LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1"

Transcrição

1 LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1 Liliane Maria Jamir e Silva 2 Resumo Este artigo é resultado de estudos de autores pernambucanos realizados na FAFIRE, no programa de ação e extensão comunitária, através do Projeto Roteiros Poéticos de Pernambuco: história, memória, paisagem, aprovado e subsidiado pelo FUNCULTURA. Nesta oportunidade 3, em que homenageamos Cida Pedrosa e Pedro Américo de Farias, cujas estéticas consideramos inovadoras e representativas da genuína poesia contemporânea a tomar corpo no cenário pernambucano e nacional, apresentamos uma leitura da poesia de Pedro Américo de Farias, notadamente de alguns textos do audiolivro Linguaraz (2009), obra já tão festejada pela inventividade do autor ao querê-la harmonizada com arranjos musicais. Palavras chave Linguaraz. Poesia de Pedro Américo. Experiência intersemiótica. Pedro Américo de Farias é mesmo chegado às experimentações poéticas. Dentre elas, a experiência intersemiótica. Sua participação na Antologia Imagem passa palavra, publicada em Porto, Portugal, 2004, já mostra o quanto o poeta aprecia o diálogo literatura e artes plásticas. Nesta antologia, o autor apresenta o poema Celebração da vida, em consonância com o espírito do Movimento Identidades 4, cuja proposta seria poetizar a partir da imagem de um artista plástico filiado ao grupo. Assim, coube a Pedro Américo traduzir, em palavras, a obra de Siza Vieira, nome de grande notabilidade na arquitetura portuguesa. Em Linguaraz, o novo livro de poesia (audiolivro) de Pedro Américo, lançado em maio de 2009, o autor confirma, logo na apresentação, seu desejo de fazer um trabalho que casasse livro e disco em que os [...] poemas tivessem tratamento de composição musical, com direito a arranjos para percussão, guitarra elétrica, apitos de arremedo, tromboca, berimbau et caterva (p. 9). Sem dúvida, um belo trabalho. 1 Comunicação apresentada no III Encontro FAFIRE e XXXVIII Fórum FAFIRE de Ideias Contemporâneas, no dia 23 de setembro de 2009, das 19 às 21h30, cujo tema girou em torno da poética dos pernambucanos Cida Pedrosa e Pedro Américo de Farias. A mesa intitulou-se PoesiaentrePedras: uma conversa entre Cida Pedrosa e Pedro Américo. 2 Professora de Teoria da Literatura/FAFIRE e doutora em Literatura e Cultura/UFPB. 3 Evento mencionado na primeira nota. 4 Movimento artístico iniciado em 1996, com participantes de Angola, Portugal, Moçambique, Brasil, Cabo Verde entre outros países ligados pela língua portuguesa. 1

2 Todavia, ainda que o aparato musical de Linguaraz surta um efeito lúdico agradável, contagiante, a poesia de Pedro Américo, enquanto artefato poético de palavras, tem valor em si mesma, já contém musicalidade e plasticidade próprias. Mais ainda: diríamos que o foco do poeta é a palavra de efeito insólito, a língua poética, mas ferina, contundente, que pesa e é seca como as pedras do sertão: língua-ruda, rude, sem bravata, como conclui o autor na apresentação do livro (p. 9). Com ares metalinguísticos, o eu-poemático se define, se descreve em vários poemas da obra, traça sua trajetória fazendo despontar uma meta poética, como bem mostra em PARALELEPÍPEDRO, o canto pedregoso em terça rima 5 (p ): nasci pedro, assim me encaixo pedregulho entre pedreiras rolando penhasco abaixo cresci pedra por ladeiras açudes, roças e rios fui trempe para fogueiras sofri febres, calafrios senti no couro chibatas meus ais viraram assobios sonhei sonhos em cascatas neles cacei capivaras vivi com nefelibatas habitando nuvens raras caí que nem bendengó amassando algumas caras mas hoje sou pedra-mó Sem abrir mão da tradição medieval, adentrada nos sertões e preservada no cancioneiro popular, o poema discorre solto em versos simétricos (redondilho maior ou heptassilábicos) e encadeados com rimas entrecruzadas. A plasticidade se insinua nos 5 A terça rima ou terceto (terza rima, em italiano) tem, para uns, origem remota, tendo sido usada desde a Idade Média; outros lhe atribuem filiação ao soneto. Contudo, a estrutura que passou a ostentar deve-se a Dante Alighieri, em sua Divina Comédia, no século XIV, toda composta de tercetos. Na Literatura Brasileira foi cultivada no Barroco (Gregório de Matos), no Arcadismo, no Romantismo e no Parnasianismo. A terça rima se constitui como estrofe de três versos com rima entrecruzada, apresentado o esquema aba, bcb, cdc, ded, efe e assim por diante. Ao derradeiro terceto, acrescenta-se um verso que rima com o intermediário da estrofe antecedente - ded e - que pode ficar isolado ou aglutinado formando um quarteto (cf. MOISÉS, 2002, p ). No poema PARALELEPIPEDRO tal verso permanece isolado funcionando como fecho de ouro. 2

3 motivos, através de um léxico representativo da paisagem e dos costumes sertanejos, a exemplo de termos como pedregulho, pedreiras, açudes, roças, rios, [caçar] capivaras, [cair] que nem bendengó, entre outros. Além do aspecto visual, percebido logo na primeira estrofe (fanopeia 6 ), o poema toma fôlego através do recurso sonoro, farto no poema, como as aliterações que se reiteram, dificultando, de certa forma, uma leitura oral (em que o leitor pode tropeçar), como ocorre nos desafiantes travalínguas. Há também que se destacar, na poesia de Pedro Américo, a palavra concisa, mas plena de significados, a palavra plurissignificante, como se vê na alegoria do poema FORMIGAS que abre o Linguaraz (p. 10): formigas dormem à noite nem todas sentinelas vigilantes velam escravas corujas provisões armazenam o sol abre o dia o pão vai à mesa A letra branca sobre a página negra (única do livro) promove um belo efeito que dialoga com a ilustração de Victor Zalma. No entanto, o poema se destaca pelo jogo de palavras. A disposição gráfica sugere o movimento das formiguinhas no percurso de sua labuta. No contexto poético, a palavra é sutilmente pedregosa, conota o imperceptível e persistente trabalho noturno das formigas, ou dos poetas na calada da noite. Como sentinelas vigilantes ou escravas corujas, as formigas como os poetas e tantos trabalhadores noturnos (o jornalista, o padeiro, o vigilante...) provisões armazenam, deixando, quando o sol abre o dia, o poema-alimento para aclarar a consciência dos que dormem. 6 Segundo Massaud Moisés (2001, p. 316), Ezra Pound propõe uma distinção entre fanopeia, melopeia e logopeia. A seu ver, fanopeia consiste em projetar o objeto (fixo ou em movimento) na imaginação visual ; a melopeia, em produzir correlações emocionais por intermédio do som e do ritmo da fala ; e a logopeia, em produzir ambos os efeitos estimulando associações (intelectuais ou emocionais) que permaneceram na consciência do receptor em relação às palavras ou grupos de palavras efetivamente empregados. 3

4 Em DECIFRA-ME E EU TE DEVORO (p. 12), como o próprio título sugere, o eupoético incita o receptor a entrar no seu jogo, a decifrá-lo como a um enigma, sendo já advertido de que, na contenda, poderá ser tragado pelas artimanhas do texto. O título também brinca com o clássico enigma da esfinge, a guardiã dos segredos, que aparece no Édipo Rei, cuja decifração rendeu indistintamente ventura e desgraça ao herói trágico de Sófocles. Leiamos o poema: quem ama dá valor à auto-estima ando lendo notícias atrasadas mitos, lendas de eras já passadas donde vem essa anima que me anima que a mim torce e tritura em rica rima a criança que vem para brincar maraca, maracá, maracajá faz-me tonto, o amor é minha fé marca passo e compasso avante e a ré fica doido quem tenta decifrar Os dois primeiros versos, ensaiando um romantismo ingênuo que logo se dissipa talvez uma forma sutil de o autor subvertê-lo, soa estranho em relação ao todo do poema. Em versos simétricos, o poema apresenta seu campo-metáfora, em que o ludismo de ideias e palavras se articula num misto de heranças culturais mostrando, desde logo, a intenção experimental do eu-poético a (re) inventar paradigmas nem sempre claros ao leitor menos avisado. Apesar da simetria dos versos decassilábicos e da regularidade das rimas, há uma múltipla combinação decorrente do encadeamento progressivo dos versos que se processa pela ligação entre o primeiro e o segundo, entre o segundo e o terceiro, entre o terceiro e o quarto, e assim sucessivamente, resultando em efeito similar ao leixa-pren 7, cujo processo de repetição igualmente se observa no uso da renka 8. 7 Proveniente do galego-português [deixa-prende], o termo designa o expediente poético que consiste em repetir, à entrada de uma estrofe, o último verso da anterior. Assim, uma estrofe prendia, ou seja, tomava o que a precedente deixava (conforme Dicionário de termos literários, de Massaud Moisés, Cultrix, 1974). 8 Forma extinta de poesia japonesa, descendente de outra mais antiga, a waka. Segundo Alberto da Cunha Melo, em seu desenvolvimento, a renka é um poema paralelístico, forma que adotou para seu livro O cão 4

5 Entre o fluxo de ir e vir no tempo de suas experiências poéticas marca passo e compasso avante e a ré, o eu lírico vive o tenso jogo da poesia, e desafia o leitor a encontrar, nas combinações interfásicas, uma resposta, um sentido, mesmo correndo o risco de não racionalizar de fica [r] doido em face dos limites de seu próprio horizonte de expectativa. Reiterando nossa hipótese, afirmamos que a palavra contundente, que machuca e denuncia (sem ser panfletária, bom que se ressalte), enfim, a palavra que liberta é a grande obsessão do poeta Pedro Américo. Não é à-toa que seu livro intitula-se Linguaraz (2009), adjetivo que no Aurélio significa linguareiro, o que tem língua solta ou no melhor sentido de maledicente, de uma maledicência de quem busca definir a necessidade de a poesia se soltar um pouco da condição de refém do sublime, como ele próprio afirmara 9. Obras publicadas anteriormente como Conversas de pedra (1981) e Picardia (1994) também apresentam títulos sugestivos da palavra demolidora de posturas estereotipadas e do tom ameno das poéticas bem-comportadas. Este aspecto é bem lembrado na primeira estrofe do poema Picardia (2009, p. 11) a seguir transcrito: chupo manga trepado na mangueira cafungando no pó da poesia violando o bom tom da burguesia bailo jogo mortal da capoeira abaixo o burocrata e o reunismo por não te desejar um bibelô estes lírios vos dou de camelô e com isso me poupa o feminismo No início da segunda estrofe abaixo o burocrata e o reunismo, o tom de manifesto (primeiro verso) lembra a Poética de Manuel Bandeira, quando a enunciação ensaia uma subversão ideológica, já inaugurada na primeira estrofe, não obstante manter o padrão simétrico dos versos decassílabos e a regularidade das rimas intercaladas, nas duas estrofes. de olhos amarelos & outros poemas inéditos (2006). O poeta esclarece (na nota inicial, p l) que, não sendo mera repetição do modelo japonês, houve a intenção de reinventá-lo, fazendo, no citado livro, uma homenagem à forma poética extinta. 9 Em entrevista concedida a Schneider Carpegianni, do JC, que serviu de base para a matéria publicada no Caderno C, na edição de 28 de maio de 2009, enviada pelo poeta, via , em setembro de

6 Em FUGA (p. 18), aspectos da paisagem e da cultura sertanejas são trabalhados esteticamente com simplicidade, concisão e expressividade. Livre da amarração do encadeamento sintático (enjambement), a justaposição dos versos brancos, hegemonicamente tetrassilábicos, constrói uma trajetória rápida e progressiva, em que as experimentações do eu-lírico, em princípio circunstanciadas num determinado espaço, superam tais limites, ganhando identidade e autonomia expressiva. Vejamos o poema: arrombou cerca abriu porteira apurou ouvido liberou fala assobiou gemido lavrou palavra e foi embora mostrando a língua Entre as possibilidades de leitura, duas, pelo menos, estão ligadas à ideia de percurso: 1) uma topográfica, atrelada à própria biografia do autor, nascido na cidade de Ouricuri, no sertão do Araripe, mas transmigrado para o Recife e para o mundo; 2) a outra se reporta à trajetória estética, à emancipação auto-referenciada na palavra lavrada, cultivada com os componentes das paragens regionais, cujo léxico e semântica, representativos do locus e do modus vivendi sertanejos, transcendem e se universalizam no campo-metáfora. O texto dispensa elementos coesivos, com exceção dos dois últimos versos e foi embora / mostrando a língua, que funcionam como o fecho do poema. A composição dos versos (em esquema tetrassilábico) se repete num paralelismo de peso, cuja reiteração em verbos transitivos e seus respectivos complementos (até o sexto verso) assinalam o transcurso decisivo do eu-poético rumo a uma estética peculiar. A poesia de Pedro Américo também se destaca pelo experimentalismo gráfico notadamente observado no poema SOMA : SUMO (p. 22) a seguir transcrito: um fruta dizer em poema fruto numa cama flor fruto fica mesa enfim fluxo árido mais quero flora pomar pedra 6

7 O texto promove uma síntese, simboliza, com ludicidade, o que é essencial a sua poética: musicalidade, contenção lírica e motivos próprios. Interessante é que a disposição gráfica do texto sugere, de início, que os significados sejam projetados principalmente em função do efeito visual do poema, como normalmente acontece no poema concreto. Contudo, o que é recorrente, na estrutura textual, é o efeito sonoro, a aliteração, a reiteração de termos com a finalidade de construir gradativamente a ideia, o sentido. Usando as categorias de Ezra Pound, diríamos que a melopeia e a logopeia se destacam na poesia de Pedro Américo, mesmo no poema em foco, mais assemelhado ao modo concreto. Retornaremos a SOMA : SUMO adiante. Destacamos, ainda, o poema UM MARINHEIRO E O RECIFE (p ): indiferente à verdade e à fantasia ao traçado do primeiro e do último arquiteto à lógica que não seja a do olho e do tato ao amor louco dos bêbados ansiosos e à autoflagelação dos ressacados ao deslumbramento do turista aprendiz de hoje e à lamentosa tortura dos passadistas à complacência dos podres poderes e à penitência dos pobres beatos um marinheiro pinta para si mesmo a rua que lhe convém diminui distâncias e aproxima o porto desmancha a topografia recompõe a cidade sem perder de vista o mar e a linha do horizonte Seguindo os objetivos do projeto em desenvolvimento Roteiros poéticos de Pernambuco: história, memória, paisagem, também buscamos, na obra de Pedro Américo, algo que apresentasse uma visão eufórica (ou disfórica) de nosso Estado, de nossa Recife. De imediato, o título do poema nos parecia confirmar tal expectativa, o que não se faz na mesma proporção tão logo se apresentem os primeiros versos. Se há mesmo um 7

8 olhar sobre o objeto em questão, trata-se de uma visão poeticamente construída, sutilmente dissimulada, e não meramente contemplativa. Isto porque o sujeito da enunciação poética não se quer meramente regionalista, no sentido de acatar padrões regionais [ou] regionalizantes identificados como sentimentos nativistas, patrióticos, em que a exaltação de uma natureza regional, local [se mostre] superior à dos outros locais ; ou ainda no sentido de conceber um caráter nostálgico aos motivos poetizados, aspectos que Pedro Américo diz serem frequentes no regionalismo 10. Assim, o poema escamoteia a subjetividade lírica e se converte em instância narrativa com o distanciamento peculiar ao gênero. Com este artifício, o poeta disfarça o olhar contemplativo que registraria, em primeira pessoa, o que é indiferente ao marinheiro, mas caro ao eu-lírico, seja o quadro físico natural e urbano da cidade do Recife, o traçado do primeiro / e do último arquiteto, seja a percepção sensitiva da realidade a do olho e do tato, atenta ao amor louco dos bêbados ansiosos / e à autoflagelação dos ressacados, bem como ao deslumbramento do turista aprendiz [...] / e à lamentosa tortura dos passadistas ; seja ainda a percepção crítica a flagrar cenas de estorvo social, cenas em que o poeta e nós, leitores, reconhecemos como fruto da ingenuidade de muitos quando se dobram à falsa generosidade de poucos; ou à conformação dos ascéticos, prontos a pagarem, com penosos sacrifícios, um tributo social devido por outrem, aspectos que se expressam, principalmente, no sexto dístico, quando o marinheiro-personagem prossegue indiferente à complacência dos podres poderes / e à penitência dos pobres beatos. A construção invertida do poema (em hipérbato) também parece estratégica, visto que, em ordem direta, o terceto que integra a sétima estrofe, ocupando a função de oração principal, tanto encabeça as primeiras estrofes (os dísticos) que se interligam em enjambement a partir da expressão modal indiferente no início do texto, quanto funciona como oração principal da última estrofe, possibilitando, dessa forma, a leitura do poema em outra disposição sem prejuízo do sentido, que será sempre o mesmo nas duas formas de leitura. 10 Em entrevista concedida à jornalista Maria Alice Amorim. Disponível em Acesso em 3 de setembro de

9 Antes de finalizar, reiteramos que as hipóteses aqui postas são praticamente baseadas na leitura do texto escrito, do livro de poemas. A escuta dos poemas musicados foi posterior, já com intenção de experienciá-los segundo a proposta de seu autor, instigada pela euforia no lançamento do audiolivro, no auditório da Livraria Cultura. Ambas foram experiências gratificantes, mas distintas. Voltemos ao poema SOMA : SUMO com o fito de esclarecer a aludida distinção em termos mais práticos. Acompanhando o texto musicado e cantado, vê-se que a dicção define uma direção própria da leitura e que, sem a escuta, detendo-se apenas na leitura do texto, o leitor poderia compassar ou criar outra prolação, lembrando também que todos os textos do Linguaraz dispensam os sinais gráficos de pontuação. No poema em foco, observa-se que o texto cantado (e o mesmo poderia acontecer se fosse apenas declamado pelo poeta) define tanto as pausas (pontuação) quanto a direção vertical da leitura. Por outro lado, sabe-se que, em se tratando de formato concretista, o texto poderá admitir outras combinações de leitura sugeridas pela livre inserção da instância leitora. Vale ainda ressaltar que, no poema em questão, as palavras destacadas em negrito nas extremidades do primeiro e do último verso, também assinalam duas projeções textuais: no sentido vertical um / mais / poema / pedra, tal arranjo indicaria o aspecto quantitativo, um acréscimo, a SOMA que compõe o título, ou melhor, mais um poema pedra. Já no sentido horizontal, um / poema / mais / pedra, a construção reforça o elemento qualitativo, cuja essência o SUMO que também aparece no título se consolida na simbologia da pedra: um poema de natureza contundente e resistente. Não poderíamos concluir este breve estudo sem reiterar a beleza e a importância desse novo experimento de Pedro Américo. A perspectiva intersemiótica exigiria, evidentemente, uma leitura mais atenta, mais fundamentada, o que não caberia nesta breve proposta. Mas não resta dúvida de que o texto, casado com música, abre novas possibilidades, torna-se estimulante, contagiante, podendo funcionar como motivação para quem ainda permanece alheio à beleza da experiência que se descortina nas malhas do texto poético. Por outro lado, é bom lembrar que, em seu nascedouro, a poesia esteve visceralmente ligada à música, à dança, aos ritos sagrados. Assim, arriscamos, à revelia do autor, suscitar o que pareceria um paradoxo, uma via de mão dupla, na proposta do Linguaraz: enquanto criação 9

10 e reinvenção, quem sabe se o experimentalismo de Pedro Américo também não representa uma tentativa de retomar o caminho de volta às origens da poesia lírica? Continuemos, pois, com nossas leituras e a experiência gratificante com a poética de Pedro Américo, assim como a de outras vozes representativas da literatura e da cultura pernambucanas. REFERÊNCIAS a) Bibliografia CAMPOS, Antônio e CORDEIRO, Cláudia. Pernambuco, terra da poesia - um painel da poesia pernambucana dos séculos XVI ao XXI. Recife, PE: IMC - Instituto Maximiano Campos; São Paulo: Escrituras Editora, ID ed. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Belas Artes, (Col. Identidades Intercâmbio Artístico) IMAGEM passa palavra. 2. ed. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Belas Artes, (Coleção Identidades Intercâmbio Artístico) FARIAS, Pedro Américo de. Linguaraz. Desenhos de Victor Zalma. Recife: Edição do autor, MELO, Alberto da Cunha. O cão de olhos amarelos & outros poemas inéditos. São Paulo: A Girafa, MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 11. ed. São Paulo: Cultrix, MORAIS, Heloísa Arcoverde e BRASIL, Magali. (Org.) Tradução Everardo Norões e Renaud Bárbaras. Recife: um olhar transatlântico: antologia poética. Nantes: un regard transatlantique: anthologie poétique. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, b) Webgrafia Acesso em 13/01/ Acesso em 01/03/ Acesso em 03/09/ Acesso em 03/09/2009. Recife, 25 de março de

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br 1 Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br Poesia é tudo aquilo Que a gente não entende; É como comprar um quilo, Daquilo que não se vende. QUADRAS (ESTROFES

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares

Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares Do Livro do Desassossego - Bernardo Soares Bernardo Soares (heterônimo de Fernando Pessoa) 1. "O coração, se pudesse pensar, pararia." "Considero a vida uma estalagem onde tenho que me demorar até que

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

Alegoria da Caverna. Platão

Alegoria da Caverna. Platão Alegoria da Caverna Platão Imagina homens que vivem numa espécie de morada subterrânea em forma de caverna, que possui uma entrada que se abre em toda a largura da caverna para a luz; no interior dessa

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora

Aluno(a): Nº. Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE. Análise de textos poéticos. Texto 1. Um homem também chora Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 9 ano Disciplina: Português Data da prova: 03/10/2014. P1-4 BIMESTRE Análise de textos poéticos Texto 1 Um homem também chora Um homem também

Leia mais

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA

Equipe de Língua Portuguesa. Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA Aluno (a): Série: 3ª TUTORIAL 3B Ensino Médio Data: Turma: Equipe de Língua Portuguesa Língua Portuguesa SÍNTESE DA GRAMÁTICA TERMOS INTEGRANTES = completam o sentido de determinados verbos e nomes. São

Leia mais

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria

Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria 1 Por muito tempo na história as pessoas acreditaram existir em nós uma capacidade transcendental que nos emanciparia da natureza e nos faria especiais. Fomos crescendo e aprendendo que, ao contrário dos

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva;

OBJETIVOS. Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; OBJETIVOS Definir objetivos de estudo a nível pessoal; Compreender a importância de uma boa organização do estudo; Ser capaz de rentabilizar o estudo de uma forma mais efetiva; Sensibilizar os E.E. para

Leia mais

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond O CÓDIGO DAS ÁGUAS Lindolf Bell, Timbó, 1938 Gênero: Poesia lírica 34 poemas, divididos em cinco partes: Poemas, Desterro, Minifúndio, Poema do Andarilho, Poemas Finais Publicação 1984 Literatura Catarinense

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

GENTE QUE VALE A PENA

GENTE QUE VALE A PENA GENTE QUE VALE A PENA POR LUCIANA ARNAUD Campanha de Crowdfunding Rede Solidária We ve offered the Raleigh community space-saving solutions for the past 10 years. We recommend Northwind Traders "Para mim,

Leia mais

O trabalho com as cantigas e parlendas

O trabalho com as cantigas e parlendas O trabalho com as cantigas e parlendas nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 4 Cantigas e parlendas ajudam a introduzir a criança no mundo da leitura. Isso porque são textos

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Delicadezas Chris Cysneiros 1

Delicadezas Chris Cysneiros 1 Delicadezas Chris Cysneiros 1 2 Delicadezas Chris Cysneiros CHRIS CYSNEIROS 4 Delicadezas Chris Cysneiros Delicadezas Chris Cysneiros 5 Chris Cysneiros nasceu no Recife e é formada em Design Gráfico pela

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As Histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO A Prima do Coelho. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Os brinquedos ouvem batidos na porta: é

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção I Teste de Avaliação n.º 1 - Correção 12.º CT / CSE setembro/2012 GRUPO I A. 1 d); 2 c); 3 c); c); 5 d); a); 7 b); 8 c); 9 a); 10 d). B. Características da poesia de Cesário Verde em Provincianas : - Poesia

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Língua Portuguesa Revisão Nome: Vamos entender um pouco mais sobre ética. Leia este texto atentamente. ÉTICA Ética é um conjunto de valores morais, costumes

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO E ANDAMENTO E SUAS POSSÍVEIS APLICAÇÕES NA CENA TEATRAL Ernani de Castro Maletta Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Ritmo, andamento, encenação. O ritmo é um

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica

BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica BAKHTIN, M. Palavra própria e palavra outra na sintaxe da enunciação. A palavra na vida e na poesia: introdução ao problema da poética sociológica. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 184p. / M. Bakhtin.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Subsídios para implementação do Plano de Curso de Educação Artística Ensino Fundamental Educação de Jovens

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula.

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. www.juliofurtado.com.br 1 Só aprende quem sonha e só sonha quem tem esperança. (Paulo Freire) Aprender envolve três processos: Processos

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura.

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura. A Sina dos Traços: ilustração para o convite de formatura do curso de Publicidade e Propaganda. 1 Paulo César V. STECANELLA 2 Breno INFORZATO 3 Marília DURLACHER 4 Eloise SCHMITZ 5 Juliana Zanini SALBEGO

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes

Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes Gilda de Mello e Souza dizia que o Brasil é muito bom nas novelas. Para ter público, a novela precisa dispor de personagens de todas as classes sociais, explicava ela, o que exige uma trama complexa. Acrescento:

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais