Punta del Este MINHA SEGUNDA CASA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Punta del Este MINHA SEGUNDA CASA"

Transcrição

1 GUIA DE PROPRIEDADES Punta del Este MINHA SEGUNDA CASA A MELHOR QUALIDADE DE VIDA, NATURALMENTE

2 Farol de José Ignacio

3 CONTEÚDO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO Geografia e clima População e língua Sistema político e governo Morar no Uruguai Excelente marco Combinado com infraestrutura moderna para uma melhor qualidade de vida DIREITOS DE PROPRIEDADE NO URUGUAI Propriedade de imóveis Arrendamentos Propriedade horizontal Clube de campo Ordenamento territorial Fideicomissos OPERAÇÕES IMOBILIÁRIAS Inscrição de direitos reais Estrutura das operações imobiliárias Financiamento de operações imobiliárias Impostos aplicáveis às operações imobiliárias COMO OBTER RESIDÊNCIA E CIDADANIA NO URUGUAI? Os documentos provenientes do estrangeiro, precisam ser legalizados? Direito sucessório IMPOSTOS Compra de imóveis: Impostos aplicáveis Proprietário de imóveis: Impostos aplicáveis Venda de imóveis: Impostos aplicáveis Arrendamento de imóveis: Impostos aplicáveis PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Regime Geral (Decreto 455/007) Setor Turismo punta for sale O objetivo deste trabalho é fornecer aos estrangeiros interessados em adquirir um imóvel no Uruguai uma visão geral das principais características da legislação do país, que pode ser de interesse para quem o estiver considerando como um investimento imobiliário ou simplesmente como uma segunda residência, bem como um guia dos principais aspectos legais relacionados com os processos de escolha, aquisição e uso de imóveis no Uruguai. É importante salientar desde o início que não existem limitações impostas aos estrangeiros para a aquisição de imóveis no Uruguai, e que não é requisito que esses estrangeiros tenham domicílio no país. Qualquer pessoa física ou jurídica- sem importar sua nacionalidade ou domicílio- pode ser proprietária de imóveis no Uruguai, sem limitações de qualquer tipo. Pode também vender essa propriedade a qualquer momento e repatriar tanto seu investimento quanto as rendas derivadas dele, sem precisar de qualquer tipo de aprovação ou intervenção das autoridades uruguaias. Nos últimos anos, o investimento imobiliário estrangeiro tem tido um aumento importante, principalmente nas seguintes zonas: a) Punta del Este e as zonas adjacentes da Barra, Manantiales e José Ignacio; o departamento de Rocha com suas praias oceânicas pouco desenvolvidas; Colonia del Sacramento e as áreas costeiras do Rio Uruguai, que têm experimentado a construção de importantes projetos turísticos e constante afluência de pessoas na busca de locais de veraneio; b) as terras agrárias ao longo e largo de todo o país para todo tipo de projetos relacionados com, por exemplo, agricultura, pecuária, florestação, viticultura e leiteria. Também foram compradas recentemente grandes extensões de terra para a criação de reservas de caça. PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 5

4 INFORMAÇÃO SOBRE O URUGUAI PERFIL DO URUGUAI Geografia e clima O Uruguai está localizado na América do Sul, sobre a costa atlântica, entre o Brasil ao nordeste e a Argentina ao oeste. Tem uma superfície de aproximadamente km2 ( milhas quadradas) excluindo as águas territoriais. Não existem acidentes topográficos destacáveis. A maioria da superfície está formada por suaves colinas cruzadas por compridos rios. O clima é agradável e saudável ao longo de todo o ano. No verão as temperaturas oscilam entre 21 C e 27 C (70 F e 80 F) e no inverno entre 10 C e 16 C (50 F e 60 F) e ocasionalmente tem dias frios. As chuvas podem acontecer em qualquer estação do ano, mas geralmente têm maior intensidade nos meses de outono. A cidade mais populosa é Montevidéu, que é a capital do país e possui o porto mais importante, seguida por Paysandú e Salto (sobre a costa do Rio Uruguai) e Las Piedras (perto de Montevidéu). Punta del Este, sobre a costa atlântica a 130 quilômetros de Montevidéu, é um dos balneários mais conhecidos da América do Sul, com muita atividade na temporada estival (janeiro e fevereiro). População e língua A população do Uruguai, segundo censo de 2004, é de 3,3 milhões, dos quais cerca de 1,3 milhões moram em Montevidéu e seus arredores. Aproximadamente 89% da população do país é urbana. A taxa de crescimento da população 6

5 é uma das mais baixas da América Latina: 3 por mil por ano, similar à da maioria dos países desenvolvidos. déu de carro de um extremo ao outro em pouco mais de meia hora, a qualquer hora do dia. O espanhol é a língua oficial e a utilizada normalmente. O ensino de inglês e de francês tem sido tradicional no país, sendo o inglês a língua mais usada pela comunidade de negócios. Na atualidade, também o estudo de português está se consolidando como consequência do processo de integração no MERCOSUL. Sistema político e governo Uruguai está organizado politicamente como uma república democrática com sistema presidencial. O Estado está organizado em três poderes independentes: Executivo, Legislativo e Judiciário. Morar no Uruguai As cidades contam com grandes espaços verdes e, em razão da continuidade dos ventos e da ausência de indústrias poluentes, não existe poluição ambiental. A mesma afirmação é válida para os rios e o mar sobre a costa, inclusive em frente a Montevidéu. As bondades do clima e a ausência de poluição ambiental, a amplitude das redes sanitárias e de água potável e o nível e alcance da assistência médica fazem com que a população tenha um alto grau de salubridade. Não existem praticamente epidemias de nenhum tipo. Por sua extensão territorial, as distâncias a serem percorridas para chegar aos locais de lazer (ex. o campo, as praias e as beiras dos rios) são reduzidas. As praias mais visitadas estendem-se ao longo de uma distância de cerca de 300 km entre Montevidéu e a fronteira com o Brasil. O esporte nacional por excelência é o futebol, que atrai a grande maioria da população de todos os níveis sociais. Existem numerosos clubes privados com campos de esporte que dispõem particularmente de excelentes campos de golfe, bem como de instalações esportivas estatais, onde é possível aceder gratuitamente ou através de preços muito baixos. Existe também uma importante atividade cultural que se traduz em uma ampla oferta de espetáculos teatrais, musicais e cinematográficos. O mercado uruguaio oferece automóveis, eletrodomésticos, bebidas, alimentos e outros bens de consumo de qualquer origem e nível de qualidade. maldonado No Uruguai é possível viver de forma segura, aprazível, saudável e prazerosa. O país oferece o maior grau de segurança da América do Sul em um sentido amplo. O índice de criminalidade é muito baixo, se comparado com os outros países da região. Não existem conflitos raciais, religiosos nem de outro tipo e as reuniões públicas são desenvolvidas de forma pacífica. A circulação de automóveis, inclusive nos centros urbanos, é fluida. O tempo utilizado no traslado aos locais de trabalho é reduzido; é possível atravessar Montevipunta ballena la barra manantiales josé ignacio montevidéu maldonado punta del este PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 7

6 INFORMAÇÃO Excelente marco O Uruguai tem uma forte tradição democrática, que se caracteriza pela estabilidade política e social. Economia aberta e em crescimento, com instituições confiáveis e de alto nível. O Uruguai é um dos países com maior crescimento na América Latina. Ranking Baixa corrupção (Transparência Internacional 2010) Índice de democracia (Economist Intelligence Unit 2010) O URUGUAI NA AMÉRICA DO SUL 2 1 O URUGUAI NO MUNDO Moderno e atrativo regime de investimentos. Liberdade econômica (Heritage Foundation 2011) 2 33 No Uruguai não existem conflitos raciais ou religiosos, e o país está livre de epidemias e Qualidade de vida 1 70 desastres naturais. (Mercer Eco-City Ranking 2010) Clima agradável e ausência de desastres naturais; abundância de água. Baixo custo de vida (Mercer Cost of Living City Ranking 2010) 4 13 Combinado com infraestrutura moderna para uma melhor qualidade de vida Infraestrutura portuária de primeiro nível em Montevidéu, que já é um hub regional por excelência para o Cone Sul da América. A rede de estradas mais densa da América Latina. Alta penetração da internet, banda larga, PC e linhas telefônicas (ex. 132 linhas móveis a cada 100 habitantes em 2010). 98% do território tem acesso à energia elétrica (a maioria provem de fontes renováveis) e à água potável. Cuidado da saúde e instituições de medicina altamente especializada, cobertas por companhias de seguros privadas locais e internacionais. Campos de golfe de alto nível, com modernas instalações, localizados ao longo do país, perto das principais cidades. Campos de pólo, anfitriões de torneios internacionais, próximos dos principais aeroportos internacionais. 8

7 QUALIDAD DA ELETRICIDADE (ranking) USUÁRIOS DE INTERNET (ranking) ÍNDICE GLOBAL DE PAZ (ranking) EUA 23 Nova Zelândia 7 Nova Zelândia 1 Irlanda 25 EUA 17 Irlanda 6 Chile 30 Irlanda 28 Uruguai 24 Espanha 36 Espanha 32 Espanha 25 Uruguai 37 Uruguai 41 Chile 28 Hungria 46 Itália 45 Itália 40 Itália 47 Brasil 57 Argentina 71 Nova Zelândia 56 Chile 68 Brasil 83 Brasil 63 Argentina 74 EUA 85 Argentina 93 Fórum Econômico Mundial, Relatório De Competitividade Global Fórum Econômico Mundial, Relatório De Competitividade Global Economist Intelligence Unit 2010 Beiramar em Punta del Este PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 9

8 DIREITOS DE PROPRIEDADE NO URUGUAI A seguir, um resumo dos princípios gerais que regulam a posse de imóveis no Uruguai. Propriedade de imóveis Propriedade horizontal Um imóvel pode ser adquirido por uma ou várias pessoas, sejam físicas, sociedades, associações, ou qualquer combinação delas. A nacionalidade ou residência legal dessas pessoas, sociedades ou associações não são relevantes aos efeitos da aquisição de um imóvel. O mecanismo de transferência da propriedade de um imóvel do vendedor para o comprador e os requisitos relacionados são detalhados mais adiante. A única restrição vigente na atualidade refere-se estritamente aos imóveis rurais: a Lei , de 7 de janeiro de 2007 (alterada pela Lei ), impõe algumas restrições à posse e exploração de imóveis rurais ou agropecuários no Uruguai. Em termos gerais, esta lei estabelece que os imóveis rurais podem ser possuídos ou explorados somente por pessoas físicas ou por determinados tipos de pessoas jurídicas, sociedades e associações. Arrendamentos Através de um arrendamento, a pessoa proprietária de um imóvel (Arrendador) cede a outra pessoa (Arrendatário) o direito a usar e se beneficiar do imóvel por um período de tempo determinado, sujeito às condições e restrições acordadas e estabelecidas no contrato de arrendamento. Vencido o prazo do contrato de arrendamento, a posse do imóvel volta para o arrendador e cessam os direitos do arrendatário sobre esse bem. A legislação atual estabelece um prazo máximo de 15 anos para os contratos de arrendamento. A Lei regula a existência legal das unidades de propriedade horizontal, a administração do edifício e os direitos e obrigações dos coproprietários. Também estabelece os requisitos que deve reunir cada unidade para ser um imóvel independente e diferente do edifício, os direitos dos proprietários de cada unidade, bem como os direitos de cada um dos proprietários a utilizarem os bens comuns do edifício. Em geral, cada unidade torna-se um imóvel independente com a inscrição dos planos de construção do edifício e a outorga das aprovações pertinentes pela prefeitura correspondente. Durante a etapa de construção do edifício, a legislação permite outorgar e registrar um compromisso de compra e venda, outorgando aos compradores direitos de promitente comprador, segundo é detalhado mais adiante. Do mesmo modo, os edifícios são regidos pelos termos e condições do Regulamento de Copropriedade, um documento outorgado pelos proprietários iniciais que regula, de forma detalhada, a administração do edifício e os direitos e obrigações dos proprietários das unidades sobre a manutenção do prédio e suas contribuições para as despesas comuns. Os Regulamentos de Copropriedade incluem sempre a constituição de uma hipoteca recíproca sobre cada uma das unidades do edifício, a favor dos proprietários das restantes unidades, em garantia do pagamento dessas despesas comuns. 10

9 Clube de Campo Os Clubes de Campo ou country clubs são um tipo de moradia que vem crescendo no Uruguai. Uma vez adquirida uma fração de terreno, o proprietário adquire a propriedade plena dessa fração com direito a dispor dela e construir, além de utilizar as áreas comuns do clube. A Lei regula os direitos de propriedade sob regime de clube de campo, bem como as contribuições de cada fração às despesas comuns, a administração e o uso das áreas comuns, o tamanho das frações e outros temas relacionados com o tipo de construção que pode realizar cada proprietário em sua fração. Sob esta lei, a existência jurídica independente de cada fração é obtida através da autorização municipal das obras de infraestrutura do clube de campo, a inscrição do seu plano de fracionamento e a inscrição de um Regulamento de Copropriedade. Ordenamento Territorial Com a Lei , de 18 de junho de 2008, conhecida como Lei de Ordenamento Territorial ou LOT, criou-se um novo regime legal a respeito da utilização da terra, com o objetivo de organizar seu uso, aprimorar a qualidade de vida dos habitantes e melhorar o uso ambiental dos recursos naturais. Sob a LOT, as autoridades municipais têm a faculdade de emitir instrumentos de ordenamento territorial para o regulamento de vários aspectos tais como, a classificação das terras em urbanas, suburbanas e rurais, entre outros, determinando assim o tipo de construção e atividades a serem desenvolvidas em cada uma delas. A lei também estabelece o regime legal de direitos e obrigações dos proprietários de imóveis relativos ao correto uso e conservação destes imóveis, bem como à superfície e características das áreas verdes nos clubes de campo. Fideicomissos A Lei , de 27 de outubro de 2003, introduziu ao sistema legal uruguaio a figura do fideicomisso, como um ato jurídico através do qual se cria a propriedade fiduciária. A propriedade fiduciária é entendida como determinados ativos ou direitos transferidos de uma pessoa (Fideicomitente) para outra (Fiduciário) que poderá dispor desses ativos ou exercer esses direitos para o cumprimento de um objetivo preestabelecido e para benefício de uma terceira pessoa (Beneficiário). Os fideicomissos podem estar constituídos por contrato ou por testamento. Todos os fideicomissos devem ser outorgados por escrito, sem importar seu objetivo, e devem ser revestidos da formalidade de escritura pública quando a lei assim o exigir (por exemplo, no caso que o fideicomisso refira a um imóvel). Se o fideicomisso refere ainda a bens registráveis, deverá ser inscrito no registro público correspondente. A utilização de fideicomissos no Uruguai tem aumentado, em especial as figuras de fideicomisso financeiro, fideicomisso de garantia e fideicomisso imobiliário. Este último é usado, principalmente, para a construção e administração de edifícios ou clubes de campo. PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 11

10 OPERAÇÕES IMOBILIÁRIAS Inscrição de direitos reais Estrutura das operações imobiliárias O Uruguai possui um excelente sistema de direitos reais segundo o qual os títulos de propriedade dos imóveis e qualquer direito real a respeito de imóveis, para ser oponível a terceiros, deve estar inscrito no Registro da Propriedade, Seção Imobiliária, correspondente. A ordem cronológica de inscrição dos títulos e direitos dá a preferência desses direitos sobre um mesmo imóvel. O sistema é tão seguro que não existe no país o conceito de seguro de título de propriedade. Da mesma maneira, todas as operações relacionadas com imóveis, bem como a grande maioria dos contratos que criam direitos sobre imóveis (incluindo a constituição de ônus sobre os mesmos) devem ser autorizadas por um Tabelião Público, mediante escritura pública, e inscritos no Registro da Propriedade, Seção Imobiliária, correspondente. Quem designa o Tabelião Público que atuará na operação e autorizará a escritura de compra e venda é o comprador. O Tabelião auditará os títulos de propriedade do imóvel, obterá informação dos registros públicos relevantes e confirmará que todas as obrigações fiscais, tributárias e legais em geral tenham sido cumpridas. A. Escritura de Promessa Geralmente, após as partes acordarem os termos comerciais da operação de compra de um imóvel (seja casa, apartamento ou ainda um campo), firma-se uma escritura de promessa. Simultaneamente à execução deste documento, uma parte do preço geralmente 10%- é depositada pelo comprador em mãos do Tabelião atuante, que manterá esses fundos em depósito como garantia do cumprimento das obrigações do comprador e os liberará ao momento da outorga da compra e venda ou compromisso de compra e venda projetado. A escritura de promessa geralmente estabelece um prazo de 30 dias para a realização da auditoria legal e análise de títulos para confirmar que o vendedor possui um título apto. É prática comum pactuar que, caso surjam observações relevantes aos títulos de propriedade, sem acordo das partes respeito dessas observações, sejam remitidas à Associação de Tabeliães do Uruguai, para que dê sua opinião sobre o tema de fundo. Puesto que el boleto de reserva contiene todos los principales aspectos negociados de la operación, es recomendable que el comprador una vez que acuerda Terramar Christie s 12

11 dichos términos con el vendedor contacte inmediatamente a su Escribano para que éste negocie y redacte correctamente este documento. Algumas escrituras de promessa estabelecem também que o comprador poderá desistir unilateralmente da operação se seu Tabelião formular observações devidamente fundamentadas. Dado que a escritura de promessa contém todos os principais aspectos negociados da operação, recomenda-se que o comprador, após acordar os termos com o vendedor, entre em contato imediatamente com seu Tabelião para que negocie e redija corretamente o documento. B. Compromisso de Compra e Venda A legislação uruguaia estabelece, para o caso de operações imobiliárias nas quais o preço de compra será pago em parcelas, a outorga de um compromisso de compra e venda regido pelos princípios estabelecidos na Lei O compromisso de compra e venda é autorizado pelo Tabelião Público designado pelo comprador e contém em geral os mesmos termos de uma compra e venda definitiva e, uma vez inscrito no registro correspondente, dá ao comprador total proteção e preferência em seus direitos sobre o imóvel e respeito de qualquer outro direito que se constitua a futuro sobre este: ônus, interdições, vendas posteriores ou qualquer outra circunstância que pudesse afetar a faculdade do vendedor de alienar o imóvel. O comprador denominado promitente adquirente pode inclusive ceder a terceiros os diretos de promitente comprador adquiridos em virtude do mencionado compromisso de compra e venda. Esta lei estabelece também que, caso o vendedor - ou promitente alienante descumprisse sua obrigação de outorgar a compra e venda definitiva ou estivesse impedido de fazê-lo por qualquer motivo (inclusive por falecimento), o juiz pertinente, trás confirmar que o preço pactuado tem sido totalmente pagado ou depositado perante dito juizado, outorgará a compra e venda definitiva em nome e representação do promitente alienante a favor do promitente adquirente (ou seus sucessores ou cessionários). Esta estrutura é utilizada geralmente para a compra de unidades em edifícios de propriedade horizontal em construção, já que é um procedimento que permite ao PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 13

12 OPERAÇÕES IMOBILIÁRIAS comprador assegurar-se o direito de propriedade sobre essa unidade, ao tempo que permite ao vendedor receber pagamentos parciais durante a etapa de construção. C. Compra e venda A compra e venda de imóveis deve ser autorizada por um Tabelião Público em escritura pública e em seu Registro Notarial. Como mencionado antes, a função do Tabelião não está limitada apenas à preparação e autorização do contrato de compra e venda; também cumpre uma função pública como agente de controle, confirmando que o vendedor esteja em dia com o pagamento de tributos e contribuições sociais relacionadas com as construções no imóvel, que todas as autorizações e permissões tenham sido obtidas devidamente, etc. É obrigatória a inclusão de cláusulas controlando todos esses extremos na própria escritura de compra e venda para poder obter sua inscrição no correspondente Registro da Propriedade, Seção Imobiliária. A inscrição da compra e venda a torna oponível a todos os terceiros desde a data de inscrição. Se não for inscrita, a compra e venda será válida somente entre as partes outorgantes. Financiamento de operações Imobiliárias No Uruguai é relativamente simples obter financiamento para a aquisição de imóveis através de bancos e instituições financeiras. Geralmente, o credor participa da operação através de seus próprios assessores legais e seu Tabelião, quem analisará os títulos e realizará a auditoria já descrita, e redigirá a hipoteca (se o comprador outorgar uma compra e venda) ou a penhora de direitos de promitente comprador (se o comprador outorgar um compromisso de compra e venda). As hipotecas também devem ser autorizadas por um Tabelião em escritura pública. Nestes casos, o Tabelião é geralmente desig- Farol de José Ignacio 14

13 nado pelo credor, embora o devedor tenha seu próprio Tabelião para assistir na revisão do contrato de hipoteca e na transação em geral. As hipotecas também se inscrevem no Registro da Propriedade correspondente, Seção Imobiliária, portanto, a partir da data de inscrição, são oponíveis a todos os terceiros e terão preferência perante qualquer outra transação posterior sobre o imóvel até a inscrição do cancelamento da hipoteca. Impostos aplicáveis às operações imobiliárias 1. Imposto às Transações Imobiliárias TTodas as aquisições de imóveis estão gravadas pelo Imposto às Transmissões Patrimoniais ou ITP que corresponde a quatro por cento (4%) do valor cadastral do imóvel e que é pago em partes iguais pelo comprador e vendedor (2% cada um deles). Em termos gerais, o valor cadastral dos imóveis é consideravelmente menor do valor de mercado e estima-se em aproximadamente 50% deste. É claro que o valor varia em cada caso e esta proporção pode não ser sempre aplicável. O montante correspondente ao ITP é entregue ao Tabelião no momento de outorga da compra e venda ou compromisso de compra e venda. O Tabelião é o encarregado de realizar o pagamento correspondente perante a autoridade fiscal, antes de inscrever a escritura no registro. Cabe mencionar que, quando o ITP é pago no momento da outorga de um compromisso de compra e venda, a compra e venda definitiva em cumprimento desse compromisso será isenta do pagamento de ITP. 2. Montepios Notariais Os montepios notariais, taxa de aposentadoria dos Tabeliães públicos, aplicam a todas as operações nas quais estes intervêm. Nos casos de compra e vendas e hipotecas, os montepios notariais correspondem aproximadamente a 0,55% mais IVA (22%) do preço pactuado. Porto de Punta del Este PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 15

14 COMO OBTER RESIDÊNCIA E CIDADANIA NO URUGUAI? Obter a permissão de residência no Uruguai não apresenta maiores dificuldades. Os estrangeiros poderão residir em forma permanente no Uruguai se cumprirem os seguintes três princípios gerais: a) ser saudável, b) apresentar atestado de antecedentes criminais e c) ter suficientes meios para se sustentar e sustentar a sua família. Os estrangeiros que tenham residido no país por pelo menos três anos (estabelecidos com suas famílias) ou pelo menos cinco anos (se estabeleceram-se sem família) e em ambos os casos tenham demonstrado bom comportamento, poderão obter a cidadania. Do mesmo modo, os estrangeiros aposentados no exterior ou que recebem pensão no exterior e desejam obter a residência permanente no Uruguai terão direito aos seguintes benefícios previstos na Lei e no Decreto 119/2004: 1. Introdução ao Uruguai, dentro dos primeiros 6 meses de obtida a residência legal permanente, livre de impostos e tarifas aduaneiras: (a) móveis e efeitos domésticos, nas quantidades razoáveis que determinem as autoridades aduaneiras; (b) um automóvel que não poderá ser transferido até cumprido o prazo de quatro anos a contar desde seu ingresso ao país. 2. Obtenção do passaporte comum para a pessoa, seu cônjuge e filhos menores de 18 anos que tenham obtido também a residência legal permanente. 3. Manutenção de validez e vigência no Uruguai das apólices de seguros de vida bem como das de cobertura de aposentadoria que tenham sido contratadas no exterior. Para se amparar nos benefícios deste regime, as pessoas deverão: (A) adquirir um imóvel destinado a sua moradia no Uruguai por um valor não menor de US$ , que não poderá alienar por um prazo de 10 anos; ou (B) adquirir bônus de dívida Uruguaios emitidos pelo governo por um valor nominal mínimo de US$ , que serão depositados no Banco da República Oriental do Uruguai, por um período não menor a 10 anos. Adicionalmente, e junto com outras documentações requeridas, as pessoas deverão apresentar perante a Direção Nacional de Migrações certificações emitidas pela entidade emissora da cobertura de aposentadoria, provando a existência desta, que deve ser maior de US$ por mês, de natureza periódica e permanente. Os estrangeiros poderão residir em forma permanente no Uruguai se cumprirem os seguintes três princípios gerais: a) ser saudável, b) apresentar atestado de antecedentes criminais, c) ter suficientes meios para se sustentar e sustentar a sua família. 16

15 LEGALIZATION OF DOCUMENTS COMING FROM ABROAD INHERITANCE LAWS Os documentos procedentes do estrangeiro precisam ser legalizados? Precisam, sim. O Uruguai não faz parte da Convenção de Haia sobre a Eliminação do Requisito da Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros e, portanto, não aceita a legalização de documentos através da Apostila. Todos os documentos procedentes do estrangeiro devem ser legalizados perante o consulado uruguaio do local de emissão do documento ou perante o consulado uruguaio mais próximo com jurisdição nesse local. Caso não exista nenhum consulado uruguaio com jurisdição no local de origem, é aceita a legalização indireta. Neste caso, o documento é legalizado perante o consulado uruguaio de qualquer país onde exista um consulado uruguaio. Recomenda-se consultar os consulados uruguaios antes de iniciar a legalização de documentos, já que é exigido um estrito cumprimento dos requisitos. Direito sucessório Conforme a lei uruguaia, quando falecida uma pessoa, seus descendentes diretos, sejam legítimos ou naturais e na sua ausência os ascendentes junto com o cônjuge supérstite- são considerados herdeiros forçosos. Na ausência de ambos os pais e do cônjuge supérstite, os irmãos e as irmãs legítimos ou naturais e os filhos adotivos serão herdeiros. Portanto, a lei reserva uma porção da sucessão para os herdeiros forçosos. Uma pessoa que tenha herdeiros forçosos não poderá sequer mediante testamento dispor de mais de uma determinada porcentagem de seu acervo a favor de terceiras pessoas, nem alterar a porcentagem correspondente aos seus herdeiros forçosos. A porcentagem do acervo destinada aos herdeiros forçosos depende do número de herdeiros forçosos que houver. No caso de um único filho, pode se dispor livremente de 50%; em caso de dois filhos, pode se dispor de 1/3, e em caso de três ou mais filhos, de ¼. Caso a pessoa não tenha filhos e os herdeiros forçosos sejam um ou ambos os pais, poderá dispor livremente de 50%. Porto de Punta del Este PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 17

16 IMPOSTOS Além de paisagens espetaculares, o Uruguai oferece interessantes oportunidades no mercado imobiliário. ao Patrimônio aplicará a taxa de 1,5% sobre o preço de compra reavaliado. Investir no Mercado Imobiliário Uruguaio é a cada vez mais atrativo, não apenas pelo entorno econômico favorável, mas também pelo fato dos impostos não afetarem de forma substancial o retorno do investidor. Os impostos sobre a propriedade e as transações imobiliárias são menores no Uruguai se comparados com a maioria dos países da região. No caso de uma pessoa física ser a proprietária, o imóvel estará gravado pelo Imposto ao Patrimônio, com taxas progressivas de entre 0,7% e 2% sobre o valor fiscal da propriedade. As regras de dedução aplicadas às sociedades são diferentes das utilizadas para o caso das pessoas físicas. Compra de imóveis: Impostos aplicáveis Imposto às Transmissões Patrimoniais ( ITP ): A transferência da propriedade imobiliária está gravada pelo ITP, que deve ser pago por ambas as partes, é dizer, comprador e vendedor. A taxa do imposto é de 2% do valor cadastral da propriedade, devidamente ajustado por inflação. Imposto ao Valor Agregado ( IVA ): Se o imóvel for adquirido de uma companhia de construção, a venda estará gravada por IVA, com uma taxa de 10%. Imposto de Selos: Não há imposto de selos aplicável sobre a compra de imóveis. Proprietário de imóveis: Impostos aplicáveis Para o caso das pessoas físicas, existe um mínimo não imponível por debaixo do qual não se tributa. Em 2010, o mínimo não imponível foi de aproximadamente US$ para indivíduos solteiros e US$ para matrimônios que escolheram ser gravados como tais. Imposto sobre a Propriedade Predial: As propriedades imóveis em áreas urbanas e suburbanas estão sujeitas ao pagamento do imposto sobre a propriedade predial, determinado pelo Governo Departamental. O imposto se baseia no valor cadastral do imóvel. A taxa varia dependendo do Departamento. No Departamento de Maldonado, onde está localizada Punta del Este, a taxa do imposto é de 6,8%. A propriedade imóvel em áreas rurais está gravada por um tributo de características semelhantes, imposto pelo Estado Central e arrecadado pelos Governos Departamentais. Imposto ao Patrimônio ( IP ): Se você é proprietário de imóveis no Uruguai, deverá pagar o Imposto ao Patrimônio cada ano. O imposto dependerá da figura jurídica utilizada para a posse do imóvel. Se decidir ser proprietário de um imóvel através de uma sociedade (local ou estrangeira), para o Imposto Impuesto de Primaria: O Impuesto de Primaria é um imposto de alcance nacional que grava a propriedade imóvel e é destinado ao financiamento do sistema educativo do Ensino Fundamental Público Uruguaio. A base imponível do imposto é o valor cadastral. As taxas do imposto variam entre 0,15% e 0,30%. 18

17 Venda de imóveis: Impostos aplicáveis Arrendamento de imóveis: Impostos aplicáveis Imposto às Transmissões Patrimoniais ( ITP ): A transferência da propriedade imobiliária está gravada pelo ITP, que deve ser pago por ambas as partes, é dizer, comprador e vendedor. A taxa do imposto é de 2% do valor cadastral da propriedade, devidamente ajustado por inflação. Imposto de Renda ( IRAE, IRPF ou IRNR, dependendo de quem seja o proprietário do imóvel): O imposto de Renda é diferente segundo quem seja o proprietário do imóvel. A venda de um imóvel, propriedade de uma pessoa física ou de uma sociedade estrangeira, está gravada pelo imposto de renda (IRAE/IRNR) com uma taxa de 12%, aplicada sobre a diferença entre o preço de venda e o preço de compra. Depois de vendida a propriedade, o acionista ou a pessoa física poderá sacar o dinheiro sem ter que pagar qualquer imposto. Este tratamento tributário favorável não é aplicável no caso de 3 ou mais vendas de imóveis no mesmo ano. Imposto de Renda ( IRAE, IRPF ou IRNR, dependendo de quem seja o proprietário do imóvel): Se é arrendador: O Imposto de Renda varia segundo quem seja o proprietário do imóvel. O arrendamento de um imóvel, propriedade de uma pessoa física ou de uma sociedade estrangeira, está gravado pelo Imposto de Renda (IRPF/IRNR) com uma taxa de 12%, aplicada sobre o preço do aluguel. É possível deduzir algumas despesas (imposto sobre a propriedade predial, comissão da imobiliária, por exemplo). Os dividendos remetidos para o exterior pela sociedade estrangeira não estarão sujeitos a retenções tributárias no Uruguai. Se o imóvel for propriedade de uma sociedade uruguaia, a renda derivada do arrendamento da propriedade estará gravada pelo Imposto de Rendas das Atividades Econômicas (IRAE) com uma taxa de 25%. Adicionalmente, os dividendos distribuídos por uma sociedade uruguaia estarão sujeitos a uma retenção de Imposto de Renda de 7%. Existem tratamentos tributários preferenciais para determinados tipos de sociedades uruguaias. Se o imóvel for propriedade de uma sociedade uruguaia, a renda derivada da venda da propriedade estará gravada pelo Imposto de Rendas das Atividades Econômicas (IRAE) com uma taxa de 25%. Os lucros sobre a venda do imóvel são determinados pela diferença entre o preço de venda e o custo de aquisição amortizado e ajustado por inflação. Adicionalmente, os dividendos distribuídos por uma sociedade uruguaia estarão sujeitos a uma retenção de Imposto de Renda de 7%. Existem tratamentos tributários preferenciais para determinados tipos de sociedades uruguaias. Se é arrendatário: Uma recente lei autoriza os arrendatários que sejam residentes fiscais uruguaios a deduzirem do seu Imposto de Rendas das Pessoas Físicas ( IRPF ) 6% dos pagamentos efetuados por arrendamentos, caso revelem à autoridade tributária a identidade do arrendador. Esta nova lei poderá, em um futuro, ser aplicada aos arrendamentos temporários para férias. Imposto ao Valor Agregado ( IVA ): O IVA não grava os arrendamentos de imóveis. Imposto de Selos: Não existe imposto de selos aplicável sobre a venda de imóveis. Imposto de Selos: Não há imposto de selos aplicável sobre o arrendamento de imóveis. PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 19

18 PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Regime Geral (Decreto 455/007) Benefícios Alcance São elegíveis para apresentar seus projetos de investimento para a obtenção de benefícios fiscais as empresas comerciais e de serviços. As principais características do Regime de Promoção de Investimentos são as seguintes: 1. Desoneração direta do Imposto de Rendas das Atividades Econômicas (IRAE). 2. Não é requisito que os investimentos sejam financiados com fundos próprios aos efeitos de aceder à desoneração do IRAE. 3. Os investimentos considerados de interesse nacional incluem a aquisição de bens móveis a serem utilizados diretamente nas atividades da empresa, melhorias e intangíveis (a ser determinado pelo Poder Executivo) e os custos de mudas e de implantação e manejo de árvores e arbustos frutais plurianuais executados no ano zero. 4. Os investimentos realizados até 6 meses antes da preparação do projeto de investimento podem se amparar nos benefícios fiscais. 5. A normativa classifica os projetos em diferentes categorias, de acordo com o montante do investimento a ser realizado, medido em unidades indexadas (UI), em pequenos, médios (segmentos 1 a 3) e de grande significação econômica. A. Imposto de Renda Com o regime anterior, as empresas podiam aceder a uma desoneração de renda fiscal equivalente a 50% do investimento financiado com contribuições próprias ou com fundos gerados pelo próprio projeto por três exercícios, a partir da apresentação da solicitação de promoção. Por sua vez, podiam diferir o restante 50% não desonerado por auto-direcionamento até o quinto exercício seguinte ao do investimento. Com o regime atual, as empresas cujos projetos são declarados promovidos podem aceder a uma desoneração de IRAE de até 100% do investimento elegível (sem importar qual a fonte de financiamento), dependendo do montante desse investimento (o que determina a qual categoria pertence o projeto) e da sua qualificação dentro da categoria. a.1 Qualificação dos projetos Aos efeitos de determinar o montante do benefício e o prazo de desoneração de IRAE, os projetos serão qualificados em função da matriz de objetivos e indicadores apresentados a seguir: CATEGORIA DO PROJETO VALOR EM MILHÕES DE UI VALOR EM MILHÕES DE US$ (aprox.) No caso de projetos pequenos, as empresas deverão escolher um dos seguintes objetivos: Geração de emprego Pequenos Médios S.1 menos de menor a Incremento da pesquisa e desenvolvimento e inovação (I+D+i) Aumento de exportações Médios S Utilização de tecnologias mais limpas Grandes S Grandes S Grandes S , De grande significação mais de 7,000 mais de

19 Objetivo Indicador PONTUAÇÃO (0 A 10 PONTOS) Geração de emprego Descentralização Aumento de exportações Incremento do valor agregado nacional Utilização de tecnologias limpas Incremento de pesquisa e desenvolvimento e inovação Número de empregos líquidos (média anual) Índice de desenvolvimento humano (IDH) do Departamento onde se localiza o projeto Variação do montante exportado (com projeto sem projeto) Proporção salários e compras praça sobre total de vendas com ou sem projeto Investimento em produção mais limpa (P+L) a respeito do investimento total no projeto (Investimento no I+D+i /investimento total) ou, (número de empregados no I+D+i / total empregados) Um ponto a cada 3 empregos [(IDH máx. IDH dep.) / (IDH máx. IDH mín.)] x 10 Corresponde um ponto a cada US$ 200 mil de exportações {[(Salários + compras praça) / Vendas]c/p / [(salários + compras praça) / Vendas]s/p -1} x 10 Um ponto a cada 10% de participação do investimento em P+L no total investido Um ponto a cada 10% de participação do investimento no I+D+i do indicador escolhido Impacto do projeto sobre a economia Aumento do PIB gerado pelo projeto Um ponto a cada 0,003% de incremento do PIB anual do país Em função da pontuação obtida, poderão aceder a uma desoneração de IRAE de entre 51% e 60% do investimento, em um prazo de 3 a 5 anos, de acordo com a seguinte tabela. O resto dos projetos será classificado de acordo com a pontuação obtida na matriz de objetivos e indicadores, os que serão ponderados em função do montante do investimento previsto. Poderão obter as seguintes porcentagens de desoneração: MONTANTES E PRAZOS DE DESONERAÇÃO DE IRAE PARA PROJETOS PEQUENOS, DE ACORDO COM A PONTUAÇÃO CATEGORÌA DESONERAÇÃO DE IRAE MONTANTE prazo PONTUAÇÃO DESONERAÇÃO DE IRAE % DO MONTANTE INVESTIDO PRAZO (ANOS) Médios Segmento 1 70% do montante investido x pontos da matriz / 6 25 anos x pontos da matriz / % % 52% 3 3 Médios Segmento 2 80% do montante investido x pontos da matriz / 8 25 anos x pontos da matriz / % 54% 3 3 Grandes Segmentos 1 e 2 90% do montante investido x pontos da matriz / anos x pontos da matriz / % % 57% 4 4 Grandes Segmento 3 100% do montante investido x pontos da matriz / anos x pontos da matriz / % 59% 60% De grande significação econômica 100% do montante investido 25 anos PUNTA DEL ESTE MINHA SEGUNDA CASA 21

20 PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Os projetos de grande significação econômica devem atingir uma pontuação maior a 60% da pontuação da matriz para acederem à desoneração estabelecida. a.2 Escolha da matriz de indicadores Os projetos médios e grandes poderão optar pela aplicação da matriz de indicadores correspondente a sua categoria ou pela do segmento de projetos pequenos. Neste último caso, os requisitos para gerar pontos no indicador de geração de emprego dependem do tipo de projeto e da quantidade de pessoal da empresa, sendo mais exigentes quanto maior é o projeto ou quanto maior é a empresa. a.3 Máximos de desoneração A desoneração não poderá ultrapassar as seguintes porcentagens do Imposto de Renda a ser pago: a) 90% - exercícios compreendidos no primeiro 50% do prazo máximo concedido. b) 80% - exercícios subsequentes correspondentes a 10% do prazo máximo. c) 60% - exercícios subsequentes correspondentes a 10% do prazo máximo. d) 40% - exercícios subsequentes correspondentes a 10% do prazo máximo. e) 20% - exercícios subsequentes correspondentes a 10% do prazo máximo. f) 10% - exercícios subsequentes correspondentes a 10% do prazo máximo. Em todos os casos, o prazo para a desoneração é computado a partir do ano em que seja obtida a renda fiscal, sempre que não tenham passado mais de quatro anos desde a sua declaração. B. Imposto ao Patrimônio As empresas estão desoneradas do Imposto ao Patrimônio durante toda a vida útil dos bens móveis incorporados no projeto. Para os investimentos em obra civil, o prazo é de 8 anos quando localizado em Montevidéu e de 10 anos quando localizado no interior. C. Taxas e tributos à importação A normativa desonera de taxas e tributos às importações dos bens de ativo fixo declarados não competitivos da indústria nacional pela Direção Nacional de Indústrias (DNI) do Ministério de Indústria, Energia e Mineração (MIEM). D. Devolução do Imposto ao Valor Agregado da obra civil Os projetos promovidos podem se beneficiar com a devolução do IVA incluído na aquisição em praça dos materiais destinados à construção da Obra Civil, e os serviços contratados com esse destino. E. Emolumentos e salários em desenvolvimento tecnológico de áreas prioritárias Aos efeitos da liquidação do Imposto de Renda, o regime permite computar os montantes correspondentes a emolumentos e salários em desenvolvimentos científicos e tecnológicos do projeto em áreas prioritárias (de acordo com os artigos 49, 52 e 55 do Decreto 150/007) por uma vez e meia. Acompanhamento e controle Os beneficiários estarão obrigados a apresentar perante a COMAP (Comissão de Aplicação da Lei de Investimentos), dentro dos quatro meses do encerramento de cada exercício econômico, seus Extratos Contábeis, acompanhados de relatório de contador público (Auditoria Grandes Contribuintes, Revisão Limitada - Setor CEDE, e de compilação - restantes) e toda outra informação (definida pela COMAP) que permita avaliar o cumprimento do investimento e os indicadores envolvidos. A regulamentação estabeleceu margens de tolerância a respeito da aquisição da pontuação projetada. Por sua vez, por questões excepcionais alheias à empresa e não previsíveis na hora de apresentar o projeto, prevê-se a possibilidade de obter um período de suspensão no cronograma de cumprimento dos resultados do projeto e reformulação dos prazos e benefícios. 22

I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY. 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai?

I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY. 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai? I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai? Não há qualquer espécie de restrição imposta a estrangeiros para

Leia mais

Investir no Uruguai Cr. Eduardo Jadra

Investir no Uruguai Cr. Eduardo Jadra Investir no Uruguai Cr. Eduardo Jadra Porto Alegre, Setembro 2011 Investir no Uruguai... está se tornando mais atraente: Ambiente económico favorável Segurança Jurídica Peso relativo dos impuestos Ambiente

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA Generalidades Trata-se de um imposto que incide sobre todos os rendimentos (de capital, de trabalho e acréscimos patrimoniais) das pessoas físicas não compreendidas no

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos Manual do Comprador Abertura de conta bancária nos Estados Unidos É obrigatória a abertura de conta, caso haja interesse em comprar imóveis nos Estados Unidos. As principais vantagens em ter uma conta

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Residência Legal vs. Residência Fiscal no Uruguai

Residência Legal vs. Residência Fiscal no Uruguai Residência Legal vs. Residência Fiscal no Uruguai Ultimamente, o conceito de residência fiscal adquiriu muita importância para o Direito Tributário e para o mundo dos impostos. O motivo é que o regime

Leia mais

1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1

1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1 1. COMPRA E VENDA OBJETO DE DIREITO CIVIL 1 1.1 COMPROMISSO PARTICULAR DE COMPRA E VENDA (Modelo 1) Pelo presente instrumento particular, entre partes, como promitentes vendedores, doravante denominados

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta

Guia de Compra Segura Apartamentosna planta Guia de Compra Segura Apartamentosna planta de A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso a Tecnisa criou esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do

Leia mais

A Mudança para Mônaco

A Mudança para Mônaco www.switzerland-family-office.com/br/servicos-do-family-office/relocacao/relocacao-para-monaco.html A Mudança para Mônaco Viver em Mônaco é um privilégio. A sua população total é de menos de 40.000 habitantes,

Leia mais

Guia Rápido do Cliente

Guia Rápido do Cliente Guia Rápido do Cliente Seja bem-vindo! Está chegando a hora de viver a vida em Alphaville. Para nós, é um grande prazer recebê-lo e poder compartilhar esse momento de realização com você. Nesse Guia Rápido,

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

Um país para investir, trabalhar e morar

Um país para investir, trabalhar e morar Por que o? Um país para investir, trabalhar e morar Graças ao ambiente favorável para o investimento e ao bom desempenho macroeconômico do país nos últimos anos, o tem se posicionado como destino confiável

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto.

Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Orientações para aquisição de Bens Imóveis Parabéns! Agora que a sua cota já está contemplada e você já recebeu sua CARTA DE CRÉDITO, você poderá concretizar o seu projeto. Lembrando que a análise do seu

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL Os regimes dos Golden Visa e dos Residentes Não Habituais Enquadramento legal António Raposo Subtil / João Ricardo Nóbrega (Managing Partners RSA) ENQUADRAMENTO

Leia mais

Compra de Imóvel nos EUA por Estrangeiro

Compra de Imóvel nos EUA por Estrangeiro 01.15.2015 Por Pieter A. Weyts e Jackson Hwu 1 Compra de Imóvel nos EUA por Estrangeiro Acontece diariamente em Miami e nos Estados Unidos: um residente estrangeiro pronto para fechar a compra de seu primeiro

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

Doing Business in Brazil

Doing Business in Brazil INVESTIR NO BRASIL Doing Business in Brazil Alfeu Pinto Sócio Boccuzzi e Associados 12 de Abril de 2012 Visão Geral sobre o Brasil Área territorial População PIB Regime cambial brasileiro/reservas Forma

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO HOTEL TATUAPÉ ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO

Leia mais

Atividade Rural Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento

Atividade Rural Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento ATIVIDADE RURAL Demonstrativo da Atividade Rural Obrigatoriedade de preenchimento 1. Apurou resultado positivo da atividade rural, em qualquer montante e desde que esteja obrigado a apresentar a DAA; 2.

Leia mais

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel

Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Administrar uso do FGTS no consórcio de imóvel Quais são as possibilidades de uso do FGTS no consórcio? Oferta de lance em consórcio de imóvel residencial O consorciado poderá utilizar até 100% do saldo

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Fiscalidade 2013 Última atualização 2013/09/17. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2013 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais

Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais Empreendimentos no Litoral Norte Costa dos Corais Descrição Empreender projetos de investimento voltados ao turismo (resorts, marinas), lazer (aquários, passeios) e serviços, que sejam ambientalmente compatíveis

Leia mais

INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS

INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS INVESTIR NO BRASIL INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS CONTRATUAIS Cristina Bogado Menezes Advogada RSA Advogados 12 de Abril de 2012 INVESTIMENTO NO BRASIL: ESPECIFICIDADES DOS MODELOS

Leia mais

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1

GUIA DO COMPRADOR. Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br. Pag 1 Pag 1 CRECI J 23 004 Rua Irineu Ferlin, 301 Marau RS Fone (54) 3342 3448 www.marodimimoveis.com.br 1 - QUAL A VANTAGEM DE SE COMPRAR UM IMÓVEL NO SEU LANÇAMENTO? 2 - O QUE SIGNIFICA COMPRAR UM IMÓVEL NA

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS Uma análise sob a ótica contratual LEI ESPECIAL LEI Nº. 4.591, de 16 de dezembro de 1964 (com alterações da Lei nº. 10.931/04) Dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo).

Os bens e direitos formam o ativo. As obrigações, o passivo exigível (ou simplesmente o passivo). Módulo 2 O Patrimônio Conceito. Estão compreendidas no campo de atuação do contabilista as atividades de estudo, controle, exposição e análise do patrimônio, de maneira a poder informar a situação patrimonial

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE: ENDEREÇO: Nº INSCRIÇÃO NO CPF/CNPJ:

DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE: ENDEREÇO: Nº INSCRIÇÃO NO CPF/CNPJ: OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO WISE HOTEL ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE:

Leia mais

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO

Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO Curso de Especialização em MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS E TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo

Leia mais

Câmara Municipal de Cruzeiro Estado de São Paulo

Câmara Municipal de Cruzeiro Estado de São Paulo LIVRO 2/16 LEI N 3056 de 30 de Abril de 1997 Assunto: "Estabelece incentivos para a instalação de novos empreendimentos industriais, comerciais e de serviços no Município". O Exmo. Sr. Prefeito Municipal

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I

III - DEFINIÇÃO DE OBRA AUDIOVISUAL SEGUNDO A LEI Nº 8.401/92, ART. 2o, I Lei do Audiovisual I - FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Criado pela Lei 8.685, de 20.07.93 Regulamentação através do Decreto nº 974, de 08.11.93 Limite para Pessoa Jurídica deduzir do Imposto de Renda alterado de 1%

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO.

INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. INFORMAÇÕES PARA O FORNECEDOR DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. (Com base no Decreto nº 0432, de 23 de setembro de 2003 e Instrução Normativa 019, de 26 de setembro de 2003) 1 - O QUE É O PROGRAMA NOSSA CASA?

Leia mais

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio O Decreto-Lei n.º 39/89, de 2 de Fevereiro, constituiu uma das várias medidas implementadas tendo em vista a criação das condições institucionais e técnico-financeiras

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

O Feirão DA SUA CASA.

O Feirão DA SUA CASA. O Feirão DA SUA CASA. Tudo o que você queria saber sobre o financiamento da CAIXA para comprar, construir ou reformar sua casa. E tudo sobre o Programa Minha Casa Minha Vida para quem ganha até R$ 4.900,00.

Leia mais

Guia de Compra Segura

Guia de Compra Segura Guia de Compra Segura de Apartamentos na planta A compra de um apartamento gera muita dúvida aos consumidores, pensando nisso criamos esse Guia que vai ajudá-lo a entender um pouco do universo do mercado

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação!

Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Prezado (a) Consorciado (a), Parabéns pela contemplação! Para realizar sua contemplação providenciar a documentação solicitada abaixo e levar até uma loja do Magazine Luiza ou representação autorizada

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Válida até 30/03/2011

Válida até 30/03/2011 Tabela de Emolumentos / 2011 (1) Válida até 30/03/2011 Anexo da Portaria nº 1448 /CGJ/2010 (a que se refere o 1º do artigo 2º da Lei n.º 15.424, de 30 de dezembro de 2004, atualizado nos termos do artigo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

O que é a campanha Imposto Justo?

O que é a campanha Imposto Justo? O que é a campanha Imposto Justo? É uma iniciativa popular que busca informar e mobilizar os brasileiros para corrigir injustiças tributárias como, por exemplo, a defasagem na tabela do IRPF (Imposto de

Leia mais

Documentos necessários: passaporte, vistos válidos e outro documento brasileiro com foto.

Documentos necessários: passaporte, vistos válidos e outro documento brasileiro com foto. Abertura de conta bancária nos Estados Unidos As principais vantagens em ter uma conta bancária nos EUA : - Facilidade de transferir e receber divisas do Brasil - Acesso eletrônico, pagamentos, transferência

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

A PREVENÇÃO de uma Perda Financeira A RECUPERAÇÃO DE RECEBÍVEIS de um Devedor Inadimplente A INDENIZAÇÃO do Título de Crédito Não Pago

A PREVENÇÃO de uma Perda Financeira A RECUPERAÇÃO DE RECEBÍVEIS de um Devedor Inadimplente A INDENIZAÇÃO do Título de Crédito Não Pago SEGURO DE CRÉDITO SEGURO DE CRÉDITO DOMÉSTICO - Risco Comercial Valendo-se de uma definição bem simples, é o seguro que garante a qualquer empresa (na condição de segurado e portanto após contratar o respectivo

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? a O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE COMPROMISSO DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEIS, CESSÃO DE DIREITOS AQUISITIVOS SOBRE BENS IMÓVEIS E OUTRAS AVENÇAS As Partes: PROMITENTE VENDEDOR ITAÚ UNIBANCO S.A., com sede em São

Leia mais

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 DISCIPLINA: PORTUGUÊS PROVA DE 2ª FASE FUNDOS IMOBILIÁRIOS Os Fundos de

Leia mais

DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR

DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR DECLARAÇÃO DO INVESTIDOR Eu, [nome completo do adquirente], [qualificação completa, incluindo nacionalidade, profissão e número de documento de identidade oficial e endereço], na qualidade de investidor

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS

GOLDEN VISA. Autorização de Residência INFORMAÇÃO LEGAL I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS INFORMAÇÃO LEGAL GOLDEN VISA I. AUTORIZAÇÃ O DE RESIDÊNCIA PARA INVESTIDORES ESTRANGEIROS As disposições legais em vigor admitem a possibilidade de cidadãos estrangeiros não residentes na União Europeia

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

MUDAR MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A 1ª Emissão de Debêntures Simples

MUDAR MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A 1ª Emissão de Debêntures Simples MUDAR MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A 1ª Emissão de Debêntures Simples ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DAS DEBÊNTURES...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 ASSEMBLÉIAS DE DEBENTURISTAS...6

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A.

PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A. PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A. 1. Objetivos do Plano Geral 1.1 A outorga de opções para a compra de ações, representadas por certificados de depósitos de ações (

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS Artigo 1º O Diretor Presidente poderá conceder o registro

Leia mais

Secretaria da Fazenda

Secretaria da Fazenda DÚVIDAS FREQUENTES IPTU 1) O QUE SIGNIFICA I.P.T.U? IPTU Imposto Predial e Territorial Urbano 2) QUAL A LEGISLAÇÃO PERTINENTE? Constituição Federal Código Tributário Nacional Estatuto das Cidades Código

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

o Cláusulas e Condições Gerais previstas na forma de Anexo I ao Contrato de Promessa de Compra e Venda;

o Cláusulas e Condições Gerais previstas na forma de Anexo I ao Contrato de Promessa de Compra e Venda; Eu, [nome completo do cliente/declarante], [qualificação completa, incluindo nacionalidade, profissão e número de documento de identidade oficial e endereço], na qualidade de investidor interessado na

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Assis do Couto) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Assis do Couto) Cria Área de Livre Comércio no Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev

HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO. Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev HSBC INSTITUIDOR FUNDO MÚLTIPLO Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev Esta Cartilha vai ajudar você a entender melhor o Plano Acricel de Aposentadoria ACRICELPrev,

Leia mais