VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR E DE GÊNERO: A ROTA CRÍTICA DAS MULHERES NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR E DE GÊNERO: A ROTA CRÍTICA DAS MULHERES NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA"

Transcrição

1 VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR E DE GÊNERO: A ROTA CRÍTICA DAS MULHERES NO ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA Stela Nazareth Meneghel INTRODUÇÃO Atualmente, no processo de globalização das políticas neoliberais, muitos dos estados latino-americanos abriram mão de sua soberania na determinação de políticas econômicas, ao mesmo tempo que a redução dos gastos públicos é colocada como principal meta. No contexto do desmonte do Estado de Bem-Estar Social, as instituições públicas não têm desenvolvido políticas sociais condizentes com as necessidades da população. Neste modelo de Estado, os princípios de eqüidade, integralidade e universalidade têm ficado restritos à atenção aos grupos mais carentes, ao invés de expressar um conceito inclusivo de cidadania e justiça social. Neste Estado mínimo, um problema de magnitude ascendente e elevada, presente na maioria dos países é o das violências. Embora já tenha sido produzido um montante considerável de estudos e pesquisas, procurando mensurar sua ocorrência nas comunidades, há necessidade de ações específicas para impactar esse fenômeno complexo. 53

2 Stela Nazareth Meneghel A violência intrafamiliar é um problema social que afeta grandes contingentes populacionais, especialmente mulheres e suas famílias. No início dos anos 1990, a violência contra a mulher foi reconhecida como um problema de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde, que a considera uma das formas mais generalizadas e menos reconhecidas de abuso dos direitos humanos. Dentre as iniciativas realizadas para compreender o fenômeno da violência intrafamiliar e os mecanismos que levam as mulheres a romper com a situação de violência, destaca-se um estudo desenvolvido pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), denominado La Ruta Crítica de las mujeres afectadas por la violencia intrafamiliar, coordenado por Montserrat Sagot. Esta pesquisa investigou a violência em 10 países americanos, sendo sete da América Central: Belize, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Nicarágua e El Salvador, e três países andinos: Peru, Bolívia e Equador. O Brasil não fez parte do grupo de países pesquisados, fato que motivou a realização de uma investigação similar, atualmente em desenvolvimento na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e contemplada no Edital 045/CNPq Gênero, Mulheres e Feminismos. Esta pesquisa de abordagem qualitativa tem por objetivo conhecer a rota crítica enfrentada pelas mulheres em situação de violência na cidade de São Leopoldo, no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Este texto apresenta um breve resumo do Seminário Violência intrafamiliar e de gênero a Rota Crítica das mulheres no enfrentamento da violência, realizado na UNISINOS, em novembro de 2006, em parceria com o Curso de Especialização em Saúde da Família e da Comunidade. O seminário contribuiu para a realização de uma discussão preliminar dos dados da pesquisa, visando a contribuir para o fortalecimento da rede local de enfrentamento à violência, com a participação de profissionais e gestores de saúde pública. Para tal, foram convidados pesquisadores de notório saber neste tema no âmbito internacional e operadores locais que atuam no tema da violência. A proposta deste evento representa a continuidade de pesquisas realizadas na Universidade, com enfoque nas violências: a primeira 54

3 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... delas denominada Violência de Gênero - oficinas de promoção à saúde - duas realidades (MENEGHEL; BARBIANI, 2003) 1 e a segunda denominada Histórias de Resistência de Mulheres (MENEGHEL; FARINA, 2005) 2. Na pesquisa sobre violência de gênero, trabalhamos com grupos de mulheres e nos defrontamos com a precariedade de serviços e locais para atenção à saúde de mulheres vitimizadas na cidade de São Leopoldo. Para superar esses impasses construímos parcerias com o Fórum de Mulheres e ONGs que atuam no campo dos direitos humanos, que, em todos os momentos, enfatizavam a importância de redes para fazer frente às violências. No estudo Histórias de Resistência de Mulheres, exploramos a ferramenta contar histórias como dispositivo para acionar o empoderamento dos sujeitos vulnerabilizados. Essas pesquisas foram apresentadas em congressos da área e encaminhados artigos para revistas especializadas, porém permaneceu a necessidade de devolução dos resultados à sociedade. O Seminário Violência intrafamiliar e de gênero - a Rota Crítica das mulheres no enfrentamento da violência buscou promover e valorizar experiências locais, articulando atores e instituições de vários campos do conhecimento e fortalecendo a rede de suporte aos grupos vulnerabilizados. O evento foi realizado na UNISINOS, instituição jesuíta que na sua missão, assume o compromisso com a população menos favorecida e a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. A educação na Universidade busca promover a justiça, frente a tantas formas de injustiça e exclusão; a paz, em oposição à violência, e a solidariedade, em oposição ao individualismo e à competição. A Universidade construiu um fecundo diálogo com a comunidade onde está inserida, incluindo suporte para a formulação de políticas públicas. Esse Seminário contribuiu com o retorno do conhecimento produzido na Universidade para a comunidade local e para a sociedade e correspondeu a uma atividade de integração do II Curso de Especialização em Saú- 1 2 Meneghel SN; Barbiani R e cols. Impacto de grupos de mulheres em situação de vulnerabilidade de gênero. Cad. Saúde Pública. 19(4):955-63;2003. Meneghel SN; Farina O; Ramão SR.Histórias de resistência de mulheres negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13(3): 320, set.-dez

4 Stela Nazareth Meneghel de da Família e da Comunidade, buscando qualificar os trabalhadores de saúde ligados ao Programa de Saúde da Família para incluir as violências, especialmente as de gênero, no rol das atividades e intervenções sob sua responsabilidade. O objetivo principal foi oportunizar espaço para conhecer estratégias construídas para o enfrentamento das violências, com atores sociais: alunos, trabalhadores de saúde e educação, operadores sociais e do terceiro setor. O encontro propiciou uma ampla discussão sobre o enfrentamento com Violências e Cultura da Paz, focalizando a instrumentalização dos atores sociais para fazer frente às violências. As datas escolhidas para o seminário 23 e 24 de novembro - precederam imediatamente os 16 dias de ativismo pela eliminação da violência contra as mulheres, já que em 2006, a Campanha dos 16 Dias ocorreu entre 25 de novembro e 10 de dezembro. Em 1999, o dia 25 de novembro foi oficialmente reconhecido pelas Nações Unidas como o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres. Essa data foi estabelecida em 1960, após a violência perpetrada pelo Estado na República Dominicana, quando agentes da ditadura de Trujillo 3 violentamente assassinaram três irmãs: Patrícia, Minerva e Maria Teresa Mirabal. As irmãs Mirabal eram ativistas políticas, símbolos visíveis da resistência contra o regime de Trujillo. O seu assassinato foi um evento que inspirou o movimento pelo fim da ditadura naquele país. A Campanha dos 16 dias de ativismo para a eliminação da violência contra a mulher fortalece o entendimento de que o avanço dos direitos humanos e o fim da violência contra as mulheres se reforçam mutuamente. Entendemos que, tanto a realização do seminário quanto a publicização dos dados produzidos durante o evento constituem contri- 3 Em 1930, na república Dominicana, o general Trujillo depôs o Presidente Horacio Váz - quez e instituiu uma ditadura que apenas terminou com o seu assassínio, em 1961, tendo como principal opositor a Igreja. Trujillo queria ser chamado de o benfeitor ou generalíssimo e foi admirador de Franco. Instaurou o regime de escravidão entre haitianos que trabalhavam no cultivo da cana-de-açúcar em seu país. Manteve uma das ditaduras mais violentas e sanguinárias do continente, responsável por um grande número de vítimas (<www.iscsp.utl.pt/~cepp/indexfro1.php3?http://www.iscsp.utl.pt/~cepp/ estados/america/rep_dominicana.html>). 56

5 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... buições importantes para a construção do conhecimento na temática da violência contra a mulher e para o desenvolvimento de políticas públicas de gênero. A seguir, apresentamos alguns excertos selecionados das falas das participantes. São breves, mas expressam em seu conjunto a potência transformadora das autoras. FALAS DE MULHERES PESQUISADORAS E MILITANTES A rota crítica da violência intrafamiliar em países latino-americanos Montserrat Sagot A solução para o complexo problema da violência intrafamiliar requer políticas e ações coordenadas intersetorialmente, com a participação tanto do Estado quanto da sociedade civil. Com base na pesquisa sobre a Rota Crítica, foram analisadas as ações empreendidas pelas mulheres em situação de violência na busca de ajuda, os obstáculos, a disponibilidade, a qualidade dos serviços e os significados sobre a violência entre o pessoal das instituições prestadoras de serviços dos setores saúde, policial-judicial, educativo, não-governamental e comunidades. Para reconstruir a lógica das decisões, ações e reações das mulheres em situação de violência, assim como os fatores intervenientes, tem-se usado o conceito rota crítica, entendido como um processo construído com base na seqüência de decisões e ações realizadas por essas mulheres e das respostas encontradas na busca de soluções. Esse é um processo repetitivo, constituído tanto pelos elementos relacionados às mulheres e às ações empreendidas por elas como pela resposta social encontrada que se torna um elemento determinante da rota crítica. Com esta investigação, ficou patente que a violência intrafamiliar é um grave problema, presente em todas as localidades e que se 57

6 Stela Nazareth Meneghel expressa de diversas maneiras na vida cotidiana das mulheres. As entrevistadas viveram ciclos de agressão, nos quais geralmente se combinaram diferentes manifestações da violência: física, psicológica, sexual e patrimonial. Essas situações freqüentemente colocaram muitas delas em grave risco. A maioria falou de longas histórias de agressão que usualmente começaram na infância, ligadas à forma autoritária com que foram educadas. Os principais agressores foram homens de todas as gerações e que mantinham vínculos com as depoentes. Embora a violência física seja a mais reconhecida e a que socialmente se considera a mais perigosa, a agressão psicológica foi sentida por muitas entrevistadas como a mais dolorosa, danosa e demolidora. A violência patrimonial é outra forma de agressão vivida pela maioria das entrevistadas, cujas manifestações mais freqüentes estão relacionadas com o dano a objetos e controle dos recursos familiares. Apesar das diferenças geográficas, culturais e sociais, as experiências de violência dessas mulheres são perversamente similares. Em geral, as mulheres entrevistadas desconhecem seus direitos e a existência dos serviços de proteção. Isso ocorre inclusive para as mulheres que dispõem de mais recursos econômicos e têm maior nível educacional. Apesar disso, todas as entrevistadas iniciaram trajetos para buscar ajuda, o que demonstra que sua capacidade para proteger-se e não aceitar a violência como destino inevitável não desapareceu. Sem dúvida, também se comprovou que romper o silêncio não é suficiente para deter a violência. As respostas sociais encontradas por aquelas que denunciam violências, muitas vezes reproduzem atitudes que justificam as violências, provocando conseqüentemente uma nova reação violenta contra as mulheres. Muitas dessas atitudes culpabilizam as mulheres, contribuem para o fomento da impunidade e constituem um elemento determinante da rota crítica, fragmentando as ações positivas que poderiam contribuir ao enfrentamento das violências. Uma rota crítica não pode ser confundida com a aplicação de um plano pré-estabelecido, com uma trajetória ótima, nem com um itinerário institucional compulsório. Trata-se de um processo de fortalecimento das mulheres e de apropriação de suas vidas, no qual as institui- 58

7 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... ções deveriam funcionar como instrumentos de apoio, facilitação e garantia de direitos. Esta investigação verificou que os contatos iniciados por mulheres em situação de violência nas instituições como parte da sua rota crítica quase nunca resultam em apoio, fornecimento de informações precisas e orientação correta sobre os passos a seguir. Independente do país e lugar de residência, a responsabilidade de interromper a relação ou o ciclo de violências recaiu nas próprias denunciantes. Suas histórias revelam que existe uma grande brecha entre o discurso da democracia formal que se emprega nestes dez países e a concretude de uma verdadeira justiça social para as mulheres em situação de violência intrafamiliar. Apesar dos avanços nos últimos anos, nem os esta - dos, nem a sociedade em seu conjunto garantiram às mulheres o acesso pleno a seus direitos, o que atenta contra novas oportunidades de vida e condições de cidadania. Observações sobre pesquisa autobiográfica e concepções feministas: metodologias para refletir sobre a violência doméstica e a educação Edla Eggert A pesquisa em Educação vem ampliando suas referências metodológicas nos estudos autobiográficos tanto na tradição da história oral quanto numa tradição de histórias de vida escritas com base em documentos ou mesmo em exercícios realizados com pessoas pesquisadas por meio de memoriais descritivo-analíticos. Essa preocupação em pesquisar a história, o cotidiano, a prática pedagógica, ouvindo professoras e professores ou alunas e alunos é por nós identificada com a fundamentação construída no argumento de Paulo Freire. Com ele aprendemos sobre a importância da historicidade, do contexto de quem aprende e das formas como ele foi metodologicamente propondo os temas geradores para que o sujeito pudesse ler a palavra e o mundo. 59

8 Stela Nazareth Meneghel O corpo das mulheres bem como o trabalho oriundo desses corpos tem sido uma temática recorrente nos estudos de gênero. Nessa direção, queremos destacar a herança que as mulheres trazem com relação aos corpos, aos trabalhos com os corpos e com os trabalhos manuais. Muitas mulheres seguem a herança de suas antepassadas, buscando realizar no tear ou nas agulhas e fios, bordados e linhas a concretização de idéias e sonhos de um conhecimento e uma estética poucas vezes analisada e observada pela ciência nos diferentes espaços de produção formal de conhecimento. Assim como o trabalho artesanal compõe a história de um conhecimento da vida e do mundo das mulheres, a violência para com as mulheres é um conhecimento apreendido ao longo do processo vivido por elas. Aprende-se sobre a violência (ao sofrê-la e a resistir a ela) um saber construído histórica e socialmente, mas factível. Em muitos casos de violência doméstica, as mulheres perguntam o que elas fizeram para merecer a violência sofrida, sem perceber que podem inventar resistências, que as transformem em agentes de produção coletiva de novos modos de andar a vida. A violência simbólica é mais difícil de ser desconstruída, mas na ação coletiva, mulheres têm construído espaços de resistência e entre eles estão os grupos de trabalhos artesanais estabelecidos em igrejas, ONGs ou centros comunitários. Mesmo quando não há uma ligação direta desses grupos com a temática da violência doméstica, o assunto muitas vezes é debatido na informalidade. Existem espaços possíveis de serem pesquisados onde o motivo do encontro é o trabalho manual, mas, se houver estímulo para uma reflexão sobre a violência, poder-se-á estruturar uma investigação, criando uma metodologia sobre a questão. O uso do trabalho artesanal como uma possibilidade da produção do conhecimento no campo da violência doméstica é uma experimentação com base na hipótese de que é possível utilizar a arte como denúncia e anúncio. Os complexos históricos das mulheres ligados à classe, raça e cultura mostram que o trabalho das mulheres geralmente esteve ligado a ações do corpo, por meio de um trabalho realizado com o corpo, 60

9 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... mas traduzido na subjetividade e percebido pelo toque ou pelo olhar. São linguagens que ficam, na maioria das vezes, banidas do processo de pesquisa acadêmico. No máximo, conseguimos traduzir em forma de narrativas, em recortes de histórias de vida, mas sempre em palavras sobre o que as mulheres fazem, como fazem, porque fazem, para quem fazem. O que pensam e o que sentem as mulheres não faz parte da cena acadêmica, pois a palavra escrita nem sempre consegue captar e capturar narrativas (e no nosso caso de pesquisa a narrativa das mulheres) carregadas de linguagens menores, como contraponto a uma linguagem dominante. Em especial, podemos destacar a estética das coisas que elas produzem - coisas que nem sempre, a não ser pela antropologia -, são resgatadas e valorizadas no mesmo patamar do uso da palavra e, em especial, da palavra escrita. Na pesquisa desenvolvida, as mulheres exploraram capacidades criativas por meio das habilidades com trabalhos manuais. Enquanto trabalhavam, relacionavam a atividade com o que já vinham fazendo, aprofundando as compreensões específicas de cada profissão sobre o tema da violência contra as mulheres. Exploramos modos de aprender, ensinar e saber com duas áreas de conhecimento: a arte (técnica da colagem sobre tecidos) e a temática da violência contra as mulheres. Houve uma simultaneidade de aprendizagens enquanto se produziu a peça artesanal. A complexidade do tema violência doméstica foi construindo uma trama de afetos e sentidos, ou seja, outros mundos possíveis de serem habitados, usando-se concomitantemente o trabalho manual e o intelectual. O conhecimento produzido nesse grupo possibilitou outros tipos de conexões epistemológicas capazes de mostrar produções e criações simultâneas acerca do tema debatido/ tramado. À medida que o grupo se encontrava periodicamente, as participantes foram avaliando o quanto a violência doméstica atravessava suas histórias de vida. Os temas escolhidos para serem representados em cada pano foram desencadeadores de uma descrição que propunha análise, memória e reflexão. Além disso, a aprendizagem de uma técnica artesanal ocasionou uma mobilização sobre as dificuldades com o 61

10 Stela Nazareth Meneghel ato do trabalho manual, muitas vezes marginalizado pelas integrantes. No entanto, esse foi um aspecto importante analisado pelo grupo e que motivou algumas reflexões sobre o distanciamento criado entre o mundo que as nossas antepassadas viveram e que dominavam, com relação ao trabalho manual transmitido em forma de técnicas e múltiplas aprendizagens. A autobiografia como proposta metodológica de pesquisa traz relevância para o campo da educação no eixo da formação tanto formal como não-formal, da análise dos saltos de aprendizagem que, misturada às concepções dos estudos feministas, indicou o quanto as mulheres têm a sistematizar seus processos de tornarem-se singulares e fazer história, construindo sua autonomia. As rotas que estamos percorrendo no Brasil Stela N. Meneghel Élida A. Hennington Fernanda Souza de Bairros Andréia Dioxopoulos Ângela Wolff Oliveira Cristiane Stefenon Thaís Siqueira Michelle Grano Aline Bolze O percurso metodológico adotado nesta pesquisa foi inspirado e adaptado da investigação desenvolvida pela Organização Pan-Americana de Saúde, A Rota Crítica de Mulheres Afetadas pela Violência Intrafamiliar na América Latina. O tema desta investigação é a violência intrafamiliar e de gênero, os sentidos e as experiências vividas pelas mulheres na busca de ajuda para a superação de situações de violência, bem como os significados atribuídos à violência pelos operadores sociais que atendem a mulheres. Para o desenvolvimento desta pesquisa, que visa a apreender significados particulares dados pelos sujeitos a fatos, relações, práticas e fenômenos do seu contexto socio- 62

11 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... cultural, escolhemos a abordagem qualitativa, que possibilita uma melhor compreensão de fenômenos complexos e únicos, das dimensões subjetivas e simbólicas e dos comportamentos, contextos e processos vividos pelos atores sociais. A pesquisa está sendo realizada na cidade de São Leopoldo, localizada no Vale do Rio dos Sinos, região metropolitana de Porto Ale - gre. Nesta investigação, estamos usando fontes variadas e técnicas complementares: entrevistas e grupos com mulheres em situação de violência, com operadores sociais e com pessoas da comunidade; análise documental e realização de seminários e outras atividades educativas com a participação dos atores envolvidos na investigação. Assim, a rota crítica - os sentidos da violência e as repercussões sobre a saúde será determinada com base nas narrativas de mulheres em situação de violência, pessoas da comunidade e operadores. Esta é uma pesquisa-intervenção, ou seja, um tipo de investigação em que o pesquisador é um agente de mudança social, cuja parte empírica teve início com uma série de entrevistas com os atores que atuam no enfrentamento com as violências na cidade de São Leopoldo. Desse modo, as pesquisadoras espalharam-se pela cidade e tornaram pública a pesquisa, convocando novos parceiros e aliados. Concomitantemente, participamos dos eventos municipais direcionados às mulheres: Conferências Municipais da Mulher, Seminário de Segurança Pública, inauguração do Centro de Referência Jacobina 4. Nesse momento, houve a formalização do convite aos operadores das instituições consideradas representativas no estudo original para participar nos grupos-dispositivo. Foram organizados dois grupos com a participação de representantes de instituições dos setores jurídico, policial, saúde, educação e ONGs, convidados a refletir sobre a Rota Crítica das mulheres em situação de violência em São Leopoldo. 4 O Centro Jacobina de Atendimento e Apoio à Mulher está localizado junto à Coordenadoria Municipal da Mulher e ligado à Prefeitura Municipal de São Leopoldo. Trata-se de um serviço de acolhimento e apoio à mulher em situação de violência e seus familiares. É um espaço de prevenção e de acompanhamento social, psicológico e jurídico às mulheres de São Leopoldo. (<www.saoleopoldo.rs.gov.br/ home/show_page.asp?user=&id_conteudo= 1249&codID_CAT=245&imgCAT=&id_SERVICO=&categoria=Gabinete%20do%20Prefeito>). 63

12 Stela Nazareth Meneghel No grupo-dispositivo, a discussão foi focada na questão de pesquisa: Qual o caminho que uma mulher em situação de violência em São Leopoldo, precisa fazer para sair desta situação, a partir da experiência de cada ator social. Ouvimos pontos de vista que entendem a violência contra a mulher como resultado de hierarquias de poder dentro da relação conjugal e concepções que a percebem como resultante de fragilidades individuais ou pelo desempenho diferenciado entre o casal. O discurso enunciado pelos operadores foi ancorado nos referenciais de gênero. Percebemos que o conceito de gênero tem sido incorporado pelos trabalhadores sociais e, da mesma forma que as formulações teóricas de gênero, correspondem a diferentes correntes de pensamento marxistas, psicanalistas, culturalistas - estas diferenças apareceram nos discursos dos operadores. Os discursos se mostraram atravessados por contradições, tanto as teóricas quanto as de cunho pessoal, já que os operadores também estão expostos às violências na sua vida pessoal e vivem incongruências no seu cotidiano. Os participantes enunciaram os discursos de uma posição de trabalhadores/operadores: religiosos, trabalhadores do setor saúde, judiciário ou policial, militantes dos movimentos sociais e veículo dos princípios das instituições que representam. Os atores nos contaram de rotas percorridas pelas mulheres em suas peregrinações pelos serviços, que podem ser caracterizadas como longas, extenuantes, repetitivas e ineficazes. Ainda não foi possível visualizar todas as rotas possíveis no município em que a pesquisa está sendo realizada, já que há múltiplos serviços, superposições entre eles e rotas informais, ligadas às relações de amizade, vizinhança e parentesco. Muitos foram os empecilhos, os nós e os entraves identificados na rota seguida pelas mulheres. Houve consenso ao apontar o descaso e a ineficiência do aparelho jurídico-policial, assim como a invisibilização por parte dos setores saúde e educação. Esse quadro se repete, confirmado pelas inúmeras ocorrências policiais registradas pelas mulheres que entrevistamos e entrevistadas nos outros países latinoamericanos investigados na pesquisa Rota Crítica. 64

13 Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres... Um aspecto importante que emergiu dos grupos-dispositivo foi a demanda de alguns operadores, principalmente aqueles ligados aos serviços de atendimento a mulheres em situação de violência, em ingressarem na equipe da pesquisa, contribuindo para a configuração da investigação como pesquisa-ação, mostrando a implicação com a formação de redes de atendimento, crucial para a atenção integral das mulheres e para a consecução de rotas, se não ótimas, pelo menos mais eficientes. O método da pesquisa-intervenção prevê que haja alterações/ modificações no plano de trabalho a partir da interação entre pesquisadores e atores na realidade social. Na avaliação dos grupos-dispositivo, entendemos que seria oportuna a realização de um seminário, objetivando apresentar e problematizar dados de pesquisa para os operadores sociais e a comunidade. Além disso, o seminário ajudaria a responder questões que surgiram no percurso da pesquisa e a fazer algumas mudanças. Esta reflexão foi o ponto de partida para a organização do Seminário Violência intrafamiliar e de gênero: A Rota Crítica das mulheres no enfrentamento da violência. O seminário possibilitou uma ampla discussão sobre a temática da violência intrafamiliar e de gênero com a participação de vários segmentos da sociedade, confirmando esta idéia de André Morin: a pesquisa-ação é um modelo aberto em que o espírito de criação está no centro de um processo em que nunca se sabe o que vai acontecer no final das contas. PALAVRAS FINAIS O Seminário A Rota Crítica das mulheres no enfrentamento às violências disponibilizou às instituições públicas e trabalhadores sociais, ferramentas práticas para fazer frente às violências. Enfatiza-se a importância de eventos como este que se propõe não apenas a denunciar as violências e iniqüidades, mas a construir dispositivos operacionais para enfrentá-las. 65

14 Stela Nazareth Meneghel O seminário contou com o apoio da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) e do CNPq para a sua realização, representantes institucionais de várias universidades e a Prefeitura de São Leopoldo. Objetivou, além da disponibilização e discussão dos dados de pesquisa, fomentar a rede de combate às violências perpetradas contra as mulheres. A realização desse evento não seria possível sem a ajuda de um extenso grupo de professores/as, pesquisadores/as, alunos/as, militantes do movimento de mulheres, feministas e trabalhadores/as sociais, que nos mostraram, mais uma vez, que a rede de saúde se faz com todos/as e com cada um/uma dos/as participantes. Percebemos que, para promover a paz, é preciso identificar e lutar contra a violência, principalmente no aspecto que ela apresenta de cercear a liberdade, destruir a auto-estima, induzir à depressão, ceifar a esperança e impedir o exercício da democracia. As violências induzem as pessoas a permanecer seqüestradas pelo medo, pelo imobilismo e pela banalização do mal. Com este seminário exploramos e ampliamos alguns horizontes que têm norteado nossas pesquisas atualmente. A pesquisa com a rota crítica e com os operadores, atores ou agentes sociais, constituiu um disparador de saberes e práticas sociais que se transformam ao longo do processo, pois esses saberes e práticas ganham força e sentido na medida em que são fertilizados pela experiência e pelas vivências das mulheres. De forma metafórica, poderíamos comparar a pesquisa-intervenção a um bonde que possui um ponto de partida e outro de chegada, embora desconheçamos o ponto de chegada. No bonde, entram e saem passageiros no avançar do percurso; enquanto isso, a paisagem vai mudando dentro e fora. Entretanto, a alma das pessoas que no bonde entraram, ou das pessoas que do bonde saíram, assim como a paisagem que foi se transformando ao longo da viagem, permitirão, quem sabe, o vislumbrar de rotas menos dolorosas, quem sabe a elaboração das histórias que ouvimos e contamos pelo caminho. Da mesma forma, buscamos compartilhar com os operadores, atores ou agentes sociais, o poder político de refazer seu trajeto, a fim de transformar de forma criativa a realidade. 66

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA A MULHER E AS REDES DE ATENDIMENTO

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Centro de Criação de Imagem Popular Largo de São Francisco de Paula, 34 / 4º andar 20.051-070070 Rio de Janeiro RJ Tel./ Fax.: (21) 2509.3812 cecip@cecip.org.br www.cecip.org.br Nossa missão Contribuir

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia.

Palavras chave: Práticas pedagógicas. Didática. Direitos humanos. Democracia. DIDÁTICA E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE DIREITOS HUMANOS NO COTIDIANO ESCOLAR: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Resumo Aida Maria Monteiro Silva 1 Universidade Federal de Pernambuco A temática da Educação em Direitos

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF COMERCIAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas.

Solidariedade - É uma empatia fundamental com as causas das famílias mais excluídas, que nos move a # querer estar e trabalhar junto com elas. BRIEF INSTITUCIONAL 2015 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTOR DO TEXTO: Fernanda de Lazari Cardoso; Marisa Alves Lacerda; Luciana da Silva Oliveira Fortalecendo as escolas na rede de proteção à criança e ao adolescente

Leia mais

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS

A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS A ESCOLA COMO ESPAÇO DE SOCIALIZAÇÃO DA CULTURA EM DIREITOS HUMANOS Adelaide Alves Dias * * Psicóloga. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação. Professora do Centro de Educação e pesquisadora

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório

SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES (SEMUL) Relatório I Seminário de Enfrentamento à Violência de Gênero no Município de Natal 26 e 27/03/2015 Local: Auditório do Conselho Regional

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil

Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Educar na diversidade do MEC - Um projeto em dois Municípios do Brasil Windyz B. Ferreira, Mércia Chavier e Alessandra Mendes Neste artigo apresentam-se experiências desenvolvidas por dois municípios brasileiros

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos

Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos Declaração de Juventudes: Construindo um mundo de Igualdade e Direitos As pessoas jovens, organizações e redes juvenis convocadas pela Aliança Latino- americana rumo a Cairo+20 para o Fórum de Juventudes

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO

ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: ANÁLISE DE UMA CASA ABRIGO Juliana Medeiros da Silva 1 A violência doméstica praticada pelo parceiro íntimo é uma das formas mais comuns de violência

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013

QUEM SOMOS VISÃO MISSÃO HISTÓRICO BRIEF INSTITUCIONAL 2013 BRIEF INSTITUCIONAL 2013 QUEM SOMOS TETO é uma organização presente na América Latina e no Caribe, que busca superar a situação de pobreza em que vivem milhões de pessoas nos assentamentos precários, através

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas

Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas Educação e Direitos Humanos, Currículo e Estratégias Pedagógicas Vera Maria Candau * * Pós-Doutora em Educação pela Universidad Complutense de Madrid. Docente da Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência. Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 O Serviço Social na educação: possibilidades de intervenção frente a situações de exclusão social, poder e violência.

Leia mais

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

Introdução. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INCLUSÃO

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução

Cristiane Gonçalves de Souza 1 Dircéia Moreira. Introdução UMA REFLEXÃO ACERCA DAS POSSIBILIDADES DE EMPODERAMENTO DAS FAMÍLIAS ATENDIDAS PELO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS

PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS Programa Mediação Conflitos PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS MARCO LÓGICO 2015 Programa Mediação Conflitos A- Intificação do Problema (Árvore problemas): ÁRVORE DE PROBLEMAS CONSEQUÊNCIAS PROBLEMA Homicídios

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Senhoras e Senhores:

Senhoras e Senhores: Senhoras e Senhores: Uso a palavra em nome de todas as entidades governamentais e nãogovernamentais parceiras do Programa Justiça para o Século 21. E não é sem razão. Esse é, para todos nós, um momento

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento

PLANO DE ENSINO. TURMA: Formação mista, envolvendo acadêmicos da Católica de SC que cumprem os requisitos dispostos no Regulamento CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SETOR DE EXTENSÃO COMUNITÁRIA PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PROJETO COMUNITÁRIO PROFESSORES(AS): FASE: Constituída a partir da conclusão de 30% da PAULO

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE JUSTIÇA, DIREITOS HUMANOS E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Superintendência de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE SELEÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS N /2015: EXECUÇÃO DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO A CRIANÇAS E ADOLESCENTES AMEAÇADOS DE MORTE NO ESTADO DA BAHIA (PPCAAM/BA).. 1.

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e

Dessa forma, no ano de 2013 acadêmicas e educadoras buscaram a reorganização do projeto, voltando-se a estudos e partilha de experiências e FORMAÇÃO PERMANENTE DE EDUCADORES A PARTIR DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS Marilei Almeida de Oliveira, UFSM Camila da Rosa Parigi, UFSM Celso Ilgo Henz, UFSM INTRODUÇÃO O projeto de extensão, Hora do Conto:

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE

TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE TERRITÓRIO E LUGAR - ESPAÇOS DA COMPLEXIDADE Renata Pekelman 1 Alexandre André dos Santos 2 Resumo: O artigo pretende trabalhar com conceitos de território e lugar, a complexidade intrínseca a esses conceitos,

Leia mais