianças na escolaridade básica. Analisando os resultados académicos dos alunos nos anos letivos e e comparandoos com os obtidos nas escolas do mesmo grupo de referência e de contexto análogo, verifica-se que as taxas de conclusão dos 4.º, 6.º e 9.º anos situaram-se acima dos valores esperados, com exceção da taxa de conclusão do 4.º ano, em , que ficou em linha com este valor e da do 9.º ano, em , que ficou aquém do valor esperado. Assim, verifica-se que há melhoria nos resultados internos do 4.º ano, ao invés do que sucede no 9.º ano. Nos anos letivos e , as percentagens de resultados positivos nas provas de aferição do 4.º ano ficaram acima dos valores esperados. Por sua vez, em , a percentagem de resultados positivos em Língua Portuguesa na prova final do 6.º ano ficou aquém do valor esperado. Os resultados do Agrupamento, em e , quando comparados com aqueles das escolas do mesmo grupo de referência, situaram-se, maioritariamente, aquém da mediana, podendo afirmar-se que revelaram alguma melhoria em , nomeadamente no 4.º ano, na taxa de conclusão do 6.º ano e na prova final de Matemática do 9.º ano. Não obstante as variáveis do contexto do Agrupamento, em , serem bastante desfavoráveis, os resultados observados estão, globalmente, em linha com os valores esperados, evidenciando progresso no 1.º ciclo. O Agrupamento tem realizado o tratamento estatístico e a análise dos resultados académicos, tanto internos como externos, comparando-os com indicadores nacionais e implementado algumas medidas de melhoria. Porém, ainda não é visível a eficácia das estratégias de melhoria implementadas em algumas áreas, nomeadamente nos resultados das provas finais de Língua Portuguesa e de Matemática, no 9.º ano. Relativamente ao abandono e desistência escolares, destaca-se o facto de terem vindo progressivamente a diminuir, apresentando atualmente taxas residuais. RESULTADOS SOCIAIS O projeto educativo consagra o desenvolvimento pessoal e social dos alunos e inscreve como prioridades a promoção de atitudes de cidadania e de respeito pelos outros e de estilos e hábitos de vida saudáveis. Os alunos são implicados na vida escolar, sendo auscultados em reuniões periódicas com a direção. As suas sugestões e propostas têm sido, muitas vezes, acolhidas e postas em prática. A associação de estudantes, para além de ser ouvida nas decisões mais importantes da vida escolar, dedica-se à dinamização de palestras de sensibilização para o embelezamento e manutenção dos espaços escolares, de atividades festivas, culturais e de lazer. Como forma de potenciar o desenvolvimento cívico, o Agrupamento tem desenvolvido iniciativas orientadas para a apropriação de normas de conduta como o respeito pelos outros e pelo ambiente e a solidariedade, que contam com grande adesão por parte dos alunos. Assim, para além das iniciativas de âmbito nacional (Programa de Educação para a Saúde, Desporto Escolar, Parlamento Jovem, Energia com Vida da EDP Gás) são dinamizados vários projetos, dos quais se destacam Eu quero aprender a agir, AGIR, jornal escolar Aqui D El Rei, projeto Rios, Sarau Cultural e Desportivo. Globalmente, os alunos são disciplinados e verifica-se um ambiente educativo favorável ao desenvolvimento das relações interpessoais e à efetivação das aprendizagens. Para combater alguns comportamentos menos disciplinados, foram implementadas algumas iniciativas de prevenção, traduzidas pela divulgação exaustiva das regras patentes no regulamento interno, pela criação da figura de professores e de alunos tutores, pelo trabalho desenvolvido no âmbito do projeto AGIR+, pelo 3

5 envolvimento da associação de estudantes e pela intervenção imediata por parte da direção, que estão a ter já reflexos positivos. Não se sistematizou ainda a prática de monitorização do percurso dos alunos após a sua saída do Agrupamento, muito embora haja a perceção de que a maioria prossegue estudos no ensino regular. Relativamente aos alunos dos cursos profissionalizantes, é aferida a relação da formação realizada no Agrupamento, com o grau de satisfação das empresas/entidades promotoras da formação em contexto de trabalho e com a obtenção de emprego. RECONHECIMENTO DA COMUNIDADE Pela análise das respostas aos questionários aplicados no âmbito da presente avaliação externa, verifica-se um elevado grau de satisfação da comunidade educativa com o funcionamento do Agrupamento. Genericamente, os alunos manifestam concordância com a exigência do ensino e o conhecimento das regras e dos critérios de avaliação, havendo alguma discordância quanto à participação em clubes e projetos, ao comportamento dos alunos e ao serviço de refeitório da escola-sede. Os encarregados de educação manifestam uma concordância muito elevada em todos os aspetos, sobretudo com a exigência do ensino e a disponibilidade dos diretores de turma, embora ligeiramente menos no que se refere às instalações. Os trabalhadores, docentes e não docentes destacam, como aspetos mais positivos, a direção, a abertura ao exterior e o funcionamento dos serviços administrativos, deixando transparecer alguma discordância em relação às instalações e ao comportamento dos alunos. Os sucessos das crianças e alunos são valorizados pelos docentes, nomeadamente através da divulgação das atividades e seus resultados (p. ex., em exposições, no jornal escolar, no facebook e na página Web do Agrupamento) e da participação em concursos e em várias modalidades e iniciativas do Desporto Escolar. De destacar, também, os prémios atribuídos, anualmente e em cerimónia pública, aos alunos com melhores desempenhos académicos. A abertura do Agrupamento à comunidade traduz-se numa participação ativa dos pais e das autarquias locais, quer nos órgãos onde estão representados, quer em atividades pedagógicas das crianças e dos alunos (p. ex., Feira de S. Martinho, festa de Natal, festa de encerramento das atividades letivas, caminhada do Agrupamento). O forte envolvimento com as instituições locais na concretização de projetos pedagógicos e de âmbito social (semana da leitura, feira do livro, campanhas de solidariedade, apadrinhamento de uma criança moçambicana), bem como a participação em projetos de âmbito nacional (p. ex., projeto Parlamento Jovem, Educação para a Saúde), têm contribuído para a valorização e promoção da imagem do Agrupamento. A ação do Agrupamento tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. O Agrupamento apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais eficazes. Tais fundamentos justificam a atribuição da classificação de BOM no domínio Resultados. 3.2 PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO PLANEAMENTO E ARTICULAÇÃO A articulação curricular, identificada como área de melhoria no relatório da avaliação externa anterior, foi objeto de análise e aperfeiçoamento. No entanto, apesar das práticas de melhoria introduzidas, designadamente no que respeita à partilha de informação entre os docentes dos diferentes níveis e ciclos de educação e ensino, a articulação curricular vertical e horizontal, não é, ainda, uma prática consistente, enquanto ação promotora da sequencialidade das aprendizagens. 4

6 Também, os planos de trabalho das turmas dos 2.º e 3.º ciclos não especificam um planeamento estruturado do processo de ensino e de aprendizagem que preconize a efetiva interligação de conteúdos das diferentes disciplinas. Foram, contudo, recolhidas evidências de práticas de ensino interdisciplinar e de articulação curricular, no que respeita ao trabalho desenvolvido nos cursos vocacionais e no âmbito de atividades e projetos que envolvem as crianças e os alunos, designadamente as promovidas pelas bibliotecas escolares. O plano anual de atividades concretiza os objetivos e metas do projeto educativo e contempla ações que adaptam os conteúdos curriculares ao contexto local. A articulação entre as diferentes modalidades de avaliação é objeto de análise e reflexão nas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica, onde são definidos os instrumentos a usar e a regularidade da sua aplicação. A cooperação entre docentes verifica-se a nível de elaboração de fichas de avaliação diagnóstica, provas de aferição interna, testes de avaliação e planificação das atividades letivas. Também se observa partilha de experiências de práticas letivas relevantes e de conhecimentos através de formação entre pares. O Agrupamento promove, ainda, a disseminação das competências e conhecimentos dos docentes promovendo formação interna, entre pares, acreditada pelo centro de formação de professores, nas áreas das tecnologias de informação e comunicação, novos programas de português, educação especial, educação para a saúde, metas curriculares, prática modular e mediação de conflitos em contexto escolar. PRÁTICAS DE ENSINO A adequação do ensino às necessidades e capacidades dos alunos está patente na diversidade de metodologias de diferenciação pedagógica usadas em contexto de sala de aula, designadamente o apoio individualizado, a adequação dos materiais didáticos, tarefas de reforço das aprendizagens e os trabalhos de grupos ou entre pares. É de realçar a sistematicidade da designação de crianças e alunos coadjuvantes de colegas com mais dificuldades, prática promotora da aprendizagem cooperativa. No entanto, estas medidas, ainda, não têm o impacto desejável nos resultados escolares. São de destacar as práticas educativas inclusivas desenvolvidas em todos os níveis de educação e ensino e na unidade de apoio especializado para a educação de alunos com multideficiência e surdocegueira congénita, a funcionar na escola-sede. De facto, desde a educação pré-escolar que são verificáveis práticas colaborativas das técnicas terapeutas de fala e ocupacional, uma fisioterapeuta e a psicóloga com os docentes especializados, com os titulares de grupo e turma e com os diretores de turma nas quais se envolvem ativamente os assistentes operacionais e alunos. Para os alunos com currículo específico individual, em processo de transição para a vida pós-escolar, os planos individuais de transição contemplam formação em contextos reais de trabalho em empresas e instituições de proximidade. Aos alunos com dificuldades de aprendizagem são disponibilizadas algumas medidas de promoção do sucesso escolar, nomeadamente apoios educativos individualizados ou em pequenos grupos, tutorias e, sempre que necessário, o acompanhamento da psicóloga. No sentido da promoção do sucesso educativo são aplicadas provas de aferição interna, nos 3.º e 8.º anos, testes intermédios nos 8.º e 9.º anos e foram adotadas práticas de coadjuvação a Português e Matemática nos 3.º e 4.º anos, aulas de apoio ao estudo no 2.º ciclo, lecionadas por docentes de Português e Matemática, e coadjuvação na disciplina de Matemática no 3.º ciclo. Todos os estabelecimentos dispõem de quadros interativos e computadores, cujo uso está incrementado na prática letiva, constituindo o recurso à Escola Virtual, a utilização regular da plataforma Moodle, a pesquisa informada e ativa de matérias escolares na Internet, por parte dos alunos, e as metodologias inovadoras de trabalho já implementadas, um dos pontos fortes do Agrupamento. 5

7 Merecem, também, destaque as metodologias ativas e experimentais, consolidadas desde a educação pré-escolar, pela sua contribuição na diversificação das práticas letivas, no desenvolvimento do espírito científico das crianças e dos alunos e no potencial impacto na melhoria das aprendizagens. De ressalvar, também, os esforços desencadeados para a sua implementação, considerando que esta prática didática foi identificada como um ponto fraco na anterior avaliação externa. Das ações definidas evidenciam-se o clube das ciências, onde são desenvolvidas atividades laboratoriais, a realização em todas as escolas do 1.º ciclo, em articulação com a educação pré-escolar, do dia das ciências com a coadjuvação de docentes das disciplinas de Físico-Química e de Ciências Naturais e o projeto Oficina da Gramática. Transversal aos diferentes níveis de educação e de ensino, a dimensão artística é muito valorizada pelo Agrupamento que disponibiliza clubes de artes, de teatro e de dança, incentiva o projeto rádio-escola e, em articulação com a Câmara Municipal de Lousada, promove as capacidades dos alunos, designadamente, no que respeita à dança desportiva. São realizadas exposições dos trabalhos artísticos produzidos, sendo que alguns se encontram expostos com caráter permanente, fazendo parte do embelezamento dos diferentes estabelecimentos escolares. A supervisão da prática letiva é realizada em departamento curricular, pelo coordenador, através quer da monitorização do cumprimento dos programas e metas de aprendizagem, quer de análises aos resultados dos alunos. No entanto, não está implementada a supervisão da prática letiva na sala de aula, enquanto dispositivo de melhoria e de desenvolvimento profissional. MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO ENSINO E DAS APRENDIZAGENS Os critérios de avaliação gerais e específicos, tal como os instrumentos de avaliação são, sempre que necessário, revistos pelas estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica. Os critérios de avaliação são divulgados, no início de cada ano letivo, aos alunos e aos pais e encarregados de educação. Trimestralmente, ou sempre que haja necessidade de maior acompanhamento e regulação do processo de ensino e de aprendizagem, os pais e encarregados de educação recebem informações detalhadas acerca do percurso escolar dos seus educandos. As estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica fazem a monitorização do desenvolvimento do currículo, através do grau de consecução das planificações anuais e trimestrais e da análise dos resultados académicos. São, ainda, objeto de reformulação as medidas especificadas nos planos de trabalho dos grupos e das turmas, sempre que se justifique. Apesar das ações desenvolvidas para a monitorização da eficácia das medidas adotadas com vista à promoção do sucesso, não foram, ainda, adequadamente identificados os fatores que obstam à melhoria dos resultados escolares. A prevenção da desistência e do abandono é articulada com o programa Diversidade, Inclusão, Complexidade, Autonomia e Solidariedade (DICAS) da Câmara Municipal de Lousada, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e o serviço de psicologia. O Agrupamento tem vindo, ainda, a disponibilizar respostas educativas ajustadas ao perfil dos alunos em risco de abandono, como acontece no presente ano letivo com a oferta dos cursos vocacionais. A ação do Agrupamento tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. O Agrupamento apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais eficazes, o que justifica a atribuição da classificação de BOM no domínio Prestação do Serviço Educativo. 6

8 3.3 LIDERANÇA E GESTÃO LIDERANÇA A liderança é forte, alicerçada no diretor e na sua equipa, atenta e envolvida na realidade do Agrupamento. A direção é reconhecida e valorizada, pela comunidade educativa, pela disponibilidade e abertura. A visão estratégica da direção assenta numa atenção à realidade do Agrupamento e na intervenção atempada e ajustada a cada situação. A direção desenha e desenvolve estratégias variadas que visam a resolução de situações problemáticas identificadas, de que são exemplo projetos, parcerias estratégicas, como a estabelecida com a Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Marco de Canaveses. Releva-se ainda, a criação do cargo de assessor de disciplina dentro dos departamentos como forma de articulação e estabelecimento de uma dinâmica comunicacional mais eficaz. É visível o forte sentido de pertença da comunidade escolar com o Agrupamento, transversal a todas as escolas, docentes, não docentes e alunos. Das iniciativas que são marca da boa convivialidade, destacam-se o passeio anual, a ceia de Natal, a Feira de S. Martinho e festas de final de ano. As lideranças intermédias sentem-se valorizadas e reconhecidas, pela direção e pelos pares, desenvolvendo um trabalho articulado. Denota-se um bom relacionamento entre os elementos que as constituem, bem como consideração pelas suas opiniões e iniciativas e apreço pelo trabalho desenvolvido. O Agrupamento estabeleceu várias parcerias com a comunidade envolvente, com vista ao desenvolvimento de projetos e iniciativas diversificadas e de enriquecimento do trabalho realizado. Destacam-se as parcerias com empresas e estabelecimentos locais para complementar a oferta educativa e a integração dos alunos na vida profissional, nomeadamente com a Biblioteca Municipal, articulando com as bibliotecas escolares no desenvolvimento de atividades, e EDP através do programa Energia com Vida da EDP Gás. O Agrupamento possui, ainda, uma estreita parceria com a Câmara Municipal de Lousada e as juntas de freguesia. Ao nível das iniciativas inovadores destaca-se o desenvolvimento do projeto AGIR, para o combate a situações de indisciplina e comportamentos desajustados, dentro do qual se incrementa o subprojeto AGIR + que envolve os alunos voluntários, aos quais foi dada formação, enquanto mediadores de conflitos e como orientadores de estudo dos seus pares. Destaca-se, ainda, o apadrinhamento de alunos do 9.º ano a alunos do 5.º ano e de alunos do 4.º ano a alunos do 1.º ano. GESTÃO Na afetação às diferentes funções e cargos, há a valorização das formações específicas dos trabalhadores, aliada ao perfil e à experiência, nomeadamente, no caso dos docentes, na atribuição da direção de turma e de turmas de percursos curriculares alternativos e de cursos vocacionais, e, no caso dos não docentes, na atribuição de serviço na biblioteca escolar, reprografia e bufete. Para efeitos de constituição de turmas é designada uma equipa que analisa o perfil dos alunos e privilegia, sempre que se justifique, a continuidade do grupo e turma e das equipas pedagógicas. Os horários são constituídos com a intenção de responder ao interesse dos alunos, garantindo o equilíbrio entre as cargas horárias e os períodos de recreio e a rendibilização dos tempos que permanecem na escola. Para responder às necessidades de desenvolvimento dos docentes e não docentes, o Agrupamento recolhe sugestões relativas às necessidades de formação e articula as respostas formativas com o Centro de Formação Sousa Nascente, procurando, preferencialmente, criar condições de acreditação a 7

9 formadores internos. Já foram, neste âmbito, dinamizadas várias ações, estando agendada uma nova sobre gestão de conflitos em contexto escolar. Os circuitos de informação e comunicação revelam-se eficazes e adequados às necessidades do Agrupamento, assentes sobretudo na comunicação via institucional, na afixação de informação em locais apropriados, no recurso ao jornal escolar e, ainda, à página Web. Para a disseminação de informação mais eficaz e atrativa para os alunos, foi criada uma página de Facebook, o que agilizou a passagem de informação e o envolvimento dos alunos. AUTOAVALIAÇÃO E MELHORIA Como resultado da avaliação externa realizada em 2010, o Agrupamento procedeu a um conjunto de ações e melhorias, nomeadamente ao nível da articulação curricular e do ensino experimental. O Agrupamento reestruturou recentemente, em janeiro de 2013, a equipa de avaliação interna, com vista à construção e estabelecimento de um processo de autoavaliação mais consistente. Para tal, foram nomeados novos elementos e foi contratada ajuda especializada externa. Esta equipa deu início a um novo processo de autoavaliação, começando por realizar um diagnóstico do Agrupamento e a auscultação da comunidade ao nível de pontos fortes/fracos e sugestões de melhoria. Com base no diagnóstico produzido, foi traçado um plano de melhoria com objetivos e estratégias definidas, em execução, a ser alvo de avaliação. Na sequência das conclusões do trabalho desenvolvido pela equipa de autoavaliação foram implementadas algumas medidas tendentes a melhorar os resultados escolares. A equipa procurou envolver a comunidade educativa: docentes, não docentes, alunos, pais e encarregados de educação, através do preenchimento de um pequeno questionário e da implementação de caixas de sugestões em locais estratégicos e acessíveis à comunidade. Do mesmo modo, a comunidade é envolvida através da apresentação e divulgação do trabalho realizado e dos resultados alcançados. O processo de autoavaliação em curso carece de maior consistência, quanto à sua abrangência, bem como no que respeita à construção de planos de ação com impacto na melhoria do funcionamento do Agrupamento. A ação do Agrupamento tem produzido um impacto em linha com os valores esperados na melhoria das aprendizagens e dos resultados dos alunos e nos respetivos percursos escolares. O Agrupamento apresenta uma maioria de pontos fortes nos campos em análise, em resultado de práticas organizacionais eficazes. Tais fundamentos justificam a atribuição da classificação de BOM no domínio Liderança e Gestão. 4 PONTOS FORTES E ÁREAS DE MELHORIA A equipa de avaliação realça os seguintes pontos fortes no desempenho do Agrupamento: A valorização e o incentivo à melhoria do desempenho através de prémios e da participação em projetos e concursos que estimulam as aprendizagens nas vertentes socioculturais; O forte envolvimento com as instituições locais na concretização de projetos pedagógicos e de âmbito social e nacional, com repercussão na valorização e promoção da imagem do Agrupamento; 8

10 As práticas educativas inclusivas desenvolvidas em todos os níveis de educação e ensino promotoras da igualdade de oportunidades e do convívio com a diferença; O recurso às tecnologias de informação e comunicação e o uso de metodologias ativas e experimentais, pela sua contribuição no desenvolvimento do espírito científico das crianças e dos alunos e na melhoria das aprendizagens; As lideranças atentas e envolvidas na realidade do Agrupamento, abertas à colaboração e participação da comunidade, que fomentam o bom ambiente de partilha e o sentido de pertença; A eficácia dos circuitos de informação e comunicação, na divulgação das ações realizadas e no envolvimento da comunidade. A equipa de avaliação entende que as áreas onde o Agrupamento deve incidir prioritariamente os seus esforços para a melhoria são as seguintes: O aprofundamento da monitorização da eficácia das medidas promoção do sucesso escolar e da análise e reflexão sobre os fatores internos explicativos do (in) sucesso, em ordem à melhoria do desempenho dos alunos, particularmente em Matemática e em Português do 9.º ano; A implementação de mecanismos de monitorização do percurso escolar dos alunos que permitam avaliar e (re)orientar a ação educativa do Agrupamento; A consolidação das práticas de articulação horizontal e vertical de conteúdos curriculares, enquanto ação promotora da sequencialidade das aprendizagens e da melhoria dos resultados escolares dos alunos; A supervisão da prática letiva, em contexto de sala de aula, enquanto processo relevante para o desenvolvimento profissional dos docentes e das aprendizagens dos alunos; A consolidação do processo de autoavaliação, quer quanto à sua abrangência, quer no que respeita à construção de planos de ação com impacto na melhoria do funcionamento do Agrupamento A Equipa de Avaliação Externa: Carla Figueiredo, Fátima Marinho e Filomena Vidal Concordo. À consideração do Senhor Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar, para homologação. A Subinspetora-Geral da Educação e Ciência Homologo. O Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar 9

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Celeirós BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção NORTE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas D. António de Ataíde VILA FRANCA DE XIRA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS A AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Madalena VILA NOVA DE GAIA 6 a 8 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Oliveira Júnior S. JOÃO DA MADEIRA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Dr. Flávio Ferreira Pinto Resende CINFÃES 30 a 31 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Nery Capucho MARINHA GRANDE 14 a 16 nov. 2011 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Briteiros GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Abel Salazar MATOSINHOS 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas das Taipas GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção NORTE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de São Bernardo AVEIRO 15 a 17 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas da Zona Urbana da Figueira da Foz 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas D. Sancho I Pontével CARTAXO 4, 7 e 8 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Martins Sarmento GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Celorico de Basto 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º CEB

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Arquiteto Oliveira Ferreira VILA NOVA DE GAIA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco VILA NOVA DE FAMALICÃO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária de Vendas Novas 17 a 18 Jan. 2012 Delegação Regional do Alentejo da IGE 1 Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária de S. Pedro da Cova GONDOMAR 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia MAIA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Borba 8 a 10 abril 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Francisco Simões ALMADA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 Introdução A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Mortágua 13 a 15 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS .. AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas D. Manuel de Faria e Sousa FELGUEIRAS 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Marco de Canaveses 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE 1.º CEB

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural MARCO DE CANAVESES 8 a 10 abril 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional de Arqueologia MARCO DE CANAVESES 19 e 20 fevereiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Sines 4 a 6 fevereiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Caranguejeira, Santa Catarina da Serra LEIRIA 2015 2016 Área Territorial de Inspeção do Centro CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas n.º 1 de Elvas 27 fevereiro a 1 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas José Cardoso Pires AMADORA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral SOBRAL DE MONTE AGRAÇO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Sul CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS N AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Abelheira VIANA DO CASTELO 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Norte CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Campo Maior 13 a 15 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santa Catarina CALDAS DA RAINHA

Agrupamento de Escolas de Santa Catarina CALDAS DA RAINHA Grupo de Trabalho para o novo ciclo da Avaliação Externa das Escolas (2011) RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO EXTERNA Agrupamento de Escolas de Santa Catarina CALDAS DA RAINHA Delegação Regional de Lisboa e Vale

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Escalada PAMPILHOSA DA SERRA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Centro CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Fazendas de Almeirim ALMEIRIM 22 a 24 abril 2013 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002,

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Escola Secundária do Forte da Casa Delegação Regional de Lisboa da IGE Datas da visita: 25 e 26 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de São Teotónio ODEMIRA 5 a 7 março 2013 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Monte de Caparica ALMADA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Cuba 5 a 7 de março 2012 Delegação Regional do Alentejo da IGE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Penalva do Castelo 13 a 15 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária do Marquês de Pombal LISBOA 23 e 24 fev 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de José Silvestre Ribeiro IDANHA-A-NOVA 13 a 15 maio 2013 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Vila do Bispo 7 a 9 mar. 2012 Área Territorial de Inspeção do Alentejo e Algarve 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Teixoso COVILHÃ 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alvalade LISBOA 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Sul 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Vila Real de Santo António 2014 2015 Área Territorial de Inspeção do Sul CONSTITUIÇÃO DO AGRUPAMENTO Jardins de Infância e Escolas EPE

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária da Cidadela CASCAIS 2 e 3 de maio 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Escariz AROUCA 29 fev. a 2 mar. 2012 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2011-2012 Relatório Coleção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Avaliação Externa das Escolas 2011-2012 Relatório Autoria Inspeção-Geral da Educação e Ciência Coordenação Geral

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Garcia de Orta PORTO 15 e 16 nov. 2011 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 ÍNDICE Introdução 1 Caracterização 2 Diagnóstico 4 Plano Estratégico 6 Avaliação do Projeto Educativo 12 Divulgação 14 Siglas

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Piscinas - Olivais LISBOA 2 a 4 abril 2013 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional Agrícola Quinta da Lageosa COVILHÃ 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Centro 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PESO DA RÉGUA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais