UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Estudos Sociais Aplicados Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Estudos Sociais Aplicados Departamento de Ciência da Informação e Documentação"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Estudos Sociais Aplicados Departamento de Ciência da Informação e Documentação COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL POR MEIO DA TEVÊ CORPORATIVA DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Por: SIMONE PINHEIRO SANTOS Orientadora: Profª. Dr. SUELI ANGÉLICA DO AMARAL BRASÍLIA, DF 2003

2 2 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Estudos Sociais Aplicados Departamento de Ciência da Informação e Documentação SIMONE PINHEIRO SANTOS COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL POR MEIO DA TEVÊ CORPORATIVA DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Ciência da Informação, Curso de Pós- Graduação em Ciência da Informação, a Faculdade de Estudos Sociais Aplicados da Universidade de Brasília. Orientadora: Profª. Dr. Sueli Angélica do Amaral BRASÍLIA, DF 2003

3 3 TERMO DE APROVAÇÃO SIMONE PINHEIRO SANTOS COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL POR MEIO DA TEVÊ CORPORATIVA DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Tese aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre no Curso de Pós- Graduação em Ciência da Informação, Faculdade de Estudos Sociais Aplicados da Universidade de Brasília, pela seguinte banca examinadora: Orientadora: PROFª. DR. SUELI ANGÉLICA DO AMARAL Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília PROFª. DR. SUZANA MUELLER Departamento de Ciência da Informação e Documentação da Universidade de PROFº. DR. JOÃO JOSÉ AZEVEDO CURVELLO Departamento de Comunicação Social da Universidade Católica de Brasília

4 4 Este trabalho é dedicado aos meus lindos pais, José Carlos e Raimunda, à minha maravilhosa irmã Silvia e às minhas preciosas sobrinhas Beatriz e Cecília. Pai e mãe, Sei que é pouco pelo tanto que me dão, mas é de coração. Obrigada por cada momento, pelo carinho e por toda a paciência. Amo imensamente vocês! Silvia; Obrigada por todos os conselhos, toda a sensibilidade e compreensão. Obrigada por você existir. Bibi e Cecília; Obrigada por desviarem o meu olhar para as brincadeiras e conquistas de vocês e por me mostrarem que as crianças sabem muito mais de vida que nós adultos.

5 5 AGRADECIMENTOS À minha paciente e querida orientadora Sueli Angélica do Amaral por todos os ensinamentos teóricos e principalmente pelos de vida. Por todas as vezes que me pediu para voar e por todas que me pediu para voltar a terra. Muito obrigada! Ao meu namorado, amigo e companheiro Fabiano por entender minha ausência, suportar o meu mau humor, me compreender e principalmente por tornar os meus dias e a minha vida mais felizes. Ao meu tio Juracy (in memorian) pela amizade e preocupação. Mesmo estando tão longe, você sempre esteve muito perto. A minha amiga TUTUTU por todas as vezes que me socorreu, por toda ajuda operacional e espiritual e a amiga Cássia Almeida por me ajudar com as traduções. Ao grande ator e colega Sérgio Tavares por ter me apresentado ao Banco Central e por ter sido sempre prestativo às minhas solicitações. Ao Eduardo Daniel de Souza, Geraldo Rodrigues Barbosa e Daniel Rezende por toda receptividade e paciência às questões e interrogações levadas por mim à TV BACEN. Ao amigo Ruy Godinho, Guilherme e a toda PROMOV pelas gravações e edições do clipe de entrada desta dissertação. Muita paz e muita luz! Ao Profº Bruno Carvalho, por acreditar no meu potencial, por confiar em mim e por ser sempre muito prestativo.

6 6 Aos ex-alunos Elmar da Silva, Moriael Paiva e Gidel Queiroz por todo apoio dado para a aplicação dos questionários, realização dos pré-testes e harmonização entre mim e o computador. Ao Profº. Dr. Iasbeck pelos feedbacks e todas as informações prestadas. A todos os colegas do mestrado, por compartilharem informações e experiências e por todas as críticas e sugestões. À todos que diretamente ou indiretamente me ajudaram a concretizar este trabalho e não estão, aqui, nominalmente citados.

7 7 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS x LISTA DE TABELAS xi RESUMO xii ABSTRACT xiii 1 INTRODUÇÃO 1 2 A COMUNICAÇÃO/ PROMOÇÃO E A INFORMAÇÃO Comunicação / promoção A comunicação: definição sua relação com a informação A informação: definição e sua importância para as organizações COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL/ ORGANIZACIONAL A comunicação e sua importância para as organizações Comunicação organizacional / empresarial: histórico, definição e considerações A comunicação interna nas organizações PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Os elementos Emissor Mensagem Canal de comunicação A tevê corporativa Codificação e decodificação...57

8 Receptor Resposta Retroalimentação ou feedback Ruído Algumas considerações PROBLEMA E JUSTIFICATIVA 67 6 OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA Caracterização da pesquisa Universo da pesquisa Coleta de dados Análise documental Entrevistas semi-estruturadas Questionários distribuídos aos funcionários Variáveis Relação dos objetivos com as variáveis Definição dos termos utilizados ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS COLETADOS A TV BACEN Descrição do processo de comunicação da informação organizacional por meio da TV BACEN Emissor Mensagem Canal de comunicação Codificação Receptor...113

9 Decodificação Resposta Retroalimentação (feedback) Ruído CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES 126 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 133 ANEXOS 143

10 10 RESUMO A presente pesquisa teve como objetivo descrever o processo de comunicação da informação organizacional realizado por meio de um canal de comunicação, a tevê corporativa. Por ser um assunto ainda pouco explorado no âmbito da Ciência da Informação, optou-se por um estudo de caso. A instituição que apresentou todos os quesitos exigidos para o estudo de caso foi o Banco Central do Brasil, uma autarquia especial federal com nove sucursais espalhadas pelo Brasil, preocupada com a comunicação interna, que utiliza a tevê corporativa, transmitida via tevê e via intranet, para informar os seus funcionários. A pesquisa, de caráter exploratório e descritivo, utilizou-se de análise documental, entrevistas pessoais e questionários para o levantamento preliminar de dados. Documentos e registros, tais como proposta, manual, memorandos, jornais internos e site; do Banco Central do Brasil foram analisados a fim de verificar a missão e os objetivos do Banco Central e do departamento responsável pela TV BACEN, a SECRE/SUREL/DIMEP/MULTI, a história da TV BACEN, o seu planejamento e o mapeamento do processo, desde a concepção até a sua implantação. Entrevistas foram realizadas com os dois responsáveis pela TV BACEN para adquirir informações a respeito de cada elemento do processo de comunicação sob o ponto de vista do emissor. Questionários foram enviados via aos 4666 funcionários concursados de todas as sucursais do Banco Central. Destes foram recebidos 690 questionários, cuja análise das respostas permitiu a visão do receptor com relação ao processo de comunicação da informação organizacional por meio da TV BACEN. Comparando as informações adquiridas por meio da análise documental, entrevistas e questionários, constatou-se que o processo de comunicação estudado não tem foco no receptor, que informações preciosas sobre as suas preferências não são utilizadas para adequar o processo às necessidades dos receptores. Por fim, são apontadas direções e recomendações para a realização de novas pesquisas. Palavras-chaves: Processo de Comunicação, Informação Organizacional, Comunicação Organizacional, Tevê Corporativa.

11 11 ABSTRACT This research aimed to describe the process of communication of the organizational information accomplished through a communication channel: the business TV. As it is a subject that has still been little explored in the scope of the Information Science, it was opted for a case study. The Brazilian Central Bank was the institution that presented all the demanded requirements for this, as it is a federal special autarky with nine branches spread in Brazil. Due to the fact that the Brazilian Central Bank is concerned with the internal communication, it has used the business TV, transmitted through TV set and via intranet, in order to keep its employees informed. The research which had an exploratory and descriptive character, made use of a documental analysis, personal interviews as well as questionnaires for the preliminary raising of data. Besides, documents and records such as proposals, manuals, memoranda, internal newspapers and site were analyzed from the Brazilian Central Bank in order to verify its mission and aims and, also from the responsible department for the BACEN TV, which is SECRE/SUREL/DIMEP/MULTI. The BACEN TV s history both its planning and the map of the process have also been analyzed since the conception until its implantation. Interviews were accomplished with the two responsible for the BACEN TV to get information regarding each element of the communication process under the transmitter s viewpoint. Questionnaires were sent through to the 4666 competed employees of all branches of the Brazilian Central Bank. From these, 690 questionnaires were received, whose analysis of answers allowed the receiver s view concerning the process of communication of the organizational information through the BACEN TV. Comparing the acquired information through the documental analysis, interviews and questionnaires, it was verified that the communication process, which was studied, doesn t have focus on the receiver. Therefore, precious information about his preferences are not utilized to adapt the process to the receivers needs. Finally, guidelines and recommendations are pointed so that new researches might be accomplished.

12 12 Key words: Communication Process; Organizational Information; Organizational Communication; Business TV.

13 13 LISTA DE FIGURAS Fig. 1 - Os três fluxos de informação seg. Lesca & Almeida (1994)...14 Fig. 2 - Grandes fluxos e tipos de informação seg. Lesca & Almeida (1994)...16 Fig. 3 - Dois propósitos da comunicação como uma atividade gerenciável seg. Davis (1967)...22 Fig. 4 - Comunicação interna e comunicação externa seg. Santos (2003)...29 Fig. 5 - Fluxos da comunicação nas organizações seg. Santos (2003)...30 Fig. 6 - Modelo de processo de comunicação formulado por Schramm seg. Wilcox, Ault & Agee (1997)...42 Fig. 7 - Processo de promoção/comunicação em unidades de informação seg. Amaral (2001)...43 Fig. 8 - Sistema de feedback seg. Pontes (2000)...62 Fig. 9 - Modelo de Administração da Comunicação Empresarial seg. Schuler (1996)...65 Fig Organograma do Banco Central do Brasil seg. site do Banco Central do Brasil - (26/02/03)...87 Fig Organograma da SECRE/SUREL do Banco Central do Brasil seg. Intranet do Banco Central do Brasil (04/2002)...88 Fig Opiniões dos funcionários sobre os temas dos programas...98 Fig Opiniões dos funcionários sobre a duração dos programas...99 Fig Opiniões dos funcionários sobre a divulgação dos programas...99 Fig Qualidade de transmissão via intranet Fig Qualidade de transmissão via tevê Fig Outros canais de comunicação Fig Porcentagem de funcionários por categoria...114

14 14 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Temas dos programas lembrados pelos funcionários...96 Tabela 2 - Canal utilizado para assistir às transmissões da TV BACEN Tabela 3 - Justificativas Intranet Tabela 4 - Justificativas tevê Tabela 5 - Relação entre cidade do funcionário e canal preferido para assistir à TV BACEN Tabela 6 - Canais de comunicação de divulgação da TV BACEN Tabela 7 - Circunstâncias em que o funcionário assiste à TV BACEN Tabela 8 - Funcionários que receberam ou não instrumentos de avaliação dos programas da TV BACEN Tabela 9 - Sugestões de temas de programas para a TV BACEN...121

15 15 1 INTRODUÇÃO O homem deve conhecer para compreender (Malejo apud PONTES, 2000, p.147). Na sociedade atual, pós-industrial e globalizada, há o consenso de que a informação deve ser considerada como recurso, tão fundamental quanto os outros (de produção, materiais, financeiros...), porém particular dentre os demais. Por ser particular deve ser administrado e gerenciado de forma diferenciada. Para conhecer, o homem deve ser informado de maneira responsável e séria. A informação é a base para um diálogo sistemático e contínuo entre quem administra e quem é administrado (PONTES, 2000, p.147). Partindo deste princípio, não basta haver informação, tem que haver informação e comunicação. A partir do momento que uma informação é transmitida a alguém, estabelecese aí um ato de comunicação. A condição de existência deste ato é a informação, a matéria prima básica da comunicação é a informação e, sendo assim, pode-se afirmar que não há comunicação sem informação. O objetivo final de uma empresa é criar e levar até o consumidor um produto ou serviço cuja qualidade responda as suas necessidades, desejos e expectativas. Pois bem, para que a empresa funcione satisfatoriamente é preciso que todos os setores estejam sintonizados com este objetivo principal, com a própria razão de ser da empresa (BEKIN, 1995, p. 21). Dificilmente haverá esta sintonia se não houver comunicação e informação. A afirmação de Bekin (1995), apesar de ser direcionada às empresas, cabe a qualquer tipo de organização. Para que a organização responda aos desejos e expectativas de seus públicos, precisa conhecer e interagir com o ambiente em que se situa. O simples fato de

16 16 estar inserida em um ambiente faz com que a organização emita e/ou receba informações do mesmo. O que acontece no ambiente a afeta profundamente, principalmente hoje, momento que a globalização derrubou muros e transformou o mundo em uma grande nação. Conhecer seus ambientes, interno e externo, possibilita à organização definir estratégias de atuação nestes ambientes, o que a torna mais competitiva. Borges (1995, p.187) afirma que a competitividade é diretamente proporcional à capacidade da organização de obter informação, processá-la e disponibilizála de forma rápida e segura. Nestes ambientes, a presença concreta da organização se manifesta ao mesmo tempo como emissora e receptora de informações, como canal de um ou vários fluxos de comunicação, como uma mensagem em si mesma, pelo simples fato da sua presença ser percebida e interpretada por um ou vários dos públicos da empresa (SCHULER, p ) No ambiente interno das organizações ocorrem processos de comunicação por meio de diferentes canais de comunicação. A escolha dos canais que serão utilizados para transmitir a mensagem aos públicos internos dependerá do objetivo que se pretende atingir, do tipo de mensagem, da verba disponível e da cultura organizacional. Em toda e qualquer organização existem as informações provenientes do processamento de dados advindos dos fatos do seu cotidiano, ou seja, existe a informação organizacional. Ainda que esta informação não seja gerenciada e utilizada como vantagem competitiva, ela está presente nas organizações. Esta pesquisa visa descrever o processo de comunicação da informação organizacional por meio do canal de comunicação tevê corporativa. Por ser um assunto ainda pouco explorado no âmbito da Ciência da Informação, optou-se por um estudo de caso. A instituição que apresentou

17 17 todos os quesitos exigidos para o estudo de caso foi o Banco Central do Brasil, uma autarquia especial federal com nove sucursais espalhadas pelo Brasil, preocupada com a comunicação interna e que utiliza a tevê corporativa para transmitir informações organizacionais aos seus funcionários. Assim, pretende-se com esta pesquisa fornecer subsídios para a melhor compreensão dos processos de comunicação realizados para transmitir informações organizacionais utilizando a tevê corporativa. A presente dissertação está estruturada em nove capítulos, sendo o primeiro deles reservado a esta introdução. No segundo capítulo será apresentada a relação entre promoção e comunicação, serão definidas a comunicação e a informação, explicada a relação intrínseca entre informação e comunicação e apresentada a importância de se considerar a informação como o recurso nas organizações atuais. No terceiro capítulo será exposta a importância da comunicação para as organizações neste mundo globalizado, apresentado um relato histórico sobre a evolução da comunicação organizacional no Brasil e definida e explicada a comunicação organizacional. Dentro da comunicação organizacional, esta pesquisa focalizará a comunicação interna. Neste capítulo serão apresentados os objetivos e os pré-requisitos para trabalhar a comunicação interna nas organizações. O quarto capítulo destina-se a explicar cada um dos nove elementos do processo de comunicação (emissor, mensagem, canal, codificação, receptor, decodificação, resposta, retroalimentação, ruídos). Uma abordagem mais específica foi elaborada para a tevê corporativa, canal de comunicação estudado nesta pesquisa. O quinto parágrafo é destinado a exposição do problema de pesquisa e da justificativa para a realização da mesma. No sexto capítulo serão apresentados o objetivo geral e os específicos desta pesquisa.

18 18 A descrição dos aspectos metodológicos ocorrerá no sétimo capítulo. Inclui a apresentação da caracterização da pesquisa, a descrição do universo da pesquisa, do tamanho da amostra, dos procedimentos e instrumentos de coleta de dados, bem como descrição das variáveis de pesquisa, relacionam-se estas variáveis com os objetivos específicos e definem-se os termos utilizados. No oitavo capítulo são analisados os dados coletados nesta pesquisa. Descreve-se a tevê corporativa do Banco Central, a TV BACEN, assim como todos os elementos do processo de comunicação da informação organizacional que ocorre no Banco Central por meio da TV BACEN. Neste capítulo são cruzados os dados coletados por meio de entrevista, questionário e análise documental. Por fim, no nono capítulo, apresentam-se as conclusões extraídas da presente pesquisa e algumas recomendações de estudo. Como este estudo não tem a pretensão de esgotar as discussões a respeito dos processos de comunicação que ocorrem nas organizações a fim de transmitir informações organizacionais, espera-se que as proposições aqui presentes ensejam a realização de novas pesquisas.

19 19 2 A COMUNICAÇÃO/ PROMOÇÃO e a INFORMAÇÃO. 2.1 Comunicação e promoção Existe uma estreita relação entre comunicação e promoção. Segundo Kotler & Roberto apud Amaral (2001, p. 24) a promoção depende muitíssimo da qualidade da comunicação interpessoal, da interação e do serviço prestado. A comunicação pessoal está impregnada de todas as facetas da promoção e da adoção de produtos sociais. Amaral (1998) fez uma revisão de literatura até 1995 sobre promoção em unidades de informação. Citou autores clássicos sobre marketing em unidades de informação, entre os quais vários abordavam o tema promoção. Dentre eles estão Wood & Young (1988), Cronin (1981), Krieg-Sigman (1995) e Weingand (1987). Nesta pesquisa, para a definição de promoção, foram analisados outros estudos escritos antes do ano de 1995, não citados por AMARAL (1998), tais como Edsall (1980), Mobrice (1990), Pantry (1995) e Silveira (1993). Após análise das abordagens destes autores pode-se definir promoção como uma forma especial de comunicação, que se utiliza de atividades promocionais tais como, publicidade e propaganda, relações públicas, merchandising, promoção de vendas, venda pessoal, incentivos e atmosfera, para promover o produto e/ou serviço. Amaral (2001) afirma que os autores fazem considerações diferenciadas sobre as atividades promocionais. Reunindo todas essas considerações, a autora (AMARAL, 2001) assegura que publicidade e propaganda, relações públicas, merchandising, promoção de vendas, venda pessoal, incentivo e atmosfera são atividades promocionais que podem ser aplicadas em unidades de informação.

20 20 Krieg-Sigman (1995, p ), afirma que toda promoção é comunicação, mas nem toda comunicação é promoção. Por exemplo, ao elaborar um cartaz o objetivo é promover uma mensagem, ou seja, além de comunicar, promove-se. Em uma repartição pública, onde duas ou mais pessoas conversam, mensagens estão sendo comunicadas, mas não necessariamente promovidas. Para Krieg-Sigman (1995, p ) promoção é comunicação enquanto atitude. Kotler & Armstrong (1993, p. 288) reforçam a afirmação de Krieg-Sigman (1995) ao assegurarem que o marketing moderno exige mais do que desenvolver bons produtos, colocá-los à disposição dos consumidoresalvo e definir preços atrativos. Além disso, as empresas precisam comunicar-se com os clientes e se preocuparem com o que será comunicado. Segundo Kotler & Armstrong (1993, p. 288), o programa total de comunicação de marketing de uma empresa, o chamado mix de promoção, consiste na combinação específica de propaganda, promoção de vendas, relações públicas e venda pessoal que a empresa utiliza para perseguir seus objetivos de propaganda e marketing. Sarkaya (1999), Amaral (1998), Krieg-Sigman (1995) e Edsall (1980) apóiam o planejamento da promoção. A promoção não pode se resumir à impressão de cartaz ou à distribuição de um folder. Uma ação promocional deve ser sistematizada e cumulativa, por isso uma ação isolada gerará poucos resultados. Planejando a promoção será possível estabelecer cronogramas de ações, otimizar verbas e, sobretudo, elaborar ações que resultem em soluções e benefícios concretos. Para Krieg-Sigman (1995, p. 418), a efetiva promoção depende de informações prévias. São elas: Por que promover? O que pode ser promovido? Quanto de promoção/ comunicação precisa ser feito?

21 21 Qual o melhor caminho para promover/comunicar? Quais são algumas das armadilhas potenciais? A efetiva promoção depende de informações prévias. Toda promoção é comunicação. As afirmações de Krieg-Sigman (1995) deixam clara a interrelação entre promoção, comunicação e informação. 2.2 A comunicação: definição e sua relação com a informação. A sociedade não continua a existir pela transmissão, pela comunicação, como também se pode perfeitamente dizer que ela é a transmissão e comunicação (Dewey apud CARVALHO & ROBERTO, 1993, p. 4). O homem é um ser naturalmente social por isso, onde existem duas ou mais pessoas, existe comunicação. A história da comunicação é inerente à história da humanidade. A história da comunicação iniciou-se no momento em que os integrantes de um grupo primitivo começaram a se entender por gestos e gritos indicativos de objetos, intenções e sentimentos. Depois surgiu a linguagem e, com o passar do tempo, a palavra, que não se limita a indicar um determinado objeto, mas sim todos os objetos de uma mesma espécie (fruta, peixe, árvore...). O passo inicial de um itinerário impressionante foi o aparecimento da fala, que permitiu a eficiente transmissão de conhecimento de uma pessoa para outra (COSTELLA, 2001, 13-14). Segundo Miller apud Thayer (1972, p. 35) comunicação pode ser considerada como um processo dinâmico subjacente à existência, ao crescimento, à modificação e o comportamento de todos os sistemas vivos indivíduo ou organização. E pode ser compreendida como função indispensável de pessoas e organizações, através da qual a organização ou o organismo se relaciona

22 22 com o meio ambiente, com os outros e com suas próprias partes, mediante processos internos. Thayer (1972, p.35) reforça a importância da comunicação para a existência humana ao compará-la com um alimento ou combustível que movimenta a maquinaria física e psicológica do homem. Mais do que isso, a comunicação é processo vital através do qual indivíduos e organizações se relacionam uns com os outros, influenciando-se mùtuamente (sic) (THAYER, 1972, p.35). O sistema de comunicação viabiliza e permite a sobrevivência do sistema organizacional. Este é constituído de elementos que são interdependentes e por serem interdependentes, informam e são informados ininterruptamente. Se não há comunicação, a organização entra em um processo de entropia até sua falência. É o que Kunsch (1986, p. 29) chama de imprescindibilidade da comunicação para a organização social. A própria definição de comunicação demonstra a relação extrínseca entre comunicação e informação. Após análise das definições apresentadas por Chiavenato (1997, p. 100), Alarcon (1994, p.19 ), Sartini (1980, p. 17)e Thayer (1972, p. 31) pode-se definir comunicação como o processo social básico de interação entre partes, onde o pensamento é transmitido por qualquer canal, o fluxo de informação é permanente e intercambiável em diversas situações sociais e a informação é compreendida por quem a recebe. Em muitas situações a informação é transmitida, porém não é compreendida. Segundo Barreto (2002, p. 53) o compreender é individualizado e está relacionado às competências específicas do sujeito, que compreende seu contexto informacional, a sua convivência institucional no presente e as suas perspectivas para o futuro. Se o compreender está relacionado às competências específicas do indivíduo, a comunicação, para que seja efetiva, necessita ser direcionada, ou seja, as informações que serão transmitidas precisam ter relação com os interesses do indivíduo que a receberá. Caso

23 23 contrário as informações serão dispersas e sem valor. Sem a compreensão não é possível haver comunicação. Thayer (1972, p. 33), ao afirmar que a comunicação é uma função contínua, faz uma observação importante em relação às definições de comunicação. O autor afirma que o conceito de comunicação como alguma coisa que liga e desliga é muito falho, pois na verdade não se pode parar de comunicar ou de receber comunicação, do mesmo modo como não se pode parar de respirar e continuar a viver. Não é, também, uma tarefa ocasional que o ser humano escolhe. Percebe-se que a comunicação envolve uma riquíssima matriz de significados: troca, transmissão, fluxo, interação e ligação. É por meio da comunicação que ocorrem as trocas, as transmissões, os fluxos de informação, as interações e as ligações entre os indivíduos. Nenhum dos elementos desta matriz ocorre sem a presença da informação. Sendo assim, pode-se afirmar que não há comunicação sem informação. Segundo Santaella (1996, p. 31), em qualquer situação em que uma informação seja transmitida de um emissor para um receptor tem-se aí um ato de comunicação, não havendo, portanto, comunicação sem informação. A interdependência da comunicação e da informação é tão forte que há quem defina comunicação como um processo de passar informação e compreensão de uma pessoa para outra (DAVIS, 1967, p.317). A comunicação é o processo, o mecanismo, a ação e a informação é a matéria, o produto que será comunicado. É papel da comunicação transmitir informação (LÊ COADIC, 1996, p. 13, 33). Thayer (1972, p. 47) separou em quatro os níveis de análise dos problemas na área de comunicação. Segundo o autor, é possível analisar os problemas de

24 24 comunicação, que ocorrem entre o indivíduo e si mesmo (nível intrapessoal); entre indivíduo e indivíduo estudando como se afetam e se intercomunicam, (nível interpessoal); nas redes de sistemas de dados, que ligam os membros de uma organização (nível organizacional) e na tecnologia da comunicação (nível tecnológico). Processos comunicativos ocorrem em todos os níveis de análise, mesmo no nível intrapessoal, e em todos eles a informação é insumo básico. No nível organizacional, que se preocupa com a ligação dos membros de uma organização, a informação é fator inerente à integração. No nível tecnológico, cuja preocupação é com equipamentos que geram, armazenam, processam, traduzem, distribuem ou exibem dados, é preciso que esses dados tenham sentido ao usuário para serem transformados em informação. De acordo com Mac Bride apud Alarcon (1994, p. 30) e Bordenave (1983, p ), a comunicação tem função informativa, de socialização, de identidade, de relacionamento, de motivação, de expressão, de educação, de promoção e de integração. É necessária à natureza humana a interação, o relacionamento, o vínculo, a auto-afirmação e a informação, ou seja, tratar e difundir as notícias, dados, opiniões, comentários e mensagens para o entendimento de situações individuais. A função de informar só é exercida se houver informação. A comunicação não ocorrerá a menos que alguém adquira e consuma alguma informação a respeito de si mesmo e do seu meio ambiente. A informação é, pois, básica para tôdas as outras funções aplicadas da comunicação (THAYER, 1972, p. 207). Logo, o que é comunicado é a informação, simples ou complexa, em nível das relações humanas ou sociais, ou, inclusive em nível biológico (PIGNATARI, 1968, p. 17).

25 A informação: definição e sua importância para as organizações. A informação é para o cérebro o que o alimento é para o corpo (...) o fluxo da informação e a transformação do conhecimento (informação) em resultados práticos é a chave para o progresso (Klintoe apud RODRIGUES, 1995, p.20). A consideração da informação, como capital precioso para as organizações, é fruto da transformação histórica da sociedade e conseqüentemente das organizações. Os paradigmas mudaram. A economia, que antes era nacional, hoje é mundial e extremamente dependente de relações externas. A sociedade que era industrial, hoje é da informação. A era industrial tinha como princípio fundamental, a associação de terra, trabalho e capital como forma de criar riqueza. Na sociedade do conhecimento, a informação, gerando ação (conhecimento), constitui o mais importante - recurso de agregação de valor. Sua versatilidade permite atender às necessidades do consumidor de forma muito mais satisfatória. O conhecimento revoluciona o processo de produção, uma vez que ele torna economicamente viável a individualização e diversificação de produtos. A evolução do tempo exige cada vez mais regras e conhecimentos específicos. A inovação, que consiste em trabalho árduo e sistemático de análise periódica dos produtos, serviços, tecnologia, mercado e canais de distribuição, é o que determinará a sobrevivência das organizações (BORGES, 1995). A vida humana está condicionada de tal maneira à informação, que esta pode ser considerada como necessidade primária. Cornelsen (1999, p.9) afirma que a informação não é um tema recente. Ela sempre existiu e é inerente ao homem. O autor ainda assegura que o homem que possui mais informação tem mais armas para sobreviver e para adaptar-se ao meio que habita (CORNELSEN, 1999,p.9).

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

O PROJETO DE PESQUISA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O PROJETO DE PESQUISA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Escolher um tema de pesquisa Por onde começar? Ler para aprender Estrutura do Projeto de Pesquisa A Definição

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais