A educação corporativa no desenvolvimento das competências gerenciais: o caso do Programa Diálogo do Banco do Brasil.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A educação corporativa no desenvolvimento das competências gerenciais: o caso do Programa Diálogo do Banco do Brasil."

Transcrição

1 1 Faculdade Boa Viagem Centro de Pesquisa e Pós-Graduação CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial - MPGE José Eduardo Pereira de Lima A educação corporativa no desenvolvimento das competências gerenciais: o caso do Programa Diálogo do Banco do Brasil. Recife, 2011

2 2 José Eduardo Pereira de Lima A educação corporativa no desenvolvimento das competências gerenciais: o caso do Programa Diálogo do Banco do Brasil. Orientadora: Profª. Lúcia Maria Barbosa de Oliveira, Ph.D. Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Profissional em Gestão Empresarial da Faculdade Boa Viagem, como requisito complementar para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial. Recife, 2011

3 3 Agradecimentos Minha mãe é a principal culpada. Nada aconteceria se ela não tivesse propiciado tudo do melhor prá mim. Mas aqui não adianta me estender muito, já que a dívida é impagável mesmo... Cristina, minha esposa, o melhor capítulo da minha vida. Como ainda temos muito tempo, escolhi como principal missão na vida fazê-la feliz. Até porque só isso me fará feliz. Luís Eduardo, com o qual muitas vezes dividi o quarto para estudarmos juntos. Como é possível um filho ser do jeito que idealizamos? Incrível, mas é possível... Outros agradecimentos À professora Lúcia Barbosa, minha orientadora, pelo interesse, paciência e atenção. Sua participação foi fundamental para o desenvolvimento do trabalho do início ao fim. À professora Dorinha, da banca examinadora, pelas observações pertinentes e precisas, e pelas aulas agradáveis de bons debates. Aos colegas de Mestrado, pelo convívio alegre, amigo e solidário. Aos colegas do Banco do Brasil, com os quais trabalhei ao longo desses 30 meses, pela compreensão e suporte nas ausências necessárias.

4 4 É preciso que entendam que a formação é permanente. Não existe formação momentânea. Formação do começo. Formação do fim. Formação é uma experiência que não pára nunca. Paulo Freire. As organizações que aprendem são possíveis não só porque aprender faz parte da natureza humana, mas também porque adoramos aprender. Peter Senge

5 5 Resumo Este trabalho tem como objetivo investigar o papel da educação corporativa para o desenvolvimento das competências gerenciais no Banco do Brasil. Trata-se de pesquisa descritiva, com estudo de caso único: o Programa Diálogo, da UniBB, orientado para promover o desenvolvimento das sete competências gerenciais identificadas pela empresa. A fundamentação teórica faz conexão entre gestão estratégica do conhecimento, educação corporativa, universidade corporativa, o modelo de gestão por competências e o desenvolvimento de competências gerenciais. Foram utilizados métodos de coleta de dados combinados: pesquisa documental, observação participante, questionário aplicado à população e entrevistas online. Participaram da pesquisa os gestores do Banco do Brasil no estado de Pernambuco que concluíram o Programa Diálogo. A pesquisa verificou convergência, de mediana para forte, entre o planejamento da empresa e a percepção dos gestores sobre a adequação do portfólio das sete competências gerenciais. Manifestam também uma percepção de mediana para forte quanto ao Programa Diálogo atender às necessidades de desenvolvimento desse portfólio de competências. Os gestores indicam alto grau de reconhecimento das oportunidades de formação disponibilizadas pelo Banco do Brasil, mesmo indicando que essa formação precisa ser complementada com fontes externas. Os dados destacam o convívio com outros colegas gestores e/ou superiores, a prática da atividade gerencial, a formação acadêmica, e a educação corporativa como as principais fontes para o desenvolvimento das competências gerenciais. Há uma forte crença de que ações para o desenvolvimento de competências gerenciais são de importância estratégica para a empresa, mas um programa nesse sentido deve ter caráter continuado e permanente. Reportando ao objetivo da pesquisa, os gestores participantes do Programa Diálogo em Pernambuco reconhecem como de moderada para forte a contribuição da educação corporativa para o desenvolvimento das sete competências gerenciais identificadas pelo Banco do Brasil, percebendo fragilidades, limitações ou carências apontadas na pesquisa, que devem ser superadas pela UniBB e pela empresa. Palavras-chave: Gestão do Conhecimento. Educação Corporativa. Universidade Corporativa. Gestão por Competências. Competências Gerenciais.

6 6 Abstract This work aims to investigate the role of education corporate development of managerial skills in Bank of Brazil. It is descriptive, with single case study: the Dialogue Program, the UniBB, oriented to promote the development of the seven managerial competencies identified by the company. The theoretical foundation makes connection between strategic knowledge management, education corporate, corporate university, the management model skills and develop managerial skills. Were used methods of data collection combined: documentary research, participant observation, questionnaire and interviews to the population online. Managers of Bank of Brazil in the state Pernambuco who completed the program Dialogue participated of the research. The investigation verified convergence, of medium to strong, from business planning and perception of managers about the adequacy of the portfolio of the seven managerial skills. Also express a sense of median strong as the program meet the needs of Dialogue development of this portfolio of skills. Managers indicate high degree of recognition of training opportunities available for the Bank of Brazil, even indicating that such training needs to be supplemented by external sources. The data highlight the interaction with fellow managers and/or above, the practice of the activity management, the academic and the corporate education as main sources for the development of managerial skills. There is a strong belief that actions to develop skills management are of strategic importance for the company, but a program in this sense must have permanent and continuous nature. Reporting to purpose of the research, the managers participating in the Program Dialogue in Pernambuco recognize as moderate to strong contribution of corporate education for the development of the seven skills management identified by the Bank of Brazil, sensing weakness, limitations or deficiencies noted in the research, which must be overcome for UniBB and the company. Keywords: Knowledge Management. Corporate Education. Corporate University. Competency Management. Management Skills.

7 7 Lista de Figuras Figura 1: Desenho da pesquisa Figura 2: Gênero no quadro gerencial Figura 3: Gênero no quadro total da empresa Figura 4: Faixa etária dos gestores Figura 5: Escolaridade entre os gestores Figura 6: Escolaridade no quadro total da empresa Figura 7: Tempo de empresa dos gestores pesquisados Figura 8: Domínio das sete competências gerenciais antes do Programa Diálogo Figura 09: Abordagem das competências no conteúdo das suas disciplinas específicas Figura 10: Percepção dos gestores sobre o cumprimento do objetivo de cada disciplina Figura 11: Aprimoramento das competências gerenciais com o Programa Diálogo Figura 12: Dificuldades verificadas durante a participação no Programa Diálogo

8 8 Lista de Quadros Quadro 01: Conceitos de aprendizagem organizacional Quadro 02: Conceitos de organizações de aprendizagem Quadro 03: Conhecimento explícito e conhecimento tácito Quadro 04: Processos de conversão do conhecimento Quadro 05: Mudança de paradigma do treinamento para a aprendizagem Quadro 06: Princípios de sucesso da educação corporativa Quadro 07: Características na formação das universidades corporativas Quadro 08: Princípios-chave do modelo de universidade corporativa Quadro 09: Construindo um conceito de competência organizacional Quadro 10: Níveis de ocorrência das competências Quadro 11: Tipologias para as competências gerenciais Quadro 12: Evolução histórica da educação corporativa no Banco do Brasil Quadro 13: Disciplinas do Programa Diálogo e as competências gerenciais Quadro 14: Objetivos e conteúdos das disciplinas do Programa Diálogo Quadro 15: Descrição das competências fundamentais do Banco do Brasil Quadro 16: Descrição das competências gerenciais do Banco do Brasil Quadro 17: Adequação do portfólio de competências gerenciais do Banco do Brasil Quadro 18: Atendimento aos objetivos das disciplinas Quadro 19: Domínio das competências antes do Programa Diálogo Quadro 20: Abordagem das competências e conteúdo das disciplinas Quadro 21: Aprimoramento das competências gerenciais Quadro 22: Condições de trabalho e exercício da aprendizagem Quadro 23: Dificuldades dos participantes no Programa Diálogo Quadro 24: Questões observadas pelos participantes no Programa Diálogo Quadro 25: Contribuição das fontes de desenvolvimento de competências Quadro 26: Percepção dos gestores sobre a educação à distância Quadro 27: Questões da pesquisa objetivo específico

9 9 Lista de abreviaturas e siglas AI: Alinhamento Institucional. BB: Banco do Brasil S/A. ECBB: Estratégia Corporativa Banco do Brasil. EG&L: Estilo de Gestão e Liderança. FGV: Fundação Getúlio Vargas. GDC: Gestão do Desempenho por Competências. IES: Instituição de Ensino Superior. L&PD: Lógica e Processo Decisório. QVT: Qualidade de Vida no Trabalho. RSA: Responsabilidade Sócio-Ambiental. T&D: Treinamento e Desenvolvimento. UC: Universidade Corporativa. UFRH: Unidade de Função Recursos Humanos. UniBB: Universidade Corporativa Banco do Brasil.

10 10 Sumário 1. Introdução Colocação do Problema Objetivo Geral Objetivos Específicos Justificativas Teóricas Justificativas Práticas Fundamentação Teórica A gestão do conhecimento nas organizações A educação corporativa e as universidades corporativas A gestão por competências As competências gerenciais Natureza da pesquisa Desenho da pesquisa Participantes do estudo Método de coleta de dados Pré-teste Tratamento dos dados Limites da pesquisa Limitações da pesquisa Análise e discussão dos dados O Banco do Brasil, a UniBB, e o Programa Diálogo Dados demográficos dos participantes Objetivo específico Objetivo específico Objetivo específico

11 11 5 Conclusões Sugestões para trabalhos futuros Referências Anexos Apêndices

12 12 1. Introdução A educação corporativa tem fortalecido sua condição de fundamento estratégico da gestão de pessoas. Esse patamar de importância, segundo Marcondes (2008), evolui na mesma medida em que o conhecimento e a aprendizagem passaram a ser os elementos essenciais na criação e desenvolvimento de novas competências profissionais. Essa ampliação da importância da educação corporativa a insere com destaque entre os componentes organizacionais da competitividade, a que se refere Ulrich (1998): historicamente, na busca pela competitividade, os teóricos propuseram uma série de alternativas, ligadas à estratégia, marketing, foco no cliente, tecnologia, reengenharia, qualidade. Porém, desde a década de 1990, tem-se dado atenção crescente aos componentes organizacionais da competitividade que incluem a organização em si, suas principais competências e de seu pessoal, a cultura organizacional, os valores comuns, o conhecimento e o aprendizado. Esses fatores organizacionais têm passado desde então a ocupar o centro da busca pela competitividade. Esse leque de fatores organizacionais, onde situa-se a educação corporativa, tem relação estreita com a gestão do conhecimento. Para Drucker (1993), o domínio do conhecimento é a grande mudança paradigmática que funda a sociedade pós-capitalista. Assume a condição de recurso mais relevante que terra, capital e trabalho. Sem que esses elementos históricos da produção desapareçam, o conhecimento se instala como recurso decisivo na medida em que os fatores organizacionais são a nova fronteira da busca pela produtividade no mundo do trabalho. O cenário atual confirma que as variáveis da produtividade deslocaram-se para os fatores organizacionais, que envolvem as pessoas, suas competências e relações (BANCO DO BRASIL, 2011). É nesse cenário que a educação corporativa assume relevância perante as demais funções da gestão de pessoas (EBOLI, 2004). A realidade competitiva experimentada nessa primeira década do século XXI traz desafios para as organizações que apenas são possíveis de serem superados com um projeto estratégico, permanente e efetivo de educação corporativa.

13 13 Garvin et al (1998, p.21) notam que o aprendizado passa a ser planejado e administrado para que ocorra de maneira rápida, sistemática e alinhada aos objetivos estratégicos da empresa e a formação de vantagem competitiva. O desafio de garantir essa vantagem competitiva é uma tarefa complexa e multidisciplinar. Para sua efetividade, deve fazer convergir educação, gestão de pessoas e estratégia empresarial. A educação corporativa se consolida então como a caixa de ferramentas com os recursos necessários para instrumentalizar a ação estratégica na superação desses desafios. Eboli (2004) acredita que emerge daí a idéia da universidade corporativa como veículo eficaz para o alinhamento e desenvolvimento dos talentos humanos de acordo com as estratégias empresariais. A educação empresarial e sua institucionalização através da universidade corporativa - precisa ser um instrumento de formação de valores, de reconhecimento da diversidade, de síntese da cultura organizacional, de disseminação da visão de futuro da empresa, de estruturação dos referenciais de gestão, de exploração dos eixos transversais do conhecimento, e de fomento da espiritualidade corporativa. Se a escola e a família tem seu papel, a empresa pode ser um outro instrumento de formação para o homem através da educação corporativa. (...) fico inclinada a imaginar que serão as empresas que darão o tom do sistema educacional nos próximos tempos. (EBOLI, 2004, p.36) Ao mesmo tempo, e sempre associado aos temas educação corporativa e gestão do conhecimento, o modelo de gestão por competências se dissemina entre as práticas mais utilizadas pelas principais corporações. Desenvolver competências tornou-se prioridade (SABAG, 2007). Uma prática de gestão que depende, para sua eficácia, de aprendizagem organizacional permanente e continuada. Isso porque, conforme Sabbag (2007, p.45), na noção de empresas baseadas em recursos, a efetividade estratégica depende sobretudo da existência de competências centrais na organização para distingui-la de suas concorrentes. Com isso, os talentos e a sua formação integral tornam-se o centro das atenções. Ruas (2001, p.247), ao abordar a gestão por competências, ressalta que parece não haver dúvida acerca da importância do papel gerencial no processo de mudança, especialmente no que concerne a tarefa de internalizá-la no ambiente organizacional. Ao realizar sua categorização das competências, Ruas (2001, p.247) entende que a dimensão competência gerencial exerce uma importante função na mobilização das outras

14 14 dimensões das competências organizacionais. O desenvolvimento das competências gerenciais assume então condição decisiva para a fundação e continuidade de um modelo baseado na gestão por competências, adequado para a condução dos negócios em cenário de mudança permanente. Essas duas abordagens gestão do conhecimento e gestão por competências apresentam-se em evidência crescente nos meios acadêmicos e empresariais neste novo milênio (CARBONE, 2009). Invariavelmente estão conectadas, e a instrumentalização de uma requer a compreensão da outra. A próxima seção apresenta a contextualização dessas questões relacionadas à educação corporativa e desenvolvimento de competências gerenciais no âmbito de uma corporação o Banco do Brasil e de sua Universidade Corporativa; com ênfase no seu Programa Diálogo práticas para a transformação, patrocinado por essa empresa e orientado para seu segmento gerencial. Pelo elevado investimento, ousadia dos objetivos e abrangência do conteúdo, o Programa Diálogo representa uma experiência de educação corporativa relevante para o estudo do desenvolvimento das competências gerenciais e a efetividade dessas ações.

15 Colocação do Problema A sociedade e o mercado experimentam transformações marcantes na primeira década do século XXI. Fleury (2002) indica os fatores mais notáveis desse período histórico: aprofundamento da competitividade; mudanças como fator permanente; novas tecnologias e inovação; emergência de atores e forças locais e globais; afirmação de valores sociais. A orientação institucional das corporações passa por uma crescente convergência com a sociedade e seus valores. A lógica estritamente financeira, embora continue (e continuará) válida, é moderada por novos referenciais observados a partir da sociedade. As empresas agora são convocadas e cobradas a buscar convergência com valores da sociedade: sustentabilidade e ecoeficiência; governança e ética; cidadania e inclusão social; meio ambiente e consumo responsável; diversidade e equidade; novos direitos civis; qualidade de vida no trabalho QVT; gestão de pessoas estratégica e humanizadora; educação no trabalho. Senge (2009, p.29) avalia esses novos valores quando percebe que o trabalho evoluiu de uma visão instrumental, em que era apenas um meio para um fim, para uma visão mais sagrada, em que as pessoas buscam seus benefícios intrínsecos. Leite (2006) enfatiza que a empresa passa a ser vista como um conjunto de relações que cria valor; um organismo que funciona a partir de processos permanentes de aprendizagem. O autor sustenta a evidência desses paradigmas organizacionais, que requalificam o trabalho e colocam a aprendizagem como seu eixo de sustentabilidade. Especificamente em relação à educação nas organizações, Senge (2009, p.21) aponta que as práticas de aprendizagem organizacional, que havia 15 anos se limitavam a uns poucos pioneiros, criaram raízes mais profundas e se espalharam. Em outra tentativa de caracterizar esse ambiente, Marcondes (2008, p.260) refere-se ao trabalhador do conhecimento: aquele que detém mais autonomia, que inova continuamente o seu trabalho, que busca um aprendizado permanente, que se compromete com a alta qualidade do desempenho e com os resultados da organização como um todo. É a qualidade desse trabalhador em transformação que traz novas exigências para a profissionalização.

16 16 Na mesma linha, Ribeiro (2003, p.27) já percebia um ambiente organizacional que requer um trabalhador descrito como pensante, criativo, proativo, analítico, com habilidade para resolução de problemas e tomada de decisões, capacidade de trabalho em equipe e em total contato com a rapidez de transformação e a flexibilização dos tempos atuais. Entre a última década do século XX e a primeira década do século XXI se consolidam esse cenário e esse trabalhador qualitativamente diferenciado. A gestão do conhecimento passa a ser fator primordial para angariar sucesso no meio dessas novas exigências. É o que Drucker (1994) designou como a sociedade do conhecimento, radicalmente diversa da industrial, uma sociedade em que a aquisição e a aplicação do conhecimento passarão a formar os fatores competitivos mais importantes. Observando a partir de uma perspectiva histórica, Sabbag (2007) lembra que o conhecimento sempre foi importante em todas as fases da história da humanidade, com caráter exclusivista, mas agora assume condição decisiva porque precisa ser disseminado e recriado por milhões de trabalhadores. Nesse contexto histórico - que impõe a gestão do conhecimento como fator estratégico decisivo - a educação corporativa assume valor de fundamento expoente da gestão de pessoas. Trabalho e aprendizagem estão integrados. Não há mais como sustentar a divisão entre tempo de aprender e tempo de fazer. Eboli (2004, p.18) constata que (...) rompe-se a cisão existente entre tempo e espaço de aprendizagem e de trabalho. A idéia de que uma pessoa primeiro se forma em um estabelecimento escolar e depois trabalha numa empresa ou organização também não faz mais tanto sentido como no passado. A autora ainda junta essa visão com a necessidade de um modelo de educação corporativa integrado às novas exigências estratégicas que já foram apontadas: A idéia de uma abordagem mais holística que contemple o trabalho manual e mental, que integre forma e conteúdo, saber e fazer, trabalho e cidadania, tem surgido com a tendência moderna de se considerar, na análise do ambiente das organizações, todos os chamados stakeholders. Nesse contexto a empresa precisa formar seus quadros para atuar de forma harmônica com o meio em que está inserida. (EBOLI, 2004, p.18) Esse ambiente empresarial requer também pessoas qualitativamente diferenciadas para o enfrentamento de suas demandas de trabalho, como descreveram Marcondes (2008), Ribeiro (2003) e Eboli (2004). Ribeiro (2003, p.27) problematiza sobre esse trabalhador: Mas como conseguir isso? Como desenvolver essas competências? Como contribuir para a

17 17 construção de profissionais autônomos? Como manter as organizações atualizadas? Como transformar o ambiente de trabalho em um ambiente de aprendizagem permanente? É no confronto dessas interrogações que a educação corporativa assume condição estratégica no espaço empresarial. Ela tem o potencial e as ferramentas para realizar a articulação das estratégias organizacionais com a gestão do conhecimento nas empresas. Gera a possibilidade dessas empresas construírem seus próprios processos de capacitação do pessoal com vistas à sua manutenção no mercado como instituições ativas, cidadãs e competitivas (RIBEIRO, 2003, p.28). Foi assim que, segundo Eboli (2004), esse tema educação corporativa - surgiu primeiro no mundo corporativo, para depois ganhar espaço no mundo acadêmico. Faz-se necessário delimitar e conceituar esse fundamento da gestão de pessoas, e entender como pode ser desenvolvido para servir à estratégia corporativa e permitir o reconhecimento da área perante o conjunto da empresa. Percebendo esse movimento, Meister (1999) já indicava que as organizações estão cada vez mais entrando no setor de educação a fim de assegurar sua própria sobrevivência no futuro. Para a autora, as Universidades Corporativas (UCs) lideram esse caminho. O surgimento das UCs remonta há duas décadas, tendo como pioneiras as norteamericanas Motorola University, a GE Crotonville e a Disney University. No Brasil, inúmeras UCs são criadas a partir da segunda metade da década de 1990, algumas delas inspiradas nas matrizes no exterior. (MARCONDES, 2008) Tendo uma UC como agência integradora de suas ações educacionais, a educação corporativa se incorpora progressivamente com maior força como mecanismo para estratégias organizacionais efetivas, assim entende Ribeiro (2003). A relevância de alguns projetos de UC é tal que já começam a chamar a atenção do mundo acadêmico, constituindo-se em novo diferencial na qualificação da reputação das corporações. Ao avaliar esse movimento empresarial para projetos de educação no trabalho, Meister (1999) identifica que: (...) um número crescente de empresas começou a perceber a necessidade de transferir o foco de seus esforços de treinamento de eventos únicos em uma sala de aula, cujo objetivo é desenvolver qualificações isoladas, para a criação de uma cultura de aprendizagem contínua, em que os funcionários aprendem uns com os outros e compartilham inovações e melhores práticas com o objetivo de solucionar problemas empresariais reais. (MEISTER, 1999, p.21)

18 18 A mesma autora já constatava que as empresas que consolidaram uma experiência de UC adotam em paralelo um modelo de gestão de pessoas articulado por competências. (MEISTER, 1999) Fleury (2002) demonstra que a ênfase na competitividade, a partir da década de 1980, direciona de forma decisiva toda a teoria organizacional e cria as bases do surgimento dos modelos de gestão de pessoas baseados em competências. Esses dois temas universidade corporativa e gestão por competências apresentam-se invariavelmente em paralelo. Essa constatação é ratificada por Xavier (2007, p.33), quando percebe a estreita vinculação entre educação corporativa e gestão por competências: (...) a adoção de um sistema de gestão por competências configura a necessidade da sua estreita vinculação com a área de educação, pois a capacitação é fundamental para o desenvolvimento de competências conciliadas às necessidades das estratégias organizacionais. Em sua análise, Fleury (2001) constata que a partir da identificação de suas competências essenciais, a organização passa em seguida a identificar e desenvolver as competências individuais, num processo de desdobramento sucessivo, tendo sempre como referência sua estratégia corporativa. No Brasil, a abordagem das competências encontra um caminho próprio, orientado, claro, pela experiência internacional. É possível apresentar, nesse percurso, a existência de um enfoque brasileiro de competência individual: conhecimentos, habilidades e atitudes, entregues para a organização e que agregam valor econômico para a organização e valor social ao indivíduo (FLEURY, 2001). No Banco do Brasil, por exemplo, a Universidade Corporativa Banco do Brasil (UniBB) está nessa condição como espaço para a criação e disseminação do conhecimento dentro de um modelo de gestão de pessoas articulado por competências. Estrategicamente posicionada, reúne as condições para promover o desenvolvimento das competências vitais à continuidade da empresa. Uma vez identificadas as competências organizacionais da empresa, foi possível levantar quais são os conhecimentos, habilidades e atitudes que seus empregados devem possuir, e que os capacitam a contribuir para a realização dos objetivos estratégicos, o atingimento de resultados e a concretização da visão de futuro da organização (BANCO DO BRASIL, 2011).

19 19 Fleury (2001), Ruas (200), assim como Banco do Brasil (2011), categorizam as competências individuais em: competências fundamentais (gerais, de domínio de todos os funcionários), específicas, e gerenciais (próprias do segmento gerencial). As competências gerenciais, por sua vez, exercem uma importante função na mobilização das demais competências (essenciais/organizacionais, específicas e fundamentais), esclarece Ruas (2001). Gerentes são chamados a conduzir processos complexos, multidisciplinares, envolvendo equipes e recursos que precisam ser mobilizados de forma articulada e alinhada com a estratégia formulada pela empresa. Assim, as competências gerenciais funcionam como catalizadoras da ação das demais competências. No entendimento de Moraes et al (2004), a consolidação da aprendizagem gerencial como uma área de pesquisa e prática no campo das organizações está relacionada, principalmente, com a necessidade de criação de sistemas mais eficientes e responsáveis na tarefa de ajudar os executivos a aprenderem, de modo que eles possam lidar com os desafios diários de seu trabalho. O Programa Diálogo, por exemplo, criado em 2008, se propõe a ser uma ferramenta de revisão e reflexão sobre as práticas gerenciais no sentido da sustentabilidade para o Banco do Brasil (BANCO DO BRASIL, 2008). Trata-se de um programa de desenvolvimento de competências gerenciais com a proposta de promover formação para todos os gestores de unidades da empresa. A análise de sua eficácia é de importância para a avaliação da educação corporativa como instrumento de melhoria da gestão na empresa. Inserida num modelo de gestão de pessoas articulado por competências, o objeto específico de estudo será a Universidade Corporativa Banco do Brasil UniBB, com ênfase em seu Programa Diálogo práticas para a transformação, construído sob encomenda pela Fundação Getúlio Vargas FGV Online, para os gestores do Banco do Brasil. O Programa de treinamento é constituído de cinco abordagens temáticas: Lógica e Processo Decisório; Estilo de Gestão e Liderança; Saúde e QVT; Alinhamento Institucional; e Educação. Ao abordar o Programa Diálogo em seu artigo, Leite (2009) relata que de acordo com a linha de orientação adotada pelo Banco do Brasil, as competências representam combinações sinérgicas de conhecimentos, habilidades e atitudes expressadas no desempenho profissional, dentro de determinado contexto ou estratégia organizacional. A partir dessa perspectiva, estão definidas as competências gerenciais do Banco, cuja responsabilidade pelo desenvolvimento

20 20 cabe à Diretoria de Gestão de Pessoas. O objetivo do programa Diálogo é justamente desenvolver e fortalecer essas competências dos gestores do Banco do Brasil (LEITE, 2009), identificadas pela empresa em número de sete e abaixo descritas: 1 - Estimula e valoriza a participação dos funcionários nas decisões, incentivando o diálogo, a troca de idéias e o compartilhamento de conhecimentos. 2 - Orienta a atuação da equipe com foco nas estratégias, resultados e princípios de responsabilidade socioambiental do Banco, compartilhamento de informações necessárias para a realização do trabalho. 3 - Promove o desenvolvimento da equipe, comunicando suas expectativas sobre o desempenho das pessoas, fornecendo feedback freqüente para aprimoramento e oferecendo oportunidades de capacitação. 4 - Implementa, em conjunto com a equipe, ações voltadas para o bem-estar no trabalho e melhoria contínua da qualidade de vida. 5 - Negocia com clientes (internos e externos), de forma transparente, buscando estabelecer acordos que atendam aos interesses das partes. 6 - Toma decisões adequadas, em tempo hábil, analisando o contexto e os objetivos da Unidade. 7 - Coordena os processos da sua equipe, identificando desvios e implementando ações de melhoria. (BANCO DO BRASIL, 2011) Mostra-se pertinente para a empresa avaliar a efetividade das ações de educação corporativa a partir da análise dos resultados do programa Diálogo como instrumento estratégico para a sustentabilidade da organização a partir do desenvolvimento das competências gerenciais. Delimitada no contexto até aqui apresentado, firma-se a seguinte questão de pesquisa: Como a educação corporativa promove o desenvolvimento das sete competências gerenciais identificadas pelo Banco do Brasil, na percepção dos gestores participantes do Programa Diálogo no Estado de Pernambuco?

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional

Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Painel Setorial - Inmetro Perspectivas da Educação a Distância na Capacitação e Formação Permanente do Profissional Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos Xerém, 31 de julho de 2009 Tópicos Os Novos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Dados do Ensino Médio

Dados do Ensino Médio Dados do Ensino Médio População de 15 a 17 anos (2010): 10.357.874 (Fonte: IBGE) Matrículas no ensino médio (2011): 8.400.689 (Fonte: MEC/INEP) Dados do Ensino Médio Dos 10,5 milhões de jovens na faixa

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo

Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo Datos generales: Información sobre Herramientas Metodológicas de Diagnóstico Participativo 1. Nombre de la herramienta: Conselhos de Desenvolvimento Comunitário (Programa Comunidade Ativa) 2. Organización

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Semana de Estruturação do Escritório de Processos Objetivo do Curso

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Índice. Grupo 7.4 - Módulo 17

Índice. Grupo 7.4 - Módulo 17 GRUPO 7.4 MÓDULO 17 Índice 1. Aspectos gerais das universidades corporativas (continuação)...3 2. Educação corporativa, gestão do conhecimento e gestão por competência: uma articulação de conceitos...3

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção

Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem UCSebrae um caminho em construção Trilhas de aprendizagem Trilhas de desenvolvimento Foco no desenvolvimento de competências Foco no desenvolvimento de carreiras O Sebrae O Serviço

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais