O Dilema do Ensino da Administração no Brasil e a Alegoria da Caverna de Platão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Dilema do Ensino da Administração no Brasil e a Alegoria da Caverna de Platão"

Transcrição

1 1 O Dilema do Ensino da Administração no Brasil e a Alegoria da Caverna de Platão Resumo: Autoria: Janaina de Mendonça Fernandes, Marcelo Henrique Costa Pimenta O presente artigo procura questionar o ensino da administração no Brasil de maneia crítica e provocadora, delineando um dilema a ser enfrentado: aceitar, em sua totalidade, o conhecimento produzido fora de nosso país, subordinando-se sem questionamento a modelos já conhecidos internacionalmente ou apropriando-se deste conhecimento, observando as singularidades do Brasil e buscando o desenvolvimento de um conhecimento originalmente nacional. Para tanto, buscamos dois paralelos na literatura e nas artes plásticas, a Alegoria da Caverna de Platão e o Movimento Antropófago de Oswald Andrade. A caverna representado o local ao qual a academia brasileira hoje se encontra e a antropofagia indicando um possível caminho para construção de uma administração brasileira. Ao fim, propomos uma atividade de reflexão sobre as questões neste trabalho apresentadas. 1. Introdução: Em um mundo globalizado, onde o acesso à informação e o conhecimento são facilitados pela rede mundial de computadores, há o surgimento de uma tensão entre a cultura local e a global (CASTELLS, 1999). Dentro deste contexto o ensino da administração se encontra em um dilema: aceitar, em sua totalidade, o conhecimento produzido externamente, submetendo-se passivamente a modelos já consagrados no exterior ou utilizar-se deste conhecimento, respeitando-se as singularidades de nosso país, e desenvolver um conhecimento autenticamente brasileiro. Não se pode ignorar a existência de grandes acadêmicos da administração brasileira, dentre vários, destaca-se Guerreiro Ramos. Mas devemos nos perguntar quantas vezes utilizamos o conhecimento produzido pela nossa academia em detrimento de modelos já consagrados internacionalmente. Neste ponto, surge o seguinte questionamento: Será que o conhecimento local está sendo subordinado aos modelos internacionais, dificultando a valorização e o desabrochar de uma administração genuinamente brasileira? Neste sentido, fazendo uma analogia à Alegoria da Caverna de Platão, nos colocamos como os escravos enclausurados dentro da escuridão, obcecados pelos reflexos da parede, enxergando a sombra dos modelos internacionais preconcebidos e que por vezes não se encaixam em nossa realidade. Desta forma, nos encontramos incapacitados de buscar o verdadeiro sentido do conhecimento. Torna-se necessário então, o rompimento das trevas da ignorância e a busca de nossa realidade, por meio, principalmente, da valorização do conhecimento local produzido pela nossa academia. Os modelos internacionais preconcebidos, em nossa realidade percebidos sob a forma das sombras refletidas nas paredes das cavernas, devem ser canibalizados e a busca pela luz de um novo conhecimento da administração brasileira deve ser perseguido e difundido. Por um outro lado, Castells defende a idéia de que independentemente da existência de uma cultura transnacional e de uma vivência na rede mundial de

2 2 computadores, as pessoas continuam morando em lugares, isto é, o cotidiano acaba se dando no nível local e não no global (CASTELLS, 1999). A administração também deve convergir neste sentido, usufruindo de uma tensão constante entre o local e o global, produzindo modelos nacionais. Não se trata de desprezar todo o conhecimento produzido no exterior, de uma forma xenofóbica, mas sim, de deglutir os modelos internacionais em uma alusão ao movimento artístico antropofágico de 1928, que surge com o lançamento do Manifesto Antropófago de Oswald Andrade. A antropofagia neste manifesto é entendida no sentido indígena, onde os índios acreditavam que ao se alimentarem de seus adversários, conseguiriam absorver todo o conhecimento desenvolvido por eles (ANDRADE, 1928). Na época, buscou-se canibalizar todo o conhecimento gerado fora do Brasil, digeri-lo e a partir deste ponto, produzir expressões culturais genuinamente brasileiras. 2. A Globalização e a Tensão Entre o Global e o Local: Após o advento da globalização, as principais dimensões materiais da vida humana, o espaço e o tempo, mudaram suas dimensões. O espaço organiza o tempo na sociedade em rede, ao contrário da maioria das teorias sociais clássicas que se supõe e domínio do espaço pelo tempo (CASTELLS, 1999). Tanto o espaço quanto tempo estão sendo transformados pelo paradigma da tecnologia da informação e pelas formas dos processos sociais que são induzidas pela atual transformação histórica. A partir disto, Castells (1999) desenha o perfil desse novo processo espacial, denominado por ele como espaço de fluxos. Esse novo perfil torna a manifestação espacial predominante de poder e função dentro de nossa sociedade: O espaço de fluxos é a organização material das práticas sociais de tempo compartilhado que funcionam por meio de fluxos. Por fluxos, entendo as seqüências intencionais, repetitivas e programáveis de intercâmbio e interação entre posições fisicamente desarticuladas, mantidas por atores sociais nas estruturas econômica, política e simbólica da sociedade. (CASTELLS, 1999, p. 501). Assim a chamada economia global informacional passa a ser organizada em torno de centros de controle e de comando. Estes centros são capazes de coordenar, de ensinar e de inovar as atividades interligadas das redes das empresas, basicamente serviços avançados que se encontram no cerne de todos processos econômicos e de centralizar o saber (CASTELLS, 1999). Todos esses serviços avançados podem ser reduzidos à geração do conhecimento e a fluxos de informação. Os sistemas avançados de telecomunicação poderiam, em tese, possibilitar sua localização em qualquer parte do globo. Contudo, foi estabelecido um modelo espacial diferente que se caracteriza pela dispersão e concentração simultâneas de serviços avançados e da produção de conhecimento. De um lado esses serviços avançados e o conhecimento são abrangentes e estão localizados em toda a geografia do planeta. De outro, há uma concentração espacial da camada superior dessas atividades em poucos centros nodais de alguns países (CASTELLS, 1999). Segundo o autor:

3 3 [...] as regiões, sob o impulso dos governos e elites empresariais, estruturaram-se para competir na economia global e estabeleceram redes de cooperação entre as instituições regionais e entre as empresas localizadas na área. Dessa forma, as regiões e as localidades não desapareceram, mas ficaram integradas nas redes internacionais que ligam seus setores dinâmicos. (CASTELLS,1999, p. 471). Essa concentração, que está localizada em algumas importantes áreas metropolitanas, segue uma hierarquia com funções de níveis mais altos e mais baixos, tanto em relação ao poder quanto em relação à qualificação. Conforme a economia global vai se expandindo, incorporando novos mercados, passa também a organizar a produção de serviços avançados e conhecimento de maneira hierárquica (CASTELLS, 1999). A globalização também estimula a regionalização. Com o impulso dos governos e elites empresariais, as regiões passam a se estruturar, competindo na economia global, estabelecendo redes de cooperação entre as instituições regionais e as empresas localizadas na área, como salientado anteriormente (CASTELLS, 1999). Com a implantação desta descontinuidade, há uma crescente dissociação entre proximidade espacial e o desempenho das funções rotineiras, assim como: trabalho, compras, entretenimento, assistência à saúde, educação, serviços públicos, governo e assim por diante. Um quadro similar de dispersão e concentração espacial simultâneas, via tecnologia da informação e do conhecimento, ocorrer no cotidiano das pessoas, onde cada vez mais se trabalha e administra serviços de dentro de casa (CASTELLS, 1999). Logo, com o acesso facilitado à informação pela rede mundial de computadores exacerba-se a tensão entre a cultura local e a global (CASTELLS, 1999) e o ensino da administração no Brasil passa por um dilema: sucumbir, sem uma perspectiva crítica, aos modelos de conhecimento produzido externamente, em espacial nos EUA, se fechando em uma caverna, ou utilizar-se deste conhecimento e da facilidade de acesso a ele, observando as singularidades de nosso país, desenvolvendo um conhecimento autenticamente brasileiro, que em tese pode difundir-se por qualquer parte do globo. De meros repetidores passaríamos a produtores de conhecimento, rompendo a hierarquia estabelecida, segundo Castells (1999), após o advento da globalização. O local ganharia uma dimensão mais importante que o global. Segundo Faria e Guedes (2005): A hegemonia dos EUA na área de administração tanto no âmbito da organização empresarial quanto no da academia já era preocupante antes dos anos Entretanto, até então, a influência e a disputa pela hegemonia não eram tão problemáticas, mesmo para os EUA [...] Marginalizados como outsiders e tratados (também por nós mesmos) como meros consumidores, fomos acostumados a consumir produtos e textos acadêmicos vindos dos EUA [...] Fomos acostumados a perceber problemas gerenciais ou acadêmicos no Brasil da perspectiva ditada pela grande academia que se construiu a partir dos EUA. Nos anos 1990, a globalização ampliou o

4 4 mercado do conhecimento em administração e também amplificou tanto a área de influência quanto os impactos dessa hegemonia. Mais especificamente, a globalização catalisou a preocupação de outros pesquisadores (inclusive, dentro dos EUA) que se viram forçados a consumir certo tipo de conhecimento. (FARIA e GUEDES, 2005, p. 3) Contudo, não jogaríamos fora todo o conhecimento produzido no exterior. Faríamos sim, o uso deste saber, que está com acesso facilitado pela rede mundial de computadores, e o deglutiríamos da mesma maneira que Oswald Andrade (1928) sugeriu em seu Manifesto Antropófago, produzindo assim um jeito brasileiro de pesquisar e gerir as organizações. Uma importante contribuição no sentido da valorização do conhecimento genuinamente local e da eclosão de uma percepção crítica nacional pode ser encontrada no trabalho de Guerreiro Ramos (1958), na sua concepção metodológica da Redução Sociológica: À assimilação literal e passiva dos produtos científicos importados ter-se-á de opor a assimilação crítica dêsses produtos. Por isso, propõe-se aqui o termo redução sociológica para designar o procedimento metódico que procura tornar sistemática a assimilação crítica. (RAMOS, 1958, p. 80). A Redução Sociológica construída por Guerreiro Ramos (1958) é entendida como uma atitude metódica que objetiva a eliminação de toda informação supérflua que acaba dificultando o entendimento de um determinado conhecimento, de forma crítica e assimilativa do universal contrapondo-se ao local, regional ou até mesmo nacional. Além da eliminação de toda informação supérflua, para termos um modelo próprio de gestão, e ainda possuirmos uma maneira característica de conduzir organizações adaptadas ao seu ambiente interno ao mesmo tempo que competitivas em seu mercado externo, devemos observar as peculiaridades de nosso país (BERTERO, 2004): Algumas peculiaridades brasileiras influenciam na forma como as empresas são aqui geridas, mas não chegam a constituir uma base sólida o suficiente para alavancar um estilo próprio, capaz de levar as organizações locais ao sucesso no chamado mercado global. (BERTERO, 2004, p. 48) Mas será que essas peculiaridades estão sendo levadas em conta quando ensinamos e adotamos, sem nenhuma reflexão, modelos preconcebidos em países considerados centrais na produção sobre estudos organizacionais? A primeira questão a ser levantada em torno deste debate é que não somos originais ainda, não estamos isolados, sofremos influências de todos os lugares. A segunda questão gira em torno do fato de que, por não termos um modelo genuinamente nacional, de certa forma somos ainda dependentes dos modelos externos. Além disso,

5 5 alguns traços da gestão brasileira; como paternalismo, personalismo, centralização, autoritarismo; podem prejudicar a formação de um modelo competitivo. Por fim, podemos nos atentar para transição de modelos externos para um modelo originalmente brasileiro, por meio do fortalecimento de características positivas de nossa cultura; como flexibilidade, adaptabilidade, criatividade, informalidade (BERTERO, 2004). A antropofagia dos modelos internacionais consagrados pode auxiliar no desenvolvimento de nossos estudos organizacionais em torno desta temática, auxiliando assim a administração brasileira vislumbrar a luz do lado de fora da caverna. É o embate que irá possibilitar a construção de modelos genuinamente nacionais, é o choque entre o que vem de fora e a reflexão sobre a possibilidade do novo que permitirá a solução do dilema apresentado no início deste trabalho e isto só se dará com a subversão da ordem atual. 3. Antropofagia: Subverter a ordem, este era o objetivo de Oswald de Andrade e de seus companheiros quando em 1928 foi publicado o Manifesto Antropófago e o deste trabalho ao levar a reflexão todos que por ventura venham a entrar em contato com ele. O objetivo do movimento antropófago era o de pensar uma arte genuinamente brasileira, que se libertasse dos modelos europeus vigentes e buscasse, por meio da antropofagia das referencias vindas de fora, um fazer artístico nacional (FACCHINETTI, 2002). O nosso objetivo é refletir a respeito da possibilidade do avento de uma administração genuinamente brasileira, tendo como inspiração a proposta antropofágica da década de 20. Segundo Facchinetti (2002): No panorama de subversão à ordem da geração de 1920, Oswald de Andrade se destacou pela proposta radical de uma revolução literária e social. Sua obra pauta-se por um claro programa de dessacralização do lugar da poética e do lugar do outro estrangeiro (estranho) ao corpo, de sua introjeção e deglutição. Tal programa supõe uma visão anárquica de força explosiva e incessante: é preciso que a inquietação demolidora não arrefeça para que a renovação esteja sempre em pauta, para que a mobilidade esteja sempre no horizonte mais próximo. (FACCHINETTI, 2002, p.2) A revolução do movimento delineado por Oswald e seus companheiros tinha como objetivo incluir o que a tradição clássica deixava de fora, questionando a verdade instituída, o paradigma artístico da época, os modelos vindos da Europa (FACCHINETTI, 2002) A nossa revolução se daria no sentido de absorver o que os modelos da administração internacional possuem de bom e subvertê-los de acordo com nossa realidade, propor uma reflexão crítica nacional questionando e desconstruindo seus paradigmas e a partir dai transformando-os em algo original. De acordo com Facchinetti (2002): A proposta revolucionária ganha peso na medida em que a desconstrução permite perceber que a verdade tomada como única e eterna a respeito da raça, da sintaxe, do bem moral, ou

6 6 qualquer outra verdade instituída é uma ilusão resultante da disposição de regras e discursos no diálogo que se estabelece com o outro (seja este outro o europeu, a religião católica, a ciência, etc.). O descortinar dessa descoberta permite, então, experienciar também que o lugar do outro (bem como o do simesmo) não é um dado à priori, tal como parecia até então, mas sim algo decidido no próprio embate de forças que resulta desse encontro; deste modo, desde que se conte com o esforço incessante de destruir o já dado, seguro e controlado, o que pode daí advir, ignora-se seu sentido de antemão é o novo, propriamente. (FACCHINETTI, 2002, p.3) Neste sentido, a antropofagia do que vinha de fora, o ato simbólico de comer o estrangeiro, se dá por meio da fragmentação do saber artístico da época. Além disso, a denominação de estrangeiro, não cabia apenas no vindo de fora, muito menos nas dimensões geográficas Brasil e Europa. Segundo Facchinetti (2002), o algo a ser devorado, degustado e digerido é o que se produz no embate entre o pensar nacional e o conhecimento Europeu, é o que surge do atrito entre os dois mundos, supostamente distintos e separados que interessa. É o novo que surge desta fricção que se torna original, nas palavras da autora: Segundo Oswald, acabaríamos por encher a pança de nossa herança cultural ambígua, recheada de seu imaginário poético inconsciente e misterioso, e também de seu poder recal(citrante)cante que aliou a catequese aos Governos, o jesuíta ao militar. A deglutição poderia promover o brasileiro novo, modernomodernista [...]A proposta oswaldiana seria, pois, que a mobilidade e a desconstrução incessantes pudessem ser nossas características, para não sermos pegos novamente pelo servilismo. (FACCHINETTI, 2002, p.4) Desta forma, por meio deste embate, que Oswald acredita no surgimento de uma arte genuinamente nacional. Propomos o mesmo movimento para o ensino e a pesquisa da administração brasileira, é a partir deste movimento que sairemos da caverna a qual nos encontramos. 4. A Caverna da Administração Brasileira: A alegoria da Caverna de Platão concretiza o fenômeno antropofágico da revelação de um novo conhecimento, obtido por meio do embate entre dois mundos, um dentro da caverna, representando o pensar nacional, e o de fora da caverna, representando o conhecimento Internacional. A Redução Sociologia de Guerreiro Ramos postula a noção de mundo como sendo algo perspectivista, evocando o conceito de consciência. De acordo com (RAMOS, 1958): O essencial da idéia de mundo é a admissão de que a consciência e os objetos estão reciprocamente relacionados. Toda consciência é intencional porque estruturalmente se

7 7 refere a objetos. Todo objeto, enquanto conhecido, necessariamente está referido à consciência. O mundo que conhecemos e em que agimos é o âmbito em que os indivíduos e os objetos se encontram numa infinita e complicada trama de referências. (RAMOS, 1958, p. 82). É por meio do conhecimento do objeto que se chega à consciência, ou seja, simbolicamente seria o ato de sair da caverna que fará com que se chegue a tomada de consciência. Porém, a idéia que se defende neste trabalho não é a da ruptura total de um desses dois mundos, de forma isolacionista, mas sim, a utilização do que Guerreiro Ramos chamou de consciência crítica, para a construção de um novo conhecimento genuinamente nacional. 5. Atividade Proposta: Com base em tudo que foi descrito anteriormente, propomos uma atividade de reflexão sobre a situação do ensino da administração no Brasil. A atividade iniciará com a projeção de um desenho animado, de aproximadamente 27 minutos, que apresenta uma livre adaptação da alegoria da caverna de Platão, contextualizada na realidade histórica no período da escravidão no Brasil. Após a projeção, a sala permanecerá escura e uma segunda apresentação áudio-visual começará, informando por meio de uma mensagem, que todos os presentes naquele momento, se encontram no interior de uma caverna. A partir deste instante, serão projetados durante aproximadamente 5 minutos, pelo mesmo áudio-visual vários nomes consagrados de acadêmicos na área de administração, em uma alusão às sombras que são projetadas no fundo da caverna. Dando continuidade, após esta projeção, o público será convidado a sair da caverna, por meio de mais uma mensagem projetada, e logo em seguida as luzes se acenderão. Serão servidos biscoitos em embalagens com os nomes dos acadêmicos que foram projetados anteriormente, juntamente com canetas e pedaços de papel. Os presentes serão estimulados a comerem simbolicamente, de forma antropofágica, os acadêmicos e, a partir deste instante, a escreverem idéias originais sobre administração. Este ato representará o movimento antropofágico semelhante ao proposto por Oswald Andrade. Por fim, os participantes que desejarem, poderão expor oralmente suas idéias. Espera-se ao final da atividade, que os participantes reflitam a respeito do que é ensinado e produzido nos cursos de administração no Brasil e tenham uma percepção crítica sobre o grau de influencia da produção acadêmica internacional vis a vis a produção nacional, e quem sabe até, disseminar a necessidade da criação de um manifesto antropofágico da administração brasileira. Para a realização da atividade proposta, será necessário um projetor datashow, uma tela de projeção, um aparelho de DVD para reprodução do desenho animado e para apresentação áudio-visual, além de canetas e papel para todos os participantes. Os biscoitos, de marcas convencionais e tradicionais, serão fornecidos pelos proponentes da atividade e adquiridos em lojas do ramo. Estes biscoitos permanecerão em suas embalagens originais, que serão recobertas por um invólucro com os nomes dos

8 8 acadêmicos que serão apresentados. Está prevista a participação de 20 a 30 pessoas e o tempo total da atividade será uma hora. 6. Referências Bibliográficas: ANDRADE, Oswald. (1924). O Manifesto Antropófago. São Paulo: Revista de Antropofagia, Ano 1, No. 1, maio de acesso em março de BERTERO, Carlos Osmar. (2004). Gestão à Brasileira. São Paulo: GV Executivo, v.3, n.3, Agosto/ Outubro de 2004, pp CASTELLS, Manuel. (1999). A sociedade em rede: A era da informação: economia, sociedade e cultura; Volume 1, São Paulo: Editora Paz e Terra, 2a. ed., FARIA, Alexandre e GUEDES, Ana. (2005). Movimento cultural nos estudos organizacionais: uma abordagem interdisciplinar focada no consumo e na globalização. Rio de Janeiro: Cadernos EBAPE.BR, v.iii, n.2, março de 2005, pp FACCHINETTI, C. (2002). O antropófago e Freud. In: FACCHINETTI, Cristiana. (Org.). Lições de Psicanálise 1 - Sedução e fetiche na comunicação. 1 ed. Rio de Janeiro, 2002, v. 1. acesso em março de RAMOS, Guerreiro. (1958). A redução sociologica : introdução ao estudo da razão sociologica; Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1958.

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A NOVA QUESTÃO SOCIAL *

A NOVA QUESTÃO SOCIAL * COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. A Nova Questão Social. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. A NOVA QUESTÃO SOCIAL

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica

PRAXIS. EscoladeGestoresdaEducaçãoBásica PRAXIS A palavra práxis é comumente utilizada como sinônimo ou equivalente ao termo prático. Todavia, se recorrermos à acepção marxista de práxis, observaremos que práxis e prática são conceitos diferentes.

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 1: resumo expandido de comunicação científica A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA: UMA ANALISE

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

Direito de Autor e Sociedade da Informação

Direito de Autor e Sociedade da Informação Direito de Autor e Sociedade da Informação 1. Vivemos imersos há alguns anos, e de um modo crescentemente acentuado, na assim chamada sociedade da informação. Ao certo o rótulo não tem conteúdo definido,

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Caminhos para Análises de Políticas de Saúde

Caminhos para Análises de Políticas de Saúde Caminhos para Análises de Políticas de Saúde Tatiana Wargas de Faria Baptista Ruben Araujo de Mattos Este texto integra o material Caminhos para análise de políticas de saúde, produzido com apoio da Faperj,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável

uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável uma agenda universal para o desenvolvimento sustentável Raphael Azeredo Vinícius Fox Drummond Cançado Trindade Só nos sustentamos em pé porque estamos ligados uns aos outros. A inspiradora frase de Candido

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença.

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença. GESTÃO DE PESSOAS I 3º Roteiro de Estudo - Globalização, capital humano e gestão de pessoas Vários paradigmas relacionados ao sucesso das empresas envolvem pessoas EMPRESAS DAS LEARNING ORGANIZATIONS CENÁRIO

Leia mais

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos

7 Conclusão e sugestões para futuros estudos 7 Conclusão e sugestões para futuros estudos Neste capítulo são apresentadas as conclusões do estudo, em seguida é feita uma reflexão sobre os objetivos iniciais do trabalho, as sugestões para estudos

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

GESTÃO DE CONFLITOS. Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br

GESTÃO DE CONFLITOS. Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br GESTÃO DE CONFLITOS Prof. Angelo Brigato Ésther angelo.esther@ufjf.edu.br GESTÃO DOS CONFLITOS NAS ORGANIZAÇÕES INTRODUÇÃO O conflito nem sempre foi encarado positivamente pela administração, especialmente

Leia mais

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS E MÍDIA: REFLEXÕES SOBRE SEUS PRINCÍPIOS E RELAÇÕES

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS E MÍDIA: REFLEXÕES SOBRE SEUS PRINCÍPIOS E RELAÇÕES TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS E MÍDIA: REFLEXÕES SOBRE SEUS PRINCÍPIOS E RELAÇÕES Ivan Paladino Leila Coutinho Magnani Carneiro Marcos Antonio Magnani Carneiro Resumo Neste texto, busca-se delinear a interação

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón.

Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón. Cooperativas articuladas em rede e o mercado: o sucesso das estratégias da Cooperação Cooperativa Mondragón. Letícia Cristina Bizarro Barbosa 1. Introdução Com o mercado cada vez mais competitivo, as empresas

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação

2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 2 Agentes Comunitários de Saúde e sua atuação 1. A saúde é direito de todos. 2. O direito à saúde deve ser garantido pelo Estado. Aqui, deve-se entender Estado como Poder Público: governo federal, governos

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO

PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO PROGRAMA DE PESQUISA - REDE DOCTUM DE ENSINO O Programa de Pesquisa da Rede Doctum de Ensino parte de três princípios básicos e extremamente importantes para o processo de Pesquisa: 1. O princípio de INDISSOCIABILIDADE

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET

Denise Fernandes CARETTA Prefeitura Municipal de Taubaté Denise RAMOS Colégio COTET O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM INFANTIL NAS PERSPECTIVAS SÓCIO-HISTÓRICA, ANTROPOLÓGICA E PEDAGÓGICA: UM ESTUDO DO REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Denise Fernandes CARETTA Prefeitura

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo

CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO. Palavras Chave: Educação Física, Ensino Médio e Circo CIRCO: UMA PRÁTICA CORPORAL VIVENCIADA POR ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MARIA CRISTINA LOZANO Grupo de Pesquisa Educação Física FEUSP / CNPQ Este estudo é um relato de um projeto de educação física, entitulado

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática

Gestão do Conhecimento e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Gestão do Gestão do e Redes Sociais: entre a teoria e a prática Na Universidade, as redes sociais e o conhecimento como ativo intangível são focos de estudo de diversos campos. Já nas empresas, a Gestão

Leia mais

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL

ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL ESTUDANDO A IDENTIDADE DOCENTE DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA UFPR SETOR LITORAL Resumo Bruno da Silva Piva Picon 1 - UFPR Sérgio Camargo 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Formação de Professores e

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1 O DESAFIO DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NOS CURRICULOS E NAS PRÁTICAS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ana Carolina Corrêa 1 RESUMO O presente artigo pretende refletir sobre a urgente e necessária efetivação da

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SECRETARIADO E ESTUDOS EXTRACURRICULARES: MOMENTOS DE LEITURAS DIRIGIDAS

CURSO TÉCNICO EM SECRETARIADO E ESTUDOS EXTRACURRICULARES: MOMENTOS DE LEITURAS DIRIGIDAS 107 CURSO TÉCNICO EM SECRETARIADO E ESTUDOS EXTRACURRICULARES: MOMENTOS DE LEITURAS DIRIGIDAS Cândida Martins Pinto 16 Cláudia Anita Guerra 17 Resumo: Este artigo tem por objetivo divulgar e refletir sobre

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Palavras-chave: Formação, Aprendizagem, Ensino

Palavras-chave: Formação, Aprendizagem, Ensino LABORATÓRIO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Cármen Lúcia Rodrigues * RESUMO O presente texto busca explicar o que é o Laboratório de Ensino e Aprendizagem do curso de Pedagogia ULBRA/Guaíba, relatando suas funções,

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS UM RELATO DE EXPERIÊNCIA COM O TRATO DO CONTEÚDO LUTAS NO ENSINO INFANTIL: REFLEXÕES INICIAIS Autor: HENRIQUE GERSON KOHL Introdução A experiência em questão materializa-se a partir do trato do conteúdo

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES

A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES A DIVERSIDADE CULTURAL: UM ELO ENTRE A MATEMÁTICA E OUTROS SABERES Marilene Rosa dos Santos Coordenadora Pedagógica de 5ª a 8ª séries da Prefeitura da Cidade do Paulista rosa.marilene@gmail.com Ana Rosemary

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010.

Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. O Global e o Contextualtual no Aprendizado Gerencial de Multinacionais Uma Perspectiva Brasileira Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. Américo da Costa Ramos Filho 22 de março de 2010. OBJETIVO

Leia mais