Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas. I - Relevância económica e política de um cidadão de Lisboa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas. I - Relevância económica e política de um cidadão de Lisboa."

Transcrição

1 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas Comunicação apresentada na Academia de Marinha pelo Membro Efectivo Aurélio de Araújo Oliveira, em 7 de Fevereiro de 2012 Síntese (NB: Não respeitamos aqui a recente ordenhaçom ortográfica). I - Relevância económica e política de um cidadão de Lisboa. 1. São muito parcos os dados documentais que possuímos sobre esta tão importante figura ligada aos descobrimentos. Teve o destino de muitos outros que viram o seu nome esquecido, porventura, apagado nas crónicas oficiais sobretudo depois dos concertos ordenados quer por Afonso V, quer depois, mais largamente, por D. Manuel. 2. Ignoramos, assim, as datas do nascimento e morte e muitos outros passos importantes desta figura, para além daqueles que constam em João de Barros que nos sumariou o contrato que fez com Afonso V em Generoso, alías, poi o diz cidadão honrado de Lisboa, enquanto que Pina, se limita a dizê-lo cidadão de Lisboa (Muito pouco. E ambos deveriam ter sabido da enorme relevância deste homem).teremos que buscar outras fontes. 3. É um homem do mar que bem possivelmente terá tido já contacto com o Regente D. Pedro. Não seria a um novato (ainda que jovem) que se tornaria Homem do Tesouro e a quem se entregariam todos os regates da Guiné como se verificou, em Por isso, desde antes, mas particularmente a partir daí andou cada vez mais envolvido nos tratos do mar (negócios das ilhas e costas de Árica), como em acções políticas e militares - conquistas Alcácer, Arzila e Tanger V-1

2 (sempre ao lado do Príncipe e - claro - de Afonso V). Particularmente importante (do meu ponto de vista), a presença na conquista e Anafé - um ninho de pirataria que, nas imediações, muito incomodava os tratos e empecilhava os caminhos do Atlântico. Passo estratégico no qual directamente se empenhou. Envolveu-se em significativos apoios financeiros à Coroa; envolveu-se nos tratos com o eixo da Flandres e depois no do Mediterrâneo. Tomou a iniciativa de propor ao monarca o arrendamento de Já antes, porém, tinha obtido toda a liberdade para ir às partes de Africa onde quisesse e com quaisquer mercadorias que entendesse. 5. Tomou o tão falado arrendamento em 1469 que, por demasiado conhecido, passamos. Não, porém, sem referir um aspecto que não tenho visto sublinhado ou devidamente sublinhado e que, do ponto de vista estratégico é importante iniciando uma estratégia de posse pela sinalização dos lugares atingidos com a colocação de Padrões, que ao tempo de Fernão Gomes, pelos vistos, eram de madeira (possivelmente troncos bem resistentes). Mandaria, depois o monarca (ou o Príncipe?), que daí (1474) para futuro fossem de pedra. Numa altura em que os estrangeiros estavam tentando meter-se nesses mares (e até alguns nacionais (Vide nosso Diogo Gomes de Lagos), esta sinalização de posse para Portugal era de facto, importante. 6. Já desde 1469, mas sobretudo desde 1471 quando tomou também a concessão do circuito de Arguim - a mais importante feitoria na costa de África até à construção da de S. Jorge da Mina - se tornou Fernão Gomes num verdeio potentado territorial-marítimo de que não há conhecimento semelhante na História de Portugal nem na Europa do tempo. Uma dimensão geográfica impressionante e, logo, económica também. Um verdadeiro senhor do Atlântico! 7. Permitia-me sublinhar também - porque também não o tenho visto referido como tal - o seu decisivo papel na reserva e preservação dos espaços marítimos portugueses. Na verdade, e contrariando as iniciativas e pretensões de não-nacionais, na pessoa de António de Nola, a quem Afonso V (temerariamente - segundo Cortesão) concedeu a donataria das ilhas de Cabo Verde), Fernão Gomes veio a envolver-se em grave conflito com o italiano. Na verdade, um verdeiro conluio espano-genovês, impedindolhe(s) circunscrevendo-lhe(s) a presença no estrito espaço que lhe(s) havia sido concedido. Vedar-lhe(s)-ia a pretensão de se alargarem a outros como 2

3 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas estava(m) tentando. Ao que parece um conflito com aspectos de algua violência. Importa sublinhar este aspecto. É certo que defendia interesses próprios, mas Fernão Gomes tinha um contrato a tempo certo que largaria de mão brevemente - daí a um ano (estamos em 1472). A preservação para além desse tempo, a favor da Coroa e do Príncipe (que a partir das alfândegas de Lisboa, recebidas em 1471, já superintendia aos negócios do mar e do Atlântico. Na verdade, o envolvimento numa acção estratégica de futuro, não para si, mas para a Coroa de Portugal. A sua acção foi definitiva: Circunscreveu, limitou di Nola e os que com ele estavam). Este, pouco depois passar-se-ia para Castela a quando dos conflitos marítimos que chegaram até esses espaços. Uma atitude de verdadeira desforra. Mais: do ponto de vista jurisdicional é um acontecimento deveras importante. Fernão Gomes em 1472 (fim do litígio que levou a melhor), ficou com toda a jurisdição nesses mares: presas e embarcações por aí encontradas, passavam à posse e à mercê do destino que pessoalmente entendesse darlhes. 8. Outro dos aspectos que apraz sublinhar, é que Fernão Gomes acabou por tomar em mãos praticamente toda a construção naval em Lisboa. Logo de seguida a 1469, arrenda tarecenas ao Monarca e torna-se também o controlador do Paço da Madeira Escrivão do Paço da Madeira - que certamente exerceria por interposta pessoa, mas de que ele era o titular). Tudo lugares chave. Ainda com D. Manuel nos inícios do Século XVI alarga ou tenta alargar estas oficinas de construção naval solicitando novos arrendamentos contra o que então se opõe a nobreza a governança 9. Este homem acabaria feito cavaleiro pela sua participação, com armas e com dinheiro, logo nos campos de África, conselheiro régio desde Afonso V a D. João II e ainda com D. Manuel e homem da nobreza do Reino. Se não de sangue, ao menos de dinheiro: E já lá dizia por esses tempos, ou pouco depois, o trovador que o dinheiro é fidalgo e que, o sangue, todo é vermelho! II. Ficou-nos retrato de Fernão Gomes? 1. Eis uma questão, lateral nesta nossa intervenção, embora reconheça que se possa vir a tornar a mais polémica. V-3

4 Terá ficado algum retrato deste homem, para além de duas pinceladas das crónicas e um ou outro documento disperso? Cremos, seguramente, que sim. Ora, é o retrato desse homem, sem dúvida notável, que hoje, no contexto em que falamos do Mercador e Conselheiro de Monarcas, ousamos deixar à V. consideração. Não é que o encontro de mais um retrato, de per si, represente algo de excepcional, ainda que seja mais uma figura saída do fundo dos Séculos que se nos perfila, quase em carne e osso - como são todas aquelas outras dessa espantosa galeria e vivo mostruário saídos das mãos de Nuno Gonçalves. (E sobre o extraordinário mérito do pintor e da obra nada mais se poderá acrescentar ao que os peritos já disseram, nacionais e estrangeiros. Calar-nos-emos, por isso, aqui). A relevância, segundo creio e passando a modéstia que não me permite ir além de a deixar como hipótese - ainda que bem segura segundo vejo - advém do facto de, em primeiro lugar, ser possível identificar mais uma das figuras do célebre Tríptico dos Descobrimentos contribuindo para ajudar a completar (ou complicar?) a iconografia dos mesmos. Em segundo lugar, por vir dar um contributo para a data mais provável e possível da feitura dos mesmos (embora ande a datação envolvida em grandes polémicas e técnicas muito recentes a tenham já encontrado (ainda que sumida) numa das biqueiras da botas de um figurado). Pelos elementos que vão ficar á disposição dos ouvintes aqui presentes (e amanhã) de quem nos l ler, quase com certeza, o ano de 1475/1476. Nunca antes, pois não nos parece muito credível que essa notável peça do Tríptico tenha sido encomendada, realizada e concluída, toda ela, ainda no decurso de De qualquer modo, teria que ter sido forçosamente começada depois de 29 Agosto desse ano de 1474 a data em que Fernão Gomes recebeu o Grande Colar de Ouro, de condecoração. 2. Muito se tem escrito sobre os Painéis de Nuno Gonçalves. Já lá vão carradas de tinta. Assim, na possível identificação das figuras como a própria datação e significado, etc. Quanto às figuras, umas de identificação assente, mas outras de identificação incerta, bem problemática, outras de mera suposição, etc. etc. (Dispensámo-nos, por isso, de fazer aqui largo aparato referencial sobre cada uma destas teses e doutas questões. Não é esse o objectivo da nossa intervenção. Obras de mérito, sem dúvida. A mais demolidora, quanto a datas (e logo quanto ao conteúdo), uma das que mais recentemente apareceu (ainda que a idade do suporte possa pouco ou nada ter a ver com a data da realização da pintura). Também não pretendemos 4

5 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas mover nem demover ninguém. Aqui, tão só, dar a ler e, da nossa parte, depois da leitura e do que acima dissemos, retirar as ilações. 3. Não temos grande dúvida que uma das figuras retrata Fernão Gomes da Mina - o maior personagem do Reino a quem todo o reino e o próprio rei reverenciavam. Bem sei que alguns peritos atribuíram já este retrato a outras figuras (da nobreza, muito menores, para não dizer irrelevantes, sem qualquer dúvida, em relação ao Fernão Gomes). E se o Tríptico representa as gentes e a gesta do mar quem, com mais créditos se lhe poderia avantajar? Foi a personagem que o Monarca mais apreciava entre todas e a quem, por sua vez, todo o Reino mais prezava e respeitava. Além disso, estamos nos tempos em que a figura e papel de D. João, é já decisiva. Um Príncipe (depois e monarca) em tudo muito mais afeiçoado à burguesia que à nobreza. Mas deixemos este argumento que pode ser menor. 4. Baseamo-nos para uma e outra das propostas na efectiva relevância deste personagem nos meios económicos, sociais, políticos e marítimos da capital e do Reino mas, sobretudo, na descrição e no testemunho documentais que nos ficaram, ainda que breves e sucintos: um, do punho de João de Barros, que cremos todos terem passado em branco - quanto a este assunto; outro, na relevância, também nunca atendida, dada e testemunhada na prosa do Cancioneiro Geral acerca de Fernão Gomes, - que se tornou, na figura mais importante de todo o Reino após a "descoberta da Mina do Ouro"! Dois documentos escritos, (apesar de impressos há muito, muito tempo, conjugando um testemunho que me parece, difícil de ultrapassar (para além da lógica representativa, evocativa e apologética das gentes do mar, que os Painéis, sem dúvida, consagram e representam). Ora, a apoteose das descobertas e o sucesso da Gesta do Mar, deu-se, nesse tempo, com a integração do Golfo. Precisamente um feito recente - espantoso pela rapidez com que acabava de se verificar; de extraordinária relevância económica - como acabava de se comprovar. Tudo isso se representava, incarnava e personalizava em Fernão Gomes cabeça dos homens que o conseguiram. (NB: Creio que ninguém apontou lá o Infante D. Pedro, mas isso parece também óbvio nesta altura, mas deveria estar em 1445 ou entre uma das datas a que alguns atribuem à Obra! Como arriscaria um pintor da Corte (nessa data ou nessas datas, deixar de lado o Regente, tão respeitado e louvado das gentes do mar (para além de algumas capas da aristocracia nobiliárquica). Isto é, tão só, a primeira figura do Reino? Esse notável Regente responsável por toda a política metropolitana e ultramarina nacional e um dos mais ilustrados príncipes da Europa de então? V-5

6 5. Poderiam alguns usar colares ao pescoço. Aliás, alguns, depois, tilintam, às vezes, aqui e ali, ajudando a ritmar e a musicar algumas das estrofes do Cancioneiro. Mas esta moda e esta ostentação, tinha começado antes. E todos quiseram depois imitar o Fernão da Mina! Todos esses blazonadores, porém, teriam que os adquirir por si próprios. Nenhum, como a Fernão Gomes, que lhe tivesse sido posto e ao que as palavras de Barros directamente mostram oferecido pelo Rei que lho pôs ao colo, isto é, ao peito. Uma autêntica condecoração e reconhecimento públicos do Monarca, da Coroa e do Reino! Por isso se diz na prosa do Cancioneiro que o Monarca não permite, ou antes, que "despreza qualquer outro bailador". E logo com D. João II mesmo quando Príncipe!. Não era qualquer um que bailava com o monarca ou com o seu filho que, desde 1471 ou 1474 tinha nas mãos todo o negócio dos mares. Um Príncipe depois um Monarca que segundo Resende só com o seu olhar corrigia tudo e todos! Não era qualquer um que - perante o monarca (fosse Afonso V, fosse, sobretudo, D. João) se apresentasse e se perfilasse como merecedor e digno de toda a honra e mercê que lhe fosse feita. 6. Havemos de reparar também que Fernão Gomes se passeava, isto é, se ostentava nas ruas de Lisboa rodeado e uma verdadeira corte, carregado de ouro, com aparato de príncipe! (NB. Nestas estrofes do Cancioneiro -que vão abaixo observe-se também a sua permanente e íntima ligaçãoassociação ao Príncipe. Os povos, ao que parece, distinguiam já muito bem por mãos de quem corriam as coisas do mar e não só). 7. Tão eminente personagem, respeitando, embora, hierarquias que os tempos assim o exigiam - nunca deixaria de ser "tratada" por Nuno Gonçalves - um contemporâneo atento, um homem do Renascimento ainda, por cima, numa galeria cuja temática se reporta, por inteiro, à Gesta das Descobertas e do trato marítimo, que tão largas cobiças despertava já na Europa do tempo e, gora, rematadas com a espectacular integração da Mina do Ouro. Um raro testemunho pictórico como querendo fixar os homens que fariam e permitiriam o sucesso de Gama e a fortuna do Venturoso! O tempo em que aparece é, por isso, outro dos argumentos documentais que acrescenta também verossimilhança à hipótese aqui deixada. Em 1475/1476 consagrase o espanto e o espectáculo do ouro.. 8. Ao lado da pintoresca, mas sugestiva descrição do Fernam Gomez da Myna, "apanhado" nas ruas de Lisboa pelo bardos e "retratistas" do 6

7 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas Cancioneiro o que, sem dúvida, capta o inusitado do aparato e a ousadia da ostentação sem que ninguém o ousasse beliscar fica agora, daqui em diante, a imagem e a fisionomia do Mercador, do Cavaleiro nobilitado e do Conselheiro Régio tirada ao natural por Nuno Gonçalves. Fiquem, para a História e para a História da Arte, a verdadeira condecoração que o monarca lhe lançou ao pescoço e lhe pôs no peito. Verificar-se-á que é, essa figura, entre todas, a única que ostenta o aparatoso cordão de ouro ao peito, sobre as vestes, bem visível. (Aliás, também a fisionomia de um homem de sessenta de tantos anos que tantos teria Fernão Gomes por esta altura). Penso que, para a sua a sua legenda, podem ficar as estrofes directas do Cancioneiro de Resende e a tão breve passagem de Barros: "Se m a mym nã mente Ayxa, se me Conba nam enguana, sey bailar melhor mangana que dançar alta nem baixa. O Rey guaba e despreza qualquer outro bailador, ysto provarey à Alteza do Prinçepe nosso Senhor. Ando por ruas a pee, meus brozeguys com recramos, criados, compadres, amos, tudo casta de Guynee. Todo Portugual me preza, porque fuy descobridor da Mina de Su Alteza, do Prinçepe nosso Senhor". (Garcia de Resende, Cancioneiro Geral. Centro de Estudos Românicos. I. A. C. Coimbra II. 126). Por último, fique o testemunho, as palavras tão breves (mas preciosas) de João de Barros, em texto muito lido e utilizado por todos nós, ainda que não, com este fim. V-7

8 A primeira parte reporta-se aos contractos e serviços (por isso aqui a omitimos); a última, à merecida recompensa que documenta e sustenta a hipótese para uma outra leitura, de uma figuras dos trípticos de Nuno Gonçalves:. E porque descobrio o resgate do ouro da Mina, foy dado a Fernam Gomes apellido da Mina com ármas desta nobreza"./ porque depois este Soeiro Dacósta descobrio o rio a que óra chamámos o de Soeiro, que está entre o cábo das palmas e as tres pontas, vezinho a cása de Axem onde se faz a feitoria do resgáte do ouro.(vide alusão directa na estrofe supra) O qual contracto foy feito no anno de quatro centos e sessenta e noue... Peró depois ouue o mesmo Fernam Gomez do principe este resgate de Arguim por certos annos, /...E foy Frernam Gomez tam diligente e ditóso em este descobrimento e resgáte delle, que lógo no janeiro de quatrocentos e setenta e hû, descobrio o resgáte do ouro onde óra chamámos a Mina... e nam sómente descobrio Fernam Gomez este resgáte do ouro, mas chegarã os seus descobridores pela obrigação do seu contracto té o cábo de Sancta Catherina: que é alem do cábo de Lopo Gonçaluez trinta e séte léguoas.. No qual tempo ganhou Fernam Gómez muy grossa fazenda, com que depois seruio el rey: assy em Cépta como na tomáda de Alcacer, Arzila e Tangere, onde el rey o fez caualeiro. E no anno de quátro centos e setenta e quatro, que foy o derradeyro de seu arrendamento lhe deu nobreza de nouas ármas, hû escudo timbrádo com o campo de práta e tres cabeças de negros, cada hû com tres aries douro nas orelhas e narizes, e hû collar de ouro ao collo, e por apellido da Mina, em memória do descobrimento della, e disso lhe passou cárta a uinte e nóue dagosto do dito anno. Depois passádos quatro annos o fez do seu conselho: porque já neste tempo éra o commercio de Guine e resgáte da Mina de tanto proueito, e ajudáua tanto em substancia ao estádo do reyno, polo boa jndustria de Fernam Gómez, que assy por este seruiço como por outros particuláres de sua pesóa merecia toda a honra e merce que lhe fose feyta". (João de Barros, Ásia. Primeira Década. Imprensa Nacional Casa da Moeda. Edição Fac-Símile. Lisboa Sublinhados, nossos). 8

9 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas V-9

10 10

11 Fernão Gomes da Mina Mercador e Conselheiro de Monarcas V-11

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA FAMÍLIA GOYOS Por Durval de Noronha Goyos Jr. O Instituto Português de Heráldica e a Universidade Lusíada de Lisboa reeditaram o Livro de linhagens de Portugal, em 2014, numa

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA

BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA BREVE HISTÓRIA DO PAPEL MOEDA A nível mundial, o primeiro papel moeda surgiu na China, no séc. VII, na dinastia Tang, para facilitar aos comerciantes o transporte de grandes quantidades de moeda de metal,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

As descobertas do século XV

As descobertas do século XV As descobertas do século XV Expansãomarítima: Alargamento do espaço português procurando terras noutros continentes através do mar; O acontecimento que marca o início da expansão portuguesaéaconquistadeceutaem1415;

Leia mais

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ

OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ OS DESCOBRIMENTOS E A COLONIZAÇÃO DA GUINÉ A Guiné-Bissau de hoje fez parte das terras africanas com uma fundamental importância na empresa dos Descobrimentos que Portugal empreendeu, a partir do Século

Leia mais

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO

ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO Bandeira Nacional ANTECEDENTES E EVOLUÇÃO 5 D. Afonso Henriques (1143-1185) Segundo a tradição, durante as primeiras lutas pela Independência de Portugal, D. Afonso Henriques teria usado um escudo branco

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER A Senhora Conservadora do Registo Civil de formula a questão de saber qual o procedimento

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

INFANTE D. HENRIQUE VISTO ATRAVÉS DA FILATELIA

INFANTE D. HENRIQUE VISTO ATRAVÉS DA FILATELIA INFANTE D. HENRIQUE VISTO ATRAVÉS DA FILATELIA O Infante D. Henrique, (fig. 1 Selo da Emissão de 1960 5º Centenário da Morte D. Henrique - Retrato do tirado dos painéis de Nuno Gonçalves, Século XVI),

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA

MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA MISSÕES - A ESTRATÉGIA DE CRISTO PARA A SUA IGREJA 1 40 dias vivendo para Jesus 12/05/2013 At 1 4 Um dia, quando estava com os apóstolos, Jesus deu esta ordem: Fiquem em Jerusalém e esperem até que o Pai

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

O Foral e a Organização Municipal Torriense

O Foral e a Organização Municipal Torriense O Foral e a Organização Municipal Torriense Foral Medieval de Torres Vedras, 1250 In O Foral Medieval da vila de Torres Vedras: 15 de Agosto de 1250. VICENTE, António Balcão, [et al.] - O foral medieval

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Decida buscar o Senhor

Decida buscar o Senhor Decida buscar o Senhor Textos bíblicos: 2º Reis 22.8, 10-11; 23.1-3 e 24-25: 8. Então, disse o sumo sacerdote Hilquias ao escrivão Safã: Achei o Livro da Lei na Casa do Senhor. Hilquias entregou o livro

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL

NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL ISSN 0870-6735 CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA E CARTOGRAFIA ANTIGA SÉRIE SEPARATAS 231 NOTAS PARA A HISTORIA DOS PILOTOS EM PORTUGAL POR MARIA EMILIA MADEIRA SANTOS INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos?

Guião de Entrevista. 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? Guião de Entrevista 1- Para ti, quais foram as coisas que Portugal descobriu na época dos Descobrimentos? 2- Consideras os Descobrimentos portugueses um assunto importante? Porquê? 3- Na tua opinião, por

Leia mais

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE

TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Foral de Guimarães Tradução Aires Augusto do Nascimento Revista de Guimarães, n.º 106, 1996, pp. 35-41 TRADUÇÃO DO FORAL DO CONDE D. HENRIQUE Observação preliminar: A tradução do foral de Guimarães pretende

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos!

As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! As portas do nosso passado estão no Museu de Évora Visite-nos! O Museu de Évora, para além de oferecer as designadas «visitas clássicas» que criam pontes de contacto entre os diversos públicos que o visitam

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009

CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DE 06 DE JULHO DE 2009 PRESIDÊNCIA: DR. FRANCISCO RODRIGUES DE ARAÚJO VEREADORES PRESENTES: DR. JOÃO MANUEL DO AMARAL ESTEVES

Leia mais

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO

LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO LEONARDO CAETANO DE ARAÚJO O Conselheiro Leonardo Caetano de Araújo, nasceu em Parada de Gatim, Vila Verde (Braga), a 11 de Maio de 1818, quatro anos antes da independência do Brasil, e faleceu com 85

Leia mais

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht

BÉLGICA. As Feitorias Portuguesas na Flandres. Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia. Leuven * Maline * Aachen * Maastricht BÉLGICA As Feitorias Portuguesas na Flandres Bruxelas * Brugges * Ghant * Antuérpia Leuven * Maline * Aachen * Maastricht 5 Dias / 4 Noites 1º Dia LISBOA / BRUXELAS Comparência no Aeroporto da Portela

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio

Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio INTRODUÇÃO Como trazer um Business Angel para seu parceiro de negócio Actuando na maioria das vezes na fase inicial de um projecto, a aproximação e a negociação com os B.A assumem por vezes contornos que

Leia mais

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo.

JOÁS, O MENINO REI Lição 65. 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. JOÁS, O MENINO REI Lição 65 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos permanecer fiéis a Deus embora nossos amigos parem de segui-lo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 11; 2 Crônicas 24.1-24 (Base bíblica para a história

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

VÁRIA JUBILEU UNIVERSITÁRIO DO DOUTOR LUÍS FERRAND DE ALMEIDA

VÁRIA JUBILEU UNIVERSITÁRIO DO DOUTOR LUÍS FERRAND DE ALMEIDA Revista Portuguesa de História t. XXX (1995) VÁRIA JUBILEU UNIVERSITÁRIO DO DOUTOR LUÍS FERRAND DE ALMEIDA Fernando Taveira da Fonseca 1. O Prof. Doutor Luís Manuel Rocha Ferrand de Almeida jubilou-se

Leia mais

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista

Jean-Marc Caracci. Fotógrafo humanista Inspiração Fotógrafo humanista Jean-Marc Caracci Conheça este excepcional fotógrafo que percorre a Europa de ponta a ponta com a missão de registar o Homem em contacto com o seu meio envolvente. Jean-Marc

Leia mais

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva*

Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Notas sobre administração e a questão jurisdicional em Minas (1710 1750). Thiago Rodrigues da Silva* Pretendo, de forma sucinta, apontar práticas administrativas e especificidades regionais. O Antigo Regime

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA

PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA A. EURICO CARLOS ESTEVES LAGE CARDOSO PORTUGAL E OS DESCOBRIMENTOS NA MAXIMAFILIA EDIÇÃO DO AUTOR LISBOA 1998 ÍNDICE A - CAUSAS PARTICULARES DA EXPANSÃO MARÍTIMA.. 7 1. Situação Geográfica e Política do

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Tribunal de Contas ACÓRDÃO Nº 34 /2010-17 /DEZ. /2010 1ª SECÇÃO RECURSO ORDINÁRIO Nº 14/2010 PROCESSO Nº 187/2010 1ª SECÇÃO I.

Tribunal de Contas ACÓRDÃO Nº 34 /2010-17 /DEZ. /2010 1ª SECÇÃO RECURSO ORDINÁRIO Nº 14/2010 PROCESSO Nº 187/2010 1ª SECÇÃO I. ACÓRDÃO Nº 34 /2010-17 /DEZ. /2010 1ª SECÇÃO RECURSO ORDINÁRIO Nº 14/2010 PROCESSO Nº 187/2010 1ª SECÇÃO I. RELATÓRIO 1. O Município de Gondomar, inconformado com o teor do Acórdão nº 22/2010, de 08.06.,

Leia mais

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova.

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova. Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011 Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova Sumário 1. Quando o Tribunal estiver perante uma situação em que o arresto

Leia mais

MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos

MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos MANILA Uma disputa por negócios no extremo oriente para 3 a 5 jogadores acima de 10 anos Estamos em 1821 e há 250 anos as Ilhas Filipinas estão sob o controle da Coroa Espanhola. Entretanto, na verdade,

Leia mais

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica]

[fl. 1] Senhor, Despacho à esquerda: Como parece. Lisboa, 16 de novembro de 1689 [?] [rubrica] AHU, Alagoas Avulsos, Documento 2 (Versão Adaptada) 1 Documento 2 Consulta do Conselho Ultramarino ao rei D. Pedro II sobre o requerimento de D. Maria da Silveira, viúva de Francisco Álvares Camelo, em

Leia mais

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem

Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Ensaio sobre o Conceito de Paisagem Raphael Oliveira Site: http://oliraf.wordpress.com/ Venho, por este meio, deixar-vos um pequeno artigo sobre o conceito de Paisagem. Como sabem, a Paisagem é uma das

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Senhor Presidente e Senhores Juízes do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias, Senhores Juízes Conselheiros do Supremo Tribunal Administrativo,

Senhor Presidente e Senhores Juízes do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias, Senhores Juízes Conselheiros do Supremo Tribunal Administrativo, Intervenção do Presidente do Supremo Tribunal Administrativo Conselheiro Manuel Fernando dos Santos Serra por altura da visita de uma Delegação do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias Supremo

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

Visita ao Castelo de Silves

Visita ao Castelo de Silves Sábado, 5 outubro 2013 museu municipal de n.º 101 faro uma ponte para a comunidade m l a as fe s tó com rias Visita ao Castelo de Silves Olá amiguinhos! O Famílias com Estórias está de volta depois de

Leia mais

HERÁLDICA DAS INSTITUIÇÕES AUTÁRQUICAS

HERÁLDICA DAS INSTITUIÇÕES AUTÁRQUICAS HERÁLDICA DAS INSTITUIÇÕES AUTÁRQUICAS No âmbito da heráldica das instituições autárquicas do concelho de Grândola, há que referir os brasões e símbolos do Município e das freguesias de Azinheira de Barros

Leia mais

Sumário. Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18

Sumário. Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18 Sumário Nota prévia 13 Nota introdutória O homem e a história 15 A biografia género histórico 16 -Referências 18 Preâmbulo A memória de um destino singular 21 PARTE I 0 VENTUROSO Toledo, 29 de Abril de

Leia mais

Viagem à Costa Rica. foto-aventura

Viagem à Costa Rica. foto-aventura foto-aventura T E X TO E F O TO S : M AU R Í C I O M ATO S Viagem à Costa Rica Quando compramos um carro novo damos um passeio maior e dizemos que fomos fazer a rodagem. Ora, então quando se compra uma

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo

Processo n.º 184/2013. Sentença. I - O processo Processo n.º 184/2013 Demandante: A. Demandada: B. Sentença I - O processo 1. O Demandante solicitou a intervenção do Centro Nacional de Informação e Arbitragem de Conflitos de Consumo () no âmbito de

Leia mais

Finanças - O Mordomo Fiel

Finanças - O Mordomo Fiel Finanças - O Mordomo Fiel 1 Coríntios 4:2 Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros, é que cada um deles seja encontrado Fiel. A Bíblia apresenta mais de 2.350 versículos sobre dinheiro/riquezas,

Leia mais

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios. 18 Abril 2012. do Património Mundial ao. Património Local

Dia Internacional dos Monumentos e Sítios. 18 Abril 2012. do Património Mundial ao. Património Local Dia Internacional dos Monumentos e Sítios 18 Abril 2012 do Património Mundial ao Património Local Memória do Mundo O Registo Memória do Mundo da UNESCO está vocacionado para a identificação e preservação

Leia mais

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org Histórias Tradicionais Portuguesas Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO DE PINTO PINTÃO VAMOS CONHECER O LIVRO A CAPA A CONTRACAPA A LOMBADA Observa a capa do livro e responde: 1.Título 2. Nome da autora 3.

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015

ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015 1 ABERTURA DO ANO OPERACIONAL 19 DE NOVEMBRO 2015 Senhor Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Senhor Almirante Saldanha Lopes meu ilustre antecessor Senhor General Chefe da Casa Militar de Sua Exa.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no

Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no dia 14 de Maio de 2012 mas continuarão em funções até

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG

PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG PONTE MARIA PIA: UMA PONTE DE EIFFEL E DE SEYRIG Gustave Eiffel Théophile Seyrig José Manuel Lopes Cordeiro Universidade do Minho, Braga, Portugal jmlopes.cordeiro@gmail.com www.ocomboio.net - 2009 Aquando

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Onde bate hoje o coração da paz?

Onde bate hoje o coração da paz? Homilia de Ano Novo 2008 Onde bate hoje o coração da paz? António Marto Catedral de Leiria 1 de Janeiro de 2008 Paz do coração e paz civil: a bênção da paz Na porta de entrada deste novo ano de 2008, que

Leia mais

ROTAS ATLÂNTICAS, O CASO DA CARREIRA DE S.TOMÉ

ROTAS ATLÂNTICAS, O CASO DA CARREIRA DE S.TOMÉ CENTRO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA E DE CARTOGRAFIA ANTIGA SÉRIE SEPARATAS 226 ROTAS ATLÂNTICAS, O CASO DA CARREIRA DE S.TOMÉ POR MARIA EMÍLIA MADEIRA SANTOS INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA TROPICAL LISBOA.

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 18/A/ 2012. (Art.ºs 8.º e 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de abril 1 ) I - Enunciado -

RECOMENDAÇÃO N.º 18/A/ 2012. (Art.ºs 8.º e 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de abril 1 ) I - Enunciado - Exm.º Senhor Diretor Geral da Autoridade Tributária e Aduaneira R. da Prata, nº 10 2º 1149-027 LISBOA Vossa Refª Vossa Comunicação Nossa Referência Proc.º R- 5515/10 (A2) Assunto: Queixa dirigida ao Provedor

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. Membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. Membros do Governo A educação para o empreendedorismo começa a despontar hoje como um vector fundamental para o surgimento nos jovens de uma cultura pró activa. Numa sociedade cada vez mais competitiva em que as oportunidades

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente

Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente Mudando a pergunta para entender o problema que está por trás do pedido do cliente Fernando Del Vecchio Outubro 01, 2009 Tradução para português: Raquel Costa Pinto Esclarecimento: O presente diálogo é

Leia mais

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS

COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS I. Descrição do Material: COMO TRABALHAR COM BLOCOS LÓGICOS Material criado por Dienes. Constitui-se de 48 peças, que combinam quatro atributos em cada uma sendo: Tamanho (grande e pequeno) Cor (amarelo,

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas

A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas. 17 de Dezembro A Reforma Metrológica nas Ordenações Manuelinas A reforma metrológica nas Ordenações Manuelinas 1 Sumário: Contexto e antecedentes A reforma metrológica A reforma dos pesos As outras medidas Os padrões nacionais O controlo metrológico A evolução até

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A.

Satellite Newspapers Portugal Distribuição de Imprensa, Jornais e Revistas, S.A. O que é a Satellite Newspapers? A Satellite Newspapers é uma multinacional presente em 8 grandes regiões: - Europa - África - América do Norte - América Central - América do Sul - Médio Oriente - Austrália

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVO NA UTAD. Apontamentos

PLANIFICAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVO NA UTAD. Apontamentos PLANIFICAÇÃO DO SISTEMA DE ARQUIVO NA UTAD Apontamentos Por Pedro de Abreu Peixoto Queremos, antes de mais, agradecer ao Arquivo da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e ao Curso de Especialização

Leia mais

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente HUMANISMO 1434-1527 Gil Vicente HUMANISMO É UMA ÉPOCA DE TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA O RENASCIMENTO. CONTEXTO HISTÓRICO (SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIV) FEUDALISMO ENTRA EM DECLÍNIO CRESCIMENTO DO COMÉRCIO

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA EXM.ª VICE-PRESIDENTE JUÍZA DESEMBARGADORA DR.ª RAQUEL RÊGO 03-05-2011

DISCURSO DE POSSE DA EXM.ª VICE-PRESIDENTE JUÍZA DESEMBARGADORA DR.ª RAQUEL RÊGO 03-05-2011 DISCURSO DE POSSE DA EXM.ª VICE-PRESIDENTE JUÍZA DESEMBARGADORA DR.ª RAQUEL RÊGO 03-05-2011 Ex.mo Senhor Presidente do Tribunal da Relação de Guimarães, Ex.mºs Senhores Conselheiros do Supremo Tribunal

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História da Moeda em Cabo Verde, Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Cronistas do Descobrimento

Cronistas do Descobrimento Cronistas do Descobrimento O Brasil do século XVI é uma terra recém descoberta e, como tal, não tem ainda condições de produzir uma literatura própria. Os primeiros escritos foram feitos por estrangeiros

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais