LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1"

Transcrição

1 LINGUARAZ: O QUE FALA ESTA LÍNGUA? Uma leitura de alguns poemas de Pedro Américo de Farias 1 Liliane Maria Jamir e Silva 2 Resumo Este artigo é resultado de estudos de autores pernambucanos realizados na FAFIRE, no programa de ação e extensão comunitária, através do Projeto Roteiros Poéticos de Pernambuco: história, memória, paisagem, aprovado e subsidiado pelo FUNCULTURA. Nesta oportunidade 3, em que homenageamos Cida Pedrosa e Pedro Américo de Farias, cujas estéticas consideramos inovadoras e representativas da genuína poesia contemporânea a tomar corpo no cenário pernambucano e nacional, apresentamos uma leitura da poesia de Pedro Américo de Farias, notadamente de alguns textos do audiolivro Linguaraz (2009), obra já tão festejada pela inventividade do autor ao querê-la harmonizada com arranjos musicais. Palavras chave Linguaraz. Poesia de Pedro Américo. Experiência intersemiótica. Pedro Américo de Farias é mesmo chegado às experimentações poéticas. Dentre elas, a experiência intersemiótica. Sua participação na Antologia Imagem passa palavra, publicada em Porto, Portugal, 2004, já mostra o quanto o poeta aprecia o diálogo literatura e artes plásticas. Nesta antologia, o autor apresenta o poema Celebração da vida, em consonância com o espírito do Movimento Identidades 4, cuja proposta seria poetizar a partir da imagem de um artista plástico filiado ao grupo. Assim, coube a Pedro Américo traduzir, em palavras, a obra de Siza Vieira, nome de grande notabilidade na arquitetura portuguesa. Em Linguaraz, o novo livro de poesia (audiolivro) de Pedro Américo, lançado em maio de 2009, o autor confirma, logo na apresentação, seu desejo de fazer um trabalho que casasse livro e disco em que os [...] poemas tivessem tratamento de composição musical, com direito a arranjos para percussão, guitarra elétrica, apitos de arremedo, tromboca, berimbau et caterva (p. 9). Sem dúvida, um belo trabalho. 1 Comunicação apresentada no III Encontro FAFIRE e XXXVIII Fórum FAFIRE de Ideias Contemporâneas, no dia 23 de setembro de 2009, das 19 às 21h30, cujo tema girou em torno da poética dos pernambucanos Cida Pedrosa e Pedro Américo de Farias. A mesa intitulou-se PoesiaentrePedras: uma conversa entre Cida Pedrosa e Pedro Américo. 2 Professora de Teoria da Literatura/FAFIRE e doutora em Literatura e Cultura/UFPB. 3 Evento mencionado na primeira nota. 4 Movimento artístico iniciado em 1996, com participantes de Angola, Portugal, Moçambique, Brasil, Cabo Verde entre outros países ligados pela língua portuguesa. 1

2 Todavia, ainda que o aparato musical de Linguaraz surta um efeito lúdico agradável, contagiante, a poesia de Pedro Américo, enquanto artefato poético de palavras, tem valor em si mesma, já contém musicalidade e plasticidade próprias. Mais ainda: diríamos que o foco do poeta é a palavra de efeito insólito, a língua poética, mas ferina, contundente, que pesa e é seca como as pedras do sertão: língua-ruda, rude, sem bravata, como conclui o autor na apresentação do livro (p. 9). Com ares metalinguísticos, o eu-poemático se define, se descreve em vários poemas da obra, traça sua trajetória fazendo despontar uma meta poética, como bem mostra em PARALELEPÍPEDRO, o canto pedregoso em terça rima 5 (p ): nasci pedro, assim me encaixo pedregulho entre pedreiras rolando penhasco abaixo cresci pedra por ladeiras açudes, roças e rios fui trempe para fogueiras sofri febres, calafrios senti no couro chibatas meus ais viraram assobios sonhei sonhos em cascatas neles cacei capivaras vivi com nefelibatas habitando nuvens raras caí que nem bendengó amassando algumas caras mas hoje sou pedra-mó Sem abrir mão da tradição medieval, adentrada nos sertões e preservada no cancioneiro popular, o poema discorre solto em versos simétricos (redondilho maior ou heptassilábicos) e encadeados com rimas entrecruzadas. A plasticidade se insinua nos 5 A terça rima ou terceto (terza rima, em italiano) tem, para uns, origem remota, tendo sido usada desde a Idade Média; outros lhe atribuem filiação ao soneto. Contudo, a estrutura que passou a ostentar deve-se a Dante Alighieri, em sua Divina Comédia, no século XIV, toda composta de tercetos. Na Literatura Brasileira foi cultivada no Barroco (Gregório de Matos), no Arcadismo, no Romantismo e no Parnasianismo. A terça rima se constitui como estrofe de três versos com rima entrecruzada, apresentado o esquema aba, bcb, cdc, ded, efe e assim por diante. Ao derradeiro terceto, acrescenta-se um verso que rima com o intermediário da estrofe antecedente - ded e - que pode ficar isolado ou aglutinado formando um quarteto (cf. MOISÉS, 2002, p ). No poema PARALELEPIPEDRO tal verso permanece isolado funcionando como fecho de ouro. 2

3 motivos, através de um léxico representativo da paisagem e dos costumes sertanejos, a exemplo de termos como pedregulho, pedreiras, açudes, roças, rios, [caçar] capivaras, [cair] que nem bendengó, entre outros. Além do aspecto visual, percebido logo na primeira estrofe (fanopeia 6 ), o poema toma fôlego através do recurso sonoro, farto no poema, como as aliterações que se reiteram, dificultando, de certa forma, uma leitura oral (em que o leitor pode tropeçar), como ocorre nos desafiantes travalínguas. Há também que se destacar, na poesia de Pedro Américo, a palavra concisa, mas plena de significados, a palavra plurissignificante, como se vê na alegoria do poema FORMIGAS que abre o Linguaraz (p. 10): formigas dormem à noite nem todas sentinelas vigilantes velam escravas corujas provisões armazenam o sol abre o dia o pão vai à mesa A letra branca sobre a página negra (única do livro) promove um belo efeito que dialoga com a ilustração de Victor Zalma. No entanto, o poema se destaca pelo jogo de palavras. A disposição gráfica sugere o movimento das formiguinhas no percurso de sua labuta. No contexto poético, a palavra é sutilmente pedregosa, conota o imperceptível e persistente trabalho noturno das formigas, ou dos poetas na calada da noite. Como sentinelas vigilantes ou escravas corujas, as formigas como os poetas e tantos trabalhadores noturnos (o jornalista, o padeiro, o vigilante...) provisões armazenam, deixando, quando o sol abre o dia, o poema-alimento para aclarar a consciência dos que dormem. 6 Segundo Massaud Moisés (2001, p. 316), Ezra Pound propõe uma distinção entre fanopeia, melopeia e logopeia. A seu ver, fanopeia consiste em projetar o objeto (fixo ou em movimento) na imaginação visual ; a melopeia, em produzir correlações emocionais por intermédio do som e do ritmo da fala ; e a logopeia, em produzir ambos os efeitos estimulando associações (intelectuais ou emocionais) que permaneceram na consciência do receptor em relação às palavras ou grupos de palavras efetivamente empregados. 3

4 Em DECIFRA-ME E EU TE DEVORO (p. 12), como o próprio título sugere, o eupoético incita o receptor a entrar no seu jogo, a decifrá-lo como a um enigma, sendo já advertido de que, na contenda, poderá ser tragado pelas artimanhas do texto. O título também brinca com o clássico enigma da esfinge, a guardiã dos segredos, que aparece no Édipo Rei, cuja decifração rendeu indistintamente ventura e desgraça ao herói trágico de Sófocles. Leiamos o poema: quem ama dá valor à auto-estima ando lendo notícias atrasadas mitos, lendas de eras já passadas donde vem essa anima que me anima que a mim torce e tritura em rica rima a criança que vem para brincar maraca, maracá, maracajá faz-me tonto, o amor é minha fé marca passo e compasso avante e a ré fica doido quem tenta decifrar Os dois primeiros versos, ensaiando um romantismo ingênuo que logo se dissipa talvez uma forma sutil de o autor subvertê-lo, soa estranho em relação ao todo do poema. Em versos simétricos, o poema apresenta seu campo-metáfora, em que o ludismo de ideias e palavras se articula num misto de heranças culturais mostrando, desde logo, a intenção experimental do eu-poético a (re) inventar paradigmas nem sempre claros ao leitor menos avisado. Apesar da simetria dos versos decassilábicos e da regularidade das rimas, há uma múltipla combinação decorrente do encadeamento progressivo dos versos que se processa pela ligação entre o primeiro e o segundo, entre o segundo e o terceiro, entre o terceiro e o quarto, e assim sucessivamente, resultando em efeito similar ao leixa-pren 7, cujo processo de repetição igualmente se observa no uso da renka 8. 7 Proveniente do galego-português [deixa-prende], o termo designa o expediente poético que consiste em repetir, à entrada de uma estrofe, o último verso da anterior. Assim, uma estrofe prendia, ou seja, tomava o que a precedente deixava (conforme Dicionário de termos literários, de Massaud Moisés, Cultrix, 1974). 8 Forma extinta de poesia japonesa, descendente de outra mais antiga, a waka. Segundo Alberto da Cunha Melo, em seu desenvolvimento, a renka é um poema paralelístico, forma que adotou para seu livro O cão 4

5 Entre o fluxo de ir e vir no tempo de suas experiências poéticas marca passo e compasso avante e a ré, o eu lírico vive o tenso jogo da poesia, e desafia o leitor a encontrar, nas combinações interfásicas, uma resposta, um sentido, mesmo correndo o risco de não racionalizar de fica [r] doido em face dos limites de seu próprio horizonte de expectativa. Reiterando nossa hipótese, afirmamos que a palavra contundente, que machuca e denuncia (sem ser panfletária, bom que se ressalte), enfim, a palavra que liberta é a grande obsessão do poeta Pedro Américo. Não é à-toa que seu livro intitula-se Linguaraz (2009), adjetivo que no Aurélio significa linguareiro, o que tem língua solta ou no melhor sentido de maledicente, de uma maledicência de quem busca definir a necessidade de a poesia se soltar um pouco da condição de refém do sublime, como ele próprio afirmara 9. Obras publicadas anteriormente como Conversas de pedra (1981) e Picardia (1994) também apresentam títulos sugestivos da palavra demolidora de posturas estereotipadas e do tom ameno das poéticas bem-comportadas. Este aspecto é bem lembrado na primeira estrofe do poema Picardia (2009, p. 11) a seguir transcrito: chupo manga trepado na mangueira cafungando no pó da poesia violando o bom tom da burguesia bailo jogo mortal da capoeira abaixo o burocrata e o reunismo por não te desejar um bibelô estes lírios vos dou de camelô e com isso me poupa o feminismo No início da segunda estrofe abaixo o burocrata e o reunismo, o tom de manifesto (primeiro verso) lembra a Poética de Manuel Bandeira, quando a enunciação ensaia uma subversão ideológica, já inaugurada na primeira estrofe, não obstante manter o padrão simétrico dos versos decassílabos e a regularidade das rimas intercaladas, nas duas estrofes. de olhos amarelos & outros poemas inéditos (2006). O poeta esclarece (na nota inicial, p l) que, não sendo mera repetição do modelo japonês, houve a intenção de reinventá-lo, fazendo, no citado livro, uma homenagem à forma poética extinta. 9 Em entrevista concedida a Schneider Carpegianni, do JC, que serviu de base para a matéria publicada no Caderno C, na edição de 28 de maio de 2009, enviada pelo poeta, via , em setembro de

6 Em FUGA (p. 18), aspectos da paisagem e da cultura sertanejas são trabalhados esteticamente com simplicidade, concisão e expressividade. Livre da amarração do encadeamento sintático (enjambement), a justaposição dos versos brancos, hegemonicamente tetrassilábicos, constrói uma trajetória rápida e progressiva, em que as experimentações do eu-lírico, em princípio circunstanciadas num determinado espaço, superam tais limites, ganhando identidade e autonomia expressiva. Vejamos o poema: arrombou cerca abriu porteira apurou ouvido liberou fala assobiou gemido lavrou palavra e foi embora mostrando a língua Entre as possibilidades de leitura, duas, pelo menos, estão ligadas à ideia de percurso: 1) uma topográfica, atrelada à própria biografia do autor, nascido na cidade de Ouricuri, no sertão do Araripe, mas transmigrado para o Recife e para o mundo; 2) a outra se reporta à trajetória estética, à emancipação auto-referenciada na palavra lavrada, cultivada com os componentes das paragens regionais, cujo léxico e semântica, representativos do locus e do modus vivendi sertanejos, transcendem e se universalizam no campo-metáfora. O texto dispensa elementos coesivos, com exceção dos dois últimos versos e foi embora / mostrando a língua, que funcionam como o fecho do poema. A composição dos versos (em esquema tetrassilábico) se repete num paralelismo de peso, cuja reiteração em verbos transitivos e seus respectivos complementos (até o sexto verso) assinalam o transcurso decisivo do eu-poético rumo a uma estética peculiar. A poesia de Pedro Américo também se destaca pelo experimentalismo gráfico notadamente observado no poema SOMA : SUMO (p. 22) a seguir transcrito: um fruta dizer em poema fruto numa cama flor fruto fica mesa enfim fluxo árido mais quero flora pomar pedra 6

7 O texto promove uma síntese, simboliza, com ludicidade, o que é essencial a sua poética: musicalidade, contenção lírica e motivos próprios. Interessante é que a disposição gráfica do texto sugere, de início, que os significados sejam projetados principalmente em função do efeito visual do poema, como normalmente acontece no poema concreto. Contudo, o que é recorrente, na estrutura textual, é o efeito sonoro, a aliteração, a reiteração de termos com a finalidade de construir gradativamente a ideia, o sentido. Usando as categorias de Ezra Pound, diríamos que a melopeia e a logopeia se destacam na poesia de Pedro Américo, mesmo no poema em foco, mais assemelhado ao modo concreto. Retornaremos a SOMA : SUMO adiante. Destacamos, ainda, o poema UM MARINHEIRO E O RECIFE (p ): indiferente à verdade e à fantasia ao traçado do primeiro e do último arquiteto à lógica que não seja a do olho e do tato ao amor louco dos bêbados ansiosos e à autoflagelação dos ressacados ao deslumbramento do turista aprendiz de hoje e à lamentosa tortura dos passadistas à complacência dos podres poderes e à penitência dos pobres beatos um marinheiro pinta para si mesmo a rua que lhe convém diminui distâncias e aproxima o porto desmancha a topografia recompõe a cidade sem perder de vista o mar e a linha do horizonte Seguindo os objetivos do projeto em desenvolvimento Roteiros poéticos de Pernambuco: história, memória, paisagem, também buscamos, na obra de Pedro Américo, algo que apresentasse uma visão eufórica (ou disfórica) de nosso Estado, de nossa Recife. De imediato, o título do poema nos parecia confirmar tal expectativa, o que não se faz na mesma proporção tão logo se apresentem os primeiros versos. Se há mesmo um 7

8 olhar sobre o objeto em questão, trata-se de uma visão poeticamente construída, sutilmente dissimulada, e não meramente contemplativa. Isto porque o sujeito da enunciação poética não se quer meramente regionalista, no sentido de acatar padrões regionais [ou] regionalizantes identificados como sentimentos nativistas, patrióticos, em que a exaltação de uma natureza regional, local [se mostre] superior à dos outros locais ; ou ainda no sentido de conceber um caráter nostálgico aos motivos poetizados, aspectos que Pedro Américo diz serem frequentes no regionalismo 10. Assim, o poema escamoteia a subjetividade lírica e se converte em instância narrativa com o distanciamento peculiar ao gênero. Com este artifício, o poeta disfarça o olhar contemplativo que registraria, em primeira pessoa, o que é indiferente ao marinheiro, mas caro ao eu-lírico, seja o quadro físico natural e urbano da cidade do Recife, o traçado do primeiro / e do último arquiteto, seja a percepção sensitiva da realidade a do olho e do tato, atenta ao amor louco dos bêbados ansiosos / e à autoflagelação dos ressacados, bem como ao deslumbramento do turista aprendiz [...] / e à lamentosa tortura dos passadistas ; seja ainda a percepção crítica a flagrar cenas de estorvo social, cenas em que o poeta e nós, leitores, reconhecemos como fruto da ingenuidade de muitos quando se dobram à falsa generosidade de poucos; ou à conformação dos ascéticos, prontos a pagarem, com penosos sacrifícios, um tributo social devido por outrem, aspectos que se expressam, principalmente, no sexto dístico, quando o marinheiro-personagem prossegue indiferente à complacência dos podres poderes / e à penitência dos pobres beatos. A construção invertida do poema (em hipérbato) também parece estratégica, visto que, em ordem direta, o terceto que integra a sétima estrofe, ocupando a função de oração principal, tanto encabeça as primeiras estrofes (os dísticos) que se interligam em enjambement a partir da expressão modal indiferente no início do texto, quanto funciona como oração principal da última estrofe, possibilitando, dessa forma, a leitura do poema em outra disposição sem prejuízo do sentido, que será sempre o mesmo nas duas formas de leitura. 10 Em entrevista concedida à jornalista Maria Alice Amorim. Disponível em Acesso em 3 de setembro de

9 Antes de finalizar, reiteramos que as hipóteses aqui postas são praticamente baseadas na leitura do texto escrito, do livro de poemas. A escuta dos poemas musicados foi posterior, já com intenção de experienciá-los segundo a proposta de seu autor, instigada pela euforia no lançamento do audiolivro, no auditório da Livraria Cultura. Ambas foram experiências gratificantes, mas distintas. Voltemos ao poema SOMA : SUMO com o fito de esclarecer a aludida distinção em termos mais práticos. Acompanhando o texto musicado e cantado, vê-se que a dicção define uma direção própria da leitura e que, sem a escuta, detendo-se apenas na leitura do texto, o leitor poderia compassar ou criar outra prolação, lembrando também que todos os textos do Linguaraz dispensam os sinais gráficos de pontuação. No poema em foco, observa-se que o texto cantado (e o mesmo poderia acontecer se fosse apenas declamado pelo poeta) define tanto as pausas (pontuação) quanto a direção vertical da leitura. Por outro lado, sabe-se que, em se tratando de formato concretista, o texto poderá admitir outras combinações de leitura sugeridas pela livre inserção da instância leitora. Vale ainda ressaltar que, no poema em questão, as palavras destacadas em negrito nas extremidades do primeiro e do último verso, também assinalam duas projeções textuais: no sentido vertical um / mais / poema / pedra, tal arranjo indicaria o aspecto quantitativo, um acréscimo, a SOMA que compõe o título, ou melhor, mais um poema pedra. Já no sentido horizontal, um / poema / mais / pedra, a construção reforça o elemento qualitativo, cuja essência o SUMO que também aparece no título se consolida na simbologia da pedra: um poema de natureza contundente e resistente. Não poderíamos concluir este breve estudo sem reiterar a beleza e a importância desse novo experimento de Pedro Américo. A perspectiva intersemiótica exigiria, evidentemente, uma leitura mais atenta, mais fundamentada, o que não caberia nesta breve proposta. Mas não resta dúvida de que o texto, casado com música, abre novas possibilidades, torna-se estimulante, contagiante, podendo funcionar como motivação para quem ainda permanece alheio à beleza da experiência que se descortina nas malhas do texto poético. Por outro lado, é bom lembrar que, em seu nascedouro, a poesia esteve visceralmente ligada à música, à dança, aos ritos sagrados. Assim, arriscamos, à revelia do autor, suscitar o que pareceria um paradoxo, uma via de mão dupla, na proposta do Linguaraz: enquanto criação 9

10 e reinvenção, quem sabe se o experimentalismo de Pedro Américo também não representa uma tentativa de retomar o caminho de volta às origens da poesia lírica? Continuemos, pois, com nossas leituras e a experiência gratificante com a poética de Pedro Américo, assim como a de outras vozes representativas da literatura e da cultura pernambucanas. REFERÊNCIAS a) Bibliografia CAMPOS, Antônio e CORDEIRO, Cláudia. Pernambuco, terra da poesia - um painel da poesia pernambucana dos séculos XVI ao XXI. Recife, PE: IMC - Instituto Maximiano Campos; São Paulo: Escrituras Editora, ID ed. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Belas Artes, (Col. Identidades Intercâmbio Artístico) IMAGEM passa palavra. 2. ed. Porto: Universidade do Porto, Faculdade de Belas Artes, (Coleção Identidades Intercâmbio Artístico) FARIAS, Pedro Américo de. Linguaraz. Desenhos de Victor Zalma. Recife: Edição do autor, MELO, Alberto da Cunha. O cão de olhos amarelos & outros poemas inéditos. São Paulo: A Girafa, MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. 11. ed. São Paulo: Cultrix, MORAIS, Heloísa Arcoverde e BRASIL, Magali. (Org.) Tradução Everardo Norões e Renaud Bárbaras. Recife: um olhar transatlântico: antologia poética. Nantes: un regard transatlantique: anthologie poétique. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, b) Webgrafia Acesso em 13/01/ Acesso em 01/03/ Acesso em 03/09/ Acesso em 03/09/2009. Recife, 25 de março de

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br

Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br 1 Apostila: Versos Diversos é possível fazer poesia! Por César Obeid www.cesarobeid.com.br Poesia é tudo aquilo Que a gente não entende; É como comprar um quilo, Daquilo que não se vende. QUADRAS (ESTROFES

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz letra de música e poesia CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Ieda Maria Alves de Souza Laura Jane Pereira Fernandes Lia Jussara Leães

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Aluno (a): n o. Professora: Turma: Sala: Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Aluno (a): n o Professora: Turma: Sala: 2 o ano do Ensino Fundamental Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 2015 1 Para você, o que é o poema? VERSOS E ESTROFES Poema é um texto organizado em versos e estrofes.

Leia mais

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 13.2 Conteúdo: O Quinhentismo: os jesuítas e o trabalho missionário Habilidades: Conhecer o trabalho missionário jesuítico na figura de seu principal mentor: Padre José de Anchieta Revisão 1º Período

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários.

AVALIAÇÃO Testes escritos e seminários. CARGA HORÁRIA: 60 horas-aula Nº de Créditos: 04 (quatro) PERÍODO: 91.1 a 99.1 EMENTA: Visão panorâmica das literaturas produzidas em Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

PERCEPÇÕES DO SER: O ENDEREÇAMENTO DA POESIA DE CECÍLIA MEIRELES E ROSEANA MURRAY

PERCEPÇÕES DO SER: O ENDEREÇAMENTO DA POESIA DE CECÍLIA MEIRELES E ROSEANA MURRAY PERCEPÇÕES DO SER: O ENDEREÇAMENTO DA POESIA DE CECÍLIA MEIRELES E ROSEANA MURRAY Daniela Padilha USP A escolha do corpus desta pesquisa, um poema de Cecília Meireles e um de Roseana Murray, tem como propósito,

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa Leia as questões da prova e, em seguida, responda-as preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Texto 1 Januária 08 Toda gente homenageia Januária na janela Até o mar faz maré cheia Pra

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

"Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria."

Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria. "Palavra poética tem de chegar ao grau de brinquedo para ser séria." Manoel de Barros Cara Professora, Caro Professor, Primeiramente, queremos dar-lhe nossos parabéns por você ter sugerido ou estar pensando

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 9 Anos A e B 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA?

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? TEREZINHA BASTOS (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CAXIAS-MA). Resumo VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? é um projeto de incentivo à leitura e à escrita

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Responda às questões 1, 2 e 3, após a leitura de um fragmento do texto Homem no mar, de Rubem Braga. De minha varanda vejo,

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Prefácio a Tempo espanhol

Prefácio a Tempo espanhol Prefácio a Tempo espanhol Júlio Castañon Guimarães PELA DIVERSIDADE QUE A CARACTERIZA, decorrente das várias mutações por que passou, na obra de Murilo Mendes é especialmente difícil estabelecer peças

Leia mais

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER

SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II. Profª Drª NERY REINER SIMBOLISMO LITERATURA BRASILEIRA II Profª Drª NERY REINER CONTEXTO HISTÓRICO EXPANSIONISMO EUROPEU EM DIREÇÃO À ÁFRICA E ÁSIA. INDUSTRIALIZAÇÃO GUIADA PELO LUCRO DESIGUALDADES SOCIAIS REALIDADE CRUEL ORIGEM

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

AVALIAÇÃO DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE I PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS QUESTÃO 01: Avalie as afirmativas seguintes em relação ao Romantismo. (1,0) I. As primeiras manifestações literárias do Romantismo ocorreram nos países europeus mais

Leia mais

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção

Teste de Avaliação n.º 1 - Correção I Teste de Avaliação n.º 1 - Correção 12.º CT / CSE setembro/2012 GRUPO I A. 1 d); 2 c); 3 c); c); 5 d); a); 7 b); 8 c); 9 a); 10 d). B. Características da poesia de Cesário Verde em Provincianas : - Poesia

Leia mais

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA

Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Reflexões sobre a percepção sonora no processo de musicalização infantil na Escola de Música Maestro Moisés Araújo em Marabá/PA Jane Lino Barbosa de Sousa janeufpa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Análise de Libertinagem.

Análise de Libertinagem. Análise de Libertinagem. Análise da obra Publicado em 1930, Libertinagem constitui o primeiro livro inteiramente modernista de Manuel Bandeira, e é seu quarto livro de poemas. É uma sucessão de poemas

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

O corpo. Lacordaire Vieira

O corpo. Lacordaire Vieira O corpo Lacordaire Vieira Biografia Lacordaire Vieira nasceu em Guapó (GO), em 1946. Passou a infância e parte da adolescência em São Luís de Montes Belos. Vive em Goiânia, desde 1965. Professor da Universidade

Leia mais

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES

DURAÇÃO APROXIMADAMENTE 15 MESES GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU CONTAÇÃO DE MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 129, /2 6 / 8 HISTÓRIAS música, dança,

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas

Minissarau do 1 ano. Saídas pedagógicas Agosto/2015 Minissarau do 1 ano Ao final do semestre fizemos uma singela apresentação onde os alunos do 1 ano do Ensino Fundamental puderam experimentar a sensação de estar diante do público e de compreenderem

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014. Disciplina: PoRTUGUÊs UMA IDEIA TODA AZUL Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: UMA IDEIA TODA AZUL Um dia o Rei teve uma ideia. Era a primeira da vida

Leia mais

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /.

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /. ROTEIRO DE ESTUDOS 3º ano 1º trimestre / 2015 Nome: Data: / /. Querido (a) Aluno (a), Elaboramos este roteiro com dicas sobre os conteúdos trabalhados no 1º trimestre e que serão abordados nas avaliações

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond

Barroco Simbolismo Cruz e Souza Modernismo 2ª fase Cecília Meireles Drummond O CÓDIGO DAS ÁGUAS Lindolf Bell, Timbó, 1938 Gênero: Poesia lírica 34 poemas, divididos em cinco partes: Poemas, Desterro, Minifúndio, Poema do Andarilho, Poemas Finais Publicação 1984 Literatura Catarinense

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva

Entrevistada por Maria Augusta Silva ANA HATHERLY Entrevistada por Maria Augusta Silva Nesta cidade-mundo, num mundo terrível, quem pode criar o verso de júbilo? Todos os mundos têm sido terríveis, mas só falo daquele que diretamente conheço.

Leia mais

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 1º DIA Prova de Língua Portuguesa Questão 2 Na questão 2, o enunciado diz claramente que o que se está avaliando é o significado que

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

LITERATURA DE CORDEL

LITERATURA DE CORDEL LITERATURA DE CORDEL O cordel como Gênero Textual Ela pode ser conceituada como poesia de cunho/teor popular, construída, linguisticamente, com base na cultura da raça humana. (FONSÊCA; FONSÊCA, 2008)

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO

ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Planejamento Anual 2014 ESCOLA ESTADUAL JOSÉ ROBERTO PACHECO Identificação da turma: 3 Colegial A 1 Semestre de 2014 Identificação do professor: Tiago Silva de Oliveira Área do conhecimento: Língua Portuguesa

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA QUESTÕES DE PORTUGUÊS

COMENTÁRIO DA PROVA QUESTÕES DE PORTUGUÊS COMENTÁRIO DA PROVA QUESTÕES DE PORTUGUÊS Em meio à grande expectativa que cercava esta primeira edição do novo Enem e, mesmo, à crítica de variados setores sociais, a banca de professores encarregada

Leia mais

PROJETO MONTEIRO LOBATO

PROJETO MONTEIRO LOBATO PROJETO MONTEIRO LOBATO CONTOS E LENDAS: AMPLIANDO HORIZONTES ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL VILLA LOBOS CAXIAS DO SUL, AGOSTO DE 2009. A literatura fantástica e poética é, antes de tudo e indissociavelmente,

Leia mais

GENTE QUE VALE A PENA

GENTE QUE VALE A PENA GENTE QUE VALE A PENA POR LUCIANA ARNAUD Campanha de Crowdfunding Rede Solidária We ve offered the Raleigh community space-saving solutions for the past 10 years. We recommend Northwind Traders "Para mim,

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 5 Lendo e vivendo poemas. Recomendada para EF II ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 5 Lendo e vivendo poemas Recomendada para EF II ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Ler é um ato de recriação praticado

Leia mais

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS

EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS EXPRESSÕES RESUMITIVAS E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS EM ARTIGOS CIENTÍFICOS RESUMO Profa. Dra. Cinthya Torres de Melo (Universidade Federal de Pernambuco - NELFE - Campus do Agreste UFPE/CAA) Maria Sirleidy

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 2 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL A MELODIA DA IMAGINAÇÃO

OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL A MELODIA DA IMAGINAÇÃO OFICINA DE POESIA, PROSA E MUSICALIZAÇÃOINFANTIL ( para Secretarias de Educação e Escolas ) A MELODIA DA IMAGINAÇÃO ( CANTANDO E RECONTANDO A LITERATURA INFANTIL) OFICINEIRO: CARLOS HERACLITO MELLO NEVES

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2009 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (09/11), você deverá responder às questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ]

Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] ANA MAFALDA LEITE Entrevistada por Maria Augusta Silva [EM 1999, NA OCASIÃO DO LANÇAMENTO DO LIVRO ROSAS DA CHINA ] Um dizer poético pleno. Professora e poeta luso-moçambicana encantada por Florbela Espanca,

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais