LUGAR DE CRIANÇA É NA ESCOLA: UM ESTUDO SOBRE O TRABALHO INFANTIL ENTRE ALUNOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUGAR DE CRIANÇA É NA ESCOLA: UM ESTUDO SOBRE O TRABALHO INFANTIL ENTRE ALUNOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA"

Transcrição

1 LUGAR DE CRIANÇA É NA ESCOLA: UM ESTUDO SOBRE O TRABALHO INFANTIL ENTRE ALUNOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA Sandra Terezinha Urbanetz Professora Substituta de Didática e Alfabetização no Departamento de Teoria e Prática de Ensino UFPR Mestre em Educação UFPR 1- INTRODUÇÃO O presente artigo discute um dos aspectos verificados durante a pesquisa de mestrado da autora, no período de 1998 a 2000, que investigou a prática do trabalho entre crianças das quartasséries (hoje segunda etapa do ciclo II) do ensino fundamental da Rede Municipal de Ensino de Curitiba, analisando entre outras questões, se o aluno trabalhador estabelece relação entre o que aprende na escola e suas atividades laborais, bem como que tipo de relação é estabelecida. A pesquisa desenvolveu-se buscando a compreensão de categorias teóricas essenciais como concepção de trabalho e trabalho infantil, tanto em autores que desenvolvem o conceito de trabalho de forma fundamental quais sejam, MARX(1980,1998), SMITH(1983), dentro da perspectiva da economia política, bem como autores mais contemporâneos que discutem estes conceitos como ANTUNES(1998), CARLEIAL(1997) entre outros, como nas instituições oficiais de pesquisa. Através de questionários e entrevistas desenvolvemos uma pesquisa de campo procurando compreender se as crianças curitibanas inseridas no mundo do trabalho estabelecem relações entre o que aprendem na escola e sua atividade laboral. A Rede Municipal de Ensino de Curitiba possuía, na época da pesquisa, 129 escolas agrupadas em 7 núcleos regionais: Boqueirão, Pinheirinho, Portão, Boa Vista, Santa Felicidade, Bairro Novo, Cajuru. Destas 129 escolas, 81 participaram da pesquisa. Essas escolas possuem 508 turmas de quarta-série com um total de alunos. Destes, participaram da pesquisa. Dentre os participantes identificamos via questionário 597 crianças que exerciam atividades laborais. Deste universo foram entrevistadas 116 crianças em 12 escolas onde a incidência do trabalho infantil foi maior, distribuídas nas diferentes regionais. Essas entrevistas foram utilizadas para a confirmação e/ou refutação das informações coletadas pelos questionários. A tabela I apresenta um quadro geral de como ficou distribuída a pesquisa nas regionais curitibanas. TABELA 01 - DEMONSTRATIVO DO TOTAL DE ESCOLAS E ALUNOS PARTICIPANTES DA PESQUISA 1999 REGIONAIS / UNIVERSO PESQUISADO BOQUEIRÃO PINHEIRINHO PORTÃO BOA SANTA VISTA FELICIDADE BAIRRO NOVO CAJURU TOTAL ESCOLAS ESCOLAS PARTICIPANTES ALUNOS QUE RESPONDERAM AO QUESTIONÁRIO ESCOLAS SELECIONADAS PARA A ENTREVISTA ALUNOS ENTREVISTADOS Ao iniciarmos a pesquisa tínhamos como hipótese que as crianças trabalhadoras não estabeleciam nenhuma relação entre o que aprendiam na escola e suas atividades laborais.porém tanto os questionários quanto as entrevistas nos mostraram um quadro bastante diferente. Estes

2 alunos, inseridos no mundo do trabalho precocemente, não só estabelecem esta relação como também a explicam de maneira clara e simples. Dos 597 pesquisados, 223 (37,35%) trabalham em companhia dos pais ou parentes e 374 (62,65%) realizam suas atividades sozinhas ou em companhia de amigos que realizam atividade semelhante. As meninas e os meninos que realizam atividades domésticas, em sua grande maioria, responsabilizam-se sozinhas pelo cuidado com a casa ou com crianças menores que podem ser desde bebês até crianças que possuem quase a mesma idade. A atividade doméstica é a que aparece com a maior freqüência de trabalho infantil. Nessa categoria incluímos : cuidados com a casa, faxina, preparação de alimentos, que quase sempre estavam acompanhados de cuidados com crianças menores. Em seguida aparecem as categorias de prestação de serviços e comércio como as de que se ocupam um maior número de crianças. Na categoria prestação de serviços incluímos: auxiliares de mecânica, de postos de gasolina, auxiliares de bicicletaria, costura, eletricista, borracharia, serralheiro, sapataria, gráfica, carpintaria e salão de beleza, confecção de cadernetas, colagem de envelopes, entrega de folhetos, jardineiro, montadores de caixa, lixadores e lavadores de carro, office-boy, limpador de terreno, flanelinhas, carregadores de caixa e de sacolas, cuidados com animais. Na categoria comércio incluímos: balconistas de bares, açougues, lojas em geral, mercearias, locadoras de vídeos, papelarias, mercados e lanchonetes, vendedores ambulantes nas ruas, firmas e escolas, entregadores de firmas e panificadoras, empacotador, garçonete, pintor de faixa, cortador de bolsa, embalador de picolé, cozinheiro em lanchonete e pizzaria. Na categoria construção civil colocamos os auxiliares de pedreiro e as crianças que trabalham na construção civil em companhia dos pais mas realizam tarefas específicas, quase que independentemente dos mesmos. Encontramos, ainda, crianças trabalhando como operários na confecção de gesso, o que as coloca na categoria da indústria de transformação. Como outros consideramos as seguintes atividades: catadores de latas, artesão, trabalho com serigrafia, bordados, coleta de lixo, pedinte e engarrafador de produtos de limpeza. Por fim, um último aluno trabalha na agricultura 1 2- O TRABALHO INFANTIL : CARACTERÍSTICAS DO UNIVERSO PESQUISADO Em nossa pesquisa constatou-se que muitas das crianças trabalham em casas, o que, como mostra o documento O Trabalho Tolerado de Crianças até Quatorze Anos (DIEESE,1998), faz com que estes pequenos trabalhadores tornem-se invisíveis contribuindo para que a sociedade os tome de uma forma cada vez mais natural. Podemos perceber que muitas crianças se autodefinem como ajudantes do pai, da mãe ou de um outro adulto, porém ao conversarmos um pouco mais detalhadamente com esta criança identificamos em seu relato situações de extrema responsabilidade que as aproximam muito mais do papel de ator principal do que de mero ajudante. As atividades desenvolvidas pelas crianças pesquisadas encontram-se quase exclusivamente na informalidade, característica de uma economia subdesenvolvida com ramificações quase imperceptíveis, por conta da informalização do mercado de trabalho que, em nosso país intensificou-se nas últimas décadas. O mercado de trabalho brasileiro, apesar das históricas lutas dos trabalhadores, tem se modificado profundamente diminuindo os postos de trabalho nas indústrias e aumentando-os no comércio e no setor de prestação de serviço. Esta mudança aponta uma problemática: ao fraco crescimento do emprego industrial conjugou-se uma sensível redução dos investimentos e uma estagnação da produção deste setor ( BALTAR, 1996, p. 93) e mais a importância do emprego industrial decorre do fato de ele ter sido a partir do qual se organizou o novo sindicalismo 1 O aluno que desenvolve atividade agrícola não foi incluído junto aos outros por estarmos seguindo a categorização econômica que agrupa os indivíduos de acordo com a atividade que realiza, em relação ao local em que realiza esta atividade.

3 brasileiro (BALTAR,1996, p.94) 2. Isto impõe um quadro de fragilização dos trabalhadores brasileiros que começam a perder os poucos direitos trabalhistas conquistados. O emprego passa a ser artigo raro e o que prolifera são os sub-empregos, as atividades informais, as ocupações temporárias, etc. Enfim o bico transforma-se em modo de vida. Aliado à reestruturação econômica e política vemos ainda a inculcação ideológica da cultura do individualismo, da responsabilidade pessoal pelo sucesso ou fracasso. Ocorre também, nos anos 1980, um intenso processo de concentração de renda, aprofundando as diferenças sociais, fruto de políticas econômicas implantadas. Segundo estudos da Fundação- Sistema Estadual de Análise de Dados ( SEADE ), sobre a região metropolitana de São Paulo, temos que: Em 1990, 20% dos membros das famílias do estrato mais baixo estavam inseridos em ocupações de baixa renda e alta rotatividade, enquanto em 1994 esta situação atingiu, de maneira desproporcional, mais de 70% dos trabalhadores daquelas famílias. Esta maior precariedade ocupacional atingiu também as famílias dos estratos intermediários. Observa-se, assim, que as menores e melhores oportunidades ocupacionais de alta renda estão crescentemente garantidas para um seleto grupo de indivíduos já pertencentes ao estrato sócioeconômico mais elevado.(baltar, 1996.p. 103) Como bem afirma o autor a região metropolitana de São Paulo não é obviamente representativa do conjunto do país(...) porém, a perda de dinamismo da estrutura econômica de São Paulo reflete-se negativamente no desempenho da economia nacional (BALTAR, 1996,p. 105) O exemplo do estado de São Paulo nos parece elucidativo, visto que em nosso país este processo de reestruturação da cadeia de produção tem se verificado em diversos setores e com intensidade diferenciada. Em nossa sociedade, os homens têm sido cada vez mais expropriados do seu trabalho na sua forma de assalariamento e de sua garantia de benefícios, portanto de sua forma de produzir-se como seres humanos. São, assim, obrigados a exercerem atividades as mais diversas. Precisamos ter a clareza de que em nosso país as garantias oferecidas pelo fato de se ter carteira assinada ainda faz muita diferença na vida dos indivíduos. Entretanto a maioria da população de baixa renda sobrevive de atividades laborais que são consideradas informais. Ou seja, vendem sua força de trabalho das mais variadas formas e por um preço cada dia menor sem qualquer garantia ou proteção. CARLEIAL(1997), em seu texto sobre a flexibilização das firmas, argumenta que existem dois fatores determinantes desta situação atual: o primeiro é a maquinização acelerada das indústrias e a modificação das relações internas, tercerizando serviços e utilizando novas técnicas organizacionais, e o segundo, a mudança das direções políticas com a redução do papel do Estado. E acrescenta: Estas duas linhas de alteração acima esboçadas terminam por impor uma série de mudanças na sociedade como um todo mas a mediação fundamental se faz através dos mercados de trabalho. Isto porque permanece a característica central do capitalismo- a exigência de uma mediação salarial para a sobrevivência, ou ainda da posse de dinheiro obtido através do desempenho de alguma ocupação/atividade, como passaporte para os diferentes mercados- e é exatamente através das modificações no mercado de trabalho que a sociedade muda/altera sua condição de consumidor e cidadão. ( CARLEIAL,1997, p.3) Segundo esclarece Marx, "o valor de uma mercadoria é diretamente proporcional à quantidade de trabalho abstrato nela materializado" (MARX, 1998, p. 62). Vivendo em uma sociedade capitalista, portanto, sob a lógica da mercadoria, o indivíduo não é mais sujeito no processo, pois já não possui mais os seus instrumentos, já não domina mais o processo de produção e nem é proprietário do que produz, tornando-se apenas uma peça da engrenagem,ou seja, um objeto. Para o sistema produtivo não importa e nem se questiona a idade ou as condições de vida deste indivíduo. Deste modo, ele pode ser qualquer um, até uma criança pois é esta a lógica da mercadoria, continuamente expropriados pela forma capitalista de organização social. 2 É importante frisar que as lutas da classe operária no Brasil remontam às manifestações dos anarquistas, imigrantes.porém não aprofundaremos estas questões aqui.

4 Assim as crianças que trabalham nas ruas desmontam o argumento de que o trabalho seria a opção saudável a elas pois se pensarmos( e ainda pensamos!) que o trabalho pode ter uma dimensão pedagógica, ou seja, pode não ser apenas uma atividade alienante, certamente afirmaremos veementemente que não é este o tipo de trabalho que acreditamos constituir o homem em sua dimensão mais elaborada, pois neste modo de organização social o que encontramos cada vez mais é a objetivação do homem e não a sua realização como ser humano. Todas essas crianças realizam trabalho de gente grande ou seja, cumprem ordens, horários, metas e executam a mesma atividade de seus pais ou outro adulto qualquer, sendo mais exploradas por não terem quaisquer dos poucos direitos que os trabalhadores brasileiros conquistaram. Compreendendo força de trabalho como a capacidade de realizar trabalho útil que cria o valor da mercadoria, entendemos que, vivendo sob a lógica desta mercadoria, as crianças que realizam atividades sistemáticas e compulsórias que as retiram de atividades que seriam suas por excelência, quais sejam, o estudo e o brinquedo, estão utilizando sua força de trabalho, ou seja, estão trabalhando para garantir a sua sobrevivência junto ao grupo familiar a que pertencem. Vendendo e/ou trocando sua força de trabalho pela possibilidade de sobrevivência, dentro do esquema da produção capitalista, estes pequenos indivíduos produzem renda diretamente ao estarem no mercado informal ou indiretamente, liberando seus pais para o mercado de trabalho. Estas crianças, no entanto, não são senhores de si e nem tão pouco do seu destino pois esta venda de força de trabalho aliena o trabalhador da sua capacidade criativa de produção e do controle sobre o produto de seu trabalho. Ë facilmente peceptível que em diferentes épocas o capitalismo explorou os operário de diferentes formas. Atualmente temos observado um retorno às épocas mais primitivas deste modo de produção quando verificamos que, apesar das leis, os trabalhadores utilizam-se da mão de obra de seus filhos para incrementar sua renda familiar, seja trabalhando diretamente ou possibilitando a sua liberação para o mercado de trabalho, pois: Tornando supérflua a força muscular, a maquinaria permite o emprego de trabalhadores sem força muscular ou com desenvolvimento físico incompleto, mas com membros mais flexíveis. Por isso, a primeira preocupação do capitalista, ao empregar a maquinaria, foi a de utilizar o trabalho das mulheres e das crianças. Assim, de poderoso meio de substituir trabalho e trabalhadores, a maquinaria transformou-se imediatamente em meio de aumentar o número de assalariados, colocando todos os membros da família do trabalhador, sem distinção de sexo ou de idade, sob o domínio direto do capital ( MARX, 1998, p. 451) Da época em que MARX escreveu isto, aos dias de hoje, muitas mudanças ocorreram. Muito já se conseguiu em todos os âmbitos da vida humana. Porém o que ainda não conseguimos modificar foi a constante exploração a que é exposta a classe trabalhadora. Isto se torna bastante claro ao observarmos um menino entregando panfletos todos os dias e que não percebe o quanto seu trabalho é explorado. A sua medida é a medida imediata do ganho ao final do dia. Somente este valor é percebido por ele; portanto, podemos afirmar que este menino só consegue perceber a "forma de aparência (MARX, 1998, p. 89), sem conseguir apropriar-se conscientemente do valor de seu trabalho. Este trabalho invisível, que não aparece de forma clara, explicitado por MARX como trabalho abstrato, é o trabalho homogêneo, produtor de mercadorias que passam a ter valor de troca e que, portanto podem ir ao mercado. A criança que cuida de seus irmãos menores em casa, liberando seus pais para o mercado de trabalho, não aparece nas estatísticas como trabalhador infantil; o menino que cuida de carros na avenida, a criança que ajuda seu pai na construção civil ou na oficina mecânica, ou ainda na limpeza do restaurante, não conta como trabalhador, talvez porque, de certa forma, ainda está respaldada por seus pais. Contudo, estes pais consideram que sem essas atividades a sobrevivência seria muito mais difícil, visto que ou os pais são liberados para outras atividades que produzem renda ou o pouco que as crianças recebem faz diferença no orçamento familiar.

5 Então, não podemos mais ignorar este tipo de trabalho infantil sob o pretexto de que este é um trabalho improdutivo. Parece-nos que este conceito de improdutivo está fortemente associado a uma forma de menosprezar e desvalorizar o que é feito e quem o faz, porque não cumpre o objetivo do capital: o lucro. Ao voltarmos à idéia original acerca das relações sob as quais o trabalho se organiza, vemos que todos os trabalhos destas crianças são essenciais, pois em algum momento alguém estará apropriando-se do valor produzido. 3- A RELAÇÃO TRABALHO-ESCOLA A maioria das crianças trabalhadoras demonstrou estabelecer relação entre o que aprende na escola e suas atividades laborais e é importante destacar que durante as entrevistas as crianças não só respondiam afirmativamente a esta pergunta (o que você aprende na escola auxilia em seu trabalho? Como ou por quê?) como também exemplificavam coerentemente, demonstrando domínio e compreensão do assunto tratado. De 597 crianças pesquisadas, 400 (67%), responderam que existe relação entre a sua escola e o seu trabalho, 135 responderam que não existe relação e apenas 62 não deram resposta a esta questão. Este é um dado que analisado individualmente poderia ser tomado como extremamente positivo, porém dentro do contexto da pesquisa esta positividade tende a ser contrabalançada pelo tipo de relação estabelecida por estas crianças GRÁFICO 1-TIPO DE RELAÇÃO ENTRE TRABALHO E EDUCAÇÃO ALUNOS PESQUISADOS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO CURITIBA NÃO LEIT_ESC MATEMÁTI EDUC_RES HIGIENE EMPREGO ED_FÍSIC A matemática aparece como a disciplina em que a relação fica mais clara: 197 crianças responderam que é a escola que os ajuda a compreender e efetuar os cálculos necessários para a realização de cobranças, verificação de preços, identificação dos valores a serem recebidos por eles próprios e principalmente no troco (J. A. W. 9 anos) que eles não podem errar. Setenta e duas crianças afirmaram ser a leitura e escrita a maior contribuição da escola para o seu trabalho, pois sem ela não poderiam ler o recado da patroa (F. A. C. 12 anos), nem compreender instruções ou passar a mensagem do folheto (J. R. D. 11 anos). Trinta e cinco crianças apontaram as noções de higiene como auxílio ao seu trabalho no cuidado com bebês, dez afirmaram que a escola oferece oportunidade de emprego, afirmando que a escola proporciona maiores possibilidades de se conseguir um trabalho melhor. É interessante como elas demonstram, na prática, o slogan muito usado na escola: estude para ter um bom emprego e três identificaram a educação física com seus jogos e brincadeiras como contribuição às suas atividades sistemáticas pois sendo responsáveis por crianças pequenas a gente saber brincar é muito importante ( C. V. S. 12 anos) As respostas que nos provocaram mais intensamente foram as de oitenta e três crianças que afirmaram ser a escola o local onde eles aprendem a ter uma boa educação e respeito pelas pessoas. Estas respostas apareceram como: ouvir as pessoas, obedecer aos mais velhos, ter um bom comportamento, respeitar as pessoas, cumprir com suas obrigações, etc, que agrupamos dentro

6 desta expressão- educação e respeito- por considerarmos que ela retrata bem os depoimentos ouvidos. Com certeza educação e respeito são conceitos fundamentais para a vida das pessoas. Contudo, nestes depoimentos, o fato de que esta boa educação e respeito referem-se sempre a uma atuação passiva de obediência e subserviência que não se aceita mais como atitude escolar, ou melhor dizendo, que não deveríamos mais estar aceitando, nos leva a pensar que a escola continua reproduzindo no seu interior este tipo de atitude, confirmando a construção ideológica da escola como também um espaço de domesticação e conformação dos seres humanos aos padrões capitalistas de vida. As crianças que trabalham no comércio, prestação de serviço e construção civil revelam que é com a matemática que eles estabelecem maior relação. Já as crianças que trabalham em atividades domésticas são as que em maior número revelam não haver relação entre suas atividades laborais e o aprendizado da escola e em segundo plano responderam que a educação e respeito são as relações estabelecidas entre escola e a sua atividade laboral. Fica claro, então, que as relações estabelecidas pelas crianças são bastantes coerentes com o tipo de atividade exercida. Estas relações evidenciam o uso cotidiano e prático das noções matemáticas, lingüísticas e durante as entrevistas, as crianças confirmaram esta compreensão. No que diz respeito à sua renda, dos entrevistados, 30% afirmaram entregar tudo o que recebem diretamente para os pais, o restante encarrega-se de seus gastos pessoais, o que confirma o uso do trabalho infantil como incremento de renda, pois os gastos pessoais de uma criança ou jovem são ainda, em nossa sociedade, responsabilidade dos pais. O trabalho faz parte da vida dessas crianças como o estudo e o brinquedo fazem parte da vida da criança das classes dominantes. Desde muito cedo as meninas e os meninos cuidam de seus irmãos menores e da casa para que seus pais possam trabalhar e desde muito cedo aprendem as responsabilidades destas atividades. Também são inseridas no contexto de trabalho fora da casa muito precocemente. Os entrevistados com idade acima de doze anos começaram a trabalhar aos nove anos. Alguns até antes. Marx já comentou que, para a classe trabalhadora o trabalho, obrigatório para o capital, tomou o lugar dos folguedos infantis e do trabalho livre realizado, em casa, para a própria família, dentro de limites estabelecidos pelos costumes ( MARX, 1998, p. 451) o que nos mostra que o trabalho infantil não é um fenômeno novo, mas intrínseco ao modo capitalista de organização social, variando a forma e a intensidade de acordo com as mudanças ocorridas dentro do sistema. De pedintes a vendedores ambulantes, passam a cada dia por nossas vidas sem que nos questionemos quantos anos têm e qual o motivo de estarem ali. Muitas vezes consideramos bem melhor que elas estejam inseridas em um processo de trabalho, pois, em nossa sociedade, o trabalho para as camadas populares sempre foi visto como um excelente mecanismo disciplinador e educativo. Criadas sob os moldes de que o trabalho engrandece o homem ou de que o trabalho é a grande fonte de virtude, a classe trabalhadora têm assumido essa condição para seus filhos, sem perceberem que o avanço da humanidade consolidou, na sociedade atual, o brinquedo e o estudo para as suas crianças. As análises realizadas nos sete núcleos regionais indicam algumas variações da pesquisa geral, caracterizando de maneira específica cada regional. Com exceção do Bairro Novo, onde a maior freqüência de respostas foi a negativa, a relação que aparece com maior freqüência nas regionais é com a matemática, e seria bastante interessante pesquisar o porquê desta relação. A tabela a seguir sintetiza as relações estabelecidas pelas crianças em todas as regionais pesquisadas.

7 TABELA 02 RELAÇÃO ENTRE ESCOLA E TRABALHO MANIFESTADA POR ALUNOS DE 4ª SÉRIE, TRABALHADORES E PARTICIPANTES DA PESQUISA POR NÚCLEO NÚCLEOS MA LEIT /ESC EDUC/ RESP. HIGIENE EMPREG O EDUC. FÍSIC SEM RELAÇ. TOTAL BOQUEIRÃO PINHEIRINHO PORTÃO BOA VISTA SANTA FELICIDADE BAIRRO NOVO CAJURU TOTAL UMA PRIMEIRA CONCLUSÃO Entre as crianças pesquisadas, sessenta e duas não responderam à pergunta correspondente a relação estabelecida entre escola e trabalho e ao ouvirmos todos estes depoimentos, ficamos com a impressão de que muito ainda há por se descobrir. Ainda precisamos aprofundar as pesquisas com relação ao trabalho infantil urbano, levantando junto aos programas institucionais algumas observações sobre o trabalho doméstico das crianças como estratégia de liberação dos pais. Outra questão interessante a pesquisar seria a grande aceitação social de algumas atividades desenvolvidas pelas crianças como o teatro ou as atividades televisivas. Aparentemente aceitamos estas atividades como se elas fossem unicamente prazeirozas para a criança. Estas informações demonstram que a problemática do trabalho infantil em nosso país ainda reclama atenção, pois os avanços que ocorreram com a diminuição do uso da mão de obra infantil no campo ainda não conseguiram equivalência na cidade. Como aponta o DIEESE, no documento citado anteriormente, estas crianças, a cada dia tornam-se mais e mais invisíveis dificultando a luta contra este tipo de exploração, que todos sabemos, nada mais é do que fruto da crescente expropriação da população trabalhadora brasileira. Em nossas escolas públicas ainda não se compreendeu que seus sujeitos mais importantes, os alunos, estão inseridos em uma realidade bastante diversificada determinada por condições sócio-econômicas muito desfavoráveis, tirandolhes a possibilidade de humanização. Qualquer educador concordará que é essencial que nossos alunos aprendam a ter respeito, a serem bem educados, porém qualquer educador que vislumbre a realidade de alunos entregando folhetos nas ruas, catando papel e lixo reciclável ou trabalhando como babás ou faxineiros verá que o respeito é o que mais falta a estas crianças. A vida, a sociedade estruturada da forma como está, não os respeita nem como seres humanos, nem como crianças. Então, precisamos desenvolver um trabalho muito mais sério dentro de nossas escolas, um trabalho articulado à realidade e que possa contribuir na formação das crianças e jovens em um sentido mais amplo, na perspectiva de humanização, que procure a criação da consciência desveladora 3 deste modo de organização social que reduz tudo e todos a meros insumos econômicos. Atualmente, talvez muito mais do que possamos imaginar podemos confirmar MARX quando afirma que...sob a ação demolidora do processo industrial moderno, os laços familiares 3 Não desenvolveremos aqui a colaboração escolar para a formação da consciência dos indivíduos, pois entendemos que isto requereria um outro trabalho, porém é necessário esclarecer que acreditamos que a consciência dos homens faz-se a partir de suas condições concretas de vida e a escolarização aqui entraria como um espaço de reflexão sobre esta realidade. Isto pressupõe que a escola não é a única instituição a realizar esta tarefa.

8 das famílias operárias são desfeitos e seus filhos, reduzidos a simples objeto de comércio, a simples instrumentos de trabalho (MARX,1980,p 33). Na Rede Municipal de Ensino de Curitiba existe o programa bolsa escola que pretende trazer de volta o aluno que a escola identifica como razão do abandono a necessidade do trabalho. Porém em nossa pesquisa evidenciamos que mesmo estando na escola, uma parcela da população infantil está também, inserida no mundo do trabalho, o que reforça a necessidade de luta por uma sociedade diferente aonde não se verifique mais a necessidade do trabalhador mercadejar mulher e filhos (MARX, 1998, p196 ). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANTUNES,R. Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez,1998. BALTAR, Paulo E. de A,Crise e trabalho no Brasil. Campinas: Scritta, CARLEIAL, Liana Maria da Frota. Firmas, flexibilidades e direitos no Brasil: aonde vamos? São Paulo em perspectiva, São Paulo, v.11, n.1,junho/ CASTRO, Nadya A. e DEDECCA, Cláudio S ( org.) A ocupação na América Latina: tempos mais duros. São Paulo; Rio de Janeiro: ALAST, DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO- ECONÔMICOS. O trabalho tolerado de crianças até catorze anos. São Paulo, DIEESE, MARX,Karl. Manifesto do partido comunista.rio de Janeiro,Global editora, 1980 MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. livro I v.i Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, SMITH, Adam. A riqueza das nações. São Paulo : Abril Cultural, 1983.

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR

QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR Universidade Federal de Pelotas Departamento de Medicina Social Centro de Pesquisas Epidemiológicas QUESTIONÁRIO SÓCIO-FAMILIAR 1 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO 1. Questionário Sócio-Familiar 2. Modelo

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA

UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA UM OLHAR ADULTIZADO SOBRE O BRINCAR NA INFÂNCIA Tamara Biasi Donadel 1 Eduarda Virginia Burckardt 2 Resumo: O ato de brincar está presente na história da humanidade, ficando exposto as modificações ocorridas

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A TEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Geisieli Rita de Oliveira 1 ge_baronesa@hotmail.com Manuela Tavares Moreira 1 manuelamoreira92@gmail.com Catarina Teixeira 2 - catarinabio@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Viajantes da noite: quem são os usuários de ônibus na madrugada de São Paulo.

Viajantes da noite: quem são os usuários de ônibus na madrugada de São Paulo. Viajantes da noite: quem são os usuários de ônibus na madrugada de São Paulo. Christina Maria De Marchiori Borges (1); Paulo Bossi (2); Leonardo Lemos de Oliveira (3) SPTrans São Paulo Transporte- Assessoria

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Simpósio de Ensino de Graduação METODOLOGIA PAUTADA NO JOGO E PEDAGOGIA DE PROJETOS: PESQUISA-AÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autor(es) MAGDA J. ANDRADE DE BARROS Co-Autor(es) ALCIDES JOSÉ SCAGLIA RILLER SILVA

Leia mais

Enquete para Pais ou Responsáveis

Enquete para Pais ou Responsáveis MEXT Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia do Japão Avaliação Nacional do Desempenho Escolar e Condições do Aprendizado em 2013 Pesquisa detalhada Enquete para Pais ou Responsáveis

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE LEITURA E ESCRITA: ALIMENTAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Renata Angélica dos SANTOS, Cristiana Alves da SILVA, Maria Marta L. FLORES, Dulcéria TARTUCI, Ângela Aparecida DIAS, Departamento de Educação,

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade

Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Dezembro 2011 Nº 6 Salários na Construção Civil nos anos 2000: entre a formalização e a rotatividade Durante a década de 1990, com o enfraquecimento das instituições reguladoras da economia e da sociedade

Leia mais

Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas

Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas Qualificação e Mercado de Trabalho: Apontamentos para política pública em regiões metropolitanas Rede de Pesquisa Formação e Mercado de Trabalho 25.10.2012 Estudos com base PED: 2008: Projeto MTE / DIEESE

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA

A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA A UTILIZAÇÃO DA COLA OFICIAL DURANTE AS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA Camila Nicola Boeri Universidade de Aveiro Portugal camilaboeri@hotmail.com Márcio Tadeu Vione IFMT - Campus Parecis - MT mtvione@gmail.com

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO Ednaid Santos Faria 1 Tayná da Silva Vieira 2, Janaína de Azevedo Corenza 3 1 IFRJ/ednaidrja@hotmail.com

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO

LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO MERCADO DE TRABALHO DISTRITO FEDERAL Ano 24 Nº 09 Resultados de setembro de 2015 LIGEIRO CRESCIMENTO DA TAXA DE DESEMPREGO 1. As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego no PED-DF, realizada pela

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO

O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO NO ENSINO MÉDIO LARSON, Sandra PUCPR. slarson@terra.com.br MATHEUSSI, Elisa Machado - PUCPR elisa.matheussi@pucpr.br Resumo Esta pesquisa objetiva discutir o projeto político

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA

PROCESSO SELETIVO PARA A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL - AUXILIO TRANSPORTE APROVADO PELA RESOLUÇÃO N.º 022/2011 DO CONSELHO SUPERIOR/IFMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO CAMPUS ALCÂNTARA NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA JUNHO DE 2014 Redução da taxa de desemprego Ano 20 - Número 6 1. A Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED),

Leia mais