COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1"

Transcrição

1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO: GOVERNANÇA SISTÊMICA 1 Lúcia Regina Vieira Zermiani 2 RESUMO Governança corporativa ou o governo das sociedades ou das empresas é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como as sociedades são administradas, dirigidas ou controladas. Tem por objetivo demonstrar a importância da utilização dos princípios teóricos e das boas práticas de governança corporativa ou cooperativa para que seja alcançada a forma ideal de gestão de cada cooperativa, sempre respeitando os órgãos reguladores e os princípios cooperativistas e de governança. A escolha do tema foi devido à evolução significativa no seguimento cooperativista de crédito e a necessidade constante da verificação da capacidade dos gestores e colaboradores e a adoção de práticas que aumentem a transparência e controle dessas organizações e permita constante desenvolvimento e, principalmente, que cumpra os objetivos para os quais foram criadas. A metodologia utilizada foi a experiência baseada no conhecimento adquirido através da vivência nos conselhos de administração e fiscal da Blucredi e de pesquisa bibliográfica, que de acordo com Gil (2010) é desenvolvida através de materiais já elaborados, como livros e artigos, portais, sites, etc., e possui caráter exploratório, pois, permite maior familiaridade com o problema, aprimoramento de ideias ou descoberta de intuições. Pretendemos, com este trabalho que está estruturado em três seções, trazer a reflexão sobre assunto tão importante ao desenvolvimento das cooperativas de crédito, a geração de confiança por parte dos cooperados e da sociedade através da utilização das boas práticas e dos princípios teóricos de governança corporativa, haja vista a fundamental participação dos Conselhos de Administração e Fiscal no processo decisório. Outro tema que será explorado é a importância da união entre as cooperativas de crédito através de sistema centralizado, para garantir capacidade de competição com o mercado bancário/financeiro. A decisão sobre o modelo de gestão que será escolhido para as cooperativos de crédito recebem especial atenção neste trabalho, devido a vital importância entre a manutenção do formato atual, onde conselho de 1 Artigo apresentado como requisito para conclusão do MBA Executivo Cooperativas de Crédito, turma 2010/B, através do convênio entre Instituto Nacional de Pós-Graduação (INPG) e Universidade Regional de Blumenau (FURB), em março de Gerente Comercial da Foz do Brasil S.A. Unidade Blumenau e participou como membro dos Conselhos de Administração e Fiscal da Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados dos Vales do Itajaí e Itapocu e do Litoral Norte de Santa Catarina (SICOOB BLUCREDI)

2 administração e diretoria executiva são exercidas pelos mesmos agentes, ou a segregação entre estas funções, modelo em que a diretoria executiva é constituída por profissionais da área bancária/financeira, que deverá gerar mais confiança dos associados e da comunidade em geral na perpetuidade do sistema cooperativo de crédito. Palavras-chave: Governança Corporativa. Cooperativa de Crédito. Conselho de Administração. 1 INTRODUÇÃO Alcançar um modelo ideal de gestão corporativa para o sistema cooperativo de crédito tem sido um desafio a todos os agentes participantes deste processo. O Banco Central do Brasil, atento ao fortalecimento, ao crescimento e a mudança de perfil das cooperativas de crédito no Brasil, criou o projeto governança cooperativa e com ele definiu diretrizes para boas práticas de governança em cooperativas de crédito. (VENTURA, 2009). O projeto governança cooperativa do BACEN propõe-se a contribuir para a construção de um sólido e adequado ambiente de governança, que considere as especificidades das cooperativas de crédito na realidade econômica e no sistema financeiro. Seu objetivo é, então, disseminar as diretrizes para as boas práticas de governança em cooperativas de crédito no Brasil. (VENTURA et al., 2008). O tema governança tem abrangência muito superior a manifestada em meados dos anos 90, quando acionistas sentiram a necessidade de criar mecanismos que os protegessem das decisões tomadas pela diretoria executiva, pela inoperância do Conselho de Administração e pela fragilidade das auditorias externas ou independentes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (2013). Falar em governança atualmente remete desde as questões societárias e de proteção do capital até o desenvolvimento sócio econômico das sociedades onde estão inseridas as organizações. As Cooperativas de Crédito, por serem compostas por associados com igual capacidade de voto, por representarem as soluções financeiras que os sócios necessitam e, por serem constituídas, em sua grande maioria, por pessoas não especializadas na área bancária/financeira, alcançar um modelo que dê sustentabilidade ao crescimento e que garanta competitividade com os agentes financeiros do sistema bancário, sem dúvida nenhuma é

3 emergente e por isso está sendo alvo de estudos e discussões das mais variadas. (BRASIL, 1971). O segmento de crédito cooperativo brasileiro conta hoje com 4,5 milhões de associados em todo o Brasil e continua em plena expansão. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2011) Segundo o Banco Central do Brasil governança cooperativa é o conjunto de mecanismos de controles internos e externos que permite aos cooperados definir e assegurar a execução de objetivos dos cooperados, garantindo sua continuidade e os princípios cooperativistas. (VENTURA, et al.2008; VENTURA, 2009). O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da utilização dos princípios teóricos e das boas práticas de governança corporativa ou cooperativa para que seja alcançada a forma ideal de gestão de cada cooperativa, sempre respeitando os órgãos reguladores e os princípios cooperativistas e de governança. A escolha do tema foi devido à evolução significativa no seguimento cooperativista de crédito e a necessidade constante da verificação da capacidade dos gestores e colaboradores e a adoção de práticas que aumentem a transparência e controle dessas organizações e permita constante desenvolvimento e, principalmente, que cumpra os objetivos para os quais foram criadas. A metodologia utilizada foi a experiência baseada no conhecimento adquirido através da vivência nos conselhos de administração e fiscal da Blucredi e de pesquisa bibliográfica, que de acordo com Gil (2010) é desenvolvida através de materiais já elaborados, como livros e artigos, portais, sites, etc, e possui caráter exploratório, pois, permite maior familiaridade com o problema, aprimoramento de ideias ou descoberta de intuições. Na primeira seção contextualizam-se historicamente as cooperativas de crédito no Brasil. Na segunda seção conceitua-se a governança e seu reflexo no cooperativismo de crédito e finaliza-se destacando a importância da escolha do sistema de gestão e a necessidade de capacitação constante dos conselhos de administração e fiscal. 2 COOPERATIVAS DE CRÉDITO - EVOLUÇÃO HISTÓRICA O cooperativismo de crédito surgiu no Brasil no Rio Grande do Sul, onde foi fundada em 1902 a primeira cooperativa de Crédito da América Latina, na cidade de Nova Petrópolis através do Padre Jesuíta Theodor Amstad, que foi denominada Caixa de Economia e Empréstimos Amstad. Toda pessoa que depositasse nela suas economias era admitida e os

4 fundamentos baseavam-se na honestidade e atuava basicamente junto a pequenas comunidades rurais e vilas. Os depósitos ali efetuados recebiam pequena remuneração. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Em 1903 é promulgado o Decreto 979 que permitiu aos agricultores e profissionais das indústrias rurais a organização em sindicatos e a utilização de caixas rurais de crédito, entretanto sem definir normas de organização e funcionamento. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). O Decreto 1637 de 1907 determinou que as sociedades poderiam ser anônimas ou em nome coletivo e as cooperativas tinham como característica a variação do capital, o número ilimitado de sócios e sem acesso para estranhos à finalidade precípua da cooperativa. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Devido a forte multiplicação das cooperativas por todo país nas décadas seguintes, apoiadas na moderna legislação existente à época, as cooperativas estavam entre os principais agentes financeiros da atividade rural. Na década de 30 surgiu o modelo Luzatti, desenvolvido pelo italiano Luigi Luzzati, que se diferenciava do modelo alemão existente até então, por exigir uma pequena captação de capital quando da admissão e por não estar voltada exclusivamente a comunidade agrícola, aceitando, preferencialmente assalariados, artesãos, pequenos empresários, comerciantes, industriais, surgindo então a cooperativa de crédito de livre admissão. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Os modelos então existentes foram regulamentados pelo Decreto do Poder Legislativo de 19 de dezembro de 1932 que definiu que o modelo Raifeisen deveria observar a ausência de capital e indivisibilidade dos lucros, já o Luzatti o capital social seria dividido em cotas partes de pequeno valor, responsabilidade limitada ao valor da quota-parte do capital; área de operações circunscrita, tanto quanto possível ao território do município em que tiver a sua sede, só podendo estabelecer área maior, fora desse território, quando municípios próximos abrangessem zonas economicamente tributárias daquele em que estiver; administração constituída por um conselho de administração. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Este decreto regulamentou a criação de cooperativas centrais e criou 4 outros tipos, dentre os quais estão as de crédito mútuo e a de crédito profissionais de classe ou de empresas. Desde então o cooperativismo no Brasil entrou em franco desenvolvimento nas décadas seguintes, chegando a alcançar a marca de cooperativas no modelo Luzzati em

5 bom nível de desenvolvimento na década de 50. Em 1951 a Lei 1412 transformou a Caixa de Crédito Cooperativo em Banco Nacional de Crédito Cooperativo BNCC, e era constituído por 60% de capital controlado pela da união e 40% subscritos pelas cooperativas legalmente constituídas e em funcionamento. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Na década de 60, durante a ditadura militar as cooperativas foram impedidas de captar depósitos a prazo, as taxas de juros praticadas eram controladas, fazendo com que perdessem a condição de funcionamento e, principalmente, desempenhar o papel de agente financeiro para os grupos que representava. O derradeiro veio com a Resolução 11 do Conselho Monetário Nacional que determinou a extinção das atividades de crédito exercidas pelas cooperativas de crédito, permitindo apenas o funcionamento voltado a produção rural ou as cooperativas formadas por profissionais de classe ou de empresas. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Em 1971 a Lei instituiu o regime jurídico vigente das cooperativas, definindoas como sociedade de pessoas, de natureza civil e com controle exercício pelo Banco Central do Brasil, desde então até a década de 80 ressurgiram 430 cooperativas de crédito no país. (BRASIL, 1971; INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). Com a Constituição de 1988 que incluiu as cooperativas de crédito em seu artigo 192, novas perspectivas surgiram, mas em 1990 o governo do então Presidente Fernando Collor, novamente restringiu a participação das cooperativas no mercado financeiro, obrigando-as a efetuar suas transações através de banco, principalmente o Banco do Brasil, que permaneceu assim até 1995, onde foi autorizado o funcionamento de bancos cooperativos, surgindo então o Banco Sicredi e o Bancoob. A partir de então várias resoluções do Banco Central foram editadas conferindo diretos às cooperativas e estes foram reconhecidos em 2009 pela Lei Complementar 130. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2010). 3 GOVERNANÇA Governança Corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre acionistas/cotistas, conselho de administração, Diretoria, auditoria independente e conselho fiscal. As boas práticas de Governança Corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu

6 acesso ao capital e contribuir para a sua perenidade. (INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA, 2004). Administrar, gerenciar, governar, é sinônimo de cuidar, zelar, transformar os bens públicos e/ou privados colocados na mão de terceiros para produzir os fins a que se destinam e para gerar os resultados esperados. As cooperativas, quando concebidas, têm a finalidade precípua, advinda do sonho, do desejo, da necessidade de seus mentores ou grupo, que necessitam de apoio financeiro ou institucional para a materialização do negócio. Juntamente com a transformação do desejo em realidade faz-se necessário a escolha de pessoas que irão participar do processo decisório e estratégias de gestão com a utilização das ferramentas necessárias à manutenção do patrimônio daqueles que confiaram e acreditaram que a união de forças resultaria num bem comum. Quando falamos de cooperativas de crédito além das escolhas acima citadas é necessária a aplicação de ferramentas de administração e controle exigidas pelos órgãos reguladores e controladores. Uma dessas ferramentas é o conjunto de processos, costumes, políticas, regulamentações e órgãos externos de controles que verificam a maneira que a empresa é administrada definida como Governança Corporativa. Desta forma, em atendimento aos normativos e ritos legais que regem a administração de cooperativas de crédito a organização de forma sistêmica é implantada e acompanhada por instrumentos de controle. A Lei Complementar 130 que dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo define novo modelo a ser aplicado na constituição do Conselho Fiscal e faculta a constituição da Diretoria com profissionais advindos do mercado, não integrantes do Conselho de Administração e mantém soberana a Assembleia Geral em consonância com o Estatuto Social. (BRASIL, 2009) A decisão sobre a forma ideal de composição da Diretoria deve ser de cada Cooperativa baseada no histórico, no planejamento, na visão de futuro e, principalmente, no cuidado com o seu maior patrimônio, o capital do associado. Para alcançar níveis de eficiência competitiva com o mercado financeiro convencional as cooperativas de crédito reúnem-se em organizações centrais. Este formato organizacional com a união de esforços pessoais e dos recursos disponíveis permite uma competição mais equilibrada e ao mesmo tempo exige novas formas de gestão, onde o coletivo deve superar o individual para atender os propósitos comuns e, sempre tendo como

7 foco principal, agir no comum interesse dos associados, visando à proteção, manutenção e crescimento de seu patrimônio, representado pela cota capital, tendo as assembleias gerais como fórum máximo de decisões e onde a participação de cada um é igualitária, pois diferentemente das organizações privadas, o cooperativismo de crédito dá a seus associados direitos iguais, pois cada pessoa física ou jurídica tem o mesmo direito a voto 1 sócio = 1 voto. (BRASIL, 1971). Aumento na rentabilidade financeira, especialidade e portfólio de soluções compatíveis com a expectativa dos associados e em paridade com o mercado financeiro, confiança gerada pelas marcas fortes, segurança, profissionalismo, utilização da mesma estrutura pelas cooperativas participantes, economia de escala na aquisição conjunta de materiais, padronização de produtos e serviços com ampla rede de atendimento, são algumas das vantagens provenientes da união entre cooperativas em um sistema. Da mesma forma, que a união de agentes com o mesmo objetivo traz resultados positivos, existem pontos divergentes e com necessidade de consenso que podem ocasionar efeito contrário se não houver capacidade do resultado coletivo sobrepor o individual. Um deles é a definição do que deverá ser mantido, de quem deverá assumir as posições e funções principais de gestão e controle. Até mesmo a definição de nomes a serem usados ou abandonados pode ocasionar transtornos ou impedimentos a grandes saltos na gestão dos sistemas cooperativos. A diversidade traz capacidade de criação e evolução, mas se não for aplicada e controlada adequadamente pode levar a decadência de um sonho. Desta forma, a observação dos princípios de governança cooperativa pode ser de extrema importância ao desenvolvimento e perpetuidade dos sistemas cooperativos. Dentre eles podemos destacar: a) transparência - desejo de disponibilizar informações relevantes e não apenas aquelas impostas por disposições de leis ou regulamentos; b) prestação de contas - os agentes da governança (ai incluídos o conselho de administração, conselho fiscal) devem dar conhecimento e assumir integralmente as consequências dos atos e omissões praticados no exercício dos mandatos; c) responsabilidade corporativos - conselheiros e executivos devem zelar pela longevidade das organizações, incorporando considerações de ordem social e ambiental de longo prazo na definição dos negócios e operações (sustentabilidade);

8 d) equidade - nivelamento de conteúdo para todos. Todos os Integrantes precisam e devem interar-se dos assuntos que tangem a organização e os negócios onde ela está inserida. (VENTURA, et al.2008; VENTURA, 2009). Há, no entanto, um ponto sobre o qual parece existir uma espécie de unanimidade: as cooperativas de crédito, na medida em que se expandem no número de associados, no volume de negócios e na complexidade operacional, requerem conselho de administração cada vez mais atuante (protagonista), assumindo e liderando assuntos de ordem estratégica no interesse dos associados, e dirigentes executivos cada vez mais capacitados tecnicamente, em condições de conduzir a operação. De acordo com Menem (2010) existem dois modelos que permitem que tais condições sejam implementadas: a) monístico - representado por um único órgão, que é conselho de administração no qual o presidente e, normalmente, o vice-presidente também acumulam os cargos de presidente e vice-presidente executivos (não segregação formal entre conselho e diretoria)?; b) dual - com um conselho de administração (responsável pela direção estratégica) formalmente segregado de uma diretoria executiva (subordinada ao conselho, com a responsabilidade pela gestão propriamente dita)?. Escolher entre esses modelos, definir o sistema de gestão corporativa ideal para o desenvolvimento de cada cooperativa de crédito e alcançar alta adesão dos associados nos processos decisórios representados pelas assembleias gerais ordinárias e extraordinárias são os itens de fundamental importância à sobrevivência das organizações. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS As cooperativas de crédito se caracterizam por pessoas que se unem em prol do atendimento e satisfações das suas necessidades e da comunidade em que estão inseridas e desta união são formadas as cooperativas, que possuem sistemas de gestão aplicados para alcançar seus objetivos, dentre eles a governança corporativa. Podemos destacar como pontos importantes para a aplicação da governança corporativa em cooperativas de crédito, a falta de separação entre os órgãos administrativos conselhos de administração e fiscal e a diretoria executiva.

9 O conselho de administração tem o dever de proteger o patrimônio da cooperativa, avaliando o desempenho da gestão, promovendo ajustes de forma independente, auxiliados pelos pareceres das auditorias internas e externas, para que o objetivo social seja alcançado, de forma a orientar a administração na tomada de decisões. A gestão executiva é composta pelos profissionais que ocupam cargos de gestão e são responsáveis pela execução do negócio, com a implementação de estratégias que levem ao alcance das metas definidas, apresentando os resultados esperados por aqueles que fazem parte do quadro social e da administração que os contratou. Portanto decidir entre a segregação ou não destas funções é primordial para a continuidade das cooperativas existentes e definição do modelo de gestão a ser utilizado. Para aplicação das diretrizes e princípios de gestão corporativa dentro das cooperativas de crédito como ferramenta de desenvolvimento dos agentes envolvidos é necessário o desenvolvimento das pessoas através de treinamento e capacitação profissional. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei n , de 16 de dezembro de Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências Disponível em: Acesso em: 08 mar BRASIL. Lei complementar n. 130, de 17 de abril de Disponível em: Acesso em: 07 mar GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo : Atlas, p, il. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Código das melhores práticas de governança corporativa Disponível em: Acesso em: 07 mar INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Governança cooperativa Disponível em: Acesso em: em: 07 mar INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Origem da boa governança Disponível em: Acesso em: em: 07 mar MEINEM, Ênio. Governanças nas cooperativas de crédito Disponível em: Acesso em: em: 07 mar

10 VENTURA, Elvira Cruvinel Ferreira (Coord.). Governança cooperativa: diretrizes e mecanismos para o fortalecimento da governança em cooperativas de crédito. Brasília: BCB, p. VENTURA, Elvira Cruvinel Ferreira et al. Governança em cooperativa: diretizes para boas práticas de governança em cooperativas de crédito. Brasília: BCB, p.

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1

COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1 1 COOPERATIVAS DE CRÉDITO: A RELAÇÃO ENTRE GOVERNANÇA E O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 1 Carlos Roberto Linhares 2 RESUMO Governança corporativa é o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Ana Carolina Rovida de Oliveira Especialista em Direito da Economia e Empresarial I INTRODUÇÃO A estabilização

Leia mais

Associação Congregação de Santa Catarina: Estrutura de Governança Corporativa. Dezembro/2014

Associação Congregação de Santa Catarina: Estrutura de Governança Corporativa. Dezembro/2014 Associação Congregação de Santa Catarina: Estrutura de Governança Corporativa Dezembro/2014 Origem e Características Um rede social a serviço da Vida; Entidade filantrópica brasileira; Está presente em

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia Trinus Capital Página 1 de 7 Índice Geral 1. Objetivo e Escopo... 3 2. Princípios Gerais... 3 3. Potenciais Situações de Conflito de Interesses...

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL INTRODUÇÃO Este Código de Ética é público e reúne diretrizes que norteiam o comportamento dos Conselheiros, Dirigentes e Colaboradores

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing:

1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: 1. Esta Política institucional de comunicação e marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Versão 10-Set-15 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

COOPERATIVAS DE TRABALHO

COOPERATIVAS DE TRABALHO I ENCONTRO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO Painel: O desenvolvimento das cooperativas de trabalho e a legislação - Lições para as Américas Palestra: A experiência recente no processo de implantação da nova

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO. (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Governança Corporativa:

Governança Corporativa: Abril 15 Governança Corporativa: Qual papel? Onde estamos... Nossa estrutura de Governança: NÍVEL DE GOVERNANÇA Assembléias de Associados 10 representantes dos associados efetivos + todos os associados

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 11 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2015. Institui a política de segurança da informação do Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleia BBM INVESTIMENTOS 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 3 04.01. Responsáveis pela

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia

POLÍTICA CORPORATIVA BACOR CCVM. Página: 1 Título: Exercício de Direito de Voto em Assembleia Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política:... 2 04.02. Responsáveis

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010 Gilberto Mifano Agenda Panorama atual da GC no Brasil 2009 x 2003 Temas em discussão no Brasil e no Mundo 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO Cooperativismo Cooperativa de Crédito Mútuo dos Empregados da INFRAERO GESTÃO: Samuel José dos Santos Diretor Presidente Marco Antonio da C.Guimarães - Diretor Operacional João Gonçalves dos Santos Diretor

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Política Institucional

Política Institucional ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DIRETRIZES E PRINCIPIOS... 2 4. PROCEDIMENTOS RELATIVOS A POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE... 3 5. PROCESSO DECISÓRIO DE VOTO... 3 6. MATÉRIAS OBRIGATÓRIAS...

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA

OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA OS LUCROS E PREJUÍZOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INSERIDAS NO SISTEMA COOPERATIVISTA Por: Vera Cristiane Costa Prezoto Introdução Diante do atual cenário de competitividade, as organizações buscam instrumentos

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico

Agenda 1 ANAHP. 2 Governança Corporativa. 3 Timeline. 4 Reforma Estatutária. 5 Modelo de Planejamento Estratégico 10a Jornada Agenda 1 ANAHP 2 Governança Corporativa 3 Timeline 4 Reforma Estatutária 5 Modelo de Planejamento Estratégico 6 Modelo de Arquitetura Organizacional 7 Benefícios Governança Corporativa ANAHP

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. Aplicação e Objeto 1.1. O objeto desta Política de Voto é estabelecer as regras a serem observadas pela INFRA

Leia mais

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono

Foto: istockphoto.com/propagcomunica. Aqui você é dono Foto: istockphoto.com/propagcomunica Aqui você é dono A UNICRED/ASACRED tem como seus pilares dois importantes institutos: o cooperativismo, que vem promover a gestão participativa, equitativa e igualitária,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015347/2011-28

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

para a Governança Corporativa

para a Governança Corporativa Seminário A importância dos Websites de Sustentabilidade para os Públicos Estratégicos A relevância da sustentabilidade t d para a Governança Corporativa Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@ibgc.org.br (11)

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

CAPÍTULO I DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA FINALIDADE LEI Nº 1.392, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DO IDOSO, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO E O FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. (Alterado pela

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS I Aplicação e Objeto 1.1. A Paineiras Investimentos ( Gestor ), vem por meio desta, em conformidade com o Código de

Leia mais

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras

Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Serviços de auditoria interna Uma abordagem moderna baseada em modelagem de risco para instituições financeiras Nilson de Lima Barboza, MBA Valdir Jorge Mompean, MS, MBA Malcolm McLelland, Ph.D. 23 June

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado

CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado CARTA DE OPINIÃO - IBGC 1 Comitê de Auditoria para Instituições Financeiras de Capital Fechado Em maio de 2004 foi publicada a Resolução 3.198 do Conselho Monetário Nacional, que trouxe, entre outras novidades,

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Julho/2010 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. MATÉRIAS RELEVANTES OBRIGATÓRIAS...3 5. DOS CASOS FACULTATIVOS...4

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2015 Planejamento Estratégico AIS Triênio 6 Diretrizes 30 Objetivos Estratégicos 155 Ações 2014 76 Ações 2015 55 Ações 2014-2015 1 Ação 2014-2016 21 Ações 2016 1 Ação Distribuição

Leia mais