CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE"

Transcrição

1 CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS ÉTICA E RESPONSABILIDADE VISÃO EXTERNA DA PROFISSÃO: CRÍTICAS E CONTRIBUTOS O LÍDER E A ÉTICA JOSÉ MANUEL FERNANDES

2 CRÍTICAS E CONTRIBUTOS O LÍDER E A ÉTICA A VIDA EM COMUNIDADE IMPLICA CONDIÇÕES DE RELACIONAMENTO ENTRE CIDADÃOS, NA SUA REPRESENTAÇÃO INDIVIDUAL, QUER EM REPRESENTAÇÃO COLECTIVA, DE REGRAS QUE PERMITEM O DESENVOLVIMENTO DOS DIFERENTES RELACIONAMENTOS PELA HARMONIZAÇÃO OU NA GESTÃO COM JUSTIÇA DE EVENTUAIS CONFLITOS. ESTE FUNCIONAMENTO DA VIDA EM COMUNIDADE, TEM VINDO A SER MELHORADO, AO LONGO DOS TEMPOS, NOS SEUS SUPORTES E RESULTADOS, NA MEDIDA EM QUE O HOMEM EM SOCIEDADE TEM EVOLUÍDO NAS ÚLTIMAS DÉCADAS, PARA UMA MAIOR CAPACIDADE DE MOBILIDADE, ASSIM COMO A ACEITAR MAIORES DESAFIOS E CADA VEZ MAIS RESPONSABILIDADES. VAI SENDO UM LUGAR-COMUM, FAZER A DEFESA DOS PRINCÍPIOS E VALORES DE UMA NAÇÃO EVOLUÍDA E MODERNA, NO TER COMO BASE UM EXCELENTE SISTEMA DE EDUCAÇÃO E ENSINO QUE TENHA COMO PRINCIPAL OBJECTIVO A FORMAÇÃO DE CIDADÃOS ALTAMENTE QUALIFICADOS E APTOS A SEREM PORTADORES DE PRÁTICAS DE EXCELÊNCIA COM SUAS VIDAS NAS MAIS DIFERENTES ACTIVIDADES. AQUI NÃO HESITO EM ACRESCENTAR QUE POR SI SÓ É INCOMPLETO ESTE DIAGNÓSTICO SE NÃO INTEGRAR A CAPACIDADE DESSA NAÇÃO PRODUZIR LÍDERES PARA AS SUAS DIFERENTES SOCIEDADES E ACTIVIDADES. SEM QUERER ENTRAR EM DEFINIÇÕES DEIXO UMA AFIRMAÇÃO QUE TEM A SUA COMPONENTE DE POLÉMICA. MUITOS DOS PROBLEMAS QUE VIVEMOS, VEMOS PROGREDIR NAS DITAS SOCIEDADES MODERNAS E EM PARTICULAR NOS PAÍSES ECONOMICAMENTE MAIS DESENVOLVIDOS, TEM A VER COM A CAPACIDADE DE LIDERARANÇA DOS DIRIGENTES, EM QUE SER LÍDER É SINÓNIMO DE SERVIR E AO MESMO TEMPO CRIAR VALOR. SE ANALISARMOS OS RECENTES ACONTECIMENTOS, QUE ORIGINARAM GRANDES DESAIRES NAS VÁRIAS ECONOMIAS MUNDIAIS, COM CONSEQUÊNCIAS DESASTROSAS PARA AS CLASSES MAIS

3 DESFAVORECIDAS, ENCONTRAMOS AS CAUSAS NA QUALIDADE DE LÍDERES QUER PELAS SUAS DECISÕES, QUER PELA AUSÊNCIA DESTAS. PODEMOS ESTRUTURAR AQUI ESTA FACETA DAS LIDERANÇAS DAS SOCIEDADES MODERNAS, DESDE ESTAR EM CAUSA O POSICIONAMENTO DE NAÇÕES NOS SEUS ACORDOS DE ACTUAÇÃO EM BLOCO, PASSANDO PELOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE QUEM GOVERNA, TERMINANDO NO LÍDER TEMPORÁRIO DE UM GRUPO PARA UMA DETERMINADA TAREFA, ATÉ TEMPORAL. TODOS EXERCEM UMA INFLUÊNCIA DETERMINANTE NO RESULTADO FINAL, SEJA ELE BOM OU MAU. SE A LIDERANÇA ESTIVER A SER EXERCIDA COM VALORES E ÉTICA É INDISCUTÍVEL QUE A BANDA DE ERRO É MENOR E CUMPREM MAIS FACILMENTE OS OBJECTIVOS EM QUE A COMPONENTE JUSTIÇA SOCIAL TAMBÉM FICA MAIS PROTEGIDA. LIDERANÇA E ÉTICA DEVEM ANDAR DE MÃOS DADAS E SEREM ORIENTADAS PARA OS RESULTADOS; MAS OS RESULTADOS DEVEM SER CONSEQUÊNCIA DE PRÁTICAS, TAIS COMO: 1) UMA MELHOR PRESTAÇÃO DE SERVIR PARA QUEM NOS DIRIGIMOS 2) INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL DAS DECISÕES E ATITUDES QUE DEVEM SER UM EXEMPLO. 3) PREOCUPAÇÃO PELA EXCELÊNCIA (NA QUALIDADE) DO QUE FAZEMOS E PRODUZIMOS. 4) PREOCUPAÇÃO EM DIRIGIR COM EFICÁCIA, TENDO EM CONTA OS RESULTADOS A ATINGIR. 5) PREOCUPAÇÃO EM CONCRETIZAR NEGÓCIOS E SER JUSTO, PORQUE NINGUÉM NEGOCEIA SOZINHO. 6) DEFENDER COM JUSTIÇA E EQUIDADE OS MEIOS E OS OBJECTIVOS. 7) DEFENDER OS OBJECTIVOS COM INTEGRAÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE. ESTE É UM ENQUADRAMENTO QUE PRETENDO HOJE EVIDENCIAR DO LÍDER. PORTUGAL TEM HOJE UMA CARÊNCIA DE BOAS LÍDERANÇAS EM QUASE TODAS AS FRENTES, O QUE É SEM DÚVIDA UMA CAUSA DIRECTA DOS SINAIS CADA VEZ MAIS INTENSOS DA FALTA DE ÉTICA E PERDA DE VALORES, NA SOCIEDADE PORTUGUESA.

4 EM ENGENHARIA MECÂNICA OU METALÚRGICA, PARA OBTERMOS DE UM AÇO DE LIGA A SUA MELHOR PRESTAÇÃO ÀS SOLICITAÇÕES ADVERSAS, TEMOS DE O TEMPERAR. ISTO FAZ-SE POR O COLOCAR A TEMPERATURAS MUITO ELEVADAS (850 A 1050ºC), SEGUIDO DE ARREFECIMENTO MUITO RÁPIDO. SÓ COM ESTE TRATAMENTO DE CHOQUE À SUA ESTRUTURA, EXTRAÍMOS AS MELHORES CARACTERÍSTICAS PARA A SUA APLICAÇÃO, COMO EM: ALTA RESISTÊNCIA, TENACIDADE, RESISTÊNCIA À FADIGA, RESILIÊNCIA, ETC. FOI NECESSÁRIO DAR AO AÇO UMA TÊMPERA PARA OBTER ESSE ESTÁGIO, PARA OS MELHORES RESULTADOS PARA DIFÍCEIS SOLICITAÇÕES. UMA LIDERANÇA SEM FORMAÇÃO E SEM ÉTICA É DESTRUIDORA E DEMOLIDORA EM TODAS AS FRENTES DE ACTUAÇÃO, EM QUE AQUILO QUE DEVE RESULTAR POR SER AGREGADOR, FUNCIONA AO CONTRÁRIO É DESAGREGADOR. UM LÍDER COM ÉTICA É COMO O AÇO TEMPERADO, PREPARADO PARA RESISTIR ÀS MAIS VARIADAS SOLICITAÇÕES E OBTER OS MELHORES RESULTADOS. MAS UM LÍDER EXERCE A SUA ACTIVIDADE ORIENTADO PARA QUÊ?! PARA OS RESULTADOS 1) OPODER DA LIDERANÇA A PARTIR INTERIOR 2) O PODER JUNTO DAS PESSOAS 3) O PODER DA COMUNICAÇÃO PERSUASIVA 4) O PODER DA EXECUÇÃO 5) O PODER DA FUSÃO LIDERAR + ÉTICA

5 1) LIDERANDO DO INTERIOR A VITÓRIA MAIS DIFÍCIL É SOBRE NÓS PRÓPRIOS (ARISTÓTELES) O AUTO-CONTROLO (CAPACIDADE DE ABSORVER FRUSTRAÇÕES E GERIR EMOÇÕES) VIVER A VIDA ACTIVANDO TODO O NOSSO POTENCIAL UMA OBRIGAÇÃO, OU UMA OPORTUNIDADE VISÃO DE MÉDIO/LONGO PRAZO: QUEM NÃO SABE O QUE PROCURA, NUNCA ENCONTRARÁ TEMPO PARA PENSAR E PLANEAR ANTES DE AGIR NÃO AGIR POR IMPULSOS, OU FORTE INFLUÊNCIA EMOCIONAL VIVER COMO UM VENCEDOR, NUNCA COMO UMA VÍTIMA IDENTIFICAR PESSOAS CAPAZES E DAR-LHES OPORTUNIDADE ÉTICA: VALORES COMO HONESTIDADE E LEALDADE, SÃO CADA VEZ MAIS PROCURADOS, NO MUNDO DOS NEGÓCIOS UM LÍDER CUMPRE PROMESSAS 2) O PODER JUNTO DAS PESSOAS A LIDERANÇA É A ARTE DE OBTER DESEMPENHOS EXTRAORDINÁRIOS, DE PESSOAS NORMAIS (ANÓNIMO) TUDO QUE REALIZAMOS, DEPENDE MAIORITARIAMENTE DOS ESFORÇOS DOS OUTROS LIDERAR COM CARÁCTER DE HUMILDADE LIDERAR COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL PARA MOTIVAR OS OUTROS CONFRONTAR OS PROBLEMAS E NÃO AS PESSOAS CORRIGIR AS PESSOAS, EM VEZ DE AS JULGAR DIRECÇÃO PARA RESULTADOS, É COMO AS EQUIPAS DE FUTEBOL; DE NADA SERVE JOGAR BEM, SE NÃO MARCAM GOLOS SER EXEMPLO EM TUDO SÓ CONSEGUIMOS O MELHOR DOS OUTROS, QUANDO DAMOS O MELHOR DE NÓS PRÓPRIOS, OU SEJA O BOM EXEMPLO COMEÇA EM NÓS.

6 3) O PODER DA COMUNICAÇÃO PERSUASIVA TEMOS PALAVRAS SONANTES A MAIS E ACTOS CORRESPONDENTES A MENOS (ABIGALL ADAMS) COMUNICAR É FAZER COMPREENDER (UMA IDEIA MAL EXPRESSA, JAMAIS TERÁ SUCESSO) AO COMUNICAR O LÍDER DEVE PREOCUPAR-SE COM A INFLUÊNCIA QUE VAI EXERCER NOS OUTROS E NUNCA COM A IMPRESSÃO QUE VAI DEIXAR. OS OUTROS FALAM, OS LÍDERES CONCRETIZAM E VENCEM OS OUTROS IMPRESSIONAM, OS LÍDERES INFLUENCIAM OS OUTROS TENTAM FAZER-SE OUVIR, OS LÍDERES FAZEM-SE COMPREENDER OS OUTROS EXPLICAM, OS LÍDERES TRANSMITEM ENERGIA, VIDA, INTELIGÊNCIA OS OUTROS INFORMAM, OS LÍDERES INSPIRAM 4) O PODER DA EXECUÇÃO A EXECUÇÃO É O TRANSPORTE DO GÉNIO (WILLIAM BLAKE) NINGUÉM CONSTRÓI UMA REPUTAÇÃO, COM BASE NO QUE VAI FAZER (HENRY FORD) NÃO CONFUNDIR FALAR COM AGIR UM LÍDER É UM INFLUENCIADOR, IMPLEMENTADOR E CONTROLADOR, MAS UM POUCO EXECUTIVO. É AVALIADO PELOS RESULTADOS SER OUSADO E PERSISTENTE DEPOIS DOS OBJECTIVOS BEM DEFINIDOS ENERGIA: CAPACIDADE DE MANTER O FOCO E O COMPROMISSO, DIANTE DE COISAS DIFÍCEIS 5) O PODER DA FUSÃO LIDERANÇA E ÉTICA UMA ALIANÇA DÁ PARA O SUCESSO DA GESTÃO UMA ALIANÇA PARA O CRESCIMENTO SUSTENTÁVEL DAS ORGANIZAÇÕES, DE MÃO DADA COM A SOCIEDADE O PRINCÍPIO DA QUALIDADE TOTAL

7 A ÉTICA NA LIDERANÇA E O ROC RESULTADO EXPLOSIVO PELA POSITIVIDADE E BEM COMUM O ROC TAMBÉM PODE SER: UM LÍDER UM PREVISOR UM INFLUENCIADOR UM AGENTE DE MUDANÇA UM DESAFIADOR UM PROVOCADOR UM SOLUCIONADOR PORTUGAL NECESSITA DE LÍDERES CAPAZES E DO APARECIMENTO DE NOVOS LÍDERES. A CAPACIDADE DO AUMENTO DA EFICIÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES, INSTITUIÇÕES, EMPRESAS, GOVERNOS FAZ-SE COM LÍDERES CAPACITADOS, COM VOCAÇÃO EM TODAS AS SUAS PRÁTICAS COM ÉTICA. ESTE É UM DESAFIO SÉRIO EM QUALQUER PROGRAMA DE GOVERNO, NA ECONOMIA, NAS ORGANIZAÇÕES PARA LEVAR POR DIANTE UM PROJECTO DE CRESCIMENTO SÉRIO DE DESENVOLVIMENTO DE UM PAÍS. PORTUGAL HOJE NECESSITA DE AJUDA DE TODOS, MAS TAMBÉM DE HUMILDADE EM SE DEIXAR AJUDAR. NADA DE CAIXAS DE RESSONÂNCIA CONTINUADAS DE LAMENTAÇÕES E DA VALORIZAÇÃO DA INCOMPETÊNCIA DE LIDERANÇAS IRRESPONSÁVEIS OU INCAPAZES. O REVISOR OFICIAL DE CONTAS É COMO AFIRMEI, UM AGENTE ESTRATÉGICAMENTE COLOCADO, COMO INFLUENCIADOR DA MUDANÇA, QUE ESTÁ NA PRIMEIRA LINHA.

8 AS SUAS FUNÇÕES DE ORDEM DE AUTORIDADE COMO LÍDER, EM ÁREAS QUE DEVE INTERVIR, AFIM DE VALORIZAR, A JUSANTE, O SEU TRABALHO, PARA COM O TRABALHO DOS OUTROS. ENTRE OS ATRIBUTOS DAS SUAS FUNÇÕES, HOJE COLOCAM-SE DESAFIOS MAIS OUSADOS, A QUEM POR FORÇA DE UMA FUNÇÃO DE AUDITOR E FISCALIZADOR CAPTA INFORMAÇÃO, SENSIBILIDADES, TENDÊNCIAS, A PARTIR DAS QUAIS PODE CONTEMPLAR POR EVIDÊNCIA, NOS SEUS RELATÓRIOS E REUNIÕES, COMPONENTES PRECISAS DE SOLUÇÕES E DE DESAFIOS RESPONSÁVEIS ÀS ADMINISTRAÇÕES E ACCIONISTAS. ESTAMOS NUMA ENCRUZILHADA DA NOSSA VIDA POLÍTICA NACIONAL, A LUTAR CONTRA UM CICLO DE AJUSTAMENTO E EMPOBRECIMENTO SIMULTÂNEO, QUE TEM ORIGENS AFASTADAS E PRÓXIMAS. SÓ COM DETERMINAÇÃO, EMPENHO E MOBILIZAÇÃO É QUE SOMOS CAPAZES DE SOMAR ENERGIAS, PARA OBTER SOLUÇÕES EFICAZES E PROGRESSO. ISSO FAZ-SE COM BONS LÍDERES, EM QUE A ÉTICA É A SUA FERRAMENTA PRINCIPAL. O ROC É INDISCUTIVELMENTE UM AGENTE DESTA MUDANÇA, QUE NÃO PODE DEMITIR-SE, NO FUTURO, DE TAL CONTRIBUTO, SENDO UM LÍDER CO-RESPONSÁVEL E INFLUENTE COM OUTROS LÍDERES.

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS Visão Externa: Críticas e Contributos O Líder e a Ética 1 Vai sendo um lugar-comum, fazer a defesa dos princípios e valores de uma nação evoluída e moderna, no ter como base um excelente sistema de Educação

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente

Inteligência Emocional. A importância de ser emocionalmente inteligente Inteligência Emocional A importância de ser emocionalmente inteligente Dulce Sabino, 2008 Conceito: Inteligência Emocional Capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

GESTÃO. 7.3-Liderança e estilos de liderança DEG/FHC 1

GESTÃO. 7.3-Liderança e estilos de liderança DEG/FHC 1 GESTÃO 7.3-Liderança e estilos de liderança DEG/FHC 1 Liderança Capacidade para influenciar pessoas de forma a conseguir atingir os objectivos e metas da organização. Implica o envolvimento do líder com

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

Resiliência. Ana Paula Alcantara Maio de 2013. 4º CAFÉ DA GESTÃO Seplag/TJCE

Resiliência. Ana Paula Alcantara Maio de 2013. 4º CAFÉ DA GESTÃO Seplag/TJCE Resiliência Conceito Emprestado pela física à psicologia do trabalho, a resiliência é a capacidade de resistir às adversidades e reagir diante de uma nova situação. O conceito de resiliência tem origem

Leia mais

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda.

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda. Teste Página 2 % Especialista Barganhador Confrontador Provedor Articulador Sonhador MIN 47,04 37,00 23,02 46,15 27,05 18,24 AUTO 15,49 0,40 25,58 73,78 99,00 82,34 MÁX 79,07 54,9 52,91 75,53 52,57 46,59

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades

Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades Ética e Práticas de Governação Desafios e Responsabilidades X Congresso dos Revisores Oficiais de Contas 21 e 22 de Outubro 2010, Museu do Oriente José Manuel MOREIRA Universidade de Aveiro Será que há

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Inteligência Emocional e Liderança

Inteligência Emocional e Liderança Inteligência Emocional e Liderança (no trabalho e na vida ) (Maio 2010) O QUE É QUE OS BONS LÍDERES FAZEM BEM? Comunicar uma visão de futuro Desencadear e gerir a mudança Planear e decidir com eficácia

Leia mais

A busca pela Excelência no Atendimento aos Clientes

A busca pela Excelência no Atendimento aos Clientes PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO A busca pela Excelência no Atendimento aos Clientes José Renato Sátiro Santiago O que é o atendimento? Atender o público O que é o atendimento? Ouvir suas necessidades O que é o

Leia mais

ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE.

ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE. ACREDITAMOS QUE O FUTURO É ALGO QUE CRIAMOS E NÃO ALGO QUE NOS ACONTECE. A FibNet Engenharia e Telecomunicações, S.A. - surgiu no mercado das telecomunicações em 2000 como fornecedor de soluções integradas,

Leia mais

A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas

A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas A Dimensão RH e sua Otimização no Relacionamento das Condições de Trabalho na Câmara Municipal de Cascais Ana Maria Canas 20 de Março de 2015 Auditório da Casa das Histórias da Paula Rego GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATE GOVERNANCE E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS 27-11-2014 Carlos Tavares 1. O tema do governo societário ganhou especial relevo na sequência do desencadear da crise financeira ainda em curso,

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados.

Existe, por isso, uma necessidade evidente de reforçar os laços entre representantes e representados. Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da Região Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores Senhoras Deputadas e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo A democracia representativa

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

Programa de Acção da Candidatura a Presidente

Programa de Acção da Candidatura a Presidente Programa de Acção da Candidatura a Presidente do Instituto Politécnico de Beja de Manuel Alberto Ramos Maçães 1 Índice I. O Porquê da Candidatura II. III. IV. Intenção Estratégica: Visão, Envolvimento

Leia mais

CONFERÊNCIA ENGENHARIA MECÂNICA QUE FUTURO?

CONFERÊNCIA ENGENHARIA MECÂNICA QUE FUTURO? José Manuel Fernandes 03 Maio 2012 FREZITE Ordem dos Engenheiros Engenharia Mecânica Que Futuro? 1 Contexto 1- CONTEXTO No universo da economia do conhecimento que as sociedades estão a viver, existem

Leia mais

O sonho do treinador específico = Sonho de guarda-redes Apenas 32 equipas profissionais, o que não impede a exigência de profissionalismo noutras divisões Num mundo de poucas oportunidades, só a qualidade

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Internet World Portugal 98

Internet World Portugal 98 Internet World Portugal 98 MITOS E DESAFIOS DA INTERNET NA EDUCAÇÃO António Dias de Figueiredo Departamento de Engenharia Informática UNIVERSIDADE DE COIMBRA adf@dei.uc.pt http://www.dei.uc.pt/~adf Educação

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012

MENSAGEM DO PRESIDENTE2012 1. Pela 12 ª vez relatamos atividades e prestamos contas. Este é dos actos mais nobres de um eleito, mostrar o que fez, como geriu o dinheiro dos cidadãos, dar transparência à governação. Constitui um

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Dia do Médico Moçambicano: Momento de celebração e reflexão sobre desafios da classe e do sector Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

Líderes, dirigentes, executivos ou chefes: o que está em excesso ou em falta no sector de base florestal?

Líderes, dirigentes, executivos ou chefes: o que está em excesso ou em falta no sector de base florestal? TECNICELPA Portugal- Artigo de Opinião Celso Foelkel Líderes, dirigentes, executivos ou chefes: o que está em excesso ou em falta no sector de base florestal? A famigerada e actual crise financeira e económica

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

Due Diligence Aspectos Práticos

Due Diligence Aspectos Práticos Due Diligence Aspectos Práticos Foi tendo em conta os aspectos práticos do tema que o Dr. Ivo Renato Moreira de Faria Oliveira apresentou o trabalho sobre o Due Diligence Financeiro no Contexto de uma

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal

Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal Gestão de Activos Humanos na Saúde Pessoas ou Pessoal Itinerário 15 m Gerir em Tempos difíceis Gerir Investimento Pessoas vs Pessoal O m Importância do Capital Humano 2 Não há gestão de Recursos Humanos.......

Leia mais

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU!

BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! BEST WORK PORQUE O MELHOR TRABALHO É SÓ UM. O SEU! ENQUANTO UNS ESTÃO CONFUSOS, VOCÊ DEMONSTRA CLAREZA ENQUANTO UNS ESTÃO CONSTRANGIDOS, VOCÊ É FLEXÍVEL ENQUANTO UNS VEEM ADVERSIDADE, VOCÊ DESCOBRE OPORTUNIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR

REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR REGULAMENTO DE ÉTICA DA ANSR Oeiras, Agosto de 2010 Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Regulamento interno de ética e boas práticas Introdução O presente regulamento de ética e deontologia elaborado

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NO AMBIENTE DE TRABALHO A INTELIGÊNCIA EMOCIONAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Solange Moreira dos Santos 1 Carina Aparecida Cervi 2 RESUMO No ambiente de trabalho as pessoas são colocadas diariamente em situações de extrema pressão,

Leia mais

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira

Leia mais

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO

CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO CAFÉ DA MANHÃ COM GESTÃO Todas as sextas-feiras das 08 as 09. Pontualmente Cada sexta se escolhe o palestrante da próxima Tema relacionado à Gestão. Escolha do sorteado Todos os gerentes da SEPLAG e interessados

Leia mais

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz

Cegoc Moçambique O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE. cegoc.co.mz Cegoc Moçambique Formação e Consultoria em Capital Humano O MAIOR GRUPO EUROPEU DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGORA EM MOÇAMBIQUE cegoc.co.mz O maior grupo europeu de formação profissional agora em Moçambique

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Aprender a Estudar Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Cada pessoa tem dentro dele um fragmento de boas notícias. A boa notícia é que cada um de nós não sabe o quão extraordinário

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR. Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Relatório de auditoria para efeitos de supervisão prudencial das empresas de seguros O revisor oficial de contas (ROC) é reconhecido na legislação e regulamentação em vigor

Leia mais

1. Resolver um problema

1. Resolver um problema 1. Resolver um problema resolução de problemas no futebol inclui o conjunto de etapas essenciais à realização de uma A ação. Resolver um determinado problema é ter a capacidade de: Identificar o problema:

Leia mais

4º CONGRESSO DOS TREINADORES DE LÍNGUA PORTUGUESA

4º CONGRESSO DOS TREINADORES DE LÍNGUA PORTUGUESA O PAPEL DOS TREINADORES NA FORMAÇÃO DESPORTIVA DOS JOVENS PRATICANTES A EDUCAÇÃO PARA OS VALORES ATRAVÉS DA PRÁTICA DESPORTIVA Prof. Dr. Carlos Gonçalves Ericeira, 11 de Julho de 2012 LEGITIMAÇÃO DO APOIO

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

AB Volvo, 405 08 Gotemburgo, Suécia. Ref No 953810014, de agosto de 2009. The Volvo Way

AB Volvo, 405 08 Gotemburgo, Suécia. Ref No 953810014, de agosto de 2009. The Volvo Way AB Volvo, 405 08 Gotemburgo, Suécia Ref No 953810014, de agosto de 2009 The Volvo Way Índice Prefácio Nossa missão Os clientes em primeiro lugar Foco no cliente Objetivos claros Qualidade, segurança e

Leia mais

A Ética contextualizada - A pessoa, o profissional, a empresa, a organização. Prof. José Manuel Moreira ( Univ. Aveiro )

A Ética contextualizada - A pessoa, o profissional, a empresa, a organização. Prof. José Manuel Moreira ( Univ. Aveiro ) A Ética no contexto da Sociedade do Conhecimento e da Informação 5 de Novembro de 2004 Ordem dos Engenheiros A Ética contextualizada - A pessoa, o profissional, a empresa, a organização Prof. José Manuel

Leia mais

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases

Pequenas, mas com vontades próprias, as. crianças expressam as suas emoções de. formas muito distintas ao longo das várias fases Newsletter N.º 19 Janeiro/Fevereiro 11 5 Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças expressam as suas emoções de formas muito distintas ao longo das várias fases da infância. Mas é entre os 2 e os

Leia mais

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR

PORTUGAL. INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009. Ciclo de Workshops INOVAR PARA COMPETIR PORTUGAL INDÚSTRIA AUTOMÓVEL DIAGNÓSTICO Hotel Boavista, 17 de Dezembro de 2009 1. Portugal: indústria automóvel Diagnóstico 2. Portugal: mudança de paradigma - Indústria conversão para VE s 3. Portugal:

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Brochura GrowUpServices

Brochura GrowUpServices Brochura GrowUpServices 1. O QUE FAZEMOS 1. Quem Somos 03-12-2015 3 1. Quem Somos A GROWUPSERVICES é uma marca da GROWUPIDEAS e que actua na área da consultoria de negócios. Entre os seus sócios acumulam-se

Leia mais

branding O poder das marcas

branding O poder das marcas branding O poder das marcas Penso, logo existe O mercado actual não é para os tímidos. Para vencer é preciso atitude e nada melhor do que um bom logo para demonstrar a garra e determinação de uma empresa.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 1. OBJECTIVO ADVOGADOS O presente Guia visa concretizar os pressupostos para o cumprimento dos

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores

Sindicato Nacional do Ensino Superior - Associação Sindical de Docentes e Investigadores PROGRAMA DA DIREÇÃO DO SNESup Lista A Mandato 2012-2014 Vivemos uma crise, um período em que as respostas às dificuldades sentidas já não são conseguidas no quadro em que nos situamos. Apesar dos naturais

Leia mais

Relação Escola Família - Comunidade

Relação Escola Família - Comunidade Relação Escola Família - Comunidade Profª Manuela Matos (*) Cabe-me abordar o tema relação escola - família comunidade. Tentarei, para o efeito, mobilizar a minha experiência profissional (como educadora

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação

Código de Ética da Parpública. Ética - Princípios e valores fundamentais. Âmbito de aplicação Código de Ética da Parpública Âmbito de aplicação Aplica-se a todos os colaboradores da Parpública sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis ou a que por inerência do exercício

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro de 2012

Mensagem do 1º de Dezembro de 2012 Mensagem do 1º de Dezembro de 2012 Por S.A.R. o Duque de Bragança 1 Portugueses: Estamos a viver mais um 1º de Dezembro, o dia em que se afirmou a vontade de independência nacional e os portugueses disseram

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais