A Parábola Cotidiana do Sr. José A Caverna, uma poderosa diatribe de Saramago contra o capitalismo. Gabriel Lopes Pontes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Parábola Cotidiana do Sr. José A Caverna, uma poderosa diatribe de Saramago contra o capitalismo. Gabriel Lopes Pontes"

Transcrição

1 A Parábola Cotidiana do Sr. José A Caverna, uma poderosa diatribe de Saramago contra o capitalismo Gabriel Lopes Pontes Por muitos anos, o prêmio Nobel de Literatura pareceu seguir um estranho padrão. Era como se a postura deliberada das sumidades que compunham sua comissão julgadora fosse a de buscar os merecedores de seus lauréis dentre os mais desconhecidos dos desconhecidos, escritores solitários perdidos em pueblecitos espanhóis remotos, vilarejos transilvanos ermos ou aldeolas bálticas perdidas na bruma. Nesse garimpar insano dos sábios de Estocolmo, vieram à tona escrevinhadores de domingo sem nenhuma projeção nem mesmo em suas províncias; velhotes de olhar esbugalhado, comportamento taciturno e balbuciar demente diante dos raros microfones que conseguiam a façanha de flagrá-los em suas sazonais saídas de seus retiros ascéticos; obscuros criadores de obras rarefeitas e de mínima tiragem, escritas num linguajar incompreensível e num estilo bisonho; abordando uma temática insossa e mascarando, sob o rótulo (falso) de inovação estilística, a mera falta da menor familiaridade com a mais elementar carpintaria literária. Depois de encher o saco do leitor comum com a constante revelação desses ilegíveis portentos, os responsáveis pela distribuição das polpudas coroas do monarca sueco aos luminares das belas-letras aparentemente se mancaram e, no que talvez tenha sido uma tentativa de tornar o prêmio mais popular e, consequentemente, mais lucrativo, parece que passaram a usar o gosto do cidadão comum como termômetro e bússola para a outorga da palma. O resultado é benéfico para quem gosta de boa leitura e para quem escreve bem, afinando-se o critério da comissão com o que há mesmo de bom na Literatura contemporânea. A louvável tendência de uns anos pra cá tem sido, portanto, a de premiar artistas de grande aceitação, criadores de uma linguagem verdadeiramente particular, original e capaz de tragar o leitor num vórtice delirante de beleza insólita. O prêmio foi para o colombiano Gabriel García Márquez, o amável Gabo dos longos bigodes de morsa plácida, de olhar melancólico e que algum imbecil sem a mais vaga ideia do que seja a nobilíssima arte da literatura assassinou na internet atribuindo-lhe, como despedida da vida, um poema indigno de figurar até mesmo na contracapa do caderno de

2 um colegial deslumbrado e com pretensões a versejador. Só mesmo um cretino de marca maior poderia querer impingir a autoria daqueles pseudo-versos altamente sofríveis a um homem que tornou memorável cada linha que escreveu, que se deu ao luxo de abrir seu imortal Cem Anos de Solidão com um parágrafo que é praticamente um alexandrino, que fez de cada um dos seus romances um desfiar contínuo e cantante de pérolas do mais alto valor. Mas deixa isso para lá. Os gênios costumam ser vítimas dessas canastrices com as quais os medíocres procuram aparecer às suas custas. Este simpático Gabo teve um começo de vida difícil em sua Cartagena de Las Índias, onde ouviu das velhas da família as primeiras estórias habitadas por personagens fantasmais, tão cotidianos quanto o carteiro ou o bêbado da esquina e que iriam povoar seu universo. Universo este que ele insiste em chamar apenas de realista e que, querem o vulgo e a intelectualidade, seja traduzido pelo pomposo e contraditório epíteto de realismo fantástico. Fora da terra natal seus dias também não foram dos mais sorridentes. Enviado por um jornal a Paris, onde habitava um cubículo cujo único adorno era uma fotografia de Mercedes, a companheira da sua vida e, segundo ele próprio, o personagem mais fantástico que jamais conheceu, viu seu entusiasmo pelo que parecia ser uma grande oportunidade esfriar rapidinho, quando uma das inumeráveis crises políticas do seu país, que o coronel Aureliano Buendía iria simbolizar tão bem ao promover e perder três dúzias de guerras civis, levou o seu jornal à falência e o isolou, totalmente esquecido e sem vintém, numa Paris já não tão gentil. Obrigado a mendigar, guardou como uma grande mágoa, até a sua morte (a real, recentemente ocorrida, não a da internet), a áspera recusa de um cidadão que lhe ofereceu uma moeda, em escutar sua explicação para tão humilhante atitude. Nos primeiros claudicantes passos de sua carreira de narrador, dormia num catre infecto de um tabique mínimo, meia-parede com outros inumeráveis tabiques em que se dividia um famigerado prostíbulo. Este leito miserável era o único pelo qual podia pagar dois pesos, e, mesmo assim, sendo obrigado a deixar como penhor na portaria os originais do seu primeiro romance, O Enterro do Diabo, cuja análise, por parte do especialista de uma editora argentina, incumbido de selecionar os novos títulos a serem lançados por sua empresa, resultou num não muito simpático conselho de que Gabo mudasse de ofício.

3 Realmente, esta obra de iniciante era mesmo uma obra de iniciante, mas já traía a extensão do caminho que ele iria trilhar. Sucesso mesmo, Gabo só conheceria quando Cem Anos de Solidão, da noite para o dia, começasse a vender, segundo as suas próprias palavras, como cachorro-quente. Esta é, indubitavelmente, a sua obra matricial, da qual todas as outras se originam e em volta da qual orbitam, salvo O General em Seu Labirinto, O Amor Nos Tempos do Cólera e Do Amor e Outros Demônios, além do volume dos Doze Contos Peregrinos, todos estes ambientados fora do contexto macondiano. Ela iria granjear-lhe uma imensa popularidade, apontada pelos que o admiravam e torciam por ele, como exatamente e paradoxalmente o principal impedimento na sua corrida rumo ao Nobel. A sua conquista, exatamente por sua indiscutível justiça, surpreendeu a todos os que, como eu, já estavam acostumados a ver o prêmio ir parar nas mãos de algum provinciano hermético e anônimo; motivou um carnaval colombiano fora de época e inaugurou (ainda bem!) uma postura bem mais razoável por parte da comissão julgadora. O Nobel foi também para Günter Grass, o alemão que, se tivesse se dedicado apenas à cerâmica; aos desenhos em bico-de-pena afiado e afinadíssimo; às inúmeras e bemsucedidas experimentações com materiais tão díspares quanto a suave aquarela e o robusto giz-de-cera, às gravuras em metal técnica que chega a ser antipática de tão difícil e que ele domina com surpreendente perícia ; nas quais ele cria imagens ora de pungente lirismo, ora do mais puro expressionismo germânico, não precisaria ter escrito sequer uma sílaba para que legasse à Humanidade uma obra perene. Mas Grass fez mais do que isso. Em seus livros, ele visitou e revisitou sua Alemanha natal ao longo do século XX, que ele retrata e decanta tão bem, lançando sobre ambos, a Alemanha e o século, uma visão impiedosa, onde as mais escabrosas situações, as mais obscenas ocorrências, as mais amorais condutas são vividas pelas mais hipócritas, sórdidas e asquerosas personagens, numa tradução original desta Alemanha que foi a grande protagonista dos dois últimos séculos, vivendo neles um brechtiano papel de diva enlouquecida, bêbada e sifilítica, sob a luz em coluna dos descomunais holofotes que Speer, mestre de cerimônias e queridinho de Hitler, direcionou e endereçou para o infinito; das tochas com que ele atulhou as ruas em tétricos desfiles noturnos à moda druidesca; das chamas do reichstag que um Goering obeso e abjeto mandou incendiar. Por

4 fim, fosforesceu num último brilho pálido, esta Alemanha em patética queda sob a luz dos obuses russos reduzindo a chancelaria a escombros, das explosões do bombardeio yankee fazendo da linda catedral de Colônia um amontoado de farelo, das bombas incendiárias varrendo Düsseldorf, Bremen, Frankfurt. Quanto à capital, cantava-se por suas ruas: Berlim, deiner tanz ist der tod... (Berlim, tua dança é a morte). É impressionante travar conhecimento com os trabalhos plásticos de Grass depois de termos nos deleitado com sua obra literária, seja ensaística ou ficcional. Verificamos uma tal complementaridade entre seus escritos e seus desenhos, gravuras ou esculturas, que se torna desnecessário procurar nestes últimos a sua assinatura para ficarmos sabendo que é ele o autor. Grass foi um dos poucos escritores (um outro a fazê-lo foi o abominável Saint-Exupéry, que se saía tão mal como romancista quanto como aquarelista) a também criar as capas dos seus livros. E, certamente nenhum outro poderia cumprir a tarefa com tanta adequação. Um detalhe curioso: Grass quer dizer grama em alemão e grama é o único ingrediente da sopa da qual se compunha exclusivamente a dieta de um dos mais importantes personagens daquele O Enterro do Diabo, obra primeva de um Gabo ainda vacilante no manobrar dos instrumentos do seu mister, mas que, apesar disso, já esboçava o deslumbrante painel que iria compor ao longo das décadas, plantando, neste romance de estreia, as sementes do seu código único, que seu invulgar talento iria saber irrigar e fazer florescer. E o Nobel também foi para o José Saramago. Este pequeno, pacato e profundamente niilista português que teria, segundo uma lenda que não confirmei, mas que cito aqui por seu sabor anedotário, sido um analfabeto sapateiro que só pela sexagésima primavera teria desvendado o mágico mistério de transformar sinais gráficos em sons. Qualquer que tenha sido o momento em que ele se tornou íntimo das letras, não resta dúvida que a Humanidade, a partir dele, passou a viver num mundo mais rico. Mais que criar um estilo pessoal, o que Saramago fez foi, literalmente, inventar uma nova maneira de escrever, entre outras coisas praticamente não fazendo parágrafos. Ao adotar esta postura, não deixa de aproximar-se de Gabo quando este traz à luz um O Outono de Patriarca que é um único e deslumbrante parágrafo sobre o solitário ocaso de um ditador latino-

5 americano, cuja sacada é atulhada de vacas e cujo gigantesco testículo repousa num banquinho, exibindo uma hérnia que é um símbolo de prestígio caribenho. Na literatura saramaguiana são as vírgulas que determinam onde a frase termina e qual pontuação lhe cabe, sendo que a intenção da frase é indicada pela métrica, não chegando os sinais de interrogação ou exclamação a precisarem ser representados. O travessão vai para o espaço e a interferência do autor, se desdobrando em comentários secundários e trazendo primores dos ditos populares, antes de voltar ao tronco principal da narrativa, se faz onipresente. A amálgama desses fatores resulta em livros altamente originais, narrados numa forma que, à primeira vista, pode parecer atordoante, mas que é enganosamente escorreita e de leitura sumamente agradável. Este seu estilo único e que desperta, em quem o lê, aquela velha pergunta: Puxa, porque é que ninguém nunca pensou nisto antes em muito aproxima a palavra escrita da palavra pensada. Sua Literatura, mais do que um diálogo com o leitor, é um ininterrupto desenrolar de ideias, como se o autor tivesse ligados, ao seu cérebro (brilhante), eletrodos que conduzissem seu pensamento a uma maquininha que os registrasse incontinenti e os fosse expelindo digitados, corrigidos, impressos, prontos para serem lidos, para conquistarem milhares de fãs apaixonados ao redor do mundo inteiro, rumo a Estocolmo. Sua popularidade talvez se deva, em grande medida, ao caráter de seus personagens, que são ao mesmo tempo completamente particulares e absolutamente comuns. O seu impagável Sr. José, protagonista de Todos os Nomes, por exemplo, é a personificação do sujeito medíocre, apagado, anônimo, mas há nele, enquanto personagem literário, uma força de colosso. Um terceiro aspecto da sua Literatura que a torna ainda mais atraente e a liga, de certa maneira, tanto àquela de Gabo quanto àquela de Grass, é a de que este Olimpo das belasletras contemporâneas tem em comum, além do Nobel e de outros muitos e altos méritos, o fato de que, em suas obras, o absurdo aparece não só como razoabilíssimo mas como já previsível e mesmo esperado, o insólito reveste-se de uma placidez cotidiana, o inusitado é o óbvio do óbvio, o chocante não choca, o surpreendente não surpreende, o assombroso não assombra, estes elementos antes agradam, encantam, deleitam.

6 Assim, se Gabo cria um apaixonado que traz à sua volta uma miríade de borboletas azuis e Grass faz um romance seu ser protagonizado por um menino que, chocado com o mundo dos adultos, se recusa a crescer, passando a se comunicar através do rufar de um tambor metálico, Saramago junta um soldado maneta e uma mulher que tem a propriedade de enxergar as almas ao voador frade Bartolomeu de Gusmão; se García Márquez coloca os escombros de um galeão espanhol perdidos na exuberância de uma selva tropical e o alemão vê Paris como uma cidade cujo clima romântico é mantido por casais pagos para se agarrarem em público, Saramago narra a espontânea conversão da Península Ibérica em jangada de pedra singrando o Atlântico; se em Macondo a chuva dura meses, o tabelionato onde o Sr. José trabalha é um minoico labirinto inescrutável; se Grass faz uma personagem feminina se suicidar pela inusitada via da ingestão exagerada de enguias, Saramago descreve uma antológica conversa entre D us e o diabo a negociar a alma de Jesus Cristo. Mas, para além da linguagem personalíssima, da riqueza literária de personagens socialmente pobres e do insólito tratado como cotidiano, a Literatura de Saramago tem seu esteio mais sólido, seu traço mais marcante e, quiçá, seu mais eloquente mérito, numa absolutamente nova mescla de crítica social com linguagem parabólica, prodígio que ele opera com impressionante naturalidade, e que se evidencia, deslumbrantemente, em A Caverna, um dos mais belos livros jamais criados e que seria sua obra-prima, se não constasse de sua produção um romance de uma iconoclastia demolidora que se chama O Evangelho Segundo Jesus Cristo. O personagem principal de A Caverna é Cipriano Algor - e algor significa o frio que prenuncia a febre. Oleiro simplório, Cipriano é um daqueles profissionais da manufatura utilitária em rápido processo de extinção, um artesão que tenta continuar uma tradição que o incontrolável avanço tecnológico empurra cada dia mais para uma obsolência jurássica. Este simpático pobre coitado levou uma vidinha plácida em sua granja de aldeia, tirando seu sustento da olaria em cuja porta uma amoreira-preta sombreia um banco de pedra. Neste rústico local de trabalho, viu Justa Inácia, sua companheira de toda vida, tombar sobre um dos tornos, fulminada por um enfarte. Tendo passado a viver com Marta, a filha única, Algor, com muito gosto, a vê casar-se com o decente, mas insípido, Marçal Gacho - e gacho significa a parte do pescoço do boi sobre a qual se apoia a canga - com quem mantém as melhores relações e que vai morar com eles. Marçal é guarda de um

7 potente complexo comercial-industrial conhecido pura e simplesmente como O Centro, único comprador da produção oleira de seu sogro. Sua grande aspiração é a concretização da promoção a guarda-residente, patente que lhe daria o direito de passar a residir, junto com a esposa e um eventual outro parente, neste monstruoso conglomerado de lojas da moda e restaurantes fast food; indústrias de base e de bens de consumo; escritórios de agências de viagens e escolas de línguas; laboratórios bioquímicos e clínicas de medicina nuclear; academias militares e núcleos de preparação de diplomatas; áreas de diversão e centros culturais; igrejas, sinagogas e mesquitas, canchas de rugby, campos de golfe e quadras de basquete; cadeias de telecomunicações, redes bancárias e complexos editoriais. O Centro, maximização do castelo kafkiano, tradução metafórica da megalomania capitalista, apoteose do progresso desmesurado, clone pós-moderno da Torre de Babel, se arvora no papel de D us e sintetiza tudo, reproduzindo entre suas paredes que não param de crescer para baixo, para cima, para os lados um mundo dentro do mundo em constante expansão, replicando literalmente tudo que há naquele que o envolve e que, a julgar pelo andar da carruagem, logo passará a conter. Reproduz com absoluta precisão e febril velocidade todos os monumentos do presente e do passado, todos os recantos paradisíacos, todos os fenômenos da natureza que fora dele existam na sua versão original, oferecendo aos que nele vivem ou que o frequentam tudo isso como uma atração do gigantesco shopping center que, em última análise, é. Mas o Centro é muito mais do que um mall de proporções inusitadas. Uma rígida burocracia o comanda e seus funcionários são investidos de uma autoridade hierática que os fazem agir com uma empáfia tão grande que desencoraja os fornecedores a entabularem uma conversa mais esticada. O Centro funciona, seus funcionários devem funcionar e quem tem o privilégio de habitar nele ou a infelicidade de viver fora dos seus limites, com ele mantendo alguma espécie de relação sempre subserviente deve respeitar a sua rígida hierarquia. Quando o visita com sua furgoneta velha, depois de ter passado pelo assimchamado cinturão industrial, onde os barracos proliferam com a mesma velocidade dos crimes evidente sátira à periferia de miséria que o capitalismo vai construindo ao seu redor e deixando na sua esteira Cipriano Algor tem que enfrentar longas horas na fila até ser atendido por um funcionário frio e ríspido. Numa dessas visitas quinzenais ao monstrengo que absorve sua modesta produção, o oleiro é surpreendido com a notícia,

8 dada sem maiores delongas e sem a menor piedade, de que seus trastes não interessam mais e que O Centro não só não vai continuar a comprá-los como ele deve retirar, em prazo exíguo e por conta própria, o estoque deles que lá está armazenado. Evidentemente que a notícia caí sobre o pacato artesão com o impacto de um coquetel Molotov, mas as peripécias não param por aí. Sua filha se descobre grávida e os pais de seu genro o infernizam para que sejam eles a serem levados para O Centro quando a tão almejada promoção sair. Pra completar, ele inicia um velado romance outonal com uma vizinha viúva, Isaura Estudiosa, que o encontrara no cemitério onde ambos tinham ido visitar seus esposos defuntos e aparece em sua propriedade um cão vindo não se sabe de onde, que a ele se afeiçoa e ao qual ele dá o adequado nome de Achado. Sabendo da desdita do pai, Marta se dispõe a ajudá-lo na elaboração e confecção de patéticas estatuetas de personagens variados que substituiriam os objetos domésticos que ele fornecia ao Centro. É a última esperança do velho Algor, sua última chance não só de sobreviver do seu próprio trabalho como de continuar se sentindo útil. Se a ideia de sua filha fracassar ele terá que desistir da vizinha, se despedir da quinta dos seus amores e abrir mão do cão Achado, pois é proibido que animais habitem as instalações destinadas aos funcionários e seus familiares. Ou seja, com rara habilidade, Saramago insere uma trama operária perfeitamente possível num contexto delirante, ambienta uma comovente estória de heróis anônimos num cenário entre o surreal e o futurista, urde uma tragédia suburbana num mundo onde o banal e o simbólico se interpenetram com a maior razoabilidade. Enfim, funde o teor social de romances como Germinal de Emile Zola, As Vinhas da Ira, do também Nobel Steinbeck e Como Era Verde Meu Vale, de Somerset Maugham, com um realismo fantástico na linha de Kafka, Veiga e Scorza. O Centro compra uma primeira leva de estatuetas para submetê-las a uma enquete e, chegando à conclusão de que são invendáveis, encerra suas relações comercias com Algor, que passa a viver nas suas instalações dada a promoção de Marçal Gacho. A princípio, o velho oleiro percorre os vastos espaços de seu novo lar, não se entusiasmando nem um pouco com suas inumeráveis atrações, que exercem sobre muitos o poder de uma droga viciante. Finalmente, infringindo as insuportáveis regras que regem o colossal complexo,

9 ele desce a um dos seus mais profundos sub-níveis, onde viola o segredo de uma monumental descoberta aparentemente arqueológica: nada mais nada menos que a caverna de Platão. A experiência transfigura a ele e ao genro, que ele induz a também conhecer a misteriosa gruta. Decidido a não viver mais neste Centro dos infernos, aconteça o que acontecer, Algor reaparece na sua antiga morada e visita a vizinha Isaura Estudiosa, aliás Madruga, a pretexto de ver o cão Achado, que tinha confiado aos seus cuidados, protagonizando os dois uma pungente cena de declaração de amor. Gacho abandona o emprego que passara a sufocá-lo e os dois casais, o velho e o jovem, acompanhados do seu amigo de quatro patas, partem para horizontes incertos e vagos, mas novos e desanuviados, enquanto O Centro transforma a caverna (até mesmo ela!) em fonte de lucro. Em suma, um romance em que o objetivo maior da busca da beleza é levado a cabo numa linguagem altamente pessoal; em que a fusão inaudita de crítica social e parábola literária gera uma devastadora diatribe contra o capitalismo e sua funesta capacidade de levar de roldão os seres humanos em sua busca insaciável de lucro; em que o recurso da metáfora e o linguajar cotidiano se mesclam numa reinvenção da métrica que renova e eleva a prosa.

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino

Cubismo. 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Cubismo 9º Ano 2015 1º Bimestre Artes Prof. Juventino Guernica Cidade... Loucura... Ou...Arte? Pablo Picasso Nome: Pablo Picasso Nascimento : Andaluzia 1881 Filho de: José Ruiz Blasco E de: Maria Picasso

Leia mais

A caverna 1. The cavern

A caverna 1. The cavern A caverna 1 The cavern 13 Andreza Marques de Castro Leão * A presente resenha tem por foco apresentar o livro intitulado A Caverna, de autoria do conhecido escritor português José Saramago. É mister esclarecer

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes:

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes: Blogs agosto/2009 Blogs são sites estruturados de forma a permitir atualização rápida por meio de acréscimos dos artigos ou posts. Eles são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tratando

Leia mais

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven.

readquire a alegria de viver. O incrível universo do jardim fortalece a amizade entre as crianças e traz de volta o sorriso ao rosto do senhor Craven. O JARDIM SECRETO Introdução ao tema Mais que um simples romance sobre a descoberta de um lugar proibido, O jardim secreto revela o fascínio dos primeiros contatos com a natureza e a importância que ela

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações

Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações Programa Educativo 2014 2015 Público Escolar Museu das Comunicações Visitas guiadas às exposições Exposições Permanentes Vencer a Distância - Cinco Séculos de Comunicações em Portugal Horários: 3ª a 6ª

Leia mais

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social)

TEXTO DEFINITIVO. Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) TEXTO DEFINITIVO Mirtes Timpanaro. A morte como memória: imigrantes nos cemitérios da Consolação e do Brás (FFLCHUSP mestre em História Social) Quando eu morrer quero ficar, Não contem aos meus inimigos

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Bernardo Carvalho, madeira de lei

Bernardo Carvalho, madeira de lei Bernardo Carvalho, madeira de lei por Moisés Neto O escritor Bernardo Carvalho nasceu no Rio de Janeiro, vive em São Paulo, mas para ele é fundamental o sentimento de não pertencer a um lugar, um certo

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

Fotografias de Raquel Porto

Fotografias de Raquel Porto Fotografias de Raquel Porto A RAPARIGA QUE SABIA ANTES Não se lembra da primeira vez que aconteceu. Foi talvez na infância, não se lembra ao certo. Para ela sempre foi assim. Vê as coisas acontecerem antes

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 Produção Este E-book é Produzido por: Sérgio Ferreira, administrador do blog: www.trabalhandoonline.net Visite o site e conheça várias outras Dicas GRÁTIS

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA

COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO VESTIBULAR PUCPR 2009/2010 PROVA DE LITERATURA Nenhuma questão com problema no gabarito. Nenhuma falha mais clamorosa. Logo, podemos considerar excelente

Leia mais

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes

R. Rutschka. R. Rutschka. P. Rull Gomes Primeira Edição R. Rutschka Ilustrações de: R. Rutschka Revisão de texto: P. Rull Gomes São Paulo, 2012 3 R. Rutschka 2012 by R. Rutschka Ilustrações R. Rutschka Publicação PerSe Editora Ltda. ISBN 978-85-8196-024-1

Leia mais

VESPERAIS NAS JANELAS

VESPERAIS NAS JANELAS GRUPO REDIMUNHO APRESENTA: VESPERAIS NAS JANELAS O Coração do Lugar Uma Intervenção Lítero-Musical-Teatral PROAC ICMS 2013 "o teatro não chega em alguém, alguém faz 'chegar' o teatro a si mesmo" (C. Tindemans)

Leia mais

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em artigo do jornal Folha de São Paulo, como se tornou escritor de sucesso. A narrativa de Paulo Coelho fez parte

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Princípios de Fé Estudo 1

Princípios de Fé Estudo 1 Estudo 1 1 Tema: A fé e a comunhão Texto Base: o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com

Leia mais

O pequeno aventureiro

O pequeno aventureiro O pequeno aventureiro a a Guilherme Carey era um menino muito ativo. Morava em Paulerspury, uma pequena vila na Inglaterra. Todos os dias, Guilherme ia para a escola, onde seus colegas o apelidaram de

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental

CONCURSO DE ADMISSÃO 2015/2016 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA (Prova 1) 6º Ano / Ensino Fundamental Leia atentamente o texto 1 e responda às questões de 01 a 12 e 18, assinalando a única alternativa correta. Texto 1 O pote vazio 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24

Leia mais

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015]

Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] 1 Manual de Respostas do Álbum Líturgico- catequético No Caminho de Jesus [Ano B 2015] Página 9 Na ilustração, Jesus está sob a árvore. Página 10 Rezar/orar. Página 11 Amizade, humildade, fé, solidariedade,

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

Enquanto, durante todos aqueles anos, eu dava filhos a meu marido minha irmã continuava estéril. Era infeliz. Assim Jacó também era infeliz.

Enquanto, durante todos aqueles anos, eu dava filhos a meu marido minha irmã continuava estéril. Era infeliz. Assim Jacó também era infeliz. Marcia Neder é psicanalista, pesquisadora do Núcleo de Pesquisa de Psicanálise e Educação da Universidade de São Paulo (Nuppe-USP) e autora do livro Déspotas Mirins O Poder nas Novas Famílias, da editora

Leia mais

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS

OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS Autor e Consumador da Nossa Fé (Hebreus 12) Introdução: Para uma melhor compreensão do texto sobre o qual vamos meditar durante todo esse ano, é necessário observar que ele

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41%

56,6% 51% 52% 49% 48% 48% 48% 49% 46% 46% 41% 1 Alfabetização, Educação Infantil e acesso à cultura escrita: as possibilidades da escola de nove anos Nestes tempos em que o país parece ter finalmente acordado para a questão da qualidade da educação

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab

A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab A BÍBLIA EM NOSSA VIDA Bruno Glaab Para os cristãos, bem como para os judeus e também alguns outros grupos religiosos, a Bíblia é um livro de extraordinária importância. Mesmo pessoas sem fé lêem a Bíblia.

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos

Prova de Conhecimentos Específicos Prova de Conhecimentos Específicos Leia o texto e responda às questões seguintes: 5 10 15 20 25 30 35 40 Em 1802, o teólogo inglês William Paley propôs o seguinte argumento tentando justificar a existência

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

ROMARIA DA FESTA DAS ROSAS E DOS CESTOS VOTIVOS PARTE II

ROMARIA DA FESTA DAS ROSAS E DOS CESTOS VOTIVOS PARTE II ROMARIA DA FESTA DAS ROSAS E DOS CESTOS VOTIVOS PARTE II Em 1622 Frei Bartolomeu religioso da Ordem dos Beneditinos, funda em Vila Franca, perto de Viana do Castelo, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário.

Leia mais

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula

História da Arte. Exercícios de Sala de Aula História da Arte Exercícios de Sala de Aula A arte é um conjunto de procedimentos que são utilizados para realizar obras, e no qual aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como:

Leia mais

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM COPYLEFT 2010 O QUE SÃO? É UMA FORMA DE ARTE QUE CONJUGA TEXTO E IMAGENS COM O OBJETIVO DE NARRAR HISTÓRIAS DOS MAIS VARIADOS GÊNEROS

Leia mais

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto

Cemitério Municipal de Curitiba traz histórias e arte a céu aberto 1 de 7 04/06/2013 12:52 globo.com notícias esportes entretenimento vídeos ASSINE JÁ CENTRAL E-MAIL criar e-mail globomail free globomail pro ENTRAR Paraná 04/06/2013 09h20 - Atualizado em 04/06/2013 12h15

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas

TEMPO DO NATAL I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA HINOS. Vésperas I. ATÉ À SOLENIDADE DA EPIFANIA No Ofício dominical e ferial, desde as Vésperas I do Natal do Senhor até às Vésperas I da Epifania do Senhor, a não ser que haja hinos próprios: HINOS Vésperas Oh admirável

Leia mais

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões.

Nós, alunos do 2º A, queremos tratar as pessoas com respeito e amor, estudar com muita dedicação e sempre pensar antes de tomar decisões. Como tratar as pessoas: de uma maneira boa, ajudar todas as pessoas. Como não fazer com os outros: não cuspir, empurrar, chutar, brigar, não xingar, não colocar apelidos, não beliscar, não mentir, não

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada. Olá pessoal! Resolverei neste ponto o desafio que coloquei no site na semana passada. Fiquei muito feliz com o respaldo que essa questão teve. Virou até tópico do Fórum Concurseiros. http://www.forumconcurseiros.com/forum/showthread.php?t=274909

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL

ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL ATIVIDADE 02 A PRESERVAÇÃO DO NOSSO PATRIMÔNIO CULTURAL O patrimônio cultural de uma comunidade é o conjunto de referências que compõem o seu dia-a-dia e fazem com que ela tenha uma memória e uma história

Leia mais

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP

Cursos TudoVerde CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP Cursos TudoVerde O Modo Close-up Trabalhando o Foco Luz e Iluminação Uso das Cores Temas e Fundos Dicas Álbum On-Line CURSO DE FOTOGRAFIA DIGITAL EM CLOSE-UP SUMÁRIO A FOTOGRAFIA EM CLOSE-UP 3 ENTENDENDO

Leia mais

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje.

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 1. TEMA: Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 2. SÉRIE: 1º Ciclo 2ª série. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS: História: História Local e do Cotidiano. Geografia: O lugar e a Paisagem 4. AUTOR / EMAIL Evelin

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr.

O comerciante francês havia sido um homem talentoso e amável. Tinha uma mulher encantadora e uma família numerosa. Contrastado com o pétreo Mr. I. MR. CLAY Na década de sessenta do século passado, vivia em Cantão um negociante de chá, imensamente rico, de nome Mr. Clay. Era um velho alto, seco e insociável. Tinha uma casa magnífica e uma esplêndida

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema.

LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO. PALAVRAS-CHAVE: Caligrafia, Imagem, Livros manuscritos árabes e persas; cinema. LETRAS E PALAVRAS: IMAGENS DO ÚLTIMO CALÍGRAFO RODRIGUES, Ubirajara Alencar (UNICAMP) RESUMO: Esse texto é sobre imagens de letras, livros e filmes; e particularmente as de um pequeno documentário encontrado

Leia mais

DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO

DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO CADAVÉRICO DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO 3 Edição ELEMENTAL EDITORAÇÃO Copyright 2013 DONNEFAR SKEDAR, CADAVÉRICO 3 EDIÇÃO JANEIRO 2015 CAPA: DONNEFAR SKEDAR FOTO DA CAPA: PETR KRATOCHVIL DIAGRAMAÇÃO E EDIÇÃO:

Leia mais

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ

EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ EXERCÍCIOS MATINAIS E NOTURNOS EFETUADOS PELO ASPIRANTE ROSACRUZ O EXERCÍCIO NOTURNO O exercício noturno, Retrospecção, é mais valioso do que qualquer outro método para adiantar o aspirante no caminho

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS

UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS UMA PEREGRINAÇÃO AOS SANTUÁRIOS DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS por Sri Daya Mata S E L F R E A L I Z A T I O N F E L L O W S H I P Fundada em 1920 por Paramahansa Yogananda Sri Daya Mata, Presidente UMA PEREGRINAÇÃO

Leia mais

ESTUDO DE CASOS DE MORAL

ESTUDO DE CASOS DE MORAL Michael Sandel: Justice Series ESTUDO DE CASOS DE MORAL Avaliação de diversos casos morais a partir da análise de Michael Sandel, professor do curso de Direito em Harvard. Compilados, comentados e traduzidos

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE

O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE 53 O SUICÍDIO: UMA OUTRA VISÃO PERANTE A MORTE Sidnei Shirosaki Faculdade Unida de Suzano(sidnei.shirosaki@uniesp.edu.br) Resumo A morte é tratada de forma diferente por diversos povos, mas sempre com

Leia mais

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO

SSOA - SERVIÇO DE SELEÇÃO, ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO Caro(a) Aluno(a) A prova da 2ª fase da UFBA exige, além dos pré-requisitos da primeira fase(conhecimento do conteúdo programático aliado a habilidades de analisar, comparar, julgar, fazer generalizações,

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

INSTRUÇÃO: As questões de número 01 a 08 referem-se ao fragmento 1. FRAGMENTO 1

INSTRUÇÃO: As questões de número 01 a 08 referem-se ao fragmento 1. FRAGMENTO 1 LÍNGUA PORTUGUESA As questões da prova de Língua Portuguesa deverão ser respondidas com base nos dois fragmentos que seguem, retirados do Caderno Especial da Revista Veja (30--, p. 91 a 93 adaptados),

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ. Tema

PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ. Tema 59 PARAGUAI ENCIENDE UMA LUZ Tema Será como la luz de la mañana, como el resplandor del sol en una mañana sin nubes, como la lluvia que hace brotar la hierba de la tierra. II Samuel 23:4 Versículo Chave

Leia mais

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver.

PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS. Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. PILARES DA VIDA LIVRO DE POESIAS Pensar, Refletir, Amar e ter Amigos é a Maneira do Ser Humano Viver. ELDER DE SOUZA PINTO CAPITULO I: REFLEXÕES E PENSAMENTOS A ARTE DE SER Ser é a arte de se inventar

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM. 1 - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.BR SEQ.01 A RECEPÇÃO DA LEI 2 (CENA 01 - INT. PORTARIA DA LEI.INDIFERENTE) O camponês toca uma campainha que está sobre um balcão.

Leia mais

Havia um viúvo que morava com suas filhas, curiosas e inteligentes.

Havia um viúvo que morava com suas filhas, curiosas e inteligentes. A BORBOLETA AZUL Havia um viúvo que morava com suas filhas, curiosas e inteligentes. As meninas sempre faziam muitas perguntas. Algumas ele sabia responder, outras não. Como pretendia oferecer a elas a

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Curso. Dirigente de Célula. Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I

Curso. Dirigente de Célula. Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I Curso Dirigente de Célula Sessão 8 Formação de Líderes e Discipulado - I Qual líder você escolheria? Candidato número 1: Se associou com políticos bêbados e velhacos e consulta astrólogos. Já teve duas

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao quarto bimestre escolar ou às Unidades 7 e 8 do livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Alliance for Childhood Movimento Internacional

Alliance for Childhood Movimento Internacional Alliance for Childhood Movimento Internacional Palestrante: Christopher Clouder Presidente do Fellowship das escolas Waldorf para o reino Unido e Irlanda e o CEO do Conselho Europeu para a Educação Waldorf

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Edvanio da Silva PINHEIRO 1 PUCPR Vem por aqui dizem-me alguns com olhos doces Estendendo-me os braços e seguros De que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem:

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais