A Alegoria no Ensaio Sobre a Cegueira e no Cubo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Alegoria no Ensaio Sobre a Cegueira e no Cubo"

Transcrição

1 A Alegoria no Ensaio Sobre a Cegueira e no Cubo Análise comparativa do romance português Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago, e do filme canadense Cubo, de Vincenzo Natali, à luz do conceito de Alegoria de Walter Benjamin POR ELIR FERRARI. Trabalho apresentado à Professora Nadiá Paulo Ferreira pelo aluno Elir Ferrari de Freitas, para a conclusão da disciplina Narrativa Portuguesa Contemporânea do Curso de Especialização em Literatura Portuguesa do Século XX 1º semestre / 2000

2 Índice INTRODUÇÃO CUBO ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA UMA NOÇÃO DE ALEGORIA A ALEGORIA NO ENSAIO E NO CUBO...9 BIBLIOGRAFIA de 12

3 INTRODUÇÃO A finalidade deste trabalho é confrontar o romance português Ensaio Sobre a Cegueira, de José Saramago, com o filme canadense Cubo, de Vincenzo Natali, tentando destacar os pontos em que as duas obras se cruzam. Para tanto, será necessário buscar um elo que os una. Qual seria esse elo se não a própria modernidade, a própria contemporaneidade das duas obras? Porém, o que caracteriza essa modernidade, os diferentes pontos de vista dos autores, o que dizem e a forma de dizer o que dizem encontrarão suas defesas no conceito de Alegoria de Walter Benjamin, embora não se limitem somente a ele. Não se esgotará, entretanto, o assunto. O conceito de Benjamin servirá apenas como o ponto de articulação, a ponte, para ligar os elos das duas obras. No intuito de facilitar a sua compreensão, este trabalho contará com resumos das obras (resenhas objetivas), que servirão de ponto de partida e justificativa para o que deles se dirá. As resenhas contarão, já, com as impressões inferidas das obras. 1. O CUBO O Cubo começa com um olho se abrindo, como que acabando de acordar. Na seqüência, observa com estranhamento as paredes do quadrado fechado no qual se encontra, estranhamento este que é jogado para o espectador. É o primeiro e singular personagem que aparece. Incógnito, e vestindo uma espécie de uniforme típico de presídio, não se sabe ao certo o caráter dele, tampouco do ambiente. O lugar, um quadrado cujas paredes têm aspecto de placas de computadores, com circuitos elétricos e eletrodos à vista, não definem se se trata de uma nave espacial ou de uma prisão, cela, do futuro. Cada uma das paredes do lugar, da cela, possui uma porta, que leva a outras celas similares. Por uma dessas portas passa o nosso primeiro e singular personagem, que estanca ao atingir a outra cela. O suspense faz com que o espectador pense que algo errado 3 de 12

4 aconteceu. Prende-se a respiração. Novamente o olhar circula o ambiente, tenso como na primeira cena. Aliviado por se sentir seguro, o personagem dá o primeiro passo, o que faz com que seja fatiado por uma teia de lâminas altamente afiadas, tal qual um legume. Após esta truculência, há finalmente o corte e os créditos começam a abrir para o início do filme. Cientes do perigo eminente e da violência desse perigo que circundam aquelas celas, dá-se início, então, à trama. Um a um, na tentativa de ir sair daquele lugar, os personagens vão se encontrando ao acaso e, juntos, vão seguindo as celas, tentando escapar das armadilhas, sem entenderem os motivos que os levaram àquele lugar. Um segundo e singular personagem aparece. É um ladrão que conseguira escapar das cinco maiores prisões de segurança máxima do mundo. Acostumado a armadilhas, ele possui é o único que demonstra autoconfiança, uma certeza de que iria sair daquele lugar, da mesma forma que conseguira antes. Morre de uma outra forma, também truculenta e sua morte serve para informar ao espectador e aos demais personagens que não há outra saída senão a morte. Indivíduos, cada um com sua história de vida e sua personalidade, inicialmente só são reconhecidos pelos demais a partir dos sobrenomes estampados em seus uniformes. Na tentativa de tentar entender os comos e os porquês, começam um processo de identificação pessoal, o que se inicia pelas profissões. Uma médica da saúde pública de meia idade, um policial, uma jovem estudante de matemática, um rapaz engenheiro ambicioso e, mais tarde, um doente mental somam o número de personagens cujas individualidades vão sendo desnudadas ao longo do filme. O foco então recai sobre as diferenças entre os personagens e uma intriga é montada. De solução em solução, os personagens vão revelando os segredos para vencerem os obstáculos mas, na loucura de tentar sobreviver, acabavam se digladiando por suas diferenças. A tensão e a atenção chamadas para os perigos do lugar são jogadas em segundo plano, servindo de pano de fundo para o desenvolvimento da intriga, mas não são ignoradas ou esquecidas, muito pelo contrário, são a cada instante lembradas. Cessam as mortes pelas armadilhas, porque o grupo, raciocinando junto, conseguia burlar as armadilhas. As mortes comparecem agora pela traição entre os personagens. 4 de 12

5 Por fim, somente um personagem consegue sair do lugar que, ao longo do filme é revelado como um gigantesco cubo, com uma única saída. O personagem que sai é o doente mental. A lado de fora é tão enigmático quanto ao próprio cubo, é apresentado por uma luz forte, que não permite ver nitidamente o outro lado. A única certeza que se tem (o espectador e os personagens que restaram) é que, do outro lado, há a liberdade e essa liberdade é concedida apenas ao doente mental. 2. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA O Ensaio começa com um sinal fechado. As luzes do sinal de trânsito são detalhadamente descritas na passagem do vermelho para o verde no momento em que o sinal fecha para os pedestres e abre para os carros parados. Quando finalmente abre o sinal, um dos motoristas não dá partida e as buzinas dos demais automóveis fazem chamar a atenção sobre o motorista. Um tumulto se faz ao redor do carro e, assim, descobre-se que o motorista ficara cego. Cego repentinamente e era uma cegueira branca. Ajudado por um homem supostamente bondoso, que mais tarde virá a se revelar um ladrão, o motorista é encaminhado à sua casa. Daí começa um surto de cegueiras repentinas, como uma epidemia, transmitida através do contato pessoal. Aos poucos, em forma de cadeia, todos vão se contaminando. As autoridades responsáveis (ministério da saúde) decide isolar os contaminados para tentar deter a peste. Os primeiros cegos são levados para um manicômio judicial abandonado e é neste lugar que se desenvolve a maior parte da trama. O manicômio é cercado por um muro e o prédio é repleto de dormitórios, onde foram se alojando os cegos. Cada vez mais cegos eram lá confinados, até não sobrar mais espaço. Um núcleo de personagens mantém o foco sobre eles e a trama se desenvolve em torno deste núcleo. O núcleo é formado a partir de dados comuns: o primeiro cego, a mulher do primeiro cego, o médico que examinou o primeiro cego, a esposa do médico, 5 de 12

6 alguns pacientes que estavam no consultório. Os personagens não têm nomes. Todos são identificados por características que representam suas marcas. No enclausuramento, os cegos têm de conviver com as diferenças individuais e socioculturais. A fome, a imundície, as dificuldades que tiveram de enfrentar, entre outras coisas, geraram conflitos, dor, angústia nos personagens que viveram atormentados com o "não saber" das coisas (os porquês, os dondes os aondes). O tempo passa e cada vez mais cegos vão sendo confinados, até que, com exceção da mulher do médico, todos estavam cegos. Os leitores e os cegos-personagens não souberam ao certo o momento exato em que os soldados deixaram de vigiar os portões, porém é sabido que se dá por volta do incêndio que destrói por completo o manicômio. Para fugir da morte pelo incêndio e decididos a enfrentar a guarda, mesmo que essa atitude representasse a morte por tiros, os cegos percebem que não há mais soldados. Há quanto tempo já poderiam ter-se libertado não se sabe, se se soube. Fora do manicômio, o problema não se resolveu. Na cidade, completamente destruída, uns poucos cegos vagavam, que viviam atrás da possibilidade de encontrar com o que se alimentar. Só então é revelado aos leitores e aos cegos-personagens que todos ficaram cegos e que não há mais nada que fazer. Auxiliados pela mulher do médico, os núcleo de cegos que saiu do convento consegue se alimentar e tentar encontrar novamente seus lares. Da mesma forma inexplicável, inexplicada, com que as pessoas foram ficando cegas dá-se o contrário: as pessoas vão voltando a enxergar, como uma forma de contágio, começando pelo primeiro cego. Depois de tanta violência corporal e espiritual, chega-se ao final do romance com médico e a mulher do médico se questionando acerca da cegueira, ou do significado dela. 3. UMA NOÇÃO DE ALEGORIA O conceito de alegoria segundo Walter Benjamin tem um diferencial com relação ao conceito de alegoria até Goethe. Benjamin se utiliza dos conceitos anteriores de 6 de 12

7 alegoria para reformular o seu próprio conceito. A alegoria para Benjamin nos dá a noção de "temporalidade e historicidade, em oposição ao ideal de eternidade que o símbolo encarna". Para Goethe, o símbolo faz fundir-se significante e significado, enquanto que a alegoria os separa. O símbolo é, a alegoria significa. Em Platão, na sua regra de organização da cidade, já podemos verificar que há dois tipos de leitores: os que "conhecem a verdadeira leitura" e os que ficam só no "sentido literal ou moral", ficando aqueles responsáveis por guiar e dirigir estes. O sentido literal não é o sentido verdadeiro. Deve-se aprender uma outra leitura que busque, sob as palavras do discurso, seu verdadeiro pensamento, o que será chamado então de alegoria (allo = outro; agorein = dizer). O sentido é dependente do momento histórico em que o texto foi escrito, em que o verdadeiro sentido foi decalcado. Portanto, a interpretação da alegoria, segundo Peter Szondi (1), nasce da distância histórica que separa o leitor do texto literal. A interpretação alegórica, porém, não oferece nenhum fundamento seguro ao novo pensamento científico. A alegoria pode construir uma ligação entre o sentido e a imagem, mas não é capaz de estabelecer a necessidade desta ligação. A alegoria é criticada, ainda, em razão da sua historicidade e de seu caráter arbitrário. É a partir deste ponto que Benjamin vai defender suas idéias, desenvolvendo novos aspectos. Para ele, a historicidade e arbitrariedade são as duas características que constituem a especificidade e grandeza da alegoria. Para ele, "a medida temporal da experiência simbólica é o instante místico, no qual o símbolo recebe o sentido em seu interior oculto e, se se pode falar assim, espesso como uma floresta" (2). Enquanto o símbolo aponta para a eternidade da beleza, a alegoria ressalta a impossibilidade de um sentido eterno. Se o símbolo indica a utopia de uma evidência do sentido, a alegoria detém o abismo entre expressão e significação. No seu prefácio do livro sobre o Barroco, enquanto Benjamin defende a origem pela tensão entre destruição crítica e promessa de redenção, inscreve esta dialética no próprio coração da história. A problemática da estética moderna desloca e, ao mesmo tempo, mantém esta oposição (destruição crítica x promessa de redenção) quando tenta definir o que faz a "propriedade do sentido próprio" e a "figuralidade do sentido 7 de 12

8 figurado". O poeta barroco não consegue mais distinguir nenhum desígnio divino no caos do mundo e, à beira do abismo e do desespero, se reequilibra pela confissão, interpretando a vertigem que submerge como uma espécie de insuficiência da razão e da necessidade da fé. A alegoria é a figura privilegiada deste movimento de redemoinho que, no fim, vai destruir-se a si mesmo ou, então, salvar-se pela traição de sua mais profunda tendência. Assim, a linguagem alegórica é tirada de duas fontes que se juntam num mesmo rio de imagens: da tristeza, do "luto" provocado pela ausência de um referente; da liberdade, do "jogo" que a ausência de um referente acarreta para quem inventa novos sentidos efêmeros. Para Benjamin, a alegoria nos revela, e nisto consiste sua verdade, que o sentido não nasce somente da vida, mas que "significação e morte amadurecem juntas". O sujeito, agora, vacila e se desfaz. O objeto, agora, se decompõe em fragmentos. Na contemporaneidade, o processo de significação surge da corrosão dos laços vivos e materiais entre as coisas, transformando os seres vivos em cadáveres ou em esqueletos, as coisas em escombros e os edifícios em ruínas. "A visão alegórica está sempre se baseando na desvalorização do mundo aparente". A alegoria é, ao mesmo tempo, convenção e expressão, e não uma convenção da expressão. A significação do objeto só existe a partir do momento em que o alegorista a coloca dentro dele. O objeto, então se transforma em outra coisa e através dele o alegorista fala de algo diferente, que se converte na chave do domínio de um saber oculto (o que nos remete de volta a Platão, o saber oculto seria a "verdadeira leitura"). Nisso reside o caráter escritural da alegoria. A escrita é uma escrita desconjuntada, ao mesmo tempo sagrada e incompreensível, de onde emergem figuras fragmentárias. Na perspectiva alegórica, o mundo profano é, ao mesmo tempo, elevado e desvalorizado. O sentido de totalidade, hoje, se perdeu, e isto se dá porque sentido e história estão intimamente ligados, porque só há sentido na temporalidade e na caducidade. 8 de 12

9 4. A ALEGORIA NO ENSAIO E NO CUBO Visto o sentido de alegoria segundo Walter Benjamin, podemos afirmar que o filme Cubo e o romance Ensaio Sobre a Cegueira lhe servem como dois preciosos exemplos. Ambas as obras apresentam a "fragmentalidade" como característica e, nela, a imagem do sagrado e do profano. A construção de um cubo imenso não é justificada. O que é justificado, em um dado momento pela metade do filme, é a sua utilização. A cegueira também não é justificada, embora por várias vezes, direta ou indiretamente, seja citado o provérbio "cego é aquele que não quer ver". Essa característica comum de não justificar o que mais provocará angústia na escritura da obra, o cubo e a cegueira respectivamente, serve como pista para redirecionar a atenção do espectador-leitor. O que vai importar aqui não é de fato a cegueira ou a existência do cubo, embora estes elementos conduzam para o aprofundamento das questões propostas pelos autores. O que os autores-alegoristas pretendem é destacar fragmentos de uma sociedade contemporânea e corroída, sem referenciais, pulverizada, propondo uma reflexão sobre estes elementos ao mesmo tempo em que não apresentam os caminhos, nem soluções. A esmera elaboração dos personagens foi o grande ponto de articulação das duas obras. É em torno das características individuais dos personagens que a trama vai sendo desenvolvida. No Cubo, teremos fragmentos da tipologia social, através dos espectros homem x mulher, fragilidade x rudeza, maturidade x ingenuidade. No Ensaio, esses espectros são embaralhados, mas ainda se mantêm. As atribuições de cada personagem, nas duas obras, perpassa pela profissão ou ocupação, como um reflexo de seu caráter ou traço da sua individualidade/personalidade. No Cubo, a primeira tentativa de os personagens se conhecerem melhor e tentarem encontrar os motivos que os levaram àquela clausura se dá pela identificação da profissão. No Ensaio, todos os personagens são nomeados pela sua ocupação. O nome próprio como marca de identificação pessoal, para os autoresalegoristas, já não é tida como relevante: no Cubo, os nomes são dispensáveis porque 9 de 12

10 estão estampados nos uniformes; no Ensaio, há a ausência total de nomes. Essa não identificação, para lembrar Benjamin, é, na verdade, marca da ausência de identidade. No Cubo, o surgimento de um líder não se dá por eleição, mas pela própria oferta do sujeito, encarnado na figura do policial. A carga semântica a que o termo "policial" nos remete (protetor contra os ladrões, guardião) já não é mais àquela de outrora e, por isso, a liderança do personagem é desmascarada e cai. Aqui, uma pseudo-liderança é revelada e deposta e, embora o pseudo-líder tente reaver sua posição à base da violência, sua figura é desprezada pelos demais. No Ensaio, embora haja no início a tentativa sem sucesso de se nomear um líder, a liderança se dá de forma imposta, na figura dos marginais da camarata do outro lado, que praticam atrocidades. Acuados, os cegos derrubam os líderes à base da violência, como resposta aos maus tratos que sofreram. A figura de um único líder tenta se avultar nas duas obras, mas não conseguem se manter. A figura do herói da epopéia ou do romance de cavalaria teve seu momento de fama. O herói agora não é mais aquele que vencerá o bem e o mal, que protegerá os nãoheróis, mas, sim, aquele que apresentará a única possibilidade de salvação. O doente mental, em muitos momentos causador de desconforto para os demais, será o personagem que, alheio a tudo o que se passa ao seu redor, fornecerá a ferramenta para a saída do cubo: a solução matemática. O herói-débil, contudo, é o único que se salva, como forma de recompensa por sua atitude e ingenuidade. É o herói-salvador que não salva, que não tem consciência de sua heroicidade. A heroína do Ensaio, a mulher do médico, se nos apresenta de forma medíocre. É aquela que não se revela, que em vários momentos poderia ter reagido às atrocidades dos marginais-líderes, mas não o fez em nome de uma passividade de caráter e obediência à boa índole cristã. Embora a idéia, tardia, da reação contra os marginais-líderes tenha sido dela, não foi ela quem deu fim ao caso, mas a outra cega que ateou o fogo. Seu caráter heróico só se revelará posteriormente, quando da localização de alimento e condução do núcleo de cegos a seus destinos. A heroína que optou por não ser herói, mas que fez o que pôde para não deixar perecer os cegos indefesos. É o herói-redentor que não quer ser, que teme o tamanho de sua heroicidade. 10 de 12

11 Aparece no Ensaio a figura de um governo enfraquecido. Um governo que, sem conhecer as causas da epidemia, teme as conseqüências e enclausura os cegos para não se comprometer. A maneira com que este governo trata inicialmente os enclausurados (então uma minoria), completamente de acordo com o bom tom, com os bons costumes, como se esperaria que um governo agisse, para que se evitasse a contaminação de uma maioria, revela ao leitor que os regimes governamentais não dão conta de aspectos outros. O que parecia no início uma atitude de precaução, acabou se transformando numa atitude precipitada e equivocada, ditadora e covarde. A imagem do governo aqui é esvaziada do conceito de governo. Este esvaziamento aparece também no Cubo, através da fixação da médica, que queria atribuir a construção daquela monstruosidade ao governo, ou às "forças ocultas". Aqui, o governo já perdeu o domínio sobre o mercado e os responsáveis pelas grandes atrocidades da História (como a construção de um cubo inútil) passa a ser o outro. Não há mais o responsável-culpado, mas responsáveis. A culpa recai agora sobre os que não vêem (ou não querem ver como no caso do Ensaio), ou não percebem, e, por não perceberem, pagam pela sua própria ignorância. A criação de um antagonista que assume a figura externa incompreensível, mas que está lá esperando ser descoberto, alivia da dor de descobrirmos que o protagonista e o antagonista estão fundidos nos próprios personagens. Os culpados são as próprias vítimas. A salvação-redenção talvez se desse pela união das forças, ou pela via do amor. No Cubo, o projetista e a médica têm a revelação da intimidade de seus nomes instantes antes da morte da médica. Sua morte põe fim à possibilidade de uma maior cumplicidade/união que poderia levar à saída. No Ensaio, a filosofia do "cada um por si" é vencida apenas pelo núcleo central de cegos, que no final, pela ínfima tentativa de se manterem unidos, voltam a enxergar. Essa salvação-redenção é uma impossibilidade no Cubo. A situação angustiante em que se encontram os personagens, o cenário impiedoso em que se passam as estórias, a visão demolidora de mundo, os heróis não-heróis, as 11 de 12

12 difíceis possibilidades de solução, a violência, a falta de identidade, a impossibilidade de salvação-redenção são os elementos alegorizantes pelos quais os autores apresentam a sua época. Notas: (1) Peter Szondi. Einführung in die literarische hermeneutik, Frankfurt am Main, Suhrkamp, citado em GAGNEBIN, J. M. (2) Walter Benjamin. Ursprung des deutschen Trauerspiels, Frankfurt am Main, Suhrkamp, citado em GAGNEBIN, J. M. BIBLIOGRAFIA GAGNEBIN, Jeane Marie. Alegoria, morte, modernidade in: História e Narração em Walter Benjamin, São Paulo: Perspectiva, SARAMAGO, José. Ensaio sobre a cegueira. São Paulo: Cia. das Letras, 1995 (14ª reimpressão, 2000). Cubo - filme canadense de Vincenzo Natali. 12 de 12

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito

Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Para evoluir é necessário reencontrar a autenticidade do próprio espírito Autor: Regis Mesquita Blog Nascer Várias Vezes - http://www.nascervariasvezes.com/ "Não ser autêntico é uma forma de evitar aquilo

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MANUAL DOS PAIS UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 UM PROJETO DESTINADO ÀS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL É hora de promover a segurança e a harmonia no trânsito. E os pais podem dar o exemplo. No Brasil, o índice

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

8 coisas que um psicopata faz melhor do que você no trabalho

8 coisas que um psicopata faz melhor do que você no trabalho 8 coisas que um psicopata faz melhor do que você no trabalho Cruéis e competentes A primeira imagem que nos vem à cabeça quando ouvimos a palavra psicopata é a de um serial killer, um homem bomba ou algum

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

1. O que existe por trás do mundo?

1. O que existe por trás do mundo? Existem vários caminhos para se chegar à verdade. Os raciocínios que acabamos de discutir são apenas alguns deles e, talvez, não sejam completos nem suficientes para muitas pessoas. No entanto, existem

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless.

A aproximação intercultural entre os romances de formação Doidinho e Die Verwirrung des Zöglings Törless. Cristiane Maria Bindewald Universidade Federal do Paraná A aproximação intercultural entre os romances de formação "Doidinho" e "Die Verwirrung des Zöglings Törless. Este trabalho é resultado do nosso

Leia mais

Duas faces, uma só Pessoa

Duas faces, uma só Pessoa P á g i n a 3 Duas faces, uma só Pessoa ANA LUÍSA RIBEIRO DOS SANTOS Ana Santos P á g i n a 4 FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Ana Santos TITULO: Duas faces, uma só pessoa AUTORA: Ana Santos IMAGEM DA CAPA: Capa:

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

O líder influenciador

O líder influenciador A lei da influência O líder influenciador "Inflenciar é exercer ação psicológica, domínio ou ascendências sobre alguém ou alguma coisa, tem como resultado transformações físicas ou intelectuais". Liderança

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

A escola para todos: uma reflexão necessária

A escola para todos: uma reflexão necessária A escola para todos: uma reflexão necessária Área: Inclusão Selecionador: Maria da Paz de Castro Nunes Pereira Categoria: Professor A escola para todos: uma reflexão necessária A escola é, por excelência,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico.

CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. CIÊNCIA E PROGRESSO: notas a partir do texto de Pierre Auger denominado Os métodos e limites do conhecimento científico. Rafael Augusto De Conti 1. Pensar no progresso da ciência, nos conduz, necessariamente,

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1

Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Vendo aquilo que se vê e sendo aquilo que se é 1 Monica Aiub filósofa clínica e-mail: monica_aiub@uol.com.br Vendo o que não se vê, tema do Congresso, suscita, imediatamente, a pergunta: o que se vê e

Leia mais

Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos

Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos Draguim, Badão e companhia - Guia de leitura - Livro 1 Dragões, Duendes e Outros Bichos Apresentação da obra Sempre me disseram que os dragões eram todos maus e que devíamos fugir deles a sete pés. Mas,

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Sumário Introdução, 11 Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Vencendo os obstáculos, 27 Pau e pedra, 31 Fortalecendo os laços,

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle Lócus de controle As pessoas tendem a buscar explicações sobre sua conduta, seus resultados e suas conseqüências com o objetivo de predizer, compreender, justificar e controlar o mundo. Todos buscamos

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Fases do método PHAST... 3 1. Técnica: Historias Comunitárias... 4 2. Técnica: Enfermeira Felicidade... 5 3. Técnica: Mapeamento comunitário... 6

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA

FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA FACULDADE DE PITÁGORAS RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 FACULDADE DE PITÁGORAS Naguimar Moura M. Martins Núbia S. de Brito RESENHA - ANTÍGONA TEIXEIRA DE FREITAS 2011 Naguimar Moura M. Martins

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Etapas da maturidade de Eliseu

Etapas da maturidade de Eliseu Etapas da maturidade de Eliseu TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 2.5-11 5 - Então os filhos dos profetas que estavam em Jericó se chegaram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes que o SENHOR hoje tomará o teu senhor

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

APOCALIP-SE. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 2ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 2ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r APOCALIP-SE Ser humano não é ser uma pessoa, ser humano é ser um aluno. Aluno de que e de quem?

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para a questão 1. (Disponível em: )

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil

Leone Alves. O fim da cegueira intelectual. 1ª Edição. São Paulo - Brasil Leone Alves O fim da cegueira intelectual 1ª Edição São Paulo - Brasil 2015 1 Apresentação O fim da cegueira intelectual é um livro filosófico que tem como objetivo despertar na sociedade a capacidade

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Reuniões Mediúnicas. Palestrante: Carlos Feitosa. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Reuniões Mediúnicas Palestrante: Carlos Feitosa Rio de Janeiro 04/10/2002 Organizadores da Palestra: Moderador: "_Alves_"

Leia mais